DESAFIOS DO SETOR HOTELEIRO DO RIO DE JANEIRO PARA A COPA DE 2014 E OLIMPÍADAS DE 2016

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESAFIOS DO SETOR HOTELEIRO DO RIO DE JANEIRO PARA A COPA DE 2014 E OLIMPÍADAS DE 2016"

Transcrição

1 4 DESAFIOS DO SETOR HOTELEIRO DO RIO DE JANEIRO PARA A COPA DE 2014 E OLIMPÍADAS DE 2016 Olavo Alves Diogo 1 RESUMO: Recente pesquisa realizada pelo Núcleo de Gestão Empresarial da Faculdade Cenecista da Ilha do Governador (FACIG / CNEC) entre os meios de hospedagem do Rio de Janeiro apontou deficiências e desafios para o setor hoteleiro frente às demandas da Copa do Mundo de Futebol 2014 e dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de A pesquisa elencou os atributos valorizados pelo mercado, utilizando a ferramenta Matriz de Avaliação de Valor, e os separou em quatro dimensões: Infraestrutura; Serviços; Sustentabilidade; e Acessibilidade. Todos os atributos de valor, para as quatro dimensões, foram então transformados em afirmações a serem contestadas por clientes potenciais e gerentes dos hotéis. Palavras-chave: Copa Hotelaria. Matriz de Avaliação de Valor. Olimpíadas SBClass. ABSTRACT: Recent research conducted by the Center of Business Management Faculty Cenecista Governor's Island - FACIG / CNEC - between the media hosting the Rio de Janeiro reported deficiencies and challenges for the hospitality industry meet the demands of the World Cup 2014 and the Games Olympic and Paralympic Games in The survey listed the attributes valued by the market and separated them into four dimensions: Infrastructure, Services, Sustainability, and accessibility. All attribute values for the four dimensions, were then transformed into statements to be challenged by potential customers and managers of hotels. Keywords: 2014 World Cup. Olympics Hospitality. Evaluation Matrix of Value. SBClass. INTRODUÇÃO Este trabalho verifica as condições dos hotéis do Rio de Janeiro, credenciados pela RioTur, COI e FIFA, frente aos desafios e oportunidades apresentadas pelos grandes eventos esportivos internacionais Copa do Mundo de 2014 e Olimpíadas de São analisadas as acomodações dos hotéis quanto a conforto e comodidade, mas também os aspectos relativos à tecnologia necessária para acompanhar os diversos eventos esportivos de forma simultânea e contínua. 1 Mestre em Engenharia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, professor e coordenador do curso de Administração da Faculdade Cenecista da Ilha do Governador. E- mail:

2 5 Atenção especial é dada ao atendimento às normas brasileiras (ABNT) relativas aos aspectos de acessibilidade dos hóspedes, visando as Paralimpíadas de O trabalho focaliza os hotéis da Região Copacabana, uma das áreas de instalações das Olimpíadas. Vários países candidataram-se a sediar a Copa do Mundo de 2014, o Brasil entre eles. Na primeira classificação o critério prioritário, segundo a FIFA, era a comodidade das seleções: instalações esportivas (estádios e locais de concentração e treinos); distância entre locais de jogos e concentração; e condições de transporte. Em seguida, vinham questões de segurança, garantias econômicas e geopolíticas (estabilidade política). Os demais critérios deveriam basear-se nos pontos a favor e contra das diversas candidaturas, que estão relacionados a seguir. Pontos a favor: 1. Apoio do público e do governo; 2. Belos cenários naturais; 3. Diversidade étnica e cultural; 4. Grande número de hotéis de boa qualidade; 5. Experiência anterior com a realização de Copas do Mundo; e 6. Limpeza e Segurança. Pontos contra: 1. Poluição; 2. Abastecimento precário de água; 3. Temperatura excessivamente alta; 4. Alto índice de criminalidade e violência; 5. Sérios problemas de trânsito; 6. Transporte público deficiente; e 7. Dúvidas quanto à qualidade da administração do evento. A FIFA, utilizando seu julgamento de especialista em administração de projetos, fez uma lista única de critérios que considerou importantes sob o

3 6 ponto de vista da realização de uma Copa do Mundo, um projeto de muito grande porte. Ponderou os critérios de sua lista e considerou o Brasil como o país que, segundo sua opinião, mais atenderia aos quesitos. Uma vez que os critérios principais de seleção baseiam-se primordialmente em aspectos de infraestrutura física, segurança, macroeconômicos e geopolíticos, é natural que os aspectos tecnológicos mais uma vez tenham sido relegados a um segundo plano. Os exemplos são inúmeros. Como explicar uma Taça Davis de Tênis na Ilha de Comandatuba, uma ilha paradisíaca, um hotel de sonhos, mas a dezenas de milhas da costa da Bahia, com toda dificuldade para se transmitir um sinal de TV do local? Ou uma Copa América de Futebol ou uma Libertadores, em cidades da Bolívia ou Equador a mais de metros de altitude, onde amplificadores de alta potência não funcionam devido ao ar rarefeito? Os preparativos para a Copa do Mundo de 2014, que será realizada no Brasil, já começaram. Espalhados nas 12 cidades-sede, os comitês organizadores colocam no papel sua seleção de ideias para apoiar a realização e a transmissão deste espetáculo. Mas, na disputa por espaço nas discussões para angariar investimentos para os projetos, os setores de tecnologia da informação e telecomunicações estão perdendo de goleada para outras verticais da economia. Atualmente, pelos motivos acima expostos, vemos esforços e orçamentos vultosos já definidos sobre as reformas aeroportuárias, hoteleiras e de saneamento básico, mas nenhuma ou pouca discussão sobre como será trafegado o volume imenso de dados de um evento que tem tudo para ser um marco na história brasileira da digitalização das comunicações. Apesar da FIFA não ter levado primordialmente em conta os aspectos tecnológicos, preparou a posteriori um documento, onde somente algumas recomendações são detalhadas. Esta é uma oportunidade única, que acontece, como sabemos, de quatro em quatro anos, capaz de alavancar empresas e enriquecer empresários mais antenados. Falta pouco para a realização do evento que vai ficar conhecido nos meios de tecnologia como a Copa da Convergência. Os executivos brasileiros devem decidir rápido se irão participar ativamente deste mega

4 7 evento e tirar o máximo de proveito para suas empresas ou apenas assistir e torcer pela seleção. A candidatura do Rio de Janeiro à sede dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016 prevê acomodações de qualidade para atletas, dirigentes, jornalistas e todos os demais envolvidos no maior evento esportivo do planeta. E mesmo depois da entrega do Dossiê de Candidatura com a garantia dos 40 mil quartos exigidos pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) as adesões do setor hoteleiro ao projeto não param de crescer. Desde fevereiro de 2012, 52 novos hotéis assinaram o termo de compromisso e apoio à candidatura, garantindo mais quartos no Rio de Janeiro e nas cidades que receberão as partidas de futebol (São Paulo, Salvador, Belo Horizonte e Brasília). No Dossiê entregue ao COI, a candidatura Rio 2016 superou a meta exigida pelo comitê apresentando garantias de quartos em hotéis, em Vilas de Hospedagem, em navios e em apart-hoteis. As novas adesões garantem ainda mais conforto para todos os envolvidos com a competição. A área de acomodações é muito importante para uma candidatura olímpica. Tivemos o cuidado de encontrar soluções sob medida, com foco nos públicos interessados e orientadas para o legado. O projeto Rio 2016 já cumpriu todas as exigências do COI, mas o compromisso da rede hoteleira é reforçado por cada novo contrato assinado, disse Carlos Arthur Nuzman, presidente do Comitê Rio O setor de acomodações do Rio 2016 também está ligado ao projeto de revitalização do Porto do Rio, lançado no dia 23 de junho de Na região, será construída uma Vila de Acomodações, com quartos. Além disso, o local receberá navios que serão utilizados para hospedagem. O compromisso da cidade do Rio de Janeiro com o Comitê Olímpico Internacional (COI) de disponibilizar quartos de hotel para os Jogos Olímpicos Rio 2016 será cumprido ainda em Palavras do Prefeito Eduardo Paes, que apresentou recentemente a projeção para a rede hoteleira do Rio.

