ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO"

Transcrição

1 ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO CAPÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO ARTIGO 1º Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO, fica constituída uma sociedade civil, sem fins lucrativos, com tempo de duração por prazo indeterminado, com personalidade jurídica distinta de seus associados, que regerá pelo presente estatuto e será composta por uma diretoria, conselho fiscal e um conselho comunitário. ARTIGO 2º A ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO é constituída com o compromisso de defender a democratização dos meios de comunicação em geral e, em especial a criação e manutenção de um jornal comunitário e de uma rádio comunitária, além de implantar experiências de TV comunitária de baixa potência. PARÁGRAFO ÚNICO O jornal, a TV comunitária e a rádio comunitária terão como fim, desenvolver atividades sócio-culturais no sentido da melhoria das condições socioeconômicas, culturais e educativas em que estiver inserida. CAPÍTULO II DAS FINALIDADES ARTIGO 3º A ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO, entidade sem fins lucrativos, de caráter comunitário e de utilidade pública, promoverá a integração das comunidades rurais e urbanas, do município de Timóteo e municípios vizinhos. ARTIGO 4º A ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO terá a tarefa de através da comunicação livre e alternativa, utilizar a liberdade de receber e transmitir informações e idéias por quaisquer meios. ARTIGO 5º A ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO deverá promover a cultura nacional, regional e municipal e a integração da comunidade no lazer, na cultura e no convívio social. ARTIGO 6º A ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO deverá permitir a qualificação dos 1

2 cidadãos e cidadãs na área de TV comunitária, radiodifusão, jornalismo e toda forma de expressão artística e cultural. Artigo 7º A ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO dará oportunidade à difusão de idéias, elementos de cultura, tradições e hábito sociais da comunidade. ARTIGO 8º A ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO oferecerá mecanismo na formação e integração da comunidade, estimulando o lazer, a cultura e o convívio social. ARTIGO 9º A ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO prestará serviço de utilidade pública, integrando-se aos serviços de defesa civil, sempre que necessário. ARTIGO 10 A ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO deverá divulgar resultados de pesquisas, estudos, experiências educativas e avaliações de institutos, órgãos públicos e associações. ARTIGO 11 A ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO contribuirá para o aperfeiçoamento profissional nas áreas de atuação dos jornalistas e radialistas, de conformidade com a legislação profissional vigente. ARTIGO 12 A ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO deverá divulgar e promover suas atividades através da constituição de órgãos de imprensa e radiodifusão. ARTIGO 13 A ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO permitirá a capacitação dos cidadãos no exercício do direito de expressão, na forma mais acessível possível. ARTIGO 14 A ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO prestará serviços compatíveis com suas finalidades, com o fim de arrecadar apoio cultural para manutenção da mesma. ARTIGO 15 A ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO deverá promover cursos de capacitação, oficinas, palestras, seminários, mesas redondas, entrevistas, debates para melhor aperfeiçoamento técnico, gerencial e cultural de seus membros. 2

3 CAPÍTULO III DO SERVIÇO DE RADIODIFUSÃO ARTIGO 16 A ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO manterá um serviço de radiodifusão sob sua responsabilidade com a operação e funcionamento de uma rádio livre, com o nome de Rádio Comunitária de Timóteo (este nome será provisório, posteriormente iremos fazer uma campanha para escolher o nome bem mais aceito pela comunidade). ARTIGO 17 A ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO deverá ter em sua estrutura, para as atividades específicas de rádio e jornal ou TV comunitária, uma Coordenação e um Conselho Comunitário de Programação. 1º - O Conselho Comunitário de Programação ao qual se refere o artigo 17 é um colegiado, composto por representantes das entidades associadas, que terá no mínimo cinco e no máximo dez entidades comunitárias, sem fins lucrativos. 2º - A Coordenação integrará a Diretoria e será composta por: 1 Coordenador; 2 Vice-coordenador; 3 Diretor de Programação; 4 Diretor de Relações Públicas; ARTIGO 18 Todas as atividades da ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO serão reguladas em regimento interno, aprovado em assembléia. ARTIGO 19 O serviço de radiodifusão de sons e imagens será executado de acordo com as normas estabelecidas pelo Ministério de Infra-instrutora e Telecomunicações. ARTIGO 20 Não poderá a ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO utilizar, sob qualquer pretexto, a rádio e TV comunitária para os fins político-partidários ou para difusão de suas idéias que incentivem preconceitos de raça, sexo ou religião; que estimulem a violência ou tenham a finalidade publicitária. ARTIGO 21 Fica ressaltada a possibilidade de se notificar o subsídio e doações feitas a entidades, em termo de simples prestação de contas, bem como doado e que conste a identificação do doador, porém, sem caráter de promoção e propaganda. ARTIGO 22 O patrimônio da ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO, adquirido por doações 3

4 ou convênios, composto de aparelhagem eletrônica de recepção e transmissão, bem como os bens adquiridos para a confecção dos programas de TV e rádio, estarão a serviço da comunidade, não podendo ser comercializado. ARTIGO 23 No caso de extinção da emissora que a ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO venha a possuir, por impossibilidade de se manter, ou por inexequibilidade de seus fins, em decisão de assembléia geral, seus bens serão destinados a entidade congênere sem fins lucrativos, da comunidade onde estiver localizada. ARTIGO 24 Será permitido, a qualquer tempo, observadas normas de programação, que estabelecimento de Ensino Fundamental (Pré-escolar e 1º grau), Médio e Superior dos bairros e municípios, alcançados pelas ondas da emissora participem da programação, mediante convênio ou acordo firmado entre a ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO, e a entidade da comunidade. ARTIGO 25 A ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO poderá firmar convênios com prefeituras, câmaras, centros culturais, entidades científicas, artísticas, literárias de qualquer natureza, sem fins lucrativos, para divulgar os seus serviços, eventos, pesquisas e trabalhos. CAPÍTULO IV ASSOCIADOS DIREITOS E DEVERES ARTIGO 26 Os dirigentes e associados da ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO não responderão, nem mesmo subsidiariamente, pelas obrigações contraídas pela entidade. ARTIGO 27 Todas as pessoas físicas e jurídicas, com residência ou sede neste município poderão associar a entidade. ARTIGO 28 Haverá as seguintes categorias de associados: I FUNDADORES: os associados fundadores da emissora; II CONTRIBUINTES: os associados admitidos pela diretoria que contribuem com mensalidades; III BENEMÉRITOS: os que vieram a prestar relevantes serviços à ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO e se tornarem merecedores do título de benemérito, indicados pela diretoria e aprovados em assembléia geral. ARTIGO 29 São direitos dos Associados: 4

5 A Votar e ser votado para cargo de diretoria e conselho fiscal; B Participar das atividades de programação da emissora; C Ter presença nas assembléias gerais; D Utilizar os serviços da emissora. ARTIGO 30 São deveres dos Associados: A Contribuir mensalmente; B Respeitar o estatuto da entidade; C Votar nas assembléias gerais. CAPÍTULO V DA CONTRIBUIÇÃO ARTIGO 31 A contribuição dos associados será estipulada pelo próprio associado, na forma que lhe for possível, comprometendo-se em repassá-la à diretoria da ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO. CAPÍTULO VI DA ESTRUTURA ADMINISTRATIVA ARTIGO 32 São órgãos da estrutura administrativa da ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO: A Assembléia Geral; B Conselho Comunitário; C Diretoria; D Conselho Fiscal. ARTIGO 33 A Assembléia Geral será composta pelas entidades e pelos associados que compõem a ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO, admitidas na forma prevista neste Estatuto. ARTIGO 34 O Conselho Comunitário de Programação e Radiodifusão será composto por dez representantes das entidades ou associações comunitárias, movimentos populares e centros culturais, sendo um mínimo de cinco, legalmente constituídas. ARTIGO 35 A Diretoria se comporá dos seguintes cargos: I II Presidente; Vice-presidente; III Secretário; IV Tesoureiro; 5

6 V Coordenação. 1º - A Coordenação será composta nos termos do Artigo 17, & 2º. ARTIGO 36 O Conselho Fiscal será composto por seis representantes das entidades ou associados, admitidos na forma deste Estatuto, sendo três efetivos e três suplentes. CAPÍTULO VII DA COMPETENCIA DOS ÓRGÃOS DA ASSOCIAÇÃO ARTIGO 37 Compete à assembléia geral, órgão máximo de deliberação da ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO: A Eleger o conselho comunitário, a diretoria e o conselho fiscal; B Decidir sobre a forma do estatuto; C Decidir sobre a extinção e o destino do patrimônio da ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO. 1º - A assembléia geral ocorrerá, por convocação da diretoria, nas formas previstas nos art s. 43 e 44, para prestação de contas da diretoria, para alterações estatutárias, para destituição dos dirigentes e para eleição da diretoria e do conselho comunitário. 2º - A assembléia geral poderá ser convocada extraordinariamente por, no mínimo, um quinto dos associados, para discussão e decisão relativa a assuntos de interesse geral. 3º - A assembléia geral quando se tratar da destituição de dirigentes, ou alteração estatutária será convocada especialmente para este fim e será exigido o voto concorde de dois terços dos presentes à assembléia, não podendo deliberar em primeira convocação, sem a maioria absoluta dos associados, ou com pelo menos um terço dos associados nas convocações seguintes, em conformidade com o atual Código Civil Brasileiro. ARTIGO 38 Compete ao conselho comunitário de programação: A Estabelecer calendário de atividades e das programações, juntamente com as entidades. B Promover discussões sobre planejamento de cursos, seminários, palestras, assuntos abordando geração de trabalho e renda, comunicação alternativa e livre. C Reunir no mínimo uma vez por semana, sendo uma destas reuniões abertas às comunidades interessadas. 6

7 D Estabelecer norma de alterações no estatuto para ser aprovado em assembléia geral. E estabelecer junto com o Diretor de Programação a grade de programação mensalmente. ARTIGO 39 Compete à Diretoria, a administração da ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO, através do exercício dos cargos que a compõem da seguinte forma: I São atribuições do Presidente; A Representar a ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO, bem como a emissora que vier a funcionar, sendo ainda seu representante judicialmente e extrajudicialmente; B Superintendes os trabalhos da ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO junto às comunidades e associações; C Convocar e presidir as reuniões; D Executar as deliberações do conselho; E Emitir e assinar juntamente com o Diretor Tesoureiro, todos os cheques, receber ordem de pagamento e título de obrigações relativo à entidade. II São atribuições do Vice-presidente; A Substituir o Presidente em sua ausência; B Apoiar e trabalhar em conjunto com a Diretoria; III São atribuições do Secretário; A Secretariar as reuniões, anotando nos livros de Atas todas as determinações ocorridas nos encontros e reuniões; B Guardar e responsabilizar-se de todos os documentos da ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO; IV São atribuições do Tesoureiro; A Contabilizar renda auxílio, donativo, mantendo em dia a escrituração; B Pagar as contas autorizadas pelo Presidente; C Emitir cheques e assinar títulos de obrigações com o Presidente relativo à ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO. 7

8 V São atribuições do Coordenador; I Compete ao Coordenador; a) Administrar o setor específico de sua área de comunicação, juntamente com o Vice-coordenador e demais membros da Coordenação. II Compete ao Vice-coordenador; a) Ajudar e substituir o Coordenador em sua ausência. III Compete ao Diretor de Programação e Radiodifusão: a) Acatar as decisões do conselho comunitário de programação. b) Coordenar os trabalhos do conselho. c) Coordenar a grade de programação. IV Compete ao Diretor de Relações Públicas: a) Divulgar e promover a popularização da entidade. b) Representar o seu setor de comunicação. c) Manter contato com órgãos governamentais e não governamentais em assuntos de interesse mútuo. PARÁGRAFO ÚNICO A Diretoria poderá criar comissões de trabalho, além de Secretarias como: Imprensa, Pesquisa, Convênio, Registro, Divulgação, Aposentados e Mulheres. ARTIGO 40 São atribuições do Conselho Fiscal: a) Fiscalizar e aprovar, junto com a coordenação, a gestão financeira da ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO; b) Opinar sobre a aquisição de bens da ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO. c) O Conselho Fiscal reunir-se-á ordinariamente a cada 06 meses (fevereiro e agosto) e extraordinariamente sempre que for necessário. CAPÍTULO VIII DOS RECURSOS ECONÔMICOS E RECEITAS ARTIGO 41 A ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO terá por receita: a) Contribuição dos associados mensalmente; b) Doações parlamentares e da Secretaria de Cultura do Estado e do Ministério da Cultura, através da Lei 8.313/91; c) Receitas oriundas de convênio; 8

9 d) Contribuições e doações a título de apoio cultural de pessoas físicas e jurídicas. PARÁGRAFO ÚNICO Toda receita da entidade, será utilizada única e exclusivamente para a consecução de suas finalidades institucionais. CAPÍTULO IX DO PATRIMÔNIO ARTIGO 42 O patrimônio da entidade constituir-se-á de bens móveis e imóveis, valores ou direitos que venham ser adquiridos através de: a) Contribuição dos associados mensalmente; b) Outras receitas eventuais ou extraordinárias. PARÁGRAFO ÚNICO Em caso de dissolução da ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO, salvados as pendências e dúvidas por ventura existentes, o patrimônio líquido será transferido para entidade congênere a ser definida pela assembléia geral. CAPÍTULO X DAS ELEIÇÕES E DOS MANDATOS ARTIGO 43 A diretoria da ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO afixará em prédios públicos e prédios particulares de grande concentração pública, edital com antecedência mínima de 15 (quinze) dias, convocando as entidades e os associados para as eleições dos cargos previstos no artigo 35 e 17, 2º deste estatuto. ARTIGO 44 O Conselho Comunitário de Programação será eleito em assembléia geral, convocada para este fim, entre os representantes das entidades e associações comunitárias, movimentos populares e centros culturais que compõem a ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO. PARÁGRAFO ÚNICO O edital para convocação da eleição do Conselho Comunitário de Programação será divulgado na forma do art. 46, com antecedência mínima de 30 (trinta) dias, e enviadas cópias para as entidades previstas no caput deste art. ARTIGO 45 A diretoria e o conselho fiscal serão eleitos em assembléia geral, entre os representantes das entidades e os associados, que poderão candidatar-se aos cargos no ato da assembléia, em não havendo candidatos, a assembléia geral convidará os representantes para compor os cargos. ARTIGO 46 O Conselho Comunitário de Programação é o órgão soberano nas decisões e execução dos trabalhos de programação, cabe a ela dar a direção e resolver aos problemas. 9

10 ARTIGO 47 O mandato de todos os membros da ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO será de três anos com direito a reeleição. ARTIGO 48 Para dar início às atividades da rádio será eleita uma comissão provisória, composta de sete membros, cumprindo um mandato de cento e vinte dias, a partir de sua eleição, quando então, serão convocadas as eleições para os cargos da diretoria e conselho fiscal. CAPÍTULO XI DA DISSOLUÇÃO E REFORMA DO ESTATUTO ARTIGO 49 A reformulação parcial ou total deste estatuto, ou dissolução da entidade, é de competência da assembléia geral, por decisão da maioria absoluta dos representantes das entidades que a compõem e dos associados em dias com suas obrigações. CAPÍTULO XII DAS DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 50 Os membros da ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO não serão remunerados pelo desempenho de seus cargos. ARTIGO 51 O presente estatuto, aprovado em assembléia geral, no dia 8 de julho de 1997, foi alterado conforme solicitação do Ministério das Comunicações, e seus artigos renumerados, tudo aprovado em assembléia geral, realizada no dia 4 de agosto de 2005, cuja ata, consta todas as alterações, e será devidamente registrada. Giovanna Guimarães de Menezes Presidente OAB /MG CPF:

ESTATUTO DA AAPCEU. ART. 2º - A ASSOCIAÇÃO tem sede e foro na cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais.

ESTATUTO DA AAPCEU. ART. 2º - A ASSOCIAÇÃO tem sede e foro na cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais. ESTATUTO DA AAPCEU TÍTULO I - DA ENTIDADE Capítulo Único - Da Denominação, Sede e Objeto ART. 1º - A Associação dos Aposentados e Pensionistas da Caixa dos Empregados da Usiminas, doravante denominada

Leia mais

ESTATUTO DO GRUPO DO LEITE UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS

ESTATUTO DO GRUPO DO LEITE UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS ESTATUTO DO GRUPO DO LEITE UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS Art.1 - O GRUPO DO LEITE, da Universidade Federal de Lavras (UFLA), entidade civil, apartidária, sem fins lucrativos,

Leia mais

AMAPIJS Associação Municipal dos Aposentados e Pensionistas do ISSEM de Jaraguá do Sul

AMAPIJS Associação Municipal dos Aposentados e Pensionistas do ISSEM de Jaraguá do Sul AMAPIJS Associação Municipal dos Aposentados e Pensionistas do ISSEM de Jaraguá do Sul CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E AFINS. Art. 1º- A Associação Municipal dos Aposentados e Pensionistas de Jaraguá

Leia mais

MODELO DE ESTATUDO DE INSTITUTO DE NATUREZA ASSOCIATIVA

MODELO DE ESTATUDO DE INSTITUTO DE NATUREZA ASSOCIATIVA MODELO DE ESTATUDO DE INSTITUTO DE NATUREZA ASSOCIATIVA CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Artigo 1.O INSTITUTO/ASSOCIAÇÃO XXXXXXXXXXXXX, também designado pela sigla XXX, fundado em do mês de do

Leia mais

Estatuto da Associação dos Fabricantes de Placas para Veículos do Estado do Paraná

Estatuto da Associação dos Fabricantes de Placas para Veículos do Estado do Paraná 1 Estatuto da Associação dos Fabricantes de Placas para Veículos do Estado do Paraná Capítulo I A Associação dos Fabricantes de Placas para Veículos do Estado do Paraná e seus Fins Artigo 1º. A Associação

Leia mais

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO - SEDE - FINS E DURAÇÃO

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO - SEDE - FINS E DURAÇÃO - ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DA JUVENTUDE RURAL DE ARROIO DO TIGRE - Arroio do Tigre/RS. CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO - SEDE - FINS E DURAÇÃO Artigo 1 - A ASSOCIAÇÃO DA JUVENTUDE RURAL DE ARROIO DO TIGRE, fundada

Leia mais

Instituto Dignidade de Valorização da Vida

Instituto Dignidade de Valorização da Vida ESTATUTO da Organização da Sociedade Civil de Interesse Público INSTITUTO DIGNIDADE DE VALORIZAÇÃO DA VIDA Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. O Instituto Dignidade de Valorização da Vida,

Leia mais

Estatuto da Frente Parlamentar do Cooperativismo

Estatuto da Frente Parlamentar do Cooperativismo Estatuto da Frente Parlamentar do Cooperativismo CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, DURAÇÃO, SEDE E FINALIDADE Art. 1º. A Frente Parlamentar do Cooperativismo, Frencoop, é uma entidade civil, de interesse

Leia mais

Estatuto da Associação Mães que Oram Pelos Filhos Arquidiocese de Vitoria/ES AM0

Estatuto da Associação Mães que Oram Pelos Filhos Arquidiocese de Vitoria/ES AM0 Estatuto da Associação Mães que Oram Pelos Filhos Arquidiocese de Vitoria/ES AM0 Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. A Associação de Mães que oram pelos Filhos doravante

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AMIGOS DE SANTA RITA

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AMIGOS DE SANTA RITA ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AMIGOS DE SANTA RITA Este Estatuto foi aprovado em Assembléia Extraordinária realizada em 18 de dezembro de 2004. Capítulo I Da Fundação - Denominação - Fins e Sede Art. 1º - A Associação

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ATRICON Nº XX/2013

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ATRICON Nº XX/2013 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ATRICON Nº XX/2013 Altera o Estatuto da Associação dos Membros dos Tribunais de Contas do Brasil, visando, entre outras providências, a ampliação da sua fonte de financiamento Resumo:

Leia mais

Estatuto da Associação Mães que Oram Pelos Filhos Arquidiocese de Vitoria/ES - AMOF-AVES

Estatuto da Associação Mães que Oram Pelos Filhos Arquidiocese de Vitoria/ES - AMOF-AVES Estatuto da Associação Mães que Oram Pelos Filhos Arquidiocese de Vitoria/ES - AMOF-AVES Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. A Associação de Mães que oram pelos Filhos doravante

Leia mais

Olho Vivo - Associação para a Defesa do Património, Ambiente e Direitos Humanos

Olho Vivo - Associação para a Defesa do Património, Ambiente e Direitos Humanos Olho Vivo - Associação para a Defesa do Património, Ambiente e Direitos Humanos Estatutos Capítulo I (Princípios Gerais) Art.º1 (Denominação, Natureza e Duração) É constituída por tempo indeterminado,

Leia mais

ESTATUTO Modelo de Organização da Sociedade Civil de Interesse Público - OSCIP CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO Modelo de Organização da Sociedade Civil de Interesse Público - OSCIP CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS LEGENDA Texto em NEGRITO: Claúsulas que devem necessariamente constar do Estatuto, por força da Lei nº 9.790/99. Texto em Itálico: observações pertinentes ESTATUTO Modelo de Organização da Sociedade Civil

Leia mais

Estatuto da Associação dos Orquidofilos de

Estatuto da Associação dos Orquidofilos de Estatuto da Associação dos Orquidofilos de CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Artigo 1º A Associação dos Orquidofilos de, designada pela sigla, fundada em de do ano., Estado de, na Rua, nº,, e foro

Leia mais

Registre no Cartório de Títulos e Documentos de sua cidade. Com o Estatuto registrado, tire o CNPJ, no órgão apropriado em sua cidade.

Registre no Cartório de Títulos e Documentos de sua cidade. Com o Estatuto registrado, tire o CNPJ, no órgão apropriado em sua cidade. ESTATUTO / ATA DE FUNDAÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS Para criar uma Associação de Amigos de seu Município, que é a nossa recomendação para atuar economicamente no Programa As Minas Gerais, você poderá

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO DO SISTEMA CONFEA/CREA - CIE-MG ESTATUTO CAPÍTULO I. Natureza, Finalidade e Composição

COLÉGIO ESTADUAL DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO DO SISTEMA CONFEA/CREA - CIE-MG ESTATUTO CAPÍTULO I. Natureza, Finalidade e Composição COLÉGIO ESTADUAL DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO DO SISTEMA CONFEA/CREA - CIE-MG ESTATUTO CAPÍTULO I Natureza, Finalidade e Composição Art. 1º - O Colégio Estadual de Instituições de Ensino do CREA-MG (CIE-MG)

Leia mais

NESC/UFG NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA

NESC/UFG NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO CAPÍTULO I DA PERSONALIDADE, AUTONOMIA E SEDE Art. 1º O Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva é uma entidade de trabalho interdisciplinar, sem fins lucrativos, com finalidades científicas na área

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, considerando

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 02/2015 DE 11 DE AGOSTO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 02/2015 DE 11 DE AGOSTO DE 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Pró-Reitoria de Extensão PROEX RESOLUÇÃO Nº 02/2015 DE 11 DE AGOSTO DE 2015 Regulamenta o funcionamento da Estação Ecológica da UFMG e aprova seu Regimento Interno

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ENSINO E PESQUISA DO CAMPO DE PÚBLICAS ESTATUTO

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ENSINO E PESQUISA DO CAMPO DE PÚBLICAS ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ENSINO E PESQUISA DO CAMPO DE PÚBLICAS ESTATUTO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, DURAÇÃO E FINALIDADES Art. 1º. A Associação Nacional de Ensino e Pesquisa do Campo de Públicas

Leia mais

Associação Nacional de Pesquisa e PósGraduação em Música. ANPPOM - Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Música ESTATUTO SOCIAL

Associação Nacional de Pesquisa e PósGraduação em Música. ANPPOM - Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Música ESTATUTO SOCIAL ANPPOM - Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Música ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO l DA FUNDAÇÃO, DENOMINAÇÃO, FINS, DURAÇÃO, MANUTENÇÃO, SEDE E FORO Artigo 1º - Associação Nacional de Pesquisa

Leia mais

FEDERAÇÂO PAULISTA DE FUTEBOL DIGITAL E VIRTUAL

FEDERAÇÂO PAULISTA DE FUTEBOL DIGITAL E VIRTUAL FEDERAÇÂO PAULISTA DE FUTEBOL DIGITAL E VIRTUAL São Paulo SP ESTATUTO CAPÍTULO I - DA FEDERAÇÃO E SEUS FINS Art. 1º - A FEDERAÇÃO PAULISTA DE FUTEBOL DIGITAL E VIRTUAL, também designada pela sigla FPFDV,

Leia mais

ESTATUTO FUNDAÇÃO EDUARDO CARLOS PEREIRA

ESTATUTO FUNDAÇÃO EDUARDO CARLOS PEREIRA ESTATUTO FUNDAÇÃO EDUARDO CARLOS PEREIRA CAPITULO I Da Natureza, Denominação, Sede, Finalidade Artigo 1º A Fundação Eduardo Carlos Pereira, dotada e organizada pela Igreja Presbiteriana Independente do

Leia mais

União Campineira de Aeromodelistas

União Campineira de Aeromodelistas ESTATUTO SOCIAL UNIÃO CAMPINEIRA DE AEROMODELISTAS UCA CAPÍTULO 1- DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1 - A União Campineira de Aeromodelistas UCA, também designada pela sigla UCA, fundada em 11 de outubro

Leia mais

ESTATUTO FUNDAÇÃO CULTURA ARTÍSTICA DE LONDRINA

ESTATUTO FUNDAÇÃO CULTURA ARTÍSTICA DE LONDRINA ESTATUTO FUNDAÇÃO CULTURA ARTÍSTICA DE LONDRINA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO DE DURAÇÃO E FINALIDADES Art. 1º - Fundação Cultura Artística de Londrina, Funcart, com sede e foro na cidade de Londrina,

Leia mais

DAS RESPONSABILIDADES ESTATUTÁRIAS E REGIME DE COMPETÊNCIA

DAS RESPONSABILIDADES ESTATUTÁRIAS E REGIME DE COMPETÊNCIA PROPOSTA DE ALTERAÇÃO ESTATUTÁRIA JUSTIFICATIVA 1-Diante dos deveres e prerrogativas previstos no Estatuto da Assefacre o Presidente da Associação dos Servidores da Secretaria da Fazenda e Coordenação

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DA BIBLIOTECA E CULTURA DA UFV - ABC CAPÍTULO 1 DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DA BIBLIOTECA E CULTURA DA UFV - ABC CAPÍTULO 1 DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DA BIBLIOTECA E CULTURA DA UFV - ABC CAPÍTULO 1 DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Art. 1º - A ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DA BIBLIOTECA E CULTURA DA UFV - ABC é uma associação civil,

Leia mais

Estado do Rio Grande do Norte PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES Gabinete do Prefeito

Estado do Rio Grande do Norte PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES Gabinete do Prefeito Lei nº 345, de 21 de agosto de 2013. Nesta data, 21 de agosto de 2013, SANCIONO a presente Lei. Francisco das Chagas de Oliveira Silva PREFEITO MUNICIPAL Institui o Conselho Municipal de Desenvolvimento

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ONCOLOGIA - ONCOLOGIA Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A ONCOLOGIA é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob a supervisão da da Universidade José do

Leia mais

ESTATUTO CDL JOVEM SALVADOR. Capítulo I Da Constituição e Finalidade

ESTATUTO CDL JOVEM SALVADOR. Capítulo I Da Constituição e Finalidade ESTATUTO CDL JOVEM SALVADOR Capítulo I Da Constituição e Finalidade Art. 1º- A Câmara de Dirigentes Lojistas Jovem de Salvador é um departamento oriundo e órgão estrutural da Câmara de Dirigentes Lojistas

Leia mais

Estatuto da Associação Brasileira de Radiologia Veterinária

Estatuto da Associação Brasileira de Radiologia Veterinária Estatuto da Associação Brasileira de Radiologia Veterinária Capítulo I Da Denominação, Composição, Duração e Finalidades Artigo 1º Sob a denominação de Associação Brasileira de Radiologia Veterinária,

Leia mais

CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL REGIMENTO

CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL REGIMENTO CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL PASTORAL CARCERÁRIA NACIONAL REGIMENTO SEÇÃO I DA ORGANIZAÇÃO Art.1º. A Pastoral Carcerária está organizada nos seguintes âmbitos: I Diocesano; II Regional ou

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO DE PESQUISAS AVANÇADAS EM QUALIDADE DE VIDA CPAQV

ESTATUTO DO CENTRO DE PESQUISAS AVANÇADAS EM QUALIDADE DE VIDA CPAQV ESTATUTO DO CENTRO DE PESQUISAS AVANÇADAS EM QUALIDADE DE VIDA CPAQV Título I DA DENOMINAÇÃO, CRIAÇÃO, DURAÇÃO, OBJETIVO, FINALIDADES, SEDE E PATRIMÔNIO Artigo 1 º - O Centro de Pesquisas Avançadas em

Leia mais

COLÉGIO FRANCISCANO SANT ANNA SANTA MARIA - RS ESTATUTO ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES APM

COLÉGIO FRANCISCANO SANT ANNA SANTA MARIA - RS ESTATUTO ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES APM COLÉGIO FRANCISCANO SANT ANNA SANTA MARIA - RS ESTATUTO ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES APM 2009 SUMÁRIO TÍTULO I Da denominação, caráter, duração, sede, foro e finalidades... 3 Capítulo I Da denominação,

Leia mais

PROPOSTA DE ESTATUTO DA NAPA CPII

PROPOSTA DE ESTATUTO DA NAPA CPII PROPOSTA DE ESTATUTO DA NAPA CPII ESTATTUTO DA NOVA ASSOCIAÇÃO DE PAIS, MÃES E RESPONSÁVEIS DE ALUNOS E ALUNAS DO COLÉGIO PEDRO II -CAMPI SÃO CRISTÓVÃO - NAPA CPII CAPÍTULOI Da Denominação, da Natureza,da

Leia mais

UNEMAT - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAEPA - CENTRO ACADÊMICO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL

UNEMAT - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAEPA - CENTRO ACADÊMICO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL UNEMAT - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAEPA - CENTRO ACADÊMICO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL ESTATUTO CAPÍTULO I DA ENTIDADE ART. 1º. O Centro Acadêmico de Engenharia de Produção Agroindustrial,

Leia mais

FRENTE PARLAMENTAR MISTA EM DEFESA DO COMÉRCIO, SERVIÇO E EMPREENDEDORISMO

FRENTE PARLAMENTAR MISTA EM DEFESA DO COMÉRCIO, SERVIÇO E EMPREENDEDORISMO ESTATUTO DA FRENTE PARLAMENTAR MISTA EM DEFESA DO COMÉRCIO,. I. DA CARACTERIZAÇÃO, DA DURAÇÃO E DA SEDE Art. 1º. A Frente Parlamentar Mista em Defesa do Comércio, Serviço e Empreendedorismo, constituída

Leia mais

Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS. Artigo 1º Denominação, Sede e Duração

Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS. Artigo 1º Denominação, Sede e Duração Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS Artigo 1º Denominação, Sede e Duração 1. A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação de Alentejo de Excelência - Associação para a Competitividade,

Leia mais

Estatuto PMDB Mulher ESTATUTO DO PMDB MULHER DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Composição e Diretrizes Art.

Estatuto PMDB Mulher ESTATUTO DO PMDB MULHER DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Composição e Diretrizes Art. Estatuto PMDB Mulher ESTATUTO DO PMDB MULHER DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Composição e Diretrizes Art. 1º - O PMDB Mulher é órgão de ação partidária, sem fins lucrativos,

Leia mais

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEMPERJ. Art. 2º A FEMPERJ tem sede e foro na Cidade do Rio de Janeiro.

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEMPERJ. Art. 2º A FEMPERJ tem sede e foro na Cidade do Rio de Janeiro. ESTATUTO DA FUNDAÇÃO ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEMPERJ CAPÍTULO I Da Denominação, Regime Jurídico, Sede e Duração Art. 1º A Fundação Escola Superior do Ministério Público do Estado do Rio de

Leia mais

ESTATUTO DO FÓRUM NACIONAL DE SECRETÁRIOS E GESTORES MUNICIPAIS DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS. Capítulo 1 Da natureza e sede do Fórum

ESTATUTO DO FÓRUM NACIONAL DE SECRETÁRIOS E GESTORES MUNICIPAIS DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS. Capítulo 1 Da natureza e sede do Fórum ESTATUTO DO FÓRUM NACIONAL DE SECRETÁRIOS E GESTORES MUNICIPAIS DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Capítulo 1 Da natureza e sede do Fórum Artigo 1 - O Fórum Nacional de Secretários e Gestores Municipais de Relações

Leia mais

COMISSÃO DE DIREITO SECURITÁRIO

COMISSÃO DE DIREITO SECURITÁRIO COMISSÃO DE DIREITO SECURITÁRIO Regimento Interno Art. 1 º A Comissão de Direito Securitário é composta de: I Membros Efetivos, dentre eles o Presidente, o Vice-Presidente, Secretário e Membros Consultores;

Leia mais

ESTATUTOS DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO

ESTATUTOS DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO Art. 1 o A Associação Luso-Brasileira de Arabistas (ALBA) é uma sociedade civil, de caráter exclusivamente cultural, com sedes e foros nas cidades do

Leia mais

Estatuto da Associação dos Professores Municipais de Colombo / APMC-Sindicato dos Trabalhadores em Educação

Estatuto da Associação dos Professores Municipais de Colombo / APMC-Sindicato dos Trabalhadores em Educação Estatuto da Associação dos Professores Municipais de Colombo / APMC-Sindicato dos Trabalhadores em Educação A APMC - Sindicato dos Trabalhadores em Educação é a entidade responsável pela defesa de todos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS SUPERIORES DE FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO ENSINO - AESUFOPE ESTATUTO

ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS SUPERIORES DE FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO ENSINO - AESUFOPE ESTATUTO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS SUPERIORES DE FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO ENSINO - AESUFOPE ESTATUTO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO CAPÍTULOI Da denominação, fins e meios Art. 1 - A Associação de Escolas

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. Casa dos Conselhos Rua Três de Maio, nº 1060 Pelotas,RS Telefone (53) E- mail -

REGIMENTO INTERNO. Casa dos Conselhos Rua Três de Maio, nº 1060 Pelotas,RS Telefone (53) E- mail - REGIMENTO INTERNO REGIMENTO INTERNO Capitulo I - DA CONSTITUIÇÃO E SEDE: Art.1- O Fórum dos Conselhos Municipais de Pelotas, adiante designado apenas Fórum, foi criado em 1995 a partir de um trabalho de

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA DE MEDICINA ESPORTIVA Capítulo I da Liga e seus fins Art. 1º A Liga de Medicina Esportiva é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob a supervisão da da Universidade

Leia mais

ESTATUTOS DA ACADEMIA DE LETRAS DE TRÁS-OS-MONTES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO E SEDE

ESTATUTOS DA ACADEMIA DE LETRAS DE TRÁS-OS-MONTES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO E SEDE ESTATUTOS DA ACADEMIA DE LETRAS DE TRÁS-OS-MONTES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO E SEDE Artigo 1º Constituição e denominação É constituída uma associação civil sem fins lucrativos denominada Academia

Leia mais

REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO E S C O L A D E E N G E N H A R I A K E N N E D Y, F A C U L D A D E S K E N N E D Y E F A C U L D A D E S D E C I Ê N C I A S J U R Í D I C A S P R O F E S S

Leia mais

Art. 2º São competências do Conselho Municipal de Esporte e Lazer:

Art. 2º São competências do Conselho Municipal de Esporte e Lazer: REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER CAPÍTULO I DO CONSELHO E SUAS ATRIBUIÇÕES Art. 1º O Conselho Municipal de Esporte e Lazer de Carlos Barbosa é um órgão colegiado de caráter, consultivo,

Leia mais

ESTATUTO DO DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES DA HORUS FACULDADES CAPITULO I

ESTATUTO DO DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES DA HORUS FACULDADES CAPITULO I ESTATUTO DO DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES DA HORUS FACULDADES CAPITULO I Art. 1º - Fica criado o DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES DCE, órgão exclusivo de representação dos os acadêmicos da HORUS FACULDADES,

Leia mais

Prefeitura da Estância de Atibaia

Prefeitura da Estância de Atibaia Prefeitura da Estância de Atibaia 2 REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO - CMI, de Atibaia/SP Capítulo I DA NATUREZA Art. 1 - O presente Regimento define, explicita e regulamenta as atividades,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE ARTE E CULTURA PERIFERIA INVISÍVEL

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE ARTE E CULTURA PERIFERIA INVISÍVEL ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE ARTE E CULTURA PERIFERIA INVISÍVEL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º. A Associação de Arte e Cultura Periferia Invisível é uma associação civil de direito privado,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA DO INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA

REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA DO INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA DO INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA SUMÁRIO Capítulo I Objeto do Regimento Interno... 3 Capítulo II Missão da Diretoria... 3 Capítulo III Competência... 3 Capítulo

Leia mais

Professor Jaime Arturo Ramírez Presidente do Conselho Universitário

Professor Jaime Arturo Ramírez Presidente do Conselho Universitário RESOLUÇÃO N o 02/2015, DE 31 DE MARÇO DE 2015 Estabelece o Regimento do Centro Esportivo Universitário, reeditando, com alterações, a Resolução n o 13/1993, de 02 de setembro de 1993. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Caráter, Sede, Finalidade e Duração

ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Caráter, Sede, Finalidade e Duração ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Da Denominação, Caráter, Sede, Finalidade e Duração Art 1º - Sob a denominação de CPDoc - Centro de Pesquisa e Documentação Espírita, fica constituída uma associação civil espírita

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS EM LINGUAGENS, LEITURA E ESCRITA

NÚCLEO DE ESTUDOS EM LINGUAGENS, LEITURA E ESCRITA NÚCLEO DE ESTUDOS EM LINGUAGENS, LEITURA E ESCRITA CAPÍTULO I DA NATUREZA, DA SEDE E DOS OBJETIVOS Art. 1 O Núcleo de Estudos em Linguagens, Leitura e Escrita, também identificado pela sigla NELLE, entidade

Leia mais

Capítulo I Natureza e fins. Artigo 1.º Denominação e duração

Capítulo I Natureza e fins. Artigo 1.º Denominação e duração Capítulo I Natureza e fins Artigo 1.º Denominação e duração A Associação, sem fins lucrativos, denominada INTERVIVER ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE, DO BEM-ESTAR E DA PAZ é constituída por tempo indeterminado.

Leia mais

GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISA EM NUTRIÇÃO E DIETÉTICA ESTATUTO GEPNuDi

GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISA EM NUTRIÇÃO E DIETÉTICA ESTATUTO GEPNuDi GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISA EM NUTRIÇÃO E DIETÉTICA ESTATUTO GEPNuDi CAPÍTULO I DA FINALIDADE E CONSTITUIÇÃO Art. 1º - Ora em diante, o denominado GEPNuDi Grupo de Estudos e Pesquisa em Nutrição e Dietética

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO - AAJB ESTATUTO

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO - AAJB ESTATUTO 1 ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO - AAJB ESTATUTO Capítulo I - Denominação, sede, duração e objetivos Artigo 1 o A Associação de Amigos do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, ou

Leia mais

REGIMENTO DA DIRETORIA DO IBAPE/SP. Art. 19, 20, 21, 22, 23, 24, 25, 26, 27, 28, 29, 30, 31, 32 e 33 do Estatuto

REGIMENTO DA DIRETORIA DO IBAPE/SP. Art. 19, 20, 21, 22, 23, 24, 25, 26, 27, 28, 29, 30, 31, 32 e 33 do Estatuto REGIMENTO DA DIRETORIA DO IBAPE/SP Art. 19, 20, 21, 22, 23, 24, 25, 26, 27, 28, 29, 30, 31, 32 e 33 do Estatuto 1. OBJETIVO: A Diretoria do IBAPE/SP tem por objetivo: 1.1) Dirigir as atividades, administrar

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA-UNILA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGIMENTO INTERNO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA-UNILA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGIMENTO INTERNO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA-UNILA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGIMENTO INTERNO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regimento disciplina

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS I DEFINIÇÃO Este Regimento Interno, organizado em conformidade com o Estatuto Social da Ser Educacional S.A. ( Companhia ), estabelece procedimentos a serem observados

Leia mais

Estatutos da Associação de Estudantes da ETPZP

Estatutos da Associação de Estudantes da ETPZP CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1º Denominação, âmbito e sede 1. A Associação de Estudantes adiante designada por Associação, é a organização representativa dos alunos da (ETPZP). 2. A presente Associação,

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo Comissão de Capacitação dos Servidores Técnico-Administrativos em Educação REGIMENTO INTERNO

Universidade Federal de São Paulo Comissão de Capacitação dos Servidores Técnico-Administrativos em Educação REGIMENTO INTERNO Universidade Federal de São Paulo Comissão de Capacitação dos Servidores Técnico-Administrativos em Educação REGIMENTO INTERNO 2012 CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º - A Comissão de Capacitação dos Servidores

Leia mais

Estatutos do Clube Bonsai do Algarve CAPITULO I

Estatutos do Clube Bonsai do Algarve CAPITULO I Estatutos do Clube Bonsai do Algarve CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º-Designação O Clube Bonsai do Algarve, é um clube sem fins lucrativos, de duração ilimitada, e que se rege pelos presentes estatutos.

Leia mais

REDE PETRO - BACIA DE CAMPOS REGIMENTO INTERNO

REDE PETRO - BACIA DE CAMPOS REGIMENTO INTERNO REDE PETRO - BACIA DE CAMPOS REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Art. 1º - A Organização Administrativa corresponde à estrutura da REDE PETRO-BC que tem como finalidade garantir

Leia mais

COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO

COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO Aprovado na Reunião do Conselho de Administração realizada em 8 de maio de 2015 COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO 1. Regimento. O presente Regimento

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE BANCAS DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS (EPPEN)/UNIFESP

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE BANCAS DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS (EPPEN)/UNIFESP REGULAMENTO DA COMISSÃO DE BANCAS DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS (EPPEN)/UNIFESP Dispõe sobre as atribuições Comissão de Bancas Examinadoras da EPPEN/UNIFESP, sua composição e condução

Leia mais

ESTATUTOS DO GRUPO DESPORTIVO SANTANDER TOTTA. CAPÍTULO I SEÇÃO I CONSTITUIÇÃO ART.º 1.º (Denominação e Natureza)

ESTATUTOS DO GRUPO DESPORTIVO SANTANDER TOTTA. CAPÍTULO I SEÇÃO I CONSTITUIÇÃO ART.º 1.º (Denominação e Natureza) ESTATUTOS DO GRUPO DESPORTIVO SANTANDER TOTTA CAPÍTULO I SEÇÃO I CONSTITUIÇÃO ART.º 1.º (Denominação e Natureza) 1. O Grupo Desportivo Santander Totta, é uma Associação de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

Estatutos da Musikarisma Associaça o

Estatutos da Musikarisma Associaça o Estatutos da Musikarisma Associaça o SECÇÃO I DA ASSOCIAÇÃO Artigo 1º A Musikarisma é uma Associação Cultural, Sem Fins Lucrativos, tendo a sua sede na Rua José Estêvão, com o número cento e treze, na

Leia mais

PROPOSTA ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DE GESTÃO ESPORTIVA E LAZER_7

PROPOSTA ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DE GESTÃO ESPORTIVA E LAZER_7 ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DE GESTÃO ESPORTIVA E LAZER, DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS RESTINGA CAGEL. TÍTULO I DO CENTRO ACADÊMICO DE GESTÃO ESPORTIVA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO F A C T E. Fundação de Apoio à Ciência, Tecnologia e Educação. Para aprovação em reunião a ser realizada em: 06/05/2010

REGIMENTO INTERNO F A C T E. Fundação de Apoio à Ciência, Tecnologia e Educação. Para aprovação em reunião a ser realizada em: 06/05/2010 REGIMENTO INTERNO Fundação de Apoio à Ciência, Tecnologia e Educação F A C T E Para aprovação em reunião a ser realizada em: 06/05/2010 Araraquara-SP 1 A Fundação de Apoio à Ciência, Tecnologia e Educação

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno do Departamento de Engenharia Química e Estatística DEQUE, anexo a esta Resolução.

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno do Departamento de Engenharia Química e Estatística DEQUE, anexo a esta Resolução. RESOLUÇÃO N o 043, de 15 de outubro de 2012. Aprova Regimento Interno do Departamento de Engenharia Química e Estatística DEQUE. A PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS RESOLUÇÃO N o 14/2013, DE 02 DE JULHO DE 2013 Reedita, com alterações, a Resolução n o 03/2006, de 29 de junho de 2006, que aprovou o Regimento do Centro de Microscopia da UFMG. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

DECRETO Nº 239/2015. Aprova o Regimento Interno do Conselho Municipal de Anti Drogas (COMAD) de Gramado.

DECRETO Nº 239/2015. Aprova o Regimento Interno do Conselho Municipal de Anti Drogas (COMAD) de Gramado. DECRETO Nº 239/2015 Aprova o Regimento Interno do Conselho Municipal de Anti Drogas (COMAD) de Gramado. NESTOR TISSOT, Prefeito Municipal de Gramado, no uso de suas atribuições legais, de acordo com a

Leia mais

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COLEGIADO DE CURSO

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COLEGIADO DE CURSO UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COLEGIADO DE CURSO São Paulo 2011 TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I Da Natureza e das Finalidades

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Norte FUNDAÇÃO JOSÉ AUGUSTO COMITÊ GESTOR DO NÚCLEO DE PRODUÇÃO DIGITAL DO RN REGIMENTO INTERNO

Governo do Estado do Rio Grande do Norte FUNDAÇÃO JOSÉ AUGUSTO COMITÊ GESTOR DO NÚCLEO DE PRODUÇÃO DIGITAL DO RN REGIMENTO INTERNO Governo do Estado do Rio Grande do Norte FUNDAÇÃO JOSÉ AUGUSTO COMITÊ GESTOR DO NÚCLEO DE PRODUÇÃO DIGITAL DO RN REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO SEÇÃO I Do objeto de gestão Art.1º Das Finalidades

Leia mais

Estatuto Social consolidado de acordo com as deliberações da 18ª Reunião do Conselho de Administração da Associação Instituto Nacional de Matemática

Estatuto Social consolidado de acordo com as deliberações da 18ª Reunião do Conselho de Administração da Associação Instituto Nacional de Matemática ASSOCIAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE MATEMÁTICA PURA E APLICADA - IMPA - OS Regimento Interno Estatuto Social consolidado de acordo com as deliberações da 18ª Reunião do Conselho de Administração da Associação

Leia mais

TÍTULO I. Da Sociedade e seus Fins CAPÍTULO I. Da Denominação, Sede e Finalidade

TÍTULO I. Da Sociedade e seus Fins CAPÍTULO I. Da Denominação, Sede e Finalidade TÍTULO I Da Sociedade e seus Fins CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Finalidade Art. 1º - A Associação de Pais de Mestres fundada em 11 de junho de 1958, com sede na Rua Cristóvão Colombo, 366 em Santa

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL. Capítulo I Princípios Gerais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL. Capítulo I Princípios Gerais ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL Capítulo I Princípios Gerais Artigo 1º Denominação, sede e duração 1. A Associação, sem fins lucrativos, adota a denominação ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL. 2. A

Leia mais

CONSIDERANDO a necessidade de unificar os Estatutos do Conselho Escolar de ambas as escolas;

CONSIDERANDO a necessidade de unificar os Estatutos do Conselho Escolar de ambas as escolas; RESOLUÇÃO/UEPB/CONSEPE/077/2015. Aprova o Estatuto do Conselho Escolar da Escola Agrotécnica do Cajueiro no Campus IV da UEPB, e dá outras providências. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (CONSEPE)

Leia mais

Da Atividade da Associação. Dos Sócios

Da Atividade da Associação. Dos Sócios REGULAMENTO GERAL INTERNO Associação Trilhos da Boa Viagem (ATBV) Artigo 1º Da Atividade da Associação Objetivos e Atividades 1 A ATBV é uma associação de carácter desportivo, recreativo, cultural e educativo,

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO. TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO. TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades Art. 1º - O Colegiado de Curso é órgão normativo, deliberativo,

Leia mais

FUNDAÇÃO ANFIP DE ESTUDOS DA SEGURIDADE SOCIAL CONSELHO CURADOR REGIMENTO ELEITORAL

FUNDAÇÃO ANFIP DE ESTUDOS DA SEGURIDADE SOCIAL CONSELHO CURADOR REGIMENTO ELEITORAL FUNDAÇÃO ANFIP DE ESTUDOS DA SEGURIDADE SOCIAL CONSELHO CURADOR REGIMENTO ELEITORAL CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1 o. Este REGIMENTO ELEITORAL regula as eleições gerais previstas no Estatuto

Leia mais

REGULAMENTO DO PROCESSO ELEITORAL. Ano PARA CONSELHO DELIBERATIVO CAPÍTULO I DA FINALIDADE

REGULAMENTO DO PROCESSO ELEITORAL. Ano PARA CONSELHO DELIBERATIVO CAPÍTULO I DA FINALIDADE REGULAMENTO DO PROCESSO ELEITORAL Ano PARA CONSELHO DELIBERATIVO CAPÍTULO I DA FINALIDADE Artigo 1º - Em observância ao que determina o Estatuto Social da ONG Moradia e Cidadania, o Conselho Deliberativo

Leia mais

Grêmio Integração da Escola de Aplicação da Faculdade de Educação da USP-Gestão

Grêmio Integração da Escola de Aplicação da Faculdade de Educação da USP-Gestão Estatuto do Grêmio Integração da Escola de Aplicação da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo Capítulo 1 Da denominação, sede, finalidades e duração da gestão Artigo 1º O grêmio estudantil

Leia mais

MINISTERIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 128, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011.

MINISTERIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 128, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011. Dispõe sobre a instituição e definição das atribuições do Comitê de Extensão Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba. O Presidente do DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E

Leia mais

Centro da Memória da Eletricidade no Brasil MEMÓRIA DA ELETRICIDADE ESTATUTO. CAPÍTULO I. Da Denominação, Objeto, Sede e Duração.

Centro da Memória da Eletricidade no Brasil MEMÓRIA DA ELETRICIDADE ESTATUTO. CAPÍTULO I. Da Denominação, Objeto, Sede e Duração. Centro da Memória da Eletricidade no Brasil MEMÓRIA DA ELETRICIDADE ESTATUTO CAPÍTULO I. Da Denominação, Objeto, Sede e Duração. Art. 1º - O Centro da Memória da Eletricidade no Brasil - MEMÓRIA DA ELETRICIDADE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 001/2011. A CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE TURISMO CNTur, no âmbito das atribuições que lhe conferem os estatutos sociais,

RESOLUÇÃO Nº 001/2011. A CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE TURISMO CNTur, no âmbito das atribuições que lhe conferem os estatutos sociais, RESOLUÇÃO Nº 001/2011 A CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE TURISMO CNTur, no âmbito das atribuições que lhe conferem os estatutos sociais, CONSIDERANDO o interesse em divulgar nos estados brasileiros os seus ideais

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSORCIO INTERMUNICIPAL DE SAÚDE DO VALE DO TAQUARI CONSISA-VRT

REGIMENTO INTERNO CONSORCIO INTERMUNICIPAL DE SAÚDE DO VALE DO TAQUARI CONSISA-VRT REGIMENTO INTERNO CONSORCIO INTERMUNICIPAL DE SAÚDE DO VALE DO TAQUARI CONSISA-VRT CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO Art. 1º - O presente Regimento Interno regulamenta as atribuições do Consórcio Intermunicipal

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE HIGIENIZAÇÃO E LAVANDERIA DA REGIÃO SUL - APHILAV. APROVADO EM ASSEMBLÉIA GERAL DO DIA 30/03/2005

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE HIGIENIZAÇÃO E LAVANDERIA DA REGIÃO SUL - APHILAV. APROVADO EM ASSEMBLÉIA GERAL DO DIA 30/03/2005 ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE HIGIENIZAÇÃO E LAVANDERIA DA REGIÃO SUL - APHILAV. APROVADO EM ASSEMBLÉIA GERAL DO DIA 30/03/2005 Capítulo 1 TITULO, DESTINAÇÃO, SEDE, FORO Artigo 1 A ASSOCIAÇÃO

Leia mais

FÓRUM DAS INSTITUIÇÕES DE ATENDIMENTO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM REGIME DE ABRIGO NO MUNICIPIO DE BELO HORIZONTE FÓRUM DE ABRIGOS REGIMENTO INTERNO

FÓRUM DAS INSTITUIÇÕES DE ATENDIMENTO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM REGIME DE ABRIGO NO MUNICIPIO DE BELO HORIZONTE FÓRUM DE ABRIGOS REGIMENTO INTERNO FÓRUM DAS INSTITUIÇÕES DE ATENDIMENTO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM REGIME DE ABRIGO NO MUNICIPIO DE BELO HORIZONTE FÓRUM DE ABRIGOS REGIMENTO INTERNO TITULO I Da natureza e das diretrizes Art.1º O Fórum

Leia mais

REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 - O presente regimento disciplina a organização, o funcionamento e as atribuições da Comissão Própria de Avaliação

Leia mais

NÚCLEO ESTADUAL DE REGULAMENTAÇÃO DA ANS Regimento Interno

NÚCLEO ESTADUAL DE REGULAMENTAÇÃO DA ANS Regimento Interno NÚCLEO ESTADUAL DE REGULAMENTAÇÃO DA ANS Regimento Interno 1. DAS ATRIBUIÇÕES 1.1. O Núcleo Estadual de Regulamentação da ANS tem por atribuições: a) padronizar ações, modelos e processos que envolvam

Leia mais

RESOLUÇÃO - CONSUNI Nº 23/2016

RESOLUÇÃO - CONSUNI Nº 23/2016 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO - CONSUNI Nº 23/2016 Cria o Museu de Ciências da Universidade Federal de Goiás, Órgão Suplementar vinculado à Pró- Reitoria de Extensão e

Leia mais

Art. 1º - Aprovar, no Centro de Ensino Superior Riograndense - CESURG MARAU, o Regulamento da Empreender Júnior, cujo inteiro teor se aplica a seguir:

Art. 1º - Aprovar, no Centro de Ensino Superior Riograndense - CESURG MARAU, o Regulamento da Empreender Júnior, cujo inteiro teor se aplica a seguir: RESOLUÇÃO Nº 002/2016 Regulamenta a Empreender Júnior, Empresa Júnior do Centro de Ensino Superior Riograndense CESURG MARAU 1, e dá outras providências. O Diretor Presidente do Centro de Ensino Superior

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA QUÍMICA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPOSIÇÃO

REGULAMENTO GERAL DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA QUÍMICA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPOSIÇÃO REGULAMENTO GERAL DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA QUÍMICA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPOSIÇÃO Art. 1 o O Colegiado do Curso de Engenharia Química, doravante denominado Colegiado, é um

Leia mais

Estatuto da Sociedade Brasileira de Fitopatologia

Estatuto da Sociedade Brasileira de Fitopatologia Estatuto da Sociedade Brasileira de Fitopatologia CAPÍTULO I : - DA SOCIEDADE E SEUS FINS Artigo 1º - A Sociedade Brasileira de Fitopatologia (SBF), para efeito deste Estatuto e de publicidade em geral,

Leia mais