A evolução da gestão de projetos em Minas Gerais: o Escritório Central de Projetos e o gerenciamento intensivo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A evolução da gestão de projetos em Minas Gerais: o Escritório Central de Projetos e o gerenciamento intensivo"

Transcrição

1 1 - Introdução A evolução da gestão de projetos em Minas Gerais: o Escritório Central de Projetos e o gerenciamento intensivo Thiago Coelho Toscano André Victor dos Santos Barrence O ano de 2003 foi marcado pelo início do movimento de reforma da Administração Pública do Estado de Minas Gerais, que culminou com a ruptura do modelo à época dominante e a transição para o que se qualificou como um novo paradigma de gestão pública. Em meio a estas mudanças, que receberam a denominação de Choque de Gestão, foram adotadas medidas emergenciais voltadas ao incremento da modernização e dinamização do setor público, de modo a consolidar uma gestão voltada à obtenção de resultados baseados na eficiência, qualidade e produtividade. A partir da construção do documento de planejamento de longo prazo, o Plano Mineiro de Desenvolvimento Integrado , bem como do Plano Plurianual de Ação Governamental , estabeleceu-se a estratégia e as principais diretrizes do governo de Minas Gerais, que foram desdobradas em uma carteira composta por 31 Projetos Estruturadores, sob a denominação de GERAES Gestão Estratégica de Recursos e Ações do Estado. Com vistas a promover as mudanças e inovações necessárias à melhoria da gestão pública mineira, houve a incorporação de ferramentas gerenciais à Administração Pública, dentre os quais destaca-se a estruturação do Escritório Central de Projetos, responsável pelo gerenciamento intensivo dos Projetos Estruturadores supracitados. Nesse sentido, a aplicação de instrumentos e técnicas de gerenciamento pelo Escritório demonstrou ser fator fundamental no alto desempenho alcançado pelos Projetos Estruturadores ao longo sua execução. A partir da revisão do Plano Mineiro de Desenvolvimento Integrado e da criação das áreas de resultado houve a reformulação da carteira de Projetos Estruturadores à carteira - em um total de 57. O presente trabalho tem o objetivo de demonstrar como a atuação do Escritório Central de Projetos e a utilização da metodologia de gerenciamento intensivo têm se consolidado como arranjos essenciais no modelo de gestão orientado por resultados, principal estratégia adotada pelo Governo do Estado de Minas Gerais. 2 - O Choque de Gestão e a Implantação do Escritório Central de Projetos de Minas Gerais O movimento de reforma do Estado encontra suas origens na década de 1970 quando em face à crise notoriamente marcada por dificuldades fiscais e esgotamento da capacidade de investimentos estatais, alguns países iniciaram suas primeiras reformas como uma tentativa de resposta à situação, sob a forma do que seria um novo paradigma de Administração Pública. Tal transição encontraria justificativa no argumento de que o método tradicional de organização do Poder Executivo se tornara demasiadamente lento, burocrático, pouco responsivo, improdutivo e incapaz de produzir os resultados que os cidadãos esperam de um governo, atingindo situações intoleráveis de ineficiência e 1

2 ineficácia. Segundo Bresser Pereira (1998), o problema da capacidade gerencial do Estado tornou-se fundamental e, ainda que em graus de importância bastante variados, obteve espaço nas agendas de vários países, visto que quase todos os governos comungavam a idéia de que era necessário tornar a gestão pública mais moderna e eficiente. Ao trazer a discussão para o nível de governos regionais, o ano de 2003 foi marcado pelo início do movimento reformista da Administração Pública do Estado de Minas Gerais, que culminou com a ruptura do modelo à época dominante e a transição para o que se qualificou como nova gestão pública. Àquela época, Minas Gerais apresentava uma das mais graves situações fiscais do país e, dentre outros problemas, o déficit fiscal acumulava R$ 2,4 bilhões de reais e perdurava por mais de uma década, salários eram pagos com atrasos e em escalas, vinculações constitucionais eram equivalentes a 103% da Receita Corrente Líquida, repasses do Governo Federal estavam suspensos, assim como créditos oriundos de organizações internacionais. Essa situação caótica teve como principais resultados a brusca queda de investimentos públicos, manutenção insatisfatória de bens públicos e baixa qualidade na provisão de serviços. Ademais, o processo de elaboração do orçamento para o Estado de Minas Gerais não respeitava o planejamento preconizado em seu instrumento legal, o Plano Plurianual de Ação Governamental (PPAG). A estratégia definida nos planos deveria determinar os orçamentos anuais e, em condições normais, a sociedade perceberia com transparência os resultados das políticas. O que se via na prática era a sobreposição do orçamento perante os planos, que perdiam sua razão de existir como a espinha dorsal da política pública. O resultado disso era a utilização da discricionariedade do Poder Executivo para promover escolhas políticas e outras práticas que não consideram os desejos da sociedade, seu principal patrocinador. Para superar as adversidades e recuperar o dinamismo da economia mineira foram adotadas medidas emergenciais voltadas ao incremento da modernização e dinamização do setor público, denominadas Choque de Gestão, no intuito de consolidar uma gestão voltada à obtenção de resultados baseada na eficiência, qualidade e produtividade. Laconicamente, dentre os principais aspectos da reforma, promoveu-se a extinção de Secretarias e cargos em comissão, fixação de teto remuneratório e instituição de cotação eletrônica de preços. Todavia, não obstante a adoção de tais medidas vigorosas com foco principal no ajuste fiscal, verificou-se que tais elementos foram combinados com iniciativas pujantes que visavam o desenvolvimento do Estado de Minas Gerais. Dessa forma, segundo nos relatam Marini, Martins e Vilhena (2006), ainda que em um contexto de crise do Estado, o Choque de Gestão implantado na Administração Pública mineira teve orientação voltada para o desenvolvimento, tendo como ponto de partida o planejamento estratégico, o que se caracterizou como o principal aspecto inovador de todo o processo. O processo de planejamento adotado à época foi denominado Duplo Planejamento (Derek apud Guimarães & Almeida, 2006:45), em referência ao caráter dual da abordagem que congregou estratégias de curto prazo, presentes na Lei Orçamentária Anual LOA, com estratégias de médio e longo prazos, constantes nos instrumentos de planejamento supracitados, cujo objetivo fora atingir excelência na gestão das atividades atuais com vistas a gerenciar as principais mudanças necessárias para o futuro. 2

3 A partir da construção dos instrumentos de planejamento de longo prazo, o Plano Mineiro de Desenvolvimento Integrado , bem como do Plano Plurianual de Ação Governamental , estabeleceu-se a estratégia e as principais diretrizes do governo de Minas Gerais, que foram desdobradas em uma carteira composta por 31 Projetos Estruturadores, sob a denominação de GERAES Gestão Estratégica de Recursos e Ações do Estado. Os Projetos Estruturadores apresentavam como características essenciais a capacidade de transformar a estratégia do governo em ações concretas e sinalizar as mudanças desejadas para a sociedade. Para tanto, tais iniciativas constituíram foco prioritário quanto à alocação de recursos do Estado de Minas Gerais. Faz-se pertinente destacar que, inicialmente, a escolha de um número reduzido de projetos justificou-se pelas restrições orçamentária e gerencial na qual se encontrava o Estado à época da consolidação do portfólio de projetos. No entanto, apesar de totalizarem um número limitado de projetos, o principal diferencial da carteira consistiu justamente na adoção de metodologia diferenciada de acompanhamento, que permitisse o gerenciamento intensivo de suas ações. Para tanto, recorreu-se à metodologia consagrada e plenamente utilizada em organizações do setor privado, baseadas na metodologia do Project Management Institute (PMI) e difundida através do Project Management Body of Knowledge (PMBOK). Todavia, foi necessária a customização das ferramentas e procedimentos preconizados pelo PMI, em virtude das diversas especificidades verificadas no gerenciamento de projetos na esfera pública. Com o intuito específico de atuar no planejamento e monitoramento intensivo da recém criada carteira de projetos estratégicos, foi instituído o Escritório Central de Projetos (Project Management Office - PMO) ligado à Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão de Minas Gerais, denominado Unidade de Apoio ao Gerenciamento de Projetos (UAGP). Afim de determinar as atribuições e competências da UAGP, faz-se relevante recorrer a Guimarães & Almeida (2006: 79) que destacam aquelas consideradas principais: padronizar os procedimentos de gerenciamento dos projetos; assessorar os Gerentes de Projetos no planejamento, execução e controle do projeto; acompanhar o desempenho do projeto, reportando a situação do projeto, os riscos e as restrições para os tomadores de decisão adotarem contramedidas; realizar a gestão estratégica orçamentária e financeira dos Projetos Estruturadores; realizar a gestão estratégica e financeira dos Projetos Estruturadores; apoiar o Gerente do Projeto em relação a demandas específicas. A partir da descrição acima relatada, é interessante um maior aprofundamento na metodologia utilizada pelo Escritório Central de Projetos, da mesma forma que relatar em seus pormenores como se dá a atuação da UAGP no gerenciamento intensivo dos Projetos Estruturadores em Minas Gerais. 3

4 3 - A Atuação do Escritório Central de Projetos de Minas Gerais Conforme apresentado, a experiência mineira em gerenciamento de projetos teve início em 2003 com a implantação do PMO central do governo e a incorporação de uma metodologia diferenciada voltada ao monitoramento de projetos qualificados como estratégicos. Verificou-se que, a partir do planejamento de longo prazo delineado para o Estado de Minas Gerais e da definição da carteira de Projetos Estruturadores, era necessária uma metodologia de gerenciamento capaz de atribuir metas desafiadoras e definir responsáveis específicos por cada uma das ações dos projetos, da mesma forma que estabelecer prazos para sua execução. Além disso, o acompanhamento sistemático dos projetos era imprescindível no intuito de produzir informações confiáveis que subsidiassem a tomada de decisões desde o nível tático até o estratégico. Ademais da confiabilidade das informações oriundas do monitoramento intensivo dos Projetos Estruturadores, a nova metodologia de gerenciamento mostrou-se instrumento importante na disseminação da estratégia do Estado em meio a suas organizações e poderoso aliado no estabelecimento de metas atreladas aos mecanismos de incentivo - outra iniciativa inovadora de Minas Gerais, cuja origem também remete ao Choque de Gestão. A atuação do Escritório Central de Projetos perpassa todo ciclo de vida dos projetos que compõem o portfólio, desde sua iniciação até o momento de seu encerramento. Tendo em vista o objetivo determinado para este trabalho, a abordagem referente à iniciação dos projetos foi realizada apenas de maneira sucinta, posto que o foco é uma análise mais voltada às etapas de planejamento, execução e controle dos projetos. No entanto, é necessário destacar como se deu a composição das equipes de projetos, que ocorreu justamente na fase de iniciação. Além da UAGP, a estrutura de gerenciamento de projetos adotada em Minas Gerais possui outras figuras centrais. O Gerente Executivo do Projeto pode ser caracterizado como o principal responsável pelo sucesso do projeto, visto que é o responsável pela tomada de decisões. Ademais de possuir habilidades gerenciais notoriamente reconhecidas, o fator experiência foi indispensável quando de sua designação, além do transito privilegiado nos meandros do governo e amplo conhecimento do tema afeito ao projeto de sua responsabilidade. Tendo em vista que alguns dos gerentes não poderiam dedicar-se exclusivamente ao projeto, em virtude de ocuparem posições estratégicas no governo de Minas Gerais, foi instituída a função de Gerente Adjunto, responsável por auxiliar diretamente o Gerente Executivo nos casos mencionados. Por fim, a fim de compor a matriz de responsabilidades dos projetos foram identificados coordenadores específicos para cada uma das ações dos projetos, que respondem diretamente ao Gerente Executivo, consolidando, assim a equipe dos projetos (Figura 1). De acordo com a definição de Guimarães & Almeida (2006: 80), vislumbra-se uma estrutura matricial balanceada, na qual há equidade de poder entre o gerente e as unidades funcionais/setoriais participantes do projeto (Figura 2). 3.1 Planejamento de Projetos Estruturadores Ao iniciar uma abordagem específica sobre a fase de planejamento dos Projetos Estruturadores, é primordial compreender que planejar constitui-se em um processo visando 4

