Uma extensão do agroxml para representação do conhecimento técnico das operações agrícolas da cana-deaçúcar através de ontologia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uma extensão do agroxml para representação do conhecimento técnico das operações agrícolas da cana-deaçúcar através de ontologia"

Transcrição

1 Uma extensão do agroxml para representação do conhecimento técnico das operações agrícolas da cana-deaçúcar através de ontologia Elcio Abrahão 1, André Riyuiti Hirakawa 1 1 Laboratório de Automação Agrícola Departamento de Engenharia de Computação Escola Politécnica (POLI) - Universidade de São Paulo (USP) Av. Prof. Luciano Gualberto, travessa 3, nº 158, sala C2-56 Cidade Universitária - São Paulo - SP - CEP Abstract. There is a huge exchange of information among information systems on the sugar cane production chain because many of them are needed to manage all the agriculture operations. Although there is standards to transport and represent operations shared data, there is no standard to represent specific knowledge of such data. This article aims at proposing an extension of a XML data exchange protocol to represent and share the knowledge about the sugar cane agriculture operations domain based on an ontological study. Access to this knowledge will allow better operational and managerial decision-making throughout the whole production chain. Resumo. Há uma grande troca de informações entre os diversos sistemas de informática na cadeia de produção da cana-de-açúcar. Apesar de já existirem padrões para transporte e representação dos dados destas operações, não há um padrão para representação do conhecimento específico destes dados. Este artigo propõe uma extensão de um protocolo de troca de dados agrícolas baseado em XML para representar e compartilhar o conhecimento técnico sobre o domínio das operações agrícolas da cana-de-açúcar baseado em um estudo ontológico. O acesso a esse conhecimento permitirá uma melhora na qualidade da tomada de decisões operacionais e gerenciais em toda a cadeia de produção. 1. Introdução O Brasil é o maior produtor mundial de cana-de-açúcar. De acordo com [PROCANA, 2013] em 2012 estavam em funcionamento 435 usinas de açúcar e etanol e a produção nacional na safra 2012/2013 está estimada em 588,4 milhões de toneladas [UNICA, 2013]. O açúcar representa 14,9 bilhões de dólares nas exportações do Brasil [MAPA, 2012] e o etanol é parte fundamental da matriz energética brasileira. Segundo [Xavier, 2012] as operações agrícolas representam cerca de 67,16% do custo de processamento do açúcar e do etanol e há grande competição entre os produtores que estão constantemente em busca de redução de custos e aumento da produtividade. Neste cenário os sistemas de informação são de fundamental importância e a cadeia de produção depende da troca de informações para operar e gerenciar a produção agrícola. A interoperabilidade de dados entre os participantes de uma cadeia produtiva consiste em implantar mecanismos capazes de distribuir e compartilhar dados entre diversos

2 sistemas heterogêneos. No agricultura, e em especial na produção da cana-de-açúcar, existe uma série de dificuldades adicionais relacionadas as características inerentes do domínio: (a) distribuição geográfica das áreas produtoras; (b) grande quantidade de participantes na cadeia produtiva (proprietários de terra, arrendatários, empreiteiras, transportadoras, fornecedores, clientes, governo); (c) diferentes níveis de informatização de sistemas e falta de integração entre sistemas especialistas; (d) falta de padrões para representação e transporte de dados. Apesar de já existirem padrões consolidados para troca de informações entre sistemas agrícolas [Santos, 2012], não existe um padrão para representar e compartilhar os conhecimentos técnicos sobre o domínio das operações agrícolas da cana-de-açúcar, dificultando o processo de tomada de decisões operacionais e gerenciais na cadeia de produção. Segundo [Gruber, 1995] um corpo de conhecimento formalmente representado é baseado em uma conceituação: os objetos, conceitos, e outras entidades que se assume que existam em alguma área de interesse e as relações que mantêm entre si. A ontologia é uma especificação explicita de uma conceituação. Segundo [Aqeel, 2011] a ontologia é a forma mais adequada para representação do conhecimento específico sobre um domínio. Existem várias iniciativas para desenvolvimento de ontologias genéricas para a agricultura. A FAO (Food and Agriculture Organization of the United Nations) [AGROVOC, 2011] criou o AGROVOC, um vocabulário específico para termos da agricultura cujo foco inicial era a segurança de alimentos e a taxonomia dos produtos agrícolas e que evoluiu para uma ontologia que conta hoje com a descrição de mais de conceitos em 20 diferentes línguas. Outras iniciativas como [Aqeel, 2011] e [Lukose, 2012] apresentam métodos formais para utilizar ontologias para descrever conhecimento da área agrícola utilizando a linguagem OWL (Web Ontology Language) [W3C1, 2013], porem estes conhecimentos são de caráter geral e não tratam os conhecimentos técnicos específicos das operações agrícolas canavieiras. A proposta deste artigo é apresentar uma extensão ao protocolo de troca de dados agrícolas agroxml [Douschitz, 2005] para representar o conhecimento técnico das operações agrícolas da cana-de-açúcar no Brasil através de um estudo ontológico. Isto permitirá uma maior agilidade na tomada de decisões operacionais e gerencias pois o conhecimento técnico passa a estar diretamente ligado aos dados das operações agrícolas. Para isso foi feita a coleta dos conhecimentos técnicos, sua formatação utilizando OWL, a validação no contexto da produção de cana-de-açúcar e a implementação como extensão ao agroxml. 2. Material e Métodos Para o desenvolvimento da extensão apresentada neste artigo foram utilizados os critérios de design de ontologias sugerido por [Gruber, 1995]: (a) Clareza: comunicação eficiente do significado da definição dos termos; (b) Coerência: a ontologia deve consentir inferências que são consistentes com as definições; (c) Extensibilidade: a ontologia deve ser capaz de permitir a definição de novos termos baseados no vocabulário existente, de maneira que não requeira uma revisão nas definições existentes; (d) Mínima tendência a codificação: a conceptualização deve ser

3 especificada no nível de conhecimento sem depender de codificação com símbolos; (e) Mínimo compromisso ontológico: a ontologia deve requerer o mínimo de compromisso ontológico necessário para suportar as atividades de compartilhamento de conhecimento. Para que a ontologia possa ser referenciada pelos protocolos de troca de informação existentes foi utilizado um método descrito por [Zheng, 2012] com 4 fases: (a) aquisição de conhecimento; (b) representação do conhecimento; (c) formalização do estudo ontologico e (d) validação e avaliação da ontologia. Após obtenção da ontologia foi construída uma extensão do protocolo agroxml Aquisição do Conhecimento Nesta fase, o conhecimento específico sobre o domínio das operações agrícolas da canade-açúcar foi coletado com o auxílio de especialistas, documentação técnica ou padrões operacionais. As operações agrícolas são classificadas conforme os grandes grupos de operações: (a) Plantio, (b) Cultivo, (c) Colheita e (d) Apoio. Os termos para os nomes das operações agrícolas e recursos foram reutilizados a partir dos vocábulos do thesaurus AGROVOC. Os termos do AGROVOC são formados por uma ou mais palavras que representam um conceito único que podem ou não possuir relações hierárquicas com outros termos. Os termos específicos das operações e recursos utilizados pela cana-de-açúcar foram definidos conforme este padrão Representação do Conhecimento A segunda fase consiste na criação de conceitos, sua classificação e estabelecimento de relacionamentos entre estes conceitos. Também deve-se criar regras de restrição que colaborem para a definição do propósito e escopo do estudo ontológico. Este processo deve ser acompanhado por um especialista para validação do vocabulário proposto. Os seguintes relacionamentos devem são identificados: (a) Qual operação faz o que com qual recurso; (b) Ordem de execução das operações; (c) Parâmetros para as regras de restrição Formalização do Estudo Ontológico Uma vez determinados os conceitos, relacionamentos e regras é necessário utilizar uma linguagem para formalizar o estudo ontológico. Embora nem todos os dados sejam trocados via Internet este trabalho utilizou a OWL para representar a classes ontológicas pois pode ser facilmente referenciada a partir do XML, o que facilitará o acesso e compartilhamento entre os sistemas de informação Validação e Avaliação do Extensão A estrutura do estrutura da extensão foi validada conforme os critérios de design de ontologias propostos por [Gruber, 1995]. Para a avaliação da extensão são selecionados seis produtores conforme o porte da área plantada: dois de grande porte (mais de hectares), dois de médio porte (de 1000 a hectares plantados) e dois de pequeno porte (500 a 1000 hectares plantados). Uma nota de zero (menos aderente) até cinco (mais aderente) é atribuída para a conformidade de cada quesito avaliado: (a) nome da classe da operação; (b) classificação no grande grupo; (c) atribuição de recursos; (d)

4 lista de parâmetros; (e) regras de restrição. Após tabulação dos resultados as operações com médias inferiores a três são selecionadas para revisão Extensão para o protocolo agroxml De acordo com [Douschitz, 2005], agroxml é uma linguagem padronizada para troca de dados na agricultura baseada em XML [W3C, 2008] que utiliza o XML Schema [W3C, 2013] para descrever sua estrutura. Os componentes básicos da estrutura principal do agroxml são: (a) lista de conteúdos; (b) processo de trabalho; (c) colheita; (d) classificação; (e) armazenamento; (f) plantio; (g) análise. Os componentes principais pode ser classificados nos seguintes tipos: (a) link externo; (b) GML (Geography Markup Language) [OGC, 2012]; (c) endereço; (d) economia; (e) fazenda; (f) campo; (g) cultura. Ainda é possível a utilização de listas de conteúdo onde pode-se descrever recursos utilizados regionalmente como lista de nomes de defensivos agrícolas ou listas de tipos de máquinas agrícolas. Após a criação da extensão baseada na OWL foi utilizado o XML Schema para representar a estrutura em forma de lista de conteúdo do AgroXML. A troca de dados no formato XML pode ocorrer diretamente entre os sistemas de informação ou através de um ESB (Enterprise Service Bus) [Lou, 2005] em uma implementação da arquitetura SOA (Service Oriented Architecture) [Erl, 2005]. 3. Resultados e discussão A hierarquia de classes gerada pela extensão é apresentada na figura 1. A classe pai das operações agrícolas é a classe Ação. Esta classe também é a superclasse da classe que representa os motivos de parada. Motivo de parada produtivo é aquele que indica uma ação periférica que faz parte da operação porem não é a ação principal a ser executada, como por exemplo: parada da carregamento de insumo. Outra superclasse definida pelo Figura 1. Hierarquia de classes gerado pelo estudo ontológico. estudo ontológico é a Recurso. Suas subclasses representam todos os recursos utilizados pelas operações agrícolas. Estes recursos possuem relacionamentos entre si de modo a caracterizar a operação agrícola. Na figura 2B são exibidos os relacionamentos de uma operação agrícola de pulverização de herbicidas em pós-emergência. Para realizar esta operação são necessários um trator leve, subclasse da classe trator que por sua vez é

5 subclasse da classe máquina. Também é necessário um pulverizador, subclasse de implemento que também é subclasse de máquina, um local para aplicação, herbicida pós-emergência, água e um trabalhador do tipo operador. Além dos relacionamentos entre as classes também foram definidas regras de restrição para os parâmetros das operações e dos recursos conforme exemplo da figura 2C. Finalmente foi gerado um arquivo no formato XML derivado de um XML Schema para ser associado ao protocolo agroxml no formado de uma lista de conteúdo, figura 2A. A ligação entre a operação descrita pelo agroxml e a lista de conteúdo pode ser feita tanto pelo código da operação quanto pelo nome, caso este esteja no padrão AGROVOC. Embora a extensão gerada neste artigo inclua operações agrícolas específicas da cana-de-açúcar, estudo ontológico similar pode ser utilizado para gerar extensões para outras culturas em trabalhos futuros. Figura 2. Item A - XML Schema da extensão para as operações agrícolas da cana-de-açúcar; Item B - Exemplo de relacionamentos entre as entidades para a operação de aplicação de herbicida em pós emergência da cana-de-açúcar; Item C - Exemplo de regras de restrição para informação de quantidade de princípio ativo por hectare para a mesma operação. 4. Conclusão Este artigo apresentou uma extensão para o agroxml com a descrição dos conhecimentos técnicos das operações agrícolas da cana-de-açúcar baseado em um estudo ontológico do domínio. Foram definidas classes para representar as ações e os recursos utilizados, relacionamentos entre as classes e regras para as restrições dos parâmetros operacionais. A extensão foi representada com a OWL podendo ser facilmente modificada e estendida. Esta extensão referenciada pelo protocolo agroxml,

6 permitirá uma melhor qualidade na tomada de decisões operacionais e gerenciais pelos sistemas de informação agrícolas em toda a cadeia de produção da cana-de-açúcar. Referências AGROVOC Thesaurus, Food and Agriculture Organization of the United Nations (FAO). [ ]. Aqeel ur, R. e Shaikh, Z. A., ONTAgri: Scalable Service Oriented Agriculture Ontology for Precision Farming, Advances in Biomedical Engineering, pp , Douschitz, R., Kunisch, M., Jungbluth, T. e Eider, C agroxml - A Standardized Data Format for Information Flow in Agriculture. In: EFITA/ WCCA, Portugal. Erl. Service-Oriented Architecture : Concepts, Technology, and Design. Prentice Hall PTR, August Gruber, T.: Towards Principles for the Design of Ontologies Used for Knowledge Sharing. International Journal of Human-Computer Studies, 43(5-6):907928, 1995.) Lou, M., Goldshlager, B., Zhang, L.-J.: Designing and implementing Enterprise Service Bus (ESB) and SOA solutions. In: IEEE International Conference on Service Computing. IBM Global Services, Lukose, D. World-Wide Semantic Web of Agriculture Knowledge. Journal of Integrative Agriculture 11, 2012, MAPA, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Anuário estatístico de agro-energia 2012: statistical yearbook of agrienergy. Secretaria de Produção e Agro-energia. Bilínguë. Brasília : MAPA/ACS, p. OGC, Open Geospatial Consortium - Geography Markup Language (GML) Extended schemas and encoding rules, version 3.3.0, disponível em: acessado em 03/09/2013. PROCANA Brasil, Centro de Informações Sucroernergéticas, disponível em: acessado em: 12/05/2013. Santos, C. ; Riyuiti, A. An Overview of the Use of Metadata in Agriculture - IEEE Latin America Transactions, Jan. 2012, Vol.10(1), pp UNICA, União da Indústria da Cana-de-Açúcar, disponível em: acessado em 12/05/2013. W3C1, OWL Web Ontology Language, W3C Recommendation, disponível em: acessado em 12/05/2013 W3C2, Extensible Markup Language Schema (XML Schema) W3C Recommendation, disponível em: acessado em: 12/05/2013. W3C3, Extensible Markup Language (XML) 1.0 Fifth Edition 2008, W3C Recommendation, disponível em: acessado em 03/09/2013. Xavier, C., Rosa, J. Custos da Produção de Cana-de-Açúcar, Açúcar e Etanol no Brasil, Safra 2011/ Pecege - ESALQ - USP, Brasília, Agosto 2012, 24p. Zheng, Y.L., He, Q.Y., Qian, P. e Li, Z., Construction of the Ontology-Based Agricultural Knowledge Management System. Journal of Integrative Agriculture 11, 2012,

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

Agenda. Modelo de Domínio baseado em Ontologia para acesso à Informações de Segurança Pública. George Fragoso

Agenda. Modelo de Domínio baseado em Ontologia para acesso à Informações de Segurança Pública. George Fragoso Modelo de Domínio baseado em Ontologia para acesso à Informações de Segurança Pública George Fragoso Agenda Motivação Sistemas de Defesa Social Conceitos e Arquitetura de Ontologias Proposta de Mestrado

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA em Gestão da Tecnologia da Informação

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA em Gestão da Tecnologia da Informação FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA em Gestão da Tecnologia da Informação 1 Ruironaldi dos Santos Cruz ARTIGO ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇO SOA SERVICE

Leia mais

SABiO: Systematic Approach for Building Ontologies

SABiO: Systematic Approach for Building Ontologies SABiO: Systematic Approach for Building Ontologies Ricardo de Almeida Falbo Engenharia de Ontologias Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Preocupações Principais do

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Graduação em Ciência da Computação. Proposta Trabalho de Graduação

Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Graduação em Ciência da Computação. Proposta Trabalho de Graduação Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Graduação em Ciência da Computação Proposta Trabalho de Graduação Um Mecanismo de Monitoramento e Seleção de Serviços Baseado em Atributos de Qualidade

Leia mais

Uma Ontologia para Gestão de Segurança da Informação

Uma Ontologia para Gestão de Segurança da Informação Uma Ontologia para Gestão de Segurança da Informação Paulo Fernando da Silva, Henrique Otte, José Leomar Todesco, Fernando A. O. Gauthier Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Arquiteturas, Padrões e Serviços para Geoprocessamento. Lúbia Vinhas 13/05/2008

Arquiteturas, Padrões e Serviços para Geoprocessamento. Lúbia Vinhas 13/05/2008 Arquiteturas, Padrões e Serviços para Geoprocessamento Lúbia Vinhas 13/05/2008 Desejo saber estatísticas sobre áreas queimadas. Desejo fazer análises por localização, por classes de uso ou ainda por seleção

Leia mais

Integração de Sistemas de Gerenciamento de Redes de Telecomunicações Utilizando GML

Integração de Sistemas de Gerenciamento de Redes de Telecomunicações Utilizando GML Integração de Sistemas de Gerenciamento de Redes de Telecomunicações Utilizando GML Novembro/2003 Agenda Introdução Contexto Problema Objetivo Solução Integração de Sistemas de Telecom Rede Externa de

Leia mais

Aplicação de um Metamodelo de Contexto a uma Tarefa de Investigação Policial

Aplicação de um Metamodelo de Contexto a uma Tarefa de Investigação Policial Aplicação de um Metamodelo de Contexto a uma Tarefa de Investigação Policial Lucas A. de Oliveira, Rui A. R. B. Figueira, Expedito C. Lopes Mestrado em Sistemas e Computação Universidade de Salvador (UNIFACS)

Leia mais

Documento apresentado para discussão. II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais

Documento apresentado para discussão. II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais Documento apresentado para discussão II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais Rio de Janeiro, 21 a 25 de agosto de 2006 PID - Projeto de Interoperabilidade

Leia mais

Uma Arquitetura para o Compartilhamento do Conhecimento em Bibliotecas Digitais

Uma Arquitetura para o Compartilhamento do Conhecimento em Bibliotecas Digitais Uma Arquitetura para o Compartilhamento do Conhecimento em Bibliotecas Digitais Nikolai Dimitrii Albuquerque (Grupo Stela - UFSC) nikolai@stela.ufsc.br Vinícius Medina Kern (Grupo Stela - UFSC) kern@stela.ufsc.br

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

Uma ontologia para a representação do domínio de agricultura familiar na arquitetura AgroMobile. Roger Alves Prof. Me.

Uma ontologia para a representação do domínio de agricultura familiar na arquitetura AgroMobile. Roger Alves Prof. Me. Uma ontologia para a representação do domínio de agricultura familiar na arquitetura AgroMobile Roger Alves Prof. Me. Vinícius Maran O que é uma ontologia? Palavra vinda do grego, advinda da união entre

Leia mais

Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA

Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA RESUMO Ricardo Della Libera Marzochi A introdução ao Service Component Architecture (SCA) diz respeito ao estudo dos principais fundamentos

Leia mais

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MODELOS DE MELHORES PRÁTICAS DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MELHORES PRÁTICAS PARA T.I. MODELO DE MELHORES PRÁTICAS COBIT Control Objectives for Information

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO E CONCEITUAÇÃO DE UMA ONTOLOGIA APLICADA ÀS ETAPAS DE ENGENHARIA DE REQUISITOS

ESPECIFICAÇÃO E CONCEITUAÇÃO DE UMA ONTOLOGIA APLICADA ÀS ETAPAS DE ENGENHARIA DE REQUISITOS ESPECIFICAÇÃO E CONCEITUAÇÃO DE UMA ONTOLOGIA APLICADA ÀS ETAPAS DE ENGENHARIA DE REQUISITOS Baby Ane Silva Oliveira Marla Teresinha Barbosa Geller 1 2 RESUMO O trabalho descreve as fases de Especificação

Leia mais

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA PROJETO SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO ALUNO RICARDO CARDOSO TERZELLA

Leia mais

Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços

Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços ADILSON FERREIRA DA SILVA Centro Paula Souza São Paulo Brasil afs.software@gmail.com Prof.a. Dr.a. MARILIA MACORIN DE AZEVEDO Centro

Leia mais

Service Oriented Architecture SOA

Service Oriented Architecture SOA Service Oriented Architecture SOA Arquitetura orientada aos serviços Definição: Arquitetura de sistemas distribuídos em que a funcionalidade é disponibilizada sob a forma de serviços (bem definidos e independentes)

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Centro de Informática - Universidade Federal de Pernambuco Kiev Gama kiev@cin.ufpe.br Slides originais elaborados por Ian Sommerville e adaptado pelos professores Márcio Cornélio,

Leia mais

Ontologia de Domínio da Biodisponibilidade de Ferro: Uma Experiência no Projeto Nutri-Fuzzy-Orixás

Ontologia de Domínio da Biodisponibilidade de Ferro: Uma Experiência no Projeto Nutri-Fuzzy-Orixás Ontologia de Domínio da Biodisponibilidade de Ferro: Uma Experiência no Projeto Nutri-Fuzzy-Orixás Alessandra Brito F. Oliveira 1; Vera Maria Benjamim Werneck 1 ; Regina Serrão Lanzillotti 1 ; Haydée Serrão

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE 1. Kellen Kristine Perazzoli 2 ; Manassés Ribeiro 3

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE 1. Kellen Kristine Perazzoli 2 ; Manassés Ribeiro 3 INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE 1 Kellen Kristine Perazzoli 2 ; Manassés Ribeiro 3 INTRODUÇÃO Atualmente empresas de diversos portes estão encontrando nos web services soluções para seus

Leia mais

Uma Extensão da Disciplina de Requisitos do OpenUP/Basic para a Construção de Ontologias Aplicadas à Web Semântica

Uma Extensão da Disciplina de Requisitos do OpenUP/Basic para a Construção de Ontologias Aplicadas à Web Semântica SEMINÁRIO DE PESQUISA EM ONTOLOGIA NO BRASIL 11 e 12 de Agosto Universidade Federal Fluminense Departamento de Ciência da Informação Niterói Rio de Janeiro Brasil [X] Tema 2 Técnicas e Ferramentas em Ontologias

Leia mais

Interoperabilidade Semântica no LexML

Interoperabilidade Semântica no LexML Interoperabilidade Semântica no LexML João Alberto de Oliveira Lima Senado Federal do Brasil Brasília-DF joaolima@senado.gov.br Resumo. A interoperabilidade não se restringe apenas à capacidade de comunicação

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

Uma Ontologia Genérica para a Análise de Domínio e Usuário na Engenharia de Domínio Multiagente

Uma Ontologia Genérica para a Análise de Domínio e Usuário na Engenharia de Domínio Multiagente Uma Ontologia Genérica para a Análise de Domínio e Usuário na Engenharia de Domínio Multiagente Carla Gomes de Faria1, Ismênia Ribeiro de Oliveira1, Rosario Girardi1 1Universidade Federal do Maranhão (UFMA)

Leia mais

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Diretoria de Sistema - DS Superintendência de Arquitetura de Sistemas - SAS Gerência de Arquitetura de Informação - GAAS

Leia mais

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Curso de Gestão em SI Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Rodrigo da Silva Gomes (Extraído do material do prof. Ronaldo Melo - UFSC) Banco de Dados (BD) BD fazem parte do nosso dia-a-dia!

Leia mais

Ginga-NCL com objetos de mídia SSML embutidos Relatório Técnico: Requisitos

Ginga-NCL com objetos de mídia SSML embutidos Relatório Técnico: Requisitos PUC-Rio - Departamento de Informática Ginga-NCL com objetos de mídia SSML embutidos Relatório Técnico: Requisitos Rafael Diniz Matrícula: 1312398 5 de agosto de 2014 Sumário 1 Introdução 2 1.1 Propósito...........................................

Leia mais

Dublin Core e MARC 21 : um estudo de correspondência de elementos de metadados

Dublin Core e MARC 21 : um estudo de correspondência de elementos de metadados Dublin Core e MARC 21 : um estudo de correspondência de elementos de metadados Maria das Dores Rosa Alves¹, Marcia Izabel Fugisawa Souza¹ ¹Embrapa Informática Agropecuária Caixa postal 6014 Campinas, SP

Leia mais

PROGRAMA DE MBA em Gestão e Engenharia do Produto. O Produto Internet e suas Aplicações

PROGRAMA DE MBA em Gestão e Engenharia do Produto. O Produto Internet e suas Aplicações Universidade de São Paulo Escola Politécnica Programa de Educação Continuada em Engenharia PROGRAMA DE MBA em Gestão e Engenharia do Produto O Produto Internet e suas Aplicações Tecnologias de Informação

Leia mais

Disseminação e Compartilhamento de Dados Geoespaciais na Web

Disseminação e Compartilhamento de Dados Geoespaciais na Web Disseminação e Compartilhamento de Dados Geoespaciais na Web Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Diego Mendes Rodrigues Gerente Serviços e Soluções ERDAS diego.rodrigues@sccon.com.br Santiago

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE MES

EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE MES MAXMES EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE MES White Paper Maxmes # 01 07/2009 MAXMES www.maxmes.com.br 1.0 Introdução A AMR Research conceituou o MES em 1990 como um sistema de informação que residia entre a automação

Leia mais

Arquitetura Orientada a Serviço

Arquitetura Orientada a Serviço Arquitetura Orientada a Fabio Perez Marzullo IEEE Body of Knowledge on Services Computing Sponsored by Technical Committee on Services Computing, IEEE Computer Society 1 SOA e Web Services SOA é um modelo

Leia mais

Web Semântica e Matching de Ontologias: Uma Visão Geral

Web Semântica e Matching de Ontologias: Uma Visão Geral Web Semântica e Matching de Ontologias: Uma Visão Geral Hélio Rodrigues de Oliveira Departamento de Computação Universidade Federal do Ceará heliorodrigues@lia.ufc.br Bernadette Farias Lóscio Departamento

Leia mais

Novas Tecnologias para Construção do Prontuário Eletrônico do Paciente

Novas Tecnologias para Construção do Prontuário Eletrônico do Paciente Novas Tecnologias para Construção do Prontuário Eletrônico do Paciente Fabiane Bizinella Nardon 1, Sérgio Furuie 2, Umberto Tachinardi 3 Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina

Leia mais

METADADOS PARA A PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL

METADADOS PARA A PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL 354 METADADOS PARA A PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL José Carlos Abbud Grácio (UNESP) Bárbara Fadel (UNESP) 1. Introdução Com os avanços das tecnologias de informação e comunicação (TIC) as instituições

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

Extensão do Sistema de Metadados para Recursos Naturais

Extensão do Sistema de Metadados para Recursos Naturais Extensão do Sistema de Metadados para Recursos Naturais Andreia Fernandes da Silva (IBGE/DI/COBAD) Celso José Monteiro Filho (IBGE/DGC/CREN) Hesley da Silva Py (IBGE/DI/COBAD) Resumo Tendo em vista a grande

Leia mais

Engenharia de Ontologias Seminário UPON

Engenharia de Ontologias Seminário UPON Engenharia de Ontologias Seminário UPON Núcleo de Estudos em Modelagem Conceitual e Ontologias Bruno Nandolpho Machado Vinícius Soares Fonseca Professor: Ricardo de Almeida Falbo Agenda RUP Método UPON

Leia mais

UMA ABORDAGEM PARA GESTÃO DE CONTEÚDOS EDUCACIONAIS

UMA ABORDAGEM PARA GESTÃO DE CONTEÚDOS EDUCACIONAIS UMA ABORDAGEM PARA GESTÃO DE CONTEÚDOS EDUCACIONAIS RESUMO: - PALAVRAS-CHAVES: ABSTRACT: The use of the Web as a platform for distance education (e-learning) has been one of the great alternatives for

Leia mais

ONTOLOGIA E SUAS APLICAÇÕES EM MODELAGEM CONCEITUAL PARA BANCO DE DADOS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

ONTOLOGIA E SUAS APLICAÇÕES EM MODELAGEM CONCEITUAL PARA BANCO DE DADOS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA ONTOLOGIA E SUAS APLICAÇÕES EM MODELAGEM CONCEITUAL PARA BANCO DE DADOS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Grasielle

Leia mais

Uma introdução à Web Semântica no domínio dos Sistemas de Informações Geográficas

Uma introdução à Web Semântica no domínio dos Sistemas de Informações Geográficas Uma introdução à Web Semântica no domínio dos Sistemas de Informações Geográficas Angelo Augusto Frozza, Rodrigo Gonçalves {frozza,rodrigog}@inf.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Florianópolis

Leia mais

Definição de Ontologia para Identificação de Riscos de Projetos de Software. Definition of Ontology for Software Projects Risk Identification

Definição de Ontologia para Identificação de Riscos de Projetos de Software. Definition of Ontology for Software Projects Risk Identification SEMINÁRIO DE PESQUISA EM ONTOLOGIA NO BRASIL 11 E 12 de Julho Universidade Federal Fluminense Departamento de Ciência da Informação Niterói Rio de Janeiro Brasil Definição de Ontologia para Identificação

Leia mais

Usando Service Design Thinking para criar SOA Corporativo

Usando Service Design Thinking para criar SOA Corporativo Usando Service Design Thinking para criar SOA Corporativo Hilton Menezes 2013 Introdução Uma área de Tecnologia da Informação - TI ágil pode contribuir significativamente para que o negócio possa fazer

Leia mais

Modelagem de Sistemas Web. Ferramentas e metodologias para projeto de sistemas web

Modelagem de Sistemas Web. Ferramentas e metodologias para projeto de sistemas web Modelagem de Sistemas Web Aula 4 Ferramentas e metodologias para projeto de sistemas web Ferramentas e metodologias para projeto de sistemas web Ferramentas CASE Fontes: Sarajane e Marques Peres Introdução

Leia mais

Ontologias. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília

Ontologias. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Ontologias Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Origem Teoria sobre a natureza da existência Ramo da filosofia que lida com a natureza e organização da realidade.

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Engenharia de Software I Informática 2009 Profa. Dra. Itana Gimenes RUP: Artefatos de projeto Modelo de Projeto: Use-Case Realization-projeto

Leia mais

Uma Ontologia para Engenharia de Requisitos de Software

Uma Ontologia para Engenharia de Requisitos de Software Uma Ontologia para Engenharia de Requisitos de Software Autor: Raul de Abreu Medeiros Júnior Orientadores: Arnaldo Dias Belchior Co-orientador: Pedro Porfírio Muniz Farias Nível: Mestrado Programa de pós-graduação

Leia mais

XML (extensible Markup Language)

XML (extensible Markup Language) Sumário 1. Introdução a Aplicações Não-Convencionais 2. Revisão de Modelagem Conceitual 3. BD Orientado a Objetos (BDOO) 4. BD Objeto-Relacional (BDOR) 5. BD Temporal (BDT) 6. BD Geográfico (BDG) 7. BD

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Requisitos Cap. 06 e 07 Sommerville 8 ed. REQUISITOS DE SOFTWARE» Requisitos são descrições de serviços fornecidos pelo sistema e suas restrições operacionais. REQUISITOS DE USUÁRIOS: São

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 6 Slide 1 Objetivos Apresentar os conceitos de requisitos de usuário e de sistema Descrever requisitos funcionais

Leia mais

L A C Laboratory for Advanced Collaboration

L A C Laboratory for Advanced Collaboration Publicação de Dados Governamentais no Padrão Linked Data 2.3 Web Ontology Language (OWL) Karin Breitman José Viterbo Edgard Marx Percy Salas L A C Laboratory for Advanced Collaboration Objetivo deste módulo

Leia mais

INFRAESTRUTURA DE DADOS OCEANOGRÁFICOS NO BRASIL: OPORTUNIDADES TECNOLÓGICAS Versus LACUNAS CULTURAIS. Rafael M. Sperb

INFRAESTRUTURA DE DADOS OCEANOGRÁFICOS NO BRASIL: OPORTUNIDADES TECNOLÓGICAS Versus LACUNAS CULTURAIS. Rafael M. Sperb INFRAESTRUTURA DE DADOS OCEANOGRÁFICOS NO BRASIL: OPORTUNIDADES TECNOLÓGICAS Versus LACUNAS CULTURAIS Rafael M. Sperb CONTEXTO Desenvolvimento do Macroprojeto do Instituto Nacional de Pesquisas Oceânicas

Leia mais

Modelo de Controle de Acesso para uma Arquitetura Orientada a Serviços Visando a Integração de Aplicações de Comando e Controle

Modelo de Controle de Acesso para uma Arquitetura Orientada a Serviços Visando a Integração de Aplicações de Comando e Controle Modelo de Controle de Acesso para uma Arquitetura Orientada a Serviços Visando a Integração de Aplicações de Comando e Controle Márcio Araújo Varchavsky, Eduardo Martins Guerra, Clóvis Torres Fernandes

Leia mais

GTDC. Monitor GTDC Web v 3.0

GTDC. Monitor GTDC Web v 3.0 GTDC Monitor GTDC Web v 3.0 Créditos Criação, Formatação e Revisão Documentação Colaboração Antonio Carlos Freire Rainho Fernando Hirata Marcelo Galhardo Marcos Lazarini Dados Técnicos Número de Revisões:

Leia mais

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa ACESSE Informações corporativas a partir de qualquer ponto de Internet baseado na configuração

Leia mais

Ordenamento Territorial para Expansão da Cana-de-açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da Cana-de-açúcar

Ordenamento Territorial para Expansão da Cana-de-açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da Cana-de-açúcar Ordenamento Territorial para Expansão da Cana-de-açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da Cana-de-açúcar Simpósio Internacional e Mostra de Tecnologia da Agroindústria sucroalcooleira SIMTEC 01 de

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Spider-PM: Uma Ferramenta de Apoio à Modelagem de Processos de Software

Spider-PM: Uma Ferramenta de Apoio à Modelagem de Processos de Software Spider-PM: Uma Ferramenta de Apoio à Modelagem de Processos de Software Renan Sales Barros 1, Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira 1 1 Faculdade de Computação Instituto de Ciências Exatas e Naturais (ICEN)

Leia mais

NAVEGAÇÃO SEMÂNTICA SOBRE UMA BASE DE METADADOS RDF IMPLEMENTADA NO PROJECTO OMNIPAPER* Teresa Susana Mendes Pereira, Ana Alice Baptista

NAVEGAÇÃO SEMÂNTICA SOBRE UMA BASE DE METADADOS RDF IMPLEMENTADA NO PROJECTO OMNIPAPER* Teresa Susana Mendes Pereira, Ana Alice Baptista NAVEGAÇÃO SEMÂNTICA SOBRE UMA BASE DE METADADOS RDF IMPLEMENTADA NO PROJECTO OMNIPAPER* Teresa Susana Mendes Pereira, Ana Alice Baptista Universidade do Minho Campus de Azurém, 4800-058, Guimarães, Portugal

Leia mais

CASO DE USO PARA ANÁLISE DE DOMINIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE LEITE

CASO DE USO PARA ANÁLISE DE DOMINIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE LEITE CASO DE USO PARA ANÁLISE DE DOMINIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE LEITE Andrea C. A. Borim 1 Antônio M. Saraiva 2 José M. Fernandes 3 Carlos A. R. Pinto 4 RESUMO A busca pelo aumento da

Leia mais

ARQUITETURA CORPORATIVA PARA IMPLEMENTAÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE GOVERNANÇA DE TI SUSTENTÁVEL. Março 2013

ARQUITETURA CORPORATIVA PARA IMPLEMENTAÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE GOVERNANÇA DE TI SUSTENTÁVEL. Março 2013 ARQUITETURA CORPORATIVA PARA IMPLEMENTAÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE GOVERNANÇA DE TI SUSTENTÁVEL Março 2013 Aitec Brasil Apresentação Institucional Missão Antecipar tendências, identificando, criando e desenvolvendo

Leia mais

SOA: Service-oriented architecture

SOA: Service-oriented architecture SOA: Service-oriented architecture Roteiro Breve História O que é Arquitetura de Software? O que é SOA? Serviços Infraestrutura Composição Sua empresa está preparada para SOA? Breve História Uma empresa

Leia mais

Tecnologia para Sistemas Inteligentes Apontamentos para as aulas sobre. Introdução à Representação e Processamento de Ontologias: Framework O3f

Tecnologia para Sistemas Inteligentes Apontamentos para as aulas sobre. Introdução à Representação e Processamento de Ontologias: Framework O3f Tecnologia para Sistemas Inteligentes Apontamentos para as aulas sobre Introdução à Representação e Processamento de Ontologias: Framework O3f Luís Miguel Botelho Departamento de Ciências e Tecnologias

Leia mais

INTRODUÇÃO AO BIM MIRIAM ADDOR

INTRODUÇÃO AO BIM MIRIAM ADDOR INTRODUÇÃO AO BIM MIRIAM ADDOR Definições Conceitos de BIM Curso CMU ago/08 IFC Penn State Carnegie Mellon University 1905-1912 PITTSBURGH- PA- aço Fallingwater FLW 3 LEED building B = BUILDING I= INFORMATION

Leia mais

AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA.

AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA. AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA. Uma significativa parcela dos sistemas de automação de grandes empresas são legados de tecnologias de gerações anteriores,

Leia mais

Geoprocessamento e Padrões OGC

Geoprocessamento e Padrões OGC Geoprocessamento e Padrões OGC Martin Pereira 36 slides Agenda Geoprocessamento Definição Histórico SIG OGC Definição Importância Histórico Padrões Slide 2 de 36 Geoprocessamento Definição Disciplina do

Leia mais

Web Semântica. Web Semântica. uma introdução @yaso

Web Semântica. Web Semântica. uma introdução @yaso Web Semântica uma introdução @yaso O que é SEMÂNTICA Semântica é o estudo do signifcado. Incide sobre a relação entre signifcantes, tais como palavras, frases, sinais e símbolos, e o que eles representam,

Leia mais

Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software

Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software Ricardo Terra 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Campus da Pampulha 31.270-010

Leia mais

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Banco de Dados Introdução João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Importância dos Bancos de Dados A competitividade das empresas depende de dados precisos e atualizados. Conforme

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

Tecnologias da Web Semântica na Geração de Interfaces Gráficas para Sistemas de Apoio a Decisão, caso SustenAgro. John Freddy Garavito Suárez

Tecnologias da Web Semântica na Geração de Interfaces Gráficas para Sistemas de Apoio a Decisão, caso SustenAgro. John Freddy Garavito Suárez Tecnologias da Web Semântica na Geração de Interfaces Gráficas para Sistemas de Apoio a Decisão, caso SustenAgro John Freddy Garavito Suárez SERVIÇO DE PÓS-GRADUAÇÃO DO ICMC-USP Data de Depósito: Assinatura:

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Arquitetura da Informática e Automação MBA Gestão em Tecnologia 1 da Informaçao 2 Figura: Tela do IBM Mainframe Fonte: Arquivo próprio

Leia mais

Ontologias na Computação

Ontologias na Computação Ontologias na Computação Claudio Akio Namikata, Henrique Sarmento, Marcio Valença Ramos cjnamikata90@hotmail.com, rique-182@hotmail.com, maxtr3m3@hotmail.com Resumo: Este trabalho tem como objetivo apresentar

Leia mais

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Tecnologia da Administração O que veremos? EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Sintaxe Edifact (ONU) EDI For Administration

Leia mais

Engenheiro Agrônomo, Doutor em Ciências, pesquisador da Embrapa Monitoramento por Satélite, Campinas-SP, daniel.victoria@embrapa.

Engenheiro Agrônomo, Doutor em Ciências, pesquisador da Embrapa Monitoramento por Satélite, Campinas-SP, daniel.victoria@embrapa. Comunicado Técnico 33 ISSN 1415-2118 Campinas, SP Dezembro, 2013 Agricultura Integração de bases de dados e desenvolvimento de aplicações específicas para a Secretária de Políticas Agrícolas/Mapa no Somabrasil

Leia mais

Arquitetura Orientada a Serviços (SOA) Copyright e-core LTDA, 2010. Todos os direitos reservados.

Arquitetura Orientada a Serviços (SOA) Copyright e-core LTDA, 2010. Todos os direitos reservados. Arquitetura Orientada a Serviços (SOA) Visão Geral e-coree Estabelecida em 1999 Escritórios rios no Brasil e EUA Aproximadamente 100 profissionais Atua em prestação de serviços offshore desde 2004 Roteiro

Leia mais

Gerenciador de Log. Documento Visão. Projeto Integrador 2015/2. Engenharia de Software. Versão 2.0. Engenharia de Software

Gerenciador de Log. Documento Visão. Projeto Integrador 2015/2. Engenharia de Software. Versão 2.0. Engenharia de Software Documento Visão e Documento Suplementar Gerenciador de Log Documento Visão Versão 2.0 1 Índice 1. Histórico de Revisões...3 2. Objetivo do Documento...4 3. Sobre o Problema...4 4. Sobre o produto...4 4.1.

Leia mais

Metodologia para Análise de Tráfego de Gerenciamento SNMP

Metodologia para Análise de Tráfego de Gerenciamento SNMP Metodologia para Análise de Tráfego de Gerenciamento SNMP Ewerton Monteiro Salvador Grupo de Redes de Computadores Instituto de Informática - UFRGS 26/06/2006 Grupo de Redes de Computadores 1 Agenda Introdução

Leia mais

ENSINET/NAV: UMA FERRAMENTA PARA ESTRUTURAÇÃO DE CURSOS BASEADOS EM OBJETOS DE APRENDIZAGEM *

ENSINET/NAV: UMA FERRAMENTA PARA ESTRUTURAÇÃO DE CURSOS BASEADOS EM OBJETOS DE APRENDIZAGEM * ENSINET/NAV: UMA FERRAMENTA PARA ESTRUTURAÇÃO DE CURSOS BASEADOS EM OBJETOS DE APRENDIZAGEM * Diego Lemos de Souza ** Graçaliz Pereira Dimuro *** Antônio Carlos da Rocha Costa **** Raquel Mello de Miranda

Leia mais

Seção 2/E Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem

Seção 2/E Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem Seção 2/E Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem www.bettercotton.org Orientação Text to go here O documento Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem da BCI proporciona uma estrutura para medir as mudanças

Leia mais

Governo Orientado por Serviços

Governo Orientado por Serviços Governo Orientado por Serviços Qual a Sociedade da Informação que Queremos? Uso das tecnologias da informação e da comunicação na administração pública - combinado com mudanças organizacionais e novas

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Caracterização de Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Caracterização de Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Caracterização de Sistemas Distribuídos Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.deinf.ufma.br

Leia mais

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER Objetivo dessa aula é descrever as características e a simbologia dos diagramas UML e MER na modelagem de sistemas de informação de uma forma a permitir a comunicação entre técnicos e gestores. Modelagem

Leia mais

JONATHAN SCHNEIDER DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES E CONSUMIDORES DE CONTEÚDO WEB SEMÂNTICO

JONATHAN SCHNEIDER DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES E CONSUMIDORES DE CONTEÚDO WEB SEMÂNTICO FUNDAÇÃO DE ENSINO EURÍPIDES SOARES DA ROCHA CENTRO UNIVERSITÁRIO EURÍPIDES DE MARÍLIA UNIVEM CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO JONATHAN SCHNEIDER DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES E CONSUMIDORES DE CONTEÚDO

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos 11 Objetivos Este capítulo apresenta uma introdução aos sistemas distribuídos em geral Arquiteturas de cliente servidor Características das arquiteturas de 2 e 3 camadas Ambiente

Leia mais

Frameworks. Pasteur Ottoni de Miranda Junior

Frameworks. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Frameworks Pasteur Ottoni de Miranda Junior 1-Definição Apesar do avanço das técnicas de desenvolvimento de software, a construção de software ainda é um processo extremamente complexo.a reutilização tem

Leia mais

Uma visão geral da versão 2.0 do BABOK

Uma visão geral da versão 2.0 do BABOK Uma visão geral da versão 2.0 do BABOK Cover this area with a picture related to your presentation. It can be humorous. Make sure you look at the Notes Pages for more information about how to use the template.

Leia mais

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Francisco Xavier Freire Neto 1 ; Aristides Novelli Filho 2 Centro Estadual de Educação Tecnológica

Leia mais

Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos. Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos Prof.

Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos. Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos Prof. Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos 1 Objetivo Apresentação de modelo conceitual para a integração e recuperação de informações, disponíveis em ambientes internos ou externos,

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Organização do Projeto Os projetos e o gerenciamento

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS Lilian R. M. Paiva, Luciene C. Oliveira, Mariana D. Justino, Mateus S. Silva, Mylene L. Rodrigues Engenharia de Computação - Universidade de Uberaba (UNIUBE)

Leia mais

Parte I Requirement Engineering. Gestão de Projectos Informáticos. Gestão do Âmbito (Scope Management) Requirement Engineering.

Parte I Requirement Engineering. Gestão de Projectos Informáticos. Gestão do Âmbito (Scope Management) Requirement Engineering. Parte I Requirement Engineering Gestão de Projectos Informáticos Gestão do Âmbito (Scope Management) Requirement Engineering Introduzir as noções requisitos de sistema e processo de engª de requisitos

Leia mais

ATENAS: Um Sistema Gerenciador de Regras de Negócio

ATENAS: Um Sistema Gerenciador de Regras de Negócio 1. Introdução ATENAS: Um Sistema Gerenciador de Regras de Negócio Geraldo Zimbrão da Silva (IM/UFRJ) Victor Teixeira de Almeida (COPPE/UFRJ) Jano Moreira de Souza (COPPE/UFRJ) Francisco Gonçalves Pereira

Leia mais