Ana Stela Vieira Mendes. Princípios e diretrizes da ordem ambiental econômica no Estado de Direito Ambiental brasileiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ana Stela Vieira Mendes. Princípios e diretrizes da ordem ambiental econômica no Estado de Direito Ambiental brasileiro"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE DIREITO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO CURSO DE MESTRADO EM DIREITO ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM ORDEM JURÍDICA CONSTITUCIONAL Ana Stela Vieira Mendes Princípios e diretrizes da ordem ambiental econômica no Estado de Direito Ambiental brasileiro Fortaleza 2010

2 Ana Stela Vieira Mendes Princípios e diretrizes da ordem ambiental econômica no Estado de Direito Ambiental brasileiro Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Direito da Universidade Federal do Ceará, como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre em Direito. Orientador: Prof. Dr. João Luis Nogueira Matias Fortaleza 2010

3 Princípios e diretrizes da ordem ambiental econômica no Estado de Direito Ambiental brasileiro Aprovada em: 17/08/2010 BANCA EXAMINADORA Prof. Dr. João Luis Nogueira Matias (Orientador) Universidade Federal do Ceará Profª Dra. Denise Lucena Cavalcante Universidade Federal do Ceará Prof. Dr. Rogério Silva Portanova Universidade Federal de Santa Catarina

4 Aos meus pais, ao meu noivo Thiago e aos filhos dos filhos dos nossos filhos que virão.

5 AGRADECIMENTOS Ao Grande Deus, que pela sua bondade me deu a vida e as condições espirituais e materiais necessárias para a realização deste trabalho. À minha mãe, Irisdalva, meu maior amparo e suporte, minha incentivadora, minha fortaleza, co-responsável por todas as vitórias que eu alcancei até hoje. Ao meu pai, Caio, por se fazer presente mesmo quando ausente, que com o seu apoio e a sua palavra amiga tem me trazido conforto para suportar a distância. Ao meu noivo, Thiago, por tudo que tem me ensinado a respeito do amor. Aos meus irmãos, Dimas Filho, Camila e Caio César, por lembrarem a alegria e a doçura da vida e a esperança em dias melhores. Aos meus tios e tias, avós, primas e primos, gente espalhada por este Brasil, sempre tão querida e tão amada, que me deixa tanta saudade. Às famílias Câmara e Loureiro, que também são minha família. À Universidade Federal do Ceará, instituição que vem me proporcionando, desde a graduação, uma formação em ensino, pesquisa e extensão gratuita e de qualidade, comprometida com a sociedade. Ao Prof. Dr. João Luis Nogueira Matias, que mais que um orientador, foi um amigo, que me proporcionou aprendizagem e amadurecimento sobre muitas coisas durante esses dois anos. Ao Prof. Henrique Botelho Frota, meu orientador da graduação e amigo sempre disponível, que me sugeriu que eu trabalhasse com o ICMS Ecológico. Sem ele, este trabalho não teria sido possível. Ao Prof. Dr. Rogério Portanova, pelas conversas que trouxeram tantas reflexões, por tantos livros emprestados e pela receptividade calorosa nas frias estadias catarinenses. À Professora Dra. Denise Lucena Cavalcante, pela oportunidade de ter sido sua estagiária de docência, pelo aprendizado no grupo de Tributação Ambiental e também por aceitar, juntamente com o Professor Rogério, o convite para compor a banca examinadora dessa dissertação de Mestrado. Ao Prof. Dr. Rui Verlaine, pelos livros emprestados, pelas vezes que

6 me recebeu em sua casa, demonstrando dedicação e total disponibilidade. Ao Prof. Ricardo Ávila, pelo valioso auxílio na formatação da versão final deste trabalho. Ao Projeto Casadinho UFC-UFSC, que tanto vem contribuindo para o avanço dos estudos jurídicos sobre propriedade e meio ambiente e com a formação acadêmica de tantos alunos de graduação e pós-graduação. Ao CNPq, à CAPES e à FUNCAP, pelo apoio financeiro. À Marilene, querida Maris, pelo atendimento sempre solícito e afetuoso, pelo apoio e a palavra amiga de que tudo dará certo!. Aos colegas de mestrado da turma de 2008, com quem vivenciei tantos momentos bons, com quem aprendi tantas coisas. Em especial a André, Juliana, Daniel, Nilo, Péricles e Renato, pela maior proximidade; aos colegas da turma de 2007, em especial Germana Belchior e Davi Peixoto; aos colegas da turma de 2009, especialmente Luciana, Priscylla, Gustavo, Bruno, Vinícius, David Barbosa, Carlos Henrique e Carla Sofia. Ao Rodrigão e ao Homero, da turma de Ao Jothe e ao Osmildo, pelas conversas bem humoradas. Ao NAJUC Núcleo de Assessoria Jurídica Comunitária e ao CA de Todos, porque os sonhos não envelhecem! Pela alegria que me deram de ver de volta os cartazes na parede do CA. Aos meus alunos e ex-alunos, da Universidade Federal do Ceará e da Faculdade Christus, de quem tanto recebo carinho e com quem tanto aprendo. A todos da Faculdade Christus, especialmente Andreia Costa, Denise Andrade, Deubia Cavalcanti, Fayga Bedê e a Danielly Passos, que vai deixar saudades quando for para os Esteites. A todos os meus amigos e amigas, em especial, a Cíntia Mapurunga, que tantas vezes alugou livros pra mim em seu nome na instituição em que estudava. A todos que, de alguma forma, contribuíram para a realização deste trabalho.

7 No mistério do sem-fim equilibra-se um planeta. E, no planeta um jardim, e, no jardim, um canteiro; no canteiro uma violeta, e, sobre ela, o dia inteiro, entre o planeta e o sem-fim, a asa de uma borboleta. Canção Mínima Cecília Meireles Aquela senhora tem um piano Que é agradável mas não é o correr dos rios Nem o murmúrio que as árvores fazem... Para que é preciso ter um piano? O melhor é ter ouvidos E amar a natureza O Guardador de Rebanhos Fernando Pessoa

8 RESUMO Atualmente a humanidade passa por uma crise ambiental jamais vista, a qual vem sendo ocasionada basicamente pelo projeto de civilização da modernidade, que superdimensionou o lugar das atividades econômicas na vida humana. Para evitar que novos danos ocorram, há a necessidade de se pensar em novas alternativas políticas e jurídicas. Os teóricos pesquisadores do direito ambiental têm feito esforços para propor um novo paradigma organizacional: o Estado de Direito Ambiental. Para que este modelo se torne realidade, o Estado deve fazer intervenções para harmonizar as atividades econômicas à proteção ambiental. No Brasil, o direito ao meio ambiente é considerado um direito fundamental desde a promulgação da Constituição brasileira de 1988 e a proteção do meio ambiente é um princípio fundamental da ordem econômica. Neste contexto, o objetivo desta dissertação é investigar os princípios e diretrizes para as políticas ambientais brasileiras, que estejam de acordo com o novo paradigma organizacional do Estado de Direito Ambiental. Aborda uma nova forma de olhar a relação ecologia e economia para a compreensão do desenvolvimento sustentável. Apresenta três direções para as políticas ambientais: a da Economia Ambiental e da Análise Econômica do Direito, a do ecodesenvolvimento de Ignacy Sachs e a Economia Ecológica. Apenas as duas últimas pareceram compatíveis com o ordenamento jurídico brasileiro. A metodologia utilizada é dialética, histórica e comparativa. As técnicas são a bibliográfica e a documental. Palavras-chave: Crise Ambiental, Ecologia, Economia, Estado de Direito Ambiental.

