Apelação Cível n , de Guaramirim Relator: Des. Ronei Danielli

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Apelação Cível n. 2011.025461-4, de Guaramirim Relator: Des. Ronei Danielli"

Transcrição

1 Apelação Cível n , de Guaramirim Relator: Des. Ronei Danielli AÇÃO MONITÓRIA. SEGURO FACULTATIVO DE TRANSPORTE DE CARGAS. AGRAVO RETIDO. PRESCRIÇÃO NÃO EVIDENCIADA. TERMO INICIAL DA CONTAGEM DO PRAZO A PARTIR DA CIÊNCIA DO FATO. SUSPENSÃO DURANTE O TRÂMITE NA VIA ADMINISTRATIVA. RECONTAGEM APÓS NEGATIVA DEFINITIVA DA SEGURADORA. ANÁLISE DO MÉRITO. MERCADORIA ROUBADA. MEDIDAS DE SEGURANÇA E GERENCIAMENTO DO RISCO NÃO ADOTADAS. PREVISÃO CONTRATUAL SOBRE A NECESSIDADE DE RASTREAMENTO POR SATÉLITE E ESCOLTA PARA O TIPO DE CARGA TRANSPORTADA. CONDIÇÕES ESPECIAIS AJUSTADAS DE FORMA CLARA. CONHECIMENTO PRÉVIO DA SEGURADA. PERDA DO DIREITO À INDENIZAÇÃO. SENTENÇA MANTIDA EM SUA INTEGRALIDADE. AGRAVO RETIDO E APELO CONHECIDOS E DESPROVIDOS. A prescrição a incidir nos contratos de seguro tem como termo inicial a ciência do fato pelo segurado, suspendendo-se a contagem durante o trâmite do processo administrativo. Recomeça o prazo, pelo tempo restante, a partir da negativa definitiva da seguradora. A recusa da seguradora ao pagamento de indenização securitária torna-se legítima quando há previsão expressa de condições especiais para cobertura do risco e, apesar de ter conhecimento das exigências pactuadas, a segurada as descumpre. Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação Cível n , da comarca de Guaramirim (Vara Única), em que é apelante Transmagna Transportes Ltda e apelada Itaú Seguros S/A: A Sexta Câmara de Direito Civil decidiu, por maioria de votos, conhecer e negar provimento ao agravo retido, vencido o Exmo. Sr. Des. Jaime Luiz Vicari que acolhia a tese de prescrição e, à unanimidade, conhecer e negar provimento ao apelo. Custas legais.

2 O julgamento, realizado nesta data, foi presidido pelo Exmo. Sr. Des. Jaime Juiz Vicari, com voto, e dele participou o Exmo. Sr. Des. Joel Figueira Júnior. Florianópolis, 09 de maio de Ronei Danielli RELATOR

3 RELATÓRIO Transmagna Transportes Ltda. promoveu, perante o juízo da comarca de Guaramirim, ação monitória em face de Itaú Seguros S/A, almejando indenização securitária em razão do roubo de carga, negada pela via administrativa. Nos embargos monitórios, a seguradora arguiu prejudicial de prescrição e no mérito asseverou que o evento não estaria coberto pela apólice, pois inserido expressamente em cláusula de exclusão de responsabilidade. Em audiência, a preliminar foi rechaçada. A decisão foi alvo de agravo de instrumento, convertido em retido pelo Exmo. Sr. Des. Paulo Roberto Sartorato, em análise de admissibilidade do recurso. Na sentença, o magistrado julgou procedentes os embargos monitórios, condenando a Transportadora embargada ao pagamento das custas processuais e honorários advocatícios, estes fixados em 10% sobre o valor da causa atualizada pelo INPC desde o protocolo da inicial e acrescida de juros de mora de 1% a partir do trânsito em julgado, extinguindo, por consequência a demanda monitória. Irresignada, a autora vencida apelou apresentando os seguintes argumentos: a) a seguradora negou-se a indenizar a carga roubada em , embora estivesse pagando pontualmente o prêmio; b) a cláusula que exigia que o caminhão de transporte contivesse rastreador ou trafegasse em comboio com outros veículos equipados com este dispositivo e com escolta armada seria abusiva e colocaria a consumidora em desvantagem excessiva, já que demandaria a redução do risco da atividade a quase zero; c) a recorrente investiu na segurança de sua frota, tanto que contratou empresa que realizava vigilância por satélite; d) a responsabilidade da seguradora seria objetiva e deve ser analisada à luz das disposições do Código de Defesa do Consumidor; e) a obrigação de manutenção de rígido controle de segurança sobre a frota transferiria totalmente à Transportadora os riscos da atividade e desnaturaria a essência do contrato de seguro. Por fim, postulou a inversão dos ônus da sucumbência. A seguradora apresentou contrarrazões pleiteando a análise do agravo retido que versa sobre prescrição ânua. No mérito, propugnou pelo desprovimento do apelo. Os autos ascenderam a esta Corte Estadual de Justiça. Em sessão de julgamento realizada em , a Segunda Câmara de Direito Comercial decidiu, por unanimidade, não conhecer do recurso e determinar a redistribuição do feito a uma das Câmaras de Direito Civil. Esse é o relatório. VOTO Trata-se de ação monitória deflagrada por Transmagna Transportes Ltda. em face de Itaú Seguros S/A, instruída com contrato de seguro facultativo de transporte de carga, sob o fundamento de injustificada negativa de cobertura pelo roubo de mercadorias, evento este amparado pelas cláusulas contratuais.

4 1. Da prescrição A seguradora apelada, em suas contrarrazões, pleiteou a análise do agravo convertido em retido na qual postula o reconhecimento da prescrição ânua. O prazo prescricional da segurada contra a seguradora é ânuo, a teor do disposto no art. 178, 6º, inc. II, do Código de Processo Civil de 1916, vigente à época dos fatos (reeditado no art. 206, 1º, inc. II, "b", do Código Civil de 2002) e começa a fluir da data em que a interessada tiver conhecimento do fato. Na hipótese em exame, constata-se que o roubo das mercadorias ocorreu em , conforme boletim de ocorrência juntado à fl Logo, este é o marco inicial da contagem do prazo prescricional. A seguradora recebeu o aviso de sinistro em (fl. 336/337), apenas sete (07) dias após o evento. Esclarece-se que durante o trâmite administrativo suspende-se o prazo prescricional, nos termos da Súmula 229 do Superior Tribunal de Justiça, que dispõe que o "pedido do pagamento de indenização à seguradora suspende o prazo de prescrição até que o segurado tenha ciência da decisão". Em (fl. 121) houve a negativa de pagamento pela seguradora demandada, o que poderia ensejar o reinício da contagem do prazo prescricional pelo tempo restante. Ocorre que foram formulados pedidos de reconsideração da decisão da seguradora, em (fl. 119) e (fl. 122), o que manteve a suspensão do prazo ante a continuidade do procedimento administrativo. Mesmo diante do requerimento de reavaliação da negativa extrajudicial, a seguradora não apresentou resposta formal e definitiva ao pedido de reconsideração. Note-se que não foram juntados aos autos documentos neste sentido, o que conduz à conclusão de que a suspensão não teria se encerrado quando a demanda foi proposta, em (fl. 02). Não se desconhece a existência de precedentes contrários no Superior Tribunal de Justiça em que não se considera o pedido de reconsideração como causa suspensiva do lapso prescricional: AgRg no REsp /DF, relator Min. Vasco Della Giustina, Terceira Turma, DJe de ; AgRg no Ag /MT, relator Min. Luis Felipe Salomão, Auarta Turma, DJe de ; AgRg no REsp /ES, relator Min. Raul Araújo, Quarta Turma, DJe de No entanto, filio-me ao entendimento de que a ausência de negativa definitiva da seguradora impede a recontagem do prazo. A espera da conclusão definitiva do procedimento administrativo, prestigia a composição do litígio entre as partes e evita a judicialização de questões ainda pendentes na via extrajudicial. Ademais, a segurança de que o prazo prescricional apenas correrá após finalizadas as tentativas administrativas de solução da controvérsia, possibilita o alcance de resolução pacífica sem a necessidade de intervenção do judiciário. A amparar o posicionamento, citam-se as seguintes decisões também daquela Corte Superior: 1) AgRg no Ag /SP, relatora Minª. Maria Isabel Gallotti, Auarta Turma, DJe de :

