Ana Stela Vieira Mendes. Princípios e diretrizes da ordem ambiental econômica no Estado de Direito Ambiental brasileiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ana Stela Vieira Mendes. Princípios e diretrizes da ordem ambiental econômica no Estado de Direito Ambiental brasileiro"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE DIREITO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO CURSO DE MESTRADO EM DIREITO ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM ORDEM JURÍDICA CONSTITUCIONAL Ana Stela Vieira Mendes Princípios e diretrizes da ordem ambiental econômica no Estado de Direito Ambiental brasileiro Fortaleza 2010

2 Ana Stela Vieira Mendes Princípios e diretrizes da ordem ambiental econômica no Estado de Direito Ambiental brasileiro Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Direito da Universidade Federal do Ceará, como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre em Direito. Orientador: Prof. Dr. João Luis Nogueira Matias Fortaleza 2010

3 Princípios e diretrizes da ordem ambiental econômica no Estado de Direito Ambiental brasileiro Aprovada em: 17/08/2010 BANCA EXAMINADORA Prof. Dr. João Luis Nogueira Matias (Orientador) Universidade Federal do Ceará Profª Dra. Denise Lucena Cavalcante Universidade Federal do Ceará Prof. Dr. Rogério Silva Portanova Universidade Federal de Santa Catarina

4 Aos meus pais, ao meu noivo Thiago e aos filhos dos filhos dos nossos filhos que virão.

5 AGRADECIMENTOS Ao Grande Deus, que pela sua bondade me deu a vida e as condições espirituais e materiais necessárias para a realização deste trabalho. À minha mãe, Irisdalva, meu maior amparo e suporte, minha incentivadora, minha fortaleza, co-responsável por todas as vitórias que eu alcancei até hoje. Ao meu pai, Caio, por se fazer presente mesmo quando ausente, que com o seu apoio e a sua palavra amiga tem me trazido conforto para suportar a distância. Ao meu noivo, Thiago, por tudo que tem me ensinado a respeito do amor. Aos meus irmãos, Dimas Filho, Camila e Caio César, por lembrarem a alegria e a doçura da vida e a esperança em dias melhores. Aos meus tios e tias, avós, primas e primos, gente espalhada por este Brasil, sempre tão querida e tão amada, que me deixa tanta saudade. Às famílias Câmara e Loureiro, que também são minha família. À Universidade Federal do Ceará, instituição que vem me proporcionando, desde a graduação, uma formação em ensino, pesquisa e extensão gratuita e de qualidade, comprometida com a sociedade. Ao Prof. Dr. João Luis Nogueira Matias, que mais que um orientador, foi um amigo, que me proporcionou aprendizagem e amadurecimento sobre muitas coisas durante esses dois anos. Ao Prof. Henrique Botelho Frota, meu orientador da graduação e amigo sempre disponível, que me sugeriu que eu trabalhasse com o ICMS Ecológico. Sem ele, este trabalho não teria sido possível. Ao Prof. Dr. Rogério Portanova, pelas conversas que trouxeram tantas reflexões, por tantos livros emprestados e pela receptividade calorosa nas frias estadias catarinenses. À Professora Dra. Denise Lucena Cavalcante, pela oportunidade de ter sido sua estagiária de docência, pelo aprendizado no grupo de Tributação Ambiental e também por aceitar, juntamente com o Professor Rogério, o convite para compor a banca examinadora dessa dissertação de Mestrado. Ao Prof. Dr. Rui Verlaine, pelos livros emprestados, pelas vezes que

6 me recebeu em sua casa, demonstrando dedicação e total disponibilidade. Ao Prof. Ricardo Ávila, pelo valioso auxílio na formatação da versão final deste trabalho. Ao Projeto Casadinho UFC-UFSC, que tanto vem contribuindo para o avanço dos estudos jurídicos sobre propriedade e meio ambiente e com a formação acadêmica de tantos alunos de graduação e pós-graduação. Ao CNPq, à CAPES e à FUNCAP, pelo apoio financeiro. À Marilene, querida Maris, pelo atendimento sempre solícito e afetuoso, pelo apoio e a palavra amiga de que tudo dará certo!. Aos colegas de mestrado da turma de 2008, com quem vivenciei tantos momentos bons, com quem aprendi tantas coisas. Em especial a André, Juliana, Daniel, Nilo, Péricles e Renato, pela maior proximidade; aos colegas da turma de 2007, em especial Germana Belchior e Davi Peixoto; aos colegas da turma de 2009, especialmente Luciana, Priscylla, Gustavo, Bruno, Vinícius, David Barbosa, Carlos Henrique e Carla Sofia. Ao Rodrigão e ao Homero, da turma de Ao Jothe e ao Osmildo, pelas conversas bem humoradas. Ao NAJUC Núcleo de Assessoria Jurídica Comunitária e ao CA de Todos, porque os sonhos não envelhecem! Pela alegria que me deram de ver de volta os cartazes na parede do CA. Aos meus alunos e ex-alunos, da Universidade Federal do Ceará e da Faculdade Christus, de quem tanto recebo carinho e com quem tanto aprendo. A todos da Faculdade Christus, especialmente Andreia Costa, Denise Andrade, Deubia Cavalcanti, Fayga Bedê e a Danielly Passos, que vai deixar saudades quando for para os Esteites. A todos os meus amigos e amigas, em especial, a Cíntia Mapurunga, que tantas vezes alugou livros pra mim em seu nome na instituição em que estudava. A todos que, de alguma forma, contribuíram para a realização deste trabalho.

