Investimentos em TI e a Governança da cadeia de suprimentos: discutindo impactos e relações

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Investimentos em TI e a Governança da cadeia de suprimentos: discutindo impactos e relações"

Transcrição

1 Investimentos em TI e a Governança da cadeia de suprimentos: discutindo impactos e relações Resumo Autoria: Pietro Cunha Dolci O objetivo deste estudo é analisar a influência dos investimentos em TI na governança da cadeia de suprimento (GCS) e suas concepções. Este estudo utilizou a combinação de técnicas qualitativas e quantitativas. Na etapa qualitativa cinco itens emergiram para identificar e medir a influência dos investimentos em TI na GCS: monitoramento, rastreamento rastreamento, compartilhamento de informações, integração e redução de custos. Todos os elementos da GCS foram confirmados e validados pelos entrevistados, com exceção dos elementos cooperação e oportunismo. Na etapa quantitativa, o modelo foi validado e foram confirmadas todas as hipóteses. 1

2 1. Introdução Simchi-Levi & Fine (2010) acreditam que a tecnologia da informação (TI) é o principal elemento para a cadeia de suprimentos, alterando a forma como ela tem sido conduzida. Além disso, a importância da TI na cadeia de suprimentos vai aumentar nos próximos anos, pois permitirá às empresas monitorar, planejar, executar e se ajustar melhor frente às crescentes mudanças ocorridas no mercado, apoiando as relações interorganizacionais e afetando o desempenho global da cadeia de suprimentos. De acordo com Senge et al. (1999), uma forma de enfrentar as mudanças e pressões domercado, é desenhar uma governança na cadeia de suprimentos que equilibre os interesses das organizações e as decisões autônomas dos tomadores de decisão permeando todos os membros da cadeia de suprimentos. Entretanto, tradicionalmente a cadeia de suprimentos é estudada com uma perspectiva das operações e suporte, com o foco interfuncional ou intraorganizacional (JAIN; DUBEY, 2005). A governança, que é um tema que vem sendo mais estudado nos últimos anos, segundo Jain & Dubey (2005), é considerada uma forma de analisar as relações interorganizacionais como um fenômeno multidimensional manifestado nas estruturas e processos das empresas. Para Singhal & Singhal (2012) diversos estudos na década de 90 estabeleceram a área de cadeia de suprimentos como uma área fértil para pesquisa, possibilitando a exploração, combinação e integração de vários assuntos, temas e frameworks relacionados à cadeia. Segundo Daugherty (2011), as relações entre as empresas da cadeia são dinâmicas e a TI é especialmente crítica para auxiliar essas relações interorganizacionais através do compartilhamento de informações e para auxiliar as decisões estratégicas na cadeia. Os investimentos mundiais em TI irão aumentar 4,1% em 2013 devendo atingir 3,8 trilhões de dólares com destaque em softwares de banco de dados, integração de dados e supply chain (COMPUTERWORLD, 2013). É crescente o número de empresas que investem em TI visando aumentar a agilidade e eficiência das atividades e processos na cadeia de suprimentos. Para Zohar da Revista CIO (2012), a TI está passando por grandes mudanças e o Chief Information Officer (CIO) precisa se preparar e aprender táticas de gerenciamento avançado da cadeia de suprimentos. Essa preocupação e investimentos em TI tem aumentando ao longo dos anos, com destaque para o crescimento e os relevantes gastos em TI pelas cadeias. Entretanto, de acordo com Li et ai. (2009) poucas pesquisas têm analisado o resultado de tais investimentos nas cadeias de suprimentos e na sua governança. Assim, o objetivo dessa pesquisa é remediar essa situação, analisando como os investimentos em TI influenciam a governança da cadeia de suprimentos no que diz respetiso aos aspectos contratuais, relacionais e transacionais. Foi realizada a análise da influência dos investimentos em TI na governança da cadeia de suprimentos e suas concepções, através de uma etapa qualitativa com a realização de estudos de cado e uma etapa quantitiativa sendo aplicado modelagem de equações estruturais para analisar as hipóteses propostas na pesquisa. 2. Investimentos em Tecnologia da Informação Nos últimos anos, os líderes de empresas com uma grande cadeia de suprimentos, como Chrysler, Dell, Ford e Wal-Mart têm feito esforços significativos para direcionar os benefícios da coordenação e colaboração com seus fornecedores utilizando e investindo em TI na cadeia de suprimentos (Subramani, 2004). Investimentos em EDI, por exemplo, geram padrões de codificação que devem ser negociados e tratados entre as empresas da cadeia. Dependendo do tipo de cadeia e do produto, uma transação mais complexa pode ser 2

3 observada, sendo necessários investimentos em tecnologias para alcançar sucesso nessas transações e evitar problemas e falhas ao longo da cadeia. Tecnologias da informação permitem o processamento de informações de uma forma mais precisa, com mais frequência de uma maior quantidade de fontes geograficamente dispersas. Ela permite uma resposta mais rápida e permite a atualização contínua de informações, suportando o planejamento e previsão. Daugherty (2011) salienta que essas tecnologias têm, como base comum, o compartilhamento de informação entre os parceiros. As tecnologias permitem publicar, armazenar e fazer uso da abundância de informação sendo possível através de um sistema analítico sofisticado. Além disso, Subramani (2004) apontou que o uso de TI foi particularmente importante para os processos controle de qualidade das empresas da cadeia de suprimento. Reduzir o oportunismo entre as empresas é outro elemento importante para usar a TI na cadeia de abastecimento. A implementação de tecnologias baseadas na internet pode minimizar esse oportunismo, pois permite uma maior transparência nas transações entre os parceiros da cadeia de suprimentos (Gunasekaran & Ngai, 2004). Desde os anos 90 a TI tem sido considerada uma ferramenta para integração vertical dentro das organizações. Além disso, ela é mais considerada como um integrador horizontal para gerenciar a dependência mútua dentro e entre as empresas (Grandori & Soda, 1995). A TI tem um papel de apoio no relacionamento com compradores/fornecedores, fabricantes/varejistas e revendedores, beneficiando todos os parceiros (Daugherty, 2011). Essas relações diferentes são necessárias por causa da globalização e também por causa do crescente foco na terceirização. Essas características tem sido relevante para as empresas sendo necessário manter o foco sobre as obrigações de sotres das organizações como compras e logística. Ela permite que as organizações melhor avaliem suas configurações na cadeia e, portanto, possibilitar uma maior integração entre as empresas (Ashenbaum et al., 2009). Esse processo foi e ainda é complicado devido à dispersão geográfica, considerada uma barreira para a comunicação, colaboração e cooperação, tornando a TI como um direcionador papel fundamental nas cadeias e, consequentemente, na sua governança. De acordo com Gereffi, Humphrey & Sturgeon (2005) a chave para a organização industrial em escala global é o fato de que a coordenação e controle podem ser alcançados sem a participação direta. As ferramentas de TI, como a colaboração eletrônica, pode trazer benefícios efetivos, como custos menores de governança nas transações com agentes externos em comparação com os custos de coordenação interna (Chong, Ooi & Sohal, 2009). Este tipo de tecnologia proporciona uma redução de custos de comunicação e pode ser usado para melhorar a coordenação dentro da cadeia de suprimentos (Grandori & Soda, 1995). Stank, Crum & Arango (1999) afirmam que a coordenação interorganizacional, representada por dimensões de comunicação de TI, parcerias e monitoramento, afetam positivamente o desempenho logístico. Ghosh & Fedorowicz (2008) argumentam que em cada ponto da cadeia de suprimentos um fluxo de informação é necessário, em tempo real, para facilitar a coordenação e alcançar performances superiores. O compartilhamento de informações específicas com um parceiro de negócio em tempo real permite um melhor e mais preciso planejamento (Simatupang & Sridharan, 2005). As empresas devem aproveitar a TI para coordenar as ações necessárias para garantir a pontualidade no fornecimento e fluxo de informações. Para garantir essa coordenação, as empresas devem ter um estilo de governança em que a transparência da informação na cadeia de suprimentos permite a antecipação e compartilhamento de riscos entre os parceiros. Para garantir a transparência no fluxo de informações, são necessários padrões e uniformidade para garantir com que todos na cadeia estejam em conformidade com todos os requisitos (Bitran, Gurumurthi & Sam, 2006). Fawcett et al. (2006 ) afirmam que o compartilhamento de informação e os interesses dos 3

4 parceiros, quando alinhados, são significantes para alcançar os objetivos da cadeia de suprimentos. Os mesmos autores apontam que a falta de coordenação ocorre quando os tomadores de decisão têm informação deficiente ou incentivos que são incompatíveis com os objetivos planejados. 3. A Governança da Cadeia de Suprimentos Apesar de uma parte significativa da literatura de governança dê especial atenção às práticas de controle e descrição das atividades e papéis nas organizações, outras abordagens teóricas ampliam a compreensão do seu conceito (Rodrigues & Malo, 2006). Cornforth (2003) sugere quatro perspectivas teóricas através do qual o conceito de governança podem ser vistos: teoria da agência, teoria de stewardship, teoria dos custos de tranação e a teoria da dependência de recursos. A teoria da agência (Jensen & Meckling, 1976) postula que as empresas na cadeia de suprimentos têm interesses diferentes. Assim, a governança surge como um conjunto de práticas para garantir o controle e a coordenação das ações na cadeia de suprimento. Os contratos são uma forma de fornecer garantias para as empresas da cadeia de suprimentos e permitir conformidades sobre as ações realizadas. Muitas vezes, uma forma de alcançar os objetivos de negócio da cadeia de suprimentos é através da concessão de incentivos. O poder é também um elemento crucial na cadeia, sendo importante para garantir o controle e o desempenho dos arranjos contratuais para apoiar aos interesses comerciais dos envolvidos. Pode-se chamar esse tipo de governança suportado pela teoria da agência como uma governança da cadeia de suprimentos contratual. Com a teoria dos custos de transação, a organização é vista como uma estrutura de governança, sendo utilizada como um instrumento para minimizar os custos de transação (Williamson, 1981). Diferentes formas de organização são oferecidos, visando minimizar os efeitos da racionalidade limitada e salvaguardar as transações contra o oportunismo dos agentes envolvidos. Além disso, os custos de transação são influenciados e estabelecido de acordo com a complexidade e codificação de cada operação. Pode-se referir ao tipo de governança da cadeia de suprimentos transacional alicerçado na teoria dos custos de transação. Na teoria da dependência de recursos, as organizações dependem fortemente do ambiente externo para sobreviver (Pfeffer & Salancik, 1978), em especial os outros parceiros de negócio da cadeia de suprimentos. Neste contexto, a governança é um conjunto de práticas para desenvolver um relacionamento com este ambiente com o objetivo de atingir todos os recursos e informações necessárias para garantir a sobrevivência da organização. Portanto, as características dos fornecedores com as suas capacidades, qualificações e flexibilidade assumem um papel importante, uma vez que analisamos a governança da cadeia de suprimentos. Por fim, a teoria de stewardship supõe que os diferentes parceiros da cadeia de suprimentos podem ser vistos como aliados com interesses que se harmonizam e são compartilhados (Davis, Schoorman & Donaldson, 1997). Para que isso aconteça parceiros de negócios na cadeia de suprimentos precisam confiar um no outro, cooperar, possuir processos integrados, colaborando para atingir a meta da cadeia e das empresas que fazem parte dessa parceria. Assim, com essas duas últimas teorias, dependência de recursos e stewardship, podemos identificar uma governança da cadeia de suprimentos relacional. A partir das revisões sobre os investimentos em TI relacionado a cadeia de suprimentos, e as teorias que fornecem bases para entender a governança da cadeia de suprimentos contratual, relacional e transacional e seus elementos, foram elaboradas hipóteses de pesquisa e o modelo utilizado nesse estudo apresentados a seguir. 4

5 4. Modelo de pesquisa e hipóteses do estudo Apenas dois estudos foram encontrados que relacionam diretamente a TI e a governança da cadeia de suprimentos. Bitran, Gurumurthi & Sam (2006) argumentam que a TI desempenha um papel de direção e também tem promovido transformações fundamentais no comportamento da cadeia e da governança. Já Ghosh & Fedorowicz (2008) apontam que a TI é usada para a coordenação e compartilhamento de informações na cadeia, com base em um conjunto coeso de processos de comunicação que expandem a governança. Além destes, outros dois estudos (Gereffi, Humphrey & Sturgeon, 2005; Ashenbaum et al, 2009) relacionam o uso da tecnologia em geral, para apoiar a interação dentro das empresas e referem-se a aspectos da governança da cadeia de suprimentos em relação ao uso da padronização e linguagens comuns entre os parceiros de negócios da cadeia. Assim, esses argumentos levam leva à primeira hipótese deste estudo: Hipótese 1 Os Investimentos em TI influenciam positivamente a governança da cadeia de suprimentos. Relacionamentos entre os investimentos em TI e os aspectos contratuais da governança da cadeia de suprimentos, como contratos, poder, incentivos, coordenação e controle também foram identificados. Por exemplo, Subramani (2004) apontou que a TI é importante para os processos de coordenação e controle de qualidade das empresas na cadeia de suprimento. Já Ghosh e Fedorowicz (2008) argumentam que um fluxo de informação é necessário, em tempo real, para facilitar a coordenação. Assim, com base nesses aspectos apontados, foi estabelecida a segunda hipótese do trabalho que é: Hipótese 2 Os investimentos em TI influenciam positivamente a governança da cadeia de suprimentos contratual Os investimentos em TI também têm influenciado os aspectos da cadeia de suprimentos como custos de transação, oportunismo, codificação e complexidade nas transações que são elementos da governança da cadeia de suprimentos transacional. Para Gunasekaran e Ngai (2004) a implementação de tecnologias pode minimizar o oportunismo, pois permite uma maior transparência nas transações entre os parceiros da cadeia de. Outras ferramentas (Chong, Ooi & Sohal, 2009) podem trazer benefícios efetivos, como custos menores de governança nas transações. Assim, uma terceira hipótese foi elaborada: Hipótese 3 Os investimentos em TI influenciam positivamente a governança da cadeia de suprimentos transacional Finalmente, os investimentos em TI possuem um importante papel nas relações entre as empresas na cadeia de suprimentos. Ele suporta a construção de confiança entre os parceiros da cadeia, promovendo a colaboração, comprometimento, cooperação e integração. Ele também é um fator relevante na identificação das características dos fornecedores, tais como qualificação, flexibilidade e capacidades. Por exemplo, Daugherty (2011) salienta que diferentes TI têm como base comum, o compartilhamento de informação entre os parceiros, permindo publicar, armazenar e fazer uso da informação disponível. Complementando, Simatupang e Sridharan (2005) apontam que o compartilhamento de informações específicas, através de tecnologias, com um parceiro de negócio em tempo real permite um melhor e mais preciso planejamento. Consequentemente, a quarta hipótese deste estudo é: Hipótese 4 Os investimentos em TI influenciam positivamente a governança da cadeia de suprimentos relacional 5

6 Figura 1. Relações entre os investimentos em TI e as concepções da GCS Fonte: Elaborado pelos autores 5. Método Este estudo utilizou técnicas qualitativas (primeira etapa) e quantitativas (segunda etapa) para auxiliar o pesquisador na obtenção de um melhor e um mais profundo entendimento do fenômeno a ser estudado (Cresswell, 2014) com o objetivo de identificar a relação entre os investimentos em TI e governança da cadeia de suprimentos. As metodologias utilizada foram a análise de vários estudos de caso (Yin, 2005) e survey (Scheuren, 2004). A pesquisa teórica no passo anterior foi usada como base para o protocolo de estudo de caso, que se destina a guiar o investigador na coleta de dados para um estudo de caso (Yin, 2005). Nesse tipo de estudo, o protocolo desempenha um importante papel em assegurar confiabilidade, proporcionando informações de modo que a pesquisa repetida nas mesmas condições forneça os mesmos resultados (Yin, 2005). Assim, o protocolo utilizado no estudo de caso foi desenvolvido tendo em conta os elementos da governança da cadeia de suprimentos estudada por diferentes autores mencionados na revisão da literatura. A coleta de dados no estudo de casos múltiplos foi feita através de entrevistas em profundidade com executivos da cadeia de suprimentos de níveis estratégicos. Foram realizadas entrevistas com os principais executivos da cadeia de suprimentos em cada empresa. Os indivíduos tinham muita experiência e trabalhavam na área de cadeia de suprimentos por muitos anos. Eles também têm um conhecimento dos investimentos em TI e seu uso na cadeia. Foi conduzida a pesquisa em duas grandes empresas de setores importantes da economia brasileira (automotivo e eletroeletrônico), cada um com dois grandes fornecedores que são relevantes e importantes para as empresas. 6

7 Figura 2. Descrição das empresas, cargos e características dos respondentes Fonte: Elaborado pelos autores Todas as entrevistas foram gravadas e transcritas. Nesta etapa, as entrevistas representaram a principal fonte para a pesquisa, sendo analizadas através da análise de conteúdo (Bardin, 1977). A análise temática foi utilizada neste estudo, que consiste em descobrir os valores fundamentais que definem a comunicação, cuja presença ou freqüência de aparição pode significar alguma coisa para o objetivo analítico escolhido. As entrevistas, que foram gravadas e transcritas, duraram em média uma hora e trinta minutos. Algumas características dos entrevistados foram levadas em conta, como o seu tempo de trabalho na cadeia de suprimentos, tempo na empresa e conhecimento sobre os assuntos do presente estudo. Outra característica importante desta pesquisa é que as empresas têm uma grande cadeia e estruturada cadeia com centenas de produtos e fornecedores. Categorias foram determinadas com base nas unidades fundamentais de significado, que foram separados em três categorias: finais (quatro concepções - contratuais, relacionais e transacionais - e investimento em TI e GCS), intermediários (elementos da GCS, concepções e como a TI está relacionada e suporta) e iniciais (definições, usos e exemplos), que são apresentados em cada caso separadamente. Assim, a partir da revisão da literatura e da etapa qualitativa da pesquisa, um instrumento inicial de coleta de dados foi elaborado com 23 itens relacionados com os constructos: investimentos em TI (5 itens), governança da cadeia de suprimentos contratual (6), governança da cadeia de suprimentos relacional (8) e governança da cadeia de suprimentos transacional (4). Após a criação do instrumento de pesquisa, um pré-teste foi realizado antes da aplicação do questionário sobre uma amostra maior chamado survey. O instrumento de pesquisa elaborado a partir do estudo de casos múltiplos com executivos estratégicos da área de cadeia de suprimentos foi aplicado em grandes empresas brasileiras. A metodologia utilizada foi a survey (Scheuren, 2004) para identificar a influência dos investimentos em TI no GCS e suas concepções. A amostra deste estudo é de grandes empresas e seus fornecedores que possuem uma cadeia de suprimentos ampla e complexa no Brasil, e que fazem uso de diferentes tecnologias de informação relacionadas às ações na cadeia de suprimentos. O foco desta pesquisa foram gestores em posições de nível estratégicos, tais como, o vice-presidente, diretor ou gestores das áreas funcionais, como, cadeia de suprimentos, logística, comercial e de operações, que têm uma visão geral e profunda compreensão do funcionamento da cadeia e do relacionamento com compradores e fornecedores. O questionário foi disponibilizado e distribuído para as empresas em um software baseado na internet. Alguns mecanismos foram 7

8 previstos para aumentar a taxa de resposta, como a remessa de informações complementares e um para o reforço e lembrete. Para o desenvolvimento do pré-teste na fase quantitativa foram utilizados as etapas do processo de validação do instrumento e dos constructos propostas por Koufteros (1999): desenvolvimento de instrumentos, coleta de dados, Análise de fidedignidade do instrumento preliminar e final, com base na medição da correlação item-total corrigido (CITC) e Análise de Confiabilidade (Alfa de Cronbach). Além disso, o teste de unidimensionalidade foi realizado através de Análise Exploratória de Fator no bloco. Na survey, o processo de refinamento e validação do instrumento final seguiu as etapas propostas por Koufteros (1999), e Koufteros, Babbar e Kaighobadi (2009). Os dados coletados por meio do instrumento de pesquisa foram organizados e analisados com o auxílio do software IBM SPSS, usando várias formas e procedimentos descritivos. Para o modelo estrutural foi utilizada a modelagem por equações estruturais, com o auxílio do software IBM SPSS AMOS.. Uma vez identificados os modelos, as técnicas estatísticas foram utilizadas para avaliar a confirmação (ou não) das hipóteses de pesquisa. Nesta fase, o questionário foi utilizado para coletar os dados dos executivos responsáveis pela cadeia de suprimentos e logística. Em seguida, a análise estatística para descrição da amostra, mensuração da confiabilidade do instrumento e a validação do modelo proposto foram realizados aplicando um formato de equações estruturais. 6. Análise dos resultados da pesquisa qualitativa A partir da análise das transcrições das entrevistas no Estudo de Caso 1 (Empresa 1, 2 e 3) e Estudo de Caso 2 (Empresas 4, 5 e 6), foi possível identificar que elementos dos investimentos em TI estão ligados a GCS. Foi possível destacar ainda como tais investimentos se relacionam com cada uma das concepções do GCS. Com base na revisão da literatura poucos estudos foram encontrados relacionando a TI ou os investimentos em TI e a GCS. O monitoramento de preços, qualidade e quantidade estão relacionados com a GCS. O acompanhamento dos produtos e pedidos também podem ser alcançados através de investimentos em tecnologias por parte das empresas na cadeia de suprimentos. O compartilhamento de informações, o elemento mais apontado pelos entrevistados, é um elemento crucial, uma vez que se aproxima esta relação entre investimentos em TI e a GCS. Integração nas ações da cadeia de suprimentos é um elemento importante, apontado pelas empresas como sendo um aspecto relevante quando se analisa a GCS. E, por último, os investimentos em TI podem acelerar negociações comerciais entre a empresa e seus parceiros de negócios, possibilitando redução de custos da empresa nas ações na cadeia. Então, cinco itens emergiram das análises e que podem ser utilizados para identificar e medir a influência dos investimentos em TI na GCS: monitoramento, rastreamento, compartilhamento de informações, integração e redução de custos. Além disso, foi possível identificar que diferentes investimentos em TI são realizados para realizar ações e processos na SCG. Investimentos em TI relacionados a GCS contratual estão relacionados com as questões de padronização, conformidade e monitoramento dos parceiros e fornecedores, levando em consideração os contratos de fornecedores planejados com os relatórios de acordo com as necessidades e demandas das empresas. Investimentos relacionados em TI relacionados com essa concepção auxiliam as empresas a rastrear pedidos e visualizar ordens e requisitos, auxiliando no controle e coordenação de ações e processos na cadeia. Investimentos em TI que suportam a GCS relacional são realizadas para aumentar o compartilhamento de informações essenciais e estratégicas, sobre preços, previsão de custos e as expectativas da empresa. Por exemplo, esses investimentos podem proporcionar um 8

9 ambiente onde as empresas desenvolvem um entendimento mútuo, conhecem as necessidades dos outros, e ajudam uns aos outros sempre que necessário. Além disso, eles ajudam na aproximação e maior integração entre as empresas quando se tratam de suas atividades, processos, capacidades e qualificações dos fornecedores, permitindo uma rápida recuperação em caso de mudanças no mercado, ajudando também no desenvolvimento de novos produtos e processos entre as empresas. Investimentos em TI relacionados com a GCS transacional ajudam a reduzir custos de transação por meio de processos mais eficiente, mais rápidos e ágeis, com mais informações para evitar o uso de recursos das empresas em outras atividades que não agregam valor ao negócio e à cadeia. Esta redução de custos é viável também criando transações padronizadas entre as empresas através de uma linguagem comum compreendida por todos e, auxiliando na redução da complexidade de informações complexas, tornando o acesso e compreensão das informações mais fácil. Todos os elementos da GCS foram confirmados e validados pelos entrevistados nas empresas 1-6, com exceção dos elementos cooperação e oportunismo, e novos elementos surgiram nas análises. Os contratos foram separados em formal e informal, de acordo com os entrevistados, existem condições e situações em que um contrato formal não é suficiente para realizar uma ação. Esta constatação está de acordo com Ferguson, Paulin & Bergeron (2005) que destacam o papel dos contratos informais nas relações interorganizacionais. Diferentes estudos foram identificados na cooperação, como um elemento de governança na cadeia de suprimento (Henderson & Cool, 2010). No entanto, não há consenso, nem uma definição em relação ao elemento. Portanto, a cooperação não foi identificada como um elemento separado da GCS relacional, mas sim a existência de colaboração entre as empresas. Dessa forma, este item foi eliminado do modelo por ser muito próximo ao elemento colaboração. O item oportunismo foi identificado como sendo algo negativo e depreciativo pelos respondentes, que acreditavam na possibilidade de este termo afetar as respostas do entrevistado e podendo alterar a compreensão deste aspecto. Assim, os entrevistados sugeriram alterar o elemento oportunismo para transparência na transação entre as empresas da cadeia. Lamming et al. (2001) diz que o oportunismo não pode ser visto como um fator fixo em transações, por representar um risco para os gerentes. Portanto, para evitar malentendidos sobre este elemento e sua influência sobre as respostas dos executivos, foi alterado para a transparência. Com base nas considerações da fase qualitativa, o modelo utilizado para realizar a etapa quantitativa compreende cinco construções e 23 itens. A próxima seção apresenta os resultados encontrados na fase quantitativa. 7. Análise dos resultados da pesquisa quantitativa O pré-teste, de acordo com Malhotra (2006), é o teste preliminar do instrumento de pesquisa em uma pequena amostra de entrevistados, com o objetivo de identificar e eliminar possíveis problemas e permitindo a sua melhoria. Assim, o instrumento derivado da etapa qualitativa foi testado com 30 executivos de grandes empresas brasileiras. Seguindo os estágios de Koufteros (1999) foi realizada a análise da confiabilidade (Alpha de Cronbach dos constructos e do instrumento e CITC) e Análise Fatorial Exploratória Convergente para verificar a unidimensionalidade em cada fator e a purificação do instrumento preliminar. Os coeficientes do Alfa de Cronbach dos constructos e do instrumento ficaram acima de 0,6, sendo considerados satisfatórios para a este tipo de pesquisa (Hair et al., 2006). Itens com CITC inferiores a 0,3 foram descartados como apontado por Simsion (2007). Desta forma, os itens "contratos informais" e "flexibilidade" foram eliminados. Na análise fatorial exploratória convergente, o método escolhido para determinar os fatores foi a análise de componentes principais por utilizar a variância total dos itens e o método de rotação utilizado 9

10 foi o ortogonal Varimax. O único item que apresentou valor abaixo do recomendado (0,5) de acordo com Hair et al. (2006) foi o item "Poder ", que foi retirado do instrumento de pesquisa. Por conseguinte, o instrumento utilizado no estudo tem cinco constructos e 19 itens. O questionário foi enviado a executivos da cadeia de suprimentos e logística das maiores empresas do Brasil e seus fornecedores. Além disso, os executivos foram convidados a enviar informações de contato ou encaminhar o questionário para outros executivos nas mesmas áreas de negócios e nos mesmos cargos. Os questionários foram enviados a executivos, seguido por três outros lembretes da pesquisa. O primeiro foi enviado 15 dias após a primeira remessa, a segunda um mês depois e os últimos 45 dias após o envio. No total, 197 questionários foram devolvidos e 185 foram considerados válidos. O maior grupo de participantes da pesquisa é composto por executivos ocupando cargos administrativos do alto e médio escalão (57%) em suas organizações. Todos os executivos selecionados possuem um diploma, principalmente em cursos de administração e engenharia seguidos de Economia. Os 185 executivos trabalham em 121 diferentes grandes empresas de diversos e importantes setores econômicos brasileiros. A maioria das empresas analisadas são do setor automotivo (19%), seguido por bens de consumo, eletrônica e varejistas. Mais da metade (55%) empregam mais de 500 trabalhadores. Os entrevistados são funcionários de empresas com um volume de negócios entre 100 e 500 milhões de reais (17%) ou mais de bilhões de reais (13%). É relevante mencionar, sobre investimentos em TI na cadeia de suprimentos, que houve uma predominância de frequência de investimentos em ERP (140), seguido de portais de negócios (115), WMS (94) e EDI (94). Os testes de adequação da amostra Keiser-Meyer-Olkin e o teste de esfericidade de Bartlett apresentaram coeficientes aceitáveis, respectivamente 0,889 e nível de significância de 0,00, indicando a existência de correlações importantes entre itens. Além disso, a confiabilidade do instrumento foi confirmada, como os coeficientes dos constructos variando entre 0,7-0,91 e instrumento com valor de 0,927, apresentando Alfa de Cronbach acima de 0,7. A amostra final foi de 185 casos, considerados adequados para o uso da análise fatorial confirmatória (AFC) com base em modelagem de equações estruturais (SEM) Modelo de mensuração O modelo de mensuração foi validado pela aplicação da AFC seguindo as etapas propostas por Koufteros (1999). As etapas 1 e 2, desenvolvimento do instrumento e coleta de dados, foi realizado anteriormente. Após a definição do modelo, purificação dos respondentes, teste de adequação da amostra final e análises de confiabilidade é proposto o modelo de mensuração inicial. Ao longo do terceiro estágio proposto o modelo de mensuração deve ser executado através de um software específico para a SEM (AMOS 21), assim, definir o modelo de mensuração com os constructos e os respectivos itens. A validade convergente é o próximo passo, que é a observação dos valores t e das cargas fatoriais padronizadas. Os valores t devem ficar superiores à 2 ou 2,576 que são considerados significantes nos níveis 0,001 e as cargas fatoriais padronizadas devem ficar acima de 0,5 consideradas significantes nos níveis 0,001. Em todos os constructos os valores t ficaram superiores aos valores indicados ao nível de significância de 0,001 e as cargas dos fatores padronizadas que ficaram superiores ao valor de 0,5. Na etapa 4, avaliação dos índices de ajustamento e unidimensionalidade, os valores de covariância residual padronizada (Standardized Residual Covariances) e os índices de modificação (modification indexes) foram analisados. Segundo Koufteros (1999), valores de covariância residual padronizados entre as variáveis ou itens são considerados grandes quando são maiores que 2,58 e os índices de modificação maiores que 15 merecem atenção do pesquisador. 10

Palavras-Chave: Logística. Terceirização. Processo Decisório. Operadores Logísticos (3PL).

Palavras-Chave: Logística. Terceirização. Processo Decisório. Operadores Logísticos (3PL). Terceirização Logística: Fatores de Decisão sob a Perspectiva do Contratante Autoria: Renata Albergaria de Mello Bandeira, Antonio Carlos Gastaud Maçada, Luiz Carlos Brasil de Brito Mello RESUMO A terceirização

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO 2º.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO 2º. UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO 2º. SEMESTRE 2015 DISCIPLINA: Pesquisa Quantitativa com Análise de Dados PROFESSOR:

Leia mais

MODELO PARA AVALIAR A INFLUÊNCIA DOS INVESTIMENTOS EM TI NA GOVERNANÇA DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E O SEU DESEMPENHO

MODELO PARA AVALIAR A INFLUÊNCIA DOS INVESTIMENTOS EM TI NA GOVERNANÇA DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E O SEU DESEMPENHO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO Pietro Cunha Dolci MODELO PARA AVALIAR A INFLUÊNCIA DOS INVESTIMENTOS EM TI NA GOVERNANÇA DA

Leia mais

Serviço Especial de TV por Assinatura

Serviço Especial de TV por Assinatura RELATÓRIO CONTENDO AS ANÁLISES ESTATÍSTICAS DOS DADOS COLETADOS E SEUS RESULTADOS PRODUTO VI PÚBLICO (TUP) Serviço Especial de TV por Assinatura Janeiro de 2013 2 INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. VALIDAÇÃO

Leia mais

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management Sistemas de Informações SCM Supply Chain Management Fontes Bozarth, C.; Handfield, R.B. Introduction to Operations and Supply Chain Management. Prentice Hall. 2nd. Edition Objetivos Fluxos de Informação

Leia mais

2 ESTRUTURA DE PESQUISA

2 ESTRUTURA DE PESQUISA 2 ESTRUTURA DE PESQUISA A revisão sistemática da literatura tem por objetivo a sumarização do estado da arte de uma área de conhecimento especifica (Rowley e Slack, 2004). Para esta finalidade, de acordo

Leia mais

CONSTRUÇÃO E VALIDAÇÃO DE UM INSTRUMENTO PARA AVALIAR A MODALIDADE A DISTÂNCIA NO ÂMBITO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO

CONSTRUÇÃO E VALIDAÇÃO DE UM INSTRUMENTO PARA AVALIAR A MODALIDADE A DISTÂNCIA NO ÂMBITO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN CONSTRUÇÃO E VALIDAÇÃO DE UM INSTRUMENTO PARA AVALIAR A MODALIDADE A DISTÂNCIA

Leia mais

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira 1. Introdução Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira Gestão de Sistemas de Informação Os estudos realizados nas disciplinas Gestão da Produção

Leia mais

Gerenciamento do relacionamento com fornecedores: um estudo de caso na indústria de telecomunicações.

Gerenciamento do relacionamento com fornecedores: um estudo de caso na indústria de telecomunicações. Gerenciamento do relacionamento com fornecedores: um estudo de caso na indústria de telecomunicações. Rafael Siqueira (UNIFEI) raffa.siqueira@uol.com.br Renato da Silva Lima (UNIFEI) - rslima@unifei.edu.br

Leia mais

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Gilberto Zorello (USP) gilberto.zorello@poli.usp.br Resumo Este artigo apresenta o Modelo de Alinhamento Estratégico

Leia mais

Uso de modelagem de equações estruturais para testar a validade de construto

Uso de modelagem de equações estruturais para testar a validade de construto Uso de modelagem de equações estruturais para testar a validade de construto Juliana Alvares Duarte Bonini Campos Paula Cristina Jordani Patrícia Petromilli Nordi Sasso Garcia João Maroco Introdução A

Leia mais

O PAPEL DOS AGENTES DA CADEIA DE SUPRIMENTOS EM PROJETOS DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMAS CPFR: UM ESTUDO DE CASO

O PAPEL DOS AGENTES DA CADEIA DE SUPRIMENTOS EM PROJETOS DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMAS CPFR: UM ESTUDO DE CASO ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& O PAPEL DOS AGENTES DA CADEIA DE SUPRIMENTOS EM

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão 1 Roteiro da Apresentação Definições Cadeia de Suprimentos Logística Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

4 Análise dos Resultados

4 Análise dos Resultados 55 4 Análise dos Resultados Este capítulo apresenta os resultados obtidos a partir de survey realizada com jovens universitários chilenos. Para compor a base de dados, foram utilizadas as respostas de

Leia mais

Desafios para implementação de iniciativas de colaboração no processo de planejamento da demanda

Desafios para implementação de iniciativas de colaboração no processo de planejamento da demanda Desafios para implementação de iniciativas de colaboração no processo de planejamento da demanda Parte II Leonardo Julianeli Na primeira parte deste texto*, foram apresentados os principais motivadores

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

XLVII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PESQUISA OPERACIONAL

XLVII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PESQUISA OPERACIONAL UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaensch Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção

Leia mais

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução 19 Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: APRIMORAMENTO DA METODOLOGIA DE DIAGNOSTICO E PROPOSIÇÃO DE UM MÉTODO PARA IMPLANTAÇÃO BASEADO EM PROCESSOS DE NEGÓCIO Autor(es) FELIPE

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Referências Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Tópicos Especiais Alinhamento Estratégico TI e Negócios Professor: Fernando Zaidan 1 JAMIL, George Leal. Tecnologia e Sistemas de Informação.

Leia mais

www.pwc.com AMCHAM Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Abril de 2013

www.pwc.com AMCHAM Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Abril de 2013 www.pwc.com Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Agenda Introdução Como abordar o problema Discussões Conclusão PwC 2 Introdução PwC 3 Introdução Visões do Marketing Marketing tem que fazer

Leia mais

Gestão Democrática e Humanização do Cuidado

Gestão Democrática e Humanização do Cuidado Gestão Democrática e Humanização do Cuidado Cuiabá, agosto/2013 Selma Loch (SMS Florianópolis) selmaloch@gmail.com Gestão Democrática e Humanização do Cuidado Projeto de pesquisa sobre liderança e gerência

Leia mais

9º Congresso de Pós-Graduação UMA ANÁLISE GERENCIAL NA LOGÍSTICA REVERSA DE PÓS-VENDA

9º Congresso de Pós-Graduação UMA ANÁLISE GERENCIAL NA LOGÍSTICA REVERSA DE PÓS-VENDA 9º Congresso de Pós-Graduação UMA ANÁLISE GERENCIAL NA LOGÍSTICA REVERSA DE PÓS-VENDA Autor(es) ELIACY CAVALCANTI LELIS Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON 1. Introdução Atualmente, a preocupação da gestão

Leia mais

artigo SUPPLY CHAIN Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda.

artigo SUPPLY CHAIN Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda. O PAPEL DA AUTOMAÇÃO NA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda. INTRODUÇÃO Peter Drucker, um dos pensadores

Leia mais

IBM Software IBM Business Process Manager Simples e Poderoso

IBM Software IBM Business Process Manager Simples e Poderoso IBM Software IBM Business Process Manager Simples e Poderoso Uma única plataforma BPM que oferece total visibilidade e gerenciamento de seus processos de negócios 2 IBM Business Process Manager Simples

Leia mais

26/05 - Convergência de Métodos para Avaliação de Dados: Fatorial, Clusters e Testes Bivariados. 11 02/06 - Regressão Linear Simples e Múltipla

26/05 - Convergência de Métodos para Avaliação de Dados: Fatorial, Clusters e Testes Bivariados. 11 02/06 - Regressão Linear Simples e Múltipla PLANO DE ENSINO Universidade Positivo Curso: MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Área de concentração: Organizações, Gestão e Sociedade Disciplina: Métodos Quantitativos Administração de Pesquisa Carga horária total:

Leia mais

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Governança de TI Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? 2010 Bridge Consulting Apresentação A Governança de Tecnologia

Leia mais

Design and Performance Gestão da cadeia de suprimentos

Design and Performance Gestão da cadeia de suprimentos Design and Performance Gestão da cadeia de suprimentos 1 1. Supply Chain Structure 3. Componentes gerenciais 4. Supply Chain Performance Measurement (SCPM) 5. Hot topics in Supply Chain (SC) 6. Dell Case

Leia mais

Análise da Aplicação do Estudo de Caso em Dissertação de Mestrado em Administração

Análise da Aplicação do Estudo de Caso em Dissertação de Mestrado em Administração Análise da Aplicação do Estudo de Caso em Dissertação de Mestrado em Administração Geanderson Lenz geanderson.lenz@restinga.ifrs.edu.br IFRS Resumo:O método científico diz respeito à forma como os resultados

Leia mais

O modelo de referência das operações na cadeia de suprimentos - (SCOR-model)

O modelo de referência das operações na cadeia de suprimentos - (SCOR-model) VI ENEGEP - Fortaleza, CE, Brasil, 9 a 11 de Outubro de 2006 O modelo de referência das operações na cadeia de suprimentos - (SCOR-model) Carlos M.Taboada Rodrigues (PPGEP UFSC) taboada@deps.ufsc.br Cristian

Leia mais

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o Gerenciamento de Níveis de Serviço Win Van Grembergen, http://www/isaca.org Tradução de Fátima Pires (fatima@ccuec.unicamp.br) Na economia

Leia mais

MARKETING CONECTADO: Redes e Alianças no mercado Global. A cooperação como vantagem competitiva: novos estudos nas cooperativas de crédito.

MARKETING CONECTADO: Redes e Alianças no mercado Global. A cooperação como vantagem competitiva: novos estudos nas cooperativas de crédito. MARKETING CONECTADO: Redes e Alianças no mercado Global A cooperação como vantagem competitiva: novos estudos nas cooperativas de crédito. Afinal, o que é uma rede? Rede é uma composição de ligações que

Leia mais

MIT CDOIQ Symposium 2014. Os temas mais abordados

MIT CDOIQ Symposium 2014. Os temas mais abordados IV Conferência Internacional em Qualidade da Informação MIT CDOIQ Symposium 2014 Os temas mais abordados Evolução MIT Information Quality Program Pesquisa, Ensino, Publicações, Conferências, Certificação

Leia mais

IBM WebSphere Product Center

IBM WebSphere Product Center Soluções de gerenciamento de informação de produto para dar suporte aos seus objetivos de negócios IBM WebSphere Product Center Oferece uma solução abrangente de gerenciamento de informação de produto

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS NO BRASIL E A UTILIZAÇÃO DE INSTRUMENTOS DA CONTABILIDADE GERENCIAL: Sérgio Mendel Fellous

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS NO BRASIL E A UTILIZAÇÃO DE INSTRUMENTOS DA CONTABILIDADE GERENCIAL: Sérgio Mendel Fellous GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS NO BRASIL E A UTILIZAÇÃO DE INSTRUMENTOS DA CONTABILIDADE GERENCIAL: UMA AVALIAÇÃO SOB A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS ENVOLVIDOS Sérgio Mendel Fellous Orientador: Professor

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE MES

EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE MES MAXMES EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE MES White Paper Maxmes # 01 07/2009 MAXMES www.maxmes.com.br 1.0 Introdução A AMR Research conceituou o MES em 1990 como um sistema de informação que residia entre a automação

Leia mais

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5.1 Conceitos e definições do supply chain management O conceito ou definição do SCM é algo recente na literatura especializada, datado mais precisamente da metade

Leia mais

Como aprender a aplicar a Técnica de Equações Estruturais na Pesquisa em Operações. Luiz Artur Ledur Brito FGV-EAESP Luiz.brito@fgv.

Como aprender a aplicar a Técnica de Equações Estruturais na Pesquisa em Operações. Luiz Artur Ledur Brito FGV-EAESP Luiz.brito@fgv. Como aprender a aplicar a Técnica de Equações Estruturais na Pesquisa em Operações Luiz Artur Ledur Brito FGV-EAESP Luiz.brito@fgv.br Agenda O que é a técnica de equações estruturais e para que serve?

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho.

Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho. Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho. AULA 07 - ATPS Prof. Leonardo Ferreira 1 A Estrutura Funcional X Horizontal Visão

Leia mais

Implementando governança de TI usando modelos de maturidade

Implementando governança de TI usando modelos de maturidade Implementando governança de TI usando modelos de maturidade Prof. Me. Paulo Medina Corrêa (CEETEPS) paulomedina@yahoo.com Prof. Dr. Napoleão Galegale (CEETEPS) nvg@galegale.com.br Resumo: Esse trabalho

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

Governança e Qualidade em Serviços de TI COBIT Governança de TI

Governança e Qualidade em Serviços de TI COBIT Governança de TI Governança e Qualidade em Serviços de TI COBIT Governança de TI COBIT Processos de TI Aplicativos Informações Infraestrutura Pessoas O que é o CObIT? CObIT = Control Objectives for Information and Related

Leia mais

Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais

Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais Fórum de Governança Tecnologia e Inovação LabGTI/UFLA Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais Pamela A. Santos pam.santos91@gmail.com Paulo H. S. Bermejo bermejo@dcc.ufla.br

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

LOGÍSTICA E GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: CONCEITOS E DIFERENÇAS

LOGÍSTICA E GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: CONCEITOS E DIFERENÇAS 46 LOGÍSTICA E GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: CONCEITOS E DIFERENÇAS Leandro Soares Mestre em Engenharia de Produção pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil Professor

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 43 3 METODOLOGIA DA PESQUISA Medeiros (2005) esclarece que a pesquisa científica tem por objetivo maior contribuir para o desenvolvimento humano. Para isso, conta com métodos adequados que devem ser planejados

Leia mais

Aplicação do Modelo Store Equity: Um Estudo em uma Loja de Material de Construção de Belo Horizonte.

Aplicação do Modelo Store Equity: Um Estudo em uma Loja de Material de Construção de Belo Horizonte. Aplicação do Modelo Store Equity: Um Estudo em uma Loja de Material de Construção de Belo Horizonte. Resumo Autoria: Fabricio Dias Miranda, Dalton Jorget Teixeira O objetivo deste estudo foi o de testar

Leia mais

Visão estratégica para compras

Visão estratégica para compras Visão estratégica para compras FogStock?Thinkstock 40 KPMG Business Magazine Mudanças de cenário exigem reposicionamento do setor de suprimentos O perfil do departamento de suprimentos das empresas não

Leia mais

MBA Gestão da Tecnologia de Informação

MBA Gestão da Tecnologia de Informação MBA Gestão da Tecnologia de Informação Informações: Dias e horários das aulas: Segundas e Terças-feiras das 18h00 às 22h00 aulas semanais; Sábados das 08h00 às 12h00 aulas quinzenais. Carga horária: 600

Leia mais

PERFIL DE RELACIONAMENTO DAS CONSTRUTORAS EM SELECIONAR E MUDAR FORNECEDORES DE MATERIAIS

PERFIL DE RELACIONAMENTO DAS CONSTRUTORAS EM SELECIONAR E MUDAR FORNECEDORES DE MATERIAIS PERFIL DE RELACIONAMENTO DAS CONSTRUTORAS EM SELECIONAR E MUDAR FORNECEDORES DE MATERIAIS SOUZA, André Luiz (1); JUNGLES, Antônio Edésio (2); MARCHIORI, Fernanda (3) (1) Universidade Federal de Santa Catarina,

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO BURGO, Rodrigo Navarro Sanches, RIBEIRO, Talita Cristina dos Santos, RODRIGUES,

Leia mais

Informações para Parceiros de Negócios Cumprimento das leis, regulamentos e convenções. Transparência nos negócios. www.siemens.

Informações para Parceiros de Negócios Cumprimento das leis, regulamentos e convenções. Transparência nos negócios. www.siemens. Informações para Parceiros de Negócios Cumprimento das leis, regulamentos e convenções. Transparência nos negócios www.siemens.com/compliance "A cultura de uma empresa e seus valores fazem a diferença.

Leia mais

Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda

Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda Tecnologia da Informação Aplicada à Logística Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda Como garantir

Leia mais

E-business - como as empresas usam os sistemas de informação. Administração de Sistema de Informação I

E-business - como as empresas usam os sistemas de informação. Administração de Sistema de Informação I E-business - como as empresas usam os sistemas de informação Administração de Sistema de Informação I Supply Chain Management - Cadeia de suprimento Sistemas de Gerenciamento de Cadeia de Suprimentos Os

Leia mais

Explorando as Dimensões da Gestão do Portfólio de TI (GPTI) com gestores de TI em empresas brasileiras

Explorando as Dimensões da Gestão do Portfólio de TI (GPTI) com gestores de TI em empresas brasileiras Explorando as Dimensões da Gestão do Portfólio de TI (GPTI) com gestores de TI em empresas brasileiras Autoria: Pietro Cunha Dolci Resumo Diversos autores salientam que os gestores de TI têm utilizado

Leia mais

Autoria: Nestor de Oliveira Filho, Franciane Silveira

Autoria: Nestor de Oliveira Filho, Franciane Silveira APLICAÇÃO DO PROCESSO TOLL-GATE PARA SELEÇÃO DE OPORTUNIDADES E PROJETOS DE NOVOS PRODUTOS EM EUMA EMPRESA FORNECEDORA DE BENS E SERVIÇOS PARA O SETOR DE ENERGIA Resumo Autoria: Nestor de Oliveira Filho,

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Administração de Empresas 6º Período Resumo Introdução ao Conceito de Logística Logística Empresarial (ótica acadêmica e empresarial) Globalização e Comércio Internacional Infra-Estrutura

Leia mais

ENTRAVES PARA A APLICAÇÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: UM ESTUDO DE CASO EM UMA TRANSPORTADORA DO ESPÍRITO SANTO

ENTRAVES PARA A APLICAÇÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: UM ESTUDO DE CASO EM UMA TRANSPORTADORA DO ESPÍRITO SANTO ENTRAVES PARA A APLICAÇÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: UM ESTUDO DE CASO EM UMA TRANSPORTADORA DO ESPÍRITO SANTO Arildo Paulo Viana Junior (AEGEA) arildoviana@gmail.com Caio Ruano da Silva (IFES) caio.silva@ifes.edu.br

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Metodologia de Estudo de Casos aplicada à logística

Metodologia de Estudo de Casos aplicada à logística Metodologia de Estudo de Casos aplicada à logística Dr. Regina Meyer Branski Me. Raul Arellano Caldeira Franco Prof. Dr. Orlando Fontes Lima Jr. Laboratório de Aprendizagem em Logística e Transporte (LALT)

Leia mais

Classificações dos SIs

Classificações dos SIs Classificações dos SIs Sandro da Silva dos Santos sandro.silva@sociesc.com.br Classificações dos SIs Classificações dos sistemas de informação Diversos tipo de classificações Por amplitude de suporte Por

Leia mais

FATORES RELACIONADOS À EFICIÊNCIA DE PORTOS E TERMINAIS DE CARGA

FATORES RELACIONADOS À EFICIÊNCIA DE PORTOS E TERMINAIS DE CARGA FATORES RELACIONADOS À EFICIÊNCIA DE PORTOS E TERMINAIS DE CARGA Karen Vassoler Martins Marta Monteiro da Costa Cruz FATORES RELACIONADOS À EFICIÊNCIA DE PORTOS E TERMINAIS DE CARGA Karen Vassoler Martins

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br COBIT Governança de TI Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br Sobre mim Juvenal Santana Gerente de Projetos PMP; Cobit Certified; ITIL Certified; OOAD Certified; 9+ anos de experiência em TI; Especialista

Leia mais

Pesquisa Operacional Aplicada à Rede De Distribuição Logística

Pesquisa Operacional Aplicada à Rede De Distribuição Logística Estratégias Globais e Sistemas Produtivos Brasileiros ISSN: 2175-1897 Pesquisa Operacional Aplicada à Rede De Distribuição Logística José Antônio Garcia Vieira* *Especialização em Gestão Estratégica Empresarial/Fatec

Leia mais

Melhores Práticas em TI

Melhores Práticas em TI Melhores Práticas em TI Referências Implantando a Governança de TI - Da Estratégia à Gestão de Processos e Serviços - 2ª Edição Edição - AGUINALDO ARAGON FERNANDES, VLADIMIR FERRAZ DE ABREU. An Introductory

Leia mais

SCM Supply Chain Management Desafio na Integração de clientes e fornecedores

SCM Supply Chain Management Desafio na Integração de clientes e fornecedores SCM Supply Chain Management Desafio na Integração de clientes e fornecedores OBJETIVOS Principais desafios de Supply Chain enfrentados pelas indústrias Premissas para criação de valor na comunicação interempresas

Leia mais

O PAPEL DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) NA INTEGRAÇÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E O IMPACTO NO DESEMPENHO

O PAPEL DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) NA INTEGRAÇÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E O IMPACTO NO DESEMPENHO O PAPEL DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) NA INTEGRAÇÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E O IMPACTO NO DESEMPENHO Claudia Aparecida Mattos (FEI) ccldmtts@terra.com.br Fernando Jose Barbin Laurindo (USP) fjblau@usp.br

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Processos empresariais como preditores de maturidade organizacional: uma aplicação da análise multivariada

Processos empresariais como preditores de maturidade organizacional: uma aplicação da análise multivariada Processos empresariais como preditores de maturidade organizacional: uma aplicação da análise multivariada Adriano Rodrigues de Melo 1 Vanessa Ferreira Sehaber 2 Jair Mendes Marques 3 1 Introdução A permanente

Leia mais

Case Baterias Moura. Liderança em Baterias. Previsão da demanda. Programação de produção. Insumos. MRP - Moura. Produtos em Processo.

Case Baterias Moura. Liderança em Baterias. Previsão da demanda. Programação de produção. Insumos. MRP - Moura. Produtos em Processo. Case Baterias Moura Liderança em Baterias Centro de Distribuição Planta de Reciclagem Planta de Baterias Porto Rico - USA Buenos Aires - Argentina Previsão da demanda Programação de produção VENDA DOS

Leia mais

Lista de Exercícios - COBIT 5

Lista de Exercícios - COBIT 5 Lista de Exercícios - COBIT 5 1. O COBIT 5 possui: a) 3 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios b) 3 volumes, 5 habilitadores, 7 princípios c) 5 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios d) 5 volumes, 5 habilitadores,

Leia mais

MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management

MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX:

Leia mais

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando?

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? A publicação prevista para Novembro de 2015 tem como propósito refletir as mudanças no ambiente em que a norma é usada e garantir que a mesma mantenha-se adequada

Leia mais

O papel da gerência em equipes ágeis: uma avaliação na perspectiva do desenvolvedor de software

O papel da gerência em equipes ágeis: uma avaliação na perspectiva do desenvolvedor de software 109 - Encontro Anual de Tecnologia da Informação O papel da gerência em equipes ágeis: uma avaliação na perspectiva do desenvolvedor de software Jerson Mateus da Silveira1, Adriana Neves dos Reis1 1 Instituto

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: obter materiais, agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e disponibilizar os produtos no local e

Leia mais

Análise crítica de um dos primeiros casos de quarteirização logística (4PL) no Brasil: o caso CVRD e IPQ

Análise crítica de um dos primeiros casos de quarteirização logística (4PL) no Brasil: o caso CVRD e IPQ Análise crítica de um dos primeiros casos de quarteirização logística (4PL) no Brasil: o caso CVRD e IPQ Mauro Vivaldini (UNIMEP) mvivaldini@mbbrasil.com.br Fernando Bernardi de Souza (UNIMEP) fbsouza@unimep.br

Leia mais

Conhecimento em Tecnologia da Informação. Catálogo de Serviços. Conceitos, Maturidade Atual e Desafios. 2012 Bridge Consulting All rights reserved

Conhecimento em Tecnologia da Informação. Catálogo de Serviços. Conceitos, Maturidade Atual e Desafios. 2012 Bridge Consulting All rights reserved Conhecimento em Tecnologia da Informação Catálogo de Serviços Conceitos, Maturidade Atual e Desafios 2012 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Esta publicação tem por objetivo apresentar

Leia mais

A Integração da Cadeia de Suprimentos de uma Usina Siderúrgica e Sua Relação com o Desempenho Logístico

A Integração da Cadeia de Suprimentos de uma Usina Siderúrgica e Sua Relação com o Desempenho Logístico A Integração da Cadeia de Suprimentos de uma Usina Siderúrgica e Sua Relação com o Desempenho Logístico Jeová Alves Araújo jeova.a.a@unisantos.br UNISANTOS Ricardo Kenji Oi prof_oi@ymail.com UNISANTOS

Leia mais

ITIL (INFORMATION TECHNOLOGY INFRASTRUCTURE LIBRARY)

ITIL (INFORMATION TECHNOLOGY INFRASTRUCTURE LIBRARY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO GOVERNANÇA DE TI O QUE É GOVERNANÇA DE TI É um conjunto de estruturas e processos que visa garantir que a TI suporte e maximize adequadamente os objetivos e estratégias

Leia mais

Evolução estratégica do processo de compras ou suprimentos de bens e serviços nas empresas

Evolução estratégica do processo de compras ou suprimentos de bens e serviços nas empresas Evolução estratégica do processo de compras ou suprimentos de bens e serviços nas empresas Ataíde Braga Introdução A aquisição de bens e serviços a serem utilizados na produção e na revenda de produtos

Leia mais

Gestão de Marketing e Ética Empresarial

Gestão de Marketing e Ética Empresarial Escola de Economia e Gestão Gestão de Marketing e Ética Empresarial Reconhecer e explicar os conceitos pilares do marketing e seu ambiente; Reconhecer a estratégia de marketing e aplicar os principais

Leia mais

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO NBR ISO/IEC 27002: 2005 (antiga NBR ISO/IEC 17799) NBR ISO/IEC 27002:2005 (Antiga NBR ISO/IEC 17799); 27002:2013. Metodologias e Melhores Práticas em SI CobiT; Prof. Me. Marcel

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA-AÇÃO PARA OBTENÇÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

A CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA-AÇÃO PARA OBTENÇÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA A CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA-AÇÃO PARA OBTENÇÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Daniela GIBERTONI 1 RESUMO A inovação tecnológica continua a ser um desafio para as empresas e para o desenvolvimento do país. Este

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Gestão orçamentária na Construção Civil

Gestão orçamentária na Construção Civil Um retrato dos desafios, práticas e resultados do planejamento orçamentário Maio, 2014 Agenda Metodologia e amostra Desafios e cultura da organização na gestão orçamentária Processos e riscos do planejamento

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DAS TIPOLOGIAS DE REDES DE COOPERAÇÃO ENTRE EMPRESAS

CARACTERÍSTICAS DAS TIPOLOGIAS DE REDES DE COOPERAÇÃO ENTRE EMPRESAS CARACTERÍSTICAS DAS TIPOLOGIAS DE REDES DE COOPERAÇÃO ENTRE EMPRESAS Roberta Fernandes de Oliveira Engenheira Civil, Mestranda em Engenharia de Produção, Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade

Leia mais

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer 3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer Esse capítulo tem por objetivo apresentar os conceitos do sistema APO (Advanced Planner and Optimizer), o sistema APS da empresa alemã SAP. O sistema APO

Leia mais

O Efeito Chicote e o seu Impacto na Gestão das Cadeias de Suprimentos

O Efeito Chicote e o seu Impacto na Gestão das Cadeias de Suprimentos O Efeito Chicote e o seu Impacto na Gestão das Cadeias de Suprimentos RESUMO Leandro Callegari Coelho (UFSC) leandroah@hotmail.com Neimar Follmann (UFSC) follmann2@hotmail.com Carlos Manuel Taboada Rodriguez

Leia mais