5 CIVIL. AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO DE INSTRUMENTO. SEGURO DE VEÍCULO. PRESCRIÇÃO. INOCORRÊNCIA. SUSPENSÃO DO PRAZO ATÉ A RESPOSTA DEFINITIVA DA SEGURADORA. ENTENDIMENTO PACIFICADO. SÚMULA N. 83 DO STJ. 1. Esta Corte pacificou o entendimento segundo o qual o prazo prescricional para a indenização securitária fica suspenso enquanto a seguradora analisa a comunicação do sinistro, voltando a fluir a partir da resposta definitiva acerca do pagamento da indenização. 2. Agravo regimental a que se nega provimento. (sem grifo no original). 2) AgRg no REsp /SC, relator Min. Sidnei Beneti, Terceira Turma, DJe de : AGRAVO REGIMENTAL. AÇÃO DE COBRANÇA DE INDENIZAÇÃO. SEGURO DE VIDA EM GRUPO. INVALIDEZ PERMANENTE. CÂNCER DE MAMA. INCIDÊNCIA DA PRESCRIÇÃO ÂNUA. TERMO INICIAL DA CONTAGEM. SÚMULA STJ/278. DATA DA CIÊNCIA INEQUÍVOCA DA INVALIDEZ. SUSPENSÃO DO PRAZO ATÉ RESPOSTA DEFINITIVA DA SEGURADORA EM REQUERIMENTO ADMINISTRATIVO. SÚMULA STJ/229. INAPLICABILIDADE. [...] (sem grifo no original). 3) AgRg no REsp /RJ, relator Min. Massami Uyeda, Terceira Turma, DJe de : AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL - AÇÃO DE INDENIZAÇÃO - SEGURO DE VEÍCULO - PRESCRIÇÃO ÂNUA - SUSPENSÃO DO PRAZO - TERMO INICIAL - RESPOSTA DEFINITIVA DA SEGURADORA - ENTENDIMENTO EM HARMONIA COM A JURISPRUDÊNCIA DESTA CORTE - RECLAMAÇÃO JUNTO À SUSEP - SUSPENSÃO - APLICAÇÃO DA SÚMULA N. 83/STJ - RECURSO A QUE SE NEGA SEGUIMENTO. (sem grifo no original). Acrescente-se, ainda, que o ônus da prova da recusa definitiva competia à seguradora, conforme precedente desta Corte Estadual de Justiça em Apelação Cível n , relator Des. Marcus Tulio Sartorato, Terceira Câmara de Direito Civil, DJe de : PROCESSUAL CIVIL. COBRANÇA DE SEGURO. RECURSO ESPECIAL PROVIDO. RETORNO DOS AUTOS A ESTA INSTÂNCIA PARA A REANÁLISE DO PRAZO PRESCRICIONAL. ADOÇÃO DO ART. 206, 1º, II, DO CÓDIGO CIVIL (PRESCRIÇÃO ÂNUA). TERMO INICIAL A PARTIR DA CONCESSÃO DA APOSENTADORIA POR INVALIDEZ PELO INSS. SUSPENSÃO DO PRAZO DURANTE O TRAMITE DO PROCEDIMENTO ADMINSTRATIVO. SÚMULA 229 DO STJ. INEXISTÊNCIA DE PROVAS ACERCA DA CIENTIFICAÇÃO DO SEGURADO QUANTO À NEGATIVAÇÃO DO PEDIDO. ÔNUS DA PROVA QUE COMPETIA À SEGURADORA. EXEGESE DO ART. 333, II, DO CPC. RESISTÊNCIA QUE SOMENTE SE EVIDENCIOU COM A APRESENTAÇÃO DA PEÇA DE CONTESTAÇÃO. PRELIMINAR AFASTADA. DESPROVER O RECURSO NESTE TÓPICO. DESPROVER O RECURSO. O pedido do pagamento de indenização à seguradora suspende o prazo de prescrição até que o segurado tenha ciência da decisão (Súmula 229 do STJ). (sem grifo no original). Logo, diante das peculiaridades do caso, não há como prevalecer a tese de caracterização da prescrição ânua.

6 Ressalta-se que o Exmo. Sr. Des. Joel Figueira Júnior acompanhou o voto vencedor aplicando, no entanto, as regras do Código de Defesa do Consumidor que definem, para a hipótese, prazo prescricional de 05 (cinco) anos. Assim, pelo resultado, rejeitou-se o agravo retido, avançando-se na análise do mérito, vencido, no ponto, o Exmo. Sr. Des. Jaime Luiz Vicari que reconhecia a prescrição. 2. Do mérito da demanda A Transportadora apelante alega que a seguradora descumpriu cláusula contratual e negou indenização securitária de mercadoria transportada que fora roubada, o que justificaria o não pagamento do prêmio executado. O cerne da questão volta-se à averiguação da legitimidade da recusa da seguradora em pagar a indenização securitária. Extrai-se dos autos que as partes celebraram seguro facultativo de transporte rodoviário de cargas com apólice de n Em suas cláusulas há previsão de exclusão de responsabilidade da seguradora caso determinadas mercadorias fossem transportadas sem as cautelas expressamente pactuadas, em razão da carga representar maior risco, seja em virtude de sua maior visibilidade ou por conta da maior dificuldade no transporte. Na lista de mercadorias com condições especiais, consta que para as cargas de "confecções e tecidos" era exigido procedimento de gerenciamento de risco com "utilização de veículos de transporte de propriedade do segurado, devidamente equipado com sistema de rastreamento e monitoramento por satélite. Os veículos de terceiros que não possuírem sistema, ou seja, veículos agregados, deverão seguir comboio juntamente com veículos rastreados via satélite e com escolta armada; num raio de 150 km e dentro das cidades de São Paulo/SP e do Rio de Janeiro/RJ." (fl. 71). O Boletim de Ocorrência aponta que o caminhão que transportava carga de "roupas e malhas" em nome da Transportadora foi roubado no dia (fl. 114). Da análise das provas, constata-se que o veículo era de propriedade de terceiro, transitava na localidade de São Paulo e não tinha os mecanismos de segurança exigidos contratualmente. Assim, em razão da incidência da cláusula de exclusão de risco, a seguradora exequente negou a indenização securitária pretendida. A segurada ora apelante não nega que o veículo não dispunha de sistema de rastreamento, nem que trafegava sem estar em comboio e que não tinha escolta armada. No entanto, afirma que a cláusula que contém as exigências seria abusiva e a colocaria em desvatagem excessiva. Avaliando-se detidamente a condição especial exigida na apólice, não se constata a nulidade alegada. Isso porque a cláusula restritiva não exige o cumprimento de hipótese exagerada e desproporcional, mas tão somente condiciona a cobertura do sinistro ao cumprimento de determinadas medidas de segurança, a fim de não se agravar o risco coberto. Percebe-se, ainda, que foi redigida de forma clara e em destaque, cumprindo as determinações legais sobre o tema. Ademais, a prova dos autos conduz à conclusão de que a

7 Transportadora tinha plena ciência das condições especiais de segurança para o transporte de cargas específicas, tanto que afirma que "quase a totalidade" da frota da época (34 caminhões) tinha sistema de rastreamento por satélite. Contudo, apesar de sustentar ter investido nesta área, afirmou que o volume de caminhões e cargas transportadas diariamente no perímetro urbano de São Paulo é tão elevado que torna impossível a segurada arcar com os custos operacionais para fornecer segurança na forma exigida à totalidade da frota. O depoimento do preposto da empresa autora confirma que a segurada tinha conhecimento das exigências especiais de segurança: A empresa autora possui um seguro específico para carga, sendo que todas as cargas transportadas pela empresa tanto em veículo próprio quanto agregado possuem seguro do início ao fim, ou seja, da coleta até a entrega da mercadoria [...] Também há a necessidade de monitoramento ou escolta. Todos os veículos da empresa são monitorados, todavia nem todos os veículos contratados (agregados) possuíam o monitoramento.o veículo descrito na inicial é agregado e não sabe dizer se possuía monitoramento. (fl. 463). (sem grifo no original). A apelante afirma categoricamente que descumpriu cláusula contratual e, ainda assim, considera que a indenização securtária lhe é devida, hipótese que não deve ser aceita Logo, forçoso concluir que, diante das ponderações realizadas, houve o agravamento do risco o que afasta a responsabilidade da seguradora em indenizar. Sabe-se que, nas relações de seguro, exige-se que as partes atuem com boa-fé e razoabilidade a fim de manterem o equilíbrio indispensável em qualquer bilateralidade contratual. Domingos Afonso Krieger Filho ao comentar o disposto no art. 765 do Código Civil, pontua o comportamento esperado de cada figura na relação securitária: No campo contratual constata-se que a boa-fé origina uma série de deveres de conduta vinculantes dos contratantes, ainda que no instrumento não estejam eles explicitados, a exemplo da diligência, informação, garantia, lealdade e cooperação, deveres estes que, em última análise, compõem o princípio da "harmonização dos interesses" dos participantes das relações de consumo preconizadas pela Lei n /90, constituindo-se numa verdadeira fonte de otimização da conduta negocial, tendo em vista o pleno e eficaz atendimento da finalidade para a qual foi criado o vínculo. [...] O dispositivo em apreço é claro na direção de que ambos os contratantes devem pautar o seu comportamento na boa-fé, que deve ser mantida durante todo transcurso do vínculo contratual e não apenas na sua formação. Entre as atitudes que caracteriza pelo lado do segurado, podem ser incluídos o pagamento do prêmio na forma e prazo avençados, o comportamento de forma a não aumentar os riscos previstos e o fornecimento de declarações verdadeiras acerca da circunstâncias em que baseia a sua proposta, ao passo que para o segurador, se faz presente no pagamento da indenização no montante e prazo ajustados e não expedição de apólice relativa a riscos que já sabe estarem passados. (Seguro no Código Civil. Florianópolis: OAB/SC Editora, 2005, pp. 85/87) (sem grifo no original). Registre-se que, ao firmar o pacto, a seguradora evidentemente analisou

8 as condições da segurada e avaliou o risco assumido, de modo que levou em consideração o cumprimento do ajustado para determinar o valor do prêmio e delimitar a cobertura firmada. Dessa forma, não pode a recorrente eximir-se de cumprir as obrigações assumidas, sob o fundamento de que os custos operacionais com dispositivos e mecanismos de segurança seriam elevados. Esta Sexta Câmara de Direito Civil já se manifestou sobre o tema em Apelação Cível n , relator Des. Stanley da Silva Braga, DJe de : APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO DE COBRANÇA DE SEGURO. INEXISTÊNCIA DE ABUSIVIDADE NA CLÁUSULA LIMITATIVA. AGRAVAMENTO DO RISCO EVIDENCIADO. VERBA HONORÁRIA COMPATÍVEL COM A ESPÉCIE. SENTENÇA CONFIRMADA. RECURSO DESPROVIDO. Não se verifica abusividade em cláusula limitativa de contrato de seguro se redigida de forma clara e, ainda, de fácil cumprimento pelo segurado contratante. Mutatis mutandis, "[...] Perde o direito ao valor do seguro a transportadora-contratante que se obrigara no contrato a utilizar escolta especializada por ocasião do transporte de certas mercadorias e deixa de fazê-lo" (STJ-3ªT.,REsp , Min. Castro Filho, j , um voto vencido, DJU 1º ). Os honorários de advogado somente devem ser modificados para menor se constatada a exorbitância na fixação de tal verba. Segue ainda precedente da Quarta Câmara de Direito Civil em Apelação Cível n , relator Des. Victor Ferreira, DJe de : APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO INDENIZATÓRIA. TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGA. SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL FACULTATIVO (RCF-DC). PROCEDÊNCIA NA ORIGEM. PREQUESTIONAMENTO. [...] INOBSERVÂNCIA DAS MEDIDAS DE GERENCIAMENTO DE RISCO. AGRAVAMENTO VOLUNTÁRIO. CLÁUSULA CONTRATUAL EXPRESSA. DEVER DE INDENIZAR AFASTADO. SENTENÇA REFORMADA. [...] Diante das considerações acima realizadas, o apelo da Transportadora deve ser desprovido mantendo-se a sentença em sua integralidade. Esse é o voto. Declaração de voto vencido do Excelentíssimo Senhor Desembargador Jaime Luiz Vicari Cuidam os autos de ação monitória por meio da qual a empresa autora busca o cumprimento de contrato de seguro e pede a condenação da instituição financeira ré ao pagamento de indenização referente à cobertura por roubo de carga. Em sede de embargos monitórios, instalou-se debate acerca da prescrição da pretensão da segurada contra a seguradora, que chegou a conhecimento deste Colegiado por força de agravo retido, cuja análise foi requerida pela ré em contrarrazões.

9 Não há polêmica sobre o lapso incidente, que é o prazo ânuo previsto no art. 178, 6º, inc. II, do Código Civil de 1916 (e repetido no art. 206, 1º, inc. II, alínea b, do Código Civil vigente). A controvérsia se estabeleceu quanto à sua contagem, em especial no que se refere às causas de suspensão. Consoante tranquila jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça, o prazo tem início na data do fato gerador da pretensão e é suspenso quando da comunicação do sinistro pelo segurado até a recusa de pagamento pela seguradora. Desse modo, eventual pedido de reconsideração na via administrativa (assim como na judicial) não tem o condão de suspender a contagem do prazo prescricional. Aliás, entendimento contrário possibilitaria ao segurado prolongar indefinidamente a prescrição, dada a possibilidade de sucessivos pedidos de reconsideração. Assim sendo, contado o prazo da data do roubo da carga, que ocorreu em , com suspensão entre a comunicação do sinistro à seguradora, em , e a ciência do segurado acerca da decisão de negativa de pagamento, em , verifica-se o decurso do lapso de um ano antes do ajuizamento da demanda, que ocorreu apenas em Dessa forma, frente aos fundamentos acima invocados, forçoso concluir que a pretensão deduzida efetivamente se encontrava alcançada pelos efeitos da prescrição. Por isso, ousei divergir da Douta maioria e fiquei vencido ao votar no sentido de se conhecer e prover o agravo retido. Florianópolis, 20 de maio de Jaime Luiz Vicari Desembargador

D E C I S Ã O. Contra-razões ofertadas as fls. 176/184 em total prestígio a. sentença.

D E C I S Ã O. Contra-razões ofertadas as fls. 176/184 em total prestígio a. sentença. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA QUARTA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL Nº 0168239-18.2007.8.19.0001 APELANTE: BRADESCO VIDA E PREVIDÊNCIA S/A APELADO: CATIA MARIA DA SILVA COUTO RELATOR:

Leia mais

Gilberto Gomes de Oliveira RELATOR

Gilberto Gomes de Oliveira RELATOR Apelação Cível nº 2011.063602-9, de Joaçaba Relator: Des. Gilberto Gomes de Oliveira SEGURO DE VIDA EM GRUPO. APOSENTADORIA POR INVALIDEZ CONCEDIDA PELO INSS. PRESCRIÇÃO ÂNUA. ART. 206, 1º, II, 'B' DO

Leia mais

Ronei Danielli RELATOR

Ronei Danielli RELATOR Apelação Cível n. 2014.020063-4, de Rio do Campo Relator: Des. Ronei Danielli SEGURO DE VIDA. SUICÍDIO. PERIODO DE CARÊNCIA PREVISTO NO ART. 798 DO CÓDIGO CIVIL. NECESSIDADE DE COMPROVAÇÃO DA VOLUNTARIEDADE

Leia mais

DECISÃO MONOCRÁTICA CONTRATO DE SEGURO DE VIDA E INVALIDEZ PERMANENTE EM GRUPO. PRESCRIÇÃO. INOCORRÊNCIA. SEGURADO COM LESÃO NEUROLÓGICA QUE

DECISÃO MONOCRÁTICA CONTRATO DE SEGURO DE VIDA E INVALIDEZ PERMANENTE EM GRUPO. PRESCRIÇÃO. INOCORRÊNCIA. SEGURADO COM LESÃO NEUROLÓGICA QUE DÉCIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO N.º 0402603-95.2008.8.19.0001 APELANTE: SULAMÉRICA SEGUROS DE VIDA E PREVIDENCIA APELADO: FRANCISCO DE SOUZA COELHO JUNIOR RELATOR: DES. LINDOLPHO MORAIS MARINHO DECISÃO

Leia mais

Nº 70051718773 COMARCA DE LAJEADO A C Ó R D Ã O

Nº 70051718773 COMARCA DE LAJEADO A C Ó R D Ã O Apelação cível. Seguros. Ação de cobrança. Seguro de carga. Agravamento do risco configurado. Negativa de pagamento da cobertura securitária embasada em cláusula contratual que determina a necessidade

Leia mais

SENTENÇA. DIOMÉRIO GONÇALVES MOURA ajuizou ação de cobrança. securitária em face da ALFA PREVIDÊNCIA E VIDA S/A aduzindo, em síntese,

SENTENÇA. DIOMÉRIO GONÇALVES MOURA ajuizou ação de cobrança. securitária em face da ALFA PREVIDÊNCIA E VIDA S/A aduzindo, em síntese, Autos nº 201400366962 SENTENÇA DIOMÉRIO GONÇALVES MOURA ajuizou ação de cobrança securitária em face da ALFA PREVIDÊNCIA E VIDA S/A aduzindo, em síntese, ser beneficiário de seguro de vida em grupo contratado

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.237.894 - MT (2011/0026945-1) RELATOR : MINISTRO SIDNEI BENETI RECORRENTE : BANCO DO BRASIL S/A ADVOGADO : NAGIB KRUGER E OUTRO(S) RECORRIDO : SUSSUMO SATO E OUTRO ADVOGADO : GILMAR

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça S EMENTA CIVIL E PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL. PLANO DE SAÚDE. AÇÃO DE INDENIZAÇÃO. CIRURGIA BARIÁTRICA. PEDIDO MÉDICO. NEGATIVA DE AUTORIZAÇÃO. DANO MORAL. DECISÃO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.311.407 - SP (2012/0041104-0) RELATÓRIO O EXMO. SR. MINISTRO RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA (Relator): Trata-se de recurso especial interposto por PAULO DONIZETI DA SILVA e sua esposa

Leia mais

A Segunda Câmara de Direito Civil decidiu, por unanimidade, negar provimento ao recurso, nos termos do voto do relator. Custas legais.

A Segunda Câmara de Direito Civil decidiu, por unanimidade, negar provimento ao recurso, nos termos do voto do relator. Custas legais. Apelação Cível nº 2010.070576-1, de Capinzal Relator: Des. Gilberto Gomes de Oliveira REGRESSIVA CONTRA SEGURADORA. SEGURADA CONDENADA A REPARAR PREJUÍZO DECORRENTE DE ACIDENTE DE TRÂNSITO EM AÇÃO DE INDENIZAÇÃO.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 831.543 - RJ (2005/0090943-0) RELATOR S ADVOGADA ADVOGADA : MINISTRO ANTONIO CARLOS FERREIRA : ADRIANA BARBOSA DE CASTRO E OUTRO(S) : CRISTINA MARIA GAMA NEVES DA SILVA E OUTRO(S) EMENTA

Leia mais

Brasília (DF), 25 de novembro de 2013(Data do Julgamento) RECURSO ESPECIAL Nº 1.411.293 - SP (2013/0341500-6)

Brasília (DF), 25 de novembro de 2013(Data do Julgamento) RECURSO ESPECIAL Nº 1.411.293 - SP (2013/0341500-6) RECURSO ESPECIAL Nº 1.411.293 - SP (2013/0341500-6) RELATORA RECORRENTE RECORRIDO : MINISTRA NANCY ANDRIGHI : MAGALY APARECIDA SALORNO : ANA APULA PICCHI DANCONA VIVIANE DUARTE GONÇALVES E OUTRO(S) : SUL

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TERCEIRA CÂMARA CÍVEL D E C I S Ã O

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TERCEIRA CÂMARA CÍVEL D E C I S Ã O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TERCEIRA CÂMARA CÍVEL Apelação Cível nº 0335989-11.2008.8.19.0001 18ª Vara Cível da Comarca da Capital Apelante: Elizabeth Cândido Chaves Apelada: AGF Seguros

Leia mais

Florianópolis, 29 de fevereiro de 2012.

Florianópolis, 29 de fevereiro de 2012. Apelação Cível n. 2011.025929-8, de Imbituba Relator: Des. Jaime Luiz Vicari AÇÃO DE COBRANÇA SECURITÁRIA CUMULADA COM INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS. ALEGAÇÃO DE DOENÇA PRÉ-EXISTENTE À CONTRATAÇÃO. SEGURADO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.171.486 - SP (2009/0239644-0) RELATOR AGRAVANTE AGRAVADO : MINISTRO MARCO BUZZI EMENTA AGRAVO REGIMENTAL - AÇÃO DE COBRANÇA - ASSOCIAÇÃO DE MORADORES - PAGAMENTO DE TAXA DE

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 963.454 - SC (2007/0143805-5) RELATOR RECORRENTE ADVOGADOS RECORRIDO PROCURADOR INTERES. : MINISTRO PAULO DE TARSO SANSEVERINO : LIBERTY PAULISTA SEGUROS S/A : SÉRGIO ALEXANDRE SODRÉ

Leia mais

TERCEIRA CÂMARA CÍVEL

TERCEIRA CÂMARA CÍVEL TERCEIRA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL N º 42.390-7/2009, DE VITÓRIA DA CONQUISTA. APELANTE: UNIBANCO AIG SEGUROS S/A. APELADO: GERALDO BASTOS GUIMARÃES E OUTRO. RELATOR: JUIZ JOSEVANDO SOUZA ANDRADE SUBSTITUINDO

Leia mais

APELAÇÃO CÍVEL Nº 199375-88.2008.8.09.00029 (200891993754) CATALÃO

APELAÇÃO CÍVEL Nº 199375-88.2008.8.09.00029 (200891993754) CATALÃO APELAÇÃO CÍVEL Nº 199375-88.2008.8.09.00029 (200891993754) CATALÃO APELANTE: APELADO: RELATOR: CÂMARA: JANDIRA BORGES DA SILVA HSBC SEGUROS BRASIL S/A DESEMBARGADOR CAMARGO NETO 6ª CÍVEL EMENTA: 1. APELAÇÃO.

