Resolução dos Exercícios Propostos no Livro

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resolução dos Exercícios Propostos no Livro"

Transcrição

1 Resolução dos Eercícios Propostos no Livro Eercício : Mostre que não é número racional Dica: escreva como um possível quociente de números inteiros e use o Teorema Fundamental da Aritmética Mostremos inicialmente a seguinte proposição: Se um número inteiro a é ímpar, então a é ímpar (I) De fato, como por hipótese a é impar, escrevemos a da seguinte forma a = n+, onde n é um número inteiro Assim, a = (n+ ) = n + n+ = (n + n) + Como n + n = k, onde k é um inteiro, segue que a = k+ e, assim, a é impar Dessa forma, a contrapositiva de (I) é verdadeira, isto é, Se a é par, então a é par (II) Suponhamos, por absurdo, que eista uma fração irredutível a b, tal que a = Dessa forma, b a = b Segue daí que a = b, isto é, a é par Assim, de (II), obtemos que a é par, ou seja, a é da forma a = p, onde p é um número inteiro Substituindo a = p em a = b, obtemos que p = b Logo, b = p, isto é, b é par e, portanto, de (II) temos que b é par Dessa forma, a e b são número pares e a fração a b não é irredutível Obtemos assim, uma contradição Eercício : O conjunto C = { ;( + ) < ou < } é limitado Encontre possíveis valores de M que satisfaçam a definição anterior Não é possível a solução deste eercício com o conteúdo dado até o ponto onde foi proposto A condição ( + ) < implica que < + < ou, ainda < < A condição < implica que < < Combinando as duas condições temos que C = (, ) (, ) Logo, M = é o limitante procurado para C Eercício : Determine o inverso do compleo não-nulo z = a + bi Solução : Queremos um número compleo w = + i que verifica a equação zw = Esta equação é equivalente a a b + ( a + b ) i = Da igualdade de números compleos devemos ter a b = b + a = 0

2 a b Observe que o sistema linear acima tem solução pois o determinante = a + b não é nulo, pois b a z = a + bi não é nulo Resolvendo o sistema pela regra de Crammer temos = a Logo, o inverso multiplicativo de z = a + bi é a Solução : Observando que se z = a + bi então a z + b é inverso multiplicativo de z b e = + b a + b a b w = a + b a + b i zz = a + b concluímos que z z = Logo, a b + Eercício Calcule i i + i + i i i = i = ( 7 i ) i = + i + i + i + 5i 6 6 = i Eercício 5: Em cada desigualdade, encontre o conjunto solução, epresse-o com a notação de intervalos e represente-o na reta numérica a) 5 + > 6 b) < 0 c) 5< + d) 5 < e) f) > 9 + g) 0 h) i) < 7 + j) > 7 Utilizaremos as propriedades das inequações para isolar a incógnita a) 5 + > 6 > 8 > Logo, S = { > } = (, + ) b) 0 < < < Logo, S = { < } = (, ) c) < + < 5+ < 5+ < 6 < Logo,

3 6 6 S = { < } = (, ) d) 5 < < 6 > Logo, S = { < } = (,] e) A fim de eliminar o denominador, queremos multiplicar a inequação por O resultado dependerá do sinal de Temos duas possibilidades: i Se > 0, temos Neste caso, obtemos o conjunto de soluções dado pela condição ii Se < 0, temos O conjunto de soluções obtido neste caso é dado pela condição > Reunindo as soluções obtidas nos dois casos temos o conjunto das soluções da inequação: S = { ou > } = (, ] (, + ) f) Aqui utilizaremos a seguinte propriedade da raiz quadrada: Para números reais positivos a e b quaisquer vale a < b a < b Assim, > 9 > Lembrando que =, a inequação dada é equivalente a > Assim, o conjunto das soluções é dado por S = { < ou > } = (, ) (, + ) g) Completando o quadrado do lado esquerdo da inequação temos Utilizando as propriedades dos módulos a última inequação é equivalente a + Logo, S = { } = [, ] 7 h) Primeiramente observamos que 7= 0 = e = 0 = Levando em conta os sinais dos dois denominadores vamos procurar soluções em cada um dos seguintes intervalos,, 7, e 7, + i Se <, então 7< 0 e > 0 Neste caso, temos

4 ( 7) 7 8 Portanto, neste caso, não temos solução ii Se < < 7, então 7< 0 e < 0 Daí, temos ( 7) 7 8 As soluções encontradas neste caso estão no intervalo, iii Se 7 >, então 7> 0 e < 0 Assim, temos ( 7) As soluções deste caso estão no intervalo, + Reunindo as soluções encontradas em cada caso temos o conjunto solução da inequação dada por 7 7 S = { < ou > } = (, ] (, + ) i) Os sinais dos denominadores são dados pelas igualdades = 0 = e + = 0 = Assim, vamos procurar soluções em cada um dos intervalos (, ), (,) e (, + ) i Se (, ), então > 0 e + < 0 Neste caso + < ( + )( + ) > ( ) + + > > > 0 + > A última inequação é verdadeira para qualquer número real Portanto, as soluções desse caso estão no intervalo (, ) ii Se (,), então > 0 e + > 0 Neste caso, temos + < ( + )( + ) < ( ) + + < < < 0 + < A última inequação não tem solução Portanto, não temos solução neste caso iii Se (, + ), então < 0 e + > 0 Neste caso, temos + < ( + )( + ) > ( ) + + > > > 0 + > A última inequação é verdadeira para qualquer número real Portanto, as soluções deste caso consistem do intervalo (, + )

5 Reunindo as soluções encontradas em cada caso temos o conjunto solução da inequação dado por S = (, ) (, + ) j) > 7 > > > Se > 0 temos > > > As soluções encontradas neste caso são dadas pela condição > 0 Se < 0 temos > < < As soluções deste caso são dadas pela condição < Portanto, o conjunto das soluções da inequação dada é S = (, ) (0, + ) Eercício 6 Em cada um dos itens a seguir, resolva a equação em a) = b) 5 = c) = 5 d) 5 = e) = 5 a) = = ou = Assim, = = 5 ou = = Logo, S = {, 5} b) Se 0, temos Se < 0, temos 5 = 6 = = 5 = = = Logo, S = {, } c) = 5 = 5 ou = ( 5 ) Assim, ou 5 Logo, S = {, } 6 5 = 5 6 = 5 = 6 = ( 5 ) = + 5 = = d) 5 = + 7 5= + 7 ou 5 = ( + 7) Assim, 5= + 7 = = 6 ou 5 = ( + 7) 5= 7 = = Logo, S = { 6, }

6 + + + e) = 5 = 5 ou = 5 Assim, + = 5 + = 5( ) + = 5 0 = = ou + = 5 + = 5( ) + = = 8 = Logo, S = {, } Eercício 7 Em cada desigualdade, encontre o conjunto solução, epresse-o com a notação de intervalos e represente-o na reta numérica a) 5 < b) + 5 > c) + d) 9 7 e) f) g) h) i) + 5 a) 5 < < 5< < < 6 < < Logo, S = (,) b) + 5 > + 5< ou + 5> Assim, + 5> > > Logo, 7 + 5< < 7 < ou 7 S = (, ) (, + ) c) Se, temos + Portanto, nesse caso não temos solução Se <, temos ( ) Logo, S =, 5 5 d) Elevando ao quadrado ambos os membros da inequação, lembrando que 0 e, segue que, ( ) + 0 Logo, e) ( + ) + 0 Logo, S =, =, 9 S =, 5

7 f) + + Assim, ( ), , +, , , ou Logo, S =,, + 6 g) h) i) ,,, Logo, S =,, 5 5, e 7 + 0, e 7 0, e ou e Logo 7 S =,, [, + ) , + 5 Logo, 6 6 6,, ou S =,, + 6 Eercício 8 Use a desigualdade triangular para mostrar que as desigualdades se verificam sob as condições dadas a) < e b) + < e c) < e <, então + <, então + <, então 7 < 6 7 < < 6 a) Como = ( ) ( ) + e por hipótese b) segue que 7 < + = 6 < e <,

8 c) Como = ( + ) ( + ) e por hipótese segue que 7 + < + = 6 d) Como + = ( + ) ( ) + + e por hipótese segue que 7 + < + = 6 + < e < e + <, + <, Eercício 9 Epresse as desigualdades a > b + c e a > b c em uma única desigualdade equivalente Como a > b+ c e a > b c, segue que a b > c e a b > c e também que a > b Assim, temos que a b > c e c > ( a b) Logo, ( a b) < c < a b, ou ainda, c < a b, pois a > b Eercício 0: Represente no plano cartesiano o conjunto de pontos dados por: a) X = {(, ) ; = 0} ; b) X = {(, ) ; + = 0} ; c) X = {(, ) ; + = } c) X = {(, ) ; > } 0 0 a) b)

9 0 0 c) d) Eercício Represente no plano compleo os números compleos z tais que: a) z = ; b) z i = Eio imaginário Eio imaginário + i 0 Eio real 0 Eio real a) b) Eercício Uma certa companhia de energia elétrica cobra uma taa mínima de R$0,00 para quem consome até 50 KW/h e R$0,50 por KW/h para quem consome mais de 50KW/h Determine algebricamente a função que relaciona o consumo e o valor da conta de luz Sendo o consumo em KW/h, o valor da conta de luz é dado pela função 0, se 0 < 50 f( ) = 0,5, se > 50 Eercício Considere a seguinte tabela de valores que relaciona duas variáveis reais e :

10 Determine duas funções = f( ), com no intervalo [0,6], que incluam as associações da tabela acima Por eemplo: f ( ) =, se {0,,,,,5,6} f( ) =, se {0,,,,, 5,6} Eercício A área de um quadrado depende do comprimento do seu lado, isto é, a cada valor do lado de um quadrado corresponde um único valor da área deste Encontre a função que determina isto Considere a função A : tal que Al () = l, onde a l é o lado do quadrado Eercício 5 Hipoteticamente, um menino, desejando aumentar sua coleção de selos, foi a uma grande empresa à procura de selos e obteve a seguinte proposta: Você poderá realizar tarefas nesta firma Ao término da primeira tarefa eu lhe dou dois selos, e a cada tarefa seguinte concluída eu dou o dobro de selos da tarefa anterior Caso você aceite a proposta, ganhará de imediato um selo Supondo que o menino tenha aceitado a proposta, quantos selos ele recebeu após a eecução da quinta tarefa? Para facilitar a resposta, faça uma tabela Nesta situação, temos uma função? Por quê? Escreva a regra que representa esta situação A empresa sempre conseguirá cumprir a proposta? nº de tarefas 0 5 nº de selos recebidos na eecução da n-ésima tarefa 8 6 nº total de selos A função f que representa quantidade de selos recebidos após a eecução de cada tarefa é f : tal que f( ) =, onde é o número da tarefa Assim, após a eecução da 5ª tarefa o menino receberá selos A empresa não conseguirá cumprir sempre a proposta pois f cresce eponencialmente Eercício 6 Dada a função f( ) =, encontre: a) Dom f ; b) Im f ; c) f ()

11 a) Dom f = { ; } = [, ) ; b) Im f = { ; 0} = [0, + ) ; c) f () = = Eercício 7 Dada a função f( ) =, encontre: a) Dom f ; b) Im f ; c) f () a) Dom f = { ; } = {} ; b) Im f = { ; 0} = {0} ; c) f () = = Eercício 8 Verifique se as funções f( ) = + e g ( ) = são iguais O domínio da função g é o conjunto dos número reais, mas o domínio da função f é o conjunto { } Assim, por definição, as funções f e g são distintas Eercício 9 Verifique se as funções f : +, f( ) = e g : +, g ( ) = são iguais Como o domínio de ambas as funções são iguais e neste domínio elas possuem as mesmas imagens em cada ponto, temos que f e g são iguais Eercício 0 Sejam p e h definidas, respectivamente, por p( ) = e h ( ) = 5+ Determine as funções p + h, h p, p h Qual é o domínio e a epressão algébrica que define a função p p? p + h ( ) = p( ) + h( ) = i) ( ) h p ( ) = h( ) p( ) = 5 + ii) ( ) iii) ( )( ) = ( ) ( ) = ( )( 5 + ) ph p h

12 = = = = e Dom ( p p) = { ; } p p( ) p ( ) p ( ) iv) ( ) ( )( ) ( ) Eercício Considere as funções função m/ n e seu domínio m ( ) = ( + ) + e n ( ) = ( + )( ) Determine a A função m/ n só eiste quando n ( ) = ( + )( ) for diferente de zero, que ocorre quando e Nesse caso, m m ( ) ( + ) + ( + ) + ( ) = = = n n( ) ( + )( ) { } ; e m Dom n = e Eercício Considere as funções h ( ) = e k ( ) = Determine as funções h + k, h k, h k e h/ k e seus domínios 0, se 0 i) ( h+ k) ( ) = h( ) + k( ) = =, Dom ( h + k) =, se < 0, se 0 h k ( ) = h( ) k( ) = + =, Dom ( h k) = 0, se < 0, se 0 hk ( ) = h( ) k( ) = =, Dom ( h k) =, se < 0 ii) ( ) iii) ( ) iv) h h ( ), se > 0 ( ) = = = k k( ), se <, 0 h * Dom ( ) = k Eercício Esboce os gráficos das seguintes funções afins: a) f( ) = ; b) g ( ) = + ; c) h ( ) = 5 0 ; d) j ( ) =

13 0 0 a) b) c) d) Eercício É possível desenhar um esboço do gráfico de uma função quadrática qualquer dada por f ( ) = a + b + c, a 0 Para isso, basta saber: o sinal do coeficiente a do termo de segundo grau; encontrar, se possível, os valores reais em que f( ) = 0, que são dados pela epressão b ± b ac b ; obter o vértice da parábola, que é dado por,, no qual = b ac a a a Esboce os seis tipos de gráficos de funções quadráticas possíveis a partir da análise dos sinais de a e de

14 =0 a < 0 b b ac,0 a 0 <0 a > 0 0 <0 a < 0 i ii 0 iii b,0 a b + b ac,0 a b,0 a b b ac,0 a 0 iv =0 a > 0 b + b ac,0 a 0 >0 0 >0 b, a a a > 0 b, a a a < 0 v vi Eercício 5 Nem todas as funções podem ter seu gráfico desenhado Como seria o esboço do 0, racional gráfico da função I ( ) =?, irracional Não é possível esboçar o gráfico de I

15 Eercício 6 O gráfico da função f ( ) = apresenta simetria central em relação ao ponto ( aa, ), a? Sim Observe que um ponto P no gráfico de f é da forma Pb (, b ) Se um ponto P'(, ) é o simétrico de P em relação ao ponto Q( aa,, ) então ele deve ser tal que P, Q e P ' pertencem à mesma reta e a distância de P a Q, deve ser o igual à distância de Q a P ' Como por dois pontos passa uma única reta, temos que a reta que passa por P e Q é a reta = Assim, P ' é tal que = e ( a) + ( a) = ( a) + ( a) = ( a) = ( b a), ou seja, a =± ( b a), logo = b ou = a b Portanto, o ponto procurado é P' = ( a b, a b) que é o simétrico de P, é um ponto no gráfico de f Eercício 7 Dado P (, ) um ponto do plano cartesiano: a) Quais as coordenadas do simétrico P ' do ponto P em relação à reta de equação = 0? E em relação à reta = a? b) Quais as coordenadas do simétrico P ' de P em relação ao ponto O (0,0)? E em relação ao ponto Q( ab, )? a) Dado o ponto P (,, ) temos P'(, ) O ponto simétrico de P (, ) em relação à reta = a é o ponto P ( a, ) a b) Dado o ponto P (,, ) temos P'(, ) O ponto simétrico de P (, ) em relação ao ponto Q( ab, ) é o ponto P ( a, b ) Q Eercício 8 Mostre que o gráfico de uma função f apresenta simetria aial em relação à reta de equação = a se, e somente se, f ( a ) = f( a + ) para todo do domínio Se f apresenta simetria aial em relação à reta = a então, caso ( a +, ) esteja no gráfico de f temos que ( a, ) (conforme eercício 7 a) também está no gráfico de f Assim, f ( a ) = f( a + ) Reciprocamente, se f ( a ) = f( a + ) para todo do domínio de f, então ( a +, ) e ( a, ) estão no gráfico de f e, assim, o gráfico apresenta simetria aial em relação à reta = a Eercício 9 Qual é o período da função f do Eemplo? A função do eemplo é dada por pois, f( + ) = f( ),, n < n +, n f( ) = O período é, 0, n + < n +, n

16 Eercício 0 Verifique se as seguintes funções são periódicas: n a) f ( ) = ; b) f( ) = 5; c) f( ) = ( ), se [ n, n+ ), n a) f ( + p) = + p = f( ) para todo qualquer p 0 Assim a função não é periódica b) f ( + p) = 5 = f( ) para todo p 0 Assim podemos dizer que a função f( ) = 5 é periódica de qualquer período c) A função é periódica de período Eercício Mostre que o gráfico de toda função par é simétrico em relação ao eio O e que o gráfico de toda função ímpar é simétrico em relação ao ponto (0,0) Se f é uma função par, então f( ) = f( ), Logo, se(, f( )) é um ponto do gráfico de f, então o seu simétrico em relação ao eio O é o ponto (, f( )), que também pertence ao gráfico de f Se, por outro lado, f é uma função ímpar, então f( ) = f( ), Logo, se (, f( )) é um ponto do gráfico de f, então o seu simétrico em relação ao ponto (0,0) é o ponto (, f( )) que também pertence ao gráfico de f Eercício Verifique se as funções definidas a seguir são pares, ímpares ou nenhuma delas a) c) f( ) = b) 7 f ( ) = d) f ( ) = + 5 f( ) = + + a) f ( ) = 5( ) + ( ) + = = f( ) Portanto, f é uma função par b) f ( ) = 0 = f () Portanto, f não é uma função par f ( ) = 0 = f () Portanto, f também não é uma função ímpar c) f ( ) = ( ) ( ) = + = ( ) = f( ) Portanto f é uma função ímpar d) f ( ) = 5 = f () Portanto f não é uma função par f ( ) = 5 = f () Portanto f também não é uma função ímpar Eercício Mostre que toda função pode ser escrita como a soma de uma função par com uma função ímpar

17 Se f é uma função cujo domínio é simétrico em relação à origem, então a função g dada f ( ) + f( ) f ( ) f( ) g ( ) = é par enquanto que a função h dada por h ( ) = é ímpar Além disso, temos que f g + h Eercício Eiste alguma função que é par e ímpar simultaneamente? Sim, a função constante nula, ou seja, f( ) = 0, De fato, f ( ) = 0 = f( ) e f ( ) = 0 = f( ), Eercício 5 Como você esboçaria o gráfico da função F ( ) = + + por meio de deslocamento do gráfico de f, sendo f ( ) =? Basta transladar o gráfico da função f uma unidade para a esquerda e, em seguida, uma unidade para cima, ou ainda, uma unidade para cima e, em seguida, uma unidade para a esquerda Eercício 6 Mostre que se o gráfico da função f possui simetria aial em relação à reta = a, então a função g definida por g ( ) = f( + a) é par Conforme o Eercício 8, o gráfico de uma função f apresenta simetria aial em relação à reta de equação = a se, e somente se, f ( a ) = f( a + ) Assim temos g( ) = f( + a) = f( a + ) = g( ) Logo, g é uma função par Eercício 7 Mostre que se o gráfico da função f possui simetria central em relação ao ponto Pab, (, ) então a função g definida por g ( ) = f( + a) bé ímpar Solução : Se o gráfico da função f possui simetria central em relação ao ponto Pab, (, ) então para cada ponto X = (, f( )) do gráfico de f, eiste um ponto Y = (, f( )) no gráfico de f tal que o ponto Pab (, ) é o ponto médio do segmento XY Usando a fórmula do ponto médio temos + f ( ) + f( ) a = e b = Isolando na primeira equação e substituindo na segunda equação, obtemos f ( a ) = b f( ) Trocando por a na última equação, temos f( a ( a )) = b f( a ), então f( a + ) b = b f( a ) Segue dessa última equação que g ( ) = f( a+ ) b= b f( a ) = g( ), e assim, por definição g é impar Solução : Por hipótese = f( ) e b = f( a ) Daí, b f( ) = f( a ) Assim, f ( ) = b f( a ) Como g ( ) = f( + a) b= b f( a ( + a)) = b f( a ) = = [ f ( + a) b] = g( ), temos por definição que g é uma função par

18 Eercício 8 Esboce o gráfico de cada uma das funções f definidas a seguir e esboce, no mesmo sistema de eios, os gráficos das seguintes translações: f( + ), f( ) +, f( ), f( ) e f( + ) : a) f ( ) = ; b) f ( ) = ; c) f ( ) = ; d) f( ) = f( + ) f( + ) f( ) f( + ) f( + ) f( ) 6 5 f( ) + f( ) f( ) 0 f( ) + f( ) f( ) 0 a) b) f( ) + f( ) f( ) f( + ) f( ) + f( ) f( ) 0 0 f( + ) f( + ) f( ) f( + ) f( ) c) d) Eercício 9 Seja f uma função limitada Responda as perguntas a seguir, justificando sua resposta a) A função g ( ) = af( ) é limitada para todo a real? b) A função g ( ) = f( + m) é limitada para todo m real? c) A função g ( ) = fb ( ) é limitada para todo b real? Como por hipótese a função f é uma função limitada, então eiste M > 0 tal que para todo Dom f, f ( ) M

19 a) Temos que g ( ) = af( ) = a f( ) am, Domg Como am> 0, temos que g é limitada b) Temos que g ( ) = f( + m) M, Domg Assim, temos que g é limitada c) Temos que g ( ) = fb ( ) M, Domg Assim, temos que g é limitada Eercício 0 Sejam f e g funções limitadas Responda as perguntas a seguir, justificando sua resposta a) A função f + g é limitada? b) A função f g é limitada? Como por hipótese f e g são funções limitadas, então eistem M > 0 e N > 0 tais que f ( ) M, Dom f e g ( ) N, Domg a) Sim, pois segue da desigualdade triangular que ( f + g)( ) = f( ) + g( ) f( ) + g( ) M + N, Dom f Dom g b) Sim, pois ( f g)( ) = f( ) g( ) = f( ) g( ) M N, Dom f Dom g Eercício : Verifique se as funções a seguir são monótonas, classificando-as em crescente, decrescente, não-decrescente e não-crescente Caso a função não seja monótona, encontre, caso eista(m), intervalo(s) do seu domínio, de modo a se obter função(ões) monótona(s) a) f( ) = Dom f = Sejam, Dom f tais que < Logo, f( ) = < = f( ) Assim, por definição, concluímos que f é crescente em b) f( ) = Dom f = Sejam, Dom f tais que < Logo, f( ) = > = f( ) Assim, por definição, concluímos que f é decrescente em c) f ( ) = Dom f = Sejam, Dom f tais que < Se, +, temos que < < Neste caso, f ( ) = > = f( ) e, portanto, f é decrescente em + Se,, temos que < > Neste caso, f ( ) = < = f( ) e, portanto, f é crescente em Como f é crescente em e decrescente em +, f não é monótona em d) f ( ) = 5 Dom f = Sejam, Dom f tais que < 5 5 Logo, f ( ) = < = f( ) Assim, por definição, concluímos que f é crescente em e) f ( ) =

20 Dom f = + Sejam, + tais que < Logo, f( ) = < = f( ) Assim, por definição, concluímos que f é crescente em +, < 0 f) f( ) =, 0 Dom f = Como f( ) =, f( ) = e f () =, temos que f( ) > f( ) e f ( ) < f () Logo f não é monótona em * Sejam, tais que < Logo > Assim temos que f ( ) = f( ) > = e, portanto, f é decrescente em * Sejam, + tais que < Temos que f( ) = = f( ) e, portanto, f é não-crescente e não-decrescente em + Eercício : Verifique se as funções são bijetoras, justificando sua resposta a) f ( ) = Dom f = Mostremos inicialmente que f é injetora De fato, sejam,, tais que Logo, f ( ) = = f( ), e assim, por definição, temos que f é injetora Verifiquemos se f é sobrejetora Dado, se tomarmos = teremos f ( ) = f ( ) = ( ) =, e portanto, por definição f é sobrejetora Assim f é injetora e sobrejetora, logo bijetora b) f( ) = Dom f = Mostremos inicialmente que f é injetora De fato, sejam,, tais que Logo, f( ) = = f( ), e assim, por definição, temos que f é injetora Verifiquemos se f é sobrejetora + Dado, se tomarmos = teremos f ( ) f + + = = = + = portanto, f é sobrejetora Assim f é injetora e sobrejetora, logo bijetora e, c) f ( ) = Dom f = Afirmamos que a função não é injetora De fato, se tomarmos, por eemplo, = e =, teremos f( ) = f( ) = e Desta forma, f não é injetora e, portanto, não é bijetora Observe que f também não é sobrejetora, pois dado, por eemplo, =, não eiste tal que = d) f ( ) =

21 Dom f = A função f não é bijetora, pois não é injetora, uma vez que eistem,, tais que f( ) = f( ) Basta tomar, por eemplo, = e = Observe que f também não é sobrejetora, pois dado, por eemplo, =, não eiste tal que = Eercício : Nos itens a seguir, encontre f a) f( ) = + 5 e g ( ) = Dom f = e Dom g = {} 5 9 ( f g) ( ) = f ( g( ) ) = g( ) + 5= + 5= Dom f g = { Dom g; g( ) Dom f } = Dom g = {} ( ) ( ) f f ( ) = f f( ) = f( ) + 5= = + 0 Dom f f = ( g f )( ) g( f( ) ) g, f f, g f e g g e seus respectivos domínios = = = = f( ) ( + 5) + Dom g f = { Dom f ; f ( ) Dom g} = { ; + 5 {}} = { } ( g g) ( ) = g( g( ) ) = = = g ( ) + 5 Dom g g = { Dom g; g( ) Dom g} = { {}; {}} 5 = {, } Eercício : Encontre funções f e g distintas da função identidade, tal que = ( f g)( ) a) = Se considerarmos f :, f( ) = e g :, g( ) = teremos: ( ) ( ) f g ( ) = f g( ) = g( ) = b) = Se considerarmos f :, f( ) = e g :, g ( ) = teremos: ( ) ( ) f g ( ) = f g( ) = g( ) = c) = + Se considerarmos f :, f( ) = e g :, g( ) = teremos: +

22 + ( f g) ( ) = f( g ( )) = g ( ) = d) = 9 Se considerarmos f : +, f( ) = e g :, g ( ) = 9, teremos: f g( ) = f g ( ) = g ( ) = 9 ( ) ( ) As funções eibidas em cada um dos itens acima não são únicas Encontre outras Eercício 5: Sejam f e g duas funções Mostre que: a) se f e g são pares, então f g é par Se f e g são pares, então por definição, f ( ) = f( ), Dom f e g( ) = g( ), Dom g Assim, ( f g) ( ) = f ( g( ) ) = f ( g( ) ) = ( f g) ( ), Dom f g Portanto f g é par b) se f e g são ímpares então f g é ímpar Se f e g são ímpares, então por definição, f ( ) = f( ), Dom f e g( ) = g( ), Dom g Assim, ( f g) ( ) = f ( g( ) ) = f ( g( ) ) = f ( g( ) ) = ( f g) ( ), Dom f g Portanto f g é ímpar c) se f é par e g é ímpar, então f g e g f são pares Se f é par então f( ) = f( ), Dom f Se g é ímpar g( ) = g( ), Dom g Assim ( f g) ( ) = f ( g( ) ) = f ( g( ) ) = f ( g( ) ) = ( f g) ( ), Dom f g Portanto f g é par E também temos ( g f )( ) = g( f( ) ) = g( f( ) ) = ( g f )( ), Dom g f Portanto g f é par Eercício 6: Dadas as funções f, definidas a seguir, determine a) f( ) = A função é bijetora e, portanto, admite inversa + Fazendo =, teremos = + Portanto, f ( ) = f, caso eista b) f ( ) = para 0 A função é monótona decrescente em, logo admite inversa

23 Fazendo =, teremos = ; 0 Portanto, f ( ) = ; 0, pois Dom f = Im f c) f( ) =, para 0 Im f = [, + ) f é monótona crescente em + e, portanto, admite inversa = = + = + ; Assim, f ( ) = +, com, pois Dom f = Im f d) f ( ) =, para 0 Im f = [0,] f é monótona decrescente em [0,] e, portanto, admite inversa = = = = Logo, f ( ) = ; 0, pois Dom f = Im f e) f( ) = para > 0 A função f é monótona decrescente em * +, logo admite inversa = ; 0 = > Portanto, f ( ) = ; > 0, pois Dom f = Im f f) f( ) = +, para Como f( ) = + + = ( + + ) = ( + ), temos que f é monótona decrescente em (, ] e Im( f ) = [, + ) Portanto, f admite inversa = ( + ) ( + ) = + + = +, como, segue que = + Portanto, f ( ) = +, com, pois Domf = Im f Eercício 7: Esboce num mesmo sistema de coordenadas os gráficos das funções 5 n ( ) = m ( ) = e

24 Graf n Graf m Eercício 8: Determine os zeros das seguintes funções: a) p( ) = + p ( ) = ( + ) = ( )( ) p ( ) = 0 = 0 ou = ou = ou = Portanto, os zeros da função são,0, e b) p ( ) = + p ( ) = ( )( ) = ( )( )( + ) p ( ) = 0 = ou = + ou = Portanto, os zeros da função são, + e Eercício 9: Seja p() um polinômio Prove que a é raiz de p() se, e somente se, p( ) = ( a) q( ), para algum polinômio q() Sabemos que: a é raiz de p() pa ( ) = 0 Mas, pelo teorema do resto, " p( ) = ( a) q( ) + r" Como a é raiz de p( ), temos que p(a) é o resto da divisão de p() por ( a) Concluímos assim que: a é raiz de p() r = 0 Ou seja, a é raíz de p() p() é divisível por ( a) O que equivale a dizer que a é raíz de p() p( ) = ( a) q( ), para algum polinômio q() Eercício 50: Determine o domínio das seguintes funções: a) f( ) = + Dom f =, pois + 0, b) f( ) = + Devemos ter + 0, ou seja, Portanto, Dom f = { }

25 ( )( + ) c) f( ) = ( + )( ) Devemos ter ( + )( ) 0, ou seja, e Portanto, Dom f = {,} ( )( + ) d) f( ) = ( + )( ) Devemos ter ( + )( ) 0, ou seja, 0 e e Portanto, Dom f = {0,, } Eercício 5: Use um sistema de computação algébrica para esboçar o gráfico das funções racionais do eercício anterior a) b) c)

26 d) Eercício 5: a) Em uma circunferência unitária, construa o ângulo de radiano Processo construtivo Coloque de uma maneira aproimada o comprimento do raio sobre a circunferência b) Construa o ângulo de radiano em circunferências de raios distintos O que você pode concluir com esse eercício? O arco de comprimento igual a radiano determina sempre a mesma variação angular, independendo do tamanho do raio da circunferência Eercício 5: Sejam X o ponto em S correspondente ao número real t e Y o ponto em S correspondente a t + k, para todo k inteiro Qual a relação entre X e Y? Em S, temos que o comprimento da circunferência é Logo, os pontos X e Y são iguais

27 Eercício 5: Utilizando as propriedades anteriores, complete a tabela: t 0 cost sent 6 a) t = 0 Neste caso, temos em S, P (0) = (,0) Logo cos0 = e sen 0 = 0 b) t = 6 Pelo eemplo 57 temos cos = e sen = 6 6 c) t = Neste caso, temos em S, Pt () = (, ) onde = Logo, sen = cos Pela propriedade (b) temos sen + cos = Assim, sen = sen =± Como para o ângulo temos, seno e cosseno positivos, sen = e cos = d) t = Como sen( a) = sen acosa temos sen = sen = sen cos = = Como cos( a) = cos a sen a temos cos = cos = cos sen = = = e) t = Pela propriedade (f) da página 5, temos sen = sen(0 + ) = cos 0 = Logo cos = f) t = Como sen( a) = sen acosa temos

28 sen = sen cos = = Como cos( a) = cos a sen a temos cos = cos sen = = = g) t = Pela propriedade (e) temos sen = sen + = sen cos + cos sen = + 0 = cos = cos + = cos cos sen sen = 0 = h) t = Pela propriedade (f) temos sen = sen + = cos = 0 Assim, segue da identidade trigonométrica fundamental que cos =± Mas, pela definição, de cosseno, cos = Vamos então completar a tabela t 0 cost sent Eercício 55: Mostre que as funções secante e cossecante são periódicas de período Temos sec( + ) = = = = cos( + ) coscos( ) sen sen( ) cos sen 0 = = sec cos cossec( + ) = = = sen( + ) sen cos( ) + sen( )cos sen + 0 cos = cossec sen = Eercício 56: Verifique se as funções tangente, cotangente, secante e cossecante são pares ou ímpares As funções tangente e cotangente são ímpares, pois são quocientes de funções onde uma é par e outra é ímpar

29 A função secante é par por ser quociente de funções pares, e a função cossecante é ímpar por ser quociente de uma função par com uma função ímpar tg a ± tgb Eercício 57: Mostre que tg( a ± b) = e tgatgb sen( a ± b) senacosb± senbcosa tg( a ± b) = = cos( a ± b) cosacosb senasenb sen acosb senbcosa ± cosacosb cosacosb tg a ± tgb = = cosacosb sen asenb tgatgb cosacosb cosacosb cotg acotgb cotg( a ± b) = cotgb± cotg a cos( a ± b) cosacosb sen asenb cotg( a ± b) = = sen( a ± b) sen acosb± senbcosa cosacosb sen asenb sen asenb sen asenb cotg acotgb = = sen acosb senbcosa ± cotgb± cotg a sen asenb sen asenb Eercício 58: Utilizando os resultados anteriores, complete a tabela, quando possível: t 0 6 tg t cotg t sect cossect a) t = 0 sen 0 0 tg 0 = = = 0 e cotg 0 não eiste cos0 sec0 = = = e cossec0 não eiste cos0 b) t = 6 sen 6 tg = = = = e 6 cos 6 cotg = = = = 6 tg 6 sec = = = = e 6 cos 6 cossec = = = 6 sen 6

30 c) t = sen tg = = = e cos cotg = = = tg sec = = = = e cos cossec = = = = sen d) t = sen tg = = = e cos cotg = = = tg sec = = = e cos cossec = = = = sen e) t = tg não eiste e sec não eiste e cos 0 cotg = = = 0 sen cossec = = = = sen sen f) t = sen tg = = = cos e cotg = = = tg sec = = = = cos cos e cossec = = = = sen g) t =

31 sen tg = = = e cos cotg = = = tg sec = = = = cos e cossec = = = = sen h) t = sen 0 tg = = = 0 e cos sec = = = e cos cotg não eiste cossec não eiste Completando agora a tabela, obtemos: t 0 tg t 0 6 cotg t / sect cossect / / 0 0 / / / Eercício 59: Calcule, se possível: a) arcsen ; b) arccos ; c) arcsen ; d) arccos a) arcsen = sen = = 6 b) arccos = cos = = 0 c) arcsen = sen = = d) arccos = cos = Neste caso não eiste tal que cos > Eercício 60: Defina: a) arco tangente de ; b) arco cotangente de ; c) arco secante de ; d) arco cossecante de

32 a) Seja T a restrição da função tangente ao intervalo,, sua inversa T é chamada de arco tangente é denotada por arctg ou tg Dessa forma, temos que = arctg, = tg, para, b) Seja Cotg a restrição da função cotangente ao intervalo ( 0, ), sua inversa arco cotangente é denotada por arc cotg ou = = 0, arc cotg, cotg para ( ) Cotg é chamada de cotg Dessa forma, temos que c) Seja Sec a restrição da função secante ao intervalo 0,,, sua inversa de arco secante é denotada por arcsec ou = arcsec, (, ] [, + ) = sec para 0,, Sec é chamada sec Dessa forma, temos que d) Seja Cossec a restrição da função cossecante ao intervalo,0 0,, sua inversa Cossec é chamada de arco cossecante é denotada por arccossec ou cossec Dessa forma, temos que = arccossec, (, ] [, + ) = cossec, para,0 0, Eercício 6: Mostre que arccos = arcsen Sugestão: utilize a identidade cost = sen( t) Temos arccos = cos = Como cos = sen temos sen =, ou seja, arcsen = Portanto arccos = = arcsen Eercício 6: Esboce o gráfico de cada função dada a seguir:

33 a) f() = b) f() = c) f() = 5 d) f() = Eercício 6: Por que é praticamente impossível dobrar ao meio uma folha de papel mais do que 9 vezes? A cada dobra teremos o dobro do número de folhas (Por isso é que se chama dobra!) Começando por uma folha: Na primeira dobra teremos a espessura de folhas Na segunda dobra teremos a espessura de = folhas Na terceira dobre teremos a espessura de 8= folhas 9 Na nona dobra teremos a espessura de 5 = folhas Alguém consegue dobrar um livro de 5 páginas? Eercício 6: Trace um esboço dos gráficos das funções definidas a seguir:

34 a) f() = log b) f() = log ( ) c) f() = log d) f() = log 5( + ) Eercício 65: Mostre que se os números positivos a,a,a,,a n são termos de uma progressão geométrica, então logba,logba,logba,,logba n formam uma progressão aritmética Se a,a,a,,a n são termos de uma progressão geométrica de razão q então: a = aq logba = logbaq = logba + logbq a = aq logba = logbaq = log ba + logbq an = an q logb an = logb an q = logb an + log q Portanto, logba,logba,logba,,logba n é uma progressão aritmética de razão logb q

1. Arcos de mais de uma volta. Vamos generalizar o conceito de arco, admitindo que este possa dar mais de uma volta completa na circunferência.

1. Arcos de mais de uma volta. Vamos generalizar o conceito de arco, admitindo que este possa dar mais de uma volta completa na circunferência. UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA Trigonometria II Prof.: Rogério

Leia mais

Exercícios sobre Trigonometria

Exercícios sobre Trigonometria Universidade Federal Fluminense Campus do Valonguinho Instituto de Matemática e Estatística Departamento de Matemática Aplicada - GMA Prof Saponga uff Rua Mário Santos Braga s/n 400-40 Niterói, RJ Tels:

Leia mais

DERIVADA. A Reta Tangente

DERIVADA. A Reta Tangente DERIVADA A Reta Tangente Seja f uma função definida numa vizinança de a. Para definir a reta tangente de uma curva = f() num ponto P(a, f(a)), consideramos um ponto vizino Q(,), em que a e traçamos a S,

Leia mais

Geometria Analítica. Números Reais. Faremos, neste capítulo, uma rápida apresentação dos números reais e suas propriedades, mas no sentido

Geometria Analítica. Números Reais. Faremos, neste capítulo, uma rápida apresentação dos números reais e suas propriedades, mas no sentido Módulo 2 Geometria Analítica Números Reais Conjuntos Numéricos Números naturais O conjunto 1,2,3,... é denominado conjunto dos números naturais. Números inteiros O conjunto...,3,2,1,0,1, 2,3,... é denominado

Leia mais

FUNÇÕES. a < 0. a = 0. a > 0. b < 0 b = 0 b > 0

FUNÇÕES. a < 0. a = 0. a > 0. b < 0 b = 0 b > 0 FUNÇÕES As principais definições, teorias e propriedades sobre funções podem ser encontradas em seu livro-teto (Guidorizzi, vol1, Stewart vol1...); Assim, não vamos aqui nos alongar na teoria que pode

Leia mais

Cálculo I IM UFRJ Lista 1: Pré-Cálculo Prof. Marco Cabral Versão Para o Aluno. Tópicos do Pré-Cálculo

Cálculo I IM UFRJ Lista 1: Pré-Cálculo Prof. Marco Cabral Versão Para o Aluno. Tópicos do Pré-Cálculo Cálculo I IM UFRJ Lista : Pré-Cálculo Prof. Marco Cabral Versão 7.03.05 Para o Aluno O sucesso (ou insucesso) no Cálculo depende do conhecimento de tópicos do ensino médio que chamaremos de pré-cálculo.

Leia mais

Prova Vestibular ITA 2000

Prova Vestibular ITA 2000 Prova Vestibular ITA Versão. ITA - (ITA ) Sejam f, g : R R definidas por f ( ) = e g cos 5 ( ) =. Podemos afirmar que: f é injetora e par e g é ímpar. g é sobrejetora e f é bijetora e g é par e f é ímpar

Leia mais

CUFSA - FAFIL Graduação em Matemática TRIGONOMETRIA (Resumo Teórico)

CUFSA - FAFIL Graduação em Matemática TRIGONOMETRIA (Resumo Teórico) 1 INTRODUÇÃO CUFSA - FAFIL Graduação em Matemática TRIGONOMETRIA (Resumo Teórico) ARCOS: Dados dois pontos A e B de uma circunferência, definimos Arco AB a qualquer uma das partes desta circunferência

Leia mais

CÁLCULO I. Reconhecer, através do gráco, a função que ele representa; (f + g)(x) = f(x) + g(x). (fg)(x) = f(x) g(x). f g

CÁLCULO I. Reconhecer, através do gráco, a função que ele representa; (f + g)(x) = f(x) + g(x). (fg)(x) = f(x) g(x). f g CÁLCULO I Prof. Edilson Neri Júnior Prof. André Almeida Aula n o 03: Operações com funções. Funções Polinominais, Racionais e Trigonométricas Objetivos da Aula Denir operações com funções; Apresentar algumas

Leia mais

CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL

CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Curitiba Gerência de Ensino e Pesquisa Departamento Acadêmico de Matemática CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL Prof AULA 0 - FUNÇÕES.

Leia mais

CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL

CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Curitiba Gerência de Ensino e Pesquisa Departamento Acadêmico de Matemática CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL Notas de aula para o

Leia mais

Exercícios sobre Trigonometria

Exercícios sobre Trigonometria Universidade Federal Fluminense Campus do Valonguinho Instituto de Matemática e Estatística Departamento de Matemática Aplicada - GMA Prof Saponga uff Rua Mário Santos Braga s/n 400-40 Niterói, RJ Tels:

Leia mais

MAT146 - Cálculo I - Derivada das Inversas Trigonométricas

MAT146 - Cálculo I - Derivada das Inversas Trigonométricas MAT46 - Cálculo I - Derivada das Inversas Trigonométricas Alexandre Miranda Alves Anderson Tiago da Silva Edson José Teixeira Vimos anteriormente que as funções trigonométricas não são inversíveis, mas

Leia mais

Matemática A Intensivo V. 1

Matemática A Intensivo V. 1 Intensivo V Eercícios ) V F F F F V V V ) D a) Verdadeiro Zero é elemento do conjunto {,,, 3, } b) Falso Neste caso temos {a} como subconjunto de {a, b} logo a relação correta seria a} {a, b} c) Falso

Leia mais

Extensão da tangente, secante, cotangente e cossecante, à reta.

Extensão da tangente, secante, cotangente e cossecante, à reta. UFF/GMA Notas de aula de MB-I Maria Lúcia/Marlene 05- Trigonometria - Parte - Tan-Cot_Sec-Csc PARTE II TANGENTE COTANGENTE SECANTE COSSECANTE Agora estudaremos as funções tangente, cotangente, secante

Leia mais

Resolvendo inequações: expressões com desigualdades (encontrar os valores que satisfazem a expressão)

Resolvendo inequações: expressões com desigualdades (encontrar os valores que satisfazem a expressão) R é ordenado: Se a, b, c R i) a < b se e somente se b a > 0 (a diferença do maior com o menor será positiva) ii) se a > 0 e b > 0 então a + b > 0 (a soma de dois números positivos é positiva) iii) se a

Leia mais

MATEMÁTICA MÓDULO 10 EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES TRIGONOMÉTRICAS 1. EQUAÇÕES TRIGONOMÉTRICAS BÁSICAS 1.1. EQUAÇÃO EM SENO. sen a arcsena 2k, k arcsena 2k, k

MATEMÁTICA MÓDULO 10 EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES TRIGONOMÉTRICAS 1. EQUAÇÕES TRIGONOMÉTRICAS BÁSICAS 1.1. EQUAÇÃO EM SENO. sen a arcsena 2k, k arcsena 2k, k EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES TRIGONOMÉTRICAS. EQUAÇÕES TRIGONOMÉTRICAS BÁSICAS Vamos mostrar como resolver equações trigonométricas básicas, onde temos uma linha trigonométrica aplicada sobre uma função e igual

Leia mais

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas Resolução dos Eercícios sobre Derivadas Eercício Utilizando a idéia do eemplo anterior, encontre a reta tangente à curva nos pontos onde e Vamos determinar a reta tangente à curva nos pontos de abscissas

Leia mais

III Números reais - módulo e raízes Módulo ou valor absoluto Definição e exemplos... 17

III Números reais - módulo e raízes Módulo ou valor absoluto Definição e exemplos... 17 UFF/GMA - Matemática Básica I - Parte III Notas de aula - Marlene - 010-16 Sumário III Números reais - módulo e raízes 17 3.1 Módulo valor absoluto...................................... 17 3.1.1 Definição

Leia mais

A inversa da função seno

A inversa da função seno UFF/GMA Notas de aula de MB-I Maria Lúcia/Marlene 015-1 PARTE III FUNÇÕES TRIGONOMÉTRICAS INVERSAS Funções inversas. O que isso significa? A cada valor da imagem corresponde um e só um valor do domínio

Leia mais

CURSO: Licenciatura em Matemática TURMA: LM 2011/01_1ºSEM PROFESSOR: NÍCOLAS MORO MÜLLER PLANO DE ENSINO

CURSO: Licenciatura em Matemática TURMA: LM 2011/01_1ºSEM PROFESSOR: NÍCOLAS MORO MÜLLER PLANO DE ENSINO CURSO: Licenciatura em Matemática TURMA: LM 2011/01_1ºSEM PROFESSOR: NÍCOLAS MORO MÜLLER PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: 030152 Matemática Fundamental I DURAÇÃO: Semestral CARGA HORÁRIA TOTAL: 90 horas CARGA

Leia mais

Questão 01 EB EA = EC ED. 6 x = 3. x =

Questão 01 EB EA = EC ED. 6 x = 3. x = Questão 0 Seja E um ponto eterno a uma circunferência. Os segmentos EA e ED interceptam essa circunferência nos pontos B e A, e, C e D, respectivamente. A corda AF da circunferência intercepta o segmento

Leia mais

MAT001 Cálculo Diferencial e Integral I

MAT001 Cálculo Diferencial e Integral I 1 MAT001 Cálculo Diferencial e Integral I RESUMO DA AULA TEÓRICA 4 Livro do Stewart: Apêndice D e Seção 16 FUNÇÕES TRIGONOMÉTRICAS O círculo trigonométrico e arcos orientados Num plano cartesiano, considere

Leia mais

O limite trigonométrico fundamental

O limite trigonométrico fundamental O ite trigonométrico fundamental Meta da aula Continuar a apresentação de ites de funções. Objetivo Ao final desta aula, você deverá ser capaz de: Calcular ites usando o ite trigonométrico fundamental.

Leia mais

Centro de Ciências e Tecnlogia Agroalimentar - Campus Pombal Disciplina: Cálculo Aula 1 Professor: Carlos Sérgio. Revisão de Funções

Centro de Ciências e Tecnlogia Agroalimentar - Campus Pombal Disciplina: Cálculo Aula 1 Professor: Carlos Sérgio. Revisão de Funções Centro de Ciências e Tecnlogia Agroalimentar - Campus Pombal Disciplina: Cálculo - 01. Aula 1 Professor: Carlos Sérgio Revisão de Funções Sistema cartesiano ortogonal O Sistema de Coordenadas Cartesianas,

Leia mais

Derivadas das Funções Trigonométricas Inversas

Derivadas das Funções Trigonométricas Inversas UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I Derivadas das Funções

Leia mais

Introdução: A necessidade de ampliação dos conjuntos Numéricos. Considere incialmente o conjunto dos números naturais :

Introdução: A necessidade de ampliação dos conjuntos Numéricos. Considere incialmente o conjunto dos números naturais : Introdução: A necessidade de ampliação dos conjuntos Numéricos Considere incialmente o conjunto dos números naturais : Neste conjunto podemos resolver uma infinidade de equações do tipo A solução pertence

Leia mais

TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS

TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS O conjunto dos números reais,, que possui as seguintes propriedades:, possui uma relação menor ou igual, denotada por O1: Propriedade Reflexiva:

Leia mais

SUMÁRIO. Unidade 1 Matemática Básica

SUMÁRIO. Unidade 1 Matemática Básica SUMÁRIO Unidade 1 Matemática Básica Capítulo 1 Aritmética Introdução... 12 Expressões numéricas... 12 Frações... 15 Múltiplos e divisores... 18 Potências... 21 Raízes... 22 Capítulo 2 Álgebra Introdução...

Leia mais

MÓDULO 45 TRIGONOMETRIA II. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias MATEMÁTICA. 1. Considere a equação. (3 2 cos 2 x) 1 + tg 2. 6 tg = 0.

MÓDULO 45 TRIGONOMETRIA II. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias MATEMÁTICA. 1. Considere a equação. (3 2 cos 2 x) 1 + tg 2. 6 tg = 0. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias MATEMÁTICA. Considere a equação TRIGONOMETRIA II ( cos ) + tg MÓDULO 5 tg = 0. a) Determine todas as soluções no intervalo [0, [. b) Para as soluções

Leia mais

MATEMÁTICA 3 ( ) A. 17. Sejam f(x) = sen(x) e g(x) = x/2. Associe cada função abaixo ao gráfico que. 2 e g.f 3. O número pedido é = 75

MATEMÁTICA 3 ( ) A. 17. Sejam f(x) = sen(x) e g(x) = x/2. Associe cada função abaixo ao gráfico que. 2 e g.f 3. O número pedido é = 75 MATEMÁTICA 3 17. Sejam f() sen() e g() /2. Associe cada função abaio ao gráfico que melhor a representa. Para cada associação feita, calcule i k, onde i é o número entre parênteses à direita da função,

Leia mais

{ } Questão 1. Considere as seguintes afirmações sobre o conjunto U = { 0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9} Questão 2. Seja o conjunto = { : 0 e 2 2

{ } Questão 1. Considere as seguintes afirmações sobre o conjunto U = { 0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9} Questão 2. Seja o conjunto = { : 0 e 2 2 NOTAÇÕES : conjunto dos números complexos. : conjunto dos números racionais. : conjunto dos números reais. : conjunto dos números inteiros. = 0,,,,.... { } { } * =,,,.... i : unidade imaginária; i =. z=x+iy,

Leia mais

Como a PA é decrescente, a razão é negativa. Então a PA é dada por

Como a PA é decrescente, a razão é negativa. Então a PA é dada por Detalhamento das Soluções dos Exercícios de Revisão do mestre 1) A PA será dada por Temos Então a PA será dada por:, e como o produto é 440: Como a PA é decrescente, a razão é negativa. Então a PA é dada

Leia mais

Questão 2. Questão 1. Questão 3. alternativa D. alternativa D. alternativa B

Questão 2. Questão 1. Questão 3. alternativa D. alternativa D. alternativa B NOTAÇÕES C: conjunto dos números compleos. Q: conjunto dos números racionais. R: conjunto dos números reais. Z: conjunto dos números inteiros. N {0,,,,...}. N {,,,...}. 0: conjunto vazio. A \ B { A; B}.

Leia mais

1 Definição de Derivada

1 Definição de Derivada Departamento de Computação é Matemática Cálculo I USP- FFCLRP Prof. Rafael A. Rosales 5 de março de 2014 Lista 5 Derivada 1 Definição de Derivada Eercício 1. O que é f (a)? Eplique com suas palavras o

Leia mais

Lista de Férias. 6 Prove a partir da definição de limite que: a) lim. (x + 6) = 9. 1 Encontre uma expressão para a função inversa: b) lim

Lista de Férias. 6 Prove a partir da definição de limite que: a) lim. (x + 6) = 9. 1 Encontre uma expressão para a função inversa: b) lim Lista de Férias Bases Matemáticas/FUV Encontre uma epressão para a função inversa: + 3 a) 5 2 + e b) e c) 2 + 5 d) ln( + 3) 6 Prove a partir da definição de ite que: a) 3 ( + 6) = 9 b) = c) 2 = 4 2 d)

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. DINIS COIMBRA 12º ANO DE ESCOLARIDADE MATEMÁTICA A

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. DINIS COIMBRA 12º ANO DE ESCOLARIDADE MATEMÁTICA A ESCOLA SECUNDÁRIA COM º CICLO D. DINIS COIMBRA º ANO DE ESCOLARIDADE MATEMÁTICA A Tarefa nº do plano de trabalho nº 7. Considere a função f() -. a. Encontre a epressão analítica da função inversa de f.

Leia mais

O objeto fundamental deste curso são as funções de uma variável real. As funções surgem quando uma quantidade depende de outra.

O objeto fundamental deste curso são as funções de uma variável real. As funções surgem quando uma quantidade depende de outra. Universidade Federal Fluminense Departamento de Análise GAN0045 Matemática para Economia Professora Ana Maria Luz 00. Unidade Revisão de função de uma variável real O objeto fundamental deste curso são

Leia mais

MATEMÁTICA SARGENTO DA FAB

MATEMÁTICA SARGENTO DA FAB MATEMÁTICA BRUNA PAULA 1 COLETÂNEA DE QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA EEAr (QUESTÕES RESOLVIDAS) QUESTÃO 1 (EEAr 2013) Se x é um arco do 1º quadrante, com sen x a e cosx b, então é RESPOSTA: d QUESTÃO 2 (EEAr

Leia mais

Programação de Conteúdos de Matemática SPE Ensino Médio REGULAR 2013

Programação de Conteúdos de Matemática SPE Ensino Médio REGULAR 2013 Programação de Conteúdos de Matemática SPE Ensino Médio REGULAR 2013 1ª série - volume 1 1. Conjuntos - Conceito de conjunto - Pertinência - Representação de um conjunto - Subconjuntos - União de conjuntos

Leia mais

GABARITO ITA PROVA 2016/2017 MATEMÁTICA

GABARITO ITA PROVA 2016/2017 MATEMÁTICA GABARITO ITA PROVA 06/07 MATEMÁTICA GABARITO ITA MATEMÁTICA NOTAÇÕES : conjunto dos números reais : conjunto dos números compleos i: unidade imaginária i = det M: determinante da matriz M M : inversa

Leia mais

Curvas Planas em Coordenadas Polares

Curvas Planas em Coordenadas Polares Curvas Planas em Coordenadas Polares Sumário. Coordenadas Polares.................... Relações entre coordenadas polares e coordenadas cartesianas...................... 6. Exercícios........................

Leia mais

Aula 3 Propriedades de limites. Limites laterais.

Aula 3 Propriedades de limites. Limites laterais. Propriedades de ites. Limites laterais. MÓDULO - AULA 3 Aula 3 Propriedades de ites. Limites laterais. Objetivos Estudar propriedades elementares de ites, tais como: soma, produto, quociente e confronto.

Leia mais

1. As funções tangente e secante As expressões para as funções tangente e secante são

1. As funções tangente e secante As expressões para as funções tangente e secante são CÁLCULO L1 NOTAS DA SETA AULA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Resumo. Nesta aula definiremos as demais funções trigonométricas, que são obtidas a partir das funções seno e cosseno, e determinaremos

Leia mais

Solução Comentada Prova de Matemática

Solução Comentada Prova de Matemática 18. Se f é uma função real de variável real definida por f() = a + b + c, onde a, b e c são números reais negativos, então o gráfico que melhor representa a derivada de f é: A) y B) y C) y D) y E) y Questão

Leia mais

Questão 1. alternativa A

Questão 1. alternativa A NOTAÇÕES C: conjunto dos números compleos R: conjunto dos números reais Z: conjunto dos números inteiros N {0,,,, } N {,,, } z: conjugado do número z C i: unidade imaginária; i arg z: um argumento de z

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I

Cálculo Diferencial e Integral I Faculdade de Engenharias, Arquitetura e Urbanismo Universidade do Vale do Paraíba Cálculo Diferencial e Integral I Prof. Rodrigo Sávio Pessoa São José dos Campos 0 Sumário Tópico Tópico Tópico Tópico Tópico

Leia mais

Do estudo dos triângulos e em especial do triângulo retângulo, temos as propriedades:

Do estudo dos triângulos e em especial do triângulo retângulo, temos as propriedades: Trigonometria Trigonometria Introdução A trigonometria é um importante ramo da Matemática. Derivada da Geometria (o termo trigonometria significa medida dos triângulos) é uma importante ferramenta para

Leia mais

CÁLCULO I. 1 Número Reais. Objetivos da Aula

CÁLCULO I. 1 Número Reais. Objetivos da Aula CÁLCULO I Prof. Edilson Neri Júnior Prof. André Almeida EMENTA: Conceitos introdutórios de limite, limites trigonométricos, funções contínuas, derivada e aplicações. Noções introdutórias sobre a integral

Leia mais

Apostila de Cálculo I

Apostila de Cálculo I Limites Diz-se que uma variável tende a um número real a se a dierença em módulo de -a tende a zero. ( a ). Escreve-se: a ( tende a a). Eemplo : Se, N,,,4,... quando N aumenta, diminui, tendendo a zero.

Leia mais

Questão 2. Questão 1. Questão 3. Resposta. Resposta. Resposta

Questão 2. Questão 1. Questão 3. Resposta. Resposta. Resposta ATENÇÃO: Escreva a resolução COMPLETA de cada questão no espaço a ela reservado. Não basta escrever apenas o resultado final: é necessário mostrar os cálculos ou o raciocínio utilizado. Questão Emumasalaháumalâmpada,umatelevisão

Leia mais

MÉTODOS MATEMÁTICOS. Claudia Mazza Dias Sandra Mara C. Malta

MÉTODOS MATEMÁTICOS. Claudia Mazza Dias Sandra Mara C. Malta MÉTODOS MATEMÁTICOS Claudia Mazza Dias Sandra Mara C. Malta 1 Métodos Matemáticos Aulas: De 03/11 a 08/11-8:30 as 11:00h Ementa: 1. Funções 2. Eq. Diferenciais Ordinárias de 1 a ordem 3. Sistemas de Equações

Leia mais

MAT001 Cálculo Diferencial e Integral I

MAT001 Cálculo Diferencial e Integral I 1 MAT001 Cálculo Diferencial e Integral I GEOMETRIA ANALÍTICA Coordenadas de pontos no plano cartesiano Distâncias entre pontos Sejam e dois pontos no plano cartesiano A distância entre e é dada pela expressão

Leia mais

10. OUTRAS FUNÇÕES TRIGONOMÉTRICAS

10. OUTRAS FUNÇÕES TRIGONOMÉTRICAS 0. OUTRAS FUNÇÕES TRIGONOMÉTRICAS Consideremos um triângulo retângulo ABC e seja t um dos seus ângulos agudos. Figura Relembremos que, sendo 0 < t < π/, temos tg t = b c (= cateto oposto cateto adjacente)

Leia mais

BANCO DE EXERCÍCIOS - 24 HORAS

BANCO DE EXERCÍCIOS - 24 HORAS BANCO DE EXERCÍCIOS - HORAS 9º ANO ESPECIALIZADO/CURSO ESCOLAS TÉCNICAS E MILITARES FOLHA Nº GABARITO COMENTADO ) A função será y,5x +, onde y (preço a ser pago) está em função de x (número de quilômetros

Leia mais

54 CAPÍTULO 2. GEOMETRIA ANALÍTICA ( ) =

54 CAPÍTULO 2. GEOMETRIA ANALÍTICA ( ) = 54 CAPÍTULO. GEOMETRIA ANALÍTICA.5 Cônicas O grá co da equação + + + + + = 0 (.4) onde,,,, e são constantes com, e, não todos nulos, é uma cônica. A equação (.4) é chamada de equação geral do grau em e

Leia mais

Escola Secundária com 3º ciclo D. Dinis 11º Ano de Matemática A Tema I Geometria no Plano e no Espaço II. Ficha de trabalho nº 3.

Escola Secundária com 3º ciclo D. Dinis 11º Ano de Matemática A Tema I Geometria no Plano e no Espaço II. Ficha de trabalho nº 3. Escola Secundária com 3º ciclo D. Dinis 11º Ano de Matemática A Tema I Geometria no Plano e no Espaço II Ficha de trabalho nº 3 1. Resolver, da página 80 do seu manual, 1.1. as alíneas a), c) e e) dos

Leia mais

CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I NOTAS DE AULAS Prof. Dr. Luiz Francisco da Cruz Departamento de Matemática UNESP/Bauru

CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I NOTAS DE AULAS Prof. Dr. Luiz Francisco da Cruz Departamento de Matemática UNESP/Bauru REGRA DE LHÔPITAL Teorema: Suponhamos que f (a) g(a) e que f (a) e g (a) eistam com g(a). Então: lim a f() g() f(a) g(a). in det er min ação. Forma mais avançada do Teorema de L Hospital: Suponhamos que

Leia mais

NOTAÇÕES. : inversa da matriz M : produto das matrizes M e N : segmento de reta de extremidades nos pontos A e B

NOTAÇÕES. : inversa da matriz M : produto das matrizes M e N : segmento de reta de extremidades nos pontos A e B NOTAÇÕES R C : conjunto dos números reais : conjunto dos números complexos i : unidade imaginária i = 1 det M : determinante da matriz M M 1 MN AB : inversa da matriz M : produto das matrizes M e N : segmento

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO MATEMÁTICA 1) Teoria dos Conjuntos e Conjuntos Numéricos: Representação de conjuntos, subconjuntos, operações: união, interseção, diferença e complementar. Conjunto universo e conjunto vazio; - Conjunto

Leia mais

1 Geometria Analítica Plana

1 Geometria Analítica Plana UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ CAMPUS DE CAMPO MOURÃO Curso: Matemática, 1º ano Disciplina: Geometria Analítica e Álgebra Linear Professora: Gislaine Aparecida Periçaro 1 Geometria Analítica Plana A Geometria

Leia mais

Cálculo I (2015/1) IM UFRJ Lista 2: Limites e Continuidade Prof. Milton Lopes e Prof. Marco Cabral Versão Exercícios de Limite

Cálculo I (2015/1) IM UFRJ Lista 2: Limites e Continuidade Prof. Milton Lopes e Prof. Marco Cabral Versão Exercícios de Limite Eercícios de Limite. Eercícios de Fiação Cálculo I (05/) IM UFRJ Lista : Limites e Continuidade Prof. Milton Lopes e Prof. Marco Cabral Versão 30.03.05 Fi.: Considere o gráco de = f() esboçada no gráco

Leia mais

Limites, derivadas e máximos e mínimos

Limites, derivadas e máximos e mínimos Limites, derivadas e máimos e mínimos Psicologia eperimental Definição lim a f ( ) b Eemplo: Seja f()=5-3. Mostre que o limite de f() quando tende a 1 é igual a 2. Propriedades dos Limites Se L, M, a,

Leia mais

Bases Matemáticas - Turma A3 1 a Avaliação (resolvida) - Prof. Armando Caputi

Bases Matemáticas - Turma A3 1 a Avaliação (resolvida) - Prof. Armando Caputi Bases Matemáticas - Turma A3 1 a Avaliação (resolvida) - Prof. Armando Caputi IMPORTANTE A resolução apresentada aqui vai além de um mero gabarito. Além de cumprir esse papel de referência para as respostas,

Leia mais

4 Cálculo Diferencial

4 Cálculo Diferencial 4 Cálculo Diferencial 1. (Eercício IV.1 de [1]) Calcule as derivadas das funções: a) tg, b) +cos 1 sen, c) e arctg, d) e log2, e) sen cos tg, f) 2 (1 + log ), g) cos(arcsen ) h) (log ), i) sen 2. 2. Derive:

Leia mais

CE065 - ELEMENTOS BÁSICOS DE ESTATÍSTICA 2ª. PARTE

CE065 - ELEMENTOS BÁSICOS DE ESTATÍSTICA 2ª. PARTE CE65 - ELEMENTOS BÁSICOS DE ESTATÍSTICA ª. PARTE. FUNÇÕES.- Sistema de Coordenadas Cartesianas ou Plano Cartesiano A localização de pontos num plano é bastante antiga na Matemática e data aproimadamente

Leia mais

Funções. Funções. Você, ao longo do curso, quando apresentado às disciplinas de Economia, terá oportunidade de fazer aplicações nos cálculos

Funções. Funções. Você, ao longo do curso, quando apresentado às disciplinas de Economia, terá oportunidade de fazer aplicações nos cálculos Funções Funções Um dos conceitos mais importantes da matemática é o conceito de função. Em muitas situações práticas, o valor de uma quantidade pode depender do valor de uma segunda. A procura de carne

Leia mais

Lista de Exercícios de Funções

Lista de Exercícios de Funções Lista de Eercícios de Funções ) Seja a R, 0< a < e f a função real de variável real definida por : f() = ( a a ) cos( π) + 4cos( π) + 3 Sobre o domínio A desta função podemos afirmar que : a) (], [ Z)

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral Química Notas de Aula

Cálculo Diferencial e Integral Química Notas de Aula Cálculo Diferencial e Integral Química Notas de Aula João Roberto Gerônimo 1 1 Professor Associado do Departamento de Matemática da UEM. E-mail: jrgeronimo@uem.br. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO Esta notas de aula

Leia mais

ITA º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

ITA º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR ITA - 2006 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Matemática Questão 01 Seja E um ponto externo a uma circunferência. Os segmentos e interceptam essa circunferência nos pontos B e A, e, C

Leia mais

12 Qua 16 mar Coordenadas retangulares, representação Funções vetoriais paramétrica

12 Qua 16 mar Coordenadas retangulares, representação Funções vetoriais paramétrica Aula Data Aula Detalhes 1 Qua 3 fev Introdução Apresentação e avisos 2 Sex 5 fev Revisão Resumo dos pré-requisitos Qua 10 fev Feriado Carnaval 3 Sex 12 fev Soma de Riemann Área, soma superior e inferior

Leia mais

MATEMÁTICA ELEMENTAR II:

MATEMÁTICA ELEMENTAR II: Marcelo Gorges Olímpio Rudinin Vissoto Leite MATEMÁTICA ELEMENTAR II: situações de matemática do ensino médio no dia a dia 009 009 IESDE Brasil S.A. É proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer

Leia mais

unções Trigonométricas? ...

unções Trigonométricas? ... III TRIGONOMETRIA Por que aprender Funçõe unções Trigonométricas?... É importante saber sobre Funções Trigonométricas, pois estes conhecimentos vão além da matemática. Você encontra a utilidade das funções

Leia mais

CÁLCULO I. Figura 1: Círculo unitário x2 + y 2 = 1

CÁLCULO I. Figura 1: Círculo unitário x2 + y 2 = 1 CÁLCULO I Prof. Marcos Diniz Prof. André Almeida Prof. Edilson Neri Júnior Aula no 05: Funções Logarítmica, Exponencial e Hiperbólicas. Objetivos da Aula De nir as funções trigonométricas, trigonométricas

Leia mais

DVD do professor. banco De questões

DVD do professor. banco De questões coneões com Capítulo 8 números compleos capítulo 8. Escreva na forma algébrica os números compleos abaio. a) i i b) i i i c) e o i. (UEL-PR) Qual é a parte real do número compleo 5 a bi, com a e b reais

Leia mais

Matemática A Extensivo v. 5

Matemática A Extensivo v. 5 Matemática A Etensivo v. Eercícios ) D f() ( ) f(). Portanto, f() é ímpar. Demonstrar que a função f() é bijetora, isto é, injetora e sobrejetora. Pode ser um tanto "difícil". Para resolução da questão,

Leia mais

Gabarito. Sistemas numéricos. 1. Números naturais. 2. N. 3. Infinito. 4. Infinito. 5. Não. Contra-exemplo: número 7.

Gabarito. Sistemas numéricos. 1. Números naturais. 2. N. 3. Infinito. 4. Infinito. 5. Não. Contra-exemplo: número 7. Gabarito Sistemas numéricos. Números naturais.. N. Infinito.. Infinito. 5. Não. Contra-eemplo: número 7. 6. Não, pois sempre é possível encontrar um número maior, bastando somar mais uma unidade. 7. 0

Leia mais

Geometria Analítica? Onde usar os conhecimentos. os sobre Geometria Analítica?

Geometria Analítica? Onde usar os conhecimentos. os sobre Geometria Analítica? X GEOMETRIA ANALÍTICA Por que aprender Geometria Analítica?... A Geometria Analítica estabelece relações entre a álgebra e a geometria por meio de equações e inequações. Isso permite transformar questões

Leia mais

Funções - Terceira Lista de Exercícios

Funções - Terceira Lista de Exercícios Funções - Terceira Lista de Exercícios Módulo 1 - Trigonometria e Funções Trigonométricas 1. Converta de graus para radianos: a) 0 b) 10 c) 45 d) 15 e) 170 f) 70 g) 15 h) 700 i) 1080 j) 6. Converta de

Leia mais

MATEMÁTICA A - 12o Ano N o s Complexos - Equações e problemas Propostas de resolução

MATEMÁTICA A - 12o Ano N o s Complexos - Equações e problemas Propostas de resolução MATEMÁTICA A - 1o Ano N o s Complexos - Equações e problemas Propostas de resolução Exercícios de exames e testes intermédios 1. Simplificando as expressões de z 1 e z, temos que: Como i 19 i + i i, vem

Leia mais

p a p. mdc(j,k): máximo divisor comum dos números inteiros j e k. n(x) : número de elementos de um conjunto finito X. (a,b) = {x : a < x < b}.

p a p. mdc(j,k): máximo divisor comum dos números inteiros j e k. n(x) : número de elementos de um conjunto finito X. (a,b) = {x : a < x < b}. MATEMÁTICA NOTAÇÕES = {0,,,,...} : conjunto dos números inteiros : conjunto dos números racionais : conjunto dos números reais : conjunto dos números complexos i: unidade imaginária; i = Izl: módulo do

Leia mais

MATRIZ DE REFERÊNCIA-Ensino Médio Componente Curricular: Matemática

MATRIZ DE REFERÊNCIA-Ensino Médio Componente Curricular: Matemática MATRIZ DE REFERÊNCIA-Ensino Médio Componente Curricular: Matemática Conteúdos I - Conjuntos:. Representação e relação de pertinência;. Tipos de conjuntos;. Subconjuntos;. Inclusão;. Operações com conjuntos;.

Leia mais

Matemática JOSÉ AUGUSTO DE MELO. Matemática I. Trigonometria... 3 Números Complexos Equações Algébricas Matemática II

Matemática JOSÉ AUGUSTO DE MELO. Matemática I. Trigonometria... 3 Números Complexos Equações Algébricas Matemática II Matemática Matemática I Trigonometria... Números Compleos... Equações Algébricas... 8 Matemática II Estudo Analítico da Reta... Estudo Analítico da Circunferência... 40 Limite... 46 Derivada... 5 A reprodução

Leia mais

NOTAÇÕES MATEMÁTICAS UTILIZADAS

NOTAÇÕES MATEMÁTICAS UTILIZADAS Prova de MTMÁTI - Modelo R R R + R + R R Q Q Z Z + Z N N f(x) f(a) log a sen α cos α tg α cotg α cossec α x n! NOTÇÕS MTMÁTIS UTILIZS - conjunto dos números reais - conjunto dos números reais não nulos

Leia mais

a) 4x 10 = 0, onde x é a incógnita e 4 é 10 são os coeficientes. b) x + 3 = 4x + 8

a) 4x 10 = 0, onde x é a incógnita e 4 é 10 são os coeficientes. b) x + 3 = 4x + 8 Equação do 1º Grau Introdução Equação é uma sentença matemática aberta epressa por uma igualdade envolvendo epressões matemáticas. Uma equação é composta por incógnitas e coeficientes (esses são conhecidos).

Leia mais

ACADEMIA DA FORÇA AÉREA PROVA DE MATEMÁTICA 1998

ACADEMIA DA FORÇA AÉREA PROVA DE MATEMÁTICA 1998 PROVA DE MATEMÁTICA 998 Se a seqüência de inteiros positivos (,, y) é uma Progressão Geométrica e (+, y, ) uma Progressão Aritmética, então, o valor de + y é a) b) c) d) A soma das raízes da equação log

Leia mais

Programa Anual MATEMÁTICA EXTENSIVO

Programa Anual MATEMÁTICA EXTENSIVO Programa Anual MATEMÁTICA EXTENSIVO Os conteúdos conceituais de Matemática estão distribuídos em 5 frentes. A) Equações do 1º e 2º graus; Estudo das funções; Polinômios; Números complexos; Equações algébricas.

Leia mais

Matemática E Extensivo V. 6

Matemática E Extensivo V. 6 Etensivo V. 6 Eercícios ) a) P() é sempre igual à soma dos coeficientes de P(). b) P() é sempre igual ao termo independente de P(). c) P() é a raiz de P(), pois P() =. ) D a) P() = ³ + 7. ² 7. P() = +

Leia mais

Funções Elementares. Sadao Massago. Maio de Alguns conceitos e notações usados neste texto. Soma das funções pares é uma função par.

Funções Elementares. Sadao Massago. Maio de Alguns conceitos e notações usados neste texto. Soma das funções pares é uma função par. Funções Elementares Sadao Massago Maio de 0. Apresentação Neste teto, trataremos rapidamente sobre funções elementares. O teto não é material completo do assunto, mas é somente uma nota adicional para

Leia mais

2. Sendo f(x) = x 4 e g(x) = 4 x calcule:

2. Sendo f(x) = x 4 e g(x) = 4 x calcule: Geometria linear Dados dois pontos distintos e, o primeiro postulado de Euclides nos permite construir, com a régua, o segmento. Notação: Depois de construído o segmento, tomamos o seu comprimento como

Leia mais

1 Axiomatização das teorias matemáticas 30 2 Paralelismo e perpendicularidade de retas e planos 35 3 Medida 47

1 Axiomatização das teorias matemáticas 30 2 Paralelismo e perpendicularidade de retas e planos 35 3 Medida 47 ÍNDICE Números e operações Geometria e medida Relação de ordem em R 4 Intervalos de números reais 8 Valores aproimados de resultados de operações Eercícios resolvidos 6 Eercícios propostos 0 Eercícios

Leia mais

Ordenar ou identificar a localização de números racionais na reta numérica.

Ordenar ou identificar a localização de números racionais na reta numérica. Ordenar ou identificar a localização de números racionais na reta numérica. Estabelecer relações entre representações fracionárias e decimais dos números racionais. Resolver situação-problema utilizando

Leia mais

1 Cônicas Não Degeneradas

1 Cônicas Não Degeneradas Seções Cônicas Reginaldo J. Santos Departamento de Matemática-ICE Universidade Federal de Minas Gerais http://www.mat.ufmg.br/~regi regi@mat.ufmg.br 11 de dezembro de 2001 Estudaremos as (seções) cônicas,

Leia mais

6. Considere. igual a : (A) f (x) + 2x f(x) = 0 (B) f (x) x f(x) = 0 (C) f (x) + f(x) = 0 (D) f (x) f(x) = 0 (E) f (x) 2x f(x) = 0

6. Considere. igual a : (A) f (x) + 2x f(x) = 0 (B) f (x) x f(x) = 0 (C) f (x) + f(x) = 0 (D) f (x) f(x) = 0 (E) f (x) 2x f(x) = 0 QUESTÃO ÚNICA 0,000 pontos distribuídos em 50 itens Marque no cartão de respostas a única alternativa que responde de maneira correta ao pedido de cada item.. O valor da área, em unidades de área, limitada

Leia mais

Aula 12. Ângulo entre duas retas no espaço. Definição 1. O ângulo (r1, r2 ) entre duas retas r1 e r2 se define da seguinte maneira:

Aula 12. Ângulo entre duas retas no espaço. Definição 1. O ângulo (r1, r2 ) entre duas retas r1 e r2 se define da seguinte maneira: Aula 1 1. Ângulo entre duas retas no espaço Definição 1 O ângulo (r1, r ) entre duas retas r1 e r se define da seguinte maneira: (r1, r ) 0o se r1 e r são coincidentes, Se as retas são concorrentes, isto

Leia mais

Módulo de Redução ao Primeiro Quadrante e Funções Trigonométricas. Redução ao Primeiro Quadrante. 7 ano E.F. Professores Tiago Miranda e Cleber Assis

Módulo de Redução ao Primeiro Quadrante e Funções Trigonométricas. Redução ao Primeiro Quadrante. 7 ano E.F. Professores Tiago Miranda e Cleber Assis Módulo de Redução ao Primeiro Quadrante e Funções Trigonométricas Redução ao Primeiro Quadrante 7 ano E.F. Professores Tiago Miranda e Cleber Assis Redução ao Primeiro Quadrante e Funções Trigonométricas

Leia mais

Matemática Régis Cortes TRIGONOMETRIA

Matemática Régis Cortes TRIGONOMETRIA TRIGONOMETRIA 1 TRIGONOMETRIA A palavra TRIGONOMETRIA é formada por 3 radicais gregos : TRI (três), GONO (ângulos) e METRIA (medida). Atualmente a trigonometria não se limita apenas a estudar triângulos

Leia mais

& ( $ + & ( U V $ QUESTÃO 01.

& ( $ + & ( U V $ QUESTÃO 01. Resolução da prova de Matemática do º Vestibular Simulado de 004 _ Colégio Anchieta-BA Elaboração; prof. Octamar Marques. Resolução e comentário: profa. Maria Antônia Gouveia. QUESTÃO 0. & ( 0 4 U V $

Leia mais

IFSP - EAD _nº 5 FUNÇÃO POLINOMIAL DE PRIMEIRO GRAU, OU FUNÇÃO DE PRIMEIRO GRAU :

IFSP - EAD _nº 5 FUNÇÃO POLINOMIAL DE PRIMEIRO GRAU, OU FUNÇÃO DE PRIMEIRO GRAU : IFSP - EAD _nº 5 FUNÇÕES CONSTANTE, DE PRIMEIRO E DE SEGUNDO GRAUS. DEFINIÇÕES : FUNÇÃO CONSTANTE : Uma função f: R R é chamada constante se puder ser escrita na forma y = f() = a, onde a é um número real

Leia mais

FUNÇÃO. D: domínio da função f D R R: contradomínio da função f f y = f(x): imagem de x. x. y. Está contido REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE UMA FUNÇÃO

FUNÇÃO. D: domínio da função f D R R: contradomínio da função f f y = f(x): imagem de x. x. y. Está contido REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE UMA FUNÇÃO FUNÇÃO Introdução ao Cálculo Diferencial I /Mário DEFINIÇÃO Seja D um subconjunto dos reais, não vazio. Definir em D uma função f é eplicitar uma regra que a CADA elemento D associa-se a UM ÚNICO R. Notação

Leia mais