O TRÂMITE LOGÍSTICO DO FUNGICIDA SPHERE NA EMPRESA HERBICAMPO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O TRÂMITE LOGÍSTICO DO FUNGICIDA SPHERE NA EMPRESA HERBICAMPO"

Transcrição

1 O TRÂMITE LOGÍSTICO DO FUNGICIDA SPHERE NA EMPRESA HERBICAMPO Ananda Morandini de Souza Discente da Unioeste Rua Parigot de Souza, 79 - Cascavel Loreni T. Brandalise Docente da Unioeste Rua Universitária, Cascavel Raquel Adriana Pin Discente da Unioeste Rua José Cazzanatto, Toledo Área: Administração Resumo Este estudo apresenta o trâmite logístico do fungicida Sphere, desde a detecção da falta do produto para revenda até a entrega ao consumidor final e pós venda, na empresa Herbicampo, na cidade de Cascavel. O levantamento dos dados deu-se por meio de observação in loco e entrevista estruturada, com base nos conceitos da Administração de Materiais e a logística envolvida no desenvolvimento de suas atividades. Como resultado, observou-se que os sistemas de informação da empresa atendem suas necessidades. Entretanto, em relação ao atendimento aos clientes, a empresa enfrenta problemas sazonais, em épocas próximas ao plantio e à colheita, como a falta de funcionários e de veículos para realizar a entrega de produtos. Palavras-chave: logística, competitividade, distribuição. 1. Introdução A globalização, a expansão das linhas de produtos e o comércio eletrônico, fazem do processo logístico um conjunto importante de operações gerenciais. Com isso ocorre a grande valorização do serviço prestado ao cliente e, como conseqüência, a logística destaca-se como

2 2 fator de competitividade entre as empresas, observa Scott (1999), pois as atividades logísticas afetam os índices de preços, custos, produtividade, custos de energia e satisfação dos clientes. A vantagem competitiva de uma organização é um conceito relacionado com a sua posição em relação às suas concorrentes, representa a diferenciação dos seus serviços, possibilitando um melhor posicionamento no mercado. Assim, a logística é um fator relevante na busca de uma boa posição no mercado em relação aos seus concorrentes para as organizações, principalmente através da oferta de um serviço adequado aos seus clientes. As atividades logísticas compreendem: suprimentos, previsão de mercado, rastreamento de fornecedor, processamento de pedidos, execução do pedido, manuseio e estocagem, as entregas, distribuição, controles de expedição e tráfego, e por fim, a assistência ao cliente. Este estudo apresenta uma análise do trâmite logístico do fungicida Sphere, desde a detecção da falta do produto para revenda até a entrega ao consumidor final e pós venda, na empresa Herbicampo, na cidade de Cascavel. Para o desenvolvimento do estudo a metodologia utilizada foi a observação in loco, em visitas realizadas à empresa em setembro de 2006, e entrevista estruturada aplicada ao gerente financeiro da empresa, elaborada com base nos conceitos da Administração de Materiais e a logística envolvida, apresentada na bibliografia de abrangência da área. 2. A Herbicampo A Herbicampo Comércio de Insumos Agrícolas Ltda iniciou suas atividades 1998, a partir da união de pessoas que trabalhavam em outras empresas do mesmo segmento. Sua primeira sede localizava-se no município de Cafelândia-PR. Em julho do mesmo ano, a empresa abriu uma filial na cidade de Cascavel -PR e, em setembro de 1999, outra filial em Campo Bonito-PR. Em 22 de março de 2001, a matriz de Cafelândia e a filial de Campo Bonito foram extintas, passando sua sede para Cascavel, onde poderiam atender as cidades de Cafelândia, Corbélia, Campo Bonito, Catanduvas, Ibema e Santa Tereza do Oeste. Possui em Cascavel prédio próprio com área total construída de 1150 m². É composta por sete sócios e outros cinco funcionários, formando um quadro de doze colaboradores. A empresa revende sementes (soja, trigo e milho), fertilizantes (adubo formulado, folhear e nitrogenado) e defensivos agrícolas (inseticidas, herbicidas, fungicidas e óleos adjuvantes). Os defensivos agrícolas são fornecidos exclusivamente pela Bayer e representam 70% das vendas, dentre os quais se destacam os fungicidas. O produto escolhido para a realização do estudo é o fungicida Sphere (Bayer), por ser um dos maiores representantes de faturamento da empresa. O produto, vendido em litros, em embalagens de 1 litro ou galões de 5 litros, é o último produto aplicado nas plantações antes da colheita. Pode ser utilizado nas culturas de milho, trigo e soja. 3. Revisão Teórica Segundo Arnold (1999), a administração de materiais é função coordenadora responsável pelo planejamento e controle do fluxo de materiais. Tem por objetivo maximizar a utilização dos recursos da empresa e fornecer o nível requerido de serviço ao consumidor.

3 3 O conceito de administração de materiais apresentado por Francischini e Gurgel (2004, p.4): atividade que planeja, executa e controla, nas condições mais eficientes e econômicas, o fluxo de material, partindo das especificações dos artigos a comprar até a entrega do produto determinado ao cliente. Estes autores afirmam que a administração de materiais é uma das condições fundamentais para o equilíbrio econômico e financeiro de uma empresa, pois tratar do abastecimento, do planejamento e do reaproveitamento de materiais de maneira adequada contribui para a melhoria dos resultados da organização. A logística é o processo de gerenciamento estratégico da compra, do transporte e da armazenagem de matérias-primas, partes e produtos acabados (além dos fluxos de informação relacionados) por parte da organização e de seus canais de marketing, de tal modo que a lucratividade atual e futura seja maximizada, com a entrega de encomendas ao menor custo associado (CHRISTOPHER, 2007). Bowersox et al. (2007) referem-se à logística como a responsável por projetar e administrar sistemas para controlar o transporte e a localização geográfica dos estoques de materiais, produtos inacabados e produtos acabados pelo menor custo total. Desta forma, a logística é o meio utilizado para realizar de modo eficiente e eficaz todas as atividades da administração de materiais, o que conseqüentemente pode reduzir custos e melhorar os lucros da empresa. As principais atividades da Administração de Materiais são: compras, rastreamento de avaliação de fornecedores, efetuar os pedidos; receber, armazenar, controlar os estoques e distribuir os materiais. Cada uma destas atividades são apresentadas na seqüência. 3.1 Compras Para Viana (2000) a atividade compras tem por finalidade suprir as necessidades da empresa mediante a aquisição de materiais e/ou serviços, emanadas das solicitações dos usuários, objetivando identificar no mercado as melhores condições comerciais e técnicas. Significa procurar e providenciar a entrega de materiais, na qualidade especificada e no prazo necessário, a um preço justo, para o funcionamento e manutenção da empresa. As atividades envolvidas na coleta, verificação e transmissão de informações de vendas realizadas referem-se à entrada e ao processamento de pedidos. Essas atividades englobam todo trabalho burocrático associado à venda dos produtos ou serviços da firma. Elas podem ser facilmente identificadas pelo exame de um ciclo do fluxo típico de informações (BALLOU, 1993). Na visão de Gonçalves (2004), a função compras envolve muita responsabilidade. Ela requer planejamento e acompanhamento, processos de decisão, pesquisas e seleção das fontes supridoras dos diversos materiais, diligenciamento (follow-up) para assegurar que o produto será recebido no momento esperado, inspeção tanto da qualidade quanto das quantidades desejadas. Requer uma coordenação geral entre os diversos órgãos da empresa: almoxarifados, no que tange ao armazenamento dos materiais; planejamento de estoques, responsável por definir as quantidades a serem adquiridas e os respectivos prazos de entrega; finanças, no que se relaciona a autorização e controle de pagamentos das faturas dos materiais recebidos e muitos outros setores da estrutura organizacional.

4 4 Os principais processos de compras, conforme Dias (1995) são: (a) pesquisa, estudo de mercado, de preço, de fontes de fornecimento, de materiais alternativos, de vias de distribuição; (b) cadastrar, controlar e avaliar fornecedores; (c) acompanhar a política de compras da empresa; (d) definir formas de comprar, lote econômico, distribuir os materiais nos armazéns (e) definir e atualizar parâmetros de estoque (max, min, ponto de pedido); (f) negociar a melhor compra (ICMS, importação, frete, qualidade, condição de pagamento, preço, embalagem, assistência técnica e garantia); e (h) fazer follow-up (diligenciamento) para prevenir-se de desvios eventuais. 3.2 Fornecedor O estudo dos fornecedores é tópico fundamental da logística empresarial, iniciando pela identificação das fontes de fornecimento, seleção e avaliação dos mesmos, visando a formação de uma relação ganha-ganha. Para Arnold (1999), a escolha de um bom fornecedor consiste em analisar aquele que tem a tecnologia para fabricar o produto na qualidade exigida, tem a capacidade de produzir as quantidades necessárias, podendo aumentar seu negócio com eficiência, obtendo lucros e ainda vender um produto a preços competitivos. O cadastramento de fornecedores, segundo Viana (2000), tem o objetivo de fazer levantamento das qualificações, a avaliação e desempenho dos fornecedores de materiais e serviços. O cadastramento se faz necessário para que a empresa escolha e saiba de quem comprar, pois ato de cadastrar disponibiliza informações atualizadas e confiáveis que possibilita a adequada seleção de fornecedor para cada concorrência promovida. É preciso efetuar constantemente a manutenção dos dados cadastrais, pois a avaliação do fornecedor deve ser feita de acordo com seus fornecimentos. A logística vincula a empresa a seus clientes e fornecedores, considerando que no momento do suprimento de materiais inicia-se um fluxo de bens de valor agregado que resulta na entrega dos produtos acabados aos clientes. Neste contexto, Viana (2000) ensina que deve ser mantida uma determinada quantidade de empresas fornecedoras no cadastro, entretanto este número não deve ser nem tão elevado, nem tão reduzido; mas sim possuir uma quantia em função da diversidade dos materiais consumidos. 3.3 Pedido As solicitações dos clientes na maioria das cadeias de suprimentos são transmitidas no formato de pedido. O processamento desses pedidos envolve todos os aspectos de administrar as solicitações dos clientes, incluindo o recebimento inicial do pedido, a entrega, o faturamento e a cobrança. As habilidades logísticas de uma empresa são tão boas quanto sua competência no processamento de pedidos (BOWERSOX et al., 2007) Um pedido perfeito corresponde ao pedido entregue conforme o requerido pelo cliente, em termos de prazos, quantidades e especificações do produto. Neste sentido, Taylor (2005) afirma que os pedidos para serem bem elaborados devem responder às clássicas perguntas: quem está comprando e vendendo, que produto está sendo solicitado, qual o local de entrega e quando o pedido deve chegar ao destino. De acordo com Bertaglia (2003), os elementos do processo de gestão de pedidos podem ser divididos em: fornecimento de dados de produtos e serviços; visita aos clientes;

5 5 coleta de pedidos; recebimento e validação de pedidos; análise de crédito do cliente e reserva do produto. Segundo esse mesmo autor, os pedidos são produtos intermediários das interações entre clientes e fornecedores. As atividades de colocação de pedidos não termina quando da sua efetivação, é importante que se realize o diligenciamento (follow-up), para assegurar que o pedido chegue nas quantidades, especificações e no tempo acordado. Após o recebimento do produto e o devido lançamento nos registros da empresa e a liberação do pagamento ao fornecedor, inicia-se o procedimento de armazenagem. 3.4 Armazenagem O objetivo primordial da armazenagem é guardar a mercadoria por um certo tempo, até ser solicitada para consumo ou comercialização. De acordo com Ballou (1993), a armazenagem executa um papel-chave para aumentar a eficiência da movimentação de mercadorias. Os armazéns ou centrais de distribuição permitem a compensação eficaz dos custos de estocagem com menores custos de transportes, ao mesmo tempo em que mantêm ou melhoram o nível de serviço. Viana (2000) afirma que o armazenamento visa utilizar o espaço nas três dimensões, da maneira mais eficiente possível; fazendo ocupação plena do edifício, bem como ordenação e arrumação. Para melhor organização e praticidade no uso dos armazéns suas instalações devem ser elaboradas de forma a proporcionar movimentação rápida e fácil dos materiais do recebimento até a expedição. Na visão de Ballou (1993) existem quatro motivos essenciais para uma empresa usufruir o espaço físico de armazenagem. São elas: reduzir custos de transporte e produção; coordenar suprimento e demanda; auxiliar o processo de produção e auxiliar o processo de marketing. Para Alvarenga e Novaes (2000) após o desembarque os produtos são transferidos até o depósito onde serão armazenados. Na saída o produto é tirado de onde está armazenado, sendo movimentado até o local de expedição. As opções para movimentação de produto envolvem múltiplas combinações em termos de equipamento, forma de operação, entre outras. Quando as unidades de estocagem deslocadas (pallets, caixas, sacas) são colocadas nos seus locais de destino, sem a ajuda de equipamentos de elevação, constituem apenas movimento horizontal, isso implica em alturas de estocagens compatíveis com a condição. No deslocamento manual, a pessoa responsável transporta a carga nos braços, em carrinhos ou ainda em paleteiras, contudo, toda a movimentação é realizada com suas forças. Já a movimentação vertical pressupõe uso de equipamento apropriado como empilhadeiras, transelevadores ou pontes rolantes, equipamentos acionados por motores elétricos ou de combustão interna. O uso do equipamento de movimentação adequado reduz riscos ao homem e assegura a integridade física do produto. 3.5 Layout Definido de maneira simples como sendo o arranjo de homens, máquinas e materiais, o layout é a integração do fluxo típico de materiais, da operação dos equipamentos, combinados com as características que conferem maior produtividade ao elemento humano,

6 6 isto para que a armazenagem de determinado produto se processe dento do padrão máximo de economia e rendimento. Para Viana (2000), o layout também pode ser entendido como arranjo físico, isto é, a distribuição física de equipamentos, pessoas e materiais de maneira adequada. Alvarenga e Novaes (2000) definem layout da área de armazenagem como a forma e o tipo de gavetas e prateleiras, sua distribuição espacial, corredores, acesso, dentre outros. Não existe um critério fixo de avaliação quanto à adequação de um layout à determinada atividade, pois tudo depende da meta a ser atingida e dos fatores que influenciam no fluxograma típico para tal atividade. Todavia, Bowersox et al. (2007) lembram que o layout das áreas de estocagem de um armazém tem de ser planejado para facilitar o fluxo de produtos e das pessoas. A atividade do almoxarifado visa garantir a fiel guarda dos materiais confiados pela empresa, objetivando sua preservação e integridade até o consumo final (VIANA,2000). Os materiais armazenados estão sujeitos a determinados eventos, os quais poderão originar transformações e/ou alterações que resultarão em inutilização, causando sérios prejuízos às empresas. Por isso, é importante realizar alguns procedimentos, como a inclusão de necessidade de proteção e embalagem nas especificações de compra; inspeção de proteção e/ou embalagem, por ocasião do recebimento; critérios de armazenamento; verificação de proteção; critérios para preservação. 3.6Controle de estoque A função de planejar e controlar estoque é fator primordial numa boa administração do processo produtivo. Cabe ao setor controlar as disponibilidades e necessidades totais do processo. Seu objetivo é não deixar faltar material ao processo de fabricação, evitando alta imobilização aos recursos financeiros. De acordo com Viana (2000), estoques são produtos acumulados para a utilização posterior, permitindo o atendimento regular das necessidades dos usuários para a continuidade das atividades da empresa, sendo o estoque gerado pela impossibilidade de prever-se a demanda com exatidão; ou ainda, o estoque pode ser uma reserva para ser utilizada em tempo oportuno. Os estoques são recursos ociosos com valor econômico, que representam um investimento voltado a desenvolver as atividades de produção e atender aos clientes. Embora o estoque de produtos signifique recursos financeiros imobilizados, existem algumas razões para o estoque ser mantido. Conforme Ballou (1993), os estoques são mantidos para: manter o nível de serviço; incentivar economias na produção; permitir economias de escala nas compras e no transporte; agir como proteção contra aumento de preços; proteger a empresa de incertezas na demanda e no tempo de ressuprimento e servir como segurança contra contingências. Nesse sentido, é importante definir as políticas de estoque, ou seja, estabelecer diretrizes como: metas de atendimento ao cliente (quanto a prazo de entrega); número de depósitos e itens a serem estocados; nível de estoques para atender alterações do consumo; até que ponto será permitido especulação com estoques, fazendo compra antecipada com preços mais baixos (com desconto); definição da rotatividade de estoques (DIAS, 1995). O procedimento administrativo para implementar uma política de estoque é o controle de estoque. Segundo Bowersox et al. (2007), esse controle define com que

7 7 freqüência os níveis de estoque são analisados para determinar quanto e quando comprar. É realizado de forma periódica e contínua. 3.7 Inventário Físico Outra atividade logística desempenhada pelo controle de estoque é a realização de inventários. O inventário físico para Viana (2000), consiste na contagem física periódica dos materiais existentes em estoque, para efeito de comparação com os estoques registrados e contabilizados em controle da empresa, a fim de se comprovar sua existência e exatidão. O inventário objetiva ter registros precisos dos itens estocados e de todas as operações de entrada e saída do almoxarifado, para verificar discrepâncias em quantidade e valor entre o estoque físico e o contábil. É usado para verificar diferenças em valor entre o estoque físico (quantidade real existente) e contábil (registros) e também para apurar o valor total do estoque para efeito de balanço. Caso haja diferenças entre o inventário físico e os registros do controle de estoques, devem ser feitos os ajustes conforme recomendações contábeis e tributárias (DIAS, 1995). Segundo Viana (2000), a prática mais tradicional nas organizações é o inventário anual em época de balanço. Para isto é necessário a paralisação das atividades durante o transcorrer da contagem. Além do inventário anual, existe o inventário rotativo, o qual encontra-se alicerçado em recursos de informática e pode ser classificado em três tipos: inventário automático, inventário programado e inventário a pedido. 3.8 Distribuição Logística pressupõe movimento de bens e serviços dos pontos de origem aos pontos de uso ou consumo; a atividade de transporte executa este movimento gerando os fluxos físicos dos mesmos ao longo dos canais de distribuição que também são relacionados com a movimentação das unidades de transporte. A distribuição é a atividade por meio da qual a empresa realiza as entregas de seus produtos, estando, por conseqüência, relacionada com a movimentação e com os transportes. Para Viana (2000), a natureza dos produtos a transportar e a origem dos recursos de transporte são alguns dos fatores importantes para o equacionamento da distribuição. Para Ballou (1993), a distribuição física preocupa-se com bens acabados ou semiacabados, que a companhia oferece para vender e que não planeja executar processamentos posteriores. A partir do momento que a produção é finalizada até o instante que o comprador toma posse dela, as mercadorias são responsabilidade da logística, que deve mantê-las no armazém da fábrica e transportá-las até os depósitos locais ou ao cliente diretamente. A distribuição é realizada via transporte, podendo ser enumerada através das várias modalidades: transporte rodoviário; transporte ferroviário; transporte hidroviário e marítimo; transporte aeroviário; transporte intermodal. A seleção da modalidade de transporte depende dos seguintes fatores na opinião de Viana (2000): a diferença entre o preço de venda do produto na origem e no local de consumo; custo de transporte entre o centro de produção e o local de consumo; as rotas de viagem; o manuseio do produto e o tempo de entrega.

