TUTORIAL PARA DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO E ENCERRAMENTO DE CONTABILIDADE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TUTORIAL PARA DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO E ENCERRAMENTO DE CONTABILIDADE"

Transcrição

1 TUTORIAL PARA DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO E ENCERRAMENTO DE CONTABILIDADE

2 2 SUMÁRIO. INTRODUÇÃO CRIANDO UMA NOVA DRE CONFIGURANDO UMA DRE VINCULANDO UMA CONTA DO BALANCETE/PLANO DE CONTAS INCLUINDO UM PERÍODO PARA REALIZAR O CÁLCULO DE UMA DRE MODELO PADRÃO DE DRE ENCERRAMENTO DO EXERCÍCIO CONCLUSÃO... 9

3 3. INTRODUÇÃO Este manual visa orientar os usuários do sistema Contando Contábil a utilizálo de forma prática, eficaz e extraindo do sistema todas as funcionalidades que tornam a vida profissional do cliente mais fácil, rápida e segura. Não temos a intenção de ensinar aos nossos usuários as rotinas práticas da Contabilidade, porém em alguns momentos estaremos abordando alguns assuntos desta rotina para facilitar as explicações de uso e manuseio do Contando Contábil.

4 4 2. CRIANDO UMA NOVA DRE instruções abaixo: O Contando possibilita a criação de diversas DRE. Para criar um nova DRE siga as 3 2. Clique em Movimentos. 2. Depois clique em DRE. 3. Por fim clique em NOVO. Em seguida será exibida uma janela para informar o nome da DRE ou importar uma DRE já criada anteriormente para outra empresa Digite o nome desejado para a DRE. 2. Caso já tenha criado uma DRE para outra empresa poderá ser importada para a empresa selecionada. 3. Por fim clique em salvar. clique em abrir. Será exibida uma janela com todas as DRE s criadas. Para começar a configurar uma DRE

5 5 3. CONFIGURANDO UMA DRE A configuração da DRE é simples e intuitiva. Poderá ser criada uma séria de contas vinculadas ou não ao plano de contas, contas somatórias, de subtração e de igualdade, montando, assim, a DRE. Atenção: as contas seguem a seguinte máscara de classificação: Contas com 03 (três) níveis de agrupamento. Como por exemplo: 00 Receita Bruta Operacional (º nível) 00.0 Faturamento Produto, Mercadoria e Serviços (2º nível) Vendas de Produtos (3º nível) Venda de Serviços (3º nível) Venda de Mercadorias (3º nível) 020 Deduções das Receitas (º nível) Impostos Faturados (2º nível) ICMS sobre Vendas (3º nível) PIS s/faturamento (3º nível)... Na prática funciona assim: Clique em Novo. 2. Código: este é o código que irá ordenar a DRE, deve seguir a seguinte máscara No exemplo digitamos 00 que é a primeira conta da DRE. 3. Descrição: esta é a nomenclatura da conta que vai ser visualizada nos relatórios. 4. Cálculo: Esta é uma das principais funções do sistema de criação de DRE, selecione uma das opções abaixo como segue: a. Sintética: selecione esta opção caso a conta seja de agrupamento, ou seja, conta que irá agrupar e por fim receber o resultado das contas filhas. b. Vinculada à conta(s) do balancete: selecione esta opção para informar ao sistema se esta conta receberá os valores (saldo) de uma determinada conta do plano de contas e/ou balancete.

6 6 c. Resultado da Operação da DRE: selecione esta operação para incluir uma conta de resultado. d. Valor informado manualmente: selecione esta opção caso você deseje informar manualmente um valor na sua DRE. 5. Sinal: informe se a conta ora criada é positiva (receitas), negativa (deduções, custos e despesas) ou de resultado. Por fim clique em salvar. 4. VINCULANDO UMA CONTA DO BALANCETE/PLANO DE CONTAS. A vinculação de uma conta da DRE a uma conta do Plano de Contas permite que a DRE faça a importação do saldo desta conta Escolha a opção Vinculada à conta(s) do balancete. 2. Em Vínculos digite ou selecione a conta do Plano de Contas que deseja vincular a conta da DRE. 3. Clique em Salvar logo abaixo para gravar o vínculo. 4. Clique em Salvar logo acima para gravar a inclusão/alteração da conta na DRE. 5. INCLUINDO UM PERÍODO PARA REALIZAR O CÁLCULO DE UMA DRE. Este procedimento permite que o usuário inclua um período (Mês e ano de início e fim) para cálculo da DRE.

7 7. Clique em Incluir Coluna para acrescentar um novo período para a DRE aberta. Automaticamente o sistema fará os cálculos e trará os vínculos para a DRE. Lembrese que somente serão trazidos os valores do período selecionado e os saldos sempre são acumulados. Após fazer a DRE e conferir se o resultado é o desejado/esperado. O próximo passo será o Encerramento de Exercício que será demonstrado em outro tutorial. 6. MODELO PADRÃO DE DRE Segue abaixo um modelo padrão de DRE que serve para qualquer tipo de atividade (Indústria, Comércio e Serviços). Modelo Padrão de DRE Código Conta Cálculo Sinal 00 Receita Bruta Operacional Sintética (soma das filhas) 00.0 Faturamento Produtos, Mercadorias e Serviços Sintética (soma das filhas) Vendas de Produtos Vinculada a conta(s) do balancete Vendas de Mercadorias Vinculada a conta(s) do balancete Vendas de Serviços Vinculada a conta(s) do balancete 020 Deduções da Receita Sintética (soma das filhas) Impostos Faturados Sintética (soma das filhas) ICMS Vinculada a conta(s) do balancete ISS Vinculada a conta(s) do balancete COFINS Vinculada a conta(s) do balancete PIS Vinculada a conta(s) do balancete Simples Vinculada a conta(s) do balancete

8 Outras Deduções Sintética (soma das filhas) Devoluções de Vendas Vinculada a conta(s) do balancete Descontos e Abatimentos Incondicionais Vinculada a conta(s) do balancete 030 Receita Líquida Resultado de operações da DRE 040 Custo Mercadorias/Serviços Vendidos Sintética (soma das filhas) Custo dos Produtos Vendidos Vinculada a conta(s) do balancete Custo das Mercadorias Vendidas Vinculada a conta(s) do balancete Custo dos Serviços Prestados Vinculada a conta(s) do balancete 060 Lucro Bruto Resultado de operações da DRE 070 Despesas Operacionais Sintética (soma das filhas) Despesas com Vendas Vinculada a conta(s) do balancete Despesas Administrativas Vinculada a conta(s) do balancete Despesas Financeiras Líquidas Sintética (soma das filhas) Despesas Financeiras Vinculada a conta(s) do balancete Receitas Financeiras Vinculada a conta(s) do balancete Despesas Tributárias Vinculada a conta(s) do balancete Outras Despesas Operacionais Vinculada a conta(s) do balancete 080 Variações Monetárias Líquidas Sintética (soma das filhas) Variações Monetárias Ativas Vinculada a conta(s) do balancete Variações Monetárias Passivas Vinculada a conta(s) do balancete 00 Outras Receitas Operacionais Vinculada a conta(s) do balancete 0 Lucro Operacional Resultado de operações da DRE 20 Receitas Não Operacionais Vinculada a conta(s) do balancete 40 Despesas Não Operacionais Vinculada a conta(s) do balancete 50 Res. Antes Imp.Renda e Contrib. Social Resultado de operações da DRE 60 Contribuição Social Sobre o Lucro Vinculada a conta(s) do balancete 70 Imposto de Renda Vinculada a conta(s) do balancete 80 Res. Antes das Participações e Contrib. Resultado de operações da DRE 90 Participações e Contribuições Sintética (soma das filhas) 90.0 Debêntures Manual (valor digitado) Empregados Manual (valor digitado) Administradores Manual (valor digitado) Partes Beneficiárias Manual (valor digitado) Fundos de Assitência a Empregados Manual (valor digitado) 200 Resultado Líquido do Exercício Resultado de operações da DRE 7. ENCERRAMENTO DO EXERCÍCIO Após elaboração da DRE se faz necessário o encerramento do exercício. O encerramento resulta nos lançamentos automáticos de apuração do resultado do exercício e escrituração do lucro ou prejuízo em conta específica, indicada pelo usuário, no patrimônio líquido. O relatório Balanço Patrimonial só fica disponível após o encerramento. Vejamos:

9 9 O caminho para realizar o encerramento do exercício é Contábil > Movimentos > Encerramento do Exercício > Novo.. Informe o período do encerramento. Normalmente será 0/0/20xx a 3/2/20xx. 2. Informe a conta de encerramento do exercício. A conta padrão do sistema, caso o usuário esteja usando o plano de contas padrão, é Marque caso o resultado seja lucro ou prejuízo. 4. Informe a conta de Lucro caso o resultado tenha sido lucro. 5. Informe a conta de Prejuízo caso o resultado tenha sido prejuízo. 8. CONCLUSÃO Este modelo apresentado pode ser utilizado por qualquer tipo de empresa privada (Indústria, Comércio e Serviços), porém o usuário poderá criar seus próprios modelos mediante os conceitos que aplicamos neste tutorial.

DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO EMITIR UMA D.R.E NO SISTEMA DOMÍNIO CONTÁBIL

DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO EMITIR UMA D.R.E NO SISTEMA DOMÍNIO CONTÁBIL DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO O D.R.E é uma demonstração contábil que visa apresentar de forma resumida o resultado apurado em relação as operações da empresa em um determinado período. O

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE)

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE) O artigo 187 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações) estipula a Demonstração do Resultado do Exercício.

Leia mais

Título: Como realizar a contabilização em SCP - Sociedades em Conta de Participação?

Título: Como realizar a contabilização em SCP - Sociedades em Conta de Participação? Título: Como realizar a contabilização em SCP - Sociedades em Conta de Participação? 1 PARÂMETROS EMPRESA 1.1 Acesse o menu CONTROLE, clique em PARÂMETROS; 1.2 Na guia GERAL, opção DEFINIÇÕES, no quadro

Leia mais

Título: Como emitir a análise vertical do D.R.E?

Título: Como emitir a análise vertical do D.R.E? Título: Como emitir a análise vertical do D.R.E? 1- RELATÓRIO 1.1 Acesse o menu RELATÓRIOS, opção ANÁLISES, clique em VERTICAL DO D.R.E; 1.2 No quadro COMPETÊNCIA, informe até que período deseja emitir

Leia mais

Súmario APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO SINOPSES PARA CARREIRAS FISCAIS EDITAL SISTEMATIZADO APRESENTAÇÃO... 21

Súmario APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO SINOPSES PARA CARREIRAS FISCAIS EDITAL SISTEMATIZADO APRESENTAÇÃO... 21 Súmario APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO SINOPSES PARA CARREIRAS FISCAIS... 13 EDITAL SISTEMATIZADO... 15 APRESENTAÇÃO... 21 CAPÍTULO I NOÇÕES DE CONTABILIDADE... 23 1. Noções de contabilidade...23 1.1. Conceitos,

Leia mais

PLANO DE CONTAS. É aconselhável que o Plano de Contas contenha, no mínimo, 4 (quatro) níveis, conforme exemplo abaixo:

PLANO DE CONTAS. É aconselhável que o Plano de Contas contenha, no mínimo, 4 (quatro) níveis, conforme exemplo abaixo: PLANO DE CONTAS Conteúdo: 1. Conceito 2. Objetivo 3. Modelo de plano de contas 4. Parâmetro 5. Cadastro de contas contábeis 6. Associação das contas 1. Conceito: O Plano de Contas é o conjunto de todas

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO...

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 19 CAPÍTULO I ESTRUTURA CONCEITUAL BÁSICA DA CONTABILIDADE... 21 1. Conceito de contabilidade... 21 2. Objeto... 22 3. Campo de aplicação... 23 4. Objetivos... 23 5.

Leia mais

Funções contábeis: Técnicas contábeis: Campo de aplicação: Classificação geral: Áreas de atuação da contabilidade:

Funções contábeis: Técnicas contábeis: Campo de aplicação: Classificação geral: Áreas de atuação da contabilidade: Síntese Contábil Contabilidade: Contabilidade é a ciência que se ocupa do registro, por meio de técnicas próprias, dos atos e fatos da administração das entidades econômicofinanceiras, que possam ser

Leia mais

Conceito É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, a posição patrimonial e financeira

Conceito É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, a posição patrimonial e financeira Demonstrações Contábeis Balanço Patrimonial e Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) Balanço Patrimonial Conceito É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente,

Leia mais

Sumário. Introdução. Patrimônio

Sumário. Introdução. Patrimônio Sumário Sumário Introdução 2 Objeto 3 Finalidade ou objetivo 4 Pessoas interessadas nas informações contábeis 5 Funções 6 Identificação dos aspectos patrimoniais 7 Campo de aplicação 8 Áreas ou ramos 9

Leia mais

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1. Questões: 1 - Comente os principais grupos de contas do Balanço, com exemplos. 2 - Explique o que são curto e longo prazo para a contabilidade. 3 - Quais

Leia mais

1 D: Compra de Mercadorias ,00 D: ICMS a recuperar 6.300,00 C: Banco S/A ,00. 2 D: Salários a pagar 9.000,00 C: Caixa 9.

1 D: Compra de Mercadorias ,00 D: ICMS a recuperar 6.300,00 C: Banco S/A ,00. 2 D: Salários a pagar 9.000,00 C: Caixa 9. Curso de Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Comercial I 3ª Fase Professora: Lyss Paula de Oliveira ESTADO DE MATO GROSSO Resolução de Atividades Extra: Lançamentos no Diário: 1 D: Compra de Mercadorias

Leia mais

VARIAÇÕES PATRIMÔNIO LÍQUIDO

VARIAÇÕES PATRIMÔNIO LÍQUIDO FEA / USP Departamento de Contabilidade e Atuária EAC-106 Contabilidade Introdutória VARIAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO Prof. Fernando Dal-Ri Murcia 1 Variações no Patrimônio Líquido Receita: É a entrada

Leia mais

e-lalur: Como proceder em casos de Prejuízo Contábil

e-lalur: Como proceder em casos de Prejuízo Contábil e-lalur: Como proceder em casos de Prejuízo Contábil 1 Sumário Apresentação... 3 É importante saber... 3 Qual e-lalur configurar?... 4 Qual o ponto de partida do e-lalur?... 5 O e-lalur se baseia no seu

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO A DRE é a apresentação, em forma resumida, das operações realizadas pela empresa, durante o exercício social, demonstradas de forma a destacar o resultado líquido

Leia mais

Aula 07 Análise TCU III

Aula 07 Análise TCU III Sumário 1 TCRO Auditor CESPE 2013 - Questão 096 - Análise de Demonstrações Contábeis... 2 2 TCRO Auditor CESPE 2013 - Questão 097 - Análise de Demonstrações Contábeis... 2 3 TCU Analista (CESPE/ 2008)

Leia mais

Prof Flávio S. Ferreira

Prof Flávio S. Ferreira Prof Flávio S. Ferreira flavioferreira@live.estacio.br http://flaviosferreira.wordpress.com 1 Conceitos Introdutórios Receita produto da venda Gasto sacrifício financeiro Investimento gasto ativado em

Leia mais

1 PARÂMETROS DA EMPRESA

1 PARÂMETROS DA EMPRESA Título: Como excluir da receita bruta e da base de cálculo dos impostos, os valores repassados pelas agências de propaganda e empresas de rádio, televisão e outros? 1 PARÂMETROS DA EMPRESA 1.1 Acesse o

Leia mais

Faculdades Integradas de Taquara

Faculdades Integradas de Taquara IX DESAFIO CULTURAL DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS- 2016 Questões de Planejamento Tributário Prof. Oscar Scherer Questão nº 01 A constituição de Fundos de Investimentos Mobiliário é uma alternativa interessante

Leia mais

LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO 2.55a FOX GESTÃO EMPRESARIAL

LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO 2.55a FOX GESTÃO EMPRESARIAL LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO 2.55a FOX GESTÃO EMPRESARIAL Adequações para a Lei 12.741/2012 Lei da Transparência Introdução De acordo com a lei 12.741/2012, nas notas fiscais e conhecimentos de transporte

Leia mais

Prof. Carlos Barreto. Unidade IV CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA

Prof. Carlos Barreto. Unidade IV CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA Prof. Carlos Barreto Unidade IV CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA Capacitar os estudantes a adquirir conhecimentos necessários para o desenvolvimento das seguintes competências: Enfatizar a consciência ética

Leia mais

Sumário. Capítulo 2. Conceitos Básicos...1. Patrimônio Contabilidade_Geral_Resumida_cap_00.indd 9 14/10/ :44:34

Sumário. Capítulo 2. Conceitos Básicos...1. Patrimônio Contabilidade_Geral_Resumida_cap_00.indd 9 14/10/ :44:34 Sumário Capítulo 1 Conceitos Básicos...1 1. Contabilidade: Conceitos, Objeto, Objetivo, Finalidade e Campo de Aplicação...1 2. Usuários da Informação Contábil...2 3. Principais Tipos de Sociedades Existentes

Leia mais

Escrituração Contábil Fiscal - ECF

Escrituração Contábil Fiscal - ECF EMPRESAS LUCRO REAL As empresas que são tributadas pelo Lucro Real, pagam o IRPJ e a CSLL com base no lucro obtido em sua contabilidade, ajustado de receitas e despesas que não devem ser consideradas,

Leia mais

SUMÁRIO. Capítulo 1 Conceito de contabilidade e patrimônio... 17

SUMÁRIO. Capítulo 1 Conceito de contabilidade e patrimônio... 17 SUMÁRIO Capítulo 1 Conceito de contabilidade e patrimônio... 17 1. CONCEITO... 17 2. TÉCNICAS CONTÁBEIS... 18 2.1. Escrituração... 18 2.2. Demonstrações contábeis... 18 2.3. Análise de balanços... 18 2.4.

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EAD MÓDULO VI DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EAD MÓDULO VI DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EAD MÓDULO VI DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS Nesse módulo abordaremos as duas demonstrações contábeis Balanço Patrimonial BP e Demonstração do Resultado do Exercício DRE,

Leia mais

e-lalur: Como proceder em casos de Prejuízo Contábil

e-lalur: Como proceder em casos de Prejuízo Contábil e-lalur: Como proceder em casos de Prejuízo Contábil 1 Sumário Apresentação... 3 É importante saber... 3 Qual e-lalur configurar?... 4 Qual o ponto de partida do e-lalur?... 5 O e-lalur se baseia no seu

Leia mais

Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo

Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. MÓDULO DE QUESTÕES DE CONTABILIDADE

Leia mais

Importação de Sped Contribuições

Importação de Sped Contribuições Importação de Sped Contribuições Para fazer a importação de Sped Contribuições Acesse: Menu utilitários, Importação, Importação padrão, Sped Pis e Confins Nesta opção do sistema, deverá ser informada a

Leia mais

ITG 1000 PME s Giovana Garcia

ITG 1000 PME s Giovana Garcia ITG 1000 PME s Giovana Garcia Você bem preparado para o futuro da profissão. 1 RESOLUÇÃO CFC N.º 1.418/12 Aprova a ITG 1000 Modelo Contábil para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. X RESOLUÇÃO CFC

Leia mais

OBS: Lucros Acumulados Prejuízos Acumulados Lucro do Período Prejuízo do Período OBS:

OBS: Lucros Acumulados Prejuízos Acumulados Lucro do Período Prejuízo do Período OBS: Erro SPED Contábil - Registro J210 - "A soma dos fatos contábeis (somatório do campo 03 dos registros J215 filhos) deve ser igual ao saldo final do código de aglutinação (campo 04 do registro J210) mais

Leia mais

CONFIGURAçÃO E GERAÇÃO DO LALUR. Parâmetros

CONFIGURAçÃO E GERAÇÃO DO LALUR. Parâmetros CONFIGURAçÃO E GERAÇÃO DO LALUR Parâmetros *O campo Limite para compensação de prejuízos anteriores, é utilizado pelas empresas que em um determinado período de apuração, obtiveram prejuízo, e sobre esse

Leia mais

1 PARÂMETROS DA EMPRESA

1 PARÂMETROS DA EMPRESA Título: Como configurar o sistema para realizar o cálculo do Simples Nacional para atividade de Serviços com anexo V a partir de 2009, conforme Lei Complementar 128/2008? 1 PARÂMETROS DA EMPRESA 1.1 Acesse

Leia mais

Como configurar uma empresa para o cálculo do INSS Receita Bruta enquadrada no Simples Nacional?

Como configurar uma empresa para o cálculo do INSS Receita Bruta enquadrada no Simples Nacional? Como configurar uma empresa para o cálculo do INSS Receita Bruta enquadrada no Simples Nacional? Através desta configuração, você poderá configurar as empresas do Simples Nacional Anexo IV, com atividade

Leia mais

Contabilidade Avançada Prof. João Domiraci Paccez Exercício Nº 4

Contabilidade Avançada Prof. João Domiraci Paccez Exercício Nº 4 Exercício Nº 4 1 Exercício Nº 4 Lançamentos (legislação atual) Contas do Balanço Patrimonial Caixa Contas a Pagar Capital 10.000 16.800 (2) 30.000 32.000 (1) 22.000 30.000 15.200 32.000 Terrenos Imp. Renda

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PARA ANALISTA-TRIBUTÁRIO DA RFB. Prof. Marcondes Fortaleza

CONTABILIDADE GERAL PARA ANALISTA-TRIBUTÁRIO DA RFB. Prof. Marcondes Fortaleza CONTABILIDADE GERAL PARA ANALISTA-TRIBUTÁRIO DA RFB Prof. Marcondes Fortaleza Professor Marcondes Fortaleza Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil, tendo exercido anteriormente o cargo de Analista-Tributário

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL

BALANÇO PATRIMONIAL 1 de 6 31/01/2015 14:44 BALANÇO PATRIMONIAL Balanço Patrimonial é a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, a posição patrimonial e financeira

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais)

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais) BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 ATIVO Explicativa n o 31/12/2011 31/12/2010 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Explicativa n o 31/12/2011 31/12/2010 CIRCULANTE CIRCULANTE Disponibilidades

Leia mais

MANUAL DE CONFIGURAÇÕES MÓDULO CONTABIL I

MANUAL DE CONFIGURAÇÕES MÓDULO CONTABIL I MANUAL DE CONFIGURAÇÕES MÓDULO CONTABIL I SUMÁRIO COMO CADASTRAR UM PLANO DE CONTAS... 3 COMO CADASTRAR CENTROS DE CUSTO... 7 CADASTRO DE HISTÓRICOS PADRÕES... 9 COMO CADASTRAR LANÇAMENTOS PADRÕES... 12

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PROVA DE SELEÇÃO DE TUTORES NA MODALIDADE À DISTÂNCIA GRUPO: CONTABILIDADE DATA: HORÁRIO:

Leia mais

Título: Como configurar uma empresa Lucro Real com calculo Anual Balanço de Suspensão/Redução?

Título: Como configurar uma empresa Lucro Real com calculo Anual Balanço de Suspensão/Redução? Título: Como configurar uma empresa Lucro Real com calculo Anual Balanço de Suspensão/Redução? Esta configuração é exclusiva para empresas do Lucro Real, que realizam a apuração do IRPJ e da CSLL pelo

Leia mais

FORTES CONTÁBIL E FISCAL ECF LUCRO REAL

FORTES CONTÁBIL E FISCAL ECF LUCRO REAL FORTES CONTÁBIL E FISCAL ECF LUCRO REAL Esse manual tem o objetivo de demonstrar como será realizada a geração da ECF de uma empresa optante pelo Lucro Real no Fortes Contábil. O que é a ECF? A Escrituração

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB. Prof. Marcondes Fortaleza

CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB. Prof. Marcondes Fortaleza CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB Prof. Marcondes Fortaleza Professor Marcondes Fortaleza Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil, tendo exercido anteriormente o cargo de Analista-Tributário

Leia mais

Utilizando o Word para criar Relatórios

Utilizando o Word para criar Relatórios Utilizando o Word para criar Relatórios É possível criar documentos no Microsoft Word e salvá-los no banco de dados do sistema através do Gerenciador de Relatórios. Por meio do uso de variáveis disponibilizadas

Leia mais

PRINCIPAIS CONFIGURAÇÕES DO CONTÁBIL

PRINCIPAIS CONFIGURAÇÕES DO CONTÁBIL PRINCIPAIS CONFIGURAÇÕES DO CONTÁBIL Nas páginas seguintes, você terá uma visão geral dos recursos disponíveis e das funções que o Contábil pode automatizar, facilitando o dia-a-dia da sua empresa. Criando

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 (Valores expressos em reais)

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 (Valores expressos em reais) BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 ATIVO NE 31/12/2013 31/12/2012 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO NE 31/12/2013 31/12/2012 CIRCULANTE CIRCULANTE Disponibilidades 4 85.142.911 86.881.544

Leia mais

Título: Como configurar uma empresa de lucro presumido com regime de caixa?

Título: Como configurar uma empresa de lucro presumido com regime de caixa? Título: Como configurar uma empresa de lucro presumido com regime de caixa? 1 PARÂMETROS DA EMPRESA 1.1 Acesse o menu CONTROLE e clique em PARÂMETROS; 1.2 Na guia GERAL, clique em IMPOSTOS; 1.3 - Verifique

Leia mais

e-lalur: Empresas do Lucro Real

e-lalur: Empresas do Lucro Real e-lalur: Empresas do Lucro Real 1 Sumário Apresentação... 3 É importante saber... 3 Qual e-lalur configurar?... 4 Qual o ponto de partida do e-lalur?... 5 O e-lalur se baseia no seu Lucro Contábil do Período...

Leia mais

Sumário Capítulo 1 Escrituração contábil

Sumário Capítulo 1 Escrituração contábil Sumário Capítulo 1 Escrituração contábil 01 1.1 Conceito 01 1.2 Métodos de escrituração 01 1.2.1 Método das partidas dobradas 02 1.2.1.1 Funcionamento das contas nas partidas dobradas 04 1.3 Normas legais

Leia mais

Título: Como configurar uma empresa com Sociedade em Conta de Participação?

Título: Como configurar uma empresa com Sociedade em Conta de Participação? Título: Como configurar uma empresa com Sociedade em Conta de Participação? 1 PARÂMETROS EMPRESA 1.1 Acesse o menu CONTROLE, clique em PARÂMETROS; 1.2 Clique no botão [Nova Vigência]; 1.3 Na guia GERAL,

Leia mais

Título: Como configurar uma empresa de atividade imobiliária com Sociedade em Conta de Participação - SCP?

Título: Como configurar uma empresa de atividade imobiliária com Sociedade em Conta de Participação - SCP? Título: Como configurar uma empresa de atividade imobiliária com Sociedade em Conta de Participação - SCP? 1 PARÂMETROS DA EMPRESA 1.1 Acesse o menu CONTROLE e clique em PARÂMETROS; 1.2 Clique no botão

Leia mais

É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas de Resultado).

É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas de Resultado). Olá, meus amigos! Tudo bem? É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas de Resultado). O plano foi elaborado pelo nosso

Leia mais

Título: Como configurar no módulo Folha as empresas do Simples Nacional com atividades concomitantes?

Título: Como configurar no módulo Folha as empresas do Simples Nacional com atividades concomitantes? Título: Como configurar no módulo Folha as empresas do Simples Nacional com atividades concomitantes? Os dados a seguir foram elaborados para a configuração para empresas do Simples Nacional com atividades

Leia mais

FORTES FISCAL ECONTÁBIL ECF LUCRO PRESUMIDO

FORTES FISCAL ECONTÁBIL ECF LUCRO PRESUMIDO FORTES FISCAL ECONTÁBIL ECF LUCRO PRESUMIDO Esse manual tem o objetivo de demonstrar como será realizada a geração da ECF de uma empresa optante pelo Lucro presumido no Fortes Fiscal. O que é a ECF? A

Leia mais

Título: Como configurar o rateio de centro de custos por filiais?

Título: Como configurar o rateio de centro de custos por filiais? Título: Como configurar o rateio de centro de custos por filiais? 1- PARÂMETROS 1.1 Acesse o menu CONTROLE, clique em PARÂMETROS; 1.2 Na guia GERAL, clique em DEFINIÇÕES; 1.3 No quadro GERAL, no campo

Leia mais

Exercício I Calcule a depreciação anual em cada situação abaixo.

Exercício I Calcule a depreciação anual em cada situação abaixo. Exercício I Calcule a depreciação anual em cada situação abaixo. a. Máquina adquirida por $18.000, com vida útil estimada de 15 anos e valor residual $3.000. b. Veículo adquirido por $30.000, com vida

Leia mais

Sumário. Apresentação à 17ª Edição, XIII. Apresentação, XV. Parte I Ensino Focado no Usuário, 1

Sumário. Apresentação à 17ª Edição, XIII. Apresentação, XV. Parte I Ensino Focado no Usuário, 1 Sumário Apresentação à 17ª Edição, XIII Apresentação, XV Parte I Ensino Focado no Usuário, 1 1 A CONTABILIDADE E O CONTADOR, 3 1.1 Tomada de decisão, 3 1.2 Função do contador, 5 1.3 Objetivos da contabilidade,

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014 (Valores expressos em reais)

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014 (Valores expressos em reais) BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014 ATIVO NE 31/12/2015 31/12/2014 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO NE 31/12/2015 31/12/2014 CIRCULANTE CIRCULANTE Disponibilidades 4 90.705.601 82.095.096

Leia mais

Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição]

Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição] Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição] CAPÍTULO I. Introdução ao Curso de Contabilidade Introdução ao Curso de Contabilidade 1. Contabilidade. 2. Contabiliza.se o quê. 3. O

Leia mais

Título: Como realizar a configuração da integração contábil de uma empresa com Atividade Imobiliária Custo Incorrido?

Título: Como realizar a configuração da integração contábil de uma empresa com Atividade Imobiliária Custo Incorrido? Título: Como realizar a configuração da integração contábil de uma empresa com Atividade Imobiliária Custo Incorrido? Os dados a seguir foram elaborados para demonstrar uma rotina de lançamentos contábeis,

Leia mais

Título: Como realizar o cálculo do ICMS Diferencial de Alíquota, nas Saídas para Fora do estado a não contribuinte para empresas do Simples Nacional?

Título: Como realizar o cálculo do ICMS Diferencial de Alíquota, nas Saídas para Fora do estado a não contribuinte para empresas do Simples Nacional? Título: Como realizar o cálculo do ICMS Diferencial de Alíquota, nas Saídas para Fora do estado a não contribuinte para empresas do Simples Nacional? 1 PARÂMETROS; 1.1 Acesse o menu CONTROLE, clique em

Leia mais

e-lalur: Empresas do Lucro Real

e-lalur: Empresas do Lucro Real e-lalur: Empresas do Lucro Real 1 Sumário Apresentação... 3 É importante saber... 3 Qual e-lalur configurar?... 4 Qual o ponto de partida do e-lalur?... 5 O e-lalur se baseia no seu Resultado Contábil...

Leia mais

Treinamento Presencial CISS Contábil & Fiscal

Treinamento Presencial CISS Contábil & Fiscal Treinamento Presencial CISS Contábil & Fiscal Livros Contábeis e Fiscais Conforme disposto nas Leis 6.404/76 e 11.638/07 e RIR/99, as empresas estão obrigadas a manter escriturados os seguintes livros:

Leia mais

Título: Como considerar os juros, multas e outras como receita financeira para o cálculo dos impostos PIS e COFINS?

Título: Como considerar os juros, multas e outras como receita financeira para o cálculo dos impostos PIS e COFINS? Título: Como considerar os juros, multas e outras como receita financeira para o cálculo dos impostos PIS e COFINS? 1 PARÂMETROS EMPRESA 1.1 Acesse o menu CONTROLE, clique em PARÂMETROS; 1.2 Clique no

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE GESTÃO E NEGÓCIOS CONTABILIDADE AVANÇADA 1/2017 Exercício de Fixação 1

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE GESTÃO E NEGÓCIOS CONTABILIDADE AVANÇADA 1/2017 Exercício de Fixação 1 Exercício de Fixação 1 Questão 1: (Auditor Fiscal da Receita Estadual SEFAZ-RJ, 2014): Determinada empresa comercial apresentava as seguintes informações referentes ao primeiro semestre de 2013: Sabe-se

Leia mais

Parte I Conceitos Básicos, Estrutura e Metodologia Operacional, 1 1 Patrimônio, 3

Parte I Conceitos Básicos, Estrutura e Metodologia Operacional, 1 1 Patrimônio, 3 Sumário Prefácio à Décima Edição, xxi Prefácio à Nona Edição, xxiii Prefácio à Oitava Edição, xxv Parte I Conceitos Básicos, Estrutura e Metodologia Operacional, 1 1 Patrimônio, 3 1.1 Objetivo e definição

Leia mais

1.4 Ainda na guia GERAL, opção ESTADUAL, opção INCENTIVOS, clique em GERAL;

1.4 Ainda na guia GERAL, opção ESTADUAL, opção INCENTIVOS, clique em GERAL; Título: SC - Como calcular adicional de crédito presumido e de estorno de débito do TTD 409, 410 ou 411, para as notas que possuem o imposto 145 ICMS DIFAL Não Contribuinte? CONFIGURAÇÃO DO ADICIONAL DE

Leia mais

Título: Como configurar uma empresa Lucro Real com calculo Trimestral?

Título: Como configurar uma empresa Lucro Real com calculo Trimestral? Título: Como configurar uma empresa Lucro Real com calculo Trimestral? Esta configuração é exclusiva para empresas do Lucro Real, que realizam a apuração do IRPJ e da CSLL pelo cálculo Trimestral. 1 PARÂMETROS;

Leia mais

Como importar o valor da folha e do imposto INSS/CPP dos últimos 12 meses para o cálculo do Simples Nacional?

Como importar o valor da folha e do imposto INSS/CPP dos últimos 12 meses para o cálculo do Simples Nacional? Como importar o valor da folha e do imposto INSS/CPP dos últimos 12 meses para o cálculo do Simples Nacional? Através desta solução, será demonstrado quais lançamentos realizar para que sejam importados

Leia mais

Título: Como configurar uma empresa Lucro Real com calculo Anual Recolhimento por Estimativa?

Título: Como configurar uma empresa Lucro Real com calculo Anual Recolhimento por Estimativa? Título: Como configurar uma empresa Lucro Real com calculo Anual Recolhimento por Estimativa? Esta configuração é exclusiva para empresas do Lucro Real, que realizam a apuração do IRPJ e da CSLL pelo cálculo

Leia mais

CONCEITO DE CONTABILIDADE. Para isso contamos com a contabilidade essa que vamos conhecer agora:

CONCEITO DE CONTABILIDADE. Para isso contamos com a contabilidade essa que vamos conhecer agora: CONCEITO DE CONTABILIDADE O que vamos ver a seguir nos mostra que com o conhecimento do ciclo de vida da empresa, conseguimos tomar decisões que consistem em conduzi-la ao sucesso. Portanto, há duas preocupações

Leia mais

FS12. Sistema: Futura Server. Caminho: Cadastros>Estoque>Produto. Referência: FS12. Versão:

FS12. Sistema: Futura Server. Caminho: Cadastros>Estoque>Produto. Referência: FS12. Versão: Como FS12 Cadastrar Produto? - Sistema: Futura Server Caminho: Cadastros>Estoque>Produto Referência: FS12 Versão: 2015.12.2 Como funciona: O menu Cadastro de Produto é utilizado para registrar os produtos

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE CONTAS CONTÁBIL. Júlio César Zanluca

COMO ELABORAR UM PLANO DE CONTAS CONTÁBIL. Júlio César Zanluca Page 1 of 5 COMO ELABORAR UM PLANO DE CONTAS CONTÁBIL Júlio César Zanluca Plano de Contas (ou Elenco de Contas) é o conjunto de contas, previamente estabelecido, que norteia os trabalhos contábeis de registro

Leia mais

Para cadastrar os produtos acesse o caminho indicado acima, clique em F2 Novo e o sistema abrirá a tela abaixo:

Para cadastrar os produtos acesse o caminho indicado acima, clique em F2 Novo e o sistema abrirá a tela abaixo: Como FS12 Cadastrar Produto? - Sistema: Futura Server Caminho: Cadastros>Estoque>Produto Referência: FS12 Versão: 2017.07.31 Como funciona: O menu Cadastro de Produto é utilizado para registrar os produtos

Leia mais

Manual de Plano de Contas do LALUR

Manual de Plano de Contas do LALUR Manual de Plano de Contas do LALUR Este manual foi cuidadosamente elaborado pela ELPIS INFORMÁTICA, com a intenção de garantir ao usuário, todas as orientações necessárias para que possa usufruir ao máximo

Leia mais

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA MÓDULO 6

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA MÓDULO 6 CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA MÓDULO 6 Índice 1. Deduções da base de cálculo...3 1.1 Base de cálculo, alíquotas e despesas... 3 1.2 Exemplo numérico com deduções... 3 2. Faturamento bruto/receita bruta regime

Leia mais

1. Contabilidade Parâmetros

1. Contabilidade Parâmetros 1. Contabilidade A partir desta versão do módulo Domínio Contabilidade, o sistema está preparado para realizar a conciliação de lançamentos contábeis. Para isso deverão ser realizadas algumas configurações,

Leia mais

Título: Como configurar folha professor categoria Aulista Variável?

Título: Como configurar folha professor categoria Aulista Variável? Título: Como configurar folha professor categoria Aulista Variável? Os dados a seguir foram elaborados para demonstrar a rotina para configuração da folha professor. 1 PARÂMETROS 1.1 Acesse o menu CONTROLE,

Leia mais

Título: Como deduzir o IR e CSLL pago em meses anteriores, apurados antes das deduções?

Título: Como deduzir o IR e CSLL pago em meses anteriores, apurados antes das deduções? Título: Como deduzir o IR e CSLL pago em meses anteriores, apurados antes das deduções? Através desta opção, o sistema irá considerar como Pago em meses anteriores, os valores de IR e CSLL calculados antes

Leia mais

Contabilidade Avançada Prof. João Domiraci Paccez Exercício Nº 13

Contabilidade Avançada Prof. João Domiraci Paccez Exercício Nº 13 Exercício Nº 13 1 Exercício Nº 13 - Contabilidade em nível geral de preços Elaboração do Balanço Patrimonial de em ATIVO na Ativo circulante 150.000 78.341,9444 164.518 Caixa 20.000 20.000 10.000,0000

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA CADERNO DE PROVAS

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA CADERNO DE PROVAS PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA 20/10/2013 INSTRUÇÕES CADERNO DE PROVAS 1. Confira, abaixo, seu nome e número de inscrição. Confira, também, o curso e a série correspondentes à sua inscrição.

Leia mais

Título: Integração de Impostos pagos pelo Escritório Folha x Honorários

Título: Integração de Impostos pagos pelo Escritório Folha x Honorários Título: Integração de Impostos pagos pelo Escritório Folha x Honorários Pode ocorrer alguma situação onde o escritório de contabilidade paga alguns impostos para seus clientes, como por exemplo: INSS,

Leia mais

Neste bip. Esocial é prorrogado. Você Sabia? Listagem custos da mão de obra. Edição 73 Setembro de 2016

Neste bip. Esocial é prorrogado. Você Sabia? Listagem custos da mão de obra. Edição 73 Setembro de 2016 Neste bip Esocial é prorrogado... 1 Listagem custos da mão de obra... 1 Livro Razão... 2 Pagamento em Banco... 3 Simples Nacional Bases anteriores para o cálculo... 4 Você Sabia? Que as Notas de consumidor

Leia mais

Título: BOX-e Funcionalidade e Ativação do serviço.

Título: BOX-e Funcionalidade e Ativação do serviço. Título: BOX-e Funcionalidade e Ativação do serviço. 1- FUNCIONALIDADE E HABILITAÇÃO DO SERVIÇO BOX-e: 1.1- O Box-e é um serviço de armazenamento de notas fiscais eletrônicas para os clientes do escritório

Leia mais

Versão 10.0A-06. Versão da Apostila de Novidades: 1

Versão 10.0A-06. Versão da Apostila de Novidades: 1 Versão 10.0A-06 Versão da Apostila de Novidades: 1 Saiba que este documento não poderá ser reproduzido, seja por meio eletrônico ou mecânico, sem a permissão expressa por escrito da Domínio Sistemas Ltda.

Leia mais

Configurações da DMPL. Tutorial do Usuário Configurações da DMPL

Configurações da DMPL. Tutorial do Usuário Configurações da DMPL Tutorial do Usuário Configurações da DMPL 1 Conteúdo Apresentação... 3 Configurações... 4 Tela de configuração... 4 Aba Reserva de Capital (1)... 6 Aba Reserva de Lucros (2)... 7 Aba Ajustes (3)... 8 Aba

Leia mais

TUTORIAL SIMPLES REMESSA BAIXANDO ESTOQUE

TUTORIAL SIMPLES REMESSA BAIXANDO ESTOQUE Sumário Apresentação... 1 1. Procedimentos iniciais... 1 2. Emitir Nota Fiscal Simples Remessa com Baixa no Estoque:... 2 2.1 Gerando Contas a Receber... 2 2.3 Sem Gerar Contas a Receber... 5 Apresentação

Leia mais

CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS VOLTA REDONDA - Gabarito

CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS VOLTA REDONDA - Gabarito . UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2010 e 1 o semestre letivo de 2011 CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS VOLTA REDONDA - Gabarito INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Verifique se este

Leia mais

Título: Configuração para emissão das Certidões Negativas de Débito - CND.

Título: Configuração para emissão das Certidões Negativas de Débito - CND. Título: Configuração para emissão das Certidões Negativas de Débito - CND. 1 LIBERAÇÃO DE USUÁRIOS DO ESCRITÓRIO: 1.1- Acesse o menu ATENDIMENTO, opção CONTROLE, opção USUÁRIOS e clique em USUÁRIOS DO

Leia mais

Sumário. Capítulo Considerações Iniciais Exercícios Resolvidos para a Fixação de Conteúdo...19

Sumário. Capítulo Considerações Iniciais Exercícios Resolvidos para a Fixação de Conteúdo...19 Sumário Capítulo 1 A Elaboração das Demonstrações Contábeis...1 1.1. Considerações Iniciais...1 1.2. Exercícios Resolvidos para a Fixação de Conteúdo...19 Capítulo 2 As Demonstrações Contábeis e a Legislação

Leia mais

Como lançar a Contribuição Assistencial descontando do empregado um determinado percentual?

Como lançar a Contribuição Assistencial descontando do empregado um determinado percentual? Como lançar a Contribuição Assistencial descontando do empregado um determinado percentual? Os dados a seguir foram elaborados para realizar a configuração de uma rubrica com desconto de Contribuição Assistencial

Leia mais

A FORTES PREPARA VOCÊ PARA O MERCADO DE TRABALHO

A FORTES PREPARA VOCÊ PARA O MERCADO DE TRABALHO A FORTES PREPARA VOCÊ PARA O MERCADO DE TRABALHO MANUAL FORTES CONTÁBIL WEB www.fortestecnologia.com.br/pae MANUAL APRESENTAÇÃO O Sistema Fortes Contábil é totalmente web e foi desenvolvido no moderno

Leia mais

MANUAL OPERACIONAL EFD CONTRIBUIÇÕES FINANCEIRAS E ASSEMELHADAS

MANUAL OPERACIONAL EFD CONTRIBUIÇÕES FINANCEIRAS E ASSEMELHADAS MANUAL OPERACIONAL EFD CONTRIBUIÇÕES FINANCEIRAS E ASSEMELHADAS SUMÁRIO Introdução... 1 Sobre o Suporte Técnico... 1 EFD Contribuições Financeiras e Assemelhadas...2 Contrib Retida Fonte F600... 2 Receitas

Leia mais

Título: Como configurar folha professor categoria Aulista?

Título: Como configurar folha professor categoria Aulista? Título: Como configurar folha professor categoria Aulista? Os dados a seguir foram elaborados para demonstrar a rotina para configuração da folha professor. 1 PARÂMETROS 1.1 Acesse o menu CONTROLE, clique

Leia mais

Unidade I CONTABILIDADE AVANÇADA. Prof. Walter Dominas

Unidade I CONTABILIDADE AVANÇADA. Prof. Walter Dominas Unidade I CONTABILIDADE AVANÇADA Prof. Walter Dominas Consolidação das demonstrações contábeis A Consolidação das Demonstrações Contábeis é uma técnica que permite conhecer a posição financeira de um grupo

Leia mais

Neste bip. Como atualizar as tabelas no SEFIP? Você Sabia? Edição 71 Julho de 2016

Neste bip. Como atualizar as tabelas no SEFIP? Você Sabia? Edição 71 Julho de 2016 Neste bip Como atualizar as tabelas no SEFIP... 1 Depreciação... 2 Empresas Imunes e Isentas... 3 Notas explicativas... 3 Você Sabia? Como atualizar as tabelas no SEFIP? No nosso site de documentação on-line

Leia mais

ENCERRAMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 17/01/2013 LUCIANO PERRONE

ENCERRAMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 17/01/2013 LUCIANO PERRONE ENCERRAMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 17/01/2013 LUCIANO PERRONE Introdução Enquadramento conforme as Novas Normas Contábeis IFRS. SOCIEDADES ANÔNIMAS DE CAPITAL ABERTO SOCIEDADES DE GRANDE PORTE

Leia mais

EXERCÍCIOS TEORIA DA CONTABILIDADE Prof. Valbertone Fonte CFC. RESPONDA AS QUESTÕES ABAIXO: 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação:

EXERCÍCIOS TEORIA DA CONTABILIDADE Prof. Valbertone Fonte CFC. RESPONDA AS QUESTÕES ABAIXO: 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação: RESPONDA AS QUESTÕES ABAIXO: 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação: a) compra de galpão para a fábrica. b) venda de mercadoria a prazo. c) pagamento de salários administrativos. d) pagamento

Leia mais

1. Empresa Modelo...7 2.1. Dados da Empresa modelo...7 2.2. Duplicação de dados da empresa modelo...8. 3. Parâmetros da Empresa...

1. Empresa Modelo...7 2.1. Dados da Empresa modelo...7 2.2. Duplicação de dados da empresa modelo...8. 3. Parâmetros da Empresa... 1 2 Índice 1. Controle de Exercício...5 1.1. Criação de novo exercício...5 1.2. Exclusão de Exercício...6 1.3. Encerramento do exercício...6 1.4. Abertura de exercício...7 1. Empresa Modelo...7 2.1. Dados

Leia mais

Balanço Patrimonial. Circulante Compreende obrigações exigíveis que serão liquidadas até o final do próximo exercício social.

Balanço Patrimonial. Circulante Compreende obrigações exigíveis que serão liquidadas até o final do próximo exercício social. Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Professor: Roberto César Balanço Patrimonial ATIVO Circulante Compreende contas que estão constantemente em giro - em movimento, sua conversão em dinheiro

Leia mais

USP/FEA/EAC Curso de Graduação em Administração

USP/FEA/EAC Curso de Graduação em Administração USP/FEA/EAC Curso de Graduação em Administração Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 5: Demonstração do Resultado do Exercício Prof.: Márcio Luiz Borinelli

Leia mais