5 o alcance de uma situação desejada de maneira mais efetiva, eficiente e eficaz, mediante a melhor concentração de esforços e de recursos disponíveis. Nesse sentido, resta claro que são necessários instrumentos dinâmicos e completos capazes de auxiliarem o Gerente Executivo e sua equipe ao longo de toda a execução do projeto. A UAGP tem como principal instrumento de planejamento o Plano de Projeto, elaborado a partir da Metodologia Estruturada de Planejamento e Controle de Projetos (MEPCP), desenvolvida e disseminada por Prado (2004). Durante todo o período de planejamento (vide Figura 3), são conduzidas sessões nas quais a equipe do Escritório Central de Projetos detalha exaustivamente os projetos, principalmente no tocante às premissas, escopo, Estrutura Analítica de Projeto (EAP), marcos e metas, matriz de responsabilidades e o planejamento de custos que, após adequação à receita prevista, dará origem ao orçamento anual, junto com as demais despesas do governo. Além disso, a sessão inicial (Kick Off) e as demais sessões que se seguem cumprem papel importante em relação ao gerenciamento de riscos e oportunidades, na qual são identificadas restrições e possibilidades que podem afetar a performance dos projetos. Ao final do ciclo, ocorre a validação dos Planos de Projeto elaborados e do planejamento na denominada Reunião Gerencial, com a participação do Governador do Estado e os principais dirigentes que compõem o nível estratégico do governo, na qual são pactuadas as metas para o exercício seguinte, sintetizadas no documento denominado Painel de Controle de Compromissos. Com isso, inicia-se o monitoramento intensivo dos projetos por parte da equipe do PMO central. 3.2 Monitoramento Intensivo de Projetos Estruturadores O Escritório Central de Projetos apóia as equipes dos Projetos Estruturadores (Gerente Executivo, Gerente Adjunto e coordenadores de ações) através da incorporação de técnicas e ferramentas de gestão de projetos, dentre as quais se destacam o desenvolvimento dos Planos de Projetos; construção de Estrutura Analítica de Projeto, desenvolvimento de cronogramas, desdobramento de metas anuais em metas mensais, gerenciamento de riscos e oportunidades e o alinhamento entre projetos que possuem sinergia. Mensalmente, a UAGP acompanha, analisa e avalia o desempenho físico-financeiro dos Projetos Estruturadores de forma a assegurar o desembolso de recursos públicos em consonância com a realização física integração entre planejamento e orçamento e propor alternativas de correção e redimensionamento das restrições, riscos e dificuldades encontrados na execução de cada um dos projetos. Mediante a elaboração de relatórios de acompanhamento referentes à execução dos Projetos Estruturadores, denominados Status Report (Figura 5), a UAGP subsidia a alta cúpula governamental em seu processo de tomada de decisões. O relatório de Status merece destaque não apenas em função da precisão das informações físico-financeiras nele contidas, mas principalmente pela presença de análises qualitativas, mediantes as quais é possível obter maior refinamento e minúcia sobre o andamento das ações, o que vai subsidiar o preenchimento do farol de andamento: Marcos em dia: VERDE; Marcos com até 60 dias de atraso: AMARELO; Marcos com atrasos superiores a 60 dias: VERMELHO. 5

6 Naquelas ações que não possuem marcos, o farol deverá obedecer ao acompanhamento da meta no gráfico, segundo a regra a seguir: Meta em dia ou superada: VERDE; Meta concluída em até 80%: AMARELO; Meta concluída abaixo de 80%: VERMELHO. Compõem também o Status Report as informações referentes à execução do orçamento do projeto. Com base nas informações do Sistema Integrado de Administração Financeira (SIAFI), são apresentadas as informações que dizem respeito aos recursos autorizados para o ano, o quanto já foi gasto (empenhado), alterações orçamentárias, discriminados pela origem do recurso (fonte) e seu grupo de despesa (custeio, capital, etc.). Além do farol de andamento e da execução orçamentária e financeira, os relatórios de situação trazem ainda o cálculo da taxa de execução dos projetos, tendo como base o desempenho mensal alcançado em relação a marcos, metas físicas e situação financeira. É importante ressaltar que a taxa de execução dos Projetos Estruturadores constitui um dos itens de maior relevância em relação aos Acordos de Resultado firmados pelos órgãos da administração pública de Minas Gerais, que resultarão no pagamento de prêmios de produtividade aos servidores. Conforme acima abordado, a partir dos Status Report é possível que sejam identificados dificuldades e riscos específicos de cada projeto, sendo necessária a proposição de contramedidas capazes de mitigar seus efeitos caso venham a ocorrer. Com base em uma escala de análise específica, é traçado um Plano de Ação (Figura 6) no qual são abordados riscos considerados iguais ou superiores a médio. Neste documento são descritas as situações verificadas, ações que devem ser adotadas para superá-las, identificados responsáveis com prazos determinados para sua resolução e preenchido o respectivo farol de andamento, nos moldes do relatório de situação no qual se insere. Outra ferramenta importante e inovadora na gestão pública do Estado de Minas Gerais é o Painel de Controle (Figura 7), um relatório gerencial, sintetizado, que possibilita o acompanhamento trimestral do cumprimento dos marcos e metas estratégicos, referentes aos Projetos Estruturadores. As informações deste relatório são extraídas do monitoramento mensal e, em virtude de sua representação visual, permitem à alta gerência uma leitura dinâmica dos projetos em um único momento, sem que haja dispêndios com outras reuniões, relatórios, estudos, pesquisas e documentos fragmentados. Por fim, a partir dos relatórios de situação dos projetos, sistematicamente também é elaborada uma Agenda Positiva, na qual são apresentados os principais resultados alcançados a partir implementação das ações que compõem os projetos, contemplando de forma cronológica a execução e os resultados previstos e/ou realizados no exercício. Nesse sentido, pode-se afirmar que a Agenda Positiva retrata as principais realizações dos Projetos Estruturadores, tendo como cliente direto a Comunicação do Governo, responsável pela difusão das informações tanto internamente ao governo quanto frente à sociedade, com o objetivo de consolidar um novo formato de accountability de resultados, de acordo a concepção defendida por Behn (1998). Tendo sido abordados os principais instrumentos utilizados pela equipe do PMO de Minas Gerais no monitoramento dos projetos estratégicos (Status Report, Plano de Ação, 6

7 Painel de Controle e Agenda Positiva), é relevante que sejam também apresentados alguns dos resultados obtidos até o presente momento com a utilização da metodologia específica, além dos principais desafios que se colocam ao Escritório Central em busca da maturidade em gerenciamento de projetos. 4 Principais Resultados e Desafios ao Gerenciamento de Projetos em Minas Gerais A aplicação de instrumentos e técnicas de gerenciamento, a implantação do Escritório Central de Projetos, as novas definições na estrutura organizacional, bem como a constante qualificação da equipe do PMO, se destacaram como fatores primordiais para o alto desempenho alcançado pelos Projetos Estruturadores ao longo sua execução e, conseqüentemente, contribuíram fortemente para os resultados positivos atingidos pelo Governo de Minas Gerais. De acordo com Guimarães & Almeida (2006: 89), em face à impossibilidade de que se utilizem indicadores de realização física que permitam a comparação entre os Projetos Estruturadores, passíveis de gerenciamento intensivo, e os demais projetos que não recebem o mesmo tratamento, utiliza-se o desempenho orçamentário proxy da realização física. Para tanto, foram consideradas apenas os recursos do Tesouro Estadual (ou recursos ordinários) alocados para investimento. Ao analisar da Tabela 1, resta clara a aderência do planejamento e orçamento à estratégia do Estado, uma vez que se encontra expressiva variação na evolução do crédito autorizado para os Projetos Estruturadores em contraponto a uma pequena alteração em se tratando de outros projetos que não foram contemplados pelo gerenciamento intensivo, o que demonstra a influência da estratégia na alocação dos recursos. Segundo os dados contidos na Tabela 2, fica evidenciada a melhor execução dos Projetos Estruturadores, considerando toda despesa de capital (inversões e investimentos), ou seja, despesas que contribuem para a formação de bens patrimoniais, atingindo 86% em 2004 e evoluindo até 98% no ano de Os demais projetos, por sua vez, executaram 74% de seu recurso de capital em 2004 e 95% em 2007, ou seja, sempre aquém do Estruturadores. Dessa forma, ainda que alguns dos resultados alcançados pela atuação do Escritório de Projetos sejam indiretos e de complexa mensuração (apesar de extremamente relevantes), é inegável que aqueles passíveis de serem quantificados apontam os efeitos benéficos do gerenciamento intensivo de projetos, assegurando não apenas a alocação de recursos em ações estratégicas, como também o aumento considerável da economia e execução acima da média dos recursos disponíveis. Em 2006, com a manutenção do governo e o novo contexto da economia mineira houve o aprimoramento do modelo a partir da revisão do Plano Mineiro de Desenvolvimento Integrado , a criação de áreas de resultado com objetivos estratégicos específicos e a incorporação de novos Projetos Estruturadores à carteira - em um total de 57. Verificou-se ainda o aprimoramento da estratégia inicialmente estabelecida para o Estado, com a introdução de indicadores finalísticos (outcomes) e metas estabelecidas para os anos de 2007, 2011 e

