MAPFRE SEGUROS GERAIS S/A APELADA : AGT LOG LOGÍSTICA E CARGAS LTDA RELATOR : CARLOS ROBERTO FÁVARO JUIZ DE DIREITO SUBSTITUTO EM SEGUNDO GRAU

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MAPFRE SEGUROS GERAIS S/A APELADA : AGT LOG LOGÍSTICA E CARGAS LTDA RELATOR : CARLOS ROBERTO FÁVARO JUIZ DE DIREITO SUBSTITUTO EM SEGUNDO GRAU"

Transcrição

1 APELAÇÃO CÍVEL Nº ( ) COMARCA DE URUAÇU APELANTE : MAPFRE SEGUROS GERAIS S/A APELADA : AGT LOG LOGÍSTICA E CARGAS LTDA RELATOR : CARLOS ROBERTO FÁVARO JUIZ DE DIREITO SUBSTITUTO EM SEGUNDO GRAU APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO DE COBRANÇA DE SEGURO C/C EXIBIÇÃO DE DOCUMENTOS. APLICAÇÃO DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. INVERSÃO DO ÔNUS DA PROVA. AUSÊNCIA DE REQUISITOS. CLÁUSULA DE GERENCIAMENTO DE RISCO. VALIDADE E EFICÁCIA. AGRAVAMENTO DO RISCO. OCORRÊNCIA. INDENIZAÇÃO INDEVIDA. INVERSÃO DA SUCUMBÊNCIA. 1. O objetivo principal do seguro é a cobertura do risco contratado, ou seja, o evento futuro e incerto que poderá gerar o dever de indenizar por parte do segurador, devendo prevalecer o elemento essencial do contrato sob a visão do princípio da boa-fé. 2. Muito embora a inversão do ônus da prova seja um direito do consumidor, nos termos do art. 6º, VIII do CDC, não é automática, devendo ser analisada em cada caso, e, inexistindo verossimilhança nas alegações ou hipossuficiência, caracterizada pelo desequilíbrio 1

2 contratual e dificuldade técnica para produzir provas, o seu indeferimento é medida autorizada. 3. No caso em questão, não se vislumbra a existência de desequilíbrio contratual e dificuldade técnica em produzir provas, a ponto de se inverter o ônus da prova, considerando que a requerente tinha conhecimento de todos os termos contratuais e, ainda assim, assumiu o risco do transporte da mercadoria fora das condições previstas no pacto, não podendo se falar em hipossuficiência e vulnerabilidade a acarretar a inversão do ônus da prova. 4. Nos contratos de seguro de transporte rodoviário de cargas exige-se o cumprimento das cláusulas de gerenciamento de riscos por parte do segurado, nos termos contratados. 5. A cláusula de gerenciamento de risco é legal, quando expressa e em texto de fácil verificação. Precedente desta Corte e do STJ. 6. A seguradora só poderá se exonerar de sua obrigação de indenizar se ficar comprovado o dolo ou a má-fé do segurado ou agravamento do risco (do art. 333, II, do CPC), sendo que este último restou evidenciado in casu. 7. Diante da reforma total da sentença, invertam-se os ônus sucumbenciais. RECURSO DE APELAÇÃO CÍVEL CONHECIDO E PROVIDO. ART. 557, 1º-A DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL. 2

3 DECISÃO MONOCRÁTICA Trata-se de recurso de APELAÇÃO CÍVEL interposto por MAPFRE SEGUROS GERAIS S/A, já qualificada e representada nos autos, contra sentença proferida pelo Juiz de Direito da 2ª Vara Cível e Fazendas Públicas da Comarca de Uruaçu, Murilo Vieira de Faria, nos autos da Ação de Cobrança de Seguro c/c Exibição de Documentos ajuizada em desfavor de AGT LOG LOGÍSTICA E CARGAS LTDA, igualmente qualificada e representada. Narra a autora, ora apelada, que presta serviços de transporte de carga para a empresa Leitbom S/A, o qual pode ser feito em veículos de sua propriedade ou por ela fretados, sendo que em ambos os casos, a carga é segurada junto à requerida. Aduz que, em razão da indicação por boas referências e consulta junto ao cadastro Telerisco com aprovação na modalidade Perfil Pleno, subcontratou serviços de terceiro para o transporte de 24 toneladas de queijo muçarela, no valor de R$ ,00 (duzentos e noventa e cinco mil e duzentos reais), da cidade de Conceição do Araguaia/PA até Itapevi/SP, para a empresa Leitbom S/A. Informa que no dia 02/09/2011, por volta das 08:00 horas, em um posto de gasolina situado no KM 55 da Rodovia dos 3

4 Bandeirantes, tanto o caminhão quanto a carga transportada foram roubadas, consoante informações consubstanciadas no Boletim de Ocorrência nº 2681/2011, elaborado pela Polícia Civil do Estado de São Paulo, ratificadas pelo Relatório de Averiguação de Sinistro produzido pela requerida. Noticia que após análise, a requerida encerrou o processo de sinistro sem o pagamento da devida indenização, tendo como justificativa a ausência de documentos indispensáveis referentes ao Gerenciamento de Risco, motivo do ingresso da presente ação. nos seguintes termos: Processado o feito, sobreveio a sentença de fls. 486/492 (...) Extrai-se dos autos que a empresa autora, firmou contrato de seguro de transportador rodoviário por desaparecimento de cargas com a parte requerida, nos termos da apólice n. 55/260/ /04, com limite máximo de garantia por veículo de R$ ,00 (quatrocentos e cinquenta mil reais) com vigência do dia 28/02/2011 ao dia 29/02/2012 (fls. 41/51). ( ) Ex positis, julgo PARCIALMENTE PROCEDENTE o pedido vazado na peça de ingresso, intentado por AGT LOG LOGÍSTICA E CARGAS LTDA, já qualificado, na AÇÃO DE COBRANÇA DE SEGURO C/C EXIBIÇÃO DE DOCUMENTOS, em desfavor de MAPFRE VERA CRUZ SEGURADORA S/A, já qualificado, condenando o requerido ao pagamento do valor de R$ ,00 (duzentos e noventa e cinco mil e duzentos reais), correspondente ao valor da carga 4

5 roubada, devidamente segurada (fls. 96/97), mais juros de 12% (doze por cento) ao ano, que deverão incidir a partir da citação e, correção monetária pelo INPC a partir da data do inadimplemento, tudo de acordo com os artigos 269, inciso I e 333, inciso I do Código de Processo Civil e artigos 422, 423 e 768 todos do Código Civil. Custas ex lege e honorários advocatícios pelo sucumbente-requerido, em 10% (dez por cento) sobre o valor dado à causa, de acordo com o artigo 20 do Código de Processo Civil. (fls. 493/514). Inconformada, a requerente interpôs recurso de apelação Após relatar os fatos, alega que o seguro Facultativo de Responsabilidade Civil do Transportador Rodoviário por Desaparecimento de Carga RCF DC, garante ao segurado uma indenização pelos prejuízos causados aos bens de terceiros durante o seu transporte em viagens terrestres, em percursos nacionais, desde que haja previsão contratual. Pondera que, quando da celebração do contrato securitário, são instituídas condições que delimitam as garantias e, da mesma forma, estabelece um procedimento administrativo, chamado de Regulação de Sinistro (exige a entrega da documentação indispensável, bem como toda espécie de informação para sua regulação e liquidação), sendo que, in casu, a apelada não lhe enviou os documentos solicitados para tal finalidade. 5

6 Repisa que a culpa exclusiva do encerramento do processo de indenização do sinistro cabe tão somente à apelada que não lhe enviou os documentos necessários para a verificação do seu direito à indenização pretendida. Aduz que na apólice de seguro avençada não foi limitado o transporte de carga a veículos da segurada, podendo ser efetuados por terceiros ou por transportadora, desde que atendidas todas as condições de segurança previstas no contrato de seguro, dentre elas, o Gerenciamento de Risco a ser feito pela própria segurada ou por empresa especializada. Enfatiza que a apelada não carreou aos autos nenhum documento que comprove que, ao tempo do alegado sinistro, o caminhão utilizado no transporte da carga possuía o equipamento de rastreamento via satélite em pleno funcionamento, pelo contrário, por intermédio do depoimento prestado pelo seu funcionário, restou constatada a negligência de sua parte em não proceder com a devida fiscalização de que o caminhão fretado estava de pleno acordo com as exigências do contrato securitário. Assevera que a obrigação de fiscalização sobre o funcionamento do equipamento de rastreamento não pode ser direcionada a terceiro que não detém interesse com relação ao cumprimento das cláusulas contratuais vinculadas ao contrato securitário. Ressalta que, em caso de ausência de equipamento de 6

