Papel da crítica no século XXI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Papel da crítica no século XXI"

Transcrição

1 ISSN Revista de Crítica Jurídica vol. 1 maio-agosto/2009 Sumário: Papel da crítica no século XXI Adriano de Assis Ferreira... 2 A inconstitucionalidade da instalação obrigatória de equipamento antifurto em veículos novos Lea Cíntia Thomaz de Assis Ferreira... 4 As ações coletivas como instrumento de fomentação da igualdade social Marcus Paulo Queiroz Macêdo O Paradoxo do Discurso Ressocializador Renata Jardim da Cunha Rieger e Rafael Camparra Pinheiro O Direito Penal do Inimigo e sua Incompatibilidade com o Estado Democrático de Direito Ronny Aparecido Alves Almeida Editor: Prof. Adriano de Assis Ferreira

2 Papel da crítica no século XXI - Autor: Adriano de Assis Ferreira Papel da crítica no século XXI Autor: Adriano de Assis Ferreira Mestre em Direito Político e Econômico (Mackenzie) Mestre em Letras-Teoria Literária e Literatura Comparada (USP) Doutorando em Ciências Sociais (PUC-SP) Doutorando em Letras-Literatura Brasileira (USP) Professor da Universidade São Judas Tadeu Nos últimos séculos, sobretudo com o advento do capitalismo, a forma mercadoria universaliza-se como efetivo padrão de sociabilidade do mundo contemporâneo. Em outras palavras, as pessoas relacionam-se, obrigatoriamente, umas com as outras, por meio da mercadoria. Desde o acordar até o fim do dia, as pessoas são postas em sociedade por meio da mercadoria. Ao acender a luz do quarto, ao abrir a torneira da pia, ao consumir o café da manhã, ao tomar o transporte público, participa-se de relações mercantis. Durante, pelo menos, oito horas, é a própria pessoa, ou seu tempo, que se converte em mercadoria, sendo vendida nas relações de trabalho. Em termos sociais, durante a fase da circulação de riquezas, seja de bens ou de serviços, há a onipresente figura da mercadoria. Assim, também, durante todos os momentos da produção, seja de compra de matérias-primas, seja de compra de trabalho humano. A sociedade é uma grande soma de relações de trocas mercantis, permeadas pela moeda e por carregadores de mercadorias. Desde o Renascimento, pelo menos, a cultura crítica volta-se contra os obstáculos sociais que impediram tal onipresença mercantil. Padrões de sociabilidade típicos da Idade Média são vistos como atrasados e irracionais. A produção feudal, os privilégios estamentais, o domínio religioso, são questionados e denunciados como inimigos do progresso sócio-cultural. Por um lado, formam-se críticas Iluministas e Liberais, capazes de propugnar a libertação da sociabilidade promovida pela mercadoria em sua vertente produto ou serviço, desembocando no Estado Moderno e no Direito Positivo. Por outro lado, acentuando tais tendências, as críticas sociais, sobretudo a partir de meados do século XIX, reforçam e libertam a sociabilidade promovida pela mercadoria trabalho, polarizando a sociedade e permitindo a consolidação do capitalismo em âmbito global. Graças a essa dupla vertente crítica e às novas condições econômicas que as acompanham, com a concorrência entre produtores e a concorrência entre produtores e trabalhadores, há um incremento tecnológico na produção de mercadorias que faz germinar seu próprio colapso. A tecnologia abole, gradativamente, a necessidade da mercadoria trabalho humano durante a fase da produção, tornando tal sociabilidade completamente obsoleta em termos de 2

3 Papel da crítica no século XXI - Autor: Adriano de Assis Ferreira produtividade. Além disso, ainda permite um aumento quantitativo na produção de bens e serviços em proporções inimagináveis, aproximando-se dos limites naturais do planeta e chegando muito além daquilo o que se pode transformar em mercadorias. Vivemos uma situação alarmante: durante séculos as pessoas apenas se sociabilizam por intermédio da mercadoria. Hoje, neste início de século XXI, isso já não mais é possível. Nem todos os seres humanos podem participar da vida social como força de trabalho assalariada. E tampouco há a necessidade de que participem, pois ainda assim, a sociedade produz uma quantidade de produtos e serviços muito acima de suas capacidades de consumo. Todos já podem possuir tudo o que desejam, respeitados os recursos naturais, com apenas poucos, bem poucos, trabalhando. É o momento de a crítica mudar seu foco: de consagradora da sociabilidade mercantil, deve questioná-la como superável historicamente. Seu papel no século atual é o de propor novos padrões de sociabilidade que substituam a ideia do pleno emprego e da sociedade de consumo. Sua grande questão é: como a sociedade se manteria coesa sem o trabalho humano e sem o consumo? Ainda não sabemos respondê-la. Papel da crítica no século XXI 3

4 A inconstitucionalidade da instalação obrigatória de equipamento antifurto em veículos novos - Autora: Lea Cíntia Thomaz de Assis Ferreira A inconstitucionalidade da instalação obrigatória de equipamento antifurto em veículos novos Autora: Lea Cíntia Thomaz de Assis Ferreira Especialista em Direito das Relações de Consumo (PUC-SP) Técnica de Proteção e Defesa do Consumidor da Fundação PROCON-SP Analisamos, neste artigo, os pontos favoráveis e desfavoráveis da Resolução CONTRAN nº 245/2007, que dispõe sobre a instalação de equipamento obrigatório, denominado antifurto, nos veículos novos saídos de fábrica, nacionais e estrangeiros, e da Lei Complementar nº 121/2006, que cria o Sistema Nacional de Prevenção, Fiscalização e Repressão ao Furto e Roubo de Veículos e Cargas e dá outras providências. Em 27 de julho de 2007, o CONTRAN (Conselho Nacional de Trânsito) editou a Resolução 245/2007, estabelecendo que, a partir de vinte e quatro meses da publicação da resolução, todos os veículos novos, saídos de fábrica, produzidos no País ou importados, somente poderão ser comercializados quando equipados com dispositivo antifurto, equipamento este que deverá ser dotado de sistema que possibilite o bloqueio e rastreamento do veículo (artigos 1º e 2º). No artigo 4º, o Conselho deixou a cargo do proprietário do veículo a decisão sobre a habilitação ou não do equipamento junto aos prestadores de serviço de rastreamento e localização. As especificações sobre o dispositivo seriam definidas pelo órgão competente em noventa dias, a contar da data da publicação da norma. O CONTRAN justifica tal obrigatoriedade na Lei Complementar 121, de 09 de fevereiro de 2006, que cria um sistema nacional que visa à prevenção, fiscalização e repressão ao furto e roubo de veículos e cargas. O artigo 7º da Lei Complementar 121/2006 determina que caberá ao CONTRAN estabelecer os dispositivos antifurto obrigatórios nos veículos novos, saídos de fábrica, produzidos no País ou no exterior 1'. A medida tem causado indignação aos proprietários de veículos. Os fabricantes já informaram que os valores despendidos com a instalação do item obrigatório serão repassados ao consumidor. Como ponto favorável da medida, destacamos a busca na solução de um grave problema de segurança pública relacionado a furto e roubo de veículos. Comenta-se que a nova 1 Art. 7o O Conselho Nacional de Trânsito - CONTRAN estabelecerá: I - os dispositivos antifurto obrigatórios nos veículos novos, saídos de fábrica, produzidos no País ou no exterior; II - os sinais obrigatórios de identificação dos veículos, suas características técnicas e o local exato em que devem ser colocados nos veículos; III - os requisitos técnicos e atributos de segurança obrigatórios nos documentos de propriedade e transferência de propriedade de veículo. 4

5 A inconstitucionalidade da instalação obrigatória de equipamento antifurto em veículos novos - Autora: Lea Cíntia Thomaz de Assis Ferreira tecnologia poderia aumentar o percentual de veículos recuperados pela polícia. Todavia, coloca-se em dúvida a questão da segurança da vida do condutor. Os pontos desfavoráveis são muitos. Destacamos a inconstitucionalidade da Lei Complementar e inconstitucionalidade e ilegalidade da Resolução do CONTRAN. Apresentaremos, a seguir, nossas considerações a respeito. 1. A LEI COMPLEMENTAR 121/2006 A Lei Complementar nº 121/2006 é norma jurídica gerada em razão da aprovação do Projeto de Lei Complementar nº 187, de 1997, do Deputado Federal Mário Negromonte. Trata, basicamente, de questões de segurança pública. Em justificativa ao Projeto da Lei Complementar, o nobre deputado deixa claro o escopo da propositura, ao declarar que o projeto visa criar um instrumento capaz de coibir a atuação de quadrilhas especializadas em furtar ou roubar cargas e veículos nas cidades e estradas em todo País e que causam prejuízos enormes, inclusive de vidas humanas, disseminando, ainda, a insegurança e o medo. Ao final da justificação, conclui: Já era tempo do Poder Público preocupar-se e dar um passo decisivo nesse sentido, porque a atuação contra esse tipo de crime, feita por empresas privadas, mostrou-se inviável. Além do artigo 7º que incumbiu o CONTRAN de designar os dispositivos antifurto obrigatórios nos veículos novos, saídos de fábrica, produzidos no País ou no exterior, a referida lei determinou que as alterações necessárias nos veículos deverão ser providenciadas no prazo de 24 (vinte e quatro) meses a contar da publicação da Resolução do CONTRAN. Findo esse prazo, nenhum veículo poderá ser mantido ou entrar em circulação se não forem atendidas as condições fixadas pelo conselho. O artigo 9º da lei determinou o que segue: Art. 9º Para veículos dotados de dispositivo opcional de prevenção contra furto e roubo, as companhias seguradoras reduzirão o valor do prêmio do seguro contratado. Parágrafo único. O CONTRAN regulamentará a utilização dos dispositivos mencionados no caput deste artigo de forma a resguardar as normas de segurança do veículo e das pessoas envolvidas no transporte de terceiros. 1.1 DA INCONSTITUCIONALIDADE MATERIAL DA LEI COMPLEMENTAR 121/2006 A Lei Complementar 121/2006 fere o princípio da proporcionalidade constitucional e direitos e garantias fundamentais da Constituição Federal. Assim como existem na esfera administrativa os elementos do ato administrativo, que serão tratados neste trabalho em momento oportuno, a doutrina apresenta três elementos, ou subprincípos que governam o conteúdo do princípio da proporcionalidade no Direito 5

6 A inconstitucionalidade da instalação obrigatória de equipamento antifurto em veículos novos - Autora: Lea Cíntia Thomaz de Assis Ferreira Constitucional: I) o princípio da pertinência, que corresponde à apropriação do meio ao fim perseguido; II) o princípio da necessidade, pelo qual o cidadão tem direito à menor desvantagem possível para a obtenção de determinado fim; III) princípio da proporcionalidade estrito, através do qual a medida adotada não deve ser de uma severidade excessiva. 1 Obrigar o particular a obter um dispositivo antifurto, sendo que é dever do Estado garantir a todos a segurança e a ordem pública, contraria o princípio em comento, bem como seus subprincípios da pertinência e da necessidade. O Estado intervém em questões de ordem privada para proteger o patrimônio do particular que, de acordo com o art. 5º, caput, da CF, tem a liberdade de decidir sobre seus bens patrimoniais. Com isso, ignora um dos objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil, disposto no artigo 3º, I da CF, o de construir uma sociedade livre, justa e solidária. Viola o princípio da liberdade também expresso na CF, especificamente no artigo 5º, caput, bem como cria incompatibilidades entre os bens jurídicos garantidos constitucionalmente: vida e patrimônio, já que a norma objetiva de forma primordial a proteção do patrimônio, e não da vida do proprietário. No Estado de Direito, a atividade legislativa deve se pautar pelos valores e pelos princípios consagrados na Constituição, estando o legislador vinculado jurídicomaterialmente às normas constitucionais, e, por conseguinte, sujeito ao controle jurisdicional SEGURANÇA PÚBLICA A segurança pública é dever do Estado, direito e responsabilidade de todos, é exercida para a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio. A CF estabeleceu quais órgãos a exercerão: I polícia federal; II polícia rodoviária federal; III polícia ferroviária federal; IV policiais civis; V policiais militares e corpos de bombeiros militares. Não pode o Estado delegar seu dever de garantir a segurança, de forma direta e indireta, aos cidadãos e às empresas privadas, respectivamente. O cidadão já paga pela segurança pública, que é sustentada pelos impostos. Por isso, é o Estado quem deve efetivar segurança ao particular, e se não o faz, não deve interferir, delegando ao cidadão, através de lei, o ônus da contratação de um serviço de segurança privado. Nesse passo, interessante decisão que declarou inconstitucional o artigo 117, incisos I, II, III e IV, da Lei Orgânica do Distrito Federal que além dos órgãos incumbidos para o exercício de segurança pública previstos no artigo 144 da Constituição, previu o Departamento de 1 FIGUEIREDO, Sylvia Marlene de Castro. A interpretação constitucional e o princípio da proporcionalidade.são Paulo, RCS Editora, 2005, p FIGUEIREDO, Sylvia Marlene de Castro. op.cit., p

7 A inconstitucionalidade da instalação obrigatória de equipamento antifurto em veículos novos - Autora: Lea Cíntia Thomaz de Assis Ferreira Trânsito: Os Estados-membros, assim como o Distrito Federal, devem seguir o modelo federal. O artigo 144 da Constituição aponta os órgãos incumbidos do exercício da segurança pública. Entre eles não está o Departamento de Trânsito. Resta, pois, vedada aos Estados-Membros a possibilidade de estender o rol, que esta Corte já firmou ser numerus clausus, para alcançar o Departamento de Trânsito. (ADI 1.182, voto do Min. Eros Grau, julgamento em , DJ de ) do serviço de segurança pública. Se essa prática se efetivar, acabaremos por permitir a terceirização indireta 2. RESOLUÇÃO CONTRAN Nº 245, DE 27 DE JULHO DE DA INCONSTITUCIONALIDADE DO ATO NORMATIVO Caso não se conclua pela inconstitucionalidade da Lei Complementar 121/2006, é possível defender a inconstitucionalidade material da norma editada pelo CONTRAN Resolução 245/2007, em razão da violação ao princípio constitucional da proporcionalidade. Ressalta-se que esse importante princípio do Direito Constitucional moderno possibilita a análise da congruência do mérito dos atos normativos com a pauta de valores consagrada na Lei Fundamental, operando como limitação à discricionariedade legislativa, impedindo a prática de arbitrariedades. de Mello 1: A esse propósito, oportuna a lição do Douto Professor Celso Antônio Bandeira As competências administrativas só podem ser validamente exercidas na extensão e intensidade proporcionais ao que seja realmente demandado para cumprimento da finalidade de interesse público a que estão atreladas. Segue-se que os atos cujos conteúdos ultrapassem o necessário para alcançar o objetivo que justifica o uso de competência ficam maculados de ilegitimidade, porquanto desbordam do âmbito da competência; ou seja, superam os limites que naquele caso lhe corresponderiam. Sobremodo quando a Administração restringe situação jurídica dos administrados além do que caberia, por imprimir às medidas tomadas uma intensidade ou extensão supérfluas, prescindendas, ressalta a ilegalidade de sua conduta. O ilustre Professor preleciona que ninguém deve estar obrigado a suportar constrições em sua liberdade ou propriedade que não sejam indispensáveis à satisfação do interesse público. É notório que a simples instalação de um rastreador nos veículos além de não atingir à finalidade da lei, pois há inadequação do ato ao escopo legal, não irá satisfazer o interesse público, objeto da lei. Isso porque, apesar de obrigatória a instalação do equipamento antifurto que possibilite o bloqueio e o rastreamento do veículo (Artigo 1º, 1ºda resolução 245), caberá ao proprietário decidir sobre a habilitação do equipamento junto aos prestadores de serviço de 1 MELLO, Celso Antônio Bandeira. Curso de Direito Administrativo. 23ª edição revista e atualizada. São Paulo: Ed. Malheiros, 2006, p

8 A inconstitucionalidade da instalação obrigatória de equipamento antifurto em veículos novos - Autora: Lea Cíntia Thomaz de Assis Ferreira rastreamento e localização (artigo 4º). Importante ressaltar que na justificativa ao projeto de lei complementar que deu origem à LC 121/2006, o legislador constatou que a atuação contra os crimes de furto ou roubo feita por empresas privadas, mostrou-se inviável. Ora, se inviável, por que o CONTRAN optou por um sistema antifurto que somente terá eficácia após a contratação do particular justamente com uma empresa privada? Se a finalidade da lei é reprimir ou prevenir o crime, longe está de ser atendida. Com tal medida, vislumbra-se apenas um encarecimento do bem, em prejuízo da coletividade de consumidores, além da lesão a diversos direitos fundamentais, como discorremos. Sabe-se que a inadequação à finalidade da lei é inadequação à própria lei. Assim, como o ato desproporcional é inconstitucional, poderá ser invalidado pelo Poder Judiciário. O Ministro Gilmar Mendes observa que: (...) um juízo definitivo sobre a proporcionalidade da medida há de resultar da rigorosa ponderação entre o significado da intervenção para o fim atingido e os objetivos perseguidos pelo legislador (proporcionalidade ou razoabilidade em sentido estrito). O pressuposto de adequação (Geeignetheit) exige que as medidas interventivas adotadas mostrem-se aptas a atingir os objetivos pretendidos. O requisito da necessidade ou da exigibilidade (Notwendigkeit oder Enforichkelt) significa que nenhum meio menos gravoso para o indivíduo revelar-se-ia igualmente eficaz na consecução dos objetivos pretendidos. Assim, apenas o que é adequado pode ser necessário, mas o que é necessário não pode ser inadequado 1. Há julgado do STJ no mesmo sentido: A ordem jurídica veda ao Estado, instrumento de realização de bem comum, a imposição irrefletida de exigências desviadas dessa finalidade (RESP RS(2003/ ). Portanto, a imposição da medida viola o princípio da proporcionalidade, razão pela qual não pode fundamentar a imposição de sanções contra aqueles que a desatenderem. A medida não é adequada aos fins subjacentes a que visa concretizar, além de não atender ao interesse público. Da mesma forma, viola preceitos também constitucionais ligados à liberdade e à vida, conforme já argüido quando tratada a inconstitucionalidade da lei complementar. 2.2 DA ILEGALIDADE DO ATO NORMATIVO DESVIO DE FINALIDADE Caso se conclua pela constitucionalidade da Lei Complementar, podemos argumentar a ilegalidade do ato administrativo por ferir os requisitos do ato administrativo. Para a garantia de sua validade e eficácia, o ato administrativo deverá observar 1 MENDES, Gilmar Ferreira. A proporcionalidade da jurisprudência do Supremo Tribunal Federal. Repertório IOB de jurisprudência, nº 23, 1994, p.473, apud Alexandre de Moraes. Direito Constitucional Administrativo, 2º ed. São Paulo. Editora Atlas, 2005, p

9 A inconstitucionalidade da instalação obrigatória de equipamento antifurto em veículos novos - Autora: Lea Cíntia Thomaz de Assis Ferreira os elementos necessários a sua formação, quais sejam: agente competente, ou competência, finalidade, forma, motivo e objeto. Dentre esses elementos destaca-se a finalidade, ligada aos resultados pretendidos pela Administração Pública, determinada pela lei. De modo geral, todo ato administrativo tem por finalidade o interesse público, e de modo específico, o que a lei determinar implícita ou explicitamente. Não pode, o administrador, fugir dessa finalidade. Ao especificar um dispositivo de segurança que não necessariamente será habilitado pelo proprietário, desvia da finalidade da Lei Complementar (reforçamos, se considerada constitucional), que é de prevenir, fiscalizar e reprimir o furto e roubo de veículos e cargas, e acaba por onerar o proprietário de veículo, que terá de arcar com os custos da instalação do dispositivo, já que não há dúvidas de que serão repassados pelo fabricante. Daí, conclui-se pela invalidade do ato por desvio de poder LIBERDADE DE ESCOLHA NAS CONTRATAÇÕES A Resolução 245/2007 é ilegal, pois contrária à liberdade de escolha nas contratações, disposta no artigo 6º, II do Código de Defesa do Consumidor: Art. 6º São direitos básicos do consumidor: (...) II - a educação e divulgação sobre o consumo adequado dos produtos e serviços, asseguradas a liberdade de escolha e a igualdade nas contratações; XXXII, 170, V e 48 ADCT). Lembrando que a defesa do consumidor tem alicerce constitucional (art. 5º, Por fim, algumas considerações genéricas: A resolução previu a sanção ao proprietário de veículo sem equipamento antifurto. Entretanto o consumidor não poderá intervir na fabricação do veículo que irá adquirir. Se o fabricante do veículo escolhido não respeitar a determinação da lei, será o proprietário quem responderá, pagando a multa prevista no Código de Trânsito, correndo o risco de ter o veículo apreendido. Ou seja, o verdadeiro responsável continuará incólume perante o Estado. Há que se considerar, ainda, que o CONTRAN não fez qualquer consulta pública para analisar qual dispositivo atenderia a exigência da Lei Complementar. Em pesquisa, encontramos apenas uma ata de reunião, da qual participaram representantes do Ministério da Justiça, Ministério das Comunicações, e Ministério da Ciência e Tecnologia, que, segundo consta da ata, esclareceram sobre os aspectos de segurança e de comunicação do equipamento antifurto. Pelo que se sabe, nenhuma entidade representante do consumidor foi consultada. Também importante informar que algumas seguradoras já fornecem esse tipo de equipamento para rastreamento e localização, bem como o serviço. 9

10 A inconstitucionalidade da instalação obrigatória de equipamento antifurto em veículos novos - Autora: Lea Cíntia Thomaz de Assis Ferreira Vale destacar que empresas desse ramo apresentam reclamações nos cadastros da Fundação Procon-SP. Para exemplificar, temos a Car System que teve registradas vinte e quatro reclamações em 2006 e um auto de infração, de número 529/2005, por violação ao artigo 51 e 20 do Código de Defesa do Consumidor. Por fim, questões mais importantes que envolvem a segurança da vida do cidadão são deixadas de lado. Esquece-se das rodovias deterioradas a que milhares de motoristas são obrigados a enfrentar, arriscando suas próprias vidas. A inconstitucionalidade da instalação obrigatória de equipamento antifurto em veículos novos 10

11 As ações coletivas como instrumento de fomentação da igualdade social - Autor: Marcus Paulo Queiroz Macêdo As ações coletivas como instrumento de fomentação da igualdade social Autor: Marcus Paulo Queiroz Macêdo Mestrando em Direito Processual Coletivo pela UNAERP Universidade de Ribeirão Preto Promotor de Justiça em Araxá/MG 1. INTRODUÇÃO Num contexto de mundialização, as diferenças sociais se acentuam, já que a informação corre livre, sem fronteiras, assim como os capitais e os recursos humanos, o que impõe intervenções regulatórias, a fim de as dirimir. Tais intervenções poder-se-ão dar nos campos público ou privado, na comunidade internacional ou em ações restritas aos países, no que lhes sobrou de sua soberania, na forma entendida classicamente. Neste particular, o direito interno ainda tem o que contribuir para a emancipação social, principalmente se operacionalizado em consonância com as modernas doutrinas constitucional (a corrente conhecida como nova hermenêutica constitucional ) e processual (atento aos movimentos de acesso à Justiça e de instrumentalidade do processo). Em face disto, no direito brasileiro pode ser identificada e ressaltada a condição das ações coletivas como um dos principais instrumentos, no país, de consecução e concreção dos direitos difusos e coletivos, conforme se verá a seguir. 2. O FASCISMO SOCIAL E A NECESSIDADE DE O DIREITO BUSCAR A JUSTIÇA CONCRETA E MATERIAL A sociedade contemporânea passa por uma grave crise de valores, decorrente sobretudo das promessas e expectativas não cumpridas pela Modernidade que, se por um lado trouxe desenvolvimentos tecnológicos nunca dantes vistos em tão curto espaço de tempo, por outro foi incapaz de eliminar a desigualdade e a injustiça social, que vitimam milhões de seres diariamente. Tanta tecnologia não serviu sequer para eliminar a fome do planeta, o que é um disparate. No dizer do jusfilósofo português Boaventura de Souza Santos, umas das características deste momento histórico é a emergência de um fascismo social, que trivializa e instrumentaliza a democracia para a defesa de poucos interesses, em detrimento do bem comum da maioria 1. Ele assim o define 2 : (...) Em verdade, penso que estes podem ser resumidos a um só: a emergência de um fascismo social. Não quero dizer com isto um regresso ao fascismo das décadas de 1930 e 1 Poderá ser o direito emancipatório? Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, n. 65, pp. 3/76, maio/ Ob. Cit., pp. 20/21. 11

12 As ações coletivas como instrumento de fomentação da igualdade social - Autor: Marcus Paulo Queiroz Macêdo Ao contrário daquele que o precedeu, o fascismo de hoje não é um regime político, mas antes um regime social e civilizacional. Em vez de sacrificar a democracia às exigências do capitalismo, ele trivializa a democracia a ponto de se tornar desnecessário, ou sequer vantajoso, sacrificá-la para promover o capitalismo. É um tipo de fascismo pluralista, produzido pela sociedade e não pelo Estado. Este comporta-se, aqui, como mera testemunha complacente, se não mesmo como culpado activo. Estamos a entrar num período em que os Estados democráticos coexistem com sociedades fascizantes. Trata-se, por conseguinte, de uma forma inaudita de fascismo. (itálicos no original) Neste contexto, o Direito passa a tomar novo significado, em virtude de sua força emancipatória e de transformação social, a partir da retomada da sua vinculação com a Justiça, já que, durante muito tempo, ele dela esteve afastado, de uma perspectiva teórica e de aplicação prática, inclusive a ponto de ter sido negada qualquer relação entre ambos, como o fez Hans Kelsen, um dos grandes doutrinadores da corrente positivista pura do Direito, para quem a validade de uma ordem jurídica positiva é independente da sua concordância ou discordância com qualquer sistema de Moral [ou de Justiça, já que, para ele, esta integra aquela] 1. Para Kelsen, como esclarece Karl Larenz, o conteúdo das normas jurídicas não está para ela, por qualquer modo, pré determinado pela razão, pela lei moral ou por qualquer teologia imanente, mas pode ser aquele que se queira 2. Em decorrência, qualquer conteúdo normativo, ainda que flagrantemente injusto, deveria ser obrigatoriamente aplicado ao caso concreto, quando se tratar de uma norma jurídica formalmente válida. Esta corrente foi durante criticada, principalmente a partir da segunda metade do século passado, por várias razões, mas sobretudo pela neutralidade do Direito que ela apregoava, que, além de um mito, poderia justificar a legalidade de qualquer conteúdo normativo, até mesmo o Direito Nazi-fascista. Neste aspecto, em paralelo de raciocínio, já que a problematização se refere ao fascismo histórico da década de 30, pode ser lembrada a tese 8 do famoso ensaio do filósofo alemão Walter Benjamin Sobre o conceito de história, escrito há quase cinquenta anos mas de uma atualidade pungente 3 : A tradição dos oprimidos nos ensina que o estado de exceção em que vivemos é na verdade a regra geral. Precisamos construir um conceito de história que corresponda a essa verdade. Nesse momento, perceberemos que nossa tarefa é originar um verdadeiro estado de exceção; com isso, nossa posição ficará mais forte na luta contra o fascismo. Este se beneficia da circunstância de que seus adversários o enfrentam em nome do progresso, considerado como uma norma histórica. O assombro com o fato de que os episódios que vivemos no século XX ainda sejam possíveis, não é um assombro filosófico. Ele não gera nenhum conhecimento, a não ser o conhecimento de que a concepção de história da qual emana semelhante assombro é insustentável. (aspas no original) positivistas puros, nestes termos 4 : Por estas e outras razões, Eros Roberto Grau fez uma incisiva crítica aos Ao construir uma teoria pura, esvaziada de toda a ideologia política e de todos os elementos científicos naturais, Kelsen construiu uma teoria apartada do jurídico, na medida em que, como observa Adomeite (1984/46-47), uma ordem jurídica sem o político resulta carente 1 Teoria Pura do Direito. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, p Medotodologia da Ciência do Direito. 3. ed. Lisboa, Fundação Caloste Gulbenkian, p Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 7. ed. São Paulo: Brasiliense, p O direito posto e o direito pressuposto. 2. ed. São Paulo: Malheiros, p

13 As ações coletivas como instrumento de fomentação da igualdade social - Autor: Marcus Paulo Queiroz Macêdo de impulso, morta; uma ciência do direito permanece fragmentária se reproduz um corpo sem coração. Daí por que os kelsenianos hão de se preocupar única e exclusivamente com a estrutura lógica das normas jurídicas, sem cogitar de sua interpretação/aplicação tais cogitações estão para além da teoria pura. Para que tomem conhecimento do mundo no qual se vive o direito são obrigados a descer do altiplano teórico, para se porem de braços com a Dogmática. (itálicos no original) Em contraponto a esta forma de enxergar e aplicar o Direito, a contemporaneidade jurídica é caracterizada pela retomada de ensinamentos como o de Aristóteles, para quem a justiça é a base da sociedade. Chama-se julgamento a aplicação do que é justo 1. Norberto Bobbio assim delineia a posição do Estagirita: Uma das mais tradicionais definições filosóficas é a que define o direito em função da justiça (isto é, como ordenamento que serve para a realização da justiça). Esta definição já é encontrada em Aristóteles. Neste autor, a propósito, a identificação de direito e justiça atinge até o plano linguístico, visto que para indicar o direito Aristóteles usa o termo díkaion, que significa propriamente justo (de dikê = justiça; cf. 1). Esta mesma definição pode ser encontrada num filósofo contemporâneo, Radbruch [...] 2 O resgate da busca do ideal de Justiça é a tônica da hodierna concepção do direito constitucional, encontrada principalmente no movimento conhecido como nova hermenêutica constitucional, assim contextualizado por Luis Roberto Barroso e Ana Paula de Barcellos 3 : A superação histórica do jusnaturalismo e o fracasso político do positivismo abriram caminho para um conjunto amplo e ainda inacabado de reflexões acerca do Direito, sua função social e sua interpretação. O pós-positivismo é a designação provisória e genérica de um ideário difuso, no qual se incluem a definição das relações entre valores, princípios e regras, aspectos da chamada nova hermenêutica constitucional, e a teoria dos direitos fundamentais, edificada sobre o fundamento da dignidade da pessoa humana. A valorização dos princípios, sua incorporação, explícita ou implícita, pelos textos constitucionais e o reconhecimento pela ordem jurídica de sua normatividade fazem parte desse ambiente de reaproximação entre Direito e Ética. (itálicos no original) Luiz Antônio Rizzato Nunes também sintetiza precisamente a questão, ao asseverar que a justiça soma-se ao princípio da intangibilidade da dignidade humana, como fundamento de todas as normas jurídicas, na medida em que qualquer pretensão jurídica deve ter como base uma ordem justa. 4 Neste sentido, reaproximando Direito e Ética e Direito e Justiça, os seus operadores haverão de entender que a violação de um direito é uma questão muito séria, pois, como adverte Ronald Dworkin, significa tratar um homem como menos que um homem ou como se fosse menos digno de consideração que outros homens. 5 Alguns dos instrumentos da concreção da Justiça pelo Direito são os princípios constitucionais e os Direitos Fundamentais, já que, conforme mencionado por Konrad Hesse, 1 A política. Rio de Janeiro: Ediouro, [1995?]. p O Positivismo Jurídico: Lições de Filosofia do Direito. São Paulo: Ícone, O começo da história: a nova interpretação constitucional e o papel dos princípios no direito brasileiro. In: SAMPAIO, José Adércio Leite (Coord.). Crise e desafios da Constituição: perspectivas críticas da teoria e das práticas constitucionais brasileiras. Belo Horizonte: Del Rey, p Curso de Direito do Consumidor: com exercícios. 2. ed. rev. atual. São Paulo: Saraiva, p Levando os direitos a sério. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, p

14 As ações coletivas como instrumento de fomentação da igualdade social - Autor: Marcus Paulo Queiroz Macêdo embora a Constituição não possa, por si só, realizar nada, ela pode impor tarefas 1, cabendo aos operadores do Direito concretizarem os mandamentos constitucionais, uma vez que a Constituição só se transforma em força ativa se essas tarefas forem efetivamente realizadas, se existir a disposição de orientar a própria conduta segundo a ordem nela estabelecida 2. É o que ele chama de vontade da Constituição. Na mesma linha de pensamento, lembra Robert Alexy que se os direitos fundamentais vinculam todos os três poderes e também são princípios, então eles vinculam também todos os três poderes como princípios 3. Nesta exata medida, os legisladores, aos formularem as leis, deverão respeitar os princípios constitucionais e os direitos fundamentais; os membros do Poder Executivo deverão concretizá-los; e, por fim, ao Poder Judiciário restará a bela missão de corrigir as distorções porventura constatadas na concreção destes princípios e direitos, ainda que tais desvios ocorram por omissão. afirmar que: No caso Brasileiro, lamentavelmente assiste razão a Lenio Luiz Streck ao [...] É importante observar, nesse contexto, que em nosso país, há até mesmo uma crise de legalidade, uma vez que nem sequer esta é cumprida, bastando, para tanto, ver a inefetividade dos dispositivos da Constituição. Com efeito, passados doze anos desde a promulgação da Constituição, parcela expressiva das regras e princípios nela previstos continuam ineficazes. Essa inefetividade põe em xeque, já de início, o próprio art. 1º da Constituição, que prevê a dignidade da pessoa humana como um dos fundamentos da República brasileira [...] 4 (itálicos e negritos no original) Neste contexto, a práxis tem mostrado que as ações coletivas, especialmente a ação civil pública, são um dos principais instrumentos, no país, para a implementação de políticas públicas e de concretização dos direitos difusos e coletivos garantidos constitucionalmente, a fim de que os mesmos não se tornem letra morta e completamente ineficazes, conforme adverte Lenio Streck. Ações Coletivas são, no dizer de Gregório Assagra de Almeida 5 : [...] o instrumento processual colocado à disposição de determinados entes públicos ou sociais, arrolados na Constituição ou na legislação infraconstitucional na forma mais restrita, o cidadão -, para a defesa via jurisdicional dos direitos coletivos em sentido amplo. (itálicos no original) Aluisio Gonçalves de Castro Mendes conceitua tal instituto de forma bastante 1 A força normativa da Constituição. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Editor, p Konrad Hesse, op. cit., p Constitucionalismo discursivo. Porto Alegre: Livraria do Advogado, p Constituição ou barbárie? A lei como possibilidade emancipatória a partir do Estado Democrático de Direito. p. 5. Disponível em Acesso em 07 de abril de Direito processual coletivo brasileiro: um novo ramo do direito processual (princípios, regras interpretativas e a problemática da sua interpretação e aplicação). São Paulo: Saraiva, 2003, p

15 semelhante 1 : Revista de Crítica Jurídica As ações coletivas como instrumento de fomentação da igualdade social - Autor: Marcus Paulo Queiroz Macêdo A ação coletiva pode, portanto, ser definida, sob o prisma do direito brasileiro, como o direito apto a ser legítima e autonomamente exercido por pessoas naturais, jurídicas ou formais, conforme previsão legal, de modo extraordinário, a fim de exigir a prestação jurisdicional, com o objetivo de tutelar interesses coletivos, assim entendidos os difusos, os coletivos em sentido estrito e os individuais homogêneos. Assim, além das ações previstas no Código de Defesa do Consumidor e na Lei da Ação Civil Pública, outras existem no direito pátrio passíveis de veicular pretensões de natureza coletiva (por isto, devem também ser tomadas por ações coletivas ), a exemplo da ação popular, da ação popular ambiental, do mandado de segurança coletivo, da ação de improbidade administrativa, da ação declaratória de inconstitucionalidade e da arguição de descumprimento de preceito fundamental, conforme assevera Luiz Manoel Gomes Júnior 2. Quanto a este aspecto fundamental das relações jurídicas do país, em que hodiernamente as ações coletivas ganham mais e mais relevância social, especialmente a ação civil pública, expõe Ronaldo Porto Macedo Júnior 3 : [...] A ação civil pública, enquanto mecanismo privilegiado da tutela de interesses coletivos, não é apenas uma forma mais racional ou adequada à sociedade de massa, mas também um instrumento pelo qual os seus agentes, em especial ONGs e o Ministério Público, estão ampliando os foros do debate público sobre Justiça Social, em particular nas políticas públicas, o meio por excelência para a sua realização. Isto significa que a ação civil pública se tornou um instrumento de política e de influência na gestão das políticas públicas e que, em grande medida, o meio de sua operacionalização se realiza e vivifica por meio de regras de julgamento fundadas em princípios gerais de direito. Significa também que ela se torna um instrumento de luta política, informada e formadora da opinião pública, e não apenas da implementação de direitos patrimoniais. Em tal medida, as ações civis públicas são instrumentos extremamente salutares para dar efetividade aos direitos e garantias previstos na Constituição da República e como forma de se combater o fascismo social descrito por Boaventura de Souza Santos, não devendo o Poder Judiciário se olvidar de sua enorme importância para isto, quando conclamando a intervir para sanar comissões ou omissões do Poder Público ou da iniciativa privada, a fim de concretar os comandos constitucionais. O processo jamais pode se tornar um fim em si mesmo, mas deve ser sempre um instrumento para garantir direitos e, por isso mesmo, não deve se perder em discussões vazias e inúteis, vítimas de um formalismo exacerbado, devendo ter por premissas o acesso à justiça e a sua instrumentalidade que, em demandas de natureza difusa ou coletiva, deverá ser ainda mais realçada, como forma de se garantir a efetiva tutela de tais direitos, dada a extrema relevância social dos mesmos. 1 Ações coletivas no direito comparado e nacional. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002, p Curso de Direito Processual Civil Coletivo. 2. ed. São Paulo: SRS, 2008, p. 16 e ss. 3 Ação civil pública, o direito social e os princípios. In MILARÉ, Édis (Org.). A ação civil pública após 20 anos: efetividade e desafios. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, p

16 As ações coletivas como instrumento de fomentação da igualdade social - Autor: Marcus Paulo Queiroz Macêdo 3. CONCLUSÕES Em decorrência destas considerações, pode-se concluir que um dos grandes problemas da modernidade, ou da pós-modernidade, como alguns preferem, é o que o jusfilósofo português Boaventura de Souza Santos chama de fascismo social, que ganha dimensões ainda mais severas e exasperantes num contexto de mundialização, sendo que, no ordenamento jurídico brasileiro, um dos instrumentos mais importantes de combate ao mesmo são as ações coletivas, especialmente a ação civil pública, que visam concretizar os direitos difusos e coletivos e fomentar políticas públicas, de modo a garantir a igualdade social. Para tanto, é necessário que o Poder Judiciário também se coloque na importante posição que deve constitucionalmente ocupar, como fomentador de políticas públicas, ainda que isto signifique intervir no domínio econômico estatal ou privado, como forma de concretizar a vontade da Constituição, consubstanciada principalmente em seus princípios e nos direitos e garantias por ela protegidos, fazendo do processo um instrumento eficaz para o acesso à ordem jurídica justa 1. Assim agindo, exercendo plenamente a jurisdição nos moldes constitucionalmente postos, este Poder dará contribuição fundamental para o fomento da ainda incipiente democracia brasileira. Referências Bibliográficas ALEXY, Robert. Constitucionalismo discursivo. Porto Alegre: Livraria do Advogado, ALMEIDA, Gregório Assagra de. Direito processual coletivo brasileiro: um novo ramo do direito processual (princípios, regras interpretativas e a problemática da sua interpretação e aplicação). São Paulo: Saraiva, ARISTÓTELES. A política. Rio de Janeiro: Ediouro, [1995?]. BARCELLOS, Ana Paula de; BARROSO, Luís Roberto. O começo da história: a nova interpretação constitucional e o papel dos princípios no direito brasileiro. In SAMPAIO, José Adércio Leite (Coord.). Crise e desafios da Constituição: perspectivas críticas da teoria e das práticas constitucionais brasileiras. Belo Horizonte: Del Rey, BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 7. Ed. São Paulo: Brasiliense, BOBBIO, Norberto. O Positivismo Jurídico: Lições de Filosofia do Direito. São Paulo: Ícone, CAPPELLETTI, Mauro; GARTH, Bryant. Acesso à justiça. Porto Alegre: Sergio Antônio Fabris Editor, DINAMARCO, Cândido Rangel. A instrumentalidade do processo. 13. Ed. Rev. Atual. São Paulo: Malheiros, DWORKIN, Ronald. Levando os direitos a sério. 2. Ed. São Paulo: Martins Fontes, GOMES JÚNIOR, Luiz Manoel. Curso de Direito Processual Civil Coletivo. 2. Ed. São Paulo: SRS, GRAU, Eros Roberto. O direito posto e o direito pressuposto. 2. Ed. São Paulo: Malheiros, HESSE, Konrad. A força normativa da Constituição. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Editor, 1 Cândido Rangel Dinamarco, A instrumentalidade do processo. 13. ed. rev. atual. São Paulo: Malheiros, p

17 As ações coletivas como instrumento de fomentação da igualdade social - Autor: Marcus Paulo Queiroz Macêdo KELSEN, Hans. Teoria Pura do Direito. 4. Ed. São Paulo: Martins Fontes, LAREZ, Karl. Medotodologia da Ciência do Direito. 3. Ed. Lisboa, Fundação Caloste Gulbenkian, MACEDO JÚNIOR. Ronaldo Porto. Ação civil pública, o direito social e os princípios. In MILARÉ, Édis (Org.). A ação civil pública após 20 anos: efetividade e desafios. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, MENDES, Aluisio Gonçalves de Castro. Ações coletivas no direito comparado e nacional. São Paulo: Revista dos Tribunais, MEZZAROBA, Orides; MONTEIRO, Cláudia Servilha Monteiro. Manual de Metodologia da Pesquisa do Direito. 3.ed.rev. São Paulo: Saraiva, NUNES, Luiz Antônio Rizzatto. Curso de Direito do Consumidor: com exercícios. 2. Ed. Rev. Atual. São Paulo: Saraiva, SANTOS, Boaventura. Poderá ser o direito emancipatório? Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, n. 65, maio/2003 STRECK, Lenio Luiz. Constituição ou barbárie? A lei como possibilidade emancipatória a partir do Estado Democrático de Direito. Disponível em Acesso em 07 de abril de As ações coletivas como instrumento de fomentação da igualdade social 17

18 O Paradoxo do Discurso Ressocializador - Autores: Renata Jardim da Cunha Rieger e Rafael Camparra Pinheiro O Paradoxo do Discurso Ressocializador Autores: Renata Jardim da Cunha Rieger e Rafael Camparra Pinheiro Renata Jardim da Cunha Rieger Especialista em Direito Penal e Processual Penal pela Faculdade IDC Mestranda em Ciências Criminais pela PUC-RS Advogada Rafael Camparra Pinheiro Especialista em Direito Público pela Faculdade IDC Especializando em Direito Penal e Processual Penal pela Faculdade IDC Assessor Jurídico do Ministério Público do Estado do Rio Grande do Sul Muito se tem discutido, atualmente, sobre o alcance da noção de liberdade. O que traz explícita ou implicitamente esta expressão? Liberdade de pensamento, liberdade de crença, liberdade de ação, liberdade de recuperação, liberdade de mudança, liberdade, liberdade, liberdade... Expressões constitucionalmente consagradas, mas muito mal incorporadas socialmente. Tomando-se de empréstimo a liberdade de mudança : qualquer cidadão tem o direito de mudança. Qualquer indivíduo servindo-se de uma expressão tecnicamente mais abrangente tem assegurado o respeito pela mudança nos rumos de sua vida. A grande questão é: até que ponto esta mudança é bem aceita pelos demais. Se o próprio agente da mudança a teme, o que esperar dos demais? Não estão eles os outros escorados no seu meio de vida? Transpassando o acima descrito para um contexto macro, o debate ganha em importância. O direito penal assume a cena. Um dos pilares da aplicação da pena (utópica, mas discursiva) é a ressocialização do apenado. É ela a mais forte razão do discurso punitivista. Ressocialização é mudança; então, além de ser o esperado em uma sanção criminal, é também um direito do egresso, conforme acima argumentado. Ocorre que a própria sociedade (principal beneficiária dessa mudança), no íntimo do intelecto de cada indivíduo que a compõe, espera a não ressocialização dos criminosos (selecionados pelo sistema, diga-se). E isso ocorre por uma sutil razão: no momento em que cada ser humano identifica no indivíduo mau a possibilidade deste tornar-se um indivíduo bom (mudança), inevitavelmente reconhece-se como eventual (possível) praticante da maldade (é lógico, pois se há possibilidade de mudança positiva, há também possibilidade de mudança negativa). Em outras palavras, rompendo-se a estanque divisão bem/mal: reconhecer que o mal possa tornar-se o bem acarreta o reconhecimento de que o bem, eventualmente, possa tornar-se o mal. Eis o paradoxo do discurso ressocializador. No pensamento de Luiz Eduardo Soares 1, o custo da generosidade compassiva e fraterna ( reconhecer a existência da mudança positiva ) é a perda da autoconfiança ( eu também posso vir a ser o mal! ). 1 ATHAYDE, Celso; Mv Bill; SOARES, Luiz Eduardo. Cabeça de porco. Rio de Janeiro: Objetiva, 2005, p

19 O Paradoxo do Discurso Ressocializador - Autores: Renata Jardim da Cunha Rieger e Rafael Camparra Pinheiro Dessa forma, em realidade, os egressos do sistema penitenciário, ao reincidirem, cumprem o seu papel social de espelhos invertidos da sociedade. Aqueles poucos rebeldes que se ressocializam, porém, carregam a marca da contramão social não cumpriram seu dever!! não se deixando esquecer do que outrora fizeram (aliás, qualquer semelhança com recente episódio ocorrido no Estado do Rio Grande do Sul, mais especificamente na Capital, mais especificamente no Governo 1, não é mera coincidência, servindo claramente como confirmação da teoria 2 ). A própria noção de ressocialização, é bom frisar, traz implícita uma constatação: em algum momento as instituições falharam com o individuo a ressocializar (invisível social), amplificando sua visibilidade criminal. Primeiro a família, depois a comunidade e, por último, o Estado deixaram-no à margem. Também é possível inverter essa ordem: inicialmente, o Estado desamparou as pequenas comunidades que desampararam as famílias de seu seio que, por sua vez, se omitiram frente a seus membros, jogando-os no ostracismo social (leia-se: à margem da sociedade pósmoderna). Admitir a impossibilidade de ressocialização representa, pois, uma dupla falta: o não-reconhecimento da falha inicial e a manutenção da ilusória concepção de engrenagem perfeita, mas com algumas peças imperfeitas. Ou seja, é mais cômodo que o mal siga sendo o mal e o bem, o exemplo de retidão, mesmo que isso redunde em uma ausência de Estado Social e onipresença de Estado Criminal 3. Aliás, o Estado escolhido e construído por todos!!! Eis, mais uma vez, o paradoxo da ressocialização: é o principal discurso jurídico de aplicação da pena e, ao mesmo tempo, o instituto político que, por excelência, inclui o Estado no rol de culpados 4. 1 Conforme noticia o jornal Zero Hora, de 13/06/2008, n , o Palácio Piratini (sede do governo estadual) afastou ex-apenado que ocupava cargo em comissão após denúncia de um membro do Poder Legislativo estadual. Frisa-se: o ex-servidor já havia cumprido integralmente sua pena. 2 Michel Foucault muito bem analisa questões deste tipo, mas em um contexto abstrato: até que ponto o exercício político do Estado interfere na aplicação das Ciências Criminais? Sobre o tema: FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. História da violência nas prisões. Tradução de Raquel Ramalhete. 29.ed. Petrópolis: Vozes, 2004, passim. 3 Vera Regina Pereira de Andrade faz muito bem a ligação do contexto social atual e a política econômica neo-liberal. A pesquisadora analisa o senso comum do capitalismo globalizado sob a ideologia neoliberal, por ela denominado de CGN, e conclui:.. o controle penal do CGN está às voltas, simultaneamente, com os problemas de estabilização da ordem e de controle da criminalidade (de limites confusos e superpostos) gerados-agravados, por um lado, por um quadro crescente de desemprego, de aumento da pobreza e da exclusão social, de individualismo e intolerância para com o Outro, traduzido no regime de excesso (Alessandro De Giorgi), excesso de pessoas tratadas como verdadeiro lixo humano, o excedente da economia de mercado globalizada. Este é o campo de maior visibilidade social, construído como o campo da marginalidade, desordeira-criminal, que requer limpeza, varredura, esconderijo, eliminação. ANDRADE, Vera Regina Pereira de. Movimentos contemporâneos do controle do crime. Boletim IBCCRIM, São Paulo, ano 15, n. 184, p. 7-8, mar Interessante lembrar que alguns julgados têm reconhecido a falha do Estado no que tange à ressocialização do cidadão condenado. Consideram, por exemplo, inconstitucional o instituto da reincidência, referindo o fracasso teleológico da pena. Neste contexto, abordam que a sanção deveria, por exemplo, resultar em preparação profissional, 19

20 O Paradoxo do Discurso Ressocializador - Autores: Renata Jardim da Cunha Rieger e Rafael Camparra Pinheiro O Paradoxo do Discurso Ressocializador ensinar a fazer uso do ócio de uma forma construtiva, educar, melhorar as relações pessoais e despertar a consciência sócio-axiológico, o que não se verifica na prática: TJRS, Apelação Crime nº , 5 Câmara Criminal, rel.: Aramis Nassif, j. em 29/8/01. Consideram, também, inválida a submissão de apenado a exames psicológicos/psiquiátricos para obtenção de algum direito previsto em lei, já que, durante o tempo em que está no cárcere, ele não recebe qualquer espécie de tratamento ou orientação restaurativa: TJRS, Agravo em execução nº , 6 Câmara Criminal, rel.: Nereu José Giacomolli, j. em 12/6/08; TJRS, Agravo em execução nº , 6 Câmara Criminal, rel Nereu José Giacomolli, j. em 10/4/08. 20

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ (Conjur, 10/12/2014) Alexandre de Moraes Na luta pela concretização da plena eficácia universal dos direitos humanos o Brasil, mais

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA REGIONAL DA REPÚBLICA - 3ª REGIÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA REGIONAL DA REPÚBLICA - 3ª REGIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA REGIONAL DA REPÚBLICA - 3ª REGIÃO APELAÇÃO CÍVEL nº 0007033-40.2009.4.03.6100/SP APELANTE: MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL APELADO: UNIÃO FEDERAL RELATORA: Desembargadora

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Direito agrário: função social da propriedade; sua evolução e história Paula Baptista Oberto A Emenda Constitucional Nº. 10 de 10/11/64 foi o grande marco desta recente ciência jurídica

Leia mais

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA DIREITO ADMINISTRATIVO Estado, governo e administração pública: conceitos, elementos, poderes e organização; natureza, fins e princípios. Direito Administrativo: conceito, fontes e princípios. Organização

Leia mais

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de constitucionalidade Luís Fernando de Souza Pastana 1 RESUMO: há diversas modalidades de controle de constitucionalidade previstas no direito brasileiro.

Leia mais

A partir desta posição compromissória da Constituição de 1988, a efetividade dos direitos sociais fica submetida a uma miríade de obstáculos, a saber:

A partir desta posição compromissória da Constituição de 1988, a efetividade dos direitos sociais fica submetida a uma miríade de obstáculos, a saber: Posição Compromissória da CRFB e a Doutrina da Efetividade A partir desta posição compromissória da Constituição de 1988, a efetividade dos direitos sociais fica submetida a uma miríade de obstáculos,

Leia mais

Renovação de Reconhecimento CEE/GP 266/06 de 13 de julho de 2006 - D.O.E. 14/07/2006 Autarquia Municipal DEPARTAMENTO DE DIREITO DO ESTADO 2015

Renovação de Reconhecimento CEE/GP 266/06 de 13 de julho de 2006 - D.O.E. 14/07/2006 Autarquia Municipal DEPARTAMENTO DE DIREITO DO ESTADO 2015 DE DIREITO DO ESTADO 2015 EMENTA O Direito Constitucional é a referência axiológica para a aplicação de todos os ramos do Direito. Nesse sentido, este curso de Prática Jurídica Constitucional possibilita

Leia mais

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade.

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. Jaileno Miranda Conceição¹ RESUMO O Direito Administrativo é um ramo do Direito Público composto por órgãos, agentes, e pessoas jurídicas administrativas,

Leia mais

NOTA TÉCNICA SEJUR nº 078/2014 (Aprovada em Reunião de Diretoria em 04/11/2014)

NOTA TÉCNICA SEJUR nº 078/2014 (Aprovada em Reunião de Diretoria em 04/11/2014) NOTA TÉCNICA SEJUR nº 078/2014 (Aprovada em Reunião de Diretoria em 04/11/2014) Referência: Expediente n.º 3896/2014 Origem: Câmaras Técnicas EMENTA: RESOLUÇÃO CONTRAN Nº 460/13. EXAME TOXICOLÓGICO DE

Leia mais

A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA

A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA Antônio José Calhau de Resende Consultor da Assembléia Legislativa Lei decorrente de sanção tácita. Ausência de promulgação pelo Chefe do Poder Executivo

Leia mais

A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO

A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MILITAR DIREITO PENAL MILITAR PARTE ESPECIAL MARCELO VITUZZO PERCIANI A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO Marcelo Vituzzo Perciani

Leia mais

CONFEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES NO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONDSEF

CONFEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES NO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONDSEF Nota Técnica AJN/CONDSEF n. 07/2011 CONDSEF. Possibilidade de conversão de tempo de serviço prestado em condições especiais em tempo de serviço comum após o advento da Medida Provisória n. 1.663, posteriormente

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

PLANO DE ENSINO EMENTA

PLANO DE ENSINO EMENTA Faculdade de Direito Milton Campos Disciplina: Introdução ao Direito I Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Direito Privado Área: Direito Civil PLANO DE ENSINO EMENTA Acepções, enfoques teóricos

Leia mais

Terminais Alfandegados à Luz do Direito Administrativo

Terminais Alfandegados à Luz do Direito Administrativo Terminais Alfandegados à Luz do Direito Administrativo LEONARDO COSTA SCHÜLER Consultor Legislativo da Área VIII Administração Pública ABRIL/2013 Leonardo Costa Schüler 2 SUMÁRIO O presente trabalho aborda

Leia mais

20/04/2005 TRIBUNAL PLENO V O T O. Senhor Presidente, que a requisição de bens e/ou serviços, nos

20/04/2005 TRIBUNAL PLENO V O T O. Senhor Presidente, que a requisição de bens e/ou serviços, nos 20/04/2005 TRIBUNAL PLENO MANDADO DE SEGURANÇA 25.295-2 DISTRITO FEDERAL V O T O O SENHOR MINISTRO CELSO DE MELLO: Ninguém ignora, Senhor Presidente, que a requisição de bens e/ou serviços, nos termos

Leia mais

DA LEGITIMIDADE ATIVA DA DEFENSORIA PÚBLICA PARA A DEFESA COLETIVA DOS CONSUMIDORES

DA LEGITIMIDADE ATIVA DA DEFENSORIA PÚBLICA PARA A DEFESA COLETIVA DOS CONSUMIDORES DA LEGITIMIDADE ATIVA DA DEFENSORIA PÚBLICA PARA A DEFESA COLETIVA DOS CONSUMIDORES Vitor Vilela Guglinski Assessor de juiz, especialista em Direito do Consumidor em Juiz de Fora (MG). A 2ª Câmara Especial

Leia mais

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado,

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado, Declaração sobre o Direito e o Dever dos Indivíduos, Grupos e Instituições de Promover e Proteger os Direitos Humanos e as Liberdades Fundamentais Universalmente Reconhecidos 1 A Assembléia Geral, Reafirmando

Leia mais

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Na mesma semana em que os trabalhadores brasileiros tomaram as ruas e conseguiram suspender a votação do Projeto de Lei

Leia mais

SUMÁRIO. Primeira Parte BASES NECESSÁRIAS ÀS TESES PROPRIAMENTE DITAS

SUMÁRIO. Primeira Parte BASES NECESSÁRIAS ÀS TESES PROPRIAMENTE DITAS SUMÁRIO INTRODUÇÃO Primeira Parte BASES NECESSÁRIAS ÀS TESES PROPRIAMENTE DITAS 1. A HOMOSSEXUALIDADE NA HISTÓRIA 2. A história e a homossexualidade 2.1 A sexualidade no mundo antigo 2.1.1 Foucault e a

Leia mais

II A realização dos direitos fundamentais nas cidades

II A realização dos direitos fundamentais nas cidades DIREITO À CIDADE UM EXEMPLO FRANCÊS Por Adriana Vacare Tezine, Promotora de Justiça (MP/SP) e Mestranda em Direito Urbanístico na PUC/SP I Introdução A determinação do governo francês de proibir veículos

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Licitação segundo a Lei n. 8.666/93 Leila Lima da Silva* *Acadêmica do 6º período do Curso de Direito das Faculdades Integradas Curitiba - Faculdade de Direito de Curitiba terça-feira,

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Estado KWY editou norma determinando a gratuidade dos estacionamentos privados vinculados a estabelecimentos comerciais, como supermercados, hipermercados, shopping

Leia mais

O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO E O JULGAMENTO POR E-MAIL

O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO E O JULGAMENTO POR E-MAIL O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO E O JULGAMENTO POR E-MAIL Ana Victoria de Paula Souza Souza, Ana Victoria de Paula. O tribunal de justiça do Estado de São Paulo e o julgamento por e-mail.

Leia mais

RECOMENDAÇÃO n.º 05/2014

RECOMENDAÇÃO n.º 05/2014 MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA BAHIA Inquérito Civil Público Autos n.º 1.14.000.001665/2012-31 RECOMENDAÇÃO n.º 05/2014 NO ESTADO DE DIREITO GOVERNAM AS LEIS E NÃO OS HOMENS. VIGE

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR JULIANA PULLINO ARTIGO: O CONSUMIDOR DESTINATÁRIO FINAL OU STRICTO SENSU: CONCEITO E PROTEÇÃO LEGAL

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR JULIANA PULLINO ARTIGO: O CONSUMIDOR DESTINATÁRIO FINAL OU STRICTO SENSU: CONCEITO E PROTEÇÃO LEGAL JULIANA PULLINO ARTIGO: O CONSUMIDOR DESTINATÁRIO FINAL OU STRICTO SENSU: CONCEITO E PROTEÇÃO LEGAL Professora Doutora: Mirella D Angelo MESTRADO EM DIREITO UNIMES 2013 O CONSUMIDOR DESTINATÁRIO FINAL

Leia mais

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO EURÍPEDES DE MARÍLIA AUTOR(ES): GIOVANE MORAES PORTO

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO EURÍPEDES DE MARÍLIA AUTOR(ES): GIOVANE MORAES PORTO TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DOS PRECEDENTES VINCULANTES NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO E A DELIMITAÇÃO DO QUADRO SEMÂNTICO DOS TEXTOS NORMATIVOS. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E

Leia mais

Prof. Cristiano Lopes

Prof. Cristiano Lopes Prof. Cristiano Lopes CONCEITO: É o procedimento de verificar se uma lei ou ato normativo (norma infraconstitucional) está formalmente e materialmente de acordo com a Constituição. Controlar significa

Leia mais

Revista. Artigo. Conclusão

Revista. Artigo. Conclusão Artigo Revista Apontamentos sobre a necessidade de divulgação da pesquisa de preços no edital do pregão, apesar da jurisprudência do Tribunal de Contas da União em contrário. Gabriela Moreira Castro Elaborado

Leia mais

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL A UNIÃO DOS ADVOGADOS PÚBLICOS FEDERAIS DO BRASIL UNAFE, pessoa jurídica de direito privado, sem fins econômicos, associação civil

Leia mais

1. RESUMO. na Constituição Federal, portanto, a análise do tema deve ser estudada à luz

1. RESUMO. na Constituição Federal, portanto, a análise do tema deve ser estudada à luz 1. RESUMO Os direitos fundamentais trabalhistas estão inseridos na Constituição Federal, portanto, a análise do tema deve ser estudada à luz do Direito do Trabalho e dos princípios que orientam o Direito

Leia mais

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Legitimidade ativa (Pessoas relacionadas no art. 103 da

Leia mais

A legitimidade da CNseg

A legitimidade da CNseg 18 A legitimidade da CNseg Para provocar o controle abstrato de constitucionalidade pelo Supremo Tribunal Federal FELIPE MONNERAT 19 A Constituição Federal de 1988 prevê mecanismos de controle da compatibilidade

Leia mais

O ACESSO À JUSTIÇA E A EFETIVIDADE PROCESSUAL RESUMO

O ACESSO À JUSTIÇA E A EFETIVIDADE PROCESSUAL RESUMO 32 O ACESSO À JUSTIÇA E A EFETIVIDADE PROCESSUAL Cristiano José Lemos Szymanowski 1 RESUMO A proposta deste trabalho estrutura-se na análise de dois temas que se conjugam, o Acesso à Justiça e a Efetividade

Leia mais

www.ualdireitopl.home.sapo.pt

www.ualdireitopl.home.sapo.pt UNIVERSIDADE AUTÓNOMA DE LISBOA 1º ANO JURÍDICO CIÊNCIA POLÍTICA E DIREITO CONSTITUCIONAL Regente: Prof. Doutor J.J. Gomes Canotilho Docente aulas teóricas: Prof. Doutor Jonatas Machado Docente aulas práticas:

Leia mais

Em nome do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime. UNODC quero agradecer ao coordenador residente, sr. Jorge

Em nome do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime. UNODC quero agradecer ao coordenador residente, sr. Jorge Boa tarde! Em nome do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime UNODC quero agradecer ao coordenador residente, sr. Jorge Chediek, e a toda sua equipe, pela oportunidade em participar desse importante

Leia mais

Projeto de Lei do Senado nº., de 2007. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Projeto de Lei do Senado nº., de 2007. O CONGRESSO NACIONAL decreta: 1 Projeto de Lei do Senado nº., de 2007 Dispõe sobre a obrigatoriedade de patrocínio, pela União, de traslado de corpo de brasileiro de família hipossuficiente falecido no exterior. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

PROJETO DE LEI nº, de 2012 (Do Sr. Moreira Mendes)

PROJETO DE LEI nº, de 2012 (Do Sr. Moreira Mendes) PROJETO DE LEI nº, de 2012 (Do Sr. Moreira Mendes) Dispõe sobre o conceito de trabalho análogo ao de escravo. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Para fins desta Lei, a expressão "condição análoga à

Leia mais

Ministério da Justiça. Intervenção do Ministro da Justiça

Ministério da Justiça. Intervenção do Ministro da Justiça Intervenção do Ministro da Justiça Sessão comemorativa do 30º Aniversário da adesão de Portugal à Convenção Europeia dos Direitos do Homem Supremo Tribunal de Justiça 10 de Novembro de 2008 Celebrar o

Leia mais

JURIDICIDADE DO AUMENTO DA JORNADA DE TRABALHO DE SERVIDORES PÚBLICOS

JURIDICIDADE DO AUMENTO DA JORNADA DE TRABALHO DE SERVIDORES PÚBLICOS ESTUDO JURIDICIDADE DO AUMENTO DA JORNADA DE TRABALHO DE SERVIDORES PÚBLICOS Leonardo Costa Schuler Consultor Legislativo da Área VIII Administração Pública ESTUDO MARÇO/2007 Câmara dos Deputados Praça

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Vinculação do estudo do impacto ambiental Gabriela Mansur Soares Estudo Do Impacto Ambiental Vinculação Do Estudo Do Impacto Ambiental (Eia) O objetivo desse artigo é demonstrar

Leia mais

NOTA TÉCNICA JURÍDICA

NOTA TÉCNICA JURÍDICA 1 NOTA TÉCNICA JURÍDICA Obrigatoriedade de dispensa motivada. Decisão STF RE 589998 Repercussão geral. Aplicação para as sociedades de economia mista e empresas Públicas. Caso do BANCO DO BRASIL e CAIXA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO E CONTROLE. Princípios da Administração Pública

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO E CONTROLE. Princípios da Administração Pública PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO E CONTROLE Princípios da Administração Pública PRINCÍPIOS A palavra princípio significa início, começo, origem das coisas, verdades primeiras,

Leia mais

Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23

Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23 Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23 CAPÍTULO I... 25 1. Novos riscos, novos danos... 25 2. O Estado como responsável por danos indenizáveis... 26 3.

Leia mais

Controlar a constitucionalidade de lei ou ato normativo significa:

Controlar a constitucionalidade de lei ou ato normativo significa: Conceito Controlar a constitucionalidade de lei ou ato normativo significa: a) impedir a subsistência da eficácia de norma contrária à Constituição (incompatibilidade vertical) b) conferir eficácia plena

Leia mais

Terceiro Setor, ONGs e Institutos

Terceiro Setor, ONGs e Institutos Terceiro Setor, ONGs e Institutos Tomáz de Aquino Resende Promotor de Justiça. Coordenador do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Tutela de Fundações de Minas Gerais. Usualmente é chamado de

Leia mais

A RAZOABILIDADE ENQUANTO ELEMENTO CONSTITUTIVO DA HERMENÊUTICA JURÍDICA

A RAZOABILIDADE ENQUANTO ELEMENTO CONSTITUTIVO DA HERMENÊUTICA JURÍDICA A RAZOABILIDADE ENQUANTO ELEMENTO CONSTITUTIVO DA HERMENÊUTICA JURÍDICA D OLIVEIRA, Marcele Camargo 1 ; D OLIVEIRA, Mariane Camargo 2 ; CAMARGO, Maria Aparecida Santana 3 Palavras-Chave: Interpretação.

Leia mais

Encontro Temático do NEATS PUC/SP sobre a Nova Lei Geral das Parcerias da Administração com as Organizações da Sociedade Civil Lei nº 13.

Encontro Temático do NEATS PUC/SP sobre a Nova Lei Geral das Parcerias da Administração com as Organizações da Sociedade Civil Lei nº 13. Encontro Temático do NEATS PUC/SP sobre a Nova Lei Geral das Parcerias da Administração com as Organizações da Sociedade Civil Lei nº 13.019/2014 Sanções administrativas LUIS EDUARDO PATRONE REGULES Advogado.

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO, VIOLÊNCIA E NARCOTRÁFICO

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO, VIOLÊNCIA E NARCOTRÁFICO COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO, VIOLÊNCIA E NARCOTRÁFICO PROJETO DE LEI Nº 7.311, DE 2002 (Apenso o Projeto de Lei nº 788, de 2003) Dispõe sobre a obrigatoriedade de presença

Leia mais

TÍTULO: A VIOLAÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA MILITAR BRASILEIRA E A SUA CONSEQUÊNCIA JURÍDICA NO BRASIL ATUAL

TÍTULO: A VIOLAÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA MILITAR BRASILEIRA E A SUA CONSEQUÊNCIA JURÍDICA NO BRASIL ATUAL TÍTULO: A VIOLAÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA MILITAR BRASILEIRA E A SUA CONSEQUÊNCIA JURÍDICA NO BRASIL ATUAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DIREITO INSTITUIÇÃO:

Leia mais

Preliminarmente, devem ser afastadas as preliminares agitadas pelo Município de Florianópolis.

Preliminarmente, devem ser afastadas as preliminares agitadas pelo Município de Florianópolis. AÇÃO CIVIL PÚBLICA Nº 5021653-98.2013.404.7200/SC AUTOR: MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL RÉU: MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS; UNIÃO - ADVOCACIA GERAL DA UNIÃO DECISÃO (liminar/antecipação da tutela) O MINISTÉRIO

Leia mais

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS ALESSANDRO CABRAL E SILVA COELHO - alessandrocoelho@jcbranco.adv.br JOSÉ CARLOS BRANCO JUNIOR - jcbrancoj@jcbranco.adv.br Palavras-chave: crime único Resumo O presente

Leia mais

IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL

IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL Jonas Guedes 1 Resumo: O tema abordado no presente artigo versará sobre a impossibilidade jurídica do Tribunal do Júri na Justiça

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 7.645, DE 2014. Altera o art. 18 do Decreto-Lei nº 667, de 2 de julho de 1969, que extingue a pena de prisão disciplinar para as polícias

Leia mais

O SILÊNCIO DA LEI NA ESFERA ADMINISTRATIVA

O SILÊNCIO DA LEI NA ESFERA ADMINISTRATIVA 71 O SILÊNCIO DA LEI NA ESFERA ADMINISTRATIVA Camilla Mendonça Martins Acadêmica do 2º ano do curso de Direito das FITL AEMS Mariana Ineah Fernandes Acadêmica do 2º ano do curso de Direito das FITL AEMS

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br As Medidas de Segurança (Inconstitucionais?) e o dever de amparar do Estado Eduardo Baqueiro Rios* Antes mais nada são necessárias breves considerações acerca de pena e das medidas

Leia mais

A LEI MARIA DA PENHA E A AÇÃO PENAL CABÍVEL À VÍTIMA. Maria Eduarda Lopes Coelho de Vilela 1

A LEI MARIA DA PENHA E A AÇÃO PENAL CABÍVEL À VÍTIMA. Maria Eduarda Lopes Coelho de Vilela 1 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1134 A LEI MARIA DA PENHA E A AÇÃO PENAL CABÍVEL À VÍTIMA Maria Eduarda Lopes Coelho de Vilela 1 1 Discente do 6º

Leia mais

ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política

ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política Carlos Roberto Pegoretti Júnior 1 RESUMO: Os entes políticos, por vezes, encontram-se no pólo passivo de demandas judiciais referentes à entrega

Leia mais

Comentário a Acórdão do Supremo Tribunal Federal sobre o princípio da Inafastabilidade da Prestação Jurisdicional

Comentário a Acórdão do Supremo Tribunal Federal sobre o princípio da Inafastabilidade da Prestação Jurisdicional Comentário a Acórdão do Supremo Tribunal Federal sobre o princípio da Inafastabilidade da Prestação Jurisdicional Universidade de Brasília Disciplina: Teoria Geral do Processo II Professor: Dr. Vallisney

Leia mais

Concurso de Teses do VII Congresso Nacional dos Defensores Públicos. Samara Wilhelm - DPRS

Concurso de Teses do VII Congresso Nacional dos Defensores Públicos. Samara Wilhelm - DPRS Concurso de Teses do VII Congresso Nacional dos Defensores Públicos Samara Wilhelm - DPRS A Lei Maria da Penha como Novo Paradigma de Acesso Integral à Justiça Categoria Defensores Públicos A Lei Maria

Leia mais

GUARDA MUNICIPAL E SEGURANÇA PÚBLICA

GUARDA MUNICIPAL E SEGURANÇA PÚBLICA GUARDA MUNICIPAL E SEGURANÇA PÚBLICA Aristides Medeiros ADVOGADO Consoante estabelecido no art. 144, caput, da Constituição Federal, os órgãos incumbidos da segurança pública, isto é, da segurança geral,

Leia mais

Prof. Murillo Sapia Gutier

Prof. Murillo Sapia Gutier Prof. Murillo Sapia Gutier Conceito: Completo bem-estar físico, mental e espiritual; Constitucionalização do Direito à Saúde; Higidez como direito fundamental; Valor vida humana: acarreta no direito subjetivo

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O direito à saúde na Constituição Federal de 1988: caracterização e efetividade Alexandre Gonçalves Lippel* 1. Caracterização do direito à saúde O direito à saúde emerge no constitucionalismo

Leia mais

FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO

FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE JOCEANE CRISTIANE OLDERS VIDAL Lucas do Rio Verde MT Setembro 2008 FACULDADE

Leia mais

RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS.

RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS. RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS. 1. RELAÇÃO COM O DIREITO ADMINISTRATIVO: Classificado no Direito Público Interno, de quem é um de seus ramos, o Direito Administrativo,

Leia mais

Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais

Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais O Supremo Tribunal Federal possui o poder de decidir sobre a constitucionalidade das normas jurídicas que foram aprovadas antes da entrada

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº., DE DE DE 2013.

PROJETO DE LEI Nº., DE DE DE 2013. PROJETO DE LEI Nº., DE DE DE 2013. Dispõe sobre as cores e símbolos utilizados em logotipo e projeto de comunicação visual dos órgãos públicos dos poderes executivos municipal e estadual e dá outras providências.

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br O Princípio da Legalidade na Administração Pública Heletícia Oliveira* 1. INTRODUÇÃO O presente artigo tem como objeto elucidar, resumidamente, a relação do Princípio da Legalidade

Leia mais

Excelentíssimo Dr. Roberto Monteiro Gurgel Santos, DD. Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público:

Excelentíssimo Dr. Roberto Monteiro Gurgel Santos, DD. Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público: Excelentíssimo Dr. Roberto Monteiro Gurgel Santos, DD. Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público: Venho à presença de Vossa Excelência, nos termos do Regimento Interno deste Conselho, apresentar

Leia mais

ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO. Liberdade de profissão

ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO. Liberdade de profissão ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO Liberdade de profissão Preparado por Carolina Cutrupi Ferreira (Escola de Formação, 2007) MATERIAL DE LEITURA PRÉVIA: 1) Opinião Consultiva n. 5/85 da Corte Interamericana

Leia mais

Direito do Consumidor: Importante Instrumento de Regulação do Mercado. Anotações para o debate interno sobre Regulação e Direito do Consumidor.

Direito do Consumidor: Importante Instrumento de Regulação do Mercado. Anotações para o debate interno sobre Regulação e Direito do Consumidor. NOTA TÉCNICA n 3 Direito do Consumidor: Importante Instrumento de Regulação do Mercado. Anotações para o debate interno sobre Regulação e Direito do Consumidor. Alayde Avelar Freire Sant Anna Ouvidora/ANAC

Leia mais

DA RELAÇÃO SEGURO/ROUBO DE CARGA NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO

DA RELAÇÃO SEGURO/ROUBO DE CARGA NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DA RELAÇÃO SEGURO/ROUBO DE CARGA NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO 1. Até a década de 70 não eram reconhecidos os crimes contra o patrimônio como risco a ser efetivamente protegido no transporte rodoviário de cargas,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO COM PROPÓSITO ESPECÍFICO

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO COM PROPÓSITO ESPECÍFICO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO COM PROPÓSITO ESPECÍFICO Art. 1º Esta Lei dispõe sobre a negociação coletiva e o Acordo Coletivo de Trabalho com Propósito Específico. Art. 2º Para os fins desta Lei considera-se:

Leia mais

Direitos Fundamentais i

Direitos Fundamentais i Direitos Fundamentais i Os direitos do homem são direitos válidos para todos os povos e em todos os tempos. Esses direitos advêm da própria natureza humana, daí seu caráter inviolável, intemporal e universal

Leia mais

AS REGRAS DE DIVISÃO DO ÔNUS DA PROVA DEVEM LI- MITAR OS PODERES INSTRUTÓRIOS DO JUIZ?

AS REGRAS DE DIVISÃO DO ÔNUS DA PROVA DEVEM LI- MITAR OS PODERES INSTRUTÓRIOS DO JUIZ? REVISTA DA ESMESE, Nº 04, 2003 - DOUTRINA - 117 AS REGRAS DE DIVISÃO DO ÔNUS DA PROVA DEVEM LI- MITAR OS PODERES INSTRUTÓRIOS DO JUIZ? Flávia Moreira Pessoa, Juíza do Trabalho Substituta (TRT 20ª Região),

Leia mais

Meio Ambiente do Trabalho Saudável como Direito Fundamental

Meio Ambiente do Trabalho Saudável como Direito Fundamental XI Salão de Iniciação Científica PUCRS Meio Ambiente do Trabalho Saudável como Direito Fundamental João Pedro Ignácio Marsillac (apresentador), Denise Pires Fincato (orientadora) Faculdade de Direito -

Leia mais

É o relatório. No Mérito

É o relatório. No Mérito PARECER EMITIDO SOBRE A POSSIBILIDADE DE CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS JURÍDICOS PARA REALIZAÇÃO DE ESTUDO TÉCNICO-LEGISLATIVO E ELABORAÇÃO DE MINUTA DE PROJETO DE CONSOLIDAÇÃO DE LEIS MUNICIPAIS:

Leia mais

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo Contextualização Sumário - O Controle na Administração Pública - O Controle Externo - O Controle Interno O Controle Interno do Poder Executivo do Estado

Leia mais

Empresas podem usar detector de mentiras, decide Justiça. Quarta, 21 de setembro de 2005, 14h44 Fonte: INVERTIA notícias portal terra

Empresas podem usar detector de mentiras, decide Justiça. Quarta, 21 de setembro de 2005, 14h44 Fonte: INVERTIA notícias portal terra Empresas podem usar detector de mentiras, decide Justiça. Quarta, 21 de setembro de 2005, 14h44 Fonte: INVERTIA notícias portal terra Décio Guimarães Júnior Acadêmico do 6ºperíodo do curso de graduação

Leia mais

RESPEITO AOS DIREITOS HUMANOS ECONOMICOS E SOCIAIS DA CIDADANIA: Efetivação de Políticas de Prevenção da Criminalidade pelo Ministério Público.

RESPEITO AOS DIREITOS HUMANOS ECONOMICOS E SOCIAIS DA CIDADANIA: Efetivação de Políticas de Prevenção da Criminalidade pelo Ministério Público. RESPEITO AOS DIREITOS HUMANOS ECONOMICOS E SOCIAIS DA CIDADANIA: Efetivação de Políticas de Prevenção da Criminalidade pelo Ministério Público. - Resumo e destaques objetivos da Conferência proferida no

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL AO ILUSTRÍSSIMO SENHOR SÉRGIO FRANKLIN QUINTELLA VICE-PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS RECOMENDAÇÃO 1. Considerando que a Constituição Federal de 1988 atribui ao Ministério Público, nos termos do

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL CONCLUSÃO Em 30/07/2010, faço conclusos estes autos ao MM. Juiz Federal Substituto no Exercício da Titularidade desta 21ª Vara Cível, Dr. Eurico Zecchin Maiolino. Eu,..., Técnico Judiciário. 21ª Vara Cível

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Origem: PRT da 4ª Região Órgão Oficiante: Dr. Roberto Portela Mildner Interessado 1: Sindicato dos Bancários de Porto Alegre e Região. Interessado 2: Banco Bradesco S/A. Assuntos: Meio ambiente do trabalho

Leia mais

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL Faculdade do Vale do Ipojuca - FAVIP Bacharelado em Direito Autorizado pela Portaria nº 4.018 de 23.12.2003 publicada no D.O.U. no dia 24.12.2003 Curso reconhecido pela Portaria Normativa do MEC nº 40,

Leia mais

Súmulas em matéria penal e processual penal.

Súmulas em matéria penal e processual penal. Vinculantes (penal e processual penal): Súmula Vinculante 5 A falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar não ofende a Constituição. Súmula Vinculante 9 O disposto no artigo

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997 Dispõe sobre a regulamentação da profissão de Psicopedagogo, cria o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Psicopedagogia

Leia mais

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA MULHERES SECRETRIA DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Leia mais

A Tutela Provisória no Novo Código de Processo Civil SUMÁRIO

A Tutela Provisória no Novo Código de Processo Civil SUMÁRIO A Tutela Provisória no Novo Código de Processo Civil SUMÁRIO PARTE 1 A TUTELA PROVISÓRIA PREVISTA NO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL A PARTIR DE UMA PERSPECTIVA CRÍTICA... 23 CAPÍTULO I TEORIA GERAL DA TUTELA

Leia mais

RECOMENDAÇÃO n.º 06/2014

RECOMENDAÇÃO n.º 06/2014 MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA BAHIA Procedimento Preparatório Autos n.º 1.14.000.002855/2013-57 RECOMENDAÇÃO n.º 06/2014 NO ESTADO DE DIREITO GOVERNAM AS LEIS E NÃO OS HOMENS. VIGE

Leia mais

PARAMETROS DO ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL

PARAMETROS DO ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL 1 PARAMETROS DO ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL Prof.Dr.Luís Augusto Sanzo Brodt ( O autor é advogado criminalista, professor adjunto do departamento de Ciências Jurídicas da Fundação Universidade Federal

Leia mais

Sobre a criminalização das ocupações urbanas

Sobre a criminalização das ocupações urbanas Sobre a criminalização das ocupações urbanas Mauri J.V Cruz 1 Que as lutas e conflitos sociais são tratados no Brasil como caso de polícia nós já sabemos há muitos anos. Esta prática, infelizmente, não

Leia mais

OS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E A DEFESA DOS INTERESSES DA UNIÃO

OS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E A DEFESA DOS INTERESSES DA UNIÃO OS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E A DEFESA DOS INTERESSES DA UNIÃO Artigo jurídico apresentado por MARCELO THIMOTI DA SILVA, professor, especialista em Direito Administrativo, Constitucional

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATORA: Senadora ANA AMÉLIA

PARECER Nº, DE 2015. RELATORA: Senadora ANA AMÉLIA PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, sobre o PLS nº 407, de 2012, do Senador Eduardo Amorim, que altera a Lei nº 11.442, de 5 de janeiro de 2007, que dispõe sobre o transporte rodoviário

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE PROCURADORIA PARECER PRÉVIO

CÂMARA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE PROCURADORIA PARECER PRÉVIO CÂMARA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE PROCURADORIA PARECER Nº 309/15 PROCESSO Nº 1259/15 PLL Nº 112/15 PARECER PRÉVIO É submetido a exame desta Procuradoria, para parecer prévio, o Projeto de Lei, em epígrafe,

Leia mais

TÍTULO: A DEFICIÊNCIA DA INTERVENÇÃO DO ESTADO NA PROPRIEDADE PRIVADA, O PROBLEMA REFLETIDO DIRETO NO MEIO AMBIENTE.

TÍTULO: A DEFICIÊNCIA DA INTERVENÇÃO DO ESTADO NA PROPRIEDADE PRIVADA, O PROBLEMA REFLETIDO DIRETO NO MEIO AMBIENTE. TÍTULO: A DEFICIÊNCIA DA INTERVENÇÃO DO ESTADO NA PROPRIEDADE PRIVADA, O PROBLEMA REFLETIDO DIRETO NO MEIO AMBIENTE. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DIREITO INSTITUIÇÃO:

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR LUIZ SILVIO RAMALHO JÚNIOR

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR LUIZ SILVIO RAMALHO JÚNIOR PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR LUIZ SILVIO RAMALHO JÚNIOR ACÓRDÃO APELAÇÃO CRIMINAL (Processo n 001.2008.024234-8/001) RELATOR: Desembargador Luiz Silvio

Leia mais

RESULTADOS DA TEORIA DA DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA

RESULTADOS DA TEORIA DA DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RESULTADOS DA TEORIA DA DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA Josyane Mansano 1 ; Marcos

Leia mais

TÍTULO: O PODER JUDICIÁRIO NA PROTEÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS PREVISTOS NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988

TÍTULO: O PODER JUDICIÁRIO NA PROTEÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS PREVISTOS NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 TÍTULO: O PODER JUDICIÁRIO NA PROTEÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS PREVISTOS NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DIREITO INSTITUIÇÃO: CENTRO

Leia mais

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com Reflexões sobre Empresas e Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com PRINCÍPIOS ORIENTADORES SOBRE EMPRESAS E DIREITOS HUMANOS (ONU, 2011): 1. PROTEGER 2. RESPEITAR 3. REPARAR Em junho de 2011, o

Leia mais

ACESSO E SAÍDA DA JUSTIÇA

ACESSO E SAÍDA DA JUSTIÇA ACESSO E SAÍDA DA JUSTIÇA A proliferação dos conflitos tem direta relação com o aumento populacional, que é inevitável. Com a tendência universal de ampliação do acesso à justiça, sentida no Brasil, notadamente

Leia mais