PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Programa de Pós-Graduação em Direito CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO DAS RELAÇÕES SOCIAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Programa de Pós-Graduação em Direito CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO DAS RELAÇÕES SOCIAIS"

Transcrição

1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Programa de Pós-Graduação em Direito CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO DAS RELAÇÕES SOCIAIS DIREITOS DIFUSOS E COLETIVOS DIREITO DO CONSUMIDOR III PROCESSO DO CONSUMIDOR 2 a PARTE Prof.ª Dra.ª PATRICIA MIRANDA PIZZOL MONOGRAFIA AÇÃO POPULAR SUMÁRIO: 1. Introdução 2. Origem 2.1 Direito Romano 2.2 Incompatibilidade com regimes não democráticos 3. Conceito de ação popular. 4. Espécies 5. Natureza jurídica 6. Objeto 7. Questões processuais 7.1 Legitimidade ativa 7.2 Natureza da legitimidade 7.3 Legitimidade passiva 7.4 O papel do Ministério Público na ação popular 7.5 Procedimento e regras aplicáveis à ação popular 8. Outros aspectos relevantes 8.1 Prescrição 8.2 Litispendência 8.3 Reconvenção 8.4 Tutela dos atos administrativos discricionários 8.5 Da lesão à moralidade administrativa e ao meio ambiente como requisitos autônomos suficientes para embasar a ação popular 8.6 Destino da verba da condenação amplitude dos interesses. 9. Conclusão Aluno: Marcelo Tavares Cerdeira 1

2 1. Introdução O presente estudo é voltado à análise da ação popular como direito constitucional político de participação da fiscalização direta da administração pública, como garantia processual constitucional de agir no exercício direto desse direito político de participação. Trata-se de legítima forma do cidadão atuar judicialmente, defendendo direitos da coletividade onde está iserido. A exercício do poder político do cidadão através da Ação é claro, considerando o previsto no artigo 1 o, parágrafo único, da Constituição Federal: Todo poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição (gn). Como ação constitucional que é, a ação popular representa instrumento de participação política direta do cidadão na defesa de direitos coletivos diversos, de tudo aquilo que é essencial ao bem da coletividade; representa o exercício pleno da cidadania por intermédio do Poder Judiciário, o que consagra, em última análise, o Estado Democrático de Direito. Desde que adequadamente utilizada, considerando os reais objetivos de sua existência constitucional, a ação popular é um poder legítimo do povo, um poder da coletividade que representa verdadeiro exercício da democracia em seu sentido mais fundamental. Sua esfera de proteção é ampla, hoje abrange não só a possibilidade de anulação de atos lesivos ao patrimônio público (em sentido lato) e o patrimônio histórico e cultural, mas também a preservação da moralidade administrativa e do meio ambiente, sendo este bem de maior relevância, considerando sua importância para garantia mínima de existência e sobrevivência das gerações futuras. Hodiernamente, em meio a tantas barbáries neste país, ligadas à falta de honestidade, à total falta de ética da grande maioria dos políticos e administradores que deveriam bem cuidar da coisa pública, não há como se 2

3 afastar a importância da ação popular, como legítima garantia constitucional de fiscalização e de preservação do que é do público em geral, do que pertence à coletividade mas é mal gerido, mal administrado, resultando em lesões aos cidadãos. A seguir, serão tratados alguns aspectos deste verdadeiro instrumento de participação política do cidadão, desta ação coletiva que, apesar de mal utilizada na maioria das vezes, em decorrência de conflitos políticos, não deixa de ter enorme importância, mormente nos dias conturbados em que vivemos, onde o que é do público e é essencial, tem sido cada vez mais indevidamente, mal administrado, desviado e destruído, isso na busca do enriquecimento de poucos em detrimento de prejuízos infindáveis causados à coletividade. A ação popular constitucional, neste contexto, desde que adequadamente utilizada e atingindo seus reais objetivos, é instrumento de grande importância na defesa dos direitos coletivos, direitos sociais que visam o bem comum. O que se pretende no presente estudo, longe de esgotar o tema que é por demais longo e complexo, é abordar as características gerais da ação popular, focando alguns pontos mais polêmicos e controvertidos sobre a matéria. 2. Origem A questão da origem será tratada desde a antiguidade, isso de forma breve, ressaltando que o presente estudo visa traçar um perfil da atual ação popular constitucional, vigente no ordenamento jurídico brasileiro Direito Romano A doutrina aponta a origem da Ação Popular no Direito Romano, sendo as denominadas actiones popularis a primeira modalidade de ação coletiva existente, objeto de tutela de interesses metaindividuais 3

4 sua obra: Neste sentido, Gregório Assagra de Almeida assim se manifesta em Nelson Nery Junior destaca que a tutela jurisdicional dos interesses difusos encontra origem no direito romano, mais precisamente nas denominadas actiones popularis, e fundamenta: O fenômeno da existência dos direitos metaindividuais (difusos, coletivos e individuais homogêneos) não é novo, pois já era conhecido dos romanos. Nem a terminologia difusos é nova. Com efeito, as actiones populares do direito romano, previstas no Digesto 47, 23, 1, que eram ações essencialmente privadas, destinavam-se à proteção dos interesses da sociedade. Qualquer do povo podia ajuíza-las, mas não agia em nome do direito individual seu, mas como membro da comunidade, como defensor desse mesmo interesse público. 1 Assim, em Roma antiga, qualquer um do povo, poderia ajuizar a ação popular, não como indivíduo, mas como membro da comunidade defendendo interesse dele e dos demais, interesse público. Só que a ação popular de Roma, era diversa quanto ao objeto, voltada para o direito penal, pelo menos em sua grande maioria, havendo registros de ações não-penais também, como a do albo corrupto, sepulchro violato e termino moto. As ações populares na antiguidade não podem ser encaradas, contudo, como regra excepcional do Direito Romano, pois natural sua existência como simples conseqüência do sistema societário da época. O constitucionalista André Ramos Tavares, valendo-se dos ensinamentos de Rudolf von Jhering (O Espírito do Direito Romano) e de Fustel de Coulanges (A Cidade Antiga), aduz o seguinte em sua obra, o que ajuda a entender como se dava a proteção daquilo que era coletivo na época do Direito Romano: A palavra gens exprime exatamente o mesmo que genus, ambas correspondendo ao verbo gignere, e ao substantivo genitor, todas trazendo a 1 Almeida, Gregório Assagra de. Direito processual coletivo brasileiro. São Paulo: Saraiva, p

5 idéia de filiação. Os Romanos, fora de dúvida, ligavam à palavra gens a idéia de uma origem comum. Como assevera Fustel de Coulanges, tudo nos apresenta a gens como unida por um laço de origem. Com o autor, concluímos que a gens não era uma associação de famílias, mas a própria família, que poderia produzir diversos ramos, que, não obstante isso, nunca deixavam de ser uma só família. E, na gens, Lar, túmulo patrimônio, tudo isso em sua origem era indivisível. A família o era, por conseqüência. O tempo não a desmembrava. Essa família indivisível, que se desenvolvia através das idades, perpetuando de século em século seu culto e seu nome, era verdadeiramente a gens antiga. A gens era a família, mas a família conservando a unidade ordenada pela religião (...). Os bens da gens pertenciam conjuntamente, pois, a todos os gentílicos. E esse direito se distinguia do direito de cada um em particular, por não ser exclusivo, mas indiviso e inalienável, indissoluvelmente ligado à qualidade de membro da coletividade. Na verdade, portanto, em sua origem romana, as ações populares nada tinham que justificasse uma excepcionalidade, já que estavam vinculadas à constituição da sociedade gentílica, conforme demonstra Jhering. A compreensão da sociedade gentílica é que pode ser encarada atualmente como peculiar. Muito bem demonstra Jhering que entre o Estado e os cidadãos havia a mesma relação que entre a gens e os gentiles. O Estado não era concebido, como hoje o é, como instituição autônoma, que se situa fora e acima do povo. Não, os cidadãos mesmo eram o Estado, e, nessa media, Estado e povo eram noções que se equivaliam. 2 Assim, eram as relações particulares da comunidade indivisa de direito que as antigas ações populares, em sua origem, visavam proteger. Essa noção parece sem dúvida a mais acertada para explicar as origens do Instituto. Mas como explica o citado constitucionalista, existem controvérsias entre os estudiosos do Direito Romano quanto às causas (ou origens) das ações populares. Neste sentido, para Kuntz por exemplo, a origem das ações populares estaria ligada à deficitária organização policial da época, sendo as ações forma de controle de injustiças. Para Mattirolo, também citado 5

6 por André Ramos Tavares, ao forte sentimento que os romanos tinham de seu direito, no sentido de reconhecer o poder do cidadão. 2.2 Incompatibilidade com regimes não democráticos Pois bem, fixada a origem ou causas das ações populares, certo é afirmar que esta modalidade de ação jamais sobreviveu aos governos não democráticos. As ações populares não sobreviveram ao direito intermédio, ao período medieval, isso considerando o sistema feudal, as monarquias absolutistas e outras formas totalitárias de governo. Baseando-se em Rodolfo de Camargo Mancuso (Ação popular) e em Elival da Silva Ramos (A ação popular como instrumento de participação política), afirma Gregório de Assagra Almeida o seguinte em sua obra, após discorrer sobre a incompatibilidade das ações populares com o direito intermédio: Já no direito moderno e contemporâneo, a doutrina aponta o surgimento do primeiro texto sobre a ação popular, como o advento da lei comunal de 30 de março de 1836, na Bélgica, seguida, na França, pela lei comunal de 18 de julho de Sob a influência dessas legislações, surgiu em1859 a ação popular eleitoral italiana. É de se ressaltar que, mesmo no direito contemporâneo, a ação popular veio a ser suprimida em alguns países, em decorrência dos regimes totalitaristas instalados por força do nazismo, do fascismo e de outros regimes ditatoriais. 3 Como dito na introdução deste estudo, as ações populares ligam-se ao poder do povo, à democracia, e isso é incompatível com qualquer forma totalitária de governo. Não sobreviveram aos regimes totalitaristas antidemocráticos, e seu renascimento em diversos ordenamentos jurídicos no mundo contemporâneo, deve-se ao sistema político democrático, sendo que na segunda metade do século XX é que essa modalidade de ação passou a despertar uma maior atenção. 2 Tavares, André Ramos. Curso de direito constitucional. 3 a ed. São Paulo: Saraiva, 2.006, p Ob. Cit. p

7 No Brasil, a ação popular surge na Carta Imperial de 1.824, mas com contornos distintos da atual ação. Ausente na Constituição de 1.891, inserida na Constituição de 1.934, suprimida na Constituição de (ditadura), foi restabelecida na Carta de 1.946, presente na Carta de 1.967, ratificada pela Emenda Constitucional 1/69. E é no contexto da CR/1.946 que surge a Lei 4717/65, Lei da Ação Popular (LAP), com recepção parcial pela CR/88, artigo 5 o LXXIII. Estudaremos a ação popular brasileira. 3. Conceito de Ação Popular A ação popular é uma ação constitucional coletiva voltada à tutela dos direitos de natureza não penal. Trata-se, pois, de um tipo de ação coletiva. Lopes Meirelles: O conceito de ação popular assim está inserido na obra de Hely É um instrumento de defesa dos interesses da coletividade, utilizável por qualquer de seus membros. Por ela não se amparam direitos individuais próprios, mas sim interesses da comunidade. O beneficiário direto e imediato desta ação não é o autor; é o povo, titular do direito subjetivo ao governo honesto. O cidadão a promove em nome da coletividade, no uso de uma prerrogativa cívica que a Constituição da República lhe outorga. 4 o seguinte: José Afonso da Silva, no tocante ao conceito de ação popular, aduz Trata-se de um remédio constitucional pelo qual qualquer cidadão fica investido de legitimidade para o exercício de um poder de natureza essencialmente política, e constitui manifestação direta da soberania popular consubstanciada no art. 1 o, parágrafo único, da Constituição: todo poder emana do povo, que o exerce por meio de seus representantes eleitos ou diretamente. Sob esse aspecto é uma garantia constitucional política. Revela-se como uma forma de 4 Meirelles. Hely Lopes. Mandado de segurança, Ação Popular, Ação Civil Pública, Mandado de Injunção, Habeas Data. 20 a Edição atualizada por Arnoldo Wald. São Paulo: Malheiros, 1.998, p

8 participação do cidadão na vida pública, no exercício de uma função que lhe pertence primariamente. Ela dá a oportunidade de o cidadão exercer diretamente a função fiscalizadora, que, por regra, é feita por meio de seus representantes nas Casas Legislativas. Mas ela é também uma ação judicial porquanto consiste num meio de invocar a atividade jurisdicional visando a correção de nulidade de ato lesivo; (a) ao patrimônio público ou de entidade de que o Estado participe; (b) à moralidade administrativa; (c) ao meio ambiente; e (d) ao patrimônio histórico e cultural. Sua finalidade é, pois, corretiva, não propriamente preventiva, mas a lei pode dar, como deu, a possibilidade de suspensão liminar do ato impugnado para prevenir lesão. 5 Nas palavras de Gregório Assagra de Almeida: A ação popular, nos termos em que está concebida atualmente no sistema constitucional brasileiro e no sentido em que está enfocada no presente trabalho, pode ser conceituada como espécie de ação coletiva colocada à disposição do cidadão como decorrência de seu direito político de participação direta na fiscalização dos poderes públicos, para o controle jurisdicional dos atos ou omissões ilegais ou lesivos: ao erário, inclusive em relação ao patrimônio de entidade de que o Estado participe, à moralidade administrativa, ao meio ambiente, ao patrimônio histórico e cultural, sem exclusão da tutela de outros direitos com ela compatível 6 Ainda quanto ao conceito, para André Ramos Tavares: A ação popular é um instrumento de participação política no exercício do poder público, que foi conferido ao cidadão pela Constituição, o que se dá por via do Poder Judiciário, e que se circunscreve, nos termos constitucionais, à invalidação de atos ou contratos praticados pelas entidades indicadas nas normas de regência (Constituição e lei específica), que estejam maculados pelo vício da lesão ao patrimônio público, à moralidade administrativa, ao meio ambiente, ao patrimônio histórico ou cultural. 7 5 Silva, José Afonso da. Curso de direito constitucional positivo. 26 a ed. São Paulo: Malheiros, 2006, p Ob. Cit. p Ob. Cit. p

9 Trata-se assim a ação popular, de verdadeiro instrumento político, por meio do qual o cidadão pode controlar e cessar as ilegalidades cometidas pela administração pública, tendo a Carta Constitucional de 1.988, ampliado sua abrangência em relação à LAP, incluindo a moralidade administrativa e o meio ambiente como categorias autônomas tuteláveis. Em relação às outras ações coletivas que tutelam interesses difusos, como por exemplo, a ação civil pública, o elemento subjetivo é o elemento diferenciador da ação popular. A ação popular liga-se ao exercício da soberania (artigo 1 o, parágrafo único da CR/88). Nas outras ações coletivas previstas em Lei, são outros os legitimados ativos atuantes, o que pode ser verificado do artigo 82 do Código de Defesa do Consumidor, artigo 5 o da Lei da Ação Civil Pública, etc. 4. Espécies As ações populares penais não subsistem no ordenamento pátrio. Apenas o Ministério Público pode interpor a ação penal pública, consoante artigo 129, I, da CR/88; a iniciativa privada é admitida apenas em caráter extraordinário e subsidiário, consoante artigo 5 o, LIX, da CR/88. As ações populares, portanto não penais, são classificadas pela doutrina em preventivas, supletivas, subsidiárias ou corretivas. Rodolfo de Camargo Mancuso, quanto a tais espécies, citando Waldir Gomes Magalhães (A ação popular, cit., Cadernos de Direito Constitucional e Ciência Política), assim discorre em sua obra: Tomando as ações populares em sentido largo, Waldir Gomes Magalhães distingue-as em preventivas, supletivas, subsidiárias e corretivas: I preventivas destinadas a prevenir um dano público; II nas supletivas, o autor popular propõe a ação em lugar de seu titular, como se dava com a ação de effusis et deiectis do direito romano, e hoje se dá na Itália, onde qualquer cidadão pode exercer a ação correspondente à instituição de beneficência; nelas o autor popular substitui o representante da entidade pública no exercício de direito a este cabível. São elas conceituadas também como ações populares procuratórias; III subsidiárias nas quais o autor popular procede juntamente 9

10 com os órgãos da entidade, para coadjuvá-los; IV nas corretivas, o autor popular age no interesse da comunidade a que pertence, contra os administradores da entidade ou do patrimônio público, para constrangê-los à observância da lei, e para pedir ressarcimento do dano que os administradores tenham produzido à entidade administrada. Seu fim é corrigir um ato da administração. Neste contexto, o autor afirma que a ação popular brasileira deve ser colocada como corretiva, à vista de seu objeto. 8 No mesmo sentido, o professor Gregório Assagra de Almeida assim se manifesta, citando José Afonso da Silva (Ação popular constitucional): O constitucionalista brasileiro José Afonso da Silva sustenta que as ações populares preventivas seriam espécies de ações populares corretivas. Conclui esse jurista, em sua obra clássica sobre ação popular: A nossa ação popular é, portanto, civil e corretiva, e deve dar-lhe o caráter preventivo, ao menos nos casos em que a lesão possa ser irreparável, se consumada. Tem-se que no Brasil a ação popular é de tipo corretivo, mas poderá assumir caráter preventivo ou repressivo, até porque o art. 5 o, LXXIII, da CF deve ser lido em conformidade com o art. 5 o XXXV, da mesma Lei Maior, onde está estabelecido que: a lei não excluirá da apreciação do poder judiciário lesão ou ameaça a direito. 9 Revela-se evidente o caráter predominantemente corretivo das ações populares civis. Visam em última análise, corrigir uma lesão de interesses difusos, e dentro do intuito corretivo, para evitar o dano antes de consumado ou um maior dano futuro, pode existir o caráter preventivo, medida essencial em certos casos para se preservar o direito. Pode-se assim concluir, quanto às espécies de ações populares, as formas preventiva e repressiva. E é neste mesmo sentido o entendimento consagrado por Hely Lopes Meirelles ao tratar dos fins da ação popular: Em última análise, a 8 Mancuso, Rodolfo de Camargo. Ação Popular. 5 a ed. São Paulo: Editora RT, 2.003, p

11 finalidade da ação popular é a obtenção da correção nos atos administrativos ou nas atividades delegadas ou subvencionadas pelo Poder Público. 10 A finalidade preventiva da ação é ressaltada por Nelson Nery Junior e Rosa Maria de Andrade Nery, ao definirem a ação popular em sua obra, considerando a própria disposição da Lei da Ação Popular: A ação popular somente pode ser proposta por cidadão, isto é, o eleitor que se encontrar no gozo de seus direitos políticos, com o objetivo de anular ato ilegal ou ilegítimo lesivo ao patrimônio público (inclusive o meio ambiente) e conseqüente condenação dos responsáveis e beneficiários do ato em perdas e danos (LAP 11). Pode ter finalidade preventiva, quando caberá a suspensão liminar do ato impugnado (LAP 5 o 4 o ). A fim de evitar-se conluio, a lei infraconstitucional dispõe que a coisa julgada se opera secundum eventum litis, não se caracterizando se o pedido for julgado improcedente por falta ou deficiência de provas (LAP 18). No caso de improcedência da pretensão, a norma constitucional isenta o autor popular de custas e honorários de advogado, salvo se houver comprovada má-fé Natureza Jurídica Gregório Assagra de Almeida destaca a natureza jurídica dupla da ação popular. Trata-se de um direito constitucional político de participação da fiscalização direta da administração pública. E também de garantia processual constitucional de agir no exercício direto desse direito político de participação. 12 É direta a atuação do cidadão através da ação popular, como instrumento de participação política, consoante artigo 1 o, parágrafo único, da CR/88. A ação popular visa o exercício pleno da cidadania como forma de efetivação, através do poder judiciário, do Estado Democrático de Direito. A discussão doutrinária neste ponto, gira em torno da forma de participação do cidadão autor na ação popular se esta participação seria de 9 Ob. Cit. p Ob. Cit. p Nery Junior, Nelson e Nery, Rosa Maria de Andrade. Constituição Federal comentada e legislação constitucional. São Paulo: Editora RT, 2006, p Ob. Cit. p. 393 e ss. 11

12 fato direta ou apenas indireta, atuando neste caso o cidadão como mero provocador do Poder Judiciário para que este atue, que em última análise seria quem exerce a função pública no âmbito da ação popular. Gregório Assagra de Almeida afirma a respeito que (...) É a própria Lei Maior que diz em seu art. 1 o, parágrafo único, que toda a soberania emana do povo, que o exerce por intermédio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos dessa Constituição. E ação popular está consagrada no art. 5 o, LXXIII, da CF, como instrumento processual constitucional de exercício direto da soberania popular pelo cidadão-autor. 13 A questão é de fato complexa e controvertida, mas a visão mais acertada, é sem dúvida a que reconhece na ação popular uma forma direta de participação do eleitor na vida política, como instrumento de democracia direta, consoante artigo 1 o, parágrafo único da CR/88. A ação popular não pode ser interpretada fora do conceito de soberania popular, como exceção ao princípio da democracia representativa que é. O cidadão fiscaliza e também atua (diretamente) como controlador, evitando e corrigindo lesões de direito é nesse espírito que deve ser interpretada a Constituição, de forma sistêmica. Posicionam-se neste sentido, José Afonso da Silva, Gregório Assagra de Almeida, Luiz Alberto David Araújo, Vidal Serrano Nunes Júnior, Regina Maria Macedo Nery Ferrari, dentre outros. Contrariamente, André Ramos Tavares, Elival da Silva Ramos e M. Seabra Fagundes, entendem que a participação do cidadão seria apenas indireta. André Ramos Tavares, que bem enfoca a opinião de outros doutrinadores, apesar de não concordar com a participação direta do cidadãoautor, releva a importância de sua função na ação popular. Destaca quanto ao tema o seguinte: A ação popular é um dos instrumentos de participação política do cidadão na gestão governamental. Se a ação é uma forma de participação política, então se 13 Ob. Cit. P

13 pode dizer que seu exercício é também o exercício de uma garantia (ação judicial). Assim, embora tenha a natureza jurídica de ação judicial, consiste, em si mesma, numa forma de participação política do cidadão. (...) Sem sombra de dúvida se trata de uma forma de participação política. E, não obstante se tratar de uma forma de participação indireta, nem por isso poder-seá afirmar tratar-se de uma participação secundária. O direito a ser defendido, contudo, não é próprio do autor, e sim de toda a coletividade. Só pertence ao autor enquanto integrante de uma unidade maior. A lesão, portanto, não é individual. O direito individual exercido é a própria ação, que se apresenta como uma possibilidade de participação política. 14 Além disso, como mencionado, na visão de Gregório Assagra de Almeida, a ação popular trata-se também de inequívoca garantia processual constitucional de agir no exercício direto desse direito político de participação. Isso por se tratar de espécie de ação coletiva consagrada no próprio texto constitucional, norma suprema, possuindo, pois, garantia plena de efetivação segura do direito. Tal definição aplica-se também às outras ações constitucionais, como o mandado de segurança coletivo, o habeas data, etc. Como conseqüência jurídica da natureza da ação, conclui-se que pelo embasamento constitucional que possui, a ação popular não pode ter interpretação restritiva (artigo 1 o CR/88); e independe de regulamentação adicional ao texto constitucional (artigo 5 o, parágrafo 1 o da CR/88). É admitida, no tocante à ação popular, a aplicabilidade de instrumentos previstos para as tutelas jurisdicionais ordinárias, desde que compatíveis com a finalidade e desde que não prejudiquem a efetividade da tutela, citando-se, como exemplo, o artigo 461 e parágrafos do CPC (artigo 84 do CDC), quanto à execução específica 15, bem como outras regras do denominado microssistema voltado à tutela coletiva, formado pela LACP e CDC, além de outras normas. No mais, a Lei 4.717/65, deve ser interpretada de acordo com o texto constitucional, considerando como não recepcionados os dispositivos lá inseridos contrários à Carta Maior. 14 Ob. Cit. p

14 É possível assim, em uma ação popular, a conversão de pecúnia em obrigação de fazer, aplicando-se, por força do artigo 22 da Lei específica - LAP, o CPC, e com ele, a regra do artigo 461 (ou artigo 84 do CDC que é idêntico em seu conteúdo). Assim, pode o juiz, de ofício, buscando a tutela específica e o resultado prático equivalente à lesão, converter o pedido, lembrando que é coletiva a lesão inserida na ação popular constitucional, e deve ser sanada em prol de toda a comunidade envolvida e prejudicada com a ilegalidade. A conversão/troca da obrigação de pagar em obrigação de fazer ou não fazer, etc., é possível e inclusive recomendável na ação popular, como forma do dinheiro não ir para o fundo destinado à condenação, que na prática, notoriamente não funciona. 6. Objeto Afirma o constitucionalista Alexandre de Moraes que O objeto da ação popular é o combate ao ato ilegal ou imoral e lesivo ao patrimônio público, sem contudo configurar-se a ultima ratio, ou seja, não se exige esgotamento de todos os meios administrativos e jurídicos de prevenção ou repressão aos atos ilegais ou imorais e lesivos ao patrimônio público para seu ajuizamento. 16 popular é assim tratada: Já na obra de Hely Lopes Meirelles, a questão do objeto da ação Regulamentando o parágrafo constitucional que instituiu a ação popular (art. 141, 38, da CF de 1946), a Lei 4.717, de , dispôs sobre o seu objetivo e tramitação processual em todas as suas fases. Essa lei, conquanto haja alargado o âmbito da ação e desfeito dúvidas sobre seu cabimento, peca pelo excesso de casuísmo e apresenta defeitos de técnica em alguns de seus dispositivos. Advirta-se, ainda, que a norma em exame deve ser interpretada e aplicada à luz do novo texto da Constituição da República (art. 5 o, LXXIII) O que é destacado por Gregório Assagra de Almeida, ob. cit., p Moraes. Alexandre de. Direito constitucional. 19 a ed. São Paulo: Atlas, 2006, p Ob. Cit. p

15 Além do que consta na Lei da Ação Popular, deve-se acrescentar o aditivo previsto na Carta Maior de 1.988, que incluiu no objeto da ação popular a lesão à moralidade administrativa e ao meio ambiente. Há quem defenda a ampliação maior do objeto da ação popular, que deveria tutelar também as relações de consumo. Rodolfo de Camargo Mancuso explicita o seguinte entendimento em sua obra: No direito positivo brasileiro contemporâneo deve-se considerar popular a ação que, intentada por qualquer do povo (mais a condição de ser cidadão eleitor, no caso da ação popular constitucional), objetive a tutela judicial de um dos interesses metaindividuais previstos especificamente nas normas de regência, a saber: a) a moralidade administrativa, o meio ambiente, o patrimônio público lato sensu (erário e valores artísticos, estéticos históricos ou turísticos), no caso da ação popular constitucional, como resulta da conjugação dos arts. 5. o, LXXIII, da CF e 1. o, e 4 o da LAP; pensável, também, sua utilização na área do consumo, como instrumento de defesa dos interesses difusos de consumidores; b) a anulação de ato de naturalização, objeto da ação popular prevista no art. 35, 1, da Lei 818, de , embora, como a seguir se referirá, José Afonso da Silva entenda que essa lei já se encontra revogada. 18 (gn.). Baseando-se na obra de Rodolfo de Camargo Mancuso, Gregório Assagra de Almeida defende o cabimento da ação popular no tocante à tutela das relações de consumo; isso nos seguintes termos: Pode ainda ser admissível ação popular para tutelar relações de consumo, o que poderá ocorrer quando esteja em jogo prestação de serviços públicos essenciais e contínuos, a teor da conjugação do art. 5 o, LXXIII, da CF, com os arts. 6 o X, e 22 do CDC. É o que sustenta Rodolfo de Camargo Mancuso, ao afirmar que, além dos atos lesivos ao patrimônio público, ao patrimônio das entidades de que o Estado participe, à moralidade administrativa, ao meio ambiente e ao patrimônio histórico cultural, poderiam ser objeto da ação popular as relações de consumo. Mancuso interpreta o art. 1 o, caput, em sua combinação com o inciso II desse mesmo artigo da Lei 7347/85 e conclui pela admissibilidade de ação popular nas relações de consumo. Afirma esse autor que apesar de não haver previsão na 18 Mancuso, Rodolfo de Camargo. Ação Popular. 5 a ed. São Paulo: Editora RT, 2.003, p

16 Constituição Federal e na Lei da Ação Popular, a admissibilidade de ação popular na área de consumo, em face do Estado e da sociedade civil, justifica-se porque os órgãos públicos e os entes que os compõe estão incluídos no conceito legal de fornecedores, consoante se extrai dos arts. 3 o e 22 do CDC." 19 O entendimento não parece correto, considerando a disposição específica na CR/88, onde não se inclui a lesão às relações de consumo como objeto da ação popular. Em vista da interpretação do texto constitucional, não há como se ampliar o objeto, incompatível com a disposição do artigo 5 o LXXIII, ainda que o uso da ação popular para a matéria do consumidor se limitasse aos interesses difusos, consoante artigo 81, parágrafo único, I, do CDC. Nem uma interpretação sistêmica abrangente do texto da Constituição, invocando-se o princípio da dignidade humana e todos os demais princípios e direitos dele decorrentes assegurados na CR/88, notadamente nos incisos de seu artigo 5 o, ainda assim, não haveria como interpretar diferentemente a questão, sob pena de se afrontar contra a segurança jurídica do sistema. O objeto da ação popular é aquele previsto na CR/88, sem ampliações descomunais, mesmo porque, o consumidor já tem outros instrumentos de defesa, consoante se verifica do Código de Defesa do Consumidor, e também da Lei da Ação Civil Pública, diplomas recíprocos, parte integrante do microssistema voltado à tutela coletiva. Pode-se por exemplo, nos termos da Constituição, abranger o conteúdo da expressão moralidade contida no texto da Magna Carta, pois o tema é de fato genérico, englobando situações diversas; tão diversas e amplas, que chegam a coincidir com o objeto de outras leis, como é o caso da improbidade administrativa, que poderia, muito bem, enquadrar-se no gênero moralidade. Mas ampliar o objeto a ponto de se atingir o consumidor, já parece um exagero. Assim, ainda que se promova uma interpretação extensiva, considerando a integrações de diversos dispositivos e princípios, definitivamente, pelo texto constitucional vigente, não há como inserir os direitos do consumidor na esfera de abrangência da ação popular. 16

17 7. Questões processuais Algumas questões processuais que envolvem a ação popular serão aqui tratadas, as mais controvertidas e polêmicas, considerando que, conforme dito na Introdução deste estudo, não se pretende aqui, e de forma alguma, por se tratar de tema genérico por demais complexo e longo, o seu esgotamento, considerando principalmente a existência de vasta doutrina e jurisprudência existentes acerca da matéria, ressaltando ainda que a ação popular é instituto muito antigo, que data do Direito Romano. 7.1 Legitimidade ativa l A legitimidade ativa para a ação popular, consoante artigo 1 o da LAP, e artigo 5 o LXXXII da CR/88, é do cidadão. Aqui surge outra questão controvertida, pois o cidadão seria apenas o nacional em gozo dos direitos políticos? Quanto às pessoas jurídicas, estas de fato não podem interpor ação popular, o que está expresso inclusive na Súmula 365 do E. STF. Mesma sorte segue os partidos políticos, que também não tem legitimidade ativa para essa ação. Mas voltando ao cidadão, apesar da exigência do artigo 1 o, 3 o da LAP, no sentido em que seria necessário o título de eleitor para ajuizar a ação; necessária a comprovação de gozo dos direitos políticos, para ser considerado cidadão, tal dispositivo não está em harmonia com o atual texto constitucional, sendo evidente que não foi recepcionado. Pela interpretação sistêmica do texto constitucional, considerando a dignidade humana como direito fundamental, não há como se exigir que o cidadão parte legítima para ação popular seja apenas aquele que tem pleno gozo dos seus direitos políticos, isso apesar da lamentável interpretação dada pelos tribunais, como ilustra o seguinte julgado: AÇÃO POPULAR REQUISITOS CONDIÇÃO DE ELEITOR, ILEGALIDADE E LESIVIDADE Ausente um de seus pressupostos - Condição de eleitor, ilegalidade do ato e lesividade ao erário - Incabível se mostra o manejo da ação 19 Ob. Cit. p. 399/400, citando Rodolfo de Camargo Mancuso - Ação Popular. 17

18 popular. (TJSC AC Lages 3ª CDPúb. Rel. Des. Luiz Cézar Medeiros J ) Gregório Assagra de Almeida, bem enfrenta esta questão, ao consignar em sua obra o seguinte: Argumenta Mancuso que para a ação popular somente está legitimado o cidadão-eleitor; isso porque se trata de exteriorização ou apanágio do status civilitatis, que decorre plenamente de seus direitos políticos. Acredita-se, como e verá na parte final desta pesquisa, que a concepção de cidadão como sendo o cidadão-eleitor não é exigida pelo texto constitucional, que só faz menção à expressão cidadão. Observa-se que a ação popular está dentro das garantias constitucionais fundamentais (art. 5 o, LXXIII, da CF). Assim, se a Constituição não estabelece qualquer restrição à concepção de cidadão, e a ação popular é garantia constitucional fundamental, não é compatível, na espécie, qualquer interpretação restritiva, de sorte que o art. 1 o, 1 o da Lei 4.717/65, por estabelecer restrição indevida à condição de cidadão para efeitos de legitimidade para o ajuizamento de ação popular, não foi recepcionado pela Constituição Federal (art. 5 o, LXXIII). Com efeito, tem-se que a concepção de cidadão deve ser extraída de um dos mandamentos nucleares da Constituição Federal, qual seja, o princípio da dignidade da pessoa humana, estabelecido como um dos fundamentos do Estado Democrático de Direito brasileiro (art. 1 o, III, da CF). 20 Neste contexto, apesar de parte da doutrina ser contrária ao posicionamento do de Assagra de Almeida, dentre eles: Rodolfo de Camargo Mancuso, José Afonso da Silva, Michel Temer, André Ramos Tavares, Alexandre de Moraes, Nelson Nery Junior, etc., parece que sua concepção é sem dúvida a mais correta, considerando que cidadão não é apenas aquele que detém o título de eleitor, não pode ser este o contexto sistêmico da Constituição! Todos que tem dignidade devem ser considerados parte legítima para ajuizar ações populares, incluindo o analfabeto que não se alistou, os maiores de 70 anos cujo voto é facultativo, quem não cumpriu as obrigações 20 Ob. Cit. p

19 eleitorais, e até os presos. Neste contexto, mesmo aqueles com idade inferior aos 16 anos, desde que assistidos nos termos a Lei Civil, poderão interpor ações populares. E quando se tratam de questões relacionadas ao meio ambiente, considerando que o artigo 225 da CR/88 consagra que todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, a restrição ao cidadão em gozo de seus direitos políticos definitivamente cai por terra, não prevalece. Assim para a ação popular relativa ao meio ambiente, revela-se indiscutível que a concepção de cidadão não é restrita ao indivíduo nacional em gozo de seus direitos políticos, mesmo porque a Carta Maior não contem nenhum dispositivo definindo o que seria exatamente um cidadão (cidadão é...), sendo que o artigo 5 o da mesma Carta exige tratamento igual aos iguais. Esta a posição acertada defendida por Celso Antonio Fiorillo, Marcelo Abelha Rodrigues e Rosa Maria de Andrade Nery. 21 Certo é concluir que o estrangeiro residente no país tem legitimidade para propor ação popular, em todas as hipóteses previstas na CR/88, artigo 5 o LXXIII; e não somente da tutela do meio ambiente. Isso pois, o artigo 1 o, 3 o, da LAP, que exige a condição de cidadão-eleitor, claramente não foi recepcionado pela CR/88, pois ao contrário, o princípio da dignidade da pessoa humana estaria claramente afrontado. Hodiernamente, vê-se grande parte de estrangeiros engajados na preservação do meio ambiente em nosso país; e seria mesmo um absurdo não admitir sua atuação se condizente com o interesse de todos, interessada com a melhoria do meio ambiente (que é uma síntese de tudo que existe, em sua mais abrangente forma). O conceito da legitimidade do cidadão deve ser abrangente, sob pena de formalismos prejudiciais a todos, pois aqui se trata de legítimo instrumento coletivo. A limitação da atuação dos estrangeiros, principalmente daqueles bem intencionados na realização do bem comum, é de fato um contra-senso, o que demonstra, além da falta de bom senso, um excesso de formalismo, antiquado demais em um mundo globalizado e em se tratando de uma tutela coletiva, que deve preservar direitos sociais. 19

20 7.2 Natureza da legitimidade A doutrina discorre diferentemente sobre a natureza da legitimidade ativa para ação popular, opinando ora pela substituição processual como espécie de legitimidade extraordinária; ora pela legitimidade ordinária, por ser o autor da ação popular parte do todo defendido, eis que defende direito que também é seu; ora pela substituição processual (autor como legitimado extraordinário) por agir em nome próprio para defender direitos da comunidade, e isso ao mesmo tempo em que também detém legitimidade ordinária, defendendo direito próprio na qualidade de cidadão (posição eclética/mista). Grande parte da Doutrina opina por uma destas três formas de legitimidade acima abordadas, mencionando exemplificativamente a opinião do constitucionalista Alexandre de Moraes, para quem ocorre legitimação ordinária no caso, destacando a visão de Hely Lopes Merirelles, para quem ocorre substituição processual 22. Mas a correta interpretação parece não ser nenhuma das hipóteses mencionadas, e sim a classificação da natureza da legitimidade ativa em legitimidade autônoma para a condução do processo, noção acertada implementada em nosso ordenamento pelo festejado Jurista Nelson Nery Junior, com base no direito alemão, destacando-se o conhecimento trazido em texto publicado ( A ação civil pública no processo do trabalho, in Ação civil pública Lei anos, coord. Édis Milaré, p. 569.) sua obra: Neste sentido, Gregório Assagra de Almeida destaca o seguinte em O fenômeno da legitimidade ativa em torno das ações coletivas merece revisitação. Por ser a ação popular espécie de ação coletiva, tem-se que não seria razoável a aplicabilidade da disposição do art. 6 o do CPC, que trata da legitimidade ordinária e extraordinária. Esse dispositivo, como o próprio CPC, está voltado para a tutela dos conflitos de interesses interndividuais. Com efeito, prefere-se utilizar da concepção defendida, com base na doutrina alemã, por 21 In Direito processual ambiental brasileiro - citados por Gregório Assagra de Almeida, ob. cit. p Ob. Cit. p

PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual.

PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual. PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Legitimidade - art. 499 CPC: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual. Preposto é parte? Pode recorrer? NÃO.

Leia mais

ASPECTOS IMPORTANTES DA TUTELA COLETIVA A PARTIR DO CDC

ASPECTOS IMPORTANTES DA TUTELA COLETIVA A PARTIR DO CDC ASPECTOS IMPORTANTES DA TUTELA COLETIVA A PARTIR DO CDC Alessandra Fernandes Hendler 1 1 INTRODUÇÃO Com o surgimento de uma nova forma de produção, caracterizada por um sistema mecanizado e em série, e

Leia mais

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR : MIN. GILMAR MENDES REQUERENTE(S) : PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA REQUERIDO(A/S) : UNIÃO ADVOGADO(A/S) : ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO REQUERIDO(A/S) :

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo ACÓRDÃO Registro: 2012.0000122121 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 9074862-42.2007.8.26.0000, da Comarca de São José do Rio Preto, em que são apelantes PREFEITURA MUNICIPAL DE

Leia mais

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de constitucionalidade Luís Fernando de Souza Pastana 1 RESUMO: há diversas modalidades de controle de constitucionalidade previstas no direito brasileiro.

Leia mais

Remédio constitucional ou remédio jurídico, são meios postos à disposição dos indivíduos e cidadão para provocar a intervenção das autoridades

Remédio constitucional ou remédio jurídico, são meios postos à disposição dos indivíduos e cidadão para provocar a intervenção das autoridades Remédio constitucional ou remédio jurídico, são meios postos à disposição dos indivíduos e cidadão para provocar a intervenção das autoridades competentes, visando sanar ilegalidades ou abuso de poder

Leia mais

Curso Resultado. Jurisprudência ordenada por matérias e assuntos Processo Civil

Curso Resultado. Jurisprudência ordenada por matérias e assuntos Processo Civil Curso Resultado Jurisprudência ordenada por matérias e assuntos Processo Civil Atualizado em 18 de dezembro de 2015 Sumário Ação coletiva / civil pública Ação contra seguradora Ação de adjudicação compulsória

Leia mais

Honorários advocatícios

Honorários advocatícios Honorários advocatícios Os honorários advocatícios são balizados pelo Código de Processo Civil brasileiro (Lei de n. 5.869/73) em seu artigo 20, que assim dispõe: Art. 20. A sentença condenará o vencido

Leia mais

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA DIREITO ADMINISTRATIVO Estado, governo e administração pública: conceitos, elementos, poderes e organização; natureza, fins e princípios. Direito Administrativo: conceito, fontes e princípios. Organização

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO Atualizado até 13/10/2015 RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO NOÇÕES INTRODUTÓRIAS Quando se fala em responsabilidade, quer-se dizer que alguém deverá

Leia mais

Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros

Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros Os direitos fundamentais previstos na Constituição brasileira de 1988 são igualmente garantidos aos brasileiros e aos

Leia mais

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL Faculdade do Vale do Ipojuca - FAVIP Bacharelado em Direito Autorizado pela Portaria nº 4.018 de 23.12.2003 publicada no D.O.U. no dia 24.12.2003 Curso reconhecido pela Portaria Normativa do MEC nº 40,

Leia mais

Marcas de Alto Renome: Novas Regras nos Tribunais

Marcas de Alto Renome: Novas Regras nos Tribunais Painel 13 Marcas de Alto Renome: Novas Regras nos Tribunais Márcia Maria Nunes de Barros Juíza Federal Notoriedade Código de Propriedade Industrial de 1971 (art.67): marca notória, com registro próprio,

Leia mais

Ementas legitimidade MP

Ementas legitimidade MP s legitimidade MP Processo REsp 701708 / RS ; RECURSO ESPECIAL 2004/0161474-4 Relator(a) Ministro FRANCISCO FALCÃO (1116) Data do Julgamento 14/02/2006 Data da Publicação/Fonte DJ 06.03.2006 p. 195. PROCESSUAL

Leia mais

ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO. Liberdade de profissão

ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO. Liberdade de profissão ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO Liberdade de profissão Preparado por Carolina Cutrupi Ferreira (Escola de Formação, 2007) MATERIAL DE LEITURA PRÉVIA: 1) Opinião Consultiva n. 5/85 da Corte Interamericana

Leia mais

NOTA TÉCNICA JURÍDICA

NOTA TÉCNICA JURÍDICA 1 NOTA TÉCNICA JURÍDICA Obrigatoriedade de dispensa motivada. Decisão STF RE 589998 Repercussão geral. Aplicação para as sociedades de economia mista e empresas Públicas. Caso do BANCO DO BRASIL e CAIXA

Leia mais

CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO Rafael Carvalho Rezende Oliveira 2ª para 3ª edição

CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO Rafael Carvalho Rezende Oliveira 2ª para 3ª edição A 3ª edição do livro CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO foi atualizada com o texto do PL de novo CPC enviado pelo Congresso Nacional à sanção presidencial em 24.02.2015. Em razão da renumeração dos artigos

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Tutela antecipada e suspensão da exigibildade do crédito tributário Eduardo Munhoz da Cunha* Sumário:1. Introdução. 2. A possibilidade de concessão de tutela antecipada contra a

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro.

Excelentíssimo Senhor Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. Excelentíssimo Senhor Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro., vem, auxiliado pela Amaerj Associação dos Magistrados do Estado do Rio de Janeiro, com fulcro na jurisprudência e legislação

Leia mais

PLANO DE CURSO DIREITO PROCESSUAL CIVIL BRASILEIRO: DIREITO PROCESSUAL COLETIVO

PLANO DE CURSO DIREITO PROCESSUAL CIVIL BRASILEIRO: DIREITO PROCESSUAL COLETIVO PLANO DE CURSO DIREITO PROCESSUAL CIVIL BRASILEIRO: DIREITO PROCESSUAL COLETIVO MARCELO ZENKNER Professor da Faculdade de Direito de Vitória, Espírito Santo, Brasil UNIDADES CONTEÚDOS OBJETIVOS TÉCNICA

Leia mais

2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2. Prof. Darlan Barroso - GABARITO

2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2. Prof. Darlan Barroso - GABARITO Citação 2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2 Prof. Darlan Barroso - GABARITO 1) Quais as diferenças na elaboração da petição inicial do rito sumário e do rito ordinário? Ordinário Réu

Leia mais

PETIÇÃO INICIAL (CPC 282)

PETIÇÃO INICIAL (CPC 282) 1 PETIÇÃO INICIAL (CPC 282) 1. Requisitos do 282 do CPC 1.1. Endereçamento (inciso I): Ligado a competência, ou seja, é imprescindível que se conheça as normas constitucionais de distribuição de competência,