7 rastreamento por meio de via satélite, deve a recorrida fornecer escolta armada. Verbera que as condições previstas na apólice em comento foram previamente pactuadas e de forma clara, tendo a apelada prévio conhecimento de seus termos, não podendo, deste modo, alegar que a sua obrigação se restringia em promover a consulta do motorista responsável pelo transporte de carga no Telerisco. Reforça que a empresa recorrida descumpriu cláusulas expressas estabelecidas no contrato de seguro, posto que realizou o transporte em veículo que não contemplava todos os equipamentos de segurança estabelecidos na apólice, tendo somente apresentado a liberação (consulta) do motorista, o que agravou sobremaneira o risco a que a carga foi exposta. Brada pela não aplicação da interpretação mais favorável ao consumidor, ante a inexistência de hipossuficiência da empresa segurada, pois é possuidora de experiência na sua área de transporte de cargas e na contratação de seguro para tal fim, além de ser pessoa jurídica em plena igualdade de condições de trazer as provas necessárias para se comprovar os fatos constitutivos de seu alegado direito. Pelo princípio da eventualidade, em caso de improvimento do recurso, pede que a atualização monetária tenha como termo inicial a data do ajuizamento da ação (artigo 1º, 2º, da Lei nº 6.899/81). 7

8 recursal. Colaciona doutrina e jurisprudência a amparar a tese Prequestiona a matéria correlata. Pugna pelo conhecimento e provimento do presente recurso, a fim de que seja reformada a sentença de primeiro grau e julgada improcedente a inicial, por restar configurado o descumprimento de cláusula contratual de gerenciamento de risco e agravamento do risco, condenando a recorrida no ônus da sucumbência. Ao final, pede que todas as intimações sejam feitas em nome do advogado Jacó Carlos Silva Coelho, OAB/GO nº Preparo visto à fl Juízo de admissibilidade positivado à fl Devidamente intimada, a apelada apresentou suas contrarrazões às fls. 541/562, nas quais postula a manutenção do decisum fustigado, prequestiona a matéria correlata e pede que as intimações sejam feitas em nome do advogado Eurico Honorato S. Júnior, OAB/MG nº É o relatório. Passo a decidir. 8

9 dele conheço. Presentes os pressupostos de admissibilidade do recurso, Passo a decidir monocraticamente, com fulcro no artigo 557, 1º-A, do Código de Processo Civil, na redação que lhe deu a Lei nº 9.756, de 17 de dezembro de 1998, o qual dispõe: Se a decisão recorrida estiver em manifesto confronto com súmula ou com jurisprudência dominante do STF, ou de Tribunal Superior, o relator poderá dar provimento ao recurso. Com efeito, trata-se de faculdade que a lei confere ao relator, sendo tal regra extensiva a todo e qualquer recurso. Sobre o tema, prelecionam os processualistas Nelson Nery Júnior e Rosa Maria de Andrade Nery: (...) O Relator pode, agora, dar provimento ao recurso quando a decisão recorrida estiver em desacordo com Súmula ou Jurisprudência dominante do próprio Tribunal ou de Tribunal Superior. (...). A norma autoriza o Relator, enquanto juiz preparador do recurso, a julgá-lo inclusive pelo mérito, em decisão singular, monocrática (...) (in Código de Processo Civil Comentado e Legislação Processual Civil Extravagante em Vigor, 7ª edição, São Paulo, Editora Revista dos Tribunais, pág. 950). Diante disso, passo à análise das razões recursais. 9

10 Conforme relatado, trata-se de recurso de interposto por Mapfre Seguros Gerais S/A, contra sentença proferida pelo Juiz de Direito da Vara das Fazendas Públicas e 2ª Cível da Comarca de Uruaçu, Murilo Vieira de Faria, nos autos da Ação de Cobrança de Seguro c/c Exibição de Documentos ajuizada em seu desfavor por AGT LOG Logística e Cargas Ltda. Como se vê, a requerente, ora apelada, firmou contrato de seguro com a requerida/apelante, tendo como objeto a indenização por danos materiais sofridos em caso de sinistro no transporte rodoviário de cargas. O magistrado singular julgou procedente o pedido inicial, condenando a apelante ao pagamento de R$ ,00 (duzentos e noventa e cinco mil e duzentos reais) referente a indenização securitária. Inconformada, a apelante alega, em apertada síntese, que não houve o cumprimento das cláusulas obrigatórias de gerenciamento de risco, com o consequente agravamento do risco. Antes de adentrar à questão de fundo, impende algumas ponderações a respeito do contrato de seguro que, na definição legal é aquele no qual o segurador se obriga, mediante o pagamento do prêmio, a garantir interesse legítimo do segurado, relativo a pessoa ou a coisa, contra riscos predeterminados (artigo 757 do Código Civil), razão por que é formado a partir da promessa condicional de indenização de um valor contratado na 10

11 hipótese de ocorrência do sinistro. Mister salientar que o contrato de seguro firmado entre as partes é de adesão, e tem por objeto uma relação de consumo além da finalidade precípua de resguardar o proprietário dos prejuízos advindos de eventuais sinistros, sendo aplicáveis as normas do Código de Defesa do Consumidor, de modo que a sua análise e interpretação deve sempre ser realizada segundo o princípio da boa-fé objetiva. Tal estipulação também é prevista no Código Civil: Art O segurado e o segurador são obrigados a guardar na conclusão e na execução do contrato, a mais estrita boa-fé e veracidade, tanto a respeito do objeto como das circunstâncias e declarações a ele concernentes. No caso em apreço, verifica-se à fl. 41, que à época dos fatos (02/09/2011), a empresa requerente possuía junto à demandada, apólice de seguro nº 0055/ / /01, para a seguinte finalidade: As coberturas concedidas por esta apólice abrangem as perdas ou danos sofridos pelos bens ou mercadorias pertencentes a terceiros e que lhe tenham sido entregues para transporte, desde a coleta até a entrega, desde que aquelas perdas ou danos decorram do desaparecimento da carga, concomitantemente com o veículo transportador, em consequência de furto ou simples ou qualificado, roubo, extorsão simples ou mediante sequestro, apropriação indébita e estelionato, 11

12 excluindo-se os riscos de roubo em depósito, condicionadas ainda a cobertura dos eventos, às condições da apólice, obedecido, em qualquer caso, o limite e sub-limites de garantia especificados. A regular o seguro contratado, tem-se estipulada, além das Condições Gerais e Tarifa do Seguro de RCF-DC, as Condições Especiais para o Seguro Facultativo de Responsabilidade Civil do Transportador Rodoviário por Desaparecimento de Carga (RCF DC), consoante se infere às fls. 153/162. Da leitura atenta das Condições Especiais para o Seguro Facultativo de Responsabilidade Civil do Transportador Rodoviário por Desaparecimento de Carga (RCF DC), constata-se, facilmente, que em casos de sinistro ou desaparecimento do carregamento total da mercadoria, para fazer jus ao pagamento do prêmio, em síntese, deveria a segurada ter tomado as seguintes precauções: veículo transportador protegido por acompanhamento ostensivo terrestre (escolta) legalmente habilitado ou sistema de rastreamento que atenda as especificações contidas no referido documento (cláusula 2.1); quando conduzido por terceiro que não tenha vínculo empregatício com a segurada, o sistema de rastreamento deve ser previamente inspecionado e testado por esta e, consequentemente, ativado antes de iniciada a viagem, devendo os registros de tal inspeção ser mantidos no sistema (cláusulas e 2.1.2) e; consulta ao cadastro Telerisco, visando obter as informações cadastrais do motorista, do proprietário e do veículo transportador, simultaneamente, acatando as instruções decorrentes da consulta (cláusula 6). 12

13 Verifica-se, ainda, na cláusula 4.1 que Os riscos assumidos pela presente apólice aplicam-se, exclusivamente, às mercadorias em trânsito, iniciando-se a partir do momento em que os bens ou mercadorias são recebidos pelo transportador, no local de início da viagem contratada, e terminam quando são entregues ao destinatário, no local de destino da mesma viagem, ou quando depositados em juízo se aquele não for encontrado. Do compulso dos autos, observo que o transporte efetuado pela segurada foi terceirizado e, por este motivo, providenciou acertadamente em consultar o Telerisco, com o objetivo de obter os dados do motorista e seu perfil e, em consequência, saber se ele estava apto para o transporte em comento (fls. 67/69). Não obstante, vejo que descurou-se em providenciar o rastreamento do veículo, seja por escolta, seja por satélite, descumprindo, assim, as exigências para o pagamento ora pleiteado. Tal fato restou confirmado tanto pelo motorista da carga, quanto pelo próprio preposto da empresa segurada. Veja-se: ( ) que o depoente possuía rastreador instalado no caminhão, mas este não estava funcionando; ( ) que naquela oportunidade não era possível fazer o acompanhamento do trajeto percorrido pelo caminhão do depoente via satélite, não sabendo dizer se a empresa autora tinha conhecimento desse fato, dizendo que esta não lhe perguntou nada neste sentido; ( ) que 13

14 não recebeu nenhuma orientação da empresa autora de como deveria proceder para que o sinal via satélite de seu caminhão fosse rastreado, ou seja, de como deveria transferir o sinal do aparelho de monitoramento e rastreamento de seu caminhão para a empresa gerenciadora de risco; ( ) que a empresa autora não forneceu para o depoente nenhum outro tipo de rastreamento ou escolta terrestre; que a empresa autora, quando lhe contratou para aquele transporte, não o informou da necessidade de possuir rastreamento. (Paulo Franco Mendonça fls. 320/323) que trabalha para a empresa AGT Log Logística e Cargas Ltda há três anos; ( ) que para a contratação de um motorista e um caminhão terceirizados, o motorista deve fornecer à empresa AGT Log o número do seu CPF, a placa do caminhão e o CPF do proprietário do veículo; que com base nessas informações, a empresa AGT faz uma consulta ao sistema de cadastro da Pamcary; que a Pamcary então emite a liberação ou não para o carregamento; que no caso de que trata o processo, a empresa Pamcary emitiu a liberação tanto com relação ao motorista quando ao caminhão; que o caminhão foi carregado na sede da empresa Leitebom em Conceição do Araguaia- PA; que no ato da contratação, o motorista é questionado sobre as condições do equipamento de monitoramento do caminhão; que então é informado para o motorista o telefone da empresa que faz o monitoramento; ( ) que a empresa Raster era a encarregada de fazer o teste no equipamento de monitoramento do caminhão juntamente com o motorista; que esse teste é feito após o carregamento do caminhão; que no caso de que trata o presente processo, o referido teste não foi feito; que o motorista 14

15 deveria ter entrado em contato com a empresa Raster antes de sair com carga do local onde foi feito o carregamento do caminhão; que segundo o pessoal da empresa Raster, o motorista não manteve contato para que o referido teste fosse realizado; ( ) que não estava presente em Conceição do Araguaia-PA o ato do carregamento do caminhão; que o caminhão que transportava a carga subtraída não foi rastreado durante a viagem; ( ) que antes de ser comunicado da subtração da carga, o depoente não tinha conhecimento de que os testes de rastreador e a transferência de sinal não haviam sido feitas pelo motorista do caminhão; ( ) que como o depoente não esteve presente no local do carregamento, não pode afirmar se o caminhão possuía o equipamento de gerenciamento de risco, ou seja, o rastreador; ( ) que a empresa AGT Log não faz uma vistoria no caminhão e nem nos equipamentos de rastreamento do caminhão antes do início da viagem; que a empresa AGT Log não disponibiliza para o motorista nenhum outro tipo de rastreamento ou escolta feita por outro veículo (Roberto Soares Adorno fls. 307/311) Assim, associada à ausência de documentos a comprovar que a empresa segurada tomou todas as cautelas exigidas pelo contrato para o gerenciamento de risco, tem-se os depoimentos acima transcritos, que deixam claro a sua desídia em inspecionar e testar o sistema de rastreamento do veículo terceirizado, ativando-o antes de iniciada a viagem. Nesse ponto, registro que não socorre a empresa requerente a alegação de que forneceu ao motorista do caminhão o telefone da 15

16 empresa responsável pelo rastreamento, porquanto, repiso, era de sua responsabilidade/obrigação a inspeção e teste do sistema de rastreamento do veículo terceirizado, ativando-o antes de iniciada a viagem. Do mesmo modo, não há que se falar em abusividade ou ilegalidade na Cláusula de Gerenciamento de Risco, principalmente quando ela for expressa e em texto de fácil verificação, como no presente caso. A respeito: AGRAVO REGIMENTAL EM EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO DE INDENIZAÇÃO. CONTRATO DE SEGURO DE MERCADORIAS. BOBINAS DE AÇO. CLÁUSULA DE GERENCIAMENTO DE RISCO. VALIDADE E EFICÁCIA. ( ) AGRAVO REGI- MENTAL CONHECIDO, MAS DESPROVIDO. AUSÊNCIA DE FATOS NOVOS. 1. A Corte Cidadã, ao tempo do julgamento do REsp nº /PR, e sob a relatoria do eminente Ministro Massami Uyeda, balizou que a cláusula de gerenciamento de risco prevista em contratos de seguro é legal, quando expressa e em texto de fácil verificação, hipótese que perfeitamente se amolda ao caso concreto. 2. Omissis. 3. Omissis. 4. Omissis. 5. Omissis. 6. AGRAVO REGIMENTAL CONHECIDO, MAS DESPROVIDO. (TJGO, AC nº , Rel. DES. ELIZABETH MARIA DA SILVA, 4A CÂMARA CÍVEL, julgado em 11/12/2014, DJe 1692 de 17/12/2014) entendimento jurisprudencial: Nesse aspecto, tem que ser cumprida, conforme 16

17 APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO DE COBRANÇA ORDINÁRIA C/C INDENIZAÇÃO POR PERDAS E DANOS E LUCROS CESSANTES. SEGURO DE CARGAS EM TRANSPORTE RODOVIÁRIO. ROUBO. NECESSIDADE DE COMPROVAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS CLÁUSULAS DE GERENCIAMENTO DOS RISCOS. I- Nos contratos de seguro de transporte rodoviário de cargas exige-se o cumprimento das cláusulas de gerenciamento de riscos por parte do segurado, nos termos contratados. II- O não cumprimento de referidas cláusulas autoriza a exclusão da indenização securitária. III- Diante da reforma total da sentença, invertam-se os ônus sucumbenciais. Apelo provido. (TJGO, AC nº , Rel. DR. SEBASTIÃO LUIZ FLEURY, 4ª CÂMARA CÍVEL, julgado em 16/01/2014, DJe 1479 de 05/02/2014) APELAÇÕES CÍVEIS. RESPONSABILIDADE CIVIL. FURTO EM ESTACIONAMENTO DE SUPERMERCADO. DEVER DE GUARDA E VIGILÂNCIA. PROVA DO FATO. INDENIZAÇÃO DOS DANOS MATERIAIS DEVIDA. DANOS MORAIS. INOCORRÊNCIA. DENUNCIAÇÃO DA LIDE. SEGURO. DESCUMPRIMENTO DE CLÁUSULA CONTRATUAL. AGRAVAMENTO DO RISCO. 1. O empreendimento comercial que oferece estacionamento aos seus clientes responde objetivamente pelos eventuais danos e prejuízos a eles causados, em razão do dever de guarda e vigilância assumidos. Súmula n 130 do STJ 2. Assim, devidamente demonstrado que o veículo furtado estava sob guarda e vigilância do supermercado requerido, o proprietário do veículo faz jus ao recebimento de indenização correspondente ao valor de mercado do automóvel. 3. Omissis. 4. Agravamento do risco 17

18 caracterizado, pois o supermercado demandado (denunciante) descumpriu a cláusula de gerenciamento de risco, que impunha o monitoramento por câmeras de vigilância. Denunciação da lide julgada improcedente. Apelação do réu Carrefour parcialmente provida. Apelação da seguradora provida. (TJRS, Apelação Cível Nº , 5ª Câmara Cível, Relator: Isabel Dias Almeida, Julgado em 18/12/2013) Inclusive, o Superior Tribunal de Justiça proferiu decisão monocrática entendendo não ser abusiva a cláusula de gerenciamento de risco, sendo que o seu descumprimento exclui a indenização securitária, a qual transcrevo abaixo: RECURSO ESPECIAL Nº PR (2011/ ) RELATOR: MINISTRO MASSAMI UYEDA RECORRENTE: ITAÚ SEGUROS S/A ADVOGADO: FABIOLA ROSA FERSTEMBERG E OUTRO(S) RECORRIDO: TRANSVILLE TRANSPORTES E SERVIÇOS LTDA ADVOGADO: JOSÉ MADSON DOS REIS E OUTRO(S) RECURSO ESPECIAL SEGURO CLÁUSULA DE GERENCIAMENTO DE RISCO - ABUSIVIDADE NÃO-OCORRÊNCIA - ACÓRDÃO RECORRIDO EM DESACORDO COM A JURISPRUDÊNCIA DESTA CORTE - RECURSO PROVIDO (ARTIGO 557, 1º-A, DO CPC). DECISÃO. Cuida-se de recurso especial interposto por ITAÚ SEGUROS S/A fundamentado no artigo 105, inciso III, 18

19 alíneas a e c, da Constituição Federal, em que se alega violação dos artigos 51 e 54, 4º, do CDC e 757 e 760 do Código Civil, além de divergência jurisprudencial. O acórdão recorrido está assim ementado: "APELAÇÃO CÍVEL - AÇÃO DE INDENIZAÇÃO SEGURO CONTRA ROUBO - TRANSPORTE DE CARGAS EXIGÊNCIA DE CONTRATAÇÃO DE ESCOLTA ARMADA OU INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTO DE RASTREAMENTO PARA CARGAS (GPS) - NEGATIVA DA SEGURADORA AO PAGAMENTO DA INDENIZAÇÃO - CONTRATO DE ADESÃO - APLICABILIDADE DO CDC - INTERPRETAÇÃO DAS CLÁUSULAS EM FAVOR DO ADERENTE (ARTIGOS 47 E 51 DO CDC) - ABUSIVIDADE - MANUTENÇÃO DO DEVER DE INDENIZAR DA SEGURADORA RECURSO DESPROVIDO." Sustenta o recorrente, em síntese, que a cláusula contratual que prevê a realização de gerenciamento de riscos não é abusiva. É o relatório. O recurso merece prosperar. Com efeito. Os elementos existentes nos autos dão conta de que o Tribunal a quo considerou que a cláusula contratual que prevê a realização de gerenciamento de risco no caso de transporte de cargas acima de determinado valor é abusiva. No entanto, este Tribunal Superior já firmou entendimento de que referida cláusula não é abusiva, mormente porque a segurada preferiu arcar com o risco em troca de um prêmio de menor valor. Nesse sentido, confira-se o seguinte precedente: REsp /PR, Relatora Ministra Nancy Andrighi, DJ de 01/10/2007, assim ementado: 19

20 "RECURSO ESPECIAL. CONTRATO DE SEGURO. TRANSPORTADORA. CLÁUSULA LIMITATIVA DE RISCO. POSSIBILIDADE. ACÓRDÃO. FUNDAMENTO NÃO IMPUGNADO. SÚMULA 283/STF. I É possível, em contrato de adesão, cláusula limitativa de risco, em texto expresso e de fácil verificação. Artigos 54, 4o, do Código de Defesa do Consumidor e do Código Civil anterior. II Restando ausente impugnação ao fundamento do acórdão recorrido, incide, por analogia, o enunciado 283 da Súmula do Supremo Tribunal Federal. Recurso não conhecido." Observa-se que o acórdão recorrido diverge da jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça. Assim, amparado no 1º-A do art. 557 do Código de Processo Civil, dá-se provimento ao recurso especial para declarar a validade da cláusula de gerenciamento de risco, determinando-se, por conseqüência, a exclusão da indenização securitária. Invertem-se os ônus sucumbenciais fixados no v. acórdão recorrido. Publique-se. Intimem-se. Brasília (DF), 23 de fevereiro de MINISTRO MASSAMI UYEDA Relator (Ministro MASSAMI UYEDA, 25/02/2011) Importante esclarecer que embora não conste nos autos, a apólice firmada, assim como as cláusulas que a regem, com a devida assinatura da empresa requerente/segurada, tal circunstância não é motivo para afastar a sua ciência das minúcias contratuais. Isto porque, conforme ressaltado tanto pelo preposto da 20

21 própria segurada, quanto pelo corretor responsável pela formalização do seguro, o prêmio em questão trata-se de renovação automática, com as mesmas condições gerais anteriores, alterando apenas valores em razão de alteração as taxas por motivo de sinistros anteriores (fls. 86/87 e 309). Tal afirmação, inclusive, vem expressa na apólice nº 0055/260/3836/ /01 (fl. 43), em vigência à época dos fatos noticiados, a saber: Ratificam-se as demais condições da apólice não alteradas por este endosso. Outrossim, não é crível que fosse a apelada contratar apólice de seguro sem ter conhecimento das cláusulas que o regem, mormente se considerar a vultosa e arriscada atividade econômica por ela desenvolvida. Além disso, o valor do prêmio (apólice) só é concluído após a inserção das cláusulas firmadas entre as partes, assim como o perfil adotado. Ademais, consoante sabido, é prática costumeira, principalmente em se tratando de renovação de seguros, que a mesma se perfaz mediante simples manifestação de vontade pelos meios de comunicação disponíveis. Rodolfo Pamplona Filho: A respeito, judiciosa a lição de Pablo Stolze Gagliano e Finalmente, podemos afirmar que o contrato de 21

22 seguro é eminentemente consensual, pois se torna perfeito mediante a simples manifestação de vontade das partes, por escrito (formulário, fax, internet) ou, até mesmo, oralmente (por telefone). Não há, pois, obrigatoriedade da forma pública como requisito de validade do contrato de seguro, muito embora a sua redução a termo e a consequente emissão da apólice e do documento para pagamento do prêmio possam ser necessários para efeito de prova do negócio em juízo. (in Novo Curso de Direito Civil Contratos em Espécie ed. rev. e atual. - São Paulo: Saraiva, 2014) Por todos os motivos supra, embora a legislação consumerista seja aplicável ao caso, observo que a seguradora pautou-se no princípio da transparência contratual, eis que deu prévio e inequívoco conhecimento à empresa segurada sobre o conteúdo do contrato firmado, o qual, não obstante contenha em seu bojo, em tese, cláusulas limitativas (gerenciamento de risco), são estas expressas e de fácil compreensão, não havendo que se falar, deste modo, em ofensa ao diploma protetivo do consumidor. Nesse sentido: DUPLO APELO. COBRANÇA DE INDENI- ZAÇÃO. CONTRATO DE SEGURO DE DANOS - ART. 757, CC. NEGATIVA DE COBERTURA. CERCEAMENTO DE DEFESA AFASTADO. BOA- FÉ OBJETIVA - ART. 765, CC. LEGALIDADE DAS CLÁUSULAS LIMITATIVAS. (...). 1 - Omissis. 2 - As cláusulas limitativas nos contratos de seguro nem sempre são abusivas, permitidas pelo Código de Defesa do Consumidor caso redigidas em destaque e de fácil compreensão pelo contratante. 3 - Omissis. 4 - Omissis. 22

23 5 - Omissis. 6 - Primeiro apelo improvido, segundo provido em parte. (TJGO, AC nº , Rel. DES. BEATRIZ FIGUEIREDO FRANCO, 3A CÂMARA CÍVEL, julgado em 14/04/2015, DJe 1774 de 29/04/2015) APELAÇÃO CÍVEL - AÇÃO DE DECLARAÇÃO DE NULIDADE DE CLÁUSULA CONTRATUAL - - CERCEAMENTO DE DEFESA INEXISTENTE - SEGURO DE CARGA - TRANSPORTE ROD- VIÁRIO - APLICABILIDADE DO CDC - ROUBO DA CARGA SEGURADA - CLÁUSULA LIMITA- TIVA QUE IMPÕE AO SEGURADO A INSTALAÇÃO DE RASTREAMENTO - LIMITAÇÃO QUE NÃO SE MOSTRA ABUSIVA - NEGATIVA LEGÍTIMA - INDENIZAÇÃO NÃO DEVIDA - HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS REDUZIDOS E ARBITRADOS EM VALOR FIXO, EM CONFORMIDADE COM O ART. 20, 4º, DO CPC - RECURSO CONHECIDO E PARCIALMEN- TE PROVIDO. 1. Omissis. 2. As cláusulas limitativas, que são aquelas que impõem restrições ao direito do segurado, não são proibidas pelo ordenamento jurídico. No entanto, para que tais cláusulas sejam consideradas válidas, o Código de Defesa do Consumidor exige que sejam redigidas de maneira clara e destacada, de modo a possibilitar uma fácil compreensão. 3. No caso, a cláusula limitativa é clara e foi destacada com a devida relevância, de forma que a negativa de pagamento por parte da seguradora deve ser considerada legítima. (TJ- PR PR (Acórdão), Relator: Francisco Luiz Macedo Junior, Data de Julgamento: 04/10/2012, 9ª Câmara Cível) No tocante à aplicabilidade do Código de Defesa do 23

ACÓRDÃO. Salles Rossi RELATOR Assinatura Eletrônica

ACÓRDÃO. Salles Rossi RELATOR Assinatura Eletrônica fls. 1 ACÓRDÃO Registro: 2012.0000382774 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0001561-08.2012.8.26.0562, da Comarca de Santos, em que é apelante PLANO DE SAÚDE ANA COSTA LTDA, é apelado

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 593.196 - RS (2003/0164484-3) RELATOR : MINISTRO HÉLIO QUAGLIA BARBOSA EMENTA RECURSO ESPECIAL. SEGURO. ATRASO NO PAGAMENTO DOS VALORES DEVIDOS PELA SEGURADORA. LUCROS CESSANTES. OCORRÊNCIA.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.280.171 - SP (2011/0144286-3) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO : MINISTRO MASSAMI UYEDA : A C DE A : ANNA CRISTINA BORTOLOTTO SOARES E OUTRO(S) : B L C DE A E OUTRO : CLEBER SPERI EMENTA

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0024.13.050455-8/001 Númeração 0504558- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Mariângela Meyer Des.(a) Mariângela Meyer 19/05/2015 29/05/2015 EMENTA:

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 963.454 - SC (2007/0143805-5) RELATOR RECORRENTE ADVOGADOS RECORRIDO PROCURADOR INTERES. : MINISTRO PAULO DE TARSO SANSEVERINO : LIBERTY PAULISTA SEGUROS S/A : SÉRGIO ALEXANDRE SODRÉ

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.311.407 - SP (2012/0041104-0) RELATÓRIO O EXMO. SR. MINISTRO RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA (Relator): Trata-se de recurso especial interposto por PAULO DONIZETI DA SILVA e sua esposa

Leia mais

Nº 70051718773 COMARCA DE LAJEADO A C Ó R D Ã O

Nº 70051718773 COMARCA DE LAJEADO A C Ó R D Ã O Apelação cível. Seguros. Ação de cobrança. Seguro de carga. Agravamento do risco configurado. Negativa de pagamento da cobertura securitária embasada em cláusula contratual que determina a necessidade

Leia mais

Vigésima Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro

Vigésima Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro APELAÇÃO CÍVEL Nº 0460569-74.2012.8.19.0001 APELANTE: ALINE ALMEIDA PERES APELADO: INSTITUTO BRASILEIRO DE MEDICINA DE REABILITAÇÃO LTDA RELATOR: DES. FERNANDO ANTONIO DE ALMEIDA APELAÇÃO CÍVEL DIREITO

Leia mais

Sentença. 1. Relatório. Relatório dispensado (artigo 38 da Lei 9.099/95). 2. Fundamentação

Sentença. 1. Relatório. Relatório dispensado (artigo 38 da Lei 9.099/95). 2. Fundamentação Processo : 2013.01.1.151018-6 Classe : Procedimento do Juizado Especial Cível Assunto : Contratos de Consumo Requerente : CELSO VIEIRA DA ROCHA JUNIOR Requerido : EMPRESA EBAZAR Sentença 1. Relatório Relatório

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. Gabinete Desembargador Walter Carlos Lemes AC n. 158325-97 DM

PODER JUDICIÁRIO. Gabinete Desembargador Walter Carlos Lemes AC n. 158325-97 DM APELAÇÃO CÍVEL N. 158325-97.2012.8.09.0011 (201291583254) COMARCA DE APARECIDA DE GOIÂNIA APELANTE : ADÃO MARTINS DE ALMEIDA E OUTRO(S) APELADA : VERA CRUZ S/A 1º INTERES.: MUNICÍPIO DE APARECIDA DE GOIÂNIA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.084.748 - MT (2008/0194990-5) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO SIDNEI BENETI : AGRO AMAZÔNIA PRODUTOS AGROPECUÁRIOS LTDA : DÉCIO JOSÉ TESSARO E OUTRO(S) :

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 34 a Câmara SEÇÃO DE DIREITO PRIVADO APELAÇÃO C/ REVISÃO N 940070-0/5. Comarca de CAMPINAS Processo 872/00

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 34 a Câmara SEÇÃO DE DIREITO PRIVADO APELAÇÃO C/ REVISÃO N 940070-0/5. Comarca de CAMPINAS Processo 872/00 34 a Câmara APELAÇÃO C/ REVISÃO N 940070-0/5 Comarca de CAMPINAS Processo 872/00 l.v.cível APTE APDO MARCELO AZEVEDO FEITOR CORRETORA DE SEGUROS LTDA OTONIEL QUEIROZ DA SILVA A C Ó R D Ã O TRIBUNAL DE

Leia mais

CÍVEL Nº 71002427482 COMARCA DE PORTO ALEGRE

CÍVEL Nº 71002427482 COMARCA DE PORTO ALEGRE COBRANÇA. CONSUMIDOR. CONTRATO. SEGURO DE VIDA. RESSARCIMENTO/COMPLEMENTAÇÃO DE AUXILIO FUNERAL. DEVOLUÇÃO EM DOBRO DAS PRESTAÇÕES COBRADAS/PAGAS APÓS A MORTE DO SEGURADO. 1. Restou incontroversa a contratação

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 91 Registro: 2014.0000560120 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 4008523-94.2013.8.26.0577, da Comarca de São José dos Campos, em que é apelante ULYSSES PINTO NOGUEIRA,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.087.601 - GO (2008/0199580-8) RELATOR : MINISTRO MASSAMI UYEDA RECORRENTE : RANDON ADMINISTRADORA DE CONSÓRCIOS LTDA ADVOGADO : ROBERTA BASSO CANALE E OUTRO(S) RECORRIDO : ARNO BRUNO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça S EMENTA CIVIL E PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL. PLANO DE SAÚDE. AÇÃO DE INDENIZAÇÃO. CIRURGIA BARIÁTRICA. PEDIDO MÉDICO. NEGATIVA DE AUTORIZAÇÃO. DANO MORAL. DECISÃO

Leia mais

:João Batista Barbosa - Juiz Convocado. Apelante :Unibanco AIG Seguros S/A (Adv. Vanessa Cristina de Morais Ribeiro e outros).

:João Batista Barbosa - Juiz Convocado. Apelante :Unibanco AIG Seguros S/A (Adv. Vanessa Cristina de Morais Ribeiro e outros). APELAÇÃO CÍVEL N 200.2008.032.045-61 001. Relator :João Batista Barbosa - Juiz Convocado. Apelante :Unibanco AIG Seguros S/A (Adv. Vanessa Cristina de Morais Ribeiro e outros). Apelado :Evaldo de Lima

Leia mais

DECISÃO MONOCRÁTICA CONTRATO DE SEGURO DE VIDA E INVALIDEZ PERMANENTE EM GRUPO. PRESCRIÇÃO. INOCORRÊNCIA. SEGURADO COM LESÃO NEUROLÓGICA QUE

DECISÃO MONOCRÁTICA CONTRATO DE SEGURO DE VIDA E INVALIDEZ PERMANENTE EM GRUPO. PRESCRIÇÃO. INOCORRÊNCIA. SEGURADO COM LESÃO NEUROLÓGICA QUE DÉCIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO N.º 0402603-95.2008.8.19.0001 APELANTE: SULAMÉRICA SEGUROS DE VIDA E PREVIDENCIA APELADO: FRANCISCO DE SOUZA COELHO JUNIOR RELATOR: DES. LINDOLPHO MORAIS MARINHO DECISÃO

Leia mais

XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso

XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso 2ª Fase OAB - Civil Juquinha Junior, representado por sua genitora Ana, propôs ação de investigação de paternidade

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DESEMBARGADOR RAIMUNDO NONATO SILVA SANTOS

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DESEMBARGADOR RAIMUNDO NONATO SILVA SANTOS fls. 122 Processo: 0135890-46.2012.8.06.0001 - Apelação Apelante: Sindicato dos Guardas Municipais da Região Metrolitana de Fortaleza - SINDIGUARDAS Apelado: Município de Fortaleza Vistos etc. DECISÃO

Leia mais

Trata-se de recurso apelatório, (fls. 114/136) aviado pela Unimed João Pessoa - Cooperativa de Trabalho

Trata-se de recurso apelatório, (fls. 114/136) aviado pela Unimed João Pessoa - Cooperativa de Trabalho PELAÇÃO. CÍVEL N 9 200.2009.008608-9 / 001. Relator :Des. José Di Lorenzo Serpa Apelante :Unimed João Pessoa Cooperativa de Trabalho Médico (Adv. Márcio Meira C. Gomes e Outro) Apelada :Antonieta da Costa

Leia mais

SENTENÇA. Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro

SENTENÇA. Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro fls. 375 SENTENÇA Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro Requerente: Luiz Eduardo Possagnolo Requerido: Gafisa Spe-127

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 157.303-4/9-00, da Comarca de

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 157.303-4/9-00, da Comarca de TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N *024022V:* Vistos, relatados e discutidos estes autos de APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO

Leia mais

Brasília (DF), 25 de novembro de 2013(Data do Julgamento) RECURSO ESPECIAL Nº 1.411.293 - SP (2013/0341500-6)

Brasília (DF), 25 de novembro de 2013(Data do Julgamento) RECURSO ESPECIAL Nº 1.411.293 - SP (2013/0341500-6) RECURSO ESPECIAL Nº 1.411.293 - SP (2013/0341500-6) RELATORA RECORRENTE RECORRIDO : MINISTRA NANCY ANDRIGHI : MAGALY APARECIDA SALORNO : ANA APULA PICCHI DANCONA VIVIANE DUARTE GONÇALVES E OUTRO(S) : SUL

Leia mais

QUINTA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO Nº 45610/2012 - CLASSE CNJ - 198 - COMARCA CAPITAL

QUINTA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO Nº 45610/2012 - CLASSE CNJ - 198 - COMARCA CAPITAL APELANTE: BRADESCO AUTO RE COMPANHIA DE SEGUROS APELADO: HAMILTON DE CARVALHOFERREIRA Número do Protocolo: 45610/2012 Data de Julgamento: 19-9-2012 E M E N T A SEGURO OBRIGATÓRIO (DPVAT) - LEI N. 11.482/07

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa

ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa Agravo de Instrumento n 2 073.2012.001287-4 /001 Relator: Des. José Di Lorenzo Serpa Agravante: Marina Jacaré Clube Advogado:

Leia mais

ACÓRDÃO. Rio de Janeiro, 05 de outubro de 2010. Desembargador ROBERTO FELINTO Relator

ACÓRDÃO. Rio de Janeiro, 05 de outubro de 2010. Desembargador ROBERTO FELINTO Relator DÉCIMA OITAVA CÂMARA CÍVEL Apelação Cível nº 0355516-46.2008.8.19.0001 Apelante 1 : AZZURRA PARIS VEÍCULOS LTDA. Apelante 2 : SUL AMÉRICA COMPANHIA NACIONAL DE SEGUROS Apelados 1 : OS MESMOS Apelado 2

Leia mais

DÉCIMA SÉTIMA CÂMARA CÍVEL

DÉCIMA SÉTIMA CÂMARA CÍVEL DÉCIMA SÉTIMA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL PROCESSO N.º 0045124-85.2009.8.19.0066 APELANTE: TATIANA PRADO MONTEIRO DA SILVA APELADA: UNIMED VOLTA REDONDA RELATOR: DES. WAGNER CINELLI DE PAULA FREITAS Apelação

Leia mais

APELAÇÃO CÍVEL Nº 110200-7/188 (200701442380) COMARCA GOIÂNIA APELANTE BANCO ITAÚ S/A APELADA BLANCHE DANIELLA BARBOSA BAILÃO RELATOR DES.