9 ABSTRACT Nowadays, humanity goes through the biggest environmental crisis ever known, that is being caused basically by modern age civilization project, witch supersized economical activities place in human being life. To avoid that new damages occur, there is the necessity of thinking on new politic and legal alternatives. The theoreticians whose researches the environmental law have made efforts to propose a new organizational paradigm: the Environmental Rule of Law. This model only will become truth if the State makes interventions to harmonize the economical activities to the environmental protection. In Brazil, the environmental law is considered a basic law since the promulgation of the Brazilian Constitution of 1988, and the environmental protection is also a fundamental principle from economical order. In this context, the objective of this thesis is to investigate principles and lines of direction for Brazilian environmental politics, that are in accordance with the new organization paradigm of Environmental Rule of Law. It approaches a new way to comprehend the relation between ecology and economy to understanding sustainable development. It introduces three directions to environmental politics: the one from Economical Analysis of Law and Environmental Economy, the one from eco-development, from Ignacy Sachs, and the last one, the Ecological Economy s point of view. Only the two last ones seemed to be compatible to Brazilian law system. Methodology used is dialectic, historical and comparative. Research techniques are bibliographical and documental one. Keywords: Environmental crisis, Ecology, Economy, Environment Rule of Law.

10 LISTA DE SIGLAS ABC AED APP CE CF CONAMA CONTAG COP CPT CUT ECO/92 EIA FETRAF GATT GEE IC ICMS INTERPOL ITR MDL MST OCDE ONU PNMA PNUMA SBPC SEMA SISNAMA STF STJ Academia Brasileira de Ciências Análise Econômica do Direito Área de Preservação Permanente Comércio de Emissões Constituição Federal Conselho Nacional do Meio Ambiente Confederação dos Trabalhadores na Agricultura Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do clima Comissão Pastoral da Terra Central Única dos Trabalhadores Conferência do Rio de Janeiro sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Estudo prévio de Impacto Ambiental Federação dos Trabalhadores da Agricultura Familiar General Agreement of Tariffs and Trades Gases do Efeito Estufa Implementação Conjunta Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços Organização Internacional de Polícia Criminal Imposto Territorial Rural Mecanismos de Desenvolvimento Limpo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico Organização das Nações Unidas Política Nacional do Meio Ambiente Programa das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência Secretaria Especial do Meio Ambiente Sistema Nacional do Meio Ambiente Supremo Tribunal Federal Superior Tribunal de Justiça

11 SUMÁRIO INTRODUÇÃO A RELAÇÃO HOMEM-NATUREZA ATRAVÉS DOS TEMPOS: UMA VISÃO TRANSDISCIPLINAR Considerações iniciais sobre o conceito de meio ambiente, seus diversos aspectos e a abordagem deste trabalho Da contemplação à pretensa dominação: a relação homem-natureza dos primórdios à modernidade Precisamos de um pouco de história e filosofia? O nomadismo: noventa e nove por cento da existência do gênero humano A transição para a agricultura A expansão da Europa e o surgimento do capitalismo A Revolução Industrial Pós-modernidade e crise ecológica: perspectivas para uma mudança de rota A PROTEÇÃO JURÍDICA DO MEIO AMBIENTE NA ESFERA INTERNACIONAL Uma análise crítica acerca do aparecimento tardio da ideia de proteção jurídica ao meio ambiente na contemporaneidade O direito internacional ambiental pré-estocolmo A pré-história do direito internacional ambiental moderno O fortalecimento do ambientalismo O Clube de Roma e o relatório Os Limites do Crescimento (1971) O Direito internacional ambiental a partir da Conferência de Estocolmo (1972) O reconhecimento do direito ao meio ambiente como direito humano e direito fundamental O Direito Internacional Ambiental da Conferência de Estocolmo (1972) à Conferência do Rio de Janeiro (1992) O Relatório Nosso Futuro Comum (1987) A Conferência do Rio de Janeiro Sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento (1992) O Direito Internacional Ambiental pós- Rio/92: avanços, retrocessos, tendências e perspectivas...72

12 2.5.1 A Conferência de Joanesburgo (2002) O caso do combate às mudanças climáticas: do Protocolo de Quioto aos desdobramentos atuais O Protocolo de Quioto (1998) A Conferência de Copenhague COP-15 (2009) e perspectivas para a COP-16 (2010 México) Perspectivas para o Direito Internacional Ambiental A PROTEÇÃO JURÍDICO-CONSTITUCIONAL AO MEIO AMBIENTE NO BRASIL Um breve histórico da proteção ao meio ambiente nas Constituições brasileiras anteriores a Os primeiros passos rumo à proteção totalizante do meio ambiente no Brasil A Lei de Política Nacional do Meio Ambiente A Lei da Ação Civil Pública Os fundamentos do direito a um meio ambiente sadio e ecologicamente equilibrado no Brasil: da Constituinte à Constituição de O meio ambiente sadio e ecologicamente equilibrado como direito fundamental na Constituição de O meio ambiente sadio e ecologicamente equilibrado como dever fundamental na Constituição de O Estado de Direito Ambiental brasileiro Princípios estruturantes do Estado de Direito Ambiental Princípio da precaução Princípio da cooperação Princípio da responsabilização A ORDEM AMBIENTAL ECONÔMICA NA CONSTITUIÇÃO DE 1988: PRINCÍPIOS E DIRETRIZES PARA POLÍTICAS SUSTENTÁVEIS Considerações gerais sobre a ordem econômica constitucional brasileira Princípios ambientais-econômicos do Estado de Direito Ambiental A defesa do meio ambiente como princípio fundamental da ordem econômica A intervenção estatal obrigatória na ordem econômica pela defesa do meio ambiente

13 4.2.2 Princípio da função ambiental da propriedade Princípio do poluidor-pagador Princípio do protetor-recebedor Princípio da proibição do retrocesso ecológico Princípio do desenvolvimento sustentável Por uma nova pré-compreensão da relação entre ecologia e economia no Estado de Direito Ambiental Diretrizes para políticas ambientais econômicas sustentáveis A inadequação das proposições da Economia Ambiental Neoclássica e da Análise Econômica do Direito (AED) Os critérios de Ignacy Sachs A proposta da Economia Ecológica Desafios e perspectivas de efetivação do Estado de Direito Ambiental no Brasil CONCLUSÃO REFERÊNCIAS

