Newsletter n. 66 Janeiro/2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Newsletter n. 66 Janeiro/2015"

Transcrição

1 Newsletter n. 66 Janeiro/2015 Destaques desta edição SOCIETÁRIO Project Management Office em Projetos da Área Jurídica das Organizações... 1 PREVIDENCIÁRIO Edição da MP 664 e as novas regras para auxílio-doença e pecúlio por morte... 3 Regimes Próprios de Previdência Social RPPS Alteração na regra prudencial de investimentos... 5 Câmara de Recursos da Previdência Complementar: decisões relevantes ocorridas na 48 Reunião Ordinária relativas a investimentos de EFPCs... 6 JURISPRUDÊNCIA Acórdão do TJSP - Apelação Cível nº Arbitragem Vício na composição do Colégio Arbitral... 7 NOTÍCIAS STJ uniformiza entendimento sobre a desconsideração da personalidade jurídica das empresas... CVM altera regras de divulgação de informações do Fundo Garantidor de Parcerias Público-Privadas Pablo Waldemar Renteria é nomeado novo diretor da CVM... PREVIC edita Portaria nº 697/2014: atualização dos valores de multas pecuniárias no âmbito dos processos administrativos previstos no Decreto nº 4.942/ PREVIC edita Portaria nº 698/2014: atualização dos valores da penalidade pecuniária por descumprimento total ou parcial de Termo de Ajustamento de Conduta TAC... Revista de Previdência Volume Flavio Martins Rodrigues, sócio-sênior BCCS, recebe Troféu Benchmark da Revista Investidor Institucional na categoria melhor advogado de fundos de pensão... 15

2 Societário Project Management Office em Projetos da Área Jurídica das Organizações José Luiz Braga * De uns tempos para cá, virou rotina nas empresas e entidades jurídicas de todos os portes a utilização de gerenciamento externo para projetos que tenham um pouco mais de complexidade ou que requeiram um acompanhamento mais estreito e detalhado de seu desenvolvimento. Para esse gerenciamento, as entidades envolvidas em determinado projeto têmse valido do concurso de empresas especializadas nessa atividade conhecidas como Project Management Office [ou Organizer] ou, simplesmente, pela sigla PMO, as quais alocam ao projeto um grupo de profissionais que têm por missão monitorar o andamento dos trabalhos, organizando as equipes multidisciplinares na condução de suas respectivas tarefas, de maneira a que haja sincronismo e coordenação dos grupos de trabalho encarregados de dar curso ao projeto. O PMO é descrito pelo Project Management Institute (PMI) como um direcionador estratégico para a excelência organizacional, que busca o aprimoramento das práticas de execução gerencial e a melhor governança dos projetos. 1 Esse enfoque dado pelo PMI sugere que o PMO tanto pode ser uma peça da estrutura organizacional, quanto pode ser um reforço externo para uma tarefa episódica, determinada. Existindo, pois, uma clara definição de papéis e responsabilidades dos profissionais e um adequado sistema de reporte aos níveis hierárquicos das sociedades envolvidas, o PMO é um facilitador para a boa execução das tarefas relacionadas aos diversos estágios dos processos em curso, permitindo às estruturas de governança um controle preciso do desenvolvimento dos trabalhos. 1 1

3 Analisando o papel do PMO num espectro mais amplo, podemos vê-lo, por exemplo, atuando como um relevante recurso externo em projetos de fusões e aquisições de empresas ( M&A ), tornando-se uma excepcional ferramenta de controle de todas as fases do projeto, para muito além de sua governança e execução. Se numa operação de M&A o PMO é um importante auxiliar das áreas administrativa e financeira, surge a indagação se também não poderia sê-lo quanto aos trabalhos e responsabilidades das áreas jurídicas das sociedades envolvidas. De fato, em operações de maior porte e que requeiram o concurso de assessoria jurídica externa e, não raro, com a contratação de mais de um escritório de advocacia -, é de todo conveniente que o gerente ou diretor jurídico valha-se de um recurso externo para o gerenciamento coordenado das atividades da(s) consultoria(s) envolvidas, liberando-se, desse modo, para pensar nas questões da estratégia jurídica que o projeto recomende. Tendo as atividades administrativas e financeiras um PMO especializado nessas áreas, assim também é recomendável que o gerenciamento dos projetos jurídicos fique sob o controle de um consultor jurídico externo que, tendo visão holística dos vários ramos do direito, auxilie na coordenação dos trabalhos dos escritórios de advocacia contratados, além de funcionar como uma espécie de liaison entre aqueles e o gerente ou diretor jurídico das sociedades que sejam partes dessas operações de M&A. Para esse trabalho de PMO jurídico, o escritório de advocacia precisa ter autonomia, especialmente para efetuar análise de propostas, de contratos e projetos, bem como para gerenciar recursos e processos, com o fim de possibilitar maior eficiência e integração da área jurídica interna com os consultores externos envolvidos nos projetos. * José Luiz Braga é sócio de BCCS 2

4 Previdenciário Edição da MP 664 e as novas regras para auxíliodoença e pecúlio por morte Flavio Martins Rodrigues* Rebecca Molina Ferreto** Em , o Governo Federal editou a Medida Provisória nº 664 com o objetivo de alterar requisitos e alcance de alguns benefícios previdenciários previstos na Lei 8.213/1991, especialmente em relação ao auxílio-doença e à pensão por morte. Sobre o auxílio-doença, é importante destacar as seguintes alterações: (i) o valor do auxílio-doença não poderá exceder a média aritmética simples dos últimos doze salários de contribuição; e (ii) à empresa empregadora, caberá pagar ao segurado empregado o salário integral durante os primeiros trinta dias de afastamento da atividade por motivo de invalidez (e não mais durante os quinze primeiros dias). Por outro lado, as alterações referentes à pensão por morte foram mais relevantes e seus efeitos devem ser analisados com maior cuidado. Em resumo, as mudanças mais relevantes dizem respeito: (i) à carência de vinte e quatro contribuições mensais para a concessão de pensão, exceto nos casos em que o segurado: (a) estiver em gozo de auxíliodoença (art. 25, IV); (b) estiver em gozo de aposentadoria por invalidez (art. 25, IV); ou (c) tenha falecido em decorrência de acidente do trabalho e doença profissional ou do trabalho (art. 26, VII, todos os art. mencionados são da Lei 8.213/1991); (ii) ao valor mensal da pensão por morte corresponde a cinquenta por cento do valor da aposentadoria que o segurado recebia ou daquela a que teria direito se estivesse aposentado por invalidez na data de seu falecimento, acrescido de tantas cotas individuais quantos forem os dependentes do segurado até o máximo de cinco (art. 75 da Lei 8.213/1991); e 3

5 (iii) à duração da pensão por morte devida ao cônjuge, companheiro ou companheira, que será calculada de acordo com a expectativa de sua sobrevida no momento do óbito do instituidor segurado, variando de 3 anos à vitalícia, conforme tabela trazida pela MP. É importante ressaltar que a data de entrada em vigor dos dispositivos da MP 664/2014 ocorre/ocorrerá em diferentes prazos, a saber: (i) os 5 e 6 do art. 60 e o 1 do art. 74 da Lei 8.213/1991, que tratam: (a) do auxílio doença; e (b) perda do direito à pensão se o beneficiário for condenado por crime doloso de resulte a morte do segurado entram em vigor na data da publicação da MP; (ii) o 2 do art. 74 da Lei 8.213/1991, que trata da exigência de que o casamento ou a união estável tenham ocorrido antes de dois anos da data da morte e dos casos de exclusão entra em vigor quinze dias após a publicação da MP; e (iii) os demais dispositivos da Lei 8.213/1991 somente terão vigência a partir do primeiro dia do terceiro mês subsequente à data da publicação da MP, isto é em abril de A Medida Provisória ainda será apreciada pelo Congresso Nacional e pode sofrer alterações. Contudo, sabe-se que existem muitos planos de benefícios complementares, que vinculam o pagamento do benefício de auxílio-doença e da pensão por morte às regras da Previdência Social. Nestes casos, deverão ser analisadas as rotinas de deferimento dos planos e se há alguma forma de inadequação a ser ajustada por meio de alterações nos regulamentos dos planos em caso de aprovação da nova legislação. * Flavio Martins Rodrigues é sócio sênior de BCCS ** Rebecca Molina Ferreto é advogada associada de BCCS 4

6 Regimes Próprios de Previdência Social RPPS Alteração na regra prudencial de investimentos Matheus Corredato Rossi* Rebecca Molina Ferreto** O Banco Central do Brasil publicou, em 19/12/2014, a Resolução CMN n 4.392/2014 que alterou a Resolução 3.922/2010, relativa às aplicações dos recursos dos regimes próprios de previdência social-rpps, instituídos pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios. Dentre as alterações, destacam-se, primeiramente, as mudanças ocorridas nos ativos do segmento de aplicação de renda fixa, quais sejam: a) inclusão das cotas de fundos de índices de renda fixa no limite de até 80% (art. 7º, III). b) inclusão das cotas de fundos de índices de renda fixa ou como referenciados em indicadores de desempenho de renda fixa no limite de até 30% (art. 7º, IV). c) inclusão das Letras Imobiliárias Garantidas no limite de até 20% (art. 7º V). d) determinação que os RPPS só poderão adquirir cotas de classe sênior dos fundos de investimento em direitos creditórios - FIDC, sejam estes constituídos sob a forma de condomínio aberto ou condomínio fechado (art. 7º VI e VII). Ainda, foi determinado que as aplicações em cotas de um mesmo fundo de índice não podem exceder a 20% das aplicações dos recursos do regime próprio de previdência social. Foi inserido, ainda, que para as aplicações em FIDC efetuadas a partir de 1º de janeiro de 2015, a observância do limite de concentração de 25% deve ser calculado em proporção do total de cotas de classe sênior e não do total de cotas do FIDC. Alteração relevante foi trazida ao art. 22 da Resolução 3.922/2010, relativo às hipóteses de desenquadramentos passivos. Tendo em vista a valorização ou desvalorização de ativos financeiros da carteira, alguns RPPS corriam o risco de não obter a renovação do CRP- Certificado de Regularidade Previdenciária por força de tais oscilações. 5

7 De acordo com a nova regra, não serão consideradas hipóteses de infringência (i) investimentos que não excedam 25% do limite definido nos incisos VI e VII e 5º do art. 7º e nos incisos IV, V e VI do art. 8 ; e (ii) pelo prazo máximo de 180 dias, no caso dos demais limites. Enquanto perdurar os excessos em relação aos limites estabelecidos nos arts. 7º e 8º, o RPPS ficará impedido de efetuar novas aplicações que onerem os excessos verificados, relativamente aos limites excedidos. Por fim, foi inserida como hipótese de vedação ao RPPS a negociação de cotas de fundos de índice em mercado de balcão. Vale observar que as alterações aqui apresentadas entraram em vigor em 19/12/2014, data de publicação da Resolução CMN n 4.392/2014. * Matheus Corredato Rossi é sócio de BCCS ** Rebecca Molina Ferreto é advogada de BCCS Câmara de Recursos da Previdência Complementar: decisões relevantes ocorridas na 48 a Reunião Ordinária relativas a investimentos de EFPCs Flavio Martins Rodrigues * Armando Adurens ** O escritório Bocater Camargo Costa e Silva Advogados, regularmente, está presente às reuniões da Câmara de Recursos da Previdência Complementar ( CRPC ) com o objetivo de acompanhar o desenvolvimento da jurisprudência administrativa desse colegiado superior ou participar de julgamentos nos quais representa dirigentes de fundos de pensão. 6

8 A 48 a Reunião Ordinária da CRPC, ocorrida em , foi marcada por duas decisões importantes relativas a autos de infração, que versavam sobre investimentos, ambos capitulados no art. 64 do Decreto 4.942/2003. Confira-se o dispositivo: Art. 64. Aplicar os recursos garantidores das reservas técnicas, provisões e fundos dos planos de benefícios em desacordo com as diretrizes estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional. No primeiro julgamento, o entendimento da Primeira Instância (Diretoria Colegiada da PREVIC) havia sido de que CDBs adquiridos por EFPC possuíam características inadequadas, ainda que aderentes à Resolução CMN 3.792/2009, e que não teriam sido tomados os cuidados necessários prévios à operação. A decisão do Colegiado da CRPC foi de julgar o auto de infração improcedente, entendendo que os investimentos não eram vedados pela norma do CMN e que haviam sido tomadas todas as medidas prévias possíveis, sobretudo a partir de análises de ALM, financeiras e jurídicas de consultores externos especializados. O segundo caso estava relacionado a um possível ágio excessivo na estruturação de uma CCCB. O Colegiado da CRPC entendeu que esse excesso não restava esclarecido (como apontado em pedido de prova pericial dos recorrentes) e determinou o retorno dos autos para PREVIC para diligências. Essas decisões mostram que o complexo ambiente de decisões de investimento dos fundos de pensão vem sendo compreendido pela CRPC e que o ato regular de gestão não pode ser objeto de punição. * Flavio Martins Rodrigues é sócio de BCCS ** Armando Adurens é advogado de BCCS Jurisprudência Tribunal de Justiça de São Paulo O Tribunal de Justiça de São Paulo publicou acórdão, a seguir ementado, do julgamento da Apelação Cível nº , relativa a um caso em que BCCS foi consultado pela Paranapanema S.A. após decisão adversa na Arbitragem. 7

9 A manifestação do escritório foi no sentido de que a formação do tribunal arbitral foi viciada e que, em decorrência, a sentença arbitral deveria ser anulada, tese esta que foi acolhida por aquela Corte, em decisão que reputou imodificável o julgado de primeira instância. ARBITRAGEM. Conflito decorrente de contratos de Swap coligados a Contrato de Abertura de Crédito com cláusula compromissória. Negócios jurídicos acessórios que tiveram sua causa eficiente bem sedimentada no Contrato de Abertura de Crédito que lhes traçou as cláusulas nucleares. Inocorrência da alegada autonomia e independência dos ditos contratos derivativos utilizados para proteção ou possível alavancagem dos ativos da empresa devedora. Submissão da matéria ao tribunal arbitral. Cabimento. Recurso da autora não provido nessa parte. Se o contrato principal de empréstimo reflete verdadeira condição sine qua non da existência daqueles de swap, que lhe são meros anexos ou acessórios, a cláusula compromissória do contrato principal se estende ao acessório coligado. Assim, se o que se discute é o dever, ou não, de honrar esses instrumentos de pagamento do contrato principal, não se verifica conflito nenhum da arbitragem com a autonomia de vontade das partes expressada na cláusula de eleição de foro judicial pertencente aos Contratos de Swap, permanecendo esta preservada e em estado latente, no aguardo de situações específicas que lhe permitam invocação. ARBITRAGEM. Caso envolvendo litisconsórcio de partes com interesses distintos no mesmo pólo. Omissão do Regulamento da Câmara de Arbitragem quanto à indicação de árbitros em casos de multipartes com interesses distintos no mesmo pólo. Integração do regulamento pelo Presidente daquele órgão que não se deu com melhor técnica jurídica por fazer prevalecer a indicação de árbitro de apenas uma das partes, suprimindo o direito de indicação das outras. Inobservância de princípios basilares da isonomia e imparcialidade que viciaram a formação do painel arbitral. Parte prejudicada que invoca a reserva legal de apreciação de tal questão pelo judiciário. Inocorrência de preclusão nos termos do art. 19, 2º, da Lei nº 9307/96. Sentença arbitral anulada. Recursos dos réus não providos. 8

10 No juízo comum (estatal), o julgador é investido diretamente pelo próprio Estado; no juízo arbitral, diferentemente, o julgador é investido diretamente pelas próprias partes. Portanto, se há algum momento em que não pode haver qualquer espécie de dúvida, incerteza ou mácula este reside no ato dessa verdadeira investidura manifestada pelas partes. Afinal, o poder de dizer o direito sobre um caso concreto outorgado ao juiz arbitral só goza de tal predicado de impor decisão com eficácia vinculante para as partes porque estas assim o quiseram. ARBITRAGEM. Ação anulatória de sentença arbitral. Honorários de advogado. Sucumbência recíproca. Autora que deduz dois pedidos declaratórios, restando acolhido apenas um deles. Aplicação da regra do art. 21 do CPC. Divisão que não precisa se ater exatamente ao percentual de sucumbência de cada parte, mormente quando a lide não envolve, imediatamente, discussão de valores, mas apenas declaração de direitos. Recurso da autora não provido nessa parte. A norma contida no art. 21 do CPC estabelece a divisão dos ônus de sucumbência de forma recíproca e proporcional entre vencido e vencedor, não significando, contudo, que essa divisão tenha de se ater exatamente ao percentual de sucumbência de cada parte. (TJ-SP - APL: SP , Relator: Des. Gilberto dos Santos, Data de Julgamento: 03/07/2014, 11ª Câmara de Direito Privado, Data de Publicação: 17/07/2014). Notícias STJ uniformiza entendimento sobre a desconsideração da personalidade jurídica das empresas A Segunda Seção do Superior Tribunal de Justiça ( STJ ), ao julgar os Embargos de Divergência em Recurso Especial n SC, entendeu que a dissolução da sociedade ou o encerramento de suas atividades, ainda que irregulares, não são, por si só, causas suficientes para a desconsideração da personalidade jurídica, nos termos do Código Civil. 9

11 Na ação de execução originária, o Tribunal de Justiça de Santa Catarina deu provimento a agravo de instrumento interposto pela sociedade executada, e respectivos sócios, para afastar o decreto de desconsideração da personalidade jurídica da empresa, sob o argumento de que o encerramento irregular de suas atividades pela sociedade empresária, não caracteriza, por si só, uma das hipóteses previstas no artigo 50 do Código Civil como autorizadoras da medida. O acórdão proferido pelo Tribunal Estadual foi objeto de Recurso Especial interposto por credor da sociedade empresária, tendo sido distribuído à Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça, que entendeu por bem reformar o julgado emanado da Corte local e manter o decreto da desconsideração da personalidade jurídica da empresa executada. Segundo orientação da Terceira Turma, a desconsideração da personalidade jurídica, enquanto medida excepcional, teria cabimento quando verificado o abuso de sua personificação jurídica, consubstanciado em excesso de mandato, desvio de finalidade da empresa, confusão patrimonial entre a sociedade ou os sócios ou, ainda, nas hipóteses de dissolução irregular da empresa. A sociedade e seus sócios, com base em acórdão proferido no âmbito da Quarta Turma do STJ, cujo entendimento segue a linha da decisão do Tribunal de Santa Catarina, ingressaram, então, com Embargos de Divergência. No julgamento dos Embargos de Divergência pela Segunda Seção do STJ, prevaleceu o entendimento de que a melhor interpretação para o artigo 50 do Código Civil restringe sua aplicação a situações extremas, nas quais se demonstre ter a pessoa jurídica servido de anteparo para fins ilícitos levados a efeito por seus sócios e administradores. Uma vez que o acórdão do Tribunal Estadual não reconheceu que a dissolução da sociedade tinha por fim fraudar credores ou enganar terceiros, o STJ acolheu os Embargos de Divergência e manteve o posicionamento do acórdão estadual, unificando o entendimento da Corte no sentido de que o encerramento irregular das atividades empresariais, de maneira isolada, não enseja a desconsideração da sua personalidade jurídica, no âmbito do Código Civil. 10

12 CVM altera regras de divulgação de informações do Fundo Garantidor de Parcerias Público-Privadas A Comissão de Valores Mobiliários editou, no último dia 27, a Instrução CVM nº 557/15, que alterou a Instrução CVM nº 426/05, que dispõe sobre a administração de carteira de valores mobiliários do Fundo Garantidor de Parcerias Público-Privadas (FGP). O FGP, que tem a União como cotista exclusivo e é administrado pelo Banco do Brasil S.A., tem por finalidade a prestação de garantia de pagamento de obrigações pecuniárias assumidas pelos parceiros públicos federais em virtude das parcerias público-privadas previstas na Lei nº /2004. Em decorrência das alterações promovidas que têm por objetivo a redução de custos na manutenção do fundo e o alinhamento de sua regulação com as dos demais fundos de investimento a divulgação das informações periódicas do FGP, bem como de ato ou fato relevante relativo à carteira do fundo, passa a ser feita na página do administrador na internet, e não mais por meio da publicação em jornal de grande circulação. Pablo Waldemar Renteria é nomeado novo diretor da CVM A presidente Dilma Rousseff nomeou, em janeiro deste ano, Pablo Waldemar Renteria para o cargo de diretor da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) com mandato até o fim de A indicação de Renteria para compor a diretoria da CVM foi aprovada em dezembro do ano passado pelo Senado, três meses após ter sido apresentada pela Presidente da República. 11

13 O novo diretor já havia atuado, em 2008, como Assessor de Assuntos Regulatórios da CVM, assumindo, posteriormente, o cargo de Superintendente de Processos Sancionadores até PREVIC edita Portaria nº 697/2014: atualização dos valores de multas pecuniárias no âmbito dos processos administrativos previstos no Decreto nº 4.942/2003 A Diretoria Colegiada da Superintendência Nacional de Previdência Complementar-PREVIC aprovou a Portaria nº 697, de 24 de dezembro de 2014, que dispõe sobre a atualização dos valores das penalidades administrativas de multas pecuniárias. Conforme previsto no referido diploma, os novos valores serão aplicados consoante tabela de atualização prevista em seu anexo único, que são os seguintes: Dispositivo Legal Arts. 65, 66, 69, 72, 76, 77, 84, 90, 92, 93, 97, 98, 104, 105, 106, 107, 108 e Arts. 67, 70, 75, 79, 80, 81, 82, 83, 87, 88 e 109 Arts. 63, 64, 71, 73, 74, 78, 85, 86, 89, 91, 94, 95, 96, 99, 100 e 103 Valor atualizado (em reais) , , ,86 Arts. 68 e ,57 Art ,69 a ,79 Art. 22, IV, c/c Art. 26, 2º 4.798,69 a ,79 12

14 Deve-se ressaltar que a penalidade mais usualmente aplicada aplicar os recursos garantidores das reservas técnicas, provisões e fundos dos planos de benefícios em desacordo com as diretrizes estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional (art. 64 do Decreto 4.942/2003) passa a ter a pena pecuniária de R$ ,86, podendo ser cumulada com suspensão pelo prazo de até cento e oitenta dias ou com inabilitação pelo prazo de dois a dez anos. PREVIC edita Portaria nº 698/2014: atualização dos valores da penalidade pecuniária por descumprimento total ou parcial de Termo de Ajustamento de Conduta TAC A Diretoria Colegiada da Superintendência Nacional de Previdência Complementar-PREVIC aprovou a Portaria nº 698, de 24 de dezembro de 2014, que dispõe sobre a atualização dos valores, mínimo e máximo, da penalidade pecuniária por descumprimento total ou parcial de Termo de Ajustamento de Conduta - TAC. Conforme previsto no referido diploma, os novos valores serão aplicados consoante tabela de atualização prevista em seu anexo único, que são os seguintes: Dispositivo Legal Instrução MPS/PREVIC nº 03, de 29 de junho de 2010 Valor Atualizado (em reais) Art ,91 a ,73 13

15 Revista de Previdência Volume 12 Flavio Martins Rodrigues * O Escritório patrocina a Revista de Previdência, editada pela Editora Gramma. O Volume nº 12 já está impressa, devendo o seu lançamento dar-se em fevereiro ou março de Os artigos e autores deste próximo Volume são: - A Proteção Patrimonial dos Planos de Benefícios da Previdência Complementar Fechada, Allan Luiz Oliveira Barros, Procurador Federal da Advocacia-Geral da União junto à Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc); - A Atividade-Meio das Entidades Fechadas de Previdência Complementar e os Investimentos em Capital Produtivo : Luís Gustavo Frantz, advogado da Caixa de Previdência dos Funcionários do Banco do Brasil (Previ); - Investimentos dos Fundos de Pensão: Aspectos Jurídicos : Flavio Martins Rodrigues, Armando Adurens e Rodrigo Goes de Queiroz, advogados de Bocater, Camargo, Costa e Silva; - Consequências da Aplicação do Código de Defesa do Consumidor às Relações de Previdência Complementar Fechada : Danilo Ribeiro Miranda Martins, Procurador Federal da Advocacia-Geral da União e Coordenador-Geral de Consultoria e Assessoramento Jurídico da Procuradoria Federal junto à Previc; - As Novas Regras para a Retirada de Patrocínio nas EFPC: Aspectos Econômico-financeiros e Atuariais : Christian Aggensteiner Catunda, o atuário especialista da Previc; - O Princípio do Consensualismo e sua Aplicação na Supervisão dos Investimentos de Fundos de Pensão : Rodrigo Góes de Queiroz, advogado de Bocater, Camargo, Costa e Silva; - Aposentadoria Espontânea e os Reflexos sobre os Empregados Públicos : Felipe Epaminondas de Carvalho, o advogado especialista em previdência. * Flavio Martins Rodrigues é sócio de BCCS e editor da Revista de Previdência. 14

16 Flavio Martins Rodrigues, sócio-sênior BCCS, recebe Troféu Benchmark da Revista Investidor Institucional na categoria melhor advogado de fundos de pensão Flávio Martins Rodrigues, sócio-sênior BCCS, foi agraciado com o Troféu Benchmark, destinado aos melhores profissionais do mercado de investimentos e previdência. O Troféu Benchmark é organizado pela Revista Investidor Institucional, que promoveu uma eleição direta, em dois turnos, para contemplar os profissionais que mais se destacaram em Flávio Martins Rodrigues foi eleito na categoria melhor advogado de fundos de pensão em votação realizada por 577 instituições, distribuídas entre fundos de pensão, assets, consultorias e entidades de regimes próprios de previdência. Endereços Av. Rio Branco, º e 40º Andar Centro Rio de Janeiro - RJ CEP: Tel.: (21) Fax: (21) /62 Rua Joaquim Floriano, º Andar Itaim Bibi São Paulo - SP CEP: Tel.: (11) Fax: (11) SAS Quadra 5 Bl K Sala 509 Ed. Office Tower Setor Autarquias Sul Brasília DF CEP: Tel.: (61) / / /

Newsletter n. 66 Janeiro/2015

Newsletter n. 66 Janeiro/2015 Newsletter n. 66 Janeiro/2015 Destaques desta edição SOCIETÁRIO Project Management Office em Projetos da Área Jurídica das Organizações... 1 PREVIDENCIÁRIO Regimes Próprios de Previdência Social RPPS Alteração

Leia mais

Newsletter n. 51 setembro/2013

Newsletter n. 51 setembro/2013 Newsletter n. 51 setembro/2013 Destaques desta edição PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Novas normas para EFPC: Resolução CNPC 12/2013 e Instrução SPC 04/2013... 1 JURISPRUDÊNCIA Superior Tribunal de Justiça...

Leia mais

Newsletter n. 43 janeiro/2013

Newsletter n. 43 janeiro/2013 Newsletter n. 43 janeiro/2013 Destaques desta edição PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR O efetivo início da previdência complementar para os servidores públicos: publicação das portarias autorizativas dos planos

Leia mais

Newsletter n. 67 Fevereiro/2015

Newsletter n. 67 Fevereiro/2015 Newsletter n. 67 Fevereiro/2015 Destaques desta edição Mercado de Capitais CVM coloca em audiência pública proposta de reforma da regulamentação de Notas Promissórias que promete estimular captações de

Leia mais

Newsletter n. 71 Junho/2015

Newsletter n. 71 Junho/2015 Newsletter n. 71 Junho/2015 Destaques desta edição Mercado de Capitais CVM divulga novas regras sobre operações de fusão, cisão, incorporação e incorporação de ações, envolvendo emissores de valores mobiliários

Leia mais

A RESOLUÇÃO CMN 3121/03 E O DIREITO DE PREFERÊNCIA

A RESOLUÇÃO CMN 3121/03 E O DIREITO DE PREFERÊNCIA A RESOLUÇÃO CMN 3121/03 E O DIREITO DE PREFERÊNCIA Matheus Corredato Rossi 1 Publicado originalmente em Fundos de Pensão Revista da ABRAPP / SINDAPP / ICSS. n. 300. São Paulo: jan/05. As normas que atualmente

Leia mais

SALÁRIO MÍNIMO NOVO VALOR A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2015 DECRETO Nº 8.381 - DOU de 30.12.2014

SALÁRIO MÍNIMO NOVO VALOR A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2015 DECRETO Nº 8.381 - DOU de 30.12.2014 Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Di Informativo 01/2015 SALÁRIO MÍNIMO NOVO VALOR A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2015 DECRETO Nº 8.381 - DOU de 30.12.2014 Foi publicado no Diário Oficial da

Leia mais

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de MEDIDA PROVISÓRIA Nº 664 DE 30.12.2014 (DOU 30.12.2014 ED. EXTRA; REP. DOU DE 02.01.2015) Altera as Leis nº 8.213, de 24 de julho de 1991, nº 10.876, de 2 junho de 2004,nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990,

Leia mais

1º Fórum de Investimentos Imobiliários Investidor Institucional

1º Fórum de Investimentos Imobiliários Investidor Institucional 1º Fórum de Investimentos Imobiliários Investidor Institucional Riscos Jurídicos dos investimentos no setor imobiliário Matheus Corredato Rossi São Paulo, 23 de abril de 2014 AGENDA 1 PROCESSO DE INVESTIMENTO

Leia mais

PUBLICADAS MEDIDAS PROVISÓRIAS QUE ALTERAM A LEGISLAÇÃO TRABALHISTA E PREVIDENCIÁRIA

PUBLICADAS MEDIDAS PROVISÓRIAS QUE ALTERAM A LEGISLAÇÃO TRABALHISTA E PREVIDENCIÁRIA Rio de Janeiro, 07 de janeiro de 2015. CIRCULAR 01/2015 JURÍDICO PUBLICADAS MEDIDAS PROVISÓRIAS QUE ALTERAM A LEGISLAÇÃO TRABALHISTA E PREVIDENCIÁRIA Publicadas no Diário Oficial da União de 30/12/2014,

Leia mais

Previdência no Brasil. Regime de Previdência Complementar. Regimes Próprios dos Servidores Públicos. Regime Geral de Previdência Social

Previdência no Brasil. Regime de Previdência Complementar. Regimes Próprios dos Servidores Públicos. Regime Geral de Previdência Social As Entidades Fechadas de participantes desta pesquisa, conhecidas como Fundos de Pensão, fazem parte do Sistema de. Os Fundos de Pensão desenvolveram-se e modernizaram-se ao longo dos últimos anos graças

Leia mais

Série Concursos Públicos Direito Previdenciário Wagner Balera Cristiane Miziara Mussi 11ª para 12ª edição

Série Concursos Públicos Direito Previdenciário Wagner Balera Cristiane Miziara Mussi 11ª para 12ª edição p. 32 Substituir pelo texto abaixo: 45. 2009 (15/06) Ratificada pelo Brasil, a Convenção 102, de 1952, da OIT, aprovada pelo Decreto Legislativo 269, de 19.09.2008, do Congresso Nacional. 1 46. 2011 Lei

Leia mais

Decisão do Tribunal Regional do Trabalho da 2.ª Região (TRT-2)

Decisão do Tribunal Regional do Trabalho da 2.ª Região (TRT-2) Fevereiro 2015 RADAR STOCCHE FORBES - SOCIETÁRIO Unificação dos sistemas Empresas.Net e IPE No dia 30 de janeiro de 2015 a CVM comunicou que realizará a unificação das plataformas do Sistema IPE e do Sistema

Leia mais

R e s o l u ç ã o. B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l

R e s o l u ç ã o. B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l R e s o l u ç ã o 3 7 9 0 B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l S u m á r i o SEÇÃO I: DA ALOCAÇÃO DOS RECURSOS E DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS... 1 Subseção I: Da Alocação dos Recursos... 1 Subseção

Leia mais

CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA TEXTO X

CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA TEXTO X CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA CICLO 2012 TEXTO X A Previdência Social do Servidor Público Valéria Porto Ciclos de Debates - Direito e Gestão Pública A Previdência Social do Servidor Público

Leia mais

Medidas Provisórias nº 664 e nº 665

Medidas Provisórias nº 664 e nº 665 Medidas Provisórias nº 664 e nº 665 Perguntas e respostas Ministério da Previdência Social Auxílio-Doença Benefício pago ao segurado em caso de incapacitação temporária para o trabalho por doença ou acidente

Leia mais

RELATÓRIO. Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL

RELATÓRIO. Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Órgão: TURMA REGIONAL DE UNIFORMIZAÇÃO DE JURISPRUDÊNCIA N. Processo: 0500029-74.2008.4.05.8103 Origem: Primeira Turma Recursal do Estado do Ceará Recorrente: João Ferreira

Leia mais

Carência para o recebimento do benefício pensão por morte?

Carência para o recebimento do benefício pensão por morte? 1 Carência para o recebimento do benefício pensão por morte? A MP 664 de dezembro de 2014 previu uma carência de 24 meses para a obtenção do benefício pensão por morte. Depois de muita discussão no Congresso

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001

LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001 LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001 Dispõe sobre a relação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, suas autarquias, fundações, sociedades de economia mista e outras entidades

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 172, DE 2014

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 172, DE 2014 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 172, DE 2014 Modifica a Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991, para possibilitar o trabalhador aposentado ou seu pensionista o direito à desaposenadoria. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

EC 70/12 E MUDANÇAS NA LEI 9.717/98

EC 70/12 E MUDANÇAS NA LEI 9.717/98 SPPS Secretaria de Políticas de Previdência Social Departamento dos Regimes de Previdência no Serviço Público-DRPSP EC 70/12 E MUDANÇAS NA LEI 9.717/98 BENTO GONÇALVES, 25 de Maio de 2012 1 EMENDA CONSTITUCIONAL

Leia mais

PERGUNTAS & RESPOSTAS

PERGUNTAS & RESPOSTAS PL nº 1992, DE 2007 FUNPRESP PERGUNTAS & RESPOSTAS 1. ORÇAMENTO: PL sem dotação orçamentária? O governo enviou, no dia 06 de fevereiro, de 2012 um projeto de lei (PLN nº 1, de 2012; MSG nº 24/2012) que

Leia mais

Governo altera regras do Trabalho e da Previdência Social

Governo altera regras do Trabalho e da Previdência Social CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 23 janeiro de 2015 Organização:

Leia mais

DIÁLOGOS SOCIAIS. Junho de 2015

DIÁLOGOS SOCIAIS. Junho de 2015 DIÁLOGOS SOCIAIS Resumo das regras das Leis nºs 13.135/2015 (MP nº 664/2014) e 13.134/2015 (MP nº 665/2014) relativas ao Ministério da Previdência Social Junho de 2015 Diálogos Sociais I. Benefícios Relacionados

Leia mais

Matos e Daixum. A d v o g a d o s

Matos e Daixum. A d v o g a d o s Fundado em 2001, o Matos e Daixum Advogados (MDA) é fruto da união de duas famílias de grande história jurídica. A austeridade e a experiência dos profissionais que constituem o MDA permitiram que o escritório

Leia mais

Diluição injustificada de sócio. Anulação de assembléia. Direito Societário

Diluição injustificada de sócio. Anulação de assembléia. Direito Societário Direito Societário Diluição injustificada de sócio. Anulação de assembléia. A Nona Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro julgou improcedente ação de anulação de deliberação assemblear,

Leia mais

RESOLUÇÃO 3.922 -------------------------

RESOLUÇÃO 3.922 ------------------------- RESOLUÇÃO 3.922 ------------------------- Dispõe sobre as aplicações dos recursos dos regimes próprios de previdência social instituídos pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios. O Banco Central

Leia mais

Resumo das regras nas medidas provisórias nº 664 e nº 665

Resumo das regras nas medidas provisórias nº 664 e nº 665 Resumo das regras nas medidas provisórias nº 664 e nº 665 Cenário Aumentou o emprego e a formalização: 15,5 milhões no setor privado de 2003 a 2013 Base de segurados da previdência aumentou em 30 milhões

Leia mais

LEI Nº 10.259, DE 12 DE JULHO DE 2001.

LEI Nº 10.259, DE 12 DE JULHO DE 2001. LEI Nº 10.259, DE 12 DE JULHO DE 2001. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Dispõe sobre a instituição dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais no âmbito da Justiça Federal. Faço saber que o Congresso Nacional

Leia mais

CARTILHA PREVIDENCIÁRIA

CARTILHA PREVIDENCIÁRIA CARTILHA PREVIDENCIÁRIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL DE MOGI DAS CRUZES - IPREM IPREM Instituto de Previdência Municipal APRESENTAÇÃO Prezado Servidor, A Lei Complementar nº 35 de 05 de julho de

Leia mais

MP 664 e MP 665 Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) e Previdência Social

MP 664 e MP 665 Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) e Previdência Social MP 664 e MP 665 Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) e Previdência Social Abono Salarial Seguro Desemprego Seguro Defeso Pensão por Morte Auxílio-Doença Transformações Estruturais Nos últimos anos, o processo

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO fls. 1 ACÓRDÃO Registro: 2013.0000216806 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento nº 0196471-72.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é agravante SOCIORTHO COMERCIO

Leia mais

Previdência Complementar do servidor em perguntas e respostas

Previdência Complementar do servidor em perguntas e respostas Previdência Complementar do servidor em perguntas e respostas Por Antônio Augusto de Queiroz - Jornalista, analista político e diretor de Documentação do Diap Com o propósito de esclarecer algumas dúvidas

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO COLÉGIO RECURSAL DA COMARCA DE SANTOS ACÓRDÃO. Recurso nº 0007220-95.2012.8.26.0562. Registro 2012.0000021251

PODER JUDICIÁRIO COLÉGIO RECURSAL DA COMARCA DE SANTOS ACÓRDÃO. Recurso nº 0007220-95.2012.8.26.0562. Registro 2012.0000021251 fls. 1 Registro 2012.0000021251 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Recurso Inominado nº 0007220-95.2012.8.26.0562, da Comarca de Santos, em que é recorrente L I V - INTERMEDIAÇÃO IMOBILIÁRIA

Leia mais

Art. 2º Fica alterado o art. 1º da Resolução 3.042, de 28 de novembro de 2002, que passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 2º Fica alterado o art. 1º da Resolução 3.042, de 28 de novembro de 2002, que passa a vigorar com a seguinte redação: RESOLUCAO 3.308 --------------- Altera as normas que disciplinam a aplicação dos recursos das reservas, das provisões e dos fundos das sociedades seguradoras, das sociedades de capitalização e das entidades

Leia mais

DOU N 250, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014 SEÇÃO I, PÁG 23. SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA

DOU N 250, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014 SEÇÃO I, PÁG 23. SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA DOU N 250, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014 SEÇÃO I, PÁG 23. SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA INSTRUÇÃO Nº 18, DE 24 DE DEZEMBRO DE 2014 Estabelece orientações e procedimentos

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação n 2 0002156-94.2010.8.26.0297, da Comarca de Jales, em que é apelante LÚCIA ALVES SANT ANA

Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação n 2 0002156-94.2010.8.26.0297, da Comarca de Jales, em que é apelante LÚCIA ALVES SANT ANA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO 382 ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N "03520294* Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Mate Gelado Refrescos Ltda. celebrou contrato de compra e venda com Águas Minerais da Serra S.A., pelo qual esta deveria fornecer 100 (cem) litros d água por dia

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Saulo Henriques de Sá e Benevides. Vistos, etc.

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Saulo Henriques de Sá e Benevides. Vistos, etc. ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Saulo Henriques de Sá e Benevides APELAÇÃO CÍVEL n 2 073.2003.012900-8/001 Comarca de Cabedelo RELATOR: João Benedito da Silva Juiz Convocado

Leia mais

ACÓRDÃO. Salles Rossi RELATOR Assinatura Eletrônica

ACÓRDÃO. Salles Rossi RELATOR Assinatura Eletrônica fls. 1 ACÓRDÃO Registro: 2012.0000382774 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0001561-08.2012.8.26.0562, da Comarca de Santos, em que é apelante PLANO DE SAÚDE ANA COSTA LTDA, é apelado

Leia mais

A PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR E A INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA

A PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR E A INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA A PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR E A INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA Matheus Corredato Rossi 1 Publicado originalmente em Fundos de Pensão Revista da ABRAPP / SINDAPP / ICSS. n. 316. São Paulo: mai/06. A importância

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GAB. DES. ROMERO MARCELO DA FONSECA OLIVEIRA DECISÃO MONOCRÁTICA.

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GAB. DES. ROMERO MARCELO DA FONSECA OLIVEIRA DECISÃO MONOCRÁTICA. DECISÃO MONOCRÁTICA. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GAB. DES. ROMERO MARCELO DA FONSECA OLIVEIRA REMESSA OFICIAL N. 200.2010.034-761-21001. ORIGEM : 2.a Vara da Fazenda Pública da Comarca da

Leia mais

DECRETO Nº 6.029, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2007

DECRETO Nº 6.029, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2007 SENADO FEDERAL SUBSECRETARIA DE INFORMAÇÕES DECRETO Nº 6.029, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2007 Institui Sistema de Gestão da Ética do Poder Executivo Federal, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

EX. MO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA, FALÊNCIA, CONCORDATAS E REGISTROS PÚBLICOS DA COMARCA DE CONTAGEM/MG.

EX. MO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA, FALÊNCIA, CONCORDATAS E REGISTROS PÚBLICOS DA COMARCA DE CONTAGEM/MG. EX. MO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA, FALÊNCIA, CONCORDATAS E REGISTROS PÚBLICOS DA COMARCA DE CONTAGEM/MG. PROCESSO: 007910 017400-6 / 0174006-57.2010.8.13.0079 JULIANA FERREIRA

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL DE GOV. VALADARES Departamento de Benefícios

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL DE GOV. VALADARES Departamento de Benefícios DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS DO SERVIDOR PÚBLICO O RPPS é estabelecido por lei elaborada em cada um dos Estados, dos Municípios e do Distrito Federal, e se destina exclusivamente aos servidores públicos titulares

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.259, DE 12 DE JULHO DE 2001. Vigência Regulamento Dispõe sobre a instituição dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais no

Leia mais

www.adrianamenezes.com.br www.facebook.com/profadrianamenezes DICAS DE OUTUBRO / 2014

www.adrianamenezes.com.br www.facebook.com/profadrianamenezes DICAS DE OUTUBRO / 2014 DICAS DE OUTUBRO / 2014 DICA 01 É de dez anos o prazo de decadência de todo e qualquer direito ou ação do segurado ou beneficiário para a revisão do ato de concessão de benefício, a contar do dia primeiro

Leia mais

Newsletter n. 41 novembro/2012

Newsletter n. 41 novembro/2012 Newsletter n. 41 novembro Destaques desta edição DIREITO SOCIETÁRIO Considerações acerca da Empresa Individual de Responsabilidade Limitada na I Jornada de Direito Comercial... 1 CONTENCIOSO Informações

Leia mais

Newsletter n. 35 maio/2012

Newsletter n. 35 maio/2012 Newsletter n. 35 maio/2012 DIREITO SOCIETÁRIO Destaques desta edição Investimentos da EFPC em Títulos Privados: Maior Transparência nos Relatórios de Rating... 1 PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR CNPC: debate sobre

Leia mais

Contatos RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS. Conectando Oportunidades em Fusões & Aquisições LEI DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS (LEI Nº 11.101, DE 09/02/2005).

Contatos RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS. Conectando Oportunidades em Fusões & Aquisições LEI DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS (LEI Nº 11.101, DE 09/02/2005). A nova legislação brasileira destinada às empresas em dificuldades econômico-financeiras. Lei de Recuperação de Empresas disciplina a recuperação judicial, a recuperação extrajudicial. Aspectos legais.

Leia mais

Mudanças dos benefícios previdenciários: Medidas Provisórias 664 e 665, de 30 de dezembro de 2014. Evolução ou retrocesso?

Mudanças dos benefícios previdenciários: Medidas Provisórias 664 e 665, de 30 de dezembro de 2014. Evolução ou retrocesso? Mudanças dos benefícios previdenciários: Medidas Provisórias 664 e 665, de 30 de dezembro de 2014. Evolução ou retrocesso? No dia 30 de dezembro de 2014 a Presidente da República editou Medidas Provisórias(MP

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes) PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes) Acrescenta parágrafo único ao art. 23 da Lei nº 8.906, de 04 de Julho de 1994, que dispõe sobre o Estatuto da Advocacia e a Ordem dos Advogados do Brasil

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 554, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 564/15.

INSTRUÇÃO CVM Nº 554, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 564/15. INSTRUÇÃO CVM Nº 554, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 564/15. Inclui, revoga e altera dispositivos na Instrução CVM nº 155, de 7 de agosto de 1991, na Instrução

Leia mais

CÂMARA DE RECURSOS DA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DECISÃO DE 24 DE JUNHO DE 2015

CÂMARA DE RECURSOS DA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DECISÃO DE 24 DE JUNHO DE 2015 Edição 127, página 43 e 44, de 7 de julho de 2015 CÂMARA DE RECURSOS DA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DECISÃO DE 24 DE JUNHO DE 2015 Com base no disposto do art. 19, do Decreto no 7.123, de 03 de março de 2010,

Leia mais

Inteiro Teor (869390)

Inteiro Teor (869390) : Acórdão Publicado no D.J.U. de 19/10/2005 EMENTA PREVIDENCIÁRIO. REVISÃO DA RMI. IRSM DE FEVEREIRO/94 (39,67%). NÃO RETENÇÃO DE IRRF. JUROS MORATÓRIOS. 1. Os salários de contribuição devem ser reajustados,

Leia mais

OS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL E A RESPONSABILIDADE DOS CONSELHEIROS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL

OS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL E A RESPONSABILIDADE DOS CONSELHEIROS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL OS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL E A RESPONSABILIDADE DOS CONSELHEIROS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL O Regime Próprio de Previdência Social RPPS, de caráter contributivo, é o regime assegurado

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RESOLUÇÃO Nº 19, DE 30 DE MARÇO DE 2015

CONSELHO NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RESOLUÇÃO Nº 19, DE 30 DE MARÇO DE 2015 EDIÇÃO 72, SEÇÃO I, PÁGINA 35, DE 16 DE ABRIL DE 2015 CONSELHO NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RESOLUÇÃO Nº 19, DE 30 DE MARÇO DE 2015 Dispõe sobre os processos de certificação, habilitação e qualificação

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 1 Registro: 2013.0000481719 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0002045-56.2007.8.26.0543, da Comarca de Santa Isabel, em que é apelante ORNAMENTAL EMPREENDIMENTOS IMOBILIARIOS

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.237.894 - MT (2011/0026945-1) RELATOR : MINISTRO SIDNEI BENETI RECORRENTE : BANCO DO BRASIL S/A ADVOGADO : NAGIB KRUGER E OUTRO(S) RECORRIDO : SUSSUMO SATO E OUTRO ADVOGADO : GILMAR

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em 2003, João ingressou como sócio da sociedade D Ltda. Como já trabalhava em outro local, João preferiu não participar da administração da sociedade. Em janeiro

Leia mais

Proposta de ajustes nas despesas do FAT e da Previdência. 29 de Dezembro de 2014

Proposta de ajustes nas despesas do FAT e da Previdência. 29 de Dezembro de 2014 Proposta de ajustes nas despesas do FAT e da Previdência 29 de Dezembro de 2014 Políticas para o Mercado de Trabalho nos governos Lula e Dilma 2 Aumento do poder de negociação dos trabalhadores, com forte

Leia mais

Radar Stocche Forbes Março 2015

Radar Stocche Forbes Março 2015 Março 2015 RADAR STOCCHE FORBES - SOCIETÁRIO Ofício-Circular CVM-SEP 2015 Principais Novidades No dia 26 de fevereiro de 2015, a Comissão de Valores Mobiliários ( CVM ) emitiu o Ofício-Circular nº 02/2015

Leia mais

REGULAMENTO DO FUNDO: ALFAPREV RF PRIVATE - FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO

REGULAMENTO DO FUNDO: ALFAPREV RF PRIVATE - FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO REGULAMENTO DO FUNDO: ALFAPREV RF PRIVATE - FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO CAPÍTULO I - DO FUNDO Artigo 1º - O ALFAPREV RF PRIVATE - Fundo de Investimento

Leia mais

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 497, DE 3 DE JUNHO DE 2011, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 515/11.

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 497, DE 3 DE JUNHO DE 2011, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 515/11. TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 497, DE 3 DE JUNHO DE 2011, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 515/11. Dispõe sobre a atividade de agente autônomo de investimento. A PRESIDENTE DA

Leia mais

á Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

á Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos á Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.465, DE 8 DE JUNHO DE 2015 Regulamenta o 1º do art. 62 da Lei nº 12.815, de 5 de junho de 2013, para dispor sobre os

Leia mais

As Principais Modificações no Processo Civil. Pedro Henrique Pedrosa Nogueira

As Principais Modificações no Processo Civil. Pedro Henrique Pedrosa Nogueira As Principais Modificações no Processo Civil Pedro Henrique Pedrosa Nogueira PARTE GERAL E PROCEDIMENTO COMUM Valorização do contraditório Distribuição dinâmica do ônus da prova Gestão do procedimento

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE PECÚLIO FACULTATIVO PPF CNPB 1990.0011-65 FUNDAÇÃO GEAPPREVIDÊNCIA

REGULAMENTO DO PLANO DE PECÚLIO FACULTATIVO PPF CNPB 1990.0011-65 FUNDAÇÃO GEAPPREVIDÊNCIA REGULAMENTO DO PLANO DE PECÚLIO FACULTATIVO PPF CNPB 1990.0011-65 FUNDAÇÃO GEAPPREVIDÊNCIA Aprovado pela Superintendência Nacional de Previdência Complementar PREVIC, por meio da Portaria Nº 509, de 27

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.618, DE 30 DE ABRIL DE 2012. Vigência Mensagem de veto Institui o regime de previdência complementar para os servidores públicos

Leia mais

Poder Judiciário Conselho da Justiça Federal Turma de Uniformização das decisões das Turmas Recursais dos Juizados Especiais Federais

Poder Judiciário Conselho da Justiça Federal Turma de Uniformização das decisões das Turmas Recursais dos Juizados Especiais Federais R E L A T Ó R I O Trata-se de Pedido de Uniformização de Jurisprudência formulado pelo Autor em face do Acórdão proferido pela Turma Recursal do Juizado Especial do Rio de Janeiro, com base no art. 14,

Leia mais

Newsletter n. 57 março/2014

Newsletter n. 57 março/2014 Newsletter n. 57 março/2014 Destaques desta edição MERCADO DE CAPITAIS BM&FBovespa divulga Novo Regulamento para Listagem de Emissores e Admissão à Negociação de Valores Mobiliários... 1 PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES SOBRE ATO OU FATO RELATIVO À EMPRESA DE INFOVIAS S/A

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES SOBRE ATO OU FATO RELATIVO À EMPRESA DE INFOVIAS S/A POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES SOBRE ATO OU FATO RELATIVO À EMPRESA DE INFOVIAS S/A 1. Introdução e Objetivo A Empresa de Infovias S/A sempre pautou a sua conduta pelo princípio da transparência,

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL MARCELO NAVARRO

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL MARCELO NAVARRO APELAÇÃO CÍVEL (AC) Nº 296203/AL (2000.80.00.003296-1) APTE : INSS - INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL ADV/PROC : NATHALIE PAIVA TEIXEIRA CAMBUY SODRE VALENTIM E OUTROS APTE : PREVI - CAIXA PREVIDENCIARIA

Leia mais

RPPS SERVIDORES PÚBLICOS DO PARANÁ

RPPS SERVIDORES PÚBLICOS DO PARANÁ RPPS SERVIDORES PÚBLICOS DO PARANÁ NATUREZA JURÍDICA ESTRUTURA FINANCIAMENTO SERVIDRES ABRANGIDOS DESAFIOS 1 História da Previdência Surge no dia que as pessoas começam a acumular para o futuro, para o

Leia mais

RPPS X RGPS. Atuário Sergio Aureliano

RPPS X RGPS. Atuário Sergio Aureliano RPPS X RGPS Atuário Sergio Aureliano RPPS PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO E O SISTEMA PREVIDENCIÁRIO BRASILEIRO ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS e REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

R E L A T Ó R I O A EXMA. SRA. DESEMBARGADORA FEDERAL NILCÉA MARIA BARBOSA MAGGI (RELATORA CONVOCADA): É o relatório.

R E L A T Ó R I O A EXMA. SRA. DESEMBARGADORA FEDERAL NILCÉA MARIA BARBOSA MAGGI (RELATORA CONVOCADA): É o relatório. APELAÇÃO / REEXAME NECESSÁRIO 6263 - PE (20088300010216-6) PROC ORIGINÁRIO : 9ª VARA FEDERAL DE PERNAMBUCO R E L A T Ó R I O A EXMA SRA DESEMBARGADORA FEDERAL NILCÉA MARIA (RELATORA CONVOCADA): Trata-se

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 6 DE JULHO DE 1993 I - DAS REGRAS GERAIS SOBRE A CONTAGEM DO TEMPO DE SERVIÇO

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 6 DE JULHO DE 1993 I - DAS REGRAS GERAIS SOBRE A CONTAGEM DO TEMPO DE SERVIÇO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 6 DE JULHO DE 1993 O MINISTRO DE ESTADO CHEFE DA SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe conferem a Lei nº 8.490, de

Leia mais

PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA.

PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA. PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA. VOTO DE VISTA: FAUZI AMIM SALMEM PELA APROVAÇÃO DO RELATÓRIO, COM AS SEGUINTES

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 437.853 - DF (2002/0068509-3) RELATOR : MINISTRO TEORI ALBINO ZAVASCKI RECORRENTE : FAZENDA NACIONAL PROCURADOR : DANIEL AZEREDO ALVARENGA E OUTROS RECORRIDO : ADVOCACIA BETTIOL S/C

Leia mais

A jurisprudência da Lei de Falências e Recuperação de Empresas e a

A jurisprudência da Lei de Falências e Recuperação de Empresas e a A jurisprudência da Lei de Falências e Recuperação de Empresas e a Lei Complementar 147/14 Impactos para o mercado de crédito. Glauco Alves Martins Objetivo geral: aperfeiçoamento do SIMPLES e modificações

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 250, de 2005 Complementar, do Senador PAULO PAIM, que estabelece requisitos e critérios diferenciados

Leia mais

A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, Aprova:

A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, Aprova: PROJETO DE LEI Nº 131/2010 Dispõe sobre a criação do Fundo Especial dos Procuradores, Consultores Jurídicos, Assessores Técnicos Jurídicos e Advogados Públicos Municipais de Foz do Iguaçu. Autor: Vereador

Leia mais

XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso

XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso 2ª Fase OAB - Civil Juquinha Junior, representado por sua genitora Ana, propôs ação de investigação de paternidade

Leia mais

EDITAL DE CADASTRAMENTO FINANCEIRA BRB 2008/001

EDITAL DE CADASTRAMENTO FINANCEIRA BRB 2008/001 OBJETO: CADASTRAMENTO DE EMPRESAS OBJETIVANDO FUTURAS CONTRATAÇÕES DE PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE CORRESPONDENTES. 1 PREÂMBULO 1.1 A BRB CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO S/A ( FINANCEIRA BRB ) torna

Leia mais

2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP

2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP 2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP São Paulo, 21 de Agosto de 2013 Hotel Caesar Park Patrocínio Investimentos Alternativos 10 de Junho de 2.010 2ª. Conferência de Investimentos

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. Dispõe sobre os critérios para a realização de investimentos pelas sociedades seguradoras, resseguradores locais,

Leia mais

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM 40, DE 07 DE NOVEMBRO DE 1984, COM ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM 45/85, 54/86, 224/94 E 441/06

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM 40, DE 07 DE NOVEMBRO DE 1984, COM ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM 45/85, 54/86, 224/94 E 441/06 TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 40, DE 07 DE NOVEMBRO DE 1984, COM ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM N os 45/85, 54/86, 224/94 E 441/06. Dispõe sobre a Constituição de funcionamento de Clubes

Leia mais

SANÇÕES ADMINISTRATIVAS E RESCISÕES CONTRATUAIS

SANÇÕES ADMINISTRATIVAS E RESCISÕES CONTRATUAIS (41) 3087-6666 www.licidata.com.br SANÇÕES ADMINISTRATIVAS E RESCISÕES CONTRATUAIS PENALIDADES, PROCEDIMENTOS E ASPECTOS POLÊMICOS 11 e 12 de Dezembro de 2014 - Vitória - ES Apresentação: As hipóteses

Leia mais

Atuais regras do FAP valem por mais um ano

Atuais regras do FAP valem por mais um ano Page 1 of 5 Texto publicado segunda, dia 26 de setembro de 2011 NOTÍCIAS Atuais regras do FAP valem por mais um ano POR MARÍLIA SCRIBONI As atuais regras do Fator Previdenciário de Proteção vão valer por

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005

Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005 Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005 DOU de 26.12.2005 Dispõe sobre a tributação dos planos de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguros de vida com cláusula de cobertura

Leia mais

7ª CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL N.º 798.202-7 DA COMARCA DE CERRO AZUL VARA ÚNICA

7ª CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL N.º 798.202-7 DA COMARCA DE CERRO AZUL VARA ÚNICA 7ª CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL N.º 798.202-7 DA COMARCA DE CERRO AZUL VARA ÚNICA Apelante: MUNICÍPIO DE CERRO AZUL Apelado: ESTADO DO PARANÁ Relator: Des. GUILHERME LUIZ GOMES APELAÇÃO CÍVEL AÇÃO ANULATÓRIA

Leia mais

SEGUROS PRIVADOS E PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR. Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP)

SEGUROS PRIVADOS E PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR. Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP) SEGUROS PRIVADOS E PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP) O Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP) antigo Conselho de Gestão da P. Complementar é o órgão responsável

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECLAMAÇÃO Nº 14.696 - RJ (2013/0339925-1) RELATORA : MINISTRA MARIA ISABEL GALLOTTI RECLAMANTE : BANCO BRADESCO FINANCIAMENTOS S/A ADVOGADO : JOSÉ ANTÔNIO MARTINS E OUTRO(S) RECLAMADO : TERCEIRA TURMA

Leia mais

INSTRUÇÃO PREVIC Nº 5, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2013

INSTRUÇÃO PREVIC Nº 5, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2013 INSTRUÇÃO PREVIC Nº 5, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2013 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelas entidades fechadas de previdência complementar na divulgação de informações aos participantes e assistidos

Leia mais

No âmbito do RPPS Regime Próprio de Previdência Social de Camaçari, não há exigência de cumprimento de carência para percepção deste beneficio.

No âmbito do RPPS Regime Próprio de Previdência Social de Camaçari, não há exigência de cumprimento de carência para percepção deste beneficio. ESPÉCIES DE BENEFÍCIOS PARA OS SEGURADOS 1. APOSENTADORIA Aposentadoria por Invalidez No âmbito do RPPS Regime Próprio de Previdência Social de Camaçari, não há exigência de cumprimento de carência para

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli APELAÇÃO CÍVEL Nº 550822-PE (2001.83.00.010096-5) APTE : INSS - INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL REPTE : PROCURADORIA REPRESENTANTE DA ENTIDADE APDO : LUZIA DOS SANTOS SANTANA ADV/PROC : SEM ADVOGADO/PROCURADOR

Leia mais

Dpto. Jurídico do Direito Administrativo da ANSEF/RJ

Dpto. Jurídico do Direito Administrativo da ANSEF/RJ Dpto. Jurídico do Direito Administrativo da ANSEF/RJ É bom saber... LEI Nº 12.618, DE 30 DE ABRIL DE 2012. Institui o regime de previdência complementar para os servidores públicos federais titulares de

Leia mais