Utilização das transformadas wavelets na detecção de características em um sinal de ECG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Utilização das transformadas wavelets na detecção de características em um sinal de ECG"

Transcrição

1 Utilização das transformadas wavelets na detecção de características em um sinal de ECG Orientador: Prof. Dr. Aldo Artur Belardi Departamento: Engenharia Elétrica Candidato: Gabriel Diego Porfirio N FEI: Início: Abril/20 Provável conclusão: Abril/20

2 1. INTRODUÇÃO O exame de eletrocardiograma (ECG) monitora as atividades elétricas associadas ao coração humano, sendo uma poderosa ferramenta no diagnóstico de doenças e disfunções no comportamento de nosso sistema cardíaco. Os aparelhos de ECG registram as variações do potencial elétrico do coração através de eletrodos conectados entre dois pontos distintos do corpo humano. Estas atividades elétricas ocorrem a cada instante do ciclo cardíaco (contração e relaxamento do músculo), sendo assim, possível determinar a freqüência cardíaca. Atualmente, o processamento de sinais de ECG é baseado em um complexo algoritmo, que está submetido a certas imprecisões devido a ruídos no sinal e variações morfológicas, acarretando dificuldades na detecção visual dos profissionais habilitados. Este estudo visa auxiliar a Bioengenharia na detecção de características presentes no sinal de eletrocardiograma, bem como fazer um estudo probabilístico de possíveis problemas relacionados ao coração humano. As transformadas wavelets discretas são muito utilizadas para análise de sinais digitais e compressão de dados, e representam a decomposição de uma função no domínio do tempo em um conjunto de coeficientes que descrevem as suas componentes de freqüência em determinados instantes de tempo. Com o auxílio das transformadas wavelets, iremos realçar diferentes sinais de ECG, filtrando suas imperfeições e caracterizando certos detalhes que serão utilizados para uma melhor prescrição de disfunções cardíacas.

3 2. PROPOSTA A transformada discreta de wavelet consiste em identificar os parâmetros c k e d j,k, da equação: onde (t) e (t) são as funções conhecidas respectivamente como wavelet pai e wavelet mãe. Das funções (t) e (t) podemos calcular as seqüências: Estas duas seqüências são a base da transformada discreta de wavelet. A seguir, um exemplo de um sinal de ECG processado utilizando-se o método da transformada de wavelets: Fig. 1 Sinal de ECG comum Fig. 2 Transformada de wavelets com coeficiente de escala 5

4 3. TEXTOS PARA ESTUDO HANSELMAN, Duane C; LITTLEFIELD, Bruce. MATLAB 6: Curso Completo. São Paulo: Prentice-Hall, c Este livro mostra como usar todos os recursos do Matlab 6 e apresenta todas as características do programa e demonstra, por meio de exemplos como escrever um programa eficiente no Matlab. WEEKS, Michael. Digital Signal Processing Using MATLAB and Wavelets. Inifinity Science Press, 2007 Mostra as aplicações de processamento de sinais digitais com o auxílio da Série das Wavelets. MARTINEZ, J. P.; OLMOS, S.; LAGUNA, P. Evaluation of a wavelet based ECG waveform detector on the QT database, in Proc. IEEE Comput. Cardiol., v. 27, p , 2000 Demonstra como obter os coeficientes para realização da transformada das wavelets em sinais de ECG, além disso, discute os resultados obtidos, mostrando a eficácia do método. MADEIRO, J. P. V.; CORTEZ, P. C.; SOBRINHO, C. R. M. R.; MARINHO, M. J. Algoritmo para Análise de Variabilidade da Freqüência Cardíaca no Domínio Temporal: Métodos Estatísticos e Geométricos. X Congresso Brasileiro de Informática em Saúde, Florianópolis 2006 Mostra o algoritmo para cálculo dos coeficientes das transformadas das wavelets no domínio do tempo e comprova com o auxílio de profissionais a contribuição desta técnica para a Medicina. 4. PROJETO DE PESQUISA 4.1. Objetivos Analisar diversos sinais de ECG, com o auxílio do Excel e Matlab, para detectar, através da variação dos coeficientes das wavelets, quais características estão presentes em corações sadios e quais apresentam algum tipo de disfunção, visando auxiliar profissionais médicos e a sociedade. Para tal, iremos utilizar sinais de ECG da base de dados de arritmias do MIT-BIH, e se necessário, de exames com a ajuda de profissionais da área de Medicina.

5 4.2. Materiais e Métodos Recursos humanos e materiais Recursos Materiais Disponíveis na Instituição: Software Matlab Toolbox Wavelets; Microsoft Excel. Recursos Disponíveis na Internet: Os sinais utilizados são provenientes da base de dados de arritmias do MIT-BIH (Massachusetts Institute of Technology - Beth Israel Hospital) Métodos Conversão dos coeficientes para o Excel; Estudo sobre as Transformadas de Wavelets; Desenvolvimento da lógica de programação; Implementação do algoritmo no Matlab; Cálculo dos coeficientes; Recuperação dos coeficientes em função dos resultados com as Wavelets. 5. CRONOGRAMA Atividade 04/ 05/ 06/ 07/ 08/ 09/ / / 12/ 01/ 02/ 03/ 04/ Conversão dos coeficientes para o Excel Estudo sobre as transformadas de wavelets Desenvolvimento da lógica de programação Implementação do Software Relatório parcial Recuperação de coeficientes/wavelets Teste e avaliação dos resultados Elaboração de artigo Geração de relatório final

6 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] HANSELMAN, Duane C; LITTLEFIELD, Bruce. MATLAB 6: Curso Completo. São Paulo: Prentice-Hall, c2003. [2] WEEKS, Michael. Digital Signal Processing Using MATLAB and Wavelets. Infinity Science Press, [3] MARTINEZ, J. P.; OLMOS, S.; LAGUNA, P. Evaluation of a wavelet based ECG waveform detector on the QT database, in Proc. IEEE Comput. Cardiol., v. 27, p , [4] LI, C.; ZHENG, C.; TAI, C. Detection of ECG characteristics points using wavelet transforms. IEEE Trans. Biomed. Eng., v. 42, n. 1, p , Jan [5] CASTRO, B.; KOGAN, D.; GEVA, A. B. ECG Feature Extraction Using Optimal Mother Wavelet, IEEE, [6] MADEIRO, J. P. V.; CORTEZ, P. C.; OLIVEIRA, F. I.; Siqueira, R. S.. A new approach to QRS segmentation based on wavelet bases and adaptive threshold technique, Medical Engineering and Physics 29: [7] MADEIRO, J. P. V.; CORTEZ, P. C.; SOBRINHO, C. R. M. R.; MARINHO, M. J. Algoritmo para Análise de Variabilidade da Freqüência Cardíaca no Domínio Temporal: Métodos Estatísticos e Geométricos. X Congresso Brasileiro de Informática em Saúde, Florianópolis [8] BAHOURA, M.; HASSANI, M.; HUBIN, M.; DSP Implementation of wavelet transform for real time ECG waveforms detection and heart rate analysis, Computer Methods and Programs in Biomedicine. v. 52, p , Aug [9] HAMILTON, P. S.; TOMPKINS, W. J.; Quantitative Investigation of QRS Detection Rules Using the MIT/BIH Arrythmia Database, IEEE Trans. Biomed. Eng., v. BME-33, n.12, p , Dez.1986.

Utilização das Transformadas Wavelets na detecção de características em um sinal de ECG RELATÓRIO FINAL

Utilização das Transformadas Wavelets na detecção de características em um sinal de ECG RELATÓRIO FINAL Utilização das Transformadas Wavelets na detecção de características em um sinal de ECG RELATÓRIO FINAL Orientador: Prof. Dr. Aldo Artur Belardi Departamento: Engenharia Elétrica Aluno: Gabriel Diego Porfirio

Leia mais

Um Detector de Complexos QRS Evolutivo para o Eletrocardiograma

Um Detector de Complexos QRS Evolutivo para o Eletrocardiograma Um Detector de Complexos QRS Evolutivo para o Eletrocardiograma Bruno Melo 1, Roberta Lopes 1, Luis Coradine 1 1 Universidade Federal de Alagoas, Instituto de Computação, Programa de Pós-Graduação em Modelagem

Leia mais

Algoritmo para Detecção do Complexo QRS e Reconhecimento de Contração Ventricular Prematura em Eletrocardiograma

Algoritmo para Detecção do Complexo QRS e Reconhecimento de Contração Ventricular Prematura em Eletrocardiograma Algoritmo para Detecção do Complexo QRS e Reconhecimento de Contração Ventricular Prematura em Eletrocardiograma João Paulo do Vale Madeiro 1, Paulo César Cortez, Francisco Ivan de Oliveira 3, Robson da

Leia mais

TEORIA WAVELET NA ANÁLISE DE SINAIS DE ECG COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NA DETECÇÃO DE ARRITMIAS CARDÍACAS

TEORIA WAVELET NA ANÁLISE DE SINAIS DE ECG COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NA DETECÇÃO DE ARRITMIAS CARDÍACAS TEORIA WAVELET NA ANÁLISE DE SINAIS DE ECG COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NA DETECÇÃO DE ARRITMIAS CARDÍACAS 1 GUILHERME M. A. DA SILVA, 2 CLEIDIANE P. SOARES, 1,2 OSCAR A. Z. SOTOMAYOR 1 Programa de Pós-graduação

Leia mais

STDS - Sistemas de Telecomunicações Definidos por Software PSTR - Processamento de Sinal em Tempo Real

STDS - Sistemas de Telecomunicações Definidos por Software PSTR - Processamento de Sinal em Tempo Real STDS - Sistemas de Telecomunicações Definidos por Software & PSTR - Processamento de Sinal em Tempo Real 3.º (e 1.º) semestre MEET 1.º (e 3.º) semestre MEIC () http://www.deetc.isel.ipl.pt/sistemastele/stds/

Leia mais

SISTEMA DE AuxíLiO A ANÁLISE E DIAGNÓSTICO A PARTIR DO ELETROCARDIOGRAMA. por

SISTEMA DE AuxíLiO A ANÁLISE E DIAGNÓSTICO A PARTIR DO ELETROCARDIOGRAMA. por RBE. VaL. 7 N. 1 1990 SISTEMA DE AuxíLiO A ANÁLISE E DIAGNÓSTICO A PARTIR DO ELETROCARDIOGRAMA por A. PERKUSICH 1, M.L.B. PERKUSICH 2, G.S. DEEp 3, M.E. de MORAIS 4,e A.M.N. LlMA. 4 RESUMO - Neste trabalho

Leia mais

APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE TERMOGRAFIA ATIVA NA INSPEÇÃO NÃO-DESTRUTIVA DE TAMBORES DE REJEITO NUCLEAR

APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE TERMOGRAFIA ATIVA NA INSPEÇÃO NÃO-DESTRUTIVA DE TAMBORES DE REJEITO NUCLEAR APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE TERMOGRAFIA ATIVA NA INSPEÇÃO NÃO-DESTRUTIVA DE TAMBORES DE REJEITO NUCLEAR Aluno: Igor Szczerb Orientador: Marcos Venicius Soares Pereira Introdução A termografia ativa é um método

Leia mais

Processamento Digital de Sinais

Processamento Digital de Sinais Processamento Digital de Sinais Professor: Marcelino Andrade OPPENHEIM, ALAN V., WILLSKY, ALAN S. Sinais e Sistemas, Pearson, 2010. SIMON HAYKIN; BARRY V. VEEN. Sinais e Sistemas, Bookman, 2002 OPPENHEIM,A.,

Leia mais

RESUMO. Palavras chave: Tecnologia Assistiva. Deficiência auditiva. Detecção de Choro. INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras chave: Tecnologia Assistiva. Deficiência auditiva. Detecção de Choro. INTRODUÇÃO TECNOLOGIA ASSISTIVA: USO DE PROCESSAMENTO DE SINAIS E TRANSMISSÃO SEM FIO PARA O AUXILIO DE MÃES E PAIS PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (DEFICIÊNCIA AUDITIVA) ANÁLISE DO SINAL (CHORO) PEREIRA DA

Leia mais

Rastreamento de Objetos Baseado em Grafos. Casamento Inexato entre Grafos Relacionais com Atributos

Rastreamento de Objetos Baseado em Grafos. Casamento Inexato entre Grafos Relacionais com Atributos Rastreamento de Objetos Baseado em Casamento Inexato entre Grafos Relacionais com Atributos Exame de Qualificação de Mestrado Ana Beatriz Vicentim Graciano Orientador: Roberto M. Cesar Jr. Colaboradora:

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Engenharia Departamento de Energia Elétrica PLANO DE ENSINO

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Engenharia Departamento de Energia Elétrica PLANO DE ENSINO Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Engenharia Departamento de Energia Elétrica 1) IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Disciplina Teoria de Controle II PLANO DE ENSINO Código CEL039 Carga horária

Leia mais

CardioReader: Sistema de identificação de batimentos cardíacos

CardioReader: Sistema de identificação de batimentos cardíacos Departamento de Sistemas e Computação FURB Curso de Ciência da Computação Trabalho de Conclusão de Curso 2013/2 CardioReader: Sistema de identificação de batimentos cardíacos Acadêmico: Anderson Mordhorst

Leia mais

Análise de Estabilidade Estrutural para uma Treliça Içadora de Aduelas de Concreto para Pontes.

Análise de Estabilidade Estrutural para uma Treliça Içadora de Aduelas de Concreto para Pontes. Análise de Estabilidade Estrutural para uma Treliça Içadora de Aduelas de Concreto para Pontes. Resumo André Durval de Andrade 1, Carlos Alberto Medeiros 2. 1 Mills Infraestrutura /Engenharia Nacional

Leia mais

Análise Univariada de Sinais Mioelétricos

Análise Univariada de Sinais Mioelétricos Análise Univariada de Sinais Mioelétricos Orientador: Maria Claudia Ferrari de Castro Departamento: Engenharia Elétrica Candidato: Luiz Victor Esteves N FEI: 11209220-0 Início: Setembro/10 Provável conclusão:

Leia mais

Teste de Coeficiente de Absorção em Câmara Reverberante

Teste de Coeficiente de Absorção em Câmara Reverberante Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Mecânica Grupo de Tecnologia em Vibrações e Acústica Fone: (48) 99539377-32340689 / 37217716 Ramal 22 e-mail: arcanjo@lva.ufsc.br Teste

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO GÊNERO DO LOCUTOR USANDO A TRANSFORMADA RÁPIDA DE FOURIER

DETERMINAÇÃO DO GÊNERO DO LOCUTOR USANDO A TRANSFORMADA RÁPIDA DE FOURIER Revista Ciências Exatas ISSN: 1516-893 Vol. 1 Nº. Ano 015 Natanael M. Gomes Universidade de Taubaté Marcio Abud Marcelino Universidade Estadual Paulista Universidade de Taubaté Francisco José Grandinetti

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 246 aprovado pela portaria Cetec nº 181 de 26/09/2013 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Informação

Leia mais

Introdução ao Processamento Digital do Sinal Eletrocardiográfico

Introdução ao Processamento Digital do Sinal Eletrocardiográfico Introdução ao Processamento Digital do Sinal Eletrocardiográfico Lic. José Ramón González Montero Processamento de Imagens e Sinais Biológicos Niterói, Março 2016 Conteúdo 1. Eletrocardiografia básica

Leia mais

Introdução ao Processamento de Imagens Digitais Aula 01

Introdução ao Processamento de Imagens Digitais Aula 01 Introdução ao Processamento de Imagens Digitais Aula 01 Douglas Farias Cordeiro Universidade Federal de Goiás 06 de julho de 2015 Mini-currículo Professor do curso Gestão da Informação Formação: Graduação

Leia mais

Classificação de Arritmias Utilizando Sinais de Variabilidade da Freqüência Cardíaca e o Algoritmo Prediction by Partial Matching

Classificação de Arritmias Utilizando Sinais de Variabilidade da Freqüência Cardíaca e o Algoritmo Prediction by Partial Matching Classificação de Arritmias Utilizando Sinais de Variabilidade da Freqüência Cardíaca e o Algoritmo Prediction by Partial Matching Thiago Fernandes Lins de Medeiros 1, Amanda Barreto Cavalcanti 2, Berg

Leia mais

Prof. Aleksander S. Paterno. Disciplina de Processamento digital de sinais SALA E05 Quintas-feiras 8:20-10:20

Prof. Aleksander S. Paterno. Disciplina de Processamento digital de sinais SALA E05 Quintas-feiras 8:20-10:20 Prof. Aleksander S. Paterno Disciplina de Processamento digital de sinais SALA E05 Quintas-feiras 8:20-10:20 PDS-- Salas E05-Graduação 1oSem.2016 Resumo da aula Informações do professor Motivação para

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Nível Médio

Leia mais

Trabalho 2: Projeto Elétrico e de Leiaute de um Inversor CMOS

Trabalho 2: Projeto Elétrico e de Leiaute de um Inversor CMOS Trabalho 2: Projeto Elétrico e de Leiaute de um Inversor CMOS 1. Introdução Dieison Soares Silveira Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS Instituto de Informática Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

1 Introdução. Figura 1.1: Modelo de uma torre estaiada.

1 Introdução. Figura 1.1: Modelo de uma torre estaiada. 1 Introdução Torres estaiadas, Figura 1.1, consistem de uma coluna geralmente rotulada na base, e ancorada lateralmente com vários estais, em geral cabos de aço, e são freqüentemente usadas como suporte

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DOMINGOS REBELO

ESCOLA SECUNDÁRIA DOMINGOS REBELO ESCOLA SECUNDÁRIA DOMINGOS REBELO INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DOS CURSOS DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho DISCIPLINA APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B Prova 303/2016

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA TELEDIAGNÓSTICO (TELE-ECG)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA TELEDIAGNÓSTICO (TELE-ECG) TERMO DE REFERÊNCIA PARA TELEDIAGNÓSTICO (TELE-ECG) 1. Objeto Aquisição de unidades de eletrocardiógrafo digital, em especial os requisitos abaixo. 2. Justificativa Os equipamentos sugeridos serão utilizados

Leia mais

22ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA CATEGORIA 3 EM VEÍCULOS METROFERROVIÁRIOS A PARTIR DA ENERGIA SOLAR

22ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA CATEGORIA 3 EM VEÍCULOS METROFERROVIÁRIOS A PARTIR DA ENERGIA SOLAR 22ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA 3º PRÊMIO TECNOLOGIA E DESENVOLVIMENTO METROFERROVIÁRIOS CATEGORIA 3 DESENVOLVENDO UM CIRCUITO DE CONTROLE DE ILUMINAÇÃO E GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PARA CARREGAMENTO

Leia mais

Conteúdo. 1 Introdução. Histograma do Quarto Sorteio da Nota Fiscal Paraná 032/16. Quarto Sorteio Eletrônico da Nota Fiscal Paraná

Conteúdo. 1 Introdução. Histograma do Quarto Sorteio da Nota Fiscal Paraná 032/16. Quarto Sorteio Eletrônico da Nota Fiscal Paraná Quarto Sorteio Eletrônico da Nota Fiscal Paraná Relatório parcial contendo resultados 1 da análise estatística dos bilhetes premiados Conteúdo 1 Introdução Este documento apresenta a análise dos resultados

Leia mais

Planificação a médio e longo prazo. Matemática B. 11º Ano de escolaridade. Total de aulas previstas: 193. Ano letivo 2015/2016

Planificação a médio e longo prazo. Matemática B. 11º Ano de escolaridade. Total de aulas previstas: 193. Ano letivo 2015/2016 Planificação a médio e longo prazo Matemática B 11º Ano de escolaridade. Total de aulas previstas: 193 Ano letivo 2015/2016 Professor responsável: Paulo Sousa I O programa Matemática B do 11º Ano - Página

Leia mais

Planejamento da Disciplina Controle e Servomecanismos II

Planejamento da Disciplina Controle e Servomecanismos II Planejamento da Disciplina Controle e Servomecanismos II Esta versão utiliza a 3 a edição do livro [1] e não mais será atualizada Identificação UERJ Faculdade de Engenharia Departamento de Eletrônica e

Leia mais

Ferramenta de Suporte à Tomada de Decisão na Indústria Têxtil

Ferramenta de Suporte à Tomada de Decisão na Indústria Têxtil Fabrício Bueno Borges dos Santos fabriciob@cefetsc.edu.br Ferramenta de Suporte à Tomada de Decisão na Indústria Têxtil Trabalho ilustrativo da disciplina Informática Aplicada Araranguá, 2008 Sumário 1Introdução...1

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec: ETEC PROF. MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Habilitação Profissional: Habilitação Profissional

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de Computadores I Circuitos Lógicos Sequenciais (Parte

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica

Leia mais

PLANO DE ENSINO OBJETIVOS

PLANO DE ENSINO OBJETIVOS PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do Componente Curricular: Matemática III Curso: Técnico de Nível Médio Integrado em Mineração Série/Período: 3º ano Carga Horária: 2 a/s - 80 h/a - 67

Leia mais

Technologic tools to support WIM systems development

Technologic tools to support WIM systems development Ferramentas tecnológicas para auxiliar o desenvolvimento de sistemas WIM Gabriel Felix Gueler - gabriel.gueler@smarttech.com.br Smarttech. Resumo Este trabalho apresenta as tecnologias integradas utilizadas

Leia mais

Estatística Aplicada ao Serviço Social

Estatística Aplicada ao Serviço Social Estatística Aplicada ao Serviço Social Módulo 7: Correlação e Regressão Linear Simples Introdução Coeficientes de Correlação entre duas Variáveis Coeficiente de Correlação Linear Introdução. Regressão

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Habilitação Profissional: TÉCNICO EM INFORMÁTICA Qualificação:

Leia mais

Circuitos Série e a Associação Série de Resistores

Circuitos Série e a Associação Série de Resistores 1 Painel para análise de circuitos resistivos CC (Revisão 00) Circuitos Série e a Associação Série de Resistores 1 2 Circuitos Série e a Associação Série de Resistores Utilizando as chaves disponíveis

Leia mais

TCC EM SISTEMAS DA INFORMAÇÃO. Aula 1-Análise Crítica do Projeto TCC

TCC EM SISTEMAS DA INFORMAÇÃO. Aula 1-Análise Crítica do Projeto TCC Aula 1-Análise Crítica do Projeto TCC OBJETIVO DESTA AULA Nesta primeira aula estaremos apresentando todas as regras da disciplina. Explicaremos o que deve ser desenvolvido como produto final, bem como

Leia mais

INFORMÁTICA EM SAÚDE

INFORMÁTICA EM SAÚDE INFORMÁTICA EM SAÚDE MED99004 - Atividade de Integração Básico-Clínica IV Prof. Paul Douglas Fisher Departamento de Medicina Social paul.fisher@ufrgs.br http://chasqueweb.ufgs.br/~paul.fisher/aulas/sis_info/

Leia mais

AT = Maior valor Menor valor

AT = Maior valor Menor valor UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA TABELAS E GRÁFICOS Departamento de Estatística Luiz Medeiros DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA Quando se estuda uma massa de dados é de frequente interesse resumir as informações

Leia mais

Plano de Ensino. Leandro Schwarz Endereço eletrônico:

Plano de Ensino. Leandro Schwarz Endereço eletrônico: Plano de Ensino Disciplina: Dispositivos Lógicos Programáveis Semestre: 2011/1 Turma: 2030311A Carga horária: 80 horas Professor: Leandro Schwarz () Endereço eletrônico: 1. Objetivos A tecnologia de Dispositivos

Leia mais

I - Introdução à Simulação

I - Introdução à Simulação 1 I - Introdução à Simulação Simulação é, entendida como a imitação de uma operação ou de um processo do mundo real. A simulação envolve a geração de uma história artificial de um sistema para a análise

Leia mais

Processamento Digital de Sinais. Sistemas Lineares. Prof. Dr. Carlos Alberto Ynoguti

Processamento Digital de Sinais. Sistemas Lineares. Prof. Dr. Carlos Alberto Ynoguti Processamento Digital de Sinais s Lineares Prof. Dr. Carlos Alberto Ynoguti Sinais e s Sinal: descrição de como um parâmetro varia com outro. Exemplo: tensão variando com o tempo em um circuito elétrico,

Leia mais

MODELO PARA ANÁLISE DE ARRITMIAS CARDÍACAS USANDO CADEIAS DE MARKOV

MODELO PARA ANÁLISE DE ARRITMIAS CARDÍACAS USANDO CADEIAS DE MARKOV MODELO PARA ANÁLISE DE ARRITMIAS CARDÍACAS USANDO CADEIAS DE MARKOV Domingos Vanderlei Filho Universidade Federal de Pernambuco, Departamento de Engenharia Eletrônica e de Sistemas, Rua Acadêmico Hélio

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CADAVAL

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CADAVAL AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CADAVAL DEPARTAMENTO: PLANIFICAÇÃO ANUAL - ANO LETIVO: DISCIPLINA: Matemática A (12.º ano) Matemática e Ciências Experimentais 2015/2016 UNIDADE Tema 1 - Probabilidades e Combinatória

Leia mais

Sistemas Embarcados. Projeto de Sistemas Embarcados

Sistemas Embarcados. Projeto de Sistemas Embarcados Sistemas Embarcados Projeto de Sistemas Embarcados Projeto de Sistemas Embarcados Identificação do problema Identificação da melhor tecnologia para a solução do problema Elaboração de um modelo de arquitetura

Leia mais

Divergência Não Planejada Planilha de Cálculo. SPC-DNP Versão /2005 Instruções de Uso

Divergência Não Planejada Planilha de Cálculo. SPC-DNP Versão /2005 Instruções de Uso Divergência Não Planejada Planilha de Cálculo SPC-DNP Versão 2.0 11/2005 Instruções de Uso Ministério da Previdência Social Secretaria de Previdência Complementar Elaboração: Departamento de Assuntos Econômicos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec Dr Francisco Nogueira de Lima Código: 059 Município: Casa Branca Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnica de Nível

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PROF. MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGOCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO EM

Leia mais

DETECÇÃO DE FALHAS EM UM HELICÓPTERO DE TRÊS GRAUS DE LIBERDADE EMPREGANDO CONTROLE ESTATÍSTICO MULTIVARIADO DE PROCESSO

DETECÇÃO DE FALHAS EM UM HELICÓPTERO DE TRÊS GRAUS DE LIBERDADE EMPREGANDO CONTROLE ESTATÍSTICO MULTIVARIADO DE PROCESSO Anais do XVI Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XVI ENCITA / 2010 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil 20 de outubro de 2010 DETECÇÃO DE FALHAS EM UM

Leia mais

PROVA MODELO Duração da prova: 120 minutos. Grupo 1 - Três questões de resposta múltipla de matemática.

PROVA MODELO Duração da prova: 120 minutos. Grupo 1 - Três questões de resposta múltipla de matemática. Página 1 de 9 Provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do ensino superior dos maiores de 23 anos, Decreto-Lei n.º 113/2014, de 16 de julho AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE

Leia mais

ANÁLISE DE RISCO E RETORNO DE INVESTIMENTO USO DAS MEDIDAS DE DISPERSÃO

ANÁLISE DE RISCO E RETORNO DE INVESTIMENTO USO DAS MEDIDAS DE DISPERSÃO ANÁLISE DE RISCO E RETORNO DE INVESTIMENTO USO DAS MEDIDAS DE DISPERSÃO Luiz Fernando Stringhini 1 Na tentativa de mostrar as possibilidades de uso das ferramentas da estatística dentro da contabilidade,

Leia mais

CCM002 Metodologia de Pesquisa em Ciência da Computação Preparação de um trabalho de pesquisa: - Título - Objetivo

CCM002 Metodologia de Pesquisa em Ciência da Computação Preparação de um trabalho de pesquisa: - Título - Objetivo CCM002 Metodologia de Pesquisa em Ciência da Computação Preparação de um trabalho de pesquisa: - Título - Objetivo Prof. Jesús P. Mena-Chalco jesus.mena@ufabc.edu.br 3Q-2016 1 Sugestão de estrutura Documento

Leia mais

Doenças cardiovasculares constituem um dos maiores problemas que afligem a

Doenças cardiovasculares constituem um dos maiores problemas que afligem a 18 1 INTRODUÇÃO Doenças cardiovasculares constituem um dos maiores problemas que afligem a população dos países industrializados. Essas doenças são responsáveis por mais de cinco milhões de pessoas hospitalizadas

Leia mais

Funcionamento Área Desempenho (velocidade) Potência Aula 1. Circuitos Digitais. Circuitos Digitais

Funcionamento Área Desempenho (velocidade) Potência Aula 1. Circuitos Digitais. Circuitos Digitais INF01058 Objetivo Circuitos igitais Projetar circuitos digitais: Combinacionais Sequências Testar a analisar circuitos digitais Introdução Funcionamento Área esempenho (velocidade) Potência Aula 1 Mundo

Leia mais

Análise da distribuição da velocidade dos ventos em Piracicaba/SP

Análise da distribuição da velocidade dos ventos em Piracicaba/SP Análise da distribuição da velocidade dos ventos em Piracicaba/SP Lêda Valéria Ramos Santana Prof. Dra. Cláudia Helena Dezotti Prof. Dra. Tatijana Stosic Evelyn Souza Chagas Hérica Santos da Silva Introdução

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Dr Francisco Nogueira de Lima Código: 059 Município: Casa Branca Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança do trabalho Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

Cálculo Numérico. Introdução. Prof. Jorge Cavalcanti twitter.com/jorgecav

Cálculo Numérico. Introdução. Prof. Jorge Cavalcanti twitter.com/jorgecav Universidade Federal do Vale do São Francisco Cálculo Numérico Introdução Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br twitter.com/jorgecav 1 Cálculo Numérico Plano de Ensino Objetivos Ementa

Leia mais

FIGURAS Aula 2. André Luís Corte Brochi Professor das Faculdades COC. 14 e 15 de Abril

FIGURAS Aula 2. André Luís Corte Brochi Professor das Faculdades COC. 14 e 15 de Abril FIGURAS Aula 2 André Luís Corte Brochi Professor das Faculdades COC 14 e 15 de Abril Objetivos Interagir com os professores sobre atividades envolvendo figuras. Sugerir atividades práticas relacionadas

Leia mais

Nº de aulas de 45 minutos previstas 66. 1º Período. 1- Isometrias Nº de aulas de 45 minutos previstas 18

Nº de aulas de 45 minutos previstas 66. 1º Período. 1- Isometrias Nº de aulas de 45 minutos previstas 18 Escola Secundária de Lousada Planificação anual disciplina de Matemática Ano: 8º Ano lectivo: 01-013 CALENDARIZAÇÃO Nº de aulas de 5 minutos previstas 1 1º Período º Período 3º Período 9 7 DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS

TRANSMISSÃO DE DADOS TRANSMISSÃO DE DADOS Aula 2: Dados e sinais Notas de aula do livro: FOROUZAN, B. A., Comunicação de Dados e Redes de Computadores, MCGraw Hill, 4ª edição Prof. Ulisses Cotta Cavalca

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAPÁ IFAP CÂMPUS MACAPÁ

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAPÁ IFAP CÂMPUS MACAPÁ 13 específica, de segunda-feira a sexta-feira e aos sábados, caso seja necessário para complementação do período letivo e/ou carga horária curricular. Cada aula tem durafao de 50min (cinquenta minutos),

Leia mais

Mineração de dados para a análise e o alerta da ferrugem asiática da soja

Mineração de dados para a análise e o alerta da ferrugem asiática da soja Mineração de dados para a análise e o alerta da ferrugem asiática da soja Guilherme Augusto Silva Megeto 1 Carlos Alberto Alves Meira 2 Stanley Robson de Medeiros Oliveira 2 A ferrugem asiática da soja,

Leia mais

PPM CONTEÚDO. Lógica de programação Programação para manufatura Sistemas supervisorios PROGRAMAÇÃO PARA MANUFATURA 05/03/2009

PPM CONTEÚDO. Lógica de programação Programação para manufatura Sistemas supervisorios PROGRAMAÇÃO PARA MANUFATURA 05/03/2009 PPM PROGRAMAÇÃO PARA MANUFATURA CONTEÚDO Lógica de programação Programação para manufatura Sistemas supervisorios 1 LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Abrangência Introduzir os conceitos básicos relacionados à lógica

Leia mais

Módulo 4 Ajuste de Curvas

Módulo 4 Ajuste de Curvas Módulo 4 Ajuste de Curvas 4.1 Intr odução Em matemática e estatística aplicada existem muitas situações onde conhecemos uma tabela de pontos (x; y), com y obtido experimentalmente e deseja se obter uma

Leia mais

Sala de Estudos FÍSICA Lucas 3 trimestre Ensino Médio 2º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos Leis de Ôhm e Resistores

Sala de Estudos FÍSICA Lucas 3 trimestre Ensino Médio 2º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos Leis de Ôhm e Resistores Sala de Estudos FÍSICA Lucas 3 trimestre Ensino Médio 2º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos Leis de Ôhm e Resistores 1. (Unicamp 2013) O carro elétrico é uma alternativa aos veículos com motor

Leia mais

Sistemas Embebidos I , Tiago Miguel Dias ADEETC - Secção de Arquitecturas e Sistemas Operativos

Sistemas Embebidos I , Tiago Miguel Dias ADEETC - Secção de Arquitecturas e Sistemas Operativos Sistemas Embebidos I Licenciatura em Eng. de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores Mestrado em Engenharia Informática e de Computadores

Leia mais

Professor.: João Carmo SISTEMAS CAD EM DESENHO TÉCNICO

Professor.: João Carmo SISTEMAS CAD EM DESENHO TÉCNICO Professor.: João Carmo SISTEMAS CAD EM DESENHO TÉCNICO INTRODUÇÃO O desenvolvimento da informática tem desempenhado um papel preponderante em todos os domínios da atividade humana, em especial na Engenharia,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA 2012 2013 PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA Curso Profissional de Técnico de Multimédia ELENCO MODULAR A7 Probabilidades 28 A6 Taxa de variação 36 A9 Funções de crescimento

Leia mais

Engenharia de Controle e Automação

Engenharia de Controle e Automação ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 2ª Série Cálculo I Engenharia de Controle e Automação A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

Aula S03: Validação em Análises Ambientais

Aula S03: Validação em Análises Ambientais LABORATÓRIO DE QUÍMICA AMBIENTAL 2º período de 2013 Aula S03: Validação em Análises Ambientais Prof. Rafael Sousa Departamento de Química UFJF www.ufjf.br/baccan NA QUÍMICA (ANALÍTICA) AMBIENTAL... Sonda

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Universidade Federal de Campina Grande Centro de Engenharia Elétrica e Informática Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Introdução à Computação EXERCÍCIOS

Leia mais

Painel para análise de circuitos resistivos CC. (Revisão 00)

Painel para análise de circuitos resistivos CC. (Revisão 00) 1 Painel para análise de circuitos resistivos CC (Revisão 00) 2 Objetivo O painel para análise de circuitos resistivos CC tem por objetivo auxiliar os estudantes do Ensino Médio e do Ensino Superior que

Leia mais

5 ANÁLISE AUTOMÁTICA DE SINAIS DE ECG

5 ANÁLISE AUTOMÁTICA DE SINAIS DE ECG 67 5 ANÁLISE AUTOMÁTICA DE SINAIS DE ECG Nesse capítulo descreve-se o funcionamento do programa desenvolvido, juntamente com seu pré-processamento e resultados obtidos. O algoritmo desenvolvido tem a finalidade

Leia mais

1.2 Roteiro para obter um gráfico de qualidade

1.2 Roteiro para obter um gráfico de qualidade CAPÍTULO 1 Análise Gráfica de Resultados Experimentais Prof. Cláudio Graça, Dep. Física UFSM 1.1 Objetivos encontrar uma função que represente um modelo físico a partir de medidas feitas em laboratório;

Leia mais

4 Uma Linguagem Baseada em Máquinas de Estado 4.1. A Linguagem

4 Uma Linguagem Baseada em Máquinas de Estado 4.1. A Linguagem 4 Uma Linguagem Baseada em Máquinas de Estado 4.1. A Linguagem Acredita-se nesse trabalho que características reativas e fortemente baseadas em modelos tornam necessária a criação de uma linguagem específica

Leia mais

Emergências e Gerenciamento de Riscos

Emergências e Gerenciamento de Riscos CONCURSO PETROBRAS PROFISSIONAL DE MEIO AMBIENTE JÚNIOR ENGENHEIRO(A) DE MEIO AMBIENTE JÚNIOR PROFISSIONAL JÚNIOR - ENG. DE MEIO AMBIENTE Emergências e Gerenciamento de Riscos Questões Resolvidas QUESTÕES

Leia mais

FÍSICA EXPERIMENTAL 3001

FÍSICA EXPERIMENTAL 3001 FÍSICA EXPERIMENTAL 300 EXPERIÊNCIA 6 TRANSFERÊNCIA DE POTÊNCIA. OBJETIVOS.. Objetivo Geral Familiarizar os acadêmicos com fontes de tensão (baterias) na condição de máxima transferência de potência para

Leia mais

Português Língua Estrangeira Área de Integração Educação Física Tec. de Inf. e Comunicação

Português Língua Estrangeira Área de Integração Educação Física Tec. de Inf. e Comunicação TURISMO Conferências Visitas de Estudo O Turismo é o profissional que executa serviços de informação, animação e organização de eventos em empresas de turismo, de reservas em agências de viagens e de receção

Leia mais

CAPÍTULO V 5 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES 5.1 SÍNTESE DO TRABALHO DESENVOLVIDO

CAPÍTULO V 5 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES 5.1 SÍNTESE DO TRABALHO DESENVOLVIDO 182 CAPÍTULO V 5 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES 5.1 SÍNTESE DO TRABALHO DESENVOLVIDO Neste trabalho foi proposta uma metodologia para a automação da resseção espacial de imagens digitais baseada no uso hipóteses

Leia mais

Seja um Guru de Aquisição de Dados. Renan Azevedo Engenheiro de Produto de Teste e Medição Américas National Instruments

Seja um Guru de Aquisição de Dados. Renan Azevedo Engenheiro de Produto de Teste e Medição Américas National Instruments Seja um Guru de Aquisição de Dados Renan Azevedo Engenheiro de Produto de Teste e Medição Américas National Instruments On-demand Dia 06/10/2015 Às 10h Agenda Dia 06/10/2015 Às 14h Dia 07/10/2015 Às 10h

Leia mais

GABARITO PRELIMINAR PROVA OBJETIVA

GABARITO PRELIMINAR PROVA OBJETIVA 1. NÍVEL MÉDIO GABARITO PRELIMINAR PROVA OBJETIVA Aplicação: 28/12/2014 Auxiliar de Enfermagem do Trabalho / Técnico de Segurança do Trabalho ÁREA DE CONHECIMENTO QUESTÕES Língua Portuguesa 1 a 10 Língua

Leia mais

Máquinas de suporte vetorial e sua aplicação na detecção de spam

Máquinas de suporte vetorial e sua aplicação na detecção de spam e sua aplicação na detecção de spam Orientador: Paulo J. S. Silva (IME-USP) Universidade de São Paulo Instituto de Matemática e Estatística Departamento de Ciência da Computação MAC499 Trabalho de Formatura

Leia mais

GBC053 Gerenciamento de Banco de Dados. Plano de Curso e Introdução. Ilmério Reis da Silva UFU/FACOM/BCC

GBC053 Gerenciamento de Banco de Dados. Plano de Curso e Introdução. Ilmério Reis da Silva  UFU/FACOM/BCC GBC053 Gerenciamento de Banco de Dados Plano de Curso e Introdução Ilmério Reis da Silva ilmerio@ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/gbd UFU/FACOM/BCC Plano de Curso Ementa Arquitetura de um Sistema de Gerenciamento

Leia mais

O uso da Teoria dos Grafos no Jogo Icosiano

O uso da Teoria dos Grafos no Jogo Icosiano O uso da Teoria dos Grafos no Jogo Icosiano Leandro Natal Coral 1, Rafael Spilere Marangoni 1, Kristian Madeira 2 1 Acadêmico do curso de Ciência da Computação Unidade Acadêmica de Ciências, Engenharias

Leia mais

Atividades de Treinamento. Convertendo uma entrada analógica para unidade de engenharia. HI Tecnologia Indústria e Comércio Ltda.

Atividades de Treinamento. Convertendo uma entrada analógica para unidade de engenharia. HI Tecnologia Indústria e Comércio Ltda. HI Tecnologia Indústria e Comércio Ltda. Documento de acesso Público EAT.20003 Versão 1.0 24 de Novembro de 2014 Apresentação Este documento foi elaborado pela HI Tecnologia Indústria e Comércio Ltda.

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 60h CH Teórica Formação Básica. CH Prática. 10h. Trabalho Efetivo Discente

PLANO DE ENSINO. 60h CH Teórica Formação Básica. CH Prática. 10h. Trabalho Efetivo Discente PLANO DE ENSINO Escola ENGENHARIA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (EETI) Engenharias: Ambiental; Civil; de Computação; de Petróleo; de Produção; Elétrica; Curso(s) Mecânica; Mecatrônica e Química Disciplina

Leia mais

Vestibular da Faculdade Israelita de Ciências da Saúde Albert Einstein/2016

Vestibular da Faculdade Israelita de Ciências da Saúde Albert Einstein/2016 Candidatos Classificados no curso de Medicina (ME6604) - Ordem de 1013951 3564.580 1 1 ME6604 1010829 3564.440 2 2 ME6604 1007780 3557.390 3 3 ME6604 1007882 3536.620 4 4 ME6604 1013204 3525.310 5 5 ME6604

Leia mais

A palavra ALGORITMO teve origem com um Matemático Persa, al. Khawarizmi. O seu trabalho mais famoso foi Al-jabr walmuquabalah,

A palavra ALGORITMO teve origem com um Matemático Persa, al. Khawarizmi. O seu trabalho mais famoso foi Al-jabr walmuquabalah, A palavra ALGORITMO teve origem com um Matemático Persa, al Khawarizmi. O seu trabalho mais famoso foi Al-jabr walmuquabalah, ou a ciência das Equações que, em última análise suscitaram o desenvolvimento

Leia mais

Busca de imagens baseada no conteúdo: Aplicação em imagens médicas

Busca de imagens baseada no conteúdo: Aplicação em imagens médicas Busca de imagens baseada no conteúdo: Aplicação em imagens médicas Rafael Gessele Orientador: Prof. Dr. Mauro Marcelo Mattos Sumário Introdução Objetivos do trabalho Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 05 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: GARÇA Área Profissional: INDÚSTRIA Habilitação Profissional: TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO EM MECÂNICA

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA -UniCEUB CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO WILLIAN VERRI CARNEIRO MAGALHÃES SISTEMA DE ANÁLISE PARA ELETROCARDIOGRAMA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA -UniCEUB CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO WILLIAN VERRI CARNEIRO MAGALHÃES SISTEMA DE ANÁLISE PARA ELETROCARDIOGRAMA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA -UniCEUB CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO WILLIAN VERRI CARNEIRO MAGALHÃES SISTEMA DE ANÁLISE PARA ELETROCARDIOGRAMA Orientador: Prof. MsC. Francisco Javier De Obaldía

Leia mais

Departamento de Matemática Ano letivo 2016/17 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA O ENSINO BÁSICO Grupo 230 Matemática (2ºciclo)

Departamento de Matemática Ano letivo 2016/17 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA O ENSINO BÁSICO Grupo 230 Matemática (2ºciclo) Departamento de Matemática Ano letivo 2016/17 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA O ENSINO BÁSICO Grupo 230 Matemática (2ºciclo) Objeto de avaliação Itens/Parâmetros Instrumentos Ponderação Conteúdos da Testes

Leia mais

3. Engenharia dos requisitos de software

3. Engenharia dos requisitos de software Renato Cardoso Mesquita Departamento de Eng. Elétrica da UFMG renato@cpdee.ufmg.br Engenharia de Software 3. Engenharia dos requisitos de software.......... 3.1. Visão Geral O fluxo de Requisitos reúne

Leia mais

UNIP Ciência da Computação AES Análise Essencial de Sistemas MER (Modelo Entidade Relacionamento)

UNIP Ciência da Computação AES Análise Essencial de Sistemas MER (Modelo Entidade Relacionamento) MER (Modelo Entidade Relacionamento) O Modelo Entidade Relacionamento é uma ferramenta para modelagem de dados, utilizada durante a modelagem do projeto conceitual de banco de dados. A utilização do MER

Leia mais

Um Método Simples e Eficiente para Detecção de Atividade de Voz Usando a Transformada Wavelet

Um Método Simples e Eficiente para Detecção de Atividade de Voz Usando a Transformada Wavelet Anais do CNMAC v.2 ISSN 984-82X Um Método Simples e Eficiente para de Atividade de Voz Usando a Transformada Wavelet Marco A. Q. Duarte Curso de Matemática, UUC, UEMS 7954-, Cassilândia, MS E-mail: marco@uems.br

Leia mais

PLANO DE ENSINO OBJETIVOS

PLANO DE ENSINO OBJETIVOS Atlas, 2007. MOISÉS, Massaud. A literatura brasileira através dos textos. 19th ed. São Paulo: Cultrix, 1996. SÁ, Jorge de. A Crônica. São Paulo: Editora Ática, 1999. TUFANO, Douglas. Guia prático da nova

Leia mais

Figura 1. Modelo de 1/4 de

Figura 1. Modelo de 1/4 de ESTUDO E SIMULAÇÃO DE CONTROLE DE SUSPENSÃO ATIVA PARA MODELOS DE UM QUARTO DE CARRO E CARRO INTEIRO STUDY AND SIMULATION OF ACTIVE SUSPENSION CONTROLLERS FOR QUARTER-CAR MODELS AND FULL-CAR MODELS Rafael

Leia mais