Conferência do Banco de Portugal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conferência do Banco de Portugal"

Transcrição

1 Conferência do Banco de Portugal Desenvolvimento Económico português no espaço europeu Factores de desenvolvimento e reformas estruturais VÍTOR CONSTÂNCIO Lisboa 11 de Março de 2004

2 Taxa de crescimento do PIB real e do PIB potencial Fonte: Eurostat e B,P,

3 Taxas de crescimento do PIB, da Produtividade e do emprego Taxas de crescimento: PIB potencial 5,5 % 3,4 % 3,1 % 2,9 % Produtividade total dos factores 3,9 % 0,8 % 1,9 % 0,5 % Produtividade do trabalho 4,0 % 2,6 % 3,0 % 1,7 % Emprego 0,7 % 0,6 % 0,9 % 1,4 % Fonte: B.P.

4 Nível de produtividade por empregado (em % de UE-15 = 100) Bulgaria Roménia Turquia Letónia Lithuania Estonia Eslovaquia Polónia 10 Rep Checa Hungria Portugal Eslovénia Malta Chipre Grécia Espanha EU Italia Alemanha Área Euro UE 15 Reino Unido Suécia Finlandia Belgica Austria França Dinamarca Holanda Irlanda Luxembourg Fonte: AMECO

5 O DESAFIO DO ALARGAMENTO Salário Mínimo (em ) Salário Mínimo (em%) PIB por habitante (em ) PIB por habitante (em %) Produto por empregado Produto por empregado 2002 (em ) (em%) Portugal % % % Países do alargamento ,2% ,3% ,2% Dos quais: Polónia ,2% ,4% ,8% Rep, Checa ,8% ,8% % Hungria % ,1% ,8% Eslovénia % ,9% ,5%

6 FACTORES E TEORIAS DO CRESCIMENTO Produto / Rendimento Progresso técnico e I & D Endógeno Inputs de Capital e Trabalho Produtividade Capital humano Infra- -estruturas Parcialmente Endógeno Exógeno Comércio externo Geografia e recursos naturais Instituições Estabilidade macro Mercados eficientes Qualidade da Administração e Regulação Estado de Direito Estabilidade política Fonte: Inspirado em Dani Rodrik (2003) In search of prosperity e D.Rodrik, A. Subramanian e F. Trebbi (2002) Institutions rule: the primacy of Institutions over Geography and Integration in economic development

7 DETERMINANTES DO DESENVOLVIMENTO: O PRIMADO DAS INSTITUIÇÕES Variáveis explicativas Geografia Instituições Grau de Abertura PIB t- Student * Regressão do Artigo de Rodrik, Dani, A. Subremanian e F. Trebbi Institutions rule: the primacy of Institutions over Geography and Integration, in Economic Development, A variável Instituições é o índice do Banco Mundial sobre «Governance», desenvolvido por D. Kaufman, A. Kraay e M. Mastruzzi. A variável instrumental para as Instituições é a usada por Acemoglu, Daron et al. A variável instrumental para o «Grau de Abertura» é a usada por J. Frankel e D. Romer.

8 Alguns determinantes do crescimento Estabilidade Macroeconómica Grau de abertura da economia Mercados eficientes concorrência, regulação e burocracia Mercado de produtos Mercado de trabalho Administração Pública independente e qualificada Recursos Humanos e Educação Tecnologia e I & D Estado de Direito Justiça e direitos económicos

9 Crescimento comparado na UE e nos EUA EUA UNIÃO EUROPEIA CRESCIMENTO ANUAL DO PIB REAL ,9 % 2,1 % ,6 % 2,4 % ,1 % 2,2 % CRESCIMENTO DO PIB REAL POR HABITANTE EUA 1,9 % 2,3 % 2,0 % UNIÃO EUROPEIA 1,8 % 2,1 % 1,9 %

10 Produtividade, trabalho, lazer e PIB per capita (2000): Escolhas sociais nos USA e na UE PIB por hora USA 100 França Horas trabalhadas por empregado USA 100 França 82 Emprego / Pop. em Idade de trabalhar USA 100 França 83.5 Pop. em Idade de trabalhar / População USA 100 França 98.2 PIB por empregado USA 100 França 86.3 Nºde empregados / População USA 100 França 82 PIB per capita USA 100 França 70.7 Fonte: Inspirado em A.Turner What s wrong with Europe s economy e com números de André Sapir & al (2003) An Agenda for a growing Europe,

11 TAXAS DE CRESCIMENTO DO PIB, DO EMPREGO E DA PRODUTIVIDADE POR HORA PIB EMPREGO (Horas trabalhadas) PRODUTIVIDADE (PIB por hora) UE EUA UE EUA UE EUA Fonte: André Sapir & al (2003) An Agenda for a growing Europe, page 25

12 Macro environment Irlanda Growth Competitiveness Index do World Forum (2003) Espanha Portugal General Index Techonology Index Public Institutions Index Suiça Singapura Noruega Islândia Taiwan Austrália Suécia Dinamarca Grécia EUA Finlândia

13 Alguns determinantes do crescimento Estabilidade Macroeconómica Grau de abertura da economia Mercados eficientes concorrência, regulação e burocracia Mercado de produtos Mercado de trabalho Administração Pública independente e qualificada Recursos Humanos e Educação Tecnologia e I & D Estado de Direito Justiça e direitos económicos

14 Indicadores de qualidade das Instituições Governance Matters III: Governance Indicators for Daniel Kaufmann Aart Kraay Massimo Mastruzzi The World Bank June 30, 2003 Seis indicadores de Governance, construídos para 199 países com base em 25 surveys de 18 Organizações diferentes.

15 Normalized Voice and Accountability Index HIGH Voice and Accountability (Chosen comparator also shown for selected countries) GREECE ITALY SPAIN PORTUGAL IRELAND Note: Blue dots represent estimates for the 2002 governance indicators. The thin vertical lines represent standard errors around these estimates for each country in world-wide sample. Black dot represents the chosen year comparator (if any). To add or delete countries from the chart, click on the "Country Selection" tab below. SWEDEN -3 LOW 199 Countries Source: "Governance Matters III: Governance Indicators for " by Daniel Kaufmann, Aart Kraay and Massimo Mastruzzi, Disclaimer: The governance indicators presented here reflect the statistical compilation of responses on the quality of governance given by a large number of enterprise, citizen and expert survey respondents in industrial and developing countries, as reported by a number of survey institutes, think tanks, non-governmental organizations, and international organizations. The aggregate indicators in no way reflect the official position of the World Bank, its Executive Directors, or the countries they represent. As discussed in detail in the accompanying papers, countries' relative positions on these indicators are subject to margins of error that are clearly indicated. Consequently, precise country rankings should not be inferred from this data.

