DIRETRIZES DO PROGRAMA BR-LEGAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIRETRIZES DO PROGRAMA BR-LEGAL"

Transcrição

1 DIRETRIZES DO PROGRAMA BR-LEGAL A COORDENÇÃO-GERAL DE OPERAÇÕES RODOVIÁRIAS - DIRETORIA DE INFRAESTRUTURA RODOVIÁRIA - DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES DNIT, buscando fornecer elementos necessários às atividades do Programa BR-LEGAL, disponibiliza as presentes diretrizes. OBJETIVOS: Art. 1. Estabelecer critérios e procedimentos para o Programa Nacional de Segurança e Sinalização Rodoviária BR-LEGAL, que tem por objetivo a elaboração de Projeto Básico e Executivo de Engenharia e execução dos serviços técnicos de aplicação e manutenção de dispositivos de segurança e de sinalização rodoviária, contratados por meio de certame licitatório, nos termos da Lei n /2011 e Decreto n 7.581/2011, bem como os respectivos editais. I - DA FISCALIZAÇÃO Art. 2. Os Superintendentes Regionais do DNIT deverão designar servidores (Engenheiros ou Analistas em Infraestrutura de Transportes) como fiscais do contrato, para o acompanhamento da execução e do controle da qualidade dos serviços licitados por trecho, no âmbito de sua circunscrição, observadas as disposições do Art. 96, II e Parágrafo Único, do Decreto n 7.581/2011. II - DO ACEITE DOS PROJETOS Art. 3º. O Superintendente Regional poderá designar um servidor, distinto do fiscal do contrato, para análise dos Projetos Básico e Executivo. O servidor designado para análise dos Projetos ou o Fiscal do Contrato deverá, juntamente com os técnicos da Coordenação-Geral de Operações Rodoviárias - CGPERT, acompanhar e analisar a elaboração dos Projetos, emitindo Nota Técnica, onde será indicada a possibilidade de aceite ou solicitação de ajustes, conforme Art. 4º da Lei /2011. Art. 4. Das Competências quanto à análise e aceite dos Projetos: 1. A análise das especificidades de soluções referentes ao segmento será de competência da Superintendência Regional e Unidades Locais, a qual se baseará nos preceitos contidos no Manual Brasileiro de Sinalização de Trânsito CONTRAN, na Lei 9.503/1997 (Código de Trânsito Brasileiro), nas normas da ABNT e do DNIT, nas Especificações Técnicas do Programa BR-LEGAL e na presente Diretriz; 2. Caberá a Superintendência Regional juntamente às Unidades Locais o gerenciamento das interferências de outros programas (manutenção, restauração, CREMA, PATO etc) e obras (duplicação, adequação de capacidade etc.) cujos cronogramas e eventos serão simultâneos à execução dos trabalhos do BR-LEGAL; 3. Caberá a Superintendência Regional juntamente às Unidades Locais a análise quanto a integração da sinalização de orientação de destinos (indicativa) dentro 1

2 dos lotes do respectivo Estado, para os usuários de curta, média e longa distância, conforme definições contidas no Anexo desta Diretriz; 4. Caberá à Coordenação de Segurança e Engenharia de Trânsito/Coordenação-Geral de Operações Rodoviárias a avaliação quanto a adequação técnica em relação às diretrizes estabelecidas nas Especificações do Programa BR-LEGAL; 5. O aceite dos projetos será realizado pelo Coordenador-Geral de Operações Rodoviárias; III - DA EXECUÇÃO, DA FISCALIZAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE DOS SERVIÇOS Art. 5. A execução dos serviços deverá obedecer ao disposto no Projeto Executivo de Segurança e Sinalização de Trânsito, seguindo o cronograma estabelecido. 1. Os serviços executados devem atender aos padrões de desempenho estipulados nas Especificações Técnicas do BR-LEGAL durante todo o período do contrato; 2. O planejamento da execução dos serviços, bem como o cronograma de ações, poderá ser readequado em virtude de necessidade técnica, ou superveniência de fato excepcional ou imprevisível, estranho à vontade das partes, desde que não altere fundamentalmente as condições de execução do contrato. As alterações deverão ser homologadas pelo Fiscal do Contrato e informadas a Coordenação-Geral de Operações Rodoviárias. Art. 6. Os fiscais deverão verificar o atendimento dos padrões estabelecidos para comprovação da qualidade dos serviços ao longo da duração de todo o contrato assim como o atendimento do Projeto Executivo; Art. 7. Deverá ser realizado Registro Fotográfico dos Serviços Executados, conforme orientações contidas no Anexo desta Diretriz; Art. 8. A Contratada deverá permitir ao Fiscal, equipe técnica da Superintendência Regional, bem como técnicos da CGPERT ou empresa designada para acompanhamento dos serviços, livre acesso em qualquer época, aos dados relativos aos serviços objeto do Contrato, assim como aos equipamentos e ao escritório de apoio. 1. A Contratada deverá prestar toda colaboração e fornecer todos os dados e informações necessárias e solicitadas pela Fiscalização para o desenvolvimento de suas atividades; Art. 9. Para comprovação da qualidade dos serviços executados, a contratada deverá apresentar o Relatório de Qualidade. Este Relatório deve conter os ensaios de laboratório e de campo dos materiais empregados em cada segmento SNV. IV - DA EQUIPE DE MANUTENÇÃO Art. 10. A equipe de manutenção deverá estar mobilizada a partir do 60 dia a contar da Ordem de Início dos Serviços. Para tanto deverá ser apresentado à Superintendência Regional, por meio de Ofício, proposta do Plano de Manutenção, endereço do escritório de apoio, assim como referências do encarregado de serviços, contendo nome e telefone. 2

3 1. Este Plano de Manutenção se refere ao período inicial de 04 (quatro) meses que se trata do período para a empresa eliminar o passivo da manutenção. O Plano de Manutenção Anual deverá ser apresentado no Projeto Executivo; 2. Todos os serviços executados pela equipe de manutenção deverão ser relatados em Diário de Obras conforme Instrução de Serviço n 01, de 23 de fevereiro de 2010 e seus anexos. Art. 11. Os serviços da equipe de Manutenção serão mensurados por meio da planilha do Fator de Pagamento, conforme apresentado no edital e ser apresentada mensalmente junto às medições. Para este cálculo deverão ser considerados todos os parâmetros estabelecidos nas Especificações Técnicas do Edital. Parágrafo Único. A aplicação do fator de pagamento é um procedimento ligado exclusivamente à medição dos serviços, e não elimina eventuais penalidades contratuais e previstas na lei de licitações referentes à inexecução parcial do contrato, cuja aplicação poderá ser necessária. V - DOS PARÂMETROS PARA MEDIÇÕES, ACOMPANHAMENTO FÍSICO FINANCEIRO Art. 12. As medições deverão atender aos preceitos dos Editais do Programa BR-LEGAL e Instrução de Serviço n 01, de 23 de fevereiro de 2010 e seus anexos. 1. Todos os serviços executados serão apresentados por rodovia e de acordo com os segmentos previstos no QUADRO 01 - CRONOGRAMA FÍSICO- FINANCEIRO, QUADRO 02 - CRITÉRIO DE PAGAMENTO e QUADRO 03 - CRONOGRAMA FINANCEIRO do Edital. VI - DO CRITÉRIO DE PAGAMENTO Art. 13. O pagamento dos serviços deverá ser de acordo com o Quadro 02 Critério de Pagamento. Parágrafo Único. Na elaboração do projeto executivo, serão conhecidas as variáveis, até então levantadas de forma preliminar no anteprojeto. Uma vez levantadas as reais necessidades de cada segmento, dentro de um lote, o critério de pagamento, poderá sofrer ajustes de acordo com a necessidade de cada segmento. Os ajustes serão feitos no Quadro 02 Critério de Pagamento, na coluna Percentual do Preço Global que poderão vir a sofrer adequações em relação ao Anteprojeto, em virtude das necessidades levantadas no Projeto Executivo. O valor do Percentual do Preço Global equivale à solução contida no projeto para os cinco anos do respectivo subtrecho do SNV. O preço global do contrato não deverá ser alterado em função dessas adequações. As orientações quanto as alterações no critério de pagamento estão previstas no Anexo I desta Diretriz. VI - DA FORMA DE APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS 3

4 Art. 14. A entrega do projeto básico poderá ser segmentada em até 04 (quatro) trechos da extensão total de seu lote. O projeto executivo deverá ser entregue em apenas uma etapa, contendo toda a extensão do seu lote. VII - DA MEDIÇÃO DOS SERVIÇOS Art. 15. A medição será elaborada e processada pela Unidade de Fiscalização do contrato; 1. O processamento da medição está condicionado à apresentação do Relatório de Qualidade, previsto no Edital e deve seguir ao preconizado na Instrução de Serviço n 01, de 23 de fevereiro de 2010 e seus anexos; 2. Deverá ser feito um registro fotográfico de no mínimo, uma foto a cada quilômetro para os serviços de sinalização horizontal mecânica, uma foto para cada serviço de sinalização horizontal manual, uma foto para cada placa implantada e, no caso de defensas metálicas, uma foto para o corpo do dispositivo e uma foto para cada Terminal (entrada e saída); 3. O detalhamento referente à forma de pagamento de elaboração de projetos e execução dos serviços está apresentado no Anexo I desta Diretriz. VIII - CONSIDERAÇÕES FINAIS Art. 16º. A Coordenação-Geral de Operações Rodoviárias fica responsável pela orientação, resolução de dúvidas e acompanhamento da execução dos serviços juntos às Superintendências Regionais nos Estados. IX - ANEXOS Art. 17º. Fazem parte destas diretrizes os seguintes anexos: ANEXO I Esclarecimentos e Definição de Competências; ANEXO II Tabelas; ANEXO III Interferências com outros programas. Brasília, Novembro de

5 ANEXO I - Esclarecimentos e Definição de Competências 5

6 ESCLARECIMENTOS E DEFINIÇÃO DE COMPETÊNCIAS Este anexo tem por objetivo esclarecer tópicos constantes das Especificações Técnicas dos Editais do Programa Nacional de Segurança e Sinalização Rodoviária BR-LEGAL, demonstrando as ações a serem desempenhadas por todos os atores envolvidos desde a fase de Pré-Análise do Trecho até a fase de Dimensionamentos e Aceitação dos Projetos Básicos e Executivos. FASE 01 PRÉ-ANÁLISE DO TRECHO No primeiro momento a empresa contratada entrará em contato com a Superintendência Regional onde o lote se insere geograficamente para obtenção de todos os dados necessários para elaboração do projeto. Esses dados deverão ser validados por meio de reuniões que resultarão em Atas, que, por sua vez, irão compor o Projeto Básico. A seguir são apresentados os dados que abrangem a Fase 01: Identificação dos Elementos de Projeto; Índice de Acidentes; Polos Geradores de Tráfego; Comportamento do Motorista; Condições Meteorológicas; Futuras Melhorias; Deficiências Gerais; Projetos Pré-existentes; FASE 02 IDENTIFICAÇÃO DA CLASSE HOMOGÊNEA E ANÁLISE DO TRECHO A. Identificação da Classe Homogênea A empresa, assim como as Superintendências Regionais, deverão se cadastrar no site do Sistema Georreferenciado de Informações Viárias SGV onde poderão obter informações preliminares acerca do trecho onde se elaborará o projeto; B. Análise do Trecho Nessa etapa serão coletados dados dos trechos, onde deverão ser apresentados nos projetos por meio de planilhas individuais e consolidados, conforme modelo apresentado no anexo I. Após etapa, deverá ser elaborada Ata de reunião juntamente com o DNIT nos mesmos moldes da Fase 01. i. Largura da Pista; ii. Largura do Acostamento; iii. Desnível entre a Pista de Rolamento e o Acostamento; iv. Tipo de Curva Horizontal; 6

7 v. Tipo de Pavimento (Macrotextura); vi. Área de Escape (Zona Livre); vii. Intercessões e Acessos; viii. Parada de Coletivos; ix. Levantamento da Sinalização Existente. Tabela 1 - Critérios para definição de curva e curva acentuada Raio de curva Ângulo Central Tipo Velocidade (R) (α) Curva Curva acentuada* 60m R 120m 30 α < m R < 450m α > 45 - R 60m α > 30 V 45km/h 60m < R 120m α 45 45km/h V 60km/h (*) Nos casos em que o segmento for classificado como curva acentuada segundo os critérios de raio de curva (R) e ângulo central (α), a velocidade do segmento deverá ser ajustado de acordo com a Tabela 1. B.1. Desnível entre a pista de rolamento e acostamento Essas informações deverão ser coletadas com o intuito de verificar a possibilidade da implantação das tachas que serão instaladas na face externa dos bordos da pista. Quando constatado desníveis superiores a 5 cm, essa informação será transmitida à DIR para posterior encaminhamento à Coordenação-Geral de Construção ou Coordenação-Geral de Restauração e Manutenção para possíveis procedimentos de correção do desnível. B.2. Área de escape (zona livre) Esta consideração se refere ao conceito de zona livre de obstáculos da NBR /2007, cuja definição é área lateral à pista de rolamento que seja traspassável, sem obstruções e sem obstáculos fixos, podendo ser utilizada por veículos errantes para recobrar o controle ou chegar a uma parada segura. Tendo em vista que esse conceito se refere primordialmente à necessidade de implantação de defensas, o levantamento do tipo de situação, conforme Tabela 2 na qual a área de escape se enquadra deverá obrigatoriamente ser realizada em todos os trechos onde se verifica a necessidade de instalação de defensas metálicas, assim como nos locais onde já existem esses dispositivos, a título de inventário. Tabela 2 - Área de Escape - Zona Livre Área de Escape - Zona Livre Plana com pavimento Plana sem pavimento Aclive (Talude de Corte) Declive (Talude de Aterro) * Guia de concreto (calçada com meio fio) Arborizada 7

8 Cerca/Muro privado Corpo hídrico (*) Quando observado que a área de escape se encontra em um talude de aterro deverá ser classificado, segundo procedimentos constantes da NBR /2007, como talude recuperável, talude não recuperável ou talude crítico, conforme observado na Tabela 3. Tabela 3 - Classificação de talude de aterro Tipo de talude de aterro Declividade (i) Talude recuperável 4H:1V ou mais plano Talude não-recuperável 3H:1V < i < 4H:1V Talude crítico i > 3H:1V C. Levantamento dos elementos do inventário Coleta, identificação e armazenamento das informações relativas à sinalização existente, incluindo a sinalização horizontal, sinalização vertical e dispositivos auxiliares de segurança, bem como demais elementos do inventário. No caso das informações referentes a faixa de domínio, deverão ser consideradas o início e o término de cada perímetro urbano. Toda sinalização deverá ser georreferenciada, com precisão mínima de 5 metros, bem como os pontos notáveis conforme indicado na Tabela 6 das Especificações Técnicas do Programa BR- LEGAL. No caso da sinalização vertical, esta deverá ser fotografada (resolução mínima de 5MPx) mostrando a face da placa e, nos casos onde for necessário a remoção/substituição do suporte ou das travessas, deverá ser apresentada, juntamente à foto da placa, foto detalhada do suporte ou das travessas indicando o motivo de substituição/remoção. No caso de pórticos e semi-pórticos deverá ser apresentada uma retroanálise estrutural dos mesmos, com a indicação da possibilidade de mantê-lo, substituí-lo ou removê-lo assim como a justificativa. Todas essas informações serão referentes aos dados obtidos da fase de Levantamento da Sinalização Existente e serão convergidos para Atas de Reunião entre a empresa e a Superintendência Regional, essas atas serão assinadas tanto pela empresa quanto pelo engenheiro do DNIT e farão parte da documentação que compõe o Projeto Básico. A Sinalização existente consiste no cadastramento: i. Sinalização horizontal; ii. Sinalização vertical; iii. Tachas e Tachões; iv. Dispositivos de Segurança; v. Pontes, viadutos, passarelas e túneis; vi. Faixa de Domínio. 8

9 FASE 03 CONTAGEM VOLUMÉTRICA DE TRÁFEGO Essa fase deverá ser executada pela empresa após consulta à Superintendência Regional, Unidades Locais e DPRF. O número de postos deve ser suficiente para definição das classes de VDM para cada segmento da rodovia, em função da presença de contribuições ou derivações do fluxo de tráfego. Para definição dos postos de contagem volumétrica de tráfego serão utilizados preferencialmente os segmentos homogêneos levantados na Fase 02. O equipamento deverá ter capacidade de efetuar a classificação de veículos em até 5 classes e possuir erro inferior a 5% para os volumes medidos por faixa conforme referência apresentada na Tabela 4. As coletas deverão ser realizadas em 7 (sete) dias ininterruptos. Os relatórios de contagem de tráfego devem seguir a configuração apresentada na Tabela 5. Tabela 4 - Referência para classificação de veículos Classes Referência X (m) A Motos 1,00 < X < 2,90 B Carros e Veículos Pequenos 3,00 < X < 5,90 C Caminhões Leves e Ônibus 6,00 < X < 14,90 D Caminhões Pesados 15,00 < X < 18,90 E Especiais 19,00 < X < 25,50 Tabela 5 - Formulário de contagem volumétrica por 24 horas 9

10 Caso a empresa opte em realizar as contagens em períodos de 15min, estas deverão ser consolidadas e apresentadas conforme Tabela 5. A determinação do VHP deverá ser realizada na sessão de estudo para cada intervalo de tempo conforme especificado na Tabela 5. Por sessão de estudo, entende-se a sessão perpendicular ao eixo da rodovia que contempla todas as faixas de rolamento nos dois sentidos de tráfego. Caso as leituras sejam realizadas separadamente para cada sentido de fluxo, estes dados deverão ser somados. O Volume Médio Diário Anual (VDMa) será determinado através da seguinte equação: VHP VDMa = K 50 Em que: VHP Maior volume de tráfego horário no período de contagem do trecho em estudo. K50 Constante a ser adotada de acordo com a Tabela 6. FASE 04 - DIMENSIONAMENTO Tabela 6 - Fator K50 Região Fator K50 Norte 8,00% Nordeste 8,50% Centro 8,60% Sudeste 8,80% Sul 9,10% Nessa fase inicia-se o processo de dimensionamento da sinalização. Todos os projetos deverão levar em consideração os normativos da ABNT, as especificações e normas do DNIT, o Código de Trânsito Brasileiro, o Manual Brasileiro de Sinalização de Trânsito, assim como todas as diretrizes contidas nas Especificações Técnicas dos Editais do BR-LEGAL. A impressão dos Relatórios deve ser feita em impressoras a jato de tinta, ou a laser. APRESENTAÇÃO DO PROJETO BÁSICO E EXECUTIVO A apresentação do projeto básico deverá seguir as seguintes orientações básicas: a) O projeto poderá ser apresentado em diagrama linear; b) A sinalização a ser removida deverá ser apresentada em tom de cinza; c) A sinalização a ser mantida ou implantada será apresentada colorida; d) A indicação de curva à esquerda ou curva à direita deverá ter cores distintas (no caso de ser apresentado em diagrama linear); e) O desenho esquemático das placas deverá ser apresentado na prancha com linha de chamada a partir do local de implantação/remoção/manutenção; Obs.: A empresa/consórcio deverá apresentar apenas o código da placa, conforme Figura 1, no caso de placas cujos padrões já estão pré-estabelecidos em Manuais do CONTRAN, tal como as placas de regulamentação de advertência, essas devem vir 10

11 precedidas do seu código, por exemplo, para uma placa simples de Regulamentação de PARE implantada do lado direito de uma rodovia o código seria PSR1LD-I, assim como coordenada geográfica em graus decimais (lat., long. com 6 casas decimais). PM Placa Modulada PS Placa Simples A Advertência R Regulamentação E Educativa I Indicativa S Serviços Auxiliares T Turística LD Lado Direito LE Lado Esquerdo S Superior R Remover M Manter I Implantar Figura 1- Nomenclatura das placas f) Indicação dos materiais a serem utilizados como tipo de tinta, tipo de tacha, tipo de película e tipo de ancoragem de defensas serão apresentados em projeto. Os quantitativos dos materiais serão apresentados em planilhas à parte; g) No caso de Sinalização Horizontal, tachas e tachões, estas deverão ser apresentadas com a coloração condizente com a preconizada nas Resoluções CONTRAN n 236/2007 e n 160/2004. Deverá ser indicado o km inicial e final, assim como as respectivas coordenadas, de onde inicia e finaliza cada tipo de marca longitudinal distinta com a indicação da nomenclatura do tipo de marca condizente com a Resolução supracitada, inclusive indicando a cadência das marcas seccionadas, e material a ser empregado. Obs.: Os detalhes referentes aos itens f) e g) deverão ser apresentados em vista superior em escala 1:100 no Volume IV, conforme Figura 2, com o intuito de se verificar a largura da plataforma, do acostamento e da marca longitudinal; 11

12 Tacha monodirecional (LxCxA) Conforme NBR Tacha bidirecional (LxCxA) Conforme NBR Tipo de material Tipo de material Figura 2 - Detalhe dos dispositivos h) Para determinação do trecho de ultrapassagem proibida em curvas (horizontal e vertical), deverá ser elaborado um esquema gráfico do perfil da rodovia (curva vertical) e desenho da rodovia em planta (curva horizontal), indicando a presença de obstáculos, tais como: edificações, taludes, árvores etc. Neste detalhe, deverá ser apresentada a distância de visibilidade em função da velocidade regulamentada da via. Nesse aspecto, tendo em vista que o emprego das composições de veículos de carga CVC com mais de duas unidades, incluída a unidade tratora, é uma realidade nas rodovias do País, recomenda-se como orientação aos projetistas o atendimento ao Relatório do IPR de Estudos dos Impactos do Bitrem nas Rodovias Federais Brasileiras, Volumes I e II, conforme links abaixo: i. ii. i) O detalhamento referente a todas as proibição de ultrapassagem deverá ser apresentada conforme j) Figura 3. Esse detalhamento deverá ser apresentado no Volume 4 Detalhamentos. 12

13 Figura 3 - Detalhamento distância de ultrapassagem k) Para as defensas metálicas, deverão ser utilizadas colorações distintas para indicação de defensas e ancoragens novas, assim como defensas e ancoragens existentes, seguida da informação (adequada e inadequada). Deverá ser apresentado, também, detalhamento do tipo de terminal. Em se tratando de Terminal Desviado, deverá ser indicada a deflexão horizontal utilizada em conformidade com NBR 15486/2007; OBS: a planilha de defensas deverá ser preenchida de acordo com os levantamentos realizados em campo. l) Os projetos básico e executivo deverão ser apresentados em conformidade com o segmento do SNV, de modo a contemplar toda a extensão contratada; m) Após o aceite do Projeto Executivo, havendo necessidade de serem feitas alterações, estas correrão as expensas da contratada; n) Não será admitida a execução de serviços sem a elaboração do Projeto Executivo completo; o) A Planilha de Quantitativos deverá ser apresentada por segmento SNV. Os Projetos Básico e Executivo, incluindo todos os anexos, deverão ser entregues da seguinte forma: i. Uma via impressa, cópia digital de todos os arquivos, que compõem os projetos, em formato de mídia (CD, DVD ou PEN DRIVE), com os arquivos editáveis pelo DNIT no padrão AutoCAD, EXCEL, MS Project e uma cópia em versão PDF, conforme Especificação Técnica do Programa BR-LEGAL, protocoladas na Unidade Local; ii. Uma via de igual teor, impressa, cópia digital de todos os arquivos, que compõem os projetos, em formato de mídia (CD, DVD ou PEN DRIVE), com os arquivos editáveis pelo DNIT no padrão AutoCAD, EXCEL, MS Project e uma cópia em versão PDF, conforme Especificação Técnica do Programa BR-LEGAL, protocoladas na Superintendência Regional; iii. Uma via de igual teor, impressa, cópia digital de todos os arquivos, que compõem os projetos, em formato de mídia (CD, DVD ou PEN DRIVE), com os arquivos editáveis pelo DNIT no padrão AutoCAD, EXCEL, MS Project e uma cópia em versão PDF, conforme Especificação Técnica do Programa BR-LEGAL, protocoladas no Apoio da Coordenação-Geral de Operações Rodoviárias DNIT Sede Setor de Autarquias Norte, Quadra 03, Bloco A, Edifício Núcleo dos Transportes, 3 andar Sala

14 Na entrega dos Projetos na CGPERT deverá ser apresentada cópia dos protocolos de entrega dos Projetos na Unidade Local e Superintendência Regional. O prazo para análise do projeto começa a contar a partir da entrega na Coordenação-Geral de Operações Rodoviárias. Os volumes dos Projetos Básico e Executivo de Segurança e Sinalização deverão ser apresentados conforme descrito a seguir: Volume I Apresentação - A4 PROJETO BÁSICO E EXECUTIVO 1) Apresentação 1.1) Empresa/Consórcio 1.2) Lote/Contrato 1.3) Segmento 1.4) Unidade da Federação 1.5) Data de Início do Contrato 1.6) Data de Término do Contrato 2) Mapa de Localização do lote 3) Fase I - Pré-análise do trecho - Inicialmente a empresa/consórcio deverá se reunir na Superintendência Regional para coletar informações gerais relacionadas principalmente ao ambiente no qual o projeto rodoviário em análise está inserido. Serão produzidas atas para cada reunião, que comporão o Projeto Básico. 3.1) Identificação dos Elementos de Projeto 3.2) Índice de Acidentes 3.3) Polos Geradores de Tráfego 3.4) Comportamento do Motorista 3.5) Condições Meteorológicas 3.6) Futuras Melhorias 3.7) Deficiências Gerais 3.8) Projetos Pré-Existentes 4) Fase II - Identificação da Classe Homogênea e Análise do Trecho - A empresa, assim como as Superintendências Regionais, deverão se cadastrar no site do Sistema Georreferenciado de Informações Viárias SGV onde poderão obter informações acerca do trecho onde se elaborará o projeto. Nesta etapa são coletadas informações diretamente no trecho. Todas essas informações constantes nesta fase deverão ser apresentadas nos projetos por meio de planilhas individuais e consolidadas, contendo as seguintes informações: 4.1) Segmentos Homogêneos 4.2) Largura da pista 4.3) Largura do acostamento 4.4) Tipo de curva horizontal 4.5) Tipo de pavimento (macrotextura) 4.6) Desnível entre a pista de rolamento e o acostamento 4.7) Área de Escape (Zona Livre) 14

15 4.8) Interseções/Acessos 4.9) Parada de Coletivos 4.10) Levantamento da Sinalização Existente As planilhas de inventário se encontram no Anexo II da presente Diretriz. Volume II Contagem Volumétrica - A3/A4 - PROJETO BÁSICO E EXECUTIVO Fase III - Contagem Volumétrica de Tráfego e Consolidação dos dados - O número de postos deve ser suficiente para completar a cobertura de todos os trechos. Para definição dos postos de contagem volumétrica de tráfego serão utilizados preferencialmente os segmentos homogêneos levantados na Fase 2, sendo recomendado que se realize pelo menos uma contagem em cada rodovia. A necessidade de mais pontos será determinada pela presença de contribuições ou derivações do fluxo de tráfego. O equipamento deverá ter capacidade de efetuar a classificação de veículos em até 5 faixas e possuir erro inferior a 5% para os volumes medidos por faixa. As coletas deverão ser realizadas em 7 (sete) dias ininterruptos. 1) Mapa detalhado da localização dos postos de contagem 2) Registro Fotográfico das contagens e informação do tipo de equipamento utilizado 3) Formulário de Contagem Volumétrica 4) Consolidação dos dados de contagem 5) Memória de Cálculo Volume III - Projeto - A3 - PROJETO BÁSICO E EXECUTIVO Fase IV - Dimensionamentos - Nessa fase inicia-se o processo de dimensionamento da sinalização. Todos os projetos deverão levar em consideração os normativos da ABNT, as especificações e normas do DNIT, o Código de Trânsito Brasileiro, o Manual Brasileiro de Sinalização de Trânsito, assim como todas as diretrizes contidas nas Especificações Técnicas dos Editais do BR-LEGAL. Onde houver divergências entre as Especificações Técnicas do Edital e o preconizado no Manual Brasileiro de Sinalização de Trânsito, prevalecerão os entendimentos previstos no Manual. 3) Memória de Cálculo (fundações, pórticos e semi-pórticos, defensas, cadência entre delineadores, marcas longitudinais, marcas transversais, marcas de canalização, etc) Volume IV Detalhamentos - A4 PROJETO EXECUTIVO 1) Diagramação das Placas 2) Detalhamento das soluções de projeto (marcas longitudinais, transversais, de canalização, inscrições no pavimento, proibições de ultrapassagens, defensas e terminais) 3) Planilha de Quantitativos Unitários dos Serviços por segmentos SNV por família de serviço; 4) Cronograma Físico de execução dos serviços; 5) Cronograma Financeiro de execução dos serviços; 6) Cronograma Físico-Financeiro de execução dos serviços; ORIENTAÇÕES PADRÃO DOS SERVIÇOS E PROJETOS 15

16 A. Serviços de Manutenção e Conservação da Sinalização Rodoviária e dos Dispositivos de Segurança a) O Plano de Manutenção Periódico Anual deverá ser ajustado sempre que houver necessidade; b) O período inicial de 4 meses da Mobilização da Equipe de Manutenção (período compreendido entre o 3 e 6 mês da Ordem de Início de Serviços) deverá cobrir toda a extensão da malha do lote; c) A empresa deverá manter um escritório localizado dentro dos segmentos previstos para cada lote. Caso seja observada a impossibilidade dessa locação, desde que devidamente justificada, será admitida a locação do escritório num raio máximo de 30km do centro geométrico dos segmentos do lote. A análise e aprovação da locação do escritório ficará ao encargo da Superintendência Regional; d) Deverão ser apresentadas, no mínimo, duas fotos (indicando o antes e o depois da intervenção) por intervenção dos locais onde ocorreram os serviços de manutenção com precisão mínima de uma centena de metros, indicando a rodovia e a data da intervenção; e) Quanto aos lotes que possuem trechos que ainda não se encontram pavimentados, a medição do item Serviços de Manutenção e Conservação da Sinalização Rodoviária e dos Dispositivos de Segurança, uma vez que esses serviços só serão executados nos trechos pavimentados, deverá ser proporcional à extensão dos trechos pavimentados. B. Sinalização Vertical B.1. Distância mínima entre placas Conforme observado no Manual Brasileiro de Sinalização de Trânsito Volume I Sinalização Vertical de Regulamentação e Volume II Sinalização Vertical de Advertência. B.2. Ângulo de Implantação As placas deverão ser instaladas na posição vertical fazendo um ângulo de 93 a 95 em relação ao fluxo de tráfego, voltadas para o lado externo da via conforme Figura 4. Figura 4 - Ângulo de implantação das placas 16

17 B.3. Marco Quilométrico e Placas de Identificação de Rodovias a) Os 2 primeiros marcos quilométricos utilizados em mudança de estados devem ter a indicação da Rodovia, da quilometragem e do Estado, conforme Figura 5. Os demais marcos a serem implantados ao longo de toda rodovia seguirão o padrão indicando apenas a Rodovia e a quilometragem, conforme Figura 6; b) No início de Rodovias Federais (quilômetro zero e todos os entroncamentos entre rodovias federais e entroncamentos com rodovias estaduais) deverá ser utilizada a Placa de Identificação de Rodovias, conforme Figura 7; Figura 5 - Marco quilométrico - Início Figura 6 - Marco quilométrico - Demais casos Figura 7 - Placa de Identificação da Rodovia c) Todos os marcos quilométricos deverão ser validados e corrigidos. Aqueles que se encontrarem em desconformidade de dimensionamento ou posicionamento deverão ser removidos, realocados ou substituídos. d) Nas rodovias de pista simples, os marcos quilométricos deverão ser colocados a cada quilometro, alternando as placas no sentido de circulação da pista conforme Figura 8. BR-101 km 1 BR-101 km 0 Figura 8 - Alternância dos marcos quilométricos e) Nas rodovias de pista dupla, os marcos quilométricos devem ser colocadas a cada quilometro em ambos os sentidos de tráfego conforme Figura 9. 17

18 Figura 9 - Marcos quilométricos em pista dupla B.4. Placas Indicativas a) Tendo em vista que o Volume III do Manual Brasileiro de Sinalização de Trânsito Sinalização Vertical de Indicação já foi colocado em consulta pública e considerando que a minuta apresentava os padrões de fontes semelhantes ao já preconizado nos Volumes I e II (Sinalização Vertical de Regulamentação e Advertência, respectivamente), fica definido como padrão o uso da fonte Standart Alphabets for Highway Signs and Pavement Markings série D e E(m); b) As Placas de Pré-sinalização deverão ter setas oblíquas à esquerda ou à direita, indicando a saída ou alternativamente poderá ser utilizada a indicação de distância até o acesso/saída, indicando o nome acesso/saída para nome da cidade a xxm. As placas de confirmação deverão apresentar setas na posição horizontal à direita ou à esquerda ou vertical. Nos casos em que as placas de confirmação estiverem locadas no início do taper s de desaceleração e a geometria do acesso for oblíqua, poderão ser utilizadas as setas oblíquas. c) Para elaboração do projeto de orientação de destino, deverá ser elaborado um esquema geral unifilar da malha rodoviária a ser sinalizada conforme figura, configurada em nós e links, sendo: i. Nó interseção de duas ou mais vias e o ponto de referência para a distribuição de viagens; ii. Link é o trecho da rodovia compreendido entre dois nós. 18

19 Figura 10 - Esquema geral unifilar da malha rodoviária d) Quando houver mais de uma informação em uma mesma placa, essas devem ser ordenadas seguindo a sequência indicativa, serviço auxiliar e turística; e) Deverão ser prevista no projeto placas indicativas, indicando os limites de municípios; f) A sinalização de orientação de destinos (indicativa) deverá ser dimensionada, para os usuários de curta, média e longa distância. Para efeito desta Diretriz definimos: i. Longa distância localidades de importância nacional; ii. Média distância localidades de importância estadual; iii. Curta distância localidades de importância municipal. g) Em interseções ou rotatórias complexas com muitos tramos (derivações), utilizar preferencialmente placas diagramadas de pré-sinalização cujo layout represente a geometria da interseção, tal como observado na Figura 11; 19

20 Figura 11 - Placa diagramada h) Padronizar placas de Serviços Auxiliares (ex: posto de combustível). Basta que sejam apresentados apenas os pictogramas, sem indicar nomes de hotéis, restaurantes, postos de combustíveis e outros, conforme Figura 12; Deverá ser implantado nas saídas dos postos de abastecimentos placas contendo a distância do próximo posto de abastecimento; Figura 12 - Placa de Serviço Auxiliar i) Os postos de fiscalização (Polícia Rodoviária Federal, Postos de Pesagem, Postos Fiscalização Fazendária ou Aduaneira) deverão ser sinalizados com placas de présinalização com indicativo de distância (mínimo 500m), placas de confirmação com setas e placas de identificação quando for o caso, vide Figura 13. Figura 13 - Esquema geral de pré-sinalização j) Deverão ser implantadas placas com os dizeres PRF EMERGÊNCIA 191, a cada 40 km de acordo com o apresentado na Figura

21 B.5. Figura 14 - Polícia Rodoviária Federal Deverão ser implantadas Placas de Identificação de Limite de Municípios/Divisa de Estados/Fronteira/Perímetro Urbano em todos os casos. Placas educativas a) Deverá ser implantada, no mínimo, uma placa educativa para cada trecho de 30 km; b) Tendo em vista que o Volume III do Manual Brasileiro de Sinalização de Trânsito Sinalização Vertical de Indicação já foi colocado em consulta pública e considerando que a minuta apresentava os padrões de fontes semelhantes ao já preconizado nos Volumes I e II (Sinalização Vertical de Regulamentação e Advertência, respectivamente fica definido como padrão o uso da fonte Standart Alphabets for Highway Signs and Pavement Markings série D e E(m). B.6. Placas Turísticas a) Atender às sugestões de implantação definidas pela Coordenação de Segurança e Engenharia de Trânsito do DNIT, tipos A, B e C, conforme apresentado no Anteprojeto; b) Não há necessidade de escrever na placa turística pontos turísticos ou roteiros turísticos, basta informar os locais; c) Tendo em vista que o Volume III do Manual Brasileiro de Sinalização de Trânsito Sinalização Vertical de Indicação já foi colocado em consulta pública e considerando que a minuta apresentava os padrões de fontes semelhantes ao já preconizado nos Volumes I e II (Sinalização Vertical de Regulamentação e Advertência, respectivamente), fica definido como padrão o uso da fonte Standart Alphabets for Highway Signs and Pavement Markings série D e E(m); C. Sinalização Horizontal a) Indicar início e fim de cada tipo de Marcação Horizontal, com posição georreferenciada e marcação do quilômetro com precisão de duas casas decimais. Apresentar em ordem crescente de quilometragem, separando o tipo de marca longitudinal em conformidade com a planilha do Anexo II; b) Os detalhes referentes à sinalização horizontal deverão ser apresentados no Volume IV Detalhamentos e poderão ser criados modelos-tipo para associação a cada prancha de projeto; c) Deverá ser indicado o sentido de tráfego da rodovia, utilizando-se seta de projeto na coloração preta. 21