8 8 3.9 Logística reversa Em todo o mundo a sociedade preocupa-se cada vez mais com os aspectos relativos ao equilíbrio ecológico. A tecnologia, o marketing e a própria logística contribuem para a redução do ciclo de vida dos produtos. A atenção mundial à proteção ambiental e à conservação dos recursos criou a necessidade de ampliação do foco nos fluxos logísticos das empresas para os mercados, para o gerenciamento dos fluxos reversos dos mercados de volta à empresa. A ênfase aqui é na reutilização, reembalagem, renovação ou disponibilização de artigos usados. De acordo com Stock citado por Leite (2003), o termo logística reversa refere-se ao papel da logística ao retorno de produtos, redução na fonte, reciclagem, substituição de materiais, reuso de materiais, disposição de resíduos, reforma, reparação e remanufatura. Para Brandalise (2008), a logística reversa trata dos fluxos de retorno de peças a serem reparadas, de embalagens e seus assessórios, de produtos vendidos e devolvidos e de produtos usados/consumidos a serem reciclados. Para Leite (2003, p.16), logística reversa é a área da logística empresarial que planeja, opera e controla o fluxo e as informações logísticas correspondentes, do retorno dos bens de pós-venda e de pós-consumo ao ciclo de negócios ou ao ciclo produtivo. O retorno dos bens ao ciclo produtivo se dá por meio dos canais de distribuição reversos, agregandolhes valor de diversas naturezas: econômico, ecológico, legal, logístico, de imagem corporativa, entre outros. Este autor denomina de logística reversa de pós-venda a área correspondente aos bens sem uso ou com pouco uso, que por diferentes motivos retornam a cadeia de distribuição direta. Seu objetivo é agregar valor a um produto logístico devolvido por razões comerciais; erros no processamento dos pedidos; garantia dada pelo fabricante; defeitos ou falhas de funcionamento; avarias no transporte, entre outros. Neste mesmo contexto, Leite (2003) esclarece que a logística reversa de pósconsumo equivale aos bens descartados pela sociedade em geral que retornam ao ciclo de negócio ou ciclo produtivo através dos canais de distribuição reversos específicos. Tem por objetivo atribuir valor a um produto logístico constituído por bens inservíveis ao proprietário original ou que ainda possuam condições de utilização, por produtos descartados por terem atingido o fim de sua vida útil e por resíduos industriais. 4. Resultados do Estudo Para evitar a falta de produtos, a empresa trabalha com o uso de estoques mínimos, o que na definição de Viana (2000, p.45), é a quantidade mínima possível capaz de suportar um tempo de ressuprimento superior ao programado ou um consumo desproporcional. Portanto, quando é detectado que o estoque de certo produto está em seu nível de segurança, o responsável pelas compras é comunicado. A previsão de venda e consumo é desenvolvida pelos técnicos da empresa que fazem visitas aos seus respectivos clientes do campo no início de cada safra, por volta do mês de maio. Nessas visitas há uma discussão sobre a produção da futura safra, o clima previsto para os próximos meses, a presença de pragas, para assim chegarem a uma conclusão da quantidade necessária para aquela área produtiva. Apesar de essa previsão ser feita no mês de maio, os agricultores fazem seus pedidos de compra no início de julho.

9 9 A pessoa responsável pela negociação e aquisição das mercadorias é o gerente geral, que agrupa as informações coletadas pelos técnicos e através destas, elabora o pedido que é despachado via para o escritório do fornecedor em Cascavel, que por sua vez envia para a fábrica em São Paulo. O fornecedor da empresa pesquisada para este produto é exclusivamente a Bayer S.A. Tal escolha ocorreu devido à Bayer ser a segunda maior multinacional em defensivos agrícolas e por fabricar produtos de primeira qualidade com um vasto portfólio, grande rentabilidade de retorno e excelente qualidade no atendimento. É importante ressaltar que para a consolidação desta parceria, a Herbicampo demonstrou sua solidez financeira por meio de garantias reais, conseguindo assim crédito com esse fornecedor. A Bayer, após receber o pedido de compra da Herbicampo, realiza a entrega em, no máximo 48 horas. Essa rapidez deve-se ao fato de existir um centro de distribuição da Bayer em Londrina-PR. A Herbicampo trabalha com um sistema de informação integrado, através do qual comunica-se com seu fornecedor, podendo realizar de maneira ágil e eficiente sua transação. Por meio desse sistema a Bayer tem acesso ao estoque da empresa cascavelense, facilitando a parceria entre as duas empresas. Esse mecanismo contribuiu para que a empresa em análise fosse nomeada pela Bayer distribuidora Premium, que representa o primeiro lugar na escala de qualidade. O acompanhamento (follow up) do pedido de compra também é realizado por este sistema de informação integrado com o do fornecedor, em que podem verificar a situação exata do pedido. Entretanto, nada impede que o diligenciamento seja feito via telefone. Quando o produto encomendado chega na Herbicampo, ele fica sob a responsabilidade de um auxiliar administrativo de recepção de produtos. Esse mesmo funcionário acompanha o descarregamento da mercadoria e é encarregado da conferência dos itens recebidos em confronto com a nota fiscal de compra. Após este procedimento ele mesmo dá entrada desses produtos no sistema. Dependendo da forma de pagamento, o próprio sistema operacional gera um contas a pagar ou procede a baixa no financeiro, em caso da operação ter sido realizada à vista. A armazenagem é realizada após a conferência, pelo auxiliar de serviços gerais, no depósito em anexo a sede administrativa. As caixas do fungicida Sphere são movimentadas em carrinhos de mão do caminhão até os pallets, onde ficarão armazenadas. As futuras movimentações dessas caixas serão feitas manualmente ou contando com o auxílio dos carrinhos. O layout do almoxarifado da empresa encontra-se de forma adequada, visto que o mesmo apresenta plena capacidade de proteger e preservar as mercadorias estocadas; distribuição eficiente de corredores para a movimentação dos funcionários; boa utilização da capacidade volumétrica. Devido ao alto poder tóxico do produto, ele é mantido na sua embalagem original, em caixas lacradas com quatro galões de cinco litros. Esse motivo, juntamente com o prazo de vencimento leva a empresa a utilizar o sistema PEPS, que tem a prática de sempre retirar do armazém o item de certo produto, que se encontra há mais tempo estocado. Além desse cuidado, a Herbicampo pode e deve recusar todo e qualquer lote de mercadorias enviadas pela Bayer, que esteja com seu prazo de validade marcado para nove meses ou menos do dia do recebimento.

10 10 O controle de estoque da Herbicampo conta com o auxílio de um confiável sistema de informação o Safe Gerencial B.D, da Agrots, desenvolvido justamente para este ramo de negócio. Apesar de ter sido um investimento de custo muito elevado, o sistema é muito eficiente e atende de forma satisfatória as necessidades da empresa. A Herbicampo realiza inventários anuais para atender ao fisco, como prevê a legislação e, ainda, realiza conferências mensais pelo sistema, bem como observações e contagens do estoque físico pelos funcionários, semanalmente. A entrega dos produtos ao cliente é feita pelo técnico que realizou o atendimento e a venda, com veículo próprio da Herbicampo, diretamente na propriedade solicitada mediante ordem de entrega daquele agricultor. Em Cascavel existem cinco representantes da Bayer: Herbicampo, Alvorada, Solovel, Plantar, Coopavel e I.Riede, que juntos devem atingir 18% do faturamento deste fornecedor na região oeste do Paraná. Percentual este, que tem por base uma pesquisa de previsão de plantação encomendada ao IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. O processo de logística reversa neste ramo de insumos agrícolas é indispensável e muito rígido, pois é obrigatório que o agricultor realize a tríplice lavagem e faça furos no fundo de todas as embalagens, e depois as guarde em suas respectivas caixas. Mediante a apresentação da nota fiscal de compra, a Herbicampo aceita a devolução dessas embalagens e faz a conferência da quantidade de frascos, pois esse número jamais poderá ser maior que o que consta na nota. Os clientes podem solicitar a coleta na propriedade ou levar as embalagens vazias até a sede da empresa em Cascavel. Como distribuidora de insumos, a Herbicampo é responsável por recolher todas as embalagens vazias de seus clientes e encaminhá-las a uma central que se localiza no município de Espigão Azul, a ADAV Associação das Distribuidoras de Insumos Agrícolas e Veterinários, que faz a inspeção dessas embalagens e após providencia a reciclagem ou o descarte, o que vai depender da procedência da mesma, ou seja, o tipo de produto que estava nesta embalagem. No caso do fungicida Sphere, o recipiente será reciclado, e pode ter como fim a fabricação de placas de sinalização. Devido ao rigoroso controle por parte da Secretaria de Cultura e Meio Ambiente, a empresa Herbicampo que segue essas normas, não pode disponibilizar o produto para a demonstração na apresentação do trabalho, pois para a retirada de mercadoria da empresa é obrigatória a emissão de nota fiscal, o que geraria inúmeros transtornos. Pode-se observar que a informatização da empresa atende suas necessidades de forma satisfatória. Entretanto, em relação ao atendimento ágil aos clientes, a Herbicampo precisa de melhorias. Os problemas são sazonais e costumam acontecer em épocas próximas ao plantio e a colheita, são eles: falta de funcionários para realizar a entrega, bem como de veículos (caminhões). Os agricultores sempre precisam do produto com muita urgência devido ao aparecimento de pragas. São muitos pedidos ao mesmo tempo, então a Herbicampo acaba deixando a desejar para alguns clientes, pelos motivos já citados, o que pode atrasar a entrega e até a aplicação do produto nas plantações. Como solução a este problema, sugere-se à empresa a contratação temporária de pessoal ou a terceirização do serviço de distribuição na época próxima ao plantio e colheita.

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de EM ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Definir embalagem de transporte. Desenvolver políticas que atendam conceitos, princípios e legislação específica a logística reversa.

Definir embalagem de transporte. Desenvolver políticas que atendam conceitos, princípios e legislação específica a logística reversa. Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

PROPOSTAS PARA MELHORIAS NOS PROCESSOS LOGÍSTICOS DE UMA EMPRESA DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS: UM ESTUDO DE CASO

PROPOSTAS PARA MELHORIAS NOS PROCESSOS LOGÍSTICOS DE UMA EMPRESA DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS: UM ESTUDO DE CASO PROPOSTAS PARA MELHORIAS NOS PROCESSOS LOGÍSTICOS DE UMA EMPRESA DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS: UM ESTUDO DE CASO FABIANA SOUZA COSTA CUNHA (UFG ) fabisoucos@yahoo.com.br Marco Paulo Guimaraes (UFG ) mp-gui@uol.com.br

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

Administração de Materiais e Logística II.

Administração de Materiais e Logística II. A Administração de Material corresponde, no seu todo ao planejamento, organização, direção, coordenação e controle de todas as tarefas de aquisição, guarda, controle de aplicação dos materiais destinados

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA I AULA 05: LOGÍSTICA INTEGRADA E OUTRAS QUESTÕES TÓPICO 05: MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAS O manuseio de materiais representa atividade de maior custo logístico, além de consumir

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque Módulo Suprimentos Controle de Estoque Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Suprimentos Controle de Estoque. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

Administração de Materiais e Logística. , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento. Completem o DHF. Melhoria Continua e Teste

Administração de Materiais e Logística. , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento. Completem o DHF. Melhoria Continua e Teste , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento Completem o DHF Melhoria Continua e Teste As Organizações como Sistemas Abertos As organizações estão em um constante estado de fluxo. AMBIENTE Estagio de

Leia mais

Distribuição e transporte

Distribuição e transporte Distribuição e transporte Gestão da distribuição Prof. Marco Arbex Introdução Toda produção visa a um ponto final, que é entregar os seus produtos ao consumidor; Se o produto não está disponível na prateleira,

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla?

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla? GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade IV 4 PROCESSO DE INVENTÁRIO FÍSICO Para Martins (0), consiste na contagem física dos itens de estoque. Caso haja diferenças entre o inventário físico

Leia mais

AUTOR: PAULO ROBERTO LEITE REVISTA TECNOLOGÍSTICA MAIO / 2002. SÃO PAULO, EDIT. PUBLICARE LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL

AUTOR: PAULO ROBERTO LEITE REVISTA TECNOLOGÍSTICA MAIO / 2002. SÃO PAULO, EDIT. PUBLICARE LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL Introdução : Conceitos, Definições e Áreas de atuação A Logística Reversa tem sido citada com freqüência e de forma crescente em livros modernos de

Leia mais

Proposta de uma Metodologia de Análise Para Operações Logísticas em Empresas de Transporte Rodoviário Interestadual de Passageiros

Proposta de uma Metodologia de Análise Para Operações Logísticas em Empresas de Transporte Rodoviário Interestadual de Passageiros Proposta de uma Metodologia de Análise Para Operações Logísticas em Empresas de Transporte Rodoviário Interestadual de Passageiros Guilherme Castro Ferreira (UFOP) guilhermecferreira@yahoo.com.br Gustavo

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

Controle de estoque Aula 03. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com

Controle de estoque Aula 03. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Controle de estoque Aula 03 Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Estoque e sua finalidade Estoque representa uma armazenagem de mercadoria com previsão de uso futuro; Assegurar disponibilidade

Leia mais

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque.

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque. IMPLANTAÇÃO DE FERRAMENTAS PARA CONTROLE DE ESTOQUE Estudo de caso em uma Fábrica de Ração Wemerson de Freitas Borges 1 Prof. Ms. Jordânia Louse Silva Alves 2 RESUMO No Brasil, a gestão de estoques é um

Leia mais

Curso de Logísticas Integrada

Curso de Logísticas Integrada 1 Introdução a Logística; Capítulo 1 - Conceitos de logística; Breve Histórico da Logística; Historia da logística; SCM; Logística Onde estávamos para onde vamos? Estratégia para o futuro; 2 Conceitos

Leia mais

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente Logística Reversa e o Meio Ambiente Objetivos da aula 1. Estabelecer as relações entre os canais de distribuição diretos e os canais reversos; 2. Identificar as diferentes categorias de canais de distribuição

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec ETEC de São José do Rio Pardo Código: 150 Município: São José do Rio Pardo Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível

Leia mais

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Juliano Jacinto Luciano Heil Márcio Fernandes de Souza Sidnei Rodrigues RESUMO Este artigo apresenta a importância da logística

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA

A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA Douglas Prates Magalhães 1 Resumo Uma revisão teórica e rápida conceituação da Logística e Vantagem competitiva. Foco em vantagem

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução O Almoxarifado conceito Organização do Almoxarifado: Recebimento Armazenagem

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL FORNECEDORES Erros de compras são dispendiosos Canais de distribuição * Compra direta - Vendedores em tempo integral - Representantes dos fabricantes Compras em distribuidores Localização

Leia mais

5º Simposio de Ensino de Graduação PROPOSTAS DE MELHORIA PARA A LOGÍSTICA INTERNA DE UMA SIDERURGICA LOCALIZADA NO ESTADO DE SÃO PAULO

5º Simposio de Ensino de Graduação PROPOSTAS DE MELHORIA PARA A LOGÍSTICA INTERNA DE UMA SIDERURGICA LOCALIZADA NO ESTADO DE SÃO PAULO 5º Simposio de Ensino de Graduação PROPOSTAS DE MELHORIA PARA A LOGÍSTICA INTERNA DE UMA SIDERURGICA LOCALIZADA NO ESTADO DE SÃO PAULO Autor(es) CAROLINA PASQUOT Orientador(es) José Roberto Soares Ribeiro

Leia mais

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO Fabiana Rubim Cintra Murilo Rodrigues da Silva Patrick Beirigo Andrade RESUMO Este artigo tem o objetivo de expor os principais problemas que o comércio eletrônico

Leia mais

Logística e gestão de Redes de Surprimentos ADM 068. Professor Marcos Gilberto Dos-Santos Faculdade Anísio Teixeira

Logística e gestão de Redes de Surprimentos ADM 068. Professor Marcos Gilberto Dos-Santos Faculdade Anísio Teixeira Logística e gestão de Redes de Surprimentos ADM 068 Professor Marcos Gilberto Dos-Santos Faculdade Anísio Teixeira Programa da Disciplina I Unidade II Unidade Logística Visão geral e funções Suprimentos

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE INTRODUÇÃO

GESTÃO DE ESTOQUE INTRODUÇÃO 1 GESTÃO DE ESTOQUE Marcela Maria Eloy Paixão Oliveira Acadêmica do Curso de Ciências Contábeis email: marcela_eloy_3@hotmail.com Rafaella Machado Rosa da Silva Acadêmica do Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

Cód. Doc. TAB-RHU-003

Cód. Doc. TAB-RHU-003 1 de 27 ÁREA: SUPERINTENDÊNCIA CARGO: Diretor Superintendente Garantir o correto funcionamento dos sistemas de informação utilizados pela empresa; Aprovar projetos de melhorias nos equipamentos e sistemas

Leia mais

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA Importância da Logística O lugar da Logística nas Empresas A logística diz respeito à criação de valor; O valor em logística é expresso em termos de tempo e lugar. Produtos e serviços

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

LUCROS E BENEFÍCIOS NA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ESTOCAGEM NA EMPRESA

LUCROS E BENEFÍCIOS NA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ESTOCAGEM NA EMPRESA LUCROS E BENEFÍCIOS NA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ESTOCAGEM NA EMPRESA RESUMO: Vanessa dos Santos Dada 1 Há uma grande demanda, nos mercados atuais, pelas empresas que atuam na área de operações logísticas.

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão Centro Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Disciplina: ADM. DE REC. MATERIAIS E PATRIMONIAIS Professor: NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO Aluno: Turma: 5 ADN FRANCISCHINI, Paulino G.; GURGEL, F.

Leia mais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Introdução Leonardo Lacerda Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto de

Leia mais

Processamento de Pedidos na Mira Transportes

Processamento de Pedidos na Mira Transportes Processamento de Pedidos na Mira Transportes Sumário 1 Apresentação da empresa... 3 1.1 Histórico... 3 1.2 Diferenciais... 3 2 Processamento de pedidos: revisão teórica... 4 2.1 Preparação... 4 2.2 Transmissão...

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

Sistemas de Armazenagem e Movimentação

Sistemas de Armazenagem e Movimentação Sistemas de Armazenagem e Movimentação O que é a armazenagem? Gerenciar eficazmente o espaço tridimensional de um local adequado e seguro, colocando à disposição para guarda de mercadorias que serão movimentadas

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Armazenagem e Movimentação Primárias Apoio 1 2 A armazenagem corresponde a atividades de estocagem ordenada e a distribuição

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSAO) Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Nível

Leia mais

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS Gestão Estratégica de Estoques/Materiais Prof. Msc. Marco Aurélio C. da Silva Data: 22/08/2011 O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS 2 1 GESTÃO DE ESTOQUE Demanda Adequação do Estoque Investimento Série de ações

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÂ Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO Qualificação:

Leia mais

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E Profa. Marinalva Barboza Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Custos dos estoques Para manter estoque, é necessário: quantificar; identificar. Quanto custa manter estoque? Quais os custos envolvidos

Leia mais

O que é uma Empresa Líder em Logística?

O que é uma Empresa Líder em Logística? 133 O que é uma Empresa Líder em Logística? É aquela que oferece maior agregação de valor aos seus clientes em relação aos seus concorrentes a partir de uma combinação harmônica de práticas logísticas

Leia mais

ANÁLISE E SELEÇÃO DE UMA POLÍTICA DE CONTROLE DE ESTOQUES COM BASE EM FERRAMENTAS E MÉTODOS DA GESTÃO DE ESTOQUES.

ANÁLISE E SELEÇÃO DE UMA POLÍTICA DE CONTROLE DE ESTOQUES COM BASE EM FERRAMENTAS E MÉTODOS DA GESTÃO DE ESTOQUES. ANÁLISE E SELEÇÃO DE UMA POLÍTICA DE CONTROLE DE ESTOQUES COM BASE EM FERRAMENTAS E MÉTODOS DA GESTÃO DE ESTOQUES. Osmar Possamai (UFSC ) osmarpossamai@gmail.com Emerson Cleister Lima Muniz (UFSC ) eng.prod.emerson@gmail.com

Leia mais

Política de Atendimento de Lubrificantes. Índice. Item Tópico Página. 1. Introdução e Propósito 2. 2. Nossa Missão 2. 3.

Política de Atendimento de Lubrificantes. Índice. Item Tópico Página. 1. Introdução e Propósito 2. 2. Nossa Missão 2. 3. Política de Atendimento de Lubrificantes Índice Item Tópico Página 1. Introdução e Propósito 2 2. Nossa Missão 2. CALL Center 2 e. Disponibilidade de Produtos.1 Pedidos Mínimos.2 Tipos e Características

Leia mais

Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis

Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis Hélio José Reis Aguiar arthouse@hotmail.com Faculdade de Guaçuí Simone de Souza simones@ifes.edu.br IFES Guarapari Flávio

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler GESTÃO DE ESTOQUES Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler Sumário Gestão de estoque Conceito de estoque Funções do estoque Estoque de segurança

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Custos dos estoques 2. Custos diretamente proporcionais 3. Custos inversamente proporcionais 4.

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas

Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas RESUMO O objetivo deste artigo é apresentar a utilização da classificação ABC no gerenciamento do estoque

Leia mais

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila.

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila. UnB Universidade de Brasília Administração de Recursos Materiais Tema: Gestão de estoque Alunos: - Beliza de Ávila - Felipe Jordán - Guilherme de Miranda - Jefferson Coelho O conceito de ocupação física

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Qualificação: Assistente de Logística

Plano de Trabalho Docente 2014. Qualificação: Assistente de Logística Plano de Trabalho Docente 2014 ETEC Paulino Botelho (Extensão Esterina Placco) Ensino Técnico Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Precision. A sua Solução de Gestão Empresarial. Características do Sistema: Principais Recursos:

Precision. A sua Solução de Gestão Empresarial. Características do Sistema: Principais Recursos: A sua Solução de Gestão Empresarial O Precision é a solução de Gestão Empresarial de baixo custo que a Maggiore Sistemas disponibiliza para pequenas e médias empresas. Desenvolvido e comercializado em

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA FINANCEIRA ÁREA PRODUÇÃO E SUPRIMENTOS ÁREA FISCAL

Leia mais

Operação do Sistema Logístico

Operação do Sistema Logístico Operação do Sistema Logístico Prof. Ph.D. Cláudio F. Rossoni Engenharia Logística II Objetivo Entender que, possuir um excelente planejamento para disponibilizar produtos e serviços para os clientes não

Leia mais

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Isabel Marcia Rodrigues (UTFPR) imarcia.r@hotmail.com João Carlos Colmenero (UTFPR) colmenero@utfpr.edu.br Luiz Alberto

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu;

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Fazemos uma parceria total com o cliente, combinando redução de custos fixos e otimização de recursos

Leia mais

LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS. rfsouza@fatecinternacional.com.br

LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS. rfsouza@fatecinternacional.com.br LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS PROF. RODRIGO FREITAS DE SOUZA REVISÃO rfsouza@fatecinternacional.com.br Objetivo da Logística Fazer chegar a quantidade certa das mercadorias certas ao local certo, no

Leia mais

O MODELO DE GESTÃO DE ESTOQUE UTILIZADO NA LANCHONETE SOBRAL

O MODELO DE GESTÃO DE ESTOQUE UTILIZADO NA LANCHONETE SOBRAL 1 O MODELO DE GESTÃO DE ESTOQUE UTILIZADO NA LANCHONETE SOBRAL CARLOS RUVENS COELHO PONTE 1 CARLOS WAGNER CAVALCANTE GOMES 2 RODRIGO VIANA 3 ALINE PINTO DE MACÊDO DA SILVA 4 Resumo: Todas as empresas vêm

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert

SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert Vamos abordar os tópicos para a implantação da contabilidade moderna nas empresas. A contabilidade é legalmente utilizada nas empresas para atender aos enfoques legal

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento Gisela Gonzaga Rodrigues (PUC-Rio) giselagonzaga@yahoo.com.br Nélio Domingues Pizzolato (PUC-Rio) ndp@ind.puc-rio.br Resumo Este

Leia mais

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes ARMAZENAGEM E T.I. Pós-Graduação em Gestão Integrada da Logística Turma: GIL131M - 2013 Universidade São Judas Tadeu Prof.: Ms. Maurício Pimentel Disciplina: Tecnologia da Informação Aplicada a Logística

Leia mais

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns Ricardo A. Cassel FRANCIS, R.; McGINNIS, L.; WHITE, J. Facility Layout and Location: an analytical approach. New Jersey: Prentice Hall, 2ed., 1992. BANZATTO, E.; FONSECA, L.R.P.. São Paulo: IMAN, 2008

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Área de conhecimento: Gestão e Negócios Componente Curricular: Gestão da Cadeia

Leia mais

Recursos Materiais e Patrimoniais

Recursos Materiais e Patrimoniais Recursos Materiais e Patrimoniais Professor conteudista: Jean Carlos Cavaleiro Sumário Recursos Materiais e Patrimoniais Unidade I 1 OS RECURSOS...2 1.1 Administração de materiais...6 1.1.1 Medida de desempenho...6

Leia mais

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECO- UNOCHAPECO

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECO- UNOCHAPECO UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECO- UNOCHAPECO AREA DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ACHOCOLATADO NUTRI 800g ACADÊMICOS: LIOVANIR MACHADO DOUGLAS SOUTHIER LEONARDO BATISTON

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Carla Fernanda Mueller, carla@deps.ufsc.br 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores,

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

OPERAÇÃO LOGÍSTICA CL PILKINGTON

OPERAÇÃO LOGÍSTICA CL PILKINGTON 1. OBJETIVO Estabelecer procedimento padrão, para todos os colaboradores da Irapuru que estão envolvidos na operação logística da Pilkington (OE-Operação Marcopolo) e Pilkington AGR de recebimento, armazenagem

Leia mais

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO Este trabalho tem por objetivo a discussão do conceito de logística integrada e de roteirização. Tem como objetivo também mostrar

Leia mais

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO Nos dias atuais, uma das áreas que mais se desenvolvem dentro das organizações sem dúvida é a Gestão dos Estoques,

Leia mais

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III 3 CUSTOS DOS ESTOQUES A formação de estoques é essencial para atender à demanda; como não temos como prever com precisão a necessidade, a formação

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009. Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( )

PLANO DE ENSINO 2009. Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO 1 LOGÍSTICA 1 Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO Versa o presente artigo sobre logística e suas aplicabilidades no mundo moderno. A logística foi criada para suprir necessidades durante a Segunda

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO DO E-COMMERCE: uma análise documental

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO DO E-COMMERCE: uma análise documental A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO DO E-COMMERCE: uma análise documental Letícia Silva Guimarães leticia.sguimaraes@yahoo.com.br UNIS-MG Reginaldo da Silva Souza reginaldo-vga@hotmail.com

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

A COMPENSAÇÃO DE CUSTOS NO TRANSPORTE E ARMAZENAGEM DO FARELO DE SOJA EM UMA COOPERATIVA: DECISÕES ESTRATÉGICAS NA LOGÍSTICA.

A COMPENSAÇÃO DE CUSTOS NO TRANSPORTE E ARMAZENAGEM DO FARELO DE SOJA EM UMA COOPERATIVA: DECISÕES ESTRATÉGICAS NA LOGÍSTICA. OBESERVAÇÃO: ESSE ARTIGO SUBSTITUI O ENVIADO ANTERIORMENTE, POIS DEVIDO A PRORROGAÇÃO FORAM FEITAS ALGUMAS MODIFICAÇÕES. A COMPENSAÇÃO DE CUSTOS NO TRANSPORTE E ARMAZENAGEM DO FARELO DE SOJA EM UMA COOPERATIVA:

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA FINANCEIRA ÁREA PRODUÇÃO E SUPRIMENTOS ÁREA FISCAL

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP Módulo MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. COMERCIAL ADMINISTRATIVA FINANCEIRA PEDIDOS EXPORTAÇÃO CONTAS A RECEBER TELEMARKETING

Leia mais

Unioeste Diretoria de Concursos

Unioeste Diretoria de Concursos Unioeste Diretoria de Concursos 9º Concurso Público para o Provimento de Cargos Públicos para Atuação no Hospital Universitário do Oeste do Paraná (HUOP) PROVA OBJETIVA Técnico Administrativo Instruções

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS? UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA DE RECICLAGEM AM SUCATAS

LOGÍSTICA REVERSA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS? UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA DE RECICLAGEM AM SUCATAS LOGÍSTICA REVERSA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS? UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA DE RECICLAGEM AM SUCATAS Edilaine Gomes Fiuza edilainefiuza@hotmail.com Fatec Zona Leste Marcos José Corrêa Bueno mjvm@ig.com.br

Leia mais

ANÁLISE DAS VANTAGENS DA IMPLANTAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOGÍSTICA VMI EM UMA MULTINACIONAL DO SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES

ANÁLISE DAS VANTAGENS DA IMPLANTAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOGÍSTICA VMI EM UMA MULTINACIONAL DO SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES ANÁLISE DAS VANTAGENS DA IMPLANTAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOGÍSTICA VMI EM UMA MULTINACIONAL DO SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES Nathalia Maciel Rosa (UEPA) nathmrosa@gmail.com Thais Souza Pelaes (UEPA) thaispelaes@gmail.com

Leia mais