7 No mistério do sem-fim equilibra-se um planeta. E, no planeta um jardim, e, no jardim, um canteiro; no canteiro uma violeta, e, sobre ela, o dia inteiro, entre o planeta e o sem-fim, a asa de uma borboleta. Canção Mínima Cecília Meireles Aquela senhora tem um piano Que é agradável mas não é o correr dos rios Nem o murmúrio que as árvores fazem... Para que é preciso ter um piano? O melhor é ter ouvidos E amar a natureza O Guardador de Rebanhos Fernando Pessoa

8 RESUMO Atualmente a humanidade passa por uma crise ambiental jamais vista, a qual vem sendo ocasionada basicamente pelo projeto de civilização da modernidade, que superdimensionou o lugar das atividades econômicas na vida humana. Para evitar que novos danos ocorram, há a necessidade de se pensar em novas alternativas políticas e jurídicas. Os teóricos pesquisadores do direito ambiental têm feito esforços para propor um novo paradigma organizacional: o Estado de Direito Ambiental. Para que este modelo se torne realidade, o Estado deve fazer intervenções para harmonizar as atividades econômicas à proteção ambiental. No Brasil, o direito ao meio ambiente é considerado um direito fundamental desde a promulgação da Constituição brasileira de 1988 e a proteção do meio ambiente é um princípio fundamental da ordem econômica. Neste contexto, o objetivo desta dissertação é investigar os princípios e diretrizes para as políticas ambientais brasileiras, que estejam de acordo com o novo paradigma organizacional do Estado de Direito Ambiental. Aborda uma nova forma de olhar a relação ecologia e economia para a compreensão do desenvolvimento sustentável. Apresenta três direções para as políticas ambientais: a da Economia Ambiental e da Análise Econômica do Direito, a do ecodesenvolvimento de Ignacy Sachs e a Economia Ecológica. Apenas as duas últimas pareceram compatíveis com o ordenamento jurídico brasileiro. A metodologia utilizada é dialética, histórica e comparativa. As técnicas são a bibliográfica e a documental. Palavras-chave: Crise Ambiental, Ecologia, Economia, Estado de Direito Ambiental.

9 ABSTRACT Nowadays, humanity goes through the biggest environmental crisis ever known, that is being caused basically by modern age civilization project, witch supersized economical activities place in human being life. To avoid that new damages occur, there is the necessity of thinking on new politic and legal alternatives. The theoreticians whose researches the environmental law have made efforts to propose a new organizational paradigm: the Environmental Rule of Law. This model only will become truth if the State makes interventions to harmonize the economical activities to the environmental protection. In Brazil, the environmental law is considered a basic law since the promulgation of the Brazilian Constitution of 1988, and the environmental protection is also a fundamental principle from economical order. In this context, the objective of this thesis is to investigate principles and lines of direction for Brazilian environmental politics, that are in accordance with the new organization paradigm of Environmental Rule of Law. It approaches a new way to comprehend the relation between ecology and economy to understanding sustainable development. It introduces three directions to environmental politics: the one from Economical Analysis of Law and Environmental Economy, the one from eco-development, from Ignacy Sachs, and the last one, the Ecological Economy s point of view. Only the two last ones seemed to be compatible to Brazilian law system. Methodology used is dialectic, historical and comparative. Research techniques are bibliographical and documental one. Keywords: Environmental crisis, Ecology, Economy, Environment Rule of Law.

10 LISTA DE SIGLAS ABC AED APP CE CF CONAMA CONTAG COP CPT CUT ECO/92 EIA FETRAF GATT GEE IC ICMS INTERPOL ITR MDL MST OCDE ONU PNMA PNUMA SBPC SEMA SISNAMA STF STJ Academia Brasileira de Ciências Análise Econômica do Direito Área de Preservação Permanente Comércio de Emissões Constituição Federal Conselho Nacional do Meio Ambiente Confederação dos Trabalhadores na Agricultura Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do clima Comissão Pastoral da Terra Central Única dos Trabalhadores Conferência do Rio de Janeiro sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Estudo prévio de Impacto Ambiental Federação dos Trabalhadores da Agricultura Familiar General Agreement of Tariffs and Trades Gases do Efeito Estufa Implementação Conjunta Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços Organização Internacional de Polícia Criminal Imposto Territorial Rural Mecanismos de Desenvolvimento Limpo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico Organização das Nações Unidas Política Nacional do Meio Ambiente Programa das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência Secretaria Especial do Meio Ambiente Sistema Nacional do Meio Ambiente Supremo Tribunal Federal Superior Tribunal de Justiça

11 SUMÁRIO INTRODUÇÃO A RELAÇÃO HOMEM-NATUREZA ATRAVÉS DOS TEMPOS: UMA VISÃO TRANSDISCIPLINAR Considerações iniciais sobre o conceito de meio ambiente, seus diversos aspectos e a abordagem deste trabalho Da contemplação à pretensa dominação: a relação homem-natureza dos primórdios à modernidade Precisamos de um pouco de história e filosofia? O nomadismo: noventa e nove por cento da existência do gênero humano A transição para a agricultura A expansão da Europa e o surgimento do capitalismo A Revolução Industrial Pós-modernidade e crise ecológica: perspectivas para uma mudança de rota A PROTEÇÃO JURÍDICA DO MEIO AMBIENTE NA ESFERA INTERNACIONAL Uma análise crítica acerca do aparecimento tardio da ideia de proteção jurídica ao meio ambiente na contemporaneidade O direito internacional ambiental pré-estocolmo A pré-história do direito internacional ambiental moderno O fortalecimento do ambientalismo O Clube de Roma e o relatório Os Limites do Crescimento (1971) O Direito internacional ambiental a partir da Conferência de Estocolmo (1972) O reconhecimento do direito ao meio ambiente como direito humano e direito fundamental O Direito Internacional Ambiental da Conferência de Estocolmo (1972) à Conferência do Rio de Janeiro (1992) O Relatório Nosso Futuro Comum (1987) A Conferência do Rio de Janeiro Sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento (1992) O Direito Internacional Ambiental pós- Rio/92: avanços, retrocessos, tendências e perspectivas...72

12 2.5.1 A Conferência de Joanesburgo (2002) O caso do combate às mudanças climáticas: do Protocolo de Quioto aos desdobramentos atuais O Protocolo de Quioto (1998) A Conferência de Copenhague COP-15 (2009) e perspectivas para a COP-16 (2010 México) Perspectivas para o Direito Internacional Ambiental A PROTEÇÃO JURÍDICO-CONSTITUCIONAL AO MEIO AMBIENTE NO BRASIL Um breve histórico da proteção ao meio ambiente nas Constituições brasileiras anteriores a Os primeiros passos rumo à proteção totalizante do meio ambiente no Brasil A Lei de Política Nacional do Meio Ambiente A Lei da Ação Civil Pública Os fundamentos do direito a um meio ambiente sadio e ecologicamente equilibrado no Brasil: da Constituinte à Constituição de O meio ambiente sadio e ecologicamente equilibrado como direito fundamental na Constituição de O meio ambiente sadio e ecologicamente equilibrado como dever fundamental na Constituição de O Estado de Direito Ambiental brasileiro Princípios estruturantes do Estado de Direito Ambiental Princípio da precaução Princípio da cooperação Princípio da responsabilização A ORDEM AMBIENTAL ECONÔMICA NA CONSTITUIÇÃO DE 1988: PRINCÍPIOS E DIRETRIZES PARA POLÍTICAS SUSTENTÁVEIS Considerações gerais sobre a ordem econômica constitucional brasileira Princípios ambientais-econômicos do Estado de Direito Ambiental A defesa do meio ambiente como princípio fundamental da ordem econômica A intervenção estatal obrigatória na ordem econômica pela defesa do meio ambiente

13 4.2.2 Princípio da função ambiental da propriedade Princípio do poluidor-pagador Princípio do protetor-recebedor Princípio da proibição do retrocesso ecológico Princípio do desenvolvimento sustentável Por uma nova pré-compreensão da relação entre ecologia e economia no Estado de Direito Ambiental Diretrizes para políticas ambientais econômicas sustentáveis A inadequação das proposições da Economia Ambiental Neoclássica e da Análise Econômica do Direito (AED) Os critérios de Ignacy Sachs A proposta da Economia Ecológica Desafios e perspectivas de efetivação do Estado de Direito Ambiental no Brasil CONCLUSÃO REFERÊNCIAS

14 14 INTRODUÇÃO Ao longo da história humana, a natureza passou de entidade misteriosa e sagrada a um conjunto supostamente infinito de bens e materiais, os quais devem ser conhecidos, interpretados, transformados e instrumentalizados em todas as suas possibilidades de serventia e utilidade às pretensamente ilimitadas necessidades de conforto e bem-estar humano. O triunfo da ideologia do progresso na modernidade contribuiu para uma rápida transformação do modo de vida dos indivíduos e de sua organização econômica e social. Desse modo, se alcançou altos níveis de utilização dos recursos naturais do planeta, em alguns casos chegando ao sério comprometimento ou até mesmo à exaustão de determinados ecossistemas. O referido contexto permite que se fale em uma crise ambiental, de patamares jamais documentados na história terrestre: florestas devastadas, poluição atmosférica, chuvas ácidas, grandes áreas em processo de desertificação, aquecimento climático global, montanhas de lixo acumuladas nos oceanos e a redução da qualidade e da diversidade da fauna e da flora, em última instância, são algumas consequências, dentre outras igualmente graves, de atividades econômicas exercidas de maneira desregrada, o que compromete, por fim, a qualidade de vida e a saúde dos seres vivos, ameaçando a sua permanência na Terra. A partir dessa alarmante conjuntura, surge uma inquietação no que concerne à perpetuação da vida humana no atual estágio civilizatório, conhecido como pós-modernidade, dada necessidade de ruptura com a herança das insustentáveis convicções filosóficas, éticas e morais de respeito do ser humano pela totalidade do sistema natural que lhe é superior e que, por isso mesmo, o serve. Estas questões são precedentes e fundamentais para avaliar quais as perspectivas, desafios e que postura deverá ser adotada pelo sistema jurídico diante da necessidade de elaboração e aperfeiçoamento de um novo paradigma organizacional e até mesmo civilizatório que permita a concretização de um ambiente sadio, integrado e ecologicamente equilibrado. Para se construir uma nova racionalidade ambiental, é necessário que haja uma reestruturação do tratamento jurídico e político do meio ambiente tanto em nível internacional, como nacional, no âmbito de cada Estado, até chegar nas organizações sociais locais mais elementares. Afinal, os danos ambientais ocorrem em situações de tempo e espaço

15 15 determinados, mas, ao serem observados em toda sua extensão e gravidade, podem desconhecer as fronteiras territoriais e políticas estabelecidas pelo homem. Em nível internacional, cada vez mais se percebe a necessidade de se investir em práticas de sensibilização e cooperação para solucionar as dificuldades de conciliação de interesses econômicos entre os países desenvolvidos e em desenvolvimento. No plano nacional, especificamente falando do caso brasileiro, vem se consolidando a defesa de um novo modelo de Estado, que assimile os pleitos de liberdade e justiça social e insira em suas prioridades as preocupações ambientais, a ponto de ser identificado como um Estado de Direito Ambiental. Estas diretrizes de proteção ambiental nacional devem partir da Constituição e irradiar-se para todos os níveis do ordenamento jurídico, até os atos normativos mais simples, bem como por todos os entes federativos. O projeto de ecologização da ordem jurídica nacional deve incluir fundamentalmente uma reorientação e um reposicionamento das atividades econômicas, inclusive mediante uma atuação estatal presente, sem o que jamais haverá condições de se incorporar concretude ao discurso de proteção ambiental. Nesse sentido, este trabalho tem por objetivo geral investigar os princípios e diretrizes de políticas ambientais na ordem econômica brasileira, no sentido de identificar a adequação do ordenamento jurídico-constitucional brasileiro ao modelo do Estado de Direito Ambiental. Como é amplamente conhecido da comunidade jurídica, a Constituição de 1988 prevê, em seu artigo 225, o direito-dever fundamental ao meio ambiente sadio e ecologicamente equilibrado, bem como, em seu artigo 170, inciso VI, a proteção do meio ambiente como um princípio fundamental da ordem econômica. O texto constitucional parece ter incorporado, diga-se, uma preocupação relativamente pacificada na sociedade brasileira atual. Não se encontra com facilidade cidadãos ou grupos que sejam aberta e gratuitamente contrários à proteção ambiental. No entanto, no que diz respeito às propostas de resolução de conflitos que envolvam a proteção do meio ambiente e o desenvolvimento ou crescimento econômico, já se torna mais fácil perceber que existe uma série de diferenciações quanto à forma e à intensidade em que esta proteção ambiental é considerada adequada.

16 16 O discurso do desenvolvimento sustentável perpassa hoje por diversos matizes ideológicos e ganhou, assim, uma pluralidade de significações, por vezes até contraditórias entre si. Na tentativa de evitar a proliferação de discursos e práticas ambientais vazias, tornouse também um desafio compreender efetivamente o que significa a expressão ora em comento, bem como o que se deve esperar das políticas interventivas de um Estado de Direito Ambiental. Para tentar elucidar estas questões, que se relacionam intimamente com a própria finalidade de um Estado de Direito Ambiental, se faz imprescindível voltar o olhar para como se dá a relação entre ecologia, direito e economia, percepção esta que parece ter sofrido uma série de distorções concomitantes ao projeto civilizatório da modernidade. A partir disso, acredita-se ser possível propor diretrizes de políticas ambientais aptas a garantir a existência de uma vida digna e feliz, com desenvolvimento das plenas potencialidades humanas para as futuras gerações. Para alcançar o pretendido, faz-se uso da abordagem dialética, a qual se considera adequada para os trabalhos da grande área das ciências sociais em geral, tendo em vista que permite relacionar fenômenos, bem como refletir criticamente acerca dos diferentes entendimentos sobre o objeto estudado. Os métodos de procedimento eleitos são o histórico e o comparativo. O primeiro permite investigar as causas e conseqüências, e enfim, os contextos em que aconteceram as grandes transformações na compreensão da natureza através dos tempos, bem como as situações que desembocaram no processo gradativo de incorporação do meio ambiente enquanto objeto de proteção jurídica, até se chegar ao paradigma do Estado de Direito Ambiental, para daí proceder a análises que levem a uma maior aproximação da realidade, quanto às perspectivas de efetividade do direito ambiental; pelo segundo, contrapõem-se as produções doutrinárias acerca dos assuntos estudados, no sentido de verificar, em última instância, as concepções mais coerentes para a harmonização do exercício das atividades econômicas à proteção do meio ambiente. As técnicas de pesquisa perpassam prioritariamente por um exame bibliográfico transdisciplinar, através de consulta à literatura especializada nacional e estrangeira, em áreas afins e diversificadas, como: História Ambiental, Ecologia Política, Filosofia, Ética, Sociologia, Antropologia, Economia, Direito Internacional Ambiental, Direito Constitucional, Direito Ambiental, Direito Econômico, Direito Tributário Ambiental, dentre outros; também se utilizou de consultas a documentos oficiais, como: o Anteprojeto Afonso Arinos, os anais

17 17 da Assembleia Nacional Constituinte de 1986/1987, as Constituições brasileiras revogadas, algumas leis ordinárias concernentes à matéria; informações, dados e notícias no endereço eletrônico do Ministério do Meio Ambiente, da Presidência da República, do Congresso Nacional e do Superior Tribunal de Justiça e das Nações Unidas, dentre outros; pesquisas jurisprudenciais nos endereços eletrônicos do Supremo Tribunal Federal e do Superior Tribunal de Justiça, com a finalidade de exemplificar como vem se dando a interpretação e a aplicação dos princípios de direito ambiental e de direito ambiental econômico. Como se vê, trata-se de uma pesquisa prioritariamente qualitativa, que conta com as fases exploratória, descritiva e explicativa. O trabalho se encontra dividido em quatro capítulos. O primeiro inicia com uma breve exposição acerca do conceito de meio ambiente e a abordagem do trabalho e faz um resgate dos períodos mais marcantes da relação do homem com a natureza através dos tempos, envolvendo o nomadismo, a invenção da agricultura, o surgimento do capitalismo, a Revolução Industrial e a pós-modernidade, para contextualizar o atual modelo civilizatório em crise dentro de um conjunto de escolhas culturalmente desenhadas, e não como o modo de vida para o qual os humanos estão natural e irreversivelmente programados. Desse modo, acredita-se lançar as bases que permitirão a compreensão não apenas da necessidade, mas também da possibilidade de uma mudança de rota. No segundo capítulo, passa-se a uma análise acerca do surgimento (tardio) da proteção jurídica internacional do meio ambiente, do desenvolvimento de alguns conceitos e elementos fundamentais para a consolidação da proteção jurídica do meio ambiente, bem como dos principais eventos e documentos internacionais, que influenciaram a incorporação da proteção jurídica ambiental no Brasil. Posteriormente, indicam-se algumas dificuldades ainda não superadas pelo direito internacional ambiental, relacionadas à defesa de interesses econômicos de determinados grupos de países e, finalmente, aponta-se para as perspectivas futuras desta área do direito. O terceiro capítulo inicia com a indicação doutrinária da existência de fases da proteção ambiental nacional, seguida de um breve histórico do tratamento do meio ambiente nas constituições brasileiras anteriores a Posteriormente, se faz uma contextualização do surgimento da proteção globalizante do meio ambiente, com considerações acerca da intensificação do processo de industrialização brasileiro e do agravamento da crise ambiental. Na sequência, estudam-se a Lei de Política Nacional do Meio Ambiente e a Lei da Ação Civil Pública. Logo após, dá-se início aos estudos da constitucionalização do meio ambiente no