16 Normalized Political Instability and Violence Index HIGH Political Stability (Chosen comparator also shown for selected countries) ITALY SPAIN GREECE IRELAND Note: Blue dots represent estimates for the 2002 governance indicators. The thin vertical lines represent standard errors around these estimates for each country in world-wide sample. Black dot represents the chosen year comparator (if any). To add or delete countries from the chart, click on the "Country Selection" tab below. SWEDEN PORTUGAL -3 LOW 186 Countries Source: "Governance Matters III: Governance Indicators for " by Daniel Kaufmann, Aart Kraay and Massimo Mastruzzi, Disclaimer: The governance indicators presented here reflect the statistical compilation of responses on the quality of governance given by a large number of enterprise, citizen and expert survey respondents in industrial and developing countries, as reported by a number of survey institutes, think tanks, non-governmental organizations, and international organizations. The aggregate indicators in no way reflect the official position of the World Bank, its Executive Directors, or the countries they represent. As discussed in detail in the accompanying papers, countries' relative positions on these indicators are subject to margins of error that are clearly indicated. Consequently, precise country rankings should not be inferred from this data.

17 Normalized Government Effectiveness Index HIGH Government Effectiveness (Chosen comparator also shown for selected countries) GREECE ITALY PORTUGAL SPAIN IRELAND SWEDEN Note: Blue dots represent estimates for the 2002 governance indicators. The thin vertical lines represent standard errors around these estimates for each country in world-wide sample. Black dot represents the chosen year comparator (if any). To add or delete countries from the chart, click on the "Country Selection" tab below. -3 LOW 195 Countries Source: "Governance Matters III: Governance Indicators for " by Daniel Kaufmann, Aart Kraay and Massimo Mastruzzi, Disclaimer: The governance indicators presented here reflect the statistical compilation of responses on the quality of governance given by a large number of enterprise, citizen and expert survey respondents in industrial and developing countries, as reported by a number of survey institutes, think tanks, non-governmental organizations, and international organizations. The aggregate indicators in no way reflect the official position of the World Bank, its Executive Directors, or the countries they represent. As discussed in detail in the accompanying papers, countries' relative positions on these indicators are subject to margins of error that are clearly indicated. Consequently, precise country rankings should not be inferred from this data.

18 Normalized Regulatory Burden Index HIGH LOW Regulatory Quality (Chosen comparator also shown for selected countries) 195 Countries Source: "Governance Matters III: Governance Indicators for " by Daniel Kaufmann, Aart Kraay and Massimo Mastruzzi, Disclaimer: The governance indicators presented here reflect the statistical compilation of responses on the quality of governance given by a large number of enterprise, citizen and expert survey respondents in industrial and developing countries, as reported by a number of survey institutes, think tanks, non-governmental organizations, and international organizations. The aggregate indicators in no way reflect the official position of the World Bank, its Executive Directors, or the countries they represent. As discussed in detail in the accompanying papers, countries' relative positions on these indicators are subject to margins of error that are clearly indicated. Consequently, precise country rankings should not be inferred from this data. GREECE ITALY SPAIN PORTUGAL IRELAND Note: Blue dots represent estimates for the 2002 governance indicators. The thin vertical lines represent standard errors around these estimates for each country in world-wide sample. Black dot represents the chosen year comparator (if any). To add or delete countries from the chart, click on the "Country Selection" tab below. SWEDEN

19 3 HIGH Regulatory Quality Normalized Regulatory Burden Index (Chosen comparator also shown for selected countries) 195 Countries GREECE PORTUGAL SPAIN IRELAND ITALY -2 LOW -3 GDP Per Capita (PPP, logs) Note: Note: Blue dots represent the estimates of governance for each country for which data is available. Selected countries are labelled, and vertical bars displaying the 90% confidence interval for the governance estimate are also shown. Source: "Governance Matters III: Governance Indicators for " by Daniel Kaufmann, Aart Kraay and Massimo Mastruzzi, Disclaimer: The governance indicators presented here reflect the statistical compilation of responses on the quality of governance given by a large number of enterprise, citizen and expert survey respondents in industrial and developing countries, as reported by a number of survey institutes, think tanks, non-governmental organizations, and international organizations. The aggregate indicators in no way reflect the official position of the World Bank, its Executive Directors, or the countries they represent. As discussed in detail in the accompanying papers, countries' relative positions on these indicators are subject to margins of error that are clearly indicated. Consequently, precise country rankings should not be inferred from this data.

20 Normalized Rule of Law Index HIGH Rule of Law (Chosen comparator also shown for selected countries) GREECE ITALY SPAIN PORTUGAL IRELAND SWEDEN -2-3 LOW 195 Countries Source: "Governance Matters III: Governance Indicators for " by Daniel Kaufmann, Aart Kraay and Massimo Mastruzzi, Disclaimer: The governance indicators presented here reflect the statistical compilation of responses on the quality of governance given by a large number of enterprise, citizen and expert survey respondents in industrial and developing countries, as reported by a number of survey institutes, think tanks, non-governmental organizations, and international organizations. The aggregate indicators in no way reflect the official position of the World Bank, its Executive Directors, or the countries they represent. As discussed in detail in the accompanying papers, countries' relative positions on these indicators are subject to margins of error that are clearly indicated. Consequently, precise country rankings should not be inferred from this data. Note: Blue dots represent estimates for the 2002 governance indicators. The thin vertical lines represent standard errors around these estimates for each country in world-wide sample. Black dot represents the chosen year comparator (if any). To add or delete countries from the chart, click on the "Country Selection" tab below.

21 3 HIGH Control of Corruption (Chosen comparator also shown for selected countries) PORTUGAL SPAIN IRELAND SWEDEN Normalized Corruption Index 0-3 LOW 195 Countries Source: "Governance Matters III: Governance Indicators for " by Daniel Kaufmann, Aart Kraay and Massimo Mastruzzi, Disclaimer: The governance indicators presented here reflect the statistical compilation of responses on the quality of governance given by a large number of enterprise, citizen and expert survey respondents in industrial and developing countries, as reported by a number of survey institutes, think tanks, non-governmental organizations, and international organizations. The aggregate indicators in no way reflect the official position of the World Bank, its Executive Directors, or the countries they represent. As discussed in detail in the accompanying papers, countries' relative positions on these indicators are subject to margins of error that are clearly indicated. Consequently, precise country rankings should not be inferred from this data. GREECE ITALY Note: Blue dots represent estimates for the 2002 governance indicators. The thin vertical lines represent standard errors around these estimates for each country in world-wide sample. Black dot represents the chosen year comparator (if any). To add or delete countries from the chart, click on the "Country Selection" tab below.