5 8 Atualmente, a cidade conta com quartos de hotel, segundo dados da Empresa de Turismo do Município do Rio (Riotur). Até 2013 serão quartos, um acréscimo de O total previsto para 2015 é de cerca de 12 mil novos quartos. Destes, cerca de já estão em construção. O Rio de Janeiro tem uma agenda extensa de grandes eventos nos próximos anos, culminando com os Jogos Olímpicos em 2016, e receberá da melhor forma possível os visitantes, como sempre, afirmou o Prefeito. O secretário especial de Turismo e Presidente da Riotur, Antonio Pedro Figueira de Mello, anunciou a chegada de novas bandeiras de redes de hotéis e a reformulação de alguns já existentes. Vamos deixar um legado sem precedentes. Não estamos só ampliando a capacidade hoteleira, mas atraindo novos investidores para o Rio, superando as expectativas e exigências do COI. Estamos também com projetos hoteleiros nas áreas que mais crescem na cidade, como Barra e Zona Oeste, disse o secretário, lembrando ainda a existência de outros projetos hoteleiros em pontos estratégicos como o Centro e Zona Portuária, em função do projeto Porto Maravilha. 2. Proposta Estratégica de Organização Turística para a Copa 2014 Um dos itens primordiais para realização e sucesso de um evento como a Copa do Mundo da FIFA é a capacidade e a qualidade do parque hoteleiro das cidades-sede do evento. A importância deste item justifica-se nas visitas às cidades candidatas, que são realizadas, anos antes da competição, pela FIFA, por meio de parceiros comerciais, com o intuito de avaliar e credenciar a rede hoteleira instalada, garantindo assim o cumprimento dos seus critérios de qualidade. Ressalta-se que o parque hoteleiro nas cidades-sede pode ser considerado satisfatório em número de unidades habitacionais e que recentemente algumas cidades apresentaram uma taxa de crescimento constante, devido a novos mecanismos de financiamento dos investimentos.

6 9 No que diz respeito à qualidade do parque hoteleiro, destaca-se uma grande dispersão na oferta, influenciada principalmente pela idade e categoria dos hotéis. A qualidade, diversidade e quantidade dos meios de hospedagem de um determinado destino interferem diretamente na sua atratividade e na capacidade de sediar eventos e receber determinado número de turistas. Um destino será mais competitivo se apresentar, além de um maior número de possibilidades, parque de serviços de hospedagem para seus clientes: facilidades, como acesso à internet, profissionais multilíngues, TV a cabo, aceitação de cartões de crédito e débito e sistemas de segurança em padrões internacionais. No momento, na maioria dos 12 destinos-sede, a oferta está estável devido à falta de novos entrantes no mercado, principalmente de cadeias grandes. Porém, há novos empreendimentos em construção e há expectativa de aumento de até 30% da oferta até Há carência de mão de obra especializada e necessidade de qualificação, mas a maioria dos hotéis grandes encontra-se em bom padrão de infraestrutura. Dentre os itens que carecem de especial atenção, incluem-se áreas comuns, áreas de emergência e as áreas molhadas (banheiros) dos apartamentos. A infraestrutura de segurança dos centros hoteleiros já é monitorada junto às secretarias de segurança pública, em todos os casos, e não é um problema para o evento. A sinalização ainda é um problema para os hotéis. As placas multilíngues estão presentes em muitos hotéis, contudo há carência de regularização para toda a rede, juntamente com os treinamentos de serviço especializado de brigadas de incêndio. Segundo a norma técnica da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), NBR 9050:2004, que normatiza a acessibilidade nos meios de hospedagem, qualquer que seja a sua categoria, pelo menos 5%, com no mínimo um do total de dormitórios com sanitário, devem ser acessíveis. Estes dormitórios não devem estar isolados dos demais, mas distribuídos em toda a edificação, por todos os níveis de serviços e localizados em rota acessível.

7 10 Ainda segundo a norma ABNT para acessibilidade, recomenda-se que outros 10% do total de dormitórios sejam adaptáveis para acessibilidade. Todas as cidades dispõem de hotéis operando com número de unidades habitacionais adaptadas, mas identifica-se a necessidade de um maior compromisso dos empresários quanto à acessibilidade em todas as áreas de circulação. A utilização de meios eletrônicos de pagamento, como cartões de crédito, percebeu-se amplamente difundida, o que facilita a reserva de acomodações e mesmo a negociação direta com o consumidor. O serviço de acesso à internet já é oferecido nos meios de hospedagem, mas pode melhorar. Esta é uma opção de serviço que já está se tornando cada vez mais frequente, motivada pela demanda dos hóspedes. 3. Rede Credenciada de Hotéis O Ministério do Turismo com a ajuda do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (INMETRO) elaborou em meados de 2011 um novo critério para classificação dos meios de hospedagem - o SBClass - Sistema Brasileiro de Classificação. O SBClass é um trabalho bastante criterioso e foi elaborado tendo em vista os requerimentos dos megaeventos, como Copa do Mundo e Olimpíadas. O SBClass utiliza também a classificação de estrelas (duas a cinco). O Ministério com auxílio do INMETRO começou a classificar os meios de hospedagem este ano - existem poucos já com a nova classificação. Foi realizado um cruzamento de informações entre os Hotéis indicados pela RioTur para os megaeventos (principalmente Rio 2016), cerca de 60, e aqueles credenciados pela FIFA (MATCH) para a Copa 2014, cerca de 80 para o Rio de Janeiro. Dessa análise, uma população resultante de 34 Hotéis foi utilizada para extrair a Amostra da Pesquisa.

8 11 4. Referencial Teórico O conceito de marketing social ganha cada vez mais força e estabelece que as organizações devam determinar as necessidades, os desejos e os interesses do mercado-alvo, além de entregar produtos e serviços que satisfaçam o mercado de maneira mais efetiva e eficiente que os concorrentes, de tal modo que mantenha o bem-estar do consumidor e da sociedade 2. As facilidades que as novas tecnologias trouxeram, no entanto, quase nunca são utilizadas para esse fim, e as empresas continuam mantendo um monólogo com o consumidor, impondo seus produtos/serviços e sua comunicação sem buscar um feedback 3 por parte dele. A tecnologia deveria estar sendo usada para melhorar os serviços, proporcionando uma escala de qualidade para um mercado cada vez mais exigente e competitivo, que anseia por inovações de produtos e serviços, mas com custos baixos e preços acessíveis. Tecnologia voltada para a conveniência do cliente, principalmente aquela que proporciona facilidades de compra e personalização de amenities 4 e serviços, bem como proteção e segurança, ajuda a cada vez mais ganhar market share 5. As organizações precisam cada vez mais conhecer as necessidades dos clientes para desenvolver sua capacidade produtiva, ampliando seu mercado e consequentemente, sua lucratividade através da correta aplicação dos resultados obtidos pela pesquisa de marketing. 2 LARA, 2001, p Procedimento que consiste no provimento de informação a uma pessoa sobre o desempenho, conduta, ou ação executada por esta, objetivando reorientar ou estimular comportamentos futuros mais adequados. 4 Cosméticos disponibilizados aos hóspedes nos banheiros dos estabelecimentos de hospedagem e são classificados como itens obrigatórios, mas há algum tempo atrás era pouco valorizado pelos hoteleiros e pouco utilizado pelos hóspedes que não confiavam no produto devido a sua qualidade e apresentação 5 Avalia a força e as dificuldades de uma empresa, além da aceitação dos seus produtos.

