Brazil Without Poverty Plan and the Family Grant Program

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Brazil Without Poverty Plan and the Family Grant Program"

Transcrição

1 II International Conference on Public Policy - ICPP Brazil Without Poverty Plan and the Family Grant Program Carolina Raquel Duarte de Mello Justo (UFSCar) 1. a Versão em português, não revisada Milão/Itália 01 a 04 de julho de 2015 Mestre em Ciência Política e Doutora em Ciências Sociais pelo IFCH/UNICAMP, professora adjunta do

2 Abstract: This paper analyses the ways by which the Brazilian Social Protection System has been able of evaluating, stimulating, coordinating and institutionalizing descentralized policies - from the federal level to the local one -, through two linked strategies or tools of management, evaluation and implementation of a set of policies linked to the so- called Brazil Without Poverty Plan and the Family Grant Program : the single register and the Decentralized Management Index. Through the comparison of the results obtained by various municipalities for this index, the article analyzes what are the political and institutional factors responsible for local and federal differentiation of results and suggests which individual and collective actors have influence on them. Resumo: O artigo compara um conjunto de municípios do estado de São Paulo, selecionados pelo seu porte, em termos da evolução dos resultados obtidos por eles quanto à gestão descentralizada do Programa Bolsa Família, medida através do Índice de Gestão Descentralizada (IGD), que é calculado pelo Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), no período de 2005 a O objetivo foi o de buscar evidências da influência da gestão local sobre o desempenho deste índice ao longo do tempo. Teriam os partidos políticos atuações diferenciadas quanto à gestão local do Bolsa Família conforme sua posição frente ao governo federal - de aliança ou oposição? Haveria um boicote ao sucesso do programa por parte das gestões municipais de oposição ao governo federal? Haveria maior cooperação das gestões municipais de partidos aliados ao governo federal visando ao sucesso do programa? Ou favorecimento de tais municípios por parte do governo federal? Ou, ainda, teria o Programa obtido consolidação institucional ao longo do tempo, através de mecanismos de estímulo, que teriam barrado a influência dos partidos, e favorecido ações inovadoras da gestão local, estas passando, então, a serem as responsáveis majoritárias pela diferenciação de desempenho do IGD entre os municípios? A análise dos dados, utilizando o software estatístico SPSS, tende a corroborar esta última hipótese e sugere a replicação da pesquisa, bem como a investigação de quais são estes fatores inovadores da gestão local do Bolsa Família. No caso do estado de São Paulo, verificou- se que, no início do período estudado, havia um pequena tendência a que os municípios governados pela oposição ao governo federal, dentre os estudados, tivessem um menor número de cadastros e de famílias beneficiadas pelo Bolsa Família, sugerindo um possível boicote. No entanto, esta tendência se desfaz ao longo dos anos, sugerindo consolidação institucional do programa. No entanto, como os dados apresentados também não mostram uma tendência geral para o conjunto de municípios, seja de aumento ou diminuição das coberturas locais pelo contrário, há grande variação da sequência histórica da Taxa de Cobertura do Bolsa Família (TCBF) dos municípios, é possível concluir que apesar dos estímulos do governo federal à gestão intersetorial descentralizada e do ganho de legitimidade e institucionalização do programa, tanto do ponto de vista de aceitação, quanto de regulamentação, tais fatores também não são suficientes para explicar as trajetórias municipais quanto à cobertura do programa, de modo que provavelmente o fator decisivo para explicar tais trajetórias é a gestão local, sendo que provavelmente não importa, como mostram os dados, se ela é de aliança ou oposição partidária ao governo federal o que não quer dizer que os partidos não importam! Daí a necessidade de estudos comparativos quanti e qualitativos para averiguar quais, como e porque as gestões partidárias locais importam e se diferenciam. 1

3 INTRODUÇÃO Este trabalho trata da complexa relação entre o federalismo brasileiro, os partidos políticos, governos partidários e a gestão de políticas públicas. Tem por objetivo contribuir para a compreensão de uma questão persistente: afinal, os partidos políticos importam para a forma como atuam os governos e, consequentemente, sobre a gestão de políticas públicas, sob as condições de funcionamento do federalismo brasileiro, tanto no que diz respeito às regras do jogo eleitoral, quanto às atribuições dos distintos entes federativos (União, estados e municípios)? Para tanto, utiliza como objeto de estudo o Programa Bolsa Família (PBF) do governo federal, considerado hoje o carro- chefe do sistema de proteção social brasileiro (SILVA, YASBEK e GIOVANNI, 2004; SILVA, 2008), e um dos grandes responsáveis pela redução dos níveis de pobreza e desigualdade de renda no país a partir de 2001 (SILVA, 2008). O PBF é também o maior programa de transferência condicionada de renda do mundo, atingindo atualmente mais de 12 milhões de famílias no país (BICHIR, 2010; MDS, 2011). Do ponto de vista federativo, não são estabelecidas, constitucionalmente, quais são as atribuições de cada ente federativo no que diz respeito à gestão da política de assistência social, da qual faz parte o PBF, mas tão somente diretrizes para a consecução da política, um dos fatores responsáveis pela sobreposição de ações ou, ao contrário, pela ausência das mesmas quanto a aspectos, setores ou grupos populacionais específicos (ALMEIDA, 2001). No entanto, a partir de 2005 o governo federal passou a firmar termos de adesão com estados e municípios visando à definição dos papeis e responsabilidades de cada ente quanto à gestão e implementação do PBF (BICHIR, 2010). Como parte desta estratégia, e também do movimento de centralização federativa do qual o PBF é exemplar (já que o executivo federal é responsável pelas decisões de gestão, financiamento e mesmo parte da execução do programa), em 2006 foi criado o Índice de Gestão Descentralizada municipal (IGD- M), um indicador, calculado pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), com base em um conjunto de fatores que visam aferir o desempenho das gestões locais quanto às suas incumbências frente ao programa, dentre as quais: cadastramento e atualização dos cadastros dos (possíveis) beneficiários, acompanhamento das condicionalidades de saúde e educação exigidas das famílias para continuarem a receber o benefício. Como forma de incentivo e constrangimento a que as metas e objetivos estabelecidos para o PBF pelo governo federal sejam atendidos pelos níveis subnacionais, com base no valor do IGD- M obtido pelos municípios são repassados a eles recursos diferenciados, a serem utilizados pela gestão local na busca por melhorias que repercutam em aumento do IGD- M e consequentemente em mais recursos para os municípios), o que não deixa de ser uma estratégia do nível central de busca pela uniformização dos serviços relativos ao programa (possivelmente inclusive para angariar votos), mesmo quanto ao que é executado pelo nível local. 2

4 Tal estratégia sugere uma série de implicações. Por um lado, trata- se de uma brecha institucional que favorece o executivo federal (já que a responsabilidade específica sobre tal tipo de política não é atribuída a nenhum ente federativo), num movimento de centralização das políticas de transferência de renda, que tiveram sua origem no Brasil em âmbito municipal, na década de Do ponto de vista fiscal, as restrições orçamentárias dos municípios (principalmente daqueles mais pobres) para financiar uma política de maior porte, capaz de beneficiar a quantidade de famílias atendidas pelo PBF, mostraram- se um desestímulo à continuidade dos programas municipais. Devido a isso, e à visibilidade alcançada pelo Bolsa Família, a manutenção de programas locais como estratégia eleitoral foi deixando de se tornar atrativa, principalmente para as gestões municipais de partidos de oposição ao governo federal, já que a competição pelos votos do mesmo público, se baseada na transferência de renda, se mostra em certa medida desleal, principalmente devido à baixa capacidade de cobertura de programas municipais frente ao federal. Ainda assim, uma série de programas estaduais e municipais subsistem, às vezes mesmo em cooperação com o PBF. Através de acordos firmados com o governo federal, via MDS, desde 2011, estados e municípios passaram a complementar com recursos próprios o PBF seja quanto ao valor repassado, seja quanto ao número de famílias atendidas (JUSTO, 2014). Do ponto de vista eleitoral, imprimir sua logomarca ao cartão do PBF não deixa de ser uma tentativa dos governos de estados e municípios, sejam eles da base aliada ou de opsição ao governo federal, de compartilhar os possíveis louros e votos associados ao Bolsa Família. Alguns trabalhos, baseados em pesquisas de opinião pública, têm demonstrado evidências de algum tipo de associação entre a decisão de voto para presidente da república e ser beneficiário (a) ou conhecer alguém que seja beneficiário (a) do PBF (ZUCCO, RENNÓ, 2013; KERBAUY, 2014). Portanto, os referidos acordos de coordenação federativa englobando os programas de transferência de renda do nível federal e dos níveis subnacionais podem ser entendidos como uma solução subótima para os interesses envolvidos nesta negociação, se arriscarmos utilizar os termos da teoria da escolha racional: na carona do Bolsa Família, mandatos de aliados ou de oposição ao governo federal nos níveis subnacionais podem com os possíveis efeitos eleitorais do programa angariar votos, especialmente junto às camadas mais pobres, beneficiárias prioritárias do PBF, sem prejuízo para o Partido dos Trabalhadores (PT), cabeça de chapa da coalizão que ocupa a presidência de república há quatro mandatos consecutivos (desde 2003) no que diz respeito aos possíveis votos associados ao PBF deste mesmo público para o executivo federal. Já para as eleições para governadores dos estados e prefeitos dos municípios, tais acordos podem se mostrar prejudiciais aos candidatos do PT e de seus aliados, quando estes sejam de oposição aos governos que firmaram os acordos. Problematização É nesta mesma linha de análise que procuramos entender, neste artigo, a atuação e relação do governo federal e dos governos dos entes subnacionais no caso, 3

