O ESCRITÓRIO DE PROJETOS NA FICALIZAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS PÚBLICOS / THE PROJECT MANAGEMENT OFFICE (PMO) IN SUPERVISION OF PUBLIC ENTERPRISES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O ESCRITÓRIO DE PROJETOS NA FICALIZAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS PÚBLICOS / THE PROJECT MANAGEMENT OFFICE (PMO) IN SUPERVISION OF PUBLIC ENTERPRISES"

Transcrição

1 O ESCRITÓRIO DE PROJETOS NA FICALIZAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS PÚBLICOS / THE PROJECT MANAGEMENT OFFICE (PMO) IN SUPERVISION OF PUBLIC ENTERPRISES Mauro Loureiro Alves Lima (UFF) Jose Rodrigues de Farias Filho (UFF) O artigo tem como objetivo investigar e avaliar se as práticas de gestão de uma das principais empresas públicas do segmento de projetos navais são compatíveis com as melhores práticas para implementar um escritório de projetos. Nesse sentiido, o autor apresenta um estudo comparativo entre o sistema de gestão utilizado pela Unidade Operacional (UO) pesquisada e os conceitos selecionados à luz do referencial teórico. Para orientar e manter a pesquisa dentro do escopo proposto foi levantado questões relativas às características da unidade operacional estudada, abordando aspectos sobre: as características dos seus empreendimentos; a motivação e os óbices para a implementação do escritório de projetos; a escassez de profissionais especialistas em tecnologia militar no mercado; os óbices para a sua implementação; os benefícios e o atendimento às expectativas dos gestores. Nessa pesquisa, o autor utilizou uma abordagem híbrida de metodologias e técnicas, de pesquisas bibliográfica, documental e de estudo de caso único. Com a disponibilidade dos dados coletados e avaliados, o autor procura corroborar com os processos de reflexão, conscientização e maturidade dos gestores, estudantes, acadêmicos e demais partes interessadas, sobre a estrutura organizacional mais adequada para a fiscalização de empreendimentos públicos, beneficiando a sociedade civil e militar com o recebimento de produtos e serviços de melhor qualidade. The article aims to investigate and assess whether the management practices of a major public companies in the segment of naval projects are compatible with best practices for implementing a project office. In this sense, the author presents a comparative study between the management system used by the Operating Unit (OU) researched and selected concepts in light of its theoretical framework. To guide and sustain research within the proposed scope was raised issues relating to the characteristics of the operation studied, addressing questions on: the characteristics of their ventures, the motivation and obstacles for the implementation of the project office,

2 the shortage of specialists in military technology on the market, the obstacles to its implementation, the benefits and meeting the expectations of managers. In this research, the author used a hybrid approach of methodologies and techniques, bibliographic, documental and single case study. With the availability of the data collected and evaluated, the author seeks to corroborate the processes of reflection, awareness and maturity of managers, students, academics and other stakeholders on the most appropriate organizational structu Palavras-chaves: Escritório de Projetos; Gerenciamento de Projetos; Gestão Estratégica e Organizacional / Project Management Office (PMO); Project Management, Strategic Management and Organizational 2

3 1. Introdução No atual momento do país, no qual investir em ciência e tecnologia passou a ser sinônimo de desenvolvimento social (VELOSO, 2007), foi lançado o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Este programa, além de beneficiar e integrar socialmente as regiões brasileiras criou estímulos aos setores produtivos, propiciando um ambiente favorável para investimentos em infra-estrutura e no desenvolvimento científico e tecnológico (PORTAL BRASIL, 2010). Nesse ambiente de oportunidades de empreendimentos e negócios, o crescente interesse sobre gerenciamento de projetos reflete a sua relevância para as empresas como ferramenta para organizar e padronizar os seus processos (HERKENHOFF, FIGUEIREDO e DE LIMA, 2011). Dentre os diversos aspectos envolvidos na gestão de projetos, destaca-se o desafio em desenvolver um Escritório de Projetos (EP) adequado às necessidades do poder público em fiscalizar eficazmente os seus Empreendimentos. Segundo Zhao, et al (2010) em projetos complexos, sua implementação são mais sensíveis, tendo em vista a dificuldade de uma comunicação eficaz, de uma integração adequada, das alterações no ambiente e as variáveis de incertezas são os condutores mais comuns. Tal desafio torna-se mais complexo quando ocorre em um ambiente militar. A pesquisa deste artigo se refere ao problema da escolha da estrutura organizacional a ser utilizada na fiscalização de empreendimentos públicos, bem como, ao desafio em alinhá-la à cultura da empresa e ao seu sigilo estratégico. Dessa forma, tem-se como objetivo, investigar e avaliar se as práticas de gestão de uma das principais empresas públicas do segmento de projetos navais são compatíveis com as melhores práticas para se implementar um EP. Nesse sentido, o autor apresenta um estudo comparativo entre o sistema de gestão utilizado pela Unidade Operacional (UO) pesquisada e os conceitos selecionados à luz do referencial teórico. Com o propósito de orientar a pesquisa de campo realizada e mantê-la dentro do escopo proposto, foram levantadas questões relativas aos objetivos propostos. Com os resultados disponibilizados neste artigo, o autor procura corroborar com a ampliação do conhecimento profissional e científico das partes interessadas. O escopo da pesquisa foi delimitado pela avaliação da implementação do EP da UO pesquisada. Torna-se pertinente esclarecer às partes interessadas que, por questões de confidencialidade e ética profissional, a empresa de estudo de campo é identificada neste trabalho pelo nome Empresa, mantendo, entretanto, a qualidade, o realismo e a precisão das informações aqui disponibilizadas. Este artigo encontra-se organizado e estruturado por seções. A primeira, apresenta uma breve contextualização para o desafio de implementar um EP para fiscalizar empreendimentos públicos. Essa seção estabelece os objetivos, levanta questões, justifica sua relevância e delimita a pesquisa. A segunda seção apresenta a metodologia escolhida para alcançar os objetivos propostos. A terceira apresenta a síntese do referencial teórico da pesquisa. A quarta seção apresenta o estudo de caso. A quinta apresenta os resultados coletados e a análise crítica sobre as práticas utilizadas pela UO estudada, à luz do referencial teórico. Concluindo o artigo, a sexta seção disponibiliza as considerações finais e sugere propostas para trabalhos futuros. 2. Metodologia 3

4 Neste artigo, o autor se utiliza de uma abordagem mesclada de metodologias e técnicas, o que resultará em uma classificação mista dos tipos de pesquisa. Quanto aos meios de investigação, o autor realiza inicialmente uma abordagem noticiosa na contextualização do problema da pesquisa, migrando a seguir para uma pesquisa bibliográfica. Quanto aos objetivos, ela é classificada como sendo uma pesquisa exploratória e aplicada. Já pela classificação de Valentim (2008), quanto à natureza, esta pesquisa é considerada como sendo qualitativa. No planejamento e desenvolvimento da pesquisa, foram utilizados como coleta de dados das fontes de papel, livros de referência/consulta informativa e artigos científicos de publicações periódicas. Já as coletas de dados fornecidas por pessoas ocorreram a partir de entrevistas presenciais individuais, seletivas e qualitativas, realizadas com profissionais da UO estudada. Como recursos práticos para a pesquisa de campo, o autor realizou: a) visitas e entrevistas entre março e junho de 2010, b) navegações exploratórias na internet e intranet no site da empresa, assim como, c) utilizou o seu conhecimento funcional sobre a empresa. A população da pesquisa foi constituída pelo coordenador geral da UO, pelos 2 gerentes de projetos e pelos cinco gerentes especializados. Como instrumento de medida foi utilizado formulários específicos, de acordo com a área do entrevistado. Segundo os critérios de Marconi & Lakatos (2007), elas foram do tipo despadronizada (não estruturada), tendo em vista as questões serem abertas, com a possibilidade da formulação de novas questões de acordo com o andamento das entrevistas. Como o autor foi o entrevistador, ele utilizou formulários do tipo não disfarçados, direcionados aos gestores de acordo com a sua área de atuação. As entrevistas duraram em média duas horas com cada um dos gestores, sendo necessário, entretanto, duas entrevistas adicionais de uma hora com o gerente de Projetos de Sistemas Navais, com o objetivo de esclarecer alguns gaps da pesquisa, que permaneceram após as entrevistas iniciais. Seguindo as orientações de Yin (2005) sobre o anonimato dos entrevistados, eles foram identificados por letras maiúsculas, garantindo a liberdade e a isenção das respostas. A partir dos resultados e informações obtidas na pesquisa de campo, o autor compilou-os em uma tabela comparativa com as melhores práticas propostas por autores e pelo PMI (2008). Desta forma foi possível identificar, após uma análise crítica e interpretação qualitativa, eventuais gaps e/ou desalinhamentos entre as práticas. 3. Escritórios de projetos (EP) Segundo Kerzner (2010), o conceito de EP apareceu no final da década de 50. Para Vargas (2008), atualmente, várias organizações estão adotando estruturas de EP, em suas atividades de gerenciamento de projetos. Segundo este autor, o EP é definido como sendo um local central para conduzir, planejar, organizar, controlar e finalizar as atividades do projeto. Sendo também, um local onde se pode obter uma visão global e panorâmica de todo o projeto sem o risco de perder-se em detalhes. Já o Guia PMBOK (2008) define o EP como sendo uma unidade organizacional que centraliza e coordena o gerenciamento de projetos sob seu domínio. Para Dinsmore (2010), o EP, também conhecido como Project Management Office (PMO), tem como objetivo orientar e dar suporte aos gerentes de projetos permitindo as empresas desenvolverem seus projetos de forma mais eficiente e eficaz possível. Independente do ambiente onde se situa o EP seja em um departamento próprio, seja em um ambiente virtual, o importante é destacar que: o papel do EP deve estar claramente definido, assim como deve contar com o comprometimento da alta administração. Kerzner (2010), afirma que as atividades do EP não está ao alcance de generalistas e que não pode ser realizada à base de improvisação. O sucesso nesta área depende da dedicação integral e da 4

5 constante atualização frente aos avanços tecnológicos e de metodologia. Segundo Maia (2011), a quantidade de gerentes melhores preparados tem aumentado continuamente, entretanto isso ainda não foi suficiente para baixar o alto índice de projetos mal-sucedidos. Para Vargas (2008), a função do escritório em uma organização pode variar de uma assessoria limitada às recomendações políticas e procedimentos para projetos individuais, a uma estrutura gerencial completa, que além de administrar os projetos específicos, estabelecerá as políticas aplicáveis a projetos e gestão estratégica desses empreendimentos. Vargas (2008), acrescenta que o Escritório de Projetos é também um centro de informações e controle, contendo gráficos, diagramas, documentação e cronogramas. O EP, também conhecido como Quartel General, deve ser montado sempre antes do início do projeto. Segundo Vargas (2008), os principais objetivos do EP são: centralizar as informações; estabelecer políticas e procedimentos para projetos; ser um centro de apoio ao time; representar fisicamente o projeto; estimular o espírito de corpo do time. E as principais funções administrativas são: gerenciamento de cronogramas; geração e elaboração de documentos e relatórios do projeto; atuar como a Sala de Situação (War Room); manutenção de histórico do projeto; operação de ferramentas computacionais e softwares de gerenciamento de projetos. Para Xavier (2010), os EP podem operar de modo contínuo, desde o fornecimento de funções de apoio ao gerenciamento de projetos na forma de treinamento, software, políticas padronizadas, e procedimentos, até o gerenciamento direto real e a responsabilidade pela realização dos objetivos do projeto. Para Vargas (2008), existem basicamente três níveis de escritórios de projetos de acordo com a finalidade e a característica de atuação desejada pela organização: o Projeto Autônomo destinado ao gerenciamento de um projeto ou programa específico; o Project Suport Office destinado ao apoio a diversos projetos simultâneos; e o Enterprise Project Support Office atuando no gerenciamento estratégico de todos os projetos da organização. Já para Kerzner (2010), existem três tipos de Escritórios de Projetos que são utilizados nas empresas: o Escritório de Projetos Funcional; o Escritório de Projetos de Grupo de Clientes; e o Escritório de Projetos Corporativos. 4. Apresentação da empresa O estudo de caso apresentado neste artigo ocorreu em uma das unidades operacionais da Empresa, que atua no segmento de projetos navais e é identificada neste trabalho pela sigla UO-91. O quantitativo da Empresa, que se encontra em processo de expansão, é de cerca de funcionários distribuído entre a sua sede, e os núcleos de apoio às organizações militares. A Empresa tem três finalidades: promover a indústria naval brasileira, gerenciar a fiscalização de projetos integrantes de programas aprovados pelo governo federal e executar as atividades vinculadas à obtenção e manutenção de materiais e equipamentos navais. A Empresa elabora e utiliza planejamentos estratégicos qüinqüenais, revisados anualmente, como fonte de informações para a tomada de decisão da direção da empresa Unidade operacional estudada Subordinada a diretoria técnico-comercial, a UO-91 tem como principais tarefas as de fiscalizar empreendimentos navais e trabalhar junto às áreas comerciais da empresa, na captação de novas oportunidades de negócios para sua unidade operacional, bem como, na gestão de seus projetos. A UO-91 possui sob sua responsabilidade uma diversidade de empreendimentos com duração, complexidade e importância diferenciadas. Alguns deles 5

6 possuem inclusive sistemas de qualidade específicos para cada um dos empreendimentos. Sendo assim, os empreendimentos são classificados em relação à sua categoria, a saber: Categoria A composta pelos empreendimentos de longa duração (3 a 15 anos), alta complexidade tecnológica e alta importância política e estratégica; e Categoria B categoria composta por empreendimentos de média ou curta duração, com média ou baixa complexidade de gestão (duração média de um ano). Segundo o entrevistado A (2010), para atender as tarefas, atribuições regimentais e atingir as metas estabelecidas pela direção da Empresa, torna-se necessário que a UO-91 atue como um Escritório de Projetos a partir de uma estrutura projetizada, que possibilite realizar a fiscalização de seus projetos e empreendimentos. Desta forma ela é composta pelo coordenador geral da Unidade Operacional, um gerente de projetos de sistemas navais (G-911), um gerente de projetos de sistemas especiais (G-912) e cinco gerentes especializados: administrativo-financeiro (G- 913); sistemas (G-914); garantia da qualidade (G-915); apoio logístico (G-916); instalações de equipamentos navais (G-917); e planejamento (G-918) - que prestam apoio e sustentação técnico-administrativa na condução de seus projetos (figura 1) Classificações do grau de sigilo dos documentos Segundo o entrevistado E (2010), a documentação e projetos do acervo técnicoadministrativo de seus empreendimentos, seguem as orientações de uma norma específica para classificação e arquivamento da documentação. Os documentos dos empreendimentos são classificados quanto ao âmbito (interno ou externo), à precedência (urgente, especial e rotina) e ao acesso (ostensivos ou sigilosos) Características culturais, óbices e benefícios 6

7 Segundo o depoimento do entrevistado B (2010), um dos principais aspectos relevantes envolvidos na Gestão da fiscalização dos empreendimentos sob sua responsabilidade é a dificuldade de controlar e equilibrar as variáveis relacionadas ao escopo, custos e prazos envolvidos sem afetar a qualidade especificada nos contratos a serem fiscalizados. As restrições e limitações impostas pela legislação e regulamentações específicas, impactam diretamente nas negociações entre contratantes e contratados nas eventuais alterações de escopo. Esta situação ocorre principalmente após o detalhamento do plano básico, quando se verifica a necessidade de incluir novos serviços no escopo original, impactando diretamente o custo final dos serviços ou produtos contratados. Segundo o entrevistado A (2010), para a escolha dos gestores do Escritório de Projetos da UO-91, torna-se necessário que o processo de seleção seja conduzido de forma seletiva, criteriosa e cautelosa, tendo em vista a dificuldade de encontrar profissionais no mercado que sejam especialistas em tecnologia militar, com experiência superior a quinze anos no desenvolvimento e integração de sistemas navais de combate, e que possuam conhecimentos sistêmicos da cultura e da estrutura naval. Torna-se pertinente esclarecer que o processo de qualificação de um especialista em tecnologia militar, de um engenheiro eletrônico, mecânico/produção ou eletricista, dura em média cinco anos após a sua admissão. Ao longo deste período, estes profissionais, trabalham como ajudantes, tendo a supervisão de especialistas mais experientes. Entretanto para se tornarem gestores nas áreas de conhecimento, necessitam de uma experiência adicional mínima de mais dez anos em gestão. Sendo assim, os profissionais selecionados para compor a equipe do EP normalmente são oriundos das áreas de engenharia e ciências navais, podendo ser encontrados nos quadros militares, assim como no quadro permanente de engenheiros civis da Marinha, podendo estar ativos ou inativos. A contratação dos componentes da UO-91 segue as normas e controles previstos nos dispositivos legais vigentes para empresas estatais. Caso estes cuidados não sejam tomados, a fiscalização de tais empreendimentos poderá ser interrompida ou mesmo inviabilizada. Neste contexto, a atual montagem da equipe foi composta pela contratação de seis oficiais da reserva remunerada e pela requisição de um engenheiro do quadro permanente da Marinha, colocado à disposição da empresa estatal Empresa. Todos estes profissionais são graduados em engenharia ou ciências navais possuindo pós-graduação e experiências superiores a vinte e cinco anos em tecnologia militar. Com o objetivo de evitar conflitos culturais, o EP da UO-91 permaneceu sendo denominado por seus gestores como sendo uma Unidade Operacional de Negócios. Segundo o entrevistado C (2010), os desembolsos financeiros dos empreendimentos da UO- 91 são realizados em conformidade ao cronograma físico-financeiro anexo aos seus contratos. Segundo a legislação brasileira em vigor, os contratos entre órgãos governamentais e empresas contratadas somente podem ser assinados após aprovação orçamentária. Com este procedimento legal, todos os recursos financeiros previstos em contrato são garantidos pelo orçamento da União. Entretanto, como é possível observar anualmente, devido a entraves legais e burocráticos, a devolução e liberação dos recursos públicos ocorre no período entre meados de dezembro e fevereiro respectivamente, comprometendo os pagamentos de eventos financeiros deste período. Com o objetivo de evitar desgastes na relação contratante x contratado, os especialistas da UO consideram esta particularidade na montagem do cronograma físico-financeiro. Segundo o entrevistado A (2010), os maiores óbices encontrados na implementação do EP na UO-91 foram: a) a conservadora cultura naval para o gerenciamento de projetos, em 7

8 particular na montagem da sua estrutura organizacional. A montagem de uma equipe multisetorial composta por oito componentes gerenciais e quatro profissionais de apoio, era considerada um exagero pela alta-administração da Empresa ; e b) a dificuldade em identificar e selecionar especialistas em tecnologia militar, com a experiência necessária e disponibilidade no mercado. Já o principal benefício da implementação do conceito do Escritório de Projetos, foi o melhor monitoramento das diversas áreas do escopo dos contratos dos empreendimentos, possibilitando uma gestão da fiscalização mais consistente, superando as expectativas iniciais. 4.4 Motivação para optar pela prática do PMO proposta pelo PMI Segundo o entrevistado B (2010), a necessidade em modernizar e aprimorar as práticas de gerenciamento de seus projetos motivou a realização de um estudo baseado no artigo comparativo de Stanleigh (2010), no qual foram avaliadas, por comparação, as orientações de padrões do PMBOK (2008) e as da Norma NBR: ISO 10006:2003 Gerenciamento da Qualidade Diretrizes para a qualidade em gerenciamento de projetos, da International Organization for Standardization (ISO), para a escolha da mais indicada para se adotar. A similaridade, a compatibilidade e a facilidade de adequação às práticas utilizadas até então pela UO, assim como a farta oferta de cursos de especialização, foram fatores preponderantes na opção pela implementação gradual da prática do PMI, adequando-as às características específicas dos empreendimentos a serem fiscalizados e à cultura da empresa. 5. Análise crítica dos dados coletados no estudo do caso à luz do referencial teórico As práticas utilizadas pela unidade operacional para a fiscalização de seus empreendimentos foram avaliadas comparando-as com as melhores práticas preconizadas pelo PMI e por autores especialistas em Escritórios de Projetos, tais como Dinsmore (2010), Vargas (2008) e Kerzner (2010). Nas entrevistas com os gestores da UO-91, procurou-se esclarecer eventuais dúvidas sobre o modelo adotado pela empresa. Os resultados foram compilados e tabulados. Dos quarenta itens avaliados, trinta estão totalmente alinhados as práticas do PMI e dez necessitam de ajustes, não havendo, entretanto, nenhum item totalmente desalinhado (figura 2). Estes resultados indicam que o modelo utilizado pela Unidade Operacional avaliada pode ser classificado como sendo um Escritório de Projetos PMO. Entretanto, observa-se a necessidade dos gestores intensificarem o mapeamento dos quarenta e quatro processos de gerenciamento de projetos propostos e dos nove macroprocessos das áreas de conhecimento, com o objetivo de monitorar melhor suas atividades de fiscalização dos empreendimentos. 8

9 Com respeito à gestão de riscos dos empreendimentos, apesar de ser realizada, segundo afirmação dos gerentes de projetos, não logramos verificar nenhuma evidência objetiva de como ela é realizada, tendo em vista tratar-se de informação confidencial. Segundo o autor, os principais óbices para concluir o alinhamento pleno do atual sistema de gestão de projetos às práticas proposta pelo PMI para um Escritório de Projetos são: a) a dificuldade de conciliar a dinâmica das atividades e o intenso envolvimento dos gestores da fiscalização dos empreendimentos em andamento, com as atividades necessárias e previstas para elaborar e implementar os novos procedimentos a serem desenvolvidos; b) a resistência a mudanças ou seja, a dificuldade em introduzir novos conceitos e as melhores práticas de gerenciamento em uma cultura secular de gerenciamento de projetos, na qual a maiorias dos gestores envolvidos nos empreendimentos realiza com sucesso suas atividades de fiscalização ao longo de trinta anos. A título de ilustração, dos atuais sete gestores da UO, três (43%) possuem idade superior a 65 anos; um (14%) com idade entre 56 e 65 anos; três (43%) com idade entre 46 e 55 anos, não tendo ninguém no momento com idade inferior a 49 anos (figura 2); c) qualificação nas práticas do PMI - apesar do alto nível de qualificação e experiência dos gestores em gerenciamento de projetos navais, e deles estarem familiarizados com os conceitos e práticas sugeridas pelo PMI, a partir de palestras e acesso ao Guia do PMBOK do PMI, apenas o gerente da garantia da qualidade teve interesse em receber um treinamento mais consistente desta prática, ao cursar e concluir um MBA em gerenciamento de projetos (470 horas/aula). Esta situação, coloca em risco a conclusão de sua implementação no caso de uma eventual saída deste gestor do projeto. 6. Conclusões 6.1 Considerações finais Tendo como referência os registros consultados, as pesquisas de satisfação do cliente e os resultados obtidos na avaliação do alinhamento das práticas de gerenciamento de projetos adotadas pela Empresa com as práticas propostas pelo PMI, se pressupõem que: a) o modelo adotado pela UO-91 atende com sucesso as suas atribuições institucionais de fiscalizar os empreendimentos sob sua responsabilidade, desenvolvidos e executados por empresas particulares contratadas (evidenciado objetivamente nas pesquisas de satisfação de clientes); b) a UO atua como um Escritório de Projetos, e está compatível com as melhores práticas em gestão de projetos preconizadas pelo PMI, necessitando apenas realizar alguns ajustes em dez dos seus processos para concluí-la (estudo comparativo dos dados coletados à luz do referencial teórico); e c) a decisão de buscar o alinhamento e a adequação do atual modelo de gestão às melhores práticas recomendadas pelo PMI foi tomada voluntariamente pelo gestor da UO e se encontra em fase de implementação, descrita inclusive na última atualização da sua norma de procedimento (evidenciado objetivamente durante a pesquisa de campo). Entretanto, tendo em vista fatos tais como: a) a existência de apenas um gerente especializado nas práticas propostas pelo PMI para o gerenciamento de projetos, que é o responsável técnico pela adequação das práticas, o qual, em algum momento, poderá ser transferido para outro projeto prioritário para a Marinha do Brasil; b) a duração da formação 9

10 de um novo especialista em gerenciamento de projetos nas práticas propostas pelo PMI, durar em média dezoito meses; c) os resultados obtidos pelo modelo de gestão conduzido ao longo dos últimos quinze anos pela estrutura da UO-91 para atender às atribuições estabelecidas institucionalmente pela Empresa foram considerados um sucesso pelos seus clientes, apesar das dificuldades de gestão; e d) não é possível afirmarmos que a transição da adequação dos processos e procedimentos em curso será concluída com sucesso, caso o especialista, responsável técnico pela gestão da mudança, seja transferido para outro projeto, pelo menos até que um novo especialista seja contratado ou treinado pelos conceitos propostos pelo PMI para concluir o processo, resultando em alguns atrasos no cronograma de implementação. O autor tem a expectativa de que o trabalho desenvolvido nesta pesquisa, abordando o tema Escritório de Projetos, contribua com os processos de reflexão, conscientização e maturidade dos gestores públicos e demais partes interessadas, sobre a estrutura organizacional mais adequada para a fiscalização de seus empreendimentos, beneficiando a sociedade civil e militar com o recebimento de produtos e serviços de melhor qualidade. Entretanto as pesquisas realizadas neste artigo não esgotam o tema Escritório de Projetos, tendo em vista sua amplitude e diversas dimensões passíveis de investigações. Sendo assim, sugere-se, como trabalho futuro, uma investigação sobre como as ferramentas de inteligência de negócios (business intelligence) podem facilitar o processo de tomada de decisão dos gestores de um escritório de projetos. 10

11 Referências bibliográficas DINSMORE, P. C. Como se tornar um Profissional em Gerenciamento de Projetos Qualitymark; - 3ª Edição 2010; HERKENHOFF, D. A.; FIGUEIREDO M. A. D.; DE LIMA G.B. - Proposta unificadora de níveis de maturidade em gerenciamento de projetos artigo ISSN publicado nos anais do VII Congresso Nacional de Excelência em Gestão Niterói - 12 e 13 de agosto de 2011 KERZNER, H. - Gestão de Projetos - As Melhores Praticas - Editora Bookman - 2ª Edição 2006 Reimpressão 2010; LIMA, M. L. A. O Desafio de Implementar um Escritório de Projetos na Gestão da Fiscalização de Empreendimentos Públicos, no Segmento de Projetos Militar-Naval - Um Estudo de Caso - Monografia MBA Gerenciamento de Projetos - Engenharia da Produção da Universidade Federal Fluminense Niterói 2010; MAIA R. de S. - Desafios na condução de escritórios de projetos em instituições públicas artigo ISSN publicado nos anais do VII Congresso Nacional de Excelência em Gestão Niterói - 12 e 13 de agosto de 2011 MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. - Metodologia Científica Atlas - 5ª Edição, São Paulo: 2007; PORTAL BRASIL - - acesso em 07/06/10; PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE PMI - Um Guia do Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento de Projetos - (PMBOK), - Four Campus Boulevard, Newtown Square, PA EUA - PMI; 4ª Edição 2008 STANLEIGH, M. Artigo The ISO and PMBOK to Ensure Successful Procects (Combinando a ISO e PMBOK para garantir que os projetos bem sucedidos) publicado no site Bussiness Improvement Architects (BIA) - acesso em 14/06/2010; VALENTIM, M. L. P. - Métodos qualitativos de pesquisa em Ciência da Informação. São Paulo: Polis, VARGAS, R. Gerenciamento de Projetos Estabelecendo diferenciais competitivos BRASPORT - 6ª Edição 2005 Reimpressão 2008; VELLOSO, J. P. R., ALBUQUERQUE, R. C. - Chegou a vez do Brasil? Oportunidade para a geração de brasileiros que nunca viu o país crescer José Olympio Editora ; VERGARA, S. C. - Projetos e Relatórios de Pesquisa em Administração. 9. ed. São Paulo: Atlas, 2007; XAVIER, C. M. S.; VIVACQUA F. R.; DE MACEDO O. S.; XAVIER, L. F. S. Metodologia de Gerenciamento de Projetos Methodware abordagem prática de como iniciar, planejar, executar, controlar e fechar projetos Editora BRASPORT 2ª Edição Rio de Janeiro 2010; YIN, R. K. - Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman,

12 ZHAO, Z.H; LEI, Q; ZUO, J; ZILLANTE G. - Prediction System for Change Management in Construction Project DOI: /_ASCE_CO Journal Of Construction Engineering And Management - ASCE / JUNE Downloaded 21 Jan 2012 to

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO GESTÃO DE PROJETOS: UM ESTUDO DE CASO SOBRE A IMPLANTAÇÃO DE UM SOFTWARE PMIS Área de conhecimento

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES. Evolução do TI e Gestão das Organizações Gestão de Projetos Métodos Ágeis

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES. Evolução do TI e Gestão das Organizações Gestão de Projetos Métodos Ágeis A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES Evolução do TI e Gestão das Organizações Gestão de Projetos Métodos Ágeis Vamos nos conhecer e definir as diretrizes de nosso curso??? www.eadistancia.com.br

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Organização do Projeto Os projetos e o gerenciamento

Leia mais

Palavras-chave: startups, gerenciamento de pessoas em projetos, processos do PMBOK.

Palavras-chave: startups, gerenciamento de pessoas em projetos, processos do PMBOK. PMBOK NA GESTÃO DE RH EM STARTUPS AUTORES Elaine Cristhina Castela Oyamada Henrique Spyra Gubert Juliana da Costa e Silva Juliana Theodoro de Carvalho Leitão Ricardo Takeshita ORIENTADOR Fábio Judice CURSO

Leia mais

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos As organizações em torno do mundo estão implantando processos e disciplinas formais

Leia mais

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO Estevanir Sausen¹, Patricia Mozzaquatro² ¹Acadêmico do Curso de Ciência da Computação ²Professor(a) do Curso de Ciência da Computação Universidade de Cruz Alta (UNICRUZ)

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

UM RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE O USO DO SOFTWARE DE GESTÃO DE PROJETOS DOTPROJECT NA PRODUÇÃO DE MATERIAIS MULTIMÍDIA PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EAD

UM RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE O USO DO SOFTWARE DE GESTÃO DE PROJETOS DOTPROJECT NA PRODUÇÃO DE MATERIAIS MULTIMÍDIA PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EAD 1 UM RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE O USO DO SOFTWARE DE GESTÃO DE PROJETOS DOTPROJECT NA PRODUÇÃO DE MATERIAIS MULTIMÍDIA PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EAD Serra, 05/2009 Saymon Castro de Souza Ifes saymon@ifes.edu.br

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

A experiência na Implantação do Escritório de Projetos do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso.

A experiência na Implantação do Escritório de Projetos do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso. A experiência na Implantação do Escritório de Projetos do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso. Vivian D. de Arruda e S. Pires Coordenadora de Planejamento do TJ/MT 23 de outubro de 2012 ESTRATÉGIAS

Leia mais

2. Gerenciamento de projetos

2. Gerenciamento de projetos 2. Gerenciamento de projetos Este capítulo contém conceitos e definições gerais sobre gerenciamento de projetos, assim como as principais características e funções relevantes reconhecidas como úteis em

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

ACESSO À INFORMAÇÃO PÚBLICA

ACESSO À INFORMAÇÃO PÚBLICA Boletim Informativo Edição 01 19 de Março de 2012 ACESSO À INFORMAÇÃO PÚBLICA Controladoria-Geral da União Implementação da Lei de Acesso a Informação A Lei de Acesso à Informação (LAI) representa mais

Leia mais

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Emerson Augusto Priamo Moraes (UFF) Resumo Os projetos fazem parte do cotidiano de diversas organizações, públicas e privadas, dos mais diversos

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1

ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1 ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1 RESUMO Diversos profissionais relatam dificuldades em coordenar adequadamente projetos sob sua responsabilidade. Muitos fatores que influenciam

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Prof. Marcelo Lima da Silva, PMP marcelo.lima@rjproj.com.br www.rjproj.com.br 2224-5965 98316-4969

Prof. Marcelo Lima da Silva, PMP marcelo.lima@rjproj.com.br www.rjproj.com.br 2224-5965 98316-4969 Palestra Certificações PMP e CAPM e Gerenciamento de Riscos Prof. Marcelo Lima da Silva, PMP marcelo.lima@rjproj.com.br www.rjproj.com.br 2224-5965 98316-4969 1 Objetivo Contextualizar algumas siglas importantes

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI da Revista Construção e Mercado Pini Junho 2013. Prof. Dr. Sérgio Alfredo Rosa da Silva

Texto para Coluna do NRE-POLI da Revista Construção e Mercado Pini Junho 2013. Prof. Dr. Sérgio Alfredo Rosa da Silva Texto para Coluna do NRE-POLI da Revista Construção e Mercado Pini Junho 2013 Gerenciamento de riscos na implantação de empreendimentos imobiliários residenciais no atual cenário de desvios de prazos e

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Pós Graduação Lato Sensu Especialização São Paulo Berrini Os projetos têm presença obrigatória e alta importância no contexto da gestão da moderna empresa. Caminho de condução

Leia mais

As Boas Práticas no Gerenciamento de Projetos e a Importância das Pessoas na sua Execução

As Boas Práticas no Gerenciamento de Projetos e a Importância das Pessoas na sua Execução As Boas Práticas no Gerenciamento de Projetos e a Importância das Pessoas na sua Execução Palestrante: Carlos Magno da Silva Xavier (M.Sc., PMP) magno@fgvmail.br O QUE ESSES EVENTOS TÊM EM COMUM? Sumário

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA PROPOSTA PARA GERENCIAMENTO DA EXECUÇÃO DE PROJETOS DE CABEAMENTO ESTRUTURADO BASEADO NOS PARÂMETROS DA METODOLOGIA PMI

DESENVOLVIMENTO DE UMA PROPOSTA PARA GERENCIAMENTO DA EXECUÇÃO DE PROJETOS DE CABEAMENTO ESTRUTURADO BASEADO NOS PARÂMETROS DA METODOLOGIA PMI UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA/AUTOMAÇÃO HENRY MEINELECKI BUENO BARBOSA LUCAS PEVIDOR DE CARVALHO CAVALLARI MURILO

Leia mais

PMO (Project Management Office) - Implantação de Escritório de Projetos

PMO (Project Management Office) - Implantação de Escritório de Projetos PMO (Project Management Office) - Implantação de Escritório de Projetos Orientações para o Projeto, Implantação, Gerenciamento e Avaliação de Maturidade do Escritório de Projetos Objetivo O que leva as

Leia mais

TI - GESTÃO DE PROJETOS

TI - GESTÃO DE PROJETOS TI - GESTÃO DE PROJETOS BISCAIA, R RESUMO: Atualmente o mercado competitivo faz com que empresas busquem constantemente inovações para se manterem competitivas, e nesse cenário tempo, custo e qualidade,

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE A Aplicação do Gerenciamento de Risco nos Projetos de Implantação de ERP - Protheus. Por: Gisele Santos Ribeiro Orientador

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultor (a) para desenvolver, treinar e implantar o Sistema de Gestão de Projetos do IBAMA. 2 JUSTIFICATIVA 2.1 Contextualização: O

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

A estrutura do gerenciamento de projetos

A estrutura do gerenciamento de projetos A estrutura do gerenciamento de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Carlos Magno da Silva Xavier

Carlos Magno da Silva Xavier Carlos Magno da Silva Xavier Metodologia de Gerenciamento de Projetos Qual a melhor para a sua Organização? magno@beware.com.br O QUE ESSES EVENTOS TÊM EM COMUM? Agenda Introdução Padrões Metodologias

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 Reestrutura as unidades vinculadas à Secretaria de Tecnologia da Informação SETIN do Tribunal Superior do Trabalho.

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS

APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS Versão 1 2010 A SIX SIGMA BRASIL apresenta a seguir seu portfolio de capacitação e consultoria de serviços de gerenciamento de projetos, processos (lean e seis sigma)

Leia mais

Principais Desafios na Implementação de Escritórios de Programas e Projetos (PMO)

Principais Desafios na Implementação de Escritórios de Programas e Projetos (PMO) Principais Desafios na Implementação de Escritórios de Programas e Projetos (PMO) 3º. Seminário de Gerenciamento de Projetos PMI-GO José Carlos Gomes Torquato, PMP genda Conceitos de PMO Tipos e Funções

Leia mais

Atendimento aos requisitos de Projeto e Desenvolvimento da ISO9001:2008 em Empreendimentos. Nasario de S. F. Duarte Jr.

Atendimento aos requisitos de Projeto e Desenvolvimento da ISO9001:2008 em Empreendimentos. Nasario de S. F. Duarte Jr. Atendimento aos requisitos de Projeto e Desenvolvimento da ISO9001:2008 em Empreendimentos Nasario de S. F. Duarte Jr. Resumo Embora organizações projetizadas (empresas que trabalham sob projetos) existam

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2013/1 o S Resolução CEPE 09/08 e alterado pelas Resoluções CEPE 23/2009 e 12/2011

PLANO DE ENSINO 2013/1 o S Resolução CEPE 09/08 e alterado pelas Resoluções CEPE 23/2009 e 12/2011 DISCIPLINA: PLANO DE ENSINO 2013/1 o S Resolução CEPE 09/08 e alterado pelas Resoluções CEPE 23/2009 e 12/2011 SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE PESSOAS E PROJETOS PROFESSOR: Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br

Leia mais

Portifólio de Serviços

Portifólio de Serviços Portifólio de Serviços A PM11K conta com uma abrangência de mercado muito grande graças ao seu modelo inovador. Aqui você contrata um consultor e, junto dele, mais centenas de outros consultores em rede,

Leia mais

Salvador César Costa salvadorc03@yahoo.com.br. PALESTRA Duração prevista: 01:30 h

Salvador César Costa salvadorc03@yahoo.com.br. PALESTRA Duração prevista: 01:30 h Salvador César Costa salvadorc03@yahoo.com.br PALESTRA Duração prevista: 01:30 h Breve Currículo do Palestrante Filme Ilustrativo O Veleiro Objetivos do Tema : Projeto e Gestão Teoria x Prática de Gestão

Leia mais

Ministério Público do Estado de Goiás

Ministério Público do Estado de Goiás Ministério Público do Estado de Goiás Apresentação Inicial PMO Institucional MP-GO 1 Um projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. Em muitos casos

Leia mais

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Resumo. Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Autor: Danilo Humberto Dias Santos Orientador: Walteno Martins Parreira Júnior Bacharelado em Engenharia da Computação

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE BASEADA NA NORMA NBR ISO 9001:2000 EM EMPRESAS SITUADAS EM PÓLOS OFFSHORE.

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE BASEADA NA NORMA NBR ISO 9001:2000 EM EMPRESAS SITUADAS EM PÓLOS OFFSHORE. GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE BASEADA NA NORMA NBR ISO 9001:2000 EM EMPRESAS SITUADAS EM PÓLOS OFFSHORE. Ivan Santos de Lima Engenheiro Naval pela Universidade Federal do Rio

Leia mais

Como Utilizar uma Metodologia de Gerenciamento de Projetos na Elaboração de Propostas? Carlos Magno da Silva Xavier (M.Sc., PMP)

Como Utilizar uma Metodologia de Gerenciamento de Projetos na Elaboração de Propostas? Carlos Magno da Silva Xavier (M.Sc., PMP) Como Utilizar uma Metodologia de Gerenciamento de s na Elaboração de Propostas? Carlos Magno da Silva Xavier (M.Sc., PMP) Abstract do Mini-Curso O Gerenciamento de um Começa Durante a Elaboração de sua

Leia mais

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Adriana Ferreira de Faria (Uniminas) affaria@uniminas.br Adriano Soares Correia (Uniminas) adriano@ep.uniminas.br

Leia mais

GOVERNANÇA DE TI PMBoK (Project Management Body of Knowledge)

GOVERNANÇA DE TI PMBoK (Project Management Body of Knowledge) GOVERNANÇA DE TI PMBoK (Project Management Body of Knowledge) Governança de TI AULA 08 2011-1sem Governança de TI 1 Introdução ao Gerenciamento de Projetos HISTÓRIA PMI Project Management Institute: Associação

Leia mais

Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) 2 Gerente Sênior de Projetos e Processos, 18 anos de experiência

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Planejamento e Gerenciamento Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução; Pessoas, Produto, Processo e Projeto; Gerência de

Leia mais

Gestão de Projetos MBE_UFRGS_2012

Gestão de Projetos MBE_UFRGS_2012 Gestão de Projetos MBE_UFRGS_2012 Istefani Carísio de Paula Programa 07/03 - Conceitos, definições e método de GP 14/03 Gestão de Portfólio 21/03- Gestão de Portfólio 28/03 Iniciação e Planejamento do

Leia mais

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam tratar da identificação bem como do estabelecimento de uma estrutura organizacional apropriada ao

Leia mais

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Francisco Xavier Freire Neto 1 ; Aristides Novelli Filho 2 Centro Estadual de Educação Tecnológica

Leia mais

AS MELHORES PRÁTICAS PARA INTEGRAR A GESTÃO DE PROJETOS COMPLEXOS (BEST PRACTICES FOR INTEGRATING THE MANAGEMENT OF COMPLEX PROJECTS)

AS MELHORES PRÁTICAS PARA INTEGRAR A GESTÃO DE PROJETOS COMPLEXOS (BEST PRACTICES FOR INTEGRATING THE MANAGEMENT OF COMPLEX PROJECTS) AS MELHORES PRÁTICAS PARA INTEGRAR A GESTÃO DE PROJETOS COMPLEXOS (BEST PRACTICES FOR INTEGRATING THE MANAGEMENT OF COMPLEX PROJECTS) Mauro Loureiro Alves Lima (UFF) maurollima@yahoo.com.br Jose Rodrigues

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

PLANEJAMENTO PLANEJAMENTO ESTRATÉGIA CICLO PDCA CICLO PDCA 09/04/2015 GESTÃO DE ESCOPO GERENCIAMENTO DE PROJETOS ACT

PLANEJAMENTO PLANEJAMENTO ESTRATÉGIA CICLO PDCA CICLO PDCA 09/04/2015 GESTÃO DE ESCOPO GERENCIAMENTO DE PROJETOS ACT UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL PLANEJAMENTO 2 GERENCIAMENTO DE PROJETOS SUBMETIDA E APROVADA A PROPOSTA DO PROJETO PROCESSO DE PLANEJAMENTO GESTÃO DE Processo fundamental

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Informação Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008

Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Informação Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008 REVISTA TELECOMUNICAÇÕES, VOL. 15, Nº01, JUNHO DE 2013 1 Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008 Valdeci Otacilio dos Santos

Leia mais

Estabelecendo um Escritório de Projetos

Estabelecendo um Escritório de Projetos Estabelecendo um Escritório de Projetos Ricardo Viana Vargas, MSc, IPMA-B, PMP ricardo.vargas@macrosolutions.com.br Ricardo Viana Vargas, MSc, IPMA-B, PMP Ricardo Vargas é especialista em gerenciamento

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DE PROJETOS: Guia de referência do sistema de gestão de projetos do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região

MANUAL DE GESTÃO DE PROJETOS: Guia de referência do sistema de gestão de projetos do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região MANUAL DE GESTÃO DE PROJETOS: Guia de referência do sistema de gestão de projetos do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região Belém PA 2013 MANUAL DE GESTÃO DE PROJETOS: Guia de referência do sistema

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc PMP, PMI-RMP, PMI-ACP, CSM, CSPO, ITIL & CobiT Certified Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP Especializações Certificações Mestre em Informática

Leia mais

II. FASE DE ENCERRAMENTO

II. FASE DE ENCERRAMENTO II. FASE DE ENCERRAMENTO Constitui a última fase da Metodologia de Gerenciamento de Projetos, que é iniciada quando os objetivos específicos do projeto foram alcançados e o cliente aceitou todos os produtos

Leia mais

Implantação do Gerenciamento de Projetos no Processo de Expansão de Alta Tensão da CEMIG-D: Os Desafios da Mudança Cultural

Implantação do Gerenciamento de Projetos no Processo de Expansão de Alta Tensão da CEMIG-D: Os Desafios da Mudança Cultural Implantação do Gerenciamento de Projetos no Processo de Expansão de Alta Tensão da CEMIG-D: Os Desafios da Mudança Cultural Júlio César Marques de Lima Agenda O Processo de Expansão AT da CEMIG-D. Cronograma

Leia mais

QUAL O ESCOPO ADEQUADO DE UM PROJETO DE MELHORIA DA MATURIDADE DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS?

QUAL O ESCOPO ADEQUADO DE UM PROJETO DE MELHORIA DA MATURIDADE DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS? QUAL O ESCOPO ADEQUADO DE UM PROJETO DE MELHORIA DA MATURIDADE DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS? APRESENTAÇÃO: CARLOS MAGNO DA SILVA XAVIER magno@beware.com.br www.beware.com.br O QUE ESSES EVENTOS TÊM EM

Leia mais

WWW.RJN.COM.BR/SIMULADOPMP

WWW.RJN.COM.BR/SIMULADOPMP EMENTA DO TREINAMENTO Apresentar metodologia de estudo dos fundamentos de gerenciamento de projetos, das áreas de conhecimento (integração, escopo, tempo, custo, qualidade, recursos humanos, comunicação,

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Projetos tem por fornecer conhecimento teórico instrumental que

Leia mais

A Maturidade Organizacional em Gerenciamento de Projetos (OPM3 ) de Informática em Saúde

A Maturidade Organizacional em Gerenciamento de Projetos (OPM3 ) de Informática em Saúde A Maturidade Organizacional em Gerenciamento de Projetos (OPM3 ) de Informática em Saúde Luis Augusto dos Santos 1, Heimar de Fátima Marin 2 1 Engenheiro Eletricista, membro do NIEn e pós-graduando pela

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN DEPARTAMENTO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: GERÊNCIA DE

Leia mais

Quais são as Balas de Prata no Gerenciamento de Projetos? (Autores: Carlos Magno da Silva Xavier e Alberto Sulaiman Sade Júnior) Resumo

Quais são as Balas de Prata no Gerenciamento de Projetos? (Autores: Carlos Magno da Silva Xavier e Alberto Sulaiman Sade Júnior) Resumo Quais são as Balas de Prata no Gerenciamento de Projetos? (Autores: Carlos Magno da Silva Xavier e Alberto Sulaiman Sade Júnior) Resumo A metáfora bala de prata se aplica a qualquer ação que terá uma extrema

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Gestão de Projetos Héstia_UFRGS_2011. Istefani Carísio de Paula, Dr.

Gestão de Projetos Héstia_UFRGS_2011. Istefani Carísio de Paula, Dr. Gestão de Projetos Héstia_UFRGS_2011 Istefani Carísio de Paula, Dr. 1 Apresentação Istefani Carísio de Paula Graduação em Processos Farmacêuticos USP Doutorado em Engenharia de Produção (PPGEP/UFRGS) com

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização

Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sessão de 30/10/2014, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Artigo 19, Inciso XVII do

Leia mais

ATUAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS NA IMPLANTAÇÃO DA METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS NA FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU

ATUAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS NA IMPLANTAÇÃO DA METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS NA FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU ATUAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS NA IMPLANTAÇÃO DA METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS NA FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU Franciane Pereira dos Reis Bolsista de Gerenciamento

Leia mais

Estar apto a utilizar técnicas, ferramentas e terminologias básicas do gerenciamento de projetos após a realização do curso.

Estar apto a utilizar técnicas, ferramentas e terminologias básicas do gerenciamento de projetos após a realização do curso. Curso sobre Gerenciamento de Projetos Apresentação O Gerenciamento de Projetos evoluiu nos últimos anos, ampliando sua área de atuação dentro das organizações. Nos mais variados campos da administração,

Leia mais

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação.

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação. Curso Formação Efetiva de Analístas de Processos Curso Gerenciamento da Qualidade Curso Como implantar um sistema de Gestão de Qualidade ISO 9001 Formação Profissional em Auditoria de Qualidade 24 horas

Leia mais

Gestão de Portfólio de Projetos

Gestão de Portfólio de Projetos Dez/2010 Gestão de de Projetos Prof. Américo Pinto FGV, IBMEC-RJ, PUC-RJ, COPPEAD Email: contato@americopinto.com.br Twitter: @americopinto Linkedin: Americo Pinto Website: www.americopinto.com.br Por

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA

OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Alcance melhores resultados através da gestão integrada de projetos relacionados ou que compartilham

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE ENSINO Av. Professor Mario Werneck, nº 2590,

Leia mais

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO 05.11.2015 SUMÁRIO INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO DE PORTFÓLIO CENÁRIO NEGATIVO DOS PORTFÓLIOS NAS ORGANIZAÇÕES GOVERNANÇA

Leia mais

Escritório de Gerenciamento de Projetos ( Project Management Office PMO)

Escritório de Gerenciamento de Projetos ( Project Management Office PMO) MBA em Gestão de Projetos Escritório de Gerenciamento de Projetos ( Project Management Office PMO) Flávio Feitosa Costa, MSc. PMP (flaviopmp@gmail.com) MBA em Gerência de Projetos Escritório de Gerenciamento

Leia mais

Declaração de trabalho do projeto. Caso de negócio. Fatores ambientais da empresa. Estratégia de gerenciamento das partes interessadas.

Declaração de trabalho do projeto. Caso de negócio. Fatores ambientais da empresa. Estratégia de gerenciamento das partes interessadas. 30 Estratégia de gerenciamento das partes interessadas. Eles serão descritos nas subseções a seguir. Declaração de trabalho do projeto A declaração de trabalho do projeto descreve o produto, serviço ou

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 1 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com.

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com. A pós-graduação é fundamental para manter-se bem colocado no mercado de trabalho e para aperfeiçoar competências profissionais. Além de enriquecer o currículo, este tipo de especialização ajuda a melhorar

Leia mais

Elaboração dos documentos

Elaboração dos documentos Estudo de Caso Área de conhecimento Gerência de Escopo Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A. A Presidência dos Correios vislumbrou a possibilidade da Empresa apresentar aos seus clientes

Leia mais

Modelo de Maturidade Organizacional de Gerência de Projetos. Organizational Project Management Maturity Model - OPM3

Modelo de Maturidade Organizacional de Gerência de Projetos. Organizational Project Management Maturity Model - OPM3 Modelo de Maturidade Organizacional de Gerência de Projetos Introdução Organizational Project Management Maturity Model - OPM3 Um trabalho voluntário A idéia de um modelo não é novidade, as organizações

Leia mais

Estudo de Caso. Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A.

Estudo de Caso. Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A. Estudo de Caso Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A. A Presidência dos Correios vislumbrou a possibilidade da Empresa apresentar aos seus clientes um novo serviço, que foi denominado de

Leia mais

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos Capítulo 1 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 2 1.1 DEFINIÇÃO DE PROJETOS O projeto é entendido como um conjunto de ações, executadas de forma coordenada por uma organização transitória, ao qual são

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

Gerenciamento de projetos. prof. Mário Garcia

Gerenciamento de projetos. prof. Mário Garcia Gerenciamento de projetos prof. Mário Garcia MBA em Gestão de Energia PROPPEX Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Centro Universitário Fundação Santo André Gerenciamento de projetos prof.

Leia mais

Boas Práticas de Gerenciamento de Projetos nas Empresas de Software de Pequeno e Médio Porte em Fortaleza

Boas Práticas de Gerenciamento de Projetos nas Empresas de Software de Pequeno e Médio Porte em Fortaleza Boas Práticas de Gerenciamento de Projetos nas Empresas de Software de Pequeno e Médio Porte em Fortaleza Mônica Carvalho Custódio Faculdade Estácio do Ceará Fortaleza, Brasil monicacustodio.brq@petrobras.com.br

Leia mais

A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 11ª. REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 11ª. REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, POLÍTICA INSTITUIDA ATO TRT 11ª REGIÃO Nº 058/2010/SGP (Publicado DOJT 26/10/2010) Institui a Política Organizacional de Gerenciamento de Projetos no âmbito do A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO

Leia mais

Uma abordagem comparativa do gerenciamento da qualidade do projeto

Uma abordagem comparativa do gerenciamento da qualidade do projeto Uma abordagem comparativa do gerenciamento da qualidade do projeto Amaury Bordallo Cruz (PEP/UFRJ) bordalo@ugf.br Elton Fernandes - (Coppe-UFRJ) - elton@pep.ufrj.br Solange Lima (PEP/UFRJ) solangelima@petrobras.com.br

Leia mais

Implantação e operação de um Escritório Corporativo de Projetos do Tribunal Superior Eleitoral com foco nas Eleições 2010

Implantação e operação de um Escritório Corporativo de Projetos do Tribunal Superior Eleitoral com foco nas Eleições 2010 Órgão: Tribunal Superior Eleitoral TSE Unidade: Escritório Corporativo de Projetos e-mail: ecp@tse.gov.br Implantação e operação de um Escritório Corporativo de Projetos do Tribunal Superior Eleitoral

Leia mais

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS. Descrição dos processos de gerenciamento da qualidade

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS. Descrição dos processos de gerenciamento da qualidade PROJETO NOVAS FRONTEIRAS PLANO DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE QUALITY MANAGEMENT PLAN Preparado por Mara Lúcia Menezes Membro do Time Versão 3 Aprovado por Rodrigo Mendes Lemos Gerente do Projeto 15/11/2010

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro Educação a Distância Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. A única diferença é a sala de aula que fica em suas

Leia mais