Prof. Claudio Gerheim Porto Dep. Geologia,UFRJ / Divisão de Geoquímica, CPRM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prof. Claudio Gerheim Porto Dep. Geologia,UFRJ / Divisão de Geoquímica, CPRM"

Transcrição

1 Exploração Geoquímica para Ouro e Metais Base nos Terrenos Lateríticos do Brasil Central: estudos de caso dos depósitos de Chapada (Cu-Au) e Palmeirópolis (Cu-Pb-Zn) Prof. Claudio Gerheim Porto Dep. Geologia,UFRJ / Divisão de Geoquímica, CPRM Objetivo: Investigar a distribuição geoquimica no regolito e a resposta geoquímica das mineralizações em diferentes meios de amostragem no ambiente laterítico.

2 Áreas de estudo Chapada: 319 0,31% Cu; 0,21 g/t Au. Estilo Pórfiro Cu-Au-(Zn, Mo, Pb) Hospedado em quartzofeldspato-biotita xisto da seqüência vulcano-sedimentar de Mara Rosa de idade neoproterozóica Area de Estudo Palmeiropolis: 9,3 3,1% Zn; 091% Cu; 0.89% Pb; 22 g/t Ag. Tres corpos independentes sendo o C-3 alvo deste estudo. Tipo VMS hospedado no contato entre anfibolitos e xistos felsicos

3 Ambiente do regolito Regolito lateríticos de m de espessura em platôs e encostas suaves relacionadas a uma superfície de aplainamento desenvolvida durante o ciclo geomorfológico Velhas (Oligoceno Mioceno); Clima tropical sazonal, Cerrado Palmeirópolis platô Chapada antes Encosta suave Chapada depois

4 Meios de amostragem investigados Latosolos Lags Crosta Termitárias Aberturas: Aq Régia; Multiácida; Fe amorfo Termitárias Lag laterítico Crosta laterítica

5 Chapada: Mapa do regolito Foto aérea convencional; mapas topograficos e geológicos com controle de campo ~1:25.000

6 Chapada: Perfil completo no regime relictual Estratigrafia do regolito

7 Chapada: Estratigrafia do regolito Lag Crosta Latossolo Zona mosqueada Zona nodular

8 Chapada: Estratigrafia do regolito Stone Line laterítico em encosta suave: Regime erosional Crosta degradada em platô: Regime relictual

9 Chapada: regimes do regolito

10 Chapada: regime relictual Cu Au Cu: forte depleção na zona laterítica. Retenção parcial na crosta e Lag Au: pouca depleção na zona laterítica. Exceto latosolo e Lag

11 Chapada: regime erosivo Cu Au Cu: pouca depleção devido ausência de crosta e derivados Au: sem depleção e com enriquecimento na zona mosqueada por reprecipitação pós-laterítica

12 C u p p m C u p p m C u p p m C u p p m Chapada: linha 2600N Cu ppm L a g D i s t â n c i a ( m ) L a t o s s o l o D i s t â n c i a ( m ) C r o s t a d e s u p e r f í c i e S a p r o l i t o Cs Lag Solo D i s t â n c i a ( m ) Cs Lag Solo D i s t â n c i a ( m )

13 5 0 0, 0 L a t o s s o l o 5 0, 0 A u p p b A u p p b A u p p b Chapada: linha 2600N Au ppb 5 0 0, 0 L a g 5 0, 0 5, 0 5, 0 0, 5 0, D i s t â n c i a ( m ) D i s t â n c i a ( m ) 5 0 0, 0 C r o s t a d e s u p e r f í c i e 5 0 0, 0 S a p r o l i t o 5 0, 0 5 0, 0 5, 0 A u p p b 5, 0 0, 5 0, 5 Cs Lag Solo D i s t â n c i a ( m ) Cs Lag Solo D i s t â n c i a ( m )

14 Chapada: Aq. Régia e extração parcial - Cu Extração Fe amorfo Extração Água Régia

15 Chapada: Contraste x Dispersão Benn & Porto, 2005 IGES

16 Chapada: tipos de Lag Magnetic Lag Metallic Lag Laterite Lag

17 Chapada: tipos de Lag Teores de Cu e Au mais alto no Lag laterítico e Mo no Lag metalico (rico em Fe). Mas Lag total também tem bom contraste.

18 Palmeirópolis

19 Palmeirópolis: estratigrafia do regolito Perfil em platô: regime relictual thick red clay rich soil with disseminated metallic concretions or buck shot gradually more abundant downwards greater accumulation of metallic concretions in a latosol matrix. Variously enriched in quartz and microgossan fragments Darker red clay rich soil with disseminated metallic concretions

20 C u p p m Palmeirópolis: Cu ppm 160 Ant Hill (4 acid) 120 Aqua Regia (latosol) Foxy (latosol) D i s t a n c e ( m ) Orebody Points represent background samples

21 P b p p m Palmeirópolis: Pb ppm 60 Ant Hill (4 acid) Aqua Regia (latosol) 40 Foxy (latosol) D i s t a n c e ( m ) Orebody Points represent background samples

22 Z n p p m Palmeirópolis: Zn ppm Ant Hill (4 acid) Aqua Regia (latosol) Foxy (latosol) D i s t a n c e ( m ) Orebody Points represent background samples

23 140 Cu ppm Buck Magn Total Pb ppm Zn ppm oreboby samples background samples PM PM019 PM115 RE PM019

24 Palmeirópolis: Contraste x Dispersão 7 6 Bi_Lag Pb_AQ 5 Bi_AH Pb_AH 4 As_AQ As_AH Zn_AH Contrast 3 2 Pb_foxy Cu_lag As_Lag Pb_Lag Cu_AQ SB_AH Cu_AH Zn_AQ Zn_lag Dispersion(m)

25 Conclusões 1. The transformation of lateritic crust into latosol is more advanced at Palmeirópolis than Chapada. This transformation is largely in-situ and the regolith materials, including surface latosols, are lithodependent. 2. Despite strong base metal leaching tendency upwards in the regolith, the geochemical signal in the latosol is of a high enough contrast to indicate mineralization. But Latosol has lower response when developed over laterite (relictual regime) and higher response over saprolite (erosional regime). Latosol sample preferred for local ( grid ) based surveys. 3. Surface crust can be effective but not always present - Lag is more widespreadly distributed potential for regional survey 4. At Chapada Lag shows good dispersion for Cu, Mo, Au. At Palmeirópolis Lag show high contrast for base metals. Lateritic Lag fraction are richer in Cu, Au while more Fe rich metallic Lag is richer in Mo (As, Bi etc.) But total Lag is OK 5. There is indication that, ant hills, if present, may also be an affective sample media as they show better contrast/dispersion than latosol because they represent a more homogenized sample media and are potentially usefull for regional surveys 6. Partial extractions show no advantage over conventional digest in locating the position of the orebodies.

26 Mapa do regolito região Chapada Mara Rosa (Porto, 2011)

27 Obrigado pela atenção

15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental

15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental 15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental CARTA DE SUSCETIBILIDADE A MOVIMENTOS GRAVITACIONAIS DE MASSA E INUNDAÇÃO DO MUNICÍPIO DE BOM JESUS DO NORTE - ES Marcely Ferreira Machado

Leia mais

Avaliação da contaminação potencial de As numa zona de minas abandonadas uma abordagem geoestatística

Avaliação da contaminação potencial de As numa zona de minas abandonadas uma abordagem geoestatística Avaliação da contaminação potencial de As numa zona de minas abandonadas uma abordagem geoestatística ALBUQUERQUE, MTD & ANTUNES, IMHR Polytechnic Institute of Castelo Branco Castelo Branco, Portugal.

Leia mais

Exploração geológica e prospecção em superfície

Exploração geológica e prospecção em superfície Exploração geológica e prospecção em superfície Métodos geoquímicos Métodos geofísicos A prospecção geológica ainda é necessária? Métodos computacionais Sensoriamento remoto Produção x Exploração? Uma

Leia mais

Jazigos Marinhos Tipo Placer

Jazigos Marinhos Tipo Placer Jazigos Marinhos Tipo Placer Placer Define-se como um depósito mineral de superfície, formado através da concentração das partículas minerais libertadas da rocha alterada O processo de concentração da-se

Leia mais

ALTERAÇÕES GEOQUÍMICAS EM ÁGUAS SUBTERRÂNEAS IMPACTADAS POR VAZAMENTOS DE CO 2 PROVENIENTES DE SEQUESTRO GEOLÓGICO

ALTERAÇÕES GEOQUÍMICAS EM ÁGUAS SUBTERRÂNEAS IMPACTADAS POR VAZAMENTOS DE CO 2 PROVENIENTES DE SEQUESTRO GEOLÓGICO Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental Núcleo Ressacada de Pesquisas em Meio Ambiente ALTERAÇÕES GEOQUÍMICAS EM ÁGUAS SUBTERRÂNEAS IMPACTADAS POR VAZAMENTOS

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

Software reliability analysis by considering fault dependency and debugging time lag Autores

Software reliability analysis by considering fault dependency and debugging time lag Autores Campos extraídos diretamente Título Software reliability analysis by considering fault dependency and debugging time lag Autores Huang, Chin-Yu and Lin, Chu-Ti Ano de publicação 2006 Fonte de publicação

Leia mais

Ruy Lacourt Rodrigues et al.

Ruy Lacourt Rodrigues et al. Ruy Lacourt Rodrigues et al. Mineração Definição e plano de produção de um depósito típico de níquel laterítico aproveitado através de rota de lixiviação ácida sob pressão (Definition and production plan

Leia mais

Jonathan Kreutzfeld RELEVO BRASILEIRO E FORMAS

Jonathan Kreutzfeld RELEVO BRASILEIRO E FORMAS Jonathan Kreutzfeld RELEVO BRASILEIRO E FORMAS RELEVO BRASILEIRO FORMAS DO RELEVO BRASILEIRO Escudos cristalinos: 36% Bacias sedimentares: 64% Escudos Cristalinos - Armazenamento de jazidas minerais -

Leia mais

Prospecção geológica. Investigações em superfície e subsuperfície

Prospecção geológica. Investigações em superfície e subsuperfície Prospecção geológica Investigações em superfície e subsuperfície Investigações em superfície e subsuperfície Complementar as informações adquiridas durante mapeamento geológico de detalhe e prospecção

Leia mais

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA 1 2 3 4 5 6 7 1 1 1, 00 2 3 4 Li Be 6, 94 9, 01 11 12 Na Mg 22, 99 24, 31 19 20 K Ca 39, 10 40, 08 37 38 Rb Sr 85, 47 87, 62 55 56 Cs Ba 132, 91 137, 33 87 88 Fr Ra 223,

Leia mais

SEDIMENTOS, INDICADORES DE CONTAMINAÇÃO HÍDRICA POR METAIS PESADOS. Cabaleiro, S 1.; Horn, A 2.

SEDIMENTOS, INDICADORES DE CONTAMINAÇÃO HÍDRICA POR METAIS PESADOS. Cabaleiro, S 1.; Horn, A 2. SEDIMENTOS, INDICADORES DE CONTAMINAÇÃO HÍDRICA POR METAIS PESADOS Cabaleiro, S 1.; Horn, A 2. 1 Instituto de Geociências- Departamento de Geologia - Universidade Federal de Minas Gerais - email: selmacabaleiro@codemig.com.br.

Leia mais

Paulo de Tarso Ferro de Oliveira Fortes 1, 2 Gustavo Isac Monteiro de Oliveira 1 Edison Crepani 3 José Simeão de Medeiros 3

Paulo de Tarso Ferro de Oliveira Fortes 1, 2 Gustavo Isac Monteiro de Oliveira 1 Edison Crepani 3 José Simeão de Medeiros 3 Geoprocessamento aplicado ao planejamento e gestão ambiental na Área de Proteção Ambiental de Cafuringa, Distrito Federal Parte 2: processamento de dados espaciais Paulo de Tarso Ferro de Oliveira Fortes

Leia mais

Viabilização da Mina de Cobre do Salobo

Viabilização da Mina de Cobre do Salobo Viabilização da Mina de Cobre do Salobo Do Estratégico ao Tático Alexandro Pinto SIMEXMIN Maio 2012 Agenda Estratégia da Vale em Cobre e Aprendizado Mina do Sossego Descrição e Soluções para Viabilidade

Leia mais

MAPEAMENTO GEOQUÍMICO DE BAIXA DENSIDADE NO ESTADO DE PERNAMBUCO - ASPECTOS GEOQUÍMICOS AMBIENTAIS DO CHUMBO

MAPEAMENTO GEOQUÍMICO DE BAIXA DENSIDADE NO ESTADO DE PERNAMBUCO - ASPECTOS GEOQUÍMICOS AMBIENTAIS DO CHUMBO MAPEAMENTO GEOQUÍMICO DE BAIXA DENSIDADE NO ESTADO DE PERNAMBUCO - ASPECTOS GEOQUÍMICOS AMBIENTAIS DO CHUMBO Enjôlras de A. Medeiros LIMA 1 * & Melissa FRANZEN 1 & Rogerio CAVALCANTE 1 & Dannyelle F. V.

Leia mais

2.Óxidos!!! Óxidos Modelo Simples 16/08/2012. Óxidos de ferro Modelo Simples Hematita, Goethita

2.Óxidos!!! Óxidos Modelo Simples 16/08/2012. Óxidos de ferro Modelo Simples Hematita, Goethita 2.Óxidos!!! Geralmente são mais abundantes à medida em que o solo fica mais intemperizado (lembrese do índice ki calculado na aula prática); Além de CTC, podem desenvolver cargas positivas (CTA), que quando

Leia mais

Depósitos de enriquecimento supergênico

Depósitos de enriquecimento supergênico Depósitos de enriquecimento supergênico Depósitos de enriquecimento supergênico Os depósitos de enriquecimento supergênico ocorrem em sub-superfície na altura e abaixo do lençol freático. Pode haver uma

Leia mais

SUSCETIBILIDADE A EROSÃO DO SOLO NA CIDADE DE SALVADOR BAHIA

SUSCETIBILIDADE A EROSÃO DO SOLO NA CIDADE DE SALVADOR BAHIA SUSCETIBILIDADE A EROSÃO DO SOLO NA CIDADE DE SALVADOR BAHIA Guimarães, T. (UEFS) ; Vale, R.M.C. (UEFS) RESUMO O presente trabalho pretende identificar, a partir de parâmetros físicos as áreas mais suscetíveis

Leia mais

Rumo a uma legislação racional, cientificamente robusta e eficaz:

Rumo a uma legislação racional, cientificamente robusta e eficaz: Rumo a uma legislação racional, cientificamente robusta e eficaz: Contribuições da Espeleobiologia Prof. Dr. Eleonora Trajano Instituto de Biociências Universidade de São Paulo TRES ASPECTOS: Ω Conceitos

Leia mais

Bacia do Paraná: Rochas e solos. Almério Barros França Petrobrás Claudinei Gouveia de Oliveira Instituto de Geociências-UnBi

Bacia do Paraná: Rochas e solos. Almério Barros França Petrobrás Claudinei Gouveia de Oliveira Instituto de Geociências-UnBi Bacia do Paraná: Rochas e solos Almério Barros França Petrobrás Claudinei Gouveia de Oliveira Instituto de Geociências-UnBi Bacia Hidrográfica do Rio Paraná versus Bacia Sedimentar do Paraná = Bacia do

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA SUBDIVISÃO DE ADMISSÃO E DE SELEÇÃO

COMANDO DA AERONÁUTICA ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA SUBDIVISÃO DE ADMISSÃO E DE SELEÇÃO Questão: 26 30 41 A questão 26 do código 02, que corresponde à questão 30 do código 04 e à questão 41 do código 06 Nº de Inscrição: 2033285 2041257 2030195 2033529 2032517 2080361 2120179 2120586 2037160

Leia mais

Análise hipsométrica da região nordeste do Quadrilátero Ferrífero associado ao material de origem.

Análise hipsométrica da região nordeste do Quadrilátero Ferrífero associado ao material de origem. Análise hipsométrica da região nordeste do Quadrilátero Ferrífero associado ao material de origem. Leonardi, F.A. (UNICAMP) ; Ladeira, F.S.B.L. (UNICAMP) RESUMO Este trabalho apresenta observação de campo

Leia mais

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br Pedologia Professor: Cláudio Custódio Conceitos: Mineração: solo é um detrito que deve ser separado dos minerais explorados. Ecologia: é um sistema vivo composto por partículas minerais e orgânicas que

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Agrárias Departamento de Solos

Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Agrárias Departamento de Solos Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Agrárias Departamento de Solos Metais Pesados em Solos do Brasil: Influência do Material de Origem e Valores Anômalos Jaime W. V. de Mello Walter A. P.

Leia mais

Reconhecer as diferenças

Reconhecer as diferenças A U A UL LA Reconhecer as diferenças Nesta aula, vamos aprender que os solos são o resultado mais imediato da integração dos processos físicos e biológicos na superfície da Terra. A formação e o desenvolvimento

Leia mais

Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo. Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo

Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo. Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo Definição de metais pesados Química - grande grupo de elementos com: densidade

Leia mais

Relevo GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Relevo GEOGRAFIA DAVI PAULINO Relevo GEOGRAFIA DAVI PAULINO Relevo É a forma da superfície terrestre, que apresenta variação de nível de um local para outro. Tem uma influência pesada em outros fenômenos, como a urbanização e as atividade

Leia mais

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3.1. Localização O aproveitamento Hidrelétrico de Itumbiara, com potência instalada de 2080 MW, situa-se no rio Paranaíba, na divisa dos estados de Minas Gerais e Goiás,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOLOGIA E GEOQUÍMICA l DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOLOGIA E GEOQUÍMICA l DISSERTAÇÃO DE MESTRADO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOLOGIA E GEOQUÍMICA l DISSERTAÇÃO DE MESTRADO ESTUDO SEDIMENTOLÓGICO E GEOQUÍMICO EM SEDIMENTOS DE FUNDO NA BAÍA DE

Leia mais

Palavras-chave: Sub bacia, Caracterização Ambiental, Sustentabilidade.

Palavras-chave: Sub bacia, Caracterização Ambiental, Sustentabilidade. CARACTERIZACÃO AMBIENTAL DA SUB-BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO DO SANGUE, JAURU - MT, VISANDO O LEVANTAMENTO DE RECONHECIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS Aldo Max Custódio (1) ; Ms. Juberto Babilônia de

Leia mais

CONTAMINAÇÃO POR MERCÚRIO ANTRÓPICO EM SOLOS E SEDIMENTOS DE CORRENTE DE LAVRAS DO SUL, RS, BRASIL

CONTAMINAÇÃO POR MERCÚRIO ANTRÓPICO EM SOLOS E SEDIMENTOS DE CORRENTE DE LAVRAS DO SUL, RS, BRASIL Contaminação por Mercúrio Antrópico em Solos e Sedimentos de Corrente de Lavras do Sul, RS, Brasil CONTAMINAÇÃO POR MERCÚRIO ANTRÓPICO EM SOLOS E SEDIMENTOS DE CORRENTE DE LAVRAS DO SUL, RS, BRASIL ¹Carlos

Leia mais

Descobre a Mina no Museu. - A Geologia -

Descobre a Mina no Museu. - A Geologia - Descobre a Mina no Museu - A Geologia - Há cerca de 280 milhões de anos (durante a Era Paleozóica, no período Pérmico), um magma ascendeu no interior da crosta e cristalizou dando origem a um granito.

Leia mais

Deslizamento rotacional da Costa de Cima, Distrito de Pântano do Sul, Florianópolis, SC Novembro de 2008.

Deslizamento rotacional da Costa de Cima, Distrito de Pântano do Sul, Florianópolis, SC Novembro de 2008. Deslizamento rotacional da Costa de Cima, Distrito de Pântano do Sul, Florianópolis, SC Novembro de 2008. Marimon, M.P.C., e-mail: f2mpcm@udesc.br Pimenta, L.H.F. Franco, A.C.V. Pedro Simas Resumo: Após

Leia mais

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Objetivos: Entender a distribuição da água no Planeta. Reconhecer

Leia mais

Exploração. Programa de Exploração AngloGold Ashanti Brasil

Exploração. Programa de Exploração AngloGold Ashanti Brasil Exploração 2012 Programa de Exploração AngloGold Ashanti Brasil AngloGold Ashanti AngloGold Ashanti 2011 Produção mundial - 4.33 MOz Brasil 428KOz produzidas $6.6 bilhões de faturamento 61.242 empregados

Leia mais

o 5 Projetos de Ouro em diferentes estados Brasileiros. o Províncias minerais com histórico de produção de Ouro.

o 5 Projetos de Ouro em diferentes estados Brasileiros. o Províncias minerais com histórico de produção de Ouro. Projetos Projetos Mapa de Localização Projeto Pau D arco (Estado do Pará) Projetos Igaracy 1 e 2 (Estado da Paraíba) Projeto Jatobá (Estado do Pará) o 5 Projetos de Ouro em diferentes estados Brasileiros.

Leia mais

3 MINERALIZAÇÕES AURÍFERAS NO GREENSTONE BELT RIO DAS VELHAS

3 MINERALIZAÇÕES AURÍFERAS NO GREENSTONE BELT RIO DAS VELHAS 3 MINERALIZAÇÕES AURÍFERAS NO GREENSTONE BELT RIO DAS VELHAS Depósito de ouro orogênico (Groves et al. 1998) é o termo utilizado para definir depósitos de ouro associados a orógenos, ou seja, a zonas de

Leia mais

AbineeTec 2015. Seminário Sustentabilidade. Gestão e Tecnologias Disponíveis para. Logística Reversa e Reciclagem UMICORE BRASIL LTDA.

AbineeTec 2015. Seminário Sustentabilidade. Gestão e Tecnologias Disponíveis para. Logística Reversa e Reciclagem UMICORE BRASIL LTDA. AbineeTec 2015 Seminário Sustentabilidade Gestão e Tecnologias Disponíveis para Logística Reversa e Reciclagem UMICORE BRASIL LTDA set/14 Ricardo Rodrigues Umicore Brasil Ltda Março/15 Grupo Umicore Fluxo

Leia mais

6º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS

6º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS 6º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS TÍTULO DO TRABALHO: Avaliação Geoquímica da Porção Norte da Bacia Pelotas AUTORES: Marilia Kabke Wally, Thayná Martins Correia, Évellin

Leia mais

Serviço Geológico do Brasil CPRM

Serviço Geológico do Brasil CPRM Serviço Geológico do Brasil CPRM Terras Raras no Brasil: Novas Perspectivas de Prospecção Roberto Ventura Santos & Lucy Chemalle Sumário Serviço Geológico do Brasil CPRM Introdução Objetivos Contexto Geológico

Leia mais

CONCLUSÃO DO PROGRAMA DE SONDAGENS EM MALHA APERTADA NO PROJECTO DE OURO EM BOA FÉ REINÍCIO DA PERFURAÇÃO NO PROJETO DE TUNGSTENIO EM TABUAÇO

CONCLUSÃO DO PROGRAMA DE SONDAGENS EM MALHA APERTADA NO PROJECTO DE OURO EM BOA FÉ REINÍCIO DA PERFURAÇÃO NO PROJETO DE TUNGSTENIO EM TABUAÇO COMUNICADO À IMPRENSA 18 de Junho de 2014 GTP (TSX-V) P01 (FRANKFURT) COLTF - (OTCQX) CONCLUSÃO DO PROGRAMA DE SONDAGENS EM MALHA APERTADA NO PROJECTO DE OURO EM BOA FÉ REINÍCIO DA PERFURAÇÃO NO PROJETO

Leia mais

APÊNDICE H-DIAGNÓSTICO FÍSICO- CONSERVACIONISTA

APÊNDICE H-DIAGNÓSTICO FÍSICO- CONSERVACIONISTA APÊNDICE H-DIAGNÓSTICO FÍSICO- CONSERVACIONISTA O DFC tem por objetivo determinar o estado de deterioração ou de conservação de uma região. É levado a efeito, correlacionando-se uma série de parâmetros

Leia mais

Geomorfologia. Professor: Cláudio custódio. www.espacogeografia.com.br

Geomorfologia. Professor: Cláudio custódio. www.espacogeografia.com.br Geomorfologia Professor: Cláudio custódio A um quilometro dali havia um morro com um grande desbarrancado a barreira, como se dizia lá no sítio. O Visconde levo-os para lá. Diante da barreira, parou e

Leia mais

Materiais / Materiais I

Materiais / Materiais I Materiais / Materiais I Guia para o Trabalho Laboratorial n.º 4 CORROSÃO GALVÂNICA E PROTECÇÃO 1. Introdução A corrosão de um material corresponde à sua destruição ou deterioração por ataque químico em

Leia mais

GEOQUÍMICA DOS FILITOS CARBONOSOS DO DEPÓSITO MORRO DO OURO, PARACATU, MINAS GERAIS

GEOQUÍMICA DOS FILITOS CARBONOSOS DO DEPÓSITO MORRO DO OURO, PARACATU, MINAS GERAIS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS GEOQUÍMICA DOS FILITOS CARBONOSOS DO DEPÓSITO MORRO DO OURO, PARACATU, MINAS GERAIS DISSERTAÇÃO DE MESTRADO N 249 BRUNA SAAR DE ALMEIDA Orientador: Prof.

Leia mais

ENG. ELVIRA LÍDIA STRAUS SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

ENG. ELVIRA LÍDIA STRAUS SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS 4a Reunião Ordinária do GT Interinstitucional sobre Uso de Resíduos Industriais Indicados como Matéria-Prima para Fabricação de Produtos Fornecedores de Micronutrientes Utilizados como Insumo Agrícola

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» MINERAÇÃO E PETRÓLEO E GÁS «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» MINERAÇÃO E PETRÓLEO E GÁS « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» MINERAÇÃO E PETRÓLEO E GÁS «21. As rochas selantes devem mostrar propriedades como impermeabilidade e plasticidade para manter sua condição de selante mesmo após ser submetida

Leia mais

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Física e Química A Prova Escrita

Leia mais

Comportamento e Destino Ambiental de. Produtos Fitossanitários 18/09/2015. Produtos Fitossanitários

Comportamento e Destino Ambiental de. Produtos Fitossanitários 18/09/2015. Produtos Fitossanitários 2015 Comportamento e Destino Ambiental de Produtos Fitossanitários Claudio Spadotto, Ph.D. Pesquisador da Embrapa Gerente Geral da Embrapa Gestão Territorial Membro do Conselho Científico para Agricultura

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EXATIDÃO ALTIMÉTRICA DE DADOS OBTIDOS POR PERFILAMENTO LASER AEROTRANSPORTADO EM ÁREAS DE MINERAÇÃO E RODOVIAS

AVALIAÇÃO DA EXATIDÃO ALTIMÉTRICA DE DADOS OBTIDOS POR PERFILAMENTO LASER AEROTRANSPORTADO EM ÁREAS DE MINERAÇÃO E RODOVIAS AVALIAÇÃO DA EXATIDÃO ALTIMÉTRICA DE DADOS OBTIDOS POR PERFILAMENTO LASER AEROTRANSPORTADO EM ÁREAS DE MINERAÇÃO E RODOVIAS Ronaldo Aparecido de Oliveira, MSc. ENGEFOTO Engenharia e Aerolevantamentos S.A.

Leia mais

SPATIAL DISTRIBUITION OF TURBITY IN A STRETCH OF MADEIRA RIVER MONITORING MADEIRA RIVER PROJECT PORTO VELHO (RO)

SPATIAL DISTRIBUITION OF TURBITY IN A STRETCH OF MADEIRA RIVER MONITORING MADEIRA RIVER PROJECT PORTO VELHO (RO) SPATIAL DISTRIBUITION OF TURBITY IN A STRETCH OF MADEIRA RIVER MONITORING MADEIRA RIVER PROJECT PORTO VELHO (RO) 4th scientific meeting of the ORE-HIBAM. September 2011 4a Scientific Meeting ORE-HYBAM

Leia mais

Modelamento Banco de Dados e modelos de tendencia

Modelamento Banco de Dados e modelos de tendencia Modelamento Banco de Dados e modelos de tendencia NOTA: Cada barra representa o grau de partidas de uma determinada origem de um conhecido percurso. Por exemplo, em Dezembro o fator sazonal para Chicago

Leia mais

Serrote da Laje. Caboclo

Serrote da Laje. Caboclo BRAZIL Maio 2012 Serrote da Laje Caboclo 1960 DNPM - ocorrência de magnetita 1979 DNPM CPRM descrição de magnetitito 1982 DOCEGEO - geoquímica ( 0,8% Cu) 1984-2001 CVRD pesquisa e estudo de viabilidade

Leia mais

metais não ferrosos aluminio-cobre-latão - aço inoxidável

metais não ferrosos aluminio-cobre-latão - aço inoxidável metais não ferrosos aluminio-cobre-latão - aço inoxidável Arames Barras chatas Bobinas Cantoneiras Chapas Discos Perfis Buchas Tubos Tubos de cobre para refrigeração Vergalhões, redondos, sextavados e

Leia mais

Metais alcalinos - Grupo 1A

Metais alcalinos - Grupo 1A Metais alcalinos - Grupo 1A Li / Na / K / Rb / Cs / Fr Na e K são os mais abundantes ns 1 - aparecem normalmente como iões positivos ( +) Não se encontram isolados na natureza / reacção com não-metais

Leia mais

AULA 11a: MINERALIZAÇÃO PLACAS BORDAS TRANSFORMANTES

AULA 11a: MINERALIZAÇÃO PLACAS BORDAS TRANSFORMANTES GEOTECTÔNICA TECTÔNICA GLOBAL Prof. Eduardo Salamuni AULA 11a: MINERALIZAÇÃO ASSOCIADA A BORDAS DE PLACAS BORDAS DIVERGENTES E TRANSFORMANTES MINERALIZAÇÕES E TECTÔNICA DE PLACAS INTRODUÇÃO A Tectônica

Leia mais

15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental

15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental 15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental Comparação da temperatura de brilho de superfície do período seco com o chuvoso no Distrito Federal calculada a partir de imagens do Landsat

Leia mais

Recursos Minerais de Portugal

Recursos Minerais de Portugal VI Encontro de Professores de Geociências da Associação para a Defesa e Divulgação do Património Geológico do Alentejo e Algarve - DPGA Moura, 2 de Março de 2012 Recursos Minerais de Portugal - Importância

Leia mais

PRINCIPAIS SECAS OCORRIDAS NESTE SÉCULO NO ESTADO DO CEARÁ: UMA AVALIAÇÃO PLUVIOMÉTRICA

PRINCIPAIS SECAS OCORRIDAS NESTE SÉCULO NO ESTADO DO CEARÁ: UMA AVALIAÇÃO PLUVIOMÉTRICA PRINCIPAIS SECAS OCORRIDAS NESTE SÉCULO NO ESTADO DO CEARÁ: UMA AVALIAÇÃO PLUVIOMÉTRICA José M. Brabo Alves; Rubenaldo A. Silva; Everaldo B. Souza; Carlos A. Repelli Departamento de Meteorologia -Divisão

Leia mais

COMUNICADO SOBRE A DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS DIGITAIS AEROGEOFÍSICOS (MAGNETOMETRIA E GAMAESPECTROMETRIA)

COMUNICADO SOBRE A DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS DIGITAIS AEROGEOFÍSICOS (MAGNETOMETRIA E GAMAESPECTROMETRIA) COMUNICADO SOBRE A DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS DIGITAIS AEROGEOFÍSICOS (MAGNETOMETRIA E GAMAESPECTROMETRIA) A COMPANHIA DE PESQUISA DE RECURSOS MINERAIS CPRM, Empresa Pública vinculada ao Ministério de Minas

Leia mais

Utilização de Lodo de Esgoto para Fins Agrícolas

Utilização de Lodo de Esgoto para Fins Agrícolas !"#$# $%$$& Utilização de Lodo de Esgoto para Fins Agrícolas Dr. Marcos Omir Marques Professor Adjunto e Sua Contribuição na Preservação Ambiental Departamento de Tecnologia Mailto: omir@fcav.unesp.br

Leia mais

CAPÍTULO 4 TIPOLOGIA DE SOLOS

CAPÍTULO 4 TIPOLOGIA DE SOLOS CAPÍTULO 4 TIPOLOGIA DE SOLOS Valdenira Ferreira dos Santos Antônio Tebaldi Tardin 4.1 INTRODUÇÃO Este trabalho faz parte do Projeto Zoneamento Ecológico- Econômico do Setor Costeiro Estuarino do Estado

Leia mais

CRIANDO MDT. Para criar o MDT Selecione o botão Modelagem ou clique na área esquerda da do programa onde se terá a opção criar Nova Modelagem.

CRIANDO MDT. Para criar o MDT Selecione o botão Modelagem ou clique na área esquerda da do programa onde se terá a opção criar Nova Modelagem. CRIANDO MDT Um MDT no programa AutoGeo tem como finalidade servir como base de dados para informações que servirão para os cálculos a serem realizados tudo que se for projetado a base vem do modelo digital

Leia mais

MINERAÇÃO URBANA. A saída para a reciclagem valores metálicos. renováveis. de fontes nãoclique para editar o estilo do subtítulo mestre

MINERAÇÃO URBANA. A saída para a reciclagem valores metálicos. renováveis. de fontes nãoclique para editar o estilo do subtítulo mestre MINERAÇÃO URBANA A saída para a reciclagem de valores metálicos de fontes não renováveis. D. Monteiro de Oliveira & L. Sobral Metais Ferrosos: V, Cr, Fe, Mn, Ni, Nb, Mo Metais Não-Ferrosos: Mg, Al, Ti,

Leia mais

GEOQUÍMICA MULTIELEMENTAR DE SUPERFÍCIE NA DELIMITAÇÃO DE RISCOS E IMPACTOS AMBIENTAIS, ESTADO DO PARANÁ, BRASIL

GEOQUÍMICA MULTIELEMENTAR DE SUPERFÍCIE NA DELIMITAÇÃO DE RISCOS E IMPACTOS AMBIENTAIS, ESTADO DO PARANÁ, BRASIL Otávio Augusto B. Licht GEOQUÍMICA MULTIELEMENTAR DE SUPERFÍCIE NA DELIMITAÇÃO DE RISCOS E IMPACTOS AMBIENTAIS, ESTADO DO PARANÁ, BRASIL Otávio.A.B Licht, otavio@pr.gov.br Minerais do Paraná S.A. - MINEROPAR

Leia mais

ANEXO 3. Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do Parque Estadual da Cantareira. Anexo 3 Imagens das Unidades de Terreno e Relevo do PEC 1

ANEXO 3. Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do Parque Estadual da Cantareira. Anexo 3 Imagens das Unidades de Terreno e Relevo do PEC 1 ANEXO 3 Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do Parque Estadual da Cantareira Anexo 3 Imagens das Unidades de Terreno e Relevo do PEC 1 2 Anexo 3 Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do PEC Foto

Leia mais

Simulação de um catálogo espectrofotométrico III ABC do método de Monte Carlo. Laerte Sodré Jr. Fevereiro, 2011

Simulação de um catálogo espectrofotométrico III ABC do método de Monte Carlo. Laerte Sodré Jr. Fevereiro, 2011 Simulação de um catálogo espectrofotométrico III ABC do método de Monte Carlo Laerte Sodré Jr. Fevereiro, 2011 O começo: População e Amostra População: uma coleção completa de objetos (pessoas, animais,

Leia mais

Braskem Maxio. Resinas da linha Braskem Maxio Braskem Maxio Grades. Redução de Consumo Energético Lower Energy Consumption.

Braskem Maxio. Resinas da linha Braskem Maxio Braskem Maxio Grades. Redução de Consumo Energético Lower Energy Consumption. Maio / May 2015 Resinas da linha Grades Redução de Consumo Energético Lower Energy Consumption RP 141 RP 347 RP 340S RP 340R RP 149 H 105 Produtividade Higher Productivity H 202HC CP 191XP VA8010SUV Redução

Leia mais

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Reabilitação de barragens de aterro Barragem do Roxo Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Caraterísticas Gerais da Barragem do Roxo > Vale assimétrico Forte inclinação na margem esquerda Suave na margem

Leia mais

COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO

COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO Uhênia Caetano PEREIRA Universidade Federal de Goiás (uhenea@hotmail.com) Cláudia Valéria LIMA

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL

CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL Maria Francisca Jesus Lírio Ramalho Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Departamento de Geografia/Area Geomorfologia

Leia mais

[i] Luis Manuel Cabral Lages O Clima de Segurança na Casa Pia de Lisboa I.P.

[i] Luis Manuel Cabral Lages O Clima de Segurança na Casa Pia de Lisboa I.P. [i] À Isabel, e a toda a família que sempre me transmitiu a perseverança necessária para a concretização de todos os objectivos de vida. [ii] AGRADECIMENTOS Ao longo deste percurso tive o privilégio de

Leia mais

MACRO CAPTURA FLUVIAL NO NORDESTE DO PLANALTO CENTRAL: RESULTADOS PRELIMINARES

MACRO CAPTURA FLUVIAL NO NORDESTE DO PLANALTO CENTRAL: RESULTADOS PRELIMINARES MACRO CAPTURA FLUVIAL NO NORDESTE DO PLANALTO CENTRAL: Cherem, L.F.S. 1 ; Zancopé, M.H.C. 2 ; Bayer, M. 3 ; 1 UFG Email:luis.cherem@gmail.com; 2 UFG Email:zancope@terra.com.br; 3 UFG Email:maxibayer@yahoo.com.ar;

Leia mais

Documento Auxiliar do Conhecimento de Transporte Eletrônico

Documento Auxiliar do Conhecimento de Transporte Eletrônico Documento Auxiliar do Conhecimento de Transporte Eletrônico 8338 Documento Auxiliar do Conhecimento de Transporte Eletrônico 8339 Documento Auxiliar do Conhecimento de Transporte Eletrônico 8340 Documento

Leia mais

CONSTRUÇÃO MAPA DE VULNERABILIDADE DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS ATRAVÉS DE METODO GOD, CASO DE ANÁPOLIS - GO

CONSTRUÇÃO MAPA DE VULNERABILIDADE DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS ATRAVÉS DE METODO GOD, CASO DE ANÁPOLIS - GO CONSTRUÇÃO MAPA DE VULNERABILIDADE DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS ATRAVÉS DE METODO GOD, CASO DE ANÁPOLIS - GO Diogo Coelho Crispim (1) Engenheiro Químico pela Universidade Federal de Uberlândia. Pós-Graduado em

Leia mais

CONCEITO DE GEOQUÍMICA

CONCEITO DE GEOQUÍMICA UNIVERSIDADE FEDEREAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA GEOQUÍMICA GC 012 CONCEITO DE GEOQUÍMICA Profa. Dra. Eleonora Maria Gouvea Vasconcellos Introdução distribuição dos elementos químicos controlada

Leia mais

FÁBRICA DE CABOS ELÉCTRICOS LUANDA, ANGOLA

FÁBRICA DE CABOS ELÉCTRICOS LUANDA, ANGOLA FÁBRICA DE CABOS ELÉCTRICOS LUANDA, ANGOLA Sobre Milbridge A Milbridge Holding SA sedeada em Viana com mais de 400 trabalhadores, tem como objectivo formar uma equipa motivada para encarar com optimismo

Leia mais

19/11/2014 SISTEMA BRASILEIRO DE GEOLOGIA E MINERAÇÃO MISSÃO DA CPRM- SERVIÇO. REDE OPERACIONAL da CPRM. Serviço Geológico do Brasil CPRM

19/11/2014 SISTEMA BRASILEIRO DE GEOLOGIA E MINERAÇÃO MISSÃO DA CPRM- SERVIÇO. REDE OPERACIONAL da CPRM. Serviço Geológico do Brasil CPRM Serviço Geológico do Brasil CPRM UMA BREVE VISÃO DA CPRM / MINERAÇÃO NO BRASIL E NO MUNDO O BRASIL É UM PAÍS EMERGENTE DE GRANDE IMPORTÂNCIA PARA A MINERAÇÃO MUNDIAL TEOBALDO R O JÚNIOR, DSc SUREGSA SALVADOR-BA,

Leia mais

A LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E SUA ADEQUAÇÃO A REALIDADE NA PROTEÇÃO AMBIENTAL DAS CHAPADAS: REFLEXÕES INICIAIS

A LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E SUA ADEQUAÇÃO A REALIDADE NA PROTEÇÃO AMBIENTAL DAS CHAPADAS: REFLEXÕES INICIAIS A LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E SUA ADEQUAÇÃO A REALIDADE NA Martins, F.P. 1 ; Salgado, A.A.R. 2 ; Carmo, F.F. 3 ; 1 UFMG Email:martinsgeo@hotmail.com.br; 2 UFMG Email:aarsalgadoufmg@gmail.com; 3 INSTITUTO PRÍSTINO

Leia mais

Remoção de metais num sistema de. Pesquisador: Profº Dr. Ariston da Silva Melo Júnior

Remoção de metais num sistema de. Pesquisador: Profº Dr. Ariston da Silva Melo Júnior FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL ARQUITETURA E URBANISMO Remoção de metais num sistema de tratamento de esgoto por Filtro Lento Pesquisador: Profº Dr. Ariston da Silva Melo Júnior INTRODUÇÃO Crescimento acelerado

Leia mais

Fertilização racional da actinídea

Fertilização racional da actinídea L Q A R S Fertilização racional da actinídea Cecília Pacheco Kiwi de qualidade para assegurar o futuro / Oliveira do Bairro Instituto Nacional de Investigação Agrária ria e das Pescas Ministério da Agricultura,

Leia mais

COMPARTIMENTAÇÃO DO RIFTE GUARITAS, BACIA DO CAMAQUÃ - RS

COMPARTIMENTAÇÃO DO RIFTE GUARITAS, BACIA DO CAMAQUÃ - RS COMPARTIMENTAÇÃO DO RIFTE GUARITAS, BACIA DO CAMAQUÃ - RS preissler; a.g.- rolim; s.b.a. - philipp, r.p. CEPSRM - UFRGS e-mail: dricagp@hotmail.com RESUMO O estudo contribui no conhecimento da evolução

Leia mais

USO DE PINOS DE EROSÃO PARA MONITORAMENTO EM ÁREA DE ALTO RISCO GEOLÓGICO EM JUIZ DE FORA, MG.

USO DE PINOS DE EROSÃO PARA MONITORAMENTO EM ÁREA DE ALTO RISCO GEOLÓGICO EM JUIZ DE FORA, MG. USO DE PINOS DE EROSÃO PARA MONITORAMENTO EM ÁREA DE ALTO Andrade, L.B. 1 ; Rocha, G.C. 2 ; 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Email:leo.biageufjf@gmail.com; 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA

Leia mais

PROJETO DE SALVAMENTO ARQUEOLÓGICO EM PORTO TROMBETAS/PA RELATÓRIO

PROJETO DE SALVAMENTO ARQUEOLÓGICO EM PORTO TROMBETAS/PA RELATÓRIO PROJETO DE SALVAMENTO ARQUEOLÓGICO EM PORTO TROMBETAS/PA RELATÓRIO Setembro/2006 Coordenação de Ciências Humanas Área de Arqueologia RELATÓRIO DA PROSPECÇÃO NOS PLATÔS ARAMÃ, GREIG E MONTE BRANCO PORTO

Leia mais

CAPÍTULO 3 ESTRUTURA E DINÂMICA DO MEIO NATURAL

CAPÍTULO 3 ESTRUTURA E DINÂMICA DO MEIO NATURAL CAPÍTULO 3 ESTRUTURA E DINÂMICA DO MEIO NATURAL 3.1 CONSIRAÇÕES INICIAIS O meio natural representa um dos grandes bens da humanidade, pois sobre ele o homem desencadeia suas ações e se apropria de acordo

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DA PRAIA DA PONTA NEGRA MANAUS - AM

LAUDO TÉCNICO DA PRAIA DA PONTA NEGRA MANAUS - AM LAUDO TÉCNICO DA PRAIA DA PONTA NEGRA MANAUS - AM Manaus 21 de Novembro de 2012 LAUDO TÉCNICO DA PRAIA DA PONTA NEGRA MANAUS - AM 1. INTRODUÇÃO Por solicitação da Câmara dos Vereadores da cidade de Manaus,

Leia mais

Capítulo 10 ELEMENTOS SOBRE SOLOS

Capítulo 10 ELEMENTOS SOBRE SOLOS 1 - Conceitos: Capítulo 10 ELEMENTOS SOBRE SOLOS O solo deve ser considerado sob o aspecto de ente natural e, como tal é tratado pelas ciências que estudam a natureza, como a geologia, a pedologia e a

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS Como pode cair no enem? (FUVEST) Estas fotos retratam alguns dos tipos de formação vegetal nativa encontrados no território

Leia mais

CONTEÚDO 1.1 OBJETIVOS...1.1 1.2 ESTRUTURA DO DOCUMENTO...1.2 1.3 ESTRUTURA DOS PROGRAMAS AMBIENTAIS...1.3 3.1 INTRODUÇÃO...3.1

CONTEÚDO 1.1 OBJETIVOS...1.1 1.2 ESTRUTURA DO DOCUMENTO...1.2 1.3 ESTRUTURA DOS PROGRAMAS AMBIENTAIS...1.3 3.1 INTRODUÇÃO...3.1 CONTEÚDO Pág. 1 INTRODUÇÃO...1.1 1.1 OBJETIVOS...1.1 1.2 ESTRUTURA DO DOCUMENTO...1.2 1.3 ESTRUTURA DOS PROGRAMAS AMBIENTAIS...1.3 2 CONTEXTO GEOGRÁFICO...2.1 3 CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO MINERAL...3.1

Leia mais

Monitoramento ambiental de superfície/subsuperfície aplicado a site piloto para o armazenamento de CO 2 em camadas de carvão Jazida de Charqueadas/RS

Monitoramento ambiental de superfície/subsuperfície aplicado a site piloto para o armazenamento de CO 2 em camadas de carvão Jazida de Charqueadas/RS Monitoramento ambiental de superfície/subsuperfície aplicado a site piloto para o armazenamento de CO 2 em camadas de carvão Jazida de Charqueadas/RS Centro de Excelencia em Pesquisa e Inovação em Petróleo,

Leia mais

Métodos Formais em Engenharia de Software. VDMToolTutorial

Métodos Formais em Engenharia de Software. VDMToolTutorial Métodos Formais em Engenharia de Software VDMToolTutorial Ana Paiva apaiva@fe.up.pt www.fe.up.pt/~apaiva Agenda Install Start Create a project Write a specification Add a file to a project Check syntax

Leia mais

POTENCIALIDADES DO SISTEMA FÍSICO E AS ORGANIZAÇÕES ESPACIAIS NA SUB-BACIA DO RIO GRANDE NO OESTE DA BAHIA

POTENCIALIDADES DO SISTEMA FÍSICO E AS ORGANIZAÇÕES ESPACIAIS NA SUB-BACIA DO RIO GRANDE NO OESTE DA BAHIA POTENCIALIDADES DO SISTEMA FÍSICO E AS ORGANIZAÇÕES ESPACIAIS NA SUB-BACIA DO RIO GRANDE NO OESTE DA BAHIA Fontes, E. (UESC) ; Goes, L. (UESC/UNICAMP) ; Moreau, A.M. (UESC) RESUMO A modernização da agricultura

Leia mais

Corrosão e Protecção

Corrosão e Protecção Corrosão e Protecção Capítulo 1.2 Fundamentos Docente: João Salvador Fernandes Lab. de Tecnologia lectroquímica Pavilhão de Minas, 2º Andar xt. 1964 Princípios de lectroquímica Quando se imerge uma placa

Leia mais

ASPECTOS GEOLÓGICOS DA FORMAÇÃO GUABIROTUBA

ASPECTOS GEOLÓGICOS DA FORMAÇÃO GUABIROTUBA Capítulo 2 ASPECTOS GEOLÓGICOS DA FORMAÇÃO GUABIROTUBA 2.1 Introdução e Contexto Regional Para uma compreensão mais aprofundada das propriedades geotécnicas da Formação Guabirotuba, assume particular importância

Leia mais

COMUNICADO SOBRE A DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS DIGITAIS AEROGEOFÍSICOS (MAGNETOMETRIA E GAMAESPECTROMETRIA)

COMUNICADO SOBRE A DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS DIGITAIS AEROGEOFÍSICOS (MAGNETOMETRIA E GAMAESPECTROMETRIA) COMUNICADO SOBRE A DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS DIGITAIS AEROGEOFÍSICOS (MAGNETOMETRIA E GAMAESPECTROMETRIA) A COMPANHIA DE PESQUISA DE RECURSOS MINERAIS CPRM, Empresa Pública vinculada ao Ministério de Minas

Leia mais

Os materiais no estado sólido ocupam geralmente menos volume que no estado líquido (fundido).

Os materiais no estado sólido ocupam geralmente menos volume que no estado líquido (fundido). Campus Experimental de Sorocaba Materiais e Reciclagem 3 Arranjo Atômico e Cristalografia Professor Sandro Donnini Mancini Sorocaba, Fevereiro de 2015. Os materiais no estado sólido ocupam geralmente menos

Leia mais

Cartografia Geotécnica para Obras Subterrâneas no Plano Piloto de Brasília

Cartografia Geotécnica para Obras Subterrâneas no Plano Piloto de Brasília Cartografia Geotécnica para Obras Subterrâneas no Plano Piloto de Brasília Paola Cristina Alves Universidade de Brasília, Brasília, Brasil, paolacalves@yahoo.com.br Newton Moreira de Souza Universidade

Leia mais

6 Não será permitido o uso de dicionário.

6 Não será permitido o uso de dicionário. 1 2 3 4 5 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Se, em qualquer outro local deste Caderno, você assinar, rubricar,

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TRATAMENTO DE VIBRAÇÃO NAS TENSÕES RESIDUAIS GERADAS NA SOLDAGEM A LASER DE AÇOS ARBL E IF

INFLUÊNCIA DO TRATAMENTO DE VIBRAÇÃO NAS TENSÕES RESIDUAIS GERADAS NA SOLDAGEM A LASER DE AÇOS ARBL E IF INFLUÊNCIA DO TRATAMENTO DE VIBRAÇÃO NAS TENSÕES RESIDUAIS GERADAS NA SOLDAGEM A LASER DE AÇOS ARBL E IF T. C. Chuvas 1 ; M. P. Cindra Fonseca 1 ; D. A. Castello 2 1 Departamento de Engenharia Mecânica/PGMEC

Leia mais

Uso e cobertura das terras do Município de Campinas para análise da urbanização na área rural

Uso e cobertura das terras do Município de Campinas para análise da urbanização na área rural Uso e cobertura das terras do Município de Campinas para análise da urbanização na área rural Ivan André Alvarez 1 Carlos Fernando Quartaroli 1 Sérgio Gomes Tosto 1 Nathan Yuri Machado Zanqueta 2 Mateus

Leia mais