22 Alguns determinantes do crescimento Estabilidade Macroeconómica Grau de abertura da economia Mercados eficientes concorrência, regulação e burocracia Mercado de produtos Mercado de trabalho Administração Pública independente e qualificada Recursos Humanos e Educação Tecnologia e I & D Estado de Direito Justiça e direitos económicos

23 Alguns determinantes do crescimento Estabilidade Macroeconómica Grau de abertura da economia Mercados eficientes concorrência, regulação e burocracia Mercado de produtos Mercado de trabalho Administração Pública independente e qualificada Recursos Humanos e Educação Tecnologia e I & D Estado de Direito Justiça e direitos económicos

24 Indice de liberdade económica do Fraser Institute Hong Kong Singapore United States New Zealand United Kingdom Canada Switzerland Ireland Australia Netherlands Luxembourg Finland Iceland Austria Denmark Unit. Arab Em. Estonia Belgium Oman Germany Chile Mauritius El Salvador Portugal Panama Sweden Bahrain South Korea Botswana Trinidad & Tob. Taiwan Costa Rica Norway Japan Jamaica Spain (Publicação de 2003 com dados de 2001)

25 Fonte: REGULATION, PRODUCTIVITY, AND GROWTH: OECD EVIDENCE Giuseppe Nicoletti and Stefano Scarpetta, World Bank, 2003

26 Fonte: OCDE

27 Preços da electricidade Portugal U E - 15 Espanha Grécia Irlanda Itália França Preços em 2002 (Euros /MWh) Famílias Grandes Empresas Indústria Pequenas empresas Fonte: Eurostat

28 Alguns determinantes do crescimento Estabilidade Macroeconómica Grau de abertura da economia Mercados eficientes concorrência, regulação e burocracia Mercado de produtos Mercado de trabalho Administração Pública independente e qualificada Recursos Humanos e Educação Tecnologia e I & D Estado de Direito Justiça e direitos económicos

29 Alguns determinantes do crescimento Estabilidade Macroeconómica Grau de abertura da economia Mercados eficientes concorrência, regulação e burocracia Mercado de produtos Mercado de trabalho Administração Pública independente e qualificada Recursos Humanos e Educação Tecnologia e I & D Estado de Direito Justiça e direitos económicos

30 Percentagem do grupo etário com educação secundária completa (2001) Coreia Noruega Eslováquia Japão Rep. Checa Suíça Suécia Canadá Estados Unidos Finlândia Dinamarca Alemanha Áustria Nova Zelândia Hungria França Bélgica Países Baixos Irlanda Grécia Austrália Reino Unido Islândia Luxemburgo Itália Espanha Polónia Portugal Turquia México Fonte: OCDE

31 Percentagem da população dos 25 aos 34 anos que concluiu o ensino superior (2001) Canadá Irlanda Japão Coreia Estados Unidos Finlândia Noruega Bélgica Suécia Espanha França Austrália Reino Unido Dinamarca Nova Zelândia Países Baixos Islândia Suíça Grécia Luxemburgo Alemanha México Polónia Hungria Áustria Portugal Eslováquia Itália República Checa Turquia Fonte: OCDE

32 Aprendizagem ao longo da vida (percentagem de indivíduos de anos que participaram em educação ou treino no mês anterior à EU Labor Force Survey) Suécia Islândia Reino Unido Noruega Dinamarca Finlândia Países Baixos Eslovénia Irlanda Letónia Chipre Luxemburgo Áustria França Bélgica Estónia Hungria Alemanha Espanha Rep. Checa Polónia Eslováquia Lituânia Itália Malta Grécia Portugal Bulgária Roménia Fonte: OCDE

33 Despesa pública total em educação, em percentagem do PIB (2000) Turquia Japão Grécia Eslováquia Coreia Irlanda Rep. Checa Espanha Alemanha Itália Reino Unido Países Baixos México Hungria Estados Unidos Austrália Bélgica Polónia Suíça Canadá Portugal Áustria França Finlândia Islândia Noruega Nova Zelândia Suécia Dinamarca Primário, básico e secundário Superior Outros Fonte: OCDE

34 Despesa por estudante (da primária ao ensino superior) em relação ao PIB per capita (2000) Fonte: OCDE Suíça Áustria Estados Unidos Dinamarca Suécia Coreia Itália Canadá Portugal Austrália França Alemanha Japão Espanha Bélgica Hungria Finlândia Noruega Islândia Polónia Países Baixos Grécia Rep. Checa Reino Unido México Eslováquia Irlanda

35 Rácio dos salário dos professores em relação ao PIB per capita - Educação secundária Coreia México Portugal França Alemanha Espanha Japão Irlanda Bélgica (Fr.) Itália Country mean Áustria Grécia Bélgica Nova Zelândia Rep. Checa Finlândia Países Baixos Inglaterra Austrália Dinamarca Estados Unidos Escócia Noruega Suécia Eslováquia Islândia Hungria Turquia Salário inicial Salário após 15 anos de experiência Salário no topo de carreira Fonte: OCDE

36 Número de alunos por professor em instituições públicas e privadas (2001) México Coreia Canadá Turquia P. Baixos EUA N. Zelândia Polónia Alemanha Japão Suécia Reino Unido Finlândia Rep. Checa Eslováquia Dinamarca França Hungria Espanha Itália Bélgica Áustria Grécia Noruega Luxemburgo Portugal Primária Básico e secundário Fonte: OCDE

37 Resultados nos exames do Programa PISA da OCDE: Posição de Portugal entre 27 países Leitura Matemática Ciências 25º 25º 26º Nota: Portugal é 5º nas despesas com Educação primária, básica e secundária em % do PIB e 21º em PIB per capita em PPP Fonte: OCDE

38 Taxas de retorno privadas da educação Secundário Superior Portugal (1999) Reino Unido (2000) Estados Unidos (1999) França (2000) Países Baixos (1997) Canadá (2000) Suécia (1999) Japão (1999) Itália (1998) Dinamarca (1999) Alemanha (1998) Média não ponderada Notas: As taxas de retorno são baseadas nos rendimentos após impostos e na duração da escolaridade, tendo igualmente em conta o risco de desemprego Fonte: OCDE, 2003

39 Alguns determinantes do crescimento Estabilidade Macroeconómica Grau de abertura da economia Mercados eficientes concorrência, regulação e burocracia Mercado de produtos Mercado de trabalho Administração Pública independente e qualificada Recursos Humanos e Educação Tecnologia e I & D Estado de Direito Justiça e direitos económicos

40 INDICADORES DE I & D e TECNOLOGIA Portugal Espanha Grécia Irlanda DESPESAS EM I & D EM % DO PIB 0,62 % 0,90% 0,51% 1,39% EXPORTAÇÕES TECNOLÓGICAS (em % do total) 30,4 % 26,3% 23,2% 71,2% Suécia Finlândia 3,80% 3,19% 55,3% 47,1% Fonte: OCDE 2000

41 INDICADORES DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO em % de produção industrial Sector produtor de T.I.C. 2,02 % 5,35 % Sectores utilizadores intensivos de T.I.C. 18,81% 21,18% Sectores com fraca utilização de T. I.C. 75,8% 73,37%