5 dos municípios do estado de São Paulo com mais de duzentos mil habitantes no que diz respeito à gestão e implementação descentralizada do PBF, mais especificamente quanto à evolução da Taxa de Cobertura do Bolsa Família (TCBF), um dos fatores do IGD- M, e que corresponde ao número de famílias beneficiadas em relação à estimativa de pobres (calculada pelo IBGE para cada município), público- alvo do programa 1. Algumas hipóteses podem ser aventadas para estas atuações e relações dos governos federal e municipais, no que diz respeito à TCBF, com base em distintos pressupostos teóricos e nas condições do sistema partidário- eleitoral brasileiro. Duas das principais referências na análise dos sistemas de proteção social europeus e representantes da chamada vertente que enfatiza a luta de classes na abordagem marxista, Ian Gough e Esping- Andersen (1990) nos permitem concluir, com base em seus estudos clássicos, que os partidos políticos importam, sim, na condução de governos e gestão de políticas públicas. Este seria o motivo pelo qual, apesar dos imperativos da acumulação capitalista, configuraram- se distintos modelos de proteção social na Europa ou, em outras palavras, políticas sociais com conteúdos diferenciados: a partir da pressão e organização da classe trabalhadora, de seus recursos de poder e da matriz de poder em que estão inseridos, e dadas certas condições, como sufrágio universal e crescimento econômico, os partidos de esquerda, especialmente aqueles que fundaram a social- democracia, conseguiram implementar políticas redistributivas de fato, atendendo aos interesses dos trabalhadores. Por outro lado, os também clássicos estudos de Scokpol, Evans e Ruschemeyer procuraram enfatizar a importância das instituições políticas e, a partir da análise de 1 O cálculo do IGD- M é feito da seguinte maneira: IGD- M = Fator I x Fator II x Fator III x Fator IV De acordo com o art. 3º da Portaria10 GM/MDS nº 754, de 20 de outubro de 2010, o IGD- M é calculado pela multiplicação de quatro fatores: 1. Fator de Operação: corresponde à média aritmética simples das seguintes variáveis (cálculo das taxas de cadastro e de condicionalidades: TCQC + TAC +TAFE + TAAS/4), onde: TCQC Taxa de Cobertura Qualificada de Cadastros, calculada pela divisão do número de cadastros válidos de famílias com perfil Cadastro Único, no município, pela quantidade de famílias estimadas como público- alvo do Cadastro Único no município. TAC Taxa de Atualização Cadastral, calculada pela divisão do número de cadastros válidos de famílias com perfil Cadastro Único, no município, atualizados nos últimos dois anos, pelo número de cadastros válidos com perfil Cadastro Único no município; TAFE Taxa de Acompanhamento da Frequência Escolar, calculada pela divisão do número de crianças e adolescentes pertencentes às famílias beneficiárias do PBF no município, com informações de frequência escolar, pelo número total de crianças e adolescentes pertencentes a famílias beneficiárias do PBF no município; e TAAS Taxa de Acompanhamento da Agenda de Saúde, calculada pela divisão do número de famílias beneficiárias com perfil saúde no município com informações de acompanhamento de condicionalidades de saúde, pelo número total de famílias com perfil saúde no município. 2. Fator de adesão ao Sistema Único de Assistência Social (Suas), que expressa se o município aderiu ao Suas, de acordo com a Norma Operacional Básica (NOB/Suas); 3. Fator de informação da apresentação da comprovação de gastos dos recursos do IGD- M, que indica se o gestor do FMAS lançou no sistema informatizado do MDS (SuasWeb) a comprovação de gastos ao CMAS; e 4. Fator de informação da aprovação total da comprovação de gastos dos recursos do IGD- M pelo CMAS, que indica se o referido Conselho registrou no SuasWeb a aprovação integral das contas apresentadas pelo gestor do FMAS (MDS, 2013). 4

6 casos históricos, nos permitem relativizar a importância dos partidos como chaves para a compreensão dos rumos das políticas públicas. A adoção de políticas keynesianas na Grã- Bretanha, por exemplo, que seria do interesse dos trabalhadores, não emplacou com a ascensão do Partido Trabalhista ao poder, nos anos 1930, quando supostamente estariam satisfeitas as condições vislumbradas por Gough e Esping- Andersen para tal. A explicação estaria no tradicional modo de funcionamento do parlamento inglês, bastante fechado ou insulado e assim pouco permeável à entrada de novas ideias e pressões na agenda de governo. Ambas as argumentações têm peso e forte capacidade explicativa, mas não são de todo incompatíveis. De qualquer maneira, se ideias, valores, referenciais e ideologias formam distintas culturas políticas, partilhadas por distintos grupos sociais, que vão lutar, dar suporte e formar coalizões na busca por que seus interesses sejam atendidos na arena governamental, como resultados de políticas públicas, como defendem os autores da chamado enfoque cognitivo (Pierre Muller, Bruno Jobert, Yves Surel, Lipsky, entre outros), é de se supor que, apesar dos constrangimentos das instituições e regras do jogo político, distintos partidos carreguem consigo uma gama de prioridades governamentais, ideologicamente definidas, que a depender de tais constrangimentos terão maiores ou menores probabilidades de serem efetivadas uma vez que conquistem o poder. E as políticas de transferência de renda são provavelmente um dos principais indicadores destas clivagens ideológicas, quer apareçam mais ou menos claras em termos de clivagens partidárias. No Brasil, as primeiras experiências de programas de transferência de renda foram adotadas, ainda em âmbito municipal e no distrito federal, pelos dois principais partidos que polarizam as eleições majoritárias PT e PSDB (Partido da Social- Democracia Brasileira). E também no âmbito federal estes dois partidos disputam a paternidade do atual Bolsa Família, já que ele resultou da unificação de programas de transferência de renda pré- existentes, em especial o Bolsa- Escola, criados pelo governo peessedebista de Fernando Henrique Cardoso. Se o aprendizado com a experiência de que resultou o PBF for analisado sobretudo sob o ponto de vista neoinstitucionalista da dependência de trajetória, a paternidade deveria ser então atribuída ao PSDB. Por outro lado, como defendo, se as mudanças por que passou o PBF forem consideradas como mudança de projeto e referencial, sua paternidade deveria ser atribuída ao PT. Tais mudanças, que caracterizam o diferencial do PBF grande ampliação da cobertura (atualmente cerca de um quarto (1/4) da população brasileira é beneficiária do programa), elevação do tempo de permanência de vínculo das famílias ao programa (no Bolsa- Escola deveria ser restrito a dois anos) e acompanhamento das condicionalidades (em contraposição ao controle das contrapartidas) e o aproximam do ideal da Renda Básica de Cidadania o direito universal e incondicional a uma renda básica, juntamente com a visibilidade que o programa obteve, ao se tornar destaque no sistema de proteção social brasileiro e bandeira do governo petista, são razões para supor que o programa seja alvo destacado de competição político- ideológica e/ou político partidária. Daí, pois, a suspeita, que move este estudo, de que o maior ou menor sucesso do programa seja objeto de importante disputa política e de que, portanto, os governos subnacionais, na medida em que são responsáveis por parte da gestão e implementação do programa, venham a adotar posturas e estratégias de colaboração 5

7 ou entrave, obstaculização e mesmo boicote a ele, conforme se posicionem, respectivamente, como aliados ou opositores do governo federal. Por outro lado, porém menos provável, existe a hipótese de que o governo federal, no intuito de garantir o apoio de suas bases eleitorais nos municípios e estados governados pelo PT e seus aliados, venha a priorizá- los na gestão do PBF, por exemplo selecionando e inserindo no programa maior número de beneficiários (a despeito da estimativa de possíveis beneficiários, público- alvo do programa, com base no qual é calculada a taxa de cobertura, que em alguns municípios ultrapassa 100%). Assim, uma das formas de verificar os resultados destas posturas e estratégias de atuação e relação entre governos de diferentes partidos e entes federados é através da comparação das Taxas de Cobertura do Bolsa Família (TCBF) entre municípios governados por partidos da base aliada ou de oposição ao governo federal. Por outro lado, existe também a possibilidade de que o programa tenha ganhado institucionalização ao longo do tempo, ou seja, de que o governo federal, no intuito de fortalecer o programa e torná- lo imune às possíveis ações de boicote acima aventadas, tenha criado uma série de normas, regras, procedimentos e mecanismos de enrijecimento e padronização das ações relativas à implementação do PBF, dessa forma dando pouca margem à autonomia municipal. A criação do IGD- M provavelmente enquadra- se como parte deste intuito, já que exige das gestões locais o repasse periódico ao MDS de uma série de informações que visam a conhecer e garantir que os parâmetros estabelecidos pelo nível central para a gestão e implementação do PBF nos níveis locais sejam atendidos, como a atualização dos cadastros de (possíveis) beneficiários periodicamente, o acompanhamento e cálculo da frequência escolar dos filhos de beneficiários e o acompanhamento e repasse dos dados de saúde das crianças e gestantes. O elemento mais constrangedor, padronizador e institucionalizador do IGD- M consiste em condicionar o repasse de recursos financeiros aos municípios de acordo com o seu desempenho no IGD- M, o que funciona como estímulo para que os parâmetros estabelecidos pelo nível central sejam buscados, de forma a repercutir em valores de IGD- M cada vez maiores e, com eles, os repasses. A análise comparativa referente à gestão intersetorial do PBF, isto é, incluindo os dados sobre saúde e educação, será objeto de outro estudo. Nesta pesquisa inicial, o foco se concentra na gestão da cobertura do programa, ou seja, na capacidade de os municípios realizarem corretamente o cadastro de possíveis beneficiários, assim garantindo a validade dos cadastros, de buscarem novos beneficiários, especialmente quando a cobertura está abaixo de 100%, o que indica que há famílias potencialmente parte do público- alvo do programa ainda não cadastradas, e por fim de realizarem a atualização dos cadastros periodicamente, para detectar possíveis alterações de condições sócio- econômicas que influenciem no recebimento do benefício, como, por exemplo, o nascimento de uma criança (este último fator, Taxa de Atualização Cadastral, TAC, no entanto não fará parte dos cálculos). Teriam os partidos políticos atuações diferenciadas quanto à gestão local do Bolsa Família conforme sua posição frente ao governo federal - de aliança ou oposição? Haveria um boicote ao sucesso do programa por parte das gestões municipais de oposição ao governo federal? Haveria maior cooperação das gestões municipais de partidos aliados ao governo federal visando ao sucesso do programa? Ou 6

8 favorecimento de tais municípios por parte do governo federal? Ou, ainda, teria o Programa obtido consolidação institucional ao longo do tempo, através de mecanismos de estímulo, que teriam barrado a influência dos partidos, e favorecido ações inovadoras da gestão local, estas passando, então, a serem as responsáveis majoritárias pela diferenciação de desempenho do IGD entre os municípios? Desenho da Pesquisa e Aspectos Metodológicos Para entender, então, as atuações e relações do governo federal e dos governos municipais no que diz respeito à gestão e implementação do PBF, com o objetivo de saber se os partidos importam e têm algum tipo de influência, conforme sejam aliados ou de oposição ao governo federal, sobre os resultados que os municípios governados por eles obtêm no Índice de Gestão Descentralizado Municipal (IGD- M) e, mais especificamente, sobre um dos elementos que compõem tal índice, a Taxa de Cobertura do Bolsa Família (TCBF), foram selecionados 39 municípios do estado de São Paulo, que têm em comum o fato de possuírem mais de 200 mil habitantes, segundo o último censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de Tais municípios estão listados na Tabela 1, no anexo 1, juntamente com outros dados sócio- econômicos, obtidos junto ao PNUD: IDH e faixa de IDH nos anos de 2000 e 2010; mortalidade infantil em 2000 e 2010; porcentagem de crianças de até seis anos que não vão à escola em 2010; porcentagem de pobres em 2000 e 2010; porcentagem de vulneráveis à pobreza em 2000 e em 2010; taxa de desocupação em 2000 e em 2010; dados políticos, obtidos junto ao TSE: partido do prefeito em 2004, 2008 e 2012; situação do governo municipal em relação ao governo federal nestes mesmos mandatos ( , e ), se de aliança ou oposição; continuidade ou alternância do governo local nos mandatos entre 2005 e 2012; e, finalmente, os dados do IGD- M, obtidos junto ao MDS: Taxa de Cobertura do Bolsa Família (TCBF) de 2005 a 2013, e a média da TCBF durante os mandatos de 2005 a 2008 e de 2009 a 2012, calculada por nós a partir das taxas anuais. Com estes dados foi montada uma base no programa estatístico SPSS (Statistical Package for the Social Sciences), a partir do qual foram feitos cálculos, tabelas e gráficos que nos permitiram realizar as análises que se seguem. Antes de proseguirmos, porém, à exposição e análise dos dados, algumas observações e ponderações metodológicas são necessárias. A primeira e talvez mais relevante delas é a de que não se trata de uma amostra estatisticamente representativa do todo ou universo, ou seja, os dados e análises apresentados aqui não são generalizáveis, pois o critério adotado para a escolha da amostra (municípios com mais de 200 mil habitantes do estado de São Paulo) foi aleatório e baseado apenas na tentativa de estabelecimento de algum parâmetro de comparação, a partir do qual pudéssemos dar início a este programa de pesquisa, que deve ser aprimorado e sistematizado. Portanto, as análises aqui apresentadas referem- se tão somente ao grupo dos 39 municípios mencionados, pois uma amostra de 39 casos é bastante pequena e, embora tenha a vantagem de permitir a visualização e mesmo intuição de possíveis tendências e correlações, não é extensível a quaisquer outros. Ainda assim, 7

9 tais análises têm a relevância de permitirem a formulação de hipóteses a partir das quais pesquisas futuras possam ser realizadas, com amostras maiores e estatisticamente significativas. Uma segunda observação importante é a de que, para facilitar as análises, especificamente quanto ao que nos interessa aqui, ou seja, a comparação entre mandatos e gestões partidárias locais, conforme classificadas como sendo de aliança ou oposição com relação ao governo federal, foi calculada a média por mandato das Taxas de Cobertura do Bolsa Família (TCBF), de tal modo que obtivemos apenas três grupos de variáveis numéricas (em porcentagem), entre as quais buscou- se observar se haveria alguma tendência de aumento, diminuição ou manutenção das TCBF: a média da TCBF para o mandato de 2005 a 2008, a média da TCBF para o mandato de 2009 a 2012 e a média anual da TCBF em 2013 (último ano do qual dispúnhamos dos dados). Para análises mais apuradas e aprofundadas, especialmente de tendências, é recomendável que se utilize a evolução histórica das TCBF anuais, ou mesmo de intervalos menores de tempo, já que a média pode ocultar tendências internas ao período por ela englobado por exemplo, no caso aqui estudado, não é possível saber como se comportou sequencialmente a TCBF de cada município ao longo dos quatro anos de cada um dos mandatos, no interior de cada um dos quais pode ter variado muito. Uma terceira ponderação refere- se ao critério utilizado para fracionar as variáveis numéricas (percentuais) média da TCBF, a fim de transformá- las em categorias ou subgrupos e, com isso, facilitar as análises. As porcentagens foram então subdividias em grupos de 10% em 10%, a partir de 50% de cobertura, já que são muito poucos e raros os casos de coberturas menores que justificassem subdivisão maior. Com isso foram criados seis (6) subgrupos para a variável Média da TCBF , sete (7) subgrupos para a variável Média da TCBF e nove (9) subgrupos para a variável Média da TCBF Esta variação se deve ao fato de haverem mais casos de coberturas inferiores a 50% no segundo período e a mais casos de coberturas muito superiores a 100% no terceiro período, o que justificou a criação de grupos para coberutras superiores a até 120%. Este fracionamento, por um lado, nos permite observações mais específicas quanto a predominâncias de casos em cada uma destas faixas de cobertura e é mais recomendável para a aplicação em amostras bem maiores, inclusive para o agrupamento de clusters em análises multivariadas. Por outro lado, no presente caso, justamente por se tratar de uma amostra pequena, agregações em intervalos ou frações maiores é recomendável no intuito de se atingirem os critérios estatísticos para o estabelecimento de correlações significativas, muito difíceis de serem obtidas e observáveis quando o índice de correlação é pequeno e as variáveis, sendo muito fracionadas, numa amostra pequena, acabam por, nos cruzamentos entre elas, subdividirem os casos em muitas janelas ou caselas, muitas das quais com frequências nulas ou bastante pequenas de casos, o que dificulta ou impede a obtenção de testes estatíticos de correlação válidos. Também por este motivo vale frisar o aspecto descritivo e apenas sugestivo das análises feitas aqui. Finalmente, a quarta e última observação metodológica, não de caráter estatístico, mas de suma importância, refere- se ao critério utilizado para classificar os governos municipais como sendo da base aliada ou de oposição ao governo federal 8

10 nos três mandatos considerados. Um aspecto central que facilitou, por um lado, esta definição, foi o fato de que, durante todo o período analisado, o executivo federal foi ocupado pela mesma cabeça de chave ou coalizão, o Partido dos Trabalhadores (PT), do qual são representantes o ex- presidente Luís Inácio Lula da Silva (de 2003 a 2010) e a presidente Dilma Roussef (de 2011 a 2014, quando foi reeleita). Portanto, ao longo de todo o período em foco todos os demais partidos foram considerados por seu posicionamento em relação ao PT. Mesmo que tal posição tenha variado com o tempo, o referencial do governo federal manteve- se o mesmo. Ademais, se tivesse havido alternância de partido e coalizão governante no nível federal, um outro complicador para o estabelecimento dos posicionamentos seria a necessidade de possível quebra ou subdivisão dos mandatos municipais em mais de um posicionamento (isto é, ora de apoio, ora de oposição ao longo de um mesmo mandato), já que as eleições para presidente da república e para prefeitos dos municípios não coincidem no tempo, havendo um intervalo de dois anos entre elas. Por outro lado, a definição das bases de apoio e oposição ao governo federal é dificultada, no caso brasileiro, por uma característica do nosso sistema eleitoral, que é a flexibilidade federativa para a formação de coligações ou, em outras palavras, a autonomia dos partidos, nos diferentes níveis federativos, para a formação de coligações, que não necessariamente devem seguir os acordos definidos para as disputas nacionais. Por conta disso, um partido que tenha definido apoio ao PT nas eleições para presidente pode ser adversário político do mesmo PT no nível municipal. De modo inverso, um partido que tenha definido oposição ao PT nas eleições presidenciais pode ser aliado dele nas municipais 2. Apesar desta flexibilidade, deve- se considerar, no entanto, que mesmo que com alguma variação, há razões para se confiar na validade das distinções partidárias no espectro ideológico e na coerência e frequência das coligações que, em boa parte das vezes com base nelas, se formam entre os partidos. Em estudo clássico, Figueiredo e Limongi (1995), ao estudarem o comportamento dos partidos políticos nas votações nominais da Câmara dos Deputados entre 1989 e 1993, constataram alto grau de consistência e coesão interna (acima de 70%, em média). Apesar da frequência das coligações e do número de partidos envolvidos em cada chapa ter aumentado a partir de 2002, como efeito do incentivo da verticalização (ver nota de rodapé 2), principalmente para as eleições de deputados federais, e apesar do intuito de replicação das coligações do nível federal para os estaduais da norma de verticalização não ter gerado os efeitos desejados ou esperados para as eleições majoritárias, há que se considerar que a variabilidade das coligações não é tão grande quanto poderia, se motivada tão somente pelos imperativos da competição eleitoral. Em estudo de 1996, Sousa (apud Fleischer, 2007) mostrou a frequência com que os partidos se coligaram uns aos outros nas eleições para deputados federais nos 27 estados brasileiros em 1994, em que foi possível notar a 2 No intuito de evitar coligações esdrúxulas, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em março de 2002, numa interpretação do Artigo 6.º da Lei Eleitoral n.º 9.504, de 30 de setembro de 1997, estabeleceu a chamada verticalização das coligações, que valeu em 2002 e A verticalização obrigava partidos coligados na eleição presidencial a replicarem essas coligações no nível estadual (FLEISCHER, 2007: 336). Até por serem realizadas em momentos distintos, tal regra não foi válida para as eleições municipais. 9

11 afinidade do PT com alguns partidos, de acordo com o número de parcerias com eles estabelecidas: 13 com o PCdoB, 12 com o PSB, 10 com o PPS, 8 com o PV, 6 com o PMN e também 6 com o PSTU, 5 com o PDT e apenas 2 com o PP e uma com o PSDB (FLEISCHER, 2007: 324). Nas eleições majoritárias de 2006, Fleischer observou a frequência das coligações e afinidades entre os partidos nos estados, em que ressalta a parceria entre PT e PCdoB em 25 estados, coligação que recebeu a adesão do PSB em 15 estados (FLEISCHER, 2007: 336 e 337). Sendo assim, embora o comportamento dos partidos na esfera municipal, no que diz respeito à formação de coligações, à condução de governos partidários e à fidelidade às orientações dos diretórios nacionais, tenha suas particularidades e distinções diante do que ocorre na esfera estadual, não é sem fundamento a suposição, adotada no presente estudo, de que faça algum sentido a classificação dos governos partidários municipais em base aliada ou de oposição ao governo federal petista com base nas coligações estabelecidas para a disputa presidencial. Deste modo, foram então classificados como formando a base aliada do governo federal, além do PT, no primeiro mandato do presidente Lula ( ), os seguintes partidos: PCB, PCdoB, PL, PMN e PV (coligação Lula Presidente ); do segundo mandato ( ), formalmente apenas o PCdoB, mas informalmente o PL, o PMDB, o PRB (constituído de parte do PL), o PSB e o PTB (coligação A Força do Povo ); e do primeiro mandato da presidente Dilma Roussef ( ), o PCdoB, o PDT, o PMDB, o PR, o PRB, o PSB, o PSC, o PTC e o PTN 3 (coligação Para o Brasil Seguir Mudando ). Foi, portanto, com base nestas coligações que os governos partidários municipais aqui estudados foram classificados, segundo o posicionamento do partido do prefeito quando eleito, em base aliada ou de oposição ao governo federal. Reconheço e destaco que tal critério e escolha metodológios, baseados nas coligações formalizadas a partir do nível federal para as eleições presidenciais, são problemáticos e não estão imunes a outras dificuldades e dilemas de pesquisa, além das já mencionadas acima. Trata- se, certamente, de uma das principais incertezas e dilemas enfrentados na condução desta pesquisa, que, no entanto, se tem alguma validade e justificativa, só poderia ser levada adiante a partir dos esforços e escolhas iniciais, sujeitos, como são bem- vindos, a críticas, sugestões e revisões. Sendo assim, a seguir são apresentados e discutidos os seus resultados. Apresentação e Análise dos Dados 3 Lista de siglas dos partidos citados no anexo 2 do artigo. Os dados das coligações para cada eleição e mandato foram obtidos junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE): TSE. Disponível em anteriores/eleicoes- 2004/resultado- da- eleicao Acesso em 13 de maio de TSE. Disponível em: Acesso em 13 de maio de TSE. Disponível em eleicoes Acesso em 13 de maio de

12 Com o objetivo de verificar se há alguma correlação e tendência no comportamento e relações dos governos partidários federal e locais, no que diz respeito à gestão e implementação do PBF pelos 39 municípios com mais de 200 mil habitantes do estado de São Paulo, especificamente quanto à Taxa de Cobertura do Bolsa Família, de 2005 a 2013, os dados obtidos junto ao MDS e TSE foram analisados utilizando o SPSS, a partir do qual foram produzidos os gráficos e tabelas que se seguem, além dos testes estatísticos que permitem ou não afirmar o tipo e grau de correlação possivelmente existentes. Vamos a eles: Gráfico 1: Taxas Médias de Cobertura do Bolsa Família (TCBF) nos períodos de 2005 a 2008 e de 2009 a 2012 para os municípios paulistas com mais de 200 mil habitantes Fonte: Elaboração própria a partir dos dados do MDS. Conforme se pode observar no gráfico 01, acima, não se observa uma tendência de continuidade na Taxa de Cobertura do Bolsa Família (TCBF) entre os municípios paulistas com mais de 200 mil habitantes na passagem do mandato do governo local, do período de 2005 a 2008 (eixo x), para o novo mandato, correspondente ao período de 2009 a 2012 (eixo y). Se, a despeito do início de um novo mandato seja ele de apoio ou oposição ao governo anterior no município e ao governo federal, houvesse uma tendência geral entre os municípios de manutenção da taxa de cobertura do programa, os pontos do gráfico estariam alinhados em torno da linha diagonal, onde 11

13 as taxas de cobertura são as mesmas no período de 2005 a 2008 e de 2009 a Se fosse observada uma mesma tendência de aumento da taxa de cobertura do programa entre todos os municípios, haveria uma concentração dos pontos acima da linha de referência diagonal. Entretanto, o que se observa é que, para os municípios paulistas de grande porte (os 39 contabilizados na amostra em análise), há uma grande variação na TCBF de um mandato para o outro. Em menos da metade da amostra há a manutenção de um mesmo padrão de taxa de cobertura da passagem de um mandato para outro, sem muita variação, seja para baixo, seja para cima. O que chama a atenção no gráfico é uma dispersão grande entre os municípios: muitos em que a TCBF aumenta bastante de um mandato para o outro (representados pelos pontos localizados acima e distantes da linha diagonal) e muitos em que, por outro lado, a TCBF diminui bastante do mandato de para o subsequente (representados pelos pontos localizados abaixo e distantes da linha diagonal). Estes dados sugerem, diferentemente do que poder- se- ia imaginar, que não há, pelo menos para os municípios paulistas de grande porte aqui em foco, uma tendência de consolidação e institucionalização do PBF no que se refere a um crescimento e manutenção de taxas elevadas de cobertura. Gráfico 2: Taxas Médias Anuais de Cobertura do Bolsa Família (TCBF) no período de 2005 a 2008 para os municípios paulistas com mais de 200 mil habitantes, segundo a posição do governo municipal frente ao federal, se da base aliada ou de oposição Fonte: Elaboração própria a partir dos dados do MDS e do TSE. 12

14 No gráfico 2, acima, é possível notar que, no primeiro período (ou mandato municipal) estudado, de 2005 a 2008, a Taxa de Cobertura do Bolsa Família (TCBF) média entre os municípios governados por partidos aliados do PT no nível federal é maior que a mesma média calculada entre os municípios governados pela oposição. No gráfico, as barras da mesma cor são sempre maiores entre os municípios governados por partidos da base aliada do que entre aqueles governados pelos partidos de oposição. Estes dados e primeira observação sugerem que, pelo menos para os municípios aqui estudados, talvez tenha havido maior atenção, seja do governo federal em garantir a eficácia do programa, no que diz respeito à inclusão de famílias beneficiárias, para os municípios governados pelos seus aliados políticos, seja a destes municípios em colaborar com o governo federal, através de uma gestão e implementação eficaz e eficiente do cadastramento de beneficiários sob seu território de ação, repercutindo numa taxa de cobertura mais elevada. No entanto, observa- se que a diferença entre as barras de mesma cor no gráfico ou seja, a diferença entre as médias das taxas de cobertura de municípios governados pela base aliada ou pela oposição diminui ao longo dos anos já neste primeiro mandato. Gráfico 3: Taxas Médias Anuais de Cobertura do Bolsa Família (TCBF) no período de 2009 a 2012 para os municípios paulistas com mais de 200 mil habitantes, segundo a posição do governo municipal frente ao federal, se da base aliada ou de oposição Fonte: Elaboração própria a partir dos dados do MDS e do TSE. 13

15 No segundo período analisado, o mandato de 2009 a 2012, retratado no gráfico 3, nota- se que a tendência inicialmente observada, de maior cobertura do Bolsa Família entre os municípios governados por partidos da base aliada ao governo federal, vai deixando de existir, como já sugeria o final da análise do gráfico 2. O gráfico 3 mostra que a tendência ainda é observável, no ano de 2009, representado pelas barras azuis, em que a média das taxas de cobertura dos municípios governados pela base formalmente aliada é um pouco maior que a média das taxas daqueles governados por partidos apenas informalmente aliados do PT no governo federal, que por sua vez é um pouco maior que a média das taxas de cobertura dos municípios governados pela oposição. A partir de 2009, no entanto, a tendência fica bem mais amena, sobressaindo- se com maiores coberturas, na média, os municípios governados pelos partidos da base de apoio informal ao governo federal, enquanto que as médias das taxas de cobertura daqueles que compõem formalmente as bases aliada e de oposição ao governo federal têm coberturas muito próximas (e menores), representadas no gráfico pelas barras verde, bege e roxa nos anos de 2010, 2011 e 2012, respectivamente. Estes dados sugerem, portanto, que se nos primeiros anos de existência do PBF, já no governo do presidente Lula, após a unificação do Bolsa Escola e demais programas de transferência de renda criados ao longo do governo do presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), poderia haver algum tipo de privilegiamento ou maior atenção aos municípios governados por partidos da base aliada pelo governo federal, no que diz respeito à inclusão de famílias e consequente ampliação da cobertura, ou um maior empenho e colaboração destes governos com o executivo federal, no cadastramento, validação e atualização de cadastros de beneficiários que também pudesse repercutir em aumento da cobertura, ou, ainda, uma terceira hipótese, não excludente às demais, de algum tipo de boicote imprimido ao PBF por parte dos governos municipais de oposição ao federal, que levasse à diminuição da cobertura (desaceleração e ineficácia na validação dos cadastramentos e atualizações de cadastro, por exemplo), enfim, quaisquer que tenham sido possivelmente estas ações, elas vão perdendo força, pois a tendência inicialmente verificada diminui. Uma outra observação importante, no gráfico 3, é a de que se observa, ao longo dos anos deste mandato, ou seja, de 2009 a 2012, uma tendência geral, inversa à verificada no período e no gráfico anteriores (de 2005 a 2008), de queda das taxas de cobertura, independentemente do posicionamento político- partidário dos governos municipais. As barras azuis, no gráfico, que representam o ano de 2009, são maiores do que as verdes e beges, que, por sua vez, são muito maiores que as roxas, que representam o último ano do mandato, Esta tendência de queda geral provavelmente se deve à mudança feita pelo MDS quanto à forma de calcular a estimativa de pobres e, com ela, o público alvo do programa, alterando consequentemente também o cálculo da cobertura. 14

PORTARIA Nº 754, DE 20 DE OUTUBRO DE 2010

PORTARIA Nº 754, DE 20 DE OUTUBRO DE 2010 PORTARIA Nº 754, DE 20 DE OUTUBRO DE 2010 Estabelece ações, normas, critérios e procedimentos para o apoio à gestão e execução descentralizadas do Programa Bolsa Família, no âmbito dos municípios, e dá

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME DOU de 27/08/2015 (nº 164, Seção 1, pág. 73) GABINETE DA MINISTRA PORTARIA Nº 81, DE 25 DE AGOSTO DE 2015 Altera as Portarias nº 754, de 20 de outubro

Leia mais

CADERNO DO IGDM - PBF

CADERNO DO IGDM - PBF CADERNO DO IGDM - PBF MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Departamento de Operação Coordenação Geral de Apoio à Gestão Descentralizada MANUAL

Leia mais

Eleições presidenciais no Brasil em 2010: o perfil dos candidatos e de suas alianças

Eleições presidenciais no Brasil em 2010: o perfil dos candidatos e de suas alianças Eleições presidenciais no Brasil em 2010: o perfil dos candidatos e de suas alianças Aline Bruno Soares Rio de Janeiro, julho de 2010. Desde seu início, o ano de 2010 tem se mostrado marcante em relação

Leia mais

CADERNO DO IGD-M. Manual do Índice de Gestão Descentralizada Municipal do Programa Bolsa Família e do Cadastro Único

CADERNO DO IGD-M. Manual do Índice de Gestão Descentralizada Municipal do Programa Bolsa Família e do Cadastro Único CADERNO DO IGD-M Manual do Índice de Gestão Descentralizada Municipal do Programa Bolsa Família e do Cadastro Único BRASÍLIA - DF, Abril de 2014 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria

Leia mais

Gestão do Programa Bolsa Família Cadastro Único

Gestão do Programa Bolsa Família Cadastro Único Encontro Estadual da Assistência Social: Gestão dos Recursos Financeiros - IGDSUAS e IGDPBF Gestão do Programa Bolsa Família Cadastro Único COORDENAÇÃO-GERAL DE EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA DEOP

Leia mais

O TEMA DAS POLÍTICAS SOCIAIS NO DEBATE POLÍTICO ELEITORAL BRASILEIRO

O TEMA DAS POLÍTICAS SOCIAIS NO DEBATE POLÍTICO ELEITORAL BRASILEIRO O TEMA DAS POLÍTICAS SOCIAIS NO DEBATE POLÍTICO ELEITORAL BRASILEIRO Pela primeira vez desde 1984 uma das grandes figuras da política moderna no Brasil, Luis Ignácio Lula da Silva, não será candidato a

Leia mais

Programa Bolsa Família (PBF)

Programa Bolsa Família (PBF) FICHA DE PROGRAMA Área temática: Transferência de renda. 1. SUMÁRIO EXECUTIVO Programa Bolsa Família (PBF) DATA DE ATUALIZAÇÃO: 23/06/2015 O Programa Bolsa Família (PBF) é um programa de transferência

Leia mais

Histórico da transferência de renda com condicionalidades no Brasil

Histórico da transferência de renda com condicionalidades no Brasil Brasil População: 184 milhões habitantes Área: 8.514.215,3 km² República Federativa com 3 esferas de governo: Governo Federal, 26 estados, 1 Distrito Federal e 5.565 municípios População pobre: 11 milhões

Leia mais

Guias e Manuais. Exercendo o. Controle Social. do Programa Bolsa Família. Programa Bolsa Família

Guias e Manuais. Exercendo o. Controle Social. do Programa Bolsa Família. Programa Bolsa Família Guias e Manuais 2010 Exercendo o Controle Social do Programa Bolsa Família Programa Bolsa Família Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) Exercendo o Controle Social do Programa Bolsa

Leia mais

BOLSA FAMÍLIA À FAMÍLIA NO ACESSO À SAÚDE, À EDUCAÇÃO E À ASSISTÊNCIA SOCIAL TRANSFERÊNCIA DE RENDA E APOIO

BOLSA FAMÍLIA À FAMÍLIA NO ACESSO À SAÚDE, À EDUCAÇÃO E À ASSISTÊNCIA SOCIAL TRANSFERÊNCIA DE RENDA E APOIO BOLSA FAMÍLIA TRANSFERÊNCIA DE RENDA E APOIO À FAMÍLIA NO ACESSO À SAÚDE, À EDUCAÇÃO E À ASSISTÊNCIA SOCIAL 1 2 BOLSA FAMÍLIA TRANSFERÊNCIA DE RENDA E APOIO À FAMÍLIA NO ACESSO À SAÚDE, À EDUCAÇÃO E À

Leia mais

BOLSA FAMÍLIA TRANSFERÊNCIA DE RENDA E APOIO À FAMÍLIA NO ACESSO À SAÚDE, À EDUCAÇÃO E À ASSISTÊNCIA SOCIAL

BOLSA FAMÍLIA TRANSFERÊNCIA DE RENDA E APOIO À FAMÍLIA NO ACESSO À SAÚDE, À EDUCAÇÃO E À ASSISTÊNCIA SOCIAL BOLSA FAMÍLIA TRANSFERÊNCIA DE RENDA E APOIO À FAMÍLIA NO ACESSO À SAÚDE, À EDUCAÇÃO E À ASSISTÊNCIA SOCIAL 1 2 BOLSA FAMÍLIA TRANSFERÊNCIA DE RENDA E APOIO À FAMÍLIA NO ACESSO À SAÚDE, À EDUCAÇÃO E À

Leia mais

Cadastro Único e Programa Bolsa Família

Cadastro Único e Programa Bolsa Família Cadastro Único e Programa Bolsa Família Letícia Bartholo Secretária Adjunta Abril de 2014 A Secretaria A Secretaria Nacional de Renda de Cidadania (Senarc) é responsável pela gestão, em nível nacional,

Leia mais

Oficina O Uso dos Sistemas de Informação como Ferramentas de Gestão Local do SUAS

Oficina O Uso dos Sistemas de Informação como Ferramentas de Gestão Local do SUAS Oficina O Uso dos Sistemas de Informação como Ferramentas de Gestão Local do SUAS O Cadastro Único e a Gestão do SUAS: Essa ferramenta auxilia no processo de planejamento das ações socioassistenciais?

Leia mais

O reflexo da opinião pública nas eleições 2010 e as expectativas em relação ao Governo Dilma 1

O reflexo da opinião pública nas eleições 2010 e as expectativas em relação ao Governo Dilma 1 O reflexo da opinião pública nas eleições 2010 e as expectativas em relação ao Governo Dilma 1 Maria Salete Souza de Amorim 2 Resumo: A eleição presidencial de 2010, disputada por nove candidatos, dentre

Leia mais

POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF)

POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) Márcia Ribeiro de Albuquerque 1 Ana Carolina Alves Gomes 2 A questão das

Leia mais

Avaliação da Descentralização de Programas Sociais o caso do Bolsa Família no Nordeste V Seminário da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação Campinas, 27/09/2013 Cátia Wanderley Lubambo FUNDAJ/UFPE

Leia mais

A operacionalização da gestão de condicionalidades no Programa Bolsa Família (PBF) ocorre de forma:

A operacionalização da gestão de condicionalidades no Programa Bolsa Família (PBF) ocorre de forma: CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA ATORES RESPONSÁVEIS PELA GESTÃO A operacionalização da gestão de condicionalidades no Programa Bolsa Família (PBF) ocorre de forma:» Intersetorial: com os responsáveis

Leia mais

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS?

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS? COMO SE FAZ NO BRASIL: PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DE MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS COMO SE FAZ O MONITORAMENTO? O monitoramento de programas envolve as seguintes etapas:» 1ª etapa: Coleta regular de

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013

ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013 ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013 Evolução das transferências constitucionais e do Programa Bolsa Família entre os anos 2005 e 2012: uma análise comparativa MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Gabinete do Ministro

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Gabinete do Ministro Edição Número 251 de 30/12/2005 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Gabinete do Ministro GABINETE DO MINISTRO PORTARIA N o 666, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2005 Disciplina a integração entre

Leia mais

Município: JOÃO PESSOA / PB

Município: JOÃO PESSOA / PB O Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria foi lançado com o desafio de superar a extrema pobreza no país. O público definido como prioritário foi o dos brasileiros que estavam em situação de

Leia mais

Texto 2. Conhecendo o Índice de Gestão Descentralizada do Programa Bolsa Família (IGD-PBF) e o seu gerenciamento

Texto 2. Conhecendo o Índice de Gestão Descentralizada do Programa Bolsa Família (IGD-PBF) e o seu gerenciamento Texto 2 Conhecendo o Índice de Gestão Descentralizada do Programa Bolsa Família (IGD-PBF) e o seu gerenciamento Após estudarmos sobre o contexto histórico em torno do repasse de recurso financeiro por

Leia mais

REQUERIMENTO nº, de 2015. (Do Sr. Carlos Melles)

REQUERIMENTO nº, de 2015. (Do Sr. Carlos Melles) REQUERIMENTO nº, de 2015 (Do Sr. Carlos Melles) Requer a Convocação de Sessão Solene em 2016, em Homenagem ao vigésimo aniversário da Lei que criou o SIMPLES no Brasil. Senhor Presidente, Representando

Leia mais

VI - reconhecer as especificidades, iniquidades e desigualdades regionais e municipais no planejamento e execução das ações;

VI - reconhecer as especificidades, iniquidades e desigualdades regionais e municipais no planejamento e execução das ações; O Sistema Único de Assistência Social A seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos poderes públicos e da sociedade destinada a assegurar os direitos relativos à saúde,

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania 1) RECURSOS DO IGD-M PERGUNTA: Sobre os recursos do IGD-M referentes a dezembro de 2011, mas que só foram creditados na conta em janeiro de 2012, o gestor pode gastar esse recurso normalmente ou terá que

Leia mais

Programa Bolsa Família e Cadastro Único para Programas Sociais. Guia Rápido. O que os municípios devem fazer nos primeiros 60 dias de gestão

Programa Bolsa Família e Cadastro Único para Programas Sociais. Guia Rápido. O que os municípios devem fazer nos primeiros 60 dias de gestão Programa Bolsa Família e Cadastro Único para Programas Sociais Guia Rápido O que os municípios devem fazer nos primeiros 60 dias de gestão Janeiro de 2013 Apresentação Enfrentar a pobreza e as desigualdades

Leia mais

O Programa Bolsa Família

O Programa Bolsa Família Painel sobre Programas de Garantia de Renda O Programa Bolsa Família Patrus Ananias de Sousa Ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome República Federativa do Brasil Comissão de Emprego e Política

Leia mais

Programa Bolsa Família no Município de Manaus

Programa Bolsa Família no Município de Manaus SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE GESTÃO EDUCACIONAL DEPARTAMENTO DE GESTÃO EDUCACIONAL DIVISÃO DE APOIO A GESTÃO ESCOLAR GERÊNCIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES E PROGRAMAS ESPECIAIS Programa

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA MUNICÍPIO: ESTADO: DATA: / / PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA MUNICÍPIO: ESTADO: DATA: / / PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Departamento de Operação Coordenação Geral de Apoio à Gestão Descentralizada MANUAL DO ÍNDICE DE GESTÃO DESCENTRALIZADA

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA PORTARIA No- 251, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2012

GABINETE DA MINISTRA PORTARIA No- 251, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2012 GABINETE DA MINISTRA PORTARIA No- 251, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2012 Regulamenta a gestão das condicionalidades do Programa Bolsa Família, revoga a portaria GM/MDS nº 321, de 29 de setembro de 2008, e dá outras

Leia mais

Guias e Manuais. Fiscalização. do ProgramaBolsa Família. Programa Bolsa Família

Guias e Manuais. Fiscalização. do ProgramaBolsa Família. Programa Bolsa Família Guias e Manuais 2010 Fiscalização do ProgramaBolsa Família Programa Bolsa Família Fiscalização do Programa Bolsa Família Brasília - df 2010 2010 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Permitida

Leia mais

Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS

Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS Professores: Leonardo Martins Prudente e Adailton Amaral Barbosa Leite Brasília, Agosto de 2013 Política Nacional

Leia mais

PORTARIA Nº 321, DE 29 DE SETEMBRO DE 2008

PORTARIA Nº 321, DE 29 DE SETEMBRO DE 2008 PORTARIA Nº 321, DE 29 DE SETEMBRO DE 2008 Regulamenta a gestão das condicionalidades do Programa Bolsa Família, revoga a Portaria/MDS nº 551, de 9 de novembro de 2005, e dá outras providências. O MINISTRO

Leia mais

A garantia do direito à renda no Brasil: a experiência do Programa Bolsa Família

A garantia do direito à renda no Brasil: a experiência do Programa Bolsa Família A garantia do direito à renda no Brasil: a experiência do Programa Bolsa Família Rosani Cunha. Contextualização No Brasil, a Constituição Federal de 988 pode ser entendida como um marco da garantia de

Leia mais

Uma Análise dos Determinantes da Focalização do Programa Bolsa Família

Uma Análise dos Determinantes da Focalização do Programa Bolsa Família Uma Análise dos Determinantes da Focalização do Programa Bolsa Família BRASÍLIA-DF Março, 2013 Introdução Motivação Revisão de Literatura Metodologia Resultados Considerações Finais 2 Introdução Transferência

Leia mais

POLÍTICAS DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL NO BRASIL

POLÍTICAS DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL NO BRASIL POLÍTICAS DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL NO BRASIL Rosilene Cristina Rocha 1 O Brasil é uma república federativa formada pela união de 26 estados federados e do Distrito Federal. O país conta com 5.564 municípios,

Leia mais

O BRASIL SEM MISÉRIA NO SEU MUNICÍPIO Município: VITÓRIA DA CONQUISTA / BA O Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria foi lançado com o desafio de superar a extrema pobreza no país. O público

Leia mais

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo:

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo: FINANCIAMENTO DO SUAS: GESTÃO MUNICIPAL E AS DESIGUALDADES REGIONAIS Financiamento Foco: competências da gestão municipal, especialmente no enfrentamento das desigualdades regionais exige o debate sobre

Leia mais

IX Conferência Nacional de Assistência Social. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social

IX Conferência Nacional de Assistência Social. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social IX Conferência Nacional de Assistência Social Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social Programação da conferência poderá incluir: 1. Momento de Abertura, que contará

Leia mais

O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA

O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA Os expoentes do eixo de garantia de renda do Plano Brasil sem Miséria são o Programa Bolsa Família e o Benefício de Prestação Continuada (BPC), ambos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.272, DE 25 DE AGOSTO DE 2010. Regulamenta a Lei n o 11.346, de 15 de setembro de 2006, que cria o Sistema Nacional de

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR Irma Martins Moroni da Silveira FALAR DA CONTEMPORANEIDADE É REFLETIR SOBRE O TEMPO PRESENTE Falar do hoje da Assistência Social; Como

Leia mais

TEMAS DEBATIDOS DECISÕES DA COMISSÃO 1- SUPLÊNCIA DE SENADOR. Foram aprovadas as seguintes alterações:

TEMAS DEBATIDOS DECISÕES DA COMISSÃO 1- SUPLÊNCIA DE SENADOR. Foram aprovadas as seguintes alterações: Senado Federal Comissão da Reforma Política TEMAS DEBATIDOS DECISÕES DA COMISSÃO 1- SUPLÊNCIA DE SENADOR a) Redução de dois suplentes de Senador para um; b) Em caso de afastamento o suplente assume; em

Leia mais

I Oficina com os Estados: Fortalecer a Gestão para Concretizar a Proteção Social

I Oficina com os Estados: Fortalecer a Gestão para Concretizar a Proteção Social I Oficina com os Estados: Fortalecer a Gestão para Concretizar a Proteção Social OFICINAS DO XIV ENCONTRO NACIONAL DO CONGEMAS ENFRENTAMENTO AO TRABALHO INFANTIL NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA Nivia Maria

Leia mais

Orientação sobre Plano de Ação e Demonstrativo Sintético Anual de execução físico-financeira do SUAS

Orientação sobre Plano de Ação e Demonstrativo Sintético Anual de execução físico-financeira do SUAS Curitiba, 11 de junho de 2010. Orientação sobre Plano de Ação e Demonstrativo Sintético Anual de execução físico-financeira do SUAS 1. SUAS WEB O SUAS-Web é um sistema informatizado que o Ministério do

Leia mais

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO CONCEITUANDO... Vigilância Social : Produção e sistematização de informações territorializadas sobre

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate á Fome Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Programa Bolsa Família

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate á Fome Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Programa Bolsa Família Ministério do Desenvolvimento Social e Combate á Fome Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Programa Bolsa Família ENAP, 1 de abril de 2005 Criação do Bolsa Família Medida Provisória nº 132 de 20 de

Leia mais

AS ELEIÇÕES DE 2014 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA A POLÍTICA ECONÔMICA. Abril/2013

AS ELEIÇÕES DE 2014 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA A POLÍTICA ECONÔMICA. Abril/2013 AS ELEIÇÕES DE 2014 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA A POLÍTICA ECONÔMICA Abril/2013 Cenário Político 2 A conjuntura política brasileira aponta uma antecipação dos debates em torno da eleição presidencial de 2014,

Leia mais

expediente CRÉDITOS SuPeRVISÃO GABINETE SENARC COORDeNAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE APOIO À GESTÃO DESCENTRALIZADA MAuRÍCIO PINHeIRO FLeuRY CuRADO

expediente CRÉDITOS SuPeRVISÃO GABINETE SENARC COORDeNAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE APOIO À GESTÃO DESCENTRALIZADA MAuRÍCIO PINHeIRO FLeuRY CuRADO expediente SECRETARIA NACIONAL DE RENDA DE CIDADANIA - LuÍS HeNRIque DA SILVA De PAIVA SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DeNISe COLIN SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL MAYA

Leia mais

Eixo II - A GESTÃO DO SUAS: VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL, PROCESSOS DE PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

Eixo II - A GESTÃO DO SUAS: VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL, PROCESSOS DE PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO Eixo II - A GESTÃO DO SUAS: VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL, PROCESSOS DE PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO Evolução da Vigilância Socioassistencial no Brasil e no Município de São Paulo Introdução

Leia mais

Um país menos desigual: pobreza extrema cai a 2,8% da população Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) foram divulgados pelo IBGE

Um país menos desigual: pobreza extrema cai a 2,8% da população Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) foram divulgados pelo IBGE Um país menos desigual: pobreza extrema cai a 2,8% da população Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) foram divulgados pelo IBGE Brasília, 7 A pobreza extrema no país caiu a 2,8%

Leia mais

Especialização em Gestão Pública Programa Nacional de Formação em Administração Pública

Especialização em Gestão Pública Programa Nacional de Formação em Administração Pública Especialização em Gestão Pública Programa Nacional de Formação em Administração Pública MARCIA HACHICHO DOS SANTOS ALMEIDA O PODER PÚBLICO E A ERRADICAÇÃO DA MISÉRIA NA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROGRAMA BOLSA

Leia mais

A Vigilância Socioassistencial e a Implantação da NOB SUAS 2012

A Vigilância Socioassistencial e a Implantação da NOB SUAS 2012 A Vigilância Socioassistencial e a Implantação da NOB SUAS 2012 Luis Otavio Farias Coordenador Geral dos Serviços de Vigilância Social Departamento de Gestão do SUAS Secretaria Nacional de Assistência

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL - PETI

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL - PETI - PETI Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do governo para que adotem medidas

Leia mais

Relatório de Acompanhamento do Programa Bolsa Família

Relatório de Acompanhamento do Programa Bolsa Família Fls. 246 Relatório de Acompanhamento do Programa Bolsa Família TC n 022.093.2006-5 Fiscalis n.º 793/2006 Ministro Relator: Ubiratan Aguiar Modalidade: Acompanhamento Ato originário: Despacho do Ministro-Relator

Leia mais

Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015

Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015 Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015 A Coalizão é uma articulação da sociedade brasileira visando a uma Reforma Política Democrática. Ela é composta atualmente por 101 entidades,

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania 1) CONTRATAÇÃO DE PESSOAL PERGUNTA: Qual o período máximo do contrato, e se existe a possibilidade de contratação de instrutores para ministrar cursos de capacitação para beneficiários? RESPOSTA DO MEDIADOR:

Leia mais

Programa Bolsa Família: Avanço recentes e principais resultados

Programa Bolsa Família: Avanço recentes e principais resultados Programa Bolsa Família: Avanço recentes e principais resultados Luis Henrique Paiva Secretário Nacional de Renda de Cidadania Dezembro de 2014 2011-2014: Ciclo de Aperfeiçoamento do PBF e do Cadastro Único

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. Ana Luiza Neves de Holanda Barbosa** Carlos Henrique L. Corseuil***

1 INTRODUÇÃO. Ana Luiza Neves de Holanda Barbosa** Carlos Henrique L. Corseuil*** BOLSA FAMÍLIA, ESCOLHA OCUPACIONAL E INFORMALIDADE NO BRASIL* Ana Luiza Neves de Holanda Barbosa** Carlos Henrique L. Corseuil*** 1 INTRODUÇÃO O Bolsa Família (BF) é um programa assistencialista que visa

Leia mais

MÁRCIO NUNO RABAT. Consultor Legislativo da Área XIX Ciência Política, Sociologia Política, História, Relações Internacionais

MÁRCIO NUNO RABAT. Consultor Legislativo da Área XIX Ciência Política, Sociologia Política, História, Relações Internacionais Uma análise da proposta de sistema eleitoral denominado distritão a partir dos resultados das eleições de 2010 para a Câmara dos Deputados em São Paulo MÁRCIO NUNO RABAT Consultor Legislativo da Área XIX

Leia mais

PORTARIA GM/MDS Nº 551, DE 09 DE NOVEMBRO DE 2005

PORTARIA GM/MDS Nº 551, DE 09 DE NOVEMBRO DE 2005 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME PORTARIA GM/MDS Nº 551, DE 09 DE NOVEMBRO DE 2005 (Publicada no DOU nº 217, de 11 de novembro de 2005) Regulamenta a gestão das condicionalidades do

Leia mais

Partidos Políticos do Brasil

Partidos Políticos do Brasil Partidos Políticos do Brasil Fonte: http://www.suapesquisa.com/partidos/ INTRODUÇÃO 04.06.2012 Atualmente, a legislação eleitoral brasileira e a Constituição, promulgada em 1988, permitem a existência

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 545/2009.

LEI MUNICIPAL Nº 545/2009. LEI MUNICIPAL Nº 545/2009. EMENTA: INSTITUI O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA, NA EMANCIPAÇÃO SUSTENTADA DAS FAMÍLIAS QUE VIVEM EM SITUAÇÃO DE EXTREMA POBREZA, CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA,

Leia mais

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR 1 Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR A Definição e organização do sistema: 1 O Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial

Leia mais

ACESSO À EDUCAÇÃO E COMBATE À DESIGUALDADE: O PAPEL DA EDUCAÇÃO NO ÂMBITO DO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA

ACESSO À EDUCAÇÃO E COMBATE À DESIGUALDADE: O PAPEL DA EDUCAÇÃO NO ÂMBITO DO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA PARTE II ACESSO À EDUCAÇÃO E COMBATE À DESIGUALDADE: O PAPEL DA EDUCAÇÃO NO ÂMBITO DO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA José Henrique Paim Fernandes A literatura recente em políticas públicas aborda com bastante

Leia mais

Protocolo de Gestão Integrada de Serviços, Benefícios e Transferências de Renda no âmbito do Sistema Único de Assistência Social

Protocolo de Gestão Integrada de Serviços, Benefícios e Transferências de Renda no âmbito do Sistema Único de Assistência Social Protocolo de Gestão Integrada de Serviços, Benefícios e Transferências de Renda no âmbito do Sistema Único de Assistência Social Ms. Waleska Ramalho Ribeiro - UFPB A concepção republicana do SUAS requer

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

Gestão Municipal do Cadastro Único. Programa Bolsa Família

Gestão Municipal do Cadastro Único. Programa Bolsa Família Gestão Municipal do Cadastro Único e Programa Bolsa Família Gestora Olegna Andrea da Silva Entrevistadora e Operadora de Cadastro Ana Paula Gonçalves de Oliveira A porta de entrada para receber os bene?cios

Leia mais

Redução da Pobreza e Desigualdades e Inclusão Produtiva na América Latina: novas abordagens

Redução da Pobreza e Desigualdades e Inclusão Produtiva na América Latina: novas abordagens Redução da Pobreza e Desigualdades e Inclusão Produtiva na América Latina: novas abordagens Washington, DC 13 de março de 2006 Senhoras e Senhores É com imensa satisfação que me dirijo aos Senhores para

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto Acordo de Empréstimo BIRD - Nº 7841-BR PROJETO

Leia mais

AVALIAÇÃO DA INTENÇÃO DE VOTO EM MINAS GERAIS PARA AS ELEIÇÕES 2014

AVALIAÇÃO DA INTENÇÃO DE VOTO EM MINAS GERAIS PARA AS ELEIÇÕES 2014 AVALIAÇÃO DA INTENÇÃO DE VOTO EM MINAS GERAIS PARA AS ELEIÇÕES 2014 MINAS GERAIS JUNHO DE 2014 REGISTRO TSE: MG 00048/2014 REGISTRO TSE: BR 00188/2014 INTRODUÇÃO Este relatório contém os resultados de

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 01/13 PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE ORIENTAÇÕES GERAIS 2014/2017 Introdução: O planejamento em saúde configura-se como responsabilidade dos entes públicos, assegurada pela Constituição Federal

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA GUIA DE NAVEGAÇÃO APLICATIVO CONTROLE DE ACESSO. Versão do Guia: 1.1

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA GUIA DE NAVEGAÇÃO APLICATIVO CONTROLE DE ACESSO. Versão do Guia: 1.1 SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA GUIA DE NAVEGAÇÃO APLICATIVO CONTROLE DE ACESSO Versão do Guia: 1.1 Brasília, DF Fevereiro de 2011 2011 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

Leia mais

O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Presidência da República Controladoria-Geral da União O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA O Programa Bolsa Família foi instituído pelo Governo Federal, pela Lei nº 10.836, de 9 de janeiro

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Page 1 of 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.332, DE 19 DE OUTUBRO DE 2010. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84,

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.572, DE 28 DE SETEMBRO DE 2011. Regulamenta dispositivos da Medida Provisória n o 535, de 2 de junho de 2011, que tratam

Leia mais

O Programa Bolsa Família como estratégia para redução da pobreza e os processos de cooperação e coordenação intergovernamental para sua implementação

O Programa Bolsa Família como estratégia para redução da pobreza e os processos de cooperação e coordenação intergovernamental para sua implementação O Programa Bolsa Família como estratégia para redução da pobreza e os processos de cooperação e coordenação intergovernamental para sua implementação Resumo Rosani Evangelista da Cunha Bruno Henrique Benfica

Leia mais

Avaliação da integração do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) ao Programa Bolsa-Família (PBF)

Avaliação da integração do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) ao Programa Bolsa-Família (PBF) Avaliação da integração do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) ao Programa Bolsa-Família (PBF) Por: Maria das Graças Rua 1 Este relatório descreve o novo modelo do Programa de Erradicação

Leia mais

O BRASIL SEM MISÉRIA APRESENTAÇÃO

O BRASIL SEM MISÉRIA APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO O BRASIL SEM MISÉRIA O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome decidiu organizar este livro por vários motivos. Um deles é evitar que o histórico da construção do Plano Brasil

Leia mais

Seminário: Proteção Social e Trabalho Infantil

Seminário: Proteção Social e Trabalho Infantil Seminário: Proteção Social e Trabalho Infantil Enfrentamento ao trabalho infantil no Sistema Único de Assistência Social - SUAS 12 de junho de 2013 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família. Junho 2014

Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família. Junho 2014 Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família Junho 2014 Estratégia de Desenvolvimento no Brasil Estratégia de desenvolvimento no Brasil Crescimento econômico com inclusão social e

Leia mais

Sistema de Gestão do Programa Bolsa Família

Sistema de Gestão do Programa Bolsa Família Sistema de Gestão do Programa Bolsa Família Desde o dia 01 de dezembro, o novo sistema de Gestão do Programa Bolsa Família (SIGPBF) do Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) está disponível para os

Leia mais

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO:

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO: O Brasil e suas políticas sociais: características e consequências para com o desenvolvimento do país e para os agrupamentos sociais de nível de renda mais baixo nas duas últimas décadas RESUMO: Fernanda

Leia mais

Cartilha VOTE CONSCIENTE VOTE BEM

Cartilha VOTE CONSCIENTE VOTE BEM Cartilha VOTE VOTE BEM CONSCIENTE O mês de outubro marca a escolha de quem estará, durante os próximos anos, à frente do poder no Brasil. É um dos momentos mais significativos, pois é a hora de o brasileiro

Leia mais

e seus resultados na área de saúde

e seus resultados na área de saúde O Programa Bolsa Família e seus resultados na área de saúde Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Contexto histórico América Latina: proteção social baseada no seguro. Brasil, anos 1970,

Leia mais

Acompanhamento da Freqüência Escolar de Crianças e Jovens com Vulnerabilidade. Condicionalidades Bolsa Família

Acompanhamento da Freqüência Escolar de Crianças e Jovens com Vulnerabilidade. Condicionalidades Bolsa Família Acompanhamento da Freqüência Escolar de Crianças e Jovens com Vulnerabilidade Condicionalidades Bolsa Família 1) Constituição Federal: Frequência Escolar Marcos Legais -Art. 6º : Estabelece a educação

Leia mais

Instituição executora: N. C. Pinheiro ME. Equipe responsável: Neida Cortes Pinheiro e Sara Berardi.

Instituição executora: N. C. Pinheiro ME. Equipe responsável: Neida Cortes Pinheiro e Sara Berardi. ESTUDO SOBRE O DESENHO, A GESTÃO, A IMPLEMENTAÇÃO E OS FLUXOS DE ACOMPANHAMENTO DAS CONDICIONALIDADES DE SAÚDE ASSOCIADAS AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) PARA POVOS INDÍGENAS ficha técnica Instituição

Leia mais

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual 20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual Paulista da CONSOCIAL Prioridades Texto Diretriz Eixo Pontos 1 2 Regulamentação e padronização de normas técnicas para a elaboração dos Planos de Governo apresentados

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA GUIA DE NAVEGAÇÃO MÓDULO DE TRANSFERÊNCIA DE ARQUIVOS APLICATIVO UPLOAD /DOWNLOAD VERSÃO 1.1 BRASÍLIA DF Agosto/2015 2011 Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

Centro de Referência de Assistência Social. Paraná, agosto de 2012

Centro de Referência de Assistência Social. Paraná, agosto de 2012 Centro de Referência de Assistência Social Paraná, agosto de 2012 Centro de Referência de Assistência Social - CRAS Unidade pública estatal de base territorial, localizada em áreas de vulnerabilidade social

Leia mais

CAPACITAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA ÁREA DA ASSISTENCIA SOCIAL - MUNICÍPIOS DA REGIÃO DA ARDOCE

CAPACITAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA ÁREA DA ASSISTENCIA SOCIAL - MUNICÍPIOS DA REGIÃO DA ARDOCE CAPACITAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA ÁREA DA ASSISTENCIA SOCIAL - MUNICÍPIOS DA REGIÃO DA ARDOCE TEMA: Cofinanciamento, Demonstrativo Financeiro (Sim/Suas), e Sistema Suas. Junho/2013 1 1988: Constituição

Leia mais

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI)

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) Presidência da República Controladoria-Geral da União Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL (PETI) O PETI é um programa do Governo Federal que

Leia mais