14 14 INTRODUÇÃO Ao longo da história humana, a natureza passou de entidade misteriosa e sagrada a um conjunto supostamente infinito de bens e materiais, os quais devem ser conhecidos, interpretados, transformados e instrumentalizados em todas as suas possibilidades de serventia e utilidade às pretensamente ilimitadas necessidades de conforto e bem-estar humano. O triunfo da ideologia do progresso na modernidade contribuiu para uma rápida transformação do modo de vida dos indivíduos e de sua organização econômica e social. Desse modo, se alcançou altos níveis de utilização dos recursos naturais do planeta, em alguns casos chegando ao sério comprometimento ou até mesmo à exaustão de determinados ecossistemas. O referido contexto permite que se fale em uma crise ambiental, de patamares jamais documentados na história terrestre: florestas devastadas, poluição atmosférica, chuvas ácidas, grandes áreas em processo de desertificação, aquecimento climático global, montanhas de lixo acumuladas nos oceanos e a redução da qualidade e da diversidade da fauna e da flora, em última instância, são algumas consequências, dentre outras igualmente graves, de atividades econômicas exercidas de maneira desregrada, o que compromete, por fim, a qualidade de vida e a saúde dos seres vivos, ameaçando a sua permanência na Terra. A partir dessa alarmante conjuntura, surge uma inquietação no que concerne à perpetuação da vida humana no atual estágio civilizatório, conhecido como pós-modernidade, dada necessidade de ruptura com a herança das insustentáveis convicções filosóficas, éticas e morais de respeito do ser humano pela totalidade do sistema natural que lhe é superior e que, por isso mesmo, o serve. Estas questões são precedentes e fundamentais para avaliar quais as perspectivas, desafios e que postura deverá ser adotada pelo sistema jurídico diante da necessidade de elaboração e aperfeiçoamento de um novo paradigma organizacional e até mesmo civilizatório que permita a concretização de um ambiente sadio, integrado e ecologicamente equilibrado. Para se construir uma nova racionalidade ambiental, é necessário que haja uma reestruturação do tratamento jurídico e político do meio ambiente tanto em nível internacional, como nacional, no âmbito de cada Estado, até chegar nas organizações sociais locais mais elementares. Afinal, os danos ambientais ocorrem em situações de tempo e espaço

15 15 determinados, mas, ao serem observados em toda sua extensão e gravidade, podem desconhecer as fronteiras territoriais e políticas estabelecidas pelo homem. Em nível internacional, cada vez mais se percebe a necessidade de se investir em práticas de sensibilização e cooperação para solucionar as dificuldades de conciliação de interesses econômicos entre os países desenvolvidos e em desenvolvimento. No plano nacional, especificamente falando do caso brasileiro, vem se consolidando a defesa de um novo modelo de Estado, que assimile os pleitos de liberdade e justiça social e insira em suas prioridades as preocupações ambientais, a ponto de ser identificado como um Estado de Direito Ambiental. Estas diretrizes de proteção ambiental nacional devem partir da Constituição e irradiar-se para todos os níveis do ordenamento jurídico, até os atos normativos mais simples, bem como por todos os entes federativos. O projeto de ecologização da ordem jurídica nacional deve incluir fundamentalmente uma reorientação e um reposicionamento das atividades econômicas, inclusive mediante uma atuação estatal presente, sem o que jamais haverá condições de se incorporar concretude ao discurso de proteção ambiental. Nesse sentido, este trabalho tem por objetivo geral investigar os princípios e diretrizes de políticas ambientais na ordem econômica brasileira, no sentido de identificar a adequação do ordenamento jurídico-constitucional brasileiro ao modelo do Estado de Direito Ambiental. Como é amplamente conhecido da comunidade jurídica, a Constituição de 1988 prevê, em seu artigo 225, o direito-dever fundamental ao meio ambiente sadio e ecologicamente equilibrado, bem como, em seu artigo 170, inciso VI, a proteção do meio ambiente como um princípio fundamental da ordem econômica. O texto constitucional parece ter incorporado, diga-se, uma preocupação relativamente pacificada na sociedade brasileira atual. Não se encontra com facilidade cidadãos ou grupos que sejam aberta e gratuitamente contrários à proteção ambiental. No entanto, no que diz respeito às propostas de resolução de conflitos que envolvam a proteção do meio ambiente e o desenvolvimento ou crescimento econômico, já se torna mais fácil perceber que existe uma série de diferenciações quanto à forma e à intensidade em que esta proteção ambiental é considerada adequada.

16 16 O discurso do desenvolvimento sustentável perpassa hoje por diversos matizes ideológicos e ganhou, assim, uma pluralidade de significações, por vezes até contraditórias entre si. Na tentativa de evitar a proliferação de discursos e práticas ambientais vazias, tornouse também um desafio compreender efetivamente o que significa a expressão ora em comento, bem como o que se deve esperar das políticas interventivas de um Estado de Direito Ambiental. Para tentar elucidar estas questões, que se relacionam intimamente com a própria finalidade de um Estado de Direito Ambiental, se faz imprescindível voltar o olhar para como se dá a relação entre ecologia, direito e economia, percepção esta que parece ter sofrido uma série de distorções concomitantes ao projeto civilizatório da modernidade. A partir disso, acredita-se ser possível propor diretrizes de políticas ambientais aptas a garantir a existência de uma vida digna e feliz, com desenvolvimento das plenas potencialidades humanas para as futuras gerações. Para alcançar o pretendido, faz-se uso da abordagem dialética, a qual se considera adequada para os trabalhos da grande área das ciências sociais em geral, tendo em vista que permite relacionar fenômenos, bem como refletir criticamente acerca dos diferentes entendimentos sobre o objeto estudado. Os métodos de procedimento eleitos são o histórico e o comparativo. O primeiro permite investigar as causas e conseqüências, e enfim, os contextos em que aconteceram as grandes transformações na compreensão da natureza através dos tempos, bem como as situações que desembocaram no processo gradativo de incorporação do meio ambiente enquanto objeto de proteção jurídica, até se chegar ao paradigma do Estado de Direito Ambiental, para daí proceder a análises que levem a uma maior aproximação da realidade, quanto às perspectivas de efetividade do direito ambiental; pelo segundo, contrapõem-se as produções doutrinárias acerca dos assuntos estudados, no sentido de verificar, em última instância, as concepções mais coerentes para a harmonização do exercício das atividades econômicas à proteção do meio ambiente. As técnicas de pesquisa perpassam prioritariamente por um exame bibliográfico transdisciplinar, através de consulta à literatura especializada nacional e estrangeira, em áreas afins e diversificadas, como: História Ambiental, Ecologia Política, Filosofia, Ética, Sociologia, Antropologia, Economia, Direito Internacional Ambiental, Direito Constitucional, Direito Ambiental, Direito Econômico, Direito Tributário Ambiental, dentre outros; também se utilizou de consultas a documentos oficiais, como: o Anteprojeto Afonso Arinos, os anais

17 17 da Assembleia Nacional Constituinte de 1986/1987, as Constituições brasileiras revogadas, algumas leis ordinárias concernentes à matéria; informações, dados e notícias no endereço eletrônico do Ministério do Meio Ambiente, da Presidência da República, do Congresso Nacional e do Superior Tribunal de Justiça e das Nações Unidas, dentre outros; pesquisas jurisprudenciais nos endereços eletrônicos do Supremo Tribunal Federal e do Superior Tribunal de Justiça, com a finalidade de exemplificar como vem se dando a interpretação e a aplicação dos princípios de direito ambiental e de direito ambiental econômico. Como se vê, trata-se de uma pesquisa prioritariamente qualitativa, que conta com as fases exploratória, descritiva e explicativa. O trabalho se encontra dividido em quatro capítulos. O primeiro inicia com uma breve exposição acerca do conceito de meio ambiente e a abordagem do trabalho e faz um resgate dos períodos mais marcantes da relação do homem com a natureza através dos tempos, envolvendo o nomadismo, a invenção da agricultura, o surgimento do capitalismo, a Revolução Industrial e a pós-modernidade, para contextualizar o atual modelo civilizatório em crise dentro de um conjunto de escolhas culturalmente desenhadas, e não como o modo de vida para o qual os humanos estão natural e irreversivelmente programados. Desse modo, acredita-se lançar as bases que permitirão a compreensão não apenas da necessidade, mas também da possibilidade de uma mudança de rota. No segundo capítulo, passa-se a uma análise acerca do surgimento (tardio) da proteção jurídica internacional do meio ambiente, do desenvolvimento de alguns conceitos e elementos fundamentais para a consolidação da proteção jurídica do meio ambiente, bem como dos principais eventos e documentos internacionais, que influenciaram a incorporação da proteção jurídica ambiental no Brasil. Posteriormente, indicam-se algumas dificuldades ainda não superadas pelo direito internacional ambiental, relacionadas à defesa de interesses econômicos de determinados grupos de países e, finalmente, aponta-se para as perspectivas futuras desta área do direito. O terceiro capítulo inicia com a indicação doutrinária da existência de fases da proteção ambiental nacional, seguida de um breve histórico do tratamento do meio ambiente nas constituições brasileiras anteriores a Posteriormente, se faz uma contextualização do surgimento da proteção globalizante do meio ambiente, com considerações acerca da intensificação do processo de industrialização brasileiro e do agravamento da crise ambiental. Na sequência, estudam-se a Lei de Política Nacional do Meio Ambiente e a Lei da Ação Civil Pública. Logo após, dá-se início aos estudos da constitucionalização do meio ambiente no

18 18 Brasil e do movimento ocorrido entre a Constituinte e a Constituição. Ao fim, caracteriza-se o meio ambiente sadio e ecologicamente equilibrado como um direito e um dever fundamental e apresenta-se o estado brasileiro como um Estado de Direito Ambiental, com seus respectivos princípios estruturantes. No quarto e último capítulo discutem-se o conteúdo dos princípios e as diretrizes de políticas ambientais econômicas adequadas ao Estado de Direito Ambiental brasileiro. Inicialmente, faz-se uma explanação geral acerca dos fundamentos da ordem econômica nacional, para depois passar à apresentação dos princípios da ordem ambiental econômica brasileira. Em seguida, procede-se a um estudo acerca das diversas pré-compreensões existentes acerca da relação entre ecologia e economia e da adequação ou não de cada uma delas ao paradigma do Estado de Direito Ambiental brasileiro. Finalmente, enunciam-se os marcos doutrinários que relacionam economia e meio ambiente, para igualmente verificar o grau de harmonização das diretrizes de políticas ambientais econômicas propostas por cada um deles com o modelo estatal adotado em A partir disso, fazem-se algumas considerações acerca dos desafios e perspectivas de concretização do direito-dever fundamental ao meio ambiente no Brasil. Acredita-se, pois, na relevância científica, social e jurídica desta pesquisa, porque é premente o interesse que a cerca, já que sua finalidade envolve o pressuposto básico da existência, corolário necessário do próprio direito à vida, relacionando-se também à efetivação da dignidade humana, núcleo de todos os outros direitos fundamentais, através de valores solidários, que buscam alcançar critérios de equilíbrio segundo os quais toda a coletividade presente e futura possa continuar existindo.

19 19 1 A RELAÇÃO HOMEM-NATUREZA ATRAVÉS DOS TEMPOS: UMA VISÃO TRANSDISCIPLINAR A história da humanidade pode ser vista de diversas formas, a depender do ângulo e da postura do observador. Por vezes, pode aparecer como um processo de constante aprimoramento e evolução, ou como uma série de descaminhos e descontinuidades que parecem levar a uma autodestruição. Quando se olha sob a perspectiva do relacionamento dos seres humanos com a natureza, é possível perceber que inicialmente, verifica-se um vínculo de reverência, sacralidade e até temor. As leis da natureza funcionam em plena harmonia com o ritmo de vida e com o regramento social e jurídico das populações. Passados alguns milênios, a postura é absolutamente diversa: confiante no progresso tecnológico e nos avanços sobre o entendimento de alguns mecanismos de funcionamento do mundo natural, o homem assume inequivocamente a posição de domínio, achando-se capaz de controlar, transformar e direcionar os recursos naturais de acordo com suas vontades, diversas vezes nomeadas como necessidades. A normatividade das sociedades humanas, então, se fragmenta: tem-se leis morais, que não coincidem necessariamente com as leis jurídicas, que se adequam quase sempre à ordem econômica, que, por sua vez, subordina e corrompe a política, em uma lógica completamente diferenciada daquele período inicial. De tal forma isto aconteceu que, alguns, preocupados com sinais de exaustão da natureza antes divinizada transformaram-na em objeto de um amplo conjunto de políticas públicas, normas jurídicas municipais, estaduais e nacionais e de tratados internacionais que, contudo, sofrem de um sério problema de efetividade. Parte-se do pressuposto de que referido problema não decorre somente de fatores técnicos; diante do breve choque de concepções históricas apresentado, bem como da superação do desafio do purismo jurídico kelseniano, percebe-se a necessidade de proceder a uma investigação crítica e totalizante da relação homem natureza, em uma tentativa de compreender melhor as alternativas adequadas ao período de transição em que se vive atualmente, frequentemente denominado de pós-modernidade. Neste sentido, este primeiro capítulo se destina a percorrer a história da relação homem-natureza através dos tempos, para tentar lançar luzes sobre o contexto e a

20 20 profundidade da problemática enfrentada. Como se trata basicamente do momento inicial de delimitações, será necessário, antes mesmo de proceder à análise pretendida, resolver uma prévia questão de ordem, através de uma incursão no conceito de meio ambiente que será utilizado. 1.2 Considerações iniciais sobre o conceito de meio ambiente, seus diversos aspectos e a abordagem deste trabalho 1 O termo meio ambiente possui uma ampla significação. Há uma pluralidade de conceituações relativas a esta expressão que foram forjadas nas últimas décadas 2, sem que se tenha alcançado um consenso científico-doutrinário. De acordo com Edis Milaré, a verdade é que se está a tratar de uma daquelas categorias cujo conteúdo é mais facilmente intuído que definível, em virtude da riqueza e complexidade do que encerra 3. Assim, já de início é preciso ressalvar que não é o objetivo central deste trabalho adentrar aprofundadamente nesta problemática, que, por si, exigiria esforços de grande magnitude. O que se pretende é tão-somente fixar as bases iniciais da discussão a ser desenvolvida. Feitas estas considerações, que expressam as limitações e as restrições oriundas da determinabilidade da expressão meio ambiente, resignamo-nos a reconhecer a necessidade de fazê-lo, ainda que de forma aproximada, a fim de utilizar uma definição contextualizada, adequada ao objeto a ser por ora estudado. A palavra meio, oriunda do latim, mediu, tem como um de seus significados: lugar onde se vive, com suas características e condicionamentos geofísicos; ambiente 4 ; já ambiente, cuja grafia portuguesa se manteve exatamente como a latina, é o aquilo que cerca ou envolve os seres ou as coisas; meio ambiente 5. Por fim, a definição da expressão meio 1 Cf. MENDES, Ana Stela Vieira; FROTA, Henrique Botelho. Desenvolvimento urbano e o desafio da proteção do meio ambiente em Fortaleza-Ce. In: Marcos Wachowicz; João Luis Nogueira Matias. (Org.). Direito de propriedade e meio ambiente: novos desafios para o século XXI. Florianópolis: Fundação Boiteux, VIEIRA, Paulo Freire. Meio ambiente, desenvolvimento e planejamento. In: Meio ambiente, desenvolvimento e cidadania: desafios para as ciências sociais. Vários autores. 2. ed. São Paulo: Cortez; Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 1998, p MILARÉ, Edis. Direito do ambiente: Doutrina jurisprudência glossário. 4 ed. rev., ampl. e atual. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2005., p BUARQUE DE HOLANDA, Aurélio. Novo dicionário da Língua Portuguesa. 2 ed. 36 reimp. rev. e ampl. Rio de Jameiro: Nova Fronteira, 1997, p Ibid., p

Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental. Unidade I:

Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental. Unidade I: Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental Unidade I: 0 Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental Introdução A disciplina Direito Ambiental tem como objetivo propiciar ao corpo discente uma análise sobre

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO 1 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER RESUMO HUMANO Luísa Arnold 1 Trata-se de uma apresentação sobre a preocupação que o homem adquiriu nas últimas décadas em conciliar o desenvolvimento

Leia mais

O PAPEL DAS LEIS AMBIENTAIS PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PAPEL DAS LEIS AMBIENTAIS PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL O PAPEL DAS LEIS AMBIENTAIS PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL O estudo da proteção ambiental tem como pressuposto uma análise necessariamente transdiciplinar, por meio da qual profissionais e estudiosos das mais

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL Histórico, Significado e implicações www.danielbertoli.com Histórico Preocupações no pós-guerra (50 e 60) Discussões sobre contaminação e exaustão de recursos

Leia mais

1. Objetivo geral da política nacional do meio ambiente

1. Objetivo geral da política nacional do meio ambiente Romeu Thomé e Leonardo de Medeiros Garcia entes da federação é justificada pela sobreposição de interesses acerca do tema. Cabe, portanto, à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios implementar

Leia mais

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto ***

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA * Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** Resumo: Este estudo foi construído a partir de uma pesquisa realizada na própria

Leia mais

DECLARAÇÃO DE BUENOS AIRES (2012) 1

DECLARAÇÃO DE BUENOS AIRES (2012) 1 DECLARAÇÃO DE BUENOS AIRES (2012) 1 Sobre a atuação dos Juízes e Poderes Judiciários Iberoamericanos relativamente à informação, à participação pública e ao acesso à justiça em matéria de meio ambiente

Leia mais

Políticas públicas de meio ambiente na implementação de procedimentos de controle e gestão ambiental na indústria.

Políticas públicas de meio ambiente na implementação de procedimentos de controle e gestão ambiental na indústria. Políticas públicas de meio ambiente na implementação de procedimentos de controle e gestão ambiental na indústria. Edson José Duarte 1 Universidade Federal de Goiás/Campos catalão Email: edsonduartte@hotmail.com

Leia mais

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação.

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação. PLANO DE CURSO 2012/01 DISCIPLINA: DIREITO AMBIENTAL PROFESSORA: PATRICIA MARQUES GAZOLA TURMA: 9ª CN TOTAL DE ENCONTROS PREVISTOS: 21 (42 AULAS) obs. Esta é uma previsão que poderá ser alterada no decorrer

Leia mais

Elaboração de Projetos PROJETO DE PESQUISA FERNANDO DOMINGO ZINGER

Elaboração de Projetos PROJETO DE PESQUISA FERNANDO DOMINGO ZINGER Elaboração de Projetos PROJETO DE PESQUISA FERNANDO DOMINGO ZINGER Metodologia Científica Projeto de Pesquisa Orientações Gerais Projeto de pesquisa Questões a responder o que fazer? formulação do problema,

Leia mais

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR LUIZ, Cintya Fonseca; AMARAL, Anelize Queiroz & PAGNO, Sônia Fátima Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste. cintya_fonseca@hotmail.com;

Leia mais

Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar

Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar GEOGRAFIA 1ª Série Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar http://karlacunha.com.br/tag/charges Geografia - 1ª Série Prof. Márcio Luiz Conferência do Clube de Roma Considero que um dos documentos mais

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global

Capítulo 21 Meio Ambiente Global Capítulo 21 Meio Ambiente Global http://karlacunha.com.br/tag/charges Geografia - 1ª Série Prof. Márcio Luiz Conferência do Clube de Roma Considero que um dos documentos mais importantes, em termos de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues INTRODUÇÃO O desenvolvimento da sociedade De forma desordenada e sem planejamento Níveis crescentes de poluição

Leia mais

14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde

14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde 14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde O licenciamento ambiental e o licenciamento urbanístico no Projeto de Lei nº 3.057/2000 Lei de responsabilidade

Leia mais

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental, cria o Programa Estadual de Educação Ambiental e complementa a Lei Federal nº 9.795/99,

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

A BIODIVERSIDADE NO DIREITO AMBIENTAL INTERNACIONAL E A DIGNIDADE HUMANA

A BIODIVERSIDADE NO DIREITO AMBIENTAL INTERNACIONAL E A DIGNIDADE HUMANA A BIODIVERSIDADE NO DIREITO AMBIENTAL INTERNACIONAL E A DIGNIDADE HUMANA Almeida S. S. (1) ; Pereira, M. C. B. (1) savio_eco@hotmail.com (1) Universidade Federal de Pernambuco UFPE, Recife PE, Brasil.

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Fragmentos da historia da educação ambiental (EA)

Fragmentos da historia da educação ambiental (EA) Fragmentos da historia da educação ambiental (EA) Aldenice Alves Bezerra 1 Resumo Este trabalho é resultado de uma pesquisa exploratória onde foi utilizado como procedimento para coleta de dados um levantamento

Leia mais

RESUMO: REPRESENTAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO FORMAL: A NECESSIDADE DE SENTIR-SE PARTE

RESUMO: REPRESENTAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO FORMAL: A NECESSIDADE DE SENTIR-SE PARTE RESUMO: REPRESENTAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO FORMAL: A NECESSIDADE DE SENTIR-SE PARTE Diante da necessidade de proporcionar uma reflexão sobre o tema Meio Ambiente no ensino formal, esse trabalho tem por

Leia mais

DIREITO AMBIE TAL: REFLEXÕES SOBRE A ORIGEM E AS FO TES DE DIREITO

DIREITO AMBIE TAL: REFLEXÕES SOBRE A ORIGEM E AS FO TES DE DIREITO _ DIREITO AMBIE TAL: REFLEXÕES SOBRE A ORIGEM E AS FO TES DE DIREITO Inez lopes Matos C. de Farias 1 RESUMO: O presente artigo tem por finalidade analisar a importância do Direito Ambiental como instrumento

Leia mais

RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Carlos Henrique R. Tomé Silva 1 Durante dez dias, entre 13 e 22 de julho de

Leia mais

RESENHA A INTERNET À LUZ DO DIREITO CONSTITUCIONAL E CIVIL 1

RESENHA A INTERNET À LUZ DO DIREITO CONSTITUCIONAL E CIVIL 1 RESENHA A INTERNET À LUZ DO DIREITO CONSTITUCIONAL E CIVIL 1 Fabiana Rikils 2 Elói Martins Senhoras 3 A internet tem produzido uma crescente transformação fática na sociedade global que repercute em diferentes

Leia mais

Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo

Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo I Informações Gerais Impactos das Mudanças Climáticas As mudanças climáticas impõem

Leia mais

EDUCAR PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO ENVOLVENDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA

EDUCAR PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO ENVOLVENDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA EDUCAR PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO ENVOLVENDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA 1 DEUS, Josiani Camargo & 1 AMARAL, Anelize Queiroz 1 Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste RESUMO Nos

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE CIÊNCIAS SOCIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE CIÊNCIAS SOCIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE CIÊNCIAS SOCIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS DISCIPLINA: DIREITO AMBIENTAL I CÓDIGO: CARGA HORÁRIA: 80 h.a. N.º DE CRÉDITOS: 04 PRÉ-REQUISITO:

Leia mais

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011.

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. 1 LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. Institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

Profa. Margarita Ma. Dueñas O. margarita.unir@gmail.com

Profa. Margarita Ma. Dueñas O. margarita.unir@gmail.com Profa. Margarita Ma. Dueñas O. margarita.unir@gmail.com Meio ambiente é o conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem física, química e biológica, que permite, abriga e rege a vida em

Leia mais

DIREITOS E MEIO AMBIENTE DO TRABALHO 1 WILLIAN SHIRATA NPI - FAC SÃO ROQUE

DIREITOS E MEIO AMBIENTE DO TRABALHO 1 WILLIAN SHIRATA NPI - FAC SÃO ROQUE DIREITOS E MEIO AMBIENTE DO TRABALHO 1 WILLIAN SHIRATA NPI - FAC SÃO ROQUE INTRODUÇÃO Para que haja maior entendimento do meio ambiente do trabalho é importante definir o que é o meio ambiente, pois, apesar

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

ÉTICA, MEIO AMBIENTE E DIREITOS HUMANOS.

ÉTICA, MEIO AMBIENTE E DIREITOS HUMANOS. ÉTICA, MEIO AMBIENTE E DIREITOS HUMANOS. ANDREI MOHR FUNES 1 FACULDADES DE PINHAIS PR GILMARA PESQUERO FERNANDES MOHR FUNES 2 NARA FERNANDES BORDIGNON 3 1 Especialista em Direito pela Universidade do Oeste

Leia mais

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007).

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). Anexo 1. Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). I. Disciplinas Obrigatórias SOCIOLOGIA CLÁSSICA Os paradigmas sociológicos clássicos (Marx, Weber, Durkheim).

Leia mais

É uma contribuição do grupo sul-americano, participante da Aliança Internacional de Responsabilidades para Sociedades Sustentáveis.

É uma contribuição do grupo sul-americano, participante da Aliança Internacional de Responsabilidades para Sociedades Sustentáveis. Apresentação O Manifesto de Lima a Paris foi apresentado no encontro denominado Que Responsabilidades o mundo necessita frente às mudanças climáticas? Por uma nova governança ambiental. O evento foi realizado

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL

INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL 1. NOMENCLATURA DA DISCIPLINA JURÍDICA Direito ambiental, direito do meio ambiente, direito do desenvolvimento sustentável, direito verde, direito ecológico, direito de

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

Disciplina EQW-010. INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564

Disciplina EQW-010. INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564 Disciplina EQW-010 INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564 Prof. Lídia Yokoyama (lidia@eq.ufrj.br) sala E-206 Tel:2562-7560 CONCEITOS - DEFINIÇÕES

Leia mais

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL APROVO Em conformidade com as Port. 38-DECEx, 12ABR11 e Port 137- Cmdo Ex, 28FEV12 MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

Leia mais

DANO AMBIENTAL AUTOR: RILDO BARROS FERREIRA RESUMO

DANO AMBIENTAL AUTOR: RILDO BARROS FERREIRA RESUMO DANO AMBIENTAL AUTOR: RILDO BARROS FERREIRA RESUMO A proteção ao meio ambiente passou a ser uma preocupação nos últimos tempos. Atualmente a defesa do meio ambiente tem como escopo a conservação dos recursos

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012)

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) O Ensino de Direitos Humanos da Universidade Federal do

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Direito Ambiental Internacional e Interno: Aspectos de sua Evolução Publicado na Gazeta Mercantil em 12 de dezembro de 2002 Paulo de Bessa Antunes Advogado Dannemann Siemsen Meio

Leia mais

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS 1 EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS Daniela da Costa Britto Pereira Lima UEG e UFG Juliana Guimarães Faria UFG SABER VI Ensinar a compreensão 5. Educação para uma cidadania planetária

Leia mais

6o. Fórum Global de Parlamentares para o Habitat Rio de Janeiro - RJ, Brasil - 18 a 20 de março de 2010

6o. Fórum Global de Parlamentares para o Habitat Rio de Janeiro - RJ, Brasil - 18 a 20 de março de 2010 6o. Fórum Global de Parlamentares para o Habitat Rio de Janeiro - RJ, Brasil - 18 a 20 de março de 2010 Tema: Mudanças Climáticas Palestrante: Érika Pires Ramos Resumo. O presente ensaio pretende ser uma

Leia mais

DIREITOS HUMANOS E MEIO AMBIENTE

DIREITOS HUMANOS E MEIO AMBIENTE 18 DIREITOS HUMANOS E MEIO AMBIENTE Vanessa Cristina Sperandio, 1 RESUMO: O presente artigo tem por objeto o estudo sobre o direito humano a um meio ambiente equilibrado. Se a proteção ambiental tem como

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

Dupla Ação: ConscientizAção e EducAção Ambiental para a Sustentabilidade

Dupla Ação: ConscientizAção e EducAção Ambiental para a Sustentabilidade Dupla Ação: ConscientizAção e EducAção Ambiental para a Sustentabilidade A Agenda 21 vai à Escola Autora: Zióle Zanotto Malhadas Nucleo Interdisciplinar de Meio Ambiente e Desenvolvimento/UFPR/Curitiba/2001

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA *

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA * EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA * Ana Rosa Salvalagio 1 Clarice Ana Ruedieger Marise Waslawosky Christmann Neida Maria Chassot INTRODUÇÃO: A educação ambiental se constitui numa forma abrangente de educação,

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL: ATUAÇÃO PREVENTIVA DO ESTADO À LUZ DA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

LICENCIAMENTO AMBIENTAL: ATUAÇÃO PREVENTIVA DO ESTADO À LUZ DA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 377 V Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS LICENCIAMENTO AMBIENTAL: ATUAÇÃO PREVENTIVA DO ESTADO À LUZ DA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Auro de Quadros Machado, Carlos Alberto Molinaro

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Universidade de Cuiabá. Curso de Direito

Universidade de Cuiabá. Curso de Direito PLANO DE ENSINO - ANO 2011/2 1 - IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DISCIPLINA: Biodireito TERMO: 8º semestre CARGA HORARIA: 30 horas PROFESSOR: Clarissa Bottega, Daniela Samaniego e José Diego Costa. 2 - PERFIL

Leia mais

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas 1. O Passado das ciências (Integração). O papel das Ciências Humanas? 2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas Contexto

Leia mais

II Curso de Direito e Sustentabilidade

II Curso de Direito e Sustentabilidade II Curso de Direito e Sustentabilidade II Curso de Direito e Sustentabilidade O" GEDAIS" )" Grupo" de" Estudos" em" Direito" Ambiental," Internacional" e" Sustentabilidade,"vinculado"ao"curso"de"Direito"e"ao"Centro"de"Ciências"

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

ENSINO DA ARTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: FORMAÇÃO DE CIDADÃOS VISANDO A SUSTENTABILIDADE

ENSINO DA ARTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: FORMAÇÃO DE CIDADÃOS VISANDO A SUSTENTABILIDADE ENSINO DA ARTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: FORMAÇÃO DE CIDADÃOS VISANDO A SUSTENTABILIDADE Elaine Barbosa da Silva Xavier Faculdade de Ciências da Administração de Pernambuco - Mestranda Neuma Kelly Vitorino

Leia mais

MEIO AMBIENTE ECOLOGICAMENTE EQUILIBRADO

MEIO AMBIENTE ECOLOGICAMENTE EQUILIBRADO MEIO AMBIENTE ECOLOGICAMENTE EQUILIBRADO RESUMO: Como o objeto de estudo deste artigo é o meio ambiente ecologicamente equilibrado é necessário que façamos uma breve definição do que vem a ser meio ambiente

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA João Sotero do Vale Júnior ¹ a) apresentação do tema/problema: A questão ambiental está cada vez mais presente no cotidiano da população das nossas cidades, principalmente

Leia mais

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 I CICLO DE ESTUDOS INTERDISCIPLINARES (1º e 2º semestres): FUNDAMENTOS DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO EMENTÁRIO: O I Ciclo do Curso de Pedagogia do UniRitter desenvolve os fundamentos

Leia mais

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Este Tratado, assim como a educação, é um processo dinâmico em permanente construção. Deve portanto propiciar a reflexão,

Leia mais

MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA

MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA Mariana

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

O PAPEL DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS: REFLEXÕES A PARTIR DE UMA EXPERIÊNCIA EM ESCOLAS PÚBLICAS

O PAPEL DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS: REFLEXÕES A PARTIR DE UMA EXPERIÊNCIA EM ESCOLAS PÚBLICAS O PAPEL DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS: REFLEXÕES A PARTIR DE UMA EXPERIÊNCIA EM ESCOLAS PÚBLICAS Wagner José de Aguiar 1 ; Fernando Joaquim Ferreira Maia 2 Núcleo Multidisciplinar

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) CIÊNCIAS CONTÁBEIS CIÊNCIAS CONTÁBEIS COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO A leitura como vínculo leitor/texto, através da subjetividade contextual, de atividades

Leia mais

Edino Cezar Franzio de Souza

Edino Cezar Franzio de Souza Edino Cezar Franzio de Souza Advogado e Professor em Brasília (DF) Mestre em Processo Civil pela Universidade Presbiteriana Mackenzie de São Paulo Especialização (stricto sensu) em Integração Econômica

Leia mais

O PARADIGMA DA COMPLEXIDADE: DESAFIOS PARA O CO HECIME TO. Maria Auxiliadora de Resende Braga. MARQUES Centro Universitário Moura Lacerda

O PARADIGMA DA COMPLEXIDADE: DESAFIOS PARA O CO HECIME TO. Maria Auxiliadora de Resende Braga. MARQUES Centro Universitário Moura Lacerda O PARADIGMA DA COMPLEXIDADE: DESAFIOS PARA O CO HECIME TO Maria Auxiliadora de Resende Braga. MARQUES Centro Universitário Moura Lacerda RESUMO: este texto tem por objetivo compreender a importância da

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO ADMINISTRAÇÀO DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO PROF: NAZARÉ FERRÀO TURMA: 7ADN-1

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO ADMINISTRAÇÀO DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO PROF: NAZARÉ FERRÀO TURMA: 7ADN-1 1 CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO ADMINISTRAÇÀO DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO PROF: NAZARÉ FERRÀO TURMA: 7ADN-1 LEMOS, Haroldo Matos. Desenvolvimento Sustentável: antecedentes. Rio

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes.

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. As mudanças nos ecossistemas, causadas pelo modelo de desenvolvimento econômico atual, trazem impactos

Leia mais

Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004

Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Lições de Cidadania - um Projeto em Construção Área Temática de Direitos Humanos Resumo No presente

Leia mais

Francisco José Carvalho

Francisco José Carvalho 1 Olá caro leitor, apresento a seguir algumas considerações sobre a Teoria da Função Social do Direito, ao qual considero uma teoria de direito, não apenas uma teoria nova, mas uma teoria que sempre esteve

Leia mais

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Ana Carolina Rosso de Oliveira Bacharel em Relações Internacionais pela Faculdades Anglo-Americano, Foz do Iguaçu/PR Resumo:

Leia mais

Sistema Político Globalizante e a Questão Ambiental segundo David Held

Sistema Político Globalizante e a Questão Ambiental segundo David Held Sistema Político Globalizante e a Questão Ambiental segundo David Held sheyla rosana oliveira moraes(ufpa) Cientista Social, Especialista em Educação Ambiental, Estudante do Curso de Pos Graduação em Ciencia

Leia mais

RESUMO. Desenvolvimento Econômico. Meio Ambiente. Lei 12.462/2011. Preservação Ambiental.

RESUMO. Desenvolvimento Econômico. Meio Ambiente. Lei 12.462/2011. Preservação Ambiental. Princípio do Desenvolvimento Sustentável aplicado ao Regime Diferenciado de Contratações Públicas RDC: aspectos constitucionais ambientais da Lei nº 12.642/2011. DANIEL DE MORAIS MATOS Jornalista Profissional

Leia mais

PROTEÇÃO CONSTITUCIONAL AO MEIO AMBIENTE

PROTEÇÃO CONSTITUCIONAL AO MEIO AMBIENTE PROTEÇÃO CONSTITUCIONAL AO MEIO AMBIENTE Micael François Gonçalves Cardoso 1 micael.fgc@click21.com.br Universidade Regional do Cariri - URCA MEIO AMBIENTE E ECONOMIA Os recursos naturais estão intrinsecamente

Leia mais

Módulo 2 Panorama mundial da questão ambiental. 1. Evolução do movimento ambientalista. Décadas de 60 e 70. Década de 80.

Módulo 2 Panorama mundial da questão ambiental. 1. Evolução do movimento ambientalista. Décadas de 60 e 70. Década de 80. Módulo 2 Panorama mundial da questão ambiental 1. Evolução do movimento ambientalista Durante os últimos 30 anos tem se tornado crescente a preocupação da sociedade com a subsistência, mais precisamente

Leia mais

AVALIAÇÃO: Uma prática constante no processo de ensino e aprendizagem. Palavras-chave: Avaliação. Ensino e aprendizagem. Docente. Prática pedagógica

AVALIAÇÃO: Uma prática constante no processo de ensino e aprendizagem. Palavras-chave: Avaliação. Ensino e aprendizagem. Docente. Prática pedagógica AVALIAÇÃO: Uma prática constante no processo de ensino e aprendizagem Resumo Maria Rita Leal da Silveira Barbosa * Angélica Pinho Rocha Martins ** É sabido que a prática de avaliação é uma intervenção

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL - UniDF PRÓ-REITORIA DE GESTÃO ACADÊMICA PRGA CENTRO DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL CTE DIREITO AMBIENTAL

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL - UniDF PRÓ-REITORIA DE GESTÃO ACADÊMICA PRGA CENTRO DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL CTE DIREITO AMBIENTAL 1 CENTRO DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL DIREITO AMBIENTAL Autoria: Ana Maria Benavides Kotlinski Desenho Instrucional: Fábia Pimentel Brasília DF 2007 2 CENTRO DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ CENTRO DE ESTUDOS E APERFEIÇOAMENTO FUNCIONAL CARLOS EDUARDO DE MIRANDA SILVA

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ CENTRO DE ESTUDOS E APERFEIÇOAMENTO FUNCIONAL CARLOS EDUARDO DE MIRANDA SILVA MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ CENTRO DE ESTUDOS E APERFEIÇOAMENTO FUNCIONAL CARLOS EDUARDO DE MIRANDA SILVA O PODER DE POLÍCIA AMBIENTAL E SUA EXECUÇÃO PELA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DE CASTRO CASTRO

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: O QUE PENSAM E FAZEM OS PROFESSORESDE UMA ESCOLA PÚBLICA NO NORTE DO PARANÁ

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: O QUE PENSAM E FAZEM OS PROFESSORESDE UMA ESCOLA PÚBLICA NO NORTE DO PARANÁ EDUCAÇÃO AMBIENTAL: O QUE PENSAM E FAZEM OS PROFESSORESDE UMA ESCOLA PÚBLICA NO NORTE DO PARANÁ Giovana Candido dos Santos (PICV), Thalita Toledo de Oliveira, Amanda Lipinski Fernandes Maciel, Jorge Sobral

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL NO DIREITO POSITIVO Cíntia Cecília Pellegrini

A INFLUÊNCIA DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL NO DIREITO POSITIVO Cíntia Cecília Pellegrini A INFLUÊNCIA DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL NO DIREITO POSITIVO Cíntia Cecília Pellegrini RESUMO: Após a Segunda Guerra Mundial, a sociedade internacional passou a ter como principal objetivo a criação de acordos

Leia mais

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação Janaina Guimarães 1 Paulo Sergio Machado 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo fazer uma reflexão acerca da espiritualidade do educador

Leia mais

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

RESENHA. Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios

RESENHA. Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios RESENHA Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios Sustainable Development: Dimensions and Challenges Marcos Antônio de Souza Lopes 1 Rogério Antonio Picoli 2 Escrito pela autora Ana Luiza de Brasil

Leia mais

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL 2002 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL A Conferência Geral, Reafirmando seu compromisso com a plena realização dos direitos

Leia mais

Por Prof. Manoel Ricardo. Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática

Por Prof. Manoel Ricardo. Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática Por Prof. Manoel Ricardo Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática A sociedade do século XXI é cada vez mais caracterizada pelo uso intensivo do conhecimento, seja para trabalhar, conviver ou exercer

Leia mais

REGISTRE SEUS DADOS ESCOLA: ALUNO: Prezados alunos e professores!

REGISTRE SEUS DADOS ESCOLA: ALUNO: Prezados alunos e professores! 1 Prezados alunos e professores! O livro Somos os Senhores do Planeta é fruto de um trabalho didático que tem por objetivo reunir em uma única publicação temas sobre o meio ambiente, são textos de fácil

Leia mais

FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO

FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE JOCEANE CRISTIANE OLDERS VIDAL Lucas do Rio Verde MT Setembro 2008 FACULDADE

Leia mais

NEOCONSTITUCIONALISMO E PLURALIDADE DEMOCRÁTICA

NEOCONSTITUCIONALISMO E PLURALIDADE DEMOCRÁTICA NEOCONSTITUCIONALISMO E PLURALIDADE DEMOCRÁTICA Shirlene Marques Velasco * RESUMO: O objetivo do trabalho é abordar alguns questionamentos que se apresentam na relação entre Constituição e democracia.

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 19, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 19, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 19, DE 2012 Biodiversidade Conservação e Uso Sustentável Carmen Rachel Scavazzini Marcondes Faria O principal instrumento jurídico internacional para a conservação e o uso sustentável

Leia mais

Introdução ao Sistema Jurídico Brasileiro

Introdução ao Sistema Jurídico Brasileiro Introdução ao Sistema Jurídico Brasileiro 1.1. Qual é a forma de governo (Presidencialismo, Parlamentarismo, Semipresidencialismo) e a forma de Estado (Unitário, Federado, Confederado) do país? O sistema

Leia mais

Capítulo I. I. Introdução

Capítulo I. I. Introdução Capítulo I Princípios Fundamentais do Direito Ambiental I. Introdução 1. Princípios específicos de proteção ambiental O direito ambiental, ciência dotada de autonomia científica, apesar de apresentar caráter

Leia mais

X Encontro de Extensão

X Encontro de Extensão 5CCADCFSPEX01 Construindo novas relações: Projeto de Educação Ambiental com estudantes de ensino público na cidade de Areia - PB Jaciara Bomfim dos Santos (1); Thiago Bernardino de Sousa Castro (2); Josilene

Leia mais

A RAZOABILIDADE ENQUANTO ELEMENTO CONSTITUTIVO DA HERMENÊUTICA JURÍDICA

A RAZOABILIDADE ENQUANTO ELEMENTO CONSTITUTIVO DA HERMENÊUTICA JURÍDICA A RAZOABILIDADE ENQUANTO ELEMENTO CONSTITUTIVO DA HERMENÊUTICA JURÍDICA D OLIVEIRA, Marcele Camargo 1 ; D OLIVEIRA, Mariane Camargo 2 ; CAMARGO, Maria Aparecida Santana 3 Palavras-Chave: Interpretação.

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais