A MELHORIA CONTÍNUA NOS PROCESSOS LOGÍSTICOS O Kaizen como fator de sucesso para a competitividade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A MELHORIA CONTÍNUA NOS PROCESSOS LOGÍSTICOS O Kaizen como fator de sucesso para a competitividade"

Transcrição

1 A MELHORIA CONTÍNUA NOS PROCESSOS LOGÍSTICOS O Kaizen como fator de sucesso para a competitividade Autor: Isaias Ricardo Carraro 1 Orientador: Prof. Esp. Marco Aurélio da Silva 2 RESUMO As empresas atuantes no mundo dos negócios contam com clientes cada vez mais exigentes. Para assegurar sua permanência no mercado é necessário estar em constante adaptação e aplicando melhorias nas práticas e modais utilizados, independentemente da área de atuação. Durante a realização deste trabalho, foram concretizadas análises teóricas e comparativas, dos conceitos estudados com a realidade de aplicação das rotinas da Logística de um modo geral. A proposta deste trabalho consiste em conscientizar aos atuantes deste campo, na importância de incorporar os processos de Melhoria Contínua, através da metodologia Kaizen, no Planejamento, Movimentação e Armazenamento de Materiais, que culminam, na prática, como sendo os agregados da Logística. Palavras-chave: Kaizen, Logística, Melhoria Contínua. 1 INTRODUÇÃO Enquanto o mercado globalizado sofre adaptações, e o crescimento parece ser um benefício obtido por poucas empresas, a busca pela excelência empresarial torna-se o principal objetivo nas organizações. Somente sendo excelente e agregando valor, as empresas permanecerão atuantes e competitivas no mundo dos negócios. Se determinado produto ou serviço não gera valor para o cliente, certamente, este não estará nas prioridades de consumo. Como resultado, o fato de agregar ou quitar valor em determinados produtos e serviços conduz os clientes a definirem a evolução ou a eliminação do consumo. A Logística está inserida na cadeia de valor, e atua como um importante elemento. O que fazer então para agregar valor ao(s) produto(s)/serviço(s)? A resposta se dá, através da análise da área (Supply Chain) nos quesitos: planejamento, movimentação e armazenamento de materiais, com o objetivo de reduzir tempos e custos vinculados (processo de melhoria), deve ser o foco principal, objetivando aumentar a competitividade e permanência de atuação em um mercado que está cada vez mais acirrado e competitivo. 1 Acadêmico de Pós-Graduação MBA em Gestão Logística e Supply Chain da Faculdade da Serra Gaúcha 2 Esp. em Administração Coordenador dos cursos de Pós-Graduação da Faculdade da Serra Gaúcha

2 Após, realizar o diagnóstico, identificar os principais problemas para análise e posterior apresentação de propostas de melhorias (Kaizen), buscando eliminar os desperdícios existentes e finalmente gerar maior valor agregado aos produtos/serviços. Este ciclo deve ser contínuo, assim como sugere o nome Melhoria Contínua de maneira constante e permanente, até a excelência. Para melhor compreensão do presente trabalho, o mesmo está dividido em quatro capítulos norteadores: Apanhado de fundamentações teóricas, na visão de diferentes autores, explicando os Conceitos da Melhoria Contínua Kaizen; O histórico da Melhoria Contínua e o seu processo evolutivo; O que são os Processos Logísticos, detalhando os sub-processos, e por fim; A identificação e aplicação de Oportunidades de intervenção da Melhoria Contínua nestes Processos Logísticos. 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 Conceitos para Melhoria Contínua - Kaizen Gilmore (1990), afirma que a melhoria contínua é a integração das filosofias organizacionais, técnicas e estruturais para atingir a melhoria de desempenho sustentável em todas as suas atividades, de forma ininterrupta e constante. Segundo Jorgensen et al (2006), a definição da melhoria contínua, pode ser definida como um processo planejado, organizado e sistêmico de caráter contínuo, incremental e de abrangência da companhia visando melhorar o desempenho. O Kaizen vem do japonês e significa mudança para melhor. O método também foi batizado como processo de melhoria contínua. O ideograma envolve duas letras: Kai ( 改 ) significa mudança e; Zen ( 善 ) melhoria. A junção destas duas letras significa mudar para melhor e incorpora no seu significado a elevação de status quo em relação ao estado anterior e dá uma conotação de dinamismo. Essa palavra traduzida ao português equivale à Melhoria Contínua. O princípio do método Kaizen é de englobar ativamente todos os colaboradores da empresa, em todas as etapas do processo de melhoria contínua, sendo elas: Planejamento, Análise, Execução e Confirmação (Ciclo P.D.C.A.).

