A ULTRASSONOGRAFIA NA ODONTOLOGIA: REVISÃO DE LITERATURA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A ULTRASSONOGRAFIA NA ODONTOLOGIA: REVISÃO DE LITERATURA"

Transcrição

1 CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE XII SEMANA ACADÊMICA ISSN: A ULTRASSONOGRAFIA NA ODONTOLOGIA: REVISÃO DE LITERATURA Italo Lamarke da Silva Gomes¹ Daniel Rodrigues Pinho² Thalya Carvalho Monteiro³ Raimundo Thompson Gonçalves Filho Acadêmico do curso de Bacharelado em Odontologia¹ Acadêmico do curso de Bacharelado em Odontologia² Acadêmica do curso de Bacharelado em Odontologia³ Docente do curso de Bacharelado em Odontologia (Mestre em Implantodontia e Doutorando em Cirurgia buco-maxilo-facial - Orientador) FAMETRO Faculdade Metropolitana da Grande Fortaleza Desenvolvimento de Produtos e Projetos RESUMO A ultrassonografia ou ecografia é um tipo de exame complementar de diagnóstico, que utiliza a emissão de ondas sonoras. Bastante utilizada na área médica, principalmente no exame de tecidos moles, a ultrassonografia na odontologia, por sua vez, pode ser utilizada para o exame de osso e tecido mole superficial, a detecção de principais lesões de glândulas salivares, articulação temporomandibular, avaliação de fraturas e lesões vasculares, exame de gânglios linfáticos, medição da espessura dos músculos e visualização dos vasos do pescoço. Este trabalho tem como objetivo realizar uma revisão de literatura sobre o assunto, discutir e ressaltar a importância da ultrassonografia na área da odontologia, bem como suas vantagens, desvantagens, indicações e contra-indicações. Utilizou-se como fonte de busca portais como PubMed, Bireme. Após os critérios de inclusão e exclusão, foram selecionados 06 artigos relevantes sobre o tema. Concluímos com este trabalho que a ultrassonografia é um tipo de exame complementar de ampla aplicação nas diversas especialidades da odontologia e que necessita ser

2 estudado, compreendido e utilizado tanto por parte do acadêmico de odontologia como na rotina de trabalho do cirurgião-dentista. Palavras-chave: Ultrassonografia. Diagnóstico. Articulação temporomandibular. Odontologia. INTRODUÇÃO A ultrassonografia, também chamada de ecografia é uma forma de exame complementar de diagnóstico, que utiliza a emissão de ondas sonoras. Nos aparelhos de ultrassonografia, o ultra-som é gerado pelo transdutor, que fica em contato com a superfície do corpo humano a ser examinada. As ondas sonoras são emitidas via cristais piezoelétricos a partir do transdutor de ultrasons, sendo uma fração absorvida pelos tecidos e a outra refletida como impulsos elétricos. Por sua vez, esses impulsos serão transformados em pontos que variam do branco ao preto, formando a imagem no monitor do aparelho. Bastante utilizada na área médica, principalmente no exame de tecidos moles, a ultrassonografia na odontologia, por sua vez, pode ser utilizada para o exame de osso e tecido mole superficial, a detecção de principais lesões de glândulas salivares, articulação temporomandibular, avaliação de fraturas e lesões vasculares, exame de gânglios linfáticos, medição da espessura dos músculos e visualização dos vasos do pescoço. Sendo assim, este trabalho tem como objetivo discutir e ressaltar a importância da ultrassonografia na área da odontologia, bem como suas vantagens, desvantagens, indicações e contra-indicações. Foram encontrados alguns trabalhos referentes ao assunto, sendo selecionados e escolhidos 6 artigos para revisão, segundo critérios de inclusão e exclusão. Desta maneira, torna-se necessário a discussão por meio deste artigo sobre o uso da ultrassonografia na odontologia, cabendo uma reflexão sobre os motivos que tornam um recurso tão importante no diagnóstico de lesões e fraturas, um dos menos utilizados na área odontológica. DESENVOLVIMENTO / PERCURSO METODOLÓGICO Os exames complementares desempenham um importante papel no

3 adequado manejo do paciente. Na rotina dos cirurgiões-dentistas, as radiografias são os exames mais solicitados, seguidas pela tomografia computadorizada (TC) e ressonância magnética (RM). Entretanto outras alternativas, também podem ser utilizadas, uma vez que fornecem informações relevantes ou até mesmo conclusivas, em relação ao tipo de enfermidade apresentada pelo paciente. Os recursos da medicina nuclear, bem como os exames hematológicos e a ultrassonografia (US) dos tecidos bucais, são ferramentas solicitadas com menor frequência, embora possam contribuir de forma significativa na condução do caso avaliado (MARTINS, 2014). Segundo Frare et.al. (2014) a ultrassonografia é considerado um exame seguro, sem efeitos deletérios ao paciente e de baixo custo, que pode ser realizado em qualquer paciente, até mesmo em crianças e gestantes, porém, é um exame operador-dependente, onde a experiência do radiologista é considerada de grande valor. A partir dessas informações podemos chegar as seguintes conclusões: devido a falta de conhecimento sobre o aparelho de ultrassom e suas características técnicas, faz-se necessário o ensino de uso desta técnica bem como suas vantagens e desvantagens, suas indicações e contraindicações bem como a correta interpretação das imagens, nos cursos de graduação e pós-graduação em odontologia. A US tem como vantagens a não utilização de radiação ionizante, além de ser, comparativamente aos métodos citados, de custo mais acessível. Além disso é indicada para diferenciação de massas sólidas e císticas e na relação das alterações com outras estruturas. Permite ainda, através do efeito doppler, conhecer o sentido e a velocidade do fluxo sanguíneo em áreas ou lesões vascularizadas. Contudo sua desvantagem está relaciona a incapacidade de penetrar em estruturas ósseas, como maxila e mandíbula (FRARE et. al., 2014). Segundo Aquino (2014) as principais aplicações clínicas da US na odontologia são: avaliar as glândulas salivares maiores, detecção de cálculos nos ductos das glândulas salivares (sialolitíase), tumefações na região de cabeça e pescoço e etc., tendo como desvantagem a difícil interpretação das imagens devido à baixa resolução e, sendo contraindicado para diferenciação precisa entre a lesão benigna e maligna.

4 Comparada as demais técnicas radiográficas, a US apresenta-se de forma inócua, ou seja, não apresenta efeitos danosos, além de ser um exame de baixo custo. Em contrapartida é um tipo de exame onde a experiência técnica, incluindo o conhecimento de suas indicações e interpretação de imagens é imprescindível para compreensão dos resultados. Podemos aqui também concluir que o uso da US é pouco difundido na área odontológica, não sendo abordada de forma devida nos cursos de graduação e pós-graduação, o que explica a escassez de cirurgiões-dentistas capacitados em seu manuseio e interpretação. APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS Utilizou-se como fonte de busca portais como PubMed, Bireme e foram usados os descritores: Ultrassonografia, diagnóstico, articulação temporomandibular, Odontologia. Após os critérios de inclusão e exclusão, foram selecionados 06 artigos relevantes sobre o tema. A tabela a seguir mostra um apanhado dos artigos utilizados para construção deste trabalho. Título do Artigo Autores Revista e data Tipo de Trabalho Ultrassonografia em odontologia Francisco Nolânio Mateus Henrique de Aquino 2014 Revisão de literatura Uso da ultrassonografia como exame complementar durante o processo diagnóstico do cirurgião-dentista em lesões bucomaxilofaciais Rafaela A. Frare; Fernanda G. Salum; Karen Cherubini; Maria Antonia Z. Figueiredo Rev Odonto I Bras Central; 2014 Pesquisa Contribuição da ultrassonografia como exame complementar no estabelecimento do diagnóstico de lesões nodulares submucosas e subcutâneas da região bucomaxilofacial Felipe Leal Martins 2014 Pesquisa intervencionista Review on the applications of ultrasonography in dentomaxilofacial region Şehrazat Evirgen, Kıvanç Kamburoğlu World Journal of Radiology; 2016 Revisão de Literatura Ultrasonografy of the temporomandibular joint: a literature review D. Manfredini; F. Guarda Nardini International Journal of Oral & Maxillofacial Surgery, 2009 Revisão de Literatura

5 Ultrasonografy in the diagnosis of bone lesions of the jaws: a sistematic review Davide Musu; Giampiero Rossi-Fedele; MClinDent; Girolamo Campisi; Elisabetta Cotti. Oral and Maxillofacial Radiology, 2016 Revisão Sistemática De acordo com levantamento (questionário) realizado por Frare (2014), com a finalidade de avaliar o grau de conhecimento e utilização da US por parte dos cirurgiões-dentistas (CDs) clínicos e especialistas atuantes nos últimos 12 meses, mostrou que dos 175 entrevistados 136 (77,7%) responderam saber para que o exame é solicitado, enquanto que 39 (22,3%) responderam não saber. Ainda sobre o mesmo artigo, uma tabela nos mostra os percentuais de CDs clínicos e especialistas que afirmam utilizar, ou nunca utilizar a US durante o processo de diagnóstico em lesões bucomaxilofaciais dos seus pacientes. Podemos concluir a partir desta tabela que a especialidade Estomatologia seguida da CTBMF são aquelas que mais utilizam US como exame complementar para diagnóstico de lesões bucomaxilofaciais, totalizando 23 estomatologistas (92,0%) e 12 cirurgiões bucomaxilofaciais (48,0%) de um total de 25 especialistas entrevistados de cada área (especialidade). Dentre as principais lesões diagnosticadas a partir da US estão: lesões nodulares, císticas, de glândulas salivares e vasculares do complexo maxilo-mandibular.

6 Em seu trabalho sobre a contribuição da ultrassonografia para o estabelecimento do diagnóstico de lesões nodulares submucosas e subcutâneas da região bucomaxilofacial, Martins (2014) apresenta uma tabela com escala de pontuação de 0 à 3, onde 0 significa nenhuma contribuição da ecografia no estabelecimento do diagnóstico final, sendo responsável por 12,3% dos exames realizados. A pontuação 1, indicando que a US ajudou na gestão do caso, e 2, onde foi possível definir o diagnóstico através da imagem. Estes dois últimos representados, respectivamente por 41,5% e 46,1%, totalizando 87,6% dos casos em US. Isso demonstra que do total de pacientes analisados (n = 65), em 57 casos a US contribuiu de forma significativa para a gestão adequada do paciente. Em uma segunda tabela da mesma obra, de acordo com as pontuações determinadas pelos examinadores, o método contribuiu para o diagnóstico de lesões vasculares em 93,3%. Nas neoplasias, a ultrassonografia era útil no tratamento das lesões malignas, bem como aqueles benignos, em 87,5%. No que diz respeito ao muco fenômenos de retenção, a US teve um papel no estabelecimento do diagnóstico final em 76,5%. As outras alterações descritas foram representados por um número limitado de pacientes, fazendo uma análise eficaz destes dados impossíveis.

7 CONSIDERAÇÕES FINAIS Por meio desta revisão de literatura podemos perceber que a ultrassonografia é um tipo de exame complementar de ampla aplicação nas diversas especialidades da odontologia, contudo ainda é um recurso desconhecido pela maioria dos profissionais, que necessita ser estudado, compreendido e utilizado tanto por parte do acadêmico de odontologia como na rotina de trabalho do cirurgião-dentista.

8 REFERÊNCIAS FRARE, Rafaela A. et. al; Uso da ultrassonografia como exame complementar durante o processo diagnóstico do cirurgião-dentista em lesões bucomaxilofaciais. Rev Odonto I Bras Central, pp , AQUINO, Francisco Nolânio Mateus Henrique; Ultrassonografia em odontologia: uma revisão de literatura. 30 p. mar MARTINS, Felipe Leal; Contribuição da ultrassonografia como exame complementar no estabelecimento do diagnóstico de lesões nodulares submucosas e subcutâneas da região bucomaxilofacial. 106 f. mar KAMBUROĞLU, Şehrazat Evirgen, Kıvanç; Review on the applications of ultrasonography in dentomaxilofacial region. World Journal of Radiology, V. 8(1): pp ; jan MANFREDINI, D.; NARDINI, F. Guarda; Ultrasonografy of the temporomandibular joint: a literature review. International Journal of Oral & Maxillofacial Surgery, pp , MUSU, Davide et. al; Ultrasonografy in the diagnosis of bone lesions of the jaws: a sistematic review. Oral and Maxillofacial Radiology, V. 122, N. 1, pp , jul

T E L E RA D I O L O G I A

T E L E RA D I O L O G I A ASPECTOS A SEREM CONSIDERADOS NA IMPLANTAÇÃO DE UM CENTRO DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM T E L E RA D I O L O G I A Dany Jasinowodolinski danyjasino@gmail.com Analógica Digital Porque investir em DIGITAL? Velocidade

Leia mais

Tomografia Computadorizada ou Ressonância Magnética qual a melhor opção para cada caso?

Tomografia Computadorizada ou Ressonância Magnética qual a melhor opção para cada caso? Abordagem diagnóstica de um nódulo hepático o que o cirurgião deve saber? Tomografia Computadorizada ou Ressonância Magnética qual a melhor opção para cada caso? Maria Fernanda Arruda Almeida Radiologia

Leia mais

Mauricio Zapparoli Departamento de Clínica Médica Hospital de Clínicas Universidade Federal do Paraná. DAPI Diagnóstico Avançado por Imagem

Mauricio Zapparoli Departamento de Clínica Médica Hospital de Clínicas Universidade Federal do Paraná. DAPI Diagnóstico Avançado por Imagem Mauricio Zapparoli Departamento de Clínica Médica Hospital de Clínicas Universidade Federal do Paraná DAPI Diagnóstico Avançado por Imagem Urografia Excretora Necessita Contraste Iodado (alergias/função

Leia mais

Audiência Pública Projeto de Lei 3.661/2012 Projeto de Lei do Senado 26/2008

Audiência Pública Projeto de Lei 3.661/2012 Projeto de Lei do Senado 26/2008 Audiência Pública Projeto de Lei 3.661/2012 Projeto de Lei do Senado 26/2008 Lei nº 7.394, de 29 de outubro de 1985 Regula o exercício da profissão de Técnico em Radiologia, conceituando-se como tal todos

Leia mais

Journal Club (set/2010)

Journal Club (set/2010) Journal Club (set/2010) van Werven et al Academic Medical Center University of Amsterdam Netherland Thiago Franchi Nunes Orientador: Dr. Rogério Caldana Escola Paulista de Medicina Universidade Federal

Leia mais

Journal Club. Setor Abdome. Apresentação: Lucas Novais Bomfim Orientação: Dr. George Rosas

Journal Club. Setor Abdome. Apresentação: Lucas Novais Bomfim Orientação: Dr. George Rosas Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Departamento de Diagnóstico por Imagem Setor Abdome Journal Club Apresentação: Lucas Novais Bomfim Orientação: Dr. George Rosas Data: 11.09.2013

Leia mais

C U R S O O D O N T O L O G I A Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: RADIOLOGIA Código: ODO-014 Pré-requisito: ANATOMIA

Leia mais

SUMÁRIO A...4 C...4 D... 6 E... 6 G... 6 H...7 I...7 M...7 N... 8 O... 8 P... 8 Q... 9 R... 9 T... 9 U...10

SUMÁRIO A...4 C...4 D... 6 E... 6 G... 6 H...7 I...7 M...7 N... 8 O... 8 P... 8 Q... 9 R... 9 T... 9 U...10 GLOSSÁRIO CLIENTE INTRODUÇÃO Este glossário foi desenvolvido pela Unimed Vale do Sinos com o objetivo de aproximar o cliente e a comunidade da cooperativa, por meio de esclarecimentos de diversos conceitos

Leia mais

2.1. Formação de Nível I ( corresponde a 36 meses do período de formação).

2.1. Formação de Nível I ( corresponde a 36 meses do período de formação). PROGRAMA DE FORMAÇÃO DO INTERNATO MÉDICO DE RADIOLOGIA (Versão para publicação sob a forma de Portaria) A formação específica no Internato Médico de Radiologia tem a duração de 60 meses (5 anos, a que

Leia mais

Rafaela C. Santa Clara Vivian C. Monteiro Pereira C A P Tópicos de Pesquisa em Informática

Rafaela C. Santa Clara Vivian C. Monteiro Pereira C A P Tópicos de Pesquisa em Informática Rafaela C. Santa Clara Vivian C. Monteiro Pereira I M AG I N G S Y S T E M S I N RA D I O LO GY C A P. 1 8 Tópicos de Pesquisa em Informática INFORMÁTICA DE IMAGENS BIOMÉDICAS Estudo de métodos para gerar,

Leia mais

PAPEL DA IMAGEM NA AVALIAÇÃO DA PELVE FEMININA

PAPEL DA IMAGEM NA AVALIAÇÃO DA PELVE FEMININA PAPEL DA IMAGEM NA AVALIAÇÃO DA PELVE FEMININA Métodos de Diagnóstico por Imagem 1. Detecção de Lesões 2. Benigno vs. Maligno 3. Conduta (Cx, Seguimento...) Iyer VR et al. AJR 2010;194:311-321 Métodos

Leia mais

CONSULTA FUNDAMENTAÇÃO E PARECER

CONSULTA FUNDAMENTAÇÃO E PARECER PARECER Nº 2546/2017- ASSUNTO: UPA - CONTRATAÇÃO DE MÉDICOS RADIOLOGISTAS AUSÊNCIA DE RESPONSÁVEL TÉCNICO - NECESSIDADE DE ADEQUAÇÕES PARECERISTA: CONS.º LUTERO MARQUES DE OLIVEIRA EMENTA: Necessidade

Leia mais

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM /

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / ECOGRAFIA MúSCULO-ESQUELéTICA (JAN 2015) - LISBOA A Ecografia é uma técnica extremamente útil no diagnóstico e avaliação músculo-esquelética, permitindo acompanhar de forma objetiva a evolução da lesão,

Leia mais

Tomografia Computadorizada

Tomografia Computadorizada Tomografia Computadorizada Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com Aula 05: Dose em Tomografia Agenda Introdução Dose absorvida, dose equivalente, e dose efetiva Definição das Medidas de

Leia mais

I Data: 24/05/05. II Grupo de Estudo: III Tema: IV Especialidade(s) envolvida(s):

I Data: 24/05/05. II Grupo de Estudo: III Tema: IV Especialidade(s) envolvida(s): Parecer do Grupo Técnico de Auditoria em Saúde 016/05 Tema: Ultra-sonografia dinâmica de vias urinárias I Data: 24/05/05 II Grupo de Estudo: Silvana Márcia Bruschi Kelles Lélia Maria de Almeida Carvalho

Leia mais

Local de realização do exame: Unidade Morumbi. Elastografia US Fígado e Tireóide

Local de realização do exame: Unidade Morumbi. Elastografia US Fígado e Tireóide Local de realização do exame: Unidade Morumbi Elastografia US Fígado e Tireóide O que é Elastografia Hepática por Ultrassonografia? É uma técnica avançada e não invasiva associada à ultrassonografia convencional,

Leia mais

PRINCIPIOS DA ULTRA-SONOGRAFIA. Profa. Rita Pereira

PRINCIPIOS DA ULTRA-SONOGRAFIA. Profa. Rita Pereira PRINCIPIOS DA ULTRA-SONOGRAFIA Profa. Rita Pereira Ecografia ou Ultrassonografia SOM: onda mecânica,portanto precisa de um meio material para se propagar. Meios: ar, líquidos, materiais sólidos.. Produção

Leia mais

Material desenvolvido com conteúdo fornecido pelas unidades acadêmicas responsáveis pelas disciplinas.

Material desenvolvido com conteúdo fornecido pelas unidades acadêmicas responsáveis pelas disciplinas. 2 Material desenvolvido com conteúdo fornecido pelas unidades acadêmicas responsáveis pelas disciplinas. Organização Projeto Visual COMEP Paulo Roberto Bueno Pereira Michela Peanho Harumi Toda Watzel CCOM

Leia mais

Imagem da Semana: Ressonância nuclear magnética

Imagem da Semana: Ressonância nuclear magnética Imagem da Semana: Ressonância nuclear magnética Imagem 01. Ressonância Margnética do Abdomen Imagem 02. Angiorressonância Abdominal Paciente masculino, 54 anos, obeso, assintomático, em acompanhamento

Leia mais

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM. Profa Dra Sandra Zeitoun UNIP

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM. Profa Dra Sandra Zeitoun UNIP DIAGNÓSTICO POR IMAGEM Profa Dra Sandra Zeitoun UNIP TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA A neurociência teve que esperar mais de 70 anos, até que aparecesse um método de imagens por raios X que realmente fosse

Leia mais

1- Quais das seguintes freqüências estão dentro da escala do ultrassom? 2- A velocidade média de propagação nos tecidos de partes moles é?

1- Quais das seguintes freqüências estão dentro da escala do ultrassom? 2- A velocidade média de propagação nos tecidos de partes moles é? Exercícios de Física 1- Quais das seguintes freqüências estão dentro da escala do ultrassom? a) 15 Hz b) 15 KHz c) 15 MHz d) 17.000 Hz e) 19 KHz 2- A velocidade média de propagação nos tecidos de partes

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Ministério da Educação INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 253, DE 10 DE MAIO DE 2013 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA. Curso: Odontologia Período de oferta da disciplina: 2 o P.

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA. Curso: Odontologia Período de oferta da disciplina: 2 o P. UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: HISTOLOGIA BUCO DENTAL Código da Disciplina: ODO110 Curso: Odontologia Período de oferta da disciplina: 2 o P. Faculdade

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE Nº 01/2017. Conselho Gestor de Parcerias Público Privadas. Belém, 21 de agosto de 2017.

PROCEDIMENTO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE Nº 01/2017. Conselho Gestor de Parcerias Público Privadas. Belém, 21 de agosto de 2017. PROCEDIMENTO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE Nº 01/2017 Conselho Gestor de Parcerias Público Privadas Belém, 21 de agosto de 2017. ANEXO II Procedimentos incluídos no objeto da concessão Procedimento de Manifestação

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO CÂMPUS DE ARAÇATUBA - FACULDADE DE ODONTOLOGIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO CÂMPUS DE ARAÇATUBA - FACULDADE DE ODONTOLOGIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO CÂMPUS DE ARAÇATUBA - FACULDADE DE ODONTOLOGIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA X INTEGRAL NOTURNO PLANO DE ENSINO Disciplina: Departamento:

Leia mais

*** Iane Souza Nery Silva Titulação: * Especialista. ** Cirurgiã Dentista, Especialista em Endodontia. *** Mestre.

*** Iane Souza Nery Silva   Titulação: * Especialista. ** Cirurgiã Dentista, Especialista em Endodontia. *** Mestre. C U R S O O D O N O L O G I A Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: Radiologia Código: - Pré-requisito: Anatomia II: Cabeça

Leia mais

Exames Complementares de Diagnóstico RADIOLOGIA - RADIOLOGIA CONVENCIONAL. Convenção n.º 19/2016, de 05 de agosto de Entidades Convencionadas

Exames Complementares de Diagnóstico RADIOLOGIA - RADIOLOGIA CONVENCIONAL. Convenção n.º 19/2016, de 05 de agosto de Entidades Convencionadas Exames Complementares de Diagnóstico RADIOLOGIA - RADIOLOGIA CONVENCIONAL Convenção n.º 19/2016, de 05 de agosto de 2016 Entidades Convencionadas Designação Morada Valências Contactos CAL - Clínica do

Leia mais

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM /

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / ECOGRAFIA MúSCULO-ESQUELéTICA (MAR 2016) PORTO Pelo seu importante contributo no diagnóstico e processo terapêutico, pela valorização por parte de qualquer paciente, a Ecografia Músculo-esquelética tem

Leia mais

Indicações, vantagens e desvantagens da TC e RM.

Indicações, vantagens e desvantagens da TC e RM. Indicações, vantagens e desvantagens da TC e RM. Como escolher? Alex Adeodato, MV, MBA, MSc, PhD Diretor CRV Imagem alexadeodato@crvimagem.com.br crvimagem.com.br 2016 1999 3 RMs baixo campo 50 TCs Ainda

Leia mais

INTERPRETAÇÃO RADIOGRÁFICA POR ACADÊMICO DE ENFERMAGEM: PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DE TÉCNICAS DE PROCESSAMENTO DIGITAL

INTERPRETAÇÃO RADIOGRÁFICA POR ACADÊMICO DE ENFERMAGEM: PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DE TÉCNICAS DE PROCESSAMENTO DIGITAL INTERPRETAÇÃO RADIOGRÁFICA POR ACADÊMICO DE ENFERMAGEM: PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DE TÉCNICAS DE PROCESSAMENTO DIGITAL Davide Carlos Joaquim 1, Ana Caroline Rocha Melo de Leite 2, Ciro Benevides

Leia mais

ECOGRAFIA MÚSCULO-ESQUELÉTICA FUNCIONAL: ESTUDO ESTÁTICO E DINÂMICO

ECOGRAFIA MÚSCULO-ESQUELÉTICA FUNCIONAL: ESTUDO ESTÁTICO E DINÂMICO ECOGRAFIA MÚSCULO-ESQUELÉTICA FUNCIONAL: ESTUDO ESTÁTICO E DINÂMICO Recurso complementar de excelência. Fisiologia e patologia do tendão, músculo, ligamento e nervo DATAS, LOCAIS E DESTINATÁRIOS DATAS

Leia mais

WALABONSO BENJAMIN GONÇALVES FERREIRA NETO FRATURA DA CABEÇA DA MANDÍBULA. CARACTERÍSTICAS, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO.

WALABONSO BENJAMIN GONÇALVES FERREIRA NETO FRATURA DA CABEÇA DA MANDÍBULA. CARACTERÍSTICAS, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO. WALABONSO BENJAMIN GONÇALVES FERREIRA NETO FRATURA DA CABEÇA DA MANDÍBULA. CARACTERÍSTICAS, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO. Monografia apresentada à Fundação para o Desenvolvimento Cientifico e Tecnológico da

Leia mais

CONTRASTE EM ULTRASSONOGRAFIA! Detecção e Caracterização de Lesões Hepáticas

CONTRASTE EM ULTRASSONOGRAFIA! Detecção e Caracterização de Lesões Hepáticas CONTRASTE EM ULTRASSONOGRAFIA! Detecção e Caracterização de Lesões Hepáticas Joana Carvalheiro! Dr. Eduardo Pereira Serviço de Gastrenterologia do Hospital Amato Lusitano! Director do Serviço: Dr. António

Leia mais

16º Imagem da Semana: Radiografia do Joelho

16º Imagem da Semana: Radiografia do Joelho 16º Imagem da Semana: Radiografia do Joelho Enunciado Paciente do sexo masculino, 15 anos, previamente hígido, iniciou com quadro de dor e edema na região distal da coxa direita há três meses, que evoluiu

Leia mais

Ministério da Educação INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 304, DE 8 DE JUNHO DE 2016

Ministério da Educação INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 304, DE 8 DE JUNHO DE 2016 Ministério da Educação INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 304, DE 8 DE JUNHO DE 2016 A PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS

Leia mais

PROTOCOLOS HAOC Capítulo JCI Responsável pela elaboração Nº Doc. Data da 1ª Versão

PROTOCOLOS HAOC Capítulo JCI Responsável pela elaboração Nº Doc. Data da 1ª Versão e Cirurgia - ASC Introdução: A estratégia de abordagem à via aérea deve iniciar-se por uma completa anamnese baseada na história, exame físico e condição geral do paciente. Este protocolo médico assistencial

Leia mais

Diagnóstico por imagem das infecções do sistema musculoesquelético

Diagnóstico por imagem das infecções do sistema musculoesquelético Diagnóstico por imagem das infecções do sistema musculoesquelético Marcello H. Nogueira-Barbosa Divisão de Radiologia CCIFM Faculdade de Medicina Ribeirão Preto Universidade de São Paulo Conteúdo abordado

Leia mais

Colégio de Radiologia

Colégio de Radiologia Colégio de Radiologia Inquérito para atribuição de idoneidade e capacidade formativa aos serviços Assinale com (x) ou preencha as quadrículas, quando for caso disso. Escreva com letras maiúsculas. Se necessitar,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV Evento: Concurso Público para Provimento de Cargos Técnico-Administrativos em Educação Edital N 101/2014 PARECER A Comissão Examinadora da Prova

Leia mais

O MANUAL DA DOR DE DENTE

O MANUAL DA DOR DE DENTE E S C R I T O P E L A D R A. C R I S T I N A S H I D O M I O MANUAL DA DOR DE DENTE Vamos conhecer melhor as estruturas dos dentes, assim podemos entender porque ocorre a sensação incômoda da dor de dente,

Leia mais

ECOGRAFIAS. Ecografias. Imagens estruturais, baseadas na reflexão dos ultra-sons nas paredes dos tecidos.

ECOGRAFIAS. Ecografias. Imagens estruturais, baseadas na reflexão dos ultra-sons nas paredes dos tecidos. ECOGRAFIAS Ecografias Imagens estruturais, baseadas na reflexão dos ultra-sons nas paredes dos tecidos. Imagens dinâmicas baseadas no efeito de Doppler aplicado ao movimento sanguíneo. ULTRA-SONS, ECOS

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Bauru Sistemas Biomédicos. Ressonância Magnética Nuclear. Profª. Wangner Barbosa da Costa

Faculdade de Tecnologia de Bauru Sistemas Biomédicos. Ressonância Magnética Nuclear. Profª. Wangner Barbosa da Costa Faculdade de Tecnologia de Bauru Sistemas Biomédicos Ressonância Magnética Nuclear Profª. Wangner Barbosa da Costa Tópicos Introdução Princípios Físicos da RMN O Exame de Ressonância Magnética Nuclear

Leia mais

Prótese parcial fixa em metalo cerâmica. Prótese parcial fixa em metalo plástica. Paciente com grande perda de estrutura dentária.

Prótese parcial fixa em metalo cerâmica. Prótese parcial fixa em metalo plástica. Paciente com grande perda de estrutura dentária. Resumo de especialidades: Plano PLUS, Prótese parcial fixa em metalo cerâmica As coroas e próteses em metalocerâmica são uma opção para pessoas que perderam um ou mais dentes. Prótese parcial fixa em metalo

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE PET CT NO DIAGNÓSTICO DE NEOPLASIA PULMONAR

UTILIZAÇÃO DE PET CT NO DIAGNÓSTICO DE NEOPLASIA PULMONAR UTILIZAÇÃO DE PET CT NO DIAGNÓSTICO DE NEOPLASIA PULMONAR Michele Vidotto Rosa 1, Marjorie do Val Ietsugu 2 1 Tecnóloga em Radiologia Faculdade de Tecnologia de Botucatu. E-mail: mizinha-86@hotmail.com.

Leia mais

A N E X O III A T R I B U I Ç Õ E S

A N E X O III A T R I B U I Ç Õ E S A N E X O III A T R I B U I Ç Õ E S MÉDICO CIRURGIÃO VASCULAR Realizar procedimentos diagnósticos e terapêuticos, inclusive em Hemodinâmica; Prescrever e ministrar tratamento para as diversas afecções

Leia mais

Imagenologia das Lesões Hepáticas

Imagenologia das Lesões Hepáticas Curso Continuado em Cirurgia Geral do CBCSP 2014 Imagenologia das Lesões Hepáticas Dr. Lucas Scatigno Saad 26/07/2014 Fígado Maior órgão parenquimatoso do corpo 1.000-2.500 g no adulto saudável Hipocôndrio

Leia mais

ODONTOLOGIA PREVENTIVA. Saúde Bucal. Dores na mandíbula e na face.

ODONTOLOGIA PREVENTIVA. Saúde Bucal. Dores na mandíbula e na face. ODONTOLOGIA PREVENTIVA Saúde Bucal Dores na mandíbula e na face. O que é ATM? ATM significa articulação temporomandibular, que é a articulação entre a mandíbula e o crânio. Portanto, temos duas ATM, cada

Leia mais

METODOLOGIA DO EXAME CLÍNICO

METODOLOGIA DO EXAME CLÍNICO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA 3 o e 4 o Períodos Disciplina: SEMIOLOGIA METODOLOGIA DO EXAME CLÍNICO Parte I Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira http://lucinei.wikispaces.com 2014 Levantamentos Epidemiológicos

Leia mais

Assessoria ao Cirurgião Dentista

Assessoria ao Cirurgião Dentista Assessoria ao Cirurgião Dentista Publicação mensal interna a Papaiz edição X julho de 2015 Escrito por: Dr. André Simões, radiologista da Papaiz Diagnósticos Odontológicos por Imagem 11 3894 3030 papaizassociados.com.br

Leia mais

MONITORIA DA DISCIPLINA SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA:

MONITORIA DA DISCIPLINA SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA: CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE XII SEMANA ACADÊMICA ISSN: 2357-8645 MONITORIA DA DISCIPLINA SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA: RELATO DE EXPERIÊNCIA Jaqueline Diógenes da Silva Graduanda

Leia mais

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág. CURSO DE ODONOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: Anatomia Humana II: Cabeça e Pescoço Código: - Ch: 60h Pré-requisito:

Leia mais

Tomografia Computadorizada Quantitativa Diagnóstico da Osteoporose

Tomografia Computadorizada Quantitativa Diagnóstico da Osteoporose 1 Universidade do Minho Departamento de Eletrónica Industrial Tomografia Computadorizada Quantitativa Diagnóstico da Osteoporose Marino Maciel Nº52557 Orientador: Prof. Higino Correia 2011/2012 Mestrado

Leia mais

Projeto de Automação I

Projeto de Automação I Projeto de Automação I 14/06/2010 Paulo Oshiro 1 SISTEMAS AUTOMATIZADOS Evolução da Eletrônica; Substituição da tomada de decisão; Controles e auto-correções através de sensoriamento e ações similares

Leia mais

EFEITOS COLATERAIS BUCAIS DA RADIOTERAPIA NAS REGIÕES DE CABEÇA E PESCOÇO E A ATUAÇÃO DO CIRURGIÃO-DENTISTA: REVISÃO DE LITERATURA

EFEITOS COLATERAIS BUCAIS DA RADIOTERAPIA NAS REGIÕES DE CABEÇA E PESCOÇO E A ATUAÇÃO DO CIRURGIÃO-DENTISTA: REVISÃO DE LITERATURA EFEITOS COLATERAIS BUCAIS DA RADIOTERAPIA NAS REGIÕES DE CABEÇA E PESCOÇO E A ATUAÇÃO DO CIRURGIÃO-DENTISTA: REVISÃO DE LITERATURA Ana Caroline Cavalcante do Nascimento¹; Nathally Nadia Moura de Lima¹;

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS DO PROGRAMA BÁSICO DO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM RADIOLOGIA E DIAGNÓSTICO POR IMAGEM - RDDI

REQUISITOS MÍNIMOS DO PROGRAMA BÁSICO DO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM RADIOLOGIA E DIAGNÓSTICO POR IMAGEM - RDDI REQUISITOS MÍNIMOS DO PROGRAMA BÁSICO DO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM RADIOLOGIA E DIAGNÓSTICO POR IMAGEM - RDDI 1. Objetivo O campo do Diagnóstico por Imagem envolve, atualmente, uma variedade de técnicas

Leia mais

Avaliação do Conhecimento do Público Leigo e de Profissionais de Saúde Sobre a Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial em Fortaleza-CE

Avaliação do Conhecimento do Público Leigo e de Profissionais de Saúde Sobre a Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial em Fortaleza-CE Recebido em 29/09/2010 Aprovado em 26/11/2010 V11N2 Avaliação do Conhecimento do Público Leigo e de Profissionais de Saúde Sobre a Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial em Fortaleza-CE The knowledge

Leia mais

NÓDULO PULMONAR SOLITÁRIO

NÓDULO PULMONAR SOLITÁRIO Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Medicina Hospital São Lucas SERVIÇO DE CIRURGIA TORÁCICA José Antônio de Figueiredo Pinto DEFINIÇÃO Lesão arredondada, menor que 3.0 cm

Leia mais

ULTRASSONOGRAFIA PEQUENOS ANIMAIS

ULTRASSONOGRAFIA PEQUENOS ANIMAIS PEQUENOS ANIMAIS Professora: Juliana Peloi Vides O som é resultado da vibração, que provoca uma onda mecânica e longitudinal. Ela se propaga em todas as direções Hertz medida utilizada para medir o número

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Anatomia humana de estruturas reunidas em um mesmo território anatômico e suas representações em exames de imagem normais.

PLANO DE ENSINO. Anatomia humana de estruturas reunidas em um mesmo território anatômico e suas representações em exames de imagem normais. NOME: ANATOMIA TOPOGRÁFICA E IMAGEM Código: IMA002 Carga horária: 120 HORAS-AULA (30 HORAS TEÓRICAS E 90 HORAS PRÁTICAS) Créditos: 08 Período do curso: 4 PERÍODO Pré-requisitos: FIB040 EMENTA PLANO DE

Leia mais

EXPERIÊNCIA PRÁTICA DE INCORPORAÇÃO DE TECNOLOGIA EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO. 18/04/2011 Marisa Madi Della Coletta

EXPERIÊNCIA PRÁTICA DE INCORPORAÇÃO DE TECNOLOGIA EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO. 18/04/2011 Marisa Madi Della Coletta EXPERIÊNCIA PRÁTICA DE INCORPORAÇÃO DE TECNOLOGIA EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO 18/04/2011 Marisa Madi Della Coletta 2006 Recomendando uma estratégia Recomendando u Idéias para hoje e amanhã 2006 Declaração

Leia mais

Ultra-sonografia nas Lesões Hepáticas Focais Benignas. Dr. Daniel Bekhor DDI - Radiologia do Abdome - UNIFESP

Ultra-sonografia nas Lesões Hepáticas Focais Benignas. Dr. Daniel Bekhor DDI - Radiologia do Abdome - UNIFESP Ultra-sonografia nas Lesões Hepáticas Focais Benignas Dr. Daniel Bekhor DDI - Radiologia do Abdome - UNIFESP Hemangioma Típico Prevalência: 1 a 20%. F: M até 5:1 Assintomático. Hiperecogênico bem definido

Leia mais

Caracterização de lesões Nódulos Hepá8cos. Aula Prá8ca Abdome 2

Caracterização de lesões Nódulos Hepá8cos. Aula Prá8ca Abdome 2 Caracterização de lesões Nódulos Hepá8cos Aula Prá8ca Abdome 2 Obje8vos Qual a importância da caracterização de lesões através de exames de imagem? Como podemos caracterizar nódulos hepá8cos? Revisar os

Leia mais

ADENOMA PLEOMÓRFICO: DESAFIOS DO TRATAMENTO A Propósito de Um Caso Clínico

ADENOMA PLEOMÓRFICO: DESAFIOS DO TRATAMENTO A Propósito de Um Caso Clínico Serviço de Radioterapia Directora de Serviço: Dra. Gabriela Pinto ADENOMA PLEOMÓRFICO: DESAFIOS DO TRATAMENTO A Propósito de Um Caso Clínico Rita da Costa Lago / Darlene Rodrigues / Joana Pinheiro / Lurdes

Leia mais

Associação de Caridade Santa Casa do Rio Grande Contrato Secretaria da Saúde do Estado do Rio Grande do Sul

Associação de Caridade Santa Casa do Rio Grande Contrato Secretaria da Saúde do Estado do Rio Grande do Sul Associação de Caridade Santa Casa do Rio Grande Contrato 2014-2015 Secretaria da Saúde do Estado do Rio Grande do Sul METAS - CONTRATO Nº 338 FIRMADO COM O SUS VIGÊNCIA: 14/AGO/2014 A 14/AGO/2015 Área

Leia mais

INSCRIÇÃO DE TRABALHOS

INSCRIÇÃO DE TRABALHOS INSCRIÇÃO DE TRABALHOS A 11ª JORNADA ACADÊMICA DE ODONTOLOGIA DA UFPI proporcionará aos profissionais, pesquisadores e acadêmicos de Odontologia, a oportunidade de apresentar e discutir estudos e pesquisas

Leia mais

AVALIAÇÃO APARELHO DIGESTIVO TC E RM

AVALIAÇÃO APARELHO DIGESTIVO TC E RM AVALIAÇÃO APARELHO DIGESTIVO TC E RM! Mauricio Zapparoli DAPI - Diagnóstico Avançado por Imagem / Curitiba-PR Disciplinas de Radiologia Médica e Recursos Diagnósticos - Hospital de Clínicas UFPR Enterografia

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS DO PROGRAMA BÁSICO DO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO E FORMAÇÃO EM RADIOLOGIA E DIAGNÓSTICO POR IMAGEM

REQUISITOS MÍNIMOS DO PROGRAMA BÁSICO DO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO E FORMAÇÃO EM RADIOLOGIA E DIAGNÓSTICO POR IMAGEM 1. Objetivo REQUISITOS MÍNIMOS DO PROGRAMA BÁSICO DO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO E FORMAÇÃO EM RADIOLOGIA E DIAGNÓSTICO POR IMAGEM O campo do Diagnóstico por Imagem envolve, atualmente, uma variedade de técnicas

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTADO DA ARTE EM DIAGNÓSTICO POR IMAGEM

Leia mais

PROCESSO N.º 807/10 PROTOCOLO N.º PARECER CEE/CEB N.º 40/11 APROVADO EM 09/02/11

PROCESSO N.º 807/10 PROTOCOLO N.º PARECER CEE/CEB N.º 40/11 APROVADO EM 09/02/11 PROTOCOLO N.º 10.339.361-2 PARECER CEE/CEB N.º 40/11 APROVADO EM 09/02/11 CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA INTERESSADO: CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE FOZ DO IGUAÇU MUNICÍPIO: FOZ DO IGUAÇU ASSUNTO: Pedido

Leia mais

Prof. AGUINALDO SILVA

Prof. AGUINALDO SILVA Caro aluno e colega de profissão, disponibilizo este material mas caso tenha interesse em usá-lo favor não alterar os slides e não retirar os meus créditos. Obrigado e bons estudos!!! Direitos autorais

Leia mais

SETOR DE ABDOME - JOURNAL CLUB

SETOR DE ABDOME - JOURNAL CLUB SETOR DE ABDOME - JOURNAL CLUB Leonardo S. Carvalho OBJETIVOS Avaliar a capacidade da MDCT com MPRs, para a predição da ressecabilidade do adenocarcinoma pancreatico MATERIAL E MÉTODO Trabalho retrospectivo

Leia mais

Manejo Ambulatorial de Massas Anexiais

Manejo Ambulatorial de Massas Anexiais Instituto Fernandes Figueira FIOCRUZ Departamento de Ginecologia Residência Médica Manejo Ambulatorial de Massas Anexiais Alberto Tavares Freitas Tania da Rocha Santos Abril de 2010 Introdução Representam

Leia mais

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM NO TRAUMA MÚSCULOESQUELÉTICO

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM NO TRAUMA MÚSCULOESQUELÉTICO DIAGNÓSTICO POR IMAGEM NO TRAUMA MÚSCULOESQUELÉTICO Andréia Rodrigues 1, Raquel Colenci 2 1 Aluna do Curso Superior de Tecnologia de Radiologia, Faculdade de Tecnologia de Botucatu,SP, Brasil. email:alcw@ig.com.br

Leia mais

Departamento ODT. Horário 2 as e 5 as feiras, das 13:30 às 14:20h 3 as feiras, das 08:20 às 11:50h 2ª, 3ª. e 5ª das 14:20 às 17:10h

Departamento ODT. Horário 2 as e 5 as feiras, das 13:30 às 14:20h 3 as feiras, das 08:20 às 11:50h 2ª, 3ª. e 5ª das 14:20 às 17:10h 1 UFSC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PLANO DE ENSINO DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Nome da disciplina ODT 7003 - Radiologia Odontológica Professores da disciplina

Leia mais

22 - Como se diagnostica um câncer? nódulos Nódulos: Endoscopia digestiva alta e colonoscopia

22 - Como se diagnostica um câncer? nódulos Nódulos: Endoscopia digestiva alta e colonoscopia 22 - Como se diagnostica um câncer? Antes de responder tecnicamente sobre métodos usados para o diagnóstico do câncer, é importante destacar como se suspeita de sua presença. As situações mais comuns que

Leia mais

Disciplinas 13 de December de 2012 Última Atualização 04 de January de 2013

Disciplinas 13 de December de 2012 Última Atualização 04 de January de 2013 13 de December de 01 Última Atualização 04 de January de 013 e créditos 17/1/01 SISTEMA DE CRÉDITOS ADOTADOS PELO PPGO-UNIOESTE: Um (1) crédito = quinze (15) h/aulas; Número total de créditos: 44 (660

Leia mais

Arq bras odontol 2010; 6(1):45-54 ISSN

Arq bras odontol 2010; 6(1):45-54 ISSN INDICAÇÃO DE RADIOGRAFIAS, TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA E RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NO ESTUDO DO CRÂNIO HUMANO Radiography, computerized tomography, and magnetic resonance: indications in the study of the human

Leia mais

Up to date da radiologia no câncer de pulmão

Up to date da radiologia no câncer de pulmão Up to date da radiologia no câncer de pulmão Ana Paula Santo Lima Radiologista torácica Med Imagem ÍNDICE Difusão é superior ao PET-CT na detecção e avaliação linfonodal no câncer de pulmão Nódulos pulmonares

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE MEDICINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE MEDICINA IDENTIFICAÇÃO Disciplina: Imagenologia Código: CS 01015 PLANO DE ENSINO Carga Horária Total: 40h Teoria: 10 Prática : 30

Leia mais

Lançamentos. Julho Confira as novidades do GEN Grupo Editorial Nacional na área de Saúde

Lançamentos. Julho Confira as novidades do GEN Grupo Editorial Nacional na área de Saúde SAÚDE Julho 2013 Confira as novidades do GEN Grupo Editorial Nacional na área de Saúde Alves Cândido Anatomia para o Cirurgião-Dentista A nova edição de Anatomia para o Cirurgião-Dentista foi completamente

Leia mais

PLANO DE TRABALHO: TECNOLOGIA EM RESSONÂNCIA MAGNÉTICA I

PLANO DE TRABALHO: TECNOLOGIA EM RESSONÂNCIA MAGNÉTICA I PLANO DE TRABALHO: TECNOLOGIA EM RESSONÂNCIA MAGNÉTICA I PROFESSOR: Rodrigo Modesto Gadelha Gontijo 1. EMENTA: Introdução de conhecimentos básicos sobre o equipamento de Ressonância Magnética, seu funcionamento

Leia mais

HOME inova com o mais moderno Pronto Atendimento 24h do DF

HOME inova com o mais moderno Pronto Atendimento 24h do DF 10ª Edição Publicação do Hospital Ortopédico e Medicina Especializada - Março/Abril 2017 HOME inova com o mais moderno Pronto Atendimento 24h do DF O HOME Hospital Ortopédico e Medicina Especializada melhorou

Leia mais

PROCESSO N 1791/13 PROTOCOLO Nº PARECER CEE/CEMEP Nº 59/14 APROVADO EM 13/03/14

PROCESSO N 1791/13 PROTOCOLO Nº PARECER CEE/CEMEP Nº 59/14 APROVADO EM 13/03/14 PROTOCOLO Nº 11.683.314-0 PARECER CEE/CEMEP Nº 59/14 APROVADO EM 13/03/14 CÂMARA DO ENSINO MÉDIO E DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO INTERESSADO: CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL UNIARTE MUNICÍPIO:

Leia mais

FACULDADE METROPOLITANA DA GRANDE FORTALEZA

FACULDADE METROPOLITANA DA GRANDE FORTALEZA A Diretoria Acadêmica e a Comissão Organizadora da XII Semana Acadêmica da FAMETRO, tornam público a realização da CONEXÃO Fametro a realizar-se na Unidade I da Fametro, Rua Conselheira Estelita, 500,

Leia mais

PROTOCOLOS INICIAIS DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA TÓRAX PADI NORMA 1. Opcional em doenças do esôfago. 1,0 a 2,0 ml/kg. 2 ml/s a 4 ml/s.

PROTOCOLOS INICIAIS DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA TÓRAX PADI NORMA 1. Opcional em doenças do esôfago. 1,0 a 2,0 ml/kg. 2 ml/s a 4 ml/s. 1 de 9 INICIAIS DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA TÓRAX PADI NORMA 1 1. TC TÓRAX TODO O PARÊNQUIMA PULMONAR Incluir todas as últimas costelas se para dor torácica/trauma Opcional em doenças do esôfago VELOCIDADE

Leia mais

Patologia Buco Dental Prof. Dr. Renato Rossi Jr.

Patologia Buco Dental Prof. Dr. Renato Rossi Jr. Cistos Odontogênicos Introdução Os cistos derivados dos tecidos odontogênicos são caracterizados como lesões de extraordinária variedade. O complexo desenvolvimento das estruturas dentárias é refletido

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE RADIOTERAPIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA RADIO-ONCOLOGIA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE RADIOTERAPIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA RADIO-ONCOLOGIA SOCIEDADE BRASILEIRA DE RADIOTERAPIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA RADIO-ONCOLOGIA 2016 SOCIEDADE BRASILEIRA DE RADIOTERAPIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA RADIO-ONCOLOGIA - 2016 Comissão Executiva Coordenação

Leia mais

GUIA DO PACIENTE. Centro de Imagens Paranaguá LTDA 05 DE DEZEMBRO DE 2016

GUIA DO PACIENTE. Centro de Imagens Paranaguá LTDA 05 DE DEZEMBRO DE 2016 GUIA DO PACIENTE Centro de Imagens Paranaguá LTDA 05 DE DEZEMBRO DE 2016 CENTRO DE IMAGENS PARANAGUÁ LTDA RUA NESTOR VICTOR Nº66 JOÃO GUALBERTO PARANAGUÁ Prezado Cliente: Apresentamos esta Guia que é de

Leia mais

DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DO ANEURISMA DE AORTA ABDOMINAL

DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DO ANEURISMA DE AORTA ABDOMINAL DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DO ANEURISMA DE AORTA ABDOMINAL Camila Castro de Almeida¹, Marjorie do Val Ietsugu 2 ¹ Tecnologia em Radiologia, Faculdade de Tecnologia, Botucatu, SP, Brasil. E-mail: lc.camila@hotmail.com

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DO EFEITO DO FUMO DE MASCAR NAS CARACTERÍSTICAS SALIVARES E CONDIÇÃO PERIODONTAL

TÍTULO: AVALIAÇÃO DO EFEITO DO FUMO DE MASCAR NAS CARACTERÍSTICAS SALIVARES E CONDIÇÃO PERIODONTAL Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: AVALIAÇÃO DO EFEITO DO FUMO DE MASCAR NAS CARACTERÍSTICAS SALIVARES E CONDIÇÃO PERIODONTAL CATEGORIA:

Leia mais

EDITAL Nº 002/2017 (FACULDADE SETE LAGOAS CURSOS DE ODONTOLOGIA e FISIOTERAPIA)

EDITAL Nº 002/2017 (FACULDADE SETE LAGOAS CURSOS DE ODONTOLOGIA e FISIOTERAPIA) EDITAL Nº 002/2017 (FACULDADE SETE LAGOAS CURSOS DE ODONTOLOGIA e FISIOTERAPIA) O Diretor Acadêmico da Faculdade Sete Lagoas torna público que estão abertas as inscrições para o Programa de Monitoria Voluntária

Leia mais

Conceitos da Física do Ultra-Som

Conceitos da Física do Ultra-Som Ultrasson Conceitos da Física do Ultra-Som Introdução O som, ocorrência natural observado pelos seres vivos é um dos mais importantes eventos vitais que faz parte do conjunto da percepção sensitiva do

Leia mais

O LEVANTAMENTO DE NECESSIDADES EM SAÚDE BUCAL DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE BELO HORIZONTE

O LEVANTAMENTO DE NECESSIDADES EM SAÚDE BUCAL DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE BELO HORIZONTE O LEVANTAMENTO DE NECESSIDADES EM SAÚDE BUCAL DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE BELO HORIZONTE O levantamento de necessidades é um instrumento de vigilância epidemiológica que mensura as necessidades

Leia mais

PLANO DE TRABALHO 2 SEMESTRE 2016 TECNOLOGIA EM RM - I

PLANO DE TRABALHO 2 SEMESTRE 2016 TECNOLOGIA EM RM - I UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE MEDICINA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM RADIOLOGIA PLANO DE TRABALHO 2 SEMESTRE 2016 TECNOLOGIA EM RM - I PROFESSOR RESPONSÁVEL: Luiz Cláudio Souza 1.

Leia mais

IMAGIOLOGIA NOS TUMORES DE CÉLULAS RENAIS

IMAGIOLOGIA NOS TUMORES DE CÉLULAS RENAIS IMAGIOLOGIA NOS TUMORES DE CÉLULAS RENAIS Tiago Saldanha José Durães Serviço de Radiologia HEM - CHLO Curso de carcinoma de células renais Lisboa 2015 PAPEL DOS MÉTODOS DE IMAGEM Diagnóstico Estadiamento

Leia mais

NR-10 CHOQUE ELÉTRICO

NR-10 CHOQUE ELÉTRICO NR-10 CHOQUE ELÉTRICO Prof. Pedro Armando da Silva Jr. Engenheiro Eletricista, Dr. pedroarmando@ifsc.edu.br Definição CHOQUE ELÉTRICO É a perturbação de natureza e efeitos diversos que se manifesta no

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ODONTOLOGIA DEPARTAMENTO DE CIRURGIA E ORTOPEDIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ODONTOLOGIA DEPARTAMENTO DE CIRURGIA E ORTOPEDIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ODONTOLOGIA DEPARTAMENTO DE CIRURGIA E ORTOPEDIA ESPECIALIZAÇÃO EM RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA E IMAGINOLOGIA O USO DA ULTRA-SONOGRAFIA NA ODONTOLOGIA

Leia mais

PLANO DE TRABALHO TECNOLOGIA EM RM - I

PLANO DE TRABALHO TECNOLOGIA EM RM - I UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE MEDICINA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM RADIOLOGIA PLANO DE TRABALHO TECNOLOGIA EM RM - I TURMA 1 PROFESSOR RESPONSÁVEL: Luiz Cláudio Souza 1. EMENTA:

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO RADIOLOGISTA

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO RADIOLOGISTA QUESTÃO 21 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO RADIOLOGISTA Um lote de solução de processamento radiográfico foi recolhido, pois se constatou a falta de um componente na mesma. Os filmes processados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO LESÕES CANCERIZÁVEIS DA BOCA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO LESÕES CANCERIZÁVEIS DA BOCA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO LESÕES CANCERIZÁVEIS DA BOCA Ubiranei Oliveira Silva INTRODUÇÃO Conceitos de Lesão e Condição Cancerizável Lesão cancerizável (pré-câncer, prémalignidade)

Leia mais