Reassentamento de Mwaladzi: modelo ou pesadelo?

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Reassentamento de Mwaladzi: modelo ou pesadelo?"

Transcrição

1 Reassentamento de Mwaladzi: modelo ou pesadelo? Por: Célia Sitoe e Tomás Queface (CIVILINFO) Quando o arranque da mina de carvão de Benga determinou, em 2010, o início do reassentamento involuntário de 736 agregados familiares planificados, de Capanga para a região de Mwaladzi, na Província de Tete, acabavam de ocorrer as primeiras revoltas dos camponeses reassentados pela Empresa Vale, em Cateme, em protesto contra as condições de vida degradantes em que viviam. Para evitar novas ʺCatemesʺ, anunciava-se, para Mwaladzi, um reassentamento-modelo, o que pressupunha, pelo menos, habitação condigna, terra fértil e suficiente para todos, água acessível e meios de vida mínimos para os reassentados. Agora, cinco anos depois, com a mina de Benga passando sucessivamente de empresa em empresa - da Riversdale ( ) para a Rio Tinto ( ), e desta para a International Coal Ventures Limited (ICVL), da India - a fome e o impacto do desenraizamento abatem-se severamente sobre Mwaladzi, ameaçando transformar o idealizado reassentamento-modelo em reassentamento-pesadelo. ʺÀs vezes descobrimos pessoas mortas de fome, nas machambasʺ, disserem os aldeões a uma equipa de pesquisa do SEKELEKANI que trabalhou recentemente no local. Benga: a mina amaldiçoada Perto de quinhentas famílias em Mwaladzi, bairro de reassentamento da população retirada da área de exploração da mina de carvão de Benga, na Província de Tete, vivem em condições humanas deploráveis. Estas famílias foram retiradas, em fases sucessivas, de Capanga, cerca de 50 Km de Mwaladzi, para dar lugar à exploração de carvão na região. Mwaladzi situa-se no posto administrativo de Cambulatsitsi, distrito de Moatize, e 4 km de Cateme. Em Mwaladzi a terra é árida, sendo por isso imprópria para a actividade agrícola, principal base de sustento das famílias no local de origem, aonde elas também dedicavam-se ao fabrico e venda de carvão vegetal e de tijolos, para suplementar os rendimentos agrícolas e sustentar a educação dos filhos. Por outro lado, o acesso à água é também uma grande ʺdor de cabeçaʺ:já em Capanga, 1

2 pelo contrário, a comunidade vivia próximo do rio Rovubue, em cujas margens, férteis, praticava agricultura. Mais importante que casas de cimento e zinco, é garantir aos reassentados terra arável suficiente, água potável, cuidados de saúde, educação para os filhos e meios de vida. Como ensina a experiência com as revoltas de Cateme, os factores determinantes para o sucesso de um reassentamento, não se concentram numa casa moderna, feita de cimento e coberta de zinco, mas sim no tamanho, potencial e produtividade da terra disponível para cada família, acesso a água e a meios de vida, condições que escasseiam em Mwaladzi. Assim, e devido à fome e à falta de trabalho ou ocupação produtiva, pelo menos 15 famílias decidiram regressar à zona de origem, Capanga, na expectativa de, pelo menos, recuperarem as suas condições de vida anteriores ao reassentamento. Noutras situações, mulheres ficaram sozinhas com as crianças, abandonadas pelos maridos: uns refugiados na mata, aonde se dedicam à caça furtiva, outros em paradeiro incerto: é o desenraizamento, provocando destruturação social. Para piorar este quadro, a contínua sucessão entre diferentes empresas concessionárias - aparentemente com políticas sociais diferentes - parece contribuir para o agravamento dos problemas de raiz do reassentamento de Mwaladzi. Por exemplo, e segundo o secretário do 2

3 bairro, Rosário José, a multinacional Rio Tinto oferecia uma cesta básica de alimentos por família, como forma de ajuda-la no período de estabilização. Porém, com a entrada da indiana ICVL, esta prática de assistência alimentar foi cancelada, criando revolta entre os camponeses. Fontes oficiais locais, ouvidas pela nossa equipa, dizem entretanto que a retomada desta ʺcesta básicaʺ, aparentemente já acordada entre as partes relevantes no local, mantém-se contudo ʺsuspensaʺ, por falta de entendimento ou de acção, de ʺestruturas centraisʺ em Maputo. Como o assunto é comentado com certo azedume pelas autoridades distritais, não foi possível obter dados mais claros e conclusivos sobre aonde a referida cesta básica se encontra ʺbloqueadaʺ, na cadeia que faz a ligação comunidade-governos distrital e provincial - governo central. Uma maldição sobre Benga: três empresas sucedem.se em apenas cinco anos! A Mina de Carvão de Benga está localizada ao sul do Rio Rovuboé e a leste do Rio Zambeze, Província de Tete, e o processo da sua exploração, pela empresa australiana Riversdale, iniciou em É nesta altura que ocorre a primeira vaga de reassentamentos, abrangendo, no total, 71 famílias. Pouco depois, em 2011, veio suceder-lhe o grupo mineiro anglo- australiano, Rio Tinto, que compra a mina de Benga e outros activos, adquirindo dessa forma 100 por cento das acções da Riverdale Mining Limited por milhões de dólares: é quando ocorre a segunda vaga de reassentamentos. Uma terceira vaga de reassentamentos, chamados reassentamentos urbanos, viria a iniciar na altura em que, por sua vez, a Rio Tinto vende a minha ao consórcio estatal indiano, International Coal Ventures Private Limited (ICVL) em A Rio Tinto vende a mina por 50 milhões de dólares norte-americanos. Esta venda inclui os activos de carvão da Rio Tinto na região Tete, nomeadamente a mina Benga (65%), a concessão mineira do Zambeze e as licenças de exploração do Tete Leste, bem como licenças de exploração de carvão associadas e a Benga Energia, SA. Estes activos constituíam colectivamente a Rio Tinto Coal Mozambique. O consórcio ICVL, constituído pelas empresas estatais indianas Coal India, Steel Authority of Índia, National Thermal Power Corporation (NTPC), National Mineral Development Corporation (NMDC) e Rashtriya IspatNigam Limited (RINL), foi criado para adquirir e 3

4 explorar em regime de parceria carvão de coque, bio-energias e outros minerais. No total, foram reassentadas, ao longo de diferentes fases e por diferentes empresas explorando a mesma mina de Benga, 478 famílias em Mwaladzi. O facto das três empresas não seguirem, exactamente, as mesmas políticas sociais, tem-se reflectido sobre as condições de vida da população reassentada, que, como em muitos outros casos, clama por uma maior protecção do Estado. Para a sua alimentação, a maioria das famílias socorrem-se de folhas de plantas silvestres, denominadas Thovhe. Segundo explica Tierina Sinai, reassentada em Mualadzi, primeiro secamse as folhas, para a sua conservação, sendo posteriormente mergulhadas em água fervida, para servirem de alimento humano. Segundo conta uma outra residente, Isaura Bento, as mães asseguram a sobrevivência das crianças preparando-lhes papas a partir de farelo de milho. Em algumas outras famílias, toma-se uma única refeição por dia, que se resume a pedaços de pepino temperado com sal, ou simplesmente feijão cozido, o que se traduz em fome crónica, provocando desnutrição nas crianças e dores uterinas nas mulheres. Liliana Ruben, residente naquele bairro, fala de morte de pessoas em Mwaladzi, devido à fome. As vezes a pessoa morre na machamba e só descobrimos dias depois, afirma ela. Vivemos mesmo mal; aqui não se toma matabicho; quando temos algo para comer, preferimos guardar para uma única refeição do dia, no período da tarde. Geralmente é um pouco de farinha, misturada com um pouco de farelo; às vezes colhemos folhas nas machambas ou feijão bwere - para aqueles que conseguem encontrar, reforça, por seu lado, o secretário do bairro. 4

5 Nos seus depoimentos, os reassentados de Mwaladzi dizem que, de uma forma geral, viviam muito melhor na sua região de origem, Capanga, pois tinham meios de vida que lhes permitiam obter alguns recursos financeiros para suplementar os rendimentos agrícolas. Em Capanga tínhamos plantas de fruta como maçaniqueiras e malambe, das quais fabricávamos cerveja tradicional que vendíamos para sustentar as nossas crianças e custear os seus estudos. Agora aqui é tudo muito difícil; aqui não tem nada e quando pedimos socorro ameaçam-nos com agentes da Unidade de Intervenção Rápida, - UIR. Nas machambas não estamos a tirar nada: será que vamos partir as pedras destas casas, para alimentar os nossos filhos, para eles poderem ir a escola?ʺ, interrogam-se. Mulheres e crianças são as mais afectadas pelo consumo de água imprópria Em Mwaladzi a comunidade queixa-se de escassez de água potável, pois consideram que as fontenárias abertas pelas empresas concessionarias ou são insuficientes ou ficam demasiado distantes das suas residências. Por isso alguns afirmam que bebem da mesma água dos poços construídos para a beberragem de animais. Outros ainda suspeitam da qualidade da água das fontenárias, que dizem apresentar uma camada grossa, de cor metálica: esta, quando fervida, 5

6 chega a corroer até panelas de alumínio. Algumas mulheres contaram que têm sentido dores no útero e dores de estômago, e ainda dificuldades para urinar, o que deve ser causado por consumo de água impropria para consumo humano. A equipa do SEKELEKANI não pôde, contudo, confirmar a veracidade destas alegacões. Tierina Sinai lava roupa e louça no bebedouro feito para bois. Questionada sobre a preferência daquela água em detrimento da fontenária, Sinai respondeu nos seguintes termos aqui é mais próximo e lavamos à vontade. Na fontenária fica cheio de gente; com uma única torneira, não chega para todos. Ela pede que se aumente o número de fontenárias para reduzir as enchentes e as distâncias; caso contrario, muitas mulheres continuarão a partilhar a mesma água com os bois. Crianças abandonam a escola devido às longas caminhadas Em Mualadzi não existe escola secundaria; a escola mais próxima situa-se no reassentamento de Cateme, que dista 4 km de Mualadzi. Quando a mina de Benga era explorada pela Rio Tinto, esta tinha disponibilizado duas viaturas para transportar os alunos; mas a medida não durou muito tempo: cedo os autocarros - adquiridos em segunda mão - ficaram obsoletos e, aparentemente, a nova concessionaria (ICVL) não está disposta a manter as políticas sociais da antecessora. Em consequência disso, e devido à distância, algumas crianças têm abandonado as aulas, pois faltamlhes recursos para custear ʺchapa 100ʺ todos os dias. Com vista a mitigar o problema, a empresa ICVL está a desenhar um programa, visando oferecer a cada aluno uma bicicleta, mas segundo a comunidade a medida não é sustentável, pois os estudantes poderão ser assaltados, no caminho para a escola. O jovem Maputo Domingos conta que, por causa da distância, chega sempre atrasado às aulas; pois percorre diariamente 10 quilómetros a pé, e só consegue chegar à escola no terceiro tempo, por volta das 9 horas. As minhas notas estão a baixar porque perco muitas aulas, gostaria que colocassem a escola mais perto. Tenho 6 filhos em idade escolar, mas um deles teve de interromper a escola, pois não tenho recursos; vendo algumas coisas no mercado, mas não rendo nado; prefiro regressar a Capanga, pois lá conseguia dar de comer aos meus filhos e custear a escolaʺ, afirma, por sua vez, Fátima Fernando. 6

7 Por seu lado, de semblante fechado, Felícia Abdala, uma menina de 15 anos, conta que interrompeu a frequência da 8ª classe, porque a sua mãe não tem dinheiro para pagar a matrícula. Ela é órfã de pai e a mãe não desempenha qualquer actividade produtiva. Segundo referem os jovens estudantes, por cada prova feita na Escola Secundaria de Cateme, são-lhes cobrados cinco meticais, sendo mais um custo longe da capacidade financeira dos pais. Jovens clamam por trabalho produtivo Apesar da agricultura de subsistência ter sido uma parte significativa da vida em Capanga, a comunidade desenvolvia outras actividades para reforçar os seus rendimentos, que incluem o fabrico de tijolos e de carvão vegetal, pesca artesanal no rio, bem como o corte de lenha. Em Mwaladzi o cenário é completamente diferente, não havendo praticamente qualquer oportunidade económica. Aqui não há oportunidades de emprego; já inscrevemos todos jovens para a mineradora indiana ICVL, mas os postos de emprego foram ocupados por parentes dos donos da empresaʺ, alegam alguns camponeses. ʺAinda que saiba que uma empresa está a recrutar trabalhadores, como vou lá chegar, sem meio de transporte? Assim os meus filhos não têm o que comer, por favor estamos a sofrer, suspira Majiricão Jaime. Domingos Evaristo conta que em Capanga eu fabricava tijolo e partia brita; mas aqui em Mwaladzi não estou a fazer nada; estou parado, mesmo tentar queimar carvão ninguém compra, com a venda de tijolos dava para arrecadar até 100 mil meticais por mês. Titos Fernando também considera que em Capanga a vida era melhor, pois conseguia sustentar a família. A empresa prometeu que teríamos trabalho, mas não existe. Quando acordamos eu e minha mulher, só nos olhamos: como vamos viver assim? A comunidade pede para que as condições sejam melhoradas ou que sejam colocados em zonas que haja acesso à água e à terra fértil. Sugerem ainda que haja programas de geração de rendimento para reduzir o nível de fome. 7

8 A versão da(s) empresa(s) A interpretação da realidade de Mwaladzi, tal como feita pelos aldeões, difere, em grande medida, daquela feita pelas empresas que têm estado a realizar os sucessivos reassentamentos. Na óptica destas, Mwaladzi é um aldeamento dotado de condições mínimas de vida, onde as famílias reassentadas beneficiam de boa habitação (comparativamente ao modelo de Cateme); e estão providas de infra-estruturas sociais como sistemas de abastecimento de água, escola, hospital e orfanato, bem como de infrastruturas de assistência pecuária (incluindo tanques de desparasitação de vacas, ora em construção) e centros de aprendizagem de produção de aves e de caprinos. Contudo, na perspectiva dos camponeses, falta-lhes o mais importante: terra arável suficiente, meios de rendimento, nomeadamente para garantir a educação dos filhos; acompanhamento social e psicológico adequado e sistemas de comunicação abertos e funcionais, quer com as empresas, quer com as autoridades administrativas, onde possam apresentar as suas preocupações e obter respostas em tempo útil. Défice de comunicação com as autoridades locais A comunicação entre a comunidade e as autoridades não parece fluida nem aberta. A população critica a ausência da chefe da localidade de Mwaladzi no seu gabinete. Os aldeões dizem mesmo que os funcionários da instituição nunca se fazem presentes no local de trabalho e, como resultado, o estabelecimento fica encerrado em dias úteis da semana, deixando a população sem possibilidades de submeter as suas preocupações ao governo ou tratar documentos. O secretário disse que quando eles apresentam preocupações à Administradora do Distrito, esta limita-se a dizer que ʺtomou conhecimento e promete uma respostaʺ; contudo há mais de dois anos que a administração não responde as preocupações apresentadas pela comunidade, alega o Secretario do bairro. Desta informação pode depreender-se que, por sua vez, a Administradora do Distrito não recebe respostas adequadas e atempadas, junto dos seus superiores hierárquicos ou das empresas. Como forma de exprimir o seu protesto contra as condições de vida prevalecentes em Mwaladzi, o Secretario do Bairro diz que a comunidade vai, um dia, paralisar a mina, bloqueando todas as vias de acesso. 8

9 Quando a equipa do SEKELEKANI solicitou uma entrevista à Administradora do Distrito, foilhe exigida uma credencial ou autorização proveniente do governo provincial. *Pesquisadores do Centro de Estudos e Pesquisa de Comunicação SEKELEKANI 9

pedreiros, carpinteiros, Arquitectos, Pilotos, Motoristas, do amanhã.

pedreiros, carpinteiros, Arquitectos, Pilotos, Motoristas, do amanhã. Caro Presidente do Parlamento Infantil, Senhora Ministra do Género, Criança e Acção Social Excelência, Distintos Parlamentares de Palmo e Meio, Excelências, Suas Excelências Senhores Ministros e Vice-Ministros,

Leia mais

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural Guião de Programa de Rádio e Televisão Tema: Redução de Emissões de Desmatamento e Degradação Florestal (REDD+) Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante

Leia mais

Fome, fantasmas e violência doméstica atormentam órfãos e viúvas de pombe

Fome, fantasmas e violência doméstica atormentam órfãos e viúvas de pombe Tragédia de Chitima: Fome, fantasmas e violência doméstica atormentam órfãos e viúvas de pombe Por Célia Sitoe (texto) e Tomás Queface (fotos)* Em Janeiro de 2015, um total de 75 pessoas morreram na Vila

Leia mais

Como Plantar Pensando na Renda

Como Plantar Pensando na Renda Como Plantar Pensando na Renda A PERSPECTIVA DE RENDA É UM BOM MOTIVO PARA O AGRICULTOR PRODUZIR É a renda que motiva o agricultor Com que motivação, você agricultor, trabalha a terra? É claro, você também

Leia mais

Projeto de Voluntariado para a Cooperação: MUITO MAIS MUNDO. Plano de acção para o Município de Santa Cruz, Santiago, Cabo Verde.

Projeto de Voluntariado para a Cooperação: MUITO MAIS MUNDO. Plano de acção para o Município de Santa Cruz, Santiago, Cabo Verde. Projeto de Voluntariado para a Cooperação: MUITO MAIS MUNDO Plano de acção para o Município de Santa Cruz, Santiago, Cabo Verde Versão concisa Coordenadores: Dr. José Mendes Alves, Câmara Municipal de

Leia mais

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Nome da Equipa GMR2012

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Nome da Equipa GMR2012 NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto Nome da Equipa GMR2012 Alexandre Sousa Diogo Vicente José Silva Diana Almeida Dezembro de 2011 1 A crise vista pelos nossos avós

Leia mais

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Conhece os teus Direitos A caminho da tua Casa de Acolhimento Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Dados Pessoais Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - Telefone: Telemóvel: E

Leia mais

Nós, da GWA, estamos contentes por esta cartilha ter chegado às suas mãos. Por meio dela, conversaremos com você sobre assuntos muito importantes e

Nós, da GWA, estamos contentes por esta cartilha ter chegado às suas mãos. Por meio dela, conversaremos com você sobre assuntos muito importantes e 1 Nós, da GWA, estamos contentes por esta cartilha ter chegado às suas mãos. Por meio dela, conversaremos com você sobre assuntos muito importantes e muito atuais. Em primeiro lugar, gostaríamos de dizer

Leia mais

AJUDA DE MÃE. APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional da Região de Lisboa e Vale do Tejo (PORLVT)

AJUDA DE MÃE. APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional da Região de Lisboa e Vale do Tejo (PORLVT) AJUDA DE MÃE APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional da Região de Lisboa e Vale do Tejo (PORLVT) Objectivos: Informar, apoiar, encaminhar e acolher a mulher grávida. Ajudar cada

Leia mais

O que fazemos em Moçambique

O que fazemos em Moçambique 2008/09 O que fazemos em Moçambique Estamos a ajudar 79.850 crianças afectadas pelas inundações Estamos a proporcionar kits para a escola a 1.000 órfãos e crianças vulneráveis Registámos 1.745 crianças

Leia mais

Proposta de Lei da Imigração Inovações que mudam a vida das pessoas

Proposta de Lei da Imigração Inovações que mudam a vida das pessoas da Imigração Inovações que mudam a vida das pessoas Fui expulso, mas tenho um filho menor a cargo a viver em Portugal. Podem recusar-me a entrada? Sim. A residência de filhos menores em Portugal é apenas

Leia mais

BOAS PRÁTICAS. Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa

BOAS PRÁTICAS. Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa O QUE SÃO AS BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS (BPA)? Os consumidores estão cada vez

Leia mais

Comitê de Autossuficiência da Estaca

Comitê de Autossuficiência da Estaca Comitê de Autossuficiência da Estaca Treinamento Especialistas de Estacas 27 FEV 2014 Iniciaremos o treinamento às 20 horas pontualmente (horário de Brasília) Por favor, aguarde alguns minutos Lembre se

Leia mais

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país Brasil Você sabia que... A pobreza e a desigualdade causam a fome e a malnutrição. Os alimentos e outros bens e serviços básicos que afetam a segurança dos alimentos, a saúde e a nutrição água potável,

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Educação e Saúde 2014

Educação e Saúde 2014 Educação e Saúde 2014 A ONG SIM organizou mais uma missão a Moçambique, orientada para os temas da Educação e da Saúde, em Agosto. Para além da Presidente de direcção, Carmo Jardim, e da coordenadora,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Programa transmitido em 26 de fevereiro

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI)

Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI) Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI) II 1 Indicadores Desqualificação Não poder fazer nada do que preciso, quero fazer as coisas e não posso ; eu senti-me velho com 80 anos. Aí é que eu já

Leia mais

Por: Pedro Arlindo, Anabela Mabota, António Paulo, Cynthia Donovan e David Tschirley 1

Por: Pedro Arlindo, Anabela Mabota, António Paulo, Cynthia Donovan e David Tschirley 1 24 de Março de 2004 flash No 38 P Resultados das Pesquisas do SIMA-DEST e Departamento de Análise de Políticas MADER-Direcção de Economia Mudanças nos Padrões de Consumo na Zona Sul: Que Opções Alimentares

Leia mais

Identificação do projeto

Identificação do projeto Seção 1 Identificação do projeto ESTUDO BÍBLICO Respondendo a uma necessidade Leia Neemias 1 Neemias era um judeu exilado em uma terra alheia. Alguns dos judeus haviam regressado para Judá depois que os

Leia mais

RELATÓRIO REDE DE SUSTENTABILIDADE - APC

RELATÓRIO REDE DE SUSTENTABILIDADE - APC APC - MOÇAMBIQUE ASSOCIAÇĂO PROJETO CIDADĂO Fazendo Jesus Conhecido Através da Convivência e Serviço RELATÓRIO REDE DE SUSTENTABILIDADE - APC Introdução A Rede de Sustentabilidade é uma equipe multi setorial

Leia mais

Director: Rogério Sitoe. Maputo, Sexta-Feira, 7 de Setembro de 2007 http://www.jornalnoticias.co.mz/pls/notimz2/getxml/pt/contentx/69451/20070907

Director: Rogério Sitoe. Maputo, Sexta-Feira, 7 de Setembro de 2007 http://www.jornalnoticias.co.mz/pls/notimz2/getxml/pt/contentx/69451/20070907 notícias Director: Rogério Sitoe. Maputo, Sexta-Feira, 7 de Setembro de 2007 http://www.jornalnoticias.co.mz/pls/notimz2/getxml/pt/contentx/69451/20070907 Homepage > Politica > SP apostam na formação Sobre

Leia mais

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER Atividades Lição 5 NOME: N º : CLASSE: ESCOLA É LUGAR DE APRENDER 1. CANTE A MÚSICA, IDENTIFICANDO AS PALAVRAS. A PALAVRA PIRULITO APARECE DUAS VEZES. ONDE ESTÃO? PINTE-AS.. PIRULITO QUE BATE BATE PIRULITO

Leia mais

O que é Água Filtrada?

O que é Água Filtrada? O que é Água Filtrada? Via Filtros Sistemas Filtrante 2015 Falar de água filtrada interessa a todos, afirmo isso porque eu mesmo já procurei muito sobre esse assunto e queria entender o porquê é importante

Leia mais

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração da Escola Municipal Jornalista Jaime Câmara e alusiva à visita às unidades habitacionais do PAC - Pró-Moradia no Jardim do Cerrado e Jardim Mundo

Leia mais

A Rainha, o guarda do tesouro e o. papel que valia muito ouro

A Rainha, o guarda do tesouro e o. papel que valia muito ouro A Rainha, o guarda do tesouro e o papel que valia muito ouro Há muito, muito tempo atrás, havia uma rainha que governava um reino chamado Portugal. Essa rainha chamava-se D. Maria I e como até tinha acabado

Leia mais

CONFERÊNCIA DOS MINISTROS DO TRABALHO E SEGURANÇA SOCIAL E DOS ASSUNTOS SOCIAIS DA CPLP

CONFERÊNCIA DOS MINISTROS DO TRABALHO E SEGURANÇA SOCIAL E DOS ASSUNTOS SOCIAIS DA CPLP CONFERÊNCIA DOS MINISTROS DO TRABALHO E SEGURANÇA SOCIAL E DOS ASSUNTOS SOCIAIS DA CPLP INTERVENÇÃO DO SENHOR EMBAIXADOR DOMINGOS DIAS PEREIRA MASCARENHAS, CHEFE DA DELEGAÇÃO, SOBRE O TEMA CENTRAL OS DESAFIOS

Leia mais

Sou Helena Maria Ferreira de Morais Gusmão, Cliente NOS C827261492, Contribuinte Nr.102 297 878 e venho reclamar o seguinte:

Sou Helena Maria Ferreira de Morais Gusmão, Cliente NOS C827261492, Contribuinte Nr.102 297 878 e venho reclamar o seguinte: Exmos. Senhores. Sou Helena Maria Ferreira de Morais Gusmão, Cliente NOS C827261492, Contribuinte Nr.102 297 878 e venho reclamar o seguinte: Sou cliente desde a época da TVTel nunca, até hoje, mudei de

Leia mais

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal À margem do Fórum promovido pela Associação Mais Portugal Cabo Verde, que o trouxe

Leia mais

ATIVIDADES DE MATEMÁTICA 8ª A/B

ATIVIDADES DE MATEMÁTICA 8ª A/B ATIVIDADES DE MATEMÁTICA 8ª A/B 1. Se toda a espécie humana atual fosse formada por apenas 100 famílias, 7 dessas famílias estariam consumindo 80% de toda a energia gerada no planeta. a) Quanto por cento,

Leia mais

Missões para os índios americanos

Missões para os índios americanos Missões para os índios americanos Em busca do Nobre Selvagem A história de missões ameríndias é intrigante: Iniciada pela igreja Católica; Despertou o interesse dos protestantes. Depois de muito zelo e

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

H U M A N R I G H T S W A T C H. O que é uma Casa sem Comida? O Boom da Mineração em Moçambique e o Reassentamento

H U M A N R I G H T S W A T C H. O que é uma Casa sem Comida? O Boom da Mineração em Moçambique e o Reassentamento H U M A N R I G H T S W A T C H O que é uma Casa sem Comida? O Boom da Mineração em Moçambique e o Reassentamento O que é uma Casa sem Comida? O Boom da Mineração de Carvão e o Reassentamento Copyright

Leia mais

CURSO SOBRE PARTICIPAÇÃO DE GRUPOS DE INTERESSE

CURSO SOBRE PARTICIPAÇÃO DE GRUPOS DE INTERESSE CURSO SOBRE PARTICIPAÇÃO DE GRUPOS DE INTERESSE CENÁRIO: GESTÃO COLABORATIVA DE PESCAS Este caso de estudo é largamente fictício e foi baseado em Horrill, J.C., n.d. Collaborative Fisheries Management

Leia mais

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. Eu quero não parar coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - de consigo.o usar que eu drogas f o? aç e Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

Análise de Vulnerabilidade 2004: Processo e o Ponto de Situação

Análise de Vulnerabilidade 2004: Processo e o Ponto de Situação Análise de Vulnerabilidade 2004: Processo e o Ponto de Situação Maputo, Junho de 2004 Mapa das regiões de AV 2004 41 distritos vulneráveis á insegurança alimentar devido aos efeitos combinados de seca

Leia mais

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores?

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Noemi: É a velha história, uma andorinha não faz verão,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 68 Discurso na cerimónia de lançamento

Leia mais

Deutsche Welle Learning By Ear Aprender de Ouvido Empregos 07: Desemprego

Deutsche Welle Learning By Ear Aprender de Ouvido Empregos 07: Desemprego Deutsche Welle Learning By Ear Aprender de Ouvido Empregos 07: Desemprego Texto: Emmanuel Rushingabigwi Redacção: Sandrine Blanchard Tradução: Madalena Sampaio 1 Voz para Intro e Outro (Voz 1) Nádia Issufo

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 24

Transcrição de Entrevista n º 24 Transcrição de Entrevista n º 24 E Entrevistador E24 Entrevistado 24 Sexo Feminino Idade 47 anos Área de Formação Engenharia Sistemas Decisionais E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Entrevista A2. 2. Que idade tinhas quando começaste a pertencer a esta associação? R.: 13, 14 anos.

Entrevista A2. 2. Que idade tinhas quando começaste a pertencer a esta associação? R.: 13, 14 anos. Entrevista A2 1. Onde iniciaste o teu percurso na vida associativa? R.: Em Viana, convidaram-me para fazer parte do grupo de teatro, faltava uma pessoa para integrar o elenco. Mas em que associação? Na

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

Sociedades agrárias africanas: um modelo de sucesso

Sociedades agrárias africanas: um modelo de sucesso Sociedades agrárias africanas: um modelo de sucesso por Por Dentro da África - sexta-feira, novembro 13, 2015 http://www.pordentrodaafrica.com/ciencia/sociedades-agrarias-africanas-um-modelo-de-sucesso

Leia mais

Call centres, regiões e ensino superior

Call centres, regiões e ensino superior Call centres, regiões e ensino superior Call centres, regiões e ensino superior Frank Peck Center for Regional Economic Development University of Central Lancashire (UK) A UCLAN (Universidade de Central

Leia mais

TOTAL DE RESPONDENTES: 698 entrevistados. DATA DE REALIZAÇÃO: 30 de maio e 01 de junho, nas ruas do centro do Rio de Janeiro.

TOTAL DE RESPONDENTES: 698 entrevistados. DATA DE REALIZAÇÃO: 30 de maio e 01 de junho, nas ruas do centro do Rio de Janeiro. Enquete Um estudo feito por matemáticos da Universidade de Vermont, nos Estados Unidos, mostrou que o dia preferido pelas pessoas é o domingo. Os pesquisadores analisaram 2,4 milhões de mensagens pela

Leia mais

CARTA ESCRITA NO ANO 2070

CARTA ESCRITA NO ANO 2070 CARTA ESCRITA NO ANO 2070 Texto publicado na revista "Crónicas de los Tiempos, de Abril de 2002. www ww w www w Wwwwww w w ww w wwwwwwww wwwwwww w w w wwwww ww w w w www wwwwwww w w ww w wwwwwwww wwwwwww

Leia mais

Urakepe. Olá. Meu nome é Romel. Sou uma índia Chachi. Eu moro no vilarejo de São Salvador, no oeste do Equador. Eu tenho cinco irmãos, duas irmãs e

Urakepe. Olá. Meu nome é Romel. Sou uma índia Chachi. Eu moro no vilarejo de São Salvador, no oeste do Equador. Eu tenho cinco irmãos, duas irmãs e Urakepe. Olá. Meu nome é Romel. Sou uma índia Chachi. Eu moro no vilarejo de São Salvador, no oeste do Equador. Eu tenho cinco irmãos, duas irmãs e muitos primos. Existem cerca de 60 famílias em São Salvador

Leia mais

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1 Entrevista G1.1 Entrevistado: E1.1 Idade: Sexo: País de origem: Tempo de permanência 51 anos Masculino Cabo-verde 40 anos em Portugal: Escolaridade: Imigrações prévias : São Tomé (aos 11 anos) Língua materna:

Leia mais

Projecto de Desenvolvimento Escolar Comenius Acção Comenius 1 - Parcerias entre escolas

Projecto de Desenvolvimento Escolar Comenius Acção Comenius 1 - Parcerias entre escolas Projecto de Desenvolvimento Escolar Comenius Acção Comenius 1 - Parcerias entre escolas Avaliação: um passo determinante para a implementação da qualidade no ensino O objectivo deste projecto é a compreensão

Leia mais

ACTIVIDADES ESCOLA Actividades que a SUA ESCOLA pode fazer

ACTIVIDADES ESCOLA Actividades que a SUA ESCOLA pode fazer ACTIVIDADES ESCOLA Actividades que a SUA ESCOLA pode fazer Crianças e jovens numa visita de estudo, Moçambique 2008 Produzir materiais informativos sobre cada um dos temas e distribuir em toda a escola

Leia mais

::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente?

::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente? O Meio Ambiente ::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente? Seu João: Não sei não! Mas quero que você me diga direitinho pra eu aprender e ensinar todo mundo lá no povoado onde eu moro. : Seu João,

Leia mais

Discurso Copa 2014. Senhoras Senadoras, Senhores Senadores. Amigos que nos acompanham pelas redes sociais e pela Agência Senado

Discurso Copa 2014. Senhoras Senadoras, Senhores Senadores. Amigos que nos acompanham pelas redes sociais e pela Agência Senado 1 Discurso Copa 2014 Senhor presidente, Senhoras Senadoras, Senhores Senadores Amigos que nos acompanham pelas redes sociais e pela Agência Senado Promessas são como juramentos. A beleza da promessa está

Leia mais

Senhor Embaixador dos Estados Unidos da América, Exmo. Senhor Presidente do Conselho de Administração da Oeiras International School,

Senhor Embaixador dos Estados Unidos da América, Exmo. Senhor Presidente do Conselho de Administração da Oeiras International School, Senhor Embaixador dos Estados Unidos da América, Excelência, Exmo. Senhor Presidente do Conselho de Administração da Oeiras International School, Exma. Senhora Directora da Oeiras International School,

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

TIMOR LESTE. O PESO DA ORAÇÃO DOS JUSTOS! Tema. Peso e balança justos pertencem ao Senhor Provérbios 16:11a Versículo Chave

TIMOR LESTE. O PESO DA ORAÇÃO DOS JUSTOS! Tema. Peso e balança justos pertencem ao Senhor Provérbios 16:11a Versículo Chave 70 TIMOR LESTE O PESO DA ORAÇÃO DOS JUSTOS! Tema Peso e balança justos pertencem ao Senhor Provérbios 16:11a Versículo Chave PÁIS ALVO No Timor Leste as pessoas são muito acolhedoras, sempre com um sorriso,

Leia mais

Aprenda a Tirar Vantagem da 2º Maior Ferramenta de Buscas do Mundo!

Aprenda a Tirar Vantagem da 2º Maior Ferramenta de Buscas do Mundo! Aprenda a Tirar Vantagem da 2º Maior Ferramenta de Buscas do Mundo! Usar o Youtube profissionalmente é o upgrade que o seu negócio precisa para alavancar e obter muito mais vendas, contatos e visitas!

Leia mais

Vida Universitária Junho 2007 Ano XVII Nº 173

Vida Universitária Junho 2007 Ano XVII Nº 173 Futuro do planeta depende de mudanças de atitude e políticas públicas No dia 16 de maio, o francês Yves Mathieu, um dos mil multiplicadores treinados pelo ex-vice-presidente dos Estados Unidos, Al Gore,

Leia mais

DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA, O PRIMEIRO MINISTRO

DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA, O PRIMEIRO MINISTRO DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA, O PRIMEIRO MINISTRO Senhora D. Maria José Ritta, Presidente da Comissão Nacional para o Ano Internacional dos Voluntários, Ms. Sharon Capeling, Senhoras e Senhores congressistas

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 14 Discurso: em encontro com professores

Leia mais

PROTEÇÃO E ASSISTÊNCIA EM SÃO PAULO

PROTEÇÃO E ASSISTÊNCIA EM SÃO PAULO PROTEÇÃO E ASSISTÊNCIA EM SÃO PAULO UNHCR ACNUR QUEM SOMOS ACNUR O ACNUR foi criado para proteger e assistir às vítimas de perseguição, da violência e da intolerância. Desde então, já ajudou mais de 50

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

JOÁS, O MENINO REI Lição 65. 1. Objetivos: Ensinar que devemos permanecer fiéis a Deus embora nossos amigos parem de segui-lo.

JOÁS, O MENINO REI Lição 65. 1. Objetivos: Ensinar que devemos permanecer fiéis a Deus embora nossos amigos parem de segui-lo. JOÁS, O MENINO REI Lição 65 1 1. Objetivos: Ensinar que devemos permanecer fiéis a Deus embora nossos amigos parem de segui-lo. 2. Lição Bíblica: 2 Reis 11; 2 Crônicas 24.1-24 (Base bíblica para a história

Leia mais

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver.

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver. A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Este trabalho tem o objetivo de discutir a sustentabilidade do território A uwe- Marãiwatsédé, mediada pelas relações econômicas,

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 22

Transcrição de Entrevista n º 22 Transcrição de Entrevista n º 22 E Entrevistador E22 Entrevistado 22 Sexo Masculino Idade 50 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante

Leia mais

CARTA ESCRITA NO ANO DE 2070

CARTA ESCRITA NO ANO DE 2070 CARTA ESCRITA NO ANO DE 2070 Documento publicado na revista "Crónica de los Tiempos" de abril de 2002. www ww w www w Wwwwww w w ww w wwwwwwww wwwwwww w w w wwwww ww w w w www wwwwwww w w ww w wwwwwwww

Leia mais

2ª SEMANA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA MARÇO

2ª SEMANA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA MARÇO Design & Saúde Financeira para maiores de 50 anos Vera Damazio Laboratório Design Memória Emoção :) labmemo (: O que Design tem a ver com Saúde Financeira para maiores de 50 anos? E o que faz um Laboratório

Leia mais

DOCUMENTO DE PROPOSTA PARA FINANCIAMENTO DE PEQUENO PROJETO

DOCUMENTO DE PROPOSTA PARA FINANCIAMENTO DE PEQUENO PROJETO DOCUMENTO DE PROPOSTA PARA FINANCIAMENTO DE PEQUENO PROJETO MATI YA MANGWANA a água do amanhã Projeto mati ya mangwana associação mangwana Página 1/5 Ficha de identificação Sumária A. Título do Projeto

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

As fotos a seguir são tristemente verdadeiras...

As fotos a seguir são tristemente verdadeiras... As fotos a seguir são tristemente verdadeiras... Quem é responsável por enfrentar esta situação? Prefeitura? Entidades de defesa do ambiente?? Governo? Meios de comunicação? Cientistas? Organizações

Leia mais

Glaucus Saraiva - poeta gaúcho

Glaucus Saraiva - poeta gaúcho Um dia, ao retornar da escola, Felipe tentou explicar ao pai que o professor havia falado sobre o chimarrão, que é uma bebida saudável e símbolo do Rio Grande do Sul, entre outras coisas. Armando, seu

Leia mais

ESCOLA SEMIPROFISSIONALIZANTE GRALHA AZUL DE SÃO JOÃO- PARANÁ O MEU JEITO DE MUDAR O MUNDO

ESCOLA SEMIPROFISSIONALIZANTE GRALHA AZUL DE SÃO JOÃO- PARANÁ O MEU JEITO DE MUDAR O MUNDO ESCOLA SEMIPROFISSIONALIZANTE GRALHA AZUL DE SÃO JOÃO- Vemos que o mundo está sofrendo e as pessoas e nós poluímos o Planeta Terra e nós temos que ajudar e não poluir os rios os lagos as ruas e as encostas

Leia mais

APRESENTAÇÃO Conselhos Municipais de Desenvolvimento Rural Sustentável (CMDRS)

APRESENTAÇÃO Conselhos Municipais de Desenvolvimento Rural Sustentável (CMDRS) APRESENTAÇÃO A formação dos Conselhos Municipais de Desenvolvimento Rural Sustentável (CMDRS) e a participação atuante das comunidades são imprescindíveis para o desenvolvimento rural. É função dos Conselhos

Leia mais

Lembro-me do segredo que ela prometeu me contar. - Olha, eu vou contar, mas é segredo! Não conte para ninguém. Se você contar eu vou ficar de mal.

Lembro-me do segredo que ela prometeu me contar. - Olha, eu vou contar, mas é segredo! Não conte para ninguém. Se você contar eu vou ficar de mal. -...eu nem te conto! - Conta, vai, conta! - Está bem! Mas você promete não contar para mais ninguém? - Prometo. Juro que não conto! Se eu contar quero morrer sequinha na mesma hora... - Não precisa exagerar!

Leia mais

Dinâmica e Animação de Grupo

Dinâmica e Animação de Grupo Dinâmica e Animação de Grupo Desenvolvimento de Competências Turma G3D Leandro Diogo da Silva Neves 4848 Índice 1. Introdução... 3 2. Planeamento de desenvolvimento individual... 4 2.1 Competências...

Leia mais

Projeto de Educação Ambiental

Projeto de Educação Ambiental Apresenta Projeto de Educação Ambiental A água é o recurso natural mais abundante do planeta. Porém, apenas 0,007% da água de rios e lagos é disponível para consumo, dos quais grande parte está poluída.

Leia mais

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro Histórias do Velho Testamento 3 a 6 anos Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro O Velho Testamento está cheio de histórias que Deus nos deu, espantosas e verdadeiras.

Leia mais

Mineração de fosfato em. desenvolvimento local

Mineração de fosfato em. desenvolvimento local Mineração de fosfato em Cajati (SP) e o desenvolvimento local Solange S. Sánchez Procam Universidade de São Paulo Luis E. Sánchez Escola Politécnica Universidade de São Paulo Seminário Recursos Minerais

Leia mais

PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO. Fome e Sede

PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO. Fome e Sede PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO HISTÓRIA BÍBLICA: Mateus 18:23-34 Nesta lição, as crianças vão ouvir a Parábola do Servo Que Não Perdoou. Certo rei reuniu todas as pessoas que lhe deviam dinheiro.

Leia mais

ÍNDICE. Introdução. Os 7 Segredos. Como ser um milionário? Porque eu não sou milionário? Conclusão. \\ 07 Segredos Milionários

ÍNDICE. Introdução. Os 7 Segredos. Como ser um milionário? Porque eu não sou milionário? Conclusão. \\ 07 Segredos Milionários ÍNDICE Introdução Os 7 Segredos Como ser um milionário? Porque eu não sou milionário? Conclusão 3 4 6 11 12 INTRODUÇÃO IMPORTANTE Neste e-book você terá uma rápida introdução sobre as chaves que movem

Leia mais

14-5-2010 MARIA JOÃO BASTOS AUTOBIOGRAFIA. [Escrever o subtítulo do documento] Bruna

14-5-2010 MARIA JOÃO BASTOS AUTOBIOGRAFIA. [Escrever o subtítulo do documento] Bruna 14-5-2010 MARIA JOÃO BASTOS AUTOBIOGRAFIA [Escrever o subtítulo do documento] Bruna Autobiografia O meu nome é Maria João, tenho 38 anos e sou natural da Nazaré, onde vivi até há sete anos atrás, sensivelmente.

Leia mais

AGRICULTURA NA RÚSSIA SOCIALISTA E NA CHINA

AGRICULTURA NA RÚSSIA SOCIALISTA E NA CHINA Espaço Agrário Rússia/China 1 AGRICULTURA NA RÚSSIA SOCIALISTA E NA CHINA! Ambos os países passaram por uma revolução socialista, ou seja, com a revolução a Terra passa a ser propriedade do Estado (propriedade

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

Pacote de Actividades para Educadores: Guia de Observação www.globeatnight.org

Pacote de Actividades para Educadores: Guia de Observação www.globeatnight.org Pacote de Actividades para Educadores: Guia de Observação Encoraje os seus alunos a participar numa campanha mundial de ciência, que consiste em observar e registar a magnitude das estrelas visíveis e

Leia mais

Uma vez completa a matriz, podem ser anotados, eventualmente, os horários das. Receba ajuda de: Marido Os Meninos As Meninas

Uma vez completa a matriz, podem ser anotados, eventualmente, os horários das. Receba ajuda de: Marido Os Meninos As Meninas Como é feito: pode-se trabalhar com um grupo de mulheres ou repetir o exercício com várias mulheres. Ao início se explica o objetivo do exercício. Depois vão sendo anotadas na primeira coluna, cronologicamente,

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.)

REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.) REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.) A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S D E B E N A V E N T E INTRODUÇÃO Tendo por base os normativos legais

Leia mais

O homem e o meio ambiente

O homem e o meio ambiente A U A UL LA O homem e o meio ambiente Nesta aula, que inicia nosso aprendizado sobre o meio ambiente, vamos prestar atenção às condições ambientais dos lugares que você conhece. Veremos que em alguns bairros

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 13 DE MARÇO ANHEMBI SÃO PÀULO-SP

Leia mais

Não é o outro que nos

Não é o outro que nos 16º Plano de aula 1-Citação as semana: Não é o outro que nos decepciona, nós que nos decepcionamos por esperar alguma coisa do outro. 2-Meditação da semana: Floresta 3-História da semana: O piquenique

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO Maputo, Abril de 2014 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO... 3 II. TEMAS APRESENTADOS...

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Caracterização do Meio Sócio-econômico - propriedades Local e data Nome do chefe da família

Caracterização do Meio Sócio-econômico - propriedades Local e data Nome do chefe da família Caracterização do Meio Sócio-econômico - propriedades Local e data Nome do chefe da família Naturalidade Data de nascimento Telefone Endereço Nome do cônjuge ou companheiro Naturalidade Data de nascimento

Leia mais

NOSSA SAÚDE. Ministério da Educação e Cultura. Com o apoio do povo do Japão

NOSSA SAÚDE. Ministério da Educação e Cultura. Com o apoio do povo do Japão A HIGIENE E A NOSSA SAÚDE Ministério da Educação e Cultura Com o apoio do povo do Japão O QUE SÃO CUIDADOS DE HIGIENE? É tudo o que fazemos para cuidar da limpeza do nosso corpo, como tomar banho, lavar

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano 24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano Mariana Tavares Colégio Camões, Rio Tinto João Pedro da Ponte Departamento de Educação e Centro de Investigação em Educação Faculdade de Ciências

Leia mais

Jordânia. Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país. Leia a minha história e descubra... Por que é que todos precisamos de água potável para

Jordânia. Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país. Leia a minha história e descubra... Por que é que todos precisamos de água potável para Jordânia Você sabia que... A água potável e segura é necessária para que se possa assegurar e proteger a vida e a saúde de toda a gente, num modo justo e igualitário. Alguns fatos sobre o meu país No Reino

Leia mais