8 Da mesma forma que o planejamento estratégico e a carteira de Projetos Estruturadores, foi também necessário que o gerenciamento intensivo se inserisse em um processo de evolução e avançasse na constante busca de atingir níveis maiores de maturidade. Tendo em vista os desafios impostos por um portfólio de projetos mais robusto, vislumbrou-se não apenas um aumento no tocante ao porte e à equipe do PMO, como também houve considerável incremento em relação à aplicação de novas tecnologias à gestão de projetos, capazes de assegurar maior dinamismo, precisão e confiabilidade às informações prestadas a todos os níveis do governo. Dentre as principais inovações apresentadas merece destaque a implantação do Sistema de Gerenciamento Online de Projetos Estruturadores (vide Figura 9). Este sistema consiste em uma solução desenvolvida com diversas tecnologias e baseada em modelo web, proporcionando acesso remoto tanto pela equipe do PMO quanto por Gerente Executivo, Gerente Adjunto, coordenadores de ação e Secretários de Estado, e partir de recursos de SharePoin 1 t são disponibilizadas informações auxiliares ao gerenciamento intensivo como cronogramas de ação, Status Report, Planos de Ação e outros documentos atinentes ao projeto. Numa segunda fase evolutiva, todas as outras ferramentas utilizadas hoje migrarão para o sistema, possibilitando atualizações automáticas e disponibilidade online. É imprescindível destacar que o sucesso da implantação da solução supramencionada resulta de uma longa maturação dos processos do PMO que foram incorporados pelo sistema, além de uma exaustiva pesquisa no tocante a qual ferramenta melhor se adequaria às necessidades e especificidades encontradas no gerenciamento dos Projetos Estruturadores. Ademais, resta claro que a opção pelo modelo adotado passou pela efetiva verificação do custo / benefício da solução, bem como dos ganhos de produtividades dela advindos. Ainda em relação aos desafios a serem superados em busca da excelência em gestão de projetos no atual contexto do Estado de Minas Gerais, é pertinente destacar a necessidade de aprimoramento de indicadores de projeto, capazes de mensurar em um espaço de tempo inferior aos já mencionados indicadores finalísticos em que medida os projetos têm atendido seus objetivos e implementado as mudanças propostas na realidade. Isso permitirá não apenas comunicar de forma clara e concisa a conexão dos projetos e conseqüentemente suas ações com a estratégia do governo, mas também avaliar a causalidade dos projetos com os resultados que visam alcançar. 5 - Conclusão A experiência do Escritório Central de Projetos do Estado de Minas Gerais pode ser considerada pioneira em se tratando de PMO s de governo no Brasil, verificando-se, posteriormente, não apenas a difusão bem sucedida de escritórios centrais em outros Estados, como também a criação de escritórios setoriais, como nas áreas ambiental e de infra-estrutura em Minas Gerais, o que reforça, por sua vez, a evolução da gestão de projetos em Minas Gerais. A introdução de metodologia diferenciada na gestão de projetos governamentais tem-se mostrado favorável ao aumentar a clareza na definição de objetivos, eficiência na alocação 1 O SharePoint é a ferramenta da Microsoft voltada para construção de Portais que integra a família Office. 8

9 de recursos públicos, eficácia na destinação de benefícios diretos à população, promover alinhamento de setores do governo e, principalmente, prover suporte técnico preciso na tomada de decisões estratégicas. Apesar dos resultados favoráveis já atingidos com a implantação do gerenciamento intensivo focado em projetos estratégicos e a atuação do PMO Central, é inegável que haja importantes obstáculos a serem superados rumo à excelência em gestão de projetos governamentais, como parte de um constante processo de evolução e maturidade. Dessa forma, tendo em vista os relatos e resultados observados a partir da experiência mineira, cada vez se torna mais latente a importância dos Escritórios de Projetos enquanto ferramentas imprescindíveis em busca do aprimoramento da gestão pública. Bibliografia BARZELAY, Michael. The New Public Management: improving research and policy dialogue. [S.L.] University of California Press, BEHN, Robert D. O novo paradigma da gestão pública e a busca da accountability democrática. Revista do Serviço Público. Brasília, Ano 49, nº 4, p.5-45, Out.-Dez BRESSER PEREIRA, Luiz Carlos (1998). A reforma do Estado dos anos 90: lógica e mecanismos de controle. Lua Nova Revista de Cultura e Política. São Paulo, CEDEC, nº 45, p GUIMARÃES, Tadeu; ALMEIDA, Bernardo (2006). O duplo planejamento, em O Choque de Gestão em Minas Gerais: políticas públicas de gestão para o desenvolvimento, Renata Vilhena... [et al.]. (organizadores), Belo Horizonte, Editora UFMG. MARINI, Caio; MARTINS, Humberto Falcão; VILHENA, Renata (2006). A integração das políticas de gestão e sua orientação para o desenvolvimento, em O Choque de Gestão em Minas Gerais: políticas públicas de gestão para o desenvolvimento, Renata Vilhena [et al.]. (organizadores), Belo Horizonte, Editora UFMG. MINAS GERAIS. Secretaria de Planejamento e Gestão. Subsecretaria de Planejamento e Orçamento. Superintendência Central de Planejamento. Plano Mineiro de Desenvolvimento Integrado PMDI. Belo Horizonte: SEPLAG, p. MINAS GERAIS. Secretaria de Planejamento e Gestão. Subsecretaria de Planejamento e Orçamento. Superintendência Central de Planejamento. Plano Plurianual de Ação Governamental 2004/2007. Belo Horizonte: SEPLAG, v. PRADO, Darci Santos do (2004). Gerenciamento de Portfólios, Programas e Projetos nas Organizações. INDG Tecnologia e Serviços. Nova Lima, MG. 284.:il Série Gerência de Projetos Volume 1, 4ª edição. PRADO, Darci Santos do (2004). Planejamento e Controle de Projetos. INDG Tecnologia e Serviços. Nova Lima, MG. 284.:il Série Gerência de Projetos Volume 2, 6ª edição. Resenha Biográfica Thiago Coelho Toscano Graduado em Economia. MBA em Administração de Empresas. Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão de Minas Gerais. Subsecretário de Planejamento e Orçamento. Rua Tomás Gonzaga, 686 Lourdes CEP Belo Horizonte Minas Gerais Brasil 9

10 Anexos Telefone: André Victor dos Santos Barrence Graduado em Administração Pública e Direito. Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental. Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão de Minas Gerais. Superintendente Central de Coordenação Geral. Rua Tomás Gonzaga, 686 Lourdes CEP Belo Horizonte Minas Gerais Brasil Telefone: Figura 1 Equipe do Projeto Estruturador Figura 2 Estrutura Organizacional 10

11 Figura 3 Ciclo de Planejamento dos Projetos Estruturadores Figura 4 Dinâmica de Monitoramento de Projetos 11

12 Figura 5 Status Report dos Projetos Estruturadores Relatório de Projeto Estruturador do Governo de Minas Gerais PROJETO ESTRUTURADOR: ESCOLA EM TEMPO INTEGRAL RESPONSÁVEL: Gustavo Marques Nominato FÍSICO: 35.55% FINANCEIRO: 27.72% TESOURO: 49.22% PERÍODO DA VISÃO: Até 12/06/2008 Relatório de Ação Ação: AMPLIAÇÃO DAS ESCOLAS EM TEMPO INTEGRAL Responsável: Gustavo Marques Nominato Período da Visão: Até 12/06/2008 Órgão: EDUCACAO Físico: 40.00% Financeiro: Tesouro: 0.00% 14.18% Situação Financeira GFP Crédito Inicial Crédito Autorizado Cota Aprovada $ ,00 $ ,00 $ , $ ,00 $ ,00 $ ,00 Despesa Realizada Saldo Anual Solicitado no Mês $ ,47 $0,00 $0,00 $7.000,00 $ ,00 $0,00 Etapas e Marcos Nome Término Planej. Tend. de Término Término Real Demandas para oferta de Escolas em Tempo Integral em 2008 identificadas 21/12/07 21/12/07 21/12/07 Ambiente Web atualizado/implementado 31/01/08 22/02/08 22/02/08 Termo de Parceria com OSCIP responsável pelo JEMG revisto e assinado 14/12/07 29/02/08 29/02/08 Módulos descentralizados de capacitação de educadores das Escolas em Tempo Integral (presencial e EAD) estruturados 28/03/08 21/04/08 21/4/2008 1o Relatório bimestral do Modelo de Gestão das Escolas em Tempo Integral elaborado 30/04/08 22/05/08 22/5/2008 2o Relatório bimestral do Modelo de Gestão das Escolas em Tempo Integral elaborado 30/06/08 22/07/08 3o Relatório bimestral do Modelo de Gestão das Escolas em Tempo Integral elaborado 30/09/08 22/10/ alunos beneficiados com merenda escolar nas Escolas em Tempo Integral (200 dias letivos) 14/11/08 08/12/08 12

13 Metas Meta: Escolas de Tempo Integral com Infra-estrutura adequada Dados das Metas Ano Mês Meta Valor realizado 2008 Mai Jul Out Dez 1200 Figura 6 Modelo de Plano de Ação Plano de Ação Área de Resultado Projeto Estruturador Investimento e Valor Agregado da Produção Cresce Minas Oferta e Distribuição de Energia Elétrica Data de Farol O que? Classe Contramedida Responsável Prazo Interface Situação Cadastro 11/04/08 Obtenção APEFs (Autorização para Exploração Florestal) para as obras do Sistema de Subtransmissão Agendar visitas Amauri técnicas a campo Premissa Reigado 30/04/08 SEMAD 16/05/08 para vistoria em (CEMIG) todos os lotes Visitas técnicas foram agendadas. Visitas a alguns lotes já ocorreram e as APEFs já foram concedidas ou estão no processo final de obtenção das APEFS. 13

14 Figura 7 Painel de Controle 14

15 Figura 8 Agenda Positiva Figura 9 Sistema de Gerenciamento Online com Destaque para as Áreas de Resultado 15

16 Tabela 1 Influência da Estratégia na Alocação de Novos Recursos Programa Crédito 2004 Crédito 2007 Variação Estruturador Não-estruturador R$ R$ R$ R$ % 53% Fonte: Sistema de Administração Financeira - SIAFI Tabela 2 Desempenho Financeiro dos Projetos Estruturadores Pr ograma Estruturador Não-estruturador 86% 74% 94% 87% 97% 89% 98% 95% Fonte: Sistema de Administração Financeira - SIAFI 16

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI Secretaria/Órgão: Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento

Leia mais

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Reunião de Abertura do Monitoramento 2015 Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Roteiro da Apresentação 1. Contextualização; 2. Monitoramento; 3. Processo de monitoramento;

Leia mais

Gestão de Programas Estruturadores

Gestão de Programas Estruturadores Gestão de Programas Estruturadores Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais

Leia mais

GRUPOS TEMÁTICOS: I - Monitoramento & Avaliação dos Programas do

GRUPOS TEMÁTICOS: I - Monitoramento & Avaliação dos Programas do GRUPOS TEMÁTICOS: I - Monitoramento & Avaliação dos Programas do Governo e II - Plano de Governo / Planejamento Estratégico 1. Em que situação encontra-se o produto em seu Estado? Em contratação; Em construção

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP DARCI PRADO Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP Versão 2.0.0 Janeiro 2014 Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" 3ª Edição (a publicar)

Leia mais

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar março de 2012 Introdução Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar na gestão pública. A criação

Leia mais

Gestão de Projetos. Treinamento dos APGE s. Weslei Gomes de Sousa, PMP Coordenador de Gestão de Projetos AMGE/SG/MPF Escritório de Projetos do MPF

Gestão de Projetos. Treinamento dos APGE s. Weslei Gomes de Sousa, PMP Coordenador de Gestão de Projetos AMGE/SG/MPF Escritório de Projetos do MPF 2014 Gestão de Projetos Treinamento dos APGE s Procuradoria Geral da República PGR Weslei Gomes de Sousa, PMP Coordenador de Gestão de Projetos AMGE/SG/MPF Escritório de Projetos do MPF Assessoria de Modernização

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Grupo de Consultores em Governança de TI do SISP 20/02/2013 1 Agenda 1. PMI e MGP/SISP 2. Conceitos Básicos - Operações e Projetos - Gerenciamento de Projetos - Escritório de

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL RESOLUÇÃO SEPLAG no. xx/xxxx Disciplina o funcionamento das Comunidades de Prática CoPs no âmbito do Poder Executivo Estadual, vinculadas

Leia mais

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011.

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o São estabelecidas, em cumprimento

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

Implantação da Gestão de Projetos na Gerência de Planos, Metas e Políticas de Saúde

Implantação da Gestão de Projetos na Gerência de Planos, Metas e Políticas de Saúde TÍTULO DA PRÁTICA: Implantação da Gestão de Projetos na Gerência de Planos, Metas e Políticas de Saúde CÓDIGO DA PRÁTICA: T20 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 No início de 2010, após

Leia mais

Mapa Estratégico de Minas Gerais

Mapa Estratégico de Minas Gerais Mapa Estratégico de Minas Gerais ORGANIZAÇÃO DAS ÁREAS DE RESULTADO => Desafios setoriais Desdobrados em: => Objetivos Estratégicos Traduzidos em: => Resultados Finalísticos: Indicadores e Metas Materializados

Leia mais

Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos

Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos Fevereiro/2014 AGENDA Gestão de Riscos Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos AGENDA Gestão de Riscos Metodologia de Gestão

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

O movimento de modernização da gestão pública no Brasil e seus desafios

O movimento de modernização da gestão pública no Brasil e seus desafios O movimento de modernização da gestão pública no Brasil e seus desafios 10 de Novembro de 2011 2º Congresso de Gestão do Ministério Público Informação confidencial e de propriedade da Macroplan Prospectiva

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Manual de Gerenciamento de Projetos

Manual de Gerenciamento de Projetos TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA ESCRITÓRIO DE PROJETOS ESTRATÉGICOS (EPE) Manual de Gerenciamento de Projetos SISTEMA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Anexo da Portaria

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO INTEGRADA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA - PMIMF MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA ATORES DA REDE DE INOVAÇÃO 2 O MODELO CONTEMPLA: Premissas e diretrizes de implementação Modelo

Leia mais

Monitoramento do PPAG e SIGPlan Exercício 2015 Principais Diretrizes. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO

Monitoramento do PPAG e SIGPlan Exercício 2015 Principais Diretrizes. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Monitoramento do PPAG e SIGPlan Exercício 2015 Principais Diretrizes Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Roteiro da Apresentação Monitoramento do PPAG; Sistema de

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012. Institui o Programa de Fortalecimento Institucional da ANAC. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no exercício das competências

Leia mais

13. DEMONSTRATIVO DE CAPACIDADE E SUSTENTABILIDADE FINANCEIRAS 13.1 Demonstração da sustentabilidade financeira 13.2 Estratégia de gestão

13. DEMONSTRATIVO DE CAPACIDADE E SUSTENTABILIDADE FINANCEIRAS 13.1 Demonstração da sustentabilidade financeira 13.2 Estratégia de gestão 13. DEMONSTRATIVO DE CAPACIDADE E SUSTENTABILIDADE FINANCEIRAS 13.1 Demonstração da sustentabilidade financeira 13.2 Estratégia de gestão econômico-financeira 13.3 Planos de investimentos 13.4 Previsão

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos Gestão por Processos Gestão por Projetos Gestão por Processos Gestão de Processos de Negócio ou Business Process Management (BPM) é um modelo de administração que une gestão de negócios à tecnologia da

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP DARCI PRADO Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP Versão 2.2.0 Julho 2014 Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" 3ª Edição (a publicar)

Leia mais

Publicada no D.O. de 14.06.2012 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 714 DE 13 DE JUNHO DE 2012

Publicada no D.O. de 14.06.2012 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 714 DE 13 DE JUNHO DE 2012 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO Publicada no D.O. de 14.06.2012 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 714 DE 13 DE JUNHO DE 2012 NORMATIZA A SOLICITAÇÃO PARA INCLUSÃO, NOS

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 11 de maio de 2011 Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 1 ANÁLISE DOS RESULTADOS DO SPAECE-ALFA E DAS AVALIAÇÕES DO PRÊMIO ESCOLA NOTA DEZ _ 2ª Etapa 1. INTRODUÇÃO Em 1990, o Sistema de Avaliação

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Gestão de Portfólio de Projetos

Gestão de Portfólio de Projetos Dez/2010 Gestão de de Projetos Prof. Américo Pinto FGV, IBMEC-RJ, PUC-RJ, COPPEAD Email: contato@americopinto.com.br Twitter: @americopinto Linkedin: Americo Pinto Website: www.americopinto.com.br Por

Leia mais

DECRETO Nº 1.528, DE 21 DE AGOSTO DE 2008.

DECRETO Nº 1.528, DE 21 DE AGOSTO DE 2008. DECRETO Nº 1.528, DE 21 DE AGOSTO DE 2008. Dispõe sobre modificações no processo de implantação do monitoramento dos programas e ações governamentais, no âmbito da Administração Pública do Estado de Mato

Leia mais

PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO E QUALIDADE DO GASTO PÚBLICO: uma análise da continuidade dos investimentos na Câmara dos Deputados

PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO E QUALIDADE DO GASTO PÚBLICO: uma análise da continuidade dos investimentos na Câmara dos Deputados ALESSANDRO LUIZ CHAHINI ESCUDERO PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO E QUALIDADE DO GASTO PÚBLICO: uma análise da continuidade dos investimentos na Câmara dos Deputados Projeto de pesquisa apresentado ao Programa

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

Implantação do Gerenciamento de Projetos no Processo de Expansão de Alta Tensão da CEMIG-D: Os Desafios da Mudança Cultural

Implantação do Gerenciamento de Projetos no Processo de Expansão de Alta Tensão da CEMIG-D: Os Desafios da Mudança Cultural Implantação do Gerenciamento de Projetos no Processo de Expansão de Alta Tensão da CEMIG-D: Os Desafios da Mudança Cultural Júlio César Marques de Lima Agenda O Processo de Expansão AT da CEMIG-D. Cronograma

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DE PROJETOS: Guia de referência do sistema de gestão de projetos do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região

MANUAL DE GESTÃO DE PROJETOS: Guia de referência do sistema de gestão de projetos do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região MANUAL DE GESTÃO DE PROJETOS: Guia de referência do sistema de gestão de projetos do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região Belém PA 2013 MANUAL DE GESTÃO DE PROJETOS: Guia de referência do sistema

Leia mais

"A experiência da implantação do PMO na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia" Marta Gaino Coordenadora PMO

A experiência da implantação do PMO na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia Marta Gaino Coordenadora PMO "A experiência da implantação do PMO na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia" Marta Gaino Coordenadora PMO Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia A Sefaz/BA é um órgão da Administração Pública Direta

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS O que é um Projeto? Regra Início e fim definidos Destinado a atingir um produto ou serviço único Escopo definido Características Sequência clara e lógica de eventos Elaboração

Leia mais

CIDADE ADMINISTRATIVA DE MINAS GERAIS:

CIDADE ADMINISTRATIVA DE MINAS GERAIS: III Congresso Consad de Gestão Pública CIDADE ADMINISTRATIVA DE MINAS GERAIS: MAIOR EFICIÊNCIA E ECONOMIA PARA A GESTÃO PÚBLICA E SUAS CONTRATAÇÕES Renata Maria Paes de Vilhena Emilia Guimarães Painel

Leia mais

2. Gerenciamento de projetos

2. Gerenciamento de projetos 2. Gerenciamento de projetos Este capítulo contém conceitos e definições gerais sobre gerenciamento de projetos, assim como as principais características e funções relevantes reconhecidas como úteis em

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

RELATO DA INICIATIVA OU PROJETO

RELATO DA INICIATIVA OU PROJETO Prefeitura Municipal de Vitória Controladoria Geral do Município RELATO DA INICIATIVA OU PROJETO Nome da Iniciativa ou Projeto Portal de Transparência Vitória Caracterização da situação anterior O Portal

Leia mais

Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise

Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise CUSTOMER SUCCESS STORY Dezembro 2013 Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise PERFIL DO CLIENTE Indústria: Setor público Companhia: Dataprev Empregados: 3.000+

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO SEPLAG. GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS Alberto Pinto Coelho

SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO SEPLAG. GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS Alberto Pinto Coelho SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO SEPLAG GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS Alberto Pinto Coelho SECRETÁRIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO Renata Maria Paes de Vilhena SUBSECRETÁRIA DE

Leia mais

Gestão de Processos Estratégicos

Gestão de Processos Estratégicos Gestão de Processos Estratégicos Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais e

Leia mais

Justificativa da iniciativa

Justificativa da iniciativa Sumário Justificativa da iniciativa O que é o Framework? Apresentação básica de cada ferramenta Quais projetos serão avaliados por meio do Framework? Fluxo de avaliação Expectativas Justificativa da iniciativa

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

O que é um projeto? Características de um projeto. O Que é o PMBoK Guide 3º Edition? Desmembrando o PMBoK através de mapas mentais (Mindmaps)

O que é um projeto? Características de um projeto. O Que é o PMBoK Guide 3º Edition? Desmembrando o PMBoK através de mapas mentais (Mindmaps) O que é um projeto? Projeto é um empreendimento não repetitivo, caracterizado por uma sequência clara e lógica de eventos, com início, meio e fim, que se destina a atingir um objetivo claro e definido,

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH

PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH Objetivo Geral PROPOR PROGRAMAS, AÇÕES E ESTRATÉGIAS, INTERSETORIAIS E INTERINSTITUCIONAIS, VISANDO ASSEGURAR O DESENVOLVIMENTO INTEGRADO E SUSTENTÁVEL DOS USOS

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento PNQS 2010 IGS SETEMBRO/2010 ORGANOGRAMA DA ORGANIZAÇÃO CANDIDATA Vice-presidência de GO Superintendência T Gerência Prod. e Desenvolvimento

Leia mais

Pesquisa de Maturidade do GERAES. Data de aplicação: 21/02/08

Pesquisa de Maturidade do GERAES. Data de aplicação: 21/02/08 Pesquisa de Maturidade do GERAES Data de aplicação: 21/02/08 Pesquisa de Maturidade Metodologia MPCM / Darci Prado Disponível em www.maturityresearch.com Metodologia da pesquisa 5 níveis e 6 dimensões

Leia mais

GESTÃO EFICIENTE 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO 2 JUSTIFICATIVA

GESTÃO EFICIENTE 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO 2 JUSTIFICATIVA GESTÃO EFICIENTE 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Promover eficiência na gestão de recursos para assegurar a realização da Estratégia, a partir de uma política organizacional de planejamento e execução

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

Programa de Capacitação em Gestão do PPA Curso PPA: Elaboração e Gestão Ciclo Básico. Elaboração de Planos Gerenciais dos Programas do PPA

Programa de Capacitação em Gestão do PPA Curso PPA: Elaboração e Gestão Ciclo Básico. Elaboração de Planos Gerenciais dos Programas do PPA Programa de Capacitação em Gestão do PPA Curso PPA: Elaboração e Gestão Ciclo Básico Elaboração de Planos Gerenciais dos Programas do PPA Brasília, abril/2006 APRESENTAÇÃO O presente manual tem por objetivo

Leia mais

Gestão de Finanças Públicas

Gestão de Finanças Públicas APRESENTAÇÃO Desde a primeira edição deste livro mencionamos como os avanços no arcabouço institucional e instrumental de gestão financeira foram relevantes para que o governo brasileiro, efetivamente,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO 1. Projeto: Aprimoramento da sistemática de gestão

Leia mais

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

Gestão pública empreendedora e ciclo do Governo Federal

Gestão pública empreendedora e ciclo do Governo Federal Gestão pública empreendedora e ciclo do Governo Federal Gestão pública empreendedora Gustavo Justino de Oliveira* Consoante documento 1 elaborado pela Secretaria de Gestão do Ministério do Planejamento,

Leia mais

PROGRAMA PROREDES BIRD

PROGRAMA PROREDES BIRD ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA PROGRAMA PROREDES BIRD TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL PARA APOIO TÉCNICO À GESTÃO DOS PROJETOS DE RESTAURAÇÃO

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO RESOLUÇÃO Nº 97, DE 23 DE MARÇO DE 2012

CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO RESOLUÇÃO Nº 97, DE 23 DE MARÇO DE 2012 CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO RESOLUÇÃO Nº 97, DE 23 DE MARÇO DE 2012 Dispõe sobre as diretrizes básicas para a implantação da política de projetos e a criação e atuação dos escritórios de projetos

Leia mais

Plano de Gerenciamento do Projeto (PGP)

Plano de Gerenciamento do Projeto (PGP) 1.JUSTIFICATIVA A administração pública vem nos últimos anos sofrendo mudanças estruturais em sua forma de atuação, saindo de um modelo patrimonialista e burocrático para um modelo gerencial, focando nos

Leia mais

Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF

Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF PLANEJAMENTO FISCAL 2015 CAPITULO I APRESENTAÇÃO O Planejamento Fiscal do DM/SMF - Departamento de Impostos Mobiliários da Secretaria Municipal de Fazenda materializa-se

Leia mais

Núcleo de Monitoramento de Ações Estratégicas do INEA NUMAE Contrato de Gestão e Avaliação de Desempenho Individual

Núcleo de Monitoramento de Ações Estratégicas do INEA NUMAE Contrato de Gestão e Avaliação de Desempenho Individual Núcleo de Monitoramento de Ações Estratégicas do INEA NUMAE Contrato de Gestão e Avaliação de Desempenho Individual 1 Relatório de Apuração e Análise dos Resultados Institucionais e Estratégicos e de Resultados

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Projetos tem por fornecer conhecimento teórico instrumental que

Leia mais

Apresentação ao Grupo de Usuários PROCERGS

Apresentação ao Grupo de Usuários PROCERGS Apresentação ao Grupo de Usuários PROCERGS Ricardo Neves Pereira Subsecretário da RE Ivo Estevão Luft Júnior Assessor de Planejamento APLAN 22/03/2013 Introdução Apresentação pessoal A transferência do

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA GESTÃO DE PORTFÓLIOS DE PROJETOS. RELATOR Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme

APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA GESTÃO DE PORTFÓLIOS DE PROJETOS. RELATOR Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA GESTÃO DE PORTFÓLIOS DE PROJETOS RELATOR Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme RESPONSÁVEIS Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme - 3350-8628 - ajayme@pmc.curitiba.pr.gov.br - SEPLAN

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano SNHIS / FNHIS - Lei nº 11.124/05 REQUISITOS PARA ADESÃO DOS MUNICÍPIOS AO

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa O Poder Judiciário tem-se conscientizado, cada vez mais, de que se faz necessária uma resposta para a sociedade que exige uma prestação jurisdicional mais célere e

Leia mais

Desmembrando o PMBoK através de mapas mentais (Mindmaps)

Desmembrando o PMBoK através de mapas mentais (Mindmaps) PMI O Que é o PMBoK Guide 3º Edition? O PMBoK Guide 3º Edition (2004) é uma denominação que representa todo o somatório de conhecimento dentro da área de gerenciamento de projetos, além de fornecer uma

Leia mais

8º Encontro dos Coordenadores. Monitoramento do Portfólio Estratégico

8º Encontro dos Coordenadores. Monitoramento do Portfólio Estratégico 8º Encontro dos Coordenadores Monitoramento do Portfólio Estratégico Setembro / 2012 AGENDA Encontro dos Coordenadores 20/09/2012 Objetivos das iniciativas a serem apresentadas; Sistemática de monitoramento

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

SEFAZ-PE DESENVOLVE NOVO PROCESSO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E FORTALECE OS PLANOS DA TI. Case de Sucesso

SEFAZ-PE DESENVOLVE NOVO PROCESSO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E FORTALECE OS PLANOS DA TI. Case de Sucesso SEFAZ-PE DESENVOLVE NOVO PROCESSO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E FORTALECE OS PLANOS DA TI PERFIL SEFAZ-PE Criada em 21 de setembro de 1891, pela Lei nº 6 sancionada pelo então Governador, o Desembargador José

Leia mais

Conclusões da Oficina I Informação de custo para o aperfeiçoamento do ciclo orçamentário-financeiro

Conclusões da Oficina I Informação de custo para o aperfeiçoamento do ciclo orçamentário-financeiro Conclusões da Oficina I Informação de custo para o aperfeiçoamento do ciclo orçamentário-financeiro Coordenação: SOF Claudiano Manuel Albuquerque Relatoria: STN Maria Clara e Julio Cesar Temas debatidos

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

Escritório de Gerenciamento de Projetos de Mato Grosso TAP. Oficina de Elaboração de Termo de Abertura de Projetos

Escritório de Gerenciamento de Projetos de Mato Grosso TAP. Oficina de Elaboração de Termo de Abertura de Projetos EGP MT Escritório de Gerenciamento de Projetos de Mato Grosso TAP Oficina de Elaboração de Termo de Abertura de Projetos SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO CARTILHA DE ELABORAÇÃO DE TERMO DE ABERTURA

Leia mais

SME Sistemática de Monitoramento Estratégico

SME Sistemática de Monitoramento Estratégico SME Sistemática de Monitoramento Estratégico Secretaria-Geral de Governo Gestão para Resultados Premissas e principais desafios Eixos programáticos Recuperação das funções públicas do Estado Ativação e

Leia mais

Balanço do Plano Plurianual 2006/2009. Perspectivas para o Próximo PPA. Maurício Faria Conselheiro do Tribunal de Contas do Município de São Paulo

Balanço do Plano Plurianual 2006/2009. Perspectivas para o Próximo PPA. Maurício Faria Conselheiro do Tribunal de Contas do Município de São Paulo Balanço do Plano Plurianual 2006/2009 Perspectivas para o Próximo PPA Maurício Faria Conselheiro do Tribunal de Contas do Município de São Paulo 1 PPA PREVISÃO CONSTITUCIONAL Art. 165. Leis de iniciativa

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

Empreendedores Públicos. Outubro de 2007

Empreendedores Públicos. Outubro de 2007 Empreendedores Públicos Outubro de 2007 CONTEXTO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA MINEIRA Equilíbrio Fiscal Déficit Zero Qualidade Fiscal Reorganização Institucional Racionalizar o setor público Estratégia GERAES

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 51.307, DE 20 DE MARÇO DE 2014. (publicado no DOE n.º 055, de 21 de março de 2014) Estabelece o Sistema

Leia mais

PODER EXECUTIVO ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL

PODER EXECUTIVO ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL a) formulação, implantação e avaliação de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sócio-econômico e

Leia mais

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Responsável: Hernandes Pires do Reis Consultor da Divisão de Manutenção e Suporte a Sistemas Endereço:

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor,

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, DECRETO Nº 36670 DE 1º DE JANEIRO DE 2013 Institui o modelo de governança para execução do Plano Estratégico 2013-2016 da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e dá outras providências. O PREFEITO DA

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

COAPI Coordenação-Geral de Análise de Projetos de Investimento ANÁLISE DO INVESTIMENTO PÚBLICO PELO TESOURO NACIONAL

COAPI Coordenação-Geral de Análise de Projetos de Investimento ANÁLISE DO INVESTIMENTO PÚBLICO PELO TESOURO NACIONAL COAPI Coordenação-Geral de Análise de Projetos de Investimento ANÁLISE DO INVESTIMENTO PÚBLICO PELO TESOURO NACIONAL Dezembro de 2011 1 Missão do Ministério da Fazenda: Estruturar as políticas econômicas

Leia mais

Evolução da estrutura de gerenciamento de projetos do Governo de Minas

Evolução da estrutura de gerenciamento de projetos do Governo de Minas Evolução da estrutura de gerenciamento de projetos do Governo de Minas Poliana Cardoso Lopes Diego Pessoa Santos Rodrigo Guerra Furtado Resumo: A implantação e consolidação das estruturas responsáveis

Leia mais

RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL

RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL RELATÓRIO DE QUE? AVALIAÇÃO: Avaliação anual avaliamos a execução durante o ano, a entrega dos produtos e os seus impactos. AVALIAÇÃO PARA QUE? OBJETIVOS: Prestar

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro

PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro Revisão do Plano Estratégico 2013/2014 PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 2014 Página 1 de 16 Sumário 1 Apresentação... 3 2 Objetivos... 4 3 Público-Alvo

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO 1. Projeto: Aprimoramento da sistemática de gestão

Leia mais

ENCONTRO DA FRENTE DE INOVAÇÃO

ENCONTRO DA FRENTE DE INOVAÇÃO ENCONTRO DA FRENTE DE INOVAÇÃO Outubro 2015 AGENDA PMIMF Frente de Inovação Frente de Projetos - Plano de Comunicação - Painel Patrocinador - Case da SPE (Implantação do Escritório de Projetos) -Nova Versão

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais