CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO- SENSU EM GESTÃO AMBIENTAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO- SENSU EM GESTÃO AMBIENTAL"

Transcrição

1 CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO- SENSU EM GESTÃO AMBIENTAL Projeto Pedagógico do Curso Área: Multidisciplinar Subárea: Meio Ambiente e Agrárias Paraís o do Tocantins TO Ag os to/20

2 Francis co Nairton do Nas cimento Reitor Augus to Cés ar dos Santos Pró-Reitor de Pesquisa e Inovação Kallyana Moares Carvalho Dominices Diretora de Pós-Graduação Antonio da Luz Junior Diretor-Geral - Campus Paraíso do Tocantins Patrícia Luciano de Farias Teixeira Gerente de Ensino - Campus Paraíso do Tocantins Cris tiane Miranda Martins Coordenadora de Coordenação de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação Equipe de Elaboradores: Cristiane Miranda Martins Karine Beraldo Magalhães Oliveira Rafael Galvan Barbosa Ferraz Raquel Bezerra Barros Rejane Freitas Benevides Almeida 2

3 APRES ENTAÇÃO O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Tocantins tem como finalidade formar e qualificar profissionais, nos vários níveis e modalidades de ensino, para os diversos setores da economia e sociedade. Além disso, tem como função realizar pesquisas e desenvolvimento de novos processo produtos e serviços, em estreita articulação com os setores produtivos e a sociedade, oferecendo mecanismos para a educação continuada através do ensino, pesquisa e extensão. A proposição de um projeto de pós-graduação Lato-s ens u gratuita no Instituto Federal do Tocantins visa contribuir com a Educação Tecnológica e Científica, bem como a formação de pesquisadores e profissionais habilitados atuar nas mais diversas áreas do saber, decorrentes das transformações científico-tecnológicas. Tendo em vista a necessidade de formar profissionais habilitados a atuar na área de gestão ambiental propõe-se a criação de uma pós-graduação Lato- s ens u em Gestão Ambiental no IFTO Campus Paraíso do Tocantins. 3

4 SUMÁRIO. Nom e do Curs o e Área do Conhecim ento 5 2. Jus tificativa 5 3. Obje tivos 3. Geral 3.2 Es pecífico 4. Público Alvo 2 5. Concepção do program a 2 6. Coorde nação 4 7. Carga Horária 4 8. Período e Periodicidade 6 9. Conte údo Program ático 6 0. Corpo Doce nte 26. Me todologia Te cnologia Infra-Es trutura Fís ica Critério de S eleção S is tem as de Avaliação Controle de Frequência 3 7. Trabalho de Conclus ão 3 8. Ce rtificação Indicadores de Des em penho 33 R e fe rê ncias Bibliográficas 34 ANEXOS Anexo - INS TALAÇÕES E EQUIPAMENTOS EXIS TENTES Anexo 2 - ACERVO BIBLIOGRÁFICO REFERENTE AO CURS O 4

5 . Nome do Curs o e Área do Conhecimento Os Cursos de Pós-Graduação Lato-s ensu compreendem um conjunto de atividades de ensino-aprendizagem, com o objetivo de conferir ao educando maior grau de especialização em determinada área do saber e/ou de atividade profissional. Com isso, é proposto um curso de pós-graduação Lato-s ens u na área Multidisciplinar, subárea de meio ambiente e agrárias, na modalidade presencial, gratuito, denominado de Curso de Pós-graduação em Gestão Ambiental. 2. Jus tificativa É consenso que o futuro da humanidade depende da relação estabelecida entre a natureza e o uso pelo homem dos recursos naturais disponíveis. Atualmente vivemos sob o paradigma do desenvolvimento stentável, o qual enseja um mundo de responsabilidades partilhadas entre indivíduos, sociedade, empresas e governos aos cuidados com o ambiente. O caminho para a sustentabilidade pressupõe a adoção de novas condutas práticas, simples e sobretudo economicamente viáveis. O Brasil, além de ser um dos maiores países do mundo em extensão, possui inúmeros recursos naturais de fundamental importância todo o planeta: desde ecossistemas importantes como as suas florestas tropicais, o pantanal, o cerrado, os mangues e restingas, até uma grande parte da água doce disponível para o consumo humano. Dono de uma das maiores biodiversidades do mundo tem ainda uma riqueza cultural vinda da interação entre os diversos grupos étnicos americanos, africanos, europeus, asiáticos o que traz contribuições para toda a comunidade. Parte desse patrimônio cultural consiste no conhecimento importantíssimo, mas ainda pouco divulgado, dos ecossistemas locais: seu funcionamento, sua dinâmica e seus recursos. É preocupante, no entanto, a forma como os recursos naturais e culturais brasileiros vêm sendo tratados. Poucos produtores conhecem ou dão ao conhecimento do ambiente específico em que atuam. Muitas vezes, para e rair um recurso natural, perde-se outro de maior valor, como tem sido o caso da formação de pastos em certas áreas da Amazônia. Além disso, a degradação dos ambientes intensamente 5

6 urbanizados nos quais se insere a maior parte da população brasileira também é razão de ser deste tema. A fome, a miséria, a injustiça social, a violência e a baixa qualidade de vida de grande parte da população brasile são fatores que estão fortemente relacionados ao modelo de desenvolvimento e suas implicações socioambientais. O Estado do Tocantins foi criado em 988, com a promulgação da Constituição. Localizado no centro do País, na Região Norte, com área total de km², o Tocantins faz divisa com os Estados de Goiás, Bahia, Piauí, Maranhão, Pará e Mato Grosso. A sua posição geográfica, as riquezas naturais, as expansões comercial, industrial e econômica e o crescimento demográfico fazem deste mais novo Estado brasileiro uma rica fonte de atração de investimentos. Segundo dados da Secretaria do Planejamento e Meio Ambiente SEPLAN, a fitofisionomias do Tocantins apresenta desde o cerrado, cerradão, campos limpos ou rupestres à floresta equatorial de transição, sob forma de mata de galeria. O cerrado ocupa uma área superior de 60% da superfície total do Estado. Quanto ao solo tocantinense cerca de 6 milhões de hectares são agricultáveis e com condições edafo-climáticas favoráveis à diversificação da produção agrícola. Encontra-se também no Estado a maior área contínua do mundo apta à agricultura irrigada, com cerca de hectares no vale do Rio Javaés. Entre os recursos de origem vegetal com grande potencial de exploração econômica, destacam-se o coco babaçu, o pequi e o buriti. O Extrativismo mineral concentra-se na exploração de cristal de rocha. Existem também ocorrências de cobre, cromita, talco, fosfato, mante, enxofre, manganês, titânico, rutilo, ferro, calcário e ouro. Segundo o IBGE, A taxa de urbanização do Estado, que era de 39,7% em 980, passou para 57,69% em 99, atingindo 74,32% em 2000, uma taxa de crescimento de 46,57% em 20 anos. O Produto Interno Bruto (PIB) do Tocantins, segundo o departamento de Conta Nacionais do IBGE, no período de 996 a 2003, afirma que a economia tocantinense cresceu a uma taxa de 3,4% ao ano. Entre os setores micos do PIB destacase o terciário com 28,8% e primário com 5,7%, em O Sub-setor da 6

7 Administração Pública, Defesa e Seguridade contribuíra 23,06%, seguido pelo comércio com 7,6%. para o setor terciário com Algumas fábricas estão em expansão no estado, principalmente, nas áreas de alimentos (sucos de frutas e refrigerantes, unidades para beneficiamento de óleos comestíveis, arroz, milho e outros grãos) e de veículos (montadoras de caminhões, tratores e máquinas agrícolas). Também se espera que a obras de infra-estrutura que estão sendo desenvolvidas atraiam investimentos para o setor industrial do Estado. No período de 996 a 2003, a força do crescimento do setor secundário da economia do Estado, responsável pela transformação e agregação valor da matérias primas e dos produtos agropecuários disponíveis na natureza, quadruplicou sua participação, passando de 7,3% do PIB em 996 para 28,87% em segmentos econômicos chamam a atenção: a construção seguido pelos setores de eletricidade, gás e água e da indústria de transformação. No setor primário as principais atividades econômicas produtivas do Estado ainda são a pecuária bovina de corte, em 2003, teve uma taxa de nto de 6,3 pontos percentuais. A possibilidade do Brasil aumentar a produção de alimentos para os mercados interno e externo, coloca o Tocantins como a fronteira agrícola em condições mais favoráveis para ser efetivamente integrada ao circuito produtivo economia nacional, com grandes possibilidades para a exportação de grãos. A estratégia da política econômica do Governo do Estado do Tocantins está voltada para a consolidação de uma base produtiva moderna, diversificada, competitiva e eficiente, que garanta o processo de desenvolvimento, com a inserção do Estado mercado nacional e internacional. O Governo do Estado vem concentrando esforços e ações para a implementação da infra-estrutura necessária para promover o desenvolvimento socioeconômico sustentável, em que o setor privado é o ator principal, desse desenvolvimento. Existem vários projetos agrícolas em funcionamento e em implantação no Tocantins, tais como o Projeto Javaés, o Prodecer III, Campos Lindos e Sampaio, os quais utilizam técnicas modernas de manejo especialmente na produção da soja. 7

8 A indústria frigorífica no Estado está em expansão pos ilitando o desenvolvimento do setor de derivados bovinos. Atualmente o Tocantins tem 6 frigoríficos, localizados nas cidades de Araguaína, Paraíso do Tocantins, Porto ional, Araguaçu, Gurupi e Colinas do Tocantins, voltados para o atendimento do Mercosul, representando 5,9% em carne bovina congeladas, e 2,35% com miudezas comestíveis de bovino congeladas na pauta de exportação do Estado. Vale ress que as atividades dessas empresas geram empregos diretos. O grande objetivo do Estado não é apenas produzir e exportar, mas desenvolver a Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, que agrega valor à produção e gera empregos, contudo, o Estado do Tocantins ainda não possui um setor industrial expressivo. Foram implantados em solo tocantinense cinco distritos de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustenávels nas cidades de Palmas, Gurupi, Araguaína, Porto Nacional e Paraíso do Tocantins. O Programa do Governo Prosperar, também vem apoiando algumas indústrias em Palmas, processamento de pescado; em Miracema, Natividade e Figueirópolis, frutos tropicais; em Araguatins e Tocantinópolis, derivados de tomate e goiaba; em Araguaína, também, tomate e milho em conserva; em Xambioá, peixes. Esses distritos agroindustriais contr com a geração de renda para a população dessas áreas. O Estado possui excelentes condições materiais para a mplantação de projetos de produção de peixes, porque tem uma qualidade de água excepcional, com temperatura estável, que favorece o desenvolvimento da piscicultura e se prepara para usar os lagos das oito hidrelétricas que estão sendo construídas no Tocantins. Outros investimentos para geração de emprego e renda, m como do desenvolvimento econômico do Estado é o ecoturismo. Foram criadas cinco áreas de proteção ambiental com, aproximadamente, 3 milhões de hectares, com ações estratégicas objetivando o desenvolvimento sustentável na região para resguardar as riquezas da fauna e da flora, aproveitando ao máximo o recursos naturais, de modo que a conservação e preservação do meio ambiente seja capaz de prover qualidade de vida às atuais e futuras gerações. Vale destacar entre os pólos de preservação o Pólo Ecoturístico do Jalapão e o 8

9 Parque Estadual do Cantão com 89 mil hectares, regiões que por suas características tem fortes possibilidades de desenvolvimento de atividades ecoturísticas. No que se refere ao potencial energético do Estado diversos estudos destacam as bacias dos rios Araguaia e Tocantins. No território tocantinense estima-se um potencial de MW. As Usinas Hidrelétricas do Lajeado e Peixe-Angical estão em pleno funcionamento, enquanto estão sendo construídas as Usinas Hidrelétricas - UHE s, de São Salvador e Estreito. O Programa de Eletrificação Rural (PERTINS) já atingiu, aproximadamente, 90% dos contratos e atenderá ao final do programa 9 mil propriedades rurais e pequenas localidades, através da construção de 36 mil Km de redes, em linhas de transmissão de 3,8 Kv e 34,5 Kv. Conclui-se que através dos indicadores socioeconômicos do Tocantins/SEPLAN/2004, acima mencionados, observa-se que o Estado do Tocantins, desde a sua criação, apresenta tendência vocacional direcionada para as atividades de agropecuária, Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, ecoturismo e prestação de serviços. Dentre os principais problemas ambientais decorrentes das atividades urban e rurais se encontram os desequilíbrios da exploração excessiva dos recursos naturais, dos desmatamentos e quebra de cadeias alimentares típi dos ecossistemas naturais, bem como por problemas pontuais e específicos derivados do emprego de tecnologias produtivas, do uso inconveniente de matérias e energia nos processos industriais e nas comunidades urbanas, gerando os impactos de poluição do ar, da água e do solo. As demais atividades industriais e de serviços em desenvolvimento no Estado, também, interferem de alguma maneira no meio ambiente. Esse quadro de problemas ambientais contextualizado acima e o surgimento de uma nova consciência quanto à preservação do meio ambiente, por parte das organizações, têm requerido a formação de recursos humanos qualificados para responder as questões ambientais de forma que tenhamos um desenvolvimento sustentável, me preconizado pela Política Ambiental do Estado e do País. Em conseqüência dessa nova postura em relação ao desenvolvimento, a Constituição 9

