Raciocinio Aproximado e Redes de Petri Nebulosas de Alto Nivel na Modelagem de Sistemas de Manufatura

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Raciocinio Aproximado e Redes de Petri Nebulosas de Alto Nivel na Modelagem de Sistemas de Manufatura"

Transcrição

1 Raciocinio Aproximado e Redes de Petri Nebulosas de Alto Nivel na Modelagem de Sistemas de Manufatura Heloisa Scarpelli UFSCar/CCT/DC - Cx. Postal 676 CEP São Carlos - SP Fone: (0162) Fax: (0162) rfapesp. bi t net Fernando Gomide Uni camp/fee/dca - C x. Postal 6101 CEP 1:308 J Campin as - SP Fon e: (O L92) Fax: (55)( 192 ): gomid uni camp.br Sunull'io Este t rabalh o apresenta a proposta de uma ferramenta formal para. representa r regras de produção nebulosas em uma base de con hecimento: a Rede de PeLri Ne hulosa dc Alto Nivel. As estrutu ras básicas para modelagem dos padrões de inferencia ma i,; usados elll ra.ciocini o aproxim ado são int,roduziel as. A modelagem el e regras co m quantificadores liebul osos, reg ras com fatores de ~erteza, regras paralelas e regras con flit.a nt,es é abordada. Dois tipos de algoritmos para raciocin io nebuloso, usando estratégias" fonvard " e " ba.ck \Vard " são descri tos breveme ll te. Finalmente, um exemplo de apli cação relacionado a modelagem de célul as de In a nufatura é apresentado, para ilustrar a utilid ade do modelo proposto. 1 Introdução Diversos t ipos de Redes de Petri e Redes de Petri de Alto Nive l t.em sid o investigados recc n temente como ferramentas formais para representar regras em Sistemas Basea dos Cl1l Conh ecimento (SBC ), tant.o co m predicados billéírios CO l1l0 com proposi(:ões neb lllosas. Enl [7] a redc predicado/transiçã.o é proposta para a representação de regras cm sist.cllléls de produção envolvendo predi cados binários. Em [4] um modelo de rede de Pelri nebulosa ó propost,o, para. representar as regras de produção nebulosa. ' de UI1l sistema baseado enl rcgras. Essa a bo rd agem tem sido utilizada na. representação, planej amento de operações e rec uperação automática de erros em um sistema de montagem de robótica ([1],[2]). Uma abord agem scmclh a nte pode ser encontrada em [3] a qual está relacionada com a elaboração de um modelo combin a nd o redes de Petri com Objetos, Teoria de Possibilidades e noções de con hecimento de tempo nebuloso. Em [ll] e [1 3], um modelo geral de Redes de Petri Neb ulosas (RPN), diferentc daquele em [4], foi proposto para representar regras de produçã.o nebulosas. O modelo permite a rep resentação de uma grande variedade de tipos de regras e grupos de regras. Os algori tmos de racioc ini o são baseados na regra ele inferência composicional, ond e diferentes met.oelos de raciocini o podem ser rep resentados. Durante o projeto e verificação de bases de co nll ecimento, a lguns dos detalhes representados pelos elementos da RPN nào são relevantes, o qu e sugere fortemente uma represent.ação em um nivel mais alto de abstraçã,o. Neste trabalho propõe-se o uso de outro modelo formal, o modelo baseado em Redes de Petri Nebulosas el e Alto Nivel (RPNAN), com o objetivo de fornecer uma ferram enta poderosa capaz ele fazer desc ri ções ma is compactas de sistemas nebulosos. O modelo baseado 1'. 111 llpn AN é form almente defi nido em [1 2], [16] com base no co nceito de rede predicado/transição ([6]). Na seçã.o segu inte, é feita uma breve revisão de conce itos de regras de produçào nebul osas e regra de inferência composiciona l. Na seção 3, o modelo de Rede de Petri Nebulosa de Alto Niv el e form almente defi nido e as técni cas básicas para representação de padrões de inferência, encadeamento de regras, regras co m a n tecedent.es múltiplos, regras qualificadas, regras pa ralelas e conflitantes são apresentadas. A

2 seção 4 contém as descrições dos algoritmos de raciocinio nebuloso. Finalmente, um exemplo d~ aplicação a respeito de modelagem de células de manufatura é introduzido para ilustl-ar a utilidade da abordagem proposta. 2 Representação do Conhecimento Uma regra de produção nebulosa descreve uma relação nebulosa entre duas proposições nebulosas ([10],[4]). Proposições nebulosas são' asserções de que o valor de uma variável é um subconjunto nebuloso em particular no domínio daquela variável. Por exemplo, o valor auo na proposiçã.o A tempera'lm'a do paciente está alta, pode ser representado como um subconjunto nebuloso A do intervalo de temperaturas [0,50]. Formalmente, assuma que \I e U são variáveis definidas sobre os conjuntos bases X e Y, respectivamente. A regra de produção nebulosa tem a forma SE \I é A ENTÃO U é B, onde A eb sã.o dois subconjuntos nebulosos com conjuntos base X e Y, respectivamente. O padrão de inferência mais comum em raciocínio aproximado, chamado regra de inferéncia. c01l7pos icion a.l, tem a forma: SE \I é A ENTÃO U é B \I é A' ( 1) (2) Ué B' (3) onde A' e B' são proximações de A and B respectivamente. As leis essenciais para i nferir dados nesta abordagem são baseadas na teoria. de raciocínio aproximado ([18]), de acordo com a qual a proposiçã.o condicional (1) induz uma relaçã.o nebulosa D sobre.\ x }... A represenl.ação de D pode ser feita de várias formas diferentes. Em [8], um mét.odo generalizado de raciocínio nebuloso é proposto, pela extensão a T-operadores 1 de mét.odos de raciocínio nebuloso convencionais nos quais os operadores de min and max tem sido largalllent.e ut.ilizados. Uma represent.açã.o genérica de f'unéões de implicação é definida por D,I_u(:I:, y) = f_(a(:l'), B(y)). Para realizar inferencias com conceitos nebulosos, o consequente B' em (3) é calculado como IJ' = A' o Donde B'(!!) = sllp.v*(a'(x),d'i_n(:i:,y)). A present.e discllssão rest. ringe-se a casos onele as variáveis são definidas sobre conjuntos fini t.os. 3 O Modelo de Redes de Petri Nebulosas de Alto Nivel As Redes de Petri Nebulosas de Alto Nível([12],[16]) derivam de redes Predicado/Transição ([6]). Na RP NA N, os valores can egados pelas senhas são objetos estru turados representando subconjunt.os nebulosos e os disparos de transições calculam novos conjuntos que sã.o os valores das senhas que saem dessas transições. Formalment.e, uma RPNAN consiste de: l. Um grafo dirigido bipartido, definido por uma tripla (P, T, F) tal que P e T são dois conj un t.os disj un t.os de vértices (P n T = 0) chamados luga res e transições respecti vamen te, e F é um conjunto de arcos dirigidos, cada um conectando um lugar P E P a uma tra.nsição t E T ou vice-versa (F C P x TU T x P). Lugares col'l'espondem a variáveis e transições representam cálculos de novos subconjuntos nebulosos. 2. Uma rot.ulaçã.o dos arcos com l-uplas de variáveis; o comprimento de cada t-upla é a aridade do conjunto base da variável conectada ao arco. lr... I. I epresenta-se a seglllr normas tnangu ares como * e conorlllas t.l.'lilngu ares como s

3 I' SBAI - UNESP - Rio Claro/SP - Brasil 3. Uma estrutura ~, defin indo uma coleção de objetos tipados juntamente com algumas operações e relações aplicáveis a esses objetos. Fórmulas constru[das em ~ podem ser usadas como inscrições de transições. Uma senha < a~,a~,,a:, > em um luga r p E P denota o fato de que a variável V sobre o conj un to base X = {x 1,..., X71}' corresponden te a este lugar tem co mo seu valor o su bconj un to nebuloso A', representado por < a~, a.~"'" a~ > such that A(x;) = ai,x; E X. As incrições dentro de transições são tipicamente de três tipos: espressões usadas para aplicar modus ponens composicional (bj = sllpi(ail'dij ), i = 1, " " n,j = 1, ' ",111, onde dij são os elementos da matriz de relação DA-B). expressções para realizar conjunção de antecedentes múltiplos, (11.1.:"...,1.:,> = Ói =l,...,p(at), k i = 1,.., 11., onde p é o número de condições no antecedente e 11. é o número de elementos em cada conjunto base). expressões para agregar os resultados de regras paralelas ou de fontes parciais de informação (bj = Ti=l,...,p( b} ),j = 1,"', 117., onde p é o número de regras em questão). As variá.veis ~f e Ó são operadores T-norma e T é um operador T-conorma. A es Lru tu ra ~ deve incluir a definição desses T-operadores usdos nas expressões acim a pa ra cada rede em particul a r. Definição 1 Uma disi1'i buiçcio de senhas sobl'e os lugares de u1/i.a RP N A N é c1w1jl.ada u1/l.a marcação nebulosa N! da rede. Definição 2 Uma RPNAN com alguns lugares contendo senhas é cha'/lwda '1l1/W llede de PeLri Nebulosa de Alto N[vel Marcada. N a modelagem de regras de procução nebulosas, transições represen tam regras, lu bares representam variáveis e conj un tos base e sen has representam fatos..a regra e o fa t.o em (1) e (2) onde a relaçào nebulosa induzid a DA-B é dada por DA-B(Xi,!}j) = dij, pode ser modelada como mostrado na figura l(a). Neste caso, o lugar ]71 está associado com a variéí.vel V e com o co nj unto base X. O lu gar P2 está associado com a variável U e com o conj IIn (,0 base Y. O fat.o V é A' é represent. ado colocando-se uma senha < (/.~,a.~ ".,,a:, > no luga r assoc iado a li. A conclusão U é B ' é atingida disparando-se t. O disparo de uma transiçào nluda o estado ou marcação de uma RP N AN, deri vando u ma nova marcação a parti r da. an t.erior, Definição 3 Para cada it!!71siçcio 'l E T e cada luga1' p E P, int'/'odu::i1/l.0s: I(l) = {p E P I (p, t) E F} I(p) = {i E T I (t, p) E F} 0(1) = {p E P I (t,p) E F} O(p) = {i E TI (t,p) E F}, l(i) e O(t) seio os conjuntos de l-llga1'es de entmda e sai'da da Imnsiç(io l, 1'cs]!ecli'l1rtllle nl e. f(p) e O(p) SrlO os conjuntos de transições de entmda e sa[da do lugar p, l'es]lec liva1/l.entc. Uma transição t E T est.á habilitada quando todo lugar p E f(t) contém uma senh a da forma especificada pelo ró tulo em < p,l >. Uma t.ransição habilitada I pode disparar removend o-se de cada luga r p E f(i) uma senha da forma espec ifi cada pelo rótulo no a rco < ]J, I > e ad icionandose a cada lugar p' E O(i) uma senh a da form a espec ifi cada pelo rótulo no arco < I, p' >. O valor da nova senha é calculado pela fórmula inscrita em l. A ausencia de fórmulas inscritas em uma transição significa que o valor da senha em p' permanece o mesmo que em p. As fórmul éls inscritas em 'l na figura 1 sào as expressões usadas para calcular B' como A' o D,t-B ' Quando é atribu[do ao sfmbolo I' uma T-norma, um método espedfico de raciocfnio nebuloso é definido, Portanto, o modelo de RPNAN permite a representação de uma classe de métodos. A marcação resultante do disparo da transição t está ilustrado na figura l(b), onde cada bi representa o valor de pertinência de Yi em B'. representadas nesta abordagem: Formas ma.is complexas de regras podem facilment.e ser

4 I SBAl - UNESP -Rio Claro/SP - Brasil \. ;\ ' < 1/.),... 1/." > li) = S /l.]j(a;irl;)) i = 1,.., n = < b),, bm > u < (1.1,"',(1.71. > (a) b) =." U71( CLjfel;)) i = 1,, n. =1.... m. < bj,, bm > u P2 (b) ' 'igll ra j : Rede de Petri Nebulosa de Alto Nfvel representando uma regra condiclonal.(a) Antes do disparo das l.rallsi<sões, onde A' =< a;, a~,,a~ >. (b) Depois do disparo das transições, onde IJ' =< u~,b~,, b"n >. f{ cg/"a8 CO11/. antecedentes 1nítltiplos - Regra.'3 compostas da forma SE VI é AI e V 2 é A 2 e... (' \ '~, é!i" ENTi\O Ué B podem ser modeladas na RPNAN usando-se um lugar e uma trallsição ad icio ll a is em um n[vel intermediário, para agregar os conjuntos no antecedente. 1\ t.ransição deve cont.er como fórmulas inscritas as expressões (hk,... k n = Ói=I...,"(aL )). Regras Qualificadas - Dois tipos de qualificação de regras podem ser modeladas quando int.erpret.adas sob a metodologia de Yager ([17]). Regras com quantificadores nebulosos no a lll. (~cr.dent.p podem ser representadas no modelo de RPN AN de uma maneira semelhante a. represent.ação de regras com conj un ção no antecedente. A mesma estrutura usada para reg ras simples pode ser ut.ilizada para modelar regras com qualificação de certeza. A )'Ini ca diferença, em ambos os casos, limita-se a maneira como as constantes d x,... x" são calcllladas. Regras P(!"/"(t/c!as - regras da forma SE V é Ai ENTi\O U é Bi para -i = 1,,11 são cha llladas T"cglYls llaralelas. A relação nebulosa global D é dada por D(:I:, y) = S:'~I (DA,-Bi (x, y)). Dado A', o consequente B' é calculado por B' = A' o D, ond(' /3'(y) =.5Ull.,,*(A'(:t:), si'=iu... (Ai(;t:), Bi(Y)))) A estrutura básica de RPNAN para este conjunl.o de regras paralelas t.em a mesma forma da representação de regras simples, s(~ nd o qu e a úni ca diferença está nos valores dos pesos dos arcos. Uma forma alternativa de ill1plcjllenl.ar regras paralelas é execut.ar cada inferência A', Ai --. Bi f- Bi separacla. II1 l.' nl.1.' P l'nt.iio combinar os (BD's. No segundo caso, necessit.a-se de uma transição sem fól"llililas in scrit.as para fazer cópias de senhas, tal que todas as regras paralelas tenbam SlJa" rcs pect.ivas (.rnsições habilitadas ao disparo e uma transiçào com as expressões insrri(.i\s bj = Ti = 1,..., 11(Ot ), para apli car o operador de a.gregação 110S conjuntos BL -i = I,,11, result.anl.e de cada inferência. RC!I/"((8 C01l.flilnnles - sào as regras que possuem as mesmas variáveis no antecedente (' variáveis diferen(.es no collsequent.e, originando caminhos de racioc[nio independentes. l'vlodela-se este t.ipo de regras projetando-se um único lugar para o antecedente de todas as regras, um lugar para cada um dos consequentes e uma transição para. cada. regra. O lugar rep resent.ando o antecedente deve ser conectado a todas as transições. As senhas propagam seus valores através de apenas UIl1 dos arcos

5 4 Algoritmos de Raciocinio Nebuloso Dois tipos de algorit.mos para raciocinio nebuloso são definidos com base no modelo ele RPNAN, o raciocinio nebulso para frent.e e o raciocinio nebuloso para trás. 1. Algor[tmo de Raciocfnio pam Frente - a rede é marcada inicialmente com senh as represent.ado fatos na Base de Conheciment.o (BC). Os lugares que contém uma senha inicial são chamados lugares iniciais. O algoritmo gera automaticamente todos os camin hos de raciodnio a part.ir dos lugares iniciais até que não haj a mais transições habilitadas a disparar. O algoritmo foi descrito em [12] em uma linguagem de pseudo-código. O algorit.mo de raciocinio para frente pode ser representado por uma estrutura. de árvore. Cada caminho da raiz até um nó terminal da árvore expressa um caminho de raciocinio na BC. 2. Algor[tmo de Racioc!nio 1lam Trás - nest.e algoritmo é dado o objetivo que se deseja atingir e a BC é pesquisada no sentido inverso para se encontrar sub-objetivos e fato que deem suporte ao objetivo. O algoritmo de raciocinio para tréís apresentado em [14] é executado em duas fases. Na primeira fase, extrai"se uma sub-rede do modelo de RPN AN, correspondente a toda informação parcial sobre a variável desejada. Na segunda rase, a sub~r e de é calculada por um algoritmo de raciocinio para frente como o qu e foi apresentado no item anterior. 5 Exemplo de Aplicação Uma base de conhecimento real, relacionada a sistemas de manufat.ura, roi modelada usando RPNAN e RPN ([15]). O sistema de manufatura estudado pertence a uma indústria que utiliza a filosofia de tecnologia de grupo para produção. Enfocamos aqu i uma célul a de máquina especifica para componentes de motores di esel, a saber, pist.ão, camisa e cabeçote. No processo de manufatura do pist.ã.o uma das máquinas (CN-72) realiza dois tipos de operações: acabamento de diámetro int.erno (operação 7) e tol'l1 eam ento acabado de di ámetro ext.erno (operação 9). Um estudo de modelagem e simulação foi desenvolvido em [5], consid erando a linh a de produção do pist.ã.o, com o objetivo de desenvolver estratégias para. o gerenciamento da célul a de Illanufa.tura. Regras de produção nebulosas foram derivadas em [5] para construção de um SBC o qual foi reriresentado no modelo de RPNAN. As variáveis do problema assumem va.lores linguisticos do tipo 1I el/ilc1l.0, médio e g'mnde definidos sobre vários conjuntos base diferentes. A base de conhecimento contém regras do tipo SE lote de fabl'icaçrio é pequ.eno e lole de l1'll.nsfel ência é médio ENTÃO o tempo final é pequeno, ou SE lote de tml1jeréncia é ymnde ENTflO a utilizaçiio da célula CN-72 é peq llena. Aplicaçã.o do algoritmo de raciodnio para frente - Vamos supor qu e os fat.os O tam.anll.o do lote esüí em t01'l1.o de 60 e O tamanho do lote de lmnsferéncia e8l!í em torno de 15. Os lugares associados com as variáveis 'lil1ll.anho de lot e e tamanho de lole de tmnsfel'éncia são marcados com senhas que levam os valores apropriados. Após a exec ução do a lgoritmo, o estado final da rede é interpretado como O tempo final é q'llas e m édio, A uwizaçrio da CN-72 é pequena e O tamanho m édio ' da fila está cn17'e pequeno e m édio. Aplicaçào do algoritmo de raciocinio para l.rás- Para ilustrar o algoritmo ele raciocinio para t.rás, vamos supor que a qu estã.o Qual é a utiliza.çiio da. CN-72 em opc mrôes de 11rocessamento? tenha sido pergunt.ada. O lugar associado à variável utilizaçiio da CN-72 em. opetaç6es de ]l1'ocessamen:lo (V I4 ), col'l'espondente a.o co nsequenl.e de a.lguma regra é considerado o lugar objetivo. Na fase 1 do algoritmo, a reele é pesquisada de t.réís para frente, usando-se a matriz ele in cidênci a da Rede de Petri associada. O exemplo da. sub-rede extraida da rede completa é mostrado na figura. 2. Os nós ini ciais nest.a rede sào tam.anho do lotc de transferência (V~), le1j/po de ]l01'cc8samenlo ]lllrl/. I/. 011crl/.çiio 7(Vo) e tempo de processamento IlaTa 01JeTaçlio 9 (VI o), significando que fa[.os fornecendo o valor ini cial das respectivas variáveis devem estar disponiveis para que se possa encontrar um va.lor para a variável na questão. Se os fatos são conhecid os, os respectivos luga res são marcaclos

6 Figura 2: Sub-rede Extraida pelo Algoritmo de Raciocfnio para Trás. com os conjunt.os nebulosos correspondentes e a sub-rede é executada na segunda fase do algol'il'1ll0 c1e l' aciocinio para trás, 6 Conclusões Uma, ferrament.a baseada em rede bastante geral e poderosa foi proposta para modelar raciocinio nebuloso, onde diferentes tipos ele mét.odos de raciocinio podem ser representados. As técnicas de modelagem a brangem uma grande variedade de tipos de regras como regras com antecedentes múll,ipl os, regras qualifi cadas, regras paralelas e conflitantes. A abordagem introduzida aqui tem se Illost,rado üt,il para mode lagem, projeto, ver ificação e implementação de bases de conhecimento c sist emas nebulosos. A RPNAN e sua versã.o detalhada, a RPN, qunado usadas de forma co mhinada, oferece m a ferramenta adequada a cada fase do desenvolvimento de SBC. No escopo d( ~ 11111,\ aplicação em part,icul a r relacionada a modelagem de célul as fl exiveis de manufatura forall! di;;cllt,id a;; as Léc lli cas necessárias ao projelo de rede5 ma iores, através da combinação de cst,rlll,ul'as I.Hísicas de rede. Como trabalho fuluro, prelende mos investigar o uso de propriedades cst,rll I, 11 ra i~ da, rede pa ra verificaçã.o de integridade de bases de regras nebulosas, bem como op(~ raç õcs de hi erarquização e refinamento ela RPNAN, como meio de vi zuali zar as informações represenladas pe la rede necessárias a cada etapa do processo de desenvolvimento ele sistemas. Referências [1] CAO,T, and SANDERSON,A. - Tas!. Sequence Pleanning Using Fuzzy Pelri Neis, Proceedings IEEE International Conf. Systems, l'vlan and Cybernetics, Char- 101.t.esvi le, VA, Oct. 1991, pp [2] CAO,T, a nd SAN DERSON,A. - S'ensol'- based E1'1'Or Recouery JOl' Robotic Tas!. Sequences Usill!J Fu zzy Pe17'i Nets, Proceedings IEEE lnternational Conf. Robotics and Aulomat.ion, Nice, France, May 1992, pp.10g3-10g9. [3] C1\ RDOSO,.J, - 5'11 1' les R e.seaux de PC/l'i auec Marquag e.s Fl071S, T hese presentée au Labora t,o ire D'Aut,omatique el D'Analyse eles Syst.emes elu CNRS en vue de l'obt.ent.ionelu titre ele docteur de l'universite Paul Sabatier de Toulouse, [4] CHEN,S" I--: E,J. S. and CHANG,J. - J(no'lUledge Representa/ion using Fuzzy Petri Net.s, IEEE Trans, Knowledge nad Data Engineering, 2, 3, 1990, pp [5] DALTRINI,A, and GOl'l'lIDE,F, - Fuzzy SZ1J/.ulation,in ManufacluT'ing S'ystems, The fourth International Symposium on Robotics anel Manufacturing, New Mexico, USA, novembe r,hj92,

7 [6] GENRICH,H. J. - PredicatejTransition Nets, in W. Brauer, W. Reisig and G. Rozenberg(eds.), Petri Nets: Central Models and Their Properties, Lecture Notes in Computer Science 254, Springer-Verlag, 1986, pp [7] GIORDANA,A. and SAITTA,L. - Modeling Prod1lction Rules by Means of Predicate Transiúon Networks, lnformation Sciences, 35,1,1985, pp.i-41. [8] GUPTA, IVI. M. and QI, J. - Theory of T-norms and fuzzy inference methods, Fuzzy Sets and Systems, 40, 1991, pp [9] MURATA,T. - Petri Nets: P1'Operties, Analysis and Applications, Proceedings IEEE,77, 4, 1989, pp [10] NEGOITA, C. V. - EX]Jert Systems and Fuzzy Systems, Benjamin/Cummings, [11] SCARPELLI,H. and GOMIDE,F. - Modeling Fuzzy Reasoning using Fuzzy Petri Nets, Technical Report RT-DCA 020/92, DCA/FEE/UNICAMP, [12] SCARPELLI,H. anel GOMIDE,!". - Modeling Fuzzy Reasoning using High Levei Fuzzy Pet7'i Nets, Technical Report RT-DCA 023/92, DCA/FEE/UNICAMP, [13] SCARPELLI,H. anel GOIVIIDE,F. - A Backwan[ Reason'ing AIgoTith1ll for High Levei Fuzzy PetTi Nets, Technical Report RT-DCA 004/92, DCA/FEE/UNICAMP, (sllbmitteel for pllblication) [14] SCARPELLI,H. and GOl'vIlDE,F. - Fuzzy Reasoning and Fuzzy Petr'i Nets, Fifth IFSA World Congress, Seolll, Korea,.Jllly, 5-9, [15] SCARPELLI,H. anel GOMIDE,F. - Fuzzy Reasoning and Fuzzy Petri Nets in lvlanufacturing Systems M odeling, JOllrnal of Intelligent anel Fuzzy Systems, 1, 3,.Jllly, [16] SCARPELLI,H. anel GOIvIIDE,F. - Fuzzy Reasoning and High Levei Fuzzy Pet1'i Nets, First European Congress on FllZZy anel Intelligent Technologies, Aachen, Germany, September, 7-10,1993. [17] YAGER, R. R. - A]J]JTo:L"imate Reasoning as a Basis for R-ule-Based El.peTi Systems, IEEE 1hns. on SMC, 14,4, 1984, pp.l [18] ZADEH,L. A. - A Theory of Ap]Jl'Oximate Reasoning. Machine In teligence 9, H ayes, IVlichie & Klllich, (ecls.), 9, 1979, pp J

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

Complemento III Noções Introdutórias em Lógica Nebulosa

Complemento III Noções Introdutórias em Lógica Nebulosa Complemento III Noções Introdutórias em Lógica Nebulosa Esse documento é parte integrante do material fornecido pela WEB para a 2ª edição do livro Data Mining: Conceitos, técnicas, algoritmos, orientações

Leia mais

Correção da fuvest ª fase - Matemática feita pelo Intergraus

Correção da fuvest ª fase - Matemática feita pelo Intergraus da fuvest 009 ª fase - Matemática 08.0.009 MATEMÁTIA Q.0 Na figura ao lado, a reta r tem equação y x no plano cartesiano Oxy. Além dis so, os pontos 0,,, estão na reta r, sendo 0 = (0,). Os pontos A 0,

Leia mais

Análise qualitativa do processo de workflow da ouvidoria do IFMG campus Bambuí: um estudo de caso

Análise qualitativa do processo de workflow da ouvidoria do IFMG campus Bambuí: um estudo de caso Análise qualitativa do processo de workflow da ouvidoria do IFMG campus Bambuí: um estudo de caso Estefânia Paula da SILVA¹; Lígia Maria SOARES PASSOS² ¹ Aluna do curso de Engenharia de Produção do IFMG

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

Seja uma rede de Petri definida pela tripla (L, T, A), e por sua marcação inicial M 0.

Seja uma rede de Petri definida pela tripla (L, T, A), e por sua marcação inicial M 0. AULA 22 ESTUDO E APLICAÇÕES DAS REDES DE PETRI COMO MECANISMO DE DESCRIÇÃO DE SISTEMAS. 6. Propriedades das redes Seja uma rede de Petri definida pela tripla (L, T, A), e por sua marcação inicial M 0.

Leia mais

2 Teste baseado em modelo

2 Teste baseado em modelo 2 Teste baseado em modelo O MBT tem-se tornado foco de estudos e experimentações práticas. Apesar das vantagens observadas, ainda há obstáculos para a adoção em grande escala de suas técnicas: Um deles

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

EPI 2011 - WPG. Uma Extensão de Rede de Petri para Modelagem de Processos e Controle de Projetos. Ulrich Schiel ulrich@dsc.ufcg.edu.

EPI 2011 - WPG. Uma Extensão de Rede de Petri para Modelagem de Processos e Controle de Projetos. Ulrich Schiel ulrich@dsc.ufcg.edu. EPI 2011 - WPG Uma Extensão de Rede de Petri para Modelagem de Processos e Controle de Projetos Cecir Almeida Farias calmeida@ufcg.edu.br Ulrich Schiel ulrich@dsc.ufcg.edu.br Universidade Federal de Campina

Leia mais

Redes de Petri. Redes de Petri. Redes de Petri. Redes de Petri. Introdução. Lugares, transições e arcos. Lugares. Giovanni Cordeiro Barroso

Redes de Petri. Redes de Petri. Redes de Petri. Redes de Petri. Introdução. Lugares, transições e arcos. Lugares. Giovanni Cordeiro Barroso Redes de Petri Redes de Petri Introdução Giovanni Cordeiro Barroso Ferramenta matemática e gráfica de uso geral, proposta por C. A. Petri (1962), permitindo: modelar o comportamento dos sistemas dinâmicos

Leia mais

Ainda há Tempo, Volta

Ainda há Tempo, Volta Ainda há empo, Volta Letra e Música: Diogo Marques oprano ontralto Intro Envolvente (q = 60) enor aixo Piano Ó Œ. R.. F m7 2 A b 2 E b.. 2 Ó Œ É 2 Ó Œ F m7 2.. 2 2 A b 2 2 Ainda há empo, Volta Estrofe

Leia mais

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP GIS Gertran Integration Suite Guia de T ransferência de Arquivos Entidade x DATAPREV Versão 1.0 HTTPS G I S G ui a de T ra n sf er ên ci a d e Ar qu i vo s 1/ 8 ÍNDICE ANALÍT ICO 1. INTRODU ÇÃO......4

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

Geração de código intermediário. Novembro 2006

Geração de código intermediário. Novembro 2006 Geração de código intermediário Novembro 2006 Introdução Vamos agora explorar as questões envolvidas na transformação do código fonte em uma possível representação intermediária Como vimos, nas ações semânticas

Leia mais

Ferramentas de Modelação e Análise de Sistemas baseadas em Redes de Petri (RdP)

Ferramentas de Modelação e Análise de Sistemas baseadas em Redes de Petri (RdP) Ferramentas de Modelação e Análise de Sistemas baseadas em Redes de Petri (RdP) Existem inúmeras ferramentas (software) baseadas em RdP que permitem desenvolver modelar e analisar sistema de RdP. Algumas

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

Palavras-chave: Sistema neuro-fuzzy, Sistemas de avaliação, Sistemas Adaptativos.

Palavras-chave: Sistema neuro-fuzzy, Sistemas de avaliação, Sistemas Adaptativos. ANÁLISE DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA NA UERJ A PARTIR DE INDICADORES CONSTRUÍDOS BASEADOS NO EXAME NACIONAL DE CURSOS: UM SISTEMA NEBULOSO DE AVALIAÇÃO Maria Luiza F. Velloso mlfv@centroin.com.br Universidade

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias:

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias: Arquitetura de Computadores Estrutura e Funcionamento da CPU Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Revisão dos conceitos básicos O processador é o componente vital do sistema de

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente em sistemas ERP (Enterprise Resource

Leia mais

Modelo fuzzy para a chance de sucesso na quitação de um empréstimo

Modelo fuzzy para a chance de sucesso na quitação de um empréstimo Biomatemática 20 (2010), 103 116 ISSN 1679-365X Uma Publicação do Grupo de Biomatemática IMECC UNICAMP Modelo fuzzy para a chance de sucesso na quitação de um empréstimo Geraldo L. Diniz 1, Ronaldo Baumgartner

Leia mais

Sistema de Arquivos. Sistemas de Arquivos

Sistema de Arquivos. Sistemas de Arquivos Sistemas de Arquivos Definições Básicas 1.Um arquivo é uma unidade lógica de informação criado por processos. As informações podem representar instruções e dados de qualquer tipo [1]. Exemplo de arquivos.

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software Revista Cadware Ed.22 versão online 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente

Leia mais

Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Inteligência Artificial

Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Inteligência Artificial Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Inteligência Artificial João Marques Salomão Rodrigo Varejão Andreão Inteligência Artificial Definição (Fonte: AAAI ): "the scientific understanding of the mechanisms

Leia mais

Modelagem Fuzzy de Diagnóstico Médico e Monitoramento do Tratamento da Pneumonia

Modelagem Fuzzy de Diagnóstico Médico e Monitoramento do Tratamento da Pneumonia BIOMATEMÁTICA 15 (2005), 77-96 ISSN 1679-365X Uma Publicação do Grupo de Biomatemática IMECC UNICAMP Modelagem Fuzzy de Diagnóstico Médico e Monitoramento do Tratamento da Pneumonia Wanda Aparecida Lopes

Leia mais

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão SISTEMAS DE BANCO DE DADOS Prof. Adriano Pereira Maranhão 1 Coleção de operações usadas para manipular relações Grupos de operações Operações relacionais Seleção; projeção; junção Operações de conjunto

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

Interpolação de Curvas de Nível por Difusão de Calor

Interpolação de Curvas de Nível por Difusão de Calor Interpolação de Curvas de Nível por Difusão de Calor ROBERTO DE BEAUCLAIR SEIXAS LUIZ HENRIQUE DE FIGUEIREDO CLAUDIO ANTONIO DA SILVA IMPA Instituto de Matemática Pura e Aplicada VISGRAF Laboratório de

Leia mais

Unified Process. Sueleni Mendez Batista. Orientadora: Dra. Elisa Hatsue Moriya Huzita

Unified Process. Sueleni Mendez Batista. Orientadora: Dra. Elisa Hatsue Moriya Huzita Unified Process Sueleni Mendez Batista Orientadora: Dra. Elisa Hatsue Moriya Huzita Processo de Desenvolvimento de Software 8O processo de desenvolvimento de software é um conjunto de atividades e resultados

Leia mais

AS ÁLGEBRAS DOS OPERADORES DE CONSEQÜÊNCIA

AS ÁLGEBRAS DOS OPERADORES DE CONSEQÜÊNCIA AS ÁLGEBRAS DOS OPERADORES DE CONSEQÜÊNCIA Mauri Cunha do NASCIMENTO 1 Hércules de Araújo FEITOSA 1 RESUMO: Neste trabalho, introduzimos as TK-álgebras associadas com os operadores de conseqüência de Tarski,

Leia mais

Revisão Inteligência Artificial ENADE. Prof a Fabiana Lorenzi Outubro/2011

Revisão Inteligência Artificial ENADE. Prof a Fabiana Lorenzi Outubro/2011 Revisão Inteligência Artificial ENADE Prof a Fabiana Lorenzi Outubro/2011 Representação conhecimento É uma forma sistemática de estruturar e codificar o que se sabe sobre uma determinada aplicação (Rezende,

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Brasil

Universidade Federal de Uberlândia Brasil s de s do Universidade Federal de Uberlândia Brasil Índice s de 1 2 3 4 5 Índice s de 1 2 3 4 5 s de Quando surge uma praga em uma lavoura, os agricultores utilizam de inseticidas eficientes ao maior número

Leia mais

MS777 : Projeto Supervionado I

MS777 : Projeto Supervionado I MS777 : Projeto Supervionado I Aluno: Orientador: Bruno Luís Hönigmann Cereser RA:072864 Prof. Dr. Laércio Luis Vendite 1 Objetivos do Trabalho O objetivo desse trabalho é um estudo da lógica fuzzy para

Leia mais

Formalismos de Grafos de Interação (Surveys)

Formalismos de Grafos de Interação (Surveys) Formalismos de Grafos de Interação (Surveys) Disciplina:Tópicos em IHC II- Interação 3D Professor :Alberto Raposo Tópicos Motivação Fontes de Pesquisa Breve Descrição Conclusões Tópicos Motivação Fontes

Leia mais

Ontologias. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília

Ontologias. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Ontologias Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Origem Teoria sobre a natureza da existência Ramo da filosofia que lida com a natureza e organização da realidade.

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PESQUISA OPERACIONAL

ESTRATÉGIAS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PESQUISA OPERACIONAL ESTRATÉGIAS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PESQUISA OPERACIONAL André Luis Trevisan Universidade Tecnológica Federal do Paraná andrelt@utfpr.edu.br Magna Natalia Marin Pires Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

6.3 Equivalência entre Autômatos com Pilha Não-Determinísticos e Gramáticas Livre do Contexto

6.3 Equivalência entre Autômatos com Pilha Não-Determinísticos e Gramáticas Livre do Contexto Capítulo 6. Autômatos com Pilha 6.3 Equivalência entre Autômatos com Pilha Não-Determinísticos e Gramáticas Livre do Contexto Nos exemplos da seção anterior, vimos que os autômatos com pilha existem para

Leia mais

1 Geometria de referências: pontos, eixos e planos

1 Geometria de referências: pontos, eixos e planos 1 Geometria de referências: pontos, eixos e planos Pontos, eixos e planos são entidades bastante usadas como referências em sistemas CAE/CAE/CAM. Por isso a importância em estudar como definir pontos,

Leia mais

PROPOSTA DE MODELAGEM DE UM SISTEMA FLEXÍVEL DE MANUFATURA CENTRADO EM ROBÔ UTILIZANDO REDES DE PETRI

PROPOSTA DE MODELAGEM DE UM SISTEMA FLEXÍVEL DE MANUFATURA CENTRADO EM ROBÔ UTILIZANDO REDES DE PETRI PROPOSTA DE MODELAGEM DE UM SISTEMA FLEXÍVEL DE MANUFATURA CENTRADO EM ROBÔ UTILIZANDO REDES DE PETRI FLAVIO PIECHNICKI (PUC) fpiechnicki@gmail.com Os avanços tecnológicos e o aumento da complexidade dos

Leia mais

)HUUDPHQWDV &RPSXWDFLRQDLV SDUD 6LPXODomR

)HUUDPHQWDV &RPSXWDFLRQDLV SDUD 6LPXODomR 6LPXODomR GH6LVWHPDV )HUUDPHQWDV &RPSXWDFLRQDLV SDUD 6LPXODomR #5,6. Simulador voltado para análise de risco financeiro 3RQWRV IRUWHV Fácil de usar. Funciona integrado a ferramentas já bastante conhecidas,

Leia mais

Apêndice A. Manual do Usuário JSARP

Apêndice A. Manual do Usuário JSARP Apêndice A Manual do Usuário JSARP A.1. Introdução JSARP é um simulador e analisador de Redes de Petri. É um aplicativo que permite desenhar uma rede, fazer análises, verificar propriedades e simular sua

Leia mais

1 Máquina URM, comandos e programas URM

1 Máquina URM, comandos e programas URM 1 Máquina URM, comandos e programas URM Definição 1 : Máquina URM (Unlimited Register Machine) Uma máquina URM é constituída por uma sucessão de registos 2 < R i > i IN. Cada registo pode conter um valor

Leia mais

Outras Máquinas de Turing

Outras Máquinas de Turing Capítulo 10 Outras Máquinas de Turing 10.1. Pequenas variações da TM padrão 10.2. MT s com dispositivos de armazenamento mais complexos 10.3. MT s não-determinísticas 10.4. A Máquina de Turing Universal

Leia mais

Introdução, motivação e conjuntos fuzzy

Introdução, motivação e conjuntos fuzzy Lógica Fuzzy Introdução, motivação e conjuntos fuzzy Professor: Mário Benevides Monitores: Bianca Munaro Diogo Borges Jonas Arêas Renan Iglesias Vanius Farias Introdução "A lógica difusa tem por objetivo

Leia mais

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP GIS Gertran Integration Suite Guia de T ransferência de Arquivos Entidade x DATAPREV Versão 1.0 SFTP 1/ 8 ÍNDICE ANALÍT ICO 1. INTRODU ÇÃO......4 2. TRANSFERÊNCIA VIA SFTP......5 3. CONSIDERAÇÕES FINAIS......8

Leia mais

CAPÍTULO 2. Grafos e Redes

CAPÍTULO 2. Grafos e Redes CAPÍTULO 2 1. Introdução Um grafo é uma representação visual de um determinado conjunto de dados e da ligação existente entre alguns dos elementos desse conjunto. Desta forma, em muitos dos problemas que

Leia mais

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos.

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos. A GESTÃO DE PROJETOS EXISTENTE NA NORMA DO-178B Matheus da Silva Souza, matheusdasilvasouza@gmail.com Prof. Dr. Luiz Alberto Vieira Dias, vdias@ita.br Instituto Tecnológico de Aeronáutica Praça Marechal

Leia mais

UM MODELO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE BASEADO EM REDES DE PETRI UTILIZADO NO DESENVOLVIMENTO DO GERENTE DE UMA CÉLULA FLEXí VEL DE MANUFATURA

UM MODELO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE BASEADO EM REDES DE PETRI UTILIZADO NO DESENVOLVIMENTO DO GERENTE DE UMA CÉLULA FLEXí VEL DE MANUFATURA I SBAI - UNESP - Rio Claro/SP - Brasil UM MODELO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE BASEADO EM REDES DE PETRI UTILIZADO NO DESENVOLVIMENTO DO GERENTE DE UMA CÉLULA FLEXí VEL DE MANUFATURA AUTORES Eng. Manuel

Leia mais

BC-0506: Comunicação e Redes Algoritmos em Grafos

BC-0506: Comunicação e Redes Algoritmos em Grafos BC-0506: Comunicação e Redes Algoritmos em Grafos Santo André, 2Q2011 1 Parte 1: Algoritmos de Busca Rediscutindo: Representações em Grafos Matriz de Adjacências Matriz de Incidências Lista de Adjacências

Leia mais

Curvas Padrões de Tratamento do HIV

Curvas Padrões de Tratamento do HIV Biomatemática 17 (2007), 55 64 ISSN 1679-365X Uma Publicação do Grupo de Biomatemática IMECC UNICAMP Curvas Padrões de Tratamento do HIV Rosana Motta Jafelice 1, Faculdade de Matemática, UFU, 38.408-100

Leia mais

Cálculo Numérico Aula 1: Computação numérica. Tipos de Erros. Aritmética de ponto flutuante

Cálculo Numérico Aula 1: Computação numérica. Tipos de Erros. Aritmética de ponto flutuante Cálculo Numérico Aula : Computação numérica. Tipos de Erros. Aritmética de ponto flutuante Computação Numérica - O que é Cálculo Numérico? Cálculo numérico é uma metodologia para resolver problemas matemáticos

Leia mais

Técnicas de Computação Paralela Capítulo III Design de Algoritmos Paralelos

Técnicas de Computação Paralela Capítulo III Design de Algoritmos Paralelos Técnicas de Computação Paralela Capítulo III Design de Algoritmos Paralelos José Rogado jose.rogado@ulusofona.pt Universidade Lusófona Mestrado Eng.ª Informática e Sistemas de Informação 2013/14 Resumo

Leia mais

Tópicos Quem é é a a PP aa nn dd ui t t?? PP oo rr qq ue um CC aa bb ea men tt oo PP er ff oo rr ma nn cc e? dd e AA ll tt a a Qua ll ii dd aa dd e e PP aa nn dd ui t t NN et ww oo rr k k II nn ff rr aa

Leia mais

Arquitetura de Computadores - Princípio de Funcionamento da CPU. Por Helcio Wagner da Silva

Arquitetura de Computadores - Princípio de Funcionamento da CPU. Por Helcio Wagner da Silva Arquitetura Computadores - Princípio Funcionamento da CPU Por Helcio Wagner da Silva Arquitetura Von Neumann Memória Principal CPU ULA UC Dispositivo E/S ULA : Unida Lógica Aritmética UC : Unida Controle

Leia mais

Fiabilidade dos Sistemas Informáticos

Fiabilidade dos Sistemas Informáticos Fiabilidade dos Sistemas Informáticos Verificação de Programas Imperativos Lógica de Hoare e outros métodos baseado em Pré/Pós-Condições e Invariantes Simão Melo de Sousa Computer Science Department University

Leia mais

Análise estrutural do problema de programação da produção F3 r j, s ijk C max

Análise estrutural do problema de programação da produção F3 r j, s ijk C max Análise estrutural do problema de programação da produção F3 r j, s ijk C max Sânia da Costa Fernandes (UFG) saninha_fernandes@hotmail.com Tatiane Albuquerque Pires (UFG) tati_albuquerque_3@hotmail.com

Leia mais

Autômatos a pilha. UFRN/DIMAp/DIM0330 Linguagens formais. David Déharbe. http://www.consiste.dimap.ufrn.br/ david/enseignement/2003.

Autômatos a pilha. UFRN/DIMAp/DIM0330 Linguagens formais. David Déharbe. http://www.consiste.dimap.ufrn.br/ david/enseignement/2003. UFRN/DIMAp/DIM0330 Linguagens formais http://www.consiste.dimap.ufrn.br/ david/enseignement/2003.1/dim0330 1/36 Autômatos a pilha David Déharbe UFRN/DIMAp Campus Universitário, Lagoa Nova, 59072-970 Natal,

Leia mais

Descoberta de Domínio Conceitual de Páginas Web

Descoberta de Domínio Conceitual de Páginas Web paper:25 Descoberta de Domínio Conceitual de Páginas Web Aluno: Gleidson Antônio Cardoso da Silva gleidson.silva@posgrad.ufsc.br Orientadora: Carina Friedrich Dorneles dorneles@inf.ufsc.br Nível: Mestrado

Leia mais

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia e não têm a intenção de substituir o livro-texto, nem qualquer outra bibliografia. Introdução O Cálculo Numérico

Leia mais

Conjuntos fuzzy e aplicações

Conjuntos fuzzy e aplicações Conjuntos fuzzy e aplicações Bruno de Paula Kinoshita 1, Daniel Hayashi Nakaya 1 1 Faculdade de Computação e Informática Universidade Presbiteriana Mackenzie Rua da Consolação, 930 01302-907 São Paulo

Leia mais

O Problema do k-servidor

O Problema do k-servidor Autor: Mário César San Felice Orientador: Orlando Lee 22 de março de 2010, IC-Unicamp Estrutura A seguir temos a estrutura geral da dissertação. Otimização combinatória Computação online Análise competitiva

Leia mais

URBANISMO COMERCIAL EM PORTUGAL E A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO DAS CIDADES

URBANISMO COMERCIAL EM PORTUGAL E A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO DAS CIDADES LEITURAS URBANISMO COMERCIAL EM PORTUGAL E A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO DAS CIDADES [Carlos José Lopes Balsas (1999), Gabinete de Estudos e Prospectiva Económica, Ministério da Economia, ISBN: 972-8170-55-6]

Leia mais

TIPOS ABSTRATOS DE DADOS DEFINIÇÃO E EXEMPLOS. Bruno Maffeo Departamento de Informática PUC-Rio

TIPOS ABSTRATOS DE DADOS DEFINIÇÃO E EXEMPLOS. Bruno Maffeo Departamento de Informática PUC-Rio TIPOS ABSTRATOS DE DADOS DEFINIÇÃO E EXEMPLOS Bruno Maffeo Departamento de Informática PUC-Rio TERMINOLOGIA BÁSICA ALGORITMO Um algoritmo pode ser visto como uma seqüência de ações expressas em termos

Leia mais

O Sacrifício da Cruz

O Sacrifício da Cruz O Sacrifício da ruz 6 ø 4 4 Intenso q = 61 9. r. r m b sus4 6 Ó. m Œ. r J 1.u ø. r o - lho pa - ra_o céu, bus - M7.. can - do com - preen-der o sa - cri - fí - cio do Sal - va - dor em meu lu - gar ø ø

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção I

Planejamento e Controle da Produção I Planejamento e Controle da Produção I Sequenciamento e Emissão de Ordens Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 Introdução Programação da produção: define quanto e quando comprar, fabricar

Leia mais

Estruturas de Dados Árvores

Estruturas de Dados Árvores Estruturas de Dados Árvores Prof. Eduardo Alchieri Árvores (introdução) Importância de estruturas unidimensionais ou lineares (vetores e listas) é inegável Porém, estas estruturas não são adequadas para

Leia mais

Modelagem e análise de cenários de Video Game

Modelagem e análise de cenários de Video Game Modelagem e análise de cenários de Video Game Autor: Guilherme Willian de Oliveira 1, Orientador: Stéphane Julia 1 1 Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Universidade Federal do Uberlândia

Leia mais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais Datas Comemorativas White Paper Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais As datas comemorativas podem ser exploradas para rentabilizar o seu comércio, seja ele físico ou online. Dedique

Leia mais

3 Metodologia para Segmentação do Mercado Bancário

3 Metodologia para Segmentação do Mercado Bancário 3 Metodologia para Segmentação do Mercado Bancário Este capítulo descreve a metodologia proposta nesta dissertação para a segmentação do mercado bancário a partir da abordagem post-hoc, servindo-se de

Leia mais

5.1 Modelo de uma rede óptica com conversores de comprimento de onda

5.1 Modelo de uma rede óptica com conversores de comprimento de onda 5 Trabalho Realizado Na seção 2.3, estabeleceu-se que uma das alternativas sub-ótimas de alocação de conversores de comprimento de onda em redes parciais é fazer uso de simulações para gerar estatísticas

Leia mais

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante Capítulo 2 Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante 2.1 Introdução Neste capítulo, chamamos atenção para o fato de que o conjunto dos números representáveis em qualquer máquina é finito, e portanto

Leia mais

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Capítulo 12 REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 12.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma organização trabalhar?

Leia mais

Capítulo 2. Álgebra e imagens binárias. 2.1 Subconjuntos versus funções binárias

Capítulo 2. Álgebra e imagens binárias. 2.1 Subconjuntos versus funções binárias Capítulo 2 Álgebra e imagens binárias Em Análise de Imagens, os objetos mais simples que manipulamos são as imagens binárias. Estas imagens são representadas matematicamente por subconjuntos ou, de maneira

Leia mais

Compiladores Aula 5. Celso Olivete Júnior. olivete@fct.unesp.br

Compiladores Aula 5. Celso Olivete Júnior. olivete@fct.unesp.br Aula 5 Celso Olivete Júnior olivete@fct.unesp.br Na aula passada Conjuntos Primeiro(First) e Seguidor(Follow) 2 Na aula de hoje Análise Sintática Análise Sintática Descendente Recursividade Fatoração 3

Leia mais

SISTEMAS ESPECIALISTAS

SISTEMAS ESPECIALISTAS SISTEMAS ESPECIALISTAS Pasteur Ottoni de Miranda Junior DCC PUC Minas Postado em www.pasteurjr.blogspot.com Sistemas especialistas (SE) representam o comportamento de um especialista humano em determinada

Leia mais

PRIMAVERA RISK ANALYSIS

PRIMAVERA RISK ANALYSIS PRIMAVERA RISK ANALYSIS PRINCIPAIS RECURSOS Guia de análise de risco Verificação de programação Risco rápido em modelo Assistente de registro de riscos Registro de riscos Análise de riscos PRINCIPAIS BENEFÍCIOS

Leia mais

BARRAMENTO DO SISTEMA

BARRAMENTO DO SISTEMA BARRAMENTO DO SISTEMA Memória Principal Processador Barramento local Memória cachê/ ponte Barramento de sistema SCSI FireWire Dispositivo gráfico Controlador de vídeo Rede Local Barramento de alta velocidade

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Matemática Discreta para Ciência da Computação

Matemática Discreta para Ciência da Computação Matemática Discreta para Ciência da Computação P. Blauth Menezes blauth@inf.ufrgs.br Departamento de Informática Teórica Instituto de Informática / UFRGS Matemática Discreta para Ciência da Computação

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

01/05/2016. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc ROTEIRIZAÇÃO TEORIA DOS GRAFOS MOTIVAÇÃO

01/05/2016. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc ROTEIRIZAÇÃO TEORIA DOS GRAFOS MOTIVAÇÃO ROTEIRIZAÇÃO Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc TEORIA DOS GRAFOS MOTIVAÇÃO 1 MOTIVAÇÃO Por que estudar grafos? Importante ferramenta matemática com aplicação em diversas áreas do conhecimento Utilizados

Leia mais

Nathalie Portugal Vargas

Nathalie Portugal Vargas Nathalie Portugal Vargas 1 Introdução Trabalhos Relacionados Recuperação da Informação com redes ART1 Mineração de Dados com Redes SOM RNA na extração da Informação Filtragem de Informação com Redes Hopfield

Leia mais

Bacharelado em Ciência da Computação Matemática Discreta

Bacharelado em Ciência da Computação Matemática Discreta Bacharelado em Ciência da Computação Matemática Discreta Prof. Diego Mello da Silva Instituto Federal de Minas Gerais - Campus Formiga 19 de fevereiro de 2013 diego.silva@ifmg.edu.br (IFMG) Matemática

Leia mais

Busca Estocástica Baseada em Planejamento para Maximizar Metas em Jogos de RTS

Busca Estocástica Baseada em Planejamento para Maximizar Metas em Jogos de RTS Busca Estocástica Baseada em Planejamento para Maximizar Metas em Jogos de RTS Autor:Thiago França Naves 1, Orientador: Carlos Roberto Lopes 1 1 Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Universidade

Leia mais

Aplicação de um Metamodelo de Contexto a uma Tarefa de Investigação Policial

Aplicação de um Metamodelo de Contexto a uma Tarefa de Investigação Policial Aplicação de um Metamodelo de Contexto a uma Tarefa de Investigação Policial Lucas A. de Oliveira, Rui A. R. B. Figueira, Expedito C. Lopes Mestrado em Sistemas e Computação Universidade de Salvador (UNIFACS)

Leia mais

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Software Sequencia de Instruções a serem seguidas ou executadas Dados e rotinas desenvolvidos por computadores Programas

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Otimização de Recuperação de Informação usando Algoritmos Genéticos

Otimização de Recuperação de Informação usando Algoritmos Genéticos Otimização de Recuperação de Informação usando Algoritmos Genéticos Neide de Oliveira Gomes, M. Sc., nog@inpi.gov.br Prof. Marco Aurélio C. Pacheco, PhD Programa de Doutorado na área de Métodos de Apoio

Leia mais

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing White Paper Boas Práticas de E-mail Marketing Saiba como alguns cuidados simples podem melhorar os resultados de suas campanhas de e-mail marketing Para garantir a qualidade no mix de comunicação atual,

Leia mais

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma organização trabalhar? 2. Como uma empresa pode certificar-se

Leia mais

Introdução à Simulação

Introdução à Simulação Introdução à Simulação O que é simulação? Wikipedia: Simulação é a imitação de alguma coisa real ou processo. O ato de simular algo geralmente consiste em representar certas características e/ou comportamentos

Leia mais

Paradigmas da IA. Eixos centrais (das diferenças)

Paradigmas da IA. Eixos centrais (das diferenças) Paradigmas da IA Paradigmas da IA Simbólico: metáfora lingüística/lógica Sistemas de produção Conexionista: metáfora cérebro Redes neurais Evolucionista: metáfora teoria da evolução natural Algoritmos

Leia mais

Sergio da Silva Aguiar Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - I Seemat

Sergio da Silva Aguiar Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - I Seemat Introdução à Lógica Matemática Sergio da Silva Aguiar Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - I Seemat 1 Introdução O que é a Lógica? O que signi ca estudar Lógica? Qual a sua de nição? Ao iniciar

Leia mais

Disciplina: Introdução à Álgebra Linear

Disciplina: Introdução à Álgebra Linear Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus: Mossoró Curso: Licenciatura Plena em Matemática Disciplina: Introdução à Álgebra Linear Prof.: Robson Pereira de Sousa

Leia mais

Sistemas p-fuzzy modificados para o modelo do controle de pragas

Sistemas p-fuzzy modificados para o modelo do controle de pragas Biomatemática 22 (2012), 61 76 ISSN 1679-365X Uma Publicação do Grupo de Biomatemática IMECC UNICAMP Sistemas p-fuzzy modificados para o modelo do controle de pragas Thiago F. Ferreira 1, Rosana S. M.

Leia mais

computador-cálculo numérico perfeita. As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

computador-cálculo numérico perfeita. As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA Departamento de Matemática - CCE Cálculo Numérico - MAT 271 Prof.: Valéria Mattos da Rosa As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia

Leia mais

Avaliação de Desempenho em Sistemas de Computação e Comunicação

Avaliação de Desempenho em Sistemas de Computação e Comunicação Avaliação de Desempenho em Sistemas de Computação e Comunicação Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM UFES Objetivos

Leia mais