3 A participação dos funcionários está baseada na suposição de que ele seja o maior conhecedor dos problemas do posto de trabalho onde atua, e portanto, ao solicitar a colaboração deste, ele estará sendo incentivado em auxiliar na solução do problema ou em seu defeito, contribuindo com informações úteis para a tomada de decisão em busca de alternativas. Sem dúvida alguma, a agregação de valor em produtos e/ou serviços está nas ações de melhoria continua. Por sua vez, esta filosofia, deve ser o caminho principal na busca por enraizar uma cultura organizacional com foco na constante evolução dos seus processos, sejam eles operacionais, estratégicos, administrativos, entre outros. As soluções criativas e de baixo custo de aplicação, normalmente partem da base. As ideias/sugestões de melhoria são a saída para muitas dificuldades existentes num ambiente altamente competitivo e globalizado. Afinal, você nunca ouviu a analogia do ventilador na saída de linha para identificar as caixas de creme dental vazias? Eis um exemplo perfeito da agregação de valor e eliminação total dos problemas de qualidade, sem maiores dificuldades e custos elevados de implantação. 2.2 Histórico da Melhoria Contínua A origem histórica dessa ferramenta se deu por volta da metade do século X, no Japão. O sucesso deste modelo no Japão foi propulsionado pelo choque de petróleo na década de 70, enquanto os Estados Unidos (após Segunda Guerra mundial, impulsionados como principal potencia mundial), assistiram ao desaparecimento da melhoria contínua na grande maioria de suas indústrias. O ressurgimento se deve à invasão dos produtos japoneses e da competitividade das empresas japonesas no final da década de 70 e início da década de 80 (Jha, et al., 1996; Skinner, 1974). A seguir, Masaaki Imai (1988) apud Costa (2007, p.46), explica de forma detalhada a obtenção da vantagem competitiva japonesa naquela época: Depois da Segunda Guerra Mundial, a maioria das empresas japonesas tiveram que começar literalmente do princípio. Diariamente novos desafios apareciam aos gerentes e trabalhadores igualmente, cada dia significava um progresso, implicado em um processo sem fim. Desta forma sempre existirá algo na operação a ser questionado e requestionado a fim de que possa ser melhorado, sempre assim o Kaizen se converteu em uma forma de vida. As ferramentas que ajudaram a elevar o conceito Kaizen foram apresentadas no Japão ao término da década de 1950 e seus princípios em 1960 para gestores de qualidade como W. E. Deming e J. M. Juran; porém, a maioria dos novos conceitos, sistemas e ferramentas que hoje são frequentemente utilizados, também foram desenvolvidos no Japão com a implantação das melhorias qualitativas no controle estatístico de qualidade e no controle total da qualidade da década de 1960.

4 Ishikawa (1986), afirma que, o sistema de educação, as escritas e a disciplina foram alguns dos ingredientes fundamentais para a reestruturação e elevação da competitividade das empresas japonesas. A retomada do interesse dos Estados Unidos no assunto de melhoria contínua voltou no início da década de 80, trazendo neste período um aumento do volume de reportagens e estudos sobre este tema. No Brasil, a melhoria contínua é percebida como o fim ou resultado de algum outro processo que não seja um processo permanente, abrangendo toda a empresa (ausência da visão sistêmica). Isso demonstra que o assunto melhoria contínua, nos estudos brasileiros, ainda está no estágio inicial. Existem muitas oportunidades, uma vez que a cultura de evoluir constantemente não está totalmente inserida nos ambientes organizacionais. Na implantação dos programas de Kaizen aqui no Brasil, muitas adaptações são permitidas, dado as necessidades locais. 2.3 Conceitos para Processos Logísticos Nas empresas, a cadeia integrada da logística é parte importante na geração de valor. Deste modo, Bowersox e Closs (2001) dividem a logística - visto que a logística é integrada - em três módulos: Aquisição, Produção e Expedição. Para que existam todos estes movimentos integrados e os processos logísticos funcionem corretamente, é fundamental o empenho e dedicação dos responsáveis por eles. Tudo que for medido e controlado poderá ser gradativamente melhorado, caso contrário, o processo não apresentará fluxos ideais e dinâmicos. Gomes e Ribeiro (2004) citam que a logística é um processo de gerenciar estrategicamente os processos de aquisição e compras, bem como a movimentação, armazenamento e distribuição dos materiais, sendo estes as peças e os produtos acabados. A prática de importação de produtos em constante crescente nas empresas exemplifica a forte atuação da área de materiais e a real globalização que é vivenciada em nossas rotinas profissionais. Sabe-se que os valores praticados em países como China, Índia, entre outros, é um diferencial competitivo para aqueles que buscam redução de custos, objetivando aumentar seu poder de negociação e ampliação da participação nos mercados em que atuam.

5 Para Porter (2004), a gestão logística, como vantagem competitiva frente a globalização, torna-se cada vez mais importante. A administração estratégica ultrapassa as fronteiras da empresa através da integração da cadeia de suprimentos, hoje presente em todo o planeta. Segundo Bowersox e Closs (2001), o uso da logística internacional como ferramenta estratégica possibilita a geração de vantagens competitivas para as empresas que operam na arena global, proporcionando maior flexibilidade na gestão integrada das suas redes produtivas, onde quer que o cliente esteja. Para Bowersox e Closs (2001), essa logística de atuação internacional, pode ser nomeada como logística integrada ou total. A mesma está presente nos diferentes setores das empresas, junto aos clientes, fornecedores e prestadores de serviços. Independente das distâncias, a logística, está fundamentada em dois fluxos: Materiais e Informações. 2.4 Oportunidades de intervenção da Melhoria Contínua nos Processos Logísticos Para Ribeiro (1989), na área de materiais a produtividade e gestão eficiente da mesma é medida através dos seguintes indicadores: Eficiência no processo de compras; Baixos níveis de estoques; Fornecimento de materiais na quantidade e no momento certo e; Apresentação dos controles eficazes Etapa de Planejamento O planejamento de materiais atua como peça fundamental no gerenciamento efetivo e dinâmico que exige o atual mundo globalizado. Os responsáveis pelo planejamento e análise dos consumos devem estar em constante sintonia com as flutuações de consumo dos materiais. Em diferentes situações é possível que o tempo dado ao fechamento do ciclo (desde a programação até a entrega) seja insuficiente, ocorrendo isso, existem variações, tais como a falta de materiais, atrasos na entrega ao cliente final, além de outros fatores que diminuem a produtividade, desempenho e demais indicadores da área em questão.

6 Segundo Bertaglia (2003), somente o planejamento proporciona uma visão clara de todo o processo, permitindo que se entendam as limitações e restrições dos diferentes recursos que compõem a cadeia de abastecimento. A informação correta e precisa sempre foi vital para o gerenciamento eficiente do planejamento, permitindo medir e controlar as oscilações da cadeia de abastecimento. Caso ocorram falhas de informação a quebra em linhas de produção poderá transtornar e abalar a estrutura organizacional, dependendo do poder de negociação que possua a empresa. Atualmente o re-planejamento e acompanhamento dos pedidos são tão importantes quanto planejar. A necessidade de aprimorar e evoluir para ser mais competitivo, em meio a forte e desleal concorrência, é dada por infinitas oportunidades de melhoria continua que podem ser aplicadas as rotinas dos processos logísticos. Estas oportunidades estão latentes desde o principio da execução da cadeia, e para isso identifica-se a alternância entre os seguintes tipos de planejamento: MRP - Material Requirements Planning Segundo Dias (1995), o MRP transforma a demanda do produto final em necessidades brutas para cada item ou componente, gerando assim informação para posterior análise da necessidade ou não da compra de componentes. JIT Just in time Devido aos efeitos da globalização, a constante busca pela redução dos volumes de estoque nas empresas manufatureiras, é uma das alternativas a ser analisada. Para alcançar este objetivo uma boa indicação, segundo os autores, é a implantação e utilização do sistema Just-in-time (JIT). Para Bertaglia (2003), o JIT é responsável pela sincronização do fluxo de materiais, objetivando fazer com que a manufatura se ajuste às necessidades de demanda, produzindo na quantidade certa e no momento certo. Kanban Neste sistema o objetivo da área de manufatura é produzir apenas a quantidade necessária para uma demanda imediata, evitando assim, estoques excessivos para a produção futura. O conceito está interligado ao sistema de produção enxuta. O Kanban, segundo Christopher (1997), é um sistema de puxar materiais através da demanda, chegando atingir o ponto inicial da cadeia de abastecimento. Ribeiro (1989), menciona que apesar de não haver limitações para a determinação das quantidades a serem implantadas nos cartões de Kanban, deve-se levar em conta a alta rotatividade do item a ser implantado e a estabilidade no consumo.

7 O estudo de implantação e a determinação das quantidades a serem puxadas num lote de acionamento, são fundamentais para o bom andamento das atividades. Nas empresas de produção seriada a falta de um componente poderá significar uma parada de produção por falta de componentes de montagem, como é mencionado por Cavanha Filho (2001). Em contra partida, o erro por exceder a quantidade necessária no consumo de um acionamento do Kanban, impactará diretamente no aumento do estoque. O ideal é encontrar o equilíbrio, determinar a quantidade a ser consumida mais o estoque de segurança necessário para evitar riscos de falta de componentes e/ou aumento dos estoques de materiais Etapa de Recebimento, Armazenagem e Movimentação A eficiência logística pode trazer diferencial competitivo que possibilite alavancar as participações no mercado, aumentar os pedidos e servir de exemplo para as melhores práticas neste segmento. Para Martins e Alt. (2000), a administração de recursos materiais engloba, dentre outros, o recebimento, transporte interno e acondicionamento, seu transporte durante o processo produtivo, a armazenagem como produto acabado e, finalmente, a distribuição ao consumidor final. Segundo Martins e Laugeni (2005), durante a realização de movimentação dos materiais, os equipamentos utilizados devem ser simples, flexíveis e de baixo custo. Sabe-se que várias etapas (planejamento, controle, transporte, recebimento, armazenagem, distribuição, etc.) são os pilares de sustentação dos processos logísticos, assim, a redução dos tempos da cadeia, desperdícios e demais, impactam em resultados positivos nas organizações e por sua vez na satisfação dos clientes Etapa de Estocagem De acordo com Martins e Alt. (2000), a gestão de estoques constitui uma série de ações que permitem ao administrador verificar se os estoques estão sendo bem utilizados, bem localizados em relação aos setores que deles se utilizam, bem manuseados e bem controlados, englobando e analisando a parte de armazenamento e distribuição. Segundo Arnold (1999), a administração dos estoques é responsável pelo planejamento e controle dos mesmos, desde o estágio de matéria-prima até o produto acabado que posteriormente será entregue aos clientes finais ou consumidores.

8 Também pode-se mencionar a adoção de algumas ferramentas neste processo de gerenciamento estratégico dos estoques, objetivando a sua manutenção e controle. As tecnologias disponíveis atualmente no mercado nos permitem rastrear o andamento dos pedidos, a movimentação dos mesmos, além de gerenciá-los internamente através de códigos de barra, RFID (Radio Frequency Identification), monitoramento via satélite, WMS (Warehouse Management System), entre outras. O objetivo de monitorar pedidos e controlar estoques, è expressado por Bowersox e Closs (2001), visando a possibilidade de diminuir o custo de capital (estoques) da empresa devido ao pagamento dos impostos ocorrer mais próximo do momento de produção e, consequentemente, do faturamento Ciclo da Inovação Uma tendência nos Processos Logísticos Uma das principais preocupações, na atualidade, é a questão ambiental que passou a ser o combustível na busca, utilização e desenvolvimento de alternativas ecologicamente corretas, que também permitam o desempenho e qualidade exigidos pelos padrões de qualidade internacionais. Surgem grandes inovações na logística, como o uso de pallets plásticos em substituição da madeira, etc. Muitas empresas que se constituem possuem o objetivo de especializar-se em determinado produto ou serviço, porém a inovação é um fator determinante para a definição e permanência destas na acirrada concorrência enfrentada nos dias da atualidade. Conforme Christopher (1997), na atualidade, muitas organizações reconhecem a necessidade de melhorar os seus processos internos para melhorar os produtos elaborados. A melhoria continua é a chave para os ganhos de longo prazo, e os ganhos de longo prazo devem ser a busca constante das gestões estratégicas inteligentes em suprimentos, onde cada passo dado pode ser medido, controlado e melhorado, sempre e quando os atuantes desta área estejam enfocados na constante busca da melhoria para suas atividades desempenhadas. 3 METODOLOGIA Como metodologia de pesquisa, foi utilizado na elaboração deste artigo, a pesquisa teórico-conceitual, classificada como pesquisa bibliográfica, que permite analisar um tema sob novo enfoque ou nova abordagem, produzindo novas conclusões, ou ainda, abrindo novos horizontes e possibilidades.

9 A escolha desta metodologia, dá-se pelo fato do material disponível pesquisado, estar estruturado para situações e realidades diferentes, uma vez que a melhoria continua como tal é de origem oriental, cuja cultura preza muito pela disciplina e aplicação constante da evolução e caracteriza-se pela busca do fazer cada vez melhor. Conforme Andrade (1997), a pesquisa bibliográfica, pode ser desenvolvida como um trabalho em si mesmo ou constituir-se numa etapa de elaboração de monografias, dissertações, etc. De acordo com Gil (1997), não existem regras fixas para a realização de pesquisas bibliográficas, mas algumas tarefas que a experiência demonstra serem importantes. Dessa forma, seguiu-se o seguinte roteiro de trabalho: Segundo GIL (2010) a pesquisa bibliográfica é elaborada com base em material já publicado com o objetivo de analisar posições diversas em relação a determinado assunto. Através da revisão bibliográfica pôde-se perceber que o material analisado constitui uma base de dados robusta para a elaboração de estudos mais avançados, neste caso, a pesquisa foi embasada nos arcabouços teóricos: Processos Logísticos e Melhoria Contínua Kaizen. 4 ANÁLISE DE RESULTADOS Baseado na tendência do que aponta Masaaki Imai: Há algumas ótimas oportunidades de expansão dos princípios e conceitos do Kaizen nas áreas de apoio, e há muita gordura escondida nos gastos gerais de muitas organizações, em especial nas grandes. Há também enormes oportunidades para o Kaizen em empresas de serviços e de cuidados com a saúde. (KAIZEN INSTITUTE, 2005) Neste sentido, as empresas se motivam a alterar o status quo da situação em que se encontram, para determinado patamar de melhor desempenho e consequentemente melhores resultados. È importante que exista um crescimento contínuo sem maiores perdas ou traumas para a organização. Ocorrendo mudanças impactantes, estaremos falando de Kaikaku. Essa palavra define as alterações de processos classificadas como melhoria radical. No gráfico abaixo, pode-se evidenciar um comparativo da relação entre a capacidade e o tempo para ambos os processos (Kaizen x Kaikaku):

10 Figura 1 Comparativo Kaizen x Kaikaku Fonte: Site da empresa Mobiltec Mobilidade em Negócios Após efetuar a análise de conceitos para os processos logísticos e a busca da melhoria continua, podem-se sugerir algumas indicações de onde existem lacunas que permitam alterações e melhorias na forma utilizada atualmente. Seguem alguns exemplos: Questionar se a forma de identificação facilita a localização visual dos materiais; Identificar, mapear e controlar as oportunidades na geração de necessidades; Verificar os deslocamentos e armazenagem dos materiais; Analisar se os sistemas de planejamento condizem com a real necessidade; Estudar a movimentação empregada desde o recebimento até a estocagem; Analisar as condições de acondicionamento dos materiais; Aplicar análise de programações dos materiais e estruturas de produto, e finalmente; Sugerir alternativas que melhorem o desempenho nas rotinas da área. Quando identificadas e melhoradas as oportunidades acima citadas, a evolução proporcionará redução dos tempos, custos, e demais implicações que se referem ao processo logístico. Dentro dos tempos produtivos não são contemplados os tempos de deslocamentos realizados para armazenagem dos materiais, portanto esses tempos devem ser os menores possíveis. A dificuldade de localizar os materiais implica em perdas de tempos que deveriam estar sendo empregados de forma produtiva e agregadora de valor, portanto a busca de redução destes tempos através da facilidade de localização dos itens, também se torna parte importante.

11 Objetivando melhorar o desempenho dos processos logísticos, gerar maior competitividade, reduzir os custos relacionados com tais atividades, devem ser analisadas, constante e permanentemente, possibilidades e alternativas que permitam alcançar melhores resultados, uma vez que o jogo no mundo dos negócios è fazer mais com menos. 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS Nos projetos de melhorias aplicadas e em funcionamento, percebem ganhos tangíveis, que além de melhorar o ambiente proporcionam indicadores, conforme demonstra a tabela a seguir: Tabela 1 Classificação dos Ganhos em Projetos de Melhorias Com relação à frequência Com relação à Natureza, os ganhos são de... Mão de obra Ganhos Recorrentes Materiais Energia Elétrica Consumíveis Área Investimentos Ganhos Pontuais Fonte: Adaptado pelo Autor Venda Incentivos Fiscais Intangíveis Como foi explicitado anteriormente nesse artigo, o envolvimento das pessoas é de suma importância, pois somente a partir de suas ideias e sugestões torna-se possível a aplicação dessa ferramenta (Kaizen). Dessa forma, o participante se sente parte fundamental no processo, podendo contribuir ainda mais para a busca contínua de melhorias em sua área. A filosofia da melhoria contínua Kaizen trabalha tanto o lado comportamental, quanto o operacional da empresa É possível ainda apontar como ponto positivo do Kaizen a valorização do colaborador participante. De acordo com as necessidades desenhadas na pirâmide de Abraham Maslow, o status e a autorrealização estão no topo da pirâmide. Nas organizações, existem muitos colaboradores que estão continuamente buscando reconhecimento, e para estes casos, a utilização do Kaizen pode ser o caminho para estes colaboradores que aportam continuamente suas ideias e sugestões para melhorar e evoluir continuamente.

12 6 REFERENCIAS BIBLIOGRÁGICAS ANDRADE, Maria Margarida de. Introdução à Metodologia do trabalho científico. 2ª ed. São Paulo: Atlas, ARNOLD, J. R. Tony. Administração de Materiais. 1ª ed. São Paulo: Atlas, BERTAGLIA, Paulo Roberto. Logística e Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento. São Paulo: Saraiva, BOWERSOX, Donald J.; CLOSS, D. J. Logística Empresarial: O Processo de Integração da Cadeia de Suprimento. São Paulo, Atlas, CAVANHA FILHO, Armando Oscar. Logística: Novos Modelos. Rio de Janeiro: Qualitymark Ed, CHRISTOPHER, Martin. Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. São Paulo: Pioneira, COSTA, D. Aplicação do Kaizen na logística: as pessoas como fator de sucesso no desenvolvimento da empresa Revista Técnica IPEP, São Paulo. DIAS, Marcos Aurélio P. Administração de Materiais. 4. Ed. São Paulo: Atlas, GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, GILMORE, H. L. (1990). Continuous Incremental Improvement: An Operations Strategy for Higher Quality, Lower Costs, and Global Competitiveness. SAM Advanced Management Journal. GOMES, Carlos Francisco Simões. RIBEIRO, Priscila Cristina Cabral. Gestão da Cadeia de Suprimentos Integrada à Tecnologia da Informação. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, IMAI, Masaaki. Kaizen: a estratégia para o sucesso competitivo. São Paulo: Instituto de Movimentação e Armazenagem de Materiais, ISHIKAWA, K. (1986). TQC, Total Quality Control: Estratégia e Administração da Qualidade (2. edição ed.). São Paulo: IMC. JHA, S., Michela, J. L., & NOORI, H. (1996). The dynamics of continuous improvement International Journal of Quality Science, vol. 1. JORGENSEN, F., BOER, H., & LAUGEN, B. T. (2006). CI Implementation: An Empirical Test of the CI Maturity Model. Creativity & Innovation Management. KAIZEN INSTITUTE. Kaizen: Baixando os custos e melhorando a qualidade. São Paulo Disponível em: Acesso em: 10 de fevereiro de 2013.

13 KAIZEN INSTITUTE. Kaizen: Contabilização de Ganhos em Projetos de Melhorias. São Paulo. Disponível em: Acesso em: 17 de fevereiro de MARTINS, Petrônio Garcia.; ALT, Paulo Renato Campos. Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais. São Paulo: Saraiva, MARTINS, Petrônio Garcia.; LAUGENI, Fernando Piero. Administração da Produção. 2. Ed. São Paulo: Saraiva, MOBILTEC Mobilidade em Negócios. Disponível em: Múltiplos acessos, sendo último realizado em 10 de fevereiro de PORTER, Michael E. Estratégia Competitiva: Técnicas para analise de indústrias e da concorrência. 2.Ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004 RIBEIRO, Paulo Décio. KANBAN Resultados de uma implantação bem sucedida. Rio de Janeiro: COP Editora, SKINNER, W. (1974). Focused Factory. Harvard Business Review. TANNER, C., & RONCARTI, R. (1994). Kaizen leads to breakthroughs in responsiveness and the Shingo Prize at Critikon. National Productivity Review (Wiley).

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

Método: aulas expositivas, transparências e Estudo de Casos. Exercícios estruturados; Provas e trabalhos em grupo.

Método: aulas expositivas, transparências e Estudo de Casos. Exercícios estruturados; Provas e trabalhos em grupo. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CCJE Departamento de Administração Prof. Marcos Paulo Valadares de Oliveira marcos.p.oliveira@ufes.br ADM 2179 - Administração de Materiais - Programa 1 Semestre

Leia mais

Deming (William Edwards Deming)

Deming (William Edwards Deming) Abordagens dos principais autores relativas ao Gerenciamento da Qualidade. Objetivo: Estabelecer base teórica para o estudo da Gestão da Qualidade Procura-se descrever, a seguir, as principais contribuições

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management

MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX:

Leia mais

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO 1 LOGÍSTICA 1 Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO Versa o presente artigo sobre logística e suas aplicabilidades no mundo moderno. A logística foi criada para suprir necessidades durante a Segunda

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING SUPPLY CHAIN (INCLUI LOGÍSTICA) 2 2 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING 3 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING Pensar fora da caixa... Lean

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS RESUMO Regiane A. Olmedo de Souza regianeolmedo@gmail.com Renan Fernandes Nascimento renanfn8@yahoo.com.br Rozana

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Administração de Empresas 6º Período Resumo Introdução ao Conceito de Logística Logística Empresarial (ótica acadêmica e empresarial) Globalização e Comércio Internacional Infra-Estrutura

Leia mais

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços Módulo 5 MRP e JIT Adm Prod II 1 MRP Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção MRP Decisão de quantidade e momento do fluxo de materiais em condições de demanda dependente Demanda de produtos

Leia mais

O que é uma Empresa Líder em Logística?

O que é uma Empresa Líder em Logística? 133 O que é uma Empresa Líder em Logística? É aquela que oferece maior agregação de valor aos seus clientes em relação aos seus concorrentes a partir de uma combinação harmônica de práticas logísticas

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Coordenação Acadêmica: Prof. Jamil Moysés Filho OBJETIVO: Ao final do Curso, o aluno será capaz de: Conhecer

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

Prof. Gustavo Boudoux

Prof. Gustavo Boudoux ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Recursos à disposição das Empresas Recursos Materiais Patrimoniais Capital Humanos Tecnológicos Martins, (2005.p.4) O que é Administração de Materiais?

Leia mais

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução 19 Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: APRIMORAMENTO DA METODOLOGIA DE DIAGNOSTICO E PROPOSIÇÃO DE UM MÉTODO PARA IMPLANTAÇÃO BASEADO EM PROCESSOS DE NEGÓCIO Autor(es) FELIPE

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla "gestão enxuta", muitas organizações abraçam

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla gestão enxuta, muitas organizações abraçam 2 1 FILOSOFIA KAIZEN Segundo IMAI, MASAAKI (1996) KAIZEN é uma palavra japonesa que traduzida significa melhoria continua, que colabora em melhorias sequenciais na empresa como um todo, envolvendo todos

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich Gestão em Logística Fundação de Estudos Sociais do Paraná Luiz Alexandre Friedrich Nosso contrato... Fornecedor : Luizão Cliente : Alunos de Adm. da FESP - Fornecer subsídios de teoria e prática de Gestão

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP. Curso Administração

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP. Curso Administração Disciplina: Administração Recursos Materiais e PLANO DE ENSINO - 2 o SEMESTRE/2013 Curso Administração Turno/Horário 3ª Feira 3 o e 4 o h 4ª Feira 3º e 4ºh Professor(a) Nazaré da Silva Dias Ferrão Turma:

Leia mais

A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações.

A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações. A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações. Nathan de Oliveira Paula nathan_paula@hotmail.com IFSudesteMG Marylaine de

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES Leider Simões, Unisalesiano de Lins e-mail: leidersimoes16@hotmail.com Profª M. Sc. Máris de Cássia Ribeiro, Unisalesiano Lins e-mail: maris@unisalesiano.edu.br

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

LUCROS E BENEFÍCIOS NA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ESTOCAGEM NA EMPRESA

LUCROS E BENEFÍCIOS NA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ESTOCAGEM NA EMPRESA LUCROS E BENEFÍCIOS NA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ESTOCAGEM NA EMPRESA RESUMO: Vanessa dos Santos Dada 1 Há uma grande demanda, nos mercados atuais, pelas empresas que atuam na área de operações logísticas.

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ Daiane Maria De Genaro Chiroli 1

Leia mais

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN Oportunidade ideal para gerar resultados reais na sua carreira e empresa. Capacitação com implementação prática de projeto KPO Fevereiro 2016 Informações

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br Prof. Elias Garcia Bacharel em Ciências Contábeis 1988 Especialização em Contabilidade

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL DUMAS, Ana Carolina¹ Guirado CALDAMONE,Camila¹ Guerino FRANCO, Nathália¹ Ribeiro; Acadêmicos do curso de Administração da Faculdade de Ciências

Leia mais

3 CONTEÚDO PROGRMÁTICO

3 CONTEÚDO PROGRMÁTICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas Departamento de Administração Curso de Administração Av. Fernando Ferrari, 514 - Campus Universitário - Goiabeiras CEP.

Leia mais

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes ARMAZENAGEM E T.I. Pós-Graduação em Gestão Integrada da Logística Turma: GIL131M - 2013 Universidade São Judas Tadeu Prof.: Ms. Maurício Pimentel Disciplina: Tecnologia da Informação Aplicada a Logística

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014 Portfólio de Treinamentos Exo Excelência Operacional // 2014 Treinamentos Exo Excelência Operacional A Exo Excelência Operacional traz para você e sua empresa treinamentos fundamentais para o desenvolvimento

Leia mais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais Aplicações de Otimização em Processos Industriais Maria Cristina N. Gramani gramani@mackenzie.com.br Departamento de Engenharia de Produção Escola de Engenharia Universidade Presbiteriana Mackenzie Organização

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

PROJETO LEAN SIX SIGMA PARA ADEQUAÇÃO E CONTROLE DE WORK IN PROCESS (WIP) EM UMA INDÚSTRIA ELETROELETRÔNICA DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS

PROJETO LEAN SIX SIGMA PARA ADEQUAÇÃO E CONTROLE DE WORK IN PROCESS (WIP) EM UMA INDÚSTRIA ELETROELETRÔNICA DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS PROJETO LEAN SIX SIGMA PARA ADEQUAÇÃO E CONTROLE DE WORK IN PROCESS (WIP) EM UMA INDÚSTRIA ELETROELETRÔNICA DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS FÁBIO ANDRÉ DE FARIAS VILHENA (UFPA) vilhena.fabio@hotmail.com JOSÉ

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

Gestão de Estoques - Premissas. Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido

Gestão de Estoques - Premissas. Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido Gestão de Estoques - Premissas Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido EQUILÍBRIO ENTRE ESTOQUE E CONSUMO Paulo Gadas JUNHO-14 1 Gestão de Estoques

Leia mais

TÍTULO: SISTEMA HÍBRIDO DE GESTÃO DA PRODUÇÃO: INTEGRANDO KANBAN E MRPII

TÍTULO: SISTEMA HÍBRIDO DE GESTÃO DA PRODUÇÃO: INTEGRANDO KANBAN E MRPII Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: SISTEMA HÍBRIDO DE GESTÃO DA PRODUÇÃO: INTEGRANDO KANBAN E MRPII CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA:

Leia mais

Transformação de Processos. Palestrante: Monica Moreira

Transformação de Processos. Palestrante: Monica Moreira Transformação de Processos Palestrante: Monica Moreira Sobre a Instrutora Monica Rodrigues Moreira MsC, MBA, CBPP, ITIL, Cobit Pesquisadora Universidade Federal Fluminense Curriculo linkedin www.linkedin.com/in/monicarodriguesmoreira

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão 1 Centro Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Disciplina: ADM. DE REC. MATERIAIS E PATRIMONIAIS Professor: NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO Aluno: Turma: 5 ADN FRANCISCHINI, Paulino G.; GURGEL, F.

Leia mais

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS 190 O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS Douglas Fernandes, Josélia Galiciano Pedro, Daryane dos Santos Coutinho, Diego Trevisan de Vasconcelos, Regiane

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE.

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. Jander Neves 1 Resumo: Este artigo foi realizado na empresa Comercial Alkinda, tendo como objetivo

Leia mais

Recursos Materiais e Patrimoniais

Recursos Materiais e Patrimoniais Recursos Materiais e Patrimoniais Professor conteudista: Jean Carlos Cavaleiro Sumário Recursos Materiais e Patrimoniais Unidade I 1 OS RECURSOS...2 1.1 Administração de materiais...6 1.1.1 Medida de desempenho...6

Leia mais

Excelência Operacional

Excelência Operacional Excelência Operacional Inter-relação entre Lean Manufacturing e TPM ( Total Productive Management) Paulo Yida - Diretor Solving Efeso America do Sul Renato Cosloski Iamondi Consultor Senior Solving Efeso

Leia mais

A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL

A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL MOREIRA, Fabiano Greter (FANOVA) BORGHI, Wagner (FANOVA) INTRODUÇÃO Quando pensamos em produtos para consumo ou matéria prima para industrialização, não importando sua

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

Fiorella Del Bianco. Tema. Objetivo. O que é o kanban? O uso do kanban como técnica para otimizar os princípios do just-in-time.

Fiorella Del Bianco. Tema. Objetivo. O que é o kanban? O uso do kanban como técnica para otimizar os princípios do just-in-time. Fiorella Del Bianco Tema O uso do kanban como técnica para otimizar os princípios do just-in-time. Objetivo Apresentar a aplicação de uma técnica simples e altamente eficaz para auxiliar na implementação

Leia mais

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010 Artigo publicado na edição 17 Assine a revista através do nosso site julho e agosto de 2010 www.revistamundologistica.com.br :: artigo 2010 Práticas Logísticas Um olhar sobre as principais práticas logísticas

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Isabel Marcia Rodrigues (UTFPR) imarcia.r@hotmail.com João Carlos Colmenero (UTFPR) colmenero@utfpr.edu.br Luiz Alberto

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE NO GERENCIAMENTO DE PROCESSOS

FERRAMENTAS DA QUALIDADE NO GERENCIAMENTO DE PROCESSOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 FERRAMENTAS DA QUALIDADE NO GERENCIAMENTO DE PROCESSOS Priscila Pasti Barbosa 1, Sheila Luz 2, Fernando Cesar Penteado 3, Generoso De Angelis Neto 4, Carlos

Leia mais

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Marcus Fontes

FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Marcus Fontes FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Marcus Fontes AULA PASSADA: GESTÃO DE COMPRAS: PROCESSOS DE FORNECIMENTO UMA REVISÃO

Leia mais

Ambientação nos conceitos

Ambientação nos conceitos Ambientação em Gestão de Projetos Maria Lúcia Almeida Ambientação nos conceitos Gestão de áreas funcionais e gestão de projetos Qualquer um pode ser gerente de projetos? Qual a contribuição da gestão de

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM WMS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM/DEP M/DEPÓSITO WMS Software de gerenciamento de depósito que auxilia as empresas na busca de melhorias nos

Leia mais

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: obter materiais, agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e disponibilizar os produtos no local e

Leia mais

Introdução histórica a Administração de Materiais. Prof. Vianir André Behnem

Introdução histórica a Administração de Materiais. Prof. Vianir André Behnem Introdução histórica a Administração de Materiais Prof. Vianir André Behnem Origem - A origem da logística surge cerca de 10.000 AC; - Cerca de 6.000 anos, as civilizações da Mesopotâmia e do Egito já

Leia mais

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM FIB - Faculdades Administração de Empresas 2009 MODELAGEM ESTUDO DE CASO: Trabalho solicitado pelo Prof.: Trabalho realizado para a disciplina de FIB - Faculdades

Leia mais

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1 2 Seminário de Engenharia Química Silvia Binda 1 Inter-relação entre o conceito de qualidade, gestão da qualidade e elementos que a compõem QUALIDADE Gestão da Qualidade Habilidade de um conjunto de características

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, PESQUISA E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, PESQUISA E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, PESQUISA E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS A LOGÍSTICA COMO FATOR COMPETITIVO NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES ALUNO:

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais