ESTATÍSTICA DESCRITIVA APLICADA NA SAÚDE. Hospital Universitário Prof. Edgard Santos UFBA Unidade de Planejamento Julho de 2016

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTATÍSTICA DESCRITIVA APLICADA NA SAÚDE. Hospital Universitário Prof. Edgard Santos UFBA Unidade de Planejamento Julho de 2016"

Transcrição

1 ESTATÍSTICA DESCRITIVA APLICADA NA SAÚDE Hospital Universitário Prof. Edgard Santos UFBA Unidade de Planejamento Julho de 2016

2 AGENDA: DEFINIÇÃO; VARIÁVEIS (CONSTRUÇÃO DE UM BANCO DE DADOS); ORGANIZAÇÃO E APRESENTAÇÃO DOS DADOS; BOXPLOT OUTILIERS SÍNTESE NÚMERICA PARA UMA VARIÁVEL QUANTITATIVA; o o o o MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL (MÉDIA E MEDIANA) MEDIDAS DE VARIABILIDADE (DESVIO PADRÃO, COEFICIENTE DE VARIAÇÃO, DESVIO INTERQUATÍLICO) ASSIMETRIA E CURTOSE MEDIDAS DE POSIÇÃO ANÁLISE BIVARIADA; TAXA, PROPORÇÃO E COEFICIENTE; Hospital Universitário Prof. Edgard Santos UFBA Unidade de Planejamento Julho de 2016

3 Uma análise descritiva de dados bem-feita, representa meio caminho andado no processo de análise dos dados e extração de conclusões de um estudo. O uso de técnicas descritivas deve sempre preceder análises mais avançadas. Além de propiciar a familiarização com os dados, possibilita a detecção de estruturas como, por exemplo, a distribuição dos dados ou o comportamento dos dados e, eventualmente, valores atípicos ou mesmo incorretos. A estatística descritiva trata das ferramentas para: organizarmos e descrevermos os dados, bem como, auxilia-nos na identificação de valores típicos e na avaliação da variabilidade presente no dados. Hospital Universitário Prof. Edgard Santos UFBA Unidade de Planejamento Julho de 2016

4

5 VARIÁVEL. Definição: Quantificação ou categorização de característica de interesse no estudo. BANCO DE DADOS: Após a coleta dos dados, o próximo passo é a construção do banco de dados. Geralmente utilizamos planilha para a construção de banco de dados e via de regra, as variáveis são colocadas nas colunas (campos) e os dados de cada indivíduo nas linhas (observações ou registros) Codificação das variáveis: ID (identificação da unidade respondente), EDU (Nível de instrução. Variando de nenhuma (1) a curso superior (6)), PESO (Kg), ALT (altura em cm), FUMO (Hábito tabagista. Não (0), Sim (1)), ATVFIS (Atividade física. Sedentário (1), Alta (3)), GLIC (Glicose (md/dl)), COLEST (Colesterol total (mg/dl) e PSIST (Pressão sistólica (mmhg)

6 Tipos de Variáveis Qualitativas Quantitativas Ordinal Nominal Discretas Contínuas Intervalar Razão

7 ORGANIZAÇÃO E APRESENTAÇÃO DOS DADOS. As tabelas e os gráficos são construídos a partir de determinado conjunto de dados, proporcionando informações semelhantes ou complementares.

8 ORGANIZAÇÃO E APRESENTAÇÃO DOS DADOS: TABELAS PARA DADOS CATEGÓRICOS.

9 ORGANIZAÇÃO E APRESENTAÇÃO DOS DADOS. DADOS QUANTITATIVOS CONTÍNUOS 1. Encontrar o mínimo e o máximo do conjunto de dados. 2. Calcular a amplitude total dos dados (máximo mínimo) 3. Determinar o número de intervalos de classes. Algumas sugestões para determinarmos o número de classes n Log2(n) 1+3,32*log(n) (regra de Sturges) 4. Calcular a amplitude das classes (classes de igual amplitude) 5. Contar o número de elementos em cada classe.

10 ORGANIZAÇÃO E APRESENTAÇÃO DOS DADOS. Dados quantitativos: contínuos e discretos

11 ORGANIZAÇÃO E APRESENTAÇÃO DOS DADOS. Gráficos 1. Diagrama de barras (varáveis categóricas, ou quantitativas discretas) 2. Gráfico de setores 3. Histograma 4. Polígono de frequência 5. Ogiva. 6. Gráfico de linha (série temporal)

12 ORGANIZAÇÃO E APRESENTAÇÃO DOS DADOS. Gráficos 1. Diagrama de barras verticais ou horizontais (varáveis categóricas, ou quantitativas discretas) Figura 1: Diagrama de barras verticais construídos a partir dos dados de frequência absoluta da variável atividade física dos elementos do conjunto de dados.

13 ORGANIZAÇÃO E APRESENTAÇÃO DOS DADOS. Gráficos 1. Diagrama de barras horizontais ou horizontais (varáveis categóricas, ou quantitativas discretas) Figura 1: Diagrama de barras horizontais construídos a partir dos dados de percentual sobre a escolaridade dos elementos do conjunto de dados

14 ORGANIZAÇÃO E APRESENTAÇÃO DOS DADOS. Gráficos Gráfico de setores (varáveis categóricas, ou quantitativas discretas) Figura 4: Gráfico de setores construído a partir dos dados da frequência absoluta sobre o hábito de tabagismo dos elementos do conjunto de dados

15 ORGANIZAÇÃO E APRESENTAÇÃO DOS DADOS. Gráficos Histograma Figura 3: Diagrama de barras horizontais construídos a partir dos dados de percentual sobre a escolaridade dos elementos do conjunto de dados

16 HISTOGRAMA, POLÍGONO DE FREQUÊNCIA, OGIVA

17 HISTOGRAMA, POLÍGONO DE FREQUÊNCIA, OGIVA Figura 5: Histograma, polígono de frequência e ogiva para as frequências simples e relativa acumulada para os dados da tabela de frequências da variável ácido úrico Os gráficos acima mostram que a distribuição da dosagem de ácido úrico em indivíduos normais de sexo masculino é razoavelmente simétrica. A variação desta dosagem está entre 3,0 e 9,0 mg/dl, com maior concentração em torno de 5,0 a 5,5 mg/dl (20,2%). Além disto, 96,6% dos homens dessa amostra apresentaram valores de ácido úrico sérico de 3,5 a 7,5 mg/dl.

18 REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE DADOS TEMPORAIS: Dados coletados ao longo do tempo são muito comuns em pesquisas médicas e em registros de saúde pública. Tais dados são denominados temporais ou longitudinais, ou ainda, de medidas repetidas. O gráfico de linhas é a representação mais apropriada para este tipo de dados. Figura 6: Tempo médio de permanência por leito clínico e leito cirúrgico no HUPES. No período de novembro/13 a junho/15

19 IDENTIFICAÇÃO DE OUTILIERS E BOXPLOT: Figura 7: Boxplot Pressão sistólica estratificada por hábito tabagista. Não possui (0) e Possui (1)

20 IDENTIFICAÇÃO DE OUTILIERS E BOXPLOT: Podem-se distinguir dois tipos de outliers: 1; outlier não genuíno, considerado erro, outlier genuíno que pode refletir uma característica do que está sendo estudado. Observações atípicas alteram significativamente a médias e a variabilidade do grupo a que pertencem e podem distorcer as conclusões obtidas a partir da análise estatística. Causas para o surgimento dos outliers: Erro na coleta do dado; Erro na execução do experimento (medida); Mudanças não controláveis na condição do experimento (ou do indivíduo); Característica inerente à variável estudada.

21 SÍNTESE NUMÉRICA PARA UMA VARIÁVEL MÉDIA. x x x 2 n x... 1 n i1 n n x i MEDIANA: Uma medida de tendência central adequada para distribuições assimétricas. Por definição, a mediana é o valor que divide a distribuição ao meio. Para o cálculo da mediana, é necessário primeiramente ordenar a amostra para localizar a posição da mediana e, assim, encontrar seu valor. Se n for ímpar a posição da mediana é dada por (n+1)/2. Se n é par, não existe uma posição central. Portanto convencionou-se usar a média aritmética desses dos valor na posição n/2 e (n+2)/

22 SÍNTESE NUMÉRICA PARA UMA VARIÁVEL MEDIDAS DE VARIABILIDADE - VARIÂNCIA. A variância é uma medida da variabilidade dos dados em torno da média. É natural procurar uma medida de dispersão que dependa dos desvios de cada observação em relação à média x i x e seria razoável considerar a soma destes desvios. E quanto maior a soma destes desvios, maior seria a variabilidade n presente neste conjunto de dados. Entretanto pela definição da média x i x 0 para qualquer conjunto de dados. Uma alternativa é elevar os desvios ao quadrado. Torna-se levar em consideração o número de observações, pois o acréscimo de observações aumenta o valor do somatório, portanto dividiríamos o somatórios dos desvios em relação à media ao quadrado por n a quantidade de dados. Contudo a definição mais conhecida para a variância amostral é: i1 s 2 n i 1 x i x n 1 2

23 SÍNTESE NUMÉRICA PARA UMA VARIÁVEL MEDIDAS DE VARIABILIDADE DESVIO PADRÃO Registra-se que a variância tem a unidade de medida das observações elevada ao quadrado. Por exemplo, se as observações foram medidas em ºC, a unidade da variância será ºC^2. Logo para obter uma medida de variabilidade com a mesma unidade das observações, extrai-se a raiz quadrada. Com isso temos o desvio padrão: s n i 1 x i x n 1 2

24 SÍNTESE NUMÉRICA PARA UMA VARIÁVEL MEDIDAS DE VARIABILIDADE COEFICIENTE DE VARIAÇÃO Uma pergunta que surge é se um desvio padrão é elevado ou reduzido. Isso é relativo. Por exemplo, um desvio padrão de 10 pode ser pequeno se a observação típica for 1000, mas poderá ser considerado bastante elevado para um conjunto de dados cuja observação típica seja 20. Portanto, em alguns casos é conveniente exprimir a dispersão em termos relativos, ou seja tirando a influência da ordem de grandeza da variável. Pode-se obter índice relativo de dispersão comparando-se o desvio padrão (s) com a média A medida utilizada é denominada coeficiente de variação e é definida por: x CV O coeficiente de variação é muito útil na comparação de duas variáveis ou dois grupos que a princípio não são comparáveis, por exemplo com ordem de grandeza diferentes ou com características diferentes, como crianças e adultos s x

25 SÍNTESE NUMÉRICA PARA UMA VARIÁVEL MEDIDAS DE FORMATO - ASSIMETRIA E CURTOSE Uma distribuição é dita simétrica quando as medidas de tendência central (média, media e moda) são coincidentes.

26 SÍNTESE NUMÉRICA PARA UMA VARIÁVEL MEDIDAS DE FORMATO - ASSIMETRIA E CURTOSE Dá-se o nome de curtose ao grau de achatamento da distribuição.

27 SÍNTESE NUMÉRICA PARA UMA VARIÁVEL MEDIDAS DE FORMATO - ASSIMETRIA E CURTOSE = 0,263 mesocúrtica > 0,263 leptócurtica < 0,263 platicúrtica

28 SÍNTESE NUMÉRICA PARA UMA VARIÁVEL MEDIDAS DE VARIABILIDADE ESCORE PADRONIZADO (z). O escore padronizado, ou escore z, aborda o relacionamento entre a média e o desvio padrão, mas para cada indivíduo. Esta medida é muito utilizada pelos pediatras para acompanhar o desenvolvimento da criança em relação à população. Sejam x1,...,xn os dados observados em uma amostra de tamanho n,, s a média é o desvio padrão, respectivamente. Quando s > 0, define-se o escore padronizado da observação xi, como o desvio da i-ésima observação em relação à media dividida pelo desvio padrão, isto é: z x x i, i 1,..., n i s x

29 SÍNTESE NUMÉRICA PARA UMA VARIÁVEL MEDIDAS DE POSIÇÃO PERCENTIS Dados provenientes de distribuições simétricas são adequadamente descritos e sintetizados pela média e pelo desvio padrão. Isto não ocorre quando os dados são assimétricos. Como já comentamos a mediana identifica mais adequadamente o centro de um conjunto de dados com distribuição assimétrica. Para entender bem uma distribuição, é preciso conhecer valores acima ou abaixo dos quais se encontra determinada porcentagem dos dados essas medidas são chamadas de percentis. Em outras palavras, o percentil é o valor que acumula determinado percentual. Os percentis de ordem 25, 50 e 75 são chamados respectivamente, de primeiro, segundo e terceiro quartis, por que divide o conjunto de dados em quatro partes iguais. Para determinar a posição dos quartis EQi =( i*n)/4

30 ANÁLISE BIVARIADA É muito comum e extremamente o estudo sobre a relação entre variáveis. Podem-se citar os seguintes exemplos: i. Volume de expiração forçada no primeiro segundo (Y) em função da altura (X); ii. Estudo sobre a influência do índice de massa corpórea (X), na pressão sistólica (Y).

31 SÍNTESE NUMÉRICA PARA DUAS VARIÁVEIS DIAGRAMA DE DISPERSÃO O objetivo do estudo de correlação é descobrir se há relação entre duas variáveis. Para o estudo de correlação entre duas variáveis quantitativas (X e Y) ps dados de uma amostra de tamanho n é: (x1, y1), (x2, y2),...,(xn, yn). A variação conjunta de duas variáveis pode ser visualizada a partir do diagrama de dispersão

32 SÍNTESE NUMÉRICA PARA DUAS VARIÁVEIS COEFICIENTE DE CORRELAÇÃO DE PEARSON Os gráficos acima ilustram apenas a avaliação gráfica da presença ou não de correlação linear entre duas variáveis, entretanto está análise gráfica não é suficiente. Com isso torna-se necessária a quantificação do grau de correlação entre as variáveis: O coeficiente de correlação de Pearson expressa numericamente tanto a força quanto o sentido da relação e apresenta as seguintes propriedades: É uma quantidade adimensional. Varia entre -1 e 1 É invariante em relação a escala linear Se 0 < r <0,4 a correlação é dita fraca Se 0,4 r < 0,7 a correlação é dita moderada Se 0,7 r < 1,0 a correlação é dita forte.

33 COMPARAÇÃO ENTRE PROPORÇÃO, RAZÃO E TAXA Do ponto de vista estatístico, representam medidas simples, mas que permitem estabelecer comparações entre grupos. Proporção: A proporção de indivíduos em uma dada categoria é definida através do quociente entre o número de indivíduos desta categoria e o número total de indivíduos considerados. Razão (A/B): O termo razão é utilizado quando A e B representam características separadas e distintas: Ex médico/habitante. Taxa: É uma estimativa de risco da ocorrência usual a multiplicação por um fator múltiplo de 10. de determinado fenômeno. É Ex: Taxa de natalidade, Taxa de mortalidade.

34 OBRIGADO! BIBLIOGRAFIA ESTATÍSTICA NA ÁREA DA SAÚDE: CONCEITOS, METODOLOGIA, APLICAÇÕES E PRÁTICA COMPUTACIONAL Arminda Lúcia Siqueira e Jaqueline Domingues Tibúrcio Notas de aula MAT 027 Estatística IV Departamento de Estatística Universidade Federal da Bahia. Estatística Básica Wilton Bussab e Pedro A Morettin

GERÊNCIA DE ENSINO E PESQUISA - GEP SETOR DE GESTÃO DA PESQUISA E INOVAÇÃO TECNOLOGICA ESTATÍSTICA ALICADA NO EXCEL. Estatística Descritiva

GERÊNCIA DE ENSINO E PESQUISA - GEP SETOR DE GESTÃO DA PESQUISA E INOVAÇÃO TECNOLOGICA ESTATÍSTICA ALICADA NO EXCEL. Estatística Descritiva GERÊNCIA DE ENSINO E PESQUISA - GEP SETOR DE GESTÃO DA PESQUISA E INOVAÇÃO TECNOLOGICA ESTATÍSTICA ALICADA NO EXCEL Estatística Descritiva A análise descritiva consiste basicamente na organização e descrição

Leia mais

Distribuição de frequências:

Distribuição de frequências: Distribuição de frequências: Uma distribuição de frequências é uma tabela que reúne o conjunto de dados conforme as frequências ou as repetições de seus valores. Esta tabela pode representar os dados em

Leia mais

ESTATÍSTICA DESCRITIVA

ESTATÍSTICA DESCRITIVA ESTATÍSTICA DESCRITIVA Organização Descrição Quantificação de variabilidade Identificação de valores típicos e atípicos Elementos básicos: Tabelas Gráficos Resumos numéricos CONCEITOS BÁSICOS Variável

Leia mais

ANÁLISE EXPLORATÓRIA DE DADOS 2ª PARTE

ANÁLISE EXPLORATÓRIA DE DADOS 2ª PARTE ANÁLISE EXPLORATÓRIA DE DADOS 2ª PARTE 1 Medidas de síntese TERCEIRA maneira de resumir um conjunto de dados referente a uma variável quantitativa. Separatrizes Locação x % x % x % x % Dispersão Forma

Leia mais

MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL

MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL Professor Jair Wyzykowski Universidade Estadual de Santa Catarina Média aritmética INTRODUÇÃO A concentração de dados em torno de um valor pode ser usada para representar todos

Leia mais

Elementos de Estatística

Elementos de Estatística Elementos de Estatística Lupércio F. Bessegato & Marcel T. Vieira UFJF Departamento de Estatística 2013 Medidas Resumo Medidas Resumo Medidas que sintetizam informações contidas nas variáveis em um único

Leia mais

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA DESCRITIVA

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA DESCRITIVA PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA DESCRITIVA Prof.ª Sheila Regina Oro Projeto Recursos Educacionais Digitais Autores: Bruno Baierle e Maurício Furigo ESTATÍSTICA DESCRITIVA A Estatística Descritiva

Leia mais

Princípios de Bioestatística Estatística Descritiva/Exploratória

Princípios de Bioestatística Estatística Descritiva/Exploratória 1/31 Princípios de Bioestatística Estatística Descritiva/Exploratória Enrico A. Colosimo/UFMG http://www.est.ufmg.br/ enricoc/ Depto. Estatística - ICEx - UFMG 2/31 Descrição de Dados Variável: característica

Leia mais

Métodos Estatísticos Básicos

Métodos Estatísticos Básicos Aula 4 - Medidas de dispersão Departamento de Economia Universidade Federal de Pelotas (UFPel) Abril de 2014 Amplitude total Amplitude total: AT = X max X min. É a única medida de dispersão que não tem

Leia mais

Conceito de Estatística

Conceito de Estatística Conceito de Estatística Estatística Técnicas destinadas ao estudo quantitativo de fenômenos coletivos, observáveis. Unidade Estatística um fenômeno individual é uma unidade no conjunto que irá constituir

Leia mais

CURSO DE SPSS AULA 2 MEDIDAS DESCRITIVAS. UFBA/FACED José Albertino Lordello Sheila Regina Pereira

CURSO DE SPSS AULA 2 MEDIDAS DESCRITIVAS. UFBA/FACED José Albertino Lordello Sheila Regina Pereira CURSO DE SPSS AULA 2 MEDIDAS DESCRITIVAS UFBA/FACED José Albertino Lordello Sheila Regina Pereira MEDIDAS RESUMO Uma maneira conveniente de descrever um grupo como um todo é achar um número único que represente

Leia mais

Adilson Cunha Rusteiko

Adilson Cunha Rusteiko Janeiro, 2015 Estatística , A Estatística Estatística: É a parte da matemática aplicada que fornece métodos para coleta, organização, descrição, análise e interpretação

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Disciplina: Estatística e Probabilidade Carga Horária: 40h Período: 1º. Ementa

PLANO DE ENSINO. Disciplina: Estatística e Probabilidade Carga Horária: 40h Período: 1º. Ementa Disciplina: Estatística e Probabilidade Carga Horária: 40h Período: 1º PLANO DE ENSINO Ementa Classificação de variáveis, Levantamento de Dados: Coleta; Apuração; Apresentação e Análise de resultados.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA MEDIDAS DESCRITIVAS Departamento de Estatística Luiz Medeiros http://www.de.ufpb.br/~luiz/ As medidas de posição apresentadas fornecem a informação dos dados apenas a nível

Leia mais

Prof. Dr. Engenharia Ambiental, UNESP

Prof. Dr. Engenharia Ambiental, UNESP INTRODUÇÃO A ESTATÍSTICA ESPACIAL Análise Exploratória dos Dados Estatística Descritiva Univariada Roberto Wagner Lourenço Roberto Wagner Lourenço Prof. Dr. Engenharia Ambiental, UNESP Estrutura da Apresentação

Leia mais

Medidas Descritivas de Posição, Tendência Central e Variabilidade

Medidas Descritivas de Posição, Tendência Central e Variabilidade Medidas Descritivas de Posição, Tendência Central e Variabilidade Prof. Gilberto Rodrigues Liska UNIPAMPA 27 de Março de 2017 Material de Apoio e-mail: gilbertoliska@unipampa.edu.br Sumário 1 Introdução

Leia mais

ESTATÍSTICA DESCRITIVA

ESTATÍSTICA DESCRITIVA ESTATÍSTICA DESCRITIVA O principal objectivo da ESTATÍSTICA DESCRITIVA é a redução de dados. A importância de que se revestem os métodos que visam exprimir a informação relevante contida numa grande massa

Leia mais

ESTATÍSTICA Medidas de Síntese

ESTATÍSTICA Medidas de Síntese 2.3 - Medidas de Síntese Além das tabelas e gráficos um conjunto de dados referente a uma variável QUANTITATIVA pode ser resumido (apresentado) através de Medidas de Síntese, também chamadas de Medidas

Leia mais

AULA 2 UNIDADE 1 DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIAS 1.1 INTRODUÇÃO

AULA 2 UNIDADE 1 DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIAS 1.1 INTRODUÇÃO AULA UNIDADE 1 DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIAS 1.1 INTRODUÇÃO As tabelas estatísticas, geralmente, condensam informações de fenômenos que necessitam da coleta de grande quantidade de dados numéricos. No caso

Leia mais

Vimos que é possível sintetizar os dados sob a forma de distribuições de frequência e gráficos. Pode ser de interesse apresentar esses dados através d

Vimos que é possível sintetizar os dados sob a forma de distribuições de frequência e gráficos. Pode ser de interesse apresentar esses dados através d UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA MEDIDAS DE POSIÇÃO E DISPERSÃO Departamento de Estatística Luiz Medeiros Vimos que é possível sintetizar os dados sob a forma de distribuições de frequência e gráficos.

Leia mais

Medidas Descritivas de Posição, Tendência Central e Variabilidade

Medidas Descritivas de Posição, Tendência Central e Variabilidade Medidas Descritivas de Posição, Tendência Central e Variabilidade Prof. Gilberto Rodrigues Liska UNIPAMPA 24 de Agosto de 2017 Material de Apoio e-mail: gilbertoliska@unipampa.edu.br Local: Sala dos professores

Leia mais

Estatística Descritiva

Estatística Descritiva C E N T R O D E M A T E M Á T I C A, C O M P U T A Ç Ã O E C O G N I Ç Ã O UFABC Estatística Descritiva Centro de Matemática, Computação e Cognição March 17, 2013 Slide 1/52 1 Definições Básicas Estatística

Leia mais

Unidade II ESTATÍSTICA. Prof. Celso Guidugli

Unidade II ESTATÍSTICA. Prof. Celso Guidugli Unidade II ESTATÍSTICA Prof. Celso Guidugli Medidas ou parâmetros estatísticos Valores que permitem uma imagem sintetizada do comportamento de uma amostra. Dividem-se em dois grandes grupos: medidas de

Leia mais

MAIS SOBRE MEDIDAS RESUMO. * é muito influenciada por valor atípico

MAIS SOBRE MEDIDAS RESUMO. * é muito influenciada por valor atípico MAIS SOBRE MEDIDAS RESUMO Medidas de Tendência Central (1) média (aritmética) * só para variáveis quantitativas exceção: variável qualitativa nominal dicotômica, com categorias codificadas em 0 e 1; neste

Leia mais

IFF FLUMINENSE CST EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL

IFF FLUMINENSE CST EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL IFF FLUMINENSE CST EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL Estatística e Probabilidade CH: 40 h/a Classificação de variáveis, Levantamento de Dados: Coleta; Apuração; Apresentação; e Análise de resultados. Séries Estatísticas.

Leia mais

Estatística Descritiva (I)

Estatística Descritiva (I) Estatística Descritiva (I) 1 O que é Estatística Origem relacionada com a coleta e construção de tabelas de dados para o governo. A situação evoluiu: a coleta de dados representa somente um dos aspectos

Leia mais

Introdução à Bioestatística Turma Nutrição Aula 3 Análise Descritiva: Medidas de Tendência Central Medidas de Variabilidade

Introdução à Bioestatística Turma Nutrição Aula 3 Análise Descritiva: Medidas de Tendência Central Medidas de Variabilidade Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Estatística Introdução à Bioestatística Turma Nutrição Aula 3 Análise Descritiva: Medidas de Tendência Central Medidas

Leia mais

HEP Bioestatística

HEP Bioestatística HEP 57800 Bioestatística DATA Aula CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 05/03 Terça Níveis de mensuração, variáveis, organização de dados, apresentação tabular 07/03 Quinta Apresentação tabular e gráfica /03 Terça 3

Leia mais

Distribuição de Frequência de Variáveis Quantitativas Contínuas (Tabelas e Gráficos)

Distribuição de Frequência de Variáveis Quantitativas Contínuas (Tabelas e Gráficos) Distribuição de Frequência de Variáveis Quantitativas Contínuas (Tabelas e Gráficos) Prof. Gilberto Rodrigues Liska UNIPAMPA 17 de Agosto de 2017 Material de Apoio e-mail: gilbertoliska@unipampa.edu.br

Leia mais

Aula 2 Planejamento e Análise de Experimentos

Aula 2 Planejamento e Análise de Experimentos Aula 2 Planejamento e Análise de Experimentos Professores Miguel Antonio Sovierzoski, Dr. miguelaso@utfpr.edu.br; Vicente Machado Neto, Dr. vmachado@utfpr.edu.br; Revisão da aula anterior Fatores níveis

Leia mais

Métodos Experimentais em Ciências Mecânicas

Métodos Experimentais em Ciências Mecânicas Métodos Experimentais em Ciências Mecânicas Professor Jorge Luiz A. Ferreira Pertencem ao grupo de ferramentas estatísticas que permitem caracterizar um conjunto de dados sob ponto de vista da tendência

Leia mais

Introdução à Probabilidade e Estatística I

Introdução à Probabilidade e Estatística I Introdução à Probabilidade e Estatística I População e Amostra Medidas resumo Prof. Alexandre G Patriota Sala: 298A Email: patriota@ime.usp.br Site: www.ime.usp.br/ patriota Passos iniciais O primeiro

Leia mais

Distribuição de Frequência de Variáveis Quantitativas Contínuas (Tabelas e Gráficos)

Distribuição de Frequência de Variáveis Quantitativas Contínuas (Tabelas e Gráficos) Distribuição de Frequência de Variáveis Quantitativas Contínuas (Tabelas e Gráficos) Prof. Gilberto Rodrigues Liska UNIPAMPA 22 de Agosto de 2017 Material de Apoio e-mail: gilbertoliska@unipampa.edu.br

Leia mais

Estatística Descritiva/Exploratória

Estatística Descritiva/Exploratória 1/28 Introdução à Bioestatística Estatística Descritiva/Exploratória Enrico A. Colosimo/UFMG http://www.est.ufmg.br/ enricoc/ Depto. Estatística - ICEx - UFMG 2/28 Descrição de Dados Variável: característica

Leia mais

Sumário. Estatistica.indb 11 16/08/ :47:41

Sumário. Estatistica.indb 11 16/08/ :47:41 Sumário CAPÍTULO 1 CONCEITOS INICIAIS... 19 1.1. Introdução... 19 1.2. Estatística... 19 1.2.1. Estatística Descritiva ou Dedutiva... 21 1.2.2. Estatística Indutiva ou Inferencial... 21 1.3. População...

Leia mais

1. Registou-se o número de assoalhadas de 100 apartamentos vendidos num bairro residencial

1. Registou-se o número de assoalhadas de 100 apartamentos vendidos num bairro residencial Escola Superior de Tecnologia de Viseu Fundamentos de Estatística 2006/2007 Ficha nº 1 1. Registou-se o número de assoalhadas de 100 apartamentos vendidos num bairro residencial 0; 0; 0; 1; 2; 0; 0; 1;

Leia mais

CAD. 8 SETOR A AULAS 45-48

CAD. 8 SETOR A AULAS 45-48 CAD. 8 SETOR A AULAS 45-48 48 ESTATÍSTICA STICA Prof. Suzart ESTATÍSTICA Elabora métodos para coleta, organização, descrição, análise e intepretação de dados. Experimentos não-determinísticos. Determinação

Leia mais

ESTATÍSTICA. na Contabilidade Parte 6. Medidas Estatísticas

ESTATÍSTICA. na Contabilidade Parte 6. Medidas Estatísticas ESTATÍSTICA na Contabilidade Parte 6 Luiz A. Bertolo Medidas Estatísticas A distribuição de frequências permite-nos descrever, de modo geral, os grupos de valores (classes) assumidos por uma variável.

Leia mais

Introdução à Estatística Estatística Descritiva 22

Introdução à Estatística Estatística Descritiva 22 Introdução à Estatística Estatística Descritiva 22 As tabelas de frequências e os gráficos constituem processos de redução de dados, no entanto, é possível resumir de uma forma mais drástica esses dados

Leia mais

QUESTÕES DE CONCURSOS PÚBLICOS ESTATÍSTICA DESCRITIVA

QUESTÕES DE CONCURSOS PÚBLICOS ESTATÍSTICA DESCRITIVA QUESTÕES DE CONCURSOS PÚBLICOS ESTATÍSTICA DESCRITIVA 1) Um pesquisador que ordena uma lista de cidades segundo o ritmo de vida, do mais lento para o mais acelerado, está operando no nível de medida: (A)

Leia mais

Estatística Descritiva

Estatística Descritiva Estatística Descritiva ESQUEMA DO CAPÍTULO 6.1 IMPORTÂNCIA DO SUMÁRIO E APRESENTAÇÃO DE DADOS 6.2 DIAGRAMA DE RAMO E FOLHAS 6.3 DISTRIBUIÇÕES DE FREQUÊNCIA E HISTOGRAMAS 6.4 DIAGRAMA DE CAIXA 6.5 GRÁFICOS

Leia mais

Revisão de estatística descritiva

Revisão de estatística descritiva Revisão de estatística descritiva Prof. Marcos Vinicius Pó Métodos Quantitativos para Ciências Sociais 1 Apresentação de grupos: dia 19/02 (quinta) Definir e eplicar sucintamente o funcionamento das seguintes

Leia mais

Autores: Fernando Sebastião e Helena Silva

Autores: Fernando Sebastião e Helena Silva Apontamentos de Estatística Descritiva Unidade Curricular: Estatística Aplicada Área Científica: Matemática Ano Lectivo: 2007/2008 Curso: Contabilidade e Finanças Regime: Diurno + Pós-Laboral Escola: Superior

Leia mais

n = 25) e o elemento (pois = 19) e terá o valor 8. Verifique que antes e depois do 19 o elemento, teremos 18 elementos.

n = 25) e o elemento (pois = 19) e terá o valor 8. Verifique que antes e depois do 19 o elemento, teremos 18 elementos. V) Mediana: A Mediana de um conjunto de números, ordenados crescente ou decrescentemente em ordem de grandeza (isto é, em um rol), será o elemento que ocupe a posição central da distribuição de freqüência

Leia mais

Estatística descritiva básica: Medidas de tendência central

Estatística descritiva básica: Medidas de tendência central Estatística descritiva básica: Medidas de tendência central ACH2021 Tratamento e Análise de Dados e Informações Marcelo de Souza Lauretto marcelolauretto@usp.br www.each.usp.br/lauretto *Parte do conteúdo

Leia mais

INTRODUÇÃO À ESTATÍSTICA: Medidas de Tendência Central e Medidas de Dispersão. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

INTRODUÇÃO À ESTATÍSTICA: Medidas de Tendência Central e Medidas de Dispersão. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO À ESTATÍSTICA: Medidas de Tendência Central e Medidas de Dispersão Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Relembrando!!! Não é uma CIÊNCIA EXATA!!! É UMA CIÊNCIA PROBABILÍSTICA!!!!!!! Serve

Leia mais

Estatística 1. Resumo Teórico

Estatística 1. Resumo Teórico Estatística 1 Resumo Teórico Conceitos do Curso 1. Tipos de Variáveis e Representações Gráficas a. Tipos de Variáveis b. Distribuição de Frequências c. Histograma 2. Estatística Descritiva Medidas Estatísticas

Leia mais

Estatística Descritiva

Estatística Descritiva Estatística Descritiva 1 O que é Estatística A Estatística originou-se com a coleta e construção de tabelas de dados para o governo. A situação evoluiu e esta coleta de dados representa somente um dos

Leia mais

Capítulo 1. Análise Exploratória de Dados

Capítulo 1. Análise Exploratória de Dados Capítulo 1 Análise Exploratória de Dados Introdução A finalidade da Análise Exploratória de Dados (AED) é examinar os dados previamente à aplicação de qualquer técnica estatística. Desta forma o analista

Leia mais

Medidas Estatísticas NILO FERNANDES VARELA

Medidas Estatísticas NILO FERNANDES VARELA Medidas Estatísticas NILO FERNANDES VARELA Tendência Central Medidas que orientam quanto aos valores centrais. Representam os fenômenos pelos seus valores médios, em torno dos quais tendem a se concentrar

Leia mais

Bioestatística Básica

Bioestatística Básica Bioestatística Básica Curso de Pós-Graduação RCA 5804 PROF. DR. ALFREDO J RODRIGUES DEPARTAMENTO DE CIRURGIA E ANATOMIA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO alfredo@fmrp.usp.br

Leia mais

3.1 - Medidas de Posição Medidas de Dispersão Quantis Empiricos Box-plots Graficos de simetria 3.

3.1 - Medidas de Posição Medidas de Dispersão Quantis Empiricos Box-plots Graficos de simetria 3. 3 - MEDIDAS RESUMO 3.1 - Medidas de Posição 3.2 - Medidas de Dispersão 3.3 - Quantis Empiricos 3.4 - Box-plots 3.5 - Graficos de simetria 3.6 - Transformações 1/17 3.1 - Medidas de Posição Muitas vezes

Leia mais

Amostragem Aleatória e Descrição de Dados - parte I

Amostragem Aleatória e Descrição de Dados - parte I Amostragem Aleatória e Descrição de Dados - parte I 2012/02 1 Amostra e População 2 3 4 Objetivos Ao final deste capítulo você deve ser capaz de: Calcular e interpretar as seguintes medidas de uma amostra:

Leia mais

MEDIDAS DE POSIÇÃO E DE DISPERSÃO. Profª Andréa H Dâmaso

MEDIDAS DE POSIÇÃO E DE DISPERSÃO. Profª Andréa H Dâmaso MEDIDAS DE POSIÇÃO E DE DISPERSÃO Profª Andréa H Dâmaso Bioestatística e Delineamento Experimental - 2012 Tópicos da aula Medidas de tendência central e dispersão Variáveis contínuas: distribuição normal

Leia mais

Princípios de Bioestatística

Princípios de Bioestatística Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Estatística Princípios de Bioestatística Aula 2 Análise Descritiva de Dados: Tabelas e Gráficos Estudando a Distribuição

Leia mais

AULA 5 MEDIDAS DESCRITIVAS DOCENTE: CIRA SOUZA PITOMBO

AULA 5 MEDIDAS DESCRITIVAS DOCENTE: CIRA SOUZA PITOMBO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA MEAU- MESTRADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL URBANA ENG C 18 Métodos de Pesquisa Quantitativos e Qualitativos AULA 5 MEDIDAS DESCRITIVAS DOCENTE: CIRA SOUZA PITOMBO

Leia mais

Nilza Nunes da Silva/Regina Bernal 1

Nilza Nunes da Silva/Regina Bernal 1 CAPÍTULO 1 - MEDIDAS QUANTITATIVAS UMA VARIÁVEL 1.10 MEDIDAS DE POSIÇÃO ( MÉDIA, MEDIANA, MODA) Variáveis Discretas Variáveis contínuas (valores em classes) 1.11 MEDIDAS DE DISPERSÃO (Variância, Desvio

Leia mais

Medidas de Dispersão. Introdução Amplitude Variância Desvio Padrão Coeficiente de Variação

Medidas de Dispersão. Introdução Amplitude Variância Desvio Padrão Coeficiente de Variação Medidas de Dispersão Introdução Amplitude Variância Desvio Padrão Coeficiente de Variação Introdução Estudo de medidas que mostram a dispersão dos dados em torno da tendência central Analisaremos as seguintes

Leia mais

Introdução à Bioestatística Turma Nutrição

Introdução à Bioestatística Turma Nutrição Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Estatística Introdução à Bioestatística Turma Nutrição Aula 2: Análise Descritiva de Dados Tabelas e Gráficos Estudando

Leia mais

Coeficiente de Assimetria

Coeficiente de Assimetria Coeficiente de Assimetria Rinaldo Artes Insper Nesta etapa do curso estudaremos medidas associadas à forma de uma distribuição de dados, em particular, os coeficientes de assimetria e curtose. Tais medidas

Leia mais

Departamento de Estatística

Departamento de Estatística Laboratório de Ciências - Aula 3 Departamento de Estatística 7 de Janeiro de 2014 Introdução Suponha que dispomos de um conjunto de dados, por exemplo, número de gols (ou número de impedimentos, chutes

Leia mais

Técnicas Computacionais em Probabilidade e Estatística I. Aula I

Técnicas Computacionais em Probabilidade e Estatística I. Aula I Técnicas Computacionais em Probabilidade e Estatística I Aula I Chang Chiann MAE 5704- IME/USP 1º Sem/2008 1 Análise de Um conjunto de dados objetivo: tratamento de um conjunto de dados. uma amostra de

Leia mais

Inferência Estatística: Conceitos Básicos I

Inferência Estatística: Conceitos Básicos I Inferência Estatística: Conceitos Básicos I Introdução, Medidas de Tendência Central, Medidas de Variabilidade, Distribuições de Frequência e Probabilidade Flávia F. Feitosa BH1350 Métodos e Técnicas de

Leia mais

ENGENHARIA DA QUALIDADE A ENG AULA 2 REVISÃO DE ESTATÍSTICA

ENGENHARIA DA QUALIDADE A ENG AULA 2 REVISÃO DE ESTATÍSTICA ENGENHARIA DA QUALIDADE A ENG 09008 AULA REVISÃO DE ESTATÍSTICA PROFESSORES: CARLA SCHWENGBER TEN CATEN ROGÉRIO FEROLDI MIORANDO Introdução Em um ambiente industrial, os dados devem formar a base para

Leia mais

Bioestatística CE001 Prof. Fernando de Pol Mayer Departamento de Estatística DEST Exercícios: medidas resumo Nome: GABARITO

Bioestatística CE001 Prof. Fernando de Pol Mayer Departamento de Estatística DEST Exercícios: medidas resumo Nome: GABARITO Bioestatística CE001 Prof. Fernando de Pol Mayer Departamento de Estatística DEST Exercícios: medidas resumo Nome: GABARITO GRR: 1. Estime as medidas de centro (média, mediana, moda) para amostras de altura

Leia mais

Técnicas Computacionais em Probabilidade e Estatística I. Aula III

Técnicas Computacionais em Probabilidade e Estatística I. Aula III Técnicas Computacionais em Probabilidade e Estatística I Aula III Chang Chiann MAE 5704- IME/USP 1º Sem/2008 1 Arquivo PULSE do Minitab Refere-se a um experimento feito por alunos. Cada um deles registrou

Leia mais

Plano de Ensino. Disciplina: Estatística. Carga Horária: 50 aulas. Ementa da disciplina:

Plano de Ensino. Disciplina: Estatística. Carga Horária: 50 aulas. Ementa da disciplina: 1 Plano de Ensino Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Estatística Carga Horária: 50 aulas Semestre Letivo/Turno: 2º semestre/ Professor: Período: Ementa da disciplina: Gerais: Conteúdo Programático:

Leia mais

MEDIDAS DE POSIÇÃO. Lucas Santana da Cunha Universidade Estadual de Londrina. 26 de abril de 2017

MEDIDAS DE POSIÇÃO. Lucas Santana da Cunha  Universidade Estadual de Londrina. 26 de abril de 2017 MEDIDAS DE POSIÇÃO Lucas Santana da Cunha lscunha@uel.br http://www.uel.br/pessoal/lscunha/ Universidade Estadual de Londrina 26 de abril de 2017 Introdução Medidas de posição São utilizadas para sintetizar,

Leia mais

25/08/2016. Estatística. Estatística. Medidas Estatísticas Medidas de Posição. Mariele Bernardes. Mariele Bernardes

25/08/2016. Estatística. Estatística. Medidas Estatísticas Medidas de Posição. Mariele Bernardes. Mariele Bernardes s 12/08/2016 As medidas estatísticas resumem as informações obtidas dando uma visão global dos dados. s ou estimadores dados da amostra Parâmetros dados populacionais. de posição de dispersão de posição

Leia mais

Estatística I Aula 3. Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc.

Estatística I Aula 3. Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Estatística I Aula 3 Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Estatística: Prof. André Carvalhal Dados quantitativos: medidas numéricas Propriedades Numéricas Tendência Central Dispersão Formato Média Mediana

Leia mais

ESTATÍSTICA DESCRITIVA E PREVISÃO INDICE

ESTATÍSTICA DESCRITIVA E PREVISÃO INDICE ESTATÍSTICA DESCRITIVA E PREVISÃO INDICE CAPITULO L APRESENTAÇÃO DE DADOS, pag 1 1.1 Introdução, 2 1.2. Quadros ou Tabelas, 3 1.3 Distribuições de Frequência, 4 1.4 Classificação de Dados, 7 1.5 Distribuição

Leia mais

MEDIDAS DE DISPERSÃO

MEDIDAS DE DISPERSÃO MEDIDAS DE DISPERSÃO Lucas Santana da Cunha lscunha@uel.br http://www.uel.br/pessoal/lscunha/ Universidade Estadual de Londrina 10 de maio de 2017 relativo (DPR) São medidas que visam fornecer o grau de

Leia mais

PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM MATEMÁTICA PARFOR PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM I - IDENTIFICAÇÃO: PROFESSOR(A)

Leia mais

ESTATÍSTICA. PROF. RANILDO LOPES U.E PROF EDGAR TITO

ESTATÍSTICA. PROF. RANILDO LOPES  U.E PROF EDGAR TITO ESTATÍSTICA PROF. RANILDO LOPES http://ueedgartito.wordpress.com U.E PROF EDGAR TITO 1 ESTATÍSTICA MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL MEDIDAS DE DISPERSÃO 2 Estatística ELEMENTOS TÍPICOS DE UMA DISTRIBUIÇÃO:

Leia mais

Unidade I. Profa. Ana Carolina Bueno

Unidade I. Profa. Ana Carolina Bueno Unidade I ESTATÍSTICA Profa. Ana Carolina Bueno Estatística Interpretar processos em que há variabilidade. Estatísticas indica qualquer coleção de dados quantitativos, ou ainda, ramo da matemática que

Leia mais

Estatística descritiva básica: Tabelas e Gráficos

Estatística descritiva básica: Tabelas e Gráficos Estatística descritiva básica: Tabelas e Gráficos ACH2021 Tratamento e Análise de Dados e Informações Marcelo de Souza Lauretto marcelolauretto@usp.br www.each.usp.br/lauretto *Parte do conteúdo baseada

Leia mais

AT = Maior valor Menor valor

AT = Maior valor Menor valor UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA TABELAS E GRÁFICOS Departamento de Estatística Luiz Medeiros DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA Quando se estuda uma massa de dados é de frequente interesse resumir as informações

Leia mais

RESUMO DE DADOS. Lucas Santana da Cunha Universidade Estadual de Londrina. 24 de abril de 2017

RESUMO DE DADOS. Lucas Santana da Cunha  Universidade Estadual de Londrina. 24 de abril de 2017 RESUMO DE DADOS Lucas Santana da Cunha lscunha@uel.br http://www.uel.br/pessoal/lscunha/ Universidade Estadual de Londrina 24 de abril de 2017 e gráficos Apresentação de dados A apresentação de dados estatísticos

Leia mais

Probabilidade e Estatística

Probabilidade e Estatística Probabilidade e Estatística Aula 2 Definições Básicas: Freqüência, Dados Brutos e Rol Organização de dados quantitativos: Tabelas de distribuição de freqüência para dados agrupados e não agrupados em classes

Leia mais

Estatística

Estatística Estatística 1 2016.2 Sumário Capítulo 1 Conceitos Básicos... 3 MEDIDAS DE POSIÇÃO... 3 MEDIDAS DE DISPERSÃO... 5 EXERCÍCIOS CAPÍTULO 1... 8 Capítulo 2 Outliers e Padronização... 12 VALOR PADRONIZADO (Z)...

Leia mais

Organização de dados

Organização de dados Organização de dados Coletar dados podem envolver diversas atividades tais como experimentos em laboratório, observações de campo, pesquisa de opinião, exame de registros históricos,... A quantidade de

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ANÁLISE DE DADOS Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ANÁLISE DE DADOS Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular ANÁLISE DE DADOS Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Gestão de Empresa 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

CURSO DE ESTATÍSTICA STICA DESCRITIVA Adriano Mendonça Souza Departamento de Estatística - UFSM -

CURSO DE ESTATÍSTICA STICA DESCRITIVA Adriano Mendonça Souza Departamento de Estatística - UFSM - CURSO DE ESTATÍSTICA STICA DESCRITIVA Adriano Mendonça Souza Departamento de Estatística - UFSM - A imaginação é mais importante que o conhecimento Albert Einstein Estatística stica?!? Conjunto de técnicas

Leia mais

Estatística Descritiva

Estatística Descritiva Estatística Descritiva Prof. Henrique Dantas Neder Instituto de Economia Universidade Federal de Uberlândia Typeset by FoilTEX 1 Tópicos introdutórios A estatística descritiva trata dos métodos estatísticos

Leia mais

Genética Quantitativa. Recursos Computacionais. Estatística. no Processo da Pesquisa. Desenvolvimento Avícola. Nutrição Manejo. Modelos Estatísticos

Genética Quantitativa. Recursos Computacionais. Estatística. no Processo da Pesquisa. Desenvolvimento Avícola. Nutrição Manejo. Modelos Estatísticos Genética Quantitativa Recursos Computacionais Estatística no Processo da Pesquisa Desenvolvimento Avícola Modelos Estatísticos Nutrição Manejo Genética Quantitativa Definição do Problema Planejamento da

Leia mais

Plano de Ensino Docente. TURMA: 2º semestre

Plano de Ensino Docente. TURMA: 2º semestre Plano de Ensino Docente IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Matemática FORMA/GRAU:( ) integrado ( ) subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado (x) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( x ) Presencial

Leia mais

INTRODUÇÃO A ESTATISTICA PROF. RANILDO LOPES

INTRODUÇÃO A ESTATISTICA PROF. RANILDO LOPES INTRODUÇÃO A ESTATISTICA PROF. RANILDO LOPES DESCRIÇÃO DOS DADOS CONTÍNUOS Trazem informações que expressam a tendência central e a dispersão dos dados. Tendência Central: Média ( x ), Mediana ( Md ),

Leia mais

5.1 Introdução: As distribuições de freqüências não diferem apenas quanto ao valor médio e a variabilidade, mas também quanto a sua forma.

5.1 Introdução: As distribuições de freqüências não diferem apenas quanto ao valor médio e a variabilidade, mas também quanto a sua forma. Capítulo 5 Assimetria e Curtose Desenvolvimento: 5.1 Introdução 5.2 Assimetria 5.3 Curva simétrica 5.4 Curtose 5.5 Graus de achatamento 5.1 Introdução: As distribuições de freqüências não diferem apenas

Leia mais

Medidas de Tendência Central

Medidas de Tendência Central ESTATÍSTICA DESCRITIVA Medidas de Tendência Central 3 MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL 3.1 Média Aritmética Uma das mais importantes medidas estatísticas utilizadas é a média. Ela é, por exemplo, utilizada

Leia mais

SUMÁRIO. Prefácio, Espaço amostrai, Definição de probabilidade, Probabilidades finitas dos espaços amostrais fin itos, 20

SUMÁRIO. Prefácio, Espaço amostrai, Definição de probabilidade, Probabilidades finitas dos espaços amostrais fin itos, 20 SUMÁRIO Prefácio, 1 3 1 CÁLCULO DAS PROBABILIDADES, 15 1.1 Introdução, 15 1.2 Caracterização de um experimento aleatório, 15 1.3 Espaço amostrai, 16 1.4 Evento, 17 1.5 Eventos mutuamente exclusivos, 17

Leia mais

Unidade I ESTATÍSTICA APLICADA. Prof. Luiz Felix

Unidade I ESTATÍSTICA APLICADA. Prof. Luiz Felix Unidade I ESTATÍSTICA APLICADA Prof. Luiz Felix O termo estatística Provém da palavra Estado e foi utilizado originalmente para denominar levantamentos de dados, cuja finalidade era orientar o Estado em

Leia mais

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA. Profa. Dra. Yara de Souza Tadano

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA. Profa. Dra. Yara de Souza Tadano PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA Profa. Dra. Yara de Souza Tadano yaratadano@utfpr.edu.br Aula 4 09/2014 Estatística Descritiva Medidas de Variação Probabilidade e Estatística 3/42 Medidas de Variação Vamos

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A distribuição dos tempos de permanência dos estudantes nos cursos de graduação de certa universidade é uma distribuição normal com média igual a 6 anos e desvio padrão igual

Leia mais

Análise descritiva de Dados. A todo instante do nosso dia-a-dia nos deparamos com dados.

Análise descritiva de Dados. A todo instante do nosso dia-a-dia nos deparamos com dados. Análise descritiva de Dados A todo instante do nosso dia-a-dia nos deparamos com dados. Por exemplo, para decidir pela compra de um eletrodoméstico, um aparelho eletrônico ou até mesmo na compra de uma

Leia mais

Estatística Descritiva (I)

Estatística Descritiva (I) Estatística Descritiva (I) O que é Estatística Para muitos, a Estatística não passa de conjuntos de tabelas de dados numéricos. Os estatísticos são as pessoas que coletam esses dados. A Estatística originou-se

Leia mais

Filho, não é um bicho: chama-se Estatística!

Filho, não é um bicho: chama-se Estatística! Paulo Jorge Silveira Ferreira Filho, não é um bicho: chama-se Estatística! Estatística aplicada uma abordagem prática FICHA TÉCNICA EDIÇÃO: Paulo Ferreira TÍTULO: Filho, não é um bicho: chama-se Estatística!

Leia mais

(tabelas, gráficos e sumários estatísticos, de posição e de dispersão)

(tabelas, gráficos e sumários estatísticos, de posição e de dispersão) ESTATÍSTICA DESCRITIVA a) Conceito: Apresentação numérica, tabular e/ou gráfica com o propósito resumir ou sumarizar as informações contidas num conjunto de dados observados (estatística: tabelas, gráficos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA MEDIDAS DESCRITIVAS Departamento de Estatística Luiz Medeiros http://www.de.ufpb.br/~luiz/ MEDIDAS DESCRITIVAS Vimos que é possível sintetizar os dados sob a forma de distribuições

Leia mais

Amostragem Aleatória e Descrição de Dados - parte II

Amostragem Aleatória e Descrição de Dados - parte II Amostragem Aleatória e Descrição de Dados - parte II 2012/02 1 Diagrama de Ramo e Folhas 2 3 4 5 Objetivos Ao final deste capítulo você deve ser capaz de: Construir e interpretar disposições gráficas dos

Leia mais

Medidas de Tendência Central. Introdução Média Aritmética Moda Mediana Análise de Assimetria Separatrizes

Medidas de Tendência Central. Introdução Média Aritmética Moda Mediana Análise de Assimetria Separatrizes Medidas de Tendência Central Introdução Média Aritmética Moda Mediana Análise de Assimetria Separatrizes Introdução A maioria dos dados apresenta uma tendência de se concentrar em torno de um ponto central

Leia mais