42 INVESTIMENTO EM CONHECIMENTO EM % DO PIB Investmento em conhecimento, em % do PIB, 2000 Suécia Estados Unidos Finlândia Coreia Canadá Suíça Dinamarca (1999) OCDE (1999) Alemanha Países Baixos Japão França Bélgicas (1999) Reino Unido Austrália EU Áustria Noruega Rep. Checa Irlanda Hungria Espanha Eslováquia (1999) Itália Portugal Polónia México (1999) Grécia (1999) I&D Software Educação superior Fonte: OCDE

43 INDICADORES DE INFRAESTRUTURAS INDÍCE DA OCDE EUA 1995=100 Portugal Espanha Grécia Irlanda Itália Áustria Bélgica França Dinamarca Suécia Finlândia Fonte: OCDE

44 Alguns determinantes do crescimento Estabilidade Macroeconómica Grau de abertura da economia Mercados eficientes concorrência, regulação e burocracia Mercado de produtos Mercado de trabalho Administração Pública independente e qualificada Recursos Humanos e Educação Tecnologia e I & D Estado de Direito Justiça e direitos económicos

45 INDICADORES DO SISTEMA LEGAL Respeito da Lei Eficiência do Sistema judicial Corrupção Acesso dos cidadãos à Justiça Execução de contratos União Europeia 8,97 8,63 8,74 7,86 7,25 Portugal 8,68 5,5 7,38 7,5 4,54 Espanha 7,8 6,25 7,38 5 6,23 Grécia 6,18 7,0 7,27 5 5,81 Fonte: J, Albuquerque Tavares (2002) Firms, Financial markets and economic growth in Portugal (Conferência do BP)

46 Alguns determinantes do crescimento Estabilidade Macroeconómica Grau de abertura da economia Mercados eficientes concorrência, regulação e burocracia Mercado de produtos Mercado de trabalho Administração Pública independente e qualificada Recursos Humanos e Educação Tecnologia e I & D Estado de Direito Justiça e direitos económicos

Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007. João Amador Seminário de Economia Europeia. Economia Portuguesa e Europeia. Exame de 1 a época

Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007. João Amador Seminário de Economia Europeia. Economia Portuguesa e Europeia. Exame de 1 a época Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007 FaculdadedeEconomia João Salgueiro João Amador Seminário de Economia Europeia Economia Portuguesa e Europeia Exame de 1 a época 5 de Janeiro de 2007 Atenção:

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES Eduardo Augusto Guimarães Maio 2012 Competitividade Brasil 2010: Comparação com Países Selecionados. Uma chamada para a ação África

Leia mais

O trabalho da Organização das Nações Unidas

O trabalho da Organização das Nações Unidas O trabalho da Organização das Nações Unidas Report A Inclusion Europe e os seus 49 membros de 36 países lutam contra a Inclusion Europe and its 47 members in these 34 countries are fighting exclusão social

Leia mais

imigração e comércio internacional no contexto da integração europeia o caso português

imigração e comércio internacional no contexto da integração europeia o caso português imigração e comércio internacional no contexto da integração europeia o caso português Nuno Gonçalves Ana Paula Africano Resumo: Palavras-chave Códigos JEL Abstract: Keywords model. JEL Codes 41 estudos

Leia mais

Universidades Europeias diversificam financiamento

Universidades Europeias diversificam financiamento Universidades Europeias diversificam financiamento Maria da Graça Carvalho IST, PE Grupo PPE Manuel Loureiro - ULHT Ensino Superior: avaliação e sustentabilidade 28 de Fevereiro 2011, Lisboa ISG Instituto

Leia mais

EDUCAÇÃO. Base do Desenvolvimento Sustentável

EDUCAÇÃO. Base do Desenvolvimento Sustentável EDUCAÇÃO Base do Desenvolvimento Sustentável 1 Por que investir em educação? 2 Por que investir em educação? 1. Acesso à cidadania. 2. Aumento da renda pessoal (prêmio salarial): 10% por um ano a mais

Leia mais

Crescimento e Competitividade em Portugal. Vítor Santos ISEG

Crescimento e Competitividade em Portugal. Vítor Santos ISEG Crescimento e Competitividade em Portugal Vítor Santos ISEG 1 Bibliografia Relatórios da Competitividade da Comissão Europeia, últimos anos; European Commission (2003), EU Productivity and Competitiveness:

Leia mais

Maria João da Cruz Nogueira

Maria João da Cruz Nogueira Maria João da Cruz Nogueira Trabalho elaborado para a Oficina de Formação: A Educação Sexual em Meio Escolar: metodologias de abordagem/intervenção Formadoras: Cândida Ramoa, Isabel Leitão Matosinhos Fevereiro

Leia mais

EDUCAÇÃO. Base para o desenvolvimento

EDUCAÇÃO. Base para o desenvolvimento EDUCAÇÃO Base para o desenvolvimento 1 Por que investir em educação? 2 Por que investir em educação? 1. Acesso à cidadania. 2. Aumento da renda pessoal (prêmio salarial): 10% por um ano a mais de escolaridade.

Leia mais

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Enquadramento Enquadramento A importância da Internacionalização na vertente das exportações

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007

Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 21/12 Economia 20/12 Demografia Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007 http://www.ine.pt/portal/page/portal/portal_ine/publicacoes?publicacoespub_boui=10584451&publicacoesm

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

Leia mais

Evolução Nacional da Sociedade da Informação e Comparações Internacionais

Evolução Nacional da Sociedade da Informação e Comparações Internacionais Evolução Nacional da Sociedade da Informação e Comparações Internacionais Forum para a Sociedade da Informação Aveiro, 10 Mar 2006 Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento,

Leia mais

Preçário dos Cartões Telefónicos PT

Preçário dos Cartões Telefónicos PT Preçário dos Cartões Telefónicos PT Cartão Telefónico PT 5 e (Continente)... 2 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma dos Açores)... 6 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma da Madeira)... 10 Cartão

Leia mais

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Fórum novo millenium Nuno Mangas Covilhã, 22 Setembro 2011 Índice 1 Contextualização 2 Os CET em Portugal 3 Considerações Finais 2 Contextualização

Leia mais

Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP)

Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP) Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP) 1ª Conferência Anual de Alto-Nível da Parceria para Governo Aberto - OGP Roberta Solis Ribeiro Assessoria Internacional - CGU Conselho da

Leia mais

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013 Paridades de Poder de Compra 2013 11 de dezembro de 2014 Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013 O

Leia mais

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA)

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA) Domínio de tópicos atuais e relevantes de diversas áreas, tais como política, economia, sociedade, educação, tecnologia, energia, ecologia, relações internacionais, desenvolvimento sustentável e segurança