Leia mais

ACÓRDÃO. Salles Rossi RELATOR Assinatura Eletrônica

ACÓRDÃO. Salles Rossi RELATOR Assinatura Eletrônica fls. 1 ACÓRDÃO Registro: 2012.0000382774 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0001561-08.2012.8.26.0562, da Comarca de Santos, em que é apelante PLANO DE SAÚDE ANA COSTA LTDA, é apelado

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR JOÃO ALVES DA SILVA ACÓRDÃO APELAÇÃO CINTEL N. 030.2008.002155-0/001 RELATOR : Desembargador João Alves da Silva APELANTE : Osanira Silva Campos

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.273.311 - SP (2011/0144262-4) RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADO : VIRGÍNIO ARAÚJO FILHO E OUTROS : EMERSON RIBEIRO DANTONIO : COMPANHIA DE SEGUROS DO ESTADO DE SÃO PAULO : FERNANDA

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL

PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL \d \w1215 \h1110 FINCLUDEPICTURE "brasoes\\15.bmp" MERGEFORMAT PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL Processo n. 001.08.020297-8 Ação: Ação Civil Pública Autor: Ministério

Leia mais

QUINTA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO Nº 45610/2012 - CLASSE CNJ - 198 - COMARCA CAPITAL

QUINTA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO Nº 45610/2012 - CLASSE CNJ - 198 - COMARCA CAPITAL APELANTE: BRADESCO AUTO RE COMPANHIA DE SEGUROS APELADO: HAMILTON DE CARVALHOFERREIRA Número do Protocolo: 45610/2012 Data de Julgamento: 19-9-2012 E M E N T A SEGURO OBRIGATÓRIO (DPVAT) - LEI N. 11.482/07

Leia mais

RELAÇÃO CAMBIAL C/C INEXIGIBILIDADE DE COBRANÇA. RECONVENÇÃO. ÔNUS DA PROVA DA EMPRESA RÉ ACERCA DA EXISTÊNCIA

RELAÇÃO CAMBIAL C/C INEXIGIBILIDADE DE COBRANÇA. RECONVENÇÃO. ÔNUS DA PROVA DA EMPRESA RÉ ACERCA DA EXISTÊNCIA Apelação Cível nº 1034291-7, da Comarca de Paraíso do Norte, Vara Única. Apelante : Equagril S/A Equipamentos Agrícolas. Apelado : Rubens Antonio Primão. Relator : Desembargador Paulo Cezar Bellio. AÇÃO

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0024.13.050455-8/001 Númeração 0504558- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Mariângela Meyer Des.(a) Mariângela Meyer 19/05/2015 29/05/2015 EMENTA:

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Fórum João Mendes Júnior - 18º Andar, sala 1806, Centro - CEP 01501-900, Fone: 2171-6315, São Paulo-SP

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Fórum João Mendes Júnior - 18º Andar, sala 1806, Centro - CEP 01501-900, Fone: 2171-6315, São Paulo-SP Registro: 2015.0000075537 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Recurso Inominado nº 1008924-47.2014.8.26.0016, da Comarca de São Paulo, em que é recorrente CHAMALEON EVEN EMPREENDIMENTOS

Leia mais

RELATÓRIO. Gabinete do Desembargador Alan Sebastião de Sena Conceição

RELATÓRIO. Gabinete do Desembargador Alan Sebastião de Sena Conceição APELAÇÃO CÍVEL Nº 17724-47.2014.8.09.0051 (201490177248) COMARCA DE GOIÂNIA APELANTE : UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO APELADA RELATOR : ANNA LETÍCIA MIRANDA SANTIAGO : DES. ALAN SEBASTIÃO

Leia mais

~14 - 1891,( Poder Judiciário do Estado da Parai Tribunal de Justiça Gabinete da Desembargadora Maria das Neves çigito de A. D.

~14 - 1891,( Poder Judiciário do Estado da Parai Tribunal de Justiça Gabinete da Desembargadora Maria das Neves çigito de A. D. AC no 200.2008.042.249-2/001 1 ~14-1891,( Poder Judiciário do Estado da Parai Tribunal de Justiça Gabinete da Desembargadora Maria das Neves çigito de A. D. Ferreira ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL No 200.2008.042.249-2/001

Leia mais

VISTOS, relatados e discutidos estes autos, em que são partes as acima identificadas:

VISTOS, relatados e discutidos estes autos, em que são partes as acima identificadas: . ' ESTADO DA PARAÍBA t-n " PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Apelação Civel n 200.2004.038313-1/001 Relator: Des. Luiz Silvio Ramalho Júnior Apelante: Executivos Administração e Promoção de Seguros

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 976.125 - SP (2007/0182780-3) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI EMENTA Direito civil. Lei 9.656/98. Demissão, sem justa causa, de aposentado que participou, por mais de dez anos, de

Leia mais

PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO Nº 85735/2011 - CLASSE CNJ - 198 - COMARCA CAPITAL APELANTE: BANCO VOLKSWAGEN S. A. DIRCE MARIA NONATO DE MORAES

PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO Nº 85735/2011 - CLASSE CNJ - 198 - COMARCA CAPITAL APELANTE: BANCO VOLKSWAGEN S. A. DIRCE MARIA NONATO DE MORAES APELAÇÃO Nº 85735/2011 CLASSE CNJ 198 COMARCA CAPITAL Fls. APELANTE: BANCO VOLKSWAGEN S. A. APELADA: DIRCE MARIA NONATO DE MORAES Número do Protocolo: 85735/2011 Data de Julgamento: 1812012 EMENTA APELAÇÃO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 593.196 - RS (2003/0164484-3) RELATOR : MINISTRO HÉLIO QUAGLIA BARBOSA EMENTA RECURSO ESPECIAL. SEGURO. ATRASO NO PAGAMENTO DOS VALORES DEVIDOS PELA SEGURADORA. LUCROS CESSANTES. OCORRÊNCIA.

Leia mais

Autos nº: 201403216112 SENTENÇA I? RELATÓRIO

Autos nº: 201403216112 SENTENÇA I? RELATÓRIO Autos nº: 201403216112 SENTENÇA I? RELATÓRIO ALEX DA SILVA CALDEIRA propôs ação de cobrança de seguro por invalidez decorrente de doença em face de ITAÚ SEGUROS S/A, já qualificados, afirmando que foi

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PODER JUDICIÁRIO Comarca de Itajaí 2ª Vara Cível. Vistos etc.

ESTADO DE SANTA CATARINA PODER JUDICIÁRIO Comarca de Itajaí 2ª Vara Cível. Vistos etc. Autos n 0020587-81.2012.8.24.0033 Ação: Procedimento Ordinário/PROC Requerente: Elio Candido Siemann Requerido: Sul América Seguro Saúde S.A e outro Vistos etc. 1. Cuida-se de ação indenizatória para pagamento

Leia mais

VISTOS, RELATADOS E DISCUTIDOS os presentes autos

VISTOS, RELATADOS E DISCUTIDOS os presentes autos oè;lr- jusnlve,4d ei:x PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA FARAIBA GABINETE DO DES. MÁRCIO MURILO DA CUNHA RAMOS ACÓRDÃO APELAÇÃO CINTEL N 098.2008.000796-0/001 Comarca de Queimadas RELATOR: Des. Márcio

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 100.321 - MT (2011/0227285-6) RELATOR AGRAVANTE ADVOGADO AGRAVADO ADVOGADO : MINISTRO RAUL ARAÚJO : JOSÉ VALMIR BARBOSA DE ALMEIDA : WILSON MOLINA PORTO : TOKIO MARINE BRASIL

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.280.171 - SP (2011/0144286-3) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO : MINISTRO MASSAMI UYEDA : A C DE A : ANNA CRISTINA BORTOLOTTO SOARES E OUTRO(S) : B L C DE A E OUTRO : CLEBER SPERI EMENTA

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL 1 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL Nº 0038505-77.2008.8.19.0001 APELANTE: OFC CONSULTORES ASSOCIADOS LTDA APELADO: MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

ACÓRDÃO. ACORDAM os Desembargadores que integram a Segunda Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de

ACÓRDÃO. ACORDAM os Desembargadores que integram a Segunda Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL Apelação Cível nº. 0208784-57.2012.8.19.0001 Apelante: SERGIO LUIZ DE LUCAS Apelado: SULAMERICA SEGUROS DE PESSOAS E PREVIDENCIA S.A. Relatora: DES. ELISABETE FILIZZOLA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.087.601 - GO (2008/0199580-8) RELATOR : MINISTRO MASSAMI UYEDA RECORRENTE : RANDON ADMINISTRADORA DE CONSÓRCIOS LTDA ADVOGADO : ROBERTA BASSO CANALE E OUTRO(S) RECORRIDO : ARNO BRUNO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECLAMAÇÃO Nº 10.093 - MA (2012/0205425-3) RELATOR : MINISTRO ANTONIO CARLOS FERREIRA RECLAMANTE : BRADESCO SEGUROS S/A ADVOGADA : ANA PAULA DE PAULA E OUTRO(S) RECLAMADO : QUINTA TURMA RECURSAL CÍVEL

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.084.748 - MT (2008/0194990-5) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO SIDNEI BENETI : AGRO AMAZÔNIA PRODUTOS AGROPECUÁRIOS LTDA : DÉCIO JOSÉ TESSARO E OUTRO(S) :

Leia mais

Henry Petry Junior RELATOR

Henry Petry Junior RELATOR Apelação Cível n. 2011.050060-7, de Guaramirim Relator: Des. Henry Petry Junior APELAÇÃO CÍVEL E PROCESSUAL CIVIL. SEGURO DE VIDA. AÇÃO DE COBRANÇA. IMPROCEDÊNCIA NA ORIGEM. - AUXÍLIO-DOENÇA. CONCESSÃO

Leia mais

11è 8 3(21 . * ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DES. MANOEL SOARES MONTEIRO

11è 8 3(21 . * ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DES. MANOEL SOARES MONTEIRO 4. * 8 3(21 ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DES. MANOEL SOARES MONTEIRO ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL N. 200.2003.018359-0/001 i a Vara Cível da Comarca da Capital RELATOR : Des. MANOEL

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECLAMAÇÃO Nº 14.696 - RJ (2013/0339925-1) RELATORA : MINISTRA MARIA ISABEL GALLOTTI RECLAMANTE : BANCO BRADESCO FINANCIAMENTOS S/A ADVOGADO : JOSÉ ANTÔNIO MARTINS E OUTRO(S) RECLAMADO : TERCEIRA TURMA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça EMENTA FALÊNCIA. HABILITAÇÃO DE CRÉDITO. CONTRIBUIÇÃO PARAFISCAL DEVIDA AO SENAI. POSSIBILIDADE. 1. De acordo com a jurisprudência desta Corte, a possibilidade de cobrança do crédito por meio de execução

Leia mais

ACÓRDÃO PRIMEIRA TURMA CÍVEL JOSÉ DE AQUINO PERPÉTUO

ACÓRDÃO PRIMEIRA TURMA CÍVEL JOSÉ DE AQUINO PERPÉTUO Órgão: Primeira Turma Cível Classe: APC Apelação Cível N.º processo: 2003.01.1.040174-9 Apelante: Liberty Paulista Seguros S/A Apelado: José Augusto Cavalcante Martins Relator Des.: JOSÉ DE AQUINO PERPÉTUO

Leia mais

Agravo de Instrumento n. 2012.002772-8, da Capital Relator: Des. Jaime Luiz Vicari

Agravo de Instrumento n. 2012.002772-8, da Capital Relator: Des. Jaime Luiz Vicari Agravo de Instrumento n. 2012.002772-8, da Capital Relator: Des. Jaime Luiz Vicari AÇÃO COMINATÓRIA COM PEDIDO DE TUTELA ANTECIPADA. PLANO DE SAÚDE. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICO-HOSPITALARES. PRETENSÃO

Leia mais

EMENTA ACÓRDÃO RELATÓRIO. A controvérsia foi assim relatada pelo juiz da causa:

EMENTA ACÓRDÃO RELATÓRIO. A controvérsia foi assim relatada pelo juiz da causa: PELAÇÃO/REEXAME NECESSÁRIO Nº 5011683-79.2010.404.7200/SC RELATOR : Juiz Federal LUIZ CARLOS CERVI APELANTE : UNIÃO - FAZENDA NACIONAL APELADO : ALPHA TRADE IMPORTACAO DE ELETRONICOS LTDA ADVOGADO : JOSÉ

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 34 a Câmara SEÇÃO DE DIREITO PRIVADO APELAÇÃO C/ REVISÃO N 940070-0/5. Comarca de CAMPINAS Processo 872/00

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 34 a Câmara SEÇÃO DE DIREITO PRIVADO APELAÇÃO C/ REVISÃO N 940070-0/5. Comarca de CAMPINAS Processo 872/00 34 a Câmara APELAÇÃO C/ REVISÃO N 940070-0/5 Comarca de CAMPINAS Processo 872/00 l.v.cível APTE APDO MARCELO AZEVEDO FEITOR CORRETORA DE SEGUROS LTDA OTONIEL QUEIROZ DA SILVA A C Ó R D Ã O TRIBUNAL DE

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 9ª Câmara de Direito Privado ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 9ª Câmara de Direito Privado ACÓRDÃO Registro: 2014.0000760XXX ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0057XXX- 94.2009.8.26.0405, da Comarca de Osasco, em que é apelante COOPERATIVA HABITACIONAL PLANALTO, é apelado

Leia mais

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado da Paraíba Gabinete do Desembargador José Ricardo Porto

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado da Paraíba Gabinete do Desembargador José Ricardo Porto Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado da Paraíba Gabinete do Desembargador José Ricardo Porto DECISÃO MONOCRÁTICA AGRAVO DE INSTRUMENTO N 200.2011.047193-1/001 Capital. itelator : Desembargador

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 668.042 - PR (2015/0042833-7) RELATOR : MINISTRO LUIS FELIPE SALOMÃO AGRAVANTE : JOSE VIOLADA FONTES ADVOGADO : JAIR APARECIDO ZANIN AGRAVADO : ITAU UNIBANCO S.A ADVOGADOS

Leia mais

OITAVA CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO RIO DE JANEIRO. Agravo de Instrumento nº 0040129-28.2012.8.19.0000

OITAVA CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO RIO DE JANEIRO. Agravo de Instrumento nº 0040129-28.2012.8.19.0000 OITAVA CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO RIO DE JANEIRO Agravo de Instrumento nº 0040129-28.2012.8.19.0000 Agravante: Waldemar Monteiro Fidalgo Agravado: CABERJ Caixa de Assistência à Saúde

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. FAGUNDES CUNHA PRESIDENTE RELATOR

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. FAGUNDES CUNHA PRESIDENTE RELATOR RECURSO INOMINADO Nº 2006.0003212-2/0, DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA COMARCA DE CRUZEIRO DO OESTE RECORRENTE...: BRADESCO SEGUROS S. A. RECORRIDO...: ALEXANDRE GONÇALVES MANFRIM RELATOR...: EMENTA RECURSO

Leia mais

Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios

Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Órgão 2ª Turma Recursal dos Juizados Especiais do Distrito Federal Processo N. Apelação Cível do Juizado Especial 20110710091144ACJ

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg nos EMBARGOS DE DIVERGÊNCIA EM RESP Nº 1.201.791 - SP (2013/0340189-0) RELATOR AGRAVANTE ADVOGADOS AGRAVADO ADVOGADO : MINISTRO RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA : M O M DE B A : ADRIANA CHIECO E OUTRO(S)

Leia mais

Precedente da Câmara. APELAÇÃO DESPROVIDA. EDUARDO SANTOS DA SILVA

Precedente da Câmara. APELAÇÃO DESPROVIDA. EDUARDO SANTOS DA SILVA APELAÇÃO CÍVEL. REINTEGRAÇÃO DE POSSE. HOMOLOGAÇÃO DE ACORDO APRESENTADO EM JUÍZO. RECURSO DO RÉU. A transação em juízo não exige a intervenção de advogados, restando válido o acordo pactuado no presente

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA GAB. DES. MANOEL SOARES MONTEIRO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA GAB. DES. MANOEL SOARES MONTEIRO / - juurrilis P. ' PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA GAB. DES. MANOEL SOARES MONTEIRO ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL N. 200.2009.017147-7/ 001 RELATOR: Des. Manoel Soares Monteiro APELANTE: PREVI

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECLAMAÇÃO Nº 14.424 - PE (2013/0315610-5) RELATORA : MINISTRA MARIA ISABEL GALLOTTI RECLAMANTE : SANTANDER LEASING S/A ARRENDAMENTO MERCANTIL ADVOGADO : ANTÔNIO BRAZ DA SILVA E OUTRO(S) RECLAMADO : SEXTA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.097.758 - MG (2008/0236409-4) RELATOR : MINISTRO MASSAMI UYEDA RECORRENTE : JOSÉ ALVES CAMPOS ADVOGADO : JAYME MOREIRA ANDRADE E OUTRO(S) RECORRIDO : COMPANHIA DE SEGUROS MINAS BRASIL

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.154.988 - MT (2009/0168081-6) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO SIDNEI BENETI : BANCO DO BRASIL S/A : FRADEMIR VICENTI DE OLIVEIRA E OUTRO(S) : FRANCISCO XAVIER

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DES. ROMERO MARCELO DA FONSECA OLIVEIRA

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DES. ROMERO MARCELO DA FONSECA OLIVEIRA 1 PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DES. ROMERO MARCELO DA FONSECA OLIVEIRA DECISÃO MONO CRÁTICA APELAÇÃO CÍVEL N" 200.2009.044444-5/001. ORIGEM : 7 Vara Cível da Comarca da

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 707.286 - RJ (2004/0169313-7) RELATOR AGRAVANTE AGRAVADO : MINISTRO SIDNEI BENETI : GOLDEN CROSS ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL DE SAÚDE LTDA EMENTA DIREITO CIVIL E PROCESSUAL CIVIL.

Leia mais

:João Batista Barbosa - Juiz Convocado. Apelante :Unibanco AIG Seguros S/A (Adv. Vanessa Cristina de Morais Ribeiro e outros).

:João Batista Barbosa - Juiz Convocado. Apelante :Unibanco AIG Seguros S/A (Adv. Vanessa Cristina de Morais Ribeiro e outros). APELAÇÃO CÍVEL N 200.2008.032.045-61 001. Relator :João Batista Barbosa - Juiz Convocado. Apelante :Unibanco AIG Seguros S/A (Adv. Vanessa Cristina de Morais Ribeiro e outros). Apelado :Evaldo de Lima

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.353.891 - RJ (2012/0109074-7) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI RECORRENTE : FUNDAÇÃO REDE FERROVIÁRIA DE SEGURIDADE SOCIAL - REFER ADVOGADO : ANDRÉA PICCOLO BRANDÃO E OUTRO(S) RECORRIDO

Leia mais

GUILHERME COUTO DE CASTRO

GUILHERME COUTO DE CASTRO RELATOR : DESEMBARGADOR FEDERAL GUILHERME COUTO DE CASTRO APELANTE : CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF ADVOGADO : ANDRE LUIS CARDOSO E OUTROS APELADO : HUMBERTO PACHECO DE ANDRADE E CONJUGE ADVOGADO : DENIZE

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça EDcl no RECURSO ESPECIAL Nº 1.119.300 - RS (2009/0013327-2) RELATOR : MINISTRO LUIS FELIPE SALOMÃO EMBARGANTE : LUIZ CARLOS CASSIANO RODRIGUES (ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA) : PAULA CAMUNELLO SOARES EMBARGADO

Leia mais

Poder Judiciário Tribunal Regional Federal da 5ª Região Gabinete do Desembargador Federal Rogério Fialho Moreira

Poder Judiciário Tribunal Regional Federal da 5ª Região Gabinete do Desembargador Federal Rogério Fialho Moreira RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ROGÉRIO FIALHO MOREIRA RELATÓRIO Trata-se de apelação interposta pelo INSS (fls. 83/90), em face da sentença (fls. 79/80), que julgou procedente o pedido de aposentadoria

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 476.551 - RJ (2014/0033135-0) RELATOR : MINISTRO LUIS FELIPE SALOMÃO : ELISA GONÇALVES RIBEIRO LUCAS BRAGA EICHENBERG EMENTA AGRAVO REGIMENTAL EM AGRAVO EM RECURSO

Leia mais

2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2. Prof. Darlan Barroso - GABARITO

2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2. Prof. Darlan Barroso - GABARITO Citação 2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2 Prof. Darlan Barroso - GABARITO 1) Quais as diferenças na elaboração da petição inicial do rito sumário e do rito ordinário? Ordinário Réu

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Desembargadores LUIS MARIO GALBETTI (Presidente sem voto), MIGUEL BRANDI E RÔMOLO RUSSO.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Desembargadores LUIS MARIO GALBETTI (Presidente sem voto), MIGUEL BRANDI E RÔMOLO RUSSO. fls. 300 Registro: 2015.0000529177 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 1106882-72.2014.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante ANA LIGIA PAES NASCIMENTO, é apelado

Leia mais

Apelante: R W Factoring Fomento Mercantil Ltda Apelado: Beauty Dental Clinic Ltda Apelado: Egberto Jose Hallais França Carneiro Junior

Apelante: R W Factoring Fomento Mercantil Ltda Apelado: Beauty Dental Clinic Ltda Apelado: Egberto Jose Hallais França Carneiro Junior FLS.1/cl Apelante: R W Factoring Fomento Mercantil Ltda Apelado: Beauty Dental Clinic Ltda Apelado: Egberto Jose Hallais França Carneiro Junior RELATOR: DES. VALÉRIA DACHEUX APELAÇÃO CÍVEL. EMBARGOS À

Leia mais

Apelação Cível n. 2007.060814-4, de Itajaí Relator: Des. Lédio Rosa de Andrade

Apelação Cível n. 2007.060814-4, de Itajaí Relator: Des. Lédio Rosa de Andrade Apelação Cível n. 2007.060814-4, de Itajaí Relator: Des. Lédio Rosa de Andrade APELAÇÃO CÍVEL. DECLARATÓRIA DE INEXISTÊNCIA DE DÉBITO C/C DANO MORAL. DUPLICATA SEM ACEITE. PROTESTO POR INDICAÇÃO. IMPOSSIBILIDADE.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.054.856 - RJ (2008/0097307-7) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI RECORRIDO : GOLDEN CROSS ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL DE SAÚDE LTDA EMENTA Direito Civil. Recurso especial. Plano de

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.273.311 - SP (2011/0144262-4) RELATORA RECORRENTE RECORRIDO : MINISTRA NANCY ANDRIGHI : VIRGÍNIO ARAÚJO FILHO E OUTROS : EMERSON RIBEIRO DANTONIO : COMPANHIA DE SEGUROS DO ESTADO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 905.986 - RJ (2006/0261051-7) RELATOR : MINISTRO ALDIR PASSARINHO JUNIOR RECORRENTE : T B G E OUTROS ADVOGADO : ARMANDO SILVA DE SOUZA E OUTRO(S) RECORRIDO : M K DA S G ADVOGADO : SABRINA

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação n 2 0002156-94.2010.8.26.0297, da Comarca de Jales, em que é apelante LÚCIA ALVES SANT ANA

Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação n 2 0002156-94.2010.8.26.0297, da Comarca de Jales, em que é apelante LÚCIA ALVES SANT ANA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO 382 ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N "03520294* Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.061.500 - RS (2008/0119719-3) RELATOR : MINISTRO SIDNEI BENETI RECORRENTE : BANCO CITIBANK S/A ADVOGADO : EDUARDO GRAEFF E OUTRO(S) RECORRIDO : ADELINA FARINA RUGA ADVOGADO : MARCOS

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.322.914 - PR (2012/0097003-6) RELATORA RECORRENTE RECORRIDO ADVOGADA S : MINISTRA NANCY ANDRIGHI : ROBERTO GETULIO MAGGI : CARLOS FREDERICO REINA COUTINHO E OUTRO(S) : SUL AMÉRICA

Leia mais

ACÓRDÃO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA 'TRIBUNAL DE JUSTIÇA

ACÓRDÃO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA 'TRIBUNAL DE JUSTIÇA ACÓRDÃO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA 'TRIBUNAL DE JUSTIÇA Apelação Cível n2 200.2009.027892-61001 Origem : 13 2 Vara Cível da Comarca da Capital Relator : Desembargador Frederico Martinho da Nóbrega

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA o. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR JOÃO ALVES DA SILVA DECISÃO MONOCRÁTICA AGRAVO DE INSTRUMENTO NQ 001.2010.006903-6/001 RELATOR : Desembargador João Alves da Silva AGRAVANTE

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR JOÃO ALVES DA SILVA DECISÃO MONOCRÁTICA APELAÇÃO CÍVEL N. 048.2009.000261-8/001 RELATOR : Desembargador João Alves da Silva APELANTE : Sérgio Pia

Leia mais

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado da Paraíba Gabinete do Desembargador José Ricardo Porto

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado da Paraíba Gabinete do Desembargador José Ricardo Porto Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado da Paraíba Gabinete do Desembargador José Ricardo Porto DECISÃO MONOCRÁTICA APELAÇÃO CÍVEL N. 001.2010.019169-9/001 CAMPINA GRANDE RELATOR : Des. José Ricardo

Leia mais

DECISÃO MONOCRÁTICA CONSUMIDOR.

DECISÃO MONOCRÁTICA CONSUMIDOR. DÉCIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO Nº. 197021-30/2010-0001 APELANTE: SUL AMÉRICA COMPANHIA DE SEGURO SAÚDE APELADO: ELZA RODRIGUES PARENTE SILVEIRA RELATOR: DES. LINDOLPHO MORAIS MARINHO DECISÃO MONOCRÁTICA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça EDcl no RECURSO ESPECIAL Nº 1.073.435 - MT (2008/0143980-5) RELATOR EMBARGANTE EMBARGADO : MINISTRO MARCO BUZZI : RODOBRÁS RODOVIÁRIO BRASILEIRO DE TRANSPORTES LTDA : FERNANDO FRIOLLI PINTO LUCIANO RIBEIRO

Leia mais

Associação dos Juízes do Rio Grande do Sul - AJURIS Réu:

Associação dos Juízes do Rio Grande do Sul - AJURIS Réu: COMARCA DE PORTO ALEGRE 6ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA DO FORO CENTRAL Rua Manoelito de Ornellas, 50 Processo nº: 001/1.13.0059055-7 (CNJ:.0065642-04.2013.8.21.0001) Natureza: Ordinária - Outros Autor: Associação

Leia mais

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado da Paraíba Gabinete do Desembargador José Ricardo Porto

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado da Paraíba Gabinete do Desembargador José Ricardo Porto Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado da Paraíba Gabinete do Desembargador José Ricardo Porto DECISÃO MONOCRÁTICA APELAÇÃO CÍVEL N 024.2007. 002825 3 / 001 MONTEIRO. RELATOR: Des. José Ricardo

Leia mais

Nº 70040994972 COMARCA DE CAXIAS DO SUL NOELI ANDRADE DE OLIVEIRA ACÓRDÃO

Nº 70040994972 COMARCA DE CAXIAS DO SUL NOELI ANDRADE DE OLIVEIRA ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL. RESPONSABILIDADE CIVIL. ERRO MÉDICO. PRESCRIÇÃO. ART. 27 DO CDC. AÇÃO CAUTELAR DE EXIBIÇÃO DE DOCUMENTOS. INTERRUPÇÃO DO PRAZO PRESCRICIONAL. SENTENÇA DESCONSTITUÍDA. RECUO DE APELAÇÃO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.079.644 - SP (2008/0172654-7) RELATORA : MINISTRA ELIANA CALMON RECORRENTE : VELLOZA GIROTTO E LINDENBJOM ADVOGADOS ASSOCIADOS S/C ADVOGADO : LUIZ EDUARDO DE CASTILHO GIROTTO E OUTRO(S)

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO A C Ó R D Ã O 3ª T U R M A PODER JUDICIÁRIO FEDERAL MEMBRO DE CONSELHO CONSULTIVO. ESTABILIDADE. DESCABIMENTO. Não faz jus à estabilidade sindical o empregado eleito pelo órgão consultivo da entidade,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 781.703 - RS (2005/0152790-8) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO ARNALDO ESTEVES LIMA : UNIÃO : MARCOS ROBERTO SILVA DE ALMEIDA E OUTROS : WALDEMAR MARQUES E OUTRO EMENTA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 960.280 - RS (2007/0134692-2) RELATOR : MINISTRO PAULO DE TARSO SANSEVERINO RECORRENTE : POLIEDRO CONSTRUÇÕES LTDA E OUTROS ADVOGADO : AYRTON LIMA FREITAS E OUTRO(S) RECORRIDO : GERALDO

Leia mais

Nº 70034654392 COMARCA DE NOVO HAMBURGO BRUNA MACHADO DE OLIVEIRA

Nº 70034654392 COMARCA DE NOVO HAMBURGO BRUNA MACHADO DE OLIVEIRA AGRAVO DE INSTRUMENTO. DECISÃO MONOCRÁTICA. AÇÃO DE COBRANÇA DE SEGURO OBRIGATÓRIO. DPVAT. LEGITIMIDADE PASSIVA. RESPONSABILIDADE DE QUALQUER SEGURADORA INTEGRANTE DO CONSÓRCIO. INCLUSÃO DA SEGURADORA

Leia mais

ACÓRDÃO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA. Apelação Cível ri 026.2006.000553-0/001 Origem : 2 4 Vara da Comarca de naná

ACÓRDÃO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA. Apelação Cível ri 026.2006.000553-0/001 Origem : 2 4 Vara da Comarca de naná ACÓRDÃO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA Apelação Cível ri 026.2006.000553-0/001 Origem : 2 4 Vara da Comarca de naná TRIBUNAL DE JUSTIÇA Relator : Desembargador Frederico Martinho da NObrega Coutinho

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 437880-18.2012.8.09.0000 (201294378805) DE GOIÂNIA

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 437880-18.2012.8.09.0000 (201294378805) DE GOIÂNIA AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 437880-18.2012.8.09.0000 (201294378805) DE GOIÂNIA AGRAVANTE AGRAVADO RELATOR CÂMARA ELETROENGE ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA BANCO INDUSTRIAL E COMERCIAL S/A DESEMBARGADOR CARLOS

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.246.396 - RS (2011/0066530-4) RELATOR AGRAVANTE AGRAVADO : MINISTRO PAULO DE TARSO SANSEVERINO : LIBERTY PAULISTA SEGUROS S/A : ANGELINO LUIZ RAMALHO TAGLIARI E OUTRO(S) :

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO Acórdão 10ª Turma INDENIZAÇÃO. DANO MORAL. ATRASO NA ENTREGA DAS GUIAS DO FGTS E SEGURO- DESEMPREGO. A demora injustificada na entrega das guias do FGTS e do Seguro- Desemprego, feita ultrapassado o decêndio

Leia mais

APELAÇÃO CÍVEL Nº 0133610-77.1991.8.19.0001 APTE.: MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO APDO

APELAÇÃO CÍVEL Nº 0133610-77.1991.8.19.0001 APTE.: MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO APDO APELAÇÃO CÍVEL Nº 0133610-77.1991.8.19.0001 APTE.: MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO APDO.: COMPANHIA LITORÂNEA DE IMÓVEIS RELATOR: DESEMBARGADOR MAURICIO CALDAS LOPES Execução fiscal. IPTU, TIP e TCLLP do Município

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça EDcl no AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.157.106 - MT (2009/0162827-3) RELATOR EMBARGANTE EMBARGADO : MINISTRO BENEDITO GONÇALVES : ROGÉRIO LUIZ GALLO E OUTRO(S) : DANIELA ALLAM GIACOMET GUSTAVO DO AMARAL

Leia mais