COMANDO LOGÍSTICO DO TEATRO DE OPERAÇÕES:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMANDO LOGÍSTICO DO TEATRO DE OPERAÇÕES:"

Transcrição

1 ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA MURILO MAC CORD MEDINA COMANDO LOGÍSTICO DO TEATRO DE OPERAÇÕES: sua importância para a otimização da aplicação dos recursos logísticos das Forças Armadas do Brasil Rio de Janeiro 2012

2 MURILO MAC CORD MEDINA COMANDO LOGÍSTICO DO TEATRO DE OPERAÇÕES: sua importância para a otimização da aplicação dos recursos logísticos das Forças Armadas do Brasil Trabalho de Conclusão de Curso - Monografia apresentada ao Departamento de Estudos da Escola Superior de Guerra como requisito à obtenção do diploma do Curso de Altos Estudos de Política e Estratégia. Orientador: Cel Int R1 Antonio Celente Videira Rio de Janeiro 2012

3 C2012 ESG Este trabalho, nos termos de legislação que resguarda os direitos autorais, é considerado propriedade da ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA (ESG). É permitido a transcrição parcial de textos do trabalho, ou mencioná-los, para comentários e citações, desde que sem propósitos comerciais e que seja feita a referência bibliográfica completa. Os conceitos expressos neste trabalho são de responsabilidade do autor e não expressam qualquer orientação institucional da ESG. Biblioteca General Cordeiro de Farias Medina, Murilo Mac Cord Comando Logístico do Teatro de Operações: sua importância para a otimização da aplicação dos recursos logísticos das Forças Armadas do Brasil / CMG(IM) Murilo Mac Cord Medina - Rio de Janeiro: ESG, f.: il. Orientador: Cel Int R1 Antonio Celente Videira Trabalho de Conclusão de Curso Monografia apresentada ao Departamento de Estudos da Escola Superior de Guerra como requisito à obtenção do diploma do Curso de Altos Estudos de Política e Estratégia (CAEPE), Interoperabilidade. 2. Logística. 3. Estado-Maior Conjunto. 4. Teatro de Operações. I. Título.

4 Aos meus pais, esposa e filhos, pelo suporte e presença constante nas horas de dúvida e de grandes decisões, que muito me ajudaram a manter o rumo em minha missão.

5 AGRADECIMENTOS Aos estagiários da Turma Programa Antártico Brasileiro pelo convívio harmonioso e amigo ao longo de Ao Corpo Permanente da ESG pelo estímulo às reflexões e conhecimentos transmitidos durante o CAEPE, que me fizeram conhecer melhor o Brasil e seu extraordinário potencial. Ao Cel. Celente, meu orientador, pelas contribuições e paciência. Ao CF(IM) Anderson Oliveira Marendaz pelas inúmeras contribuições a este trabalho.

6 A diferença entre o impossível e o possível reside na determinação de uma pessoa. Tommy Lasorda

7 RESUMO Esta monografia aborda o Comando Logístico do Teatro de Operações, criado em 2011 pelo Ministério da Defesa, e sua importância para a otimização da aplicação dos recursos logísticos das Forças Armadas do Brasil. Para a perfeita compreensão desse novo conceito, é realizada uma breve abordagem sobre a evolução da logística, desde sua origem até os tempos atuais, com ênfase na Logística Militar, procurando familiarizar o leitor com as nuances dessa atividade, despertando sua atenção para a relevância do assunto no sucesso dos empreendimentos civis e militares. Para a contextualização do CLTO, são apresentados os principais pontos da Estratégia Nacional de Defesa, que introduziram relevantes ações para o incremento da integração das Forças Armadas. A Doutrina de Operações Conjuntas, emitida pelo Ministério da Defesa em 2011 e que estabeleceu as normas para o funcionamento do CLTO, é analisada sob o ponto de vista da integração da logística conjunta, descrevendo as normas estabelecidas pelo MD para sua ativação e guarnecimento pelas Forças Singulares. Fruto da análise desse documento e das experiências adquiridas por ocasião da ativação desse Comando em exercícios de Operações Conjuntas promovidas por aquele Ministério, são identificadas e apresentadas oportunidades de melhoria para o aprimoramento da operacionalização do CLTO, quando da revisão das referidas normas em Palavras chave: Interoperabilidade. Logística. Estado-Maior Conjunto. Teatro de Operações.

8 ABSTRACT This end of course work addresses the Theater Logistic Command Operations (CLTO) created in 2011 by the Ministry of Defense and its importance to optimize the application of logistics resources of the Brazilian Armed Forces. For a full understanding of this new concept a brief approach is performed on the evolution of logistics from its origins to modern times, with emphasis on Military Logistics, trying to familiarize the reader with the nuances of this activity by bringing to their attention the relevance of the challenges and its success within civil and military ventures. To contextualize the CLTO, the main points of the National Defense Strategy are presented which introduced relevant actions to increase the integration of the Armed Forces. The Doctrine for Joint Operations, issued by Ministry of Defense (MD) in 2011 in which standards for the operation of CLTO were established, is analyzed from the point of view of integration of joint logistics, describing the standards set by the MD to its activation and manning of the respective military services. As a result of the analysis of this document and experiences gained during Joint Operations exercises executed by the command after its activation which were promoted by that Ministry, are identified and opportunities presented to improve the operations of CLTO will be taken into consideration in 2013 when a complete review of the standards will take place. Keywords: Interoperability. Logistics. Joint Chiefs of Staff. Theater of Operations.

9 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Recursos logísticos Mapa 1 O mundo grego durante as guerras com a Pérsia Figura 2 Exemplo de aplicação de itens de suprimento em equipamentos Figura 3 Estrutura organizacional do Comando Operacional Conjunto Figura 4 Estrutura organizacional do CLTO... 34

10 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS APA AVL BaLogCj BIEG CAT-BR CCL CECAFA CLTO COMDABRA ComTO EB EG EMCFA EMCj EMD EMFA END EPT EQ ESG FAB FAC FGV FNC FTC HE IS MB MD OM OMLS PAED Análise Pós Ação Automatic Vehicle Location Base Logística Conjunta Banco de Informações Estratégicas e Gerenciais Catálogo de Itens e Empresas Centro de Coordenação Logística Centro de Catalogação das Forças Armadas Comando Logístico do Teatro de Operações Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro Comandante do Teatro de Operações Exército Brasileiro Equipagem Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas Estado-Maior Conjunto Estado-Maior de Defesa Estado-Maior das Forças Armadas Estratégia Nacional de Defesa Eixo Prioritário de Transporte Equipamento Escola Superior de Guerra Força Aérea Brasileira Força Aérea Componente Fundação Getúlio Vargas Força Naval Componente Força Terrestre Componente Hipótese de Emprego Item de Suprimento Marinha do Brasil Ministério da Defesa Organização Militar Organização Militar Logística Singular Plano de Articulação e de Equipamento da Defesa

11 RFID Radio Frequency Identification SAbM Sistema de Abastecimento da Marinha SCM Supply Chain Management SEGAR Segurança da Área de Retaguarda SELOM Secretaria de Ensino, Logística, Mobilização, Ciência e Tecnologia SEORI Secretaria de Coordenação e Organização Institucional SEPESD Secretaria de Pessoal, Ensino, Saúde e Desporto SEPROD Secretaria de Produtos de Defesa SIGLD Sistema de Gerenciamento de Logística de Defesa e Mobilização SINCONSUP Sistema de Controle de Suprimentos SILOMS Sistema Integrado de Logística de Material e de Serviços SIMATEX Sistema de Material do Exército SINFORGEx Sistema de Informações Organizacionais do Exército SINGRA Sistema de Informações Gerenciais de Abastecimento da Marinha SISMA Sistema de Material Aeronáutico SISMAB Sistema de Material Bélico SISMICAT Sistema Militar de Catalogação SPEAI Secretaria de Política, Estratégia e Assuntos Internacionais TO Teatro de Operações ZA Zona de Administração ZC Zona de Combate ZI Zona do Interior

12 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO LOGÍSTICA A ORIGEM DA LOGÍSTICA A LOGÍSTICA NA ATUALIDADE A LOGÍSTICA MILITAR O COMANDO LOGÍSTICO DO TEATRO DE OPERAÇÕES A ESTRATÉGIA NACIONAL DE DEFESA A DOUTRINA DE OPERAÇÕES CONJUNTAS O CLTO EM EXERCÍCIOS DE OPERAÇÕES CONJUNTAS OPORTUNIDADES DE MELHORIA INTEGRAÇÃO DOS SISTEMAS LOGÍSTICOS DAS FORÇAS MANUAIS OPERACIONAIS COMANDO CONJUNTO PERMANENTEMENTE ATIVADO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 45

13 12 1 INTRODUÇÃO Os altos e crescentes custos inerentes à obtenção e à manutenção de meios navais, terrestres e aéreos dotados de tecnologia de ponta, capazes de contribuir efetivamente para o atingimento dos Objetivos Nacionais, tornaram indispensável à união de esforços no âmbito das três Forças Armadas, para a manutenção da expressão militar do Poder Nacional compatível com os interesses do País. Essa integração teve significativo incremento com a criação do Ministério da Defesa (MD), em 1999, quando se iniciaram, no seio da sociedade brasileira, discussões mais substantivas acerca da Política Nacional de Defesa e da necessidade de o Brasil dispor de Forças Armadas bem aparelhadas. O consequente estreitamento do relacionamento entre as Forças, combinado com a crescente necessidade de otimização da aplicação dos escassos recursos orçamentários alocados à manutenção das tropas e meios da Marinha, Exército e Força Aérea, incrementou o diálogo sobre a interoperabilidade nas operações conjuntas. Ganhando maior importância naquele Ministério, essas operações passaram a ser objeto de diversos estudos, buscando a atualização das doutrinas. Nesse contexto, demonstrando sua preocupação com a integração da logística, o MD dedicou especial atenção à revisão de diversos documentos normativos sobre o tema, como, por exemplo, a Doutrina de Logística Militar, aprovada pela Portaria Normativa nº 614/MD, de 24 de outubro de 2002, e a Política de Logística de Defesa, aprovada pela Portaria Normativa nº 1.890/MD, de 29 de dezembro de 2006, aprimorando a gestão dos recursos empregados no apoio logístico das Forças. Dando início a um novo conjunto de programas de reaparelhamento voltados para o fortalecimento da Defesa do País, o Presidente da República aprovou, por meio do Decreto nº 6.703, de 18 de dezembro de 2008, a Estratégia Nacional de Defesa (END). Esse documento foi elaborado com base em ações estratégicas de médio e longo prazo, visando à modernização da estrutura nacional de defesa, atuando em três eixos estruturantes: a reorganização das Forças Armadas, a reestruturação da indústria brasileira de material de defesa e a política de composição dos efetivos das

14 13 Forças Armadas. A interoperabilidade nas operações conjuntas foi estabelecida como uma capacidade desejada para as Forças Armadas, quando da sua reestruturação, demonstrando a consolidação do entendimento ministerial quanto à necessidade de maior integração entre as Forças. Um importante desafio atual para as Forças Armadas é a consolidação da nova Doutrina de Operações Conjuntas (MD-30-M-01), aprovada pela Portaria Normativa nº do MD, de 8 de dezembro de 2011, que estabeleceu os fundamentos doutrinários para o planejamento, preparo e emprego das Forças em Operações Conjuntas, principalmente no tocante à logística conjunta no Teatro de Operações (TO). Conforme bem exposto naquele documento, os conflitos contemporâneos não admitem mais o emprego isolado de uma única Força em campanha, sendo que a união de esforços, com a combinação dos meios navais, terrestres e aéreos, constitui-se em indispensável catalisador para a obtenção do rendimento máximo das Forças. No seu prefácio, alerta que o planejamento de uma operação conjunta diferencia-se das demais pela heterogeneidade dos processos de emprego e pelas peculiaridades técnico-profissionais das Forças, ressaltando, desta forma, a relevância da coordenação e da integração das ações planejadas. Após alguns anos de estudos e de ativações em caráter experimental em operações conjuntas, nessa Doutrina, foi estabelecido, formalmente, o novo conceito de Comando Logístico do Teatro de Operações (CLTO), concebido com o propósito de promover a execução da logística conjunta de modo eficiente e otimizado nessas operações. Com a criação do CLTO, novos paradigmas terão que ser quebrados, a fim de permitir que as lições aprendidas no TO sirvam de subsídio para a revisão do planejamento estratégico, operacional e tático da Logística Militar em tempo de paz. As dificuldades enfrentadas por aquele Comando, inerentes à previsão e provisão de materiais e serviços de toda monta para as Forças Componentes em operações conjuntas, podem proporcionar a adequada retroalimentação para os tomadores de decisão no MD e nas Forças Singulares. Para a perfeita compreensão do valor desse assunto, o presente trabalho

15 14 apresentará um breve histórico da logística e seus aspectos militares, discorrerá sobre a importância da END, para a integração logística das Forças e avaliará a atual concepção conceitual do CLTO, instituída pelo MD na Doutrina de Operações Conjuntas, procurando apresentar oportunidades de melhoria, que maximizem o emprego eficiente, racional e judicioso dos recursos logísticos disponíveis pelas Forças Armadas nas operações conjuntas.

16 15 2 LOGÍSTICA Com a finalidade de proporcionar um adequado entendimento da importância do CLTO, a Logística será apresentada, nesta seção, abordando-se sua interessante origem histórica, seus aspectos atuais e aqueles específicos das atividades militares. 2.1 A ORIGEM DA LOGÍSTICA Logística. O quê significa esta palavra tão comumente encontrada no dia a dia das pessoas, que tem despertado muito interesse nos meios acadêmico e empresarial. Diuturnamente, ouve-se falar em Logística Nacional, logística de transporte, operador logístico, custos logísticos, etc. Qual, afinal, a origem dessa palavra? Segundo o Dicionário Michaelis, logística é um substantivo comum feminino, originário da palavra grega logistiké, pertencente à área de estudo militar, que significa ciência militar que trata do alojamento, equipamento e transporte de tropas, produção, distribuição, manutenção e transporte de material e de outras atividades não combatentes relacionadas. Essa definição é corroborada pelo Dicionário Houaiss, que conceitua essa palavra como organização teórica da disposição do transporte e do abastecimento de tropas em operações militares. Essa etimologia, desta forma, remete o leitor à época em que a logística estava relacionada tão somente às atividades do campo militar do extenso conhecimento humano. A primeira menção literária na história sobre logística é consignada ao Barão Antoine Henri Jomini, um importante teórico militar da primeira metade do século XIX, que, tendo participado das campanhas napoleônicas, escreveu o Sumário da Arte da Guerra em 1836, dividindo as operações militares em cinco grandes ramos: Estratégia, Grande Tática, Logística, Engenharia e Tática Menor. De acordo com Crocoft (1862), àquela época faltava às escolas de formação de militares manuais que provessem os necessários princípios básicos nessas áreas das campanhas terrestres. O aprendizado dos militares no século XIX era obtido, principalmente, por meio do convívio com seus chefes mais antigos, que lhes

17 16 transmitiam suas experiências e ensinamentos adquiridos nas guerras. O Sumário da Arte da Guerra de Jomini tinha como propósito preencher essa lacuna, disponibilizando um manual que transmitisse conhecimento teórico no campo militar de forma clara aos jovens oficiais. Em seu livro, esclarece que a palavra logística é originária do termo francês Major General des Logis, atribuído ao Oficial encarregado pela acomodação, orientação e preparação de tropas para o combate. Esse militar era responsável, em resumo, por quase tudo no campo das atividades militares, exceto o combate. que: No que diz respeito à Logística, Jomini (1836, p. 51, tradução nossa) ensina Logística é a arte dos exércitos em movimento. Compreende a ordem e os detalhes das marchas e acampamentos e do aquartelamento e abastecimento de tropas; [ ] compreende os meios e mecanismos que executam os planos estratégicos e táticos. A Estratégia decide onde atuar; A Logística traz as tropas até esse ponto; [...] 1. Coadunado com esse relevante raciocínio, conforme o pensamento da Escola Superior de Guerra (ESG) expresso em seu Manual Básico Volume II (2009, p. 79), a Logística fornece os meios necessários, que foram planejados e determinados pela Estratégia e que serão aplicados pela Tática. A capacidade logística de uma Força Armada é, portanto, o grau de competência que dispõe para desenvolver um conjunto de atitudes visando a prever e prover, na quantidade, qualidade e oportunidade, os recursos humanos, o material e os serviços necessários ao seu preparo e emprego. Sem a pretensão de esgotar as ilimitadas opções sobre o assunto, a Figura 1, a seguir, esquematiza resumidamente os recursos logísticos necessários para a conquista do pleno emprego das forças combatentes, cuja provisão deve ser equacionada em quantidade, qualidade, momento e local adequados, sob pena de não ser possível o cumprimento de sua missão. 1 Do original em inglês: Logistics is the art of moving armies. It comprises the order and details of marches and camps, and of quartering and supplying troops; [ ] comprises the means and arrangements which work out the plans of strategy and tactics. Strategy decides where to act; logistics brings the troops to this point; [...]

18 17 Figura 1: Recursos logísticos Fonte: O autor (2012) O estudo dos conflitos armados é repleto de exemplos, que evidenciam a influência cada vez maior da logística nos seus resultados. Exércitos e forças navais mal preparados aprenderam, nos mares e campos de batalha, que as necessidades de alimentos, munição, uniformes, transporte, serviços de saúde, reparos, dentre outras, vitais para o sucesso de suas empreitadas, não podem ser atendidas sem um perfeito diagnóstico prévio das possibilidades da Nação, de forma improvisada e sem planejamento adequado. Necessidades estas que tendem a crescer em volume e complexidade, à medida que as inovações tecnológicas disponibilizam novos recursos para as forças militares, que proporcionam vantagem competitiva aos seus detentores e logo se tornam imprescindíveis ao sucesso das batalhas. Como exemplo, pode-se citar o sistema de propulsão dos navios de guerra. Até a Revolução Industrial, em meados do século XVIII, as necessidades logísticas desses meios, para esse sistema, eram, basicamente, remadores, remos, velas e adriças, que, muito possivelmente, estavam disponíveis para reposição em

19 18 curtíssimo prazo em qualquer porto longe de sua base. Hoje, esse mesmo sistema necessita de especialistas em motores, combustíveis, lubrificantes, graxas, sobressalentes de máquinas e eletrônicos, ferramentas especiais, estopas, computadores, softwares, etc. cuja disponibilidade para obtenção pode demandar tempo demasiado longo, em face da distância onde se encontra a fonte do material ou do serviço necessário à prontidão operativa do meio. Um acontecimento histórico em que a logística influenciou diretamente os rumos da humanidade foi a Batalha de Salamina entre gregos e persas. Segundo o Livro Fatos da História Naval (1971, p. 18), em 480 a.c., um exército persa de cerca de 180 mil homens atravessou o estreito de Dardanelos, apoiado por uma força naval de aproximadamente navios, com a missão de conquistar a Península Helênica. No mais significativo confronto naval do mundo antigo, uma frota naval grega, em desvantagem numérica, derrotou a Armada Persa e conquistou, decisivamente, o domínio do mar. As monumentais forças terrestres persas lideradas por Xerxes, que já haviam derrotado o Rei Leônidas, transposto o desfiladeiro das Termópilas e alcançado a cidade de Atenas, tiveram suas indispensáveis linhas de reabastecimento pelo mar cortadas. O exército persa, que era bastante grande para a época e não podia encontrar todos os meios necessários ao seu sustento no território ocupado, dependia dos recursos trazidos de suas fontes de reabastecimento no Império Pérsia. Devido à impossibilidade de receber apoio logístico pelo mar e às longas distâncias terrestres para transporte dos seus recursos logísticos, que podem ser observadas no Mapa 1 a seguir apresentado, os persas viram-se obrigados a retirarse da Grécia. O triunfo grego no mar pôs fim às invasões persas e garantiu a segurança da maior democracia da história, graças ao problema logístico do inimigo.

20 19 Mapa 1: O mundo grego durante as guerras com a Pérsia Fonte: Wikipedia (2012) A importância da logística também pode ser exemplificada pelos acontecimentos históricos na frente oriental alemã contra os soviéticos na Segunda Guerra Mundial. Conforme Davies (2009, p. 117): A vitória de Jukov 2 nas proximidades de Moscou geralmente é atribuída ao inverno, à inconstância de propósitos de Hitler e aos sucessivos atrasos na implementação dos estágios finais da Barbarossa 3. Todavia, há outros fatores envolvidos. Um deles é a logística. O Exército Vermelho pôde recorrer a reservas desconhecidas de efetivos militares e possuía seis ferrovias pelas quais transportá-los. Os alemães tinham poucas reservas e somente uma estrada de ferro para enviar suprimentos ao fundamental setor central. No início do conflito entre esses dois países em 1941, a Alemanha estava muito melhor preparada militarmente para a campanha do que a União Soviética, tanto em material quanto em pessoal. Na fase inicial dos combates, chegou a invadir 2 O Marechal Jukov liderou o Exército Vermelho na expulsão dos alemães da União Soviética. Foi o Oficial-General mais condecorado da história daquele País. 3 Operação Barbarossa foi o codinome da operação militar alemã para invadir a União Soviética, iniciada em 22 de junho de 1941, durante a Segunda Guerra Mundial, rompendo assim com o Pacto Nazi-Soviético de não-agressão.

21 20 aproximadamente cerca de 5% do território soviético. Seu avanço somente foi interrompido graças à obstinação de Stalin em evitar a ocupação da cidade que levava seu nome e a capital do país, Moscou, sacrificando significativo contingente de soldados nessas frentes. Entretanto, toda a capacidade logística da União Soviética foi empregada, revelando ao seu inimigo sua dimensão praticamente inesgotável. Apesar de as perdas soviéticas em combate serem muito superiores às alemãs, a impressionante reposição de pessoal, tanques, aviões e armamento as compensou, superando largamente a capacidade logística de seu oponente, fator esse crucial para reversão de sua situação e alcance da vitória na guerra. Essa variável do problema militar, as incalculáveis possibilidades logísticas da União Soviética, certamente não foi levada em consideração por Hitler e seus estrategistas no seu planejamento de campanha, vaticinando sua derrota. 2.2 A LOGÍSTICA NA ATUALIDADE Ensinamentos adquiridos no campo militar, principalmente aqueles ligados à inovação, costumeiramente migram para o mundo empresarial onde encontram campo fértil para disseminação em função da lucratividade que proporcionam. Como não poderia deixar de ser, as lições aprendidas acerca da logística e de sua relação com o sucesso dos empreendimentos militares, foram absorvidas pelo mundo corporativo, sendo o conceito original de Jomini, paulatinamente, adaptado àquele metiê. Para uma visualização atualizada desse conceito, pode-se recorrer à definição de Logística atribuída pelo Council of Supply Chain Management Professionals (2010, não paginado): Logística é o processo de planejar, implementar e controlar de maneira eficiente o fluxo e a armazenagem de produtos, bem como os serviços e informações associados, cobrindo desde o ponto de origem até o ponto de consumo, com o objetivo de atender aos requisitos do consumidor. 4 4 Do original em inglês: The process of planning, implementing, and controlling procedures for the efficient and effective transportation and storage of goods including services, and related information from the point of origin to the point of consumption for the purpose of conforming to customer requirements.

22 21 Como pode ser observado, num ambiente empresarial altamente competitivo, o conceito de logística está diretamente ligado ao atendimento das necessidades das corporações, indispensáveis ao seu pleno funcionamento e atingimento dos seus objetivos. O foco no planejamento da armazenagem, circulação e distribuição de produtos tem como propósito a indispensável redução dos custos logísticos, maximização de eficiência e otimização da satisfação dos clientes. Segundo Videira (2008, p. 104), a Logística dos tempos modernos é o desafio que se impõe àqueles que estão compromissados com o sucesso dos negócios de suas empresas. O mesmo autor nos ensina que, no mundo moderno, o sucesso da logística carece do suporte da tecnologia. Cita como exemplos o uso da Identificação por Rádio Frequência 5, mais conhecida pela sua sigla em inglês RFID, para o gerenciamento de estoques; a Localização de Veículos Automática 6 para o controle de frotas; e a conteinerização para o transporte de produtos, em especial, aquela dotada de refrigeração, que introduziu possibilidades ilimitadas para o transporte transcontinental de produtos perecíveis. O conhecimento sobre logística adquiriu tamanha importância no Brasil, que diversos centros universitários criaram cursos de nível superior, com o propósito de capacitar profissionais para atuarem como catalisadores da melhoria dos níveis de qualidade, produtividade e competitividade de suas organizações. Farto é o campo de atuação de profissionais formados nessa área, em face da capilaridade com que a logística se espraia em todos os setores da economia. Nesse diapasão, há que ser ressaltada a necessidade de um adequado gerenciamento de toda a cadeia de suprimentos de uma empresa. A título de ilustração, a Fundação Getúlio Vargas (FGV) oferece um MBA em Logística e Supply Chain Management, cujo objetivo é o desenvolvimento de competências estratégicas e operacionais relacionadas à logística e à gestão da cadeia de suprimento, dentro de uma visão voltada para a eficiência e a eficácia. Segundo a FGV (2012, não paginado): A gestão da cadeia de suprimento (supply chain management) é a aplicação mais avançada dos recursos da moderna logística. Trata-se de uma ação 5 Do original em inglês: Radio Frequency Identification (RFID) 6 Do original em inglês: Automatic Vehicle Location (AVL)

23 22 que busca otimizar os elos de uma cadeia produtiva de bens ou de serviços de modo a alcançar o cliente final com produtos de menor custo e maior qualidade e, sempre que possível, sustentáveis. Aquela Fundação esclarece, também, que, no ambiente da economia globalizada e sob o impacto da crise financeira internacional, a gestão das cadeias de suprimentos pode contribuir para a neutralização dos efeitos negativos e conjunturais da recessão econômica. Além disto, voltada para a redução dos impactos ambientais e para mitigação dos seus efeitos, é fator de grande significância para o alcance do desenvolvimento econômico sustentável. Em tempos de generalizada preocupação com essa seara, nota-se a tendência a ser transportada para a esfera de atuação da Logística a necessidade de observância de modernos métodos de preservação ambiental, sendo este um fator diferencial para o sucesso dos futuros empreendimentos. 2.3 A LOGÍSTICA MILITAR Para a compreensão das possibilidades de integração logística entre as Forças, pressuposto básico onde se contextualiza o CLTO, é necessário serem conhecidos, primeiramente, os aspectos específicos da Logística Militar. A Logística Militar consiste no conjunto de atividades relativas à previsão e à provisão dos recursos e dos serviços necessários à execução das missões das Forças Armadas. Os conceitos básicos acerca dessas atividades estão normatizados na Doutrina de Logística Militar, documento de alto nível do MD, emitido em outubro de 2002, que serve de base para o planejamento e a execução das atividades logísticas das Forças. Esse documento agrupa as atividades logísticas em conjuntos de atividades afins, correlatas ou de mesma natureza, denominadas Funções Logísticas, quais sejam: Recursos Humanos, Saúde, Suprimento, Manutenção, Transporte, Engenharia e Salvamento. Essas funções logísticas recebem tratamento específico em cada Força, que se organiza administrativamente em tempo de paz, com estrutura organizacional e procedimentos próprios, da forma que melhor atenda suas peculiaridades. Não há padronização sob esse aspecto. As Forças devem se estruturar per se, de modo estarem capacitadas para apoiar logisticamente suas próprias tropas em operações.

24 23 As organizações militares de uma Força Singular, existente desde o tempo de paz ou ativada em operações, dotada de pessoal, equipamentos e outros meios especializados, apta para executar atividades e tarefas de uma ou mais funções logísticas é denominada, na Doutrina de Operações Conjuntas, como Organização Militar Logística Singular (OMLS) (Volume I, p. 49). A execução das Funções Logísticas é dividida, na Doutrina de Logística Militar, nas seguintes fases: determinação das necessidades; obtenção; distribuição; acrescidas de determinação das capacidades logísticas e reversão nas operações conjuntas pela Doutrina de Operações Conjuntas (Volume I, p. 48). Em que pese a interdependência de todas as Funções Logísticas para o sucesso de uma operação, seja isolada ou conjunta, uma das que se vislumbram com a maior possibilidade de integração entre as Forças é a Função Logística Suprimento, em face da possibilidade de essa integração poder ser amadurecida sistemicamente pelo MD em tempo de paz, independentemente da realização de adestramentos operacionais. Conforme a finalidade de emprego, os itens de suprimento são agrupados em classes. Essas classes são definidas pela Doutrina de Logística Militar como: Classe I - Material de Subsistência; Classe II - Material de Intendência; Classe III - Combustíveis e Lubrificantes; Classe IV - Material de Construção; Classe V - Armamento e Munição; Classe VI - Material de Engenharia e de Cartografia; Classe VII - Material de Comunicações, Eletrônica e de Informática; Classe VIII - Material de Saúde; Classe IX - Material Naval, de Motomecanização e de Aviação; e Classe X - Materiais não incluídos nas demais classes. A Função Logística Suprimento é mais conhecida, no âmbito da MB, como Abastecimento. Tendo em vista as peculiaridades daquela Força, onde seus meios devem apresentar como característica fundamental a mobilidade pelos mares e oceanos do planeta, a logística dos itens de suprimento é vital para a operação dos navios, especialmente, quando afastados de suas bases. A falta de um sobressalente de eletrônica para um radar, por exemplo, pode

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999. Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas.

LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999. Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas. LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999 Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

SISTEMAS DE GERENCIAMENTO LOGÍSTICO NAS OPERAÇÕES DE ADESTRAMENTO CONJUNTO

SISTEMAS DE GERENCIAMENTO LOGÍSTICO NAS OPERAÇÕES DE ADESTRAMENTO CONJUNTO SISTEMAS DE GERENCIAMENTO LOGÍSTICO NAS OPERAÇÕES DE ADESTRAMENTO CONJUNTO OBJETIVOS - Conhecer as peculiaridades do SISMC², que devem condicionar o desenvolvimento do futuro Sistema Logístico de Defesa;

Leia mais

VOCÊ está satisfeito com a

VOCÊ está satisfeito com a O Que é Logística? Logística e Distribuição A importância da Logística nas empresas 1 Logistica e Distribuição 2 Logistica e Distribuição Necessidade... Todos os dias milhões de produtos são fabricados

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA N o 916/MD, DE 13 DE JUNHO DE 2008. Aprova a Diretriz para a Difusão e Implementação do Direito Internacional dos Conflitos Armados (DICA) nas

Leia mais

Portaria Nr 026/DCT, 31 Mar 06 (IR 13-07) INSTRUÇÕES REGULADORAS PARA EMPREGO SISTÊMICO DA INFORMÁTICA NO EXÉRCITO BRASILEIRO IREMSI DAS GENERALIDADES

Portaria Nr 026/DCT, 31 Mar 06 (IR 13-07) INSTRUÇÕES REGULADORAS PARA EMPREGO SISTÊMICO DA INFORMÁTICA NO EXÉRCITO BRASILEIRO IREMSI DAS GENERALIDADES Portaria Nr 026/DCT, 31 Mar 06 (IR 13-07) INSTRUÇÕES REGULADORAS PARA EMPREGO SISTÊMICO DA INFORMÁTICA NO EXÉRCITO BRASILEIRO IREMSI DAS GENERALIDADES Art.1º As presentes intruções regulam a sistematização

Leia mais

Logística Uma nova fórmula para o Exército CONCEITOS ESTRUTURANTES DA CIÊNCIA LOGÍSTICA

Logística Uma nova fórmula para o Exército CONCEITOS ESTRUTURANTES DA CIÊNCIA LOGÍSTICA Logística Uma nova fórmula para o Exército CONCEITOS ESTRUTURANTES DA CIÊNCIA LOGÍSTICA A Logística, ciência de origem militar que despontou das necessidades de preparação, movimentação e colocação de

Leia mais

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19).

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). PORTARIA Nº 483, DE 20 DE SETEMBRO DE 2001. Aprova as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). O COMANDANTE DO EXÉRCITO, no uso da competência que lhe é conferida

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto?

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto? A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA E O FUTURO Arnaldo Niskier 1 - Qual a relação existente entre as transformações do mundo educacional e profissional e a educação à distância? A educação à distância pressupõe uma

Leia mais

Doutrina e Estratégia Militar. Ações de Caráter Sigiloso. Emprego da Força Terrestre em Operações. Logística de Material de Aviação

Doutrina e Estratégia Militar. Ações de Caráter Sigiloso. Emprego da Força Terrestre em Operações. Logística de Material de Aviação Programa 0620 Preparo e Emprego da Força Terrestre Ações Orçamentárias Número de Ações 16 24490000 Doutrina e Estratégia Militar Produto: Evento realizado Unidade de Medida: unidade UO: 52121 Comando do

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS 1º SEMESTRE/2009

RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS 1º SEMESTRE/2009 RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS 1º SEMESTRE/2009 I. INTRODUÇÃO O mundo corporativo tem demonstrado muito interesse nos aspectos que se relacionam à adoção de metodologias de controles internos, motivado

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE DEFESA

MINISTÉRIO DA DEFESA POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE DEFESA MINISTÉRIO DA DEFESA PLD POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE DEFESA 2006 MINISTÉRIO DA DEFESA SECRETARIA DE ENSINO, LOGÍSTICA, MOBILIZAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE DEFESA 1 a Edição 2006 MINISTÉRIO

Leia mais

Origem do SCO O SCO é baseado no ICS, desenvolvido nos EUA durante as décadas de 70/80, inicialmente para coordenar a resposta a incêndios florestais.

Origem do SCO O SCO é baseado no ICS, desenvolvido nos EUA durante as décadas de 70/80, inicialmente para coordenar a resposta a incêndios florestais. APRESENTAÇÃO DO SCO Conceito de SCO O Sistema de Comando em Operações é uma ferramenta gerencial para planejar, organizar, dirigir e controlar as operações de resposta em situações críticas, fornecendo

Leia mais

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO 1 LOGÍSTICA: história e conceitos Newilson Ferreira Coelho FAFIJAN Marilda da Silva Bueno FAFIJAN RESUMO Através de uma pesquisa bibliográfica, este estudo apresenta a logística, sua história e conceitos

Leia mais

MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DA MARINHA. SecCTM CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO

MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DA MARINHA. SecCTM CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO BRASÍLIA 2015 0 PREFÁCIO Por definição, a Carta de Serviços ao Cidadão é o documento no qual o órgão ou a entidade pública estabelece o compromisso de observar padrões de qualidade,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação?

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? O mercado do trabalho está cada vez mais exigente. Hoje em dia, um certificado de pós-graduação é imprescindível para garantia

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS PLANOS DE CONTINGÊNCIAS ARAÚJO GOMES Capitão SC PMSC ARAÚJO GOMES defesacivilgomes@yahoo.com.br PLANO DE CONTINGÊNCIA O planejamento para emergências é complexo por suas características intrínsecas. Como

Leia mais

VII - tenha a seleção e o relacionamento dos militares designados para a matrícula a cargo do DGP, ouvido o CIE; e

VII - tenha a seleção e o relacionamento dos militares designados para a matrícula a cargo do DGP, ouvido o CIE; e VII - tenha a seleção e o relacionamento dos militares designados para a matrícula a cargo do DGP, ouvido o CIE; e VIII - tenha a orientação técnico-pedagógica do DECEx. Art. 3º Determinar que a presente

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 1173/MD, DE 06 DE SETEMBRO DE 2006.

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 1173/MD, DE 06 DE SETEMBRO DE 2006. MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 1173/MD, DE 06 DE SETEMBRO DE 2006. Aprova a Política de Assistência Social das Forças Armadas. O MINISTRO DE ESTADO DA DEFESA, no uso das

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA LOGÍSTICA NSCA 400-2 NORMA DO SISTEMA DE INTENDÊNCIA OPERACIONAL 2008 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA COMANDO-GERAL DO PESSOAL LOGÍSTICA NSCA 400-2

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 PORTARIA DPE/SPEAI/MD 983/2003 MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 Aprova a Diretriz para o relacionamento das Forças Armadas com as comunidades

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO 05/IN01/DSIC/GSIPR 00 14/AGO/09 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações CRIAÇÃO DE EQUIPES DE TRATAMENTO E RESPOSTA A INCIDENTES

Leia mais

CURSO DE ESTADO-MAIOR CONJUNTO (CEMC)

CURSO DE ESTADO-MAIOR CONJUNTO (CEMC) MINISTÉRIO DA DEFESA ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA RESUMO HISTÓRICO CURSO DE ESTADO-MAIOR CONJUNTO O Curso de Estado-Maior Conjunto tem raízes no Curso de Alto Comando, criado em 1942 e ministrado sob a direção

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 Reestrutura as unidades vinculadas à Secretaria de Tecnologia da Informação SETIN do Tribunal Superior do Trabalho.

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006.

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. DEFINE a Política de Informática do Estado do Amazonas. O PRESIDENTE DO COMITÊ ESTADUAL DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 IDENTIFICAÇÃO 3- CARACTERIZAÇÃO DA INSTALAÇÃO PORTUÁRIA 4 - PLANO DE TRABALHO 4.1 - CONHECIMENTO

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE INTELIGÊNCIA ESTRATÉGICA (CSIE)

CURSO SUPERIOR DE INTELIGÊNCIA ESTRATÉGICA (CSIE) MINISTÉRIO DA DEFESA ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA Cognoscere ut Consilium Dare CURSO SUPERIOR DE INTELIGÊNCIA ESTRATÉGICA (CSIE) RESUMO HISTÓRICO Ao término da Segunda Guerra Mundial, em razão das novas ideias

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.707, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2006. Institui a Política e as Diretrizes para o Desenvolvimento de Pessoal da administração

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

07/06/2014. Segunda Parte Prof. William C. Rodrigues Copyright 2014 Todos direitos reservados.

07/06/2014. Segunda Parte Prof. William C. Rodrigues Copyright 2014 Todos direitos reservados. Segunda Parte Prof. William C. Rodrigues Copyright 2014 Todos direitos reservados. 1 Conceituação, análise, estruturação, implementação e avaliação. 2 Metodologia é sempre válida: Proporcionando aos executivos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999 Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas.

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO PORTARIA Nº 017-EME, DE 8 DE MARÇO DE 2007.

ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO PORTARIA Nº 017-EME, DE 8 DE MARÇO DE 2007. ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO PORTARIA Nº 017-EME, DE 8 DE MARÇO DE 2007. Aprova as Normas para o Funcionamento do Sistema de Material do Exército (SIMATEX). O CHEFE DO ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO, no uso da competência

Leia mais

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 1 Missão 2 Exercer o controle externo da administração pública municipal, contribuindo para o seu aperfeiçoamento, em benefício da sociedade. Visão Ser reconhecida

Leia mais

PROCESSO DE CONTRATAÇÃO DO DIRETOR GERAL DO IBIO AGB DOCE

PROCESSO DE CONTRATAÇÃO DO DIRETOR GERAL DO IBIO AGB DOCE PROCESSO DE CONTRATAÇÃO DO DIRETOR GERAL DO IBIO AGB DOCE Data: 08/05/2014 Sumário 1. CONTEXTUALIZAÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO CARGO... 4 3. QUALIFICAÇÃO... 5 3.1. FORMAÇÃO ACADÊMICA:... 5 3.2. EXPERIÊNCIA

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura

Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura Termo de Referência para Contratação de Consultoria - TR Modalidade Pessoa Física Vaga Código TR/PF/IICA-005/2010 PCT BRA/09/001 - Acesso e uso da energia elétrica como fator de desenvolvimento de comunidades

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: Redes de Computadores MISSÃO DO CURSO Com a modernização tecnológica e com o surgimento destes novos serviços e produtos, fica clara a necessidade de profissionais

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL DUMAS, Ana Carolina¹ Guirado CALDAMONE,Camila¹ Guerino FRANCO, Nathália¹ Ribeiro; Acadêmicos do curso de Administração da Faculdade de Ciências

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini SI- Sistemas de Informação Professora: Mariana A. Fuini INTRODUÇÃO A informação é tudo na administração de uma organização. Mas para uma boa informação é necessário existir um conjunto de características

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT 1 FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT Dispõe sobre a estruturação e operacionalização do Programa de Iniciação Científica

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAJUBÁ Av. Jerson Dias, 500 - Estiva CEP 37500-000 - Itajubá Minas Gerais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAJUBÁ Av. Jerson Dias, 500 - Estiva CEP 37500-000 - Itajubá Minas Gerais Lei nº 2677 BENEDITO PEREIRA DOS SANTOS, Prefeito do Município de Itajubá, Estado de Minas Gerais, usando das atribuições que lhe são conferidas por Lei, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ Art. 1 O presente Regimento Interno estabelece diretrizes

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO 05.11.2015 SUMÁRIO INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO DE PORTFÓLIO CENÁRIO NEGATIVO DOS PORTFÓLIOS NAS ORGANIZAÇÕES GOVERNANÇA

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012. Institui o Programa de Fortalecimento Institucional da ANAC. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no exercício das competências

Leia mais

Introdução à Estrutura Organizacional nas Empresas

Introdução à Estrutura Organizacional nas Empresas Conceitos Fundamentais de Engenharia 1 Ano Profª Fernanda Cristina Vianna Introdução à Estrutura Organizacional nas Empresas 1. O Que é Estrutura Organizacional? É a estrutura formal na qual ocorrem as

Leia mais

POLÍTICA DE SENSORIAMENTO REMOTO DE DEFESA

POLÍTICA DE SENSORIAMENTO REMOTO DE DEFESA MINISTÉRIO DA DEFESA MD32-P-02 POLÍTICA DE SENSORIAMENTO REMOTO DE DEFESA 2006 MINISTÉRIO DA DEFESA ESTADO-MAIOR DE DEFESA POLÍTICA DE SENSORIAMENTO REMOTO DE DEFESA 1 a Edição 2006 MINISTÉRIO DA DEFESA

Leia mais

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º A Auditoria Interna do IF Sudeste de Minas Gerais, está vinculada ao Conselho Superior,

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO FACULDADE DE INFORMÁTICA CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Aprovado na 22ª reunião do Conselho de Unidade (CONSUN) da Faculdade de Informática realizada dia 30 de

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO -BIOTECNOLOGIA

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO -BIOTECNOLOGIA 1. IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Estágio Supervisionado Obrigatório (ESO) é uma disciplina curricular do curso de Biotecnologia. É composto do desenvolvimento das seguintes atividades: a) Elaboração de um

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

Curso Plano de Continuidade de Negócios

Curso Plano de Continuidade de Negócios Curso Plano de Continuidade de Negócios Em um cenário mundial de alto risco e volatilidade, com uma interconexão e interdependência de todas as cadeias de suprimento, a segurança e continuidade dos negócios

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: TURISMO ( bacharelado) Missão Formar profissionais humanistas, críticos, reflexivos, capacitados para planejar, empreender e gerir empresas turísticas, adaptando-se ao

Leia mais

Prefeitura Municipal de Brejetuba

Prefeitura Municipal de Brejetuba INSTRUÇÃO NORMATIVA SPO Nº. 001/2014 DISPÕE SOBRE ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO E EXECUÇÃO DO PPA NO MUNICÍPIO DE BREJETUBA-ES. VERSÃO: 01 DATA DE APROVAÇÃO: 06/05/2014 ATO DE APROVAÇÃO: Decreto Municipal

Leia mais

Desenvolvimento econômico e social no Brasil e a qualificação profissional num mundo globalizado

Desenvolvimento econômico e social no Brasil e a qualificação profissional num mundo globalizado Desenvolvimento econômico e social no Brasil e a qualificação profissional num mundo globalizado Edson Tomaz de Aquino 1 Resumo: Este artigo apresenta uma reflexão sobre os desafios do Brasil em competir

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 006 /2007

ATO NORMATIVO Nº 006 /2007 ATO NORMATIVO Nº 006 /2007 Dispõe sobre os cargos em comissão do Ministério Público do Estado da Bahia, e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA, no uso das atribuições

Leia mais

14/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/12 1/7

14/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/12 1/7 14/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/12 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação ORIGEM e Comunicações Departamento de Segurança da Informação e

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA DE PROJETOS

CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA DE PROJETOS www.tecnologiadeprojetos.com.br Diretoria de Acompanhamento e Avaliação de Projetos da Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais DAPE/SEE-MG RELATÓRIO DE PESQUISA 1 : CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich Gestão em Logística Fundação de Estudos Sociais do Paraná Luiz Alexandre Friedrich Nosso contrato... Fornecedor : Luizão Cliente : Alunos de Adm. da FESP - Fornecer subsídios de teoria e prática de Gestão

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NSCA 7-14 REESTRUTURAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DE PROVIMENTO DE ACESSO À INTERNET NO COMAER 2009 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Escola de Governo em Saúde Programa de Educação à Distância IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Equipe da Coordenação

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO O estágio curricular obrigatório é aquele definido

Leia mais