22 d) Nos pavimentos de concreto deve ser utilizada a tinta preta para proporcionar contraste entre as marcas viárias/inscrições e o pavimento. Nas faixas de travessia de pedestres (FTP) todo o conjunto desta sinalização deverá possuir o contraste na cor preta conforme Figura 15. Figura 15 - Travessias em pavimentos de concreto e) Nos casos em que forem constatadas cadências diferentes do preconizado no Manual de Brasileiro de Sinalização de Trânsito Volume IV Sinalização Horizontal, deverão ser seguidas as seguintes orientações: Os projetos deverão apresentar as cadências em conformidade com o preconizado no Manual de Brasileiro de Sinalização de Trânsito Volume IV Sinalização Horizontal; Quando do momento da execução dos serviços serão admitidas a manutenção das cadências existentes, desde que haja previsão de intervenções de restauração no segmento no período. Após as intervenções de restauração do pavimento deverão ser corrigidas para as cadências de projeto; f) Nos locais onde forem constatadas a necessidade de remoção da sinalização, deverão ser seguidos os processos de remoção de demarcação preconizados no item 4.4 da NBR D. Dispositivos Auxiliares Para definição da cadência de instalação de Marcadores de Alinhamento (Delineadores) deverá ser seguido o Manual de Sinalização Rodoviária do DNIT. Estes, os delineadores, deverão ser instalados em todas as curvas. Não se admitindo a sua instalação em outras situações. Demais casos onde se deseje melhorar a percepção do condutor quanto aos obstáculos e situações geradoras de perigo potencial à sua circulação, tal como cabeceiras de ponte e emboques de túneis, verificar a possibilidade de instalação de Marcadores de Obstáculos e Marcadores de Perigo; A distância entre os delineadores é dada pela expressão: d = R Em que: R=raio da curva Na Tabela 7 é apresentada as distâncias entre delineadores em função do raio da curva, constante do Manual de Sinalização Rodoviária do DNIT: Tabela 7- Distância entre delineadores 22

23 PROJETOS PADRÃO Sempre que houver a redução da velocidade regulamentada da via devido a alguma especificidade do trecho, deve-se prever, após a área crítica, a retomada da velocidade inicial. Estas reduções deverão ser homologadas pela Unidade Local. Preferencialmente, deverão ser utilizadas as soluções apresentadas a seguir: A. Escolas Por trecho escolar, entende-se o perímetro de 1km (500m antes e 500m depois da travessia ou linha de desejo de travessia). E deverá contemplar os dispostos apresentados a seguir. A.1. Sinalização Horizontal A.2. a) Pintura de Faixa de Travessia de Pedestres, com a respectiva linha de retenção; b) Legenda DEVAGAR e ESCOLA (a 100m da travessia ou linha de desejo); c) Marcação de acostamento pavimentado e de canteiros centrais fictícios (MAC). Sinalização Vertical a) Placa compostas A33-a ou A-33b com informação complementar A 500m, A 200m e no local da travessia, com a seta indicativa; b) Placa para pedestres, indicando o local da travessia. Essas placas deverão ser posicionadas preferencialmente no sentido paralelo ao sentido de tráfego e, portanto, voltadas aos pedestres. c) Placas R-19 sequenciais indicando a redução de velocidade até a velocidade de segurança no trecho escolar (a ser definida por meio de estudos de engenharia), observando as distâncias de reação, percepção e legibilidade. A.3. Dispositivos Auxiliares a) Tachões refletivos instalados de 2 em 2m nos bordos e no eixo (150m antes e 150m depois da travessia) B. Paradas de Ônibus 23

Guia Prático Programa Nacional de Segurança e Sinalização Rodoviária - BR-LEGAL

Guia Prático Programa Nacional de Segurança e Sinalização Rodoviária - BR-LEGAL Guia Prático Programa Nacional de Segurança e Sinalização Rodoviária - BR-LEGAL 1 Sumário CAPÍTULO I - OBJETIVO DO GUIA PRÁTICO... 7 CAPÍTULO II - DESIGNAÇÃO DOS FISCAIS... 7 CAPÍTULO III - CADASTRAMENTO

Leia mais

ANEXO II. Especificações Técnicas Programa BR-LEGAL

ANEXO II. Especificações Técnicas Programa BR-LEGAL ANEXO II Especificações Técnicas Programa BR-LEGAL Página 39 de 88 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1. Introdução A implantação da sinalização de trânsito e de dispositivos de segurança possibilita uma maior fluidez

Leia mais

Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso

Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso Nos termos do Contrato de Concessão, bem como dos regulamentos administrativos impostos pelo Poder Concedente, compete à ECO101 Concessionária

Leia mais

SINALIZAÇÃO HORIZONTAL. Profa. Mariana de Paiva

SINALIZAÇÃO HORIZONTAL. Profa. Mariana de Paiva SINALIZAÇÃO HORIZONTAL Profa. Mariana de Paiva 3. INSTRUMENTOS DE CONTROLE DE TRÁFEGO 3.2 SINALIZAÇÃO CLASSIFICAÇÃO Sinalização Vertical Sinalização Horizontal Sinais Luminosos Dispositivos de Sinalização

Leia mais

5. CLASSIFICAÇÃO DA SINALIZAÇÃO DE INDICAÇÃO

5. CLASSIFICAÇÃO DA SINALIZAÇÃO DE INDICAÇÃO 5. CLASSIFICAÇÃO DA SINALIZAÇÃO DE INDICAÇÃO 5.1 Placas de identificação Posicionam o condutor ao longo do seu deslocamento, ou com relação a distâncias, ou locais de destino. 5.1.1 Placas de identificação

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE PROJETO DE SINALIZAÇÃO VIARIA NA AVENIDA ORESTES BAIENSE E REVITALIZAÇÃO DAS RUAS ADJACENTES PRESIDENTE KENNEDY - ES

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE PROJETO DE SINALIZAÇÃO VIARIA NA AVENIDA ORESTES BAIENSE E REVITALIZAÇÃO DAS RUAS ADJACENTES PRESIDENTE KENNEDY - ES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE PROJETO DE SINALIZAÇÃO VIARIA NA AVENIDA ORESTES BAIENSE E REVITALIZAÇÃO DAS RUAS ADJACENTES PRESIDENTE KENNEDY - ES MEMORIAL DESCRITIVO CADERNO Nº 04 Memorial Descritivo De

Leia mais

1. O QUE É SINALIZAÇÃO DE TRÂNSITO?... 3 2. CLASSIFICAÇÃO DA SINALIZAÇÃO DE TRÂNSITO... 4

1. O QUE É SINALIZAÇÃO DE TRÂNSITO?... 3 2. CLASSIFICAÇÃO DA SINALIZAÇÃO DE TRÂNSITO... 4 SUMÁRIO 1. O QUE É SINALIZAÇÃO DE TRÂNSITO?... 3 2. CLASSIFICAÇÃO DA SINALIZAÇÃO DE TRÂNSITO... 4 2.1. Sinalização Vertical... 6 2.1.1. Sinalização de Regulamentação... 7 2.1.2. Sinalização de Advertência...

Leia mais

Autor do Proj./Resp. Técnico CREA / UF ENG.º EDUARDO M. NAGAO 5060215720/SP. Coord. Adjunto Contrato. Sítio GERAL. Especialidade / Subespecialidade

Autor do Proj./Resp. Técnico CREA / UF ENG.º EDUARDO M. NAGAO 5060215720/SP. Coord. Adjunto Contrato. Sítio GERAL. Especialidade / Subespecialidade 0 EMISSÃO INICIAL 08/03/10 LG WV Rev Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo Coordenador de Projeto CREA / UF ENGº WILSON VIEIRA 060040558/SP Autor do Proj./Resp. Técnico CREA / UF ENG.º EDUARDO

Leia mais

6. ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ORIENTAÇÃO DE DESTINO

6. ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ORIENTAÇÃO DE DESTINO 6. ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ORIENTAÇÃO DE DESTINO Este capítulo apresenta uma metodologia para a elaboração de projeto de sinalização de orientação de destino cujas placas são tratadas nos itens 5.2, 5.4,

Leia mais

Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição de energia.

Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição de energia. fls. 1/11 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição

Leia mais

RESOLUÇÃO N 495, DE 5 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO N 495, DE 5 DE JUNHO DE 2014 RESOLUÇÃO N 495, DE 5 DE JUNHO DE 2014 Estabelece os padrões e critérios para a instalação de faixa elevada para travessia de pedestres em vias públicas. O CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO CONTRAN, usando

Leia mais

PROJETO BR-116 BR-381 BR 116 BR 381 PESQUISAS E ESTUDOS DE VIABILIDADE DE PPP. Sistema Rodoviário Federal - Minas Gerais.

PROJETO BR-116 BR-381 BR 116 BR 381 PESQUISAS E ESTUDOS DE VIABILIDADE DE PPP. Sistema Rodoviário Federal - Minas Gerais. BNDES PESQUISAS E ESTUDOS DE VIABILIDADE DE PPP Sistema Rodoviário Federal - Minas Gerais GO BA DISTRITO FEDERAL MINAS GERAIS GOIÁS BR 116 BR 040 PROJETO BR-116 BR-381 BR 381 ES SP RJ Produto 3A ESTUDOS

Leia mais

2.3 Os projetos somente serão liberados pelos técnicos se estiverem assinados e acompanhados das respectivas ARTs ou RRTs.

2.3 Os projetos somente serão liberados pelos técnicos se estiverem assinados e acompanhados das respectivas ARTs ou RRTs. INSTRUÇÃO TÉCNICA 11 COMUNICAÇÃO VISUAL E SINALIZAÇÃO Revisão 00 jan/2014 1 OBJETIVO 1.1 Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam os procedimentos, critérios e padrões a serem adotados para elaboração

Leia mais

Veículo de Diagnóstico de Rodovias (VDR)

Veículo de Diagnóstico de Rodovias (VDR) Veículo de Diagnóstico de Rodovias (VDR) Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) Ministério dos Transportes (MT) Para cobrir os 55 mil km de rodovias federais eram precisos 18 meses

Leia mais

ANEXO II DO CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO - CTB

ANEXO II DO CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO - CTB ANEXO II DO CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO - CTB 1. SINALIZAÇÃO VERTICAL É um subsistema da sinalização viária cujo meio de comunicação está na posição vertical, normalmente em placa, fixado ao lado ou

Leia mais

7. DIAGRAMAÇÃO DAS PLACAS

7. DIAGRAMAÇÃO DAS PLACAS 7. DIAGRAMAÇÃO DAS PLACAS A diagramação das placas de Sinalização Vertical de Indicação compreende os seguintes passos: Definição da altura das letras, a partir da velocidade regulamentada na via; Dimensionamento

Leia mais

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT - IBR 001/2006 PROJETO BÁSICO Primeira edição: válida a partir de 07/11/2006 Palavras Chave: Projeto Básico,

Leia mais

No meio urbano o desenvolvimento econômico passa pela relação entre os indivíduos, as edificações e os meios de deslocamento.

No meio urbano o desenvolvimento econômico passa pela relação entre os indivíduos, as edificações e os meios de deslocamento. No meio urbano o desenvolvimento econômico passa pela relação entre os indivíduos, as edificações e os meios de deslocamento. Pólos Geradores de Tráfego As cidades brasileiras vivem um momento de mudança

Leia mais

Segurança do trânsito 8. A sinalização rodoviária Fevereiro 2010. 8. A sinalização

Segurança do trânsito 8. A sinalização rodoviária Fevereiro 2010. 8. A sinalização 8. A sinalização Aula Interdisciplinar Indicação: 6º ao 9º Ano do Ensino Fundamental Ilustração do Manual de Direção Defensiva do DENATRAN Através da sinalização, os responsáveis pelo trânsito transmitem

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação, sinalização e isolamento de obras e serviços

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação, sinalização e isolamento de obras e serviços PÁG. 1/16 1. OBJETIVO Estabelecer um padrão de sinalização, identificação e isolamento nas obras e serviços da Bahiagás, a fim de minimizar os riscos a das atividades em vias públicas, proteger os munícipes

Leia mais

Atividade 1 - Análise

Atividade 1 - Análise PARTE 1 Introdução A continuidade do Programa Nacional de Controle Eletrônico de Velocidade, em uma nova versão, está sendo discutida pelos diversos atores envolvidos, especialmente os técnicos do DNIT

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHOS PUBLICITÁRIOS A SEREM INSTALADOS NAS FAIXAS DE DOMÍNIO DAS RODOVIAS

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHOS PUBLICITÁRIOS A SEREM INSTALADOS NAS FAIXAS DE DOMÍNIO DAS RODOVIAS INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE A SEREM INSTALADOS NAS FAIXAS DE DOMÍNIO DAS RODOVIAS DO SISTEMA RODOVIÁRIO DO DISTRITO FEDERAL 1. OBJETIVO Estabelecer complementação visando instruir

Leia mais

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases:

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases: ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Passarela para Pedestres em Projetos de Engenharia Ferroviária. 2. FASES DO PROJETO O

Leia mais

a) Peso Bruto Total Combinado - PBTC igual ou inferior a 74 toneladas;

a) Peso Bruto Total Combinado - PBTC igual ou inferior a 74 toneladas; RESOLUÇÃO CONTRAN Nº 211, de 13/11/2006 Requisitos necessários à circulação de Combinações de Veículos de Carga - CVC, a que se referem os arts. 97, 99 e 314 do Código de Trânsito Brasileiro - CTB. O CONSELHO

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL LINHA VERDE CIC

IMPLANTAÇÃO DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL LINHA VERDE CIC MEMORIAL DESCRITIVO IMPLANTAÇÃO DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL LINHA VERDE CIC Lote 01 MARÇO/2011 1. PROJETO DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL LINHA VERDE CIC SUL INTRODUÇÃO O Projeto de Sinalização

Leia mais

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos Sistema topograph 98 Tutorial Módulo Projetos Como abrir um projeto existente _ 1. Na área de trabalho do Windows, procure o ícone do topograph e dê um duplo clique sobre ele para carregar o programa.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 160, DE 22 DE ABRIL DE 2004.

RESOLUÇÃO Nº 160, DE 22 DE ABRIL DE 2004. RESOLUÇÃO Nº 160, DE 22 DE ABRIL DE 2004. Aprova o Anexo II do Código de Trânsito Brasileiro. O CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO - CONTRAN, usando da competência que lhe confere o art. 12, inciso VIII, da

Leia mais

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos.

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, oleodutos. APROVAÇÃO EM: Portaria SUP/DER-

Leia mais

Instrução de Plano de Trabalho para Implantação de Sinalização Rodoviária

Instrução de Plano de Trabalho para Implantação de Sinalização Rodoviária Elaboração de ações preventivas e corretivas de segurança rodoviária, por meio de identificação e mapeamento dos segmentos críticos da malha viária do DNIT Produto Complementar Instrução de Plano de Trabalho

Leia mais

10. POSICIONAMENTO DA SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA

10. POSICIONAMENTO DA SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA 10. POSICIONAMENTO DA SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA Os dispositivos de sinalização semafórica devem ser implantados segundo critérios de projeto, de modo que a informação resultante para os condutores de veículos

Leia mais

PASSAGEM SUPERIOR E INFERIOR Revisão 26/06/12

PASSAGEM SUPERIOR E INFERIOR Revisão 26/06/12 Em atenção à solicitação de autorização para construção de Passagem Superior e Inferior, informamos que para abertura do processo e análise do pedido, serão necessários os documentos abaixo para cada Passagem.

Leia mais

Companhia de Engenharia de Tráfego MANUAL DE SINALIZAÇÃO URBANA. Rodízio. Critérios de Projeto Revisão 0. Volume 12

Companhia de Engenharia de Tráfego MANUAL DE SINALIZAÇÃO URBANA. Rodízio. Critérios de Projeto Revisão 0. Volume 12 Companhia de Engenharia de Tráfego MANUAL DE SINALIZAÇÃO URBANA Rodízio Critérios de Projeto Revisão 0 Volume 12 Fevereiro - 2014 Introdução Esta norma de projeto faz parte do Manual de Sinalização Urbana,

Leia mais

NACIONAL DE TRÂNSITO CONTRAN

NACIONAL DE TRÂNSITO CONTRAN Manual Brasileiro de Sinalização de Trânsito VOLUME I Sinalização Vertical de Regulamentação CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO CONTRAN DENATRAN 2005 Ministério das Cidades Presidente da República LUIZ INÁCIO

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO INTERNO. Principais Objetivos do Sistema de Gerenciamento de Autorização Especial de Trânsito SIAET

MANUAL DO USUÁRIO INTERNO. Principais Objetivos do Sistema de Gerenciamento de Autorização Especial de Trânsito SIAET MANUAL DO USUÁRIO INTERNO Introdução O Sistema de Gerenciamento de Autorização Especial de Trânsito SIAET é um sistema informatizado de prestação de serviços através da internet, desenvolvido para solicitação,

Leia mais

ANEXO I TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMOS DE REFERÊNCIA 1 OBJETO O objeto da presente licitação é a Seleção de empresa especializada para Execução de Serviços Técnicos de Vídeo Registro da Rede Rodoviária Federal Pavimentada com

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS 1 OBJETIVO Revisão 00 fev/2014 1.1 Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam

Leia mais

Inicie a disciplina apresentando novamente o objetivo geral e agora os específicos para esta aula que estão no Plano

Inicie a disciplina apresentando novamente o objetivo geral e agora os específicos para esta aula que estão no Plano Inicie a disciplina apresentando novamente o objetivo geral e agora os específicos para esta aula que estão no Plano de Aula Teórica da disciplina de Legislação de Trânsito 14, neste material. 115 Para

Leia mais

RESOLUÇÃO N, 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO N, 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO N, 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para a fiscalização da velocidade de veículos automotores, reboques e semirreboques, conforme o Código de Trânsito Brasileiro.

Leia mais

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG NORMA INTERNA: UTILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE SINALIZAÇÃO DE OBRAS E

Leia mais

7. DIAGRAMAÇÃO DAS PLACAS

7. DIAGRAMAÇÃO DAS PLACAS 7. DIAGRAMAÇÃO DAS PLACAS A diagramação das placas de Sinalização Vertical de Indicação compreende os seguintes passos: Definição da altura das letras, a partir da velocidade regulamentada na via; Dimensionamento

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL 2 Publicação IPR - 727/2006 Diretrizes Básicas

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE REDE DE ENERGIA ELÉTRICA NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE REDE DE ENERGIA ELÉTRICA NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de rede de transmissão e/ou distribuição de energia elétrica nas faixas de domínio das rodovias sob jurisdição do DERBA, assim

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANGÃO

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANGÃO LEI COMPLEMENTAR 024 de 17 de outubro de 2011 DISPÕE SOBRE O SISTEMA VIARIO DO MUNICIPIO DE SANGÃO-SC E DA OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Antônio Mauro Eduardo, Prefeito Municipal de Sangão, faz saber a todos os

Leia mais

SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 8 2. INTRODUÇÃO 9 3. CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA 11

SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 8 2. INTRODUÇÃO 9 3. CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA 11 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 8 2. INTRODUÇÃO 9 2.1 Formas de controle do tráfego em interseção ou seção de via... 9 2.2 Princípios da Sinalização Semafórica... 9 3. CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SINALIZAÇÃO HORIZONTAL

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SINALIZAÇÃO HORIZONTAL ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SINALIZAÇÃO HORIZONTAL OBRA: CICLOVIA E ROTATÓRIAS LOCAL: AV. OSVALDO ARANHA S. S. DO CAÍ 1. SERVIÇOS PRELIMINARES: Antes de qualquer operação na obra, deverão estar reunidos e

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 38, DE 11 DE JULHO DE 2003

DELIBERAÇÃO Nº 38, DE 11 DE JULHO DE 2003 DELIBERAÇÃO Nº 38, DE 11 DE JULHO DE 2003 Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para a fiscalização da velocidade, de avanço de sinal vermelho e da parada sobre a faixa de pedestres de veículos automotores,

Leia mais

Placas de regulamentação. R-4a Proibido virar à esquerda. R-8a Proibido mudar de faixa ou pista de trânsito da esquerda para direita

Placas de regulamentação. R-4a Proibido virar à esquerda. R-8a Proibido mudar de faixa ou pista de trânsito da esquerda para direita Sinalização Sinalização vertical Código de Trânsito Brasileiro (CTB) Anexo II Conselho Nacional de Trânsito (Contran) De acordo com sua função, a sinalização vertical pode ser de regulamentação, de advertência

Leia mais

ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS

ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços de Estudos Topográficos nos Projetos Básicos de Engenharia Ferroviária. Devem ser considerados

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG

ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG DNIT - SREMG João Monlevade - 28/06/2012 ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG RODOVIA: BR-381MG TRECHO: DIVISA ES/MG - DIV. MG/SP

Leia mais

MANUAL DE SINALIZAÇÃO RODOVIÁRIA 2ª edição

MANUAL DE SINALIZAÇÃO RODOVIÁRIA 2ª edição MANUAL DE SINALIZAÇÃO RODOVIÁRIA 2ª edição VOLUME III OBRAS, SERVIÇOS DE CONSERVAÇÃO E EMERGÊNCIA 2006 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM Manual

Leia mais

Estado de Mato Grosso PREFEITURA MUNICIPAL DE PRIMAVERA DO LESTE Secretaria Municipal de Infraestrutura Departamento de Engenharia

Estado de Mato Grosso PREFEITURA MUNICIPAL DE PRIMAVERA DO LESTE Secretaria Municipal de Infraestrutura Departamento de Engenharia MEMORIAL DESCRITIVO CONSTRUÇÃO DE ROTATÓRIAS, CANTEIROS E FAIXAS ELEVADAS EM DIVERSAS VIAS PÚBLICAS DO MUNICÍPIO Local 1: BORGUETTI; Local 2: Local 3: - RUA DO COMÉRCIO, ENTRE AV. INÁCIO CASTELLI E RUA

Leia mais

Os Levantamentos somente serão liberados pelos técnicos se estiverem assinados e acompanhados das respectivas ARTs ou RRTs.

Os Levantamentos somente serão liberados pelos técnicos se estiverem assinados e acompanhados das respectivas ARTs ou RRTs. INSTRUÇÃO TÉCNICA 11 COMUNICAÇÃO VISUAL E SINALIZAÇÃO Revisão 00 jan/2014 1 OBJETIVO Esta Instrução Técnica apresenta os procedimentos, critérios e padrões que deverão ser adotados na execução de serviço

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO

INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO 1. OBJETIVO 1.1. Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam os procedimentos, critérios e padrões a serem adotados para elaboração dos

Leia mais

NORMA DA INFRAERO PINTURA DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL NAS ÁREAS DE MOVIMENTO DE AERONAVES PARA CONDIÇÕES NORMAIS DE OPERAÇÃO

NORMA DA INFRAERO PINTURA DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL NAS ÁREAS DE MOVIMENTO DE AERONAVES PARA CONDIÇÕES NORMAIS DE OPERAÇÃO NORMA DA INFRAERO ASSUNTO PINTURA DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL NAS ÁREAS DE MOVIMENTO DE PARA CONDIÇÕES NORMAIS DE OPERAÇÃO RESPONSÁVEL DIRETORIA DE OPERAÇÕES (DO) SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO OPERACIONAL (DOGP)

Leia mais

c Publicada no DOU de 2-9-2003.

c Publicada no DOU de 2-9-2003. RESOLUÇÃO DO CONTRAN N o 146, DE 27 DE AGOSTO DE 2003 Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para a fiscalização da velocidade de veículos automotores, reboques e semirreboques, conforme o Código de

Leia mais

SECRETARIA DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM MANUAL ATIVIDADES GERAIS 3.02 AUTORIZAÇÕES PARA ACESSO ÀS ESTRADAS

SECRETARIA DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM MANUAL ATIVIDADES GERAIS 3.02 AUTORIZAÇÕES PARA ACESSO ÀS ESTRADAS SECRETARIA DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM MANUAL ATIVIDADES GERAIS 3.0 SEÇÃO 3.0: AUTORIZAÇÕES PARA ACESSO ÀS ESTRADAS APROVAÇÃO: Em 1/06/1978 às fls. 197 dos autos 14.795/DER/197

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol.

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio,

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE NOVOS ACESSOS ÀS RODOVIAS

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE NOVOS ACESSOS ÀS RODOVIAS INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE NOVOS ACESSOS ÀS RODOVIAS SOB JURISDIÇÃO DO DER/DF 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de acesso nas faixas de

Leia mais

DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1. OBJETIVO Esta Diretriz fixa as condições exigíveis na elaboração de plantas e relatórios detalhados do cadastro de redes de coleta de esgoto,

Leia mais

ANEXO II 1.1. SINALIZAÇÃO DE REGULAMENTAÇÃO. Tem por finalidade informar aos usuários as condições, proibições, obrigações ou restrições no

ANEXO II 1.1. SINALIZAÇÃO DE REGULAMENTAÇÃO. Tem por finalidade informar aos usuários as condições, proibições, obrigações ou restrições no ANEXO II 1. SINALIZAÇÃO VERTICAL É um subsistema da sinalização viária cujo meio de comunicação está na posição vertical, normalmente em placa, fixado ao lado ou suspenso sobre a pista, transmitindo

Leia mais

GERENCIAMENTO DE VEÍCULOS

GERENCIAMENTO DE VEÍCULOS 1. OBJETIVO Estabelecer o procedimento padrão a ser implementado na Irapuru Transportes Ltda quanto ao gerenciamento (solicitação e programação) de veículos (carretas e cavalos) da frota própria bem como

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS/SISTEMAS EM CAMPO TESTE EM ESCALA REAL

AVALIAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS/SISTEMAS EM CAMPO TESTE EM ESCALA REAL ANEXO 4 AVALIAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS/SISTEMAS EM CAMPO TESTE EM ESCALA REAL CONCORRÊNCIA Nº 02/2012 ANEXO 4 - FL. 2 DA AVALIAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS A empresa LICITANTE detentora da melhor proposta, deverá

Leia mais

Cadastro da Sinalização Horizontal

Cadastro da Sinalização Horizontal Cadastro da Sinalização Horizontal Rodovia: BR-040 - Lote 1 Km inicial Localização Km final Extensão (m) 564,080 567,080 3000 567,080 569,800 2720 569,800 572,560 2760 572,560 574,580 2020 574,580 575,080

Leia mais

DNIT. Obras complementares Segurança no tráfego rodoviário - Projeto de barreiras de concreto Procedimento /2009 NORMA DNIT - PRO

DNIT. Obras complementares Segurança no tráfego rodoviário - Projeto de barreiras de concreto Procedimento /2009 NORMA DNIT - PRO DNIT /2009 NORMA DNIT - PRO Obras complementares Segurança no tráfego rodoviário - Projeto de barreiras de concreto Procedimento MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES

Leia mais

SAU SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS. Outubro/2008

SAU SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS. Outubro/2008 SAU SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS Outubro/2008 O QUE É O SAU? SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS PROJETO PILOTO ABRANGENDO 421,2 KM DE TRECHOS DAS RODOVIAS FEDERAIS BR-040, BR- 060 E BR-153, NO DISTRITO

Leia mais

NOVEMBRO 2013 1º RELATÓRIO DE ANDAMENTO

NOVEMBRO 2013 1º RELATÓRIO DE ANDAMENTO NOVEMBRO 2013 ESTUDO PRELIMINAR PARA IMPLANTAÇÃO DE PONTE SOBRE O RIO SÃO FRANCISCO, ENTRE OS MUNICÍPIOS DE PENEDO/AL E NEÓPOLIS/SE 1º RELATÓRIO DE ANDAMENTO ESTUDO PRELIMINAR PARA IMPLANTAÇÃO DE PONTE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 146, DE 27 DE AGOSTO DE 2003 (com as alterações das Resoluções nº 165/04, nº 202/06 e nº 214/06)

RESOLUÇÃO Nº 146, DE 27 DE AGOSTO DE 2003 (com as alterações das Resoluções nº 165/04, nº 202/06 e nº 214/06) RESOLUÇÃO Nº 146, DE 27 DE AGOSTO DE 2003 (com as alterações das Resoluções nº 165/04, nº 202/06 e nº 214/06) Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para a fiscalização da velocidade de veículos automotores,

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE ACESSO NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE ACESSO NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de acesso nas faixas de domínio das rodovias sob jurisdição do DERBA, assim como orientar quanto aos procedimentos administrativos

Leia mais

Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências.

Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências. LEI COMPLENTAR Nº 136, DE 15 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências. O Sr. Adriano Xavier Pivetta, Prefeito Municipal de Nova Mutum, Estado

Leia mais

Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça.

Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça. fls. 1/5 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio,

Leia mais

Edição Número 158 de 17/08/2004 Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA

Edição Número 158 de 17/08/2004 Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA Resoluções Edição Número 158 de 17/08/2004 Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA RESOLUÇÃO Nº 349, DE 16 DE AGOSTO DE 2004 Dispõe sobre o licenciamento ambiental de empreendimentos

Leia mais

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Página 1 de 9 Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Capitulos 01 - Requisitos 02 - Etaqpas 03 - Traçado 04 - Trafego e Clssificação 05 - Geometria 06 - Caracteristicas Técnicas 07 - Distancia

Leia mais

CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MOBILIDADE URBANA. Lúcia Maria Mendonça Santos Ministério das Cidades

CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MOBILIDADE URBANA. Lúcia Maria Mendonça Santos Ministério das Cidades CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MOBILIDADE URBANA Lúcia Maria Mendonça Santos S e m i n á r i o M o b i l i d a d e U r b a n a S u s t e n t á v e l : P r á t i c a s e T e n d ê n c

Leia mais

MANUAL DE SINALIZAÇÃO RODOVIÁRIA 2ª edição

MANUAL DE SINALIZAÇÃO RODOVIÁRIA 2ª edição MANUAL DE SINALIZAÇÃO RODOVIÁRIA 2ª edição VOLUME I PROJETO 2006 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM Manual de sinalização rodoviária. -- São Paulo

Leia mais

LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE LEI:

LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE LEI: LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Lei do Sistema Viário do Município de Cafeara, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE

Leia mais

TRILHA DE CAPACITAÇÃO CONTRATOS E MEDIÇÕES

TRILHA DE CAPACITAÇÃO CONTRATOS E MEDIÇÕES Objetivo: introdução à gestão de contratos e medições, visão geral do SMO e suas principais funcionalidades. não há. TRILHA I (Básico) TRILHA II (Intermediário) TRILHA III (Avançado) Objetivo: adquirir

Leia mais

Companhia de Engenharia de Tráfego MANUAL DE SINALIZAÇÃO URBANA. Espaço Cicloviário. Critérios de Projeto Volume 13 Revisão 0

Companhia de Engenharia de Tráfego MANUAL DE SINALIZAÇÃO URBANA. Espaço Cicloviário. Critérios de Projeto Volume 13 Revisão 0 Companhia de Engenharia de Tráfego MANUAL DE SINALIZAÇÃO URBANA Espaço Cicloviário Critérios de Projeto Volume 13 Revisão 0 GPL/Normas Dezembro-2014 Introdução Esta norma de projeto faz parte do Manual

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES DA BAHIA 1. OBJETIVO

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES DA BAHIA 1. OBJETIVO 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de adutoras de água e emissário de esgoto nas faixas de domínio das rodovias sob jurisdição do DERBA, assim como orientar quanto

Leia mais

EDITAL 686/2013-00 2º CADERNO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS

EDITAL 686/2013-00 2º CADERNO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS EDITAL 686/2013-00 2º CADERNO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS Pergunta nº01: Quanto a informações contidas nos Requisitos Técnicos e de Desempenho, item 3, do Volume IV OPERAÇÃO, do Anteprojeto dos PIAF s: 1.1-

Leia mais

2. Critérios PA escolha e priorização ao atendimento das escolas. 2.1.1. Levantamento das escolas particulares, estaduais e municipais por Dec s

2. Critérios PA escolha e priorização ao atendimento das escolas. 2.1.1. Levantamento das escolas particulares, estaduais e municipais por Dec s SP 01/93 NT 160/93 Projeto e Operação Escola Engº Waldemar A.C. Christianini (GET2) 1. Introdução O presente trabalho tem por objetivo principal adequar as condições de tráfego da malha viária junto às

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE POLIDUTOS NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE POLIDUTOS NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de polidutos (oleodutos, gasodutos, tubulações diversas, etc) nas faixas de domínio das rodovias sob jurisdição do DERBA, assim

Leia mais

Normas gerais de circulação e conduta

Normas gerais de circulação e conduta Normas gerais de circulação e conduta É muito importante a leitura do Capítulo III Normas Gerais de Circulação e Conduta, que vai dos artigos 26 ao 67, contidos no Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

Leia mais

DER/PR ES-OC 10/05 OBRAS COMPLEMENTARES: PÓRTICOS E SEMIPÓRTICOS DE SINALIZAÇÃO VERTICAL

DER/PR ES-OC 10/05 OBRAS COMPLEMENTARES: PÓRTICOS E SEMIPÓRTICOS DE SINALIZAÇÃO VERTICAL DER/PR ES-OC 10/05 OBRAS COMPLEMENTARES: PÓRTICOS E SEMIPÓRTICOS DE SINALIZAÇÃO VERTICAL Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná

Leia mais

2.5. Obras todas as obras e/ou serviços que utilizam a faixa de domínio, no sentido transversal e/ou longitudinal ou em áreas localizadas;

2.5. Obras todas as obras e/ou serviços que utilizam a faixa de domínio, no sentido transversal e/ou longitudinal ou em áreas localizadas; 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de rede de telecomunicações (cabos metálicos ou de fibras ópticas) nas faixas de domínio das rodovias sob jurisdição do DERBA,

Leia mais

4. CRITÉRIOS GERAIS PARA IMPLANTAÇÃO DA SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA

4. CRITÉRIOS GERAIS PARA IMPLANTAÇÃO DA SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA 4. CRITÉRIOS GERAIS PARA IMPLANTAÇÃO DA SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA Este capítulo aborda um dos principais aspectos da sinalização semafórica, que é a decisão relativa à utilização ou não dessa sinalização

Leia mais

13/JUN/2006 NI - 11.08 (OPA)

13/JUN/2006 NI - 11.08 (OPA) ANEXO II INSTRUÇÕES GERAIS RELATIVAS À PINTURA DE PISTAS DE POUSO, DE ROLAMENTO E DE PÁTIOS DE AERONAVES b) Área de estacionamento de equipamentos (ou envelope de equipamentos): deve ser provida caso seja

Leia mais

SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TRANSPORTES DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM SUPERINTENDÊNCIA. ANEXO III - Estudo de Viabilidade

SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TRANSPORTES DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM SUPERINTENDÊNCIA. ANEXO III - Estudo de Viabilidade ANEXO III - Estudo de Viabilidade 1. OBJETIVO Estabelece requisitos para elaboração e apresentação de Estudo de Viabilidade, em atendimento ao que prevê o Capítulo IV da Norma aprovada. 2. DEFINIÇÃO DE

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO RESOLUÇÃO Nº 805, DE 24 DE OUTUBRO DE 1995

CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO RESOLUÇÃO Nº 805, DE 24 DE OUTUBRO DE 1995 CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO RESOLUÇÃO Nº 805, DE 24 DE OUTUBRO DE 1995 Estabelece os requisitos técnicos mínimos do pára-choque traseiro dos veículos de carga O CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO, usando

Leia mais

Processo n 50611.000502/2009-67 ANEXO II TERMOS DE REFÊRENCIA

Processo n 50611.000502/2009-67 ANEXO II TERMOS DE REFÊRENCIA ANEXO II TERMOS DE REFÊRENCIA SERVIÇOS DE GESTÃO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA Processo n 50611.000502/2009-67 1. INTRODUÇÃO Este Termo de Referência define o escopo dos serviços a serem executados para

Leia mais

ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO

ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto Geométrico dos Projetos de Engenharia Ferroviária, Projeto Básico e Projeto Executivo. 2. FASES DO PROJETO

Leia mais

NORMAS PARA CONSTRUÇÕES DE ACESSOS ÀS RODOVIAS ESTADUAIS

NORMAS PARA CONSTRUÇÕES DE ACESSOS ÀS RODOVIAS ESTADUAIS NORMAS PARA CONSTRUÇÕES DE ACESSOS ÀS RODOVIAS ESTADUAIS 1.0 As presentes instruções aplicam-se aos acessos de quaisquer propriedades às rodovias estaduais. 1.1 O acesso depende de autorização do DER/SC.

Leia mais

Regulamentação de Estacionamento e Parada

Regulamentação de Estacionamento e Parada Companhia de Engenharia de Tráfego MANUAL DE SINALIZAÇÃO URBANA Regulamentação de Estacionamento e Parada Ponto de Ônibus Critérios de Projeto Revisão 01 Volume 10 Parte 1 Março - 2001 PONTO DE ÔNIBUS

Leia mais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Diretoria de Infra-Estrutura Manual de Fiscalização de Obras e Vias Rurais Rodovia: Contrato: Lista de Verificação das Principais Atividades do Eng. Fiscal

Leia mais

ANEXO II. A forma padrão do sinal de regulamentação é a circular, nas seguintes cores:

ANEXO II. A forma padrão do sinal de regulamentação é a circular, nas seguintes cores: ANEXO II 1. SINALIZAÇÃO VERTICAL. É um subsistema da sinalização viária, que se utiliza de placas, onde o meio de comunicação (sinal) está na posição vertical, fixado ao lado ou suspenso sobre a pista,

Leia mais

ABDER - OT 002/07 PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA PARA CONSERVAÇÃO PERIÓDICA DE PAVIMENTO. Aprovado pela Diretoria da ABDER em / / Deliberação n.

ABDER - OT 002/07 PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA PARA CONSERVAÇÃO PERIÓDICA DE PAVIMENTO. Aprovado pela Diretoria da ABDER em / / Deliberação n. ABDER - OT 002/07 PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA PARA CONSERVAÇÃO PERIÓDICA DE PAVIMENTO Associação Brasileira dos Departamentos Estaduais de Estradas de Rodagem ABDER SCS Quadra 1 Bloco I N. 30 Edifício

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 131, DE 02 DE ABRIL DE 2002

RESOLUÇÃO N.º 131, DE 02 DE ABRIL DE 2002 RESOLUÇÃO N.º 131, DE 02 DE ABRIL DE 2002 Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para fiscalização da velocidade de veículos automotores, elétricos, reboques e semi-reboques, conforme o Código de Trânsito

Leia mais