APELAÇÃO CÍVEL Nº 110200-7/188 (200701442380) COMARCA GOIÂNIA APELANTE BANCO ITAÚ S/A APELADA BLANCHE DANIELLA BARBOSA BAILÃO RELATOR DES. APELAÇÃO CÍVEL Nº 110200-7/188 (200701442380) COMARCA GOIÂNIA APELANTE BANCO ITAÚ S/A APELADA BLANCHE DANIELLA BARBOSA BAILÃO RELATOR DES. LUIZ EDUARDO DE SOUSA EMENTA: APELAÇÃO CÍVEL. BUSCA E APREENSÃO.

Leia mais

Gabinete do Desembargador Carlos Alberto França R E L A T Ó R I O E V O T O

Gabinete do Desembargador Carlos Alberto França R E L A T Ó R I O E V O T O Agravo Regimental em Agravo Regimental em Apelação Cível 437320-59.2008.8.09.0051 (200894373200) Comarca de Goiânia Agravante : Pienge Construtora Ltda Agravada : Agência Municipal do Meio Ambiente Amma

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO Acórdão 10ª Turma INDENIZAÇÃO. DANO MORAL. ATRASO NA ENTREGA DAS GUIAS DO FGTS E SEGURO- DESEMPREGO. A demora injustificada na entrega das guias do FGTS e do Seguro- Desemprego, feita ultrapassado o decêndio

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 447.888 - RO (2002/0084713-3) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI RECORRENTE : ADMINISTRADORA E CORRETORA DE SEGUROS - RONSEG ADVOGADO : ODAILTON KNORST RIBEIRO RECORRENTE : SUL AMÉRICA

Leia mais

D E C I S Ã O. Contra-razões ofertadas as fls. 176/184 em total prestígio a. sentença.

D E C I S Ã O. Contra-razões ofertadas as fls. 176/184 em total prestígio a. sentença. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA QUARTA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL Nº 0168239-18.2007.8.19.0001 APELANTE: BRADESCO VIDA E PREVIDÊNCIA S/A APELADO: CATIA MARIA DA SILVA COUTO RELATOR:

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Fórum João Mendes Júnior - 18º Andar, sala 1806, Centro - CEP 01501-900, Fone: 2171-6315, São Paulo-SP

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Fórum João Mendes Júnior - 18º Andar, sala 1806, Centro - CEP 01501-900, Fone: 2171-6315, São Paulo-SP Registro: 2015.0000075537 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Recurso Inominado nº 1008924-47.2014.8.26.0016, da Comarca de São Paulo, em que é recorrente CHAMALEON EVEN EMPREENDIMENTOS

Leia mais

Apelação Cível e Remessa Ex-Officio nº 1-92169-6

Apelação Cível e Remessa Ex-Officio nº 1-92169-6 Órgão : 2ª TURMA CÍVEL Classe : APELAÇÃO CÍVEL E REMESSA EX-OFFICIO N. Processo : 2000 01 1 092169 6 Apelante : DISTRITO FEDERAL Apelados : FRANCISCO MASCARENHAS MENDES, SANDRA MARIA REIS MENDES Relatora

Leia mais

VIGÉSIMA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 0016968-18.2014.8.19.0000 AGRAVANTE:

VIGÉSIMA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 0016968-18.2014.8.19.0000 AGRAVANTE: VIGÉSIMA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 0016968-18.2014.8.19.0000 AGRAVANTE: DIGIAUDIO DO BRASIL LTDA-ME AGRAVADO: CENTRO AUDITIVO TELEX S.A. RELATORA: DES. ODETE KNAACK DE SOUZA AGRAVO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.237.894 - MT (2011/0026945-1) RELATOR : MINISTRO SIDNEI BENETI RECORRENTE : BANCO DO BRASIL S/A ADVOGADO : NAGIB KRUGER E OUTRO(S) RECORRIDO : SUSSUMO SATO E OUTRO ADVOGADO : GILMAR

Leia mais

O julgamento teve a participação dos Desembargadores MELLO PINTO (Presidente), EDUARDO SÁ PINTO SANDEVILLE E CELSO PIMENTEL.

O julgamento teve a participação dos Desembargadores MELLO PINTO (Presidente), EDUARDO SÁ PINTO SANDEVILLE E CELSO PIMENTEL. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N ACÓRDÃO *03405073* Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação n 9173897-09.2006.8.26.0000,

Leia mais

APELAÇÃO CÍVEL Nº 199375-88.2008.8.09.00029 (200891993754) CATALÃO

APELAÇÃO CÍVEL Nº 199375-88.2008.8.09.00029 (200891993754) CATALÃO APELAÇÃO CÍVEL Nº 199375-88.2008.8.09.00029 (200891993754) CATALÃO APELANTE: APELADO: RELATOR: CÂMARA: JANDIRA BORGES DA SILVA HSBC SEGUROS BRASIL S/A DESEMBARGADOR CAMARGO NETO 6ª CÍVEL EMENTA: 1. APELAÇÃO.

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa

ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa APELAÇÃO E RECURSO ADESIVO N. 2001997051712-0/001 Relator Des. José Di Lorenzo Serpa 1 Apelante Banco do Nordeste do Brasil

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. FAGUNDES CUNHA PRESIDENTE RELATOR

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. FAGUNDES CUNHA PRESIDENTE RELATOR RECURSO INOMINADO Nº 2006.0003212-2/0, DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA COMARCA DE CRUZEIRO DO OESTE RECORRENTE...: BRADESCO SEGUROS S. A. RECORRIDO...: ALEXANDRE GONÇALVES MANFRIM RELATOR...: EMENTA RECURSO

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR ROMERO MARCELO DA FONSECA OLIVEIRA APELAÇÃO CÍVEL N. 001.2008.

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR ROMERO MARCELO DA FONSECA OLIVEIRA APELAÇÃO CÍVEL N. 001.2008. Ntátuald, TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR ROMERO MARCELO DA FONSECA OLIVEIRA - APELAÇÃO CÍVEL N. 001.2008.012051-0/002, ORIGEM :Processo n. 001.2008.012051-0 da 3 a Vara

Leia mais

DESENVOLVIMENTO VÁLIDO E REGULAR DO PROCESSO - QUESTÃO DE ORDEM PÚBLICA - EXTINÇÃO DO FEITO SEM JULGAMENTO DO MÉRITO - ART. 557, DO CPC.

DESENVOLVIMENTO VÁLIDO E REGULAR DO PROCESSO - QUESTÃO DE ORDEM PÚBLICA - EXTINÇÃO DO FEITO SEM JULGAMENTO DO MÉRITO - ART. 557, DO CPC. AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 929977-6, DO FORO REGIONAL DE FAZENDA RIO GRANDE DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA - VARA CÍVEL E ANEXOS AGRAVANTE : ROBERTO GOMES DA SILVA AGRAVADO : BANCO SANTANDER

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ PODER JUDICIÁRIO COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA - FORO CENTRAL 25ª VARA CÍVEL

ESTADO DO PARANÁ PODER JUDICIÁRIO COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA - FORO CENTRAL 25ª VARA CÍVEL I. RELATÓRIO Vistos e examinados os autos de Ação Ordinária sob nº 0001997-57.2014.8.16.0179, ajuizada por REINALDO ALVES CAMARGO e STAEL ALVES DE CAMARGO contra ANDREAZZA E MASSARELLI LTDA. Trata-se de

Leia mais

Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios

Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Órgão 2ª Turma Recursal dos Juizados Especiais do Distrito Federal Processo N. Apelação Cível do Juizado Especial 20110710091144ACJ

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0024.12.351388-9/001 Númeração 3513889- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Rogério Medeiros Des.(a) Rogério Medeiros 05/11/2013 14/11/2013 EMENTA:

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Desembargadores LUIS MARIO GALBETTI (Presidente sem voto), MIGUEL BRANDI E RÔMOLO RUSSO.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Desembargadores LUIS MARIO GALBETTI (Presidente sem voto), MIGUEL BRANDI E RÔMOLO RUSSO. fls. 300 Registro: 2015.0000529177 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 1106882-72.2014.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante ANA LIGIA PAES NASCIMENTO, é apelado

Leia mais

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator RECURSO INOMINADO Nº 2006.3281-7/0, DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA COMARCA DE FAZENDA RIO GRANDE RECORRENTE...: EDITORA ABRIL S/A RECORRIDO...: RAFAELA GHELLERE DAL FORNO RELATOR...: J. S. FAGUNDES CUNHA

Leia mais

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator RECURSO INOMINADO nº 2006.0003375-3/0, DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA COMARCA DE APUCARANA Recorrente...: ROVIGO INDUSTRIA E COMERCIO DE CONFECÇÕES LTDA Recorrida...: FINASA LEASING ARRENDAMENTO MERCANTIL

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO SEXTA CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Agravo de Instrumento nº 0030022-85.2013.8.19.0000 Agravante: LUCIENE FERREIRA DA SILVA Agravado: LEASING PANAMÁ EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA Relatora: DES.

Leia mais

Vigésima Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro

Vigésima Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro APELAÇÃO CÍVEL Nº 2216384-69.2011.8.19.0021 APELANTE: TERESA RAMOS DE SANTANA APELADO: RICARDO ELETRO DIVINOPOLIS LTDA APELADO: ZTE DO BRASIL COMERCIO SERVIÇOS E PARTICIPAÇÕES LTDA RELATOR: DES. FERNANDO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR : MINISTRO JORGE SCARTEZZINI EMENTA PROCESSO CIVIL - AGRAVO DE INSTRUMENTO - NEGATIVA DE PROVIMENTO - AGRAVO REGIMENTAL - SEGURO - ALEGAÇÃO DE DOENÇA PRÉ-EXISTENTE - MÁ-FÉ - REEXAME DE PROVA SÚMULA

Leia mais

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR : MIN. GILMAR MENDES REQUERENTE(S) : PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA REQUERIDO(A/S) : UNIÃO ADVOGADO(A/S) : ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO REQUERIDO(A/S) :

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GAB. DES. ROMERO MARCELO DA FONSECA OLIVEIRA

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GAB. DES. ROMERO MARCELO DA FONSECA OLIVEIRA ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GAB. DES. ROMERO MARCELO DA FONSECA OLIVEIRA APELAÇÃO CÍVEL N. 001.2005.033850-6/001 - r Vara Cível da Comarca de Campina Grande -PB. RELATOR 1 APELANTE

Leia mais

EMENTA: AÇÃO DE COBRANÇA - SEGURO DE VIDA EM GRUPO CLAÚSULA CONTRATUAL INTERPRETAÇÃO RESTRITIVA LIMITAÇÃO DOS RISCOS COBERTOS PELO SEGURO.

EMENTA: AÇÃO DE COBRANÇA - SEGURO DE VIDA EM GRUPO CLAÚSULA CONTRATUAL INTERPRETAÇÃO RESTRITIVA LIMITAÇÃO DOS RISCOS COBERTOS PELO SEGURO. EMENTA: AÇÃO DE COBRANÇA - SEGURO DE VIDA EM GRUPO CLAÚSULA CONTRATUAL INTERPRETAÇÃO RESTRITIVA LIMITAÇÃO DOS RISCOS COBERTOS PELO SEGURO. Se a apólice exclui qualquer tipo de doença profissional ou acidente

Leia mais

Nº 70020131579 COMARCA DE PORTO ALEGRE BANCO DO BRASIL S/A MARINA HELENA ALENCASTRO

Nº 70020131579 COMARCA DE PORTO ALEGRE BANCO DO BRASIL S/A MARINA HELENA ALENCASTRO AÇÃO DE INDENIZAÇÃO. LITISCONSÓRCIO PASSIVO. SENTENÇA DE PARCIAL PROCEDENCIA, CONDENANDO APENAS UMA DAS PARTES DEMANDADAS. NÃO INCIDÊNCIA DO ART. 191, DO CDC. SÚMULA 641, DO STF. PRAZO SIMPLES PARA RECORRER.

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA o. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR JOÃO ALVES DA SILVA DECISÃO MONOCRÁTICA AGRAVO DE INSTRUMENTO NQ 001.2010.006903-6/001 RELATOR : Desembargador João Alves da Silva AGRAVANTE

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR : MINISTRO ARNALDO ESTEVES LIMA EMENTA DIREITO ADMINISTRATIVO. RECURSO ESPECIAL. MILITAR. "AJUDA-DE-CUSTO". MUDANÇA TEMPORÁRIA DE SEDE. POSSIBILIDADE. "INDENIZAÇÃO DE TRANSPORTE". MUDANÇA DE DOMICÍLIO.

Leia mais

Florianópolis, 29 de fevereiro de 2012.

Florianópolis, 29 de fevereiro de 2012. Apelação Cível n. 2011.025929-8, de Imbituba Relator: Des. Jaime Luiz Vicari AÇÃO DE COBRANÇA SECURITÁRIA CUMULADA COM INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS. ALEGAÇÃO DE DOENÇA PRÉ-EXISTENTE À CONTRATAÇÃO. SEGURADO

Leia mais

7ª CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL N.º 798.202-7 DA COMARCA DE CERRO AZUL VARA ÚNICA

7ª CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL N.º 798.202-7 DA COMARCA DE CERRO AZUL VARA ÚNICA 7ª CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL N.º 798.202-7 DA COMARCA DE CERRO AZUL VARA ÚNICA Apelante: MUNICÍPIO DE CERRO AZUL Apelado: ESTADO DO PARANÁ Relator: Des. GUILHERME LUIZ GOMES APELAÇÃO CÍVEL AÇÃO ANULATÓRIA

Leia mais

Autos nº: 201403216112 SENTENÇA I? RELATÓRIO

Autos nº: 201403216112 SENTENÇA I? RELATÓRIO Autos nº: 201403216112 SENTENÇA I? RELATÓRIO ALEX DA SILVA CALDEIRA propôs ação de cobrança de seguro por invalidez decorrente de doença em face de ITAÚ SEGUROS S/A, já qualificados, afirmando que foi

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.322.914 - PR (2012/0097003-6) RELATORA RECORRENTE RECORRIDO ADVOGADA S : MINISTRA NANCY ANDRIGHI : ROBERTO GETULIO MAGGI : CARLOS FREDERICO REINA COUTINHO E OUTRO(S) : SUL AMÉRICA

Leia mais

Nº 70048989578 COMARCA DE PORTO ALEGRE BARBARA DE PAULA GUTIERREZ GOOGLE BRASIL INTERNET LTDA A C Ó R D Ã O

Nº 70048989578 COMARCA DE PORTO ALEGRE BARBARA DE PAULA GUTIERREZ GOOGLE BRASIL INTERNET LTDA A C Ó R D Ã O APELAÇÃO CÍVEL. DIREITO PRIVADO NÃO ESPECIFICADO. SITE DE BUSCA. O trabalho da demandada é tão somente de organizar o conteúdo já existente na internet, cuja elaboração é realizada por terceiros. Ou seja,

Leia mais

Tribunal de Justiça do Distrito Federal

Tribunal de Justiça do Distrito Federal Tribunal de Justiça do Distrito Federal Circunscrição : 1 - BRASILIA Processo : 2012.01.1.198778-8 Vara : 208 - OITAVA VARA CÍVEL DE BRASÍLIA Ação : REVISÃO DE CONTRATO Requerente : H.C.V. Requerido :

Leia mais

Honorários advocatícios

Honorários advocatícios Honorários advocatícios Os honorários advocatícios são balizados pelo Código de Processo Civil brasileiro (Lei de n. 5.869/73) em seu artigo 20, que assim dispõe: Art. 20. A sentença condenará o vencido

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.228.173 - MT (2010/0215316-5) RELATOR : MINISTRO PAULO DE TARSO SANSEVERINO RECORRENTE : SIRIANNI E SIRIANNI LTDA ADVOGADO : MARCELO MARTINS DE OLIVEIRA RECORRIDO : ELÉTRICA SERPAL

Leia mais

SENTENÇA TIPO A AUTOS n 0021894-60.2011.403.6100 AÇÃO ORDINÁRIA AUTORA: EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS RÉ: ANP TRANSPORTE LTDA - ME

SENTENÇA TIPO A AUTOS n 0021894-60.2011.403.6100 AÇÃO ORDINÁRIA AUTORA: EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS RÉ: ANP TRANSPORTE LTDA - ME Registro n' SENTENÇA TIPO A AUTOS n 0021894-60.2011.403.6100 AÇÃO ORDINÁRIA AUTORA: EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS RÉ: ANP TRANSPORTE LTDA - ME Vistos. Trata-se de ação ordinária, visando

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.374.048 - RS (2013/0073161-8) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO HUMBERTO MARTINS : FAZENDA NACIONAL : PROCURADORIA-GERAL DA FAZENDA NACIONAL : EMERSON DA SILVA

Leia mais

PROCESSO Nº TST-RR-542-30.2010.5.04.0002. A C Ó R D Ã O 3ª Turma GMAAB/obc/ct/smf

PROCESSO Nº TST-RR-542-30.2010.5.04.0002. A C Ó R D Ã O 3ª Turma GMAAB/obc/ct/smf A C Ó R D Ã O 3ª Turma GMAAB/obc/ct/smf AGRAVO DE INSTRUMENTO. RECURSO DE REVISTA. ABONO PECUNIÁRIO. CONCESSÃO SEM O REQUERIMENTO DO EMPREGADO. O e. Tribunal Regional indeferiu o pedido de indenização

Leia mais

VISTOS, relatados e discutidos estes autos, em que são partes as acima identificadas: RELATÓRIO

VISTOS, relatados e discutidos estes autos, em que são partes as acima identificadas: RELATÓRIO ESTADO DA PARAÍBA 21 PODER JUDICIÁRIO 1 Apelação Cível n. 888.2002.014.833-4/001 Relator: Des. Luiz Silvio Ramalho Júnior Apelante: GM Factoring Sociedade de Fomento Comercial Ltda Advogada: Maria Irinea

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. Gabinete da Desembargadora Elizabeth Maria da Silva

PODER JUDICIÁRIO. Gabinete da Desembargadora Elizabeth Maria da Silva APELAÇÃO CÍVEL Nº 481605-21.2009.8.09.0143 (200994816057) COMARCA DE SÃO MIGUEL DO ARAGUAIA 4ª CÂMARA CÍVEL APELANTES : ADEMIR CARDOSO DOS SANTOS E OUTRA APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO RELATOR : Juiz SÉRGIO

Leia mais

PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO Nº 85735/2011 - CLASSE CNJ - 198 - COMARCA CAPITAL APELANTE: BANCO VOLKSWAGEN S. A. DIRCE MARIA NONATO DE MORAES

PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO Nº 85735/2011 - CLASSE CNJ - 198 - COMARCA CAPITAL APELANTE: BANCO VOLKSWAGEN S. A. DIRCE MARIA NONATO DE MORAES APELAÇÃO Nº 85735/2011 CLASSE CNJ 198 COMARCA CAPITAL Fls. APELANTE: BANCO VOLKSWAGEN S. A. APELADA: DIRCE MARIA NONATO DE MORAES Número do Protocolo: 85735/2011 Data de Julgamento: 1812012 EMENTA APELAÇÃO

Leia mais

Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios

Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Órgão 1ª Turma Cível Processo N. Agravo de Instrumento 20130020241390AGI Agravante(s) GOLDEN CROSS ASSISTENCIA INTERNACIONAL

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 772.818 - RS (2005/0132229-4) RELATOR : MINISTRO CASTRO FILHO RECORRENTE : LUCIANA GHELLER LUQUE ENGEL ADVOGADO : PAULO RICARDO DUARTE DE FARIAS E OUTRO RECORRIDO : BOURBON ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.279.961 - MT (2011/0171600-5) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO SIDNEI BENETI : RODOBENS ADMINISTRADORA DE CONSÓRCIOS LTDA : FLÁVIO LOPES FERRAZ E OUTRO(S)

Leia mais

(ambas sem procuração).

(ambas sem procuração). ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa AGRAVO DE INSTRUMENTO N. 001.2009.006097-9 / 001 Relator: Des. José Di Lorenzo Serpa. Agravante: Itatj Seguros S/A. Advogado:

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL

PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL \d \w1215 \h1110 FINCLUDEPICTURE "brasoes\\15.bmp" MERGEFORMAT PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL Processo n. 001.08.020297-8 Ação: Ação Civil Pública Autor: Ministério

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO fls. 2 Registro: 2015.0000086160 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0011047-84.2013.8.26.0011, da Comarca de São Paulo, em que é apelante ORDALIA REGINA DA SILVA BUSO, são

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO Registro: 2013.0000172403 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0021434-36.2009.8.26.0000, da Comarca de São Paulo,

Leia mais

Os agravados ingressaram com AÇÃO DE

Os agravados ingressaram com AÇÃO DE ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DES. MANOEL SOARES MONTEIRO DECISÃO MONOCRÁTICA AGRAVO DE INSTRUMENTO N. 073.2010.001.316-5/001 RELATOR : DES. MANOEL SOARES MONTEIRO AGRAVANTE

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Registro: 2013.0000027012 ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Registro: 2013.0000027012 ACÓRDÃO fls. 1 Registro: 2013.0000027012 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Embargos Infringentes nº 0003778-19.2011.8.26.0575/50000, da Comarca de São José do Rio Pardo, em que é embargante

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.507.239 - SP (2014/0340784-3) RELATÓRIO O SENHOR MINISTRO MARCO AURÉLIO BELLIZZE: Trata-se de recurso especial interposto por Santander Leasing S.A. Arrendamento Mercantil, com fundamento

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATÓRIO O EXMO. SR. MINISTRO RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA (Relator): Trata-se de recurso especial interposto contra acórdão proferido pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo assim ementado: "Exceção

Leia mais

Gabinete da Desembargadora Beatriz Figueiredo Franco

Gabinete da Desembargadora Beatriz Figueiredo Franco APELAÇÃO CÍVEL Nº 5658-75.2013.8.09.0049 (201390056589) COMARCA : GOIANÉSIA 3ª CÂMARA CÍVEL APELANTE : ADÉLIO RODRIGUES DE OLIVEIRA NETO APELADO : MERCADOLIVRE.COM ATIVIDADES DE INTERNET LTDA. E OUTRO(S)

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0024.14.148142-4/001 Númeração 0807534- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Mariângela Meyer Des.(a) Mariângela Meyer 24/02/2015 06/03/2015 EMENTA:

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2011.0000018579 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0142773-50.2009.8.26.0100, da Comarca de, em que é apelante MARITIMA SAUDE SEGUROS S/A sendo apelado LIDIA ZAHARIC.

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0024.11.112845-0/003 Númeração 1128450- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Wanderley Paiva Des.(a) Wanderley Paiva 04/12/2013 13/12/2013 EMENTA: AÇÃO

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABINETE DO DES. SAULO HENRIQUES DE SÁ E BENE VIDES

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABINETE DO DES. SAULO HENRIQUES DE SÁ E BENE VIDES ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABINETE DO DES. SAULO HENRIQUES DE SÁ E BENE VIDES DECISÃO TERMINATIVA Agravo de Instrumento 200.2011.026679-4/001 2 1' Vara Civel da Capital. Relator : Des. Saulo Henriciues

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO SEGUNDO TRIBUNAL DE ALÇADA CIVIL DÉCIMA CÂMARA

PODER JUDICIÁRIO SEGUNDO TRIBUNAL DE ALÇADA CIVIL DÉCIMA CÂMARA APELAÇÃO COM REVISÃO N º 641.562-0/7 CAMPINAS Apelante: Lafontes Seguros Administração e Corretora de Seguros S. C. Ltda. Apelada : Margarida da Cunha Santos AÇÃO DE COBRANÇA. EMBARGOS À EXECUÇÃO. CERCEAMENTO

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 1 Registro: 2013.0000481719 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0002045-56.2007.8.26.0543, da Comarca de Santa Isabel, em que é apelante ORNAMENTAL EMPREENDIMENTOS IMOBILIARIOS

Leia mais

VOTO Nº : 13821 APEL.Nº : 991.08.054479-8 COMARCA : SÃO JOSÉ DO RIO PRETO : BANCO FININVEST S/A : HILDA SOUZA LOPES (JUST GRAT)

VOTO Nº : 13821 APEL.Nº : 991.08.054479-8 COMARCA : SÃO JOSÉ DO RIO PRETO : BANCO FININVEST S/A : HILDA SOUZA LOPES (JUST GRAT) VOTO Nº : 13821 APEL.Nº : 991.08.054479-8 COMARCA : SÃO JOSÉ DO RIO PRETO APTE. APDO. : BANCO FININVEST S/A : HILDA SOUZA LOPES (JUST GRAT) CRÉDITO - Legalidade da cobrança de juros que englobem o custo

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.434.491 - MG (2012/0121695-4) RELATOR : MINISTRO PAULO DE TARSO SANSEVERINO RECORRENTE : LAPA INCORPORAÇÕES EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS E SERVIÇOS S/A ADVOGADO : RAIMUNDO FREITAS

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.171.486 - SP (2009/0239644-0) RELATOR AGRAVANTE AGRAVADO : MINISTRO MARCO BUZZI EMENTA AGRAVO REGIMENTAL - AÇÃO DE COBRANÇA - ASSOCIAÇÃO DE MORADORES - PAGAMENTO DE TAXA DE

Leia mais

Teoria Geral do Processo II Matrícula: 11/0115791 Vallisney de Souza Oliveira O ÔNUS DA PROVA NO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR

Teoria Geral do Processo II Matrícula: 11/0115791 Vallisney de Souza Oliveira O ÔNUS DA PROVA NO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Aluno: Endrigo Araldi Teoria Geral do Processo II Matrícula: 11/0115791 Vallisney de Souza Oliveira O ÔNUS DA PROVA NO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR Brasília, 30 de Maio de 2013

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 907.718 - ES (2006/0266103-0) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI RECORRENTE : LUCIANO DA SILVA MAYRINK ADVOGADO : LUCIANA MARQUES DE ABREU JÚDICE E OUTRO(S) RECORRIDO : ASSOCIAÇÃO DE

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores LUIZ ANTONIO DE GODOY (Presidente sem voto), DE SANTI RIBEIRO E ELLIOT AKEL.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores LUIZ ANTONIO DE GODOY (Presidente sem voto), DE SANTI RIBEIRO E ELLIOT AKEL. ACÓRDÃO Registro: 2011.0000324840 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0068021-37.2009.8.26.0576, da Comarca de São José do Rio Preto, em que é apelante UNIMED - SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.097.758 - MG (2008/0236409-4) RELATOR : MINISTRO MASSAMI UYEDA RECORRENTE : JOSÉ ALVES CAMPOS ADVOGADO : JAYME MOREIRA ANDRADE E OUTRO(S) RECORRIDO : COMPANHIA DE SEGUROS MINAS BRASIL

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO A C Ó R D Ã O 3ª T U R M A PODER JUDICIÁRIO FEDERAL MEMBRO DE CONSELHO CONSULTIVO. ESTABILIDADE. DESCABIMENTO. Não faz jus à estabilidade sindical o empregado eleito pelo órgão consultivo da entidade,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 976.125 - SP (2007/0182780-3) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI EMENTA Direito civil. Lei 9.656/98. Demissão, sem justa causa, de aposentado que participou, por mais de dez anos, de

Leia mais