Encontro Estadual de Apoio Matricial para Atenção Básica (NASF-NAAB)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Encontro Estadual de Apoio Matricial para Atenção Básica (NASF-NAAB)"

Transcrição

1 Encontro Estadual de Apoio Matricial para Atenção Básica (NASF-NAAB) A experiência da implantação do Núcleo de Apoio à Atenção Básica (NAAB) no município de Muçum/RS. Porto Alegre, 24 de outubro de 2013

2 POPULAÇÃO: HABITANTES FAMÍLIAS (SIAB) 2 EQUIPES ESF COM SAÚDE BUCAL 100% COBERTURA DE ACS 1 HOSPITAL DE PEQUENO PORTE

3 FONTE: GOOGLE EARTH

4 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS GRUPO DE REEDUCAÇÃO ALIMENTAR Oficina de Maquiagem

5 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PSE: PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA

6 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PROJETO TRÂNSITO SEGURO Parcerias: Educação, Assistência Social, Brigada Militar, Conselho Tutelar

7 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS Visitas Domiciliares diárias para realizar procedimentos de enfermagem QUALIFICAÇÃO AB: PMAQ

8 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS GRUPOS DE SAÚDE

9 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS GRUPO DE GESTANTES

10 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS OFICINAS TERAPÊUTICAS

11 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NAAB

12 APAGAR INCÊNDIO

13 Através de demandas e como estava estruturada a SM. Resolução CIB-RS 403/2011. Projeto para qualificar as ações da Atenção Básica, e ampliação do cuidado em Saúde Mental (SM), álcool e outras drogas.

14 A principal função do NAAB é a parceria com os profissionais das ESF através do apoio matricial às equipes, do compartilhamento de ações de promoção em saúde nos territórios e da construção da rede de saúde e intersetorial dos municípios e região.

15 EQUIPE Psicóloga Educadora física Auxiliar de enfermagem (Acompanhante Terapêutico)

16 A equipe iniciou em julho/2012 com apresentação da proposta do NAAB para as ESFs; Reconhecimento do território; A territorialização foi realizada com algumas ACS, mas não com todas elas.

17 Durante os primeiros 5 meses de trabalho a equipe realizou VDs, atuou em reuniões de equipe, realizou consulta conjunta, interconsultas, acolhimentos, intervenções em Grupos de Saúde e auxiliou na implantação de uma Oficina Terapêutica de horta.

18 Em fevereiro de 2013 houve a troca de um profissional de nível superior. Propomos a organização de fluxos, como um documento de referência e contrarreferência para os encaminhamentos das solicitações de atendimento em saúde mental. Também definimos algumas pessoas que pudessem, através de uma postura acolhedora, coletar dados do usuário que buscasse este atendimento, assim como também, definimos um documento para esta coleta dos dados.

19 Reunião de Equipes (ESFs) (Apoio Matricial e Institucional) Reunião com a Educação (Apoio Matricial e Institucional) Visitas Domiciliares (conjuntas ou não) Grupos Condutores (PSE e Viver sem Limtes) Grupo de Estudos (NAABs da 16ª CRS) NAAB Interconsulta Oficinas Terapêuticas Reunião Ampliada de SM (Apoio Matricial e Institucional) Consulta Conjunta Intervenção em Grupos (Grupo de Pais, Professores, Reeducação Alimentar, Adolesc. e Caminhada) Participação em atividades Regionais

20 O trabalho com matriciamento é novo para os municípios pequenos, e um dos desafios é manter a articulação entre o cuidado e a gestão, pois somos chamados o tempo todo para realizar intervenções de cuidado.

21 Exercer o apoio de forma a potencializar uma maior horizontalidade e cooperação nas relação e práticas do dia-a-dia. Lidar com as resistências das equipes, afetos e devolver as questões que demandam para reflexões.

22 Acreditamos que inseridos nos processos coletivos (como as reuniões de equipe) estamos cada vez mais nos posicionando para realizar as intervenções de acordo com a perspectiva de matriciamento e apoio institucional, atualmente nos sentimos mais fortalecidos para lidar com as resistências que aparecem com este tipo de trabalho.

23 Com as intervenções realizadas nas reuniões de equipe pudemos: Constatar uma definição do fluxo de encaminhamento; Constatar um processo de ampliação da resolubilidade das equipes principalmente com a Assistência Social; Visualizamos uma maior participação de diferentes trabalhadores nas ações de SM; Abertura de um canal de comunicação interprofissional; Identificação de demandas de trabalho em SM; Processo de criação de um espaço de cogestão.

24 Angelice Graff Mariéli Castoldi

RESOLUÇÃO Nº 403/11 CIB/RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando:

RESOLUÇÃO Nº 403/11 CIB/RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando: RESOLUÇÃO Nº 403/11 CIB/RS A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando: a Lei nº 9.716, de 07 de agosto de 1992, que estabelece a Reforma Psiquiátrica no âmbito

Leia mais

Criança é o princípio sem fim e seu fim é o fim de todos nós

Criança é o princípio sem fim e seu fim é o fim de todos nós Criança é o princípio sem fim e seu fim é o fim de todos nós PROPOSTA DE REDE DE ATENDIMENTO EM SAÚDE MENTAL PARA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE POA COMISSÃO DE SAÚDE MENTAL JUNHO

Leia mais

MATRICIAMENTO PELOS NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA

MATRICIAMENTO PELOS NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA MATRICIAMENTO PELOS NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA INTRODUÇÃO Neste Caso Didático vamos relatar a experiência de organização dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF) de um município de grande

Leia mais

Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado

Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado XXX Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo 13/abril/2016 O SUS e a Atenção

Leia mais

A implantação de CAPS no estado do Paraná: situação atual e perspectivas. Coordenação Estadual de Saúde Mental Agosto 2013

A implantação de CAPS no estado do Paraná: situação atual e perspectivas. Coordenação Estadual de Saúde Mental Agosto 2013 A implantação de CAPS no estado do Paraná: situação atual e perspectivas Coordenação Estadual de Saúde Mental Agosto 2013 Situação Atual - Portaria 336/2002 - CAPS - Portaria 245/2005 incentivo implantação

Leia mais

I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas que abrangem múltiplas facetas da realida

I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas que abrangem múltiplas facetas da realida A atuação do Assistente Social na e a interface com os demais níveis de complexidade Inês Pellizzaro I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas

Leia mais

Organização da Atenção Básica no Município de Vitória: Equipes Ampliadas e Apoio Matricial

Organização da Atenção Básica no Município de Vitória: Equipes Ampliadas e Apoio Matricial Área Técnica da Atenção Básical Gerência de Atenção à Saúde Secretaria Municipal de Saúde de Vitória Organização da Atenção Básica no Município de Vitória: Equipes Ampliadas e Apoio Matricial Enfª Cláudia

Leia mais

Prezados(as) gestores(as),

Prezados(as) gestores(as), Prezados(as) gestores(as), Este boletim tem como objetivo trazer informações atualizadas sobre os Núcleos de Apoio à Saúde da Família (Nasf). Apresenta o panorama nacional das equipes do Nasf, alguns dados

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE NASF DO MUNICÍPIO DE BALNEÁRIO PIÇARRAS

EXPERIÊNCIA DE NASF DO MUNICÍPIO DE BALNEÁRIO PIÇARRAS apresentam EXPERIÊNCIA DE DO MUNICÍPIO DE BALNEÁRIO PIÇARRAS Experiência de Nasf do município de Balneário Piçarras Talita Vieira de Souza 100 % cobertura ESF Balneário Piçarras Atenção Básica 8 ESF Estratégia

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DE RECIFE

A EXPERIÊNCIA DE RECIFE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAUDE DO RECIFE NÚCLEO DE DESENVOLVIMENTO INFANTIL - NDI NÚCLEO DE APOIO A SAUDE DA FAMÍLIA - NASF A EXPERIÊNCIA DE RECIFE Intervenção e integração dos serviços de atenção à saúde.

Leia mais

PIES. Portaria Federal nº 978 de 16 de maio de Equipe da Saúde da Famíia (ESF) Portaria Federal nº de 21 de outubro de 2011.

PIES. Portaria Federal nº 978 de 16 de maio de Equipe da Saúde da Famíia (ESF) Portaria Federal nº de 21 de outubro de 2011. PRINCIPAIS FINANCIAMENTOS DA ATENÇÃO BÁSICA * Dados até 2014 PAB FIXO De R$ 23,00 a R$ 28,00 per capita/mês Portaria Federal nº 1.409, de 10 de julho de 2013. PIES Equipe da Saúde da Famíia (ESF) Incentivo

Leia mais

O PROJETO TERAPÊUTICO SINGULAR NA ABORDAGEM DE CASOS COMPLEXOS

O PROJETO TERAPÊUTICO SINGULAR NA ABORDAGEM DE CASOS COMPLEXOS O PROJETO TERAPÊUTICO SINGULAR NA ABORDAGEM DE CASOS COMPLEXOS Spártaco G. Fogaça de Almeida Juliana Azevedo Fernandes Lilian Soares Vidal Terra JUNHO 2013 CONTEXTO Família em questão moradora do território

Leia mais

V Fórum Nacional de Gestão da Atenção Básica Allan Nuno Alves de Sousa CGAA/DAB/SAS/MS 26 de março de 2015

V Fórum Nacional de Gestão da Atenção Básica Allan Nuno Alves de Sousa CGAA/DAB/SAS/MS 26 de março de 2015 O e-sus AB como estratégia para potencializar uma Atenção Básica mais acessível, cuidadora e resolutiva V Fórum Nacional de Gestão da Atenção Básica Allan Nuno Alves de Sousa CGAA/DAB/SAS/MS 26 de março

Leia mais

PMAQ Programa Nacional de Melhoria do Acesso e Qualidade da Atenção Básica

PMAQ Programa Nacional de Melhoria do Acesso e Qualidade da Atenção Básica PMAQ Programa Nacional de Melhoria do Acesso e Qualidade da Atenção Básica Portaria nº 1.654, de 19 de julho de 2011 PROGRAMA DE MELHORIA DO ACESSO E DA QUALIDADE FASE 1 FASE 2 FASE 3 FASE 4 Contratualização

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO A SAÚDE COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO A SAÚDE COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO A SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA DESAFIOS DA APS E O PAPEL DO NASF BRASILIA Novembro, 2010 APS Saúde da Família Caracteriza-se

Leia mais

NASF e PAIF/CRAS: a contribuição de cada serviço para a garantia dos direitos. Débora Martini

NASF e PAIF/CRAS: a contribuição de cada serviço para a garantia dos direitos. Débora Martini NASF e PAIF/CRAS: a contribuição de cada serviço para a garantia dos direitos Débora Martini Saúde Direito de todos Núcleo de Apoio a Saúde da Família - NASF Atenção Primária à Saúde Centros de Saúde Assistência

Leia mais

Aracaju. Avanços e Desafios da Saúde da Família no município de Aracaju: a experiência do Modelo Saúde Todo Dia

Aracaju. Avanços e Desafios da Saúde da Família no município de Aracaju: a experiência do Modelo Saúde Todo Dia Avanços e Desafios da Saúde da Família no município de Aracaju: a experiência do Modelo Saúde Todo Dia Mônica Sampaio de Carvalho Rogério Carvalho Santos Leandro Dominguez Barretto Secretaria Municipal

Leia mais

Como organizar a Atenção Básica para cumprir com os compromissos assumidos e atender as necessidades da população?

Como organizar a Atenção Básica para cumprir com os compromissos assumidos e atender as necessidades da população? Como organizar a Atenção Básica para cumprir com os compromissos assumidos e atender as necessidades da população? Apresentação de experiência municipal Amparo Deolinda Marcia Pompeu Bueno Enfermeira,

Leia mais

PROJETO TERAPÊUTICO SINGULAR:

PROJETO TERAPÊUTICO SINGULAR: PROJETO TERAPÊUTICO SINGULAR: IMPACTO NA ASSISTÊNCIA À BEBÊS COM SÍNDROME CONGÊNITA DO ZIKA VÍRUS E SUA FAMÍLIA EXPERIÊNCIA DE CAMPINA GRANDE - PB Maria Jeanette De Oliveira Silveira Mestre em Psicanálise

Leia mais

UMA PARCERIA DE AGENCIAS EM UM SÓ ESPAÇO GEOGRAFICO.

UMA PARCERIA DE AGENCIAS EM UM SÓ ESPAÇO GEOGRAFICO. Projeto Segurança Humana: São Paulo UMA PARCERIA DE AGENCIAS EM UM SÓ ESPAÇO GEOGRAFICO. SETEMBRO 2009 ANÁLISE DO PROJETO PROJETO SEGURANÇA A HUMANA NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO: Agências envolvidas: OPAS/OMS

Leia mais

APOIO MATRICIAL COMO FERRAMENTA PARA INSERÇÃO DA SAÚDE DO TRABALHADOR NA ATENÇÃO BÁSICA DO MUNICÍPIO DE BETIM/MG

APOIO MATRICIAL COMO FERRAMENTA PARA INSERÇÃO DA SAÚDE DO TRABALHADOR NA ATENÇÃO BÁSICA DO MUNICÍPIO DE BETIM/MG APOIO MATRICIAL COMO FERRAMENTA PARA INSERÇÃO DA SAÚDE DO TRABALHADOR NA ATENÇÃO BÁSICA DO MUNICÍPIO DE BETIM/MG BETIM Localização: 30 Km de Belo Horizonte. É um dos principais polos de concentração Industrial

Leia mais

ESTRATÉGIAS SINGULARES DE IMPLANTAÇÃO DA CADERNETA DO IDOSO NO MUNICÍPIO DE CAXIAS DO SUL - RS

ESTRATÉGIAS SINGULARES DE IMPLANTAÇÃO DA CADERNETA DO IDOSO NO MUNICÍPIO DE CAXIAS DO SUL - RS PREFEITURA MUNICIPAL DE CAXIAS DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ESTRATÉGIAS SINGULARES DE IMPLANTAÇÃO DA CADERNETA DO IDOSO NO MUNICÍPIO DE CAXIAS DO SUL - RS Nadia Peresin Perottoni Enfermeira Atenção

Leia mais

OFERTAS E FERRAMENTAS DE APOIO AO CUIDADO DAB/SAS/MS

OFERTAS E FERRAMENTAS DE APOIO AO CUIDADO DAB/SAS/MS OFERTAS E FERRAMENTAS DE APOIO AO CUIDADO DAB/SAS/MS http://dab.saude.gov.br/portaldab/index.php PAB Saúde das Mulheres PAB Saúde das Mulheres Enfoque clínico e de gestão do cuidado; Cuidado da mulher

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REDUÇÃO DE INTERNAÇÕES HOSPITALARES EM FLORIANÓPOLIS SANTA

AVALIAÇÃO DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REDUÇÃO DE INTERNAÇÕES HOSPITALARES EM FLORIANÓPOLIS SANTA ATENÇAO PRIMÁRIA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA AVALIAÇÃO DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REDUÇÃO DE INTERNAÇÕES HOSPITALARES EM FLORIANÓPOLIS SANTA CATARINA III Mostra Nacional de Produção em Saúde

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE -MARINGÁ VIGILÂNCIA EM SAÚDE PROGRAMA MUNICIPAL DE CONTROLE DA DENGUE ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE -MARINGÁ VIGILÂNCIA EM SAÚDE PROGRAMA MUNICIPAL DE CONTROLE DA DENGUE ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE -MARINGÁ VIGILÂNCIA EM SAÚDE PROGRAMA MUNICIPAL DE CONTROLE DA DENGUE ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE Experiência Rompendo Paradigmas: A integração da Vigilância em Saúde e Atenção

Leia mais

INTERFACE CAPS E PSF UMA EXPERIÊNCIA DE

INTERFACE CAPS E PSF UMA EXPERIÊNCIA DE INTERFACE CAPS E PSF UMA EXPERIÊNCIA DE RESPEITO E SUCESSO EXPERIÊNCIA DE ARACAJU 2002 Ampliação do PSF cobertura de 70% da população; Implantação do Acolhimento; Na Saúde Mental a implantação de equipes

Leia mais

PRODUTO OFICINAS PARA SENSIBILIZAÇÃO DE TRABALHADORES DA ESF E NASF.

PRODUTO OFICINAS PARA SENSIBILIZAÇÃO DE TRABALHADORES DA ESF E NASF. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO - UNIFESP Campus Baixada Santista Programa de Pós-Graduação Ensino em Ciências da Saúde ROSEMEIRE APARECIDA BEZERRA DE GOIS DOS SANTOS MATRICIAMENTO NA ATENÇÃO BÁSICA:

Leia mais

Educação Permanente na RAPS: a Experiência do Percursos Formativos

Educação Permanente na RAPS: a Experiência do Percursos Formativos Educação Permanente na RAPS: a Experiência do Percursos Formativos Coordenação Geral de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas/DAPES/SAS/MS Outubro - 2015 Breve Histórico da RAPS e a necessidade de qualificação

Leia mais

MORAR EM CASA 1. IDENTIFICAÇÃO

MORAR EM CASA 1. IDENTIFICAÇÃO MORAR EM CASA Fanny Helena Martins Salles 1 Lorena Pinheiro Furtat 2 Miriam Kloppenburg Ferreira 3 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Nome: Implementação ao projeto de moradias assistidas vinculadas ao Centro de Atendimento

Leia mais

Nenhum de nós é tão bom quanto todos nós juntos

Nenhum de nós é tão bom quanto todos nós juntos NOTA PEDAGÓGICA* MATRICIAMENTO PELOS NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA Para refletir... Nenhum de nós é tão bom quanto todos nós juntos INTRODUÇÃO De acordo com Campos e Domitti (2007), os conceitos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA BLUMENAU ARTICULADOR

TERMO DE REFERÊNCIA BLUMENAU ARTICULADOR TERMO DE REFERÊNCIA BLUMENAU ARTICULADOR PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA INDIVIDUAL EM ARTICULAÇÃO DE REDE INTERSETORIAL ALCOOL E DROGAS DESCENTRALIZADO I. CONTEXTO O decreto 7.179 de 2010 da Presidência

Leia mais

PROGRAMA DE SAÚDE MENTAL: POSSIBILIDADES DE ATUAÇÃO EM REDE NA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE

PROGRAMA DE SAÚDE MENTAL: POSSIBILIDADES DE ATUAÇÃO EM REDE NA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE PROGRAMA DE SAÚDE MENTAL: POSSIBILIDADES DE ATUAÇÃO EM REDE NA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE Tatiane Pecoraro Psicóloga Coordenadora de Saúde Mental Salgado Filho -PR Caracterização do Município Município de

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO Subsecretaria de Unidades de Saúde Superintendência de Atenção Básica

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO Subsecretaria de Unidades de Saúde Superintendência de Atenção Básica SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO Subsecretaria de Unidades de Saúde Superintendência de Atenção Básica ENCONTRO ESTADUAL DA VIGILÂNCIA DAS DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS Articulação

Leia mais

Chamada nº 16/2016. Processo Seletivo Simplificado para profissionais de nível superior do Centro de Atenção Psicossocial II (CAPS II).

Chamada nº 16/2016. Processo Seletivo Simplificado para profissionais de nível superior do Centro de Atenção Psicossocial II (CAPS II). Chamada nº 16/2016 Processo Seletivo Simplificado para profissionais de nível superior do Centro de Atenção Psicossocial II (CAPS II). A FIOTEC, em observância, ao Contrato de Gestão firmado com a Prefeitura

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO SEGURO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO SEGURO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE NÚCLEO MICRORREGIONAL PARA IMPLANTAÇÃO DAS LINHAS DE CUIDADO E EDUCAÇÃO PERMANENTE PARA ATENÇÃO BÁSICA (NEPSmr) RELATÓRIO DE GESTÃO ATIVIDADES E AVALIAÇÃO DA IMPLANTAÇÃO DO NEPSmr - 2010 Município: Porto

Leia mais

Projeto para Credenciamento do NASF do Município de

Projeto para Credenciamento do NASF do Município de Projeto para Credenciamento do NASF do Município de Projeto elaborado para implantação do Núcleo de Apoio à Saúde da Família tipo do Município de Mês ano Sumário 1 Apresentação 2 Caracterização do Município

Leia mais

Linhas gerais e desafios da Política Nacional da Atenção Básica. Setembro, 2012

Linhas gerais e desafios da Política Nacional da Atenção Básica. Setembro, 2012 Linhas gerais e desafios da Política Nacional da Atenção Básica Portaria 2488 Setembro, 2012 Política Nacional de Atenção Básica Portaria n. 2488, de 21 de outubro de 2011. AAtençãoBásica é oprimeiropontodeatençãoàsaúde

Leia mais

PREFEITURA DE MONTES CLAROS SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Centro de Referência de Assistência Social PLANO ANUAL DE AÇÃO 2015

PREFEITURA DE MONTES CLAROS SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Centro de Referência de Assistência Social PLANO ANUAL DE AÇÃO 2015 CRAS: Maracanã COORDENADOR(A): Eliana de Araújo Vieira PREFEITURA DE MONTES CLAROS PLANO ANUAL DE AÇÃO 2015 QUADRO I Atividades de fortalecimento dos vínculos familiares e comunitários: Objetivo Atividades

Leia mais

BRASIL SAUDÁVEL. Ação Nacional em favor de Modos de Viver Saudáveis

BRASIL SAUDÁVEL. Ação Nacional em favor de Modos de Viver Saudáveis BRASIL SAUDÁVEL Ação Nacional em favor de Modos de Viver Saudáveis Inserida no contexto do Bom Exemplo SECOM Coordenação Geral Ministério da Saúde Ministério da Educação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

B. PRIORIDADES E OBJETIVOS DO PACTO PELA VIDA. Prioridades e objetivos a serem pactuados, mas que não demandam preenchimento do quadro o abaixo.

B. PRIORIDADES E OBJETIVOS DO PACTO PELA VIDA. Prioridades e objetivos a serem pactuados, mas que não demandam preenchimento do quadro o abaixo. B. PRIORIDADES E OBJETIVOS DO PACTO PELA VIDA Prioridades e objetivos a serem pactuados, mas que não demandam preenchimento do quadro o abaixo. Prioridades Federais Saúde do Idoso Disponibilizar a Caderneta

Leia mais

27º Seminário de Municipalização as Saúde Regionalização nas diferentes redes de atenção: COAP e Regulação Rede de Atenção Psicossocial

27º Seminário de Municipalização as Saúde Regionalização nas diferentes redes de atenção: COAP e Regulação Rede de Atenção Psicossocial 27º Seminário de Municipalização as Saúde Regionalização nas diferentes redes de atenção: COAP e Regulação Rede de Atenção Psicossocial A Experiência de Viamão/RS Sandra Sperotto Secretária Municipal de

Leia mais

COMISSÃO DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ PARANÁ: AÇÕES NO ANO DE 2009

COMISSÃO DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ PARANÁ: AÇÕES NO ANO DE 2009 COMISSÃO DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ PARANÁ: AÇÕES NO ANO DE 2009 Robsmeire Calvo Melo Zurita 1 ; Alessandra Massi Puziol Alves 2 Neide Barboza Lopes 3 INTRODUÇÃO: No Brasil ainda

Leia mais

Projeto QualificaAPS - Apoio e Teleconsultoria para Gestão Municipal da Atenção Básica

Projeto QualificaAPS - Apoio e Teleconsultoria para Gestão Municipal da Atenção Básica Projeto QualificaAPS - Apoio e Teleconsultoria para Gestão Municipal da Atenção Básica Sobre o TelessaúdeRS O TelessaúdeRS é um projeto de pesquisa do Programa de Pós- Graduação em Epidemiologia da Faculdade

Leia mais

ATENÇÃO À SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA

ATENÇÃO À SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA ATENÇÃO À SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA Pesquisa Nacional de população em situação de rua 71 municípios recenseados pelo MDS em 2007-2008: 31.922 moradores de rua. São Paulo (2003): 10.399 pessoas.

Leia mais

Prezado(a) Gestor(a),

Prezado(a) Gestor(a), Monitoramento 2017 Academia da Saúde - Gestão Municipal Prezado(a) Gestor(a), Estamos iniciando o Ciclo 2017 do Monitoramento do Programa Academia da Saúde! O formulário a seguir refere-se à GESTÃO MUNICIPAL

Leia mais

Redes de Atenção à Saúde no SUS Adriano de Oliveira DARAS/SAS/MS

Redes de Atenção à Saúde no SUS Adriano de Oliveira DARAS/SAS/MS Redes de Atenção à Saúde no SUS Adriano de Oliveira DARAS/SAS/MS 12 de setembro de 2011 Articulação para Produção da Saúde RAS Assistência à Saúde Vigilância em Saúde Promoção da Saúde Vasos Comunicantes

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DA 10ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE BARRA DO PIRAI DIA 07 DE JUNHO DE 2014 ATENÇÃO BÁSICA GRUPO 1

RELATÓRIO FINAL DA 10ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE BARRA DO PIRAI DIA 07 DE JUNHO DE 2014 ATENÇÃO BÁSICA GRUPO 1 RELATÓRIO FINAL DA 10ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE BARRA DO PIRAI DIA 07 DE JUNHO DE 2014 ATENÇÃO BÁSICA GRUPO 1 1) Atenção domiciliar aos pacientes em dificuldades de locomoção dependente de ventilação

Leia mais

Síntese das Discussões

Síntese das Discussões Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica à Saúde 20 de outubro de 2016 Síntese das Discussões Nota Metodológica: Todos os enunciados formulados no evento foram registrados,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL - 2014

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL - 2014 SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL - 2014 A MODELAGEM DA REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL 1. A análise de situação de saúde 2. A escolha do modelo de 3. A definição do

Leia mais

Projeto Inclusão Social Urbana Nós do Centro. Prefeitura de São Paulo União Européia

Projeto Inclusão Social Urbana Nós do Centro. Prefeitura de São Paulo União Européia Projeto Inclusão Social Urbana Nós do Centro Prefeitura de São Paulo União Européia Histórico do Projeto Cooperação técnica bilateral da Prefeitura de São Paulo com a União Européia com duração de quatro

Leia mais

Experiência do Município Recife

Experiência do Município Recife Prefeitura do Recife Secretaria de Saúde Diretoria Geral de Gestão do Trabalho e Educação na Saúde Experiência do Município Recife Cinthia Kalyne de Almeida Alves Recife 2011 Construção da Rede SUS-Escola

Leia mais

A experiência da Unidade Básica de Saúde Imbiruçu Betim/Brasil

A experiência da Unidade Básica de Saúde Imbiruçu Betim/Brasil A experiência da Unidade Básica de Saúde Imbiruçu Betim/Brasil Seminário Internacional Saúde, Adolescência e Juventude: promovendo a equidade e construindo habilidades para a vida Equipe do Projeto de

Leia mais

Alexandre de Araújo Pereira

Alexandre de Araújo Pereira SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA / SAÚDE DA FAMÍLIA: CO-RESPONSABILIDADE NO TERRITÓRIO III MOSTRA NACIONAL DE III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA BRASÍLIA 08/2008 Alexandre de Araújo Pereira

Leia mais

"Os desafios para a sustentabilidade das Redes de Atenção Psicossocial"

Os desafios para a sustentabilidade das Redes de Atenção Psicossocial ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE SEÇÃO DE SAÚDE MENTAL, ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS "Os desafios para a sustentabilidade das Redes de Atenção Psicossocial"

Leia mais

Avanços do Programa bolsa Família em João Pessoa: Uma Questão de Acesso à Saúde para Beneficiários do Programa Bolsa Família

Avanços do Programa bolsa Família em João Pessoa: Uma Questão de Acesso à Saúde para Beneficiários do Programa Bolsa Família Secretaria Municipal de Saúde Diretoria de Atenção à Saúde Área Técnica de Saúde da Criança e Adolescente Avanços do Programa bolsa Família em João Pessoa: Uma Questão de Acesso à Saúde para Beneficiários

Leia mais

Experiência da Central de Regulação em Ubatuba

Experiência da Central de Regulação em Ubatuba Experiência da Central de Regulação em Ubatuba Departamento de Regulação Secretaria Municipal de Saúde de Ubatuba regulacaoubatuba@gmail.com Francine França Tel: (12) 3834-2307 Nossa Cidade Localizada

Leia mais

SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS. Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS

SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS. Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS Escolaridade de nível superior de acordo com a NOB/RH/2006

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE IVAIPORÃ-PR PROGRAMA INTERSETORIAL DE ENFRENTAMENTO ÀS SITUAÇÕES DE VIOLÊNCIAS

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE IVAIPORÃ-PR PROGRAMA INTERSETORIAL DE ENFRENTAMENTO ÀS SITUAÇÕES DE VIOLÊNCIAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE IVAIPORÃ-PR PROGRAMA INTERSETORIAL DE ENFRENTAMENTO ÀS SITUAÇÕES DE VIOLÊNCIAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE IVAIPORÃ-PR Nova estratégia de gestão em redes em matéria

Leia mais

INTEGRAÇÃO ENTRE ATENÇÃO BÁSICA E REDE DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA

INTEGRAÇÃO ENTRE ATENÇÃO BÁSICA E REDE DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA INTEGRAÇÃO ENTRE ATENÇÃO BÁSICA E REDE DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA 20/06/13 Secretaria de Saúde de São Bernardo do Campo Departamento de Atenção Hospitalar e de Urgência e Emergência SÃO BERNARDO DO CAMPO

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA. DISCIPLINA: Estágio Supervisionado em Nutrição em Saúde Pública CÓDIGO: NUT091 DEPARTAMENTO: Departamento de Nutrição

PROGRAMA DE DISCIPLINA. DISCIPLINA: Estágio Supervisionado em Nutrição em Saúde Pública CÓDIGO: NUT091 DEPARTAMENTO: Departamento de Nutrição PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: Estágio Supervisionado em Nutrição em Saúde Pública CÓDIGO: NUT091 DEPARTAMENTO: Departamento de Nutrição CARGA HORÁRIA TEÓRICA CARGA HORÁRIA PRÁTICA CRÉDITOS 00 120

Leia mais

Regionalização e Rede de Atenção à Saúde: CONCEITOS E DESAFIOS. Jorge Harada

Regionalização e Rede de Atenção à Saúde: CONCEITOS E DESAFIOS. Jorge Harada Regionalização e Rede de Atenção à Saúde: CONCEITOS E DESAFIOS Jorge Harada Voltando no tempo... Estado autoritário, controlador, centralizador Sistema de Saúde Fragmentado Restrição de acesso Sem participação

Leia mais

Depende da aprovação do Plano

Depende da aprovação do Plano Coordenador: Liliane Espinosa de Mello Reunião de 19/08/2014 SAÚDE Visão: Que Santa Maria seja o principal Polo na Área de Saúde do interior do Rio Grande do Sul, contribuindo para a melhor qualidade de

Leia mais

SINTESE DO DIAGNÓSTICO TERRITÓRIO DE PAZ GRANDE VARGAS SAPUCAIA DO SUL 2010/2011

SINTESE DO DIAGNÓSTICO TERRITÓRIO DE PAZ GRANDE VARGAS SAPUCAIA DO SUL 2010/2011 SINTESE DO DIAGNÓSTICO TERRITÓRIO DE PAZ GRANDE VARGAS SAPUCAIA DO SUL 2010/2011 REALIZAÇÃO: Diagnóstico Local - Território de Paz Grande Vargas Sapucaia do Sul Página 1 DIAGNÓSTICO LOCAL TERRITÓRIO DE

Leia mais

Parceria Social Público Privada (PSPP) como estratégia para o desenvolvimento sustentável dos territórios minerais

Parceria Social Público Privada (PSPP) como estratégia para o desenvolvimento sustentável dos territórios minerais 1 Parceria Social Público Privada (PSPP) como estratégia para o desenvolvimento sustentável dos territórios minerais Sistema legal institucional brasileiro Empresa Poder público municipal, estadual e federal

Leia mais

SICA: Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS) Prof. Walfrido K. Svoboda

SICA: Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS) Prof. Walfrido K. Svoboda ATENÇÃO BÁSICAB SICA: Programa de Saúde da Família (PSF) ou Estratégia de Saúde da Família (ESF) Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS) Disciplina: SAÚDE PÚBLICA P I (MS-052) Prof. Walfrido K.

Leia mais

ENAM Cenários e Práticas da Humanização do Nascimento no Brasil

ENAM Cenários e Práticas da Humanização do Nascimento no Brasil ENAM - 2010 Cenários e Práticas da Humanização do Nascimento no Brasil Instituição Pública, Não Governamental, Filantrópica. Belo Horizonte Minas Gerais Art.196 A saúde é direito de todos e dever do Estado,

Leia mais

EDUCADOR SOCIAL SITE: FACEBOOK: CARITAS ARQUIDIOCESANA DE PORTO ALEGRE SAS FACEBOOK: MENSAGEIRO DA CARIDADE

EDUCADOR SOCIAL SITE:  FACEBOOK: CARITAS ARQUIDIOCESANA DE PORTO ALEGRE SAS FACEBOOK: MENSAGEIRO DA CARIDADE EDUCADOR SOCIAL SITE: WWW.CARITASPORTOALEGRE.ORG FACEBOOK: CARITAS ARQUIDIOCESANA DE PORTO ALEGRE SAS FACEBOOK: MENSAGEIRO DA CARIDADE ATUAÇÃO PROFISSIONAL CRIANÇAS ADOLESCENTES ADULTOS IDOSOS ÁREAS DE

Leia mais

População: habitantes¹ em 30,7Km². Densidade demográfica. Ocupa 4,9 % do território do ABCD e 0,01% do território Estadual

População: habitantes¹ em 30,7Km². Densidade demográfica. Ocupa 4,9 % do território do ABCD e 0,01% do território Estadual Centro de Referência em Saúde do Trabalhador de Diadema Kátia Cheli Kanasawa São Paulo, 21 de setembro/2012 População: 386.039 habitantes¹ em 30,7Km² Densidade demográfica 12.595hab/Km² Ocupa 4,9 % do

Leia mais

CENÁRIO DA GESTÃO DO FINANCIAMENTO DAS AÇÕES DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO FAN ELEMENTOS DA GESTÃO ORÇAMENTÁRIA: A EXPERIÊNCIA DE TERESINA-PI

CENÁRIO DA GESTÃO DO FINANCIAMENTO DAS AÇÕES DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO FAN ELEMENTOS DA GESTÃO ORÇAMENTÁRIA: A EXPERIÊNCIA DE TERESINA-PI CENÁRIO DA GESTÃO DO FINANCIAMENTO DAS AÇÕES DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO FAN ELEMENTOS DA GESTÃO ORÇAMENTÁRIA: A EXPERIÊNCIA DE TERESINA-PI Theonas Gomes Pereira FMS/DAA/GEAP/ Núcleo de Alimentação e Nutrição

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA JABOATÃO DOS GUARARAPES ARTICULADORES

TERMO DE REFERÊNCIA JABOATÃO DOS GUARARAPES ARTICULADORES TERMO DE REFERÊNCIA JABOATÃO DOS GUARARAPES ARTICULADORES PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA INDIVIDUAL EM ARTICULAÇÃO DE REDE INTERSETORIAL ALCOOL E DROGAS DESCENTRALIZADO I. CONTEXTO O decreto 7.179

Leia mais

DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO DAS REDES ASSISTENCIAIS DE SAÚDE CAMPANHA MUNICIPAL DE CONTROLE DO TABAGISMO E DO CÂNCER DE BOCA

DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO DAS REDES ASSISTENCIAIS DE SAÚDE CAMPANHA MUNICIPAL DE CONTROLE DO TABAGISMO E DO CÂNCER DE BOCA DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO DAS REDES ASSISTENCIAIS DE SAÚDE CAMPANHA MUNICIPAL DE CONTROLE DO TABAGISMO E DO CÂNCER DE BOCA Canaã dos Carajás - 2015 CAMPANHA MUNICIPAL DE CONTROLE DO TABAGISMO E DO

Leia mais

Caracterização do Município de Diadema

Caracterização do Município de Diadema Caracterização do Município de Diadema 1960: emancipação Região Metropolitana da Grande São Paulo (Grande ABCD); Área: 30,7 Km²; Densidade demográfica: 11.630,75 hab/km² (CENSO- IBGE/2000) IDH: 0,790 (CENSO-IBGE/2000)

Leia mais

Gestão do cuidado como forma de garantir a integralidade da atenção na RAS: a experiência do Município de Itajaí (SC)

Gestão do cuidado como forma de garantir a integralidade da atenção na RAS: a experiência do Município de Itajaí (SC) Gestão do cuidado como forma de garantir a integralidade da atenção na RAS: a experiência do Município de Itajaí (SC) Introdução Ser gestora das ações de alimentação e nutrição de um município é um grande

Leia mais

POSSÍVEIS OLHARES PARA A INSERÇÃO DO PSICÓLOGO NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA (ESF) NO RIO DE JANEIRO/RJ.

POSSÍVEIS OLHARES PARA A INSERÇÃO DO PSICÓLOGO NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA (ESF) NO RIO DE JANEIRO/RJ. POSSÍVEIS OLHARES PARA A INSERÇÃO DO PSICÓLOGO NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA (ESF) NO RIO DE JANEIRO/RJ. Ana Flávia Azevedo Moura Psicóloga - Residente ENSP/FIOCRUZ afmoura@gmail.com Camilla Maia Franco

Leia mais

PLANO DE AÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PALHOÇA

PLANO DE AÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PALHOÇA 2012 PLANO DE AÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PALHOÇA POLÍTICAS DE PROTEÇÃO POLÍTICA PÚBLICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL/ PROTEÇÃO ESPECIAL META: COMBATE AO TRABALHO INFANTIL

Leia mais

Práticas em Psicologia e Políticas Públicas

Práticas em Psicologia e Políticas Públicas Práticas em Psicologia e Políticas Públicas Plenário responsável pela publicação Conselho Federal de Psicologia - XIV Plenário Gestão 2008 2010 Saúde Mental no contexto da Atenção Primária à Saúde: tecendo

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Brasília, 24 de abril de 2008

Ministério da Saúde Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Brasília, 24 de abril de 2008 Ministério da Saúde Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde Departamento de Educação na Saúde VIII Encontro Nacional da Rede de Nutrição no SUS Capacitação dos Agentes Comunitários de Saúde

Leia mais

ATENDIMENTO ODONTOLÓGICO DO SUS NO MUNICÍPIO DE TAPERA

ATENDIMENTO ODONTOLÓGICO DO SUS NO MUNICÍPIO DE TAPERA ATENDIMENTO ODONTOLÓGICO DO SUS NO MUNICÍPIO DE TAPERA 1 PRESSER, V. J.; 2 PRESSER, J. J. L.; 3 SILVA, L. M. P. M.; 4 BEZUTTI, A. M.; 5 MEIRA, D. A.; 6 TOMAZONI, E.; 7 BOFF, M. A.; 8 VOGEL, M. T.; 9 DÓRO.

Leia mais

Visita domiciliar ao recém nascido: uma prática Interdisciplinar.

Visita domiciliar ao recém nascido: uma prática Interdisciplinar. TÍTULO DA PRÁTICA: Visita domiciliar ao recém nascido: uma prática Interdisciplinar. CÓDIGO DA PRÁTICA: T23 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 a)situação problema e/ou demanda inicial que

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO Procuradoria de Justiça Especializada na Defesa da Cidadania e do Consumidor

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO Procuradoria de Justiça Especializada na Defesa da Cidadania e do Consumidor Dados de Identificação Questionário PSF Equipe de Saúde da Família Nome da unidade visitada:...data da visita:... Endereço:... Bairro:...Telefone:... Nome do(a) responsável pela Unidade de Saúde:... Qualificação

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DA ENFERMAGEM NO PROJETO VIVÊNCIAS E ESTÁGIOS NA REALIDADE DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE/VER-SUS 1

PARTICIPAÇÃO DA ENFERMAGEM NO PROJETO VIVÊNCIAS E ESTÁGIOS NA REALIDADE DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE/VER-SUS 1 PARTICIPAÇÃO DA ENFERMAGEM NO PROJETO VIVÊNCIAS E ESTÁGIOS NA REALIDADE DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE/VER-SUS 1 PESERICO, Anahlú 2 ; COLOMÉ, Juliana Silveira 3 RESUMO O trabalho tem como objetivo socializar

Leia mais

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PRÓ-REITORIA DE ENSINO PESQUISA E EXTENSÃO A RESIÊDNCIA MULTIPROFISSIONAL EM.

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PRÓ-REITORIA DE ENSINO PESQUISA E EXTENSÃO A RESIÊDNCIA MULTIPROFISSIONAL EM. HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PRÓ-REITORIA DE ENSINO PESQUISA E EXTENSÃO RESINDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE A RESIÊDNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE NA INTEGRALIDADE DA

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOBRE ATENÇÃO À SAÚDE DA CRIANÇA

QUESTIONÁRIO SOBRE ATENÇÃO À SAÚDE DA CRIANÇA QUESTIONÁRIO SOBRE ATENÇÃO À SAÚDE DA CRIANÇA Denise Silveira, Anaclaudia Gastal Fassa, Maria Elizabeth Gastal Fassa, Elaine Tomasi, Luiz Augusto Facchini IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE 1. UF:

Leia mais

PSICOLOGIA, SISTEMA ÚNICO DE SAUDE E DIREITOS HUMANOS: RELATO DE UMA PSICÓLOGA SOBRE SUA ATUAÇÃO PROFISSIONAL.

PSICOLOGIA, SISTEMA ÚNICO DE SAUDE E DIREITOS HUMANOS: RELATO DE UMA PSICÓLOGA SOBRE SUA ATUAÇÃO PROFISSIONAL. PSICOLOGIA, SISTEMA ÚNICO DE SAUDE E DIREITOS HUMANOS: RELATO DE UMA PSICÓLOGA SOBRE SUA ATUAÇÃO PROFISSIONAL. BARROS, Aline; RISSON, Ana Paula; GORCZVESKI, Jucilane. Resumo Apresentação: Este trabalho

Leia mais

Título: Construção de Um Novo Modelo de Atenção em Saúde Mental na. UBS Vila Pirituba. Tema: Saúde Mental: Álcool e outras drogas COSEMS 2015

Título: Construção de Um Novo Modelo de Atenção em Saúde Mental na. UBS Vila Pirituba. Tema: Saúde Mental: Álcool e outras drogas COSEMS 2015 Título: Construção de Um Novo Modelo de Atenção em Saúde Mental na UBS Vila Pirituba Tema: Saúde Mental: Álcool e outras drogas COSEMS 2015 Autores: Andréa Salvoni Carneiro de Campos, Elizabeth Chinche

Leia mais

REDE MUNICIPAL DE APOIO AO ALEITAMENTO MATERNO PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA A SAÚDE

REDE MUNICIPAL DE APOIO AO ALEITAMENTO MATERNO PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA A SAÚDE REDE MUNICIPAL DE APOIO AO ALEITAMENTO MATERNO PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA A SAÚDE AUTORES Autor: Débora Beatriz Machado Co autores: Jaqueline

Leia mais

Check list de documentos para a Visita Externa PMAQ. Documento

Check list de documentos para a Visita Externa PMAQ. Documento Check list de documentos para a Visita Externa PMAQ Módulo Módulo I Módulo I Número do padrão de qualidade I.7.3/1 I.7.4/1 II.3.3/1 II.3.4/1 II.8.1/1 II.8.9/1 II.10.3/1 II.11.1/1 II.11.2/1 II.11.3/1 II.13.1.6/1

Leia mais

SAÚDE MENTAL NO SUS E OS CENTROS DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL

SAÚDE MENTAL NO SUS E OS CENTROS DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL SAÚDE MENTAL NO SUS E OS CENTROS DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL Prof. João Gregório Neto 2013 REFORMA PSIQUIÁTRICA Ampla mudança do atendimento público em Saúde Mental, objetivando garantir o acesso da população

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL COMISSÃO INTERGESTORES TRIPARTITE

Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL COMISSÃO INTERGESTORES TRIPARTITE Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL COMISSÃO INTERGESTORES TRIPARTITE Resolução nº XX, de 21 de outubro de 2016 Pactua o desenho do Programa Criança

Leia mais

REFERENCIAL PARA A GESTÃO DO CUIDAR. Prof. Dr. Pedro Marco Karan Barbosa - FAMEMA -

REFERENCIAL PARA A GESTÃO DO CUIDAR. Prof. Dr. Pedro Marco Karan Barbosa - FAMEMA - REFERENCIAL PARA A GESTÃO DO CUIDAR Prof. Dr. Pedro Marco Karan Barbosa - FAMEMA - O trabalho em equipe Pode ser entendido como uma estratégia, concebida pelo homem, para melhorar a efetividade do trabalho

Leia mais

Reestruturação da Atenção Básica em São Bernardo do Campo Avanços e Desafios

Reestruturação da Atenção Básica em São Bernardo do Campo Avanços e Desafios Reestruturação da Atenção Básica em São Bernardo do Campo Avanços e Desafios Departamento de Atenção Básica e Gestão do Cuidado Secretaria de Saúde de São Bernardo do Campo/SP São Bernardo do Campo/SP

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE INTERNAÇÃO DOMICILIAR

POLÍTICA NACIONAL DE INTERNAÇÃO DOMICILIAR NOTA TÉCNICA 02 2006 POLÍTICA NACIONAL DE INTERNAÇÃO DOMICILIAR 1 Brasília, 10 de fevereiro de 2006. I. Introdução: NOTA TÉCNICA 02 2006 O Ministério da Saúde está propondo a implantação da Política Nacional

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA NATAL ARTICULADOR

TERMO DE REFERÊNCIA NATAL ARTICULADOR TERMO DE REFERÊNCIA NATAL ARTICULADOR PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA INDIVIDUAL EM ARTICULAÇÃO DE REDE INTERSETORIAL ALCOOL E DROGAS DESCENTRALIZADO I. CONTEXTO O decreto 7.179 de 2010 da Presidência

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE Conceito: São arranjos organizativos de ações e serviços de saúde, de diferentes densidades tecnológicas,

Leia mais

Política Nacional sobre drogas. Leon Garcia- Diretor de Articulação e Projetos

Política Nacional sobre drogas. Leon Garcia- Diretor de Articulação e Projetos Política Nacional sobre drogas Leon Garcia- Diretor de Articulação e Projetos A arma mais importante que nós temos- os que temos uma perspectiva democrática para a vida social para tratar do tema das drogas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA VÁRZEA GRANDE ARTICULADOR

TERMO DE REFERÊNCIA VÁRZEA GRANDE ARTICULADOR TERMO DE REFERÊNCIA VÁRZEA GRANDE ARTICULADOR PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA INDIVIDUAL EM ARTICULAÇÃO DESCENTRALIZADA DE REDE INTERSETORIAL ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS I. CONTEXTO O decreto 7.179 de

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR

POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Coordenação Geral de Saúde do Trabalhador POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR

Leia mais

Conhecendo a realidade de Crianças, Adolescente e Jovens Adultos em Situação de Rua da GRANPAL

Conhecendo a realidade de Crianças, Adolescente e Jovens Adultos em Situação de Rua da GRANPAL Conhecendo a realidade de Crianças, Adolescente e Jovens Adultos em Situação de Rua da GRANPAL Evolução da População, Indicadores Sociais, Situação de Rua e Saúde Mental Adriana Furtado Lirene Finkler

Leia mais

Aprimoramento do Programa diante dos avanços da cobertura e da qualificação da

Aprimoramento do Programa diante dos avanços da cobertura e da qualificação da 1. Redesenho do PETI Fortalecer a Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil por meio de ações estratégicas intersetoriais voltadas ao enfrentamento das novas incidências de atividades identificadas

Leia mais