10 Federal, em seu artigo 225, prevê o direito ao meio am ecologicamente equilibrado como um direito fundamental, essencial à m ção da qualidade de vida. No Brasil, o meio ambiente é considerado bem de uso comum do povo, sendo imperativo ao Poder Público e à coletividade defendê-lo e preservá-lo para as gerações presentes e futuras. Essa preocupação com o meio ambiente também está presente na Política Nacional do Meio Ambiente, instituída pela Lei Federal nº /8, que contempla, entre seus objetivos gerais, a preservação, a melhoria e a recuperação da qualidade ambiental, bem como a compatibilização do desenvolvimento econômico e social com o respeito à dignidade da vida humana, à manutenção do equilíbrio ecológico e à proteção dos recursos ambientais. Portanto, o alto nível dos impactos negativos das atividades produtivas, as exigências impostas pela legislação ambiental vigente e a crescente preferência dos consumidores por produtos considerados menos agressivos ao meio ambiente são fatores que impõem grandes desafios ao setor produtivo. O novo cenário evidencia que a proteção ambiental deixa de ser considerada responsabilidade exclusiva dos órgãos oficiais de meio ambiente e passa a ser compartilhada por todos os demais setores da sociedade. A incorporação do conceito de responsabilidade social na gestão e no gerenciamento das empresas tem multiplicado a demanda por profissionais qualificados para atuar na área de gestão ambiental. A Gestão Ambiental é uma área de conhecimento nova, que possui caráter multidisciplinar e tem como função contribuir para a construção de uma sociedade cujo desenvolvimento esteja aliado à sustentabilidade, destacando-se a necessidade desse gestor responsável possuir qualificação específica para gerenciar os processos produtivos, cuja postura de atuação se oriente numa perspectiva preventiva e/ou mitigadora. Nota-se que profissionais dos mais diversos campos vêm atuando na área, nem sempre devidamente habilitados (OLIVEIRA & SANTOS, 2007). Neste contexto, é imperativa a formação e habilitação profissionais que entendam as tecnologias ambientais e saibam gerencia-los para a melhoria constante da qualidade ambiental, de forma que possam atuar nas Empresas e Instituições 0

11 públicas. Após levantamento feito junto às Instituições de Ensino Superior do Estado do Tocantins, foi verificado que existe uma quantidade de egressos dos cursos vinculados a área de meio ambiente gerada todo semestre oriundas principalmente de cursos de Bacharelado em Engenharia Ambiental, Licenciaturas em Biologia e Geografia e cursos de tecnologia em Gestão Ambiental. a parte desses profissionais atua no mercado tocantinense, fortalecendo a mão de obra especializada para o setor. Esses profissionais graduados têm mostrado interesse em se especializar ainda mais em sua área de atuação. Dessa forma, o Curso de Pós Graduação em Gestão Ambiental a ser oferecido pelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Tocantins - Campus Paraíso do Tocantins, surge visando capacitar profissionais de todas as áreas de formação para a gestão ambiental de atividades, projetos e programas, tanto do setor privado, quanto de órgãos governamentais e desenvolver uma abordagem interdisciplinar e holística da questão ambiental, visando uma perspectiva integrada da gestão do meio ambiente. 3. Objetivos 3. Objetivos Geral Capacitar profissionais de todas as áreas de formação para a gestão ambiental de atividades, projetos e programas, tanto do setor privado, quanto de órgãos governamentais e desenvolver uma abordagem interdiscip e holística da questão ambiental, visando uma perspectiva integrada da gestão do meio ambiente. 3.2 Objetivos Es pecíficos Especializar e/ou atualizar tecnicamente profissionais que atuam ou que desejam atuar na área de Gestão Ambiental; Fornecer conhecimento atualizado e aprofundado sobre diversos aspectos da gestão dos recursos ambientais;

12 Capacitar profissionais que possam assessorar empresas e órgãos públicos em projetos de preservação do meio ambiente, Preparar profissionais capazes de planejar programas para conscientizar a população da importância de preservar o meio ambiente; Desenvolver a capacidade de compreensão da necessidade de preservação dos recursos naturais por meio da educação, tecnologia e gestão ambiental; Preparar profissionais aptos a realizar a avaliação am l propondo alternativas relacionadas à obtenção de melhorias relativas à Qualidade Ambiental, considerando a dimensão educativa para a preservação e conservação ambiental; Capacitar profissionais para a utilização de procedimentos para a melhoria contínua do meio ambiente; Formar profissionais capacitados a solucionar, com eficiência e em consonância com a filosofia da gestão ambiental, os problemas ambientais decorrentes das mudanças do meio ambiente; Contribuir para o conhecimento do planejamento e execução de projetos para a recuperação de áreas que já estão degradadas; Atender a demanda de qualificação pessoal na área de gestão ambiental. 4. Públic o Alvo Profissionais que possuem graduação em qualquer área do conhecimento, engajados em causas ambientais, interessados tanto no levantamento dos problemas ambientais, como na busca de soluções que possibilitem a interação entre desenvolvimento, sustentabilidade e meio ambiente. 5. Concepção do programa O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Tocantins no Campus Paraíso do Tocantins tem como finalidade formar e qualificar profissionais, nos vários níveis e modalidades de ensino, para os diversos setores da economia e sociedade; 2

13 alem de realizar pesquisas e desenvolvimento de novos processos, produtos e serviços, em estreita articulação com os setores produtivos e a sociedade, oferecendo mecanismos para a educação continuada através do ensino, pesquisa e extensão (BRASIL, 2009). Com base no seu papel e sabendo da necessidade do mercado por profissionais habilitados a atuar na área de gestão ambiental o IFTO Campus Paraíso do Tocantins se propõe a oferecer um curso de especialização Lato-s ens u em Gestão Ambiental, sabendo que o sistema de pós-graduação permitirá que o profissional habilitado faça um aprofundamento sobre as políticas relacionadas ao meio ambiente. Concebe-se a Gestão Ambiental como função capaz de contribuir para a construção de uma sociedade cujo desenvolvimento esteja aliado à ustentabilidade, destacando-se a necessidade desse gestor responsável possuir qualificação específica para gerenciar os processos produtivos, cuja postura de atuação se oriente numa perspectiva preventiva e/ou mitigadora. Dessa forma, o IFTO Campus Paraíso deseja construir um profissional que tenha um perfil delineado por um conjunto de competências que o torne capaz para atuar frente ao mundo produtivo e na vanguarda de políticas públicas, capazes de pensar globalmente e agir localmente. O curso foi concebido de forma a construir um profissi com visão sistêmica da questão ambiental, voltada para a resolução de problemas e para o exercício da iniciativa, da criatividade, do comprometimento e da responsabilidade ambiental. O curso é fruto também de uma profunda reflexão sobre as necessidades e demandas do mercado de trabalho regional e busca contribuir para a conservação e a proteção da base de recursos naturais locais, a reorientação da tecnologia e do gerenciamento de riscos e opção e uso de tecnologias limpas. Assim, essa pós-graduação pretende especializar mão-de-obra para atuar em postos de trabalho no setor público e privado, fornecendo sólidos conhecimentos práticos, com amplo apoio teórico para que o profissional seja capaz de atuar na área de Gestão Ambiental e atender a essa demanda do mercado de trabalho. 3

14 6. Coordenação Dados do coordenador: Karine Beraldo Magalhães Oliveira, Engenheira Ambiental, Especialista em Educação Profissional, professor DE do IFTO desde abril de Carga Horária O aluno do curso de Pós-graduação em Gestão Ambiental ficará obrigado a cursar no mínimo 360 horas de aulas disponibilizadas na forma de disciplinas de no mínimo 5 horas cada e realizar o trabalho de conclusão de curso. Durante o curso deverão ser ofertadas 8 disciplinas distribuídas em 2 meses, sendo que cada disciplina será ministrada em encontros presenciai realizados em finais de semana com aulas as Sexta-feiras (das 8:00 às 23:00) e Sábados (das 7:00 às 2:00 e das 3:00 às 8:00h). Ao todo serão 24 encontros presenciais de 5 horas totalizando a carga horária de 360 horas. Ressalta-se que conforme a conveniência, os horários poderão ser alterados a critério da coordenação e colegiado do curso. O quadro abaixo mostra uma sugestão da distribuição das disciplinas pelos meses que compõem o período letivo do curso, que sempre coin com o período letivo das demais modalidades de curso oferecidas pelo IFTO Campus Paraíso. Quadro Sugestão de distribuição das disciplinas ao longo dos meses Dis ciplina METODOLOGIA DA PESQUISA FUNDAMENTOS DE ADMISTRAÇÃO FUNDAMENTOS DE ECOLOGIA FUNDAMENTOS DE POLUIÇÃO AMBIENTAL Carga Horária Total (horas ) DIREITO E LEGISLAÇÃO 5 Mes es X X X X X X 4

15 AMBIENTAL EDUCAÇÃO AMBIENTAL, ÉTICA E SUSTENTABILIDADE 5 X GESTÃO DE RECURSOS ENERGÉTICOS 5 X GESTÃO DE RECURSOS FLORESTAIS 30 X X GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS MUNICIPAIS 30 X X GESTÃO DO ESPAÇO URBANO: PARCELAMENTO, ZONEAMENTO, USO E OCUPAÇÃO DO SOLO 5 X GESTÃO DE RECURSOS HIDRICOS 5 X IMPACTOS AMBIENTAIS 5 X LICENCIAMENTO AMBIENTAL 5 X ECONOMIA AMBIENTAL 5 X SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL E APLICAÇÃO DAS NORMAS ISO X X TECNOLOGIAS DE TRATAMENTO DE ÁGUA 30 X X TECNOLOGIAS DE TRATAMENTO DE ESGOTO 30 X X DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR 5 X O Trabalho de Conclusão do Curso (TCC) deverá ser realizado em até 06 meses, a contar da data de encerramento das disciplinas, podendo este prazo ser prorrogado por mais 6 meses a critério do colegiado do curso. O aluno que não obtiver aprovação no TCC neste prazo ou não obedecer aos prazos de entrega da versão final do TCC estabelecidas no item 7 (trabalho de conclusão de curso) será automaticamente desligado do curso. No item 9 estão elencadas todas as disciplinas que serão ministradas durante curso. 5

16 8. Período e Periocidade O curso poderá ser oferecido a cada 24 meses, ficando a critério da coordenação e do colegiado avaliar a capacidade de oferecimento de disciplinas, ssim como o potencial de orientação. O curso terá duração máxima de ano e 6 meses (com possibilidade de prorrogação por 6 meses); A primeira turma do curso se iniciará em fevereiro de 203, com prorrogação possível até janeiro de 204; e terminará em julho de O curso será oferecido aos finais de semana com aulas Sexta-feiras à noite e Sábados. As sextas-feiras às aulas serão ofertadas das 8:00 às 23:00h. Aos sábados ás aulas serão ofertadas das 07:00 às 2:00h com intervalo para almoço de hora. Após o intervalo do almoço ás aulas iniciarão às 3:00 e irão até às 8:00h. 9. Conteúdo Programático DISCIPLINA C.H. - METODOLOGIA DA PESQUISA 5 Introdução à Metodologia científica; A evolução da ciência definição de ciência; O conhecimento: vulgar, científico, filosófico, teológico; Conceitos fundamentais: método e técnica, método indutivo, dedutivo, hipotético-dedutivo, dialético, fenomenológico. Técnicas de raciocínio: ind dução, análise e síntese; As vantagens do método científico o método científico e suas variáveis; Características do trabalho científico; Características da ciência níveis de conhecimento científico; Requisitos do método científico - a investigação, a observação, a classificação, a generalização; O papel da metodologia científica - objetivos da ciência e da atividade científica; Classificação das ciências quanto à natureza do objeto e quanto ao ponto de vista da investigação; Crítica à classificação das ciências; A neutralidade científica; Principais normas técnicas da ABNT Conceitos de artigo, ensaio, papers e resenha; Resenha: tipos, finalidades, importância, elaboração, modelos e exemplos; Elaboração de projeto de pesquisa. Bibliografia Bás ica LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Fundamentos da metodologia Científica. 3ed. São 6

17 Paulo: Atlas, p. SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. São Paulo: Cortez, Bibliografia Complementar ANDRADE, M.M.de. Introdução à metodologia do trabalho científico: elaboração de trabalhos na graduação. São Paulo: Atlas p. BRENNER, E.de M. Manual de Planejamento e Apres entação de trabalhos acadêmicos : projeto de pes quis a, monografia e artigo. São Paulo: Atlas p. KÖCHE, J. C. Fundamentos de metodologia científica: teoria da ciência e iniciação à pes quis a. Rio de Janeiro: Vozes p. LAKATOS, E.M. Metodologia do trabalho científico: procedimentos bás icos, pes quis a bibliográfica, projeto e relatório, publicações e trabalhos científicos. São Paulo: Atlas p. LAKATOS, E.M. Fundamentos da metodologia científica. São Paulo: Atlas p. MATTAR, J. Metodologia científica na era da informática. São Paulo: Saraiva p. MEDEIROS, J.B. Redação científica: a prática de fichamentos, resumos res enhas. São Paulo: Atlas p. 2- FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO 30 Administração e Organização. PODC. Estratégia, Planejamento, Estrutura Organizacional. Autoridade. Delegação e Comunicação. Liderança e Motivação. Trabalho em grupo e Trabalho em equipe. A importância do controle. Mecanismos de controle. PDCA. Bibliografia Bás ica MAXIMIANO, A. C. A. Fundame nto s de adminis traç ão: manual compacto para as disciplinas TGA e introdução à administração. 6ª edição. São Paulo: Atlas, SOBRAL, F; PECI, A. Adminis tração: teoria e prática no contexto brasileiro. São Paulo: Pearson Prentice Hall, WARD, M. 50 técnicas es s enciais da adminis tração. Tradução Edite Sciulli. São Paulo: Nobel, 998. Bibliografia Complementar CHIAVENATO, I. Teoria Geral da Adminis tração. 6ª edição. Rio de Janeiro: Elsevier, 200. MARTINS, P,; ALT, P. R. C. Adminis traç ão de mate riais e re curs o s patrimo niais. 2ª edição. São Paulo: Saraiva, TAYLOR. D. A. Logís tica na cadeia de s uprimentos : uma pers pectiva gerencial. Tradução Claudia Freire. São Paulo: Pearson Addison-Wesley, WASNICKA, E. L. Introdução à Adminis tração. 6ª edição. São Paulo: Atlas, FUNDAMENTOS DE ECOLOGIA 5 Ecologia: histórico e definições; 7

18 Noções básicas de evolução; Ecologia de populações; Ecologia de comunidades; Ecologia de ecossistemas; Sustentabilidade do ecossistema. Ecossistemas aquáticos e terrestres. Principais ecossistemas brasileiros; Ciclos biogeoquímicos. Conservação e biodiversidade. Bibliografia Bás ica BRAGA, B. et al. Intro duç ão à Eng enharia Ambiental. São Paulo: Prentice Hall, p. ODUM, Eugene P. Fundamentos de ecologia. São Paulo: Thomson Learning, PINTO COELHO, Ricardo Motta. Fundamentos em Ecologia. Porto Alegre: Artmed, Bibliografia Complementar ACOT, P. His tória da Ecologia. Rio de Janeiro: Campus, 990. RICKLEFS, R. E. A economia da natureza. 3. ed. Rio de Janeiro, RJ: Guanabara Koogan, 996. SILVA, L.L. Ecologia: Manejo de áreas s ilves tres. Santa Maria: MMA, FNMA, FATEC, FUNDAMENTOS DE POLUIÇÃO AMBIENTAL 5 Introdução ao Estudo da poluição; Poluição do solo; Poluição da água; Poluição do ar; Poluição visual e sonora. Bibliografia Bás ica BRAGA, B. et al. Introdução à Engenharia Ambiental. São Paulo: Prentice Hall, p. DERISIO, José Carlos. Introdução ao Controle de Poluição Ambiental. 2 ed. São Paulo: Signus Editora, 2000 MAGOSSI, Luiz Roberto & BONACELLA, Paulo Henrique. Po luiç ão das águas. São Paulo: Moderna, Bibliografia Complementar BAIRD C. Química ambiental. Editora Bookman 2ª Edição. 2002, 577 p. DREW, D. Process os interativos home m meio ambiente. Trad. João Alves dos Santos; 3a ed., Rio de Janeiro. Ed. Bertrand do Brasil, p. 5 - DIREITO E LEGISLAÇÃO AMBIENTAL 5 Introdução à Legislação Ambiental. Histórico da Legislação vigente. Tratados Internacionais Ambientais. Constituição Federal de 988. Política Nacional de Meio Ambiente. Principais atos legais sobre: solo e subsolo, fauna, flora, poluições atmosféricas, resíduos sólidos, águas e outros. Resoluções CONAMA e outros atos definidos por leis. 8

19 Instrumentos da Política Ambiental. Política Estadual de Meio Ambiente. Resoluções do COEMA. Bibliografia Bás ica FERRARO, L. (Org.). Encontros e Caminhos : formação de educadoras (es ) ambie coletivos educadores. Brasília: IBAMA MMA, Diretoria de Educação Ambiental, GUERRA, Sidney. Dire ito ambie ntal: legislação. Rio de janeiro: Freitas Barros, MACHADO, P. A. L. Dire ito Ambiental Bras ileiro, Malheiro s. Ed. Ltda, São Paulo, 995. is e Bibliografia Complementar ABREU, L. S. Impactos Sociais e Ambientais na Agricultura. Embrapa São Paulo, 995. FIORILLO, Celso ª Pacheco. Dire ito Ambiental e patrimô nio Genétic o. Editora Del Rey, Belo Horizonte, 996. FREITAS, V. P. de. Crime Co ntra a Nature za. 4ª ed., São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 995. GRANZIERA, M. L. M. Dire ito das Águas e Me io Ambiente. Ed., Kacado Grazoera, São Paulo, 993. SANTOS, P. S. dos. Crime Ecológico. Goiânia: AB, Editorada UFG, 996. SOUZA, M. G. de. Direito Minerário e meio ambiente. Ed.Del Rey, EDUCAÇÃO AMBIENTAL, ÉTICA E SUSTENTABILIDADE 5 Introdução. Definição da importância da Educação Ambiental Desenvolvimento Sustentável: Histórico e aplicação. Agenda 2 e suas implicações na Educação Ambiental. Políticas de Educação Ambiental. Desenvolvimento da Educação Ambiental junto à comunidade. Técnicas e Metodologias em Educação Ambiental. Ética e Meio Ambiente. Bibliografia Bás ica BARCELOS, Valdo. Educ aç ão ambie ntal: sobre princípios, metodologias e atitudes. Petrópolis: Vozes, DIAS, Genebaldo Freire. Pegada ecológica e s us tentabilidade humana. São Paulo: Gaia, PEDRINI, Alexandre de Gusmão. Educação ambiental: reflexões e pratica contemporânea. Petrópolis RJ: Vozes, Bibliografia Complementar BOFF, Leonardo. Saber cuidar. São Paulo, SP: Vozes, 999. BERNA, Vilmar. Co mo fazer educação ambiental. São Paulo: Paulus, DIAS, G. F. Atividades interdis ciplinares em EA. São Paulo: Ed. Global, 994. DIAS, G. F. Educação ambiental: princípios e práticas. 2. ed. São Paulo: Gaia, p. LOUREIRO, C.F.B. (Org.) et al. Sociedade e meio ambiente: educação ambiental em de bate. São Paulo: Cortez, p. Medina, Naná Mininni. Educação Ambiental: uma metodologia participativa de formação. Petrópolis; RJ; Vozes, GESTÃO DE RECURSOS ENERGÉTICOS 5 Conceitos básicos sobre energia e recursos energéticos. 9

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Metodologia Científica Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) Conceito e concepção de ciência

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR

PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR Instituição Certificadora: FALC Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001 Resolução CNE CES 1 2007 Carga Horária: 460h Período de Duração: 12 meses (01 ano) Objetivos:

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 8º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 8º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Acompanhamento aos Projetos de Pesquisa II Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 8º 1 - Ementa (sumário, resumo) Espaço destinado

Leia mais

Componente Curricular: Gestão Ambiental. Pré-requisito: -------

Componente Curricular: Gestão Ambiental. Pré-requisito: ------- C U R S O D E E N G E N H A R I A D E P R O D U Ç Ã O Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 DOU Nº 165 de 27/08/10 Componente Curricular: Gestão Ambiental Código: ENGP - 552 Pré-requisito: -------

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01

Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 C U R S O D E E N G E N H A R I A D E P R O D U Ç Ã O Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: GESTÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE Código: Pré-Requisito: -----

Leia mais

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental 1.CURSOS COM ÊNFASE EM : Gestão Ambiental de Empresas 2. CONCEPÇÃO DOS CURSOS: O Brasil possui a maior reserva ecológica do planeta sendo o número um em

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR EIXO TECNOLÓGICO: AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA CURSO/MODALIDADE: Curso Técnico em Meio Ambiente/Subsequente DISCIPLINA: SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS CÓDIGO: Currículo: 2010/dez Ano/Semestre: 2011/2 Carga

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL Conteúdo Programático 1) Gestão Ambiental e Desenvolvimento Sustentável: Conceitos Básicos (12 h) - Principais questões ambientais no Brasil e no mundo. - Conceitos

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Tecnologia em Sistemas para Internet FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

Curso de MBA. Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO)

Curso de MBA. Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO) Curso de MBA Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO) 1 2 SUMÁRIO 4. FORMATO. 5. CONCEPÇÃO. 7. OBJETIVO. 7. PÚBLICO ALVO. 8. DIFERENCIAIS INOVADORES

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Gestão Ambiental campus Angra Missão O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Estácio de Sá tem por missão a formação de Gestores Ambientais

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Ambiente e Saúde MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Técnico em Meio Ambiente FORMA/GRAU:( )integrado ( x )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL PROFESSORA ENG. FLORESTAL CIBELE ROSA GRACIOLI OUTUBRO, 2014. OBJETIVOS DA DISCIPLINA DISCUTIR PRINCÍPIOS ÉTICOS QUESTÃO AMBIENTAL CONHECER A POLÍTICA E A LEGISLAÇÃO VOLTADAS

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

Política Nacional de Meio Ambiente

Política Nacional de Meio Ambiente Política Nacional de Meio Ambiente O Brasil, maior país da América Latina e quinto do mundo em área territorial, compreendendo 8.511.996 km 2, com zonas climáticas variando do trópico úmido a áreas temperadas

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

ASSISTENTE DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO

ASSISTENTE DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO FIC PRONATEC Canoas

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de Agente de Desenvolvimento Socioambiental Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de Agente de Desenvolvimento Socioambiental Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA OBJETIVOS OBJETIVO GERAL DO CURSO:

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA OBJETIVOS OBJETIVO GERAL DO CURSO: EIXO TECNOLÓGICO: Gestão e Negócios Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Bacharelado em Administração FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( x ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos da Ação Educativa em Espaços não Escolares Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3º 1 - Ementa (sumário, resumo)

Leia mais

O CONTROLE EXTERNO DO PATRIMÔNIO AMBIENTAL

O CONTROLE EXTERNO DO PATRIMÔNIO AMBIENTAL O CONTROLE EXTERNO DO PATRIMÔNIO AMBIENTAL Luiz Henrique Lima, D.Sc. Conselheiro Substituto TCE MT XIV SINAOP - Cuiabá, MT - novembro / 2011 O Brasil detém a maior diversidade biológica do planeta, 40%

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ANÁPOLIS UniEVANGÉLICA Mestrado em Sociedade, Tecnologia e Meio Ambiente

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ANÁPOLIS UniEVANGÉLICA Mestrado em Sociedade, Tecnologia e Meio Ambiente CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ANÁPOLIS UniEVANGÉLICA Mestrado em Sociedade, Tecnologia e Meio Ambiente Disciplina: Desenvolvimento e Impactos Ambientais Professores: Roberto Prado de Morais e Maurício José Nardini

Leia mais

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL EDMILSON COSTA TEIXEIRA LabGest GEARH / UFES (edmilson@npd.ufes.br) DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL? [COMISSÃO

Leia mais

MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade

MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade Coordenação Acadêmica - Escola de Direito FGV DIREITO RIO MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade - FGV

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Ambiente, saúde e segurança CURSO: Curso Técnico em Meio Ambiente FORMA/GRAU: ( ) integrado ( X ) subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

Curso de Pós-graduação lato sensu em Assessoria Organizacional com Ênfase em Gestão Empresarial. Faculdades Associadas de Uberaba - FAZU

Curso de Pós-graduação lato sensu em Assessoria Organizacional com Ênfase em Gestão Empresarial. Faculdades Associadas de Uberaba - FAZU Faculdades Associadas de Uberaba - FAZU Mantenedora: Fundação Educacional para o Desenvolvimento das Ciências Agrárias - FUNDAGRI Curso de Pós-graduação lato sensu em Assessoria Organizacional com Ênfase

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Departamento de Modernização e Programas da Educação Superior DEPEM

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Departamento de Modernização e Programas da Educação Superior DEPEM MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Departamento de Modernização e Programas da Educação Superior DEPEM Programa de Educação Tutorial PET 2006 MEC/SESu/DEPEM ANEXO I Proposta

Leia mais

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ.

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. WALDELI ROZANE SILVA DE MESQUITA Secretaria Executiva de Ciência Tecnologia e Meio Ambiente, Núcleo de Hidrometeorologia

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. PROCESSO SELETIVO 2013 Cursos Técnicos a Distância 2 SEMESTRE

MANUAL DO CANDIDATO. PROCESSO SELETIVO 2013 Cursos Técnicos a Distância 2 SEMESTRE MANUAL DO CANDIDATO PROCESSO SELETIVO 2013 Cursos Técnicos a Distância 2 SEMESTRE APRESENTAÇÃO Neste Manual, desenvolvido pela Comissão de Processo Seletivo (COPESE) do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

Habilitação recomendada para ministrar o componente curricular:

Habilitação recomendada para ministrar o componente curricular: Ementa do Curso Curso: SEGURANÇA DO TRABALHO Etapa: 1ª Componente Curricular: PROTEÇÃO AMBIENTAL - PA Carga Horária: 80 H/A Habilitação recomendada para ministrar o componente curricular: BIÓLOGO ENGENHEIRO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 374, DE 12 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 374, DE 12 DE JUNHO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 374, DE 12 DE JUNHO DE 2015 Publicado em: 03/07/2015 O CONSELHO FEDERAL DE BIOLOGIA CFBio, Autarquia Federal, com personalidade jurídica de direito público, criado pela Lei nº 6.684, de 03

Leia mais

Público Alvo: Investimento: Disciplinas:

Público Alvo: Investimento: Disciplinas: A Universidade Católica Dom Bosco - UCDB com mais de 50 anos de existência, é uma referência em educação salesiana no país, sendo reconhecida como a melhor universidade particular do Centro-Oeste (IGC/MEC).

Leia mais

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise Amazônia Brasileira e Brasil em Crise 1. (UERJ-2009) Folha de São Paulo, 01/06/2008. Adaptado de Zero Hora, 16/06/2008. Diferentes critérios e objetivos podem orientar a divisão do espaço geográfico em

Leia mais

IV - Aeroportos, conforme definidos pelo inciso 1, artigo 48, do Decreto-Lei nº 32, de 18.11.66;

IV - Aeroportos, conforme definidos pelo inciso 1, artigo 48, do Decreto-Lei nº 32, de 18.11.66; Página 1 de 5 Resoluções RESOLUÇÃO CONAMA Nº 001, de 23 de janeiro de 1986 Publicado no D. O. U de 17 /2/86. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - IBAMA, no uso das atribuições que lhe confere o artigo

Leia mais

PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA

PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA 1- DO CURSO O Curso de Especialização em Gestão em Análise Sanitária destina-se a profissionais com curso superior em áreas correlatas

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

PLANO DE CURSO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO SUL DE MINAS - IFSM CAMPUS DE INCONFIDENTES - MG

PLANO DE CURSO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO SUL DE MINAS - IFSM CAMPUS DE INCONFIDENTES - MG PLANO DE CURSO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO SUL DE MINAS - IFSM CAMPUS DE INCONFIDENTES - MG DISCIPLINA N O de aulas/semana CARGA HORÁRIA Teórica Prática Total FUNDAMENTOS DE GERENCIAMENTO

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

VI-277 - PROPOSTA DE ELABORAÇÃO DE POLÍTICA AMBIENTAL PARA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR IES DO SUL DO PAÍS

VI-277 - PROPOSTA DE ELABORAÇÃO DE POLÍTICA AMBIENTAL PARA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR IES DO SUL DO PAÍS VI-277 - PROPOSTA DE ELABORAÇÃO DE POLÍTICA AMBIENTAL PARA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR IES DO SUL DO PAÍS Camila Cardoso dos Reis (1) Acadêmica de Engenharia Ambiental na Universidade de Santa Cruz

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Avaliação de Impactos Ambientais ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com

GESTÃO AMBIENTAL. Avaliação de Impactos Ambientais ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL GESTÃO AMBIENTAL Avaliação de Impactos Ambientais

Leia mais

SÍNTESE DO PROCESSO EVOLUTIVO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL NA MODALIDADE EaD DA UAB-UFSCAR

SÍNTESE DO PROCESSO EVOLUTIVO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL NA MODALIDADE EaD DA UAB-UFSCAR 1 SÍNTESE DO PROCESSO EVOLUTIVO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL NA MODALIDADE EaD DA UAB-UFSCAR SÃO CARLOS, MAIO/2011 Luiz Marcio Poiani UFSCar lmpoiani@ufscar.br Marilu Pereira

Leia mais

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Especialização em Gerência e Monitoramento Ambiental

Leia mais

Faculdades Associadas de Uberaba - FAZU. Mantenedora: Fundação Educacional para o Desenvolvimento das Ciências Agrárias - FUNDAGRI

Faculdades Associadas de Uberaba - FAZU. Mantenedora: Fundação Educacional para o Desenvolvimento das Ciências Agrárias - FUNDAGRI Faculdades Associadas de Uberaba - FAZU Mantenedora: Fundação Educacional para o Desenvolvimento das Ciências Agrárias - FUNDAGRI Março, 2008 Sumário Justificativa... 3 Objetivos... 3 Local... 3 Metodologia

Leia mais

APRESENTAÇÃO A BIOEC

APRESENTAÇÃO A BIOEC APRESENTAÇÃO Empresa especializada em elaboração, execução e gerenciamento de projetos ambientais. Formada por profissionais altamente qualificados, que buscam desenvolver projetos eficientes e inovadores,

Leia mais

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Página 1 de 8 LEI Nº 3325, de 17 de dezembro de 1999 Dispõe sobre a educação ambiental, institui a política estadual de educação ambiental, cria o Programa estadual de Educação Ambiental e complementa

Leia mais

Catálogo do Curso de Especialização em Educação Ambiental com Ênfase em Espaços Educadores Sustentáveis

Catálogo do Curso de Especialização em Educação Ambiental com Ênfase em Espaços Educadores Sustentáveis Catálogo do Curso de Especialização em Educação Ambiental com Ênfase em Espaços Educadores Sustentáveis 1. Dados Gerais 1. Área Temática: Educação Ambiental 2. Nome do curso: Educação Ambiental com Ênfase

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA RESOLUÇÃO COEMA N 116, DE 03 DE JULHO DE 2014. Dispõe sobre as atividades de impacto ambiental

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Disciplina: Teoria e Planejamento Curricular II Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário, resumo) Fundamentos teórico-práticos

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Teoria e Planejamento Curricular I Carga Horária Semestral: 40 horas Semestre do Curso: 5º 1 - Ementa (sumário, resumo) Currículo:

Leia mais

ENGENHARIA AMBIENTAL. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC

ENGENHARIA AMBIENTAL. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC ENGENHARIA AMBIENTAL Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: ENGENHARIA AMBIENTAL Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água. Campo Grande - MS

As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água. Campo Grande - MS As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água Maria de Fátima Chagas 23 de novembro de 2009 23 de novembro de 2009 Campo Grande - MS A Água e Meio Ambiente -

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS 1 SUMÁRIO RESUMO......2 1 INTRODUÇÃO......3 1.1 OBJETIVO......3 1.2 APLICABILIDADE...3 1.3 TERMOS E DEFINIÇÕES...3 2 LICENCIAMENTO AMBIENTAL......3

Leia mais

Plano de Ensino PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Gestão e Negócios CURSO: Bacharelado em Administração MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( x ) bacharelado (

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 010/2006

RESOLUÇÃO Nº 010/2006 Confere com o original RESOLUÇÃO Nº 010/2006 CRIA o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu de Educação Ambiental, em nível de Especialização. O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS e PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Através da Política de Valorização do Ativo Ambiental Florestal e do Zoneamento Ecológico

Leia mais

CURSO GESTÃO AMBIENTAL COMPARTILHADA: RESPONSABILIDADE SOCIAL E CONSERVAÇÃO DA NATUREZA REALIZAÇÃO: COOPERAÇÃO TÉCNICA:

CURSO GESTÃO AMBIENTAL COMPARTILHADA: RESPONSABILIDADE SOCIAL E CONSERVAÇÃO DA NATUREZA REALIZAÇÃO: COOPERAÇÃO TÉCNICA: CURSO GESTÃO AMBIENTAL COMPARTILHADA: RESPONSABILIDADE SOCIAL E CONSERVAÇÃO DA NATUREZA REALIZAÇÃO: COLETIVO EDUCADOR: VOS Voluntários Socioambientais do Alto Tietê Cabeceiras COOPERAÇÃO TÉCNICA: IBECC/UNESCO

Leia mais

LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007

LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007 LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007 (Projeto de lei nº 749/2007, da Deputada Rita Passos - PV) Institui a Política Estadual de Educação Ambiental O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

USO DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA REDE PÚBLICA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS.

USO DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA REDE PÚBLICA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS. USO DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA REDE PÚBLICA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS. Elaine Jesus Alves UFT elainealves@uft.edu.br Introdução

Leia mais

Categoria Resumo Expandido Eixo Temático - (Expansão e Produção Rural X Sustentabilidade)

Categoria Resumo Expandido Eixo Temático - (Expansão e Produção Rural X Sustentabilidade) Categoria Resumo Expandido Eixo Temático - (Expansão e Produção Rural Sustentabilidade) Titulo do Trabalho PRODUÇÃO ORGÂNICA DE CANA-DE-AÇÚCAR, MANEJO E BIODIVERSIDADE Nome do Autor (a) Principal Vagner

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS 1) IDENTIFICAÇÃO: Disciplina: Formação Territorial do Brasil Carga Horária: 60 h UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE DISCIPLINA Curso:

Leia mais

A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco

A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco Antônio Thomaz Gonzaga da Matta Machado Projeto Manuelzão/UFMG Conceito de Revitalização Caráter técnico-científico Legislação

Leia mais

Denominação do curso: AUXILIAR DE FISCALIZAÇÃO AMBIENTAL

Denominação do curso: AUXILIAR DE FISCALIZAÇÃO AMBIENTAL 1- DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Denominação do curso: AUXILIAR DE FISCALIZAÇÃO AMBIENTAL Eixo Tecnilógico: AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA Local de oferta: IFBA Campus Ilhéus Modalidade: Presencial Turno de oferta:

Leia mais

Objetivos es tratég icos

Objetivos es tratég icos GA erência Ges tão de Ambiental S eg urança Portuária e Meio Ambiente Noções - ANTAQ Objetivos es tratég icos Redução do passivo ambiental Redução do ônus pelo trânsito portuário Valorização dos sítios

Leia mais

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental, cria o Programa Estadual de Educação Ambiental e complementa a Lei Federal nº 9.795/99,

Leia mais

CEMIG VERDE MINAS Ferramenta Ambiental para Compatibilização com as Redes de Distribuição

CEMIG VERDE MINAS Ferramenta Ambiental para Compatibilização com as Redes de Distribuição 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG CEMIG VERDE MINAS Ferramenta Ambiental para Compatibilização com as Redes de Distribuição Eng. Patrícia Maria Mafra Macedo CEMIG Distribuição S.A pmafra@cemig.com.br

Leia mais

PIBID DE FÍSICA MODALIDADE EAD- FUNCIONAMENTO, DESAFIOS E PERSPECTIVAS Patricia Martins Guarda Regina Lelis de Sousa

PIBID DE FÍSICA MODALIDADE EAD- FUNCIONAMENTO, DESAFIOS E PERSPECTIVAS Patricia Martins Guarda Regina Lelis de Sousa PIBID DE FÍSICA MODALIDADE EAD- FUNCIONAMENTO, DESAFIOS E PERSPECTIVAS Patricia Martins Guarda Regina Lelis de Sousa Resumo Este trabalho consiste no relato de experiência de coordenadores de área do Programa

Leia mais

Faculdades Associadas de Uberaba - FAZU. Mantenedora: Fundação Educacional para o Desenvolvimento das Ciências Agrárias - FUNDAGRI

Faculdades Associadas de Uberaba - FAZU. Mantenedora: Fundação Educacional para o Desenvolvimento das Ciências Agrárias - FUNDAGRI Faculdades Associadas de Uberaba - FAZU Mantenedora: Fundação Educacional para o Desenvolvimento das Ciências Agrárias - FUNDAGRI Março, 2007 Sumário Justificativa... 3 Objetivos... 3 Local... 3 Metodologia

Leia mais

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Eu, ( ) (sigla do partido) me comprometo a promover os itens selecionados abaixo

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

I - Energia - indústria de energia, indústria de manufatura, transportes, comércio, setor público, residências, agropecuária e emissões fugitivas;

I - Energia - indústria de energia, indústria de manufatura, transportes, comércio, setor público, residências, agropecuária e emissões fugitivas; Decreto Nº 43216 DE 30/09/2011 (Estadual - Rio de Janeiro) Data D.O.: 03/10/2011 Regulamenta a Lei nº 5.690, de 14 de abril de 2010, que dispõe sobre a Política Estadual sobre Mudança Global do Clima e

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Ambiental

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Ambiental Proposta de Novo Curso Programa Padrão: Gestão Ambiental Ênfase (opcional): CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Ambiental Coordenação Geral e Acadêmica: Prof. Roberto Guimaraes,

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia do Ensino de Matemática Carga Horária Semestral: 80 horas Semestre do Curso: 5º 1 - Ementa (sumário, resumo)

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DIREITO E GESTÃO SOCIOAMBIENTAL

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DIREITO E GESTÃO SOCIOAMBIENTAL CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DIREITO E GESTÃO SOCIOAMBIENTAL 1 APRESENTAÇÃO O curso oferecerá atividades multi, pluri e interdisplinares envolvendo questões reais vinculadas às áreas do DIREITO AMBIENTAL,

Leia mais

ANALISE DO COMPORTAMENTO SOCIOAMBIENTAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PALMAS

ANALISE DO COMPORTAMENTO SOCIOAMBIENTAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PALMAS ANALISE DO COMPORTAMENTO SOCIOAMBIENTAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PALMAS XAVIER, Patrícia Alves Santana LIMA, Suzany Saraiva GOMES, Alan Rios RESUMO O presente estudo teve como objetivo analisar

Leia mais

CEP. 29.075-910 -ES Brasil- Tel. (27) 3335.2599 E-mail: cursoadm@npd.ufes.br PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina: GESTÃO AMBIENTAL Semestre: 2014/11

CEP. 29.075-910 -ES Brasil- Tel. (27) 3335.2599 E-mail: cursoadm@npd.ufes.br PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina: GESTÃO AMBIENTAL Semestre: 2014/11 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas Departamento de Administração Av. Fernando Ferrari, 514 - Campus Universitário - Goiabeiras CEP. 29.075-910 -ES Brasil-

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Recursos Naturais Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Técnico em Meio Ambiente FORMA/GRAU:( )integrado ( x )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 5-CEPE/UNICENTRO, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2010. Aprova o Curso de Especialização em Educação, Meio Ambiente e Desenvolvimento, modalidade modular, a ser ministrado no Campus CEDETEG, da UNICENTRO.

Leia mais

UHE PCH. LICENCIAMENTO AMBIENTAL Federal. Roberto Huet de Salvo Souza

UHE PCH. LICENCIAMENTO AMBIENTAL Federal. Roberto Huet de Salvo Souza LICENCIAMENTO AMBIENTAL Federal UHE PCH Roberto Huet de Salvo Souza - I B A M A N Ú C L E O D E L I C E N C I A M E N T O A M B I E N T A L NLA/SUPES- RJ O que é licenciamento ambiental? Para que serve?

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE RESOLUÇÃO CONEMA Nº 42 DE 17 DE AGOSTO DE 2012 DISPÕE SOBRE AS ATIVIDADES QUE CAUSAM OU POSSAM CAUSAR IMPACTO AMBIENTAL LOCAL, FIXA

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina Questão Ambiental e Energética Código Semestre Ano Letivo 1º 2014 Área de Concentração Desenvolvimento Territorial Linha de Pesquisa: 1 Campesinato, capitalismo e tecnologias;

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental

P.42 Programa de Educação Ambiental ANEXO 2.2.3-1 - ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PMRS) DE PARANAÍTA/MT O roteiro apresentado foi elaborado a partir do Manual de Orientação do MMA Ministério do Meio Ambiente

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

A REALIZAÇÃO DE REUNIÕES PÚBLICAS NO ÂMBITO DO PROGRAMA DE REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO. Laysa Deiró de Lima Izis de Oliveira Alves

A REALIZAÇÃO DE REUNIÕES PÚBLICAS NO ÂMBITO DO PROGRAMA DE REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO. Laysa Deiró de Lima Izis de Oliveira Alves A REALIZAÇÃO DE REUNIÕES PÚBLICAS NO ÂMBITO DO PROGRAMA DE REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO Laysa Deiró de Lima Izis de Oliveira Alves Programa de Revitalização da Bacia Hidrográfica do São Francisco

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Ambiente, Saúde e Segurança CURSO: Técnico em Meio Ambiente FORMA/GRAU:( )integrado ( x )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura (

Leia mais

PROJETO DE LEI N º 1219/2003. Decreta:

PROJETO DE LEI N º 1219/2003. Decreta: A CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO PROJETO DE LEI N º 1219/2003 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. Autor: Vereador Rodrigo

Leia mais

FACULDADE PORTO DAS MONÇÕES PORTO FELIZ

FACULDADE PORTO DAS MONÇÕES PORTO FELIZ FACULDADE PORTO DAS MONÇÕES PORTO FELIZ COORDENADORIA DE EXTENSÃO E PESQUISA CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU MBA Engenharia Logística 1. Nome do Curso e Área do Conhecimento Programa de Pós-Graduação

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Produção Industrial Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Curso Técnico em Móveis FORMA/GRAU:( X )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente Disciplina de Legislação Ambiental Professora Cibele Rosa Gracioli LEI 11.284/2006 LEI DA CONCESSÃO DE FLORESTAS SUMÁRIO 1 Introdução 2 Serviço

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG

ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG EIXOS E PROGRAMAS EIXO 1 - Uso sustentável dos recursos naturais Programa de fortalecimento do sistema de gestão ambiental Programa de formação e manutenção

Leia mais