Leia mais

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL Súmula dos dados provisórios do Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico Nacional, IPCTN, 2007 I DESPESA 1. Despesa em I&D nacional total

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 27/09 Turismo 27/09 Taxas de Juro 21/09 Energia 19/09 Taxas de Juro 15/09 Economia 12/09 Economia INE divulgou Viagens turísticas de residentes 2.º Trimestre de 2006 http://www.ine.pt/prodserv/destaque/2006/d060927/d060927.pdf

Leia mais

Portugal Leaping forward

Portugal Leaping forward Portugal Leaping forward Dr. Pedro Reis Presidente da AICEP Lisboa, 16 de Março 2012 Enquadramento internacional Fonte: EIU (Fev 2012) Nota: PIB a preços de mercado Variação (%) Enquadramento internacional

Leia mais

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Índice Investimento público e privado no Ensino Superior Propinas Investimento público e privado

Leia mais

Geografia 03 Tabata Sato

Geografia 03 Tabata Sato Geografia 03 Tabata Sato IDH Varia de 0 a 1, quanto mais se aproxima de 1 maior o IDH de um país. Blocos Econômicos Economia Globalizada Processo de Regionalização Tendência à formação de blocos econômicos

Leia mais

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2011 - Indicadores DSPDCE - 2012

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2011 - Indicadores DSPDCE - 2012 Ação Cultural Externa Relatório Anual 0 Indicadores DSPDCE 0 .Iniciativas apoiadas pelo IC a) Número (total): 0 b) Montante global:.0,0,* Áreas Geográficas África América Ásia Europa Médio Oriente e Magrebe

Leia mais

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE 9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Tempo, espaço, fontes históricas e representações cartográficas. 2

Leia mais

gabinete de estratégia e estudos

gabinete de estratégia e estudos Gabinete de Estratégia e Estudos Síntese Estatística gabinete de estratégia e estudos INVESTIMENTO DIRECTO Exterior em Portugal e Portugal no Exterior Agosto de 26 Índice Tratamento e análise dos dados

Leia mais

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB O NÚCLEO DE ECONOMIA EMPRESARIAL ESPM-SUL PESQUISA E APOIO 1. Despesas em

Leia mais

A formação da União Europeia

A formação da União Europeia A formação da União Europeia A EUROPA DOS 28 Como tudo começou? 1926: 1º congresso da União Pan- Europeia em Viena (Áustria) 24 países aprovaram um manifesto para uma organização federativa na Europa O

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

TABELA DE VALORES DE BOLSAS NO EXTERIOR

TABELA DE VALORES DE BOLSAS NO EXTERIOR Revogada pela RN 020/06 Resolução Normativa RN-007/2006 Revoga a RN 001/05 TABELA DE VALORES DE BOLSAS NO EXTERIOR O Presidente do CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO - CNPq,

Leia mais

PORTUGAL. A recente performance de Portugal enquanto destino turístico Mitos e realidades. João Cotrim de Figueiredo 05 dezembro 2015

PORTUGAL. A recente performance de Portugal enquanto destino turístico Mitos e realidades. João Cotrim de Figueiredo 05 dezembro 2015 PORTUGAL A recente performance de Portugal enquanto destino turístico Mitos e realidades João Cotrim de Figueiredo 05 dezembro 2015 Um ciclo de crescimento longo e a acelerar 12 000 000 10 000 000 Receitas

Leia mais

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa Apresentação ERASMUS+ - Ensino Superior O Erasmus+ é o novo programa da UE dedicado à educação, formação, juventude e desporto. O programa tem início

Leia mais

A importância e desafios da agricultura na economia regional. Assessoria Econômica

A importância e desafios da agricultura na economia regional. Assessoria Econômica A importância e desafios da agricultura na economia regional Assessoria Econômica A Agricultura é importante para o crescimento e desenvolvimento econômico ou é apenas fornecedora de alimentos? Taxa Média

Leia mais

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA http://www.anacom.pt/template12.jsp?categoryid=168982 INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA DO SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA 3º TRIMESTRE DE 2005 NOTA: O presente documento constitui

Leia mais

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Empresas Participantes do CRI Multinacionais Instituições

Leia mais

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO Ambiente de Inovação em Saúde EVENTO BRITCHAM LUIZ ARNALDO SZUTAN Diretor do Curso de Medicina Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo SOCIEDADES CONHECIMENTO

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Destaques do Education at a Glance 2014

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Destaques do Education at a Glance 2014 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Destaques do Education at a Glance 2014 Diretor de Estatísticas Educacionais Carlos Eduardo Moreno Sampaio

Leia mais

Políticas para Inovação no Brasil

Políticas para Inovação no Brasil Políticas para Inovação no Brasil Naercio Menezes Filho Centro de Políticas Públicas do Insper Baixa Produtividade do trabalho no Brazil Relative Labor Productivity (GDP per Worker) - 2010 USA France UK

Leia mais

PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006. PT Prime Preçário Voz Empresarial 2006

PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006. PT Prime Preçário Voz Empresarial 2006 PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006 Versão: 1.0 Pág.: 1/7 1. ACESSO DIRECTO Chamadas DENTRO DO PAÍS Não Corp Corp Local 0,0201 0,0079 Local Alargado 0,0287 0,0105 Nacional 0,0287 0,0105 FIXO MÓVEL

Leia mais

Financiamento: Inovação e / ou Sustentabilidade em tempos de crise. Adalberto Campos Fernandes

Financiamento: Inovação e / ou Sustentabilidade em tempos de crise. Adalberto Campos Fernandes Financiamento: Inovação e / ou Sustentabilidade em tempos de crise Adalberto Campos Fernandes O Contexto FINANCIAMENTO: INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE EM TEMPOS DE CRISE O CONTEXTO A ESPECIFICIDADE DO BEM

Leia mais

III.4.1 - Indicadores do comércio internacional por NUTS II, 2004. III.4.1 - Indicators of international trading by NUTS II, 2004

III.4.1 - Indicadores do comércio internacional por NUTS II, 2004. III.4.1 - Indicators of international trading by NUTS II, 2004 III.4.1 - Indicadores do comércio internacional por NUTS II, 2004 III.4.1 - Indicators of international trading by NUTS II, 2004 Unidade: % Unit:% Taxa de cobertura das pelas para os 4 principais mercados

Leia mais

ESPANHA Porta de acessoà Europa para as multinacionais brasileiras

ESPANHA Porta de acessoà Europa para as multinacionais brasileiras ESPANHA Porta de acessoà Europa para as multinacionais brasileiras Existem muitas empresas e investimentos espanhóis no Brasil. É a hora de ter investimentos brasileiros na Espanha Presidente Lula da Silva,

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes.

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes. 3. Geografia Turística 3.1 Geografia Turística: Brasil de Ponta a Ponta Proporcionar ao participante melhor compreensão geográfica do país; Apresentar as principais especificidades existentes nos continentes

Leia mais

NOTA INFORMATIVA SINGLE EURO PAYMENTS AREA. 1. O que é a SEPA?

NOTA INFORMATIVA SINGLE EURO PAYMENTS AREA. 1. O que é a SEPA? 1 NOTA INFORMATIVA 1. O que é a SEPA? Para harmonização dos sistemas de pagamento no espaço europeu no sentido de impulsionar o mercado único, foi criada uma Área Única de Pagamentos em Euro (denominada

Leia mais

Por que a CPMF é um problema para o Brasil?

Por que a CPMF é um problema para o Brasil? Por que a CPMF é um problema para o Brasil? 1 A Carga Tributária Brasileira Muito pesada para um país que precisa crescer 2 A carga tributária brasileira vem apresentando crescimento 40% 30% 26,9% 27,8%

Leia mais

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS)

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) África do Sul: Taxa predominante cobrada pelos bancos de contas garantidas prime. Alemanha: Taxa sobre crédito de conta-corrente de

Leia mais

OCDE/ITF - IRTAD 5 6 6.1 6.2 A ANSR

OCDE/ITF - IRTAD 5 6 6.1 6.2 A ANSR Jorge Jacob Agenda: 1 Sinistralidade Rodoviária um flagelo mundial 2 Organização Mundial MACRO 3 WHO The Decade of Action for Road Safety 4 OCDE/ITF - IRTAD 5 UE/Comissão Europeia 6 Portugal: 6.1 Situação

Leia mais

Continua a valer a pena investir em Olival em Portugal?

Continua a valer a pena investir em Olival em Portugal? Continua a valer a pena investir em Olival em Portugal? 10 Outubro 2012 Manuela Nina Jorge Índice 02 1. Enquadramento do sector do azeite e evolução mundial 2. Evolução do sector em Portugal nos últimos

Leia mais

Geografia Econômica Mundial. Organização da Aula. Aula 4. Blocos Econômicos. Contextualização. Instrumentalização. Tipologias de blocos econômicos

Geografia Econômica Mundial. Organização da Aula. Aula 4. Blocos Econômicos. Contextualização. Instrumentalização. Tipologias de blocos econômicos Geografia Econômica Mundial Aula 4 Prof. Me. Diogo Labiak Neves Organização da Aula Tipologias de blocos econômicos Exemplos de blocos econômicos Algumas características básicas Blocos Econômicos Contextualização

Leia mais

Doingbusiness no Brasil. Jorge Lima Coordenador de Projetos Movimento Brasil Competitivo Curitiba 09 de novembro de 2006

Doingbusiness no Brasil. Jorge Lima Coordenador de Projetos Movimento Brasil Competitivo Curitiba 09 de novembro de 2006 1 Doingbusiness no Brasil Jorge Lima Coordenador de Projetos Movimento Brasil Competitivo Curitiba 09 de novembro de 2006 indicadores Doingbusiness 2006 2007 2008 Abertura de empresas Registro de propriedades

Leia mais

Uma Rede de apoio à competitividade das empresas. 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa

Uma Rede de apoio à competitividade das empresas. 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa Uma Rede de apoio à competitividade das empresas 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa Quem somos Quem somos? Onde estamos? Criada pela Comissão Europeia no âmbito do Programa Quadro para a Competitividade

Leia mais

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC Categorias / Products:, INDUSTRIALIZADA / PROCESSED,,, 1 de 16 2000 1999 %(2000x1999) Janeiro / January US$ (000) US$/Ton 25.537 9.793 2.608 15.392 4.375 3.518 66% 124% -26% INDUSTRIALIZADA / PROCESSED

Leia mais

Desafios Institucionais do Brasil: A Qualidade da Educação

Desafios Institucionais do Brasil: A Qualidade da Educação Desafios Institucionais do Brasil: A Qualidade da Educação André Portela Souza EESP/FGV Rio de Janeiro 13 de maio de 2011 Estrutura da Apresentação 1. Porque Educação? Educação e Crescimento 2. Educação

Leia mais

Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 27-Abr-2015

Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 27-Abr-2015 Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS O Preçário completo da Agência de Câmbios Central, Lda., contém o Folheto de e Despesas (que incorpora

Leia mais

Observatório Pedagógico. Objectivos: Políticas Redistributivas e Desigualdade em Portugal. Carlos Farinha Rodrigues DESIGUALDADE ECONÓMICA EM PORTUGAL

Observatório Pedagógico. Objectivos: Políticas Redistributivas e Desigualdade em Portugal. Carlos Farinha Rodrigues DESIGUALDADE ECONÓMICA EM PORTUGAL Observatório Pedagógico Políticas Redistributivas e Desigualdade em Portugal Carlos Farinha Rodrigues ISEG / Universidade Técnica de Lisboa Objectivos: 21 22 23 24 25 26 29 21 22 23 24 25 26 29 "shares"

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas Porto, 28 de Janeiro de 2014 Índice 1. Enquadramento 2. A aicep Portugal Global 3. Produtos e serviços AICEP Enquadramento Enquadramento

Leia mais

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio AGENDA HORÁRIO ATIVIDADE LOCAL 07h00 Café da Manhã Restaurante Principal 08h45 Abertura Brasoftware Salão Tangará 10h00 Business Suite Salão Nobre 13h00

Leia mais

Fevereiro 2009. Gabinete de Estudos

Fevereiro 2009. Gabinete de Estudos Desafios para Portugal em 2009 Fevereiro 2009 1 A situação actual Uma economia em declínio Um país endividadíssimo Um Estado pesado e opressor Uma sociedade cada vez mais desigual 2 A forte descida do

Leia mais

Embargo até 10H de 31-Maio-2012 COMUNICADO DE IMPRENSA ESPAD/2011. Lisboa, 31 de Maio de 2012

Embargo até 10H de 31-Maio-2012 COMUNICADO DE IMPRENSA ESPAD/2011. Lisboa, 31 de Maio de 2012 Embargo até 10H de 31-Maio-2012 COMUNICADO DE IMPRENSA Lisboa, 31 de Maio de 2012 O ESPAD European School Survey on Alcohol and other Drugs é um inquérito a nível europeu, que se realiza atualmente em

Leia mais

Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde

Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde 1º Encontro Nacional - Desafios do presente e do futuro Alexandre Lourenço www.acss.min-saude.pt Sumário Organizações do Terceiro Sector Necessidade

Leia mais

Formação Inicial de Professores na União Europeia. Florbela Lages Antunes Rodrigues Instituto Politécnico da Guarda

Formação Inicial de Professores na União Europeia. Florbela Lages Antunes Rodrigues Instituto Politécnico da Guarda Formação Inicial de Professores na União Europeia Florbela Lages Antunes Rodrigues Instituto Politécnico da Guarda 1999 - O Processo de Bolonha Um Espaço Europeu de Ensino Superior (EEES) globalmente harmonizado

Leia mais

Áustria, Dinamarca, Finlândia, França, Irlanda, Itália, Liechtenstein, Noruega, Suécia, Reino Unido

Áustria, Dinamarca, Finlândia, França, Irlanda, Itália, Liechtenstein, Noruega, Suécia, Reino Unido PROGRAMA ERASMUS+ AÇÃO 1 MOBILIDADE INDIVIDUAL PARA FINS DE APRENDIZAGEM ENSINO SUPERIOR 2015 TABELA DE BOLSAS DE MOBILIDADE ESTUDANTES PARA ESTUDOS E ESTÁGIOS TABELA 1 De Portugal Continental para: Valor

Leia mais

Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas

Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas Centro Universitário Fundação Santo André MBA Gestão de Energia Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas Prof. Eduardo Matsudo MATRIZ ENERGÉTICA E DADOS ESTATÍSTICOS Santo André, 21 de março de

Leia mais

PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA OS EUA E A ZONA EURO. J. Silva Lopes

PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA OS EUA E A ZONA EURO. J. Silva Lopes PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA OS EUA E A ZONA EURO J. Silva Lopes IDEEF, 28 Setembro 2010 ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO I As perspectivas económicas para os tempos mais próximos II Políticas de estímulo à recuperação

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

Assessing PORTUGAL s Competitiveness The Global Competitiveness Report 2014-2015 Lisboa, 03.09.2014

Assessing PORTUGAL s Competitiveness The Global Competitiveness Report 2014-2015 Lisboa, 03.09.2014 Assessing PORTUGAL s Competitiveness The Global Competitiveness Report 2014-2015 Lisboa, 03.09.2014 Apoios e patrocínios PCG Profabril Consulplano Group 03-SET-2014 WEF GCR 2014-2015 1 The Global Competitiveness

Leia mais

A Participação do Conselho Superior da Magistratura em Organizações Internacionais

A Participação do Conselho Superior da Magistratura em Organizações Internacionais A Participação do Conselho Superior da Magistratura em Organizações Internacionais O Conselho Superior da Magistratura é membro de duas organizações internacionais que promovem a cooperação e concertação

Leia mais

Compliance e o Desenvolvimento empresarial Marina Araújo 2013

Compliance e o Desenvolvimento empresarial Marina Araújo 2013 Compliance e o Desenvolvimento empresarial Marina Araújo 2013 Qual o impacto do Compliance para o desenvolvimento? Qual o impacto do Compliance para o desenvolvimento? Econômico Como o Compliance das empresas

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

Sociedade de Geografia de Lisboa

Sociedade de Geografia de Lisboa Sociedade de Geografia de Lisboa Tema A internacionalização das empresas portuguesas para os Países da Europa Central e Oriental (PECO) Autor Rui Paulo Almas Data Lisboa, 25 de Junho de 2012 1 A internacionalização

Leia mais

A RENTABILIDADE FUTURA DO OLIVAL DE REGADIO UMA OPORTUNIDADE PARA PORTUGAL. Manuela Nina Jorge Prof. Francisco Avillez

A RENTABILIDADE FUTURA DO OLIVAL DE REGADIO UMA OPORTUNIDADE PARA PORTUGAL. Manuela Nina Jorge Prof. Francisco Avillez A RENTABILIDADE FUTURA DO OLIVAL DE REGADIO UMA OPORTUNIDADE PARA PORTUGAL Manuela Nina Jorge Prof. Francisco Avillez SUMÁRIO Uma oportunidade Definição das tecnologias Conceitos Análise da Rentabilidade

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

1. 2. 3. 4. PASSO A PASSO. Links para saber mais. A União Europeia. Ano Europeu: o que é? o que se comemora em 2012?

1. 2. 3. 4. PASSO A PASSO. Links para saber mais. A União Europeia. Ano Europeu: o que é? o que se comemora em 2012? junho 2012 PASSO A PASSO 1. 2. 3. 4. A União Europeia Ano Europeu: o que é? o que se comemora em 2012? Ano Europeu 2012: curiosidades iniciativas quiz Links para saber mais 1. A União Europeia 27 Estados-Membros

Leia mais

Education at a Glance: OECD Indicators - 2006 Edition. Panorama da Educação: Indicadores da OCDE Edição 2006

Education at a Glance: OECD Indicators - 2006 Edition. Panorama da Educação: Indicadores da OCDE Edição 2006 Education at a Glance: OECD Indicators - 2006 Edition Summary in Portuguese Panorama da Educação: Indicadores da OCDE Edição 2006 Sumário em Português Panorama da Educação oferece aos educadores, aos decisores

Leia mais

Tendências Econômicas e seu Impacto na Área Educacional

Tendências Econômicas e seu Impacto na Área Educacional Tendências Econômicas e seu Impacto na Área Educacional Antonio Delfim Netto 25/03/2009 São Paulo, SP I. A Economia de Mercado A. O que ela produziu 1. Melhoria nas condições de vida 2. Tecnologia e crescimento

Leia mais

MINIGUIA DA EUROPA 2011 Comunicar com os Europeus Línguas Na Europa fala-se muitas línguas, cujas principais famílias são a germânica, a românica, a eslava, a báltica e a céltica. As instituições da União

Leia mais

Serviços Postais. Postal Services

Serviços Postais. Postal Services 002 Serviços Postais Postal Services 019 Serviços Postais Postal Services Prestadores de Serviços Postais Postal services Providers * Serviços não enquadrados na categoria de Correio Expresso Services

Leia mais

Newsletter Informação Semanal 21-09 a 27-09-2015

Newsletter Informação Semanal 21-09 a 27-09-2015 EUR / Kg Peso Carcaça CONJUNTURA SEMANAL Newsletter Informação Semanal 21-09 a 27-09- As Newsletter do SIMA podem também ser consultadas no facebook em: https://www.facebook.com/sima.portugal Na semana

Leia mais

Porto, 6 de Maio de 2010

Porto, 6 de Maio de 2010 A Responsabilidade Social na Internacionalização Porto, 6 de Maio de 2010 Indíce 1. AICEP Modelo de Negócio e Objectivos 2. International Business Intelligence Unit 3. Empresas e Responsabilidade Social

Leia mais

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS EM POUCAS PALAVRAS OS PRIMEIROS PASSOS DATA/LOCAL DE ASSINATURA E ENTRADA EM VIGOR PRINCIPAIS MENSAGENS QUIZ 10 PERGUNTAS E RESPOSTAS OS PRIMEIROS PASSOS No século XX depois das Guerras No século XX, depois

Leia mais

ACESSOS À BVS-PSI MEDIDOS PELO GOOGLE ANALYTICS

ACESSOS À BVS-PSI MEDIDOS PELO GOOGLE ANALYTICS ACESSOS À BVS-PSI MEDIDOS PELO GOOGLE ANALYTICS 1º. Semestre 2013 O Google Analytics é um serviço gratuito oferecido pelo Google que permite analisar as estatísticas de visitação de um site. Este é o primeiro

Leia mais

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro HORÁRIO ATIVIDADE LOCAL 07h00 Café da Manhã Restaurante Principal 08h45 Abertura Brasoftware Salão Tangará 10h00 Business Suite Salão Nobre 13h00 Almoço

Leia mais

DIREITO COMUNITÁRIO. Aula 4 As revisões dos instrumentos fundamentais: o aprofundamento 2

DIREITO COMUNITÁRIO. Aula 4 As revisões dos instrumentos fundamentais: o aprofundamento 2 DIREITO COMUNITÁRIO Aula 4 As revisões dos instrumentos fundamentais: o aprofundamento 2 As revisões dos tratados fundadores 07/02/1992: Assinatura do Tratado sobre a União Européia,, em Maastricht; 20/10/1997:

Leia mais

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA 1950 9 de Maio Robert Schuman, Ministro dos Negócios Estrangeiros francês, profere um importante discurso em que avança propostas inspiradas nas ideias de Jean Monnet.

Leia mais

Quadro 1 Número de empresas de seguros a operar em Portugal. 2014 Vida Não Vida Mistas Total. Empresas de seguros de direito português 15 23 6 44

Quadro 1 Número de empresas de seguros a operar em Portugal. 2014 Vida Não Vida Mistas Total. Empresas de seguros de direito português 15 23 6 44 Quadro Número de empresas de seguros a operar em Portugal 24 Vida Não Vida Mistas Total Em regime de estabelecimento 2 46 2 78 Empresas de seguros de direito português 5 23 6 44 Empresas de seguros 5 2

Leia mais

Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades

Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades Vendas Novas - 02 de julho de 2013 aicep Portugal Global é uma agência pública de natureza empresarial, cuja missão é: Atrair investimento estrangeiro

Leia mais

Patrocinadores Globais APDSI

Patrocinadores Globais APDSI Patrocinadores Globais APDSI AS TIC E A PRODUTIVIDADE A ESCASSEZ DE INVESTIMENTO NO SOFTWARE EM PORTUGAL 16ª Posição do Grupo de Alto Nível da APDSI 1 PLANO DA APRESENTAÇÃO A. INTRODUÇÃO B. ANÁLISE C.

Leia mais

Dinamização do empreendedorismo e da inovação: A abordagem da COTEC Portugal

Dinamização do empreendedorismo e da inovação: A abordagem da COTEC Portugal Isabel Caetano Workshop Apoio e Financiamento ao Desenvolvimento de Negócios Ordem dos Engenheiros, Lisboa, 21 de Janeiro de 2014 Dinamização do empreendedorismo e da inovação: A abordagem da COTEC Portugal

Leia mais

Directiva Europeia para a Igualdade de Tratamento no Emprego e na actividade profissional Inclusion Europe

Directiva Europeia para a Igualdade de Tratamento no Emprego e na actividade profissional Inclusion Europe Directiva Europeia para a Igualdade de Tratamento no Emprego e na actividade profissional Inclusion Europe Relatório A Inclusion Europe e os seus 49 membros de 36 países lutam contra a exclusão social

Leia mais

4Pro. Telemóvel Telefone Internet Televisão

4Pro. Telemóvel Telefone Internet Televisão 4Pro A oferta mais competitiva, desenhada para empresas e profissionais que lhe garante os melhores resultados 2 cartões de telemóvel com comunicações ilimitadas para todas as redes nacionais, para uma

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA. Maria do Rosário Baeta Neves Professora Coordenadora

UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA. Maria do Rosário Baeta Neves Professora Coordenadora UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA 1952 CECA (TRATADO DE PARIS 18 de Abril 1951) Países aderentes: França Alemanha Bélgica Holanda Luxemburgo Itália Objectivos do Tratado de Paris: Criação do Mercado Comum

Leia mais

ConJur - Acordo entre Brasil e EUA fere Constituição, afirmam advogados

ConJur - Acordo entre Brasil e EUA fere Constituição, afirmam advogados Página 1 de 5 CONTAS NO EXTERIOR Acordo entre Brasil e EUA fere Constituição, afirmam advogados 3 de setembro de 2015, 15h54 Por Brenno Grillo As trocas automáticas de informações financeiras entre os

Leia mais

SEPA - Single Euro Payments Area

SEPA - Single Euro Payments Area SEPA - Single Euro Payments Area Área Única de Pagamentos em euros APOIO PRINCIPAL: APOIO PRINCIPAL: Contexto O que é? Um espaço em que consumidores, empresas e outros agentes económicos poderão efectuar

Leia mais

PERFIL DE MERCADO PRODUCTO: SISTEMAS DE INSPECCION POR VIDEO N.C.M.: 9031.80.99

PERFIL DE MERCADO PRODUCTO: SISTEMAS DE INSPECCION POR VIDEO N.C.M.: 9031.80.99 PERFIL DE MERCADO PRODUCTO: SISTEMAS DE INSPECCION POR VIDEO N.C.M.: 9031.80.99 Perfil elaborado en octubre de 2008 TRATAMIENTO ARANCELARIO E IMPOSITIVO 1) IMPUESTOS Y TASAS: 1.1) ARANCELES DE IMPORTACIÓN

Leia mais

Mais de 250 milhões de europeus utilizam regularmente a Internet, diz relatório de progresso da Comissão relativo às TIC

Mais de 250 milhões de europeus utilizam regularmente a Internet, diz relatório de progresso da Comissão relativo às TIC IP/08/605 Bruxelas, 18 de Abril de 2008 Mais de 250 milhões de europeus utilizam regularmente a Internet, diz relatório de progresso da Comissão relativo às TIC Mais de metade dos europeus são neste momento

Leia mais

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE Durante muito tempo os países da Europa andaram em guerra. A segunda Guerra Mundial destruiu grande parte do Continente Europeu. Para evitar futuras guerras, seria

Leia mais

HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes

HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes Este folheto explica as regras que se aplicam ao Benefício de

Leia mais

Serviços Adicionais. 12400 - Portal de Voz

Serviços Adicionais. 12400 - Portal de Voz Serviços Adicionais 12400 - Portal de Voz Descrição Totoloto, Totobola, Lotarias e Euro Milhões Pode conhecer os números do Euro Milhões meia hora antes do sorteio na TV. Saiba os resultados e o valor

Leia mais

Education at a Glance 2011 OCDE Nota para o Brasil

Education at a Glance 2011 OCDE Nota para o Brasil Education at a Glance 2011 OCDE Nota para o Brasil Os governos prestam cada vez mais atenção às comparações internacionais, uma vez que procuram políticas públicas efetivas, capazes de melhorar os indicadores

Leia mais