A SAÚDE DO TRATO DIGESTIVO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A SAÚDE DO TRATO DIGESTIVO"

Transcrição

1 A SAÚDE DO TRATO DIGESTIVO Constipação, indigestão, aerofagia, flatulência e outros, não são assuntos comumente discutidos e ainda menos agradáveis para quem sofre desses problemas. Até pouco tempo atrás, a saúde digestiva não era uma fonte de preocupação para as pessoas. Contudo, a realização de diversos estudos que comprovam que a função digestiva é uma condição prévia para uma boa saúde global, especialmente interligada ao sistema imune, mudou esta visão. Batuque Dreamstime 62

2 Introdução De acordo com informações levantadas pela National Digestive Diseases Information Clearinghouse - NDDIC, os distúrbios do trato digestivo, incluindo a síndrome do intestino irritável (em inglês, Irritable Bowel Syndroma, IBS) e úlceras, afetam entre 60 e 70 milhões de pessoas nos Estados Unidos. Por isto, o mercado de remédios para o trato digestivo tem crescido de forma acelerada. Estilos de vida estressantes e hábitos alimentares pobres têm contribuído para o desenvolvimento de problemas digestivos, desde a indigestão ocasional até doença digestiva grave. O sistema digestivo pode ser considerado como sendo a porta de entrada do organismo e problemas com o seu funcionamento podem repercutir por todo o corpo. Uma diminuição do ácido gástrico, por exemplo, pode promover o desenvolvimento de um ambiente favorável para a proliferação de patógenos oportunistas, como Helicobater pylori (causa de algumas úlceras gástricas e duodenais) ou Clostridium difficile (responsável por diarréias agudas); inversamente, uma superabundância de ácido gástrico pode conduzir a doença de refluxo gastro-esofágico - DRGE (Gastro Esophageal Reflux Disease - GERD). O trânsito intestinal lento também se tornou uma fonte de real desconforto para grande parte da população, com conseqüências físicas e fisiológicas que não podem ser subestimadas. Um resultado comum de um trânsito intestinal lento é a constipação. Só nos Estados Unidos estima-se que a constipação é motivo de dois milhões de visitas ao médico, por ano. Ademais, muitas pessoas recorrem a automedicação, sem passar por consulta médica, como comprovam os US$ 725 milhões gastos pelos americanos, anualmente, em laxativos. Enfim, a digestão incompleta dos alimentos pode não somente causar SÍNDROME DO INTESTINO IRRITÁVEL - SII A síndrome do intestino irritável é um distúrbio intestinal funcional comum caracterizado por desconforto abdominal recorrente e função intestinal anormal. O desconforto freqüentemente se inicia após a alimentação e desaparece após a evacuação. Os sintomas podem incluir cólicas, náuseas, distensão abdominal, gases, constipação, diarréia e uma sensação de evacuação incompleta. Pode estar associado a graus variados de depressão ou ansiedade. Estudos demonstram que cerca de 20% das pessoas apresentam a síndrome em algum momento de sua vida, predominando entre as mulheres, principalmente jovens. Já foi conhecida como indigestão, diarréia nervosa, colite espástica, colite nervosa e neurose intestinal. Não existem anormalidades estruturais como infecção ou úlceras, por isso é chamada de funcional, e não evolui para qualquer tipo de doença orgânica ao longo da vida. esses distúrbios menores como, também, levar a doenças mais graves. Se grandes moléculas de alimento não digeridas completamente atravessam a parede intestinal, elas podem gerar uma resposta do sistema imune que pode eventualmente levar a uma desordem na auto-imunização. A digestão inadequada também pode impedir que importantes nutrientes sejam absorvidos pelo organismo. Além disso, existem especulações de que a digestão incompleta de proteínas pode causar o desenvolvimento de alguns tipos de cânceres. O sistema digestivo A digestão é o conjunto das transformações, mecânicas e químicas, que os alimentos orgânicos sofrem ao longo do sistema digestivo, para se converterem em compostos menores hidrossolúveis e absorvíveis. O processo digestivo é realizado por enzimas e os principais nutrientes DOENÇA DO REFLUXO GÁSTRO- ESOFÁGICO DRGE Ocasionalmente pode-se sentir, geralmente depois de uma refeição abundante ou com muita gordura, o refluxo do ácido do estômago para o esôfago, o que nos dá uma sensação de queimadura, de ardor, de azedo, que pode ir do estômago até à garganta. Esse refluxo esporádico, ocasional, do conteúdo do estômago (ácido clorídrico, pepsina, bílis etc.) é considerado normal, mas pode tornar-se incomodativo, anormal, transformar-se numa doença e necessitar de tratamento. A DRGE é a afecção mais freqüente do esôfago e uma das doenças mais freqüentes do aparelho digestivo, embora só tenha sido melhor conhecida nos últimos anos. O sintoma mais freqüente é a sensação de queimadura por detrás do externo (a palavra pirose que os médicos utilizam, para traduzir essa sensação, deriva do grego pyrosis que significa ação de queimar). A regurgitação do conteúdo do estômago para o esôfago é quase sempre uma sensação evidente, que acompanha a sensação de queimadura. A DRGE pode causar outros sintomas além da sensação de queimadura e da regurgitação, como dor no epigastro ou no tórax. Com alguma freqüência a DRGE manifesta-se com sintomas da orofaringe ou sintomas respiratórios: ardor, sensação desagradável na garganta, rouquidão, tosse, asma. Em alguns casos, se houver aperto do esôfago, pode haver dificuldade na passagem dos alimentos para o estômago (disfagia) ou essa passagem ser dolorosa (odinofagia). 63

3 obtidos são os ácidos graxos, aminoácidos, glicose, frutose e glicerol. O sistema digestivo é constituído pelo tubo digestório e pelas glândulas anexas (salivares, fígado e pâncreas). Já o aparelho digestório é formado por boca, faringe, esôfago, estômago e intestino. Na boca, há a presença da língua e dos dentes, que têm a função de triturar os alimentos para facilitar a sua posterior digestão. A digestão química por ação de enzimas (ptialina) tem início na boca. Os alimentos impulsionados pela língua seguem para a faringe e em seguida para o esôfago, que têm paredes musculares cujas contrações resultam nos movimentos peristálticos, os quais permitem aos alimentos movimentar-se em direção ao estômago. A passagem dos alimentos do esôfago para o estômago ocorre através da válvula cárdia, que tem a função de impedir o refluxo do alimento para o esôfago durante as contrações estomacais. Os alimentos no estômago sofrem a ação do suco gástrico (composto por muco, enzima pepsina e ácido clorídrico), formando-se o bolo alimentar ou quimo. Do estômago, o alimento segue para o intestino, passando pela válvula piloro que, como a cárdia, impede o seu fluxo. Os alimentos sofrem ação do suco pancreático, do suco entérico e da bile, no intestino. A ação da bile e dos sucos ocorre no duodeno (intestino delgado), onde se completa a digestão. Os nutrientes produzidos são absorvidos pela parede intestinal. Os restos vão para o intestino grosso; no final dele chegam, sob forma de fezes, ao meio externo, através do ânus. A digestão dos carboidratos tem início na boca quando o alimento sofre a ação da α-amilase. O pâncreas, responsável pela excreção de várias substâncias importantes para a digestão, que são lançadas no duodeno através do canal de Wirsung, sintetiza enzimas que facilitam a digestão luminal. A α-amilase pancreática atua sobre as moléculas de maltose, maltotriose e dextrinas. As dissacarídases e trissacarídases são responsáveis pela digestão dos dissacarídeos. A sucrase e lactase são encontradas em maior concentração no jejuno, enquanto a maltase é mais abundante no íleo. No estômago, o ácido clorídrico desnatura proteínas na intenção de expor as ligações peptídicas à posterior ação das enzimas, como pepsina e lipase. A digestão das proteínas necessita da presença de diferentes enzimas pancreáticas lançadas na forma de pró-enzimas e ativadas no lúmen intestinal. Entre elas, destacamse as peptidases, incluindo a tripsina, quimotripsina e carbopeptidases A e B. O produto restante da digestão enzimática das proteínas divide-se em aminoácidos (40%) e oligopeptídeos (60%). A digestão lipídica é mais complicada pela natureza hidrofóbica das Eti Swinford Dreamstime moléculas de triglicérides de cadeia longa (TCL). Para que ocorra a interação com enzimas intraluminais, os lípides são primeiramente submetidos ao processo de emulsificação iniciado pela atividade trituradora do antro gástrico. No duodeno, substâncias como a lipase e a colipase, ligam-se à superfície das partículas emulsificadas e hidrolisam as ligações éster de triglicérides. Este processo exige a ação detergente de ácidos biliares conjugados produzidos no fígado. Os ácidos graxos produzidos são incorporados em micelas, podendo se mover por meio do quimo até a superfície mucosa para que ocorra absorção. Os triglicérides de cadeia média (TCM) são menos hidrofóbicos e apresentam maior superfície para a hidrólise intraluminal. São mais rapidamente hidrolisados e melhor absorvidos. Os ácidos graxos de seis a 10 carbonos resultantes da hidrólise apresentam grande solubilidade em água, não necessitando da presença da bile. A presença de enzimas pancreáticas não é essencial, já que aproximadamente 30% do TCM é absorvido de forma intacta. A absorção dos nutrientes, ou seja, carboidratos, proteínas e gorduras, ocorre através da passagem do alimento pelo intestino delgado. Os carboidratos são absorvidos como monossacarídeos em sítios adjacentes à borda em escova. A galactose e a glicose são absorvidas por transporte ativo, e frutose é absorvida por meio de difusão facilitada, processo este não dependente de energia. A glicose é transportada por uma proteína carreadora de membrana contra o gradiente de concentração. As proteínas são absorvidas como pequenos peptídeos (jejuno e íleo) e aminoácidos (primariamente no íleo), sendo mais efetivo o transporte para os dipeptídeos. No enterócito, os peptídeos são novamente hidrolisados a aminoácidos livres. Existem mecanismos carreadores específicos para grupos de aminoácidos que 64

4 dividem características químicas semelhantes. A gordura é absorvida predominantemente no duodeno e jejuno proximal por meio de eficiente mecanismo de difusão passiva. A proteína carreadora de ácidos graxos encontrada nos vilos auxilia o transporte destes para o retículo endoplasmático do enterócito para a re-esterificação. O transporte de triglicérides de cadeia longa (TCL) ocorre por meio dos vasos linfáticos, enquanto o dos triglicérides de cadeia média (TCM) são transportados diretamente pela veia cava. Esta característica dos TCM assume importância à medida que o fluxo linfático estiver comprometido. Os probióticos e o trato digestivo Há muito tempo os probióticos são reconhecidos na Europa e no Japão como essenciais à boa saúde; nos Estados Unidos, tiveram seus benefícios reconhecidos apenas há alguns anos. As cepas específicas de probióticos podem ajudar a manter um equilíbrio saudável de bactérias essenciais no trato digestivo, onde está situado aproximadamente 70% do sistema imune. As pesquisas mostram que determinados probióticos ajudam a otimizar o funcionamento do sistema imune do organismo e fortalecem suas defesas. Uma população saudável de bactérias normais no intestino ajuda a reduzir infecções e riscos de doenças através de múltiplos mecanismos. Primeiro, porque ocupando todo o espaço disponível, os organismos normais da flora diminuem a habilidade dos organismos prejudiciais de se locomoverem e colonizarem. Segundo, porque segregam substâncias, como o ácido acético e o ácido láctico, que inibem o crescimento de organismos indesejáveis. A flora intestinal ajuda na simples digestão e na assimilação de nutrientes e, como indicam as pesquisas, assiste na sintetização de várias vitaminas, principalmente a vitamina K, biotina, B12 e outras vitaminas do complexo B. A tendência atual é de suprir o organismo em probióticos através de alimentos, bebidas e suplementos. Uma das fontes mais comumente utilizadas são os iogurtes, cujo consumo tem crescido de forma extraordinária. Para muitos consumidores ainda existe uma grande dúvida: é melhor suprir o organismo em probióticos através de suplementos ou através de alimentos e bebidas? Qual é a quantidade ideal a ser absorvida diariamente? Alguns defendem o uso de suplemento, alegando que é a única maneira do consumidor saber exatamente a quantidade absorvida, porém, existem algumas evidências que os probióticos supridos por fontes alimentícias são mais eficientes, porque os outros componentes dos alimentos ajudam na neutralização do ácido estomacal, permitindo aos probióticos continuarem vivos após a passagem pelo estômago. Recentes pesquisas clínicas sugerem que para proporcionar benefícios ao trato digestivo, é necessário um consumo mínimo diário de um bilhão de unidades formadoras de colônias (UFC) de probióticos. Embora a presença de prebióticos (fonte de alimento dos probióticos) seja variada, a maioria dos especialistas clínicos sugere que um indivíduo consuma dois gramas de prebióticos por dia para obter benefícios no trato digestivo. É importante entender também que diferentes cepas de probióticos têm efeitos diferentes em certos tipos de distúrbios. Por exemplo, estudos mostram que a Bifidobacterium lactis é muito efetiva contra SII (Síndrome do Intestino Irritável) e que a Lactobacillus rhamnosus é útil no tratamento de diarréia em crianças. Infelizmente, existem no mercado muitas fontes de probióticos de baixa qualidade. Não é porque uma embalagem declara que o produto contém probióticos, que o mesmo traz necessariamente algum benefício para a saúde. A palavra probiótico em si não tem nenhum significado, a menos que o produto contenha a cepa adequada, na quantidade adequada (potência), nas condições adequadas (viabilidade) e na formulação adequada. Entre os benefícios à saúde conferidos pelos probióticos estão o controle da microbiota intestinal; estabilização da microbiota intestinal após o uso de antibióticos; promoção da resistência gastrintestinal à colonização por patógenos; diminuição da população de patógenos através da produção de ácidos acético e lático, de bacteriocinas e de outros compostos antimicrobianos; promoção da digestão da lactose em indivíduos intolerantes à lactose; estimulação do sistema imune; alívio da constipação; aumento da absorção de minerais e produção de vitaminas. Embora ainda não comprovados, outros efeitos atribuídos a essas culturas são a diminuição do risco de câncer de cólon e de doença cardiovascular. As fibras alimentares As fibras alimentares constituemse em remanescentes de partes comestíveis de plantas e carboidratos análogos que são resistentes a digestão e absorção no intestino delgado, com fermentação no intestino grosso (American Association of Cereal Chemists, 1999). Essas fibras podem ser divididas em fibras alimentares insolúveis (FAI) ou fibras alimentares solúveis (FAS). As fibras solúveis têm a propriedade de reduzir o índice glicêmico dos alimentos e possuem efeito hipocolesterolêmico. Esse efeito se deve à capacidade de aumentar a excreção de ácidos biliares e à produção de ácidos graxos de cadeia curta que podem inibir a síntese de colesterol no fígado. São alimentos fonte de fibras solúveis: cereais (aveia, cevada, milho, centeio), frutas, leguminosas (feijões, ervilha), hortaliças (cenoura, entre outras). As fibras insolúveis diminuem o 65

5 TABELA 1 - PRINCIPAIS COMPONENTES DA FIBRA DIETÉTICA Classificação Química Substâncias não-glicídicas Polissacarídios não-amido Amido Componente Proteínas Cutina Cera Silício Suberina Lignina Quitina Celulose Hemiceluloses Substâncias pécticas Gomas Mucilagens Polissacarídeos de origem vegetal Polissacarídeos de origem bacteriana Amido resistente tempo de trânsito intestinal, aumentam o bolo fecal e tornam as fezes mais macias, diminuindo a constipação, tendo assim, efeito positivo sobre alguns males como hemorróidas, varizes e diverticulite. Estão presentes principalmente nos cereais (farelo de trigo, alguns cereais matinais, pães integrais), frutas e hortaliças. Alguns componentes dessas fibras são denominados prebióticos, chegando intactos ao intestino grosso, sem ter sofrido nenhum tipo de degradação ou absorção, e lá são metabolizados seletivamente por um número limitado de bactérias denominadas benéficas. Estas são assim chamadas, pois alteram a microbiota do cólon, gerando uma microbiota bacteriana saudável, capaz de induzir efeitos fisiológicos importantes para a saúde. Melhora as funções do intestino grosso por meio de redução de tempo de trânsito, aumento do peso e freqüência das fezes. Pesquisas realizadas nos últimos 25 anos demonstraram que os efeitos das fibras, sobre o trato gastrintestinal, têm importantes conseqüências metabólicas que podem resultar em redução do risco de doenças, como câncer, diabetes mellitus (tipo 2) e doenças cardiovasculares. De fato, a fibra alimentar atua na redução dos níveis de colesterol plasmático e das lipoproteínas de baixa densidade (LDL colesterol), sendo que somente as fibras com alta viscosidade apresentam essa característica. Reduzem a velocidade de esvaziamento gástrico pelo aumento do nível de um hormônio chamado colecistoquinina (CCK), auxiliam numa menor absorção da glicose e das gorduras, pois essa absorção é feita de modo mais lento, sendo associado a um melhor controle glicêmico, em pacientes diabéticos. Os ácidos graxos de cadeia curta (AGCC), produzidos pela fermentação da fibra alimentar no intestino, estão associados à manutenção da mucosa do intestino, sendo um fator de proteção contra o câncer de cólon. Auxiliam também o tratamento da obesidade por aumentar a mastigação e o tempo de ingestão dos alimentos, além de retardar o esvaziamento gástrico, fazendo que a saciedade ocorra mais rapidamente e perdure por períodos mais prolongados. Em prol de tais benefícios, as indústrias alimentícias têm cada vez mais demonstrado maior interesse em oferecer ao consumidor opções enriquecidas com fibras, tornando fácil o acesso a produtos integrais, tais como: pães, biscoitos, bolos, arroz e massas em geral. Tais produtos objetivam facilitar o alcance da recomendação diária de ingestão de fibra que é de 20-30g/dia (OMS, 2003). Veja os componentes da fibra dietética na Tabela 1. A conscientização da importância das fibras na dieta nunca foi tão alta quanto hoje e os consumidores procuram avidamente fibras em todos os alimentos consumidos. A inulina é a mais versátil fonte de fibra, não apenas porque provê benefícios à saúde, mas também por apresentar muito boa aplicabilidade na formulação de produtos, deixando-os completamente inalterados com relação ao gosto e a textura. Estudos demonstram os efeitos positivos da inulina na regulação digestiva, absorção mineral (crescente absorção de cálcio), doenças agudas, como distúrbios do estômago, diarréia e vomito, bem como doenças gastrintestinais crônicas, como câncer de cólon. Novos estudos sobre a doença de Crohn, SII e a contribuição da inulina para a saúde global e bem-estar continuam apresentando resultados positivos. Um ingrediente que está também chamando bastante atenção neste contexto é o amido resistente. Amido resistente é definido como a soma do amido e seus produtos de degradação que não são absorvidos no intestino delgado de indivíduos sadios. Por ser resistente às enzimas digestivas e não ser absorvido no intestino, o amido resistente tem baixo valor calórico e se caracteriza por efeitos fisiológicos semelhantes 66

6 67

7 OS EFEITOS DOS AGCC NO INTESTINO HUMANO Os efeitos dos AGCC são variados. O acetato, principal produto da quebra da pectina, é utilizado por muitos tecidos para a recuperação de energia de carboidratos não digeridos e não absorvidos no intestino delgado. O butirato, cuja maior produção advém da fermentação do amido, ocasiona efeitos diversos sobre o cólon: estímulo ao trofismo da mucosa, fornecimento de 70% da energia utilizada pelos colonócitos, regulação da diferenciação e do crescimento celulares. O propionato está envolvido no metabolismo hepático de lipídeos e de glicose. O butirato é consumido quase completamente pela mucosa colônica, enquanto o acetato e propionato entram na circulação portal, estendendo os efeitos da fibra alimentar além do trato intestinal. Os AGCC são produzidos no cólon numa razão de aproximadamente 60% de acetato, 25% de propionato e 15% de butirato. No entanto, as concentrações podem variar de acordo com a porção do intestino onde ocorre a fermentação da fibra e com o tipo de fibras. Os AGCC modulam a síntese de colesterol com o acetato funcionando como estimulador e o propionato como inibidor. Também melhoram a absorção colônica de cálcio. Os AGCC são absorvidos para o interior da célula colônica por um mecanismo no qual sódio e cloro são carregados para o interior do colonócito e bicarbonato é excretado. Na diarréia, podem haver perdas fecais consideráveis de água, sódio e potássio devido à aceleração exagerada do trânsito intestinal, que dificulta a absorção dos eletrólitos. Portanto, a prevenção da diarréia é importante para a manutenção da saúde e da boa hidratação. ao das fibras alimentares, sendo freqüentemente considerado como tal. Existem basicamente três tipos de amido resistente: Tipo I - Amido fisicamente preso dentro da matriz do alimento. É resistente simplesmente porque as enzimas amilolíticas não têm acesso. Este tipo de amido é afetado amplamente pela mastigação e pelo processamento dos alimentos, como a trituração e a moagem; Tipo II - Amido granular nativo. Sua resistência é dada por sua compactação e estrutura parcialmente cristalina, que pode ser alterada pela gelatinização; Tipo III - Resistência adquirida com a retrogradação, principalmente da amilose. Existem também indicações de resistência em amilopectina retrogradada e em complexos amiloselipídios. O amido resistente do Tipo III pode ser formado através de processamento, por métodos que utilizam teor de umidade alta, cozimento e/ou autoclavagem, podendo ser usado como ingrediente para reduzir o teor calórico, reduzir o índice glicêmico e/ou aumentar o teor de fibras alimentares de alimentos processados. Não há, até o momento, um consenso em relação à inclusão ou não do amido resistente na definição de fibras alimentares. Porém, existem algumas implicações técnicas quanto a isso, pois o método enzimáticogravimétrico atualmente aceito para determinar fibras alimentares não detecta a maior parte do amido resistente presente nos alimentos. Os amidos resistentes naturais produzem mais butirato, um ácido graxo de cadeia curta (AGCC) do que qualquer outra fibra. Os AGCC apresentam múltiplas funções que promovem a saúde no intestino grosso. Uma delas é promover a redução do ph, o que auxilia na redução das bactérias ruins. O produto Natural Hi-maize 5-in1- Fiber, da National Starch Food Innovation, é um exemplo típico de amido resistente natural; essa fibra insolúvel possui mais de 120 estudos nutricionais atestando sua ação benéfica na promoção da saúde intestinal/colônica. O aumento de produção de butirato, via fermentação, é um dos fatores mais importantes pelo fato do butirato ser a fonte de energia preferida pelas células saudáveis do cólon. Diversos estudos mostram o impacto do butirato no intestino grosso para potencial tratamento de colite, SII e vários distúrbios intestinais. Mas nem todas as fibras são iguais. Outras, como as fibras solúveis que são fermentadas, podem apresentar alguns problemas de tolerância, limitando seu consumo conforme a sensibilidade de cada pessoa. As enzimas essenciais ao trato digestivo Uma enzima é uma proteína que catalisa ou acelera uma reação biológica. Portanto, pode ser definida como um biocatalisador, cuja natureza protéica determina a presença de certas propriedades, tais como especificidade de substrato, dependência da temperatura e dependência do ph. Pelo fato de serem proteínas com estrutura terciária ou quaternária, as enzima são dotadas de dobramentos tridimensionais em suas cadeias polipeptídicas, o que lhes confere uma forma característica e exclusiva. Assim, diferentes enzimas têm diferentes formas e, portanto, diferentes papéis biológicos. Uma importante função das enzimas tem lugar no sistema digestivo. Enzimas como as amilases e proteases quebram grandes moléculas, como o amido e proteínas, respectivamente, em moléculas de menores dimensões, de maneira a que estas possam ser absorvidas no intestino. O amido não é absorvível no intestino, mas as enzimas hidrolisam as cadeias de amido em moléculas menores, tais como a maltose e a glucose, podendo desta maneira ser absorvidas. Diferentes enzimas atuam sobre 68

8 Lactose: uma pedra para a saúde do sistema digestivo Cerca de 40% da população brasileira possui intolerância a lactose, em algum nível. Essa intolerância, que afeta diretamente o sistema digestivo, pode se manifestar de diversas formas: náusea, dores abdominais, diarréia, gases e desconforto. Muitas vezes, o problema não é resolvido por falta de conhecimento, já que a solução é simples. Alguns fabricantes do segmento lácteo começam a enxergar essa oportunidade de mercado e desenvolvem produtos com baixo teor ou sem lactose em suas linhas. No entanto, ainda são poucos produtos e, normalmente restrito ao leite, enquanto uma extensa linha de derivados, como iogurtes, creme de leite e leite condensado, e de produtos com leite adicionado, como biscoitos, pães e bolos, ficam de fora. Uma grande oportunidade para o mercado brasileiro é o oferecimento da lactase para ser ingerida via oral. Altamente vendida nos mercados europeu e americano, a lactase pode ser comercializada como um suplemento, em forma de comprimido, sachê ou cápsula. Trata-se de uma forma muito simples para que as pessoas intolerantes a lactose possam consumir os derivados lácteos e aproveitar seus benefícios sem ter os efeitos indesejados da intolerância. A Prozyn possui uma tecnologia exclusiva para a produção de lactases específicas para o trato intestinal, disponível em diversas atividades enzimáticas. A base do processo consiste em produzir uma enzima que possibilita a decomposição do açúcar do leite em carboidratos mais simples, para melhor absorção no sistema digestivo. Empresas de suplementos, indústrias farmacêuticas e farmácias de manipulação devem ficar atentas para as inúmeras possibilidades de crescimento desse mercado. diferentes tipos de alimentos. Assim, as enzimas digestivas, tais como a amilase, protease e lipase, reduzem os alimentos em componentes menores que são mais facilmente absorvidos no trato digestivo. As enzimas papaína, bromelina e lactase podem melhorar o processo de digestão, servindo como catalisadoras deste processo. A lactase é uma enzima intestinal responsável pela digestão da lactose (açúcar do leite), facilitando o processo de quebra da lactose em açúcares mais simples e mais facilmente absorvíveis. A bromelina é uma enzima proteolítica encontrada no abacaxi. Além de facilitar a digestão da proteína, tem propriedades antiinflamatórias, ajudando no processo de recuperação e cicatrização de músculos e tecidos lesionados. A papaína é uma enzima encontrada no látex do mamão papaia, sendo capaz de hidrolisar diferentes tipos de proteínas de origem vegetal ou animal, diminuindo o tempo e facilitando a digestão. Nos últimos anos, nos Estados Unidos, houve um aumento no consumo de combinações de enzimas - de origem vegetal, fúngica e/ou animal -, decorrente de uma procura crescente pelos consumidores, os quais estão cada vez mais conscientes das opções e dos benefícios oferecidos pelos produtos funcionais. Como já mencionado acima, no sistema digestivo, as enzimas digerem as proteínas, gorduras e carboidratos em seus componentes mais simples (gorduras essenciais, açúcares e aminoácidos). As enzimas também ajudam na extração de vitaminas e minerais. A deficiência de produção de enzimas digestivas conduz, freqüentemente, a reclamações digestivas comuns. Com relação à saúde do trato digestivo, as enzimas proporcionam uma digestão mais eficiente, evitando indigestão, azia, refluxo ácido, gases, inchaço e fadiga depois de comer. As enzimas absorvidas na forma de suplemento podem ser de fontes animais ou vegetais, porém as enzimas à base de plantas provêm maior suporte para uma aproximação puramente digestiva. Contudo, se o pâncreas está inflamado, lento ou doente, devem ser combinadas enzimas animais com enzimas vegetais, como parte de uma dieta regular. As enzimas de fonte animal fortalecerão o pâncreas, enquanto as enzimas à base de plantas, literalmente, quebrarão o alimento consumido. Nos últimos cinco anos, as fórmulas que combinam enzimas pelo menos dobraram de potência. A potência ou eficiência real das enzimas é um ponto fundamental. Todas as enzimas produzidas laboratorialmente têm seu potencial medido através de ensaios para determinar o seu potencial digestivo, em determinado ph e temperatura, com relação a um substrato específico. Ao contrário da maioria dos suplementos dietéticos, estas enzimas não são medidas através de peso em miligramas, e sim em termos de unidades ativas ; torna-se difícil, para os fabricantes transmitir esse fator de potência de forma compreensível para os consumidores! Tradicionalmente, os produtos à base de enzimas comercializados para a saúde digestiva eram for- 69

9 mulados para manutenção geral ou para distúrbios específicos, como intolerância à lactose. Hoje, o mercado está definitivamente mais consciente e informado e já existem produtos dirigidos a regimes dietéticos específicos, como as dietas de alta proteína ou nutrição esportiva. O poder dos chás e suas ervas A vida vegetal tem sido sustento e remédio para todas as espécies animais, em todos os tempos. A busca e o uso de plantas com propriedades terapêuticas é uma prática milenar, atestada em vários tratados de fitoterapia das grandes civilizações há muito desaparecidas. O grande número de espécies medicinais hoje conhecidas é reflexo do grau de antiguidade dos conhecimentos fitoterápicos e resultado de incontáveis erros e acertos. O chá não deve ser tomado apenas para tratar doenças, mas também como preventivo, fortalecendo o organismo, aliviando o sistema digestivo e as demais funções. O chá digestivo favorece as secreções salivares e gástricas e o peristaltismo do tubo digestivo. Entre os chás com propriedades digestivas reconhecidas pode-se mencionar o boldo, camomila, capim-limão, carqueja, erva-doce, hortelã, sene, etc. O boldo (Peumus boldus). Empregado em casos de desconforto digestivo e do fígado, o seu princípio ativo é a boldina, um alcalóide, principal responsável pelas suas propriedades hepatoprotetoras e coleréticas. O boldo traz benefícios principalmente para o fígado. Ajuda-o a trabalhar melhor e é ótimo para quem tem hepatite ou problemas freqüentes ligados ao fígado, como dor de cabeça, suores frios e mal-estar. O boldo, tomado antes das refeições, ajuda na digestão e nas funções do aparelho digestivo. É ótimo para quem tem intestino preso, cálculos biliares e gastrite. Estimulante da digestäo e secreção biliar, atua nos distúrbios intestinais e hepáticos. Auxilia na cura de ressaca. O chá combate a prisão de ventre, gases intestinais e transtorno do fígado, atua na degradação de gorduras, é indicado em intoxicações alcoólicas. A camomila (Matricaria chamomilla). Alivia gases intestinais, desintoxica o fígado, auxilia no tratamento de reumatismo e da excitação nervosa, alivia enxaqueca, dores de dente, insônia, enjôos e é tônico para pele. Usado para cólicas em lactentes, regula os intestinos. É antiinflamatório e calmante, utilizado em crises histéricas, depressivas e febres intermitentes. Externamente utilizado para queimaduras do sol e irritação nos olhos. Os egípcios a usavam no tratamento da malária e, devido a sua ação antiinflamatória, é indicada para má digestão, cólica uterina, sedativa (infusão das flores ou chá da flor de camomila); para queimaduras de sol (ajuda a refrescar a pele e evita o vermelhidão da pele), conjuntivite e olhos cansados (compressas com infusão do preparado das flores). Para criança ajuda a combater vermes. Como chá, usado diáriamente, diminui as dores musculares, tensão menstrual, stress e insônia, diarréia, inflamações das vias urinárias; misturado ao chá de hortelã com mel combate gripes e resfriados; banho com sachê de camomila é sedativo e restaurador de forças e especial para hemorróidas. Na forma de infusão é útil para o fígado, antialérgico, dores de reumatismos, nevralgias; ajuda a purificar o organismo e aliviar a irritação causada pela poluição. Age como sudorífico O capim-limão (Cymbopogon citratus). Indutor do sono, alivia dores de cabeça e gases intestinais. Indicado para digestão, cólicas menstruais e intestinais, distúrbios renais, conjuntivites, tosse, espasmos, febres, diarréias, reumatismos, histerias, afecções do estômago, nervos e palpitações do coração. É sedativo, analgésico, calmante, diurético, hipotensor, depurativo, expectorante e antiálgico. Os compostos químicos a que se devem estas propriedades são o citral, geraniol, metileugenol, mirceno, citronelal, ácido acético e ácido caprioco. Tais componentes, e mais especificamente o citral, dão-lhe um aroma semelhante à lúcia-lima, bela-luísa ou limonete (Aloysia triphylla). O carqueja (Baccharis triptera ). Indicado para má digestão, cansaço físico, vermes intestinais, prisão de ventre, gastrite, azia, anemia, fígado, rins, diabetes, inflamações urinárias, próstata, colesterol, gota, gastrite, afecções do baço e angina. Auxilia no processo de desintoxicação e emagrecimento. É revigorante das funções genitais, diurético, antiasmática, antibiótica e depurativa. A erva doce (Pimpinella anisum). Calmante dos nervos, elimina mau hálito, toxinas da pele, gases intestinais, cólicas intestinais infantis. Estimula o apetite, digestão, secreção biliar, restaura fluxo menstrual e aumenta o leite das lactantes. Bom contra azia, também utilizado na culinária como aromatizante. A hortelã (Mentha piperita). Indicada para o tratamento da febre, vermes, espasmos, gases intestinais, sistema nervoso, inflamações uterinas, resfriado, faringite, tosse, afecções da garganta, coceiras, sarampo, inchaços, dor de cabeça, rinite, conjuntivite, cólicas, diarréia, problemas estomacais, intestinais e respiratórios. O chá é lactante, estimulante digestivo, anti-séptico, descongestionante nasal, perspirante, anestésico e analgésico. O sene (Cassia angustifolia). Laxante, depurativo, vermífugo e elimina manchas brancas do corpo. Indicado para o mau funcionamento intestinal, alivia os problemas de hemorróidas e fissuras anais por facilitar as evacuações. Não é recomendado para crianças e durante a gravidez. 70

SISTEMA DIGESTIVO. Ciências Naturais 9º ano

SISTEMA DIGESTIVO. Ciências Naturais 9º ano SISTEMA DIGESTIVO Ciências Naturais 9º ano Digestão e Sistema Digestivo A digestão é o processo através do qual moléculas complexas dos alimentos são desdobradas, em moléculas mais simples que podem ser

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO. Introdução

SISTEMA DIGESTÓRIO. Introdução SISTEMA DIGESTÓRIO Introdução Os animais não encontram no meio, em forma imediatamente utilizável, todos os alimentos ou nutrientes de que necessitam. A absorção direta de nutrientes ocorre, excepcionalmente,

Leia mais

Sistemas do Corpo Humano

Sistemas do Corpo Humano Sistemas do Corpo Humano Sistema Digestório consegue energia e matéria prima. Cada órgão tem uma função específica no processo de transformação dos alimentos O QUE É UM SISTEMA????? Sistema Digestório

Leia mais

95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. uma secreção serosa outra secreção mucosa

95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. uma secreção serosa outra secreção mucosa SISTEMA DIGESTÓRIO SALIVA A saliva é um líquido claro, viscoso, alcalino (ph entre 6 e 7), que contém em sua composição: 95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. Além disso, também

Leia mais

95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. uma secreção serosa outra secreção mucosa

95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. uma secreção serosa outra secreção mucosa SISTEMA DIGESTÓRIO SALIVA A saliva é um líquido claro, viscoso, alcalino (ph entre 6 e 7), que contém em sua composição: 95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. Além disso, também

Leia mais

Aula 9 Sistema digestório

Aula 9 Sistema digestório Aula 9 Sistema digestório Os alimentos fornecem nutrientes para construção de estruturas celulares e, ainda, liberação de energia para as atividades celulares. A função da digestão é converter os alimentos

Leia mais

é a quebra física dos alimentos através da mastigação e dos movimentos peristálticos.

é a quebra física dos alimentos através da mastigação e dos movimentos peristálticos. SISTEMA DIGESTIVO Digestão Digestão mecânica: é a quebra física dos alimentos através da mastigação e dos movimentos peristálticos. Digestão química é a transformação das moléculas mais complexas em moléculas

Leia mais

Para viver, crescer e manter o nosso organismo, precisamos consumir alimentos. Mas o que acontece com os alimentos que ingerimos? Como os nutrientes

Para viver, crescer e manter o nosso organismo, precisamos consumir alimentos. Mas o que acontece com os alimentos que ingerimos? Como os nutrientes PROFESSORA NAIANE Para viver, crescer e manter o nosso organismo, precisamos consumir alimentos. Mas o que acontece com os alimentos que ingerimos? Como os nutrientes dos alimentos, chegam às células do

Leia mais

SUMÁRIO MÓDULO 6 ALIMENTOS E NUTRIENTES ATIVIDADE 1 (PÁGINA 221)

SUMÁRIO MÓDULO 6 ALIMENTOS E NUTRIENTES ATIVIDADE 1 (PÁGINA 221) 1 SUMÁRIO Módulo 6 Alimentos e nutrientes... 1 Atividade 1 (página 221)... 1 Atividade 2 (página 228)... 1 Atividade 3 (página 229)... 2 Em Casa (pagina 231)... 3 Módulo 7 O processo de digestão I... 4

Leia mais

Funções do sistema digestório

Funções do sistema digestório Sistema digestório Funções do sistema digestório Ingestão Digestão Absorção dos nutrientes Eliminação dos restos não-digeridos ou não absorvidos Processos Físicos Digestão Processos Químicos língua Cavidade

Leia mais

Aula 4: Sistema digestório

Aula 4: Sistema digestório Aula 4: Sistema digestório Sistema digestório As proteínas, lípideos e a maioria dos carboidratos contidos nos alimentos são formados por moléculas grandes demais para passar pela membrana plasmática e

Leia mais

Prof Weber Ciências 7ºANO

Prof Weber Ciências 7ºANO Prof Weber Ciências 7ºANO O que é a digestão? É a transformação dos alimentos em moléculas menores para que possam ser absorvidos pelo nosso corpo. Acontece em um tubo chamado TUBO DIGESTÓRIO. O tubo digestório

Leia mais

Trato Digestivo do Suíno

Trato Digestivo do Suíno Trato Digestivo do Suíno Monogástrico onívoro com limitada fermentação pós-gástrica Estômago simples, incapaz de utilizar dietas ricas em forragem Incapaz de digerir algumas substâncias presentes em grãos,

Leia mais

FISIOLOGIA DIGESTIVA

FISIOLOGIA DIGESTIVA EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA DIGESTIVA 01. Na digestão, a redução dos alimentos a partículas através de processos mecânicos tem por finalidade: a) facilitar a eliminação de substâncias inúteis

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO. Boca Glândulas salivares Esófago Fígado Vesícula biliar. Faringe. Estômago Pâncreas Intestino grosso. Intestino delgado.

SISTEMA DIGESTÓRIO. Boca Glândulas salivares Esófago Fígado Vesícula biliar. Faringe. Estômago Pâncreas Intestino grosso. Intestino delgado. SISTEMA DIGESTÓRIO SISTEMA DIGESTÓRIO O sistema digestivo tem a função de realizar a digestão, ou seja, fraccionar os alimentos e transformar as macromoléculas em micromoléculas. SISTEMA DIGESTÓRIO Boca

Leia mais

Nutrição Normal: Carboidratos. Histórico. Monossacarídeos. Características químicas Estrutura química

Nutrição Normal: Carboidratos. Histórico. Monossacarídeos. Características químicas Estrutura química Universidade de São Paulo Faculdade de Saúde Pública Departamento de Nutrição Nutrição Normal: Carboidratos Daniela Saes Sartorelli Histórico Principal fonte de energia utilizada pelos seres vivos. Seres

Leia mais

1. Introdução. Digestão, Absorção e Transporte:

1. Introdução. Digestão, Absorção e Transporte: 1. Introdução Todas as células do corpo necessitam de nutrição tendo este que lhe ser fornecido. O aparelho digestivo, com a colaboração importante do aparelho circulatório, forma como que uma refeição

Leia mais

14 Aproveitamos tudo o que comemos?

14 Aproveitamos tudo o que comemos? A U A UL LA Aproveitamos tudo o que comemos? Nas Aulas 1 e 5 vimos a importância de carboidratos, proteínas e gorduras para o bom funcionamento do corpo e o quanto é fundamental uma alimentação saudável,

Leia mais

Sistema Digestivo - Função

Sistema Digestivo - Função Sistema Digestivo Fome Saciedade Sistema Digestivo - Função O organismo humano recebe os nutrientes através dos alimentos. Estes alimentos têm de ser transformados em substâncias utilizáveis, envolvendo

Leia mais

Intestino delgado. Intestino grosso (cólon)

Intestino delgado. Intestino grosso (cólon) As fibras alimentares estão presentes nos alimentos de origem vegetal, englobando um conjunto de compostos que não podem ser digeridos pelas enzimas do nosso sistema gastrointestinal, não sendo por isso

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO HUMANO. Definição Nutrição Alimentos Anatomia Fisiologia www.infopedia.pt/$sistema-digestivo,2

SISTEMA DIGESTÓRIO HUMANO. Definição Nutrição Alimentos Anatomia Fisiologia www.infopedia.pt/$sistema-digestivo,2 SISTEMA DIGESTÓRIO HUMANO Definição Nutrição Alimentos Anatomia Fisiologia www.infopedia.pt/$sistema-digestivo,2 Digestão É o conjunto de transformações fisioquímicas ou físico-químicas que os alimentos

Leia mais

Fazendo a digestão. A voz do professor. A voz do professor. De onde provém a energia necessária para o movimento dos automóveis?...

Fazendo a digestão. A voz do professor. A voz do professor. De onde provém a energia necessária para o movimento dos automóveis?... A U A UL LA Fazendo a digestão Atenção De onde provém a energia necessária para o movimento dos automóveis? Nosso corpo é semelhante a um carro. Como você acha que conseguimos energia para viver? Um corpo

Leia mais

Ingestão; Secreção; Mistura e propulsão; Digestão; Absorção; Defecação; Ingestão de Alimento. Processo Digestivo. Processo Absortivo.

Ingestão; Secreção; Mistura e propulsão; Digestão; Absorção; Defecação; Ingestão de Alimento. Processo Digestivo. Processo Absortivo. Ingestão; Secreção; Mistura e propulsão; Digestão; Absorção; Defecação; Ingestão de Alimento Processo Digestivo Processo Absortivo Defecação Grandes moléculas Moléculas menores Utilização Resíduos Trato

Leia mais

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 100g (1/2 copo) Quantidade por porção g %VD(*) Valor Energético (kcal) 64 3,20 Carboidratos 14,20 4,73 Proteínas 1,30 1,73 Gorduras

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO. Quitéria Paravidino

SISTEMA DIGESTÓRIO. Quitéria Paravidino SISTEMA DIGESTÓRIO Quitéria Paravidino PROCESSOS DIGESTÓRIOS Ingestão:captar alimento pela boca; Mistura e movimentação do alimento:contrações musculares misturam o alimento e as secreções e movimentam

Leia mais

Prof. Admilson Toscano. IFSP_Campus Cubatão e-mail: Prof_toscano@hotmail.com

Prof. Admilson Toscano. IFSP_Campus Cubatão e-mail: Prof_toscano@hotmail.com Prof. Admilson Toscano IFSP_Campus Cubatão e-mail: Prof_toscano@hotmail.com 1ª Parte: Princípios e Bases para a Nutrição Animal Anatomia Geral Monogástricos x Ruminantes Secreções Digestivas Estômagos

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo

SISTEMA DIGESTÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA DIGESTÓRIO Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA DIGESTÓRIO Função retirar dos alimentos as substâncias necessárias para o desenvolvimento e manutenção do organismo. Alimento é digerido e transformado

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS CN

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS CN SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS CN Título do Podcast Área Segmento Duração Sistema Digestório Ciências da Natureza Ensino Médio 4min 45seg Habilidades: (H30) Identificar a função dos órgãos e

Leia mais

BIOLOGIA 7B-AULA 19 E 20. Sistema Digestório

BIOLOGIA 7B-AULA 19 E 20. Sistema Digestório BIOLOGIA 7B-AULA 19 E 20 Sistema Digestório DIGESTÃO Processos mecânicos e químicos sofridos pelos alimentos para serem convertidos em moléculas muito pequenas possíveis de serem absorvidas e transportadas

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA

ANATOMIA E FISIOLOGIA ANATOMIA E FISIOLOGIA SITEMA DIGESTÓRIO Enfª Renata Loretti Ribeiro 2 3 SISTEMA DIGESTÓRIO Introdução O trato digestório e os órgãos anexos constituem o sistema digestório. O trato digestório é um tubo

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

Confira a lista dos 25 melhores alimentos para emagrecer:

Confira a lista dos 25 melhores alimentos para emagrecer: Emagrecer nem sempre é uma das tarefas mais simples. A fórmula parece simples (dieta + exercício + descanso) porém diferentes pessoas precisam de diferentes soluções. Uma coisa é certa: qualquer ajuda

Leia mais

Recuperação. Células tecidos órgãos sistemas. - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões:

Recuperação. Células tecidos órgãos sistemas. - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões: Recuperação Capítulo 01 - Níveis de organização Células tecidos órgãos sistemas - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões: A- Membrana Plasmática - Revestimento da célula;

Leia mais

BIOLOGIA AULA 03. c) diabetes tipo II. d) hipertensão arterial.

BIOLOGIA AULA 03. c) diabetes tipo II. d) hipertensão arterial. BIOLOGIA Prof. Hélder Telles AULA 03 1. (Fgv 2015) O pâncreas é uma glândula anfícrina, ou seja, com dupla função, desempenhando um papel junto ao sistema digestório na produção de enzimas, tais como amilases

Leia mais

18/02/2011. Introdução. Biologia. Tipos de alimentos. Tipos de alimentos. Colesterol... Tema:

18/02/2011. Introdução. Biologia. Tipos de alimentos. Tipos de alimentos. Colesterol... Tema: Biologia Tema: Nutrição e Sistema Digestório Módulo 01: Anatomia e fisiologia Marcos Vinícius Introdução É um conjunto de órgãos responsáveis pelas transformações mecânicas e químicas dos alimentos, tornando

Leia mais

Fonte: Disponível em: http://veja.abril.com.br. Acesso em: 25 set. 2014.

Fonte: Disponível em: http://veja.abril.com.br. Acesso em: 25 set. 2014. 1. (Ufsm 2015) O consumo exagerado de sódio está associado a uma serie de doenças crônicas não transmissíveis (DCNT), como as cardiovasculares. Essas moléculas são responsáveis por 72% das mortes no Brasil,

Leia mais

Para quê precisamos comer?

Para quê precisamos comer? Para quê precisamos comer? Para a reposição de água, substratos energéticos, vitaminas e sais minerais. O TUBO DIGESTIVO E SUAS PRINCIPAIS ESTRUTURAS O Trato Gastrointestinal (TGI) Digestive System (Vander,

Leia mais

CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO 05/08/2013

CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO 05/08/2013 CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO 05/08/2013 FISIOLOGIA HUMANA SISTEMA DIGESTÓRIO A função do sistema digestório é retirar dos alimentos ingeridos os nutriente necessários para o desenvolvimento

Leia mais

VALOR NUTRITIVO DA CARNE

VALOR NUTRITIVO DA CARNE VALOR NUTRITIVO DA CARNE Os alimentos são consumidos não só por saciarem a fome e proporcionarem momentos agradáveis à mesa de refeição mas, sobretudo, por fornecerem os nutrientes necessários à manutenção

Leia mais

Fibras e seus Benefícios! Tipos de Farinhas! Coordenadora e Nutricionista Felícia Bighetti Sarrassini - CRN 10664

Fibras e seus Benefícios! Tipos de Farinhas! Coordenadora e Nutricionista Felícia Bighetti Sarrassini - CRN 10664 Fibras e seus Benefícios! & Tipos de Farinhas! Coordenadora e Nutricionista Felícia Bighetti Sarrassini - CRN 10664 * Fibras: Definição: Fibras referem a parte dos vegetais (frutas, verduras, legumes,

Leia mais

DIGESTÃO HUMANA. Sistema Digestório. Professor: Fernando Stuchi. Enzimas Caminho da digestão Etapas da digestão

DIGESTÃO HUMANA. Sistema Digestório. Professor: Fernando Stuchi. Enzimas Caminho da digestão Etapas da digestão DIGESTÃO HUMANA 1. 2. 3. Enzimas Caminho da digestão Etapas da digestão Sistema Digestório Professor: Fernando Stuchi Dúvidas sobre Digestão Afinal o que é digestão? Conjunto de transformações físico-químicas

Leia mais

- CURSO DE PLANTAS MEDICINAIS -

- CURSO DE PLANTAS MEDICINAIS - - CURSO DE PLANTAS MEDICINAIS - Copyright -Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada destes materiais, no todo ou em parte, constitui violação do direitos autorais. (Lei nº 9.610). PLANTAS

Leia mais

OS ALIMENTOS COMO VEÍCULO DE NUTRIENTES

OS ALIMENTOS COMO VEÍCULO DE NUTRIENTES Página1 OS ALIMENTOS COMO VEÍCULO DE NUTRIENTES Importância dos alimentos Todos os animais, incluindo o homem, precisam de se alimentar para sobreviver. Porque são tão importantes os alimentos? Os alimentos

Leia mais

O guia alimentar recomenda um mínimo de 3 porções diárias desse grupo de alimentos. A ingestão deve ser equilibrada e variada ao longo da semana.

O guia alimentar recomenda um mínimo de 3 porções diárias desse grupo de alimentos. A ingestão deve ser equilibrada e variada ao longo da semana. E SEUS BENEFÍCIOS As frutas, verduras e legumes devem estar presentes todos os dias nas refeições. A combinação de fibras, minerais e vitaminas desses alimentos auxilia na manutenção do peso adequado além

Leia mais

Co C mo m o é cons n tituído o aparel e ho di d ge g sti e vo v? Sistema Digestivo - Helena Carreiro 2010 1

Co C mo m o é cons n tituído o aparel e ho di d ge g sti e vo v? Sistema Digestivo - Helena Carreiro 2010 1 Como é constituído o aparelho digestivo? 1 Morfologia do aparelho digestivo Glândulas salivares Boca Faringe Esófago Fígado Vesícula biliar Estômago Intestino delgado pâncreas Apêndice Recto Intestino

Leia mais

AUTORES: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV

AUTORES: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV Ciências AUTORES: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV Graduada em História e Pedagogia, Doutora em Filosofia e Metodologia de Ensino, Autora da Metodologia ACRESCER. REGINALDO STOIANOV Licenciatura Plena em Biologia,

Leia mais

Sistema Digestório Características Saliva e peristaltismo GLÂNDULAS SALIVARES Saliva ptialina amilase salivar Glândula parótida

Sistema Digestório Características Saliva e peristaltismo GLÂNDULAS SALIVARES Saliva ptialina amilase salivar Glândula parótida Sistema Digestório O tubo digestivo apresenta as seguintes regiões; boca, faringe, esôfago, estômago, intestino delgado, intestino grosso e ânus. A parede do tubo digestivo tem a mesma estrutura da boca

Leia mais

PATOLOGIAS DO SISTEMA DIGESTIVO, ÚLCERA PÉPTICA E GASTRITE

PATOLOGIAS DO SISTEMA DIGESTIVO, ÚLCERA PÉPTICA E GASTRITE PATOLOGIAS DO SISTEMA DIGESTIVO, ÚLCERA PÉPTICA E GASTRITE Como prevenir? Como diagnosticar? Como tratar? SISTEMA DIGESTIVO O sistema digestivo se estende da boca até o ânus. É responsável pela recepção

Leia mais

Biologia I. Sistema Digestório. Módulos 3 e 4: Digestão Humana I e II. Prof a. Fabíola Martins

Biologia I. Sistema Digestório. Módulos 3 e 4: Digestão Humana I e II. Prof a. Fabíola Martins Biologia I Sistema Digestório Módulos 3 e 4: Digestão Humana I e II Prof a. Fabíola Martins 1- Sistema digestório humano 1.1-Tubo digestório: Cavidade bucal faringe esôfago estômago Intestino delgado Intestino

Leia mais

Profa. Susana M.I. Saad Faculdade de Ciências Farmacêuticas Universidade de São Paulo

Profa. Susana M.I. Saad Faculdade de Ciências Farmacêuticas Universidade de São Paulo XIV Congresso Brasileiro de Nutrologia Simpósio ILSI Brasil Probióticos e Saúde Profa. Dra. Susana Marta Isay Saad Departamento de Tecnologia Bioquímico-Farmacêutica USP e-mail susaad@usp.br Alimentos

Leia mais

Importante reserva energética; são as gorduras.

Importante reserva energética; são as gorduras. Importante reserva energética; são as gorduras. 1g de lipídio libera 9kcal contra 4kcal por 1g de carboidrato. Podem ser armazenados de forma mais concentrada que os carboidratos. O excesso do consumo

Leia mais

REGISTRO: Isento de Registro no M.S. conforme Resolução RDC n 27/10. CÓDIGO DE BARRAS N : 7898171287947(Frutas vermelhas) 7898171287954(Abacaxi)

REGISTRO: Isento de Registro no M.S. conforme Resolução RDC n 27/10. CÓDIGO DE BARRAS N : 7898171287947(Frutas vermelhas) 7898171287954(Abacaxi) Ficha técnica CHÁ VERDE COM CÓLAGENO, VITAMINA C E POLIDEXTROSE Pó para Preparo de Bebida a Base de Chá Verde, com Colágeno hidrolisado, vitamina C e polidextrose Sabor Abacaxi e frutas vermelhas REGISTRO:

Leia mais

Dor abdominal: entenda as causas, tipos de dor e tratamentos

Dor abdominal: entenda as causas, tipos de dor e tratamentos Dor abdominal: entenda as causas, tipos de dor e tratamentos Conheça as doenças mais comumente relacionadas ao sintoma e como identificar Quando falamos em dor abdominal, muitos podem pensar que ela se

Leia mais

Suco de uva Conheça mais de 30 benefícios

Suco de uva Conheça mais de 30 benefícios Suco de uva Conheça mais de 30 benefícios O suco de uva contém mais calorias que o leite, uma certa analogia que pode ser levada mais longe; a composição do suco de uva mostra surpreendentes semelhanças

Leia mais

MICROBIOTA INTESTINAL PREBIÓTICOS PROBIÓTICOS SIMBIÓTICOS Apresentado por : Prof. Dr. Yvon Toledo Rodrigues Membro Titular da Academia Nacional de Medicina. Presidente da Academia Latino-Americana de Nutrologia.

Leia mais

FISIOLOGIA SISTEMA DIGESTÓRIO

FISIOLOGIA SISTEMA DIGESTÓRIO FISIOLOGIA SISTEMA DIGESTÓRIO Prof. André Maia O sistema ou aparelho digestivo (também chamado sistema digestório) é o sistema que, nos animais, é responsável por obter dos alimentos ingeridos os nutrientes

Leia mais

maleato de trimebutina

maleato de trimebutina maleato de trimebutina Althaia S.A. Indústria Farmacêutica Cápsulas Gelatinosas Mole 200 mg maleato de trimebutina Medicamento genérico Lei n o 9.787, de 1999. I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO APRESENTAÇÃO:

Leia mais

27/08/2014. Carboidratos. Monossacarídeos. Introdução. Classificação (quanto ao número de monômeros) Carboidratos

27/08/2014. Carboidratos. Monossacarídeos. Introdução. Classificação (quanto ao número de monômeros) Carboidratos Introdução CARBOIDRATOS Outras denominações: - Hidratos de carbono - Glicídios, glícides ou glucídios - Açúcares. Ocorrência e funções gerais: São amplamente distribuídos nas plantas e nos animais, onde

Leia mais

BIOLOGIA Nutrição e digestão

BIOLOGIA Nutrição e digestão Módulo 29 Página 29 à 41 MORFOFISIOLOGIA É o estudo da estrutura e do funcionamento do corpo humano Sobre os sistemas dos animais: Finalidade Importância Sobre os filos: As adaptações Aspectos gerais da

Leia mais

Anatomia e fisiologia do sistema digestivo

Anatomia e fisiologia do sistema digestivo Anatomia e fisiologia do sistema digestivo Professor: Aparecido Porto da Costa Disciplina: Caprinovinocultura e Bovinocultura E-mail: aparecidoport@hotmail.com Introdução Classificação do hábito alimentar

Leia mais

UNIDADE I NUTRIÇÃO anatomia/fisiologia do sistema digestório HELENA MUKAI

UNIDADE I NUTRIÇÃO anatomia/fisiologia do sistema digestório HELENA MUKAI UNIDADE I NUTRIÇÃO anatomia/fisiologia do sistema digestório HELENA MUKAI Anatomia do Sistema Digestório O sistema digestório humano é formado por um longo tubo musculoso, ao qual estão associados órgãos

Leia mais

CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL. Aula 1.2 Conteúdo: Sistema Digestório

CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL. Aula 1.2 Conteúdo: Sistema Digestório Aula 1.2 Conteúdo: Sistema Digestório 2 Habilidades: Conhecer o sistema digestório humano, compreendendo o papel de cada um de seus órgãos e glândulas anexas no processo de digestão. 3 4 Comendo insetos

Leia mais

Sistema Digestório. Destina-se. se à retirada dos

Sistema Digestório. Destina-se. se à retirada dos SISTEMA DIGESTIVO OU DIGESTÓRIO Sistema Digestório Destina-se se à retirada dos nutrientes (carboidratos, açucares, lipides, gorduras, proteínas, vitaminas, sais minerais e água) dos alimentos para assegurar

Leia mais

S I S T E M A A D I G E S T Ó R I O P r o f º Fe r n a n d o B e l a n - B I O L O G I A M A I S

S I S T E M A A D I G E S T Ó R I O P r o f º Fe r n a n d o B e l a n - B I O L O G I A M A I S SISTEMA DIGESTÓRIO Profº Fe r n a n d o Belan - BIOLOGIA MAIS DIGESTÃO INTRACELULAR DIGESTÃO INTRACELULAR DIGESTÃO EXTRACELULAR DIGESTÓRIO INCOMPLETO Cnidários Platelmintos DIGESTÓRIO COMPLETO Nematelmintos

Leia mais

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Apesar de ainda não existir cura definitiva para esse problema de saúde crônico, uma diferenciação entre essa patologia e a sensibilidade ao glúten

Leia mais

A noz-moscada é uma das especiarias mais apreciadas e valorizadas desde a antiguidade por suas propriedades aromáticas, afrodisíacas e curativas.

A noz-moscada é uma das especiarias mais apreciadas e valorizadas desde a antiguidade por suas propriedades aromáticas, afrodisíacas e curativas. A noz-moscada é uma das especiarias mais apreciadas e valorizadas desde a antiguidade por suas propriedades aromáticas, afrodisíacas e curativas. Sua história remonta ao século I, como evidenciado nos

Leia mais

Duphalac lactulose MODELO DE BULA. DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida.

Duphalac lactulose MODELO DE BULA. DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida. MODELO DE BULA Duphalac lactulose FORMA FARM ACÊUTICA E APRESENTAÇ ÃO DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida. VIA ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO

Leia mais

Menos calorias com alimentação termogenica

Menos calorias com alimentação termogenica Menos calorias com alimentação termogenica Eliane Petean Arena Nutricionista CRN Rua : Conselheiro Antonio Prado N: 9-29 Higienópolis Bauru - SP Telefone : (14) 3243-7840 ALIMENTOS TERMOGENICOS Todo alimento

Leia mais

especial iate LIAMARA MENDES

especial iate LIAMARA MENDES 54 Maio / Junho de 2013 especial use os alimentos a seu favor iate por LIAMARA MENDES Uma dieta equilibrada aliada a exercícios físicos pode ser considerada a fórmula ideal para a conquista do corpo perfeito.

Leia mais

Oficina CN/EM 2012. Alimentos e nutrientes (web aula) H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo humano.

Oficina CN/EM 2012. Alimentos e nutrientes (web aula) H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo humano. Oficina CN/EM 2012 Alimentos e nutrientes (web aula) Caro Monitor, Ao final da oficina, o aluno terá desenvolvido as habilidade: H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo

Leia mais

LACTOBACILLUS BULGARICUS

LACTOBACILLUS BULGARICUS Informações Técnicas LACTOBACILLUS BULGARICUS 10 bilhões/g DESCRIÇÃO Lactobacillus bulgaricus é uma bactéria que, devido à sua ação benéfica para o sistema digestivo, costuma ser usada para a produção

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho NUTRIÇÃO ENTERAL INDICAÇÕES: Disfagia grave por obstrução ou disfunção da orofaringe ou do esôfago, como megaesôfago chagásico,

Leia mais

A DIGESTÃO DE ALIMENTOS PELOS ANIMAIS

A DIGESTÃO DE ALIMENTOS PELOS ANIMAIS A DIGESTÃO DE ALIMENTOS PELOS ANIMAIS O que é digestão? A digestão de alimentos é um processo pelo qual os alimentos ingeridos, na maioria bastante complexos, são quebrados em formas mais simples para

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Digestório. Prof. Me. Fabio Milioni. Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Digestório. Prof. Me. Fabio Milioni. Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação ANATOMIA HUMANA I Sistema Digestório Prof. Me. Fabio Milioni Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação Sistema Digestório 1 Órgãos Canal alimentar: - Cavidade oral

Leia mais

Hidratos de Carbono. Monossacarídeo (Glicose) Polissacarídeo (Glicogénio) Dissacarídeo (Frutose + Glicose = Sacarose)

Hidratos de Carbono. Monossacarídeo (Glicose) Polissacarídeo (Glicogénio) Dissacarídeo (Frutose + Glicose = Sacarose) Hidratos de Carbono Os hidratos de carbono são compostos orgânicos, constituídos por carbono (C), hidrogénio (H) e oxigénio (O). São a principal fonte de energia para o movimento, trabalho e realização

Leia mais

OMENAX. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Cápsula 20mg e 40mg

OMENAX. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Cápsula 20mg e 40mg OMENAX Geolab Indústria Farmacêutica S/A Cápsula 20mg e 40mg tratar dispepsia, condição que causa acidez, azia, arrotos ou indigestão. Pode ser usado também para evitar sangramento do trato gastrintestinal

Leia mais

Roteiro de aulas teórico-práticas

Roteiro de aulas teórico-práticas Roteiro de aulas teórico-práticas Sistema digestório O sistema digestório humano é formado por um longo tubo musculoso, ao qual estão associados órgãos e glândulas que participam da digestão. Apresenta

Leia mais

PLESONAX. (bisacodil)

PLESONAX. (bisacodil) PLESONAX (bisacodil) Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Comprimido Revestido 5mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: PLESONAX bisacodil APRESENTAÇÃO Comprimidos revestidos Embalagem contendo

Leia mais

Manual dos Fitoquimicos Primavera da Flora Intestinal

Manual dos Fitoquimicos Primavera da Flora Intestinal Manual dos Fitoquimicos Primavera da Flora Intestinal Prebióticos e Probióticos: Os Adubos da Saúde Intestinal Seus intestinos podem atrapalhar os seus planos de manter a saúde e o corpo em dia, sabia?

Leia mais

Gastrite e Dispepsia Funcional

Gastrite e Dispepsia Funcional Gastrite e Dispepsia Funcional Este assunto caiu de bandeja pra você! Comer é uma coisa gostosa, e ninguém precisa sofrer com disgestão difícil, náuseas, saciedade precoce, desconforto ou dor de estômago.

Leia mais

C.S.F.X - BIOLOGIA- 3ºANO (A,B,C,D e E) PROFª.: JUCIMARA RODRIGUES BIOLOGIA I: SISTEMA DIGESTÓRIO

C.S.F.X - BIOLOGIA- 3ºANO (A,B,C,D e E) PROFª.: JUCIMARA RODRIGUES BIOLOGIA I: SISTEMA DIGESTÓRIO C.S.F.X - BIOLOGIA- 3ºANO (A,B,C,D e E) PROFª.: JUCIMARA RODRIGUES BIOLOGIA I: SISTEMA DIGESTÓRIO Digestão é o processo de transformação de macromoléculas, por hidrólise enzimática, liberando unidades

Leia mais

Abcd. BUSCOFEM Ibuprofeno. APRESENTAÇÕES Cápsulas de 400 mg: embalagens com 10 e 50 cápsulas. USO ORAL USO ADULTO ACIMA DE 12 ANOS

Abcd. BUSCOFEM Ibuprofeno. APRESENTAÇÕES Cápsulas de 400 mg: embalagens com 10 e 50 cápsulas. USO ORAL USO ADULTO ACIMA DE 12 ANOS BUSCOFEM Ibuprofeno APRESENTAÇÕES Cápsulas de 400 mg: embalagens com 10 e 50 cápsulas. USO ORAL USO ADULTO ACIMA DE 12 ANOS COMPOSIÇÃO Cada cápsula contém 400 mg de ibuprofeno. Excipientes: macrogol, hidróxido

Leia mais

Biologia. 8 o ano. Caderno 2

Biologia. 8 o ano. Caderno 2 Biologia 8 o ano Caderno 2 Módulos 7 e 8 1 A atividade das enzimas no organismo humano varia em função do grau de acidez do meio. Observe o gráfico e responda: Qual curva representa o local da ação da

Leia mais

BATERIA DE EXERCÍCIOS 8º ANO

BATERIA DE EXERCÍCIOS 8º ANO Professor: CRISTINO RÊGO Disciplina: CIÊNCIAS Assunto: FUNDAMENTOS DE GENÉTICA Belém /PA BATERIA DE EXERCÍCIOS 8º ANO 1. A importância da digestão para o nosso corpo é: a) desenvolver nosso organismo.

Leia mais

Conhecendo nosso corpo

Conhecendo nosso corpo Ciências Naturais Conhecendo nosso corpo A menor unidade do corpo humano é a célula. Existem diferentes células que formarão diferentes tecidos. Os tecidos formarão os órgãos. E estes os diferentes sistemas.

Leia mais

Como Prescrever Enzimas Digestivas

Como Prescrever Enzimas Digestivas Como Prescrever Enzimas Digestivas Pancreatina Reduz Sintomas de Má- Absorção na Insuficiência Pancreática Lipase Reduz Esteatorreia Associada à Insuficiência Pancreática Lactase Promove Redução Maior

Leia mais

DIGESTÃO: TRANSFORMAÇÃO DOS ALIMENTOS

DIGESTÃO: TRANSFORMAÇÃO DOS ALIMENTOS DIGESTÃO: TRANSFORMAÇÃO DOS ALIMENTOS DIGESTÃO E SISTEMA DIGESTÓRIO FUNÇÕES = Ingestão e Digestão = Alimentos = Absorção = Nutrientes = Eliminação = Restos (não-digeridos / não-absorvidos) 1. Mecânicos

Leia mais

Dulcolax bisacodil. LAXANTE DE AÇÃO PREVISÍVEL Estimula o movimento intestinal Alivia a prisão de ventre

Dulcolax bisacodil. LAXANTE DE AÇÃO PREVISÍVEL Estimula o movimento intestinal Alivia a prisão de ventre Dulcolax bisacodil LAXANTE DE AÇÃO PREVISÍVEL Estimula o movimento intestinal Alivia a prisão de ventre Esta bula é atualizada continuamente. Por favor, proceda à sua leitura antes de utilizar o medicamento.

Leia mais

Saúde da Mulher. Rede Mundo Verde - Ano 1 Livro 1

Saúde da Mulher. Rede Mundo Verde - Ano 1 Livro 1 Guia Saúde da Mulher Uma queixa constante de mulheres é a prisão de ventre, flatulência, distensão abdominal. Muitas se habituam ao problema como se fosse normal e convivem com essa situação, muitas vezes

Leia mais

Direitos Reservados - Super Dieta Detox - http://www.superdietadetox.com.br/aviso-legal

Direitos Reservados - Super Dieta Detox - http://www.superdietadetox.com.br/aviso-legal Avaliações de Saúde e Bem-Estar NIVEL 1 Parabéns por ter chegado até aqui... Você sabe o quanto intoxicado você está? Se você é como a maioria das pessoas, provavelmente não sabe ou não percebe o número

Leia mais

CÁPSULAS 400mg Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda.

CÁPSULAS 400mg Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. BUSCOFEM (ibuprofeno) CÁPSULAS 400mg Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Buscofem ibuprofeno APRESENTAÇÕES Cápsulas de 400 mg: embalagens com 10 e 50 cápsulas. USO ORAL USO ADULTO

Leia mais

Dulcolax bisacodil. LAXANTE DE AÇÃO PREVISÍVEL Estimula o movimento intestinal Alivia a prisão de ventre

Dulcolax bisacodil. LAXANTE DE AÇÃO PREVISÍVEL Estimula o movimento intestinal Alivia a prisão de ventre bisacodil LAXANTE DE AÇÃO PREVISÍVEL Estimula o movimento intestinal Alivia a prisão de ventre Esta bula é atualizada continuamente. Por favor, proceda à sua leitura antes de utilizar o medicamento. Forma

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Animal Sistema Digestivo - RUMINANTES

Anatomia e Fisiologia Animal Sistema Digestivo - RUMINANTES Anatomia e Fisiologia Animal Sistema Digestivo - RUMINANTES Ruminantes: Animais que mastigam e regurgitam o alimento ingerido Dividido em 2 subordens: 1-) Ruminantia: veado, alce, rena, antílope, girafa,

Leia mais

Forma farmacêutica e apresentação: Comprimido revestido. Display contendo 25 blísteres com 6 comprimidos revestidos.

Forma farmacêutica e apresentação: Comprimido revestido. Display contendo 25 blísteres com 6 comprimidos revestidos. LACTO-PURGA bisacodil 5mg Forma farmacêutica e apresentação: Comprimido revestido. Display contendo 25 blísteres com 6 comprimidos revestidos. USO ADULTO E PEDIÁTRICO (crianças acima de 4 anos) USO ORAL

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires. Ciências Ensino Fundamental, 8º Ano Sistema digestório e suas respectivas funções

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires. Ciências Ensino Fundamental, 8º Ano Sistema digestório e suas respectivas funções Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Ciências Ensino Fundamental, 8º Ano Sistema digestório e suas respectivas funções Tópicos 1. O que é digestão? 2. Por que temos que comer? 3. Os tipos de

Leia mais

vida das populações cosmopolitas

vida das populações cosmopolitas 1 A importância das fibras naturais na qualidade de Flávio Antonio Quilici vida das populações cosmopolitas Futuro e passado dietético O papel das fibras naturais, também chamadas de dietéticas ou terapêuticas,

Leia mais

Problemas Gastro-Intestinais

Problemas Gastro-Intestinais Problemas Gastro-Intestinais Parâmetros Ocidentais Vômito; Dor na região abdominal, gástrica, etc. Gastrite, Úlcera, Diarréia, Prisão de ventre (constipação) Cólica, Vermes. Anamnese: Tipo de dor ou desconforto:

Leia mais

Tipo de itens. O sangue é o principal fluído que circula no organismo humano.

Tipo de itens. O sangue é o principal fluído que circula no organismo humano. Tipo de itens O sangue é o principal fluído que circula no organismo humano. 1. Quais são as suas principais funções? Transporte de nutrientes, defesa, regulação térmica e controlo 2. Quais os seus constituintes?

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA DIGESTÓRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA DIGESTÓRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA DIGESTÓRIO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição janeiro/2007 SISTEMA DIGESTÓRIO SUMÁRIO Sobre a Bio Aulas... 03 Sistema Digestório... 04 Boca... 05 Características

Leia mais

E OS SEUS BENEFÍCIOS

E OS SEUS BENEFÍCIOS E OS SEUS BENEFÍCIOS A principal função do leite é nutrir (alimentar). Além disso, cumpre as funções de proteger o estômago das toxinas e inflamações e contribui para a saúde metabólica, regulando os processos

Leia mais