Renato Vinícius Oliveira Castro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Renato Vinícius Oliveira Castro"

Transcrição

1 EFICIÊNCIA DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS NA ESTIMAÇÃO DE MORTALIDADE EM UMA FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL Renato Vinícius Oliveira Castro Prof. Adjunto Universidade Federal de São João del Rei (UFSJ) campus Sete Lagoas MG Prof. do Programa de Pós Graduação em Ciências Florestais da Universidade de Brasília (UnB) - DF

2 INTRODUÇÃO Os modelos de crescimento e produção florestal são importantes para predição do crescimento e permitem simular a dinâmica natural (Vanclay, 1994). Modelos em Nível de Árvore Individual (MAI) proporcionam maior detalhamento da dinâmica.

3 Leitura da primeira árvore LISTAGEM DAS ÁRVORES Leitura da próxima árvore Calcular o índice de competição A árvore está morta? Sim Computar a mortalidade Incluir os ingressos na listagem Não Não A árvore continua a crescer Não Avaliar o povoamento Sim remanescente Última árvore da lista? Sim Sim Outro período de crescimento? Não Finalizar Modelos em nível de árvore individual Gerar relatório

4 INTRODUÇÃO A mortalidade regular ocorre devido a competição entre as árvores, ou pela própria idade da árvore (Dixon, 2011). Por se tratar de fatores previsíveis, é possível sua estimação (Monserud, 1976; Zhao et al., 2006; Martins, 2011; Castro, 2011; Groom et al., 2012). Quando a morte ocorre por ações antrópicas ou danos por pragas, ventos ou incêndios, ela é definida como irregular, não sendo possível a sua estimação.

5 INTRODUÇÃO PM Pa Situação 0,07 0,50 V 0,07 0,04 M Logística PM 1 e IC4 0, ,95294 e 0, IC4 Esse método é consagrado para prever a mortalidade de árvores em florestas homogêneas em todo o mundo

6 INTRODUÇÃO Em florestas inequiâneas com grande diversidade, são poucos os estudos de mortalidade em nível de árvore individual. Problemas com os tradicionais modelos de regressão: -Estratificação

7 INTRODUÇÃO A obtenção de uma equação de mortalidade para cada espécie é impraticável, devido ao grande número de espécies e reduzido número de dados (baixa abundância) para muitas delas, o que impediria o desenvolvimento de relações confiáveis.

8 INTRODUÇÃO Em florestas inequiâneas com grande diversidade, são poucos os estudos de mortalidade em nível de árvore individual. Problemas com os tradicionais modelos de regressão: -Estratificação -Variáveis qualitativas (características de sanidade das árvores, grupos ecológicos, famílias botânicas, dentre outras, que influenciam diretamente na mortalidade)

9 INTRODUÇÃO Potencial aplicação de RNA Uma rede neural é treinada a partir de dados reais conhecidos, adquirindo, após o correto treinamento, a sistemática necessária para executar adequadamente o processo desejado. A aplicação de dois métodos de previsão foram conduzidos no presente estudo: -Estimar a PM (quantitativa RNA para aproximação de funções) -Estimar o status da árvore (V ou M) (qualitativa RNA para classificação de dados)

10 INTRODUÇÃO Objetivo: Verificar a eficiência de diferentes arquiteturas de redes neurais para estimação de mortalidade em nível de árvores individuais em uma Floresta Estacional Semidecidual Montana.

11 MATERIAL E MÉTODOS Este estudo foi realizado no município de Viçosa, Minas Gerais, em um fragmento florestal pertencente à Universidade Federal de Viçosa, que possui 17 ha de área (42 52 W e W de longitude e S e S de latitude).

12 MATERIAL E MÉTODOS O município de Viçosa pertence à região fitoecológica de Floresta Estacional Semidecidual Montana (VELOSO et al., 1991) e o fragmento estudado encontra-se em estágio médio de sucessão (FIGUEIREDO, 2011).

13 Figura 1 Área de estudo

14 MATERIAL E MÉTODOS Para o presente trabalho, foi amostrada uma área de um hectare, dividido em dez parcelas retangulares, não contínuas, de m² cada (20 m x 50 m). Em cada parcela, as árvores foram identificadas e mensurados os diâmetros a 1,3 m de altura (dap) e as alturas (Ht) de todas as árvores com dap 5 cm, nos anos de 1994, 1997, 2000, 2004 e Classificação qualitativa

15 Critérios para classificação Infestação por Cipós Sem presença de cipós 1 Presença de cipós somente no fuste 2 Presença de cipós somente na copa 3 Presença de cipós no fuste e na copa 4 Iluminação de copa Copa recebendo radiação solar direta na sua parte superior e lateral 1 Copa recebendo radiação solar direta na sua parte superior 2 Ausência de radiação solar direta na copa 3 Qualidade da copa Boa: copa normal, sem presença de danos 1 Regular: copa com algum dano de pequena escala 2 Inferior: copa com severos danos, com poucos galhos e folhas 3 Grupo Ecológico Espécies dependentes de luz e que não ocorrem no sub- bosque, se desenvolvendo em clareiras ou bordas da floresta Desenvolvem-se em condições de sombreamento médio, como pequenas clareiras e sub-bosque não densamente sombreado Desenvolvem-se no sub-bosque em condições de sombra leve ou densa, podendo permanecer aí a vida toda ou crescer ate alcançar o dossel Espécies que em função da carência de informações não foram incluídas em nenhuma das categorias Classe Pioneiras (PI) Secundárias iniciais (SI) Secundárias tardias (ST) Sem classificação (SC)

16 MATERIAL E MÉTODOS O conjunto de dados foi dividido aleatoriamente em dois grupos, com restrições de representatividade da variabilidade dos dados em cada grupo. Treinamento: seis parcelas, totalizando casos nas cinco medições. 231 casos de mortalidade. Generalização: quatro parcelas, totalizando casos. 181 casos de mortalidade.

17 MATERIAL E MÉTODOS Treinamento das RNA Software Statistica 10.0, sendo testadas diferentes arquiteturas de redes MLP (Multilayer Perceptron) e RBF (Radial Basis Function). MLP - funções de ativação (identidade, logística, tangencial e exponencial). RBF - função identidade nos neurônios da camada de saída e de base radial (gaussiana) nos neurônios da camada intermediária.

18 Tabela 2 Variáveis utilizadas no treinamento das RNA para estimativa da mortalidade de árvores em um fragmento de Floresta Estacional Semidecidual, no município de Viçosa, MG Número da Rede Tipo Saída Entradas numéricas Entradas categóricas 1 a 300 MLP M A 1, A 2, dap 1, Ht 1, IID F, GE, C, IC,CC 301 a 600 MLP M A 1, A 2, dap 1, Ht 1, IDD F, GE, C, IC,CC Total de redes treinadas a 900 MLP M A 1, A 2, dap 1, Ht 1, ISD F, GE, C, IC,CC 901 a RBF M A 1, A 2, dap 1, Ht 1, IID F, GE, C, IC,CC a RBF M A 1, A 2, dap 1, Ht 1, IDD F, GE, C, IC,CC a RBF M A 1, A 2, dap 1, Ht 1, ISD F, GE, C, IC,CC a MLP Pm A 1, A 2, dap 1, Ht 1, IID F, GE, C, IC,CC a MLP Pm A 1, A 2, dap 1, Ht 1, IDD F, GE, C, IC,CC a MLP Pm A 1, A 2, dap 1, Ht 1, ISD F, GE, C, IC,CC a RBF Pm A 1, A 2, dap 1, Ht 1, IID F, GE, C, IC,CC a RBF Pm A 1, A 2, dap 1, Ht 1, IDD F, GE, C, IC,CC a RBF Pm A 1, A 2, dap 1, Ht 1, ISD F, GE, C, IC,CC

19 MATERIAL E MÉTODOS Generalização das RNA Após a seleção das melhores redes no treinamento, procedeu-se à generalização empregando os dados independentes daqueles utilizados durante o treinamento. As projeções foram realizadas apenas para a medição imediatamente posterior, ou seja, de 1994 para 1997; de 1997 para 2000; de 2000 para 2004 e de 2004 para 2008.

20 RESULTADOS E DISCUSSÃO

21 Porcentagem de fustes mortos RESULTADOS E DISCUSSÃO 14,0 12,0 10,0 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0 (53) (54) (50) (48) (45) (41) (43) (42) (42) (40) (32) (30) Intervalo de medição Observado Rede 7 - MLP: IID Rede 9 - MLP: IDD Teste K-S a 5% de significância - Rede 7: 0,078 n.s. ; Rede 9: 0,042 n.s. Figura 2 Porcentagem de indivíduos mortos observados e estimados pelas redes 7 e 9 para os dados de generalização, entre os intervalos de medição. Os valores sobre as barras, entre parênteses, representam o número de indivíduos qualificados como mortos.

22 Porcentagem de fustes mortos Porcentagem de fustes mortos Porcentagem de fustes mortos Porcentagem de fustes mortos RESULTADOS E DISCUSSÃO 14,0 12,0 10,0 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0 (137) (119) (117) (9) (35) (8) (31) (30) (7) (14) (8) (6) (1) Ausente (2) Na copa (3) No fuste (4) Copa e fuste 20,0 18,0 16,0 14,0 12,0 10,0 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0 (68) (24) (121) (31) (31) (109) (23) (96) (18) (1) Luz total na copa (2) Luz parcial na copa (3) Sem receber luz na copa Nível de infestação por cipós Nível de iluminação da copa Observado Rede 7 - MLP: IID Rede 9 - MLP: IDD Observado Rede 7 - MLP: IID Rede 9 - MLP: IDD 20,0 18,0 16,0 14,0 12,0 10,0 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0 (37) (102) (78) (26) (72) (79) (66) (18) (43) (1) Boa (2) Regular (3) Ruim 20,0 18,0 16,0 14,0 12,0 10,0 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0 (36) (21) (4) (4) (11) (113) (112) (116) (37) (38) (29) (0) (PI) Pioneiras (SI) Secundárias Iniciais (ST) Secundárias Tardias (SC) Sem Classificação Nível de qualidade da copa Grupo ecológico Observado Rede 7 - MLP: IID Rede 9 - MLP: IDD Observado Rede 7 - MLP: IID Rede 9 - MLP: IDD

23 2,5 7,5 12,5 17,5 22,5 27,5 32,5 37,5 2,5 7,5 12,5 17,5 22,5 27,5 32,5 37,5 Número de fustes vivos Número de fustes mortos 7,5 12,5 17,5 22,5 27,5 32,5 37,5 42,5 47,5 52,5 57,5 62,5 67,5 72,5 7,5 12,5 17,5 22,5 27,5 32,5 37,5 42,5 47,5 52,5 57,5 62,5 67,5 72,5 Número de fustes vivos Número de fustes mortos RESULTADOS E DISCUSSÃO Observado Rede 7 - MLP: IID Rede 9 - MLP: IDD Observado Rede 7 - MLP: IID Rede 9 - MLP: IDD 0 0 Classe de diâmetro (cm) Classe de diâmetro (cm) Observado Rede 7 - MLP: IID Rede 9 - MLP: IDD Observado Rede 7 - MLP: IID Rede 9 - MLP: IDD 0 0 Classe de altura (m) Classe de altura (m)

24 Família Botânica RESULTADOS E DISCUSSÃO Leguminoseae Euphorbiaceae Monimiaceae Flacourtiaceae Rubiaceae Annonaceae Lauraceae Myrtaceae Meliaceae Bignoniaceae Melastomataceae Solanaceae Rutaceae Sapindaceae Anacardiaceae Rosaceae Lacistemataceae Clusiaceae Apocynaceae Bombacaceae Piperaceae Sapotaceae Nyctaginaceae Indeterminada Asteraceae Vochysiaceae Verbenaceae Tiliaceae Olacaceae Myrsinaceae Moraceae Lecythidaceae Erythroxylaceae Celastraceae Cecropiaceae Burseraceae Observado Rede 7 - MLP: IID Rede 9 - MLP: IDD Númeoro de fustes qualificados como mortos

25 RESULTADOS E DISCUSSÃO As redes neurais artificiais foram adequadas para estimar a probabilidade de mortalidade de árvores individuais. A rede 9 (MLP: ) resultou nas estimativas mais precisas: - função de ativação exponencial, nas camadas intemediária e de saída - índices de competição dependente da distância.

26 CONCLUSÃO - RNA podem ser utilizadas com eficiência para estimar a mortalidade de árvores individuais em florestas inequiâneas. - O emprego de redes para aproximação de funções (estimativa da probabilidade de mortalidade) é indicada para predição da mortalidade em Floresta Estacional Semidecidual em estágio médio de sucessão.

27 EFICIÊNCIA DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS NA ESTIMAÇÃO DE MORTALIDADE EM UMA FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL Renato Vinícius Oliveira Castro Prof. Adjunto Universidade Federal de São João del Rei (UFSJ) campus Sete Lagoas MG Prof. do Programa de Pós Graduação em Ciências Florestais da Universidade de Brasília (UnB) - DF

Algoritmos de Aprendizado. CONTEÚDO Introdução Motivação, Objetivo, Definição, Características Básicas e Histórico. Regra de HEBB.

Algoritmos de Aprendizado. CONTEÚDO Introdução Motivação, Objetivo, Definição, Características Básicas e Histórico. Regra de HEBB. CONTEÚDO Introdução Motivação, Objetivo, Definição, Características Básicas e Histórico Conceitos Básicos Neurônio Artificial, Modos de Interconexão Processamento Neural Recall e Learning Regras de Aprendizado

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE EQUAÇÕES DE REGRESSÃO OBTIDAS EM TERMÔMETROS DE GLOBO NEGRO PADRÃO E PLÁSTICO VERÃO E INVERNO

DETERMINAÇÃO DE EQUAÇÕES DE REGRESSÃO OBTIDAS EM TERMÔMETROS DE GLOBO NEGRO PADRÃO E PLÁSTICO VERÃO E INVERNO DETERMINAÇÃO DE EQUAÇÕES DE REGRESSÃO OBTIDAS EM TERMÔMETROS DE GLOBO NEGRO PADRÃO E PLÁSTICO VERÃO E INVERNO Patrícia da Silva Simão 1 ; Sandra Regina Pires de Moraes 2 ; André Luiz Ribas de Oliveira

Leia mais

I - Introdução à Simulação

I - Introdução à Simulação 1 I - Introdução à Simulação Simulação é, entendida como a imitação de uma operação ou de um processo do mundo real. A simulação envolve a geração de uma história artificial de um sistema para a análise

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS. Manejo de Recursos Naturais Renováveis

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS. Manejo de Recursos Naturais Renováveis UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS Manejo de Recursos Naturais Renováveis Prof. Dr. Omar Daniel Composição florística e estrutura fitossociológica e paramétrica

Leia mais

Avaliação de Sistemas de Medição

Avaliação de Sistemas de Medição Monitoramento de um processo: medição de uma característica da qualidade X por meio de um sistema de medição. Sistema de medição ideal: produz somente resultados corretos, ou seja, que coincidem com o

Leia mais

Vegetação de Restinga

Vegetação de Restinga Vegetação de Restinga Regiões Fitogeográficas Áreas de Tensão Ecológica Floresta Estacional Decidual Floresta Estacional Semidecidual Floresta Ombrófila Densa Formações Pioneiras Região da Estepe Região

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 27 SUCESSÃO ECOLÓGICA

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 27 SUCESSÃO ECOLÓGICA BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 27 SUCESSÃO ECOLÓGICA Alterações nas condições ambientais Substrato aberto Organismos se estabelecem Novos organismos se estabelecem Estabilização da comunidade e das condições

Leia mais

P. P. G. em Agricultura de Precisão DPADP0803: Geoestatística (Prof. Dr. Elódio Sebem)

P. P. G. em Agricultura de Precisão DPADP0803: Geoestatística (Prof. Dr. Elódio Sebem) Amostragem: Em pesquisas científicas, quando se deseja conhecer características de uma população, é comum se observar apenas uma amostra de seus elementos e, a partir dos resultados dessa amostra, obter

Leia mais

PRÁTICAS SILVICULTURAIS

PRÁTICAS SILVICULTURAIS CAPÍTULO 10 PRÁTICAS SILVICULTURAIS 94 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO Um dos objetivos do manejo florestal é garantir a continuidade da produção madeireira através do estímulo

Leia mais

Conceitos básicos, probabilidade, distribuição normal e uso de tabelas padronizadas

Conceitos básicos, probabilidade, distribuição normal e uso de tabelas padronizadas Conceitos básicos, probabilidade, distribuição normal e uso de tabelas padronizadas Prof. Marcos Vinicius Pó Métodos Quantitativos para Ciências Sociais Alguns conceitos População: é o conjunto de todos

Leia mais

CHAVE DENDROLÓGICA DAS PRINCIPAIS FAMÍLIAS DE IMPORTÂNCIA FLORESTAL

CHAVE DENDROLÓGICA DAS PRINCIPAIS FAMÍLIAS DE IMPORTÂNCIA FLORESTAL CHAVE DENDROLÓGICA DAS PRINCIPAIS FAMÍLIAS DE IMPORTÂNCIA FLORESTAL Inkamauta Valeda Cerda Plazas (1) ; Alessandro de Paula (2) (1) Estudante do curso de Engenharia Florestal; Universidade Estadual do

Leia mais

Conceitos florestais e Sucessão Ecológica

Conceitos florestais e Sucessão Ecológica CAMPUS NILO PEÇANHA PINHEIRAL Disciplina: Ecologia Florestal Conceitos florestais e Sucessão Ecológica Prof a. Dr a. Cristiana do Couto Miranda O que é Floresta? Qual é a importância? VÁRIOS TIPOS DE FLORESTAS

Leia mais

Licenciatura em Ciências Biológicas Universidade Federal de Goiás. Bioestatística. Prof. Thiago Rangel - Dep. Ecologia ICB

Licenciatura em Ciências Biológicas Universidade Federal de Goiás. Bioestatística. Prof. Thiago Rangel - Dep. Ecologia ICB Licenciatura em Ciências Biológicas Universidade Federal de Goiás Bioestatística Prof. Thiago Rangel - Dep. Ecologia ICB rangel.ufg@gmail.com Página do curso: http://www.ecologia.ufrgs.br/~adrimelo/bioestat

Leia mais

A riqueza de espécies arbóreas na floresta atlântica de encosta no estado de São Paulo (Brasil)

A riqueza de espécies arbóreas na floresta atlântica de encosta no estado de São Paulo (Brasil) Revta brasil. Bot., São Paulo, V.22, n.2, p.217-223, ago. 1999 A riqueza de espécies arbóreas na floresta atlântica de encosta no estado de São Paulo (Brasil) (recebido em 24/04/97; aceito em 24/02/99)

Leia mais

AT = Maior valor Menor valor

AT = Maior valor Menor valor UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA TABELAS E GRÁFICOS Departamento de Estatística Luiz Medeiros DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA Quando se estuda uma massa de dados é de frequente interesse resumir as informações

Leia mais

Descrição e Análise da Vegetação Arbórea

Descrição e Análise da Vegetação Arbórea Descrição e Análise da Vegetação Arbórea Prof. Israel Marinho Pereira Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri UFVJM Laboratório de Dendrologia e Ecologia Florestal-LDEF imarinhopereira@gmail.com

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE COBERTURA VEGETAL

LAUDO TÉCNICO DE COBERTURA VEGETAL LAUDO TÉCNICO DE COBERTURA VEGETAL ÁREA LOCALIZADA NA AVENIDA DR. SEZEFREDO AZAMBUJA VIEIRA, LOTE 37, ESQUINA AV. FARROUPILHA (projetada), CANOAS, RS. Outubro de 2013. SUMÁRIO 1. IDENTIFICAÇÃO 3 1.1 Dados

Leia mais

CAPÍTULO 3 POPULAÇÃO E AMOSTRA

CAPÍTULO 3 POPULAÇÃO E AMOSTRA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS GCN 7901 ANÁLISE ESTATÍSTICA EM GEOCIÊNCIAS PROFESSOR: Dr. ALBERTO FRANKE CONTATO: alberto.franke@ufsc.br F: 3721 8595 CAPÍTULO 3 POPULAÇÃO E AMOSTRA As pesquisas de opinião

Leia mais

Inteligência Artificial. IA Conexionista: Perceptron de Múltiplas Camadas Mapas Auto-Organizáveis. Renan Rosado de Almeida

Inteligência Artificial. IA Conexionista: Perceptron de Múltiplas Camadas Mapas Auto-Organizáveis. Renan Rosado de Almeida Inteligência Artificial IA Conexionista: Redes Neurais Artificiais Perceptron de Múltiplas Camadas Mapas Auto-Organizáveis Renan Rosado de Almeida rralmeida@inf.ufrgs.br Perceptron de Múltiplas Camadas

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO SISTEMA DE PRODUÇÃO DE MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS NATIVAS EM MG

DIAGNÓSTICO DO SISTEMA DE PRODUÇÃO DE MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS NATIVAS EM MG Universidade Federal de Lavras UFLA Departamento de Ciências Florestais DIAGNÓSTICO DO SISTEMA DE PRODUÇÃO DE MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS NATIVAS EM MG Antonio Claudio Davide ABORDAGENS PARA A RESTAURAÇÃO

Leia mais

Universidade Regional de Blumenau Centro de Ciências Exatas e Naturais Departamento de Sistemas e Computação

Universidade Regional de Blumenau Centro de Ciências Exatas e Naturais Departamento de Sistemas e Computação Universidade Regional de Blumenau Centro de Ciências Exatas e Naturais Departamento de Sistemas e Computação Desenvolvimento da Aplicação para Aprovação do Limite de Crédito Financeiro de uma Empresa Têxtil

Leia mais

Critério de Classificação Crisântemo Bola Belga.

Critério de Classificação Crisântemo Bola Belga. Critério de Classificação Crisântemo Bola Belga. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA 2012 2013 PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA Curso Profissional de Técnico de Multimédia ELENCO MODULAR A7 Probabilidades 28 A6 Taxa de variação 36 A9 Funções de crescimento

Leia mais

PIMENTA ORNAMENTAL DE VASO

PIMENTA ORNAMENTAL DE VASO PIMENTA ORNAMENTAL DE VASO Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica a comunicação

Leia mais

Inteligência Computacional

Inteligência Computacional Inteligência Computacional INTRODUÇÃO ÀS REDES NEURAIS ARTIFICIAIS Renato Dourado Maia Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros Fundação Educacional Montes Claros Na Aula Passada... O que é uma

Leia mais

VEGETAÇÃO BRASILEIRA: visão fitogeográfica geral

VEGETAÇÃO BRASILEIRA: visão fitogeográfica geral VEGETAÇÃO BRASILEIRA: visão fitogeográfica geral PEDRO EISENLOHR pedrov.eisenlohr@gmail.com Ao final da aula, vocês deverão ser capazes de: 1. Conceituar e diferenciar termos essenciais para o estudo da

Leia mais

RENATO VINÍCIUS OLIVEIRA CASTRO MODELAGEM DO CRESCIMENTO EM NÍVEL DE ÁRVORES INDIVIDUAIS UTILIZANDO REDES NEURAIS E AUTÔMATOS CELULARES

RENATO VINÍCIUS OLIVEIRA CASTRO MODELAGEM DO CRESCIMENTO EM NÍVEL DE ÁRVORES INDIVIDUAIS UTILIZANDO REDES NEURAIS E AUTÔMATOS CELULARES RENATO VINÍCIUS OLIVEIRA CASTRO MODELAGEM DO CRESCIMENTO EM NÍVEL DE ÁRVORES INDIVIDUAIS UTILIZANDO REDES NEURAIS E AUTÔMATOS CELULARES Dissertação apresentada à Universidade Federal de Viçosa, como parte

Leia mais

Composição Florística e Síndromes de Dispersão no Morro Coração de Mãe, em. Piraputanga, MS, Brasil. Wellington Matsumoto Ramos

Composição Florística e Síndromes de Dispersão no Morro Coração de Mãe, em. Piraputanga, MS, Brasil. Wellington Matsumoto Ramos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA VEGETAL Composição Florística e Síndromes de Dispersão

Leia mais

Modelação do crescimento e da produção de pinha no pinheiro manso Ponto de situação e perspetivas

Modelação do crescimento e da produção de pinha no pinheiro manso Ponto de situação e perspetivas Modelação do crescimento e da produção de pinha no pinheiro manso Ponto de situação e perspetivas Margarida Tomé Instituto Superior de Agronomia Centro de Estudos Florestais Projetos AGRO 451: Optimização

Leia mais

Populações. Prof. Dr. Francisco Soares Santos Filho

Populações. Prof. Dr. Francisco Soares Santos Filho Populações Prof. Dr. Francisco Soares Santos Filho Conceitos fundamentais Espécie População Indivíduo Por que os estudos de populações são importantes? Permitem descrever a estrutura espacial e o comportamento

Leia mais

Manejo, tratamento silvicultural, composição florística e floresta secundária.

Manejo, tratamento silvicultural, composição florística e floresta secundária. Dinâmica da Composição Florística de uma Floresta... 549 DINÂMICA DA COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA DENSA SECUNDÁRIA, APÓS CORTE DE CIPÓS, RESERVA NATURAL DA COMPANHIA VALE DO RIO DOCE

Leia mais

PLANO DE ENSINO Disciplina: Matemática 8º ano Professor(a): Gracivane Pessoa

PLANO DE ENSINO Disciplina: Matemática 8º ano Professor(a): Gracivane Pessoa PLANO DE ENSINO 2016 Disciplina: Matemática 8º ano Professor(a): Gracivane Pessoa Competências e Habilidades Gerais da Disciplina Desenvolver a responsabilidade e o gosto pelo trabalho em equipe; Relacionar

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE INDIVÍDUOS DA FLORESTA SEMIDECÍDUA EM CLASSES DE DIÂMETRO E ALTURA, PRÓXIMA A ENCOSTA DA SERRA DE MARACAJU, AQUIDAUANA - MS

CLASSIFICAÇÃO DE INDIVÍDUOS DA FLORESTA SEMIDECÍDUA EM CLASSES DE DIÂMETRO E ALTURA, PRÓXIMA A ENCOSTA DA SERRA DE MARACAJU, AQUIDAUANA - MS Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 CLASSIFICAÇÃO DE INDIVÍDUOS DA FLORESTA SEMIDECÍDUA EM CLASSES DE DIÂMETRO E ALTURA, PRÓXIMA A ENCOSTA DA SERRA DE MARACAJU, AQUIDAUANA - MS Kelvin Rosalvo Melgar Brito

Leia mais

Redes de defesa da floresta contra incêndios FGC Aplicação do Regime Jurídico das Ações de Arborização e Rearborização

Redes de defesa da floresta contra incêndios FGC Aplicação do Regime Jurídico das Ações de Arborização e Rearborização Redes de defesa da floresta contra incêndios FGC Aplicação do Regime Jurídico das Ações de Arborização e Rearborização PENELA 05 setembro de 2015 Redes de defesa da floresta contra incêndios Legislação

Leia mais

Prof. Oriel Herrera Bonilla Monitores: Giuliane Sampaio John David

Prof. Oriel Herrera Bonilla Monitores: Giuliane Sampaio John David UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS ECOLOGIA Prof. Oriel Herrera Bonilla Monitores: Giuliane Sampaio John David Fortaleza - CE Versão 2010 Ecossistemas Duas fontes

Leia mais

Pinus Patula Pinus Nigra Pinus Caribaea Produção de Pinus. Pinus elliotti

Pinus Patula Pinus Nigra Pinus Caribaea Produção de Pinus. Pinus elliotti Pinus Patula Pinus Nigra Pinus Caribaea Produção de Pinus Pinus elliotti Pinus Pinaster Pinus Taeda - P. elliottii e P. taeda- introduzidas dos Estados Unidos, visto que as atividades com florestas plantadas

Leia mais

1.2.1.Nome: Narcizo Lievore 1.2.2.Endereço: Rua 143, nº. 167, Bairro Eldorado, Timóteo-MG. CEP: 35.181-210.

1.2.1.Nome: Narcizo Lievore 1.2.2.Endereço: Rua 143, nº. 167, Bairro Eldorado, Timóteo-MG. CEP: 35.181-210. ANÁLISE QUANTITATIVA DA VEGETAÇÃO ARBÓREA DE UM REMANESCENTE DE FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECÍDUA NA FAZENDA ARATACA TIMÓTEO/MG 1 - Informações Gerais 1.1 - Identificação da Propriedade 1.1.1 Denominação:

Leia mais

Compressibilidade e Teoria do adensamento. Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin

Compressibilidade e Teoria do adensamento. Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Compressibilidade e Teoria do adensamento Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Compressibilidade É a diminuição do volume sob a ação de cargas aplicadas. É uma característica que todos os materiais possuem

Leia mais

Apresentar a importação de linhas e pontos cotados, em formato.dxf, afim de formarem um PI;

Apresentar a importação de linhas e pontos cotados, em formato.dxf, afim de formarem um PI; Adalberto Koiti Miura Silvia Cristina de Jesus Sumaia Resegue Aboud Thais Maria Sperandio Introdução ao Geoprocessamento (SER 300) Relatório do Laboratório 3 Modelagem Numérica do Terreno Objetivo O objetivo

Leia mais

ECOLOGIA DE POPULAÇÕES

ECOLOGIA DE POPULAÇÕES 2º EM Biologia Professor João ECOLOGIA DE POPULAÇÕES INTRODUÇÃO População: qualquer grupo de organismos de mesma espécie que ocupa um determinado espaço em determinado período de tempo; Ecologia de populações:

Leia mais

Ciências do Ambiente. Prof. M.Sc. Alessandro de Oliveira Limas Engenheiro Químico (UNISUL ) Mestre em Engenharia de Alimentos (UFSC )

Ciências do Ambiente. Prof. M.Sc. Alessandro de Oliveira Limas Engenheiro Químico (UNISUL ) Mestre em Engenharia de Alimentos (UFSC ) Ciências do Ambiente Prof. M.Sc. Alessandro de Oliveira Limas Engenheiro Químico (UNISUL - 1995) Mestre em Engenharia de Alimentos (UFSC - 2002) Ciências Ambientais Estudo sistemático tico da natureza

Leia mais

Redes Neurais Artificiais. Everton Gago

Redes Neurais Artificiais. Everton Gago Redes Neurais Artificiais Everton Gago Como vai ser? O que é RNA? Conglomerado de neurônios!?!? Neurônio: Neurônio: Entradas: X0 = 0 X1 = 1 X2 = 1 Neurônio: Entradas: X0 = 0 X1 = 1 X2 = 1 Pesos: W0 = 0.3

Leia mais

Roraima. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Roraima (1991, 2000 e 2010)

Roraima. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Roraima (1991, 2000 e 2010) Roraima Em, no estado de Roraima (RR), moravam 4,5 mil habitantes, onde uma parcela ainda discreta (3,5%, 15,6 mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 15 municípios, dos quais sete

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Engenharia Informática 3. Ciclo de Estudos 1º

Leia mais

ESTUDOS DE COORTE. Baixo Peso Peso Normal Total Mãe usuária de cocaína

ESTUDOS DE COORTE. Baixo Peso Peso Normal Total Mãe usuária de cocaína UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA PREVENTIVA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA ESTUDOS DE COORTE 1) Com o objetivo de investigar

Leia mais

Taxonomia. Profa. Lillian Alvares, Faculdade de Ciência da Informação. Universidade de Brasília

Taxonomia. Profa. Lillian Alvares, Faculdade de Ciência da Informação. Universidade de Brasília Taxonomia Profa. Lillian Alvares, Faculdade de Ciência da Informação. Universidade de Brasília Origem O termo taxonomia tem sua origem no grego Táxis (ordem) Nomos (lei, norma) e...... derivou-se de um

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO. C Não é necessário ser uma muda de árvore, pode-se adotar uma já existente na calçada em frente a sua casa.

TERMO DE COOPERAÇÃO. C Não é necessário ser uma muda de árvore, pode-se adotar uma já existente na calçada em frente a sua casa. ADOTE UMA ÁRVORE TERMO DE COOPERAÇÃO Declaro que li o texto abaixo e concordo com os termos do mesmo, visando à adoção de uma árvore (muda), localizada conforme formulário em anexo: A Pelo período de um

Leia mais

APLICAÇÃO DAS REDES NEURAIS DE BASE RADIAL NA METEOROLOGIA. PALAVRAS-CHAVE: Redes Neurais Artificiais; Rede Neural de Base Radial; Meteorologia.

APLICAÇÃO DAS REDES NEURAIS DE BASE RADIAL NA METEOROLOGIA. PALAVRAS-CHAVE: Redes Neurais Artificiais; Rede Neural de Base Radial; Meteorologia. APLICAÇÃO DAS REDES NEURAIS DE BASE RADIAL NA METEOROLOGIA Emerson Yoshio Maeda (IC, FUNDAÇÃO ARAUCÁRIA), (UNESPAR/FECILCAM), math.maeda@gmail.com Juliano Fabiano da Mota (OR), (UNESPAR/FECILCAM), jfmota@fecilcam.br

Leia mais

Domínio: TERRA UM PLANETA COM VIDA

Domínio: TERRA UM PLANETA COM VIDA SISTEMA TERRA: DA CÉLULA À BIODIVERSIDADE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Planificação

Leia mais

Geração e organização de informações de culturas bioenergéticas: impacto de mudanças climáticas e avaliação espaço-temporal

Geração e organização de informações de culturas bioenergéticas: impacto de mudanças climáticas e avaliação espaço-temporal Geração e organização de informações de culturas bioenergéticas: impacto de mudanças climáticas e avaliação espaço-temporal Dorothee Luisa Polzer¹ Giampaolo Queiroz Pellegrino² O Painel Intergovernamental

Leia mais

Paradigmas de Aprendizagem

Paradigmas de Aprendizagem Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA UFES Departamento de Computação Paradigmas de Aprendizagem Redes Neurais Artificiais Site: http://jeiks.net E-mail: jacsonrcsilva@gmail.com

Leia mais

Avaliação de viab. e risco

Avaliação de viab. e risco Avaliação de viab. e risco Capítulo 3 -- parte 1 A proposta inicial Quatro finalidades: introduzir o conceito; testar as reações dos potenciais interessados; obter apoio; e estabelecer uma base para avaliação

Leia mais

FERRAMENTAS ESTATÍSTICAS PARA ANÁLISE DA CLASSIFICAÇÃO

FERRAMENTAS ESTATÍSTICAS PARA ANÁLISE DA CLASSIFICAÇÃO Objetivos: - QUANTIFICAR OS ERROS COMETIDOS NA CLASSIFICAÇÃO - MEDIR A QUALIDADE DO TRABALHO FINAL - AVALIAR A APLICABILIDADE OPERACIONAL DA CLASSIFICAÇÃO Fontes de erro das classificações temáticas Os

Leia mais

NÍVEL DE ENSINO: CARGA HORÁRIA: PROBABILIDADE EST PROFESSOR-AUTOR:

NÍVEL DE ENSINO: CARGA HORÁRIA: PROBABILIDADE EST PROFESSOR-AUTOR: ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE NÍVEL DE ENSINO: Graduação CARGA HORÁRIA: 80h PROFESSOR-AUTOR: Bráulio Roberto Gonçalves Marinho Couto Janaína Giovani Noronha de Oliveira Octávio Alcântara Torres Reinaldo

Leia mais

Módulo 3: Estatística Básica Usando o SPSS

Módulo 3: Estatística Básica Usando o SPSS Escola Nacional de Administração Pública Diretoria de Formação Profissional Coordenação-Geral de Projetos Especiais Módulo 3: Estatística Básica Usando o SPSS Professora: Mônica R. Campos (DCS/ENSP - FIOCRUZ)

Leia mais

Florística de uma área de Cerrado da Fazenda Barreiro D antas, São José de Almeida, Jaboticatubas, MG

Florística de uma área de Cerrado da Fazenda Barreiro D antas, São José de Almeida, Jaboticatubas, MG Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 9., 2012, Belo Horizonte Florística de uma área de Cerrado da Fazenda Barreiro D antas, São José de Almeida, Jaboticatubas, MG Morgana Flávia Rodrigues

Leia mais

Por quê monitorar Árvores de interesse Comercial?

Por quê monitorar Árvores de interesse Comercial? Curso Grupos Alvo Levantamento e Monitoramento da biodiversidade em módulos e grades RAPELD Árvores comerciais Texto: Fernanda Coelho Por quê monitorar Árvores de interesse Comercial? Árvores de interesse

Leia mais

Classificação de Sistemas de Simulação. Profa. Dra. Soraia Raupp Musse

Classificação de Sistemas de Simulação. Profa. Dra. Soraia Raupp Musse Classificação de Sistemas de Simulação Profa. Dra. Soraia Raupp Musse Quem é real? Simulação de Sistemas SIMULAÇÃO IMPLICA NA MODELAGEM DE UM PROCESSO OU SISTEMA, DE TAL FORMA QUE O MODELO IMITE AS RESPOSTAS

Leia mais

Manual para Medição e Marcação de Árvores Comerciais em grades e módulos RAPELD do PPBio

Manual para Medição e Marcação de Árvores Comerciais em grades e módulos RAPELD do PPBio Curso Grupos Alvo Levantamento e Monitoramento da biodiversidade em módulos e grades RAPELD Árvores comerciais - Fernanda Coelho, William Magnusson e Tatiana Gaui Árvores de interesse comercial representam

Leia mais

CONFORTO AMBIENTAL Aula 2

CONFORTO AMBIENTAL Aula 2 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 2 M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira Diferença entre Tempo e Clima TEMPO: Variações diárias das condições atmosféricas. CLIMA: É a condição média

Leia mais

PLANO DE ENSINO Disciplina: Matemática 8º ano Professor(a): Gracivane Pessoa. Competências Habilidades Conteúdos. I Etapa

PLANO DE ENSINO Disciplina: Matemática 8º ano Professor(a): Gracivane Pessoa. Competências Habilidades Conteúdos. I Etapa PLANO DE ENSINO 2015 Disciplina: Matemática 8º ano Professor(a): Gracivane Pessoa I Etapa Competências Habilidades Conteúdos Revisão (breve) de conteúdos trabalhados anteriormente Construir significados

Leia mais

Escola Secundária c/3º CEB de Lousada

Escola Secundária c/3º CEB de Lousada Escola Secundária c/3º CEB de Lousada Planificação Anual da Disciplina de Matemática 9º Ano Ano Lectivo: 2011/2012 CONTEÚDOS 1º PERÍODO OBJECTIVOS E COMPETÊNCIAS Nº de Tempos (45min.) Equações -Equações

Leia mais

Agrupamento de Escolas do Fundão

Agrupamento de Escolas do Fundão Agrupamento de Escolas do Fundão MATEMÁTICA P GPI 13 12º Ano CURRÍCULO DA DISCIPLINA E Nº DE AULAS PREVISTAS Período PLANIFICAÇÃO ANUAL Módulos a leccionar + Conteúdos Programáticos Módulo A6- Taxa de

Leia mais

Aplicação da Cadeia de Markov na prognose do crescimento diamétrico de um remanescente de Mata Atlântica em MG.

Aplicação da Cadeia de Markov na prognose do crescimento diamétrico de um remanescente de Mata Atlântica em MG. Aplicação da Cadeia de Markov na prognose do crescimento diamétrico de um remanescente de Mata Atlântica em MG. Marcela de Castro Nunes Santos 1 André Luiz Raimundo Faria 2 Daniela Cunha da Sé 3 José Marcio

Leia mais

CARTA SOLAR LUZ E SOMBRA

CARTA SOLAR LUZ E SOMBRA Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO CARTA SOLAR LUZ E SOMBRA Aplicação da Carta Solar para Sombreamento Docente: Claudete Gebara J. Callegaro 2º semestre

Leia mais

Planificação a médio e longo prazo. Matemática B. 11º Ano de escolaridade. Total de aulas previstas: 193. Ano letivo 2015/2016

Planificação a médio e longo prazo. Matemática B. 11º Ano de escolaridade. Total de aulas previstas: 193. Ano letivo 2015/2016 Planificação a médio e longo prazo Matemática B 11º Ano de escolaridade. Total de aulas previstas: 193 Ano letivo 2015/2016 Professor responsável: Paulo Sousa I O programa Matemática B do 11º Ano - Página

Leia mais

Estimativas e Tamanhos de Amostras

Estimativas e Tamanhos de Amostras Estimativas e Tamanhos de Amostras 1 Aspectos Gerais 2 Estimativa de uma Média Populacional: Grandes Amostras 3 Estimativa de uma Média Populacional: Pequenas Amostras 4 Tamanho Amostral Necessário para

Leia mais

Paraíba. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Paraíba (1991, 2000 e 2010)

Paraíba. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Paraíba (1991, 2000 e 2010) Paraíba Em, no estado da Paraíba (PB), moravam 3,8 milhões de pessoas, onde uma grande parcela (8,5%, 321,2 mil habitantes) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 223 municípios, dos

Leia mais

Fazer um diagnóstico. Necessidade dos testes. Foco principal. Variabilidade do teste. Diminuição das incertezas definição de normal

Fazer um diagnóstico. Necessidade dos testes. Foco principal. Variabilidade do teste. Diminuição das incertezas definição de normal Fazer um diagnóstico Avaliação Crítica tentativa de tomar uma decisão adequada usando informações inadequadas resultado de testes diminuir a incerteza do diagnóstico Ideal saber viver com a incerteza saber

Leia mais

2º RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO PROJETO PLANTE BONITO

2º RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO PROJETO PLANTE BONITO 2º RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO PROJETO PLANTE BONITO PLANTIO NAS MARGENS DO CORREGO RESTINGA BONITO MS. 1. Apresentação O plantio de 104 mudas nas margens do córrego Restinga, localizado no perímetro

Leia mais

CONCEITOS FUNDAMENTAIS

CONCEITOS FUNDAMENTAIS CONCEITOS FUNDAMENTAIS ECONOMETRIA É a aplicação de métodos estatísticos e matemáticos na análise de dados econômicos com o propósito de dar conteúdo empírico a teorias econômicas e confirmá-las ou não.

Leia mais

Santos, Eliane Nascimento 2 Carmo, Marta Regina Barrotto 3

Santos, Eliane Nascimento 2 Carmo, Marta Regina Barrotto 3 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( X ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA HERBÁRIO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA (HUPG)

Leia mais

Realização Execução Apoio

Realização Execução Apoio Realização Execução Apoio Aguimar Mendes Ferreira Gerente de Unidade de Negócio Consultor Sênior FORMAÇÃO 1994, Mestrado em Economia e Política Florestal, Universidade Federal do Paraná, Brasil; 1989,

Leia mais

Marcos Silveira & Thaline Brito Universidade Federal do Acre

Marcos Silveira & Thaline Brito Universidade Federal do Acre II Simpósio CENBAM-PPBio, 27-30/nov/2013, Manaus-AM Marcos Silveira & Thaline Brito Universidade Federal do Acre desde 2006 Áreas de pesquisa Campinaranas Parque Estadual Chandless Fazenda Experimental

Leia mais

PLANTIOS DE PAU-ROSA (Aniba rosaeodora Ducke) E A PRODUÇÃO DE ÓLEO A PARTIR DE MUDAS PLANTADAS

PLANTIOS DE PAU-ROSA (Aniba rosaeodora Ducke) E A PRODUÇÃO DE ÓLEO A PARTIR DE MUDAS PLANTADAS GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS SECREATARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DO AMAZONAS E INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA PLANTIOS DE PAU-ROSA (Aniba

Leia mais

Distribuição de frequências:

Distribuição de frequências: Distribuição de frequências: Uma distribuição de frequências é uma tabela que reúne o conjunto de dados conforme as frequências ou as repetições de seus valores. Esta tabela pode representar os dados em

Leia mais

MINICURSO. Uso da Calculadora Científica Casio Fx. Prof. Ms. Renato Francisco Merli

MINICURSO. Uso da Calculadora Científica Casio Fx. Prof. Ms. Renato Francisco Merli MINICURSO Uso da Calculadora Científica Casio Fx Prof. Ms. Renato Francisco Merli Sumário Antes de Começar Algumas Configurações Cálculos Básicos Cálculos com Memória Cálculos com Funções Cálculos Estatísticos

Leia mais

FFA Aula 3. Fatores ambientais. Vânia R. Pivello Depto. de Ecologia, IB-USP

FFA Aula 3. Fatores ambientais. Vânia R. Pivello Depto. de Ecologia, IB-USP FFA Aula 3 Fatores ambientais Vânia R. Pivello Depto. de Ecologia, IB-USP Contextualização Espécie X = Archontophoenix cunninghamiana Fragmento florestal urbano = Reserva Florestal do IB-USP (RFIB) Foto:

Leia mais

x 1. Em cada uma das figuras, eles são apenas os primeiros elementos dos

x 1. Em cada uma das figuras, eles são apenas os primeiros elementos dos 0) Nas figuras a seguir, a curva é o gráfico da função x retângulos hachurados para infinitos que possuem as mesmas características. f x. Observe atentamente o que ocorre com os x. Em cada uma das figuras,

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO NORTE INVESTIMENTOS ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL Versão 1.0 Vigência Agosto / 2016 Classificação das Informações [ X ] Uso Interno [ ] Uso Público Conteúdo

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias Departamento de Ciências Florestais e da Madeira

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias Departamento de Ciências Florestais e da Madeira Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias Departamento de Ciências Florestais e da Madeira LISTA DE EXERCÍCIOS DE DENDROMETRIA CONTEÚDO PROVA 1 - Princípios de mensuração/ Diâmetro,

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS - DCF

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS - DCF DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS - DCF AMOSTRAGEM E INVENTÁRIO FLORESTAL GEF 112 NOTAS DE AULAS PROF. José Marcio de Mello josemarcio@dcf.ufla.br LAVRAS MG NOTA DE AULA 01 ASPECTOS INTRODUTÓRIOS DA

Leia mais

Preparando dados de levantamentos para o Fitopac 2.1

Preparando dados de levantamentos para o Fitopac 2.1 Preparando dados de levantamentos para o Fitopac 2.1 Esta versão oferece muito mais flexibilidade na leitura de dados de levantamentos que as versões anteriores mas, dado a diversidade de opções disponíveis,

Leia mais

Grandezas, Unidades de. Alex Oliveira. Medida e Escala

Grandezas, Unidades de. Alex Oliveira. Medida e Escala Grandezas, Unidades de Alex Oliveira Medida e Escala Medindo Grandezas Aprendemos desde cedo a medir e comparar grandezas como comprimento; tempo; massa; temperatura; pressão e corrente elétrica. Atualmente,

Leia mais

TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Graduação em Engenharia Elétrica TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROF. FLÁVIO VANDERSON GOMES E-mail: flavio.gomes@ufjf.edu.br Aula Número: 06 2 - 3 4 5 6 7 8 9 10

Leia mais

Análise de Riscos (ARIS)

Análise de Riscos (ARIS) () Registro de Preço para Aquisição de Licenças do Pacote Microsoft Office Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis IBAMA Planejamento da de Tecnologia da Informação Setembro

Leia mais

Elias Alves de Andrade Presidente em exercício do CONSEPE

Elias Alves de Andrade Presidente em exercício do CONSEPE RESOLUÇÃO CONSEPE N.º 64, DE 06 DE JUNHO DE 2005 Aprova o Curso de Mestrado em Ciências Florestais e Ambientais. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO, no uso

Leia mais

ATIVIDADES REVISÃO. Prova trimestral -2º trimestre 2011

ATIVIDADES REVISÃO. Prova trimestral -2º trimestre 2011 ATIVIDADES REVISÃO Prova trimestral -2º trimestre 2011 1. Uma diferença entre sucessão ecológica primária e sucessão ecológica secundária é a) o tipo de ambiente existente no início da sucessão. b) o tipo

Leia mais

Normas ISO:

Normas ISO: Universidade Católica de Pelotas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina de Qualidade de Software Normas ISO: 12207 15504 Prof. Luthiano Venecian 1 ISO 12207 Conceito Processos Fundamentais

Leia mais

Filtro de Kalman. Teoria e Aplicação para Iniciantes. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano. M&V Consultoria e Treinamento

Filtro de Kalman. Teoria e Aplicação para Iniciantes. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano. M&V Consultoria e Treinamento Filtro de Kalman Teoria e Aplicação para Iniciantes Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano M&V Consultoria e Treinamento www.mudancasabruptas.com.br A História da Filtragem de Sinais 930 940 960 Filtro

Leia mais

Experiências em Recuperação Ambiental. Código Florestal. Restauração ecológica de mata ciliar utilizando talhão facilitador diversificado

Experiências em Recuperação Ambiental. Código Florestal. Restauração ecológica de mata ciliar utilizando talhão facilitador diversificado Experiências em Recuperação Ambiental Código Florestal Restauração ecológica de mata ciliar utilizando talhão facilitador diversificado Restauração ecológica de mata ciliar utilizando talhão facilitador

Leia mais

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA. Profa. Dra. Yara de Souza Tadano

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA. Profa. Dra. Yara de Souza Tadano PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA Profa. Dra. Yara de Souza Tadano yaratadano@utfpr.edu.br Aula 8 11/2014 Distribuição Normal Vamos apresentar distribuições de probabilidades para variáveis aleatórias contínuas.

Leia mais

Prof: Felipe C. V. dos Santos

Prof: Felipe C. V. dos Santos Prof: Felipe C. V. dos Santos Goiânia 04, 03 2016 PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CURSOS DE ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL HIDROLOGIA APLICADA Prof. M. Sc. Felipe Corrêa

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Importância da Utilização da Amostragem

1 Introdução. 1.1 Importância da Utilização da Amostragem Prof. Janete Pereira Amador 1 1 Introdução Um dos principais objetivos da maioria dos estudos, análises ou pesquisas estatísticas é fazer generalizações seguras com base em amostras, sobre as populações

Leia mais

4 Redes Neurais Artificiais

4 Redes Neurais Artificiais 4 Redes Neurais Artificiais Inteligência computacional pode ser definida como um conjunto de modelos, algoritmos, técnicas, ferramentas e aplicações em sistemas computadorizados que emulem características

Leia mais

Prefácio. Este texto apresenta de maneira didática uma série de técnicas importantes para estudos de confiabilidade.

Prefácio. Este texto apresenta de maneira didática uma série de técnicas importantes para estudos de confiabilidade. Prefácio Este texto apresenta de maneira didática uma série de técnicas importantes para estudos de confiabilidade. Ele se diferencia dos livros tradicionais no assunto por preocupar-se não somente em

Leia mais

Zoneamento de risco de incêndios florestais para a bacia hidrográfica do Córrego Santo Antônio, São Francisco Xavier (SP)

Zoneamento de risco de incêndios florestais para a bacia hidrográfica do Córrego Santo Antônio, São Francisco Xavier (SP) Zoneamento de risco de incêndios florestais para a bacia hidrográfica do Córrego Santo Antônio, São Francisco Xavier (SP) Aline Kuramoto Gonçalves Faculdade de Ciências Agronômicas/UNESP Campus Botucatu

Leia mais

Tabela 4.1 Distribuição dos indicadores por tipo Tipo de Indicador No. de indicadores. Indicadores de Evento 93. Indicadores de Tendência 37

Tabela 4.1 Distribuição dos indicadores por tipo Tipo de Indicador No. de indicadores. Indicadores de Evento 93. Indicadores de Tendência 37 4 Estudo de Casos A metodologia proposta no capítulo 3 foi aplicada em casos reais coletados de equipamentos Caterpillar da Sotreq. As falhas aqui estudadas são referentes a dois componentes do caminhão:

Leia mais

AVALIAÇÃO SILVICULTURAL DE ESPÉCIES ARBÓREAS NATIVAS REGENERANTES EM UM POVOAMENTO FLORESTAL

AVALIAÇÃO SILVICULTURAL DE ESPÉCIES ARBÓREAS NATIVAS REGENERANTES EM UM POVOAMENTO FLORESTAL AVALIAÇÃO SILVICULTURAL DE ESPÉCIES ARBÓREAS NATIVAS REGENERANTES EM UM POVOAMENTO FLORESTAL Wendy Carniello Ferreira 1, Marciel José Ferreira 2, Rodrigo Couto Santos 3, Danival Vieira de Freitas 4, Christiano

Leia mais

Espírito Santo. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Espírito Santo (1991, 2000 e 2010)

Espírito Santo. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Espírito Santo (1991, 2000 e 2010) Espírito Santo Em, no estado do Espírito Santo (ES), moravam 3,5 milhões de pessoas, onde parcela relevante (7,1%, 249, mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 78 municípios, dos

Leia mais