Reassentamento de Mwaladzi: modelo ou pesadelo?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Reassentamento de Mwaladzi: modelo ou pesadelo?"

Transcrição

1 Reassentamento de Mwaladzi: modelo ou pesadelo? Por: Célia Sitoe e Tomás Queface (CIVILINFO) Quando o arranque da mina de carvão de Benga determinou, em 2010, o início do reassentamento involuntário de 736 agregados familiares planificados, de Capanga para a região de Mwaladzi, na Província de Tete, acabavam de ocorrer as primeiras revoltas dos camponeses reassentados pela Empresa Vale, em Cateme, em protesto contra as condições de vida degradantes em que viviam. Para evitar novas ʺCatemesʺ, anunciava-se, para Mwaladzi, um reassentamento-modelo, o que pressupunha, pelo menos, habitação condigna, terra fértil e suficiente para todos, água acessível e meios de vida mínimos para os reassentados. Agora, cinco anos depois, com a mina de Benga passando sucessivamente de empresa em empresa - da Riversdale ( ) para a Rio Tinto ( ), e desta para a International Coal Ventures Limited (ICVL), da India - a fome e o impacto do desenraizamento abatem-se severamente sobre Mwaladzi, ameaçando transformar o idealizado reassentamento-modelo em reassentamento-pesadelo. ʺÀs vezes descobrimos pessoas mortas de fome, nas machambasʺ, disserem os aldeões a uma equipa de pesquisa do SEKELEKANI que trabalhou recentemente no local. Benga: a mina amaldiçoada Perto de quinhentas famílias em Mwaladzi, bairro de reassentamento da população retirada da área de exploração da mina de carvão de Benga, na Província de Tete, vivem em condições humanas deploráveis. Estas famílias foram retiradas, em fases sucessivas, de Capanga, cerca de 50 Km de Mwaladzi, para dar lugar à exploração de carvão na região. Mwaladzi situa-se no posto administrativo de Cambulatsitsi, distrito de Moatize, e 4 km de Cateme. Em Mwaladzi a terra é árida, sendo por isso imprópria para a actividade agrícola, principal base de sustento das famílias no local de origem, aonde elas também dedicavam-se ao fabrico e venda de carvão vegetal e de tijolos, para suplementar os rendimentos agrícolas e sustentar a educação dos filhos. Por outro lado, o acesso à água é também uma grande ʺdor de cabeçaʺ:já em Capanga, 1

2 pelo contrário, a comunidade vivia próximo do rio Rovubue, em cujas margens, férteis, praticava agricultura. Mais importante que casas de cimento e zinco, é garantir aos reassentados terra arável suficiente, água potável, cuidados de saúde, educação para os filhos e meios de vida. Como ensina a experiência com as revoltas de Cateme, os factores determinantes para o sucesso de um reassentamento, não se concentram numa casa moderna, feita de cimento e coberta de zinco, mas sim no tamanho, potencial e produtividade da terra disponível para cada família, acesso a água e a meios de vida, condições que escasseiam em Mwaladzi. Assim, e devido à fome e à falta de trabalho ou ocupação produtiva, pelo menos 15 famílias decidiram regressar à zona de origem, Capanga, na expectativa de, pelo menos, recuperarem as suas condições de vida anteriores ao reassentamento. Noutras situações, mulheres ficaram sozinhas com as crianças, abandonadas pelos maridos: uns refugiados na mata, aonde se dedicam à caça furtiva, outros em paradeiro incerto: é o desenraizamento, provocando destruturação social. Para piorar este quadro, a contínua sucessão entre diferentes empresas concessionárias - aparentemente com políticas sociais diferentes - parece contribuir para o agravamento dos problemas de raiz do reassentamento de Mwaladzi. Por exemplo, e segundo o secretário do 2

3 bairro, Rosário José, a multinacional Rio Tinto oferecia uma cesta básica de alimentos por família, como forma de ajuda-la no período de estabilização. Porém, com a entrada da indiana ICVL, esta prática de assistência alimentar foi cancelada, criando revolta entre os camponeses. Fontes oficiais locais, ouvidas pela nossa equipa, dizem entretanto que a retomada desta ʺcesta básicaʺ, aparentemente já acordada entre as partes relevantes no local, mantém-se contudo ʺsuspensaʺ, por falta de entendimento ou de acção, de ʺestruturas centraisʺ em Maputo. Como o assunto é comentado com certo azedume pelas autoridades distritais, não foi possível obter dados mais claros e conclusivos sobre aonde a referida cesta básica se encontra ʺbloqueadaʺ, na cadeia que faz a ligação comunidade-governos distrital e provincial - governo central. Uma maldição sobre Benga: três empresas sucedem.se em apenas cinco anos! A Mina de Carvão de Benga está localizada ao sul do Rio Rovuboé e a leste do Rio Zambeze, Província de Tete, e o processo da sua exploração, pela empresa australiana Riversdale, iniciou em É nesta altura que ocorre a primeira vaga de reassentamentos, abrangendo, no total, 71 famílias. Pouco depois, em 2011, veio suceder-lhe o grupo mineiro anglo- australiano, Rio Tinto, que compra a mina de Benga e outros activos, adquirindo dessa forma 100 por cento das acções da Riverdale Mining Limited por milhões de dólares: é quando ocorre a segunda vaga de reassentamentos. Uma terceira vaga de reassentamentos, chamados reassentamentos urbanos, viria a iniciar na altura em que, por sua vez, a Rio Tinto vende a minha ao consórcio estatal indiano, International Coal Ventures Private Limited (ICVL) em A Rio Tinto vende a mina por 50 milhões de dólares norte-americanos. Esta venda inclui os activos de carvão da Rio Tinto na região Tete, nomeadamente a mina Benga (65%), a concessão mineira do Zambeze e as licenças de exploração do Tete Leste, bem como licenças de exploração de carvão associadas e a Benga Energia, SA. Estes activos constituíam colectivamente a Rio Tinto Coal Mozambique. O consórcio ICVL, constituído pelas empresas estatais indianas Coal India, Steel Authority of Índia, National Thermal Power Corporation (NTPC), National Mineral Development Corporation (NMDC) e Rashtriya IspatNigam Limited (RINL), foi criado para adquirir e 3

4 explorar em regime de parceria carvão de coque, bio-energias e outros minerais. No total, foram reassentadas, ao longo de diferentes fases e por diferentes empresas explorando a mesma mina de Benga, 478 famílias em Mwaladzi. O facto das três empresas não seguirem, exactamente, as mesmas políticas sociais, tem-se reflectido sobre as condições de vida da população reassentada, que, como em muitos outros casos, clama por uma maior protecção do Estado. Para a sua alimentação, a maioria das famílias socorrem-se de folhas de plantas silvestres, denominadas Thovhe. Segundo explica Tierina Sinai, reassentada em Mualadzi, primeiro secamse as folhas, para a sua conservação, sendo posteriormente mergulhadas em água fervida, para servirem de alimento humano. Segundo conta uma outra residente, Isaura Bento, as mães asseguram a sobrevivência das crianças preparando-lhes papas a partir de farelo de milho. Em algumas outras famílias, toma-se uma única refeição por dia, que se resume a pedaços de pepino temperado com sal, ou simplesmente feijão cozido, o que se traduz em fome crónica, provocando desnutrição nas crianças e dores uterinas nas mulheres. Liliana Ruben, residente naquele bairro, fala de morte de pessoas em Mwaladzi, devido à fome. As vezes a pessoa morre na machamba e só descobrimos dias depois, afirma ela. Vivemos mesmo mal; aqui não se toma matabicho; quando temos algo para comer, preferimos guardar para uma única refeição do dia, no período da tarde. Geralmente é um pouco de farinha, misturada com um pouco de farelo; às vezes colhemos folhas nas machambas ou feijão bwere - para aqueles que conseguem encontrar, reforça, por seu lado, o secretário do bairro. 4

5 Nos seus depoimentos, os reassentados de Mwaladzi dizem que, de uma forma geral, viviam muito melhor na sua região de origem, Capanga, pois tinham meios de vida que lhes permitiam obter alguns recursos financeiros para suplementar os rendimentos agrícolas. Em Capanga tínhamos plantas de fruta como maçaniqueiras e malambe, das quais fabricávamos cerveja tradicional que vendíamos para sustentar as nossas crianças e custear os seus estudos. Agora aqui é tudo muito difícil; aqui não tem nada e quando pedimos socorro ameaçam-nos com agentes da Unidade de Intervenção Rápida, - UIR. Nas machambas não estamos a tirar nada: será que vamos partir as pedras destas casas, para alimentar os nossos filhos, para eles poderem ir a escola?ʺ, interrogam-se. Mulheres e crianças são as mais afectadas pelo consumo de água imprópria Em Mwaladzi a comunidade queixa-se de escassez de água potável, pois consideram que as fontenárias abertas pelas empresas concessionarias ou são insuficientes ou ficam demasiado distantes das suas residências. Por isso alguns afirmam que bebem da mesma água dos poços construídos para a beberragem de animais. Outros ainda suspeitam da qualidade da água das fontenárias, que dizem apresentar uma camada grossa, de cor metálica: esta, quando fervida, 5

6 chega a corroer até panelas de alumínio. Algumas mulheres contaram que têm sentido dores no útero e dores de estômago, e ainda dificuldades para urinar, o que deve ser causado por consumo de água impropria para consumo humano. A equipa do SEKELEKANI não pôde, contudo, confirmar a veracidade destas alegacões. Tierina Sinai lava roupa e louça no bebedouro feito para bois. Questionada sobre a preferência daquela água em detrimento da fontenária, Sinai respondeu nos seguintes termos aqui é mais próximo e lavamos à vontade. Na fontenária fica cheio de gente; com uma única torneira, não chega para todos. Ela pede que se aumente o número de fontenárias para reduzir as enchentes e as distâncias; caso contrario, muitas mulheres continuarão a partilhar a mesma água com os bois. Crianças abandonam a escola devido às longas caminhadas Em Mualadzi não existe escola secundaria; a escola mais próxima situa-se no reassentamento de Cateme, que dista 4 km de Mualadzi. Quando a mina de Benga era explorada pela Rio Tinto, esta tinha disponibilizado duas viaturas para transportar os alunos; mas a medida não durou muito tempo: cedo os autocarros - adquiridos em segunda mão - ficaram obsoletos e, aparentemente, a nova concessionaria (ICVL) não está disposta a manter as políticas sociais da antecessora. Em consequência disso, e devido à distância, algumas crianças têm abandonado as aulas, pois faltamlhes recursos para custear ʺchapa 100ʺ todos os dias. Com vista a mitigar o problema, a empresa ICVL está a desenhar um programa, visando oferecer a cada aluno uma bicicleta, mas segundo a comunidade a medida não é sustentável, pois os estudantes poderão ser assaltados, no caminho para a escola. O jovem Maputo Domingos conta que, por causa da distância, chega sempre atrasado às aulas; pois percorre diariamente 10 quilómetros a pé, e só consegue chegar à escola no terceiro tempo, por volta das 9 horas. As minhas notas estão a baixar porque perco muitas aulas, gostaria que colocassem a escola mais perto. Tenho 6 filhos em idade escolar, mas um deles teve de interromper a escola, pois não tenho recursos; vendo algumas coisas no mercado, mas não rendo nado; prefiro regressar a Capanga, pois lá conseguia dar de comer aos meus filhos e custear a escolaʺ, afirma, por sua vez, Fátima Fernando. 6

7 Por seu lado, de semblante fechado, Felícia Abdala, uma menina de 15 anos, conta que interrompeu a frequência da 8ª classe, porque a sua mãe não tem dinheiro para pagar a matrícula. Ela é órfã de pai e a mãe não desempenha qualquer actividade produtiva. Segundo referem os jovens estudantes, por cada prova feita na Escola Secundaria de Cateme, são-lhes cobrados cinco meticais, sendo mais um custo longe da capacidade financeira dos pais. Jovens clamam por trabalho produtivo Apesar da agricultura de subsistência ter sido uma parte significativa da vida em Capanga, a comunidade desenvolvia outras actividades para reforçar os seus rendimentos, que incluem o fabrico de tijolos e de carvão vegetal, pesca artesanal no rio, bem como o corte de lenha. Em Mwaladzi o cenário é completamente diferente, não havendo praticamente qualquer oportunidade económica. Aqui não há oportunidades de emprego; já inscrevemos todos jovens para a mineradora indiana ICVL, mas os postos de emprego foram ocupados por parentes dos donos da empresaʺ, alegam alguns camponeses. ʺAinda que saiba que uma empresa está a recrutar trabalhadores, como vou lá chegar, sem meio de transporte? Assim os meus filhos não têm o que comer, por favor estamos a sofrer, suspira Majiricão Jaime. Domingos Evaristo conta que em Capanga eu fabricava tijolo e partia brita; mas aqui em Mwaladzi não estou a fazer nada; estou parado, mesmo tentar queimar carvão ninguém compra, com a venda de tijolos dava para arrecadar até 100 mil meticais por mês. Titos Fernando também considera que em Capanga a vida era melhor, pois conseguia sustentar a família. A empresa prometeu que teríamos trabalho, mas não existe. Quando acordamos eu e minha mulher, só nos olhamos: como vamos viver assim? A comunidade pede para que as condições sejam melhoradas ou que sejam colocados em zonas que haja acesso à água e à terra fértil. Sugerem ainda que haja programas de geração de rendimento para reduzir o nível de fome. 7

8 A versão da(s) empresa(s) A interpretação da realidade de Mwaladzi, tal como feita pelos aldeões, difere, em grande medida, daquela feita pelas empresas que têm estado a realizar os sucessivos reassentamentos. Na óptica destas, Mwaladzi é um aldeamento dotado de condições mínimas de vida, onde as famílias reassentadas beneficiam de boa habitação (comparativamente ao modelo de Cateme); e estão providas de infra-estruturas sociais como sistemas de abastecimento de água, escola, hospital e orfanato, bem como de infrastruturas de assistência pecuária (incluindo tanques de desparasitação de vacas, ora em construção) e centros de aprendizagem de produção de aves e de caprinos. Contudo, na perspectiva dos camponeses, falta-lhes o mais importante: terra arável suficiente, meios de rendimento, nomeadamente para garantir a educação dos filhos; acompanhamento social e psicológico adequado e sistemas de comunicação abertos e funcionais, quer com as empresas, quer com as autoridades administrativas, onde possam apresentar as suas preocupações e obter respostas em tempo útil. Défice de comunicação com as autoridades locais A comunicação entre a comunidade e as autoridades não parece fluida nem aberta. A população critica a ausência da chefe da localidade de Mwaladzi no seu gabinete. Os aldeões dizem mesmo que os funcionários da instituição nunca se fazem presentes no local de trabalho e, como resultado, o estabelecimento fica encerrado em dias úteis da semana, deixando a população sem possibilidades de submeter as suas preocupações ao governo ou tratar documentos. O secretário disse que quando eles apresentam preocupações à Administradora do Distrito, esta limita-se a dizer que ʺtomou conhecimento e promete uma respostaʺ; contudo há mais de dois anos que a administração não responde as preocupações apresentadas pela comunidade, alega o Secretario do bairro. Desta informação pode depreender-se que, por sua vez, a Administradora do Distrito não recebe respostas adequadas e atempadas, junto dos seus superiores hierárquicos ou das empresas. Como forma de exprimir o seu protesto contra as condições de vida prevalecentes em Mwaladzi, o Secretario do Bairro diz que a comunidade vai, um dia, paralisar a mina, bloqueando todas as vias de acesso. 8

9 Quando a equipa do SEKELEKANI solicitou uma entrevista à Administradora do Distrito, foilhe exigida uma credencial ou autorização proveniente do governo provincial. *Pesquisadores do Centro de Estudos e Pesquisa de Comunicação SEKELEKANI 9

Fome, fantasmas e violência doméstica atormentam órfãos e viúvas de pombe

Fome, fantasmas e violência doméstica atormentam órfãos e viúvas de pombe Tragédia de Chitima: Fome, fantasmas e violência doméstica atormentam órfãos e viúvas de pombe Por Célia Sitoe (texto) e Tomás Queface (fotos)* Em Janeiro de 2015, um total de 75 pessoas morreram na Vila

Leia mais

H U M A N R I G H T S W A T C H. O que é uma Casa sem Comida? O Boom da Mineração em Moçambique e o Reassentamento

H U M A N R I G H T S W A T C H. O que é uma Casa sem Comida? O Boom da Mineração em Moçambique e o Reassentamento H U M A N R I G H T S W A T C H O que é uma Casa sem Comida? O Boom da Mineração em Moçambique e o Reassentamento O que é uma Casa sem Comida? O Boom da Mineração de Carvão e o Reassentamento Copyright

Leia mais

Canadá. Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país. Leia a nossa história e descubra...

Canadá. Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país. Leia a nossa história e descubra... Canadá Você sabia que... Os indivíduos e as comunidades têm o direito a exprimir as próprias opiniões e a participar, com os governos locais, na tomada de decisões e ações que afetem o seu direito à alimentação.

Leia mais

O que fazemos em Moçambique

O que fazemos em Moçambique 2008/09 O que fazemos em Moçambique Estamos a ajudar 79.850 crianças afectadas pelas inundações Estamos a proporcionar kits para a escola a 1.000 órfãos e crianças vulneráveis Registámos 1.745 crianças

Leia mais

República de Moçambique -- Gabinete de Informação

República de Moçambique -- Gabinete de Informação República de Moçambique -- Gabinete de Informação Direcção de Informação e Comunicação Transcrição do Briefing de SEXA o Vice-Ministro da Educação e Cultura e Porta-Voz do Governo, Dr. Luís Covane Maputo,

Leia mais

pedreiros, carpinteiros, Arquitectos, Pilotos, Motoristas, do amanhã.

pedreiros, carpinteiros, Arquitectos, Pilotos, Motoristas, do amanhã. Caro Presidente do Parlamento Infantil, Senhora Ministra do Género, Criança e Acção Social Excelência, Distintos Parlamentares de Palmo e Meio, Excelências, Suas Excelências Senhores Ministros e Vice-Ministros,

Leia mais

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país Brasil Você sabia que... A pobreza e a desigualdade causam a fome e a malnutrição. Os alimentos e outros bens e serviços básicos que afetam a segurança dos alimentos, a saúde e a nutrição água potável,

Leia mais

Mineradora chinesa em Angoche não paga impostos ao Estado

Mineradora chinesa em Angoche não paga impostos ao Estado Mineradora chinesa em Angoche não paga impostos ao Estado O Estado moçambicano perdeu, nos últimos três anos, cerca de 13 milhões de dólares americanos de impostos, que a empresa Chinesa Hayiu Mining Company

Leia mais

Mineração, reassentamento e meios de vida perdidos. Ouvindo as vozes das comunidades reassentadas em Mualadzi, Moçambique

Mineração, reassentamento e meios de vida perdidos. Ouvindo as vozes das comunidades reassentadas em Mualadzi, Moçambique Mineração, reassentamento e meios de vida perdidos Ouvindo as vozes das comunidades reassentadas em Mualadzi, Moçambique AUTORES: Serena Lillywhite, Conselheira em advocacia sobre mineração, Oxfam Prof.

Leia mais

Jordânia. Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país. Leia a minha história e descubra... Por que é que todos precisamos de água potável para

Jordânia. Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país. Leia a minha história e descubra... Por que é que todos precisamos de água potável para Jordânia Você sabia que... A água potável e segura é necessária para que se possa assegurar e proteger a vida e a saúde de toda a gente, num modo justo e igualitário. Alguns fatos sobre o meu país No Reino

Leia mais

Análise de Vulnerabilidade 2004: Processo e o Ponto de Situação

Análise de Vulnerabilidade 2004: Processo e o Ponto de Situação Análise de Vulnerabilidade 2004: Processo e o Ponto de Situação Maputo, Junho de 2004 Mapa das regiões de AV 2004 41 distritos vulneráveis á insegurança alimentar devido aos efeitos combinados de seca

Leia mais

Projeto de Voluntariado para a Cooperação: MUITO MAIS MUNDO. Plano de acção para o Município de Santa Cruz, Santiago, Cabo Verde.

Projeto de Voluntariado para a Cooperação: MUITO MAIS MUNDO. Plano de acção para o Município de Santa Cruz, Santiago, Cabo Verde. Projeto de Voluntariado para a Cooperação: MUITO MAIS MUNDO Plano de acção para o Município de Santa Cruz, Santiago, Cabo Verde Versão concisa Coordenadores: Dr. José Mendes Alves, Câmara Municipal de

Leia mais

Abuso da pessoa idosa um assunto vivo Informação da Help Age Internacional em Moçambique

Abuso da pessoa idosa um assunto vivo Informação da Help Age Internacional em Moçambique Abuso da pessoa idosa um assunto vivo Informação da Help Age Internacional em Moçambique Publicado em Outras Vozes, nº 16, Agosto de 2006 Introdução A seguinte informação baseia-se numa apreciação dos

Leia mais

PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS!

PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS! PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS! FINISPORTUGAL! PRIVATIZAÇÕES. (Publicado em 20 Dezembro 2012) 1- Conceito Estratégico de Defesa Naciona

Leia mais

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes All You Zombies Wendel Coelho Mendes Versão Portuguesa, Brasil Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959 Esse conto é minha versão sobre a verdadeira história de All You Zombies,

Leia mais

ESCOLA SEMIPROFISSIONALIZANTE GRALHA AZUL DE SÃO JOÃO- PARANÁ O MEU JEITO DE MUDAR O MUNDO

ESCOLA SEMIPROFISSIONALIZANTE GRALHA AZUL DE SÃO JOÃO- PARANÁ O MEU JEITO DE MUDAR O MUNDO ESCOLA SEMIPROFISSIONALIZANTE GRALHA AZUL DE SÃO JOÃO- Vemos que o mundo está sofrendo e as pessoas e nós poluímos o Planeta Terra e nós temos que ajudar e não poluir os rios os lagos as ruas e as encostas

Leia mais

CURSO SOBRE PARTICIPAÇÃO DE GRUPOS DE INTERESSE

CURSO SOBRE PARTICIPAÇÃO DE GRUPOS DE INTERESSE CURSO SOBRE PARTICIPAÇÃO DE GRUPOS DE INTERESSE CENÁRIO: GESTÃO COLABORATIVA DE PESCAS Este caso de estudo é largamente fictício e foi baseado em Horrill, J.C., n.d. Collaborative Fisheries Management

Leia mais

VERSÃO RESUMIDA (PILARES E OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS)

VERSÃO RESUMIDA (PILARES E OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS) VERSÃO RESUMIDA (PILARES E OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS) 1 Plano Estratégico do CCM 2013 a 2017 Versão Resumida 1. ANÁLISE DO CONTEXTO 1. 1. Justiça Económica e Social A abundância dos recursos naturais constitui

Leia mais

MOÇAMBIQUE Projecção de Segurança Alimentar Outubro 2013 a Março de 2014

MOÇAMBIQUE Projecção de Segurança Alimentar Outubro 2013 a Março de 2014 MOÇAMBIQUE Projecção de Segurança Alimentar Outubro 2013 a Março de 2014 Espera-se período de escassez menos severo devido a boa produção da segunda época e preços de alimentos estáveis DESTAQUES Figura

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DE PLANIFICAÇÃO E ORÇAMENTO ORÇAMENTO CIDADÃO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DE PLANIFICAÇÃO E ORÇAMENTO ORÇAMENTO CIDADÃO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DE PLANIFICAÇÃO E ORÇAMENTO ORÇAMENTO CIDADÃO 5ᵃ Edição ORÇAMENTO CIDADÃO 2016 Visão: Assegurar a participação do Cidadão em

Leia mais

ACTIVIDADES ESCOLA Actividades que a SUA ESCOLA pode fazer

ACTIVIDADES ESCOLA Actividades que a SUA ESCOLA pode fazer ACTIVIDADES ESCOLA Actividades que a SUA ESCOLA pode fazer Crianças e jovens numa visita de estudo, Moçambique 2008 Produzir materiais informativos sobre cada um dos temas e distribuir em toda a escola

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO Maputo, Abril de 2014 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO... 3 II. TEMAS APRESENTADOS...

Leia mais

Como Plantar Pensando na Renda

Como Plantar Pensando na Renda Como Plantar Pensando na Renda A PERSPECTIVA DE RENDA É UM BOM MOTIVO PARA O AGRICULTOR PRODUZIR É a renda que motiva o agricultor Com que motivação, você agricultor, trabalha a terra? É claro, você também

Leia mais

ACTIVIDADES FLORESTAIS E AGRO-SILVICULTURA NOS PROGRAMAS MULTISSECTORIAIS DE COMBATE AO VIH/SIDA

ACTIVIDADES FLORESTAIS E AGRO-SILVICULTURA NOS PROGRAMAS MULTISSECTORIAIS DE COMBATE AO VIH/SIDA ACTIVIDADES FLORESTAIS E AGRO-SILVICULTURA NOS PROGRAMAS MULTISSECTORIAIS DE COMBATE AO VIH/SIDA Existem três aspectos transversais entre o sector das florestas e o VIH/SIDA: O potencial contributo das

Leia mais

1.1 Informações Básicas para os Treinadores

1.1 Informações Básicas para os Treinadores 1. INTRODUÇÃO Foi estimado, até o final de 2003, que mais de 38 milhões de homens, mulheres e crianças estão vivendo com HIV. Quase 25 milhões dessas pessoas vivem na África do subsaara, de acordo com

Leia mais

Por: Pedro Arlindo, Anabela Mabota, António Paulo, Cynthia Donovan e David Tschirley 1

Por: Pedro Arlindo, Anabela Mabota, António Paulo, Cynthia Donovan e David Tschirley 1 24 de Março de 2004 flash No 38 P Resultados das Pesquisas do SIMA-DEST e Departamento de Análise de Políticas MADER-Direcção de Economia Mudanças nos Padrões de Consumo na Zona Sul: Que Opções Alimentares

Leia mais

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural Guião de Programa de Rádio e Televisão Tema: Redução de Emissões de Desmatamento e Degradação Florestal (REDD+) Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante

Leia mais

GUIA PRÁTICO PENSÃO POR VELHICE

GUIA PRÁTICO PENSÃO POR VELHICE Manual de GUIA PRÁTICO PENSÃO POR VELHICE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/16 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Pensão por Velhice (7001 v4.04) PROPRIEDADE Instituto

Leia mais

Melhorar cobertura florestal

Melhorar cobertura florestal 47 - Importância da Cobertura Florestal 127 7 Melhorar cobertura florestal 47 Importância da cobertura florestal Porquê proteger áreas naturais? Existem muitas razões pelas quais deveríamos proteger a

Leia mais

A cobertura jornalística do investimento agrícola brasileiro e chinês em Moçambique: Prosavana e Wanbao (2012 2013)

A cobertura jornalística do investimento agrícola brasileiro e chinês em Moçambique: Prosavana e Wanbao (2012 2013) A cobertura jornalística do investimento agrícola brasileiro e chinês em Moçambique: Prosavana e Wanbao (2012 2013) Conferência: The Voice of China in Africa Raju Rodrigues Maputo, 20 de Fevereiro de 2014

Leia mais

AJUDA DE MÃE. APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional da Região de Lisboa e Vale do Tejo (PORLVT)

AJUDA DE MÃE. APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional da Região de Lisboa e Vale do Tejo (PORLVT) AJUDA DE MÃE APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional da Região de Lisboa e Vale do Tejo (PORLVT) Objectivos: Informar, apoiar, encaminhar e acolher a mulher grávida. Ajudar cada

Leia mais

A Rainha, o guarda do tesouro e o. papel que valia muito ouro

A Rainha, o guarda do tesouro e o. papel que valia muito ouro A Rainha, o guarda do tesouro e o papel que valia muito ouro Há muito, muito tempo atrás, havia uma rainha que governava um reino chamado Portugal. Essa rainha chamava-se D. Maria I e como até tinha acabado

Leia mais

Mercados informação de negócios

Mercados informação de negócios Mercados informação de negócios Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado Novembro 2008 Índice 1. Oportunidades 03 1.1 Pontos Fortes 03 1.2 Áreas de Oportunidade 03 2. Dificuldades 04 2.1 Pontos Fracos

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

SESSÃO DE FORMAÇÃO. 1. Finalidades e Objectivos. 2. O Inquiry Based Learning e as Ciências no ensino básico

SESSÃO DE FORMAÇÃO. 1. Finalidades e Objectivos. 2. O Inquiry Based Learning e as Ciências no ensino básico SESSÃO DE FORMAÇÃO SEMENTES DE CIÊNCIA NA CIDADE 1. Finalidades e Objectivos 2. O Inquiry Based Learning e as Ciências no ensino básico 3. A Liberdade do professor e as consequências da Aprendizagem *

Leia mais

O Projecto de Electrificação Rural Ribáuè/Iapala Nampula Moçambique

O Projecto de Electrificação Rural Ribáuè/Iapala Nampula Moçambique 1 Electricidade de Moçambique - EDM Asdi O Projecto de Electrificação Rural Ribáuè/Iapala Nampula Moçambique Estudo sobre o impacto da electrificação rural das zonas de Ribáuè, Namigonha e Iapala Distrito

Leia mais

A PASSAGEM DAS ÁGUAS A HISTÓRIA DA FAMÍLIA DE ZÉ DE PEDRO E MARIA DO CARMO

A PASSAGEM DAS ÁGUAS A HISTÓRIA DA FAMÍLIA DE ZÉ DE PEDRO E MARIA DO CARMO A PASSAGEM DAS ÁGUAS A HISTÓRIA DA FAMÍLIA DE ZÉ DE PEDRO E MARIA DO CARMO Adriana Galvão Freire, Bióloga, Mestre em Administração Rural, Assessora Técnica da Assessoria e Serviços a Projetos em Agricultura

Leia mais

DOCUMENTO DE PROPOSTA PARA FINANCIAMENTO DE PEQUENO PROJETO

DOCUMENTO DE PROPOSTA PARA FINANCIAMENTO DE PEQUENO PROJETO DOCUMENTO DE PROPOSTA PARA FINANCIAMENTO DE PEQUENO PROJETO MATI YA MANGWANA a água do amanhã Projeto mati ya mangwana associação mangwana Página 1/5 Ficha de identificação Sumária A. Título do Projeto

Leia mais

Diversificação e articulação da base produtiva e comercial em Moçambique

Diversificação e articulação da base produtiva e comercial em Moçambique Diversificação e articulação da base produtiva e comercial em Moçambique "Tendências do Investimento Privado em Moçambique: questões para reflexão" Nelsa Massingue da Costa Maputo, Setembro 2013 TENDÊNCIAS

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO, MINISTRO DA DEFESA E SEGURANÇA KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA VISITA À ACADEMIA

Leia mais

Jonas Pohlmann e Caroline Slaven

Jonas Pohlmann e Caroline Slaven Jonas Pohlmann e Caroline Slaven 1 Considerações iniciais As relações da China com os países africanos têm sido, em larga medida, capitaneadas pelo interesse chinês em recursos naturais necessários para

Leia mais

Mercados. informação de negócios. Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado

Mercados. informação de negócios. Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado Mercados informação de negócios Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado Dezembro 2011 Índice 1. Oportunidades 03 1.1 Pontos Fortes 03 1.2 Áreas de Oportunidade 03 2. Dificuldades 04 2.1 Pontos Fracos

Leia mais

Terminologia de Segurança Alimentar e Nutriçional e da Vulnerabilidade à Insegurança Alimentar mais usada

Terminologia de Segurança Alimentar e Nutriçional e da Vulnerabilidade à Insegurança Alimentar mais usada Terminologia de Segurança Alimentar e Nutriçional e da Vulnerabilidade à Insegurança Alimentar mais usada BREVE INTRODUÇÃO: O presente guião com definições é um ponto de partida para uniformizar a terminologia

Leia mais

COMÉRCIO, COMO CATALISADOR DE SERVIÇOS

COMÉRCIO, COMO CATALISADOR DE SERVIÇOS REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE GOVERNO DA PROVÍNCIA DO NIASSA COMÉRCIO, COMO CATALISADOR DE SERVIÇOS O orador: Horácio Deusdado Gervásio Linaula (Director Provincial) ESTRUTURA No âmbito desta Conferência Sobre

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE FACULDADE DE AGRONOMIA E ENGENHARIA FLORESTAL (FAEF) DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL (DEF)

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE FACULDADE DE AGRONOMIA E ENGENHARIA FLORESTAL (FAEF) DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL (DEF) UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE FACULDADE DE AGRONOMIA E ENGENHARIA FLORESTAL (FAEF) DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL (DEF) MINISTÉRIO PARA A COORDENAÇÃO DA ACÇÃO AMBIENTAL (MICOA) CENTRO TERRA VIVA

Leia mais

Comunicado de imprensa sobre a Auscultação Pública à volta da versão inicial do Plano Director do ProSAVANA

Comunicado de imprensa sobre a Auscultação Pública à volta da versão inicial do Plano Director do ProSAVANA Programa de Cooperação Trilateral para o Desenvolvimento Agrário do Corredor de Nacala (ProSAVANA) Comunicado de imprensa sobre a Auscultação Pública à volta da versão inicial do Plano Director do ProSAVANA

Leia mais

EMBAIXADA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

EMBAIXADA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA EMBAIXADA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA FUNDO ESPECIAL DE AUTO-AJUDA DO EMBAIXADOR DOS E.U.A. Ajudando as Comunidades a Ajudar-se a Si Próprias Caro Candidato ao Fundo de Auto-Ajuda: Obrigado pelo seu

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DO ORÇAMENTO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DO ORÇAMENTO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DO ORÇAMENTO ORÇAMENTO CIDADÃO 4ª Edição, 2015 Visão: Assegurar a participação do Cidadão em todas as fases do processo orçamental

Leia mais

Director: Rogério Sitoe. Maputo, Sexta-Feira, 7 de Setembro de 2007 http://www.jornalnoticias.co.mz/pls/notimz2/getxml/pt/contentx/69451/20070907

Director: Rogério Sitoe. Maputo, Sexta-Feira, 7 de Setembro de 2007 http://www.jornalnoticias.co.mz/pls/notimz2/getxml/pt/contentx/69451/20070907 notícias Director: Rogério Sitoe. Maputo, Sexta-Feira, 7 de Setembro de 2007 http://www.jornalnoticias.co.mz/pls/notimz2/getxml/pt/contentx/69451/20070907 Homepage > Politica > SP apostam na formação Sobre

Leia mais

PROTECÇÃO SOCIAL EM MOÇAMBIQUE. Enquadramento, Políticas e Programas em Moçambique

PROTECÇÃO SOCIAL EM MOÇAMBIQUE. Enquadramento, Políticas e Programas em Moçambique REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL PROTECÇÃO SOCIAL EM MOÇAMBIQUE Enquadramento, Políticas e Programas em Moçambique MAPUTO, 02 de Setembro de 2014 ESTRUTURA 1. Contexto 2.

Leia mais

MOÇAMBIQUE ACTUALIZAÇÃO DE SEGURANÇA ALIMENTAR Janeiro 2005

MOÇAMBIQUE ACTUALIZAÇÃO DE SEGURANÇA ALIMENTAR Janeiro 2005 MOÇAMBIQUE ACTUALIZAÇÃO DE SEGURANÇA ALIMENTAR Janeiro 2005 TIPO DE ALERTA: NORMAL VIGILÂNCIA AVISO EMERGÊNCIA CONTEÚDO Perspectiva sobre Riscos... 2 Precipitação e implicações... 2 Análise de Mercados...

Leia mais

República de Moçambique -- Gabinete de Informação

República de Moçambique -- Gabinete de Informação 1 República de Moçambique -- Gabinete de Informação Direcção de Informação e Comunicação Transcrição do Briefing de S. Excia o Vice-Ministro de Planificação e Desenvolvimento, Dr. Víctor Bernardo Maputo,

Leia mais

«Rumo a um novo paradigma de segurança alimentar mundial, garante do desenvolvimento individual e colectivo»

«Rumo a um novo paradigma de segurança alimentar mundial, garante do desenvolvimento individual e colectivo» «Rumo a um novo paradigma de segurança alimentar mundial, garante do desenvolvimento individual e colectivo» Benoît Miribel, Presidente da ACF 1 -França PROBLEMÁTICA Nenhum ser humano tem hipóteses de

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Ministério para Coordenação da Acção Ambiental Direcção Nacional de Gestão Ambiental

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Ministério para Coordenação da Acção Ambiental Direcção Nacional de Gestão Ambiental REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE Ministério para Coordenação da Acção Ambiental Direcção Nacional de Gestão Ambiental Estudo sobre o Papel das Convenções Internacionais sobre meio ambiente no Alívio a Pobreza em

Leia mais

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG Um cacique kaingang, meu amigo, me escreveu pedindo sugestões para desenvolver, no Dia do Índio, o seguinte tema em uma palestra: "Os Valores Culturais da Etnia Kaingáng".

Leia mais

Midas. Toque de. [entrevista]

Midas. Toque de. [entrevista] [entrevista] Toque de Midas Tem 29 anos, nasceu no Porto e é apostador profissional. Pelo menos, para o Estado inglês onde está colectado, porque para as finanças nacionais não passa de um indivíduo com

Leia mais

Comunicar PAPA. Jornal. Bento XVI recebe José Maria Neves no Vaticano. Administração Pública. www.governo.cv

Comunicar PAPA. Jornal. Bento XVI recebe José Maria Neves no Vaticano. Administração Pública. www.governo.cv Jornal Comunicar Administração Pública Governo de Cabo Verde Edição Gratuita Mensal nº18 Setembro de 2010 Edição Especial www.governo.cv www.governo.cv PAPA Bento XVI recebe José Maria Neves no Vaticano

Leia mais

Restabelecer a Confiança Global

Restabelecer a Confiança Global Restabelecer a Confiança Global Os dois principais desafios à justiça global, as alterações climáticas e a pobreza, estão interligados. Temos que combatê-los simultaneamente; não podemos cuidar de um sem

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO DOMICÍLIO

QUESTIONÁRIO DO DOMICÍLIO QUESTIONÁRIO DO DOMICÍLIO Unidade da Federação: Distrito: Município: Subdistrito: Bairro (se houver): Endereço: CEP: - Data: / / Horário: : Número do controle: Número de ordem do domicílio: SIAPE do Entrevistador:

Leia mais

Participa! Nota Introdutória

Participa! Nota Introdutória Participa! Nota Introdutória Saudações! Está a ler mais uma edição da Participa!, um espaço para partilhar algumas das histórias e experiências mais inspiradoras e gratificantes no âmbito do CEP, e dar

Leia mais

Vamos mudar o mundo? Mais esta mudança deve começar por você!

Vamos mudar o mundo? Mais esta mudança deve começar por você! Vamos mudar o mundo? Mais esta mudança deve começar por você! Este Livro Digital (Ebook) é fruto de uma observação que eu faço no mínimo há dez anos nas Redes Sociais, e até pessoalmente na convivência

Leia mais

Megaprojetos Têm Muitos e Excessivos Incentivos Fiscais

Megaprojetos Têm Muitos e Excessivos Incentivos Fiscais 17 Edição: Fevereiro de 2013 Megaprojetos Têm Muitos e Excessivos Fiscais Adriano Nuvunga...alguns megaprojectos vão esgotar os recursos naturais antes de as empresas multinacionais começarem a pagar impostos

Leia mais

Os ritos de iniciação: Identidades femininas e masculinas e estruturas de poder

Os ritos de iniciação: Identidades femininas e masculinas e estruturas de poder Os ritos de iniciação: Identidades femininas e masculinas e estruturas de poder Por Conceição Osório Este texto foi apresentado num encontro que teve lugar em Maputo, em 2015, com parceiros da CAFOD (agência

Leia mais

META Apresentar os principais motivadores internos e externos que infl uenciam na aprendizagem.

META Apresentar os principais motivadores internos e externos que infl uenciam na aprendizagem. A MOTIVAÇÃO PARA APRENDER META Apresentar os principais motivadores internos e externos que infl uenciam na aprendizagem. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: definir motivação; identificar as

Leia mais

Alta Performance Como ser um profissional ou ter negócios de alta performance

Alta Performance Como ser um profissional ou ter negócios de alta performance Sobre o autor: Meu nome é Rodrigo Marroni. Sou apaixonado por empreendedorismo e vivo desta forma há quase 5 anos. Há mais de 9 anos já possuía negócios paralelos ao meu trabalho e há um pouco mais de

Leia mais

CONFERÊNCIA DOS MINISTROS DO TRABALHO E SEGURANÇA SOCIAL E DOS ASSUNTOS SOCIAIS DA CPLP

CONFERÊNCIA DOS MINISTROS DO TRABALHO E SEGURANÇA SOCIAL E DOS ASSUNTOS SOCIAIS DA CPLP CONFERÊNCIA DOS MINISTROS DO TRABALHO E SEGURANÇA SOCIAL E DOS ASSUNTOS SOCIAIS DA CPLP INTERVENÇÃO DO SENHOR EMBAIXADOR DOMINGOS DIAS PEREIRA MASCARENHAS, CHEFE DA DELEGAÇÃO, SOBRE O TEMA CENTRAL OS DESAFIOS

Leia mais

TOTAL DE RESPONDENTES: 698 entrevistados. DATA DE REALIZAÇÃO: 30 de maio e 01 de junho, nas ruas do centro do Rio de Janeiro.

TOTAL DE RESPONDENTES: 698 entrevistados. DATA DE REALIZAÇÃO: 30 de maio e 01 de junho, nas ruas do centro do Rio de Janeiro. Enquete Um estudo feito por matemáticos da Universidade de Vermont, nos Estados Unidos, mostrou que o dia preferido pelas pessoas é o domingo. Os pesquisadores analisaram 2,4 milhões de mensagens pela

Leia mais

Como este trabalho cabe com os esforços baseados nas comunidades?

Como este trabalho cabe com os esforços baseados nas comunidades? Morbidez e Mortalidade dos Adultos no Moçambique: Prevalência e Estratégias para os Agregados Familiares Rurais que Enfretam Adversidade D. Mather, C. Donovan, H. Marrule, e A. Alage 6 de Novembro, 2003

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

MINISTERIO DA AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

MINISTERIO DA AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU MINISTERIO DA AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL Segunda Conferência Internacional sobre a nutrição Roma, 19-21 de Novembro

Leia mais

Educação e Saúde 2014

Educação e Saúde 2014 Educação e Saúde 2014 A ONG SIM organizou mais uma missão a Moçambique, orientada para os temas da Educação e da Saúde, em Agosto. Para além da Presidente de direcção, Carmo Jardim, e da coordenadora,

Leia mais

1.º DE MAIO: Trabalhadoras exigem licença de parto de noventa dias

1.º DE MAIO: Trabalhadoras exigem licença de parto de noventa dias 1.º DE MAIO: Trabalhadoras exigem licença de parto de noventa dias Sexta, 01 Maio 2015 00:00 Acessos: 172 O COMITÉ Nacional da Mulher (COMUTRA), da Organização dos Trabalhadores de Moçambique-Central Sindical

Leia mais

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DEFINITIVOS E DE INDICADORES SÓCIO DEMOGRÁFICOS DO CENSO 2007

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DEFINITIVOS E DE INDICADORES SÓCIO DEMOGRÁFICOS DO CENSO 2007 APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DEFINITIVOS E DE INDICADORES SÓCIO DEMOGRÁFICOS DO CENSO 2007 Tete, 9 de Junho, 2009 INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA Nesta apresentação vamos abordar 16 tópicos do Censo 2007

Leia mais

República de Moçambique -- Gabinete de Informação

República de Moçambique -- Gabinete de Informação 1 República de Moçambique -- Gabinete de Informação Direcção de Informação e Comunicação Transcrição do Briefing de SEXA o Vice-Ministro da Educação e Cultura e Porta-Voz do Governo, Dr. Luis Covane Maputo,

Leia mais

Porque se Investe Pouco e Mal na Protecção Social em Moçambique? O caso da população idosa. António Francisco Maputo 17.10.13

Porque se Investe Pouco e Mal na Protecção Social em Moçambique? O caso da população idosa. António Francisco Maputo 17.10.13 Porque se Investe Pouco e Mal na Protecção Social em Moçambique? O caso da população idosa António Francisco Maputo 17.10.13 Se Investir na protecção social básica é investir no capital humano o que temos

Leia mais

Para produzir energia elétrica e

Para produzir energia elétrica e Produção de energia elétrica A UU L AL A uma notícia de jornal: Leia com atenção o texto a seguir, extraído de Seca agrava-se em Sobradinho e ameaça causar novo drama social no Nordeste Para produzir energia

Leia mais

GUIA PRÁTICO APADRINHAMENTO CIVIL CRIANÇAS E JOVENS

GUIA PRÁTICO APADRINHAMENTO CIVIL CRIANÇAS E JOVENS Manual de GUIA PRÁTICO APADRINHAMENTO CIVIL CRIANÇAS E JOVENS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/7 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Apadrinhamento Civil Crianças

Leia mais

Prevenir a erosão... 200 História: Trabalhadores de ONG aprendem sobre a erosão com os camponeses... 201 Restaurar a terra estragada...

Prevenir a erosão... 200 História: Trabalhadores de ONG aprendem sobre a erosão com os camponeses... 201 Restaurar a terra estragada... Prevenir a erosão..................................................... 200 História: Trabalhadores de ONG aprendem sobre a erosão com os camponeses............................................... 201 Restaurar

Leia mais

CARTA ESCRITA NO ANO 2070

CARTA ESCRITA NO ANO 2070 CARTA ESCRITA NO ANO 2070 Texto publicado na revista "Crónicas de los Tiempos, de Abril de 2002. www ww w www w Wwwwww w w ww w wwwwwwww wwwwwww w w w wwwww ww w w w www wwwwwww w w ww w wwwwwwww wwwwwww

Leia mais

Delegação da União Europeia em Moçambique

Delegação da União Europeia em Moçambique REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS E COOPERAÇÃO GABINETE DO ORDENADOR NACIONAL PARA A COOPERAÇÃO MOÇAMBIQUE / UE Delegação da União Europeia em Moçambique REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

Leia mais

MOÇAMBIQUE. Principais Resultados

MOÇAMBIQUE. Principais Resultados MOÇAMBIQUE Inquérito Nacional de Prevalência, Riscos Comportamentais e Informação sobre o HIV e SIDA em Moçambique (INSIDA 2009) Principais Resultados O Inquérito Nacional de Prevalência, Riscos Comportamentais

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS Capacitação dos pobres para a obtenção de meios de subsistência sustentáveis Base para

Leia mais

AdministrAção de infra-estruturas de AguAs e saneamento

AdministrAção de infra-estruturas de AguAs e saneamento AdministrAção de infra-estruturas de AguAs e saneamento nampula As três PrioridAdes do namwash ProgrAmA de ÁguA, saneamento e Higiene nas ViLAs da ProVÍnCiA de nampula o programa de Água, saneamento e

Leia mais

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO AGRONEGÓCIO EM MOÇAMBIQUE

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO AGRONEGÓCIO EM MOÇAMBIQUE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E SEGURANÇA ALIMENTAR OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO AGRONEGÓCIO EM MOÇAMBIQUE ABRIL, 2015 Estrutura da Apresentação 2 I. Papel do CEPAGRI II. III. IV.

Leia mais

É a pior forma de despotismo: Eu não te faço mal, mas, se quisesse, fazia

É a pior forma de despotismo: Eu não te faço mal, mas, se quisesse, fazia Entrevista a Carlos Amaral Dias É a pior forma de despotismo: Eu não te faço mal, mas, se quisesse, fazia Andreia Sanches 04/05/2014 O politicamente correcto implica pensar que a praxe é uma coisa horrível.

Leia mais

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR. RUI MARIA DE ARAÚJO POR OCASIÃO DA XIII REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DOS MINISTROS DO TRABALHO E DOS ASSUNTOS SOCIAIS DA CPLP A extensão da Protecção Social

Leia mais

TIMOR LESTE. O PESO DA ORAÇÃO DOS JUSTOS! Tema. Peso e balança justos pertencem ao Senhor Provérbios 16:11a Versículo Chave

TIMOR LESTE. O PESO DA ORAÇÃO DOS JUSTOS! Tema. Peso e balança justos pertencem ao Senhor Provérbios 16:11a Versículo Chave 70 TIMOR LESTE O PESO DA ORAÇÃO DOS JUSTOS! Tema Peso e balança justos pertencem ao Senhor Provérbios 16:11a Versículo Chave PÁIS ALVO No Timor Leste as pessoas são muito acolhedoras, sempre com um sorriso,

Leia mais

Uma nova vida para crianças desprotegidas

Uma nova vida para crianças desprotegidas Uma nova vida para crianças desprotegidas As Aldeias de Crianças SOS têm a sua origem na Áustria. O seu fundador Hermann Gmeiner conseguiu aplicar uma ideia fundamental e realizar um sonho: dar uma mãe,

Leia mais

A vida nas cidades. leptospirose é geralmente transmitida através da urina de ratos, que se mistura à água das enchentes.

A vida nas cidades. leptospirose é geralmente transmitida através da urina de ratos, que se mistura à água das enchentes. A U A UL LA A vida nas cidades Atenção Leptospirose - Cresce a epidemia 43 pessoas já morreram em São Paulo A epidemia de leptospirose que assola São Paulo atingiu ontem a marca recorde de 1.003 casos

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 24

Transcrição de Entrevista n º 24 Transcrição de Entrevista n º 24 E Entrevistador E24 Entrevistado 24 Sexo Feminino Idade 47 anos Área de Formação Engenharia Sistemas Decisionais E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Enquanto há vida, há sexualidade! Perspectivas dos profissionais de saúde quanto à comunicação sobre sexualidade em cuidados paliativos

Enquanto há vida, há sexualidade! Perspectivas dos profissionais de saúde quanto à comunicação sobre sexualidade em cuidados paliativos Enquanto há vida, há sexualidade! Perspectivas dos profissionais de saúde quanto à comunicação sobre sexualidade em cuidados paliativos Entrevista de Estudo E06 Sexo Masculino Profissão - Médico Data 6

Leia mais

FEED FORWARD #31 SETEMBRO 2014. Coaching, a arte secreta de convidar a Felicidade

FEED FORWARD #31 SETEMBRO 2014. Coaching, a arte secreta de convidar a Felicidade WWW.MINDCOACH.PT FEED FORWARD Coaching, a arte secreta de convidar a Felicidade #31 SETEMBRO 2014 Alexandra Lemos Executive Coach International Coach Trainer da ICC para Portugal MAFALDA FERREIRA TERAPEUTA

Leia mais

MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE

MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE Cuidados de Saúde Primários em Moçambique Já foi há mais de 30 anos que o sonho de Saúde para todos

Leia mais

Coluna África em Conto: "Mamedjane, um conto moçambicano"

Coluna África em Conto: Mamedjane, um conto moçambicano Coluna África em Conto: "Mamedjane, um conto moçambicano" por Por Dentro da África - domingo, fevereiro 22, 2015 http://www.pordentrodaafrica.com/cultura/coluna-africa-em-conto-mamedjane-um-conto-mocambicano-2

Leia mais

Urakepe. Olá. Meu nome é Romel. Sou uma índia Chachi. Eu moro no vilarejo de São Salvador, no oeste do Equador. Eu tenho cinco irmãos, duas irmãs e

Urakepe. Olá. Meu nome é Romel. Sou uma índia Chachi. Eu moro no vilarejo de São Salvador, no oeste do Equador. Eu tenho cinco irmãos, duas irmãs e Urakepe. Olá. Meu nome é Romel. Sou uma índia Chachi. Eu moro no vilarejo de São Salvador, no oeste do Equador. Eu tenho cinco irmãos, duas irmãs e muitos primos. Existem cerca de 60 famílias em São Salvador

Leia mais

G 02. SECTOR: G 04 MEIO (1 - Urbano ou 2 - Rural) Se for uma continuação marcar aqui de

G 02. SECTOR: G 04 MEIO (1 - Urbano ou 2 - Rural) Se for uma continuação marcar aqui de REPUBLICA DA GUINÉ-BISSAU MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DO PLANO E INTEGRAÇÃO REGIONAL SECRETARIA DE ESTADO DO PLANO 1. É obrigatório o fornecimento dos dados estatísticos solicitados pelos funcionários ou agentes

Leia mais