9 12 Portanto, foi aplicada uma pesquisa de marketing, do tipo exploratória, tendo como público-alvo os administradores, funcionários e clientes dos hotéis que receberão os atletas, dirigentes, clientes, jornalistas e demais envolvidos. As pesquisas tiveram como método de coleta de dados, entrevistas individuais. A Matriz de Avaliação de Valor Segundo Chan Kim 6, a matriz de avaliação de valor é tanto um instrumento de diagnóstico como um modelo para o desenvolvimento de uma estratégia consistente. No presente trabalho, foi adotada a matriz de avaliação de valor como ferramenta de diagnóstico dos meios de hospedagem com relação ao seu posicionamento para atender às demandas provenientes dos grandes eventos que estão por vir. Dois são os propósitos da matriz de avaliação de valor. Primeiro, captar a situação atual no espaço de mercado conhecido. Isso permite que a empresa compreenda em que os concorrentes estão investindo, os atributos nos quais se baseia a competição em termos de produtos, serviços e entrega, e o que os compradores recebem como clientes de qualquer das ofertas competitivas existentes no mercado. O eixo horizontal da matriz representa a variedade de atributos nos quais o setor investe e compete. O eixo vertical da matriz retrata o nível de oferta de cada atributo segundo a percepção dos clientes. Pontuação mais alta significa que a empresa oferece mais aos clientes e, portanto, investe mais no atributo. A curva de valor resultante é a representação gráfica da performance relativa da empresa com base em cada atributo de valor. 6 Chan Kim 6 (2005, p.25

10 13 Primeiramente, foram elencados os atributos valorizados pelo mercado e separados nas seguintes dimensões: 1. Infraestrutura; 2. Serviços; 3. Sustentabilidade; e 4. Acessibilidade. Para as três primeiras dimensões, os atributos de valor basearam-se nas especificações da Matriz de Classificação de Meios de Hospedagem Hotel, do SBClass (Sistema de Classificação de Meios de Hospedagem), segundo Portaria Ministerial MTur Nº 100/2011. Para a quarta dimensão, acessibilidade, os atributos de valor basearam-se nas especificações da Norma Técnica da ABNT, NBR 9050:2004. Todos os atributos de valor, para as quatro dimensões, foram então transformados em afirmações a serem contestadas pelos respondentes em uma escala Likert de intensidade variando de um a sete. O questionário de pesquisa resultante, com 40 afirmações, está mostrado nos Quadros 4.1a a 4.1d a seguir. Quadro 4.1a Questionário de Avaliação para Meios de Hospedagem Hotel: Infraestrutura

11 14 Fonte: Autoria própria, 2012 Quadro 4.1b Questionário de Avaliação para Meios de Hospedagem Hotel: Serviços Fonte: Autoria própria, 2012 Quadro 4.1c Questionário de Avaliação para Meios de Hospedagem Hotel: Sustentabilidade Fonte: Autoria própria, 2012

12 15 Quadro 4.1d Questionário de Avaliação para Meios de Hospedagem Hotel: Acessibilidade Fonte: Autoria própria, 2012 Como dito anteriormente, foi realizado um cruzamento de informações entre os hotéis indicados pela RioTur para os megaeventos (principalmente Rio 2016), cerca de 60, e aqueles credenciados pela FIFA (MATCH) para a Copa 2014, cerca de 80 para o Rio de Janeiro. Dessa análise, uma população resultante de 34 hotéis (Região 2 Copacabana) foi utilizada para extrair a Amostra da Pesquisa. A coleta de dados foi feita por meio de entrevistas pessoais com os gerentes dos hotéis da Região 2 Copacabana, que vai desde a Lagoa Rodrigo de Freitas, atravessa toda a orla da Zona Sul, passa pelo Flamengo e chega às proximidades do Aeroporto Santos Dumont. A pesquisa foi bem aceita nos hotéis e respondida com bastante clareza, certeza e sutileza. 5. Resultados da Pesquisa

13 16 O Gráfico 5.1 mostra os piores resultados para os atributos de valor para infraestrutura, explicitando as afirmações correspondentes. Gráfico 5.1 Piores Casos para Infraestrutura Fonte: Autoria própria, 2012 O Gráfico 5.2 mostra os piores resultados para os atributos de valor para serviços, explicitando as afirmações correspondentes.

14 17 Gráfico 5.2 Piores Casos para Serviços Fonte: Autoria própria, 2012 Com relação aos atributos de sustentabilidade, todos os respondentes afirmaram que atendem a todos os quesitos recomendados pela norma SBClass. O Gráfico 5.3 a seguir mostra os piores resultados para os atributos de valor para acessibilidade, explicitando as afirmações correspondentes.

15 18 Gráfico 5.3 Resultados para Acessibilidade Fonte: Autoria própria, 2012

16 19 6. Desafios do Setor Hoteleiro do Rio de Janeiro Os resultados das pesquisas mostraram grandes desafios a serem suplantados para uma oferta adequada de serviços demandados pelos megaeventos emergentes aos meios de hospedagem do Rio de Janeiro. Aparentemente a preocupação atual do setor de hotelaria reside apenas na oferta de unidades habitacionais, ou seja, no número de quartos disponível para atender ao público-alvo. O setor hoteleiro do Rio de Janeiro não está preocupado em atender seus clientes sob o ponto de vista de prover tecnologia necessária à conveniência de assistir aos jogos, quer sejam de futebol na Copa, quer sejam de atletismo nas Olimpíadas. Com o advento das redes sem fio Wi-Fi e a TV a cabo, disponíveis nas unidades habitacionais, as áreas comuns de lazer dos hotéis que antigamente ofereciam salas de TV, home theaters e áreas de convivência foram utilizados para outros fins. Desse modo, os hóspedes só têm o próprio quarto, na grande maioria dos hotéis do Rio de Janeiro, para assistirem os jogos e acompanharem as competições. Em nenhuma das entrevistas realizadas foi constatada a preocupação no atendimento a pessoas portadoras de deficiências ou que necessitem cuidados especiais, com exceção de um hotel, cuja proprietária é cadeirante. Sequer conheciam a Norma Técnica da ABNT, NBR 9050:2004. Isso é alarmante, uma vez que estamos às vésperas dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Os resultados encontrados indicam existir deficiências nos serviços a clientes, em relação à acessibilidade, a atendimento médico e serviço de concierge. Em resumo, os resultados do presente trabalho sugerem que os hotéis deveriam atender as necessidades dos portadores de deficiência, continuar com a preocupação em relação à sustentabilidade e desenvolver ainda mais os serviços prestados aos clientes, pois eles fazem com o que a marca se desenvolva, uma vez que se o serviço prestado for ruim, a marca não se desenvolve.

17 20 Por escassez de espaço, poucos são os novos empreendimentos na região. Faltando tão pouco tempo para os grandes eventos a rede hoteleira não está se preocupando muito com os eventos. Aparentemente estão esperando acontecer a Copa em 2014 para poder agir nas Olimpíadas em Referências AAKER, David A. Pesquisa de marketing. São Paulo: Atlas, BERRY, Leonard L. Descobrindo a essência do serviço: os novos geradores de sucesso sustentável nos negócios. Rio de Janeiro: Qualitymark, KIM, W. Chan. A estratégia do oceano azul: como criar novos mercados e tornar a concorrência irrelevante. Rio de Janeiro: Elsevier, LARA, Simone B. Marketing & vendas na hotelaria. São Paulo: Futura, MATCH Hospitality AG FIFA World Cup Brazil: official hospitality programme. Zurich, 2012.

Gerência de Articulação Institucional

Gerência de Articulação Institucional Gerência de Articulação Institucional Rio sediará a 1ª Olimpíada da América do Sul. Geração de R$ 100 bilhões em riquezas no País. Copa das Confederações 2013 e Copa do Mundo 2014 => novos investimentos

Leia mais

entrevista Felipe Cavalcante, Presidente da ADIT Brasil

entrevista Felipe Cavalcante, Presidente da ADIT Brasil entrevista Felipe Cavalcante, Presidente da ADIT Brasil 10 Brasil-Portugal no Ceará ABRINDO PORTAS PARA O BRASIL PRESIDENTE DA ADIT BRASIL, FELIPE CAVALCANTE DESTACA O ATUAL PANORAMA DOS INVESTIMENTOS

Leia mais

Copa 2014 Desafios e Oportunidades

Copa 2014 Desafios e Oportunidades Copa 2014 Desafios e Oportunidades A Copa 2014 tem dono... A Copa é da FIFA Exigências atribuladas no caderno de encargos Com a Copa de 2010, o único continente que ainda não sediou o evento foi a Oceania

Leia mais

Síntese do planejamento e os impactos para o país com a Copa do Mundo 2014

Síntese do planejamento e os impactos para o país com a Copa do Mundo 2014 Code-P0 Síntese do planejamento e os impactos para o país com a Copa do Mundo 2014 Encontro Nacional - Abracen Eventos Esportivos e os Impactos para o país São Paulo, 7 de março de 2012 Code-P1 O Brasil

Leia mais

Projeções dos Impactos Econômicos da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos no Brasil. Marcelo Weishaupt Proni Unicamp

Projeções dos Impactos Econômicos da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos no Brasil. Marcelo Weishaupt Proni Unicamp Projeções dos Impactos Econômicos da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos no Brasil Marcelo Weishaupt Proni Unicamp A discussão sobre os megaeventos ainda é feita com base em informações precárias Sem dúvida,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COMUNICAÇÃO, TURISMO E LAZER

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COMUNICAÇÃO, TURISMO E LAZER UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COMUNICAÇÃO, TURISMO E LAZER PESQUISA DA OFERTA DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM NO MUNICÍPIO DE ITAPEMA Janeiro UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ

Leia mais

PROJETO: 8 - AMPLIAÇÃO DA REDE HOTELEIRA PARA COPA DO MUNDO 2014.

PROJETO: 8 - AMPLIAÇÃO DA REDE HOTELEIRA PARA COPA DO MUNDO 2014. PROJETO: 8 - AMPLIAÇÃO DA REDE HOTELEIRA PARA COPA DO MUNDO 2014. Objetivo: Acompanhar trabalhos de ampliação do número de leitos na rede hoteleira na cidade de Curitiba. Justificativa: A cidade de Curitiba

Leia mais

Pesquisa de Opinião do Comércio Varejista de Belo Horizonte

Pesquisa de Opinião do Comércio Varejista de Belo Horizonte A Copa do Mundo FIFA terá como anfitrião o Brasil e Belo Horizonte foi eleita uma das doze cidades-sedes dos jogos. Este será um importante evento para a capital mineira. Espera-se a chegada de aproximadamente

Leia mais

Plano Diretor de Turismo

Plano Diretor de Turismo Plano Diretor de Turismo Secretaria Especial de Turismo / Riotur Aspásia Camargo Presidente da Comissão Especial do Plano Diretor Antonio Pedro Figueira de Mello Secretário Especial de Turismo Presidente

Leia mais

Síntese do planejamento do Governo Federal para a Copa do Mundo 2014 Brasília, Setembro de 2012

Síntese do planejamento do Governo Federal para a Copa do Mundo 2014 Brasília, Setembro de 2012 Code-P0 Síntese do planejamento do Governo Federal para a Copa do Mundo 2014 Brasília, Setembro de 2012 Code-P1 O Brasil recebe os grandes eventos esportivos em um contexto favorável COPA OLIMPÍADAS Brasil

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2014 O SETOR HOTELEIRO BRASILEIRO APÓS A COPA Caio Sergio Calfat Jacob - ex-presidente da LARES (Latin American Real Estate Society)

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS Érica de Souza Rabelo 1 Helen Rita M. Coutinho 2 RESUMO Este artigo científico tem

Leia mais

FALANDO PARA O MUNDO. www.espm.br/centraldecases

FALANDO PARA O MUNDO. www.espm.br/centraldecases FALANDO PARA O MUNDO www.espm.br/centraldecases FALANDO PARA O MUNDO Preparado pelo Prof. Marcus S. Piaskowy. Este caso foi escrito inteiramente a partir de informações cedidas pela empresa e outras fontes

Leia mais

MANUAL DA AVIAÇÃO Jogos Olímpicos e Paralímpicos 2016

MANUAL DA AVIAÇÃO Jogos Olímpicos e Paralímpicos 2016 MANUAL DA AVIAÇÃO Jogos Olímpicos e Paralímpicos 2016 Pela primeira vez, o setor de aviação está lançando todas as diretrizes operacionais com mais de 300 dias de antecedência, o que contribui decisivamente

Leia mais

HOTELARIA DE CURITIBA: UM GOL DE PLACA NA COPA 2014

HOTELARIA DE CURITIBA: UM GOL DE PLACA NA COPA 2014 HOTELARIA DE CURITIBA: UM GOL DE PLACA NA COPA 2014 INDUSTRIA HOTELEIRA EM CURITIBA Curitiba e região possui atualmente 18 mil leitos, de acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH).

Leia mais

ACESSIBILIDADE NOS MEIOS DE HOSPEDAGEM EM SANTA VITÓRIA DO PALMAR

ACESSIBILIDADE NOS MEIOS DE HOSPEDAGEM EM SANTA VITÓRIA DO PALMAR ACESSIBILIDADE NOS MEIOS DE HOSPEDAGEM EM SANTA VITÓRIA DO PALMAR Bruna Leston Letícia Indart Franzen Mônica Favaretto Watanabe RESUMO: O setor de turismo é um dos que mais crescem no mundo, com isso o

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E O SISTEMA OFICIAL DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM.

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E O SISTEMA OFICIAL DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM. ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E O SISTEMA OFICIAL DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM. Gerson Luís Russo Moysés, M. Sc. SENAC-SP, Av. Frei Orestes Girardi-3549,

Leia mais

Comunicação sobre Gestão do Espectro para Áreas Funcionais do Rio 2016

Comunicação sobre Gestão do Espectro para Áreas Funcionais do Rio 2016 Boletim Informativo Espectro - 02/2014 Comunicação sobre Gestão do Espectro para Áreas Funcionais do Rio 2016 Versão 1.2 Outubro 2014 Gestão de Espectro de Radiofrequências AF Telecomunicações SUMÁRIO

Leia mais

COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL. Oportunidades e Desafios

COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL. Oportunidades e Desafios COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL Oportunidades e Desafios COPA DO MUNDO - OPORTUNIDADES Um evento esportivo do porte de uma Copa do Mundo é como uma grande vitrine do país no exterior e corresponde a um

Leia mais

Oportunidades de Negócios com a Copa do Mundo 2014. Salvador 04/11/10

Oportunidades de Negócios com a Copa do Mundo 2014. Salvador 04/11/10 Oportunidades de Negócios com a Copa do Mundo 2014 Salvador 04/11/10 É a vez do Brasil! Linha do Tempo Eventos Esportivos Copa das Confederações 2013 Copa do Mundo FIFA 2014 Olimpíadas e Paraolimpíadas

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1 ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1 1. Localização (discriminação): Municípios de Viçosa do Ceará, Ipú, Tianguá, Ubajara, São Benedito, Carnaubal e Guaraciaba do Norte. (Total de

Leia mais

A Copa do Mundo e a importância dos CT s no Brasil DESTAQUES. Curitiba, 26 de setembro de 2012 l 6ª Edição - Setembro/Outubro

A Copa do Mundo e a importância dos CT s no Brasil DESTAQUES. Curitiba, 26 de setembro de 2012 l 6ª Edição - Setembro/Outubro Curitiba, 26 de setembro de 2012 l 6ª Edição - Setembro/Outubro DESTAQUES A Copa do Mundo e a importância dos CT s no Brasil Fifa indica estádios de futebol, mas seleções da Copa poderão escolher seus

Leia mais

Discurso de Carlos Arthur Nuzman, presidente do Comitê Organizador. dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 para a Assembleia Geral da

Discurso de Carlos Arthur Nuzman, presidente do Comitê Organizador. dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 para a Assembleia Geral da Discurso de Carlos Arthur Nuzman, presidente do Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 para a Assembleia Geral da ONU, em Nova York, em 26 de outubro de 2015, por ocasião da adoção

Leia mais

Índice. O projeto. Público-Alvo do Projeto. Critérios de Participação. Sistema de Convidados. Processo de Participação. Pedidos e Alocação

Índice. O projeto. Público-Alvo do Projeto. Critérios de Participação. Sistema de Convidados. Processo de Participação. Pedidos e Alocação Guideline Copa do Mundo da FIFA 2014 TM Índice O projeto Público-Alvo do Projeto Critérios de Participação Sistema de Convidados Processo de Participação Jogos com Hospitality Pedidos e Alocação As Responsabilidades

Leia mais

Pesquisa de Opinião do Comércio Varejista. Expectativas dos Empresários do Comércio Varejista de Belo Horizonte para a Copa das Confederações 2013

Pesquisa de Opinião do Comércio Varejista. Expectativas dos Empresários do Comércio Varejista de Belo Horizonte para a Copa das Confederações 2013 Pesquisa de Opinião do Comércio Varejista Expectativas dos Empresários do Comércio Varejista de Belo Horizonte para a Copa das Confederações 2013 Março 2013 Apresentação A Copa das Confederações de 2013

Leia mais

Revista Eletrônica Aboré Publicação da Escola Superior de Artes e Turismo - Edição 03/2007 ISSN 1980-6930

Revista Eletrônica Aboré Publicação da Escola Superior de Artes e Turismo - Edição 03/2007 ISSN 1980-6930 AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS SEGUNDO A PERCEPÇÃO DOS COLABORADORES Érica de Souza Rabelo 1 Helen Rita Menezes Coutinho

Leia mais

COMO ABRIR UM HOTEL/POUSADA

COMO ABRIR UM HOTEL/POUSADA COMO ABRIR UM HOTEL/POUSADA Viviane Santos Salazar 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 O mercado Crescimento da demanda por hospedagem Copa do Mundo Olimpíadas Qual a representatividade

Leia mais

TURISMO E INCLUSÃO SOCIAL: um estudo da acessibilidade nos meios de hospedagem em Balneário Camboriú 1

TURISMO E INCLUSÃO SOCIAL: um estudo da acessibilidade nos meios de hospedagem em Balneário Camboriú 1 TURISMO E INCLUSÃO SOCIAL: um estudo da acessibilidade nos meios de hospedagem em Balneário Camboriú 1 Amanda Fantatto de Melo 2 ; Priscilla Gomes Welter 3 ; Sônia R. de S. Fernandes 4 INTRODUÇÃO O turismo

Leia mais

O SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM E A HOTELARIA NO BRASIL

O SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM E A HOTELARIA NO BRASIL O SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM E A HOTELARIA NO BRASIL Anna Carolina do Carmo Castro Larissa Mongruel Martins de Lara RESUMO: O presente estudo tem por objetivo explicar a

Leia mais

Por que temos um Estudo de Competitividade?

Por que temos um Estudo de Competitividade? Por que temos um Estudo de Competitividade? Criação de índices nos ajuda a conhecer as dificuldades do destino turístico. O estudo proporciona informações para a elaboração de planos de ação mais objetivos.

Leia mais

Urban View. Urban Reports. Existe apagão de hotéis no Brasil? O setor diz que não. Reportagem do portal Exame.com 28/04/2011

Urban View. Urban Reports. Existe apagão de hotéis no Brasil? O setor diz que não. Reportagem do portal Exame.com 28/04/2011 Urban View Urban Reports Existe apagão de hotéis no Brasil? Reportagem do portal Exame.com 28/04/2011 Problemas de superlotação são pontuais, segundo hoteleiros e consultores trânsito da cidade ficasse

Leia mais

IV Congresso Latino Americano de Opinião Pública WAPOR 2011. Belo Horizonte - Brasil

IV Congresso Latino Americano de Opinião Pública WAPOR 2011. Belo Horizonte - Brasil IV Congresso Latino Americano de Opinião Pública WAPOR 2011 Belo Horizonte - Brasil Os brasileiros e a Copa de 2014: Movimentos de opinião pública e de mercado 2 Introdução Metodologia Além do levantamento

Leia mais

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP Soluções integradas para a Indústria do turismo empresarial THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP A equipa da XYM Hospitality e os seus parceiros possuem vastos conhecimentos sobre a

Leia mais

PESM PROJETO EU SOU DE MINAS PROPOSTA DE PARCERIA

PESM PROJETO EU SOU DE MINAS PROPOSTA DE PARCERIA PESM PROJETO EU SOU DE MINAS PROPOSTA DE PARCERIA Prestação de Serviço de Configuração de Portal de Cidade VISÃO GERAL PESM Projeto Eu Sou de Minas tem a satisfação de enviar esta proposta de serviços

Leia mais

White Paper - Impacto Econômico da Copa de 2014 no Brasil 1

White Paper - Impacto Econômico da Copa de 2014 no Brasil 1 White Paper - Impacto Econômico da Copa de 2014 no Brasil 1 A Casual Auditores Independentes, empresa de auditoria especializada em entidades desportivas estuda as informações financeiras dos clubes de

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE TURISMO E ESPORTES

SECRETARIA DE ESTADO DE TURISMO E ESPORTES SECRETARIA DE ESTADO DE TURISMO E ESPORTES Secretário: Tiago Lacerda Secretário-adjunto: Rogério Romero Sub-secretária de Turismo: Silvana Nascimento Subsecretário de Esportes: Adenilson de Souza Coordenador

Leia mais

Meio: Site Blog da Floresta Editoria:-- Caderno:-- Data:4/8/2015

Meio: Site Blog da Floresta Editoria:-- Caderno:-- Data:4/8/2015 Meio: Site Blog da Floresta Editoria:-- Caderno:-- Data:4/8/2015 Fecomércio AM e PMM debatem obras e mobilidade urbana para os jogos olímpicos de 2016 Meio: Site G1 Amazonas Editoria:-- Hora: 20h18 Data:4/8/2015

Leia mais

Caio Luiz de Carvalho Presidente

Caio Luiz de Carvalho Presidente Caio Luiz de Carvalho Presidente Os desafios do Brasil Deixar de ser espectador e se tornar ator do processo. Todos os brasileiros. Profissionais ou espectadores, envolvidos diretamente ou não. Muitas

Leia mais

HOTEL FAZENDA: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO AMBIENTAL

HOTEL FAZENDA: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO AMBIENTAL HOTEL FAZENDA: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO AMBIENTAL Protasio Ferreira e Castro (UFF ) pfcastro@oi.com.br Monique Barbosa Paiva (UFF ) paiva.nit@gmail.com Os sistemas de mensuração do desempenho ambiental

Leia mais

APO AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA

APO AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA RIO + 20 Estratégias e Ações sobre Resíduos para Cidades Sustentáveis Rio de Janeiro, 22 de junho de 2012 Rio: Oportunidades e Desafios para o Desenvolvimento Sustentável DESENVOLVIMENTO ALIADO À CONSERVAÇÃO

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

Concessão de Uso do. Imigrantes. Apresentação do Projeto. Conselho do PEFI

Concessão de Uso do. Imigrantes. Apresentação do Projeto. Conselho do PEFI Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Concessão de Uso do Centro de Exposições Imigrantes Apresentação do Projeto Conselho do PEFI SP, 13/09/2012 Agenda

Leia mais

Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 - Cidade de Manaus

Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 - Cidade de Manaus Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 - Cidade de Manaus Projeto 1 Estádio PROJETO 1 - ESTÁDIO VIVALDO LIMA (VIVALDÃO) OBJETIVO: Atender os requerimentos estabelecidos pela FIFA (Fédération Internationale

Leia mais

GUIA INVESTIDOR HOTELEIRO

GUIA INVESTIDOR HOTELEIRO GUIA DO INVESTIDOR HOTELEIRO 15 A Operadora Proposta Tem capacidade de captação em nível internacional e possui canais de distribuição adequados ao mundo globalizado? Tem capacidade empresarial/diferencial

Leia mais

AGENDA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE COPA 2014

AGENDA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE COPA 2014 Code-P0 AGENDA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE COPA 2014 Agenda de Trabalho Junho 2011 Claudio Langone Code-P1 OPORTUNIDADE PARA O BRASIL 2011 - Jogos Militares Mundiais 2012 - RIO + 20 - Cúpula das

Leia mais

Empreendimentos Best Western no Rio de Janeiro em boas mãos.

Empreendimentos Best Western no Rio de Janeiro em boas mãos. V I V E R C O M E S T I L O Empreendimentos Best Western no Rio de Janeiro em boas mãos. Juan Sander, diretor de Operações Upscale e Luxo da Hotelaria Brasil. PAG. 2 ALTO LUXO: GRANDES NOMES ASSINAM NOVOS

Leia mais

COPA DO MUNDO BRASIL 2014

COPA DO MUNDO BRASIL 2014 SERGS DEBATES 2008 Wesley Cardia COPA DO MUNDO BRASIL 2014 Porque Investir Nessa Idéia? INTRODUÇÃO Sport has a huge influentce in our lives. After work, it is the largest form of mass civil participation,

Leia mais

COPA. Copa de 2014, Desafios e Oportunidades JOÃO ALBERTO VIOL. Vice-Presidente Nacional ABECE - ABCIC. 29 de Outubro 2009

COPA. Copa de 2014, Desafios e Oportunidades JOÃO ALBERTO VIOL. Vice-Presidente Nacional ABECE - ABCIC. 29 de Outubro 2009 COPA Copa de 2014, Desafios e Oportunidades JOÃO ALBERTO VIOL Vice-Presidente Nacional ABECE - ABCIC 29 de Outubro 2009 1 SINAENCO Sindicato Nacional das Empresas de Arquitetura e Engenharia Consultiva

Leia mais

MARKETING COMO FERRAMENTA GERENCIAL PARA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES: UM ESTUDO DE CASO DOS HOTÉIS DE TATUÍ E REGIÃO.

MARKETING COMO FERRAMENTA GERENCIAL PARA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES: UM ESTUDO DE CASO DOS HOTÉIS DE TATUÍ E REGIÃO. MARKETING COMO FERRAMENTA GERENCIAL PARA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES: UM ESTUDO DE CASO DOS HOTÉIS DE TATUÍ E REGIÃO. PAOLA JAEKEL 1, PHILLIP GALINDO DE QUEIROZ LIRA 2, FERNANDA LOUISE PASQUATI PONTAROLLI

Leia mais

A FORÇA DA BHG. * Dados de 2010.

A FORÇA DA BHG. * Dados de 2010. PORQUE INVESTIR? Belo Horizonte tem o quarto maior PIB entre os municípios brasileiros; Minas Gerais é o segundo pólo turístico do Brasil; Localização estratégica. A Savassi é ponto nobre e estratégico

Leia mais

PLACAR DA HOTELARIA. 12 cidades-sede da Copa do Mundo no Brasil. Projeção da taxa de ocupação nas. 3ª Edição Outubro /2011

PLACAR DA HOTELARIA. 12 cidades-sede da Copa do Mundo no Brasil. Projeção da taxa de ocupação nas. 3ª Edição Outubro /2011 O Placar da Hotelaria é uma publicação que tem como objetivo monitorar a evolução dos mercados hoteleiros nas 12 cidades-sede da Copa do Mundo de 2014, de maneira a colaborar para o desenvolvimento ordenado

Leia mais

ANÁLISE DAS ADPTAÇÕES NA ACESSIBILIDADE NOS MEIOS DE HOSPEDAGENS DE FOZ DO IGUAÇU

ANÁLISE DAS ADPTAÇÕES NA ACESSIBILIDADE NOS MEIOS DE HOSPEDAGENS DE FOZ DO IGUAÇU ANÁLISE DAS ADPTAÇÕES NA ACESSIBILIDADE NOS MEIOS DE HOSPEDAGENS DE FOZ DO IGUAÇU Andriélle Pereira de Oliveira 1 RESUMO As normas de acessibilidade nos meios de hospedagens de Foz do Iguaçu são constituídas

Leia mais

AEROPORTOS CAPITAIS DO NORDESTE

AEROPORTOS CAPITAIS DO NORDESTE AEROPORTOS CAPITAIS DO NORDESTE Perfil da Amostra Especificações Técnicas Objetivo Levantar o perfil sócio demográfico, origem-destino e atitudinal em relação a turismo de negócios e de lazer. Buscou também

Leia mais

O Mercado Esportivo e a Importância do Administrador: Cenário e Perspectivas

O Mercado Esportivo e a Importância do Administrador: Cenário e Perspectivas O Mercado Esportivo e a Importância do Administrador: Cenário e Perspectivas Marcelo Claro 4 de outubro de 2012 Esporte é paixão e emoção Um pouco do mercado esportivo no mundo Quase 900 milhões de pessoas

Leia mais

TRÊS ANOS PARA OS JOGOS RIO 2016: AS TRANSFORMAÇÕES NA CIDADE OLÍMPICA

TRÊS ANOS PARA OS JOGOS RIO 2016: AS TRANSFORMAÇÕES NA CIDADE OLÍMPICA TRÊS ANOS PARA OS JOGOS RIO 2016: AS TRANSFORMAÇÕES NA CIDADE OLÍMPICA Neste dia 5 de agosto, comemoramos três anos para os Jogos Olímpicos Rio 2016. O Rio de Janeiro já é uma cidade bem diferente daquela

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PANANÁ EDISON FERREIRA BRUM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PANANÁ EDISON FERREIRA BRUM UNIVERSIDADE FEDERAL DO PANANÁ EDISON FERREIRA BRUM ANÁLISE DE MERCADO IMOBILIÁRIO DE CURITIBA NO PERÍODO TRANSCORRIDO ENTRE 2005 E 2012 CURITIBA 2012 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PANANÁ EDISON FERREIRA BRUM

Leia mais

PLACAR DA HOTELARIA. 12 cidades-sede da Copa do Mundo no Brasil. Projeção da taxa de ocupação nas. 2ª Edição Março/2011

PLACAR DA HOTELARIA. 12 cidades-sede da Copa do Mundo no Brasil. Projeção da taxa de ocupação nas. 2ª Edição Março/2011 PLACAR DA HOTELARIA Projeção da taxa de ocupação nas 12 cidades-sede da Copa do Mundo no Brasil 2ª Edição Março/2011 realização O Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil (FOHB) nasceu da iniciativa de

Leia mais

Copa do Mundo e Olimpíadas no Brasil: futebol, esportes e negócios. A partir dos anos 90 os Megaeventos se tornam um grande negócio internacional:

Copa do Mundo e Olimpíadas no Brasil: futebol, esportes e negócios. A partir dos anos 90 os Megaeventos se tornam um grande negócio internacional: Seminário Nacional Metropolização e Megaeventos: os impactos da Copa do Mundo e das Olimpíadas nas Metrópoles Brasileiras COPA DO MUNDO E OLIMPÍADAS NO BRASIL: FUTEBOL, ESPORTES E NEGÓCIOS Paulo Roberto

Leia mais

Prof. Dr. Claudio Tavares de Alencar

Prof. Dr. Claudio Tavares de Alencar 1 AS OPORTUNIDADES E OS RISCOS DE INVESTIMENTOS EM REAL ESTATE FOMENTADOS POR EVENTOS ESPORTIVOS GLOBAIS: A COPA DO MUNDO DE 2014 NO BRASIL Prof. Dr. Claudio Tavares de Alencar A realização de grandes

Leia mais

O HOTEL DAS ESTRELAS NA CAPITAL DO PARAGUAI

O HOTEL DAS ESTRELAS NA CAPITAL DO PARAGUAI O HOTEL DAS ESTRELAS NA CAPITAL DO PARAGUAI Idealizada há mais de 50 anos pela família Vezozzo, a Bourbon Hotéis & Resorts consolida sua atuação no mercado da América Latina, como um grupo internacional

Leia mais

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach MINISTÉRIO DO TURISMO Ministro do Turismo Luiz Eduardo Barretto Filho Secretaria Executiva Secretaria Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Diretor

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951 A ATIVIDADE TURÍSTICA E O SEGMENTO DE EVENTOS. PERSPECTIVAS DE CRESCIMENTO GRAÇAS À COPA

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DOS TRABALHOS NO 1 SEMESTRE DE 2012.

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DOS TRABALHOS NO 1 SEMESTRE DE 2012. PROJETO: 13 - VOLUNTÁRIOS PARA A COPA DO MUNDO 2014. Objetivo: Acompanhar junto ao COL/FIFA (Comitê Organizador Local da FIFA) a seleção e recrutamento dos voluntários para atuarem na Copa do Mundo 2014.

Leia mais

Copa do Mundo de 2014: Impactos e legado (Região. Prof. Dr. Gerardo Silva, UFABC, 03-12-2012

Copa do Mundo de 2014: Impactos e legado (Região. Prof. Dr. Gerardo Silva, UFABC, 03-12-2012 Copa do Mundo de 2014: Impactos e legado (Região Sudeste) Prof. Dr. Gerardo Silva, UFABC, 03-12-2012 Questões gerais A Copa do Mundo do Futebol já está ai e é muito pouco o que pode ser mudado A questão

Leia mais

CUMBUCO: TURISMO E NEGÓCIO

CUMBUCO: TURISMO E NEGÓCIO C U M B U C O CONCEITO STYLE CUMBUCO é um conceito de unidade habitacional que inclui em um único produto uma série de características e vantagens exclusivas. Projetadas por Joélio Araújo, de Fortaleza,

Leia mais

JOGOS RIO 2016 TRANSFORMAÇÃO E INTEGRAÇÃO SOCIAL ECONOMIA NO PRAZO DE DINHEIRO PÚBLICO E SEM "ELEFANTE BRANCO"

JOGOS RIO 2016 TRANSFORMAÇÃO E INTEGRAÇÃO SOCIAL ECONOMIA NO PRAZO DE DINHEIRO PÚBLICO E SEM ELEFANTE BRANCO na reta final JOGOS RIO 2016 TRANSFORMAÇÃO E INTEGRAÇÃO SOCIAL ECONOMIA NO PRAZO DE DINHEIRO PÚBLICO E SEM "ELEFANTE BRANCO" #1 JOGOS DA TRANSFORMAÇÃO E INTEGRAÇÃO SOCIAL LEGADO CTR SEROPÉDICA BRT TRANSCARIOCA

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A 15401:2006 MEIOS DE HOSPEDAGEM SISTEMA DA GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE E OS STAKEHOLDERS

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A 15401:2006 MEIOS DE HOSPEDAGEM SISTEMA DA GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE E OS STAKEHOLDERS UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A 15401:2006 MEIOS DE HOSPEDAGEM SISTEMA DA GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE E OS STAKEHOLDERS Cláudio Alexandre de Souza José Manoel Gonçalves Gândara Katleen Nairene Rolan Biavatti

Leia mais

P E R S P E C T I V A S D O T U R I S M O

P E R S P E C T I V A S D O T U R I S M O P E R S P E C T I V A S D O T U R I S M O Brasil JULHO 2011 P E R S P E C T I VA S D O T U R I S M O b r a s i l Introdução Com a realização de megaeventos esportivos como a Copa do Mundo FIFA 2014 e os

Leia mais

Turismo de Negócios, Congressos e Eventos. 1º. Encontro de Secretários de Turismo da Rede Mercocidades. Mercodestinos Capitais Gauchas Rotas Tchê

Turismo de Negócios, Congressos e Eventos. 1º. Encontro de Secretários de Turismo da Rede Mercocidades. Mercodestinos Capitais Gauchas Rotas Tchê Turismo de Negócios, Congressos e Eventos 1º. Encontro de Secretários de Turismo da Rede Mercocidades Mercodestinos Capitais Gauchas Rotas Tchê Visão, Acordos, Compromissos, Estratégias e Ações Porto Alegre,

Leia mais

Para melhorar cada vez mais o empreendimento, estamos em processo contínuo de progresso para

Para melhorar cada vez mais o empreendimento, estamos em processo contínuo de progresso para Março/2011 - nº 07 Golden Tulip Brasília Alvorada Balanço de 2010 do Pool e dos Condomínios Para melhorar cada vez mais o empreendimento, estamos em processo contínuo de progresso para oferecer um local

Leia mais

IMPACTO DOS MEGA EVENTOS NA INDuSTrIA hoteleira brasileira JUNHO 2013

IMPACTO DOS MEGA EVENTOS NA INDuSTrIA hoteleira brasileira JUNHO 2013 IMPACTO DOS MEGA EVENTOS NA Industria hoteleira brasileira JUNHO 2013 ENTIDADE ABIH NACIONAL Fundada em 09/11/1936 3.500 associados 35 escritórios 26 capitais + DF 08 regionais ENTIDADE 25.500 meios de

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO AGENDA ESTRATÉGIA PERSPECTIVAS ECONÔMICAS MATRIZ DE RESPONSABILIDADES PORTO AEROPORTO ARENA MONOTRILHO MATRIZ ENERGÉTICA COMUNICAÇÃO MANAUS CIDADE-SEDE ESTRATÉGIA Concepção Planejamento Manaus x Belém

Leia mais

O patrocínio como estratégia de investimento no esporte

O patrocínio como estratégia de investimento no esporte O patrocínio como estratégia de investimento no esporte Prof. Helcio M. Rodrigues Projeto apresentado ao Centro de Pós-Graduação e Pesquisa das Faculdades Metropolitanas Unidas RESUMO Este trabalho tem

Leia mais

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados DIFERENCIAIS Acredito que o desenvolvimento de soluções para Internet não é um trabalho qualquer, deve-se ter certa experiência e conhecimento na área para projetar sistemas que diferenciem você de seu

Leia mais

TURISMO DE NEGÓCIOS EM VOLTA REDONDA, RJ: ESTUDO COMPARATIVO DE GESTÃO HOTELEIRA

TURISMO DE NEGÓCIOS EM VOLTA REDONDA, RJ: ESTUDO COMPARATIVO DE GESTÃO HOTELEIRA TURISMO DE NEGÓCIOS EM VOLTA REDONDA, RJ: ESTUDO COMPARATIVO DE GESTÃO HOTELEIRA Alexandro Ferreira Reis Carlos Eduardo Brasil Campos Rossana Souza Almeida, Esp. (Orientadora) Este estudo tem como objetivo

Leia mais

A decolagem do turismo

A decolagem do turismo A decolagem do turismo OBrasil sempre foi considerado detentor de um enorme potencial turístico. Em 1994, no entanto, o país recebeu menos de 2 milhões de turistas internacionais, um contingente que, na

Leia mais

BNDES Turismo. BNDES Turismo. Foz do Iguaçu 18 de Junho 2011

BNDES Turismo. BNDES Turismo. Foz do Iguaçu 18 de Junho 2011 BNDES Turismo BNDES Turismo Foz do Iguaçu 18 de Junho 2011 Agenda Informações Institucionais Apoio ao Turismo Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas - Projetos de Investimento; - Aquisição

Leia mais

EM JUNHO: BEST WESTERN LINHARES DESIGN HOTEL

EM JUNHO: BEST WESTERN LINHARES DESIGN HOTEL V I V E R C O M E S T I L O FEVEREIRO 2015 ano V I EM JUNHO: BEST WESTERN LINHARES DESIGN HOTEL NOVAS PARCERIAS BENEFICIAM INVESTIDORES. PAG. 4 VEM AÍ: BEST WESTERN VIB. PAG. 4 ARTIGO: O BRASIL NA ROTA

Leia mais

WORLD CUP Turistas África do Sul, Junho/2010

WORLD CUP Turistas África do Sul, Junho/2010 WORLD CUP Turistas do Sul, Junho/20 Total: 4.835 entrevistas : 46% (n=2.204) : 4% (n=202) : 41% (n=2.000) : 6% (n=307) : 3% (n=122) Perfil dos entrevistados PRINCIPAL FINANCIADOR DA VIAGEM Está pagando

Leia mais

Diálogos Governo -Sociedade Civil COPA 2014. O que o Brasil já ganhou com a Copa

Diálogos Governo -Sociedade Civil COPA 2014. O que o Brasil já ganhou com a Copa Diálogos Governo -Sociedade Civil COPA 2014 O que o Brasil já ganhou com a Copa 2 O que o Brasil já ganhou com a Copa Investimentos A Copa do Mundo é um grande investimento para todos brasileiros Os únicos

Leia mais

O que são as diretrizes para Discussão Temática?

O que são as diretrizes para Discussão Temática? O que são as diretrizes para Discussão Temática? As diretrizes para Discussão Temática apresentam conteúdos exclusivos desenvolvidos por meio de pesquisas para a Fundação 1º de Maio. As informações aqui

Leia mais

RELATÓRIO GERENCIAL AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE E AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM GRADUAÇÃO PRESENCIAL

RELATÓRIO GERENCIAL AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE E AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM GRADUAÇÃO PRESENCIAL RELATÓRIO GERENCIAL AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE E AMBIENTE VIRTUAL DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL 2º SEMESTRE 2014 CENTRO UNIVERSITÁRIO INTERNACIONAL UNINTER COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA RELATÓRIO GERENCIAL

Leia mais

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Maio de 2010 Paulo Moreira da Fonseca Agenda Introdução Arenas Hotéis Mobilidade Urbana Demais Investimentos Agenda Introdução Arenas Hotéis Mobilidade

Leia mais

Ricardo Rettmann Sustentabilidade, Acessibilidade e Legado. Agosto de 2014

Ricardo Rettmann Sustentabilidade, Acessibilidade e Legado. Agosto de 2014 Sustentabilidade Rio 2016 Ricardo Rettmann Sustentabilidade, Acessibilidade e Legado Agosto de 2014 Rio 2016 Uma organização, dois eventos JOGOS OLÍMPICOS JOGOS PARALÍMPICOS 42 23 65 CAMPEONATOS CAMPEONATOS

Leia mais

ROYAL TULIP RJ: O PROCESSO DE CONVERSÃO DE UM 5 ESTRELAS. Royal Tulip Rio de Janeiro, situado na praia de São Conrado (foto: divulgação)

ROYAL TULIP RJ: O PROCESSO DE CONVERSÃO DE UM 5 ESTRELAS. Royal Tulip Rio de Janeiro, situado na praia de São Conrado (foto: divulgação) ROYAL TULIP RJ: O PROCESSO DE CONVERSÃO DE UM 5 ESTRELAS Royal Tulip Rio de Janeiro, situado na praia de São Conrado (foto: divulgação) Em meados de 2011, o BHG (Brazil Hospitality Group) chamou a atenção

Leia mais

BNDES e a Copa 2014. Rodolfo Torres. Novembro de 2011. Área de Infraestrutura Social

BNDES e a Copa 2014. Rodolfo Torres. Novembro de 2011. Área de Infraestrutura Social BNDES e a Copa 2014 Novembro de 2011 Rodolfo Torres Área de Infraestrutura Social Agenda Introdução: Eventos Esportivos no Brasil Participação do BNDES Agenda Introdução: Eventos Esportivos no Brasil Participação

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

PROJETO COPA DO MUNDO DA FIFA 2014

PROJETO COPA DO MUNDO DA FIFA 2014 PROJETO COPA DO MUNDO DA FIFA 2014 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA A Fabricato Construtora e Incorporadora Ltda explora o ramo de atividades da construção civil e atua na área de construção e incorporação. A empresa

Leia mais

BHG finaliza compra das ações da Brascan Imobiliária Hotelaria e Turismo S.A.

BHG finaliza compra das ações da Brascan Imobiliária Hotelaria e Turismo S.A. BHG finaliza compra das ações da Brascan Imobiliária Hotelaria e Turismo S.A. 22-03-2011 Yahoo Brasil - www.yahoo.com.br http://br.rss.news.yahoo.com/s/22032011/24/economia-negocios-bhg-finaliza-compra-das.html

Leia mais

As transformações na paisagem da área central do Rio de Janeiro: o espaço da cidade tornado mercadoria

As transformações na paisagem da área central do Rio de Janeiro: o espaço da cidade tornado mercadoria As transformações na paisagem da área central do Rio de Janeiro: o espaço da cidade tornado mercadoria Horacio Nogueira Pizzolante Graduando em Geografia, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Leia mais

Programa Copa 2014 na Bahia Planejamento, Realizações e Legados do Mundial na Bahia. SINAENCO 18 de Maio de 2012

Programa Copa 2014 na Bahia Planejamento, Realizações e Legados do Mundial na Bahia. SINAENCO 18 de Maio de 2012 Programa Copa 2014 na Bahia Planejamento, Realizações e Legados do Mundial na Bahia SINAENCO 18 de Maio de 2012 AGENDA 1. Linha do Tempo 2. A Copa em números 3. Programa Copa 2014 na Bahia 4. Plano Diretor

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COMUNICAÇÃO, TURISMO E LAZER

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COMUNICAÇÃO, TURISMO E LAZER UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COMUNICAÇÃO, TURISMO E LAZER PESQUISA DA OFERTA DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM NO MUNICÍPIO DE LUIS ALVES Janeiro 2013 UNIVERSIDADE DO VALE

Leia mais

INDUTOR TURÍSTICO: O CASO DE PONTA GROSSA, PARANÁ

INDUTOR TURÍSTICO: O CASO DE PONTA GROSSA, PARANÁ INDUTOR TURÍSTICO: O CASO DE PONTA GROSSA, PARANÁ Agata Marcomini Caires Valéria Albach RESUMO: Ponta Grossa é uma cidade que contém diversos atrativos turísticos, entre eles é possível citar atrativos

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 2 1. ESTUDO DE COMPETITIVIDADE... 4 2. RESULTADOS... 6. 2.1 Total geral... 6. 2.2 Infraestrutura geral... 7. 2.3 Acesso...

APRESENTAÇÃO... 2 1. ESTUDO DE COMPETITIVIDADE... 4 2. RESULTADOS... 6. 2.1 Total geral... 6. 2.2 Infraestrutura geral... 7. 2.3 Acesso... PORTO SEGURO APRESENTAÇÃO Qualquer forma de desenvolvimento econômico requer um trabalho de planejamento consistente para atingir o objetivo proposto. O turismo é apresentado hoje como um setor capaz de

Leia mais

Apresentação. Entendendo a Copa A Copa em Porto Alegre Oportunidades

Apresentação. Entendendo a Copa A Copa em Porto Alegre Oportunidades Apresentação Entendendo a Copa A Copa em Porto Alegre Oportunidades Impactos Econômicos Mega Eventos 2010 2013 Construção Civil Móveis Tecnologia da Informação 2013... Comércio e Serviços Turismo Produção

Leia mais