PROGRAMA DA MOEDA ÚNICA DA CEDEAO: QUE LIÇÕES DA CRISE NA ZONA EURO? Degol MENDES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA DA MOEDA ÚNICA DA CEDEAO: QUE LIÇÕES DA CRISE NA ZONA EURO? Degol MENDES"

Transcrição

1 PROGRAMA DA MOEDA ÚNICA DA CEDEAO: QUE LIÇÕES DA CRISE NA ZONA EURO? Degol MENDES

2

3 INTRODUÇÃO Com os seus 310 milhões de habantes em 2012 na maioria ovem, a CEDEAO representa 73,3% da população da África subsaariana e 30,1% da população Africana PIB real da Comunidade foi avaliada em 306,7 mil milhões de dólares em 2011, repartido entre Nigéria (64%), Gana (11%), Côte d'ivoire (7%) e outros países (18%). Possui diversos recursos minerais, nomeadamente petróleo (Cote d'ivoire, Gana, Níger e Nigéria), urânio (Níger), ouro (Burkina Faso, Gana, Guiné, Mali), fosfato (Senegal e Togo), bauxe (Guiné e Guiné-Bissau). Forte crescimento economico: acima dos 6%

4 INTRODUÇÃO Fraco comércio intra regional: média das exportações intra-comunárias suou-se em 11,3% durante o período , enquanto a das importações intra-comunárias fixou-se em 14,2%: Estrutura produtiva (produtos de base), Inconversibilidade das moedas nacionais dos países membros, Dificuldades nos sistemas de pagamentos e das infraestruturas de transporte e de telecomunicações Diversidade de regimes cambiais, da dinâmica de crescimento, da suação demografica etc,

5 REVISÃO DA LITERATURA mobilidade do factor trabalho (Mundell, 1961) Grau de abertura das economias (McKinnon,1963); Diversificação do aparelho produtivo e das exportações (Kenen, 1969); Integração orçamental e financeira (Johnson, 1970), Grau de integração financeira entre as economias (Ingram, 1969 ) etc. Endogeneidade da zona monetária óptima Solidariedade entre Estados membros Moeda única e questões de soberanias Análise de custos e benefícios da moeda única

6 DINÂMICA DA INTEGRAÇÃO MONETÁRIA NA CEDEAO A integração económica e monetária na África Ocidental remonta aos tempos coloniais; Datas marcantes no processo de integração monetária ao nivel da CEDEAO 1983: manifestação da intenção da criação de uma zona monetária unica 1987: adopção do programa de cooperação monetária da CEDEAO; 1999: adopção dos crérios de convergência macroeconomica para avaliar o desempenho dos Estados membros; 2000: criação da Zona Monetária da África Ocidental (ZMAO); 2001: criação do Mecanismo de Supervisão Multilateral de políticas económicas e financeiras dos Estados membros da CEDEAO; 2009: Adopção do roteiro para o programa da moeda única da CEDEAO: criação do eco em 2015 e moeda única em 2020.

7 DINÂMICA DA INTEGRAÇÃO MONETÁRIA NA ÁFRICA OCIDENTAL UE Portugal França EUA? ZMAO C.Verde Gâmbia Gana Guiné Nigéria Serra Leoa Libéria UEMOA Benin Burkina Faso Côte d Ivoire Guiné-Bissau Mali Niger Senegal Togo Zona franco CFA CEDEAO CEMAC

8 DINÂMICA DA INTEGRAÇÃO MONETÁRIA NA CEDEAO UNIÃO ECONÓMICA E MONETÁRIA DA ÁFRICA OCIDENTAL (UEMOA) UEMOA caracterizada: existência de moeda comum, o franco CFA, emido por um banco central comum (BCEAO); coordenação de políticas macroeconómicas legislação e supervisão bancaria e financeira unificadas; Datas marcantes: 26 de Dezembro de 1945: Criação do franco das Colonias Francesas em África (F CFA) a Reformas dos anos 70: a batalha de africanização : Desvalorização do F CFA e aprofundamento do processo de integração Reformas de 2007 em vigor em 2010: reforço da independência do BCEAO. Estabilidade de preços como obetivo da Polica monetaria

9 DINÂMICA DA INTEGRAÇÃO MONETÁRIA NA CEDEAO ZONA MONETÁRIA DA ÁFRICA OCIDENTAL (ZMAO) Instuida em 20 de Abril de 2000, com vista a facilar a criação da Zona Monetária Única da África Ocidental com as seguintes instuições: Instuto Monetário da África Ocidental (IMAO), Autoridade Oeste Africana de Supervisão Financeira, Secretariado da ZMAO; Fundo de Estabilização e Cooperação; Lançamento da moeda comum em 2015 Processo de harmonização de legislação e práticas em curso

10 CRISE NA ZONA EURO E SEUS ENSINAMENTOS Causas da crise na zona euro: Desequilíbrio macroeconómico (défice excessivos, cuo financiamento levou a insustentabilidade da divida pública); Insuficiências da optimalidade da zona euro enquanto zona monetária e os seus mecanismos para prevenir e gerir a crise Detonador: crise da divida soberana na Grécia em 2010; Amplificador: insuficiência da solidariedade política dos outros Estados membros e a lentidão na sua expressão; atribuição ao Banco Central Europeu do mandato exclusivo de estabilidade de preços; Efeos: propagação a Irlanda, Portugal, Espanha, Italia e vai continuando até...

11 Algumas soluções adoptadas: CRISE NA ZONA EURO E SEUS ENSINAMENTOS Fundo Europeu de Estabilidade Financeira; inscrever a regra de equilibrio orçamental nas constuições ; Supervisão bancaria comum; Criação de uma união orçamental para combater a crise na zona euro; recapalização e financiamento dos bancos europeus.

12 CRISE NA ZONA EURO E SEUS ENSINAMENTOS QUE FAZER PARA CRIAR UMA UNIÃO MONETÁRIA FORTE E CREDIVEL NO SEIO DA CEDEAO: IMPLEMENTAR O ROTEIRO PARA O PROGRAMA DA MOEDA ÚNICA 1. Necessidade de promover a integração económica efectiva: Actividade n 5 do roteiro para a moeda unica da CEDEAO que a supressão de todas as barreiras tarifárias e não tarifárias à livre circulação de bens, pessoas e serviços no seio da CEDEAO; Consolidação da Zona de comércio livre Realização da União Aduaneira com adopção eminente da TEC- CEDEAO Construção de um mercado comum 2. Importância de incentivar a integração financeira Liberalização das contas de capal no seio da CEDEAO como 7 a actividade a realizar até 2013; Integração de Mercados Financeiros (Capais, Seguros, Banca, Pensões/ Fundos de Segurança Social etc.) a realizar antes do lançamento da moeda unica em 2020 como actividade n 8; Cotação e transacções nas moedas nacionais da CEDEAO enquanto actividade n 9

13 3. Urgência de promover a criação de infra-estruturas CRISE NA ZONA EURO E SEUS ENSINAMENTOS harmonização das Infra-estruturas de sistema de pagamentos para as transacções transfronteiriças dentro da CEDEAO (actividade n 3e ); apoio aos esforços dos Estados na modernização de infra-estruturas e meios de comunicação 4. Harmonização e coordinação de políticas económicas Harmonização de legislação nos dominios das finanças publicas, das estatísticas e da fiscalidade interna Implementação do mecanismo de Supervição multilateral de policas economicas e financeiras: transparente e credivel (www.ecomac.ecowas.int) Pacto de convergência e de estabilidade macroeconmica Realização de missões de supervisão multilateral untos dos Estados membros; Supervição multilateral de actividades bancarias e financeiras (experiência da UEMOA)

14 Actos/Medidas adicionais CRISE NA ZONA EURO E SEUS ENSINAMENTOS 1. Necessidade de uma maior liderança clara e democratica Tendo em conta a natureza da moeda e a sua estrea ligação com a soberania, a sua viabilidade e sustentabilidade necessa de uma liderança polica clara e democratica, capaz de federar as aspirações das populações da Africa Ocidental. 2. Criação de um Sistema de Solidariedade Financeira Comunária (SSFC) um país atingido por um choque exógeno poderá beneficiar do apoio financeiro para se austar em condições mais suaves, mas subordinado ao respeo de condições a definir caso a caso com vista a preservar a competividade e o emprego no país. 3. Reforço da coordenação de policas macroeconomicas O reforço dos poderes do Conselho de Convergência permindo-o a supervisão multilateral prévia das policas economicas e financeiras dos Estados membros, poderá constuir uma forma de promover a boa gestão e coordenação de policas económicas.

15 Os crérios primários 1.Rácio do défice orçamental excluindo donativos (base engaamento) em relação ao produto interno bruto (PIB) Norma 4% 2.Taxa de inflação no fim de periodo 5% 3.Financiamento do défice orçamental pelo Banco Central em termos de receas tributárias do ano anterior; 4.Reservas brutas em meses de importações. 10% 6 mois Crérios s e cundários 1.Atrasados: proibição de acumular atrasados novos e liquidação de todos os atrasados anteriores; 2.Rácio das receas tributárias em % do PIB: 20% 3.Rácio da massa salarial em termos das receas tributárias 35% 4.Rácio do investimento público financiado por recursos internos em termos das receas tributárias 20% 5.Estabilidade da taxa de câmbio real > 0% 6.Taxa de uro real ±5%

16 , Numero de paises que respearam,, crério AVALIAÇÃO DA CONVERGÊNCIA MACROECONÓMICA Moyenne 2006/

17 ,,, Numero de crério respeado por cada pais AVALIAÇÃO DA CONVERGÊNCIA MACROECONÓMICA N o m b r e c r è r e d e c o n v e r ge n c e Niger Sénégal Bénin Mali Togo Burkina Faso Cap Vert Côte d'ivoire Libéria Nigéria Gambie Ghana Guinée Sierra Leone Guiné Bissau 2011 Moyenne 2006/2010 Cible

18 AVALIAÇÃO DA CONVERGÊNCIA MACROECONÓMICA,, Indicador sintético de convergência linear e ISL C 1 C C C 0 C n Indicador por grupo de crérios 4 ISL1 C 1 ISL 2 10 Indicador por zona u- UEMOA z-zmao c-cedeao 5 C ISLG 10 1 C ISL zu 8 i1 ISL; i 6 ISL ISL; zt i1 i ISL ct 15 i1 ISL, i

19 ,, Indicador sintético quadrático, AVALIAÇÃO DA CONVERGÊNCIA MACROECONÓMICA Indicador por grupo de crérios ISQ1 4 ( C 1 ) 2 ISQ2 11 ( C 5 ) 2 11 ISQ ( C ) 1 2 Indicador por zona u- UEMOA z-zmao c-cedeao 8 i1 ISQ ISQ; zu i ISQ zt 6 i1 ISQ; i ISQ ct 15 i1 ISQ, i

20 AVALIAÇÃO DA CONVERGÊNCIA MACROECONÓMICA Indicador sintético linear de convergência,,,

21 AVALIAÇÃO DA CONVERGÊNCIA MACROECONÓMICA Indicador sintético linear de convergência,,,

22 AVALIAÇÃO DA CONVERGÊNCIA MACROECONÓMICA Indicador sintético linear de convergência,,,

23 CONCLUSÕES 1. Nao é possivel ter uma união monetaria solida sem a coordenação de policas macroeconomicas: federalismo monetário e governação económica independente é uma recea certa para a crise. 2. Reforço da disciplina orçamental devido ao facto de a polica orçamental ser a principal política macroeconómica ainda na esfera dos Estados e a sua ma utilização por um país poderá produzir externalidades negativas sobre os restantes Estados membros, provocando nomeadamente a instabilidade financeira, como foi caso recente da Grécia; 3. Acelerar o processo de convergência macroeconómica com vista a criar base sólida para viabilidade da futura moeda única da CEDEAO;

24 OBRIGADO

ÍNDICE. Prefácio à presente edição 7. Prefácio à 3. 8 edição 9. Prefácio à 2.- edição 13. Prefácio à 1.* edição 15

ÍNDICE. Prefácio à presente edição 7. Prefácio à 3. 8 edição 9. Prefácio à 2.- edição 13. Prefácio à 1.* edição 15 ÍNDICE Prefácio à presente edição 7 Prefácio à 3. 8 edição 9 Prefácio à 2.- edição 13 Prefácio à 1.* edição 15 1. Introdução e fases do crescimento português 19 Resumo 19 1.1. As fases do crescimento económico

Leia mais

Desenvolvimento financeiro e crescimento sustentado. Perspetivas Económicas Regionais para a África Subsariana. Abril de 2016

Desenvolvimento financeiro e crescimento sustentado. Perspetivas Económicas Regionais para a África Subsariana. Abril de 2016 Desenvolvimento financeiro e crescimento sustentado Perspetivas Económicas Regionais para a África Subsariana Abril de 2016 Perguntas essenciais 1. Como o setor financeiro da África Subsariana desenvolveu-se

Leia mais

E depois da troika? Viver com o memorando. Fernando Faria de Oliveira. Caixa Geral de Depósitos

E depois da troika? Viver com o memorando. Fernando Faria de Oliveira. Caixa Geral de Depósitos E depois da troika? Viver com o memorando. Fernando Faria de Oliveira Caixa Geral de Depósitos Centro de Congressos de Lisboa, 4 de Julho 2011 A comportamento do mercado em relação ao risco da dívida soberana

Leia mais

MÓDULO VI. A União Europeia. e os Desafios do Século XXI. União Europeia. Fundo Social Europeu

MÓDULO VI. A União Europeia. e os Desafios do Século XXI. União Europeia. Fundo Social Europeu MÓDULO VI A e os Desafios do Século XXI O papel da no Mundo Ajuda ao Desenvolvimento PESC Processo de integração Manutenção da Paz Democracia uro Direitos Humanos Globalização Criminalidade Justiça Mercado

Leia mais

Desafios e oportunidades da Graduação de PMA: O PNUD como Parceiro Estratégico no Processo de Graduação

Desafios e oportunidades da Graduação de PMA: O PNUD como Parceiro Estratégico no Processo de Graduação Desafios e oportunidades da Graduação de PMA: O PNUD como Parceiro Estratégico no Processo de Graduação Prof. Dr. Ayodele Odusola Economista-Chefe e Chefe da Equipa de Estratégia e Análise Escritório Regional

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABINETE DO MINISTRO DE ESTADO E DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABINETE DO MINISTRO DE ESTADO E DAS FINANÇAS 20º Encontro de Lisboa com as Delegações dos Bancos Centrais dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa e de Timor Leste à Assembleia Anual do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial 04

Leia mais

A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas DADOS ESTATÍSTICOS

A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas DADOS ESTATÍSTICOS DADOS ESTATÍSTICOS A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas I. DADOS NACIONAIS 1. POPULAÇÃO 1.1 População Residente por Sexo e Grupo Etário: Censos 1 1.2 População Residente - Estimativas 1 2.

Leia mais

PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS

PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS MAPUTO, 11 DE MARÇO DE 2013 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA AO ABRIGO DO DECRETO-LEI Nº 357/2007, DE 29 DE OUTUBRO (Duração: 90 minutos + 30 minutos de tolerância)

MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA AO ABRIGO DO DECRETO-LEI Nº 357/2007, DE 29 DE OUTUBRO (Duração: 90 minutos + 30 minutos de tolerância) MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA AO ABRIGO DO DECRETO-LEI Nº 357/2007, DE 29 DE OUTUBRO (Duração: 90 minutos + 30 minutos de tolerância) ECONOMIA A 11º ANO (Cursos Científico-Humanísticos Decreto-Lei

Leia mais

A.F.P.L.P. PAINEL: Evolução da farmácia e do medicamento. 1. Situação actual 2. Vantagens do sistema 3. Fragilidades 4. Perspectivas.

A.F.P.L.P. PAINEL: Evolução da farmácia e do medicamento. 1. Situação actual 2. Vantagens do sistema 3. Fragilidades 4. Perspectivas. A.F.P.L.P. Dr. Carlos Bubacar Baldé Guiné-Bissau PAINEL: Evolução da farmácia e do medicamento 1. Situação actual 2. Vantagens do sistema 3. Fragilidades 4. Perspectivas 1 A participação comunitária no

Leia mais

Lições da experiência portuguesa. Fernando Teixeira dos Santos. Ministro de Estado e das Finanças. Universidade do Minho Maio

Lições da experiência portuguesa. Fernando Teixeira dos Santos. Ministro de Estado e das Finanças. Universidade do Minho Maio Ministério das Finanças as e da Administração PúblicaP Euro@10 Lições da experiência portuguesa Fernando Teixeira dos Santos Ministro de Estado e das Finanças as Universidade do Minho Maio 2009 1 Índice

Leia mais

Componente Específica de Economia

Componente Específica de Economia PROVA PARA AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE PARA FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS 2013/2014 Escola Superior de Gestão, Hotelaria e Turismo Licenciaturas em Gestão, Gestão Hoteleira e Marketing

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas Evolução 2007-2013 Actualizado em Março 2013 Unid. Fonte 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Notas População a Milhares Hab. INE 10.604 10.623 10.638 10.636 10.647 10.600 População tvh % INE 0,2 0,2 0,1

Leia mais

Desenvolvimento Local

Desenvolvimento Local Desenvolvimento Local Aula 3 Globalização e desenvolvimento local. Regiões ganhadoras e regiões perdedoras. Comparação entre regiões usando como indicador o Índice de dispersão do PIB per capita. Dinâmicas

Leia mais

Angola. Evolução dos principais indicadores económicos e financeiros entre 2008 e 2012 e perspectivas futuras. Junho 2013

Angola. Evolução dos principais indicadores económicos e financeiros entre 2008 e 2012 e perspectivas futuras. Junho 2013 Angola Evolução dos principais indicadores económicos e financeiros entre 28 e 212 e perspectivas futuras Junho 213 Sumário da apresentação Produto Interno Bruto Inflação Exportações e Reservas Internacionais

Leia mais

MESTRADO EM ECONOMIA DA EMPRESA E DA CONCORRÊNCIA PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES

MESTRADO EM ECONOMIA DA EMPRESA E DA CONCORRÊNCIA PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES MESTRADO EM ECONOMIA DA EMPRESA E DA CONCORRÊNCIA PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES UNIDADES CURRICULARES OBRIGATÓRIAS Análise Macroeconómica 1. Introdução à Macroeconomia 2. Medição da Actividade Económica

Leia mais

A fiscalização legislativa orçamental e consequências na qualidade da democracia e governação actores objectivos e percepções

A fiscalização legislativa orçamental e consequências na qualidade da democracia e governação actores objectivos e percepções A fiscalização legislativa orçamental e consequências na qualidade da democracia e governação actores objectivos e percepções Elisabete Azevedo-Harman (PhD) Especialista Parlamentar Senior/ Pro PALOP TL

Leia mais

Seguimento da última Conferência dos Ministros Africanos de Economia e Finanças (CAMEF II)

Seguimento da última Conferência dos Ministros Africanos de Economia e Finanças (CAMEF II) Distr.: Geral Data: 10 de Março 2008 COMISSÃO DA UNIÃO AFRICANA Terceira Sessão de CAMEF Primeira Reunião Conjunta Anual da Conferência da UA de Ministros de Economia e Finanças e Conferência da CEA de

Leia mais

Provas de Acesso ao Ensino Superior

Provas de Acesso ao Ensino Superior Provas de Acesso ao Ensino Superior Para Maiores de 3 Anos Candidatura de 05 Exame de Economia Tempo para a realização da prova: horas Tolerância: 30 minutos Material admitido: material de escrita, caneta

Leia mais

A ECONOMIA PORTUGUESA NO MUNDO

A ECONOMIA PORTUGUESA NO MUNDO A ECONOMIA PORTUGUESA NO MUNDO MANUEL CALDEIRA CABRAL UNIVERSIDADE DO MINHO FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO 29 DE SETEMBRO 2010 INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA Porque é que é importante Crescimento

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 09 setembro 2011 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO Josep-Francesc Valls Coordenador do Centro de Formação e Investigação em Turismo da UMa Professor Esade Business & Law School RESUMO 1. Posição de Portugal

Leia mais

Banda Larga - Definià à o Tecnica

Banda Larga - Definià à o Tecnica Banda Larga - Definià à o Tecnica O que e Banda Larga? (Broadband) Banda Larga refere-se à telecomunicação que fornece múltiplos canais de dados por cima de um meio de comunicações único, tipicamente usando

Leia mais

Crise na Europa e Globalização

Crise na Europa e Globalização Crise na Europa e Globalização Crise na Europa e Globalização 1. Nas últimas décadas, a Turquia vem pleiteando, sem sucesso, sua entrada na União Europeia. Apresente uma razão que tem dificultado a entrada

Leia mais

Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira

Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira 39º Prêmio Exportação Rio Grande do Sul - 2011 Alexandre Tombini Presidente do Banco Central do Brasil 20 de Junho de 2011 Conquistas da Sociedade Brasileira

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010 Evolução 2004-2010 Actualizado em Dezembro de 2010 Unid. Fonte 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Notas 2010 População a Milhares Hab. INE 10.509 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.638 3º Trimestre

Leia mais

Uma União Monetária para a África Ocidental com participação de Cabo Verde?

Uma União Monetária para a África Ocidental com participação de Cabo Verde? Uma União Monetária para a África Ocidental com participação de Cabo Verde? por Evaldo Alexandre Santos Pinheiro Baptista Dissertação de Mestrado em Economia Orientador: Prof. Dr. João Manuel de Matos

Leia mais

FÓRUM DE INVESTIMENTO DIRECTO ESTRANGEIRO: UM NOVO PARADIGMA PARA A DIVERSIFICAÇÃO DA ECONOMIA ANGOLANA APIEX. 13 de Maio de 2016

FÓRUM DE INVESTIMENTO DIRECTO ESTRANGEIRO: UM NOVO PARADIGMA PARA A DIVERSIFICAÇÃO DA ECONOMIA ANGOLANA APIEX. 13 de Maio de 2016 FÓRUM DE INVESTIMENTO DIRECTO ESTRANGEIRO: UM NOVO PARADIGMA PARA A DIVERSIFICAÇÃO DA ECONOMIA ANGOLANA APIEX 13 de Maio de 2016 MERCADO DE CAPITAIS E INVESTIMENTOS Agenda Breves notas conceptuais Estruturas

Leia mais

Objetivos e instrumentos de política econômica, 1

Objetivos e instrumentos de política econômica, 1 Sumário Prefácio, xiii i Objetivos e instrumentos de política econômica, 1 1. Objetivo do estudo de economia, 2 2. Objetivos de política econômica, 3 2.1 Crescimento da produção e do emprego, 3 2.2 Controle

Leia mais

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação. taxa de variação

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação. taxa de variação Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas 2013 2013 2014 2015 2016 2017 nível (10 6 euros) 1. PIB (real) 1 B1*g 162852,2-1,4 1,2 1,5 1,7 1,8 1,8 2. PIB (nominal) B1*g 165666,3 0,3 2,0 2,4 3,4 3,7 3,7 Componentes

Leia mais

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO Comunicado de Imprensa n.º 13/533 PARA DIVULGAÇÃO IMEDIATA 19 de Dezembro de 2013 Fundo Monetário Internacional Washington, D.C. 20431 USA Conselho

Leia mais

Desenvolvimentos e perspetivas para a economia de Timor-Leste

Desenvolvimentos e perspetivas para a economia de Timor-Leste economia de Timor-Leste Timor-Leste tem vindo a beneficiar, ao longo da última década, da sua principal fonte de riqueza, que consiste nos recursos petrolíferos do Mar de Timor, cujas receitas financeiras

Leia mais

Perspectivas para 2012

Perspectivas para 2012 Abiplast Perspectivas para 2012 Antonio Delfim Netto 2 de Dezembro de 2011 São Paulo, SP 1 I.Mundo: Década de 80 e 2010 (% do PIB) 30% 23% 31% 24% 37% 22% 3,7% 3,3% 8% 7% 4,2% 4,0% 1,5% 1,2% Fonte: FMI,

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA INDÚSTRIA E DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO BRASIL: QUAL DEVE SER A ESTRATÉGIA DO GOVERNO PARA ?

PROJETO DE PESQUISA INDÚSTRIA E DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO BRASIL: QUAL DEVE SER A ESTRATÉGIA DO GOVERNO PARA ? PROJETO DE PESQUISA INDÚSTRIA E DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO BRASIL: QUAL DEVE SER A ESTRATÉGIA DO GOVERNO PARA 2015-18? Introdução A indústria é um setor vital para o desenvolvimento do Brasil. Mesmo

Leia mais

Actividades e Realizações da UE. Actividades e Realizações da UE

Actividades e Realizações da UE. Actividades e Realizações da UE Actividades e Realizações da UE Actividades e Realizações da UE Como gasta a UE o seu dinheiro? Orçamento da UE para 2010: 141,5 mil milhões de euros = 1,20% do Rendimento Nacional Bruto Acção da UE na

Leia mais

Níveis de Desenvolvimento Global (Extremos da Distribuição dos Países - 10/10)

Níveis de Desenvolvimento Global (Extremos da Distribuição dos Países - 10/10) Níveis de Desenvolvimento Global (Extremos da Distribuição dos Países - 10/10) IDH País Pontuação Esperança de vida (anos) Média de anos de Anos de esperados RNBpc PPC em USD 2008 Posição no RNBpc menos

Leia mais

A CPLP: ATOR MULTIPOLAR NO MUNDO GLOBAL. Excelentíssimo Presidente da Direção do Círculo de Conexão Lusófona

A CPLP: ATOR MULTIPOLAR NO MUNDO GLOBAL. Excelentíssimo Presidente da Direção do Círculo de Conexão Lusófona Intervenção do Secretário Executivo da CPLP Embaixador Murade Isaac Murargy A CPLP: ATOR MULTIPOLAR NO MUNDO GLOBAL Excelentíssimo Presidente da Direção do Círculo de Conexão Lusófona Dr. Francisco Murteira

Leia mais

INDICE HARMONIZADO DOS PREÇOS NO CONSUMIDOR (IHPC) PAISES MEMBROS DA UEMOA BISSAU Dezembro 2014

INDICE HARMONIZADO DOS PREÇOS NO CONSUMIDOR (IHPC) PAISES MEMBROS DA UEMOA BISSAU Dezembro 2014 Republica da Guine-Bissau Ministerio de Economia e Finanças Instituto Nacional de Estatistica-INE Av. Amilcar Lopes Cabral, Porta N.37 A, CP 06 INDICE HARMONIZADO DOS PREÇOS NO CONSUMIDOR (IHPC) PAISES

Leia mais

Fundo Fiduciário de Solidariedade Africana

Fundo Fiduciário de Solidariedade Africana Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura Fundo Fiduciário de Solidariedade Africana Temos uma abordagem singular

Leia mais

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa Publicação anual Outubro 2016 Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa Comunidade em gráficos Área terrestre Milhares de km 2 População Milhões de habitantes, PIB EUR, mil milhões, preços

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL Sistemas de Preferências (item 3 do Programa) COMÉRCIO INTERNACIONAL Sistema Geral de Preferência

COMÉRCIO INTERNACIONAL Sistemas de Preferências (item 3 do Programa) COMÉRCIO INTERNACIONAL Sistema Geral de Preferência Sistemas Preferenciais e Acordos Regionais: Blocos Econômicos Prof.Nelson Guerra (item 3 do Programa) Preferências: É o percentual de redução na alíquota de imposto do país importador que assinou um acordo

Leia mais

Macroeconomia para executivos de MKT. Lista de questões de múltipla escolha

Macroeconomia para executivos de MKT. Lista de questões de múltipla escolha Macroeconomia para executivos de MKT Lista de questões de múltipla escolha CAP. 3. Ambiente Externo, Cenário Macroeconômico e Mensuração da Atividade Econômica 5.1) A diferença entre Produto Nacional Bruto

Leia mais

Integração e crise na Europa

Integração e crise na Europa Integração e crise na Europa Fatores de integração Político Arrefecimento das tendências conflitivas mantidas nas décadas anteriores Econômicas Benefícios para os países envolvidos com aumento Investimento

Leia mais

Economia Brasileira Ciclos do Pós-Guerra

Economia Brasileira Ciclos do Pós-Guerra Economia Brasileira Ciclos do Pós-Guerra Hildo Meirelles de Souza Filho Ciclos do crescimento 1947-1980, taxas de crescimento do PIB 15,0 10,0 5,0-1948 1950 1952 1954 1956 1958 1960 1962 1964 1966 1968

Leia mais

ª Fase AECVEXE10_04

ª Fase AECVEXE10_04 AECVEXE10_04 20 pontos 15 pontos 15 pontos 10 pontos 20 pontos 20 pontos 15 pontos 15 pontos 10 pontos TOTAL 200 pontos Exame Nacional de Economia A 10.º/11.º Anos, 2007, 2.ª fase in www.gave.min-edu.pt

Leia mais

ECO Economia Brasileira

ECO Economia Brasileira Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January, 2012 ECO 112 - Economia Brasileira Eloi Martins Senhoras Available at: http://works.bepress.com/eloi/124/

Leia mais

A América Latina e o ajuste estrutural apóso Consenso de Washington

A América Latina e o ajuste estrutural apóso Consenso de Washington A América Latina e o ajuste estrutural apóso Consenso de Washington Resenha Economia e Comércio / Desenvolvimento Jéssica Naime 05 de novembro de 2004 1 A América Latina e o ajuste estrutural após o Consenso

Leia mais

Desafios para o Crescimento e Desenvolvimento Económico de Moçambique

Desafios para o Crescimento e Desenvolvimento Económico de Moçambique Desafios para o Crescimento e Desenvolvimento Económico de Moçambique Fernando Faria de Oliveira VIII Conferência Anual de Economistas de Moçambique Novembro 2012 Índice Desenvolvimento Económico de Moçambique:

Leia mais

Português: Língua de oportunidades. Números que falam

Português: Língua de oportunidades. Números que falam Português: Língua de oportunidades Números que falam Agenda 1 A CPLP enquanto mercado económico 2 Economia 3 4 5 6 IDE Fiscalidade Plataformas lusófonas Conclusões Slide 2 507 260 Slide 3 Economia Características

Leia mais

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas 2012 2012 2013 2014 2015 2016 nível (10 6 euros) 1. PIB (real) 1 B1*g 165644,9-3,2-2,3 0,6 1,5 1,8 2,2 2. PIB (nominal) B1*g 165409,2-3,3-0,6 1,8 2,7 3,5 3,7 Componentes

Leia mais

CAIS INVEST EMPRESA PARA O DESENVOLVIMENTO DO MUNICIPIO DE SÃO ROQUE DO PICO E.E.M. EM LIQUIDAÇÃO. Relatório de Gestão 2015

CAIS INVEST EMPRESA PARA O DESENVOLVIMENTO DO MUNICIPIO DE SÃO ROQUE DO PICO E.E.M. EM LIQUIDAÇÃO. Relatório de Gestão 2015 Relatório de Gestão 2015 1. ENQUADRAMENTO ECONOMICO As projeções para a economia portuguesa publicadas pelas diversas instituições nacionais e internacionais apontam para a continuação do processo de recuperação

Leia mais

Desenvolvimento Industrial em. Moçambique. African Iron&Steel Conference, de 23 de Juhno de 2015, Hotel Avenida, Maputo, Moçambique

Desenvolvimento Industrial em. Moçambique. African Iron&Steel Conference, de 23 de Juhno de 2015, Hotel Avenida, Maputo, Moçambique República de Moçambique African Iron&Steel Conference, de 23 de Juhno de 2015, Hotel Avenida, Maputo, Moçambique Direcção Nacional da Industria Desenvolvimento Industrial em Moçambique Eng. Mateus Matusse

Leia mais

Prestação de Contas - LRF Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações

Prestação de Contas - LRF Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Prestação de Contas - LRF Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 Prestação de Contas - LRF

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO INFRAESTRUTURAL DA GUINÉ BISSAU NO PROCESSO DA INTEGRAÇÃO SUB REGIONAL

CONTRIBUIÇÃO INFRAESTRUTURAL DA GUINÉ BISSAU NO PROCESSO DA INTEGRAÇÃO SUB REGIONAL CONTRIBUIÇÃO INFRAESTRUTURAL DA GUINÉ BISSAU NO PROCESSO DA INTEGRAÇÃO SUB REGIONAL 2º Congresso dos Engenheiros da Lingua Portuguesa Macau, 27-29 de Novembro de 2014 Engº Jose Antonio da Cruz Almeida

Leia mais

Direito Empresarial. Os Critérios de Convergência da Moeda Única

Direito Empresarial. Os Critérios de Convergência da Moeda Única Direito Empresarial Os Critérios de Convergência da Moeda Única Curso: Comunicação Empresarial Docente: Professor Luís Marinho Discente: Alexandre Tarrafa Nº7935 Introdução À unificação económica europeia

Leia mais

Apresentação 1. O que é a Macroeconomia?

Apresentação 1. O que é a Macroeconomia? Aula Teórica nº 1 Sumário: Apresentação 1. O que é a Macroeconomia? Objectivos da aula: No final desta aula o aluno deverá ser capaz de: Identificar os principais problemas abordados pela Macroeconomia.

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Guiné-Bissau Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Guiné-Bissau Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Guiné-Bissau Condições Legais de Acesso ao Mercado Dezembro 2009 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 6 2 1. Regime

Leia mais

Ambiente econômico nacional e internacional

Ambiente econômico nacional e internacional Ambiente econômico nacional e internacional Apresentação para elaboração do documento referencial 2015-19 no Ministério do Turismo Manoel Pires - MF Cenário internacional O mundo se recupera da crise,

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 712/12 Págs. Duração

Leia mais

Envelhecimento populacional, previdência, desafogo fiscal, poupança, investimento e os desafios da produtividade e do crescimento

Envelhecimento populacional, previdência, desafogo fiscal, poupança, investimento e os desafios da produtividade e do crescimento Envelhecimento populacional, previdência, desafogo fiscal, poupança, investimento e os desafios da produtividade e do crescimento Paulo Tafner I n st itut o T eot ônio Villela I T V Br a sília N ov embro

Leia mais

DECLARAÇÃO DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DOS ESTADOS DA ÁFRICA CENTRAL E DA ÁFRICA OCIDENTAL SOBRE A SEGURANÇA NO ESPAÇO MARÍTIMO COMUM

DECLARAÇÃO DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DOS ESTADOS DA ÁFRICA CENTRAL E DA ÁFRICA OCIDENTAL SOBRE A SEGURANÇA NO ESPAÇO MARÍTIMO COMUM DECLARAÇÃO DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DOS ESTADOS DA ÁFRICA CENTRAL E DA ÁFRICA OCIDENTAL SOBRE A SEGURANÇA NO ESPAÇO MARÍTIMO COMUM 1. Nós, os Chefes de Estado e de Governo dos Estados da África

Leia mais

A harmonização regulatória do MIBEL e o novo enquadramento europeu (3º Pacote)

A harmonização regulatória do MIBEL e o novo enquadramento europeu (3º Pacote) WORKSHOP ERSE-GESEL INTEGRAÇÃO DE MERCADOS DE ENERGIA ELÉCTRICA E FORMAÇÃO DE PREÇOS A harmonização regulatória do MIBEL e o novo enquadramento europeu (3º Pacote) José Afonso 4 de Março de 2011 Índice

Leia mais

Os Novos Desafios Para o Mercado de Capitais. EDP Electricidade de Portugal S.A.

Os Novos Desafios Para o Mercado de Capitais. EDP Electricidade de Portugal S.A. Os Novos Desafios Para o Mercado de Capitais EDP Electricidade de Portugal S.A. 4 de Maio de 2001 O Movimento de Fusão dos Mercados da Bolsa e a Concentração do Sistema Financeiro O Que Vai Mudar Para

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL. 62ª Sessão do Comité Executivo da União Parlamentar Africana RELATÓRIO

REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL. 62ª Sessão do Comité Executivo da União Parlamentar Africana RELATÓRIO REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL 62ª Sessão do Comité Executivo da União Parlamentar Africana RELATÓRIO INTRODUÇÃO Em obediência ao despacho de missão número 0164/03/GPAN/2013, exarado por Sua Excelência

Leia mais

Recomendação de DECISÃO DE EXECUÇÃO DO CONSELHO. que aplica uma multa a Portugal por não tomar medidas eficazes para corrigir um défice excessivo

Recomendação de DECISÃO DE EXECUÇÃO DO CONSELHO. que aplica uma multa a Portugal por não tomar medidas eficazes para corrigir um défice excessivo COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 27.7.2016 COM(2016) 519 final Recomendação de DECISÃO DE EXECUÇÃO DO CONSELHO que aplica uma multa a Portugal por não tomar medidas eficazes para corrigir um défice excessivo

Leia mais

Exame de Economia. de zero a esta. questão.

Exame de Economia. de zero a esta. questão. Provas de Acesso ao Ensino Superiorr Para Maiores de 23 Anos Candidatura de 2011 Exame de Economia Tempo para realização da prova: 2 horas Tolerância: 30 minutos Material admitido: O examinando apenas

Leia mais

Sexagésima primeira sessão Yamoussoukro, Côte d Ivoire, 29 de Agosto 2 de Setembro de 2011

Sexagésima primeira sessão Yamoussoukro, Côte d Ivoire, 29 de Agosto 2 de Setembro de 2011 4 de Julho de 2011 COMITÉ REGIONAL AFRICANO ORIGINAL: INGLÊS Sexagésima primeira sessão Yamoussoukro, Côte d Ivoire, 29 de Agosto 2 de Setembro de 2011 Ponto 16 da ordem do dia provisória RELATÓRIO DOS

Leia mais

Macroeconomia Equilíbrio Geral

Macroeconomia Equilíbrio Geral Macroeconomia 2 FEP, Licenciatura em Economia 8. Equilíbrio Geral 8.4. Ciclos Económicos Álvaro Almeida, Maio de 2007 8.4.1. Factos sobre ciclos económicos A. Identificação dos ciclos económicos 35.000

Leia mais

A Comparação entre Portugal e Espanha segundo o. The World Competitiveness Yearbook, 2000, (Critérios Gerais, Pontos Fracos e Pontos Fortes)

A Comparação entre Portugal e Espanha segundo o. The World Competitiveness Yearbook, 2000, (Critérios Gerais, Pontos Fracos e Pontos Fortes) A Comparação entre Portugal e Espanha segundo o The World Competitiveness Yearbook, 2000, 2001 (Critérios Gerais, e ) 1. Desempenho Global Portugal Espanha 1996 36 29 1997 32 26 1998 29 26 1999 27 20 2000

Leia mais

Junto se enviam, à atenção das delegações, as conclusões do Conselho Europeu (28-29 de Outubro de 2010).

Junto se enviam, à atenção das delegações, as conclusões do Conselho Europeu (28-29 de Outubro de 2010). CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 29 de Outubro de 2010 (OR. en) EUCO 25/10 CO EUR 18 CONCL 4 NOTA DE ENVIO de: Secretariado-Geral do Conselho para: Delegações Assunto: CONSELHO EUROPEU 28-29 DE OUTUBRO

Leia mais

Reformas, Endividamento Externo e o Milagre Econômico ( ) GIAMBIAGI; VILLELA CASTRO; HERMANN (2011 cap. 3 e 4)

Reformas, Endividamento Externo e o Milagre Econômico ( ) GIAMBIAGI; VILLELA CASTRO; HERMANN (2011 cap. 3 e 4) Reformas, Endividamento Externo e o Milagre Econômico (1960-1973) GIAMBIAGI; VILLELA CASTRO; HERMANN (2011 cap. 3 e 4) Passagem de um sistema democrático para um regime militar autoritário. Entre 1964-73

Leia mais

O que é a União Europeia (UE)?

O que é a União Europeia (UE)? O que é a União Europeia (UE)? 28 Estados-Membros Mais de 500 milhões de habitantes Atuais candidatos à adesão à UE: Albânia, antiga República Iugoslava da Macedônia, Montenegro, Sérvia e Turquia Tratados

Leia mais

Painel: O desempenho econômico brasileiro no cenário mundial

Painel: O desempenho econômico brasileiro no cenário mundial XIX Congresso Brasileiro de Economia Painel: O desempenho econômico brasileiro no cenário mundial Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda aclacerda@pucsp.br Bonito, 09 de Setembro de 2011. Page 1 Economia

Leia mais

Estratégia social-desenvolvimentista ( ) e o ano Brasília, Junho de 2015 Ricardo Bielschowsky, IE-UFRJ

Estratégia social-desenvolvimentista ( ) e o ano Brasília, Junho de 2015 Ricardo Bielschowsky, IE-UFRJ Estratégia social-desenvolvimentista (2003-2014) e o ano 2015. IV CONFERENCIA NACIONAL DO FONACATE Brasília, Junho de 2015 Ricardo Bielschowsky, IE-UFRJ Apresentação em três partes 1. Antecedentes históricos;

Leia mais

Crescimento e competitividade da economia moçambicana João Mosca Lisboa, ISEG/UTL, 22 de Março 2012

Crescimento e competitividade da economia moçambicana João Mosca Lisboa, ISEG/UTL, 22 de Março 2012 Crescimento e competitividade da economia moçambicana 2001-2010 João Mosca Lisboa, ISEG/UTL, 22 de Março 2012 Que padrão de crescimento Factores do crescimento e da competitividade (com enfoque macro ex

Leia mais

Lei n.º /2015. de de

Lei n.º /2015. de de Lei n.º /2015 de de Considerando o impacto significativo que as alterações do comportamento do preço do barril de petróleo no mercado internacional têm, ao nível das finanças públicas e do mercado cambial,

Leia mais

Comunidade Europeia do Carvão e Aço. Comunidade Económica Europeia. União Económica e Monetária

Comunidade Europeia do Carvão e Aço. Comunidade Económica Europeia. União Económica e Monetária Processo de Integração Europeia Comunidade Europeia do Carvão e Aço Comunidade Económica Europeia Mercado Único Europeu 60 anos União Europeia União Económica e Monetária União Económica e Monetária

Leia mais

Características gerais. Características gerais. Características gerais. Crise Europeia Crise Grega. Apresentação. Características gerais

Características gerais. Características gerais. Características gerais. Crise Europeia Crise Grega. Apresentação. Características gerais Crise Europeia Crise Grega Área agricultável: 63,8% do país; Principais produtos agrícolas: trigo, milho, cevada, beterraba, azeitona, uva, tabaco, batata, tomate e banana. Recursos naturais: linhito,

Leia mais

Impactos da Crise Mundial sobre a Economia Brasileira

Impactos da Crise Mundial sobre a Economia Brasileira Impactos da Crise Mundial sobre a Economia Brasileira Centro das Indústrias do Estado de São Paulo - CIESP Campinas (SP) 29 de julho de 2009 1 CIESP Campinas - 29/07/09 Crise de 2008 breve histórico Início:

Leia mais

Blocos econômicos. Bloco Econômico é uma integração de países nos. desenvolvimento e maior poder de competição.

Blocos econômicos. Bloco Econômico é uma integração de países nos. desenvolvimento e maior poder de competição. Blocos econômicos Bloco Econômico é uma integração de países nos aspectos, visando seu desenvolvimento e maior poder de competição. Eles constituem expressivos espaços integrados de livre comércio. Esses

Leia mais

Programa. Finanças Públicas 2.º Ano Turmas A/B/Noite Ano Lectivo 2012/2013. Professor Doutor Eduardo Paz Ferreira. Introdução

Programa. Finanças Públicas 2.º Ano Turmas A/B/Noite Ano Lectivo 2012/2013. Professor Doutor Eduardo Paz Ferreira. Introdução Programa Finanças Públicas 2.º Ano Turmas A/B/Noite Ano Lectivo 2012/2013 Professor Doutor Eduardo Paz Ferreira Introdução I. Aspectos gerais 1. As Finanças Públicas. Questões de ordem geral 2. Fixação

Leia mais

Sumário. ) Importações de Bens e de Serviços Não-Fatores (M nf

Sumário. ) Importações de Bens e de Serviços Não-Fatores (M nf Sumário CAPÍTULO 1 BALANÇO DE PAGAMENTOS... 1 1.1 Conceitos Introdutórios... 1 1.1.1 Definição... 1 1.1.2 Meios (formas) Internacionais de Pagamento... 3 1.1.3 Apresentação da Estrutura Antiga do Balanço

Leia mais

Internacionalização da Economia Brasileira

Internacionalização da Economia Brasileira ASPECTOS TÉCNICOS DO ACORDO BRASIL ARGENTINA DE PAGAMENTOS EM MOEDA LOCAL Internacionalização da Economia Brasileira Paulo Vieira da Cunha São Paulo, Agosto/2007 1 Agenda 1. Internacionalização da Economia

Leia mais

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moeda, reços e Taxa de Câmbio no Longo razo 6. Moeda, reços e Taxa de Câmbio no Longo razo 6.1. Introdução 6.2. O rincípio da Neutralidade da Moeda 6.4. O rincípio da aridade dos oderes de Compra Burda

Leia mais

Fazendo Negócios em Cabo Verde

Fazendo Negócios em Cabo Verde Fazendo Negócios em Cabo Verde Svetlana Bagaudinova Especialista Sênior em Desenvolvimento do Sector Privado Leonardo Iacovone Economista Cabo Verde November 23-24, 2010 1 O que mede o Doing Business?

Leia mais

Incrementos salariais no sector Segurador diminuem em 2012

Incrementos salariais no sector Segurador diminuem em 2012 Te Mercer Total Compensation Sector Segurador 2011 Maior estudo nacional sobre tendências de compensação e benefícios no sector segurador Incrementos salariais no sector Segurador diminuem em 2012 Administrativos

Leia mais

DESPOUPANÇA E MALPOUPANÇA CONDENAM PORTUGUESES A

DESPOUPANÇA E MALPOUPANÇA CONDENAM PORTUGUESES A DESPOUPANÇA E MALPOUPANÇA CONDENAM PORTUGUESES A PAUPERIZAÇÃO Panorama Europeu da Poupança 2016 Lisboa, 24 de Outubro de 2016 1. Despoupança: uma taxa de poupança constantemente negativa nos últimos 5

Leia mais

de la Recuperación Augusto Mateus LA ENCRUCIJADA DE LA POST CRISIS: AUSTERIDAD + CRECIMIENTO?

de la Recuperación Augusto Mateus LA ENCRUCIJADA DE LA POST CRISIS: AUSTERIDAD + CRECIMIENTO? Aceleradores e es y Frenos de la Recuperación Claves de Política Económica: Centro y Periferia Augusto Mateus LA ENCRUCIJADA DE LA POST CRISIS: AUSTERIDAD + CRECIMIENTO? 61 Junta Semestral de Predicción

Leia mais

IBES. Disciplina: Geopolítica Professora: Fernanda Tapioca Ministrada dia INTEGRAÇÃO ECONOMICA

IBES. Disciplina: Geopolítica Professora: Fernanda Tapioca Ministrada dia INTEGRAÇÃO ECONOMICA IBES Disciplina: Geopolítica Professora: Fernanda Tapioca Ministrada dia 08.04.14 INTEGRAÇÃO ECONOMICA Sumário: 1. Conceito/ Significado 2. Espécies: nacional, internacional e mundial 3. Integração econômica

Leia mais

Bolha Económica em Moçambique?

Bolha Económica em Moçambique? Bolha Económica em Moçambique? Problematizando a Sustentabilidade de um Sistema de Acumulação de Capital Carlos Nuno Castel-Branco carlos.castelbranco@gmail.com Lançamento do livro Desafios para Moçambique

Leia mais

NOVAS REGRAS DE GOVERNAÇÃO ECONÓMICA NA UNIÃO EUROPEIA. 4.º Congresso Nacional dos ECONOMISTAS 20 de Outubro de 2011

NOVAS REGRAS DE GOVERNAÇÃO ECONÓMICA NA UNIÃO EUROPEIA. 4.º Congresso Nacional dos ECONOMISTAS 20 de Outubro de 2011 NOVAS REGRAS DE GOVERNAÇÃO ECONÓMICA NA UNIÃO EUROPEIA 4.º Congresso Nacional dos ECONOMISTAS 20 de Outubro de 2011 1. Governação Económica Novas Regras 2. Mecanismo Europeu de Estabilidade 3. Pacto para

Leia mais

Portugal : Retrato Económico e Social em gráficos

Portugal : Retrato Económico e Social em gráficos Portugal 198-1: Retrato Económico e Social em gráficos E.E.F. Mercados Financeiros Setembro 15 Perante o processo de ajustamento efectuado nos últimos quatro anos, é nosso propósito mostrar e realçar que

Leia mais

Unidade III ECONOMIA E MERCADO. Prof. Rodrigo Marchesin

Unidade III ECONOMIA E MERCADO. Prof. Rodrigo Marchesin Unidade III ECONOMIA E MERCADO Prof. Rodrigo Marchesin Introdução Macroeconomia: Grandes questões econômicas; Comportamento global do sistema; Análise dos grandes agregados econômicos. Estrutura básica

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RELATÓRIO DA COMISSÃO RELATÓRIO DE CONVERGÊNCIA DE 2004

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RELATÓRIO DA COMISSÃO RELATÓRIO DE CONVERGÊNCIA DE 2004 COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 20.10.2004 COM(2004) 690 final RELATÓRIO DA COMISSÃO RELATÓRIO DE CONVERGÊNCIA DE 2004 (elaborado em conformidade com o nº 2 do artigo 122º do Tratado) [SEC(2004)

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO

CENÁRIO MACROECONÔMICO ENCONTRO BRADESCO-APIMEC CENÁRIO MACROECONÔMICO 26 DE NOVEMBRO DE 2015 FABIANA D ATRI Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos - DEPEC 1 Ambiente Internacional AMBIENTE INTERNACIONAL Fimdolongociclodecommodities.

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA RESUMINDO: 1º GOVERNO LULA

ECONOMIA BRASILEIRA RESUMINDO: 1º GOVERNO LULA RESUMINDO: 1º GOVERNO LULA Criação do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, constituído por representantes dos trabalhadores, dos empresários, do governo e outros setores da sociedade. Rompimento

Leia mais

MACROECONOMIA I 1E201

MACROECONOMIA I 1E201 MACROECONOMIA I 1E201 (2008-09) João Correia da Silva (joao@fep.up.pt) APRESENTAÇÃO JOÃO SILVA Atendimento: 2 as -feiras, das 11h às 12h, gabinete 606. joao@fep.up.pt http://www.fep.up.pt/docentes/joao

Leia mais

Nigéria - Caracterização Sócio Económico

Nigéria - Caracterização Sócio Económico Caracterização Sócio Económica Nigéria Maio 2009 Nigéria - Caracterização Sócio Económico A. Ficha Perfil Nigéria B. Contexto Social C. Enquadramento Económico D. Relações Comerciais Internacionais E.

Leia mais

Prof. Dr. Fernando Sarti

Prof. Dr. Fernando Sarti Os Desafios do Pré-sal: Riscos e Oportunidas para o País Sessão 3: O Brasil po se tornar uma referência em petróleo em águas profundas? As Políticas Industrial e Inovação Prof. Dr. Fernando Sarti Unicamp,

Leia mais

Euro: saudades do escudo? Saudades do marco? Sérgio Gonçalves do Cabo

Euro: saudades do escudo? Saudades do marco? Sérgio Gonçalves do Cabo Euro: saudades do escudo? Saudades do marco? Sérgio Gonçalves do Cabo Voltar à dupla afixação de preços? O euro teve um efeito de ilusão monetária Ainda hoje está por quantificar o impacto do euro no índice

Leia mais