Interbio v.5 n ISSN

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Interbio v.5 n.2 2011 - ISSN 1981-3775"

Transcrição

1 5 AVALIAÇÃO DO CONSUMO ALIMENTAR NO PERÍODO MATUTINO E DE ADEQUAÇÃO DO CONSUMO DE CÁLCIO DE ADOLESCENTES EM UMA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO DE FÁTIMA DO SUL - MS EVALUATION OF THE ALIMENTARY CONSUMPTION IN THE MORNING PERIOD AND OF ADAPTATION OF THE CONSUMPTION OF CALCIUM OF ADOLESCENTS IN A SCHOOL OF MEDIUM TEACHING OF FÁTIMA DO SUL MS JORGE, Caroline André de Souza 1 ; TENTOR, Juliana 2, MENDES, Rita de Cássia Dorácio ² Resumo A adolescência é definida como o período que compreende os 10 aos 19 anos de idade, um hábito comum entre os adolescentes é de omitir algumas refeições, principalmente o desjejum. Nesta refeição habitualmente há o consumo de alimentos fontes de cálcio, a omissão favorece a deficiência deste nutriente. Este estudo teve por finalidade verificar a qualidade do desjejum em adolescentes de uma escola particular, a prevalência da omissão desta refeição e se há relação entre a omissão do desjejum e o consumo de cálcio diário. Trata-se de um estudo quantitativo e descritivo transversal, realizado em uma escola particular, da cidade de Fátima do Sul (MS). A qualidade do desjejum foi realizada por um questionário verificando a presença de alimentos do grupo de cereais, leite e frutas e a ingestão de cálcio foi verificada através de um questionário de frequência alimentar. A amostra foi composta por 81 adolescentes, sendo, 44 (54,32%) do sexo masculino e 37 (45,67%) do sexo feminino. Verificou-se que 48,14% sempre realizam o desjejum; 35,8% realizam às vezes e 16,04% nunca realizam esta refeição. Os adolescentes que realizam sempre o desjejum apresentam maior ingestão de cálcio que os adolescentes que nunca consomem esta refeição. A qualidade do desjejum é adequada na maioria dos indivíduos em relação a ingestão do grupo de leite e cereais e inadequada no consumo do grupo das frutas. Conclui-se que houve uma relação estaticamente significativa entre a omissão do desjejum e o baixo consumo de cálcio, demonstrando que o hábito de não realizar o desjejum contribui para uma baixa ingestão de cálcio. Palavras-chave: escolares, café da manhã, cálcio, hábitos alimentares Abstract The adolescence is defined as the period that understands the 10 to the 19 years of age, a common habit among the adolescents is of omitting some meals, mainly the breakfast. In this meal habitually there is the consumption of victuals sources of calcium, the omission favors the deficiency of this nutritious one. This study had for purpose to verify the quality of the breakfast in adolescents of a private school, the prevalence of the omission of this meal and relationship there are been between the omission of the breakfast and the consumption of daily calcium. It is a quantitative and descriptive study traverse, accomplished at a private school, of the city of Fátima do Sul (MS). The quality of the breakfast was accomplished by a questionnaire verifying the presence of victuals of the group of cereals, milk and fruits and the ingestion of calcium was verified through a questionnaire of alimentary frequency. The sample was composed by 81 adolescents, being, 44 (54,32%) male and 37 (45,67%) female. It was verified that 48,14% always accomplish the breakfast; 35,8% sometimes accomplish and 16,04% never accomplish this meal. The adolescents that always accomplish the breakfast present larger ingestion of calcium than the adolescents that never consume this meal. The quality of the breakfast is adapted in most of the individuals in relation to ingestion of the group of milk and cereals and inadequate in the consumption of the group of the fruits. It is ended that there was a relationship significant between the omission of the breakfast and the low consumption of calcium, demonstrating that the habit of not accomplishing the breakfast contributes to a low ingestion of calcium. Words-key: school, breakfast, calcium, alimentary habits 1 Nutricionista graduada pelo Centro Universitário da Grande Dourados - UNIGRAN, Dourados MS, Brasil ² Nutricionista; Docente do curso de nutrição do Centro Universitário da Grande Dourados - UNIGRAN, Dourados MS, Brasil.

2 6 Introdução Segundo a Organização Mundial de Saúde - OMS (2006), a adolescência é definida como o período que compreende os 10 aos 19 anos de idade. Nesta fase ocorrem intensas modificações físicas, psíquicas, comportamentais e sociais. É o período de transição da infância para a vida adulta, em que vários hábitos ou características pertencentes ao estilo de vida adulto são adquiridos. Na adolescência, particularmente na puberdade, sucede um acentuado crescimento físico, período em que há aumento 50% do peso e 15% da estatura final do adulto. O crescimento acelerado, acompanhado pelo desenvolvimento psicossocial e estimulação cognitiva intensa, torna as necessidades de energia e nutrientes aumentadas (CARVALHO et al., 2001). O estilo de vida atual tem levado ao consumo de alimentos industrializados, pela troca das refeições tradicionais por lanches fora de casa. Tendo como conseqüências, o consumo em excesso de gordura, açúcares, doces e bebidas açucaradas, e diminuição do consumo de cereais integrais (CARVALHO et al., 2001). Estudos sobre a alimentação de adolescentes brasileiros relatam uma ingestão insuficiente de frutas e hortaliças e excessiva de gorduras e açúcares, retratando uma dieta carente em fibras e com ingestão de alimentos com alta densidade calórica e pequeno valor nutricional (GAMBARDELLA et al., 1999; GARCIA et al., 2003; GODOY et al., 2006; LIMA et al., 2004; NEUTZLING et al., 2007). Um hábito comum entre os adolescentes é realizar as refeições em frente à televisão, em um estudo realizado por França (2006) foi observado que 61% dos adolescentes referiram este costume, sendo que 83% realizam apenas uma refeição à mesa com a família. Em um estudo realizado por Miranda et al. (2007), notou-se que 62% dos adolescentes também possuem este costume e que 18% realizam em frente ao computador e apenas 20% à mesa. Quando as refeições são realizadas na frente da televisão perde-se a noção de quantidade, a mastigação não é adequada e pode haver esquecimento do alimento que está sendo ingerido (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2006a). Além disso, o hábito de assistir televisão está intimamente relacionado com o aumento da obesidade, pois a maioria dos alimentos difundidos em publicidades (televisão, revistas) possui altos teores de gorduras, açúcares e sal, estando em desacordo com as recomendações de uma alimentação saudável (CAVALCANTI; MELO, 2008). Vários estudos também mostram que é frequente o hábito de não realizar o café da manhã. Há evidências sobre o efeito prejudicial da omissão do desjejum, sendo que, esta refeição, como uma das refeições principais, é essencial para o desenvolvimento adequado do adolescente e caso não for realizado de forma correta pode resultar em prejuízos à saúde do adolescente (MONTEIRO; CAMELO JÚNIOR, 2007; DALLA COSTA et al., 2007; GAMBARDELLA et al., 1999). Quando os indivíduos não realizam o desjejum apresentam propensão ao aumento de peso corporal, pois tendem a consumir refeições rápidas e ou muito calóricas durante o dia. Ao ingerir grandes quantidades de alimentos para suprir a refeição não realizada, fica difícil ter uma alimentação adequada (WYATT et al., 2002). Ressalta-se que a alimentação adequada engloba pelo menos três grandes refeições sendo elas café da manhã, almoço e jantar e dois a três lanches por dia e as refeições devem conter diferentes alimentos para fornecer energia e todos os nutrientes em quantidades e proporções equilibradas (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2006a; PHILIPPI, 2008). Depois do jejum noturno, o café da manhã fornece energia para manter normais os níveis de glicemia, a omissão desta refeição pode acarretar queda na atenção e

3 7 na habilidade de concentração dos adolescentes, diminuindo assim o rendimento escolar. Ao contrário, os adolescentes que realizam o desjejum são mais atentos e apresentam melhor desempenho escolar, são mais energéticos e mais criativos (WAITZBERG, 2006). A omissão desta refeição pode favorecer a carência de cálcio, pois é no desjejum que se concentra o maior consumo de alimentos fonte de cálcio, como por exemplo: leite, queijo e iogurte (GAMBARDELLA et al., 1999). Tendo em vista que o desjejum, assim como as outras refeições, deve ser realizado diariamente e de forma adequada, sabendo também que o desjejum é uma das refeições mais omitidas pelos adolescentes e que é freqüente a troca de alimentos saudáveis por alimentos ricos em açúcares, sódio e gorduras, estudar o consumo alimentar desta refeição em adolescentes é de extrema importância para conhecer o hábito alimentar destes e com isso realizar a orientação nutricional adequada. Portanto, o tema abordado no presente estudo teve por finalidade verificar o consumo alimentar no período matutino em adolescentes do ensino médio de uma escola particular, avaliando a qualidade do desjejum, a prevalência da omissão desta refeição e se há relação entre a omissão do desjejum e o consumo de cálcio diário. Materiais e Métodos Trata-se de um estudo descritivo transversal e quantitativo, com 81 adolescentes, com idade entre 14 e 18 anos, estudantes do ensino médio de uma escola particular, do município de Fátima do Sul (MS). O projeto foi previamente aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos (CEP) do Centro Universitário da Grande Dourados UNIGRAN. O Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) foi entregue aos pais ou responsáveis dos adolescentes para autorizarem sua participação na pesquisa. Os dados foram coletados no mês de agosto e setembro de 2009, por meio de uma adaptação do questionário proposto por Bispo (2006), para verificar os hábitos alimentares no desjejum e outro questionário do Ministério da Saúde (2006b) do Guia Alimentar para população Brasileira de bolso, adaptado para a população em estudo, para averiguar a qualidade do desjejum. Segundo Nicklas (1998) apud Silva (2006), a qualidade do desjejum está relacionada com o consumo de alimentos dos grupos de cereais, leite e frutas da Pirâmide Alimentar. Sendo o grupo de cereais representado por pães, massas, bolos, biscoitos, entre outros; o grupo do leite composto por leite, iogurte, queijo e outros derivados do leite; e o último grupo pelas frutas (PHILIPPI, 2008). A avaliação desta refeição será qualitativa, no qual verificará o hábito dos adolescentes consumirem alimentos desses três grupos no desjejum. A ingestão de cálcio foi verificada por meio de uma adaptação do questionário de frequência alimentar semiquantitativo proposto por Fisberg et al. (2007), sendo composto de alimentos selecionados da TACO Tabela de Composição de Alimentos (2006) incluindo os que possuem maior quantidade de cálcio. Sendo transformados em ingestão diária para calcular a quantidade de cálcio ingerida diariamente. Os resultados foram comparados com a recomendação de cálcio proposta pelas DRIs (Dietary Reference Intake), sendo a AI (Ingestão Adequada) de 1.300mg/dia (1.170 a 1.430) para adolescentes até 18 anos, sendo considerada uma variação de 10% da recomendação (PHILIPPI, 2008). Resultados e Discussão A amostra foi composta por 81 adolescentes, sendo 44 (54,32%) do sexo masculino e 37 (45,67%) do sexo feminino. A média de idade foi de 15,6 ± 1,58 anos.

4 8 Dentre as refeições realizadas durante o dia, o almoço e o jantar foram as refeições mais consumidas, a ceia e o lanche matinal as que tiveram menor consumo. Conforme ilustra na Figura 2, a média do número de refeições realizadas foi de 3,62 ± 1,14 refeições no sexo feminino e 4,05 ±1,16 refeições no sexo masculino, não havendo diferença significativa entre os sexos (p = 0,10). Santos et al. (2005) constatou em seu estudo que a maioria dos adolescentes realizava três ou mais refeições diárias. Figura 1 Média do número de refeições consumidas diariamente para ambos os sexos O almoço foi a única refeição que não foi omitida pelos adolescentes pesquisados. O mesmo foi encontrado por Vieira et al. (2005), onde nenhum dos adolescentes omitiram o almoço, neste estudo a mediana do número de refeições diárias foi igual a quatro. Dalla Costa et al. (2007) averiguaram que entre as três refeições principais (desjejum, almoço e jantar), o café da manhã foi a de menor consumo entre adolescentes de escolas públicas e particulares em um município no Paraná. Verificou-se que 48,14% sempre realizavam o desjejum; 35,8% realizavam às vezes e 16,04% nunca realizavam esta refeição, como mostra a Tabela 1. A maioria realizava esta refeição em casa, entre 6h e 7h. Tabela 1 Frequência de consumo do desjejum Meninos (44) Meninas (37) Total (81) n % N % N % Sempre 26 59, , ,14 Ás vezes 13 29, , ,8 Nunca 5 11, , ,04 ( ) = número de adolescentes por grupo. Fisberg (2002) apud Silva (2006) analisando o desjejum de escolares no Centro de Atendimento e apoio ao adolescente averiguou que mais de 30% dos adolescentes não realizavam o café da manhã e o restante realizava de forma inadequada. Já o estudo realizado por Branco et al. (2007) observou que 44,3% dos adolescentes não realizam o desjejum.

5 9 Nos Estados Unidos, um estudo com adolescentes verificou que aproximadamente um em cada cinco adolescentes relatou o café da manhã do dia anterior (VIDEON; MANNING, 2003). Gambardella et al. (1999), estabelecendo como desjejum padrão o que possuísse alimentos fonte de cálcio e de energia, observaram que este foi consumido por apenas 45% dos adolescentes, sendo a refeição mais negligenciada. Neste estudo foi encontrado dado semelhante à pesquisa anterior pois apenas 48,14% (n=39) realizavam o desjejum diariamente e o sexo feminino apresentou maior omissão do desjejum, apenas 35,13% realizavam esta refeição diariamente. O mesmo foi encontrado por Silva (2006), na qual apenas 40,98% das meninas realizavam esta refeição, sendo menor que o sexo masculino (82,6%). Vieira (2005) notou em seu estudo que 63,6% dos que não realizavam o desjejum também não faziam a colação, prolongando assim o período de jejum.williams (2007) relata que o consumo regular do desjejum está associado com melhores dietas para crianças e adolescentes. Em relação ao apetite no desjejum (Tabela 2) 50,61% (n=18) dos adolescentes relataram não ter ou ter pouco apetite nesta refeição, sendo mais freqüente entre os meninos (52,26%) comparado com as meninas (48,64%). Comparado com os dados da tabela anterior, os meninos apresentam menor apetite, porém realizam o café da manhã com maior freqüência do que as meninas. Silva (2006) notou em seu estudo com adolescentes, que um dos três maiores motivos de omissão de refeições é a falta de apetite, sendo os outros dois a falta de tempo e o medo de engordar. Tabela 2 - Apetite dos Adolescentes no desjejum Meninos (44) Meninas (37) Total (81) n % n % n % Não tem apetite 9 20, , ,22 Pouco Apetite 14 31, , ,39 Médio Apetite 14 31, , ,03 Muito Apetite 7 15,9 3 8, ,34 ( ) = número de adolescentes por grupo. Aproximadamente 61% dos adolescentes relataram não ter aprendido a importância do café da manhã na escola, este dado mostra a necessidade da educação nutricional para estes adolescentes, pois a prática do desjejum esta associado também, pelo conhecimento da importância da sua realização, e a escola é considerado um local para promoção de educação nutricional. Dentre os que relataram aprender a importância do desjejum, as disciplinas citadas foram ciências e biologia. Resultado semelhante foi encontrado em um estudo com escolares de Brasília, em que a disciplina mais citada foi biologia, seguida de educação física e ciências (SILVA, 2006). A omissão do café da manhã pode provocar sintomas como fome, dor no estômago, fraqueza, dor de cabeça, raciocínio lento e indisposição, 65,43% (n=53) dos adolescentes relataram sentir um ou mais destes sintomas (Figura 1). Dentre estes sintomas desagradáveis, 62,26% (n=33) queixaram-se de fome, 50,94% (n=27) de dor no estômago, 43,39% (n=23) de fraqueza, 18,86% (n=10) de dor de cabeça, 3,77% (n=2) de raciocínio lento e 5,66% (n=3) de indisposição. Um estudo relacionando o desjejum com as funções cognitivas, sugere que o desjejum interfere fortemente na cognição e aprendizagem (POLLITT; MATHEWS, 1998).

6 10 Figura 2 Presença de sintomas desagradáveis relatado pelos adolescentes na omissão ou atraso do desjejum Neste estudo, os alimentos mais consumidos no desjejum (Tabela 3) foram leite (80,88%) e derivados (58,82%) e pães (80,88%). Dentre os que consumiam leite, 76,36% (n=42) relataram consumir o leite na forma integral, 72,72% (n=24) dos meninos e 90,9% (n=20) das meninas adicionam no leite o achocolatado. Carvalho et al. (2001) também verificaram que a forma preferida do consumo do leite é com achocolatado. Verifica-se na Tabela 3 um baixo consumo de frutas no desjejum em ambos os sexos, 27,58% (n=8) consumiam frutas entre as meninas e 25,64% (n=10) entre os meninos. Os resultados são parecidos com o estudo de Gambardella et al. (1999), na qual houve um baixo consumo de frutas in natura e suco de frutas entre os adolescentes no desjejum. Tabela 3 Consumo alimentar no desjejum Meninos (39) Meninas (29) Total (68) n % n % n % Frutas 10 25, , ,47 Leite 33 84, , ,88 Derivados do leite 23 58, , ,82 Guloseimas salgadas* 13 33, , ,82 Guloseimas doces ** 20 51, , ,70 Cereais matinais 12 30, , ,88 Pães 32 82, , ,88 Bolos sem cobertura ou recheio 7 17, , Bolos com cobertura ou recheio 14 35, , ,23 Biscoito ou bolacha sem recheio 14 35, , ,76 Biscoito ou bolacha com recheio 12 30, , ,23 Valores são expressos como número de adolescentes que realizam o desjejum sempre ou ás vezes e porcentagem; ( ) = número de adolescentes por grupo; *Guloseimas salgadas = frituras, salgadinhos fritos ou em pacotes e embutidos (salsicha, mortadela, salame, lingüiça e outros) ** Guloseimas doces = doces de qualquer tipo, bolos recheados com cobertura, biscoitos doces, refrigerantes e sucos industrializados.

7 11 Observa-se também, uma preferência alimentar por bolos ou biscoitos com recheio no café da manhã, estes alimentos possuem elevada quantidade de açúcar, que segundo Philippi (2008) diminui a quantidade nutritiva da dieta, pois contribuir com uma quantidade considerável de energia e inadequada de nutrientes. Um estudo realizado com adolescentes e crianças espanhóis, analisando o consumo alimentar no desjejum verificou que esta refeição não é adequada em grande parte da população estudada (ARANCETA et al., 2001). Williams (2007) avaliando o desjejum de crianças e adolescentes australianos notou que este foi baixo em gordura, rico em carboidratos e com boas fontes de tiamina, riboflavina, niacina, cálcio e magnésio. Em um estudo com objetivo de descrever o consumo de energia e macronutrientes e os padrões de refeições dos adolescentes de 13 a 18 anos na Bélgica, observou um baixo consumo energético do café da manhã e uma proporção maior de energia nos lanches (MATTHYS et al., 2003). Entre os alimentos consumidos no intervalo da escola estudada o mais consumido foi o salgado assado (92,06%), já que a cantina da escola não comercializa alimentos fritos. O refrigerante foi o segundo mais consumido (23,8%), tendo maior consumo no sexo masculino. O consumo de bolacha recheada foi maior entre as meninas comparado com os meninos, 16,66% e 6,06%, respectivamente (Tabela 4). Tabela 4 Alimentos consumidos no intervalo das aulas Meninos (33) Meninas (30) Total (63) Alimentos Balas, chicletes, pirulito 02 (6,06) 02 (6,66) 4 (6,34) Bolacha Recheada 02 (6,06) 05 (16,66) 7 (11,11) Refrigerante 11 (33,33) 04 (13,33) 15 (23,8) Salgado assado 31 (93,33) 27 (90) 58 (92,06) Suco Artificial 01 (3,03) 02 (6,66) 3 (4,76) Suco Natural - 01 (3,33) 1 (1,58) 1 Valores são expressos como número de adolescentes que consumiram o alimento e porcentagens, ( ) = número de adolescentes que realizam lanche no intervalo por grupo. No estudo de Carvalho et al. (2001), o refrigerante foi do grupo dos energéticos o alimento mais consumido, sendo também mais prevalente no sexo masculino. Zancul e Dal Fabbro (2007) encontraram resultados semelhantes sendo salgados, refrigerantes e balas os alimentos de maior preferência dos adolescentes na escola. Felice et al. (2007) notou em seu estudo que os alimentos preferidos pelos adolescentes foram as guloseimas, salgadinho de pacote e bolacha, sendo observado também um elevado consumo de refrigerante em detrimento de sucos e lácteos. Já no estudo de Campos et al. (2006), os alimentos da cantina de uma escola particular mais consumidos foram bala, chiclete, croissant, pastel e cachorro quente, enquanto que na escola pública a bala, o pirulito e o salgadinho industrializados eram os mais escolhidos. Em relação ao consumo diário de cálcio, a Figura 3 mostra que a média para o sexo feminino foi de 682,44 ± 441,96 mg e para o sexo masculino 911,57 ± 460,39 mg, sendo estaticamente diferentes (p=0,025). Apesar dos meninos consumirem maior quantidade de cálcio, em ambos os sexos a ingestão está abaixo do recomendado.

8 12 Figura 3 Média de consumo de cálcio em ambos os sexos. * p < 0,05 (são estaticamente diferentes) Este baixo consumo de cálcio é preocupante já que este mineral é essencial para a constituição óssea do adolescente, e para reservas orgânicas de cálcio e prevenção de osteoporose (GAMBARDELLA, 1999). Albano e Souza (2001) analisando a ingestão de energia e nutrientes de adolescentes em uma escola pública, encontraram resultados semelhantes, em que a ingestão média de cálcio para o sexo feminino foi de 579,86 mg e para o sexo masculino de 819,68 mg. Este estudo também constatou um consumo inferior no sexo feminino quando comparado com o masculino. Um estudo realizado com escolares de um município do Paraná verificou que as meninas apresentam menor consumo de leite, iogurte e queijo, tendo diferença estatisticamente significativa entre os meninos (DALLA COSTA et al., 2007). Godoy et al. (2006) encontraram baixo consumo de leite e derivados, em ambos sexos, em seu estudo no município de São Paulo e sugerem que este baixo consumo encontrado seja decorrente da troca de leite por bebidas gaseificadas (refrigerantes), o que pode comprometer a densidade óssea principalmente do sexo feminino. Figura 4 Relação da realização do desjejum com o consumo de cálcio diário. * p=0,22 (não apresenta diferença estatística). ** p= 0,00005 (apresenta diferença estatística)

9 13 Relacionando o hábito de realizar o desjejum e o consumo diário de cálcio observa-se, na Figura 4, que os adolescentes que realizam o desjejum sempre, possuem uma média de ingestão de cálcio de 948,82 ± 388,99 mg, os que realizam às vezes de 819,16 ± 487,48 mg, não tendo diferença significativa entre estes (p=0,22), já os que nunca realizam o desjejum apresentam média de 326,46 ± 302,59 mg, tendo diferença significativa (p=0,00005) entre os que realizam o desjejum sempre ou às vezes. Os adolescentes quando consomem o desjejum, interfere positivamente no consumo diário de cálcio. De acordo Gambardella (1999), o hábito de não realizar o desjejum pode ocasionar uma possível deficiência de cálcio, já que é nesta refeição que concentra as melhores fontes desse nutriente, este fato foi observado neste estudo. A Tabela 5 ilustra a porcentagem de adequação da ingestão de cálcio (mg/dia) conforme a média da ingestão de cálcio proposta pelas DRIs (Dietary Reference Intake), que é igual a 1300 mg/dia, comparado com a realização do desjejum. Considerando, no máximo 10% abaixo da recomendação (1170 mg/dia), nenhum grupo (meninos e meninas) apresentou média de consumo adequado de cálcio. A porcentagem de adequação foi maior entre os que realizavam sempre e menor entre os que nunca realizam o café da manhã. No estudo de Albano e Souza (2001) a média de consumo de cálcio de atingiu 68,31% e 48,32% das recomendações para o sexo masculino e feminino, respectivamente, estando também abaixo dos valores preconizados. Tabela 5 Porcentagem de adequação da ingestão de cálcio (mg/dia) conforme a realização do desjejum Cálcio (mg/dia) % Adequação* Realização do desjejum Sempre 948,82 72,99 Ás vezes 819,16 63,01 Nunca 326,46 25,11 ( ) = número de adolescentes por grupo. * Comparado com a recomendação de cálcio da DRIs A Tabela 6 ilustra a presença dos grupos de cereais, leite e frutas segundo o relato de consumo dos adolescentes no dia da coleta de dados. Observa-se uma maior ingestão do grupo dos cereais (82,14%) e leite (73,21%) e uma baixa ingestão no grupo das frutas (3,57%). Tabela 6 Consumo alimentar no desjejum dos grupos de cereais, leite e frutas. Meninos (34) Meninas (22) Total (56) n % n % n % Cereais 27 79, , ,14 Leite 26 76, , ,21 Frutas 1 2,94 1 4,54 2 3,57 ( ) = número de adolescentes por grupo. O mesmo foi encontrado por Silva (2006), com adolescentes de uma escola particular, na qual apenas 14,2% consumiam alimentos do grupo das frutas no desjejum.

10 14 Segundo Philippi (2008), o grupo das frutas contribui para proteção da saúde e reduz o risco de doenças crônicas, possuem baixa densidade energética, são fonte de água, vitaminas, minerais e fibras. Possuem pequenas quantidades de proteínas e lipídeos e quantidades de carboidratos variáveis. Enes et al. (2008) constataram um consumo insuficiente de alimentos do grupo das frutas na alimentação de adolescentes, associado com à uma ingestão excessiva de alimentos do grupo dos açúcares (refrigerante, doces, balas). Conclusão Nos adolescentes estudados observou-se que menos da metade realizam o desjejum sempre. Em relação a qualidade do desjejum, notou-se que este é adequado na maioria dos indivíduos em relação a ingestão do grupo de leite e cereais e inadequado no consumo do grupo das frutas. Houve uma preferência alimentar por alimentos com elevada quantidade de açúcar, como bolos ou bolachas recheadas, este consumo é preocupante, já que estes alimentos possuem baixo valor nutritivo e apresentam um elevado valor energético, podendo contribuir para o aumento de peso. A maioria dos adolescentes relatou sentir sintomas desagradáveis quanto ao atraso ou omissão do desjejum, podendo a omissão desta refeição interferir na função cognitiva e aprendizagem destes adolescentes. A maior parte dos adolescentes relataram não ter aprendido a importância do em nenhuma disciplina na escola, este fato é preocupante, e demonstra a necessidade de educação nutricional para estes indivíduos. A baixa ingestão de cálcio foi observada em ambos os sexos, com valores inferiores ao preconizado pelas DRIs (Dietary Reference Intake). O sexo feminino apresentou ingestão de cálcio significativamente menor que o sexo masculino, porém em relação a ingestão do grupo de leite, em ambos os sexos, apresentaram consumo parecido. Verificou-se que a omissão do desjejum tem influência estatisticamente significativa na ingestão de cálcio diário, visto que, os adolescentes que realizam o café da manhã possuem ingestão de cálcio maior quando comparados aos que nunca consomem esta refeição. Neste estudo nota-se a importância da promoção de educação nutricional para estes adolescentes, com intuito de melhorar os hábitos alimentares, reforçar a importância de realizar todos as refeições, inclusive o desjejum e incentivar o consumo de alimentos fonte de cálcio. Referências Bibliográficas ALBANO, R. D.; SOUZA, S. B. Ingestão de energia e nutrientes por adolescentes de uma escola pública. Jornal de Pediatria. Porto Alegre, v.77, n.6, p , nov./dec., ARANCETA, J. et al. Breakfast consumption in spanish children and Young people. Public Health Nutrition. Barcelona, v.4, n. 6, p , BISPO, J. S. Perfil alimentar referente ao desjejum de professores da Universidade de Brasília-UnB p. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde) Universidade de Brasília, Brasília, BRANCO, L. M. et al. A percepção corporal influencia no consumo do café da manhã de adolescentes? Saúde em Revista. Piracicaba, v.9, n.22, p , CAMPOS, S. H. et al. Consumo alimentar de adolescentes com sobrepeso e obesidade, estudantes de escolas pública e privada do Município de Cotia SP. Pediatria Moderna. São Paulo, v. 42, n. 2, p , marc./abr., CARVALHO, C. M. R. G. et al. Consumo alimentar de adolescentes matriculados em um colégio particular de Teresina, Piauí, Brasil. Revista de Nutrição. Campinas, v.14, n.2, p , maio/ago., CAVALCANTI, A. C.; MELO, A. M. C. A. Mídia, comportamento alimentar e obesidade na infância e na adolescência: uma revisão. Revista Brasileira de Nutrição Clínica. São Paulo, v. 23, n. 3, p , 2008.

11 15 DALLA COSTA, M. C.; CORDONI JÚNIOR, L.; MATSUO, T. Hábito alimentar de escolares adolescentes de um município do oeste do Paraná. Revista de Nutrição. Campinas, v.20, n.5, p , set./out., ENES, C. C.; PEGOLO, G. E.; SILVA, M. V. Hábitos alimentares de adolescentes residentes em áreas rurais da cidade de Piedade, São Paulo. Nutrire: Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição. São Paulo, v.33, n.2, p , ago., FELICE, M. M.; SAMPAIO, I. P. C.; FISBERG, M. Análise do lanche escolar consumido por adolescentes. Saúde em Revista. Piracicaba, v. 9, n. 22, p. 7-14, FISBERG, R. M. Inquéritos alimentares: métodos e bases científicos. São Paulo: Manole, FRANÇA, A. A.; KNEUBE, D. P. F.; KANESHIMA, A. M. S. Hábitos alimentares e estilo de vida de adolescentes estudantes na rede pública de ensino da cidade de Maringá-PR. Iniciação Científica Cesumar. Maringá, v. 8, n. 2, p , jul./dez., GAMBARDELLA, A. M.; FRUTUOSO, M. F. P.; FRANCH, C. Prática Alimentar de Adolescentes. Revista de Nutrição. Campinas, v.12, n.1, p. 5-19, jan./abr., GARCIA, G. C. B. ; GAMBARDELLA, A. M. D.; FRUTUOSO, M. F. P. Estado nutricional e consumo alimentar de adolescentes de um centro de juventude da cidade de São Paulo. Revista de Nutrição. Campinas, v.16, n.1, p , jan./mar., GODOY, F. C. et al. Índice de qualidade da dieta de adolescentes residentes no distrito do Butantã, município de São Paulo, Brasil. Revista de Nutrição. Campinas, v.19, n.6, p , nov./dez., LIMA, S. C. V. C.; ARRAIS, R.F.; PEDROSA, L.F.C. Avaliação da dieta habitual de crianças e adolescentes com sobrepeso e obesidade. Revista de Nutrição. Campinas, v.17, n.4, p , out/dez., MATTHYS, C. et al. Estimated energy intake, macronutrient intake and meal pattern of Flemish adolescents. European Journal of Clinical Nutrition, v. 57, p , MINISTÉRIO DA SAÚDE. Guia alimentar para a população brasileira: promovendo a alimentação saudável. Brasília: Ministério da Saúde, 2006a. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Guia alimentar: saiba como ter uma alimentação saudável. Versão de Bolso. Brasília: Ministério da Saúde, 2006b. MIRANDA, M. C. S.; ISIDORO, C. J.; NAVARRO, F. N. Educação nutricional, fator determinante na prevenção de sobrepeso e obesidade. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. São Paulo, v. 1, n. 5, p. 15-2, set/out., MONTEIRO, J. O.; CAMELO JÚNIOR, J.S. Caminhos da nutrição e terapia nutricional: da concepção à adolescência. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, NEUTZLING, M. B. et al. Freqüência de consumo de dietas ricas em gordura e pobres em fibra entre adolescentes. Revista de Saúde Pública. v.41, n.3, p , OMS/ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Adolescent nutrition: a review of the situation in selected south-east Asian countries. New Delhi: WHO, Acesso em: htm. Acesso em: 10 abr PHILIPPI, S. T. Pirâmide alimentar: fundamentos básicos da nutrição. Barueri, SP: Manole, POLLITT, E. P.; MATHEWS, R. Breakfast and cognition: an integrative summary. The American Journal of Clinical Nutrition. Califórnia, v. 67, p , SANTOS, J. S. et al. Perfil antropométrico e consumo alimentar de adolescentes de Teixeira de Freitas Bahia. Revista de Nutrição. Campinas, v.18, n.5, p , set./out., SILVA, H. H. C. Consumo alimentar do desjejum de adolescentes em escolas particulares de Brasília, DF p. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde) Universidade de Brasília, Brasília, UNICAMP/Universidade Estadual de Campinas. TACO Tabela de Composição de Alimentos. 2.ed.Campinas, VIDEON, T.; MANNING, C. Influences on adolescent eating patterns: the importance of family meals. Journal of Adolescent Health, v. 32, n. 5, p , VIEIRA, V. C. R. et al. Alterações no padrão alimentar de adolescentes com adequação ponderoestatural e elevado percentual de gordura corporal. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil. Recife, v.1, n.5, p , jan./marc., 2005.

12 16 VITOLO, M. R. Nutrição da gestação ao envelhecimento. Rio de Janeiro: Rubio, ZANCUL, M. S.; DAL FABBRO, A. L. Escolhas alimentares e estado nutricional de adolescentes em escolas de ensino fundamental. Revista de alimentação e nutrição. Araraquara, v.18, n.3, p , WAITZBERG, D. L. Nutrição oral, enteral e parenteral na prática clínica. São Paulo: Atheneu, WILLIAMS, P. Breakfast and the diets of Australian children and adolescents: an analysis of data from the 1995 National Nutrition Survey. Faculty of Health & Behavioural Sciences, v. 58, n. 3, p , WYATT, H. R. et al. Long-term weight loss and breakfast in subjects in the National Weight Control Registry. Obesity Research. v.10, n.2, p , fev., 2002.

Consumo alimentar de adolescentes em cantina escolar de município do Oeste do Paraná.

Consumo alimentar de adolescentes em cantina escolar de município do Oeste do Paraná. 1 Consumo alimentar de adolescentes em cantina escolar de município do Oeste do Paraná. BUGAY, Larissa 1 BLEIL, Rozane Toso 2 RESUMO O presente artigo teve por objetivo conhecer o consumo alimentar dos

Leia mais

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de vida. A infância e adolescência são idades ideais para

Leia mais

HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES

HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES Larissa Paula da Silva de Souza 1, Sara Leal de Lima 2, Angela Andréia França Gravena 3 RESUMO:

Leia mais

ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ

ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ ALVES,K.L.; MARIN,T. Resumo: Alimentação saudável é

Leia mais

Escola: Escola Municipal Rural Sucessão dos Moraes

Escola: Escola Municipal Rural Sucessão dos Moraes Projeto Novos Talentos Escola: Escola Municipal Rural Sucessão dos Moraes Oficina: Comer bem, para viver melhor! Cristiane da Cunha Alves Tatiane Garcez Bianca Maria de Lima Danielle Costa INTRODUÇÃO/JUSTIFICATIVA

Leia mais

FACULDADE ASSIS GURGACZ - FAG PRISCILA TEBALDI

FACULDADE ASSIS GURGACZ - FAG PRISCILA TEBALDI FACULDADE ASSIS GURGACZ - FAG PRISCILA TEBALDI CONHECIMENTO E CONSUMO DE DIET E LIGHT POR ADOLESCENTES MATRICULADOS EM UM COLÉGIO ESTADUAL DE CORBÉLIA - PR CASCAVEL 2006 FACULDADE ASSIS GURGACZ - FAG PRISCILA

Leia mais

COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE ATLETAS NO PRÉ TREINO DE UMA CIDADE DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO

COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE ATLETAS NO PRÉ TREINO DE UMA CIDADE DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE ATLETAS NO PRÉ TREINO DE UMA CIDADE DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO RESUMO Mari Uyeda Larissa Fabiane da Silva Toledo Este trabalho apresenta como objetivo demonstrar o comportamento

Leia mais

PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ

PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ Vanusa Pereira da Silva 1, Robsmeire

Leia mais

15/08/2013. Acelerado crescimento e desenvolvimento: IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NESSA FASE. Atinge 25% da sua altura final

15/08/2013. Acelerado crescimento e desenvolvimento: IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NESSA FASE. Atinge 25% da sua altura final Laís Cruz Nutricionista CRN 3 18128 2013 Período de transição entre infância e vida adulta (dos 10 aos 19 anos de idade) Muitas transformações físicas, psicológicas e sociais Acelerado crescimento e desenvolvimento:

Leia mais

Alimentação e Crescimento Saudável em Escolares

Alimentação e Crescimento Saudável em Escolares 2 Alimentação e Crescimento Saudável em Escolares Cleliani de Cassia da Silva Especialista em Nutrição, Saúde e Qualidade de Vida FEF UNICAMP A idade escolar compreende o período da vida que se estende

Leia mais

PESQUISA DE ORÇAMENTO FAMILIAR - POF. Prof. Dra. Aline Mota de Barros Marcellini

PESQUISA DE ORÇAMENTO FAMILIAR - POF. Prof. Dra. Aline Mota de Barros Marcellini PESQUISA DE ORÇAMENTO FAMILIAR - POF Prof. Dra. Aline Mota de Barros Marcellini As maiores médias de consumo diário per capita ocorreram para Feijão (182,9 g/ dia), arroz (160,3 g/ dia), carne bovina

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari*

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* Resumo: Vasconcellos, Jorge** As mudanças ocorridas em nosso pais, principalmente a crescente modernização e urbanização,

Leia mais

ALIMENTAÇÃO E PESO SAUDÁVEL

ALIMENTAÇÃO E PESO SAUDÁVEL Formação sobre Promoção de Estilos de Vida Saudáveis em Contexto Escolar, Familiar e Envolvente Julho de 2009 ALIMENTAÇÃO E PESO SAUDÁVEL TERESA SOFIA SANCHO Gabinete de Nutrição Departamento de Saúde

Leia mais

NUTRIÇÃO INFANTIL E AS CONSEQUENCIAS NOS CICLOS DA VIDA. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo

NUTRIÇÃO INFANTIL E AS CONSEQUENCIAS NOS CICLOS DA VIDA. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo NUTRIÇÃO INFANTIL E AS CONSEQUENCIAS NOS CICLOS DA VIDA Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Infância -Promoção e consolidação dos hábitos alimentares - Incremento das necessidades nutricionais para

Leia mais

HÁBITOS ALIMENTARES E PERFIL SÓCIO-ECONÔMICO DE ACADÊMICOS QUE RESIDEM SOZINHOS DE UMA FACULDADE PRIVADA

HÁBITOS ALIMENTARES E PERFIL SÓCIO-ECONÔMICO DE ACADÊMICOS QUE RESIDEM SOZINHOS DE UMA FACULDADE PRIVADA 1 HÁBITOS ALIMENTARES E PERFIL SÓCIO-ECONÔMICO DE ACADÊMICOS QUE RESIDEM SOZINHOS DE UMA FACULDADE PRIVADA PAGNUSSAT, Michely Von Rondon 1 PEREIRA, Edson Luiz 2 A alimentação saudável baseia-se em uma

Leia mais

PERFIL ALIMENTAR DE MENINAS DE UMA ESCOLA ESTADUAL DO INTERIOR DE SÃO PAULO

PERFIL ALIMENTAR DE MENINAS DE UMA ESCOLA ESTADUAL DO INTERIOR DE SÃO PAULO PERFIL ALIMENTAR DE MENINAS DE UMA ESCOLA ESTADUAL DO INTERIOR DE SÃO PAULO Mari Uyeda Beatriz Conti RESUMO Muito tem se falado sobre a importância da educação nutricional em instituições de ensino para

Leia mais

Dicas para uma alimentação saudável

Dicas para uma alimentação saudável Dicas para uma alimentação saudável NECESSIDADE FISIOLÓGICA ATO DE COMER SOCIABILIZAÇÃO Comida Japonesa PRAZER CULTURAL Alimentação aliada à saúde Hábitos alimentares pouco saudáveis desde a infância,

Leia mais

Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar.

Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar. Nota Técnica nº 01/2014 COSAN/CGPAE/DIRAE/FNDE Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar. A Coordenação de Segurança Alimentar e Nutricional COSAN do Programa Nacional

Leia mais

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS 1. Introdução As Boas Práticas Nutricionais constituem-se um importante instrumento para a modificação progressiva da composição nutricional

Leia mais

Alimentação Escolar Saudável. Apresentação: Lidiane Farias lidianefarias@quas.com.br

Alimentação Escolar Saudável. Apresentação: Lidiane Farias lidianefarias@quas.com.br Alimentação Escolar Saudável 1. 2. 3. Agenda 4. 5. 6. A infância é o período no qual os hábitos alimentares são desenvolvidos. É uma fase onde as necessidades nutricionais estão aumentadas e devem ser

Leia mais

A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo

A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo A alimentação adequada e nutricionalmente equilibrada é um dos fatores importantes e essenciais para a otimização do desempenho, sendo

Leia mais

AÇÕES DO PIBID BIOLOGIA NA PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS ENTRE ADOLESCENTES DO ENSINO MÉDIO ATRAVÉS DA ARTICULAÇÃO COM A ESCOLA

AÇÕES DO PIBID BIOLOGIA NA PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS ENTRE ADOLESCENTES DO ENSINO MÉDIO ATRAVÉS DA ARTICULAÇÃO COM A ESCOLA AÇÕES DO PIBID BIOLOGIA NA PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS ENTRE ADOLESCENTES DO ENSINO MÉDIO ATRAVÉS DA ARTICULAÇÃO COM A ESCOLA Margareth Machado e Silva Sousa (1), Maria Rizoneide Araújo Belarmino

Leia mais

OFICINA: Guia Alimentar para Crianças Menores de Dois Anos

OFICINA: Guia Alimentar para Crianças Menores de Dois Anos I Mostra Estadual de Atenção Primária em Saúde Curitiba - PR OFICINA: Guia Alimentar para Crianças Menores de Dois Anos Gisele Ane Bortolini Helen Duar Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1 LEITE, Raíssa Moraes 1 ; FRANCO, Lana Pacheco 2 ; SOUZA, Isabela Mesquita 3 ; ALVES, Ana Gabriella Pereira

Leia mais

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL X ALIMENTOS INDUSTRIALIZADOS

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL X ALIMENTOS INDUSTRIALIZADOS ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL X ALIMENTOS INDUSTRIALIZADOS Resumo PRZYBYSZ, Mariângela Prefeitura Mun. Curitiba mari_prz@yahoo.com.br MENEGAZZO, Raquel Cristina Serafin Prefeitura Mun. Araucária Prefeitura Mun.

Leia mais

CUIDADOS COM A ALIMENTAÇÃO

CUIDADOS COM A ALIMENTAÇÃO SENADO FEDERAL CUIDADOS COM A ALIMENTAÇÃO SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Cuidados com a alimentação apresentação Uma boa saúde é, em grande parte, resultado de uma boa alimentação. Há muita verdade no dito

Leia mais

GUIA ALIMENTAR COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

GUIA ALIMENTAR COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL GUIA ALIMENTAR COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL A promoção da alimentação saudável é uma diretriz da Política Nacional de Alimentação e Nutrição e uma das prioridades para a segurança alimentar e nutricional

Leia mais

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família. Brasília, 08 de Agosto de 2008

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família. Brasília, 08 de Agosto de 2008 Oficina de Promoção da Alimentação Saudável para Agentes Comunitários de Saúde III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família Brasília,

Leia mais

A PIRÂMIDE QUE SEGUE ABAIXO É A BRASILEIRA, ADAPTADA POR SÔNIA TUCUNDUVA PHILIPPI AOS NOSSOS HÁBITOS ALIMENTARES.

A PIRÂMIDE QUE SEGUE ABAIXO É A BRASILEIRA, ADAPTADA POR SÔNIA TUCUNDUVA PHILIPPI AOS NOSSOS HÁBITOS ALIMENTARES. PARA SABERMOS COMO A ALIMENTAÇÃO DEVE SER EQUILIBRADA, PRECISAMOS CONHECER A PIRÂMIDE ALIMENTAR, QUE É A REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DOS ALIMENTOS E SUAS QUANTIDADES QUE DEVEM ESTAR PRESENTES EM NOSSA DIETA

Leia mais

PRÁTICAS ALIMENTARES EM CRIANÇAS MENORES DE UM ANO DE IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

PRÁTICAS ALIMENTARES EM CRIANÇAS MENORES DE UM ANO DE IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PRÁTICAS ALIMENTARES EM CRIANÇAS MENORES DE UM ANO DE IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR Maria Alice Nunes De Campos Monteiro 1 ; Flávia Ponzio Breda Dos Santos¹;

Leia mais

Pesquisa. Consumo de Frutas e Hortaliças

Pesquisa. Consumo de Frutas e Hortaliças Pesquisa Consumo de Frutas e Hortaliças Pesquisa Quantitativa Consumo de Frutas e Hortaliças Elaborado por CONNECTION RESEARCH Maio 2011 2 Objetivos da pesquisa. Estudar os hábitos alimentares da população

Leia mais

Os resultados apresentados contemplam o consumo de alimentos e

Os resultados apresentados contemplam o consumo de alimentos e Análise dos resultados Os resultados apresentados contemplam o consumo de alimentos e grupos de alimentos, consumo de nutrientes e ainda algumas análises que combinam nutrientes e grupos de alimentos ou

Leia mais

Utilização de Grandes Bases de Informação na Avaliação do Consumo Alimentar. Regina Mara Fisberg Profª Associada Depto de Nutrição - USP

Utilização de Grandes Bases de Informação na Avaliação do Consumo Alimentar. Regina Mara Fisberg Profª Associada Depto de Nutrição - USP Utilização de Grandes Bases de Informação na Avaliação do Consumo Alimentar Regina Mara Fisberg Profª Associada Depto de Nutrição - USP Agenda 1. Métodos de inquéritos 2. Inquérito de Saúde de São Paulo

Leia mais

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão.

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão. Nutrição na Infância e Adolescência A alimentação e a nutrição constituem requisitos básicos para a promoção e a proteção da saúde, possibilitando a afirmação plena do potencial de crescimento e desenvolvimento

Leia mais

O LANCHE EM ESCOLAS PARTICULARES E SUA RELAÇÃO COM AS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE ALUNOS DE 6ª SÉRIE.

O LANCHE EM ESCOLAS PARTICULARES E SUA RELAÇÃO COM AS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE ALUNOS DE 6ª SÉRIE. O LANCHE EM ESCOLAS PARTICULARES E SUA RELAÇÃO COM AS AULAS Bruno da Silva Freire Carlos Vinícius da Silva Fonseca Diogo José dos Santos Ferreira DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE ALUNOS DE 6ª SÉRIE. RESUMO O estudo

Leia mais

PROJETO: HÁBITOS ALIMENTARES EM NOSSA ESCOLA

PROJETO: HÁBITOS ALIMENTARES EM NOSSA ESCOLA PREFEITURA MUNICIPAL DE SOBRAL ESCOLA CORONEL ARAÚJO CHAVES PROJETO: HÁBITOS ALIMENTARES EM NOSSA ESCOLA Prof. Francisco Junielison Correia Lopes (Educação Física) Colaboração: Prof. Gleidson Mendes Melo

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: ÁREA TEMÁTICA: INTRODUÇÃO

TÍTULO: AUTORES: ÁREA TEMÁTICA: INTRODUÇÃO TÍTULO: IMPORTÂNCIA DO ESTUDANTE DE NUTRIÇÃO NA ATUAÇÃO DE TRABALHOS DE EXTENSÃO NA POPULAÇÃO DE RECRUTADOS AO EXÉRCITO NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA M.G. AUTORES: Patrícia Aparecida Fontes - Bolsista do PIBIC/CNPq

Leia mais

ANÁLISE DAS LANCHEIRAS DE PRÉ-ESCOLARES¹ BOEIRA,

ANÁLISE DAS LANCHEIRAS DE PRÉ-ESCOLARES¹ BOEIRA, ANÁLISE DAS LANCHEIRAS DE PRÉ-ESCOLARES¹ BOEIRA, Giana²; GÖRSKI, Bruna²; PAZ, Fabiane²; ORSOLIN, Giulianna²; ROSA, Izabel²; TONETTO, Priscila²; SACCOL, Ana Lúcia de Freitas² ¹ Trabalho desenvolvido durante

Leia mais

A influência do desjejum no peso corporal de crianças e adolescentes

A influência do desjejum no peso corporal de crianças e adolescentes A influência do desjejum no peso corporal de crianças e adolescentes Carolline Kindlemann De Oliveira Pinto 1 Sabrina Davet Bernardi 2 Edilceia Domingues do Amaral Ravazzani 3 RESUMO O presente estudo

Leia mais

Prevalência da inadequação nutricional em crianças portuguesas. Maria Ana Carvalho Universidade Atlântica

Prevalência da inadequação nutricional em crianças portuguesas. Maria Ana Carvalho Universidade Atlântica Prevalência da inadequação nutricional em crianças portuguesas Maria Ana Carvalho Universidade Atlântica Infância A infância representa um período que compreende modificações importantes: Crescimento do

Leia mais

Diversificando as opções de um café da manhã equilibrado

Diversificando as opções de um café da manhã equilibrado Diversificando as opções de um café da manhã equilibrado Café da manhã fundamental para começar bem o dia Diversos estudos comprovam a importância do café da manhã no contexto de uma alimentação saudável,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL As prevalências de sobrepeso e obesidade cresceram de maneira importante nos últimos 30 anos. A importância que a obesidade vem assumindo no Brasil não pode ser ignorada

Leia mais

A alimentação do escolar. Prof.Dr. Mauro Fisberg. Centro de Atendimento e Apoio ao Adolescente UNIFESP NUTROCIÊNCIA

A alimentação do escolar. Prof.Dr. Mauro Fisberg. Centro de Atendimento e Apoio ao Adolescente UNIFESP NUTROCIÊNCIA A alimentação do escolar Prof.Dr. Mauro Fisberg Centro de Atendimento e Apoio ao Adolescente UNIFESP NUTROCIÊNCIA Conflitos de interesse Conferencista em eventos Abbott, Danone, Sadia, Nestlé, Sanofi,

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL E HÁBITOS ALIMENTARES DE ADOLESCENTES DE ESCOLA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE GUARANIAÇU-PR.

ESTADO NUTRICIONAL E HÁBITOS ALIMENTARES DE ADOLESCENTES DE ESCOLA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE GUARANIAÇU-PR. 1 ESTADO NUTRICIONAL E HÁBITOS ALIMENTARES DE ADOLESCENTES DE ESCOLA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE GUARANIAÇU-PR. ROSSET, Francieli Lieber 1 SILVA, Rosangela da 2 RESUMO OBJETIVOS: Avaliar o estado nutricional

Leia mais

Trabalho elaborado por: 5/29/2007 USF Valongo. Enf. Anabela Queirós

Trabalho elaborado por: 5/29/2007 USF Valongo. Enf. Anabela Queirós Trabalho elaborado por: Enf. Anabela Queirós O que é a diabetes? Uma doença que dura toda vida Provocada pela ausência ou perda de eficácia da insulina; Provoca a subida de açúcar no sangue A diabetes

Leia mais

Sugestões de Lanches para intervalo entre as principais refeições

Sugestões de Lanches para intervalo entre as principais refeições Sugestões de Lanches para intervalo entre as principais refeições Quando se está em processo de emagrecimento procurar evitar os seguintes produtos: doces, frituras, refrigerantes, sucos artificiais, biscoitos

Leia mais

American Dietetic Association

American Dietetic Association É um método sistemático para resolução de problemas que os profissionais de nutrição empregam para pensar de modo crítico e tomar decisões para resolver problemas nutricionais e prestar assistência nutricional

Leia mais

Atuação do Nutricionista no Desenvolvimento de Produtos Mais Saudáveis

Atuação do Nutricionista no Desenvolvimento de Produtos Mais Saudáveis Atuação do Nutricionista no Desenvolvimento de Produtos Mais Saudáveis Elizabeth Vargas Nutricionista Unilever America Latina Seminário Tecnológico de Nutrição, Saudabilidade e Meio Ambiente Junho 2014

Leia mais

Palavras chave: adolescentes, alimentação, biologia, ensino, PIBID.

Palavras chave: adolescentes, alimentação, biologia, ensino, PIBID. ANÁLISE E AMOSTRAGEM DA QUANTIDADE DE CARBOIDRATO, SÓDIO E GORDURAS DOS PRINCIPAIS ALIMENTOS CONSUMIDOS POR ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE BETIM EM MINAS GERAIS, POR BOLSISTAS DO PIBID.

Leia mais

ANÁLISE DOS INQUÉRITOS SOBRE OS HÁBITOS ALIMENTARES

ANÁLISE DOS INQUÉRITOS SOBRE OS HÁBITOS ALIMENTARES ANÁLISE DOS INQUÉRITOS SOBRE OS HÁBITOS ALIMENTARES Os inquéritos foram realizados junto de alunos do 6º ano da Escola EB 2,3 de Matosinhos, durante o mês de Novembro de 24. Responderam ao inquérito 63

Leia mais

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL ISABEL MARQUES DIETISTA DO SERVIÇO DE ALIMENTAÇÃO E DIETÉTICA DO CHTV, E.P.E. 30 DE NOVEMBRO DE 2011

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL ISABEL MARQUES DIETISTA DO SERVIÇO DE ALIMENTAÇÃO E DIETÉTICA DO CHTV, E.P.E. 30 DE NOVEMBRO DE 2011 ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL ISABEL MARQUES DIETISTA DO SERVIÇO DE ALIMENTAÇÃO E DIETÉTICA DO CHTV, E.P.E. 30 DE NOVEMBRO DE 2011 ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Uma alimentação equilibrada proporciona uma quantidade correcta

Leia mais

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade I: BRASILEIRA 0 Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA O Guia Alimentar é um instrumento que define as diretrizes alimentares a serem utilizadas

Leia mais

ALIMENTAÇÃO - O QUE DEVE SER EVITADO - O QUE DEVE SER CONSUMIDO

ALIMENTAÇÃO - O QUE DEVE SER EVITADO - O QUE DEVE SER CONSUMIDO ALIMENTAÇÃO - O QUE DEVE SER EVITADO - O QUE DEVE SER CONSUMIDO Lucia B. Jaloretto Barreiro Qualidade de Vida=Saúde=Equilíbrio Qualidade de Vida é mais do que ter uma boa saúde física ou mental. É estar

Leia mais

Guia. Nutricional. para gestantes

Guia. Nutricional. para gestantes Referências bibliográficas consultadas: 1. Committee on Nutritional Status During Pregnancy and Lactation, Institute of Medicine. Nutrition During Pregnancy: Part I: Weight Gain, Part II: Nutrient Supplements.

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIV OS:

JUSTIFICATIVA OBJETIV OS: JUSTIFICATIVA Para termos um corpo e uma mente saudável, devemos ter uma alimentação rica em frutas, verduras, legumes, carnes, cereais, vitaminas e proteínas. Sendo a escola um espaço para a promoção

Leia mais

Nível socioeconômico e sua influência sobre o consumo da merenda escolar de estudantes atendidos pelo PNAE de uma escola pública de Patos de Minas

Nível socioeconômico e sua influência sobre o consumo da merenda escolar de estudantes atendidos pelo PNAE de uma escola pública de Patos de Minas Revista Mineira de Ciências da Saúde Patos de Minas: UNIPAM, (1): 12-19, ano 1, n. 1, 2009 Nível socioeconômico e sua influência sobre o consumo da merenda escolar de estudantes atendidos pelo PNAE de

Leia mais

PERFIL ALIMENTAR E ANTROPOMÉTICO DE CRIANÇAS EM IDADE PRÉ-ESCOLAR XIII INIC / IX EPG - UNIVAP 2009

PERFIL ALIMENTAR E ANTROPOMÉTICO DE CRIANÇAS EM IDADE PRÉ-ESCOLAR XIII INIC / IX EPG - UNIVAP 2009 PERFIL ALIMENTAR E ANTROPOMÉTICO DE CRIANÇAS EM IDADE PRÉ-ESCOLAR XIII INIC / IX EPG - UNIVAP 2009 Érica Cristina Moreira Guimarães 1, Marlene Maria Amaral Scheid 2 1 Faculdade de Ciências da Saúde,Universidade

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DA SAÚDE

FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DA SAÚDE União Metropolitana de Educação e Cultura Faculdade: Curso: NUTRIÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DA SAÚDE Disciplina: INTRODUÇÃO A NUTRIÇÃO Carga horária: Teórica 40 Prática 40 Semestre: 1 Turno:

Leia mais

A Alimentação e a Saúde do Escolar

A Alimentação e a Saúde do Escolar 4 A Alimentação e a Saúde do Escolar Jaqueline Girnos Sonati Doutoranda da Faculdade de Educação Física FEF UNICAMP A saúde da criança e do adolescente depende, dentre outros fatores, de uma alimentação

Leia mais

CONSUMO DE ALIMENTOS INDUSTRIALIZADOS EM CRIANÇAS DE UNIDADE ESCOLAR PÚBLICA DA CIDADE DE JACARACI-BA

CONSUMO DE ALIMENTOS INDUSTRIALIZADOS EM CRIANÇAS DE UNIDADE ESCOLAR PÚBLICA DA CIDADE DE JACARACI-BA CONSUMO DE ALIMENTOS INDUSTRIALIZADOS EM CRIANÇAS DE UNIDADE ESCOLAR PÚBLICA DA CIDADE DE JACARACI-BA Andressa Guerra Domingues* Adriana da Silva Miranda** Renata Ferreira Santana*** RESUMO O alimento

Leia mais

Manual de Rotulagem de Alimentos

Manual de Rotulagem de Alimentos Manual de Rotulagem de Alimentos Agosto 2013 Programa Mesa Brasil Sesc O Mesa Brasil Sesc é um programa de segurança alimentar e nutricional sustentável, que redistribui alimentos excedentes próprios para

Leia mais

PESQUISA SOBRE HÁBITOS ALIMENTARES NA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL ANDRÉ VIDAL DE NEGREIROS EM CUITÉ-PB.

PESQUISA SOBRE HÁBITOS ALIMENTARES NA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL ANDRÉ VIDAL DE NEGREIROS EM CUITÉ-PB. 1 PESQUISA SOBRE HÁBITOS ALIMENTARES NA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL ANDRÉ VIDAL DE NEGREIROS EM CUITÉ-PB. ¹Thatiany de Sousa Pereira; ¹ Sebastião Ângelo da Silva; ¹Adeilma Fernandes de Sousa

Leia mais

Promoção do Consumo de Frutas, Legumes e Verduras: O Programa 5 ao Dia

Promoção do Consumo de Frutas, Legumes e Verduras: O Programa 5 ao Dia Promoção do Consumo de Frutas, Legumes e Verduras: O Programa 5 ao Dia Promoção do Consumo de Frutas, Legumes e Verduras: O Programa 5 ao Dia Melhorar a qualidade de vida é o principal objetivo das estratégias

Leia mais

Instrumento imagético para orientação nutricional

Instrumento imagético para orientação nutricional UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO FLÁVIA GONÇALVES MICALI ROSA WANDA DIEZ GARCIA Instrumento imagético para orientação nutricional Ribeirão Preto 2014 FLÁVIA GONÇALVES MICALI

Leia mais

DICAS PARA PAIS E FILHOS

DICAS PARA PAIS E FILHOS DICAS PARA PAIS E FILHOS Orientações práticas para Crianças e Adolescentes com Sobrepeso ou Obesidade APRESENTAÇÃO Este trabalho foi desenvolvido pelas alunas Charlene Lopes, Elisangela de Paula Silva

Leia mais

USO DE FERRAMENTAS DE ENTRETENIMENTO POR ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO E A SUA INFLUÊNCIA NO COMPORTAMENTO ALIMENTAR DESTE GRUPO

USO DE FERRAMENTAS DE ENTRETENIMENTO POR ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO E A SUA INFLUÊNCIA NO COMPORTAMENTO ALIMENTAR DESTE GRUPO USO DE FERRAMENTAS DE ENTRETENIMENTO POR ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO E A SUA INFLUÊNCIA NO COMPORTAMENTO ALIMENTAR DESTE GRUPO Douglas da Silva Pereira ¹, Dayana Figueiredo Abdalla ², Poliana Cristina Mendonça

Leia mais

PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA

PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA COLÉGIO MILITAR DE BELO HORIZONTE CONCURSO DE ADMISSÃO / 2007 PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL CONFERÊNCIA: Chefe da Subcomissão de Língua Portuguesa Chefe da COC Dir Ens CPOR

Leia mais

Nutrição Infantil. Paula Veloso / Nutricionista

Nutrição Infantil. Paula Veloso / Nutricionista Nutrição Infantil Paula Veloso / Nutricionista Relação alimentação/saúde é para toda a vida! A mulher grávida preocupa-se com a alimentação. Relação alimentação/saúde é para toda a vida! Os pais preocupam-se

Leia mais

Apresentação. O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos

Apresentação. O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos Valor Energético É a energia produzida pelo nosso corpo proveniente dos carboidratos, proteínas e gorduras totais. Na rotulagem

Leia mais

II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES

II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES Orientações básicas de nutrição para o autocuidado em DM Maria Palmira C. Romero Nutricionista Marisa Sacramento

Leia mais

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista Secretaria de Estado da Saúde - SESAU Superintendência de Assistência em Saúde SUAS Diretoria de Atenção Básica - DAB Gerência do Núcleo do Programa Saúde e Nutrição Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ESCOLARES E A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NO CONSUMO DE ALIMENTOS

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ESCOLARES E A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NO CONSUMO DE ALIMENTOS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ESCOLARES E A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NO CONSUMO DE ALIMENTOS CARNEIRO, Alessandra Rosa de Araújo ARAÚJO, Ana Cristina Tomaz (UNITRI) anacrisnutricao@yahoo.com.br RESUMO: Introdução:

Leia mais

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA ÂNGELA MENDONÇA LIGA DE DIABETES A intervenção nutricional pode melhorar o controle glicêmico. Redução de 1.0 a 2.0% nos níveis de hemoglobina

Leia mais

Alimentação e Hidratação para a prática de Atividade Física

Alimentação e Hidratação para a prática de Atividade Física LAHOR CLÍNICA MÉDICA Tatiana Oliveira Nutricionista - CRN 7508 Rua Mário Amaral, 267 - Paraíso - SP Tel/Fax: (11) 3884-7127 Tel: (11) 3051-5554 Alimentação e Hidratação para a prática de Atividade Física

Leia mais

A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OBESIDADE INFANTIL?

A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OBESIDADE INFANTIL? ISBN 78-8-6101-0-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 7 a 30 de outubro de 00 A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OBESIDADE INFANTIL? Crislayne Teodoro Vasques 1 ; Rita de Cassia Felix

Leia mais

OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR

OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR Pró-Reitoria de Graduação Educação Física Trabalho de Conclusão de Curso II OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR Autora: Damielle J. Costa Orientador: Prof. Dr. Ricardo Bernardo Mayolino Brasília - DF 2011 OBESIDADE

Leia mais

Como podemos escolher os alimentos para crescer de forma saudável?

Como podemos escolher os alimentos para crescer de forma saudável? 1. Introdução A vida começa com a alimentação, e esta desempenha uma influência determinante no desenvolvimento emocional, mental, físico e social de cada um. A alimentação consiste em obter do ambiente

Leia mais

PERFIL DA IMAGEM CORPORAL DO ADOLESCENTE EXPRESSO POR MEIO DE UMA REVISTA DE GRANDE CIRCULAÇÃO NACIONAL

PERFIL DA IMAGEM CORPORAL DO ADOLESCENTE EXPRESSO POR MEIO DE UMA REVISTA DE GRANDE CIRCULAÇÃO NACIONAL PERFIL DA IMAGEM CORPORAL DO ADOLESCENTE EXPRESSO POR MEIO DE UMA REVISTA DE GRANDE CIRCULAÇÃO NACIONAL INTRODUÇÃO CAROLINA MONTES DURÕES DE SOUZA 2 MARIA FERNADA LARCHER DE ALMEIDA 2 JANE DE CARLOS SANTANA

Leia mais

BEM NUTRIDO: UM NOVO CONCEITO DE ALIMENTAÇÃO PARA O CENÁRIO BRASILEIRO ATUAL

BEM NUTRIDO: UM NOVO CONCEITO DE ALIMENTAÇÃO PARA O CENÁRIO BRASILEIRO ATUAL BEM NUTRIDO: UM NOVO CONCEITO DE ALIMENTAÇÃO PARA O CENÁRIO BRASILEIRO ATUAL Autora: Luísa Arantes Vilela Coautora: Juliana de Oliveira Abrahão O excesso de peso e a obesidade aumentam continuamente ao

Leia mais

A ROTULAGEM DE ALIMENTOS PROMOVENDO O CONTROLE SANITÁRIO E A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

A ROTULAGEM DE ALIMENTOS PROMOVENDO O CONTROLE SANITÁRIO E A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Prefeitura Municipal do Natal Secretaria Municipal de Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Setor de Vigilância Sanitária Distrito Sanitário Oeste Núcleo de Vigilância Sanitária A ROTULAGEM DE ALIMENTOS

Leia mais

O PAPEL DO EDUCADOR NA PROMOÇÃO DE AÇÕES EDUCATIVAS QUE ESTIMULEM A ACEITAÇÃO DOS CARDÁPIOS OFERECIDOS AOS ALUNOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DO EDUCADOR NA PROMOÇÃO DE AÇÕES EDUCATIVAS QUE ESTIMULEM A ACEITAÇÃO DOS CARDÁPIOS OFERECIDOS AOS ALUNOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL O PAPEL DO EDUCADOR NA PROMOÇÃO DE AÇÕES EDUCATIVAS QUE ESTIMULEM A ACEITAÇÃO DOS CARDÁPIOS OFERECIDOS AOS ALUNOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Autoras: ROSANA MONTEIRO, REGINA DE LIMA SILVA E REJANE DE LIMA SILVA

Leia mais

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas Ministério da Saúde Abril de 2014 VIGITEL 2014 Medir a prevalência de fatores de risco e proteção para doenças não transmissíveis na população brasileira Subsidiar ações de promoção da saúde e prevenção

Leia mais

EDUCAÇÃO ALIMENTAR PARA CRIANÇAS FREQÜENTADORAS DA CLÍNICA DE EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE (CEPS)

EDUCAÇÃO ALIMENTAR PARA CRIANÇAS FREQÜENTADORAS DA CLÍNICA DE EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE (CEPS) EDUCAÇÃO ALIMENTAR PARA CRIANÇAS FREQÜENTADORAS DA CLÍNICA DE EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE (CEPS) GRAZIELA MARIA GORLA CAMPIOLO DOS SANTOS 1 LUCIEVELYN MARRONE¹ LUISA DE ALBUQUERQUE PHILIPPSEN 2 LARA RIBEIRO

Leia mais

Uma Boa alimentação e sua relação com a dor, humor e. outros sintomas

Uma Boa alimentação e sua relação com a dor, humor e. outros sintomas Uma Boa alimentação e sua relação com a dor, humor e outros sintomas Nutricionista Camila Costa Unidade de Reabilitação Cardiovascular e Fisiologia do Exercício InCor/FMUSP Será que o que você come influencia

Leia mais

10 PASSOS PARA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

10 PASSOS PARA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL 10 PASSOS PARA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Secretaria de Saúde do Estado do Tocantins Gerência de Alimentação e Nutrição E-mail: nutricao@saude.to.gov.br (63) 3218 1789 Terezinha Franco Nutricionista ALIMENTAÇÃO

Leia mais

ENVELHECER COM SABEDORIA Alimente-se melhor para Manter a sua Saúde e Independência

ENVELHECER COM SABEDORIA Alimente-se melhor para Manter a sua Saúde e Independência ENVELHECER COM SABEDORIA Alimente-se melhor para Manter a sua Saúde e Independência 1. ALIMENTE-SE MELHOR Prevê-se que em 2025 1, só na Europa, o grupo etário mais idoso (acima dos 80 anos), passe de 21,4

Leia mais

Os + Crescidos também gos tam de saber +

Os + Crescidos também gos tam de saber + Os + Crescidos também gos tam de saber + Compilação de textos da secção + crescidos da revista de Festa do Leite Mimosa Documento para Pais e Encarregados de Educação Dar prioridade ao que é mais importante

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ SCHUINDT, P. S; ANDRADE, A. H. G. RESUMO A grande incidência de desnutrição hospitalar enfatiza a necessidade de estudos sobre

Leia mais

Algumas dicas que podem facilitar o preparo do lanche escolar e torná-lo mais saudável: O que não posso colocar no lanche?

Algumas dicas que podem facilitar o preparo do lanche escolar e torná-lo mais saudável: O que não posso colocar no lanche? ALIMENTAÇÃO ESCOLAR Durante o período pré-escolar e escolar, as crianças passam por uma mudança importante de padrão alimentar. Nesta fase, já participam das atividades familiares como também das refeições

Leia mais

Quem come bem vive melhor. Hábitos alimentares

Quem come bem vive melhor. Hábitos alimentares Quem come bem vive melhor. Hábitos alimentares HÁBITOS ALIMENTARES Hoje, em virtude da vida agitada, trabalho, estudo, família e outras inúmeras responsabilidades, todos ficam vulneráveis às doenças causadas

Leia mais

Projeto Curricular de Escola

Projeto Curricular de Escola Projeto Curricular de Escola QUADRIÉNIO 2014-2018 Somos aquilo que comemos. Hipócrates Cooperativa de Ensino A Colmeia 2 Índice Introdução... 4 Identificação do Problema... 5 Objetivos... 6 Estratégias/Atividades...

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE CÁLCIO EM

AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE CÁLCIO EM AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE CÁLCIO EM MULHERES SAUDÁVEIS* Aline Cristina Belarmino** Camila Gravena** Debora Fabiane Pomponio** Ana Carolina Carneiro*** Introdução De todos os minerais do organismo, o cálcio

Leia mais

ACEITABILIDADE E QUALIDADE DA MERENDA ESCOLAR: UM ESTUDO DE CASO

ACEITABILIDADE E QUALIDADE DA MERENDA ESCOLAR: UM ESTUDO DE CASO ACEITABILIDADE E QUALIDADE DA MERENDA ESCOLAR: UM ESTUDO DE CASO Patrícia Santiago Vieira UFG/GO Ivna Custódio de Moraes UFG/GO Jeannie Carolina Pizarro UFG/GO Marcela Araújo Parreira UFG/GO RESUMO Neste

Leia mais

RESUMOS SIMPLES...156

RESUMOS SIMPLES...156 155 RESUMOS SIMPLES...156 156 RESUMOS SIMPLES CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 159 CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 157 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 159 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 157 GARCIA JUNIOR, JAIR RODRIGUES...

Leia mais

Nutrição. Diana e Silva, Marta Rola

Nutrição. Diana e Silva, Marta Rola Outras dimensões Nutrição Diana e Silva, Marta Rola Hospital Pediátrico Integrado/ Centro Hospitalar São João Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto Suporte Nutricional

Leia mais

Proteger nosso. Futuro

Proteger nosso. Futuro Proteger nosso Futuro A Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) é uma entidade sem fins lucrativos criada em 1943, tendo como objetivo unir a classe médica especializada em cardiologia para o planejamento

Leia mais

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição.

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Projeto Ação Social Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Objetivo Geral: A equipe de Nutrição teve por objetivo atender aos pacientes

Leia mais

S II 3º E 4º ANO DO ENSINO BÁSICO

S II 3º E 4º ANO DO ENSINO BÁSICO S II 3º E 4º ANO DO Tema 4 O Brócoli à Descoberta do Mundo dos Alimentos Os alimentos na terra do faraó S II Objetivos: Após o desenvolvimento das atividades propostas para o Tema 4, as crianças deverão

Leia mais

Regulamentação do marketing de alimentos: uma questão de saúde pública

Regulamentação do marketing de alimentos: uma questão de saúde pública Audiência Pública P 18 de novembro de 2009 Regulamentação do marketing de alimentos: uma questão de saúde pública Maria José Delgado Fagundes Gerente Geral - /ANVISA Perfil Epidemiológico Brasileiro Atual:

Leia mais

O Programa Municipal de Nutrição, implantado em 07/04/2006, tem como. objetivo principal investir em ações de educação nutricional, promovendo

O Programa Municipal de Nutrição, implantado em 07/04/2006, tem como. objetivo principal investir em ações de educação nutricional, promovendo Secretaria Municipal de Saúde de São José dos Campos - SP Departamento de Políticas de Saúde Programa Municipal de Nutrição Atividades desenvolvidas em 2006 e 2007 O Programa Municipal de Nutrição, implantado

Leia mais