Leia mais

Ambos os recursos de estrito direito têm a sua causa de pedir prevista na Constituição Federal

Ambos os recursos de estrito direito têm a sua causa de pedir prevista na Constituição Federal Interposição: perante o órgão prolator da decisão Recurso Especial Nomenclatura: REsp Competência: Superior Tribunal de Justiça STJ Prazo para interposição 15 dias; Recurso Extraordinário Nomenclatura:

Leia mais

OS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E A DEFESA DOS INTERESSES DA UNIÃO

OS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E A DEFESA DOS INTERESSES DA UNIÃO OS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E A DEFESA DOS INTERESSES DA UNIÃO Artigo jurídico apresentado por MARCELO THIMOTI DA SILVA, professor, especialista em Direito Administrativo, Constitucional

Leia mais

MANUAL DOS PRAZOS PROCESSUAIS: A CONTAGEM DOS PRAZOS NO NOVO CPC 1. MUDANÇAS GERAIS APLICÁVEIS A TODOS OS PRAZOS PROCESSUAIS:

MANUAL DOS PRAZOS PROCESSUAIS: A CONTAGEM DOS PRAZOS NO NOVO CPC 1. MUDANÇAS GERAIS APLICÁVEIS A TODOS OS PRAZOS PROCESSUAIS: MANUAL DOS PRAZOS PROCESSUAIS: A CONTAGEM DOS PRAZOS NO NOVO CPC 1. MUDANÇAS GERAIS APLICÁVEIS A TODOS OS PRAZOS PROCESSUAIS: Mudança no modo de contagem dos prazos: A partir do novo CPC, os prazos processuais

Leia mais

Luiz Eduardo de Almeida

Luiz Eduardo de Almeida Luiz Eduardo de Almeida Apresentação elaborada para o curso de atualização do Instituo Brasileiro de Direito Tributário IBDT Maio de 2011 Atividade da Administração Pública: ato administrativo Em regra

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO - 4ª REGIÃO RIO GRANDE DO SUL Fl. 1. 22ª Vara do Trabalho de Porto Alegre

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO - 4ª REGIÃO RIO GRANDE DO SUL Fl. 1. 22ª Vara do Trabalho de Porto Alegre Fl. 1 Autor: Ministério Público do Trabalho Réu: Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Rio Grande do Sul VISTOS, ETC. Ministério Público do Trabalho ajuíza ação trabalhista contra Sindicato

Leia mais

Nº 4139/2014 PGR - RJMB

Nº 4139/2014 PGR - RJMB Nº 4139/2014 PGR - RJMB Físico Relator: Ministro Celso de Mello Recorrente: Ministério Público do Trabalho Recorrida: S. A. O Estado de São Paulo RECURSO EXTRAORDINÁRIO. COMPETÊNCIA DA JUS- TIÇA DO TRABALHO.

Leia mais

SEMINÁRIO - O PODER JUDICIÁRIO E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL ENUNCIADOS APROVADOS

SEMINÁRIO - O PODER JUDICIÁRIO E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL ENUNCIADOS APROVADOS 1) Entende-se por fundamento referido no art. 10 do CPC/2015 o substrato fático que orienta o pedido, e não o enquadramento jurídico atribuído pelas partes. 2) Não ofende a regra do contraditório do art.

Leia mais

Comentário a Acórdão do Supremo Tribunal Federal sobre o princípio da Inafastabilidade da Prestação Jurisdicional

Comentário a Acórdão do Supremo Tribunal Federal sobre o princípio da Inafastabilidade da Prestação Jurisdicional Comentário a Acórdão do Supremo Tribunal Federal sobre o princípio da Inafastabilidade da Prestação Jurisdicional Universidade de Brasília Disciplina: Teoria Geral do Processo II Professor: Dr. Vallisney

Leia mais

Prof. Cristiano Lopes

Prof. Cristiano Lopes Prof. Cristiano Lopes CONCEITO: É o procedimento de verificar se uma lei ou ato normativo (norma infraconstitucional) está formalmente e materialmente de acordo com a Constituição. Controlar significa

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso.

AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso. AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso. Por que se diz instrumento: a razão pela qual o recurso se chama agravo de

Leia mais

Ações Possessórias. Grace Mussalem Calil 1 INTRODUÇÃO

Ações Possessórias. Grace Mussalem Calil 1 INTRODUÇÃO Ações Possessórias 131 INTRODUÇÃO Conceito: Grace Mussalem Calil 1 Há duas principais teorias sobre a posse: a Subjetiva de Savigny e a Objetiva de Ihering. Para Savigny, a posse é o poder físico sobre

Leia mais

IV - APELAÇÃO / REEXAME NECESSÁRIO 2012.50.01.001991-0

IV - APELAÇÃO / REEXAME NECESSÁRIO 2012.50.01.001991-0 Nº CNJ : 0001991-31.2012.4.02.5001 RELATORA : JUÍZA FEDERAL CONVOCADA CARMEN SILVIA LIMA DE ARRUDA APELANTE : ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL - ESPÍRITO SANTO ADVOGADOS : LUIS ROBERTO BARROSO E OUTROS APELADO

Leia mais

PERDA E SUSPENSÃO DE DIREITOS POLÍTICOS. Atualizado em 31/03/2008

PERDA E SUSPENSÃO DE DIREITOS POLÍTICOS. Atualizado em 31/03/2008 PERDA E SUSPENSÃO DE DIREITOS POLÍTICOS. Atualizado em 31/03/2008 Otávio Piva Nos termos do art. 15, a Constituição da República veda a cassação de direitos políticos, expondo em seus incisos as formas

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL

PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL \d \w1215 \h1110 FINCLUDEPICTURE "brasoes\\15.bmp" MERGEFORMAT PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL Processo n. 001.08.020297-8 Ação: Ação Civil Pública Autor: Ministério

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DESEMBARGADOR RAIMUNDO NONATO SILVA SANTOS

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DESEMBARGADOR RAIMUNDO NONATO SILVA SANTOS fls. 122 Processo: 0135890-46.2012.8.06.0001 - Apelação Apelante: Sindicato dos Guardas Municipais da Região Metrolitana de Fortaleza - SINDIGUARDAS Apelado: Município de Fortaleza Vistos etc. DECISÃO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. O julgamento teve a participação dos Desembargadores ANTÔNIO CARLOS MALHEIROS (Presidente) e LEONEL COSTA.

PODER JUDICIÁRIO. O julgamento teve a participação dos Desembargadores ANTÔNIO CARLOS MALHEIROS (Presidente) e LEONEL COSTA. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N í um! mil mu um mu um um mu m m *03417005* Vistos, relatados e discutidos estes

Leia mais

Com a citada modificação, o artigo 544, do CPC, passa a vigorar com a seguinte redação:

Com a citada modificação, o artigo 544, do CPC, passa a vigorar com a seguinte redação: O NOVO AGRAVO CONTRA DESPACHO DENEGATÓRIO DE RECURSO EXTRAORDINÁRIO E ESPECIAL 2011-06-15 Alexandre Poletti A Lei nº 12.322/2010, que alterou os artigos 544 e 545 do CPC, acabou com o tão conhecido e utilizado

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Estado KWY editou norma determinando a gratuidade dos estacionamentos privados vinculados a estabelecimentos comerciais, como supermercados, hipermercados, shopping

Leia mais

O empregado caminhando na empresa, cai e se machuca vai pedir uma indenização na justiça do trabalho. (empregado x empregador);

O empregado caminhando na empresa, cai e se machuca vai pedir uma indenização na justiça do trabalho. (empregado x empregador); Turma e Ano: Flex B (2014) Matéria / Aula: Processo do Trabalho / Aula 04 Professor: Leandro Antunes Conteúdo: Procedimento Sumário, Procedimento Sumaríssimo. A competência para julgar acidente de trabalho:

Leia mais

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado Conceito Responsabilidade Civil do Estado é a obrigação que ele tem de reparar os danos causados a terceiros em face de comportamento imputável aos seus agentes. chama-se também de responsabilidade extracontratual

Leia mais

Resumo. Sentença Declaratória pode ser executada quando houver o reconhecimento de uma obrigação.

Resumo. Sentença Declaratória pode ser executada quando houver o reconhecimento de uma obrigação. 1. Execução Resumo A Lei 11.232/05 colocou fim à autonomia do Processo de Execução dos Títulos Judiciais, adotando o processo sincrético (a fusão dos processos de conhecimento e executivo a fim de trazer

Leia mais

TRATADOS INTERNACIONAIS E SUA INCORPORAÇÃO NO ORDENAMENTO JURÍDICO 1. DIREITOS FUNDAMENTAIS E TRATADOS INTERNACIONAIS

TRATADOS INTERNACIONAIS E SUA INCORPORAÇÃO NO ORDENAMENTO JURÍDICO 1. DIREITOS FUNDAMENTAIS E TRATADOS INTERNACIONAIS Autora: Idinéia Perez Bonafina Escrito em maio/2015 TRATADOS INTERNACIONAIS E SUA INCORPORAÇÃO NO ORDENAMENTO JURÍDICO 1. DIREITOS FUNDAMENTAIS E TRATADOS INTERNACIONAIS Nas relações internacionais do

Leia mais

A LEI 9.656/98 E O CDC

A LEI 9.656/98 E O CDC A LEI 9.656/98 E O CDC Daniela Maria Paludo 1 A Lei 9656/98 foi elaborada a partir de inúmeras discussões entre entidades de defesa do consumidor, representantes dos planos de seguro saúde, corporações

Leia mais

CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO

CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO CONCEITO DE CONTROLE CONTROLE, EM TEMA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, É A FACULDADE DE VIGILÂNCIA, ORIENTAÇÃO E CORREÇÃO QUE UM PODER, ÓRGÃO OU AUTORIDADE EXERCE SOBRE A CONDUTA FUNCIONAL

Leia mais

EMBARGOS DECLARATÓRIOS - EDCL.

EMBARGOS DECLARATÓRIOS - EDCL. 1. Conceito EMBARGOS DECLARATÓRIOS - EDCL. Os embargos de declaração ou embargos declaratórios, doravante denominados EDcl., visam aperfeiçoar as decisões judiciais, propiciando uma tutela jurisdicional

Leia mais

Na prática, não há distinção entre objeção substancial e processual.

Na prática, não há distinção entre objeção substancial e processual. Turma e Ano: Direito Público I (2013) Matéria / Aula: Processo Civil / Aula 22 Professor: Edward Carlyle Monitora: Carolina Meireles (continuação) Exceções No Direito Romano, exceção era no sentido amplo

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO

TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO O presente estudo tem o intuito de analisar e diferenciar brevemente os institutos da cessão de uso, concessão de uso e concessão de direito real de

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em 2003, João ingressou como sócio da sociedade D Ltda. Como já trabalhava em outro local, João preferiu não participar da administração da sociedade. Em janeiro

Leia mais

37. Garantias do preso (Art. 104 GG)

37. Garantias do preso (Art. 104 GG) 37. Garantias do preso (Art. 104 GG) GRUNDGESETZ Art. 104 (Garantias do preso) 1 (1) A liberdade da pessoa só pode ser cerceada com base em uma lei formal e tão somente com a observância das formas nela

Leia mais

Limitações na ação de consignação em pagamento. Sumário: 1 Conceito. 2 Sua disciplina legal. 3 Limites da ação em consignação em pagamento.

Limitações na ação de consignação em pagamento. Sumário: 1 Conceito. 2 Sua disciplina legal. 3 Limites da ação em consignação em pagamento. Limitações na ação de consignação em pagamento Kiyoshi Harada* Sumário: 1 Conceito. 2 Sua disciplina legal. 3 Limites da ação em consignação em pagamento. 1 Conceito O que significa consignação em pagamento?

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 716.939- RN(2005/0005605-5) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN RECORRENTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL RECORRIDO : SIBRA EMPREENDIMENTOS S/A ADVOGADO : RAULINO SALES SOBRINHO E OUTRO

Leia mais

PROVA ORAL PONTO I DISCIPLINA: DIREITO CONSTITUCIONAL QUESTÃO 1

PROVA ORAL PONTO I DISCIPLINA: DIREITO CONSTITUCIONAL QUESTÃO 1 DISCIPLINA: DIREITO CONSTITUCIONAL QUESTÃO 1 Identifique as três fases básicas do processo legislativo ordinário ou comum, explicitando as diversas etapas em que se desdobram e o significado de cada uma

Leia mais

Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso

Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso A respeito da idade de ingresso das crianças, no ensino fundamental de 9 anos de duração, ocorreram acaloradas discussões na esfera educacional

Leia mais

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO PARTE A ADV/PROC PARTE R REPTE ORIGEM RELATOR : JORGEVALDO ROBINSTON DE MOURA : FÁBIO CORREA RIBEIRO E OUTROS : INSS INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL : PROCURADORIA REPRESENTANTE DA ENTIDADE : JUÍZO

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C JUIZADO ESPECIAL (PROCESSO ELETRÔNICO) Nº201070510020004/PR RELATORA : Juíza Andréia Castro Dias RECORRENTE : LAURO GOMES GARCIA RECORRIDO : UNIÃO FAZENDA NACIONAL V O T O Dispensado o relatório, nos termos

Leia mais

DA INCONSTITUCIONALIDADE DA PRISÃO DO DEPOSITÁRIO INFIEL

DA INCONSTITUCIONALIDADE DA PRISÃO DO DEPOSITÁRIO INFIEL 1 DA INCONSTITUCIONALIDADE DA PRISÃO DO DEPOSITÁRIO INFIEL Edson Ribeiro De acordo com a Convenção de Viena (1969), os tratados internacionais são acordos internacionais firmados entre Estados, na forma

Leia mais

Súmulas em matéria penal e processual penal.

Súmulas em matéria penal e processual penal. Vinculantes (penal e processual penal): Súmula Vinculante 5 A falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar não ofende a Constituição. Súmula Vinculante 9 O disposto no artigo

Leia mais

AGRAVO Nº 831. JOÃO DOMINGOS KUSTER PUPPI RELATORA DESIGNADA : JUÍZA SUBST. 2º G. DENISE KRÜGER PEREIRA

AGRAVO Nº 831. JOÃO DOMINGOS KUSTER PUPPI RELATORA DESIGNADA : JUÍZA SUBST. 2º G. DENISE KRÜGER PEREIRA AGRAVO Nº 831.160-0/01, DE MEDIANEIRA - VARA CÍVEL E ANEXOS AGRAVANTE : COMPANHIA EXCELSIOR DE SEGUROS AGRAVADOS : DORIVAL ASSIS DE SOUZA E OUTROS RELATOR ORIGINÁRIO : DES. JOÃO DOMINGOS KUSTER PUPPI RELATORA

Leia mais

Nº 2324/2014 - ASJTC/SAJ/PGR

Nº 2324/2014 - ASJTC/SAJ/PGR Nº 2324/2014 - ASJTC/SAJ/PGR Suspensão de Liminar nº 764/AM Relator: Ministro Presidente Requerente: Estado do Amazonas Requerido: Tribunal de Justiça do Estado do Amazonas Interessado: Ministério Público

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Com fundamento na recente Lei n. 1.234, do Estado Y, que exclui as entidades de direito privado da Administração Pública do dever de licitar, o banco X (empresa pública

Leia mais

Curso Preparatório para o Concurso Público do TRT 12. Noções de Direito Processual Civil Aula 1 Prof. Esp Daniel Teske Corrêa

Curso Preparatório para o Concurso Público do TRT 12. Noções de Direito Processual Civil Aula 1 Prof. Esp Daniel Teske Corrêa Curso Preparatório para o Concurso Público do TRT 12 Noções de Direito Processual Civil Aula 1 Prof. Esp Daniel Teske Corrêa Sumário Jurisdição Competência Ação Partes, Ministério Público e Intervenção

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes) PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes) Acrescenta parágrafo único ao art. 23 da Lei nº 8.906, de 04 de Julho de 1994, que dispõe sobre o Estatuto da Advocacia e a Ordem dos Advogados do Brasil

Leia mais

Direito Constitucional Dra. Vânia Hack de Ameida

Direito Constitucional Dra. Vânia Hack de Ameida 1 Controle da Constitucionalidade 1. Sobre o sistema brasileiro de controle de constitucionalidade, é correto afirmar que: a) compete a qualquer juiz ou tribunal, no primeiro caso desde que inexista pronunciamento

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N ACÓRDÃO I MUI mil mu mu uni um um imi mi 111 *03043864* Vistos, relatados e discutidos

Leia mais

A legitimidade da CNseg

A legitimidade da CNseg 18 A legitimidade da CNseg Para provocar o controle abstrato de constitucionalidade pelo Supremo Tribunal Federal FELIPE MONNERAT 19 A Constituição Federal de 1988 prevê mecanismos de controle da compatibilidade

Leia mais

E O IUS POSTULANDI NA JUSTIÇA DO TRABALHO, AINDA EXISTE???

E O IUS POSTULANDI NA JUSTIÇA DO TRABALHO, AINDA EXISTE??? E O IUS POSTULANDI NA JUSTIÇA DO TRABALHO, AINDA EXISTE??? Esta é uma antiga discussão que, até a presente data, perdura em hostes trabalhistas. Existe o ius postulandi na Justiça do Trabalho? A Carta

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997 Dispõe sobre a regulamentação da profissão de Psicopedagogo, cria o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Psicopedagogia

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito tributário

Maratona Fiscal ISS Direito tributário Maratona Fiscal ISS Direito tributário 1. São tributos de competência municipal: (A) imposto sobre a transmissão causa mortis de bens imóveis, imposto sobre a prestação de serviço de comunicação e imposto

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 37ª Câmara de Direito Privado

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 37ª Câmara de Direito Privado ACÓRDÃO Registro: 2014.0000726618 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 1007380-59.2014.8.26.0554, da Comarca de Santo André, em que é apelante JOSÉ RIBEIRO, é apelado KOPLENO PRODUTOS

Leia mais

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL Vinícius Paulo Mesquita 1) Notas Introdutórias Com a promulgação da E.C. 66/10, a chamada PEC do Divórcio, a doutrina pátria passou a sustentar em sua grande

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça EDcl no MANDADO DE SEGURANÇA Nº 13.873 - DF (2008/0219759-2) RELATOR EMBARGANTE ADVOGADA EMBARGADO PROCURADOR : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES : INSTITUTO NOSSA SENHORA DO CARMO : PRISCILLA TRUGILLO MONELLO

Leia mais

PROVIMENTO nº 09/2007-CGJ

PROVIMENTO nº 09/2007-CGJ PROVIMENTO nº 09/2007-CGJ Dispõe sobre a nomeação de defensor dativo nas Comarcas onde não exista Defensoria Pública e dá outras providências atribuições legais, O CORREGEDOR-GERAL DA JUSTIÇA, no uso de

Leia mais

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO José Afonso da Silva 1. A controvérsia 1. A condenação, pelo Supremo Tribunal Federal, na Ação Penal 470, de alguns deputados federais tem suscitado dúvidas relativamente

Leia mais

Direito Constitucional Peças e Práticas

Direito Constitucional Peças e Práticas PETIÇÃO INICIAL RECLAMAÇÃO CONSTITUCIONAL ASPECTOS JURÍDICOS E PROCESSUAIS DA RECLAMAÇÃO Trata-se de verdadeira AÇÃO CONSTITUCIONAL, a despeito da jurisprudência do STF a classificar como direito de petição

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Partido Político "Z", que possui apenas três representantes na Câmara dos Deputados, por entender presente a violação de regras da CRFB, o procura para que, na

Leia mais

RELATÓRIO. Apelação Cível nº 1250429-5 fl. 2

RELATÓRIO. Apelação Cível nº 1250429-5 fl. 2 APELAÇÃO CÍVEL Nº 1250429-5, DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE LONDRINA 2ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA, FALÊNCIAS E RECUPERAÇÃO JUDICIAL. Apelante 1: MARIA NASCIMENTO DE GOUVEIA E OUTROS

Leia mais

Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional R-1870/11 (A6)

Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional R-1870/11 (A6) Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional R-1870/11 (A6) O Provedor de Justiça, no uso da competência prevista no artigo 281.º, n.º 2, alínea d), da Constituição da República Portuguesa,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.255.823 - PB (2011/0129469-7) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN RECORRENTE : FAZENDA NACIONAL PROCURADOR : PROCURADORIA-GERAL DA FAZENDA NACIONAL RECORRIDO : DESTILARIA MIRIRI S/A

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA RURAL INCONSTITUCIONALIDADE DECLARADA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO RE Nº 363.852/MG.

CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA RURAL INCONSTITUCIONALIDADE DECLARADA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO RE Nº 363.852/MG. CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA RURAL INCONSTITUCIONALIDADE DECLARADA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO RE Nº 363.852/MG. Como amplamente noticiado nestes últimos dias, o Supremo Tribunal Federal, em decisão

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em ação de indenização, em que determinada empresa fora condenada a pagar danos materiais e morais a Tício Romano, o Juiz, na fase de cumprimento de sentença, autorizou

Leia mais

IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS

IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS Ives Gandra da Silva Martins Marilene Talarico Martins Rodrigues SUMÁRIO: Considerações Iniciais. Imunidades como Limitação ao Poder de Tributar. Imunidade das Instituições - Educacionais

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS

DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS Atualizado em 03/11/2015 4. Competência Material Ratione Materiae: Divide-se em competência da Justiça Estadual, Federal, Eleitoral e Militar (não falamos da Justiça

Leia mais

GUARDA MUNICIPAL E SEGURANÇA PÚBLICA

GUARDA MUNICIPAL E SEGURANÇA PÚBLICA GUARDA MUNICIPAL E SEGURANÇA PÚBLICA Aristides Medeiros ADVOGADO Consoante estabelecido no art. 144, caput, da Constituição Federal, os órgãos incumbidos da segurança pública, isto é, da segurança geral,

Leia mais

* por Bruno Barata Magalhães (advogado)

* por Bruno Barata Magalhães (advogado) * por Bruno Barata Magalhães (advogado) A efetivação de servidores sem concurso público e o Recurso em Mandado de Segurança nº 25.652-PB O poderoso precedente inaugurado pelo Superior Tribunal de Justiça

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUTIVO, MOVIMENTOS SOCIAIS E POLÍTICAS PÚBLICAS

MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUTIVO, MOVIMENTOS SOCIAIS E POLÍTICAS PÚBLICAS MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUTIVO, MOVIMENTOS SOCIAIS E POLÍTICAS PÚBLICAS Área: CÍVEL E ESPECIALIZADAS Autoras: Bettina Estanislau Guedes Maria Ivana Botelho Vieira da Silva I. INTRODUÇÃO Nunca é demais relembrar

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL PROCESSO N. : 14751-89.2012.4.01.3400 AÇÃO ORDINÁRIA/SERVIÇOS PÚBLICOS CLASSE 1300 AUTOR (A): ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS ESPECIALISTAS EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL RÉ: UNIÃO SENTENÇA TIPO

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Origem: PRT da 4ª Região Órgão Oficiante: Dr. Roberto Portela Mildner Interessado 1: Sindicato dos Bancários de Porto Alegre e Região. Interessado 2: Banco Bradesco S/A. Assuntos: Meio ambiente do trabalho

Leia mais

2 A COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA DO TRABALHO

2 A COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA DO TRABALHO 121 EXECUÇÃO FISCAL. QUESTÕES RELEVANTES SOBRE AS AÇÕES RELATIVAS ÀS PENALIDADES ADMINISTRATIVAS IMPOSTAS AOS EMPREGADORES PELOS ÓRGÃOS DE FISCALIZAÇÃO DO MINISTÉRIO DO TRABALHO SUMÁRIO Lucilde D Ajuda

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATÓRIO O EXMO. SR. MINISTRO RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA (Relator): Trata-se de recurso especial interposto contra acórdão proferido pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo assim ementado: "Exceção

Leia mais

RELATÓRIO. O Sr. Des. Fed. FRANCISCO WILDO (Relator):

RELATÓRIO. O Sr. Des. Fed. FRANCISCO WILDO (Relator): APELAÇÃO CÍVEL Nº 511146/AL (0002840-14.2010.4.05.8000) APTE : CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS DA 6ª REGIÃO (AL/PE/PB/RN/CE/PI/MA) ADV/PROC : ALINE JANISZEWSKI LINS APDO : SHBRS/AL - SINDICATO DOS

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Você foi procurado pelo Banco Dinheiro Bom S/A, em razão de ação trabalhista nº XX, distribuída para a 99ª VT de Belém/PA, ajuizada pela ex-funcionária Paula, que

Leia mais

A RESPONSABILIDADE OBJETIVA NO NOVO CÓDIGO CIVIL

A RESPONSABILIDADE OBJETIVA NO NOVO CÓDIGO CIVIL A RESPONSABILIDADE OBJETIVA NO NOVO CÓDIGO CIVIL SÍLVIO DE SALVO VENOSA 1 Para a caracterização do dever de indenizar devem estar presentes os requisitos clássicos: ação ou omissão voluntária, relação

Leia mais

P.A. (MPF) n 1.16.000.000924/2006-94

P.A. (MPF) n 1.16.000.000924/2006-94 EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA ª VARA DA JUSTIÇA FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL P.A. (MPF) n 1.16.000.000924/2006-94 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, por intermédio da Procuradora

Leia mais

RESPONSABILIDADE DO SERVIDOR E DEVERES DO ADMINISTRADOR

RESPONSABILIDADE DO SERVIDOR E DEVERES DO ADMINISTRADOR RESPONSABILIDADE DO SERVIDOR E DEVERES DO ADMINISTRADOR A punição administrativa ou disciplinar não depende de processo civil ou criminal a que se sujeite também o servidor pela mesma falta, nem obriga

Leia mais

Espelho Civil Peça Item Pontuação Fatos fundamentos jurídicos Fundamentos legais

Espelho Civil Peça Item Pontuação Fatos fundamentos jurídicos Fundamentos legais Espelho Civil Peça A peça cabível é PETIÇÃO INICIAL DE ALIMENTOS com pedido de fixação initio litis de ALIMENTOS PROVISÓRIOS. A fonte legal a ser utilizada é a Lei 5.478/68. A competência será o domicílio

Leia mais

1) (OAB137) José alienou a Antônio um veículo anteriormente adquirido de Francisco. Logo depois, Antônio foi citado em ação proposta por Petrônio, na

1) (OAB137) José alienou a Antônio um veículo anteriormente adquirido de Francisco. Logo depois, Antônio foi citado em ação proposta por Petrônio, na 1) (OAB137) José alienou a Antônio um veículo anteriormente adquirido de Francisco. Logo depois, Antônio foi citado em ação proposta por Petrônio, na qual este reivindicava a propriedade do veículo adquirido

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO PROCESSO PGT/CCR/PP/Nº 3676/2013 ORIGEM: PTM DE SANTA MARIA - PRT 4ª REGIÃO PROCURADORA OFICIANTE: DRA. BRUNA IENSEN DESCONZI INTERESSADO 1: ADVOCACIA GERAL DA UNIÃO INTERESSADO 2: SINDICATO DOS TRABALHADORES

Leia mais