18 18 Brasil e do movimento ocorrido entre a Constituinte e a Constituição. Ao fim, caracteriza-se o meio ambiente sadio e ecologicamente equilibrado como um direito e um dever fundamental e apresenta-se o estado brasileiro como um Estado de Direito Ambiental, com seus respectivos princípios estruturantes. No quarto e último capítulo discutem-se o conteúdo dos princípios e as diretrizes de políticas ambientais econômicas adequadas ao Estado de Direito Ambiental brasileiro. Inicialmente, faz-se uma explanação geral acerca dos fundamentos da ordem econômica nacional, para depois passar à apresentação dos princípios da ordem ambiental econômica brasileira. Em seguida, procede-se a um estudo acerca das diversas pré-compreensões existentes acerca da relação entre ecologia e economia e da adequação ou não de cada uma delas ao paradigma do Estado de Direito Ambiental brasileiro. Finalmente, enunciam-se os marcos doutrinários que relacionam economia e meio ambiente, para igualmente verificar o grau de harmonização das diretrizes de políticas ambientais econômicas propostas por cada um deles com o modelo estatal adotado em A partir disso, fazem-se algumas considerações acerca dos desafios e perspectivas de concretização do direito-dever fundamental ao meio ambiente no Brasil. Acredita-se, pois, na relevância científica, social e jurídica desta pesquisa, porque é premente o interesse que a cerca, já que sua finalidade envolve o pressuposto básico da existência, corolário necessário do próprio direito à vida, relacionando-se também à efetivação da dignidade humana, núcleo de todos os outros direitos fundamentais, através de valores solidários, que buscam alcançar critérios de equilíbrio segundo os quais toda a coletividade presente e futura possa continuar existindo.

19 19 1 A RELAÇÃO HOMEM-NATUREZA ATRAVÉS DOS TEMPOS: UMA VISÃO TRANSDISCIPLINAR A história da humanidade pode ser vista de diversas formas, a depender do ângulo e da postura do observador. Por vezes, pode aparecer como um processo de constante aprimoramento e evolução, ou como uma série de descaminhos e descontinuidades que parecem levar a uma autodestruição. Quando se olha sob a perspectiva do relacionamento dos seres humanos com a natureza, é possível perceber que inicialmente, verifica-se um vínculo de reverência, sacralidade e até temor. As leis da natureza funcionam em plena harmonia com o ritmo de vida e com o regramento social e jurídico das populações. Passados alguns milênios, a postura é absolutamente diversa: confiante no progresso tecnológico e nos avanços sobre o entendimento de alguns mecanismos de funcionamento do mundo natural, o homem assume inequivocamente a posição de domínio, achando-se capaz de controlar, transformar e direcionar os recursos naturais de acordo com suas vontades, diversas vezes nomeadas como necessidades. A normatividade das sociedades humanas, então, se fragmenta: tem-se leis morais, que não coincidem necessariamente com as leis jurídicas, que se adequam quase sempre à ordem econômica, que, por sua vez, subordina e corrompe a política, em uma lógica completamente diferenciada daquele período inicial. De tal forma isto aconteceu que, alguns, preocupados com sinais de exaustão da natureza antes divinizada transformaram-na em objeto de um amplo conjunto de políticas públicas, normas jurídicas municipais, estaduais e nacionais e de tratados internacionais que, contudo, sofrem de um sério problema de efetividade. Parte-se do pressuposto de que referido problema não decorre somente de fatores técnicos; diante do breve choque de concepções históricas apresentado, bem como da superação do desafio do purismo jurídico kelseniano, percebe-se a necessidade de proceder a uma investigação crítica e totalizante da relação homem natureza, em uma tentativa de compreender melhor as alternativas adequadas ao período de transição em que se vive atualmente, frequentemente denominado de pós-modernidade. Neste sentido, este primeiro capítulo se destina a percorrer a história da relação homem-natureza através dos tempos, para tentar lançar luzes sobre o contexto e a

20 20 profundidade da problemática enfrentada. Como se trata basicamente do momento inicial de delimitações, será necessário, antes mesmo de proceder à análise pretendida, resolver uma prévia questão de ordem, através de uma incursão no conceito de meio ambiente que será utilizado. 1.2 Considerações iniciais sobre o conceito de meio ambiente, seus diversos aspectos e a abordagem deste trabalho 1 O termo meio ambiente possui uma ampla significação. Há uma pluralidade de conceituações relativas a esta expressão que foram forjadas nas últimas décadas 2, sem que se tenha alcançado um consenso científico-doutrinário. De acordo com Edis Milaré, a verdade é que se está a tratar de uma daquelas categorias cujo conteúdo é mais facilmente intuído que definível, em virtude da riqueza e complexidade do que encerra 3. Assim, já de início é preciso ressalvar que não é o objetivo central deste trabalho adentrar aprofundadamente nesta problemática, que, por si, exigiria esforços de grande magnitude. O que se pretende é tão-somente fixar as bases iniciais da discussão a ser desenvolvida. Feitas estas considerações, que expressam as limitações e as restrições oriundas da determinabilidade da expressão meio ambiente, resignamo-nos a reconhecer a necessidade de fazê-lo, ainda que de forma aproximada, a fim de utilizar uma definição contextualizada, adequada ao objeto a ser por ora estudado. A palavra meio, oriunda do latim, mediu, tem como um de seus significados: lugar onde se vive, com suas características e condicionamentos geofísicos; ambiente 4 ; já ambiente, cuja grafia portuguesa se manteve exatamente como a latina, é o aquilo que cerca ou envolve os seres ou as coisas; meio ambiente 5. Por fim, a definição da expressão meio 1 Cf. MENDES, Ana Stela Vieira; FROTA, Henrique Botelho. Desenvolvimento urbano e o desafio da proteção do meio ambiente em Fortaleza-Ce. In: Marcos Wachowicz; João Luis Nogueira Matias. (Org.). Direito de propriedade e meio ambiente: novos desafios para o século XXI. Florianópolis: Fundação Boiteux, VIEIRA, Paulo Freire. Meio ambiente, desenvolvimento e planejamento. In: Meio ambiente, desenvolvimento e cidadania: desafios para as ciências sociais. Vários autores. 2. ed. São Paulo: Cortez; Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 1998, p MILARÉ, Edis. Direito do ambiente: Doutrina jurisprudência glossário. 4 ed. rev., ampl. e atual. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2005., p BUARQUE DE HOLANDA, Aurélio. Novo dicionário da Língua Portuguesa. 2 ed. 36 reimp. rev. e ampl. Rio de Jameiro: Nova Fronteira, 1997, p Ibid., p

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

Resumo. O caminho da sustentabilidade

Resumo. O caminho da sustentabilidade Resumo O caminho da sustentabilidade Termos recorrentes em debates e pesquisas, na mídia e no mundo dos negócios da atualidade, como sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, responsabilidade empresarial

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Meio Ambiente PROJETOS CULTURAIS. 4 0 a O - fu dame tal. Cuidar da vida também é coisa de criança. Justificativa

Meio Ambiente PROJETOS CULTURAIS. 4 0 a O - fu dame tal. Cuidar da vida também é coisa de criança. Justificativa Meio Ambiente 4 0 a O - fu dame tal Cuidar da vida também é coisa de criança Justificativa PROJETOS CULTURAIS Na idade escolar, as crianças estão conhecendo o mundo (Freire, 1992), sentindo, observando,

Leia mais

RESENHA. Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios

RESENHA. Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios RESENHA Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios Sustainable Development: Dimensions and Challenges Marcos Antônio de Souza Lopes 1 Rogério Antonio Picoli 2 Escrito pela autora Ana Luiza de Brasil

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções:

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: PROJETO DE PESQUISA Antonio Joaquim Severino 1 Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: 1. Define e planeja para o próprio orientando o caminho a ser seguido no desenvolvimento do trabalho

Leia mais

Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental. Unidade I:

Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental. Unidade I: Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental Unidade I: 0 Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental Introdução A disciplina Direito Ambiental tem como objetivo propiciar ao corpo discente uma análise sobre

Leia mais

PRINCÍPIO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO UM DIREITO FUNDAMENTAL

PRINCÍPIO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO UM DIREITO FUNDAMENTAL PRINCÍPIO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO UM DIREITO FUNDAMENTAL Fernando Souza OLIVEIRA 1 Pedro Anderson da SILVA 2 RESUMO Princípio do Desenvolvimento Sustentável como um direito e garantia fundamental,

Leia mais

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos pelas mudanças climáticas Maria Teresa de Jesus Gouveia Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ATIVIDADE TURÍSTICA, NO MUNICÍPIO DE JARDIM MS SILVANA APARECIDA L. MORETTI 1

RELAÇÃO ENTRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ATIVIDADE TURÍSTICA, NO MUNICÍPIO DE JARDIM MS SILVANA APARECIDA L. MORETTI 1 1 RELAÇÃO ENTRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ATIVIDADE TURÍSTICA, NO MUNICÍPIO DE JARDIM MS SILVANA APARECIDA L. MORETTI 1 RESUMO: Este trabalho pretende discutir a relação existente entre educação e organização

Leia mais

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA DO ENSINO FUNDAMENTAL

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA DO ENSINO FUNDAMENTAL PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA DO ENSINO FUNDAMENTAL Danilo Coutinho da Silva Bacharel e Licenciado em Geografia - UFPB danilogeog@hotmail.com INTRODUÇÃO A Educação Ambiental (EA) deve

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA

MODELAGEM MATEMÁTICA 600 MODELAGEM MATEMÁTICA *Carla da Silva Santos **Marlene Menegazzi RESUMO Este artigo retrata através de seus dados históricos, métodos e exemplo prático uma metodologia alternativa de ensino nos levando

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A VIDA NO PLANETA: SOMOS CONSUMIDORES RESPONSÁVEIS?

REFLEXÕES SOBRE A VIDA NO PLANETA: SOMOS CONSUMIDORES RESPONSÁVEIS? REFLEXÕES SOBRE A VIDA NO PLANETA: SOMOS CONSUMIDORES RESPONSÁVEIS? Ensino Fundamental II e Ensino Médio O sistema capitalista move a nossa sociedade, sendo um modelo econômico atual que pressupõe uma

Leia mais

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA...

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA... MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI Daniel Cenci A VIDA AMEAÇADA... A vida é sempre feita de escolhas. A qualidade de vida resulta das escolhas que fazemos a cada dia. É assim

Leia mais

O ESPAÇO RURAL e a EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O ESPAÇO RURAL e a EDUCAÇÃO AMBIENTAL EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO MEIO RURAL O ESPAÇO RURAL e a EDUCAÇÃO AMBIENTAL Luciano Gebler, MSc TESTE DE NIVELAMENTO 1 - O MEIO RURAL É : A - REGIÃO ONDE É FEITO O DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES AGRÍCOLAS; B

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I

universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA: a escolha do tema. Delimitação, justificativa e reflexões a cerca do tema.

Leia mais

A TRANSFORMAÇÃO E OS PROBLEMAS CAUSADOS PELO LOTEAMENTO HAMILTON CAVALCANTE NA PAISAGEM DA CIDADE DE BELÉM-PB.

A TRANSFORMAÇÃO E OS PROBLEMAS CAUSADOS PELO LOTEAMENTO HAMILTON CAVALCANTE NA PAISAGEM DA CIDADE DE BELÉM-PB. A TRANSFORMAÇÃO E OS PROBLEMAS CAUSADOS PELO LOTEAMENTO HAMILTON CAVALCANTE NA PAISAGEM DA CIDADE DE BELÉM-PB. Natan Gomes de Oliveira Graduando em Licenciatura plena do curso de Geografia UEPB/Guarabira/PB.

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL Histórico, Significado e implicações www.danielbertoli.com Histórico Preocupações no pós-guerra (50 e 60) Discussões sobre contaminação e exaustão de recursos

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

Curso Sustentabilidade e Saúde Humana:

Curso Sustentabilidade e Saúde Humana: Curso Sustentabilidade e Saúde Humana: Ações individuais para melhorias em todo o planeta Nosso maior desafio neste século é pegar uma idéia que parece abstrata desenvolvimento sustentável e torná-la uma

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental

Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental RESUMO Rosa Maria Viana (Universidade Salgado Oliveira/rosamviana@yahoo.com.br) Sandra de Fátima Oliveira (Universidade Federal de Goiá/sanfaoli@iesa.ufg.br)

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

O homem e o meio ambiente

O homem e o meio ambiente A U A UL LA O homem e o meio ambiente Nesta aula, que inicia nosso aprendizado sobre o meio ambiente, vamos prestar atenção às condições ambientais dos lugares que você conhece. Veremos que em alguns bairros

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo

Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo I Informações Gerais Impactos das Mudanças Climáticas As mudanças climáticas impõem

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS Cristiane Cinat Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - Franca cricriblue@hotmail.com Introdução

Leia mais

PROJETO RECICLAR PARA PRESERVAR

PROJETO RECICLAR PARA PRESERVAR PROJETO RECICLAR PARA PRESERVAR FABIA GRAVINA VIEIRA ROCHA Colégio e Faculdade Modelo do Paraná- Curitiba/PR fabiagravina@hotmail.com RESUMO Sensível à necessidade de reflexão sobre as relações dos seres

Leia mais

RELAÇÃO CTSA EM AULAS DE QUÍMICA: AVALIAÇÃO DE UMA PROPOSTA DE ENSINO PARA O CONTEÚDO DE GASES.

RELAÇÃO CTSA EM AULAS DE QUÍMICA: AVALIAÇÃO DE UMA PROPOSTA DE ENSINO PARA O CONTEÚDO DE GASES. RELAÇÃO CTSA EM AULAS DE QUÍMICA: AVALIAÇÃO DE UMA PROPOSTA DE ENSINO PARA O CONTEÚDO DE GASES. INTRODUÇÃO Maikon Bruno Maciel Barbosa¹ E-mail: maikonbruno94@hotmai.com Thiago Pereira da Silva² E-mail:

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NO COTIDIANO ESCOLAR: Desafios da construção de uma proposta interdisciplinar

SUSTENTABILIDADE NO COTIDIANO ESCOLAR: Desafios da construção de uma proposta interdisciplinar SUSTENTABILIDADE NO COTIDIANO ESCOLAR: Desafios da construção de uma proposta interdisciplinar Mariely Rodrigues Anger 1 Ana Carla Ferreira Nicola Gomes 2 Jussara Aparecida da Fonseca 3 Resumo: Apresentam-se

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL:

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: AÇÃO TRANSFORMADORA IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública Belo Horizonte Março de 2013 Quem sou eu? A que grupos pertenço? Marcia Faria Westphal Faculdade

Leia mais

A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL

A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL Ana Maria G. D. MENDONÇA 1, Darling L. PEREIRA 2,,José J. MENDONÇA 3, Aluska M. C. RAMOS 4 Maria S. B. DUARTE

Leia mais

ABORDAGEM AMBIENTAL NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA APROVADOS PELO PNLEM/2007. Programa de mestrado em Educação em Ciências e Matemática - UFG

ABORDAGEM AMBIENTAL NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA APROVADOS PELO PNLEM/2007. Programa de mestrado em Educação em Ciências e Matemática - UFG ABORDAGEM AMBIENTAL NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA APROVADOS PELO PNLEM/2007 Karla Ferreira DIAS 1 ; Dr. Agustina Rosa ECHEVERRÍA 2 1,2 Programa de mestrado em Educação em Ciências e Matemática - UFG

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO Resumo: O presente artigo pretende refletir sobre os problemas ambientais em nossa sociedade, em especial, sobre o

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

Hierarquia Constitucional dos Tratados Internacionais de Direitos Humanos e EC 45 - tese em favor da incidência do tempus regit actum

Hierarquia Constitucional dos Tratados Internacionais de Direitos Humanos e EC 45 - tese em favor da incidência do tempus regit actum Hierarquia Constitucional dos Tratados Internacionais de Direitos Humanos e EC 45 - tese em favor da incidência do tempus regit actum Paulo Ricardo Schier As teorias do direito internacional e constitucional,

Leia mais

ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA: TEMA, PROBLEMATIZAÇÃO, OBJETIVOS, JUSTIFICATIVA E REFERENCIAL TEÓRICO

ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA: TEMA, PROBLEMATIZAÇÃO, OBJETIVOS, JUSTIFICATIVA E REFERENCIAL TEÓRICO ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA: TEMA, PROBLEMATIZAÇÃO, OBJETIVOS, JUSTIFICATIVA E REFERENCIAL TEÓRICO PROF. ME. RAFAEL HENRIQUE SANTIN Este texto tem a finalidade de apresentar algumas diretrizes para

Leia mais

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO VEJA RIO+20 1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO Abstract: A declaração final da ECO-92 acenou para

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema.

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema. Aquecimento Global e Danos no Manguezal Pernambucano SANDRA MARIA DE LIMA ALVES 1 - sandrali@bol.com.br RESUMO Este artigo procura enriquecer a discussão sobre o fenômeno do aumento da temperatura na terra

Leia mais

SEGURANÇA ALIMENTAR, SUSTENTABILIDADE, EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLEXÕES A CERCA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR.

SEGURANÇA ALIMENTAR, SUSTENTABILIDADE, EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLEXÕES A CERCA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR. SEGURANÇA ALIMENTAR, SUSTENTABILIDADE, EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLEXÕES A CERCA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR. Jonas da Silva Santos Universidade do Estado da Bahia UNEB DEDC XV jonasnhsilva@hotmail.com jonas.ss@inec.org.br

Leia mais

Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1

Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1 Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1 I. Histórico O Clube Internacional de Financiamento ao Desenvolvimento (IDFC) é um grupo de 19 instituições de financiamento ao desenvolvimento

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 Disciplina a profissão de Agroecólogo. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º É requisito mínimo para o exercício da função profissional de Agroecólogo a comprovação

Leia mais

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um 1 TURISMO E OS IMPACTOS AMBIENTAIS DERIVADOS DA I FESTA DA BANAUVA DE SÃO VICENTE FÉRRER COMO TEMA TRANSVERSAL PARA AS AULAS DE CIÊNCIAS NO PROJETO TRAVESSIA DA ESCOLA CREUSA DE FREITAS CAVALCANTI LURDINALVA

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

Cumulatividade e Sinergia: Conceitos e Desafios para Avaliações de Impactos e elaboração de Planos de Gestão no Brasil Andressa Spata

Cumulatividade e Sinergia: Conceitos e Desafios para Avaliações de Impactos e elaboração de Planos de Gestão no Brasil Andressa Spata Cumulatividade e Sinergia: Conceitos e Desafios para Avaliações de Impactos e elaboração de Planos de Gestão no Brasil Andressa Spata Problema Questionamentos no Brasil a respeito dos conceitos de cumulatividade

Leia mais

PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL

PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL Pernambuco, 2012 PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL DOCUMENTO DE TRABALHO Sobre um Plano de Ação relativo à Proteção e ao Bem-Estar dos Animais 2012-2015 Base estratégica das ações propostas

Leia mais

Acordo sobre o Aquífero Guarani

Acordo sobre o Aquífero Guarani Acordo sobre o Aquífero Guarani A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai e a República Oriental do Uruguai, Animados pelo espírito de cooperação e de integração

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO Resposta ao Observatório do Clima sobre suas considerações ao Sumário de informações sobre como

Leia mais

Política e Comunicação - A comunicação com pensamento

Política e Comunicação - A comunicação com pensamento Política e Comunicação - A comunicação com pensamento Onde o comunicador não é considerado protagonista da história da organização, não pode haver comunicação eficaz. Paulo Nassar No mundo da comunicação

Leia mais

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade Desenvolvido por: Neuza Maria Rodrigues Antunes neuzaantunes1@gmail.com AUMENTO DA POPULAÇÃO URBANA 85% NO BRASIL (Censo

Leia mais

OS CANAIS DE PARTICIPAÇÃO NA GESTÃO DEMOCRÁTICA DO ENSINO PÚBLICO PÓS LDB 9394/96: COLEGIADO ESCOLAR E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

OS CANAIS DE PARTICIPAÇÃO NA GESTÃO DEMOCRÁTICA DO ENSINO PÚBLICO PÓS LDB 9394/96: COLEGIADO ESCOLAR E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO 1 OS CANAIS DE PARTICIPAÇÃO NA GESTÃO DEMOCRÁTICA DO ENSINO PÚBLICO PÓS LDB 9394/96: COLEGIADO ESCOLAR E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Leordina Ferreira Tristão Pedagogia UFU littledinap@yahoo.com.br Co

Leia mais

OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA

OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA Dayvyd Lavaniery Marques de Medeiros Professor do IFRN Mestrando do PPGEP

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, tendo se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 14 de junho de 1992, reafirmando

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E MEIO RURAL: Análise curricular

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E MEIO RURAL: Análise curricular EDUCAÇÃO AMBIENTAL E MEIO RURAL: Análise curricular Vanessa Minuzzi Bidinoto 1 Viviane Dal-Souto Frescura 2 Aline Pegoraro 3 Resumo: O presente trabalho buscou provocar reflexões sobre a importância da

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

A CARTA DE BELGRADO. Colecção Educação Ambiental Textos Básicos. Editor Instituto Nacional do Ambiente

A CARTA DE BELGRADO. Colecção Educação Ambiental Textos Básicos. Editor Instituto Nacional do Ambiente A CARTA DE BELGRADO Colecção Educação Ambiental Textos Básicos Editor Instituto Nacional do Ambiente INTRODUÇÃO Texto adoptado, por unanimidade, no Colóquio sobre Educação Ambiental", organizado pela UNESCO

Leia mais

Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1

Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1 FALA PEDAGOGIA Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1 Daniela Erani Monteiro Will O Projeto Político Pedagógico (PPP), há alguns anos, está na pauta de discussões

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO Tatiana Galieta (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) Introdução

Leia mais

O PERFIL DOS PROFESSORES DE SOCIOLOGIA NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE FORTALEZA-CE

O PERFIL DOS PROFESSORES DE SOCIOLOGIA NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE FORTALEZA-CE O PERFIL DOS PROFESSORES DE SOCIOLOGIA NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE FORTALEZA-CE José Anchieta de Souza Filho 1 Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) josanchietas@gmail.com Introdução Analisamos

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA FERREIRA, Adriana Ribeiro & ROSSO, Ademir José INTRODUÇÃO O meio ambiente (MA) é

Leia mais

ENSINO DA ARTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: FORMAÇÃO DE CIDADÃOS VISANDO A SUSTENTABILIDADE

ENSINO DA ARTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: FORMAÇÃO DE CIDADÃOS VISANDO A SUSTENTABILIDADE ENSINO DA ARTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: FORMAÇÃO DE CIDADÃOS VISANDO A SUSTENTABILIDADE Elaine Barbosa da Silva Xavier Faculdade de Ciências da Administração de Pernambuco - Mestranda Neuma Kelly Vitorino

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil 1 Carta-Compromisso pela Garantia do Direito à Educação de Qualidade Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil Para consagrar o Estado Democrático de Direito, implantado pela Constituição

Leia mais

SISTEMA DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA A GESTÃO DE RIOS URBANOS

SISTEMA DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA A GESTÃO DE RIOS URBANOS BRASIL - BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA MESTRADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL URBANA SISTEMA DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA A GESTÃO DE RIOS URBANOS Erika do Carmo Cerqueira

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL

3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL 3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL Os fundamentos propostos para a nova organização social, a desconcentração e a cooperação, devem inspirar mecanismos e instrumentos que conduzam

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES PARECER CNE/CES 1.302/2001 - HOMOLOGADO Despacho do Ministro em 4/3/2002, publicado no Diário Oficial da União de 5/3/2002, Seção 1, p. 15. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO:

Leia mais

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná.

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. O Curso de Formação de Docentes Normal, em nível médio, está amparado

Leia mais

A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG.

A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG. A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG. (Projeto InterAção) Introdução Com a tendência de um crescimento mundial da população, gerando um desenvolvimento industrial

Leia mais

George Kelly (1905-1967) 11 - Kelly. Ponto de Partida. Kelly. O Realismo de Kelly. Universo de Kelly. Estágio Curricular Supervisionado em Física I

George Kelly (1905-1967) 11 - Kelly. Ponto de Partida. Kelly. O Realismo de Kelly. Universo de Kelly. Estágio Curricular Supervisionado em Física I 11 - Kelly George Kelly (1905-1967) Estágio Curricular Supervisionado em Física I www.fisica-interessante.com 1/33 www.fisica-interessante.com 2/33 Kelly Ponto de Partida formou-se em Matemática e Física

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais