FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO HENRIQUE OTI SHINOMATA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO HENRIQUE OTI SHINOMATA"

Transcrição

1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO HENRIQUE OTI SHINOMATA RETORNO SOBRE O INVESTIMENTO DE UM PROGRAMA DE ATENÇÃO DOMICILIAR EM UMA SEGURADORA ESPECIALIZADA EM SAÚDE SÃO PAULO 2007

2 HENRIQUE OTI SHINOMATA RETORNO SOBRE O INVESTIMENTO DE UM PROGRAMA DE ATENÇÃO DOMICILIAR EM UMA SEGURADORA ESPECIALIZADA EM SAÚDE Dissertação apresentada à Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas, como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Administração de Empresas. Área de concentração: Administração e Planejamento em Saúde. Campos de conhecimento: Administração Hospitalar e Sistema de Saúde Orientador: Prof. Dr. Álvaro Escrivão Júnior. SÃO PAULO 2007

3 Shinomata, Henrique Oti Retorno sobre o investimento de um programa de atenção domiciliar em uma seguradora especializada em saúde / Henrique Oti Shinomata f. Orientador: Álvaro Escrivão Júnior. Dissertação (MPA) - Escola de Administração de Empresas de São Paulo. 1. Medicina preventiva. 2. Saúde - Administração. 3. Seguro-saúde. 4. Economia da saúde. 5. Atenção domiciliar. I. Escrivão Junior, Álvaro. II. Dissertação (MPA) - Escola de Administração de Empresas de São Paulo. III. Título. CDU

4 HENRIQUE OTI SHINOMATA RETORNO SOBRE O INVESTIMENTO DE UM PROGRAMA DE ATENÇÃO DOMICILIAR EM UMA SEGURADORA ESPECIALIZADA EM SAÚDE Dissertação apresentada à Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas, como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Administração de Empresas. Área de concentração: Administração e Planejamento em Saúde. Campos de Conhecimento: Administração Hospitalar e Sistema de Saúde. Orientador: Prof. Dr. Álvaro Escrivão Júnior. Data de aprovação: 03/05/2007 Banca examinadora: Prof. Dr. Álvaro Escrivão Júnior (Orientador) FGV-EAESP Profª. Dra. Ana Maria Malik FGV-EAESP Prof. Dr. Olímpio José Nogueira Viana Bittar Faculdade de Saúde Pública FSP USP SÃO PAULO 2007

5 Aos meus pais, Aline e Pedro Henrique. Obrigado pela compreensão e pelo amor.

6 AGRADECIMENTOS Ao meu orientador, Dr. Álvaro Escrivão Júnior, pela paciência e pela dedicação em compartilhar a sua sapientia durante todo esse período de crescimento intelectual. À Unimed Seguros, pela iniciativa de investir no aprimoramento profissional e intelectual dos seus colaboradores. À Dra. Ana Maria Malik, pelo exemplo de empreendedorismo e cultura, mas, principalmente, pela postura irradiante diante das dificuldades. Ao Professor João Carlos Douat, pela total disponibilidade de ensinar e apoiar, será sempre um modelo de docente para mim. À Dra. Andrea Bancher, nunca te vi, sempre te admirei, muito obrigado! Ao Dr. Marcos Fumio Koyama, pela amizade e pela dedicação. Aos anjos da guarda Vanessa S. Chaer Kishima, Aline Cassi Yukimitsu e Leila Dall Acqua, da FGV, sempre dispostas a levantar os ânimos em todas as situações. Aos meus amigos, colegas e companheiros do MPA, pelo longo caminho percorrido juntos. À minha tia Célia, ao primo Fábio, pela ajuda voluntária inesperada, fiquei muito agradecido. E a todos que torceram para que conseguisse fechar esse ciclo da minha vida.

7 (...) É Deus quem governa o mundo, não nós. Prestamos-lhe apenas o nosso serviço, por quanto podemos e até onde ele nos dá a força. Mas, fazer tudo o que nos for possível e com a força de que dispomos, tal é o dever que mantém o servo bom de Cristo sempre em movimento (...) Bento XVI, Deus Caritas Est, 2005

8 RESUMO O objetivo do presente trabalho é apresentar possíveis aplicações de métodos de avaliação financeira em práticas preventivas de uma seguradora especializada em saúde, especificamente na atenção domiciliar, utilizando conceitos de valor presente líquido (VPL), taxa interna de retorno (TIR), retorno sobre o investimento (ROI), retorno sobre o patrimônio (ROE em inglês, return on equity) e valor econômico adicionado (EVA em inglês, economic value added), e, adaptados para uma análise gerencial, não-contábil, para conseguir demonstrar a contribuição destes para atingir uma análise mais consistente da atenção domiciliar estudada. Os resultados obtidos mostraram a viabilidade na aplicação desses indicadores financeiros para analisar os programas de atendimento domiciliar, e são necessários mais estudos para verificar também a aplicabilidade em programas de medicina preventiva. Palavras-chave: Medicina preventiva, Planos de saúde, Saúde-administração, Gestão em saúde, Programas preventivos, ROI Saúde, ROE Saúde, Economia em saúde, Atenção domiciliar.

9 ABSTRACT The goal of the present work is to show possible applications of methods of financial evaluation in preventive practice of an insurance company specialized in health, specifically in the domiciliary attendance using concepts of net present value (NPV), internal rate of return (IRR), return on investment (ROI), return on equity (ROE) and economic value added (EVA ), and adapted for a managerial analysis, not countable, to demonstrate the contribution of the same ones to reach a more consistent analysis of the studied domiciliary attendance. The results have shown the viability in the application of these financial ratios to analyze the programs of domiciliary attendance, and are necessary more studies to also verify the applicability in programs of preventive medicine. KEYWORDS: Preventive medicine, Preventive plans of health, Health-administration, Management in health, Programs, ROI - Health,.ROE - Health, Health economics, domiciliary attendance, Homecare.

10 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ANS BOVESPA CAPM CID DALY DMAA DRE EAP EVA HRA IANs IRR NCCDPHP NPV OMS OPAS P/L QALY RPM ROE ROI SAD TIR VPL WACC WHO YLD YLL Agência Nacional de Saúde Suplementar Bolsa de Valores de São Paulo Capital Asset Pricing Model Classificação Internacional de Doenças Carga de Doença (Disability Adjusted Life of Years) Disease Management of America Demonstrativo do Resultado do Exercício Employee Assistance Program Valor Econômico Adicionado (Economic Value Added) Análise Crítica dos Riscos de Saúde (Health Risk Appraisal) Informações Adicionais nas Informações Anuais Internal Rate of Return National Center for Chronic Disease Prevention and Health Promotion (Centro Nacional para Prevenção de Doenças Crônicas e Promoção da Saúde) Net Present Value Organização Mundial de Saúde Organização Panamericana de Saúde Preço/Lucro Quality Adjusted Life Years Remote Patient Monitoring Return on Equity Return on Investment Serviço de Atenção Domiciliar Taxa Interna de Retorno Valor Presente Líquido Weighted Average Cost of Capital World Health Organization Anos de vida vividos com incapacidade (Years Lived with Disability) Anos de vida perdidos por morte prematura (Years of Life Lost)

11 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO PROGRAMA E AÇÕES DE MEDICINA PREVENTIVA E PRÁTICAS RELACIONADAS DEFINIÇÕES E CONCEITOS A importância da medicina preventiva MOTIVAÇÃO PARA INCORPORAÇÃO PRINCIPAIS PRÁTICAS NO GERENCIAMENTO DE DOENÇAS DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS DE GERENCIAMENTOS DE DOENÇA O RELATÓRIO DA OMS (ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE, 2005) SOBRE DOENÇAS CRÔNICAS O Brasil no relatório da OMS O PASSADO, O PRESENTE E O FUTURO NATIONAL CENTER FOR CHRONIC DISEASE PREVENTION AND HEALTH PROMOTION (NCCDPHP) O EXEMPLO AMERICANO NO TRATO DAS DOENÇAS CRÔNICAS ATENÇÃO DOMICILIAR (HOMECARE) GRANDES TENDÊNCIAS Métodos para priorizar os gastos com a assistência com saúde Escala de ponderação de benefícios Quality Adjusted Life Years (QALY) Disability Adjusted Life of Years (DALY) Carga de Doença ASPECTOS ECONÔMICOS FINANCEIROS DEFINIÇÕES E CONCEITOS CUSTO DE CAPITAL NOVO MERCADO DA BOVESPA, FUNDOS DE RISCO, FUNDOS DE HEDGE, PRIVATE EQUITY Fundos de Capital de Risco (Hedge Funds e Private Equity) INDICADORES FINANCEIROS Retorno sobre o investimento (ROI) Valor Presente Líquido (VPL) ou Net Present Value (NPV) Taxa Interna de Retorno (TIR) ou Internal Rate of Return (IRR) Retorno sobre o Patrimônio ou Return On Equity (ROE)... 51

12 3.4.5 Valor econômico adicionado ou Economic Value Added (EVA) RELAÇÃO COM O MERCADO DE SAÚDE OBJETIVO METODOLOGIA LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO LEVANTAMENTO DAS PRÁTICAS PREVENTIVAS EM UMA SEGURADORA ESPECIALIZADA EM SAÚDE IDENTIFICAÇÃO DOS INDICADORES FINANCEIROS RESULTADOS E DISCUSSÃO CUSTOS DA AÇÃO PREVENTIVA INDICADORES FINANCEIROS CONSIDERAÇÕES FINAIS...64 REFERÊNCIAS GLOSSÁRIO... 75

13 12 1 INTRODUÇÃO Este trabalho analisa o uso de alguns conceitos e métodos da teoria e da prática das Finanças Corporativas na análise de programas desenvolvidos nas empresas de saúde. Iniciaremos apontando alguns conceitos de medicina preventiva e de finanças corporativas, depois mostraremos os resultados do programa de atenção domiciliar (Homecare) de uma seguradora especializada em saúde e discutiremos as relações entre esses conceitos com a tomada de decisão estratégica da empresa, com o intuito de estimular o interesse dos investidores e a valorização das empresas. Conscientes do impacto do crescimento dos gastos com o pagamento de serviços prestados aos seus beneficiários, as operadoras de planos estão tentando diminuir as despesas por meio de programas que visam a prevenir a ocorrência de doenças e diminuir o custo dos tratamentos. (BANCHER, 2004). Porém, esses programas também geram custos para as operadoras, que necessitam demonstrar aos seus controladores, acionistas, financiadores, entre outros, a viabilidade financeira destes. Como aponta Sammer (2006): business is not content to simply throw money at the problem; they want to measure the financial return from their wellness programs. Assim, é muito importante que os profissionais da saúde conheçam essa relação e utilizem-na nos aspectos práticos do seu trabalho. Diversos estudos têm demonstrado que, quando algumas ações implantadas melhoram a qualidade de vida dos beneficiários e, conseqüentemente, diminuem a utilização de recursos de saúde, o indicador de retorno do investimento- Return on Investment (ROI) demonstra com facilidade os resultados financeiros (BLASSINGAME, 2004). Um exemplo recente é o trabalho de Curtin (2006), que utilizou o ROI para o cálculo do pagamento de incentivos aos prestadores em um ambiente de remuneração por desempenho (pay for perfomance). Os executivos da saúde aprendem com a experiência a superar as demandas rotineiras, mas também devem ser capazes de responder a outros desafios. A profissionalização da gestão na área de saúde não é mais uma vantagem competitiva entre as instituições, e sim um determinante básico, como na maioria dos outros setores da economia. (ESCRIVÃO, 2003). Para Escrivão e Picchiai (2007), os gestores precisam:

14 13 ter o conhecimento da estrutura organizacional ideal das operadoras, do perfil dos recursos humanos qualificação e qualidade, dos processos críticos de sucesso, dos fluxos de relacionamento com os demais stakeholders do setor e dos indicadores estratégicos de gestão de desempenho institucional... Nesse cenário, torna-se imprescindível que a gestão das operadoras seja exercida por profissionais e com sólida formação em administração em saúde e competência para utilizar intensamente a tecnologia de informação e adotar formas de gestão inovadoras. Outro aspecto a ser trabalhado pelo gestor é o da qualidade, o que implica, segundo Bittar (2005), demonstrar a efetividade, a eficácia, a produtividade e os custos na provisão de programas, serviços, ações das unidades de saúde. Para serem mais completos, os gestores também precisam entender como se comporta o mercado financeiro em relação às empresas, utilizando conhecimentos presentes na esfera da teoria financeira. Esse conhecimento ajuda a entender o cenário atual da saúde e também a fazer a pergunta certa quando aparecem novos problemas e mudanças na organização para serem analisados. Além disso, aponta os assuntos que não são relevantes. (BREALEY et al, 2006). Ou seja, o uso de conceitos e métodos econômico-financeiros poderá auxiliar a resolução prática de vários problemas de decisão e controle de rentabilidade em uma empresa de saúde. Segundo Howe (2005), são características desejadas desse novo gestor: identificar o conhecimento fundamental aplicável e utilizar métodos científicos para aumentá-lo; validar casos de negócios com proposta de valor que contribui positivamente nos resultados clínicos e financeiros; reconhecer e integrar-se ao sistema de saúde; certificar os profissionais; efetuar a acreditação de organizações; formalizar estudos acadêmicos e programas de educação continuada; normatizar práticas médicas; desenvolver um código de ética para os negócios salientando os assuntos éticos legais únicos para atuar como gestor. Iniciaremos apontando alguns conceitos de medicina preventiva e de finanças corporativas; posteriormente apresentaremos os resultados do programa de Atenção domiciliar (Homecare) da seguradora especializada em saúde e discutiremos as relações desses conceitos com a tomada de decisões estratégicas da empresa, com o intuito de estimular o interesse dos investidores e a valorização das empresas.

15 14 2 PROGRAMA E AÇÕES DE MEDICINA PREVENTIVA E PRÁTICAS RELACIONADAS No presente capítulo, iremos abordar o conceito de Medicina Preventiva e a relevância de alguns de seus programas e práticas relacionadas. A identificação dos fatores de risco responsáveis pelo aumento do custo da saúde é um importante passo para a redução dos custos da assistência à saúde. Embora o retorno do investimento seja difícil de ser mensurado, as empresas que implementaram programas de promoção à saúde tiveram um impacto importante na utilização dos serviços e produtos, bem como nos seus custos. (GONZALEZ, 2007). 2.1 Definições e conceitos Partiremos da obra clássica de Leavell e Clark (1965), Preventive Medicine for the doctor in his community, para definir a medicina preventiva e posicionar alguns programas e práticas relacionadas realizados por empresas de saúde dentro dessa definição. A Medicina Preventiva é a ciência e a arte de evitar doenças, prolongar a vida e promover a saúde física e mental. (LEAVELL; CLARK, 1976, p. 7). A partir deste conceito, esses autores definem um modelo da história natural das doenças para identificar os pontos de intervenção, ou níveis de aplicação das medidas preventivas. O processo saúde-doença é analisado como um sistema evolutivo, no qual existem momentos de atuação preventiva para minimizar a progressão da doença. Apresentam o conceito da tríade ecológica, que representa a interação entre fatores causais relacionados ao agente, ao hospedeiro e ao ambiente, o que explica o processo doença com o conceito de multicasualidade, isto é, existe uma interdependência entre eles para o aparecimento da doença.

16 15 Inter-relações de fatores ligados ao agente, ao hospedeiro e ao meio ambiente Período de Pré-Patogênese Promoção Saúde da Prevenção Primária Proteção Específica Reação do HOSPEDEIRO ao ESTÍMULO Período de Patogênese Diagnóstico precoce e Pronto-Atendimento Prevenção Secundária Limitação da Invalidez Reabilitaçã o Prevenção Terciária Quadro 1 Níveis de aplicação de medidas preventivas na história natural da doença Fonte: Adaptado de LEAVELL e CLARK (apud BANCHER, 2004). Conforme o quadro 1., o período que antecede a patogênese (doença), se configura Prevenção Primária, no qual aparecem dois níveis: Promoção da Saúde e Proteção Específica. O primeiro nível (Promoção da Saúde) tem ações que promovem o bem-estar geral mais voltado para a manutenção do estado de saúde, sem atuar em uma doença específica. No segundo nível (Proteção Específica) existe um enfoque dirigido a patologias específicas, e aqui incorpora-se o sentido de prevenção de doenças comumente reconhecido pelas pessoas. No período de patogênese, a doença está instalada, e teremos os outros níveis de aplicação de medidas preventivas. Aqui inicia-se a prevenção secundária, com dois processos de aplicação das medidas preventivas: diagnóstico precoce/pronto-atendimento e limitação da invalidez. O primeiro processo é também conhecido como detecção precoce e tratamento imediato, ou como busca ativa de casos, e é constituído de ações de busca ativa de uma doença já instalada, e realizar o melhor tratamento possível para impedir a sua progressão e tentar chegar à sua cura. O objetivo destas ações é o de interromper a evolução da doença com a aplicação de medidas preventivas, visando a limitar a invalidez, o último nível da prevenção secundária. O último nível de prevenção (terciária) é a Reabilitação, que se refere a medidas que previnem as complicações da doença em curso. Esse modelo proposto por Leavell e Clark, apesar de antigo, ainda é importante, pois predomina na formulação de políticas e de programas de intervenção sobre os problemas de saúde na maioria dos países (ESCRIVÃO, 1998, p. 8), embora modificado pela contribuição de outros autores.

17 16 É possível observar que tal prática tem sido aplicada como forma de promover a qualidade da saúde da população e diminuir a utilização dos serviços oferecidos. Modificando o foco para o gerenciamento de pacientes com doenças crônicas, ressalta-se a obrigatoriedade da inclusão deste grupo de risco como conseqüência da implementação da lei 9656/98 que regulamentou a saúde suplementar. Em relação a isso, o relatório Preventing Chronic Disease: A Vital Investment (Prevenindo Doenças Crônicas: um investimento Vital), apresentado em 2005 pela Organização Mundial de Saúde (OMS), traz dados concretos sobre o volume dos doentes crônicos no mundo e programas gerados com o intuito de reverter este quadro. O Brasil não se encontra ausente deste relatório, apresentando um quadro em que mais de 60% de todas as mortes no país estão relacionadas às doenças crônicas. No entanto, a referência a este relatório não se limita a apresentar números estritamente negativos, uma vez que nele são identificadas as possibilidades de gerenciamento deste problema. Para tal, serão apresentados dados do National Center for Chronic Disease Prevention and Health Promotion (NCCDPHP Centro Nacional para Prevenção de Doenças Crônicas e Promoção da Saúde), com sede nos Estados Unidos, que atua na área de prevenção e controle de doenças crônicas. Outro foco deste capítulo é a Atenção Domiciliar (Homecare) que é definida como termo genérico que envolve ações de promoção à saúde, prevenção, tratamento de doenças e reabilitação desenvolvidas em domicílio (BRASIL, 2006). Como tem essa característica de prevenir e de reabilitar as complicações das doenças, pode-se classificá-la dentro da prevenção terciária proposta por Leavell e Clark, e que Bancher (2004) cita como uma prática relacionada à medicina preventiva. E, por fim, mostrar a sua relevância dentro da saúde suplementar, exemplificando, com a apresentação de um estudo sobre atenção domiciliar realizado em uma seguradora especializada em saúde, no ano de Trata-se, assim, de um capítulo que trabalha a questão da saúde pela perspectiva preventiva, cujos instrumentos de análise não refletem apenas a saúde da população, mas também a saúde financeira das empresas; tornando-se as

18 17 práticas preventivas nas empresas uma proposta viável e adequada aos desafios do setor da saúde suplementar A importância da medicina preventiva Medicina Preventiva é uma designação que indica uma série de medidas que são tomadas no sentido de se exercer uma valorização da saúde enquanto ela existe, justificando, desta forma, ações tomadas como esforço para sua manutenção. As medidas preventivas utilizadas pelas empresas do setor privado podem ser classificadas: Primárias quando atinge uma população sem doenças, mas que de alguma forma está exposta a algum tipo de risco em tê-las. Trata-se de uma prevenção que se situa na esfera educativa, possibilitando o acesso ao conhecimento da saúde e a fatores de risco que porventura os usuários estejam expostos. É disseminada de diversas formas, podendo ser por orientações médicas, campanhas, folhetos educativos ou outros meios e recursos similares. Trata-se, assim, de um instrumento que motiva o indivíduo a desenvolver hábitos e costumes positivos para sua saúde. Secundárias quando a doença já está instalada, mas ainda há a ausência de manifestações clínicas. Objetiva, desta forma, minimizar o quadro clínico do paciente. Terciárias são voltadas aos doentes crônicos, portadores de quadros complexos de saúde e que necessitam de um acompanhamento constante, o que é feito por equipes médicas e com participação de cuidadores (pessoas do convívio do paciente). Leavell e Clark (1976) denominam este nível como reabilitação. Segundo eles, a Reabilitação corresponde ao último nível de prevenção (terciária), uma vez que as medidas aplicadas visam a prevenir as complicações da doença já instalada. A medicina preventiva recebe, pela dimensão que atinge, nomes como arte e ciência (LEAVELL; CLARK, 1976, p. 7). Sua aplicação e eficácia promovem não apenas o impedimento em relação ao surgimento da doença, mas atuam também evitando, ou até mesmo atrasando, o progresso de determinada doença.

19 18 Do ponto de vista de sua aplicação, a medicina preventiva tem sido historicamente utilizada pelo poder público como forma de promover a saúde da população e diminuir a utilização dos serviços por ele oferecidos, visando, assim, a oferecer um atendimento de melhor qualidade. É importante ressaltar que medidas de natureza preventiva são também aplicadas pelo próprio indivíduo que, ao adotar iniciativas às vezes simples, apropria-se de uma melhor condição de vida e saúde. 2.2 Motivação para incorporação As principais motivações das empresas de planos de saúde no sentido de atuarem a partir desse modelo de assistência são, segundo Bancher (2004): redução de custos assistenciais, satisfação do cliente, marketing, avaliação externa da qualidade do plano para a acreditação, melhora das condições de saúde da população de beneficiários e competição de mercado. Mas, tudo isso se resume na proposta de valor de cada ação ou prática para os diversos atores do sistema de saúde. Os principais aspectos de valor na saúde são: valor clínico, valor financeiro, valor educacional e valor-satisfação do paciente. Como exemplificado no quadro 2 da página seguinte.

20 19 Eventos agudos Doença crônica comum Outras doenças Doenças raras Exemplo Clínico Financeiro Educacional Satisfação Pacientes de Coordenação Custo evitado Aprendizado Percepção alto custo do no de cada de toda atendimento, atendimento situação equipe intensa em prontosocorro comunicação entre a equipe Diabetes, -valores dos Total de Habilidades Foco no insuficiência testes clínicos despesas de autogestão paciente; cardíaca, Melhora dos médicas da doença, médicoassistente pneumopatias, sinais e reduzidas redução do doença sintomas pelas risco com bônus coronariana melhores práticas realizadas Dor lombar, Controle dos Total de Conhecimento Foco no hepatite c, sintomas, despesas adquirido e paciente fibrilação atrial, manter estado médicas habilidades osteoporose de saúde reduzidas requeridas pelas para a melhores condição práticas Myasthenia gravis, artrite reumatóide, fibrose cística Triagem Hepatite c, depressão, diabetes, câncer, mamografia, densitometria ossea População Aquisição de exposta conhecimento, triagem por sintomas, aconselhament o de saúde Prevenção primária Uso do cinto de segurança, tabagismo, planejamento familiar, ácido fólico Polimedicação, medicações complexas Controle dos sintomas, manter o estado de saúde, manter resultados dos exames laboratoriais Diagnóstico precoce, estagio da doença Utilização dos recursos de assistência medica Anular eventos clínicos adversos os realizadas Custo das medicações e procedimentos, controle das internações Total de despesas médicas durante um período de 3 a 5 anos Total de despesas médicas durante um período de 3 a 5 anos, ênfase no direcionament o da utilização Custo de eventos específicos de utilização dos recursos de saúde Taxa de aderência por medicação Farmácia Taxa de reações adversas por medicação Quadro 2- Proposição de Valor para o Gerenciamento de doenças Fonte: HOWE, Monitorament o específico, autogestão da doença Consciência da condição de doença, mensuração do risco evitado Educação geral Tópicos específicos de prevenção primária Educação da medicação especifica Paciente e medicoassistente e possivelme nte de outro integrante da equipe Paciente e empregador Paciente e empregador Paciente e empregador Paciente

21 Principais práticas no gerenciamento de doenças O gerenciamento de doenças tornou-se uma preocupação efetiva das empresas integrantes do mercado da assistência à saúde suplementar, tendo em vista o novo perfil instalado a partir da entrada em vigor da lei 9.656/98 da ANS que, entre outras coisas, contempla o associado pertencente a este grupo específico com doenças crônicas. O termo gerenciamento de doenças crônicas é geralmente associado a um sistema de comunicação e intervenções coordenadas que melhoram o controle e/ou a prevenção da piora das condições dos pacientes com patologias crônicas (DISEASE MANAGEMENT ASSOCIATION OF AMERICA, 2005). Em geral, incluem atividades de suporte no relacionamento médico/ paciente e cuidados de saúde que previnem eventos agudos e complicações, usando protocolos de medicina baseados em evidências, estratégias de autosuficiência dos pacientes e avaliações clínicas, qualidade de vida, resultados financeiros e o resultado de melhora no status de saúde. (BOLIN et al, 2003). Pacientes que participam desses programas atingem uma melhor condição de saúde, e sua freqüência aos serviços de emergência diminui. (KASH et al, 2005). Reflexões sobre esta questão foram feitas por Koyama (2005), as quais estão presentes em estudos como os de Gama (2003), e que refletem sobre as particularidades seletivas e de risco que rondam este setor. Entre as seletivas, o autor destaca a chamada seleção de risco. Antes da lei 9.656/98, não havia cobertura mínima definida para os planos e seguros de saúde, sendo esta estabelecida unicamente pelos contratos firmados entre a operadora e o beneficiário. Conseqüentemente, o que se observava eram os mais variados tipos de exclusões de cobertura e restrições do acesso a serviços e procedimentos médico-hospitalares. Algumas operadoras excluíam de seus contratos as doenças crônicas e degenerativas, doenças infecciosas, doenças préexistentes, doenças mentais, exames e tratamentos de alto custo, ou apresentavam limitações para a utilização de procedimentos e dias de internação, além de restrições de idade para acesso e permanência no plano. Parte destas restrições são proteções que as operadoras de saúde utilizam para não incorporar os

22 21 indivíduos de maior risco, cujos gastos esperados são maiores que o previsto, a denominada seleção de risco. (underwritting). Orientação médica por telefone: O gerenciamento de doenças é realizado via telefone, e o maior desafio é envolver o paciente logo no primeiro contato; é uma prática pró-ativa agindo antes do evento, assim a adesão tem que ser efetiva. A segunda chamada telefônica seria a confirmação dos dados, o início da história clínica do paciente e informações das medicações em uso, como, por exemplo, a prescrição, se possui a medicação em casa, se toma regularmente, conhecimento dos efeitos da droga, dosagem, interações com outros medicamentos, entre outros. Além disso, constitui-se um ótimo momento de ensinar maneiras adequadas de cuidados e aspectos da doença. Alguns serviços têm uma lista dos principais problemas que podem ocorrer e a conduta a ser tomada, sendo uma grande oportunidade de uma intervenção efetiva, evitando, por exemplo, a ida desnecessária ao pronto-socorro. Gerenciamento de internações: Existem programas que vão desde orientação profissional (de enfermagem, farmacêutico, médico) até avaliação clínica e reabilitação do paciente internado. O gestor é responsável por aplicar e coordenar os protocolos clínicos que o paciente está recebendo do hospital a partir do momento que necessita de um recurso hospitalar, e o seu seguimento em conjunto com a equipe de saúde assistente até a alta. Também fica responsável pelo aconselhamento de paciente e familiares. (RYAN et al, 1999). Gerenciamento por meio da medicina baseada em evidências: Toda ação parte de uma base clínica, de um conhecimento sobre a doença com o objetivo de melhorar o estado de saúde do paciente. Há uma combinação de pesquisa da literatura acadêmica e da prática médica. Os gestores se utilizam dessas informações para guiar a interação com os seus pacientes, isto é, tomar decisões certas sobre o tratamento destes, tendo em vista que este é o objetivo central da Medicina Baseada em Evidências. O gerenciamento é feito sob quatro aspectos: financeiro, clínico, qualidade de vida e satisfação do paciente. O gestor incorpora a soma de todas essas informações para conhecer a característica

23 22 do paciente, formular a questão clínica do caso, seguir a melhor intervenção possível e ter o melhor resultado clínico e financeiro. (SACKETT et al, 1991; STEPHENSON et al, 1997; CALVERT, 2001). 2.4 Desenvolvimento de programas de gerenciamentos de doença Em relação ao desenvolvimento adequado de programas de gerenciamento de doenças, deve-se ter uma contínua avaliação daqueles já existentes, no sentido de identificar quais são os melhores para os pacientes e para a empresa. O desenvolvimento de novos programas deve ser uma prática constante em qualquer organização que se propõe a realizar o acompanhamento da população coberta pelo plano de saúde. Os componentes principais seriam a proposição de valor, financiamento, recursos humanos e tecnologia disponível. Aconselhamento e treinamento dos pacientes: O aconselhamento e o treinamento dos pacientes têm como meta melhorar o estado de saúde destes, fazendo que eles entendam melhor sua doença, identificando o que irá prevenir sua saúde ou melhorá-la, conscientizando-os sobre esses pontos. O gestor deverá tomar cuidado na abordagem certa para a situação e também no tempo oportuno. A totalidade do treinamento e do aconselhamento deve seguir uma metodologia, sendo as duas mais comuns: 1) A primeira e também a mais popular é a de tomar a decisão certa informada e compartilhada, isto é, o gestor deve ajudar a pessoa a chegar à conclusão sobre o problema ou a ocorrência da sua saúde. Seria um processo de ajuntar informações relevantes para a tomada de decisão, advindas do seu médico-assistente ou de outra origem clínica ou não clínica. 2) A segunda metodologia é de superação de metas, as quais devem ser atingidas em um determinado período de tempo. Esta prática de aconselhamento e treinamento é muito importante para a aderência do paciente ao programa. (BRISS et al, 2004; U.S. PREVENTIVE SERVICES TASK FORCE, 1996).

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos Gestão Foto: dreamstime.com Longo caminho Medida da ANS inicia discussão sobre a oferta de medicamentos ambulatoriais para doentes crônicos pelas operadoras de saúde Por Danylo Martins Acontece no mundo

Leia mais

DR. Eduardo Reis de Oliveira CEO

DR. Eduardo Reis de Oliveira CEO DR. Eduardo Reis de Oliveira CEO Percentual dos consumidores por tipo de contratação 19.9% Individual Planos novos 66.9% Coletivo Empresarial 13.2% Coletivo por Adesão 202.455.983 Brasileiros 50.270.398

Leia mais

A integração entre saúde ocupacional e assistencial. Dr. Marcos J. C. Baptista, MBA 30.06.2011

A integração entre saúde ocupacional e assistencial. Dr. Marcos J. C. Baptista, MBA 30.06.2011 A integração entre saúde ocupacional e assistencial Dr. Marcos J. C. Baptista, MBA 30.06.2011 Evolução dos modelos de saúde nas empresas Medicina Industrial Medicina do Trabalho Saúde Ocupacional Saúde

Leia mais

INICIATIVAS ESTRATÉGICAS PARA A CASSI DIRETORIA DE PLANOS DE SAÚDE E RELACIONAMENTO COM CLIENTES DIRETORIA DE SAÚDE E REDE DE ATENDIMENTO

INICIATIVAS ESTRATÉGICAS PARA A CASSI DIRETORIA DE PLANOS DE SAÚDE E RELACIONAMENTO COM CLIENTES DIRETORIA DE SAÚDE E REDE DE ATENDIMENTO INICIATIVAS ESTRATÉGICAS PARA A CASSI DIRETORIA DE PLANOS DE SAÚDE E RELACIONAMENTO COM CLIENTES DIRETORIA DE SAÚDE E REDE DE ATENDIMENTO PANORAMA DO SETOR DE SAÚDE - ANS Beneficiários Médico-Hospitalar

Leia mais

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Belo Horizonte - MG, setembro de 2013. Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Patricia Fernanda Toledo Barbosa

Leia mais

ANS 3º Workshop Regional de Promoção de Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças Brasília/DF 09/10/2014

ANS 3º Workshop Regional de Promoção de Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças Brasília/DF 09/10/2014 ANS 3º Workshop Regional de Promoção de Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças Brasília/DF 09/10/2014 ANS Panorama dos Programas para Promoção de Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar

Leia mais

4º SEMINÁRIO AUTOGESTÃO COMO MODELO IDEAL PARA A SAÚDE CORPORATIVA A SUSTENTABILIDADE DA SAÚDE NAS -

4º SEMINÁRIO AUTOGESTÃO COMO MODELO IDEAL PARA A SAÚDE CORPORATIVA A SUSTENTABILIDADE DA SAÚDE NAS - 4º SEMINÁRIO AUTOGESTÃO COMO MODELO IDEAL PARA A SAÚDE CORPORATIVA A SUSTENTABILIDADE DA SAÚDE NAS - EMPRESAS - OS DESAFIOS PARA O SEGMENTO DE AUTOGESTÃO Vilma Dias GERENTE DA UNIDADE CASSI SP AGENDA 1.

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

Junho 2013 1. O custo da saúde

Junho 2013 1. O custo da saúde Junho 2013 1 O custo da saúde Os custos cada vez mais crescentes no setor de saúde, decorrentes das inovações tecnológicas, do advento de novos procedimentos, do desenvolvimento de novos medicamentos,

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

Os Desafios Assistenciais na Saúde Suplementar Martha Oliveira Gerente Geral de Regulação Assistencial- ANS

Os Desafios Assistenciais na Saúde Suplementar Martha Oliveira Gerente Geral de Regulação Assistencial- ANS Os Desafios Assistenciais na Saúde Suplementar Martha Oliveira Gerente Geral de Regulação Assistencial- ANS O Envelhecimento Populacional é um fenômeno Mundial Fonte: United Nations Department of Economic

Leia mais

ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014

ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014 ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014 Cenário 1) Nas últimas décadas, os países da América Latina e Caribe vêm enfrentando uma mudança

Leia mais

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário Guia de Farmacovigilância - Anvisa ANEXO IV - Glossário De acordo com a RESOLUÇÃO - RDC Nº 4, DE 10/02/09 (DOU 11/02/09): Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos

Leia mais

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Desastre: interrupção grave do funcionamento normal de uma comunidade que supera sua capacidade de resposta e recuperação. Principais causas de

Leia mais

www.grupoidealbr.com.br

www.grupoidealbr.com.br www.grupoidealbr.com.br Programa Nacional de Segurança do Paciente Introdução Parágrafo 12 do primeiro livro da sua obra Epidemia: "Pratique duas coisas ao lidar com as doenças; auxilie ou ao menos não

Leia mais

APRESENTAÇÃO QUALIVIDA

APRESENTAÇÃO QUALIVIDA APRESENTAÇÃO QUALIVIDA (143.846 segurados ) (1.010.965 associados) (1.403.755 associados) (373.839 associados) 4.389 empresas 3.000.000 vidas * Dados jan 2013 2 MISSÃO NOSSA MISSÃO NOSSA MISSÃO Tornar

Leia mais

Atribuições Clínicas do Farmacêutico

Atribuições Clínicas do Farmacêutico Atribuições Clínicas do Farmacêutico Evolução dos gastos com medicamentos do Ministério da Saúde 650% crescimento R$ Atualizado: 10/02/2014 Fonte: Fundo Nacional de Saúde FNS e CGPLAN/SCTIE/MS Hospitalizações

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA.

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. 1 EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. Tales de Carvalho, MD, PhD. tales@cardiol.br Médico Especialista em Cardiologia e Medicina do Esporte; Doutor em

Leia mais

NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013.

NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013. NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013. Assessoria da Presidência Assessoria técnica Grupo de consultores ad hoc Conselho Federal de

Leia mais

7º Congresso Unidas de

7º Congresso Unidas de 7º Congresso Unidas de Gestão o de Assistência à Saúde Dra. Rozana Ciconelli Centro Paulista de Economia da Saúde Escola Paulista de Medicina A epidemia da obesidade Como as doenças crônicas afetam a gestão

Leia mais

História Natural das Doenças e Níveis de Aplicação de Medidas Preventivas

História Natural das Doenças e Níveis de Aplicação de Medidas Preventivas Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina / Instituto de Estudos em Saúde Coletiva - IESC Departamento Medicina Preventiva Disciplina de Epidemiologia História

Leia mais

Estratégia Saúde Integrada

Estratégia Saúde Integrada Departamento de Saúde e Segurança Por trás de uma vida existem muitas outras. Estratégia Saúde Integrada Fernando Coelho Neto Gerente de Saúde Corporativa Evolução da estratégia em Saúde Corporativa Cumprimento

Leia mais

Acreditação de Operadoras de Planos de Saúde. Experiência Bradesco Saúde

Acreditação de Operadoras de Planos de Saúde. Experiência Bradesco Saúde Acreditação de Operadoras de Planos de Saúde Experiência Bradesco Saúde Pontos O Mercado de Saúde Suplementar O Contexto da Bradesco Saúde A Acreditação de Operadoras de Planos de Saúde 2 Despesas Totais

Leia mais

Estratégia Saúde Integrada

Estratégia Saúde Integrada Departamento de Saúde e Segurança Por trás de uma vida existem muitas outras. Estratégia Saúde Integrada Fernando Coelho Neto Gerente de Saúde Corporativa Evolução da estratégia em Saúde Corporativa Cultura

Leia mais

Elevação dos custos do setor saúde

Elevação dos custos do setor saúde Elevação dos custos do setor saúde Envelhecimento da população: Diminuição da taxa de fecundidade Aumento da expectativa de vida Aumento da demanda por serviços de saúde. Transição epidemiológica: Aumento

Leia mais

Ciclo de Debates GV Saúde: Quais as Perspectivas para as Operadoras de Planos de Saúde? Agosto 2014

Ciclo de Debates GV Saúde: Quais as Perspectivas para as Operadoras de Planos de Saúde? Agosto 2014 Ciclo de Debates GV Saúde: Quais as Perspectivas para as Operadoras de Planos de Saúde? Agosto 2014 1 Mercado de Planos de Saúde Impactado por 5 Tendências E o Mercado? Continuará a Crescer? 5 Usuário

Leia mais

Market Access e a nova modelagem de Negócios da Indústria Farmacêutica no Brasil.

Market Access e a nova modelagem de Negócios da Indústria Farmacêutica no Brasil. Market Access e a nova modelagem de Negócios da Indústria O fortalecimento do pagador institucional de medicamentos, seja ele público ou privado, estabelece uma nova dinâmica nos negócios da indústria,

Leia mais

ANS 2º Workshop Regional sobre Promoção da Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar Campinas/SP 02/09/2014

ANS 2º Workshop Regional sobre Promoção da Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar Campinas/SP 02/09/2014 ANS 2º Workshop Regional sobre Promoção da Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar Campinas/SP 02/09/2014 Cenário O Envelhecimento Populacional é um fenômeno Mundial Cenário Mudança

Leia mais

Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005

Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005 Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005 O que é um produto inovador? Dois caminhos para oferecer melhores medicamentos aos

Leia mais

Estudo de caso: Hospital Albert Einstein. Mirian do Carmo Branco da Cunha Diretora de Recursos Humanos, SBIB Hospital Albert Einstein

Estudo de caso: Hospital Albert Einstein. Mirian do Carmo Branco da Cunha Diretora de Recursos Humanos, SBIB Hospital Albert Einstein Saúde e produtividade: o valor de uma força de trabalho saudável para o sucesso nos negócios Estudo de caso: Hospital Albert Einstein Mirian do Carmo Branco da Cunha Diretora de Recursos Humanos, SBIB

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology RESIDÊNCIA MÉDICA Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology José Luiz Miranda Guimarães* Neste número estamos divulgando o resultado parcial do Seminário

Leia mais

Seção II Das Definições

Seção II Das Definições RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 310, DE 30 DE OUTUBRO DE 2012 Dispõe sobre os princípios para a oferta de contrato acessório de medicação de uso domiciliar pelas operadoras de planos de assistência à saúde.

Leia mais

NÍVEIS DE PREVENÇÃO. Ana Catarina Peixoto R. Meireles. Médica Interna de Saúde Pública Unidade Operativa de Saúde Pública P

NÍVEIS DE PREVENÇÃO. Ana Catarina Peixoto R. Meireles. Médica Interna de Saúde Pública Unidade Operativa de Saúde Pública P NÍVEIS DE PREVENÇÃO Conceito e Relação com as Funções do Médico de Saúde PúblicaP Ana Catarina Peixoto R. Meireles Médica Interna de Saúde Pública P Unidade Operativa de Saúde Pública P de Braga Reunião

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013 Institui o Programa Nacional de Segurança do

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GEFIS Nº 29 / 2010 Abordagem Sindrômica. Participação Legal do Enfermeiro. Programa de Controle das Doenças Sexualmente Transmissíveis. Programa de Atenção Integral em Doenças Prevalentes

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMAS DE QUALIDADE DE VIDA NAS EMPRESAS

IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMAS DE QUALIDADE DE VIDA NAS EMPRESAS IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMAS DE QUALIDADE DE VIDA NAS EMPRESAS O QUE É... SAÚDE? PREVENÇÃO DE DOENÇA STATUS DE SAÚDE?? PROMOÇÃO DE SAÚDE QUALIDADE DE VIDA? BEM-ESTAR? FELICIDADE Sâmia Simurro SAÚDE...Estado

Leia mais

As novidades da Saúde Suplementar e seus Impactos. Erimar Carlos Brehme de Abreu

As novidades da Saúde Suplementar e seus Impactos. Erimar Carlos Brehme de Abreu As novidades da Saúde Suplementar e seus Impactos Assistência Farmacêutica, Qualificação de Prestadores, Ouvidoria, CNS e Pagamento por Pacotes Erimar Carlos Brehme de Abreu Águas de Lindóia 13/09/2012

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999

PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999 Dispõe sobre o atendimento obrigatório aos portadores da Doença de Alzheimer no Sistema Único de Saúde - SUS, e dá outras providências.

Leia mais

Estudo. Hospitais Emergência (1984)

Estudo. Hospitais Emergência (1984) 1. Introdução A partir da segunda metade do século XX é possível constatarmos um acentuado desenvolvimento tecnológico na área médica, sobretudo no que diz respeito ao diagnóstico e à terapia. Além disso,

Leia mais

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98 IX ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE DA ABRES Utilização de Serviços em uma Operadora de Plano de Saúde que Desenvolve Programas de Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Cardiovasculares Danielle

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

EDUARDO FERREIRA ARANTES Gerente Executivo de Qualidade de Vida O MODELO SESI-SP DE GESTÃO INTEGRADA DE SEGURANÇA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

EDUARDO FERREIRA ARANTES Gerente Executivo de Qualidade de Vida O MODELO SESI-SP DE GESTÃO INTEGRADA DE SEGURANÇA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA EDUARDO FERREIRA ARANTES Gerente Executivo de Qualidade de Vida O MODELO SESI-SP DE GESTÃO INTEGRADA DE SEGURANÇA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA OS INVESTIMENTOS EM PROGRAMAS DE PROMOÇÃO DA SEGURANÇA, SAÚDE,

Leia mais

AUDITORIA EM ATENÇÃO DOMICILIAR: O IMPACTO DO GERENCIAMENTO DE CONDIÇÕES CRÔNICAS NA REDUÇÃO DE CUSTOS ASSISTENCIAIS 1 RESUMO

AUDITORIA EM ATENÇÃO DOMICILIAR: O IMPACTO DO GERENCIAMENTO DE CONDIÇÕES CRÔNICAS NA REDUÇÃO DE CUSTOS ASSISTENCIAIS 1 RESUMO AUDITORIA EM ATENÇÃO DOMICILIAR: O IMPACTO DO GERENCIAMENTO DE CONDIÇÕES CRÔNICAS NA S ASSISTENCIAIS 1 Quartiero,L. 2 1 Monografia de conclusão de Especialização em Auditoria em Saúde - FACISA 2 Enfermeira,

Leia mais

Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008

Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008 Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008 Marcos Novais Carina Burri Martins José Cechin Superintendente Executivo APRESENTAÇÃO O objetivo deste trabalho

Leia mais

Inovação em serviços de saúde: experiência da Unimed-BH. CISS Congresso Internacional de Serviços de Saúde

Inovação em serviços de saúde: experiência da Unimed-BH. CISS Congresso Internacional de Serviços de Saúde Inovação em serviços de saúde: experiência da Unimed-BH CISS Congresso Internacional de Serviços de Saúde Quem somos Por que inovar Qualificação da rede Adoção do DRG Acreditação da Operadora Inovação

Leia mais

Fortalecendo o Sistema de Farmacovigilância para a introdução de novos medicamentos para a tuberculose no Brasil

Fortalecendo o Sistema de Farmacovigilância para a introdução de novos medicamentos para a tuberculose no Brasil Fortalecendo o Sistema de Farmacovigilância para a introdução de novos medicamentos para a tuberculose no Brasil Introdução Em 2009, o Ministério da Saúde (MS) do Brasil mudou seu esquema de tratamento

Leia mais

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Linamara Rizzo Battistella 04.10.2012 Universal Irreversível Heterôgeneo Perda Funcional Progressiva

Leia mais

Promoção da Saúde e Prevenção de Risco e Doenças no Ambiente de Trabalho. ANS maio/2014

Promoção da Saúde e Prevenção de Risco e Doenças no Ambiente de Trabalho. ANS maio/2014 Promoção da Saúde e Prevenção de Risco e Doenças no Ambiente de Trabalho ANS maio/2014 Perfil da Cemig Maior empresa integrada deutilites do Brasil. Composta por 58 empresas e 15 consórcios. Lucro líquido

Leia mais

Seminário Anual de Saúde 2010: Cultura de Saúde e Dividendos para o Negócio Uma Visão Estratégica. Setembro/2010

Seminário Anual de Saúde 2010: Cultura de Saúde e Dividendos para o Negócio Uma Visão Estratégica. Setembro/2010 Seminário Anual de Saúde 2010: Cultura de Saúde e Dividendos para o Negócio Uma Visão Estratégica Setembro/2010 Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein Instituição de Saúde composta

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

Saúde Mental e trabalho: Contribuições da Psicologia da Saúde/reposicionamento do psicólogo nas equipes de saúde

Saúde Mental e trabalho: Contribuições da Psicologia da Saúde/reposicionamento do psicólogo nas equipes de saúde Saúde Mental e trabalho: Contribuições da Psicologia da Saúde/reposicionamento do psicólogo nas equipes de saúde SILVIA CURY ISMAEL HOSPITAL DO CORAÇÃO DE SÃO PAULO III Congresso dos Servidores de Saúde

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso?

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso? 1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano Vamos falar sobre isso? Algumas estatísticas sobre Saúde Mental Transtornos mentais são frequentes e afetam mais de 25% das pessoas

Leia mais

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional CAPÍTULO I PRINCÍPIOS NORTEADORES Art. 1º Os procedimentos em saúde mental a serem adotados

Leia mais

Programa de benefício farmacêutico Algumas experiências brasileiras Marcelo Horácio - UERJ

Programa de benefício farmacêutico Algumas experiências brasileiras Marcelo Horácio - UERJ Programa de benefício farmacêutico Algumas experiências brasileiras Marcelo Horácio - UERJ Introdução No Brasil, não existe qualquer tipo de regulamentação do setor. As iniciativas estão limitadas a algumas

Leia mais

Suplementar após s 10 anos de regulamentação

Suplementar após s 10 anos de regulamentação Atenção à Saúde Mental na Saúde Suplementar após s 10 anos de regulamentação Kátia Audi Congresso Brasileiro de Epidemiologia Porto Alegre, 2008 Mercado de planos e seguros de saúde: cenários pré e pós-regulamentap

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE NUTRIÇÃO, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

PLANO DE CAPACITAÇÃO DO

PLANO DE CAPACITAÇÃO DO www.unp.br PLANO DE CAPACITAÇÃO do Corpo Técnico-Administrativo 2015 Plano de Capacitação do Corpo Técnico-Administrativo 2015 Natal/RN 2015 DIRIGENTES DA UNIVERSIDADE POTIGUAR PRESIDENTE Prof. Marcus

Leia mais

Dimensão Econômico-Financeira

Dimensão Econômico-Financeira Dimensão Econômico-Financeira 2 Sumário CRITÉRIO I POLÍTICA... 3 INDICADOR 1. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO... 3 INDICADOR 2. ATIVOS INTANGÍVEIS... 5 INDICADOR 3. DEFESA DA CONCORRÊNCIA... 6 CRITÉRIO II GESTÃO...

Leia mais

O mercado de serviços de Saúde no Brasil

O mercado de serviços de Saúde no Brasil www.pwc.com.br O mercado de serviços de Saúde no Brasil O mercado brasileiro de serviços de saúde: um dos mais promissores e atraentes do mundo Contexto Quinto país em termos de área e população, com 8,51

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

A Dinâmica Competitiva das OPS e sua Interface com o Setor de Serviços e a Indústria

A Dinâmica Competitiva das OPS e sua Interface com o Setor de Serviços e a Indústria A Dinâmica Competitiva das OPS e sua Interface com o Setor de Serviços e a Indústria Rio de Janeiro, Maio de 2008 Alfredo de Almeida Cardoso Diretor de Normas e Habilitação de Operadoras ANS Boa Tarde!

Leia mais

Towers Watson. Pública

Towers Watson. Pública Towers Watson Pública Gestão Estratégica da Saúde Corporativa 2012 3ª edição Seminário Anual de Saúde 2012 A Nova Era da Gestão de Saúde nas Empresas Dividindo responsabilidades, otimizando resultados

Leia mais

VALORES COORPORATIVOS MISSÃO VISÃO. Oferecer soluções em seguros, atendendo as necessidades das cooperativas e do mercado em geral.

VALORES COORPORATIVOS MISSÃO VISÃO. Oferecer soluções em seguros, atendendo as necessidades das cooperativas e do mercado em geral. EMPRESA MISSÃO Oferecer soluções em seguros, atendendo as necessidades das cooperativas e do mercado em geral. VISÃO Ser reconhecida como uma empresa do sistema cooperativo com excelência em seguros. VALORES

Leia mais

VIGILÂNCIA AMBIENTAL

VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL Introdução Considera-se a vigilância ambiental como o processo contínuo de coleta de dados e análise de informação sobre saúde e ambiente, com o intuito de orientar

Leia mais

Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS

Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS São Paulo - 18 de junho de 2013 GERPS/GGISE/DIDES/ANS Agenda Cenário Atual da Qualidade no Setor. Programas de Qualificação dos Prestadores de

Leia mais

As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames

As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames Introdução Fique atento aos padrões do CFM ÍNDICE As 6 práticas essenciais de marketing para clínicas de exames Aposte em uma consultoria de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CENTRO DE PESQUISA CLÍNICA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

REGIMENTO INTERNO CENTRO DE PESQUISA CLÍNICA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS REGIMENTO INTERNO CENTRO DE PESQUISA CLÍNICA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS CAPÍTULO I DAS FINALIDADES E OBJETIVOS Artigo 1º - O Centro de Pesquisas Clínicas (CPC)

Leia mais

Avaliação Atuarial de Banco de Dados

Avaliação Atuarial de Banco de Dados Avaliação Atuarial de Banco de Dados ASSOCIAÇÃO POLICIAL DE ASSISTÊNCIA A SAÚDE DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA - SP São José dos Pinhais, 12 de Junho de 2007. Índice 1. Introdução---------------------------------------------------------------------------------------------------3

Leia mais

Medicina Preventiva na Central Nacional Unimed

Medicina Preventiva na Central Nacional Unimed Medicina Preventiva na Central Nacional Unimed A Central Nacional Unimed é a operadora nacional dos planos de saúde Unimed. Comercializa planos para empresas que tenham filiais em três ou mais estados

Leia mais

Envelhecimento com qualidade: Como as operadoras de planos de saúde estão se organizando. 10ª Jornada PRONEP Rio de Janeiro, setembro 2010

Envelhecimento com qualidade: Como as operadoras de planos de saúde estão se organizando. 10ª Jornada PRONEP Rio de Janeiro, setembro 2010 Envelhecimento com qualidade: Como as operadoras de planos de saúde estão se organizando 10ª Jornada PRONEP Rio de Janeiro, setembro 2010 CONTEXTUALIZANDO: A variação de despesas nos últimos 8 anos superou

Leia mais

Debates GVsaúde. Perspectivas da Assistência para a População de Idosos Visão das Autogestões. Denise Eloi Maio/2014

Debates GVsaúde. Perspectivas da Assistência para a População de Idosos Visão das Autogestões. Denise Eloi Maio/2014 Debates GVsaúde Perspectivas da Assistência para a População de Idosos Visão das Autogestões Denise Eloi Maio/2014 Sistema de Saúde Suplementar 1.274 operadoras de planos de saúde com beneficiários Mais

Leia mais

Workshop SESI SC Florianopolis 27 Setembro

Workshop SESI SC Florianopolis 27 Setembro Workshop SESI SC Florianopolis 27 Setembro 1. Por que Promoção da Saúde no Trabalho (PST)? 2. PST funciona? 3. Tendências Globais e Programas em PST 4. Guias e Critérios Internacionais de Qualidade 5.

Leia mais

Impactos do Programa de Qualidade de Vida na Gestão de Pessoas

Impactos do Programa de Qualidade de Vida na Gestão de Pessoas Hospital do Coração Impactos do Programa de Qualidade de Vida na Gestão de Pessoas Rosa Bosquetti Coordenadora de Enfermagem Unidade Coronariana O Hospital O Hospital O Hospital HCor: missão, visão e valores

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

ENCONTROS DE SAUDE CORPORATIVA ESC III

ENCONTROS DE SAUDE CORPORATIVA ESC III ENCONTROS DE SAUDE CORPORATIVA ESC III PESQUISA SOBRE SAÚDE CORPORATIVA EFETUADA POR UM CONSORCIO DE EMPRESAS DA ÁREA DE SAUDE CONSTATAÇÕES E IMPLICAÇÕES Duração: 4 semanas 44 respondentes Respondentes

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

8º Forum de Saúde e Segurança do Trabalho. FEBRABAN

8º Forum de Saúde e Segurança do Trabalho. FEBRABAN 8º Forum de Saúde e Segurança do Trabalho. FEBRABAN Cultura de Saúde e Segurança no Trabalho: da Norma para o Valor Volvo do Brasil Quais os Valores e Práticas em Saúde e Segurança do Trabalho que asseguram

Leia mais

Estimular a práticas de promoção da saúde efetivas, mediante troca de experiências entre profissionais de saúde.

Estimular a práticas de promoção da saúde efetivas, mediante troca de experiências entre profissionais de saúde. Missão Estimular a práticas de promoção da saúde efetivas, mediante troca de experiências entre profissionais de saúde. Visão Ser referência na construção/divulgação de conhecimentos científicos na área

Leia mais

MARCA BRADESCO RECURSOS HUMANOS

MARCA BRADESCO RECURSOS HUMANOS ATIVOS INTANGÍVEIS Embora a Organização não registre seus ativos intangíveis, há evidências da percepção de sua magnitude pelos investidores e que pode ser encontrada na expressiva diferença entre o Valor

Leia mais

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA 2012.1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS É uma instituição de direito privado, sem fins lucrativos, fundada em 20 de dezembro de 1944, com o objetivo de ser um centro voltado

Leia mais

sobre as transações no setor de saúde

sobre as transações no setor de saúde 10 Minutos sobre as transações no setor de saúde Valor global de fusões e aquisições cresce e reverte tendência Destaques O valor total das transações no setor de saúde aumentou 4% em relação à segunda

Leia mais

Sylvia Cristina Xavier Chiodarelli Lopes

Sylvia Cristina Xavier Chiodarelli Lopes Sylvia Cristina Xavier Chiodarelli Lopes Formação Acadêmica Curso de Avaliação da Qualidade em Saúde Fundação Getúlio Vargas (FGV) / 2011 MBA em Administração Hospitalar e serviços de saúde Fundação Getúlio

Leia mais

MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE

MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE 1 Identificação Título Câncer de Colo de útero: a importância de diagnostico precoce. Área temática Comunicação, Promoção e Educação em Saúde Lotação Boninal

Leia mais

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA. Zig Koch

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA. Zig Koch DOCUMENTO DE REFERÊNCIA Zig Koch O Programa E-CONS, Empreendedores da Conservação, é uma iniciativa idealizada pela SPVS - Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental e implementada em

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 ORGANIZAÇÃO DAS AÇÕES EM SAÚDE DO TRABALHADOR NA ATENÇÃO BÁSICA NOS MUNICÍPIOS DA 20ª REGIONAL DE SAÚDE DO PARANÁ 1 Viviane Delcy da Silva 2 Neide Tiemi Murofuse INTRODUÇÃO A Saúde do Trabalhador (ST)

Leia mais

8ª Congresso Brasileiro de Gestão em Laboratórios Clínicos - Hospitalar

8ª Congresso Brasileiro de Gestão em Laboratórios Clínicos - Hospitalar 8ª Congresso Brasileiro de Gestão em Laboratórios Clínicos - Hospitalar Impactos da Contratualização na Saúde Suplementar e as várias visões do Relacionamento Comercial Sandro Leal Alves 22 de maio de

Leia mais

Cobertura assistencial. Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde OPME

Cobertura assistencial. Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde OPME Cobertura assistencial Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde OPME Agência Nacional de Saúde Suplementar Marcos Regulatórios Lei 9656, de 03/06/1998 Dispõe sobre a regulamentação dos planos e seguros

Leia mais

Desafios do setor de saúde suplementar no Brasil Maílson da Nóbrega

Desafios do setor de saúde suplementar no Brasil Maílson da Nóbrega Desafios do setor de saúde suplementar no Brasil Maílson da Nóbrega Setor de grande importância Mais de 50 milhões de beneficiários no país. Níveis elevados de satisfação com os serviços. Custos hospitalares

Leia mais

Desafio da Gestão dos Planos de Saúde nas empresas. Prof. Marcos Mendes. é Realizada pelo Ministério da Saúde:

Desafio da Gestão dos Planos de Saúde nas empresas. Prof. Marcos Mendes. é Realizada pelo Ministério da Saúde: Desafio da Gestão dos Planos de Saúde nas empresas Prof. Marcos Mendes 26 de novembro de 2015 A Regulação da Saúde no Brasil é Realizada pelo Ministério da Saúde: Diretamente sobre os sistemas públicos

Leia mais

RH Saúde Ocupacional

RH Saúde Ocupacional Programa de Promoção da Saúde no Ambiente de Trabalho RH Saúde Ocupacional Objetivo Tem como principal objetivo propiciar ambiente de Tem como principal objetivo propiciar ambiente de trabalho e clima

Leia mais

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Fortaleza, 28 de novembro de 2012. Análise de Causa-Raiz É um método utilizado na engenharia, nas investigações de acidentes industriais, nucleares,

Leia mais

Verticalização: Solução ou Engano?

Verticalização: Solução ou Engano? Verticalização: Solução ou Engano? Uma visão crítica sobre os modelos de assistência gerenciados e verticalizados São Paulo Junho de 2006 Modelo Público Britânico O NHS (National Health Service) foi criado

Leia mais

Problematização. Processo

Problematização. Processo Determinantes socioambientais em saúde bucal e estratégias de Promoção da Saúde 1 Problematização Serviços de saúde [e sua expressão humana, ou seja, os profissionais de saúde] não são potentes o suficiente

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO LUIZA MACHADO COORDENADORA ATENÇÃO Ä SAÚDE DA PESSOA IDOSA -AÇÕES DO MINISTERIO

Leia mais

Diretrizes Standards Nacionais para Educação em Auto-Gerenciamento do Diabetes

Diretrizes Standards Nacionais para Educação em Auto-Gerenciamento do Diabetes Diretrizes Standards Nacionais para Educação em Auto-Gerenciamento do Diabetes Diabetes Care January 2010 33:S89-S96; doi:10.2337/ dc10-s089 A Educação em Auto-Gerenciamento do Diabetes - DSME (Diabetes

Leia mais