Econometria de Avaliação de Políticas Públicas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Econometria de Avaliação de Políticas Públicas"

Transcrição

1 Econometria de Avaliação de Políticas Públicas Dados microeconômicos Prof. Cristine Xavier, Flavia Chein e Mônica Viegas CEDEPLAR/UFMG 2/2009 CEDEPLAR/UFMG (Institute) Avaliação de Politicas Públicas 2/ / 17

2 Introdução Objetivo: Descrever os tipos de dados para pesquisas microeconomicas Existem dois tipos de estruturas de dados para pesquisas microeconomicas Dados observacionais: dados advindos de surveys ou censitários Dados experimentais As limitações inerentes aos dados observacionais advém: forma como o dado é coletado (estrutura amostral) design amostral (amostragem simples versus uma amostragem estrati cada) escopo do amostra (pesquisa longitudinal ou tranversal ) CEDEPLAR/UFMG (Institute) Avaliação de Politicas Públicas 2/ / 17

3 Dados Observacionais Fontes de dados observacionais: surveys de domicílios, rmas e dados administrativos do governo O termo observacional: pesquisas de dados que são coletados por amostragem relevante da população sem controlar as características da população amostrada Amostragem aleatória simples: a probabilidade da unidade i ser amostrada de uma população de tamanho N é igual a 1/N Amostragem estrati cada (partição com as seguintes categorias) strata (sub-grupos da pop nao superpostos que exaurem a pop) CEDEPLAR/UFMG (Institute) Avaliação de Politicas Públicas 2/ / 17

4 Dados Observacionais Fontes de dados observacionais: surveys de domicílios, rmas e dados administrativos do governo O termo observacional: pesquisas de dados que são coletados por amostragem relevante da população sem controlar as características da população amostrada Amostragem aleatória simples: a probabilidade da unidade i ser amostrada de uma população de tamanho N é igual a 1/N Amostragem estrati cada (partição com as seguintes categorias) strata (sub-grupos da pop nao superpostos que exaurem a pop) Unidade primária amostral (PSU): sub-conjuntos nao supoerpostos do strato CEDEPLAR/UFMG (Institute) Avaliação de Politicas Públicas 2/ / 17

5 Dados Observacionais Fontes de dados observacionais: surveys de domicílios, rmas e dados administrativos do governo O termo observacional: pesquisas de dados que são coletados por amostragem relevante da população sem controlar as características da população amostrada Amostragem aleatória simples: a probabilidade da unidade i ser amostrada de uma população de tamanho N é igual a 1/N Amostragem estrati cada (partição com as seguintes categorias) strata (sub-grupos da pop nao superpostos que exaurem a pop) Unidade primária amostral (PSU): sub-conjuntos nao supoerpostos do strato Unidades secundárias amostrais (SSU): sub-unidades do PSU CEDEPLAR/UFMG (Institute) Avaliação de Politicas Públicas 2/ / 17

6 Dados Observacionais Fontes de dados observacionais: surveys de domicílios, rmas e dados administrativos do governo O termo observacional: pesquisas de dados que são coletados por amostragem relevante da população sem controlar as características da população amostrada Amostragem aleatória simples: a probabilidade da unidade i ser amostrada de uma população de tamanho N é igual a 1/N Amostragem estrati cada (partição com as seguintes categorias) strata (sub-grupos da pop nao superpostos que exaurem a pop) Unidade primária amostral (PSU): sub-conjuntos nao supoerpostos do strato Unidades secundárias amostrais (SSU): sub-unidades do PSU Unidade amostral (USU): unidade nal escolhida para entrevista CEDEPLAR/UFMG (Institute) Avaliação de Politicas Públicas 2/ / 17

7 Dados Observacionais Em geral, todos os estratos são pesquisados Exemplo: estados de um país Nem todas as PSUs e suas sub-divisoes são pesquisadas Em uma amostragem dois estágios, as PSU sao escolhidas aleatoriamente USU sao escolhidas aleatoriamente nas PSUs sorteadas Nestes métodos de amostragem: domicílios diferentes tem diferentes probabilidades de serem sorteados Esta amostra é não representativa da população Surveys disponibilizam os pesos amostrais: inverso da probabilidade de ser amostrado Utilizando-se os pesos amostrais se pode obter estimadores não viesados para as características da população CEDEPLAR/UFMG (Institute) Avaliação de Politicas Públicas 2/ / 17

8 Dados Observacionais Algumas pesquisas podem também apresentar clusters (grupamentos) Exemplo: amostragem de muitos domicílios em uma mesma vizinhança Observações que pertencem ao mesmo cluster tendem a ser dependentes ou correlacionadas porque dependem das mesmas características observáveis ou não observáveis que podem afetar todas as observações em um strato. Inferência estatítica ignorando a correlação destas observações gera estimativas incorretas da variância que são menores do que aquela que utiliza a fórmula correta. A amostragem em dois estágios ou multi estágios podem tornar as estimativas dos desvios-padroes mais complexa. CEDEPLAR/UFMG (Institute) Avaliação de Politicas Públicas 2/ / 17

9 Amostragem Viesada Se uma amostra é aleatória entao a distibuição de probabilidade dos dados é a mesma distribuição da população. Quando a amostra não é aleatória: amostragem viesada Na amostragem viesada (biased sampling) a distribuição de probabilidade dos dados é diferente da distribuição da população A distribuição dos dados depende da natureza do desvio em relação à amostragem aleatória. Este tipo de amostragem ocorre porque muitas vezes é mais custo efetivo ou mais conveniente realizar uma amostragem de um subgrupo da população. CEDEPLAR/UFMG (Institute) Avaliação de Politicas Públicas 2/ / 17

10 Amostragem Viesada Amostragem exógena: a amostra é segmentada segundo um conjunto de variáveis exógenas à variável resposta. Exemplo: estudo sobre hospitalizações, a amostra foi segmentada entre pacientes crônicos e não crônicos. Amostragem baseada em resposta: ocorre quando a probabilidade de um indivíduo ser incluído na amostra depende das respostas ou escolhas feitas por esse indivíduo. Nesse caso o processo de amostragem depende das regras de nidas em termos da variável endógena. Exemplo: estudo sobre os determinantes do transporte público, apena os usuários do transporte público são incluídos. CEDEPLAR/UFMG (Institute) Avaliação de Politicas Públicas 2/ / 17

11 Tipos de Dados Observacionais Dados em Cross Section: São obtidos observando um vetor de características w, para a amostra S t para algum t. Se a população é estacionária, então inferências sobre θ t (vetor de parâmetros) utilizando S t pode ser válidas para t 6= t. Se existir dependência signi cativa entre o passado e o comportamento corrente, entao os dados longitudinais são requeridos para se fazer inferência sobre a relação de interesse. Dados em Cross-Sections Repetitidas: são obtidas através de amostras independentes S t. Nesse caso o desenho amostral não tenta reter as mesmas unidades na amostra, de forma que a informação sobre a dependência dinâmica no comportamento é perdida. Se a população é estacionária, entao amostras repetidas de dados em cross-section sao obtidas em um processo amostral semelhante à amostragem com reposição para uma população constante. Painel ou dados longitudinais: seleciona uma amostra S e colecta observações para uma sequencia de períodos de tempo. CEDEPLAR/UFMG (Institute) Avaliação de Politicas Públicas 2/ / 17

12 Dados de Experimentos Sociais Dados experimentais e dados observacionais são distintos porque um ambiente experimental pode ser monitorado e controlado No experimento é possível alterar a variável de interesse, mantendo as demais covariadas em níveis controlados. Ao contrário em dados observacionais os dados são gerados em um ambiente não controlado, deixando aberta a possibilidade de fatores confundentes os quais tornam mais difícil a identi cação da relação causal de interesse Exemplo: Ao estudar a relação entre escolaridade e rendimento Estudo observacional: anos de escolaridade tem que ser compreendido como decorrente de um processo de decisão individual Estudo experimental: anos de escolaridade são dados. CEDEPLAR/UFMG (Institute) Avaliação de Politicas Públicas 2/ / 17

13 De nition Experimentos sociais: experimentos com pequenos grupos de participantes voluntários que mimetizam o comportamento dos agentes econômicos. A característica central da metodologia experimental envolve a comparação entre os resultados de um grupo randômicamente selecionado, o qual é sujeito a um tratamento com aqueles do grupo controle. Em um bom experimento cuidado considerável é tomado para encontrar os grupos tratamento e controle de modo a evitar os potenciais vieses nas variáveis de resultado. Um experimento social envolve uma variação exógena no ambiente econômico o qual é particionado em um subconjunto que recebe o tratamento e outro que serve como grupo controle. Em estudos observacionais as mudanças nos fatores exógenos e endógenos podem ser confundidas. Um experimento bem desenhado objetiva isolar o papel das variáveis de tratamento CEDEPLAR/UFMG (Institute) Avaliação de Politicas Públicas 2/ / 17

14 Caracteristicas dos Experimentos Sociais Experimentos sociais são motivaods por questões políticas (identi car como os sujeitos reagem a determinado tipo de política) A idéia de um experimento social é listar um grupo de participantes, alguns dos quais, são aleatoriamente assignalados para ogrupo de tratamento e o restante para o grupo de controle. Experimentos sociais são raros fora dos EUA Experimentos podem produzir dados longitudinais ou cross-section CEDEPLAR/UFMG (Institute) Avaliação de Politicas Públicas 2/ / 17

15 Vantagens dos Experimentos Sociais Remover qualquer correlação entre as características observadas e não observadas dos participantes do programa. A contribuiçao do tratamento à variavel de resultado pode ser estimada sem nenhum viés de confusão A presença de correlaçao entre variáveis de confusão e presença do tratamento complica a inferência causal em estudos observacionais Mesmo que dados observacionais estejam disponíveis, o uso de dados experimentais tem grande apelo por oferecer a possibilidade de exogeneizar uma variável de política e a randomizaçao do tratamento pode levar a uma grande simpli cação da análise estatística. Conclusões baseadas em dados observacionais podem não ser generalizáveis devido ao problema de viés de seleção. CEDEPLAR/UFMG (Institute) Avaliação de Politicas Públicas 2/ / 17

16 Limitações dos Experimentos Sociais Custosos Algumas vezes os experimentos não são tão limpos assim (depende da variável de tratamento) Experimentos com amostras estrati cadas podem ser complicados (se a estrati cação for endõgena) Problema de seleção amostral que ocorre pela participação ser voluntária. Por razões éticas, existem experimentos que nao podem ser realizados. Diferente dos experimentos clínicos, os indivíduos sabem se são tratamento ou controle. Atrição amostral: causada por indivíduos que saem do experimento Hawthorne e ect: indivíduos podem adaptar o comportamento quando participam do experimento. Nesse caso os resultados do tratamento não podem ser atribuídos somente ao tratamento. viés de randomização (Heckman & Smith) Viés de substituição : ocorre quando os controles recebem alguma forma de tratamento que substitui o experimental. CEDEPLAR/UFMG (Institute) Avaliação de Politicas Públicas 2/ / 17

17 Limitações dos Experimentos Sociais Análises de experimentos são de natureza de equilíbrio parcial ( a hipótese de coeteris paribus não é mantida quando toda a população é envolvida) A questão fundamental é se podemos extrapolar os resultados de um experimento para uma população inteira. Se o experimento é conduzido como um programa piloto de pequena escala, mas a intenção é predizer o impacto de políticas que são mais amplamente aplicadas, a limitação é que o programa piloto nao pode incorporar os efeitos mais amplos do programa. Um tratamento mais amplamente aplicado pode alterar o ambiente economico su cientemente para invalidar as predições de um arcabouço de equilíbrio parcial. CEDEPLAR/UFMG (Institute) Avaliação de Politicas Públicas 2/ / 17

18 Experimentos Naturais Um experimento natural ocorre quanto um subconjunto da população está sujeito a uma variação exógena em uma variável. Duas formas de trabalhar o experimento natural: Considere o modelo de regressão simples: y = b 1 + b 2 x + u Suponha uma variação exógena que altera x. A intervenção exógena cria uma oportunidade para avaliar o seu impacto comparando o comportamento do grupo impactado antes e depois da intervenção, ou com o grupo não impactado após a intervenção. (choques climáticos, legislação não antecipada, eventos naturais - nascimentos de gêmeos...) Nesse caso x pode ser tratado com o exógeno. CEDEPLAR/UFMG (Institute) Avaliação de Politicas Públicas 2/ / 17

19 Variáveis Instrumentais Experimento natural: gerar uma variável instrumental. Suponha que z é uma variável correlacionada com x e nao correlacionada com u. Entao uma estimador de variável instrumental de β 2 expresso em termos de covariadas é: bβ 2 = cov (z, y) cov (z, x) CEDEPLAR/UFMG (Institute) Avaliação de Politicas Públicas 2/ / 17

20 Referencias Bibliográ cas: Cameron & Trivedi, Cap 3. CEDEPLAR/UFMG (Institute) Avaliação de Politicas Públicas 2/ / 17

Noções de Pesquisa e Amostragem. André C. R. Martins

Noções de Pesquisa e Amostragem. André C. R. Martins Noções de Pesquisa e Amostragem André C. R. Martins 1 Bibliografia Silva, N. N., Amostragem probabilística, EDUSP. Freedman, D., Pisani, R. e Purves, R., Statistics, Norton. Tamhane, A. C., Dunlop, D.

Leia mais

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3.

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. 1 1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. Modelo de Resultados Potenciais e Aleatorização (Cap. 2 e 3

Leia mais

AVALIAÇÃO DE IMPACTO NA PRÁTICA GLOSSÁRIO

AVALIAÇÃO DE IMPACTO NA PRÁTICA GLOSSÁRIO 1 AVALIAÇÃO DE IMPACTO NA PRÁTICA GLOSSÁRIO Amostra aleatória. Também conhecida como amostra probabilística. A melhor maneira de evitar uma amostra enviesada ou não-representativa é selecionar uma amostra

Leia mais

PLANIFICAÇÃO OPERACIONAL DA PESQUISA

PLANIFICAÇÃO OPERACIONAL DA PESQUISA Laboratório de Psicologia Experimental Departamento de Psicologia UFSJ Disciplina: Método de Pesquisa Quantitativa TEXTO 8: PLANIFICAÇÃO OPERACIONAL DA PESQUISA Autora: Prof. Marina Bandeira,Ph.D. 1. POPULAÇÃO-

Leia mais

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 105 Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia 7.1 Introdução Relembrando o que foi dito no capítulo 1 os estudos randomizados,

Leia mais

Dr. Ronaldo Pilati - Psicologia Social - Universidade de Brasília 1

Dr. Ronaldo Pilati - Psicologia Social - Universidade de Brasília 1 Métodos de Pesquisa em Psicologia Social Psicologia Social como Ciência Empírica Universidade de Brasília 1 Método Científico O que é o método científico? A produção do conhecimento em ciência está associada

Leia mais

"Strategies for dealing with Missing data in clinical trials: From design to Analysis

Strategies for dealing with Missing data in clinical trials: From design to Analysis "Strategies for dealing with Missing data in clinical trials: From design to Analysis Dziura JD et al. Yale J Biol Med. 2013 September 86 (3): 343-358. Apresentação: Biól. Andréia Rocha INTRODUÇÃO Ciência

Leia mais

Estatística Aplicada às Ciências Sociais e Ambientais. Organização da Disciplina. Conteúdo da Aula. Contextualização. Farmácia Industrial UFPR

Estatística Aplicada às Ciências Sociais e Ambientais. Organização da Disciplina. Conteúdo da Aula. Contextualização. Farmácia Industrial UFPR Estatística Aplicada às Ciências Sociais e Ambientais Apresentação Aula 1 Prof. Daniel de Christo Farmácia Industrial UFPR Mestrado em Genética UFPR Lecionando no Ensino Superior desde 2003 Organização

Leia mais

Inferência Estatística-Macs11ºano

Inferência Estatística-Macs11ºano INFERÊNCIA ESTATÍSTICA Inferência Estatística-Macs11ºano Estatística Descritiva: conjunto de métodos para sintetizar e representar de forma compreensível a informação contida num conjunto de dados. Usam-se,

Leia mais

O que é a estatística?

O que é a estatística? Elementos de Estatística Prof. Dr. Clécio da Silva Ferreira Departamento de Estatística - UFJF O que é a estatística? Para muitos, a estatística não passa de conjuntos de tabelas de dados numéricos. Os

Leia mais

AULAS 22, 23 E 24 A lógica da amostragem do survey

AULAS 22, 23 E 24 A lógica da amostragem do survey 1 AULAS 22, 23 E 24 A lógica da amostragem do survey Ernesto F. L. Amaral 03, 09 e 10 de junho de 2011 Metodologia (DCP 033) Fonte: Babbie, Earl. 1999. Métodos de Pesquisas de Survey. Belo Horizonte: Editora

Leia mais

Estudo de caso: Campanhas por telefone para incentivar a vacinação de crianças: Elas são eficazes?

Estudo de caso: Campanhas por telefone para incentivar a vacinação de crianças: Elas são eficazes? Estudo de caso: Campanhas por telefone para incentivar a vacinação de crianças: Elas são eficazes? Este estudo de caso baseia-se em Comparing experimental and matching methods using a field experiment

Leia mais

Roteiro para Análise de Projetos de Pesquisas Científicas Quantitativas

Roteiro para Análise de Projetos de Pesquisas Científicas Quantitativas Roteiro para Análise de Projetos de Pesquisas Científicas Quantitativas Comitê de Ética em Pesquisa Universidade de Caxias do Sul Sumário da Reunião de Educação Continuada sobre Ética em Pesquisa realizada

Leia mais

Variáveis Instrumentais (auto-seleção em não-observáveis)

Variáveis Instrumentais (auto-seleção em não-observáveis) Variáveis Instrumentais (auto-seleção em não-observáveis) Como estimar o AT E quando Pr [T = 1jY (1) ; Y (0) ; X] 6= Pr [T = 1jX] = p (X) Na literatura econométrica, tem-se um problema equivalente: Y i

Leia mais

Saúde do Idoso 1ª Pesquisa sobre a Saúde e Condições de Vida do Idoso na Cidade do Rio de Janeiro. Ano 2006 1

Saúde do Idoso 1ª Pesquisa sobre a Saúde e Condições de Vida do Idoso na Cidade do Rio de Janeiro. Ano 2006 1 Saúde do Idoso 1ª Pesquisa sobre a Saúde e Condições de Vida do Idoso na Cidade do Rio de Janeiro. Ano 2006 1 Alcides Carneiro 2 Lucia Santos 3 Palavras Chaves: Metodologia científica; análise estatística;

Leia mais

Análise e Modelagem Longitudinal dos Dados da Pesquisa de Avaliação de Impacto do Programa Bolsa Família (Primeira e Segunda Rodadas)

Análise e Modelagem Longitudinal dos Dados da Pesquisa de Avaliação de Impacto do Programa Bolsa Família (Primeira e Segunda Rodadas) OficinaTécnica CNPqe MDS -Edital CNPq nº 24/2013 T7 - Análise de Dados Secundários das Bases Sociais Disponíveis no MDS Análise e Modelagem Longitudinal dos Dados da Pesquisa de Avaliação de Impacto do

Leia mais

Universidade Federal de Alfenas Programa de Pós-graduação em Estatística Aplicada e Biometria Prova de Conhecimentos Específicos

Universidade Federal de Alfenas Programa de Pós-graduação em Estatística Aplicada e Biometria Prova de Conhecimentos Específicos Dados que podem ser necessários a algumas questões de Estatística: P (t > t α ) = α ν 0,05 0,025 15 1,753 2,131 16 1,746 2,120 28 1,791 2,048 30 1,697 2,042 (Valor: 1,4) Questão 1. Considere o seguinte

Leia mais

Pesquisa Aplicada à Estatística

Pesquisa Aplicada à Estatística Pesquisa Aplicada à Estatística Tatiene Correia de Souza / UFPB tatiene@de.ufpb.br September 14, 2014 Souza () Pesquisa Aplicada à Estatística September 14, 2014 1 / 23 Estatística: ideias gerais O que

Leia mais

Capítulo 3. Sumário do Capítulo. Sumário do Capítulo. Desenho da Pesquisa

Capítulo 3. Sumário do Capítulo. Sumário do Capítulo. Desenho da Pesquisa Capítulo 3 Desenho da Pesquisa 3-1 Sumário do Capítulo 1) Introdução 2) Desenho da Pesquisa: Definição 3) Desenho da Pesquisa: Classificação 4) Pesquisa Exploratória 5) Pesquisa Descritiva i. Desenho Secção

Leia mais

Controle estatístico de processo: algumas ferramentas estatísticas. Linda Lee Ho Depto Eng de Produção EPUSP 2009

Controle estatístico de processo: algumas ferramentas estatísticas. Linda Lee Ho Depto Eng de Produção EPUSP 2009 Controle estatístico de processo: algumas ferramentas estatísticas Linda Lee Ho Depto Eng de Produção EPUSP 2009 Controle estatístico de Processo (CEP) Verificar estabilidade processo Coleção de ferramentas

Leia mais

Avaliação econômica (quantitativa) de impacto de programas (de saúde) Prof. Gervásio F. Santos Departamento de Economia/UFBA

Avaliação econômica (quantitativa) de impacto de programas (de saúde) Prof. Gervásio F. Santos Departamento de Economia/UFBA Avaliação econômica (quantitativa) de impacto de programas (de saúde) Prof. Gervásio F. Santos Departamento de Economia/UFBA Problemas econômicos Impacto de um programa de treinamento sobre salário/hora

Leia mais

Áurea Sousa /Deptº. Matemática U.A. Áurea Sousa /Deptº. Matemática U.A.

Áurea Sousa /Deptº. Matemática U.A. Áurea Sousa /Deptº. Matemática U.A. Métodos Estatísticos Mestrado em Gestão (MBA) Objectivos O que é a estatística? Como pode a estatística ajudar? Compreender o método de análise estatística; Reconhecer problemas que podem ser resolvidos

Leia mais

Pesquisa experimental

Pesquisa experimental 1 Aula 7 Interação Humano-Computador (com foco em métodos de pesquisa) Prof. Dr. Osvaldo Luiz de Oliveira 2 Pesquisa experimental Wilhelm Wundt (1832-1920), Pai da Psicologia Experimental. Leituras obrigatórias:

Leia mais

Como aleatorizar? (Nome professor) (Universidade) Abdul Latif Jameel Poverty Action Lab. www.povertyactionlab.org

Como aleatorizar? (Nome professor) (Universidade) Abdul Latif Jameel Poverty Action Lab. www.povertyactionlab.org Como aleatorizar? (Nome professor) (Universidade) Abdul Latif Jameel Poverty Action Lab www.povertyactionlab.org Resumo da apresentação Restrições do mundo real e alguns exemplos bem sucedidos Unidade

Leia mais

2 Fase conceptual da investigação. 2.1. Objectivos e perguntas de partida

2 Fase conceptual da investigação. 2.1. Objectivos e perguntas de partida 2 Fase conceptual da investigação 2.1. Objectivos e perguntas de partida Investigação científica Deve iniciar-se com a formulação de um problema O objectivo da investigação é a solução desse problema.

Leia mais

Metodos Praticos de Amostragem para Avaliações de Impacto

Metodos Praticos de Amostragem para Avaliações de Impacto Vincenzo Di Maro (DIME, World Bank) Metodos Praticos de Amostragem para Avaliações de Impacto Workshop de Avaliação de Impacto de Políticas Públicas São Paulo Março, 25-27 de 2013 1 Sumário 1. Componentes

Leia mais

Avaliando o que foi Aprendido

Avaliando o que foi Aprendido Avaliando o que foi Aprendido Treinamento, teste, validação Predição da performance: Limites de confiança Holdout, cross-validation, bootstrap Comparando algoritmos: o teste-t Predecindo probabilidades:função

Leia mais

Aula 5 Técnicas para Estimação do Impacto

Aula 5 Técnicas para Estimação do Impacto Aula 5 Técnicas para Estimação do Impacto A econometria é o laboratório dos economistas, que busca reproduzir o funcionamento do mundo de forma experimental, como se faz nas ciências naturais. Os modelos

Leia mais

DELINEAMENTOS EXPERIMENTAIS PESQUISA CLÍNICA E LABORATORIAL

DELINEAMENTOS EXPERIMENTAIS PESQUISA CLÍNICA E LABORATORIAL DELINEAMENTOS EXPERIMENTAIS PESQUISA CLÍNICA E LABORATORIAL Cassiano Kuchenbecker Rösing. ODONTOLOGIA É UMA CIÊNCIA! O cientista tem autoridade! Se existe uma classe especializada em pensar de maneira

Leia mais

Inferência Estatística. Amostragem Estatística. Características das Amostragens Estatísticas. Tipos de Amostragens Estatísticas

Inferência Estatística. Amostragem Estatística. Características das Amostragens Estatísticas. Tipos de Amostragens Estatísticas Fenômenos Estatísticos Classificam-se em: Fenômenos Coletivos ou de Massa - Não podem ser definidos por uma simples observação (natalidade, mortalidade, preço médio de veículos usados em Curitiba, etc.).

Leia mais

Estatística Aplicada ao Serviço Social Módulo 1:

Estatística Aplicada ao Serviço Social Módulo 1: Estatística Aplicada ao Serviço Social Módulo 1: Introdução à Estatística Importância da Estatística Fases do Método Estatístico Variáveis estatísticas. Formas Iniciais de Tratamento dos Dados Séries Estatísticas.

Leia mais

AULAS 01 E 02 Introdução

AULAS 01 E 02 Introdução 1 AULAS 01 E 02 Introdução Ernesto F. L. Amaral 10 e 12 de agosto de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Babbie, Earl. 1999. Métodos de Pesquisas de Survey. Belo Horizonte: Editora UFMG. pp.77-158.

Leia mais

O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE I

O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE I O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE I! A utilização de escores na avaliação de crédito! Como montar um plano de amostragem para o credit scoring?! Como escolher as variáveis no modelo de credit

Leia mais

Mestrado em Gestão Econômica do Meio Ambiente

Mestrado em Gestão Econômica do Meio Ambiente Mestrado em Gestão Econômica do Meio Ambiente Programa de Pós-graduação em Economia Sub-Programa Mestrado Profissional CEEMA/ECO/UnB Disciplina: ECO 333051 Métodos Estatísticos e Econométricos Instrutores:

Leia mais

PROVA ESCRITA DE ESTATÍSTICA VERSÃO A. 04 As classes de uma distribuição de freqüência devem ser mutuamente exclusivas para que

PROVA ESCRITA DE ESTATÍSTICA VERSÃO A. 04 As classes de uma distribuição de freqüência devem ser mutuamente exclusivas para que COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE ENSINO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INSTRUÇÃO E ADAPTAÇÃO DA AERONÁUTICA CONCURSO DE ADMISSÃO AO EAOT 00 EXAME DE CONHECIMENTOS ESPECIALIZADOS PROVA ESCRITA DE ESTATÍSTICA

Leia mais

Aula 3 Introdução à Avaliação de Impacto Aula 3

Aula 3 Introdução à Avaliação de Impacto Aula 3 Aula 3 Introdução à Avaliação de Impacto Aula 3 Introdução à Avaliação de Impacto Quando a chuva cai, necessariamente, a rua fica molhada. Se a rua está molhada, pode ter chovido. Mas, não necessariamente!

Leia mais

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3.

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. 1 1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. Modelo de Resultados Potenciais e Aleatorização (Cap. 2 e 3

Leia mais

Aula 5 Metodologias de avaliação de impacto

Aula 5 Metodologias de avaliação de impacto Aula 5 Metodologias de avaliação de impacto Metodologias de Avaliação de Impacto Objetiva quantificar as mudanças que o projeto causou na vida dos beneficiários. Plano de Aula Método experimental: regressão

Leia mais

Estatística II Aula 1. Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc.

Estatística II Aula 1. Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Estatística II Aula 1 Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Por que estudar estatística? Abordagem crescentemente quantitativa na análise dos problemas; Quantidade crescente de dados Com que qualidade?

Leia mais

PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL

PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL Técnicas de Pesquisas Experimentais LUIS HENRIQUE STOCCO MARCIO TENÓRIO SANDRA MARCHI Introdução O Planejamento de Experimentos (Design of Experiments, DoE), técnica utilizada

Leia mais

Empresa de Pesquisa Energética (EPE) 2014. Analista de Projetos da Geração de Energia

Empresa de Pesquisa Energética (EPE) 2014. Analista de Projetos da Geração de Energia Empresa de Pesquisa Energética (EPE) 2014 Analista de Projetos da Geração de Energia Oi, pessoal! Vou resolver as quatro questões de Estatística (53 a 56) da prova elaborada pela banca Cesgranrio para

Leia mais

Cláudio Tadeu Cristino 1. Julho, 2014

Cláudio Tadeu Cristino 1. Julho, 2014 Inferência Estatística Estimação Cláudio Tadeu Cristino 1 1 Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Brasil Mestrado em Nutrição, Atividade Física e Plasticidade Fenotípica Julho, 2014 C.T.Cristino

Leia mais

AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas

AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas 1 AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas Ernesto F. L. Amaral 19 e 28 de agosto de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de Janeiro:

Leia mais

TÉCNICAS DE ANÁLISE DE DADOS

TÉCNICAS DE ANÁLISE DE DADOS observação = previsível + aleatória aleatória obedece algum modelo de probabilidade ferramenta: análise de variância identificar fatores, controláveis, que expliquem o fenômeno ou alterem a característica

Leia mais

EVENTOS EM POPULAÇÕES DESENHOS DE ESTUDO PARA AVALIAÇÃO DE INTERVENÇÕES EM DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS IMPLICAÇÕES DA DEPENDÊNCIA ENTRE EVENTOS

EVENTOS EM POPULAÇÕES DESENHOS DE ESTUDO PARA AVALIAÇÃO DE INTERVENÇÕES EM DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS IMPLICAÇÕES DA DEPENDÊNCIA ENTRE EVENTOS EVENTOS EM POPULAÇÕES DESENHOS DE ESTUDO PARA AVALIAÇÃO DE INTERVENÇÕES EM DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS Independentes Incidência em um indivíduo não depende da prevalência na população Dependentes Incidência

Leia mais

COMENTÁRIO AFRM/RS 2012 ESTATÍSTICA Prof. Sérgio Altenfelder

COMENTÁRIO AFRM/RS 2012 ESTATÍSTICA Prof. Sérgio Altenfelder Comentário Geral: Prova muito difícil, muito fora dos padrões das provas do TCE administração e Economia, praticamente só caiu teoria. Existem três questões (4, 45 e 47) que devem ser anuladas, por tratarem

Leia mais

SIMULADO SOBRE METODOLOGIA CIENTÍFICA

SIMULADO SOBRE METODOLOGIA CIENTÍFICA SIMULADO SOBRE METODOLOGIA CIENTÍFICA Aluno A prova contém 42 questões de múltipla escolha. Utilize a folha de respostas abaixo para assinalar suas respostas. Ao final da prova, devolva apenas esta folha.

Leia mais

AULAS 08, 09 E 10 Metodologia da avaliação

AULAS 08, 09 E 10 Metodologia da avaliação 1 AULAS 08, 09 E 10 Metodologia da avaliação Ernesto F. L. Amaral 06, 08 e 13 de setembro de 2011 Avaliação de Políticas Públicas (DCP 046) Fonte: Cohen, Ernesto, e Rolando Franco. 2000. Avaliação de Projetos

Leia mais

PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DE FLORESTAS TROPICAIS-PG-CFT INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA-INPA. 09/abril de 2014

PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DE FLORESTAS TROPICAIS-PG-CFT INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA-INPA. 09/abril de 2014 PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DE FLORESTAS TROPICAIS-PG-CFT INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA-INPA 09/abril de 2014 Considerações Estatísticas para Planejamento e Publicação 1 Circularidade do Método

Leia mais

Probabilidade. Renata Souza. Introdução. Tabelas Estatísticas. População, Amostra e Variáveis. Gráficos e Distribuição de Freqüências

Probabilidade. Renata Souza. Introdução. Tabelas Estatísticas. População, Amostra e Variáveis. Gráficos e Distribuição de Freqüências Probabilidade Introdução Tabelas Estatísticas População, Amostra e Variáveis Gráficos e Distribuição de Freqüências Renata Souza Conceitos Antigos de Estatística stica a) Simples contagem aritmética Ex.:

Leia mais

Estatística Análise de Dados de Observação. Inferência Estatística. Inferência Estatística. Inferência Estatística. Inferência Estatística

Estatística Análise de Dados de Observação. Inferência Estatística. Inferência Estatística. Inferência Estatística. Inferência Estatística Estatística Análise de Dados de Observação Descrição dos Fenômenos = Estatística Descritiva. Conclusões acerca dos Fenômenos = Estatística Indutiva ou Inferência Estatística. Inferência Estatística É processo

Leia mais

Teste de Hipótese para uma Amostra Única

Teste de Hipótese para uma Amostra Única Teste de Hipótese para uma Amostra Única OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM Depois de um cuidadoso estudo deste capítulo, você deve ser capaz de: 1.Estruturar problemas de engenharia de tomada de decisão, como

Leia mais

Caio Piza DIME/Banco Mundial São Paulo, 25-27 de Março de 2013. Métodos Experimentais

Caio Piza DIME/Banco Mundial São Paulo, 25-27 de Março de 2013. Métodos Experimentais Caio Piza DIME/Banco Mundial São Paulo, 25-27 de Março de 2013 Métodos Experimentais Objetivo Identificar o Verdadeiro Efeito de um Programa Separar o impacto do programa de outros fatores >>Qual o efeito

Leia mais

Relação potência ou alométrica

Relação potência ou alométrica Relação potência ou alométrica Relação potência : Y = α β (,y > 0 ; α > 0) 0.5 * ^2 0 2 4 6 8 10 12 β > 1 y = α 0.5 * ^(1/2) 0.2 0.4 0.6 0.8 1.0 y = α β < 1 Transformação : Logaritmizando, obtém-se: 0

Leia mais

Universidade Federal do Paraná Departamento de Informática. Reconhecimento de Padrões. Revisão de Probabilidade e Estatística

Universidade Federal do Paraná Departamento de Informática. Reconhecimento de Padrões. Revisão de Probabilidade e Estatística Universidade Federal do Paraná Departamento de Informática Reconhecimento de Padrões Revisão de Probabilidade e Estatística Luiz Eduardo S. Oliveira, Ph.D. http://lesoliveira.net Conceitos Básicos Estamos

Leia mais

MESTRADO EM PESQUISA DE MERCADOS 2006 2007

MESTRADO EM PESQUISA DE MERCADOS 2006 2007 MESTRADO EM PESQUISA DE MERCADOS 2006 2007 PROGRAMA DAS DISCIPLINAS 1 1º trimestre PESQUISA DE MERCADOS Objectivos Pretende-se que os alunos: (a) adquiram os conceitos e semântica próprios do tema, (b)

Leia mais

ALEXANDRE WILLIAM BARBOSA DUARTE

ALEXANDRE WILLIAM BARBOSA DUARTE SURVEY Método de pesquisa amplamente utilizado em pesquisas de opinião pública, de mercado e, atualmente, em pesquisas sociais que, objetivamente, visam descrever, explicar e/ou explorar características

Leia mais

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão 1 AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão Ernesto F. L. Amaral 23, 28 e 30 de setembro de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de

Leia mais

Estatística Aplicada ao Serviço Social

Estatística Aplicada ao Serviço Social Estatística Aplicada ao Serviço Social Prof a. Juliana Freitas Pires Departamento de Estatística Universidade Federal da Paraíba - UFPB juliana@de.ufpb.br Introdução O que é Estatística? Coleção de métodos

Leia mais

CURSO DE MICROECONOMIA 2

CURSO DE MICROECONOMIA 2 CURSO DE MICROECONOMIA 2 TEORIA DOS CONTRATOS - Seleção Adversa PROF Mônica Viegas e Flavia Chein Cedeplar/UFMG 2/2009 Cedeplar/UFMG (Institute) MICRO 2 2/2009 1 / 25 O Modelo Padrão Agente que troca um

Leia mais

Universidade Federal Fluminense

Universidade Federal Fluminense Universidade Federal Fluminense INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA V Lista 9: Intervalo de Confiança. 1. Um pesquisador está estudando a resistência de um determinado

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE NA LINGUAGEM R PARA CÁLCULO DE TAMANHOS DE AMOSTRAS NA ÁREA DE SAÚDE

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE NA LINGUAGEM R PARA CÁLCULO DE TAMANHOS DE AMOSTRAS NA ÁREA DE SAÚDE DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE NA LINGUAGEM R PARA CÁLCULO DE TAMANHOS DE AMOSTRAS NA ÁREA DE SAÚDE Mariane Alves Gomes da Silva Eliana Zandonade 1. INTRODUÇÃO Um aspecto fundamental de um levantamento

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Arquitetura e Urbanismo DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL ESTIMAÇÃO AUT 516 Estatística Aplicada a Arquitetura e Urbanismo 2 DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL Na aula anterior analisamos

Leia mais

Introdução à análise de dados discretos

Introdução à análise de dados discretos Exemplo 1: comparação de métodos de detecção de cárie Suponha que um pesquisador lhe apresente a seguinte tabela de contingência, resumindo os dados coletados por ele, oriundos de um determinado experimento:

Leia mais

A ESTATÍSTICA. Mas enfim, o que é Estatística?

A ESTATÍSTICA. Mas enfim, o que é Estatística? A ESTATÍSTICA A Estatística é uma ferramenta indispensável para qualquer profissional que precisa analisar informações, tomar decisões no trabalho ou mesmo na vida pessoal. Muitas vezes, essas decisões

Leia mais

ESTATÍSTICA E PESQUISA DE MERCADO

ESTATÍSTICA E PESQUISA DE MERCADO ESTATÍSTICA E PESQUISA DE MERCADO Prof. Paulo Ricardo B. Guimarães Departamento de Estatística -UFPR INTRODUÇÃO A maioria das pessoas pensa que Estatística é uma simples coleção de números, tem a ver com

Leia mais

Após essa disciplina você vai ficar convencido que a estatística tem enorme aplicação em diversas áreas.

Após essa disciplina você vai ficar convencido que a estatística tem enorme aplicação em diversas áreas. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA INTRODUÇÃO Departamento de Estatística Luiz Medeiros http://www.de.ufpb.br/~luiz/ CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE ESTATÍSTICA O que a Estatística significa para você? Pesquisas

Leia mais

TÉCNICAS EXPERIMENTAIS APLICADAS EM CIÊNCIA DO SOLO

TÉCNICAS EXPERIMENTAIS APLICADAS EM CIÊNCIA DO SOLO 1 TÉCNICAS EXPERIMENTAIS APLICADAS EM CIÊNCIA DO SOLO Mario de Andrade Lira Junior www.lira.pro.br direitos autorais. INTRODUÇÃO À ANÁLISE MULTIVARIADA Apenas uma breve apresentação Para não dizerem que

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Estudo da Viabilidade da utilização de Cartão de Crédito para um Grupo de Clientes Essenciais

Estudo da Viabilidade da utilização de Cartão de Crédito para um Grupo de Clientes Essenciais Estudo da Viabilidade da utilização de Cartão de Crédito para um Grupo de Clientes Essenciais Cleyton Zanardo de Oliveira CER, DEs, UFSCar Vera Lúcia Damasceno Tomazella, DEs, UFSCar Resumo Uma única pessoa

Leia mais

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Prof. Simão Sirineo Toscani Projeto de Simulação Revisão de conceitos básicos Processo de simulação Etapas de projeto Cuidados nos projetos de simulação

Leia mais

BIOMETRIA:CURVA DE CRESCIMENTO

BIOMETRIA:CURVA DE CRESCIMENTO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FACULDADE DE ESTATÍSTICA BIOMETRIA:CURVA DE CRESCIMENTO TAYANI RAIANA DE SOUZA ROQUE Disciplina: Estatística Aplicada Professores: Héliton

Leia mais

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE ECONOMIA E O ENVELHECIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO. Eduardo L.G. Rios-Neto Demógrafo e Economista CEDEPLAR/UFMG

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE ECONOMIA E O ENVELHECIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO. Eduardo L.G. Rios-Neto Demógrafo e Economista CEDEPLAR/UFMG A FORMAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE ECONOMIA E O ENVELHECIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO Eduardo L.G. Rios-Neto Demógrafo e Economista /UFMG ENVELHECIMENTO E CURSOS DE ECONOMIA O grande problema de discutir

Leia mais

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento Douglas Farias Cordeiro Risco O risco é medido por sua probabilidade de ocorrência e suas consequências; Pode se realizar uma análise qualitativa ou quantitativa;

Leia mais

3 Default estratégico e crédito pessoal: o experimento natural brasileiro

3 Default estratégico e crédito pessoal: o experimento natural brasileiro 3 Default estratégico e crédito pessoal: o experimento natural brasileiro 3.1. Introdução No final de 2003, o congresso brasileiro aprovou uma nova lei regulando o crédito consignado. O crédito consignado

Leia mais

Pesquisa em Marketing

Pesquisa em Marketing Pesquisa em Marketing Aula 4 1. Identificar o tamanho da amostral ideal 2. Saber calcular a amostra O Processo de Amostragem TIPOS DE AMOSTRAGEM Amostra não-probabilística Amostra por Conveniência Amostra

Leia mais

Amostragem. Prof. Joel Oliveira Gomes. Capítulo 9. Desenvolvimento

Amostragem. Prof. Joel Oliveira Gomes. Capítulo 9. Desenvolvimento Capítulo 9 Amostragem Desenvolvimento 9.1 Introdução 9.2 Censo versus Amostra 9.3 Processo de planejamento de uma amostragem 9.4 Técnicas Amostrais 9.5 Amostragem Não-probabilística 9.6 Amostragem Probabilística

Leia mais

Instituto Superior de Economia e Gestão Universidade Técnica de Lisboa Econometria Época Normal 9/01/2013 Duração 2 horas

Instituto Superior de Economia e Gestão Universidade Técnica de Lisboa Econometria Época Normal 9/01/2013 Duração 2 horas Instituto Superior de Economia e Gestão Universidade Técnica de Lisboa Econometria Época Normal 9/01/2013 Duração 2 horas NOME: Turma: Processo Espaço Reservado para Classificações A utilização do telemóvel

Leia mais

2.1 Os projetos que demonstrarem resultados (quádrupla meta) serão compartilhados na Convenção Nacional.

2.1 Os projetos que demonstrarem resultados (quádrupla meta) serão compartilhados na Convenção Nacional. O Prêmio Inova+Saúde é uma iniciativa da SEGUROS UNIMED que visa reconhecer as estratégias de melhoria e da qualidade e segurança dos cuidados com a saúde dos pacientes e ao mesmo tempo contribua com a

Leia mais

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação: Bioestatística Lupércio F. Bessegato & Marcel T. Vieira UFJF Departamento de Estatística 2010 Organização Pesquisa Médica Variabilidade Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco Mestrado em Estatística

Universidade Federal de Pernambuco Mestrado em Estatística Universidade Federal de Pernambuco Mestrado em Estatística Lista 4 de Exercícios de Amostragem Prof. Cristiano Ferraz 1. Em relação ao plano amostral de Bernoulli: a) Explique como retirar uma amostra

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES Caros concurseiros, Como havia prometido, seguem comentários sobre a prova de estatística do ICMS RS. Em cada questão vou fazer breves comentários, bem como indicar eventual possibilidade de recurso. Não

Leia mais

AUTOR DO TRABALHO UNIVERSIDADE CUIABÁ - MT 20XX

AUTOR DO TRABALHO UNIVERSIDADE CUIABÁ - MT 20XX PROJETO DE PESQUISA É uma das etapas componentes do processo de elaboração, execução e apresentação da pesquisa. Todavia, antes de redigir o projeto, alguns passos devem ser dados: - precisam ser realizados

Leia mais

TEXTO 10: ANÁLISE DE DADOS, CRONOGRAMA,RESULTADOS ESPERADOS, CONSIDERAÇÕES ÉTICAS E LIMITAÇÕES.

TEXTO 10: ANÁLISE DE DADOS, CRONOGRAMA,RESULTADOS ESPERADOS, CONSIDERAÇÕES ÉTICAS E LIMITAÇÕES. 1 Laboratório de Psicologia Experimental Departamento de Psicologia UFSJ Disciplina: Métodos de Pesquisa Quantitativa TEXTO 10: ANÁLISE DE DADOS, CRONOGRAMA,RESULTADOS ESPERADOS, CONSIDERAÇÕES ÉTICAS E

Leia mais

Engenharia da Produção Projeto de Produto, QFD, FMEA e DoE DoE Dr. Egon Walter Wildauer

Engenharia da Produção Projeto de Produto, QFD, FMEA e DoE DoE Dr. Egon Walter Wildauer Tema DoE Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia da Produção Projeto de Produto, QFD, FMEA e DoE DoE Dr. Egon Walter Wildauer Introdução O DoE Design of Experiments é uma ferramenta

Leia mais

Introdução aos Modelos Lineares em Ecologia

Introdução aos Modelos Lineares em Ecologia Introdução aos Modelos Lineares em Ecologia Prof. Adriano Sanches Melo - Dep. Ecologia UFG asm.adrimelo no gmail.com Página do curso: www.ecologia.ufrgs.br/~adrimelo/lm/ Livro-texto: Crawley, M.J. 2005.

Leia mais

Modelos. O que, por que, quando, qual e como

Modelos. O que, por que, quando, qual e como Modelos O que, por que, quando, qual e como Marcelo C. M. Fonseca Pediatra Intensivista UNIFESP Gerente do Núcleo de Pesquisas Clínicas UNIFESP Assessor do Reitor da UNIFESP Cientista sênior da Axia.Bio

Leia mais

Introdução à Inferência Estatística

Introdução à Inferência Estatística Introdução à Inferência Estatística 1. População: conjunto de indivíduos, ou itens, com pelo menos uma característica em comum. Também será denotada por população objetivo, que é sobre a qual desejamos

Leia mais

Plano de Transporte Coletivo da Cidade de Bauru PTC Bauru. NT09 Pesquisa de imagem e opinião sobre o serviço de transporte coletivo municipal de Bauru

Plano de Transporte Coletivo da Cidade de Bauru PTC Bauru. NT09 Pesquisa de imagem e opinião sobre o serviço de transporte coletivo municipal de Bauru -EMDURB Plano de Transporte Coletivo da Cidade de Bauru PTC Bauru NT09 Pesquisa de imagem e opinião sobre o serviço de transporte coletivo municipal de Bauru Junho/2013 1- Apresentação O Plano de Transporte

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA E AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS EM DANT. Iná S.Santos Univ. Fed. Pelotas

EPIDEMIOLOGIA E AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS EM DANT. Iná S.Santos Univ. Fed. Pelotas EPIDEMIOLOGIA E AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS EM DANT Iná S.Santos Univ. Fed. Pelotas DESAFIOS EM AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS Aceitar que ensaios randomizados não são os delineamentos de primeira

Leia mais

Regra do Evento Raro p/ Inferência Estatística:

Regra do Evento Raro p/ Inferência Estatística: Probabilidade 3-1 Aspectos Gerais 3-2 Fundamentos 3-3 Regra da Adição 3-4 Regra da Multiplicação: 3-5 Probabilidades por Meio de Simulações 3-6 Contagem 1 3-1 Aspectos Gerais Objetivos firmar um conhecimento

Leia mais

Inferência Estatística

Inferência Estatística Universidade Federal Fluminense Instituto de Matemática e Estatística Inferência Estatística Ana Maria Lima de Farias Departamento de Estatística Conteúdo 1 Inferência estatística Conceitos básicos 1 1.1

Leia mais

Conclusão. Ronir Raggio Luiz Claudio José Struchiner

Conclusão. Ronir Raggio Luiz Claudio José Struchiner Conclusão Ronir Raggio Luiz Claudio José Struchiner SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros LUIZ, RR., and STRUCHINER, CJ. Inferência causal em epidemiologia: o modelo de respostas potenciais [online].

Leia mais

IMES Catanduva. Probabilidades e Estatística. no Excel. Matemática. Bertolo, L.A.

IMES Catanduva. Probabilidades e Estatística. no Excel. Matemática. Bertolo, L.A. IMES Catanduva Probabilidades e Estatística Estatística no Excel Matemática Bertolo, L.A. Aplicada Versão BETA Maio 2010 Bertolo Estatística Aplicada no Excel Capítulo 3 Dados Bivariados São pares de valores

Leia mais

Métodos Quantitativos. PROF. DR. Renato Vicente

Métodos Quantitativos. PROF. DR. Renato Vicente Métodos Quantitativos PROF. DR. Renato Vicente Método Estatístico Amostra População Estatística Descritiva Inferência Estatística Teoria de Probabilidades Aula 4A Inferência Estatística: Um pouco de História

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ (UFPI) ENG. DE PRODUÇÃO PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA 2

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ (UFPI) ENG. DE PRODUÇÃO PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ (UFPI) ENG. DE PRODUÇÃO PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA 2 LISTA N O 2 Prof.: William Morán Sem. I - 2011 1) Considere a seguinte função distribuição conjunta: 1 2 Y 0 0,7 0,0

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Introdução

1. Introdução. 1.1 Introdução 1. Introdução 1.1 Introdução O interesse crescente dos físicos na análise do comportamento do mercado financeiro, e em particular na análise das séries temporais econômicas deu origem a uma nova área de

Leia mais

Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade

Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 07.04.11 Agenda: A importância do levantamento

Leia mais

ESTATÍSTICA. Professor: Ricardo Vojta

ESTATÍSTICA. Professor: Ricardo Vojta ESTATÍSTICA Ciências Contábeis Professor: Ricardo Vojta RAMOS DA ESTATÍSTICA A estatística dedutiva (também conhecida como Estatística Descritiva) se encarrega de descrever o conjunto de dado desde a elaboração

Leia mais

UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES Instituto A Vez do Mestre Finanças e Gestão Corporativa AVALIAÇÃO ECONÔMICA DE PROJETOS SOCIAIS

UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES Instituto A Vez do Mestre Finanças e Gestão Corporativa AVALIAÇÃO ECONÔMICA DE PROJETOS SOCIAIS UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES Instituto A Vez do Mestre Finanças e Gestão Corporativa Patrícia Gomes de Mattos AVALIAÇÃO ECONÔMICA DE PROJETOS SOCIAIS Orientadora: Ana Carolina Morryssi Rio de Janeiro, 2010

Leia mais