Seo Chico, um retrato Documentário em longa metragem, 35mm, 2005, 95 min.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Seo Chico, um retrato Documentário em longa metragem, 35mm, 2005, 95 min."

Transcrição

1 Seo Chico, um retrato Documentário em longa metragem, 35mm, 2005, 95 min. produzido e dirigido por José Rafael Mamigonian O olho que vês não é olho porque tu o vês; é olho porque te vê. Antonio Machado ATALAIA FILMES ILHA DE SANTA CATARINA BRASIL

2 SINOPSE O lavrador Francisco Thomaz dos Santos era personagem vivo da história quase extinta dos engenhos de farinha, de cana-de-açúcar e alambiques na Ilha de Santa Catarina, atual Florianópolis, no litoral sul do Brasil. O filme é um testemunho dos encontros dele com a equipe de filmagem, buscando transparecer ao máximo a intensidade emocional dessa experiência, tragicamente interrompida. O PERSONAGEM Bem antes de morrer, Seo Chico já era uma figura folclórica, singular, sendo conhecido muito além dos limites da cidade de Florianópolis. Seu engenho era freqüentado não apenas pelos amigos e fregueses vizinhos mas por inúmeros visitantes vindos às vezes de muito longe que escolhiam a tranqüilidade do Sertão dos Indaiás para se religar ao modo de vida simples, ao ritmo calmo e natural dos tempos idos, comungando com Seo Chico. Descendente direto dos antigos imigrantes açorianos que colonizaram o litoral catarinense há mais de 250 anos, ele era o herdeiro do último engenho tradicional ainda em atividade na região. Encontrar Seo Chico nos dias de hoje equivalia a uma espécie de viagem no tempo. Erguido nas terras que pertenceram à sua família desde o tempo dos seus bisavós, o engenho em atividade há aproximadamente dois séculos ainda mantinha intacta sua estrutura arquitetônica, preservando o modo de funcionamento original, sendo movido à tração animal. Nos últimos anos de sua vida, Seo Chico morava e trabalhava sozinho. Todos os irmãos já tinham se mudado para a cidade há mais de vinte anos e seus pais haviam falecido. Ele procurou mas não encontrou mulher pra casar que agüentasse essa penitência. Não teve filhos. Vendia semanalmente a sua produção de cachaça aos fregueses da região e aos visitantes, com quem chegavam também as notícias. Não poderia ser considerado um eremita. Ao contrario. Adorava encontrar amigos e acolhia visitantes desconhecidos com o mesmo coração aberto. Algo de singular operava quando ele se exprimia. Seo Chico falava com simplicidade e contundência o que pensava, sempre à sua maneira. Não escondia suas emoções. Dizia ter aprendido quase tudo com os antigos. E os louvava sempre Este filme busca, apaixonadamente, render tributo ao seu espírito.

3 RETRATO DE UM FILME Uma experiência radicalmente pessoal por José Rafael Mamigonian Dos encontros casuais com Seo Chico como mero freguês da sua cachaça foi se construindo uma relação de confiança e amizade entre nós que evoluiu para a missão de documentar este ser humano, seu modo de vida e sua história. No começo, eram apenas registros fotográficos do engenho, aprendendo a lidar com sua luz muito especial. Nos altos contrastes dos exteriores, na contra-luz e na penumbra dos interiores, nas texturas e nos relevos daquela paisagem d alma fui educando meu olhar. Cada nova visita ao engenho era uma oportunidade de melhor compreender o mundo de Seo Chico e de sedimentar a certeza de sua singular importância. Depois de dois anos tomei coragem para começar a filmá-lo. Primeiro com equipamento de vídeo amador, em registros que serviram de material-base para o registro profissional. Adotava um método absolutamente intuitivo de apreensão da realidade: muito antes de compreender aquela história, eu precisava simplesmente filmar. Para poder guardar : ver e rever. Aprender como este olhar e este tempo se traduziriam. Ele, por sua vez, mostrou uma disposição imediata em aceitar meu interesse. Percebia minha sinceridade crescente e aproveitava as oportunidades que tinha para deixar o seu recado sempre bem registrado. Para captar melhor cada um desses instantes, a câmera passou a ser um instrumento constante no acompanhamento das minhas tarefas diárias com ele. Ela precisava estar imediatamente à mão, para guardar os momentos que simplesmente não se repetiriam. Da vontade de eternizar melhor Seo Chico, dessa vez em um filme documentário, nasceu o projeto original do que veio a se tornar Seo Chico, um retrato. Graças a um patrocínio inicial do Banco do Estado de Santa Catarina pude engajar uma equipe profissional para filmarmos, como extensão de uma abordagem que eu vinha desenvolvendo de forma absolutamente amadora. Estávamos no outono de 1996 quando demos início à produção. A cargo das imagens do filme, tive a honra de poder contar com dois mestres absolutos do cinema brasileiro, dispensando apresentações: Mário Carneiro e Dib Lutfi. Para o som, convidei o também documentarista João Godoy. Pude também contar com o inestimável apoio de vários profissionais locais: o fotógrafo Charles Cesconetto assessorou e executou toda a elaborada iluminação de Mário Carneiro; Maria Emília de Azevedo assumiu impecavelmente a direção de produção desta filmagem, Fábio Fernandes também assessorava a produção e veio a ser o principal colaborador do projeto até o seu formato atual; e Orlando Baptiston, maquinista-chefe e produtor de set, completando a equipe principal.

4 Elaborei um roteiro de filmagens que se sustentasse como uma série de seqüências tal qual um dia de trabalho de Seo Chico. Documentamos as atividades principais do seu cotidiano, acompanhando-o conforme suas tarefas naqueles dias, tentando manter a naturalidade do seu ritmo de vida. Entretanto, não havia como omitir a presença da equipe em interação com aquele cotidiano. Ao assumir o registro dos bastidores e da relação entre nós e ele, algo diferente parece emergir das conversas. Ao final das filmagens, para mim era nítida a dualidade gerada por registros com características distintas: um olhar é formal, etnográfico e austero; outro é mais físico, despojado, apaixonado. O trabalho de documentação não me parecia inteiramente concluído. Continuei meus registros pessoais, documentando o que viria a ser um momento histórico : a chegada da rede elétrica ao engenho do Chico. Entretanto, o processo de documentação dessa história foi completamente transformado pela trágica notícia do assassinato de Seo Chico, ocorrido três meses após aquelas filmagens. Algo intraduzível se abateu sobre mim: a suspensão de toda e qualquer lógica. Angústia, indignação e frustração perduraram por anos. Entretanto, guardava em meu íntimo o compromisso da missão assumida ao escolher documentá-lo. Uma série de questionamentos sobre o que perduraria desta história, a ponto de torná-la ainda pertinente aliados ao sentimento íntimo da paixão renovada e da revolta pelo não-desfecho das investigações sobre a morte de Seo Chico, nutriram a realização deste filme. Durante a reestruturação do projeto, a ausência de Seo Chico se impunha por completo. Ao ver e rever o material filmado infinitas vezes, solidificava-se a certeza de sua potência emocional. Graças a um edital do Governo do Estado de Santa Catarina para a produção de um longa-metragem esse filme pôde ser concebido e realizado. Após várias pesquisas, novas etapas de filmagem, extensas entrevistas com amigos, parentes e conhecidos, optei por priorizar o vigor que emanava do material filmado com Seo Chico vivo. Escolhi também circunscrever esses momentos à etapa profissional das filmagens e montei eu mesmo o filme que eu conhecia como a palma da minha mão, na confiança de que somente um olhar radicalmente parcial poderia traduzir o tempo emocional necessário para traduzir a eloqüência de Seo Chico sem macular a essência de sua alma.

5 EQUIPE TÉCNICA concepção, produção, montagem e direção José Rafael Mamigonian direção de fotografia Mário Carneiro operação de câmera Dib Lutfi som direto João Godoy edição de Som Eduardo Santos Mendes e João Godoy mixagem Pedro Sérgio print-master José Luis Sasso direção musical Chico Saraiva músicos André Magalhães (percussão), Chico Saraiva (violão) Gabriel Levy (acordeom) Thomas Rohrer (rabecas) imagens adicionais Hélcio Alemão Nagamine José Rafael Mamigonian direção de produção Fábio Fernandes Maria Emília de Azevedo iluminação Charles Cesconetto produtor de set e maquinista Orlando Baptiston finalização Francisco José Mosquera José Rafael Mamigonian

6 ENTREVISTA por Eduardo Socha e Thiago Momm Pereira Como é que você conheceu o engenho? Foi completamente por acaso. Fui convidado por um grande amigo, que me disse: Ouvi falar de um engenho de cana movido a boi, tem um alambique que faz cachaça lá no meio do mato, no Sertão... Era 1992 e eu tava no meio da faculdade de cinema da ECA-USP, em São Paulo. Tinha 19 anos e não conhecia o Sertão. Então tu sai de casa e sobe um morro inteiro a pé, andando por uma trilha ancestral, até chegar mais adiante num pasto lindo, aberto, silencioso. Só os quero-queros... E na descida descobre, escondido, o engenho. E lá encontra duas pessoas vivendo de um modo remoto e te vem a intuição de que são pessoas importantes seo Chico morava, na época, com dona Alaíde, ajudante da casa. Eles pareciam casados, mas na verdade não eram. E como se deu esse primeiro encontro? Eles te abrem a porta pra você entrar. Aí tu entras e enxergas aquele mundo fascinante, aquelas máquinas fabulosas um engenho de farinha, uma moenda, uma prensa. Você se sente atraído pelo lugar, pelas pessoas, tem que registrar aquilo. Alguém tem. Logo eu já estava voltando com uma máquina fotográfica. Aquilo pra mim era um retiro no meio da cidade. Você ia pelo passeio, mas o propósito era maior: o encontro, a conversa, a aprendizagem, e aquele estado suspenso da psique que a pinga te proporcionava... Qual era a produção e o mercado da cachaça do seo Chico? Isso garantia a subsistência dele? A produção dele era algo entre 50 e 100 litros por semana, e as garrafas eram vendidas a 3 reais o litro. O mercado era a vizinhança, mas ia lá gente de tudo quanto é lugar pra comprar. Era basicamente este o ganho dele. A subsistência dele era garantida também pela criação de gado. A família dele já tinha essa estabilidade? No levantamento feito com a população do Sertão em , está anotado que a família do Tomás Martins dos Santos é responsável pela maior produção de farinha da região. Eram agricultores, mas não só de subsistência: o excedente era comercializado nos arredores do Sertão e em todo o sul da Ilha. Principalmente a farinha mas também açúcar, cachaça, laranja, banana, feijão etc. Com a crise desse modo de vida eles não têm mais escoamento pra essa produção, competindo com as indústrias de farinha e também com a cachaça de fora, mais barata. Uma coisa que não fica bem clara no filme era o contato do seo Chico com a comunidade. Ele não saía, não sociabilizava? Saía pra vender a cachaça, comprar mantimentos, visitar os amigos às vezes no Sertão, no Ribeirão. Mas o filme se detém ao cotidiano dele no engenho. Aliás, o lugar era aberto a visitas o tempo todo. Claro que a afluência de pessoas variava, dependia do dia da semana e da condição da estrada, em caso de chuva. Mas sempre existia a possibilidade de alguém chegar. Quando você começou a filmá-lo? Assim que a sinhá Alaíde morre, em janeiro de 1995, eu me preocupo em filmá-lo em vídeo, mas sempre de forma amadora. Ia lá pra ajudar seo Chico nas tarefas dele e levava

7 máquina fotográfica e câmera de vídeo. Assim, desse processo de convívio, amizade e documentação despretensiosa, vai surgindo meu interesse em realizar um documentário em curta-metragem. A verba pra esse curta, como você conseguiu? Os recursos pra filmarmos foram captados junto ao BESC, com o incentivo da Lei Rouanet, num projeto amplo de apoio ao cinema catarinense em Naquele ano o banco apoiou vários projetos: o Ponte Hercílio Luz, do Zeca Pires, o Victor Meirelles, do Penna Filho, entre outros. Assim também foi com o apoio ao Vida e Obra de Seo Chico, que era o título do meu documentário. O aporte do BESC foi de R$ 20 mil, mas o orçamento era de R$ 90 mil. Pois com este aporte parcial dei início às pesquisas técnicas e à pré-produção e já existia a possibilidade de barateamento da filmagem em super-16mm. Quem estava na equipe? Na equipe principal do filme tive a honra de contar com profissionais locais de primeira grandeza, como Maria Emília de Azevedo, Charles Cesconetto, Fábio Fernandes e Orlando Baptiston, entre outros, além dos mestres da imagem Dib Lutfi e Mário Carneiro vindos do Rio de Janeiro, bem como meu ex-professor de som na ECA, parceiro inestimável, João Godoy, vindo de São Paulo. Na primeira entrevista, aparentemente, houve um choque inicial do seo Chico de ter que falar pra câmera. Ele dirige um olhar seco, firme, inquisidor. E aquele silêncio, ao mesmo tempo desconfiado e sem constrangimento, aumenta ainda mais dramaticidade do olhar. Depois a relação fica mais solta. Eu fiz questão de manter na montagem a cronologia da filmagem e as reticências do personagem. A primeira entrevista dele com a equipe foi mesmo aquela no alambique. Ter esse misto de abertura e confiança nos estranhos é característica do morador original da Ilha. O nativo é hospitaleiro, bom, de coração aberto, inicialmente desconfiado, ressabiado, mas franco, sempre franco. A partir do momento em que ele ganha a tua confiança e tu ganhas a confiança dele, quando tu jogas limpo, sem teatro, o laço se estabelece. O que mais me fascina é que, tendo deixado as reticências dessa abordagem, os silêncios dessa conversa, abre-se o fogo pro espectador sobre como se deu essa aproximação. Minha vontade era a de colocar o espectador na mesma condição de visitante em que nós da equipe estávamos. Você pré-roteirizou o filme? Trabalhei sem um roteiro rígido. Não eram as nossas atividades que pautavam seo Chico, e sim o contrário, geralmente. Logo imaginei que o filme devia transcorrer no estilo um dia na vida dele, com imprevistos e com o máximo de naturalidade do verbo e do pensamento livres do Chico. Então acompanhamos mais ou menos livremente as atividades diárias dele. Se ele fosse mudar o boi, lá íamos nós com ele.. Tentávamos estar alertas para o que fosse interessante, dramático para o filme, sem atrasá-lo, mas esse atraso às vezes acontecia. Tentávamos interferir o mínimo, mas nossa própria presença lá já transformava a rotina dele. Passamos a ajudá-lo em algumas das tarefas diárias dele para que ele pudesse também estar mais disponível para o filme. Além disso, havia a necessidade de registrar os processos de produção específicos: moenda de cana e alambicagem para o feitio da cachaça e a lida da farinha a farinhada, que infelizmente não filmamos. E você não suspeitava que às vezes estava influenciando o comportamento dele, eventualmente dizendo seo Chico, fica mais pra lá... e tal? Não tinha receio de perder a autenticidade do retrato?

8 Claro, sempre existia o risco de que estivéssemos, de uma certa forma, ficcionalizando o cotidiano dele. Isso aconteceu em alguns momentos. Mas já no segundo dia de filmagens, percebi que as esperas para filmar eram tão ou mais importantes que o registro principal, da câmera de cinema. Então passo a incorporar os bastidores nos registros do filme, pra isso carregando também constantemente a minha câmera de vídeo-amador. Aí, meu receio passa: Não vamos perder nada. Passam a co-existir os dois materiais. Nenhum é melhor que o outro, tudo está valendo. E você aproveitou esse material dos bastidores? Entrou bastante, até. Entrou a cena da cozinha, dele falando do rango na roça, a conversa com o meu pai, também filmada por mim, assim como a sequência inteira do porre e da foto do pai dele. Desse processo meio planejado e meio intuitivo surge uma respiração nova que não entra em conflito com o filme idealizado, mais parecida até com a cara que o filme deveria ter a de uma obra em processo, mesmo. Mas, claro, boa parte destas reflexões é posterior à filmagem e à morte dele. Em se tratando de um retrato do seo Chico e de seu cotidiano, essa decisão não excluiu traços importantes? Tenho certeza de que o essencial está no filme. Do projeto idealizado pra ser um dia na vida de seo Chico, foi mantida a descrição das atividades fundamentais do cotidiano dele, todo o modo de produção da cachaça, da roça ao pote. Além disso, há um importante inventário de suas lembranças familiares, de seu modo de pensar, do seu humor da sua espiritualidade, enfim. Penso que o essencial era mostrar como vivia e o que pensava este homem, bem como discutir a tragédia ocorrida com ele. Uma tragédia que transborda os limites do Sertão dos Indaiás e de Florianópolis, pra ganhar notoriedade em todo estado e provocar a comoção de toda comunidade catarinense. Ele já era uma figura conhecida antes do filme? Era. Seo Chico era conhecido pela comunidade toda. O pessoal todo do sul da ilha o conhecia e várias pessoas de toda a cidade freqüentavam o engenho. Mas claro, ele passa a ter esta trágica notoriedade após o assassinato. Quando você fica sabendo que o seo Chico morreu? Na manhã do sábado, 21 de setembro de 1996, uma irmã dele me liga e diz que ele está desaparecido. Na verdade, ele estava morto dentro do engenho. Quando cheguei lá, meiodia, tinha umas quinze pessoas e a polícia militar também já tinha chegado. Os peritos haviam sido chamados. Ele morreu com um corte no pescoço e com tiros nas costas e nos ouvidos. Sem a morte dele, a tua história seria menos impactante? Talvez. Pensando no projeto original, eu imaginava já um certo impacto pela escolha do personagem, um sábio alheio à urbe, pelo que há de político e de poético nisso. Mas é difícil imaginar quais outros condicionantes estariam agindo sobre a concepção do filme. A morte se sobrepõe a tudo: uma dimensão trágica invadiu não só o filme, mas transformou meu próprio processo existencial. Algo absolutamente intraduzível. Fiquei anos sem conseguir abordar este material. O filme não explora os motivos da morte dele. Na tela, pelo menos, você se isenta de uma investigação mais apurada.

9 Ninguém sabe os reais motivos da morte dele. Ao longo das filmagens tentei iluminar vários aspectos do personagem e da polêmica, mas não cabia a mim o papel da polícia. Escolhi não fazer do filme um filme investigativo, porque eu acreditava que a essência deveria ser a de homenagear seo Chico em vida. Não quis explorar, fazer sensacionalismo. Lamento informar que não tenho a verdade sobre o assassinato tudo que eu sei está no filme. Além disso, avaliei que não devia colocar informações que induzissem o espectador a uma sentença. Existe um acusado que está sendo julgado por um crime que ele pode ou não ter cometido. Quem sou eu pra incriminá-lo? Não posso. O que fiz foi apresentar no filme informações, fatos concretos e com o máximo de correção. Tive como base os laudos da investigação policial. São informações públicas. Mas o que permanece talvez seja a indignação com a forma pela qual o caso foi conduzido pelo poder público. Sem apontar culpados pela omissão, o fato é que a justiça, para pessoas como seo Chico, tem sido bastante lenta e omissa. Mudando de assunto, eu queria que você falasse da trilha-sonora. O tema principal do filme é composto pelo meu compadre Chico Saraiva, violonista de mão cheia. Estudamos juntos por toda a adolescência, sempre mantivemos uma estreita amizade. Sabendo que um dia haveria de ser feito este longa, ele concebeu o tema central deste filme. Chama-se Primeiro de Janeiro. É o tema da moenda, que depois volta em violão-solo no dia seguinte. É um tema muito bonito. Um tema lindo, lírico. Ele dá uma consistência ao clima emocional que eu imaginava pro filme, toda trilha tem uma cadência discreta mas sempre emotiva. Sei que hoje há certa unanimidade na crítica quanto ao uso da música em documentários: há uma espécie de doutrina que desestimula e até condena o uso de música: você não deve usá-la porque isso direcionaria demais a emoção do espectador, e o espectador deve ter sua própria leitura. Como se a função do autor não fosse exatamente a de saber dosar as medidas em que cada um dos elementos deve interagir para alcançar um efeito dramático. O mesmo acontece neste filme pela falta de música: há longas seqüências sem música propositalmente pesadas. Fala-se do não-uso da música como uma forma de purismo. Mas várias músicas me acompanharam durante o processo todo, de concepção e convivência com o filme... Temas que eu tinha certeza de que tinham ligação direta com esta vivência. Um deles, especialmente, deliberadamente e propositalmente foi mantido e anuncia a abertura do filme. É Seis horas da tarde do Milton Nascimento. Nessa abertura, o olhar do seo Chico é muito penetrante. Ele tem uma expressão que cativa. E aquele olho fala muito. Revela bastante coisa da personalidade dele. Sabe qual é a matriz daquele olho? Aquele era um teste de câmera no engenho do Chico antes da filmagem principal, mas já com película de cinema. A gente estava testando a luz daquela penumbra, aqueles contrastes interior-exterior com as diferentes emulsões. E com seo Chico parado na porta em frente à moenda. O Dib Lutfi, ao terminar o plano, fecha o zoom no olho direito dele e logo desliga a câmera. Restaram do olho apenas 46 fotogramas úteis. Nós retrabalhamos digitalmente, fazendo um loop e alterando gradualmente a velocidade da imagem pra criar novos movimentos até voltar a revelar o rosto, agora em zoom out. As pessoas têm, hoje, uma carga audiovisual muito forte. É um público já acostumado à estética do corte rápido, de tipo publicitário, televisivo, e que diz por favor, me entretenha, me dê uma história sem planos longos, sem digressões, etc.. Numa cena como essa, você quebra essa regra.

10 Aí está. São escolhas criativas. A forma que eu escolhi para articular micro e macro estruturalmente o filme é a que eu julgava necessária a partir dos elementos que eu tinha nas mãos. Está tudo integrado: forma, conteúdo e sentimentos. Partindo de elementos mínimos. Uma curiosidade: o BESC foi um dos patrocinadores do filme. Isso tem alguma relação com o fato de que o seo Chico aparece constantemente com o boné do banco? No dia que chegamos lá pra filmar, ele estava usando um boné do BESC. Eu nunca visto ele com aquele boné. É a logomarca antiga do banco, um boné velho. Então pensei: o BESC está financiando o filme, bem que eu podia incorporar esse acaso do destino... E deixei. Assim que ele morre, eu olhava pras filmagens e só via o boné. Confesso que nunca me arrependi tanto. Fica plasmado na imagem dele pra sempre. Então seo Chico em cinema está eternizado praticamente só com o boné do BESC. Mas, com o passar dos anos, aceita-se o inelutável e eu hoje não me arrependo. E nem vejo tanto mais como um demérito, uma vez que o BESC é um banco importantíssimo pro estado de Santa Catarina. Há uma confiança da população no banco, que reflete numa questão de auto-estima catarinense também. Esse não é um discurso chapa-branca, não. Mas enfim, do ponto de vista da direção de arte foi um descuido. E diga-se de passagem: quase nem se parece com os merchandisings abomináveis do que se usou chamar cinema de investidor feito no Brasil nas últimas décadas. O filme foi produzido com recursos de um edital público estadual, o Prêmio Cinemateca Catarinense/Fundação Catarinense de Cultura. Pelo edital, você tinha que entregar o filme em......um ano, prazo prorrogável por mais seis meses. Houve uma inquietação que começou a partir do momento em que eu não entrego o filme. Meu argumento principal era que o prazo foi muito curto. E era mesmo, todos concordam. Justifiquei isso pra comissão que acompanha os editais. Eu devia entregar o filme em outubro de 2003 e entreguei em outubro de O fato é que o fui às instâncias responsáveis do Governo do Estado para buscar que se acertasse um novo prazo e consegui, pelas vias legais. O prazo médio pra realização de um longa no Brasil é dois anos e meio. E foi exatamente este tempo que levou para o meu filme ser concluído. Mas o fato de já ter parte do material filmado não deveria acelerar o processo? Em tese. Acontece que esta foi uma escolha efetuada, posteriormente, ao longo da montagem. Minha responsabilidade como diretor deste projeto foi aprofundar o conhecimento de uma determinada realidade. E foi o que eu fiz: fizemos uma pesquisa extensa, fomos ao Sertão, ao Ribeirão, captamos o depoimento de uma série de pessoas, além de grande parte dos familiares de seo Chico. Duas etapas de filmagem em épocas diferentes, com transcrição completa e montagem entre as etapas. Uma quantidade monumental de material filmado que levou bastante tempo para ser organizado. No momento em que estabeleço uma estrutura-mestre para o filme, fica claro que o peso emocional principal deve caber ao material com ele vivo. O material pós-morte, as entrevistas, eram interessantes, profundas, mas só se encaixariam dentro de outra estrutura. Eram relatos plurais, fortes, interessantíssimos, mas eram discursos autônomos. Incorporar todos os personagens tornaria este filme longo demais para ser exibido nos cinemas. Daí a idéia de concentrar a narrativa na convivência com seo Chico vivo, em um núcleo emocional e estilístico sólido, unificado. Mesmo no pós-morte. Nessas escolhas não pesaram as cobranças externas eu me cobrava mais do qualquer um ao longo da realização do filme. Qual a responsabilidade implícita e explícita de ganhar o edital de 2001?

11 Meu compromisso com o Governo do Estado é o de entregar o filme. Minha responsabilidade era a de fazer um filme de qualidade, digno e honesto com meus princípios e com o legado que me foi confiado por seo Chico. Mas guardo comigo uma responsabilidade íntima, que é a de contribuir para a construção de uma cinematografia local, por se tratar de um prêmio catarinense, aliado a um fundamental resgate de um personagem singular, à margem da história oficial. Do ponto de vista econômico, não existe nenhuma cobrança quanto ao desempenho do filme, mas estamos trabalhando para que ele seja veiculado da melhor maneira, valorizando a qualidade desta exibição ao público. Nas exibições-teste, o que você tem ouvido? Basicamente, coisas boas. Percebi que o filme realmente emociona. Deixou algumas pessoas com lágrimas nos olhos, tanto amigos como pessoas menos próximas. Isso pra mim é uma novidade, entende? Depois de tanto tempo trabalhando quieto e solitariamente, tocar efetivamente o público é algo realmente gratificante. E até que ponto você acha que este filme é um retrato da ilha? No sentido em que você tem neste filme um retrato de um dos habitantes emblemáticos da ilha, é um documento raro e singular por si só. Ao ter escolhido retratar um personagem com sua complexidade, em seu habitat, creio ter criado um retrato muito simples, mas bastante fiel à essência deste personagem. Mesmo que seo Chico seja hoje um personagem extinto, ele evoca um sentimento de nostalgia muito particular. E por projeção afetiva uma elevação da auto-estima dos habitantes locais em verem um homem simples alçado à importância que sempre devia ter tido... Mas trata-se ao mesmo tempo de um retrato muito particular em parte idílico, depois radicalmente pessoal da minha parte. O fato é que a escolha deste personagem partiu de uma paixão e creio ter conseguido transmití-la no filme. Agora: o discurso de seo Chico e do seu drama de vida, todos poderão ver, são universais. [setembro de 2005] A versão integral desta entrevista, assim como outras informações adicionais estão disponíveis no website do filme:

12 BREVE BIOGRAFIA José Rafael Mamigonian é paulista, mas reside em Florianópolis desde a infância. Graduou-se em Cinema na ECA-USP em Neste ano, retorna a Florianópolis para empreender a documentação audiovisual sistemática do engenho do Chico, trabalho que originou dois filmes: um curta e este longa. Colaborou em diversas produções independentes como fotógrafo, montador e operador de câmera. Atualmente apresenta o longa em festivais de cinema e trabalha pela distribuição comercial do filme "Seo Chico, um retrato". Filmografia principal: Artigo 25 de Marcos Fábio Katudjian (CM, 35mm, 17 min, SP, 1995) Fotografia e montagem. Seo Chico, Terra e Alma de J.R. Mamigonian (CM, 35mm, 11 min, SC, 1997) Fotografia, montagem, produção e direção Ano Novo de Marcos Fábio Katudjian (CM, 35mm, 21 min, SP, 1999) Montagem e colaboração no roteiro Babilônia 2000 de Eduardo Coutinho (LM, 35mm, 80 min, RJ, 2000) Operador de câmera Roda dos Expostos de Maria Emília Azevedo (CM, 35mm, 20 min, SC, 2001) Assistência de direção, montagem e finalização PRÊMIOS Seo Chico, um retrato recebeu o Prêmio de Melhor Fotografia no XV Cine Ceará 2005 (para Mário Carneiro e Dib Lutfi, com fotografia adicional de Hélcio Nagamine e José Rafael Mamigonian). Este filme foi agraciado também com o respeitado Prêmio Especial do Júri do 9 o forumdoc.bh.2005 Fórum Internacional de Documentários de Belo Horizonte. O longa participou também da 29 a Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. CONTATO: ATALAIA FILMES JOSÉ RAFAEL MAMIGONIAN ENDEREÇO: Av. Rubens de Arruda Ramos, 2192 / apto CEP: Centro Florianópolis-SC BRASIL TELEFAX: S: WEBSITE DO FILME:

UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL

UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Existem infinitas maneiras de organizar, produzir e finalizar uma obra audiovisual. Cada pessoa ou produtora trabalha da sua maneira a partir de diversos fatores:

Leia mais

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Prof. Dr. Cássio Tomaim Departamento de Ciências da Comunicação Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)/Cesnors Adaptação: Prof. Claudio Luiz Fernandes

Leia mais

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 1 Criando um vídeo

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 1 Criando um vídeo Produzindo e divulgando fotos e vídeos Aula 1 Criando um vídeo Objetivos 1 Conhecer um pouco da história dos filmes. 2 Identificar a importância de um planejamento. 3 Entender como criar um roteiro. 4

Leia mais

O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões

O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões Nosso entrevistado é o Prof. Dr. Rogério da Costa, da PUC-SP. A partir de um consistente referencial teórico-filosófico, mas em uma linguagem simples,

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

Cao Guimarães: "Não conseguir ficar sozinho é a maior solidão i

Cao Guimarães: Não conseguir ficar sozinho é a maior solidão i Cao Guimarães: "Não conseguir ficar sozinho é a maior solidão i O cineasta mineiro Cao Guimarães, 41, terá seu filme mais recente "Andarilho" (2006) exibido pela primeira vez na Quinzena de Realizadores,

Leia mais

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido.

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Assim que ela entrou, eu era qual um menino, tão alegre. bilhete, eu não estaria aqui. Demorei a vida toda para encontrá-lo. Se não fosse o

Leia mais

Testemunha 4. Sinopse. Apresentação. Rio de Janeiro, Brasil 2011 documentário 70 min HD cor

Testemunha 4. Sinopse. Apresentação. Rio de Janeiro, Brasil 2011 documentário 70 min HD cor Testemunha 4 Rio de Janeiro, Brasil 2011 documentário 70 min HD cor Sinopse Uma personagem, uma atriz e o passar das horas em um interrogatório do Holocausto. Apresentação O documentário acompanha a trajetória

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

A essa altura, você deve estar se perguntando qual é a diferença entre cinema e vídeo, audiovisual e multimídia, não é mesmo?

A essa altura, você deve estar se perguntando qual é a diferença entre cinema e vídeo, audiovisual e multimídia, não é mesmo? Pré-Vestibular Social Grupo SOA Suporte à Orientação Acadêmica Ela faz cinema Ela faz cinema Ela é demais (Chico Buarque) CINEMA Chegou o momento de escolher um curso. Diante de tantas carreiras e faculdades

Leia mais

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté 1 Conteúdo TIPOS DE PLANOS... 3 PLANO GERAL... 3 PLANO MÉDIO... 3 PLANO AMERICANO... 4 PRIMEIRO PLANO OU CLOSE-UP... 4 PRIMEIRÍSSIMO PLANO... 4 MOVIMENTOS DE CÂMERA... 5 PANORÂMICAS - PANS... 5 PANORÂMICA

Leia mais

Filmes com muitas vontades

Filmes com muitas vontades Filmes com muitas vontades Clarisse Alvarenga Desde a década de 1970, vêm sendo empreendidas algumas tentativas ainda autorais e incipientes, partindo de cineastas brasileiros, como Andrea Tonacci e Aluysio

Leia mais

II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL

II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL O FEST CURT CELU Guia Curta Fácil 2 A câmera de cinema funciona como se fosse uma máquina fotográfica que dispara milhares de foto em um espaço muito

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

Eu, Você, Todos Pela Educação

Eu, Você, Todos Pela Educação Eu, Você, Todos Pela Educação Um domingo de outono típico em casa: eu, meu marido, nosso filho e meus pais nos visitando para almoçar. Já no final da manhã estava na sala lendo um livro para tentar relaxar

Leia mais

Qual o Sentido do Natal?

Qual o Sentido do Natal? Qual o Sentido do Natal? Por Sulamita Ricardo Personagens: José- Maria- Rei1- Rei2- Rei3- Pastor 1- Pastor 2- Pastor 3-1ª Cena Uma música de natal toca Os personagens entram. Primeiro entram José e Maria

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia O livro Vanderney Lopes da Gama 1 Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia enfurnado em seu apartamento moderno na zona sul do Rio de Janeiro em busca de criar ou

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

MATERIAL DE APOIO OFICINA EVANGELISMO PESSOAL MIN. FILIPE ARAÚJO

MATERIAL DE APOIO OFICINA EVANGELISMO PESSOAL MIN. FILIPE ARAÚJO MATERIAL DE APOIO OFICINA EVANGELISMO PESSOAL MIN. FILIPE ARAÚJO DO CONCEITO PARA PRATICA E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É-me dado todo o poder no céu e na terra. Portanto ide, fazei discípulos

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

Você já teve a experiência de enviar um email e, em pouco tempo, ver pedidos de orçamento e vendas sendo concretizadas?

Você já teve a experiência de enviar um email e, em pouco tempo, ver pedidos de orçamento e vendas sendo concretizadas? 2 Você já teve a experiência de enviar um email e, em pouco tempo, ver pedidos de orçamento e vendas sendo concretizadas? É SOBRE ISSO QUE VOU FALAR NESTE TEXTO. A maioria das empresas e profissionais

Leia mais

Passo a passo para fazer um bom vídeo. 1. Escolher a história

Passo a passo para fazer um bom vídeo. 1. Escolher a história Passo a passo para fazer um bom vídeo 1. Escolher a história Os vídeos devem relatar histórias verídicas de cidadania vivida em função da correta aplicação das normas previstas no Estatuto da Criança e

Leia mais

Vamos explorar temas como:

Vamos explorar temas como: Esse curso tem o objetivo de aprofundar a prática e o estudo de desenho no formato cartoon para utilização em registros visuais, facilitação gráfica, ilustração e outras aplicações. Ao longo desses 2 meses

Leia mais

Lembro-me do segredo que ela prometeu me contar. - Olha, eu vou contar, mas é segredo! Não conte para ninguém. Se você contar eu vou ficar de mal.

Lembro-me do segredo que ela prometeu me contar. - Olha, eu vou contar, mas é segredo! Não conte para ninguém. Se você contar eu vou ficar de mal. -...eu nem te conto! - Conta, vai, conta! - Está bem! Mas você promete não contar para mais ninguém? - Prometo. Juro que não conto! Se eu contar quero morrer sequinha na mesma hora... - Não precisa exagerar!

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO

ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO Eixo Temático 2 - Pesquisa e Práticas Educacionais Autora: Beatriz de Oliveira Abuchaim Orientadora: Maria Malta

Leia mais

Entrevistado: Data da Entrevista: Entrevista: 1- Como você percebe o processo de criação de marcas?

Entrevistado: Data da Entrevista: Entrevista: 1- Como você percebe o processo de criação de marcas? Entrevistado: Guto Lacaz Data da Entrevista: 19 de Julho de 2011 Entrevista: Pessoalmente Formado em Arquitetura pela Faculdade de Arquitetura de São José dos Campos, faculdade onde também realizou cursos

Leia mais

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO 83 Relato de experiência A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO Vânia Mesquita 1 Resumo: O presente relato busca introduzir a discussão sobre o filosofar em sala de aula como uma importante possibilidade

Leia mais

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 1 a Edição Editora Sumário Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9 Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15 Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 Santos, Hugo Moreira, 1976-7 Motivos para fazer

Leia mais

Vinho Novo Viver de Verdade

Vinho Novo Viver de Verdade Vinho Novo Viver de Verdade 1 - FILHOS DE DEUS - BR-LR5-11-00023 LUIZ CARLOS CARDOSO QUERO SUBIR AO MONTE DO SENHOR QUERO PERMANECER NO SANTO LUGAR QUERO LEVAR A ARCA DA ADORAÇÃO QUERO HABITAR NA CASA

Leia mais

Vinheta Sala de Cinema 1. Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM

Vinheta Sala de Cinema 1. Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM Vinheta Sala de Cinema 1 Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM RESUMO Esse trabalho surgiu a partir das atividades de um projeto de extensão (Pibex)

Leia mais

Lista de Diálogo - Cine Camelô

Lista de Diálogo - Cine Camelô Lista de Diálogo - Cine Camelô Oi amor... tudo bem? Você falou que vinha. É, eu tô aqui esperando. Ah tá, mas você vai vir? Então tá bom vou esperar aqui. Tá bom? Que surpresa boa. Oh mano. Aguá! Bolha!

Leia mais

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno.

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno. Meu lugar,minha história. Cena 01- Exterior- Na rua /Dia Eduardo desce do ônibus com sua mala. Vai em direção a Rose que está parada. Olá, meu nome é Rose sou a guia o ajudara no seu projeto de história.

Leia mais

1. O LOCAL, O DISPONÍVEL E O REAL

1. O LOCAL, O DISPONÍVEL E O REAL 1. O LOCAL, O DISPONÍVEL E O REAL O Serta chegou a esta proposta depois de 6 anos de tentativa de capacitar agricultores para a compreensão e prática de uma agricultura mais natural e orgânica. Isso sem

Leia mais

UM RETRATO DAS CIDADES DE MENOS DE 100 MIL HABITANTES DO BRASIL

UM RETRATO DAS CIDADES DE MENOS DE 100 MIL HABITANTES DO BRASIL A P R E S E N T A M UM RETRATO DAS CIDADES DE MENOS DE 100 MIL HABITANTES DO BRASIL POR QUE FAZER ESSA PESQUISA? PELA RELEVÂNCIA QUE ESSES PEQUENOS MUNICÍPIOS TÊM. 95% Dos municípios brasileiros têm menos

Leia mais

Conte-me sobre você!

Conte-me sobre você! Reunião Cultural Data: 22/09/2006 Petiana: Monique Koerich Simas Conte-me sobre você! Ao chegar em algum lugar onde não conhecemos ninguém, nos sentimos solitários. Chegar, por exemplo, numa festa, num

Leia mais

Iniciação à PNL. www.cursosbrasil.com.br. Produção. Parte 2. Jimmy L. Mello. www.brasilpnl.com.br. www.brasilpnl.com.br

Iniciação à PNL. www.cursosbrasil.com.br. Produção. Parte 2. Jimmy L. Mello. www.brasilpnl.com.br. www.brasilpnl.com.br Serie: Cursos Profissionalizantes Brasil PNL Formação em "Programação neurolingüística" (PNL) Curso Gratuito Produção www.cursosbrasil.com.br Iniciação à PNL Parte 2 Jimmy L. Mello Distribuição gratuita

Leia mais

NÃO DEIXE ESSE FUTURO ACONTECER¹

NÃO DEIXE ESSE FUTURO ACONTECER¹ NÃO DEIXE ESSE FUTURO ACONTECER¹ Carla MAIA² Angélica NAVARRO Carla GRELLA Hugo KLEMAR Rafael LIMA Daniel LADEIRA Faculdades Integradas Rio Branco, São Paulo, SP RESUMO Este projeto é a realização de uma

Leia mais

CD: Ao Sentir. Alencastro e Patrícia. 1- Ao Sentir Jairinho. Ao sentir o mundo ao meu redor. Nada vi que pudesse ser real

CD: Ao Sentir. Alencastro e Patrícia. 1- Ao Sentir Jairinho. Ao sentir o mundo ao meu redor. Nada vi que pudesse ser real Alencastro e Patrícia CD: Ao Sentir 1- Ao Sentir Jairinho Ao sentir o mundo ao meu redor Nada vi que pudesse ser real Percebi que todos buscam paz porém em vão Pois naquilo que procuram, não há solução,

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB.

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. Cinema como ferramenta de aprendizagem¹ Angélica Moura CORDEIRO² Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. RESUMO Este artigo pronuncia o projeto Criancine que

Leia mais

Pronac Nº 1111032 Você em Cenna é um concurso cultural que irá eleger atores e atrizes amadores de todo o país, que enviarão vídeos de suas performances para votação popular e de júri especializado. Os

Leia mais

ENTREVISTA CONCEDIDA AO ESCRITOR FLÁVIO IZHAKI Realizada em 21.VII.08 A PROPÓSITO DE RETRATO DESNATURAL (diários 2004 a 2007) Evando Nascimento

ENTREVISTA CONCEDIDA AO ESCRITOR FLÁVIO IZHAKI Realizada em 21.VII.08 A PROPÓSITO DE RETRATO DESNATURAL (diários 2004 a 2007) Evando Nascimento ENTREVISTA CONCEDIDA AO ESCRITOR FLÁVIO IZHAKI Realizada em 21.VII.08 A PROPÓSITO DE RETRATO DESNATURAL (diários 2004 a 2007) Evando Nascimento Renomado professor universitário, autor de títulos de não

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

Mais do que ter devoção a Maria, precisamos imitá-la. (Raniero Cantalamessa)

Mais do que ter devoção a Maria, precisamos imitá-la. (Raniero Cantalamessa) O coordenador nacional do Ministério de Música e Artes, Juninho Cassimiro, dá continuidade às cartas aos artistas de toda a RCC do Brasil. No artigo anterior, a reflexão foi sobre a humildade Aos moldes

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Escola Municipal de Ensino Fundamental David Canabarro Florianópolis, 3892 Mathias Velho/Canoas Fone: 34561876/emef.davidcanabarro@gmail.com DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nome: Stefani do Prado Guimarães Ano

Leia mais

MEMPORIAS DOS APOSENTADOS JOSÉ CARLOS ORTIZ PROMOTOR DE JUSTIÇA APOSENTADO ENTRÂNCIA ESPECIAL INÍCIO E SAÍDA DO MPSP: 01/12/1978 A 08/08/1997

MEMPORIAS DOS APOSENTADOS JOSÉ CARLOS ORTIZ PROMOTOR DE JUSTIÇA APOSENTADO ENTRÂNCIA ESPECIAL INÍCIO E SAÍDA DO MPSP: 01/12/1978 A 08/08/1997 MEMPORIAS DOS APOSENTADOS JOSÉ CARLOS ORTIZ PROMOTOR DE JUSTIÇA APOSENTADO ENTRÂNCIA ESPECIAL INÍCIO E SAÍDA DO MPSP: 01/12/1978 A 08/08/1997 APMP: Como surgiu a ideia de prestar concurso para o MP? Desde

Leia mais

A grande farsa da evolução do processo de gestão empresarial

A grande farsa da evolução do processo de gestão empresarial A grande farsa da evolução do processo de gestão empresarial Começo minha reflexão de hoje pensando um pouco na história da Administração, nos princípios de gestão e formas como as empresas hoje são geridas.

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

Projeto Internos: a fotografia no hospital

Projeto Internos: a fotografia no hospital CRIAÇÃO Projeto Internos: a fotografia no hospital Haná Vaisman É impossível ficar três meses lidando com uma pessoa todo dia e falar que ela é só paciente e você só médico. Você acaba tendo preocupações

Leia mais

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor capítulo um Belo reparo Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas preciosas com ouro. O resultado é uma peça que nitidamente foi quebrada,

Leia mais

Freelapro. Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo

Freelapro. Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo Palestrante: Pedro Quintanilha Freelapro Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo Quem sou eu? Eu me tornei um freelancer

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

Quando vi Fátima pela primeira vez

Quando vi Fátima pela primeira vez ... Quando vi Fátima pela primeira vez Texto de Fernando Ben, falando resumidamente sobre sua experiência nos primeiros encontros mediúnicos com Fátima. As religiões são janelas para ver o céu. Você pode

Leia mais

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1 Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG RESUMO Como forma de estimular a criatividade

Leia mais

Projeto ESCOLA SEM DROGAS. Interpretando o texto Por trás das letras. Nome: Escola: Série: Título: Autor:

Projeto ESCOLA SEM DROGAS. Interpretando o texto Por trás das letras. Nome: Escola: Série: Título: Autor: Projeto ESCOLA SEM DROGAS Interpretando o texto Por trás das letras Nome: Escola: Série: Título: Autor: O que a capa do livro expressa para você? Capitulo 1 - Floresta Amazônia Por que a autora faz uma

Leia mais

Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça?

Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça? Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça? Caro amigo (a) Se sua empresa está sofrendo com a falta de clientes dispostos a comprar os

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 108 Solenidade de Entrega do 7a Prémio

Leia mais

BOLA NA CESTA. Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares

BOLA NA CESTA. Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares BOLA NA CESTA Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares 25/04/2012 SINOPSE Essa é a história de Marlon Almeida. Um adolescente que tem um pai envolvido com a criminalidade. Sua salvação está no esporte.

Leia mais

JANELA SOBRE O SONHO

JANELA SOBRE O SONHO JANELA SOBRE O SONHO um roteiro de Rodrigo Robleño Copyright by Rodrigo Robleño Todos os direitos reservados E-mail: rodrigo@robleno.eu PERSONAGENS (Por ordem de aparição) Alice (já idosa). Alice menina(com

Leia mais

Evolução Filmes e Processo Multiartes Grafo Audiovisual, Par ou Ímpar e Off Beat apresentam

Evolução Filmes e Processo Multiartes Grafo Audiovisual, Par ou Ímpar e Off Beat apresentam Evolução Filmes e Processo Multiartes Grafo Audiovisual, Par ou Ímpar e Off Beat apresentam direção_adriano Esturilho e Fábio Allon Longa-metragem digital de ficção contemplado pelo Prêmio Estadual de

Leia mais

Cadê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Cinema; curta-metragem; ficção; roteiro; visão.

Cadê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Cinema; curta-metragem; ficção; roteiro; visão. Cadê? 1 Mirielle Katarine do Nascimento CAHUHY 2 Claudilma Marques Mendes da SILVA 3 Karen Alves de LIMA 4 Sara Raquel REIS 5 Anaelson Leandro de SOUSA 6 Universidade do Estado da Bahia, Juazeiro, BA RESUMO

Leia mais

Mestres 1 RESUMO. 4. Palavras-chave: Comunicação; audiovisual; documentário. 1 INTRODUÇÃO

Mestres 1 RESUMO. 4. Palavras-chave: Comunicação; audiovisual; documentário. 1 INTRODUÇÃO Mestres 1 Tiago Fernandes 2 Marcelo de Miranda Noms 3 Mariane Freitas 4 Tatiane Moura 5 Felipe Valli 6 Bruno Moura 7 Roberto Salatino 8 Conrado Langer 9 Prof. Msc. Luciana Kraemer 10 Centro Universitário

Leia mais

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956).

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956). 1. INTRODUÇÃO 1.1. MINHA RELAÇÃO COM A FOTOGRAFIA Meu pai tinha uma câmara fotográfica. Ele não era fotógrafo profissional, apenas gostava de fotografar a família e os amigos (vide Foto 1). Nunca estudou

Leia mais

PROJETO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO RELATÓRIO FINAL Aurélio Augusto de Oliveira Araújo Universidade Estadual de Campinas UNICAMP

PROJETO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO RELATÓRIO FINAL Aurélio Augusto de Oliveira Araújo Universidade Estadual de Campinas UNICAMP PROJETO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO RELATÓRIO FINAL Aurélio Augusto de Oliveira Araújo Universidade Estadual de Campinas UNICAMP Proposta de Desenvolvimento de Produto Sob orientação do Prof. José Armando

Leia mais

Uma carta e algumas lembranças

Uma carta e algumas lembranças Uma carta e algumas lembranças Olá, amigos e amigas. Pode ser que alguns de vocês não me conheçam muito bem. Gostaria de me apresentar e falar um pouco sobre mim. Para isso vou ter que contar algumas pequenas

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Marlon (Espírito) Psicofonia compilada por Maria José Gontijo Revisão Filipe Alex da Silva

Marlon (Espírito) Psicofonia compilada por Maria José Gontijo Revisão Filipe Alex da Silva Comunicação Espiritual J. C. P. Novembro de 2009 Marlon (Espírito) Psicofonia compilada por Maria José Gontijo Revisão Filipe Alex da Silva Resumo: Trata-se de uma comunicação pessoal de um amigo do grupo

Leia mais

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01 Janeiro de 1995, quinta feira. Em roupão e de cigarro apagado nos dedos, sentei me à mesa do pequeno almoço onde já estava a minha mulher com a Sylvie e o António que tinham chegado na véspera a Portugal.

Leia mais

Roteiro para curta-metragem. Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM

Roteiro para curta-metragem. Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM Roteiro para curta-metragem Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM SINOPSE José é viciado em drogas tornando sua mãe infeliz. O vício torna José violento, até que

Leia mais

FILME JANELA DA ALMA REVISITADO UMA CONVERSA

FILME JANELA DA ALMA REVISITADO UMA CONVERSA DOI:10.20287/doc.d18.dt16 FILME JANELA DA ALMA REVISITADO UMA CONVERSA COM O DIRETOR JOÃO JARDIM Dago Schelin Há dois anos comecei meu doutorado na Philipps-Universitat Marburg aqui na Alemanha. Minha

Leia mais

"ATIROU PARA MATAR" Um roteiro de. Nuno Balducci (6º TRATAMENTO)

ATIROU PARA MATAR Um roteiro de. Nuno Balducci (6º TRATAMENTO) "ATIROU PARA MATAR" Um roteiro de Nuno Balducci (6º TRATAMENTO) Copyright 2013 de Nuno Balducci Todos os direitos reservados. balducci.vu@gmail.com (82) 96669831 1 INT. DIA. LANCHONETE CHINESA Uma GAROTA

Leia mais

Geração Graças Peça: Os Cofrinhos

Geração Graças Peça: Os Cofrinhos Geração Graças Peça: Os Cofrinhos Autora: Tell Aragão Personagens: Voz - não aparece mendigo/pessoa Nervosa/Ladrão faz os três personagens Menina 1 Menina 2 Voz: Era uma vez, duas irmãs que ganharam dois

Leia mais

coleção Conversas #26 Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #26 Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. Saí da prisão volto coleção Conversas #26 - setembro 2015 - e estou ou não desempregado, para o crime? Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS, da

Leia mais

ebook Aprenda como aumentar o poder de captação do seu site. por Rodrigo Pereira Publicitário e CEO da Agência Retina Comunicação

ebook Aprenda como aumentar o poder de captação do seu site. por Rodrigo Pereira Publicitário e CEO da Agência Retina Comunicação por Rodrigo Pereira Publicitário e CEO da Agência Retina Comunicação Sobre o Autor: Sempre fui comprometido com um objetivo de vida: TER MINHA PRÓPRIA EMPRESA. Mas assim como você, eu também ralei bastante

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

Arthur de Carvalho Jaldim Rubens de Almeida Oliveira CÃO ESTELAR. EDITORA BPA Biblioteca Popular de Afogados

Arthur de Carvalho Jaldim Rubens de Almeida Oliveira CÃO ESTELAR. EDITORA BPA Biblioteca Popular de Afogados Arthur de Carvalho Jaldim Rubens de Almeida Oliveira O CÃO ESTELAR EDITORA BPA Biblioteca Popular de Afogados Texto e Pesquisa de Imagens Arthur de Carvalho Jaldim e Rubens de Almeida Oliveira O CÃO ESTELAR

Leia mais

Não é o outro que nos

Não é o outro que nos 16º Plano de aula 1-Citação as semana: Não é o outro que nos decepciona, nós que nos decepcionamos por esperar alguma coisa do outro. 2-Meditação da semana: Floresta 3-História da semana: O piquenique

Leia mais

Análise Cinematográfica do Curta Metragem Ilha das Flores¹ Jaderlano de Lima JARDIM² Shirley Monica Silva MARTINS³

Análise Cinematográfica do Curta Metragem Ilha das Flores¹ Jaderlano de Lima JARDIM² Shirley Monica Silva MARTINS³ Análise Cinematográfica do Curta Metragem Ilha das Flores¹ Jaderlano de Lima JARDIM² Shirley Monica Silva MARTINS³ RESUMO O premiado Ilha das Flores exibe o percurso de um tomate até chegar a um lixão

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter Distribuição digital, não-comercial. 1 Três Marias Teatro Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter O uso comercial desta obra está sujeito a direitos autorais. Verifique com os detentores dos direitos da

Leia mais

UNVERSDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE GABINETE DO REITOR COMISSÃO DA VERDADE TRANSCRIÇÃO DE ENTREVISTA

UNVERSDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE GABINETE DO REITOR COMISSÃO DA VERDADE TRANSCRIÇÃO DE ENTREVISTA UNVERSDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE GABINETE DO REITOR COMISSÃO DA VERDADE TRANSCRIÇÃO DE ENTREVISTA Entrevista realizada em: 5.6.2013 Hora: 16h30min. Local: Sala do prof. Almir Bueno CERES Caicó/RN

Leia mais

Nome: Laís Knott Oliveira Silva; Clóvis Begnozzi Neto e Eduardo Rossi Claudino.

Nome: Laís Knott Oliveira Silva; Clóvis Begnozzi Neto e Eduardo Rossi Claudino. Nome: Laís Knott Oliveira Silva; Clóvis Begnozzi Neto e Eduardo Rossi Claudino. Professor: Wiviane Knott Sá Oliveira Silva Forma de Apresentação: Painel Instituição: Colégio Londrinense A poética no olhar

Leia mais

Aprenda a Gerar Renda Utilizando Seus Conhecimentos em Promob e Projetos 3D.ACDEMY.COM.BR COMO GERAR RENDA COM PROJETO VERSÃO 1.0

Aprenda a Gerar Renda Utilizando Seus Conhecimentos em Promob e Projetos 3D.ACDEMY.COM.BR COMO GERAR RENDA COM PROJETO VERSÃO 1.0 Aprenda a Gerar Renda Utilizando Seus Conhecimentos em Promob e Projetos CAIO HENRIQUE TEODORO DOS SANTOS Página 1 Versão 1.0 2013 Esforcei-me ao máximo para transmitir em poucas páginas algumas dicas

Leia mais

Aula 05. CINEMA: profissões

Aula 05. CINEMA: profissões Aula 05 CINEMA: profissões Profissões do Cinema O cinema pode ser dividido em diversos processos, onde se envolvem diferentes tipos de profissionais: Roteiro Produção Realização Decupagem Decupagem de

Leia mais

GUIA ABSOLUTAMENTE COMPLETO PARA FOTÓGRAFOS INICIANTES

GUIA ABSOLUTAMENTE COMPLETO PARA FOTÓGRAFOS INICIANTES GUIA ABSOLUTAMENTE COMPLETO PARA FOTÓGRAFOS INICIANTES Por Jônatas Caldas ÍNDICE DE ASSUNTOS > Introdução > > > Tipos de Câmeras Tipos de Lentes Confusão Semiprofissional e Superzoom > Conclusão UMA PRODUÇÃO

Leia mais

Entrevista: Tiago Santana. Fernanda Oliveira

Entrevista: Tiago Santana. Fernanda Oliveira 263 Entrevista: Tiago Santana Fernanda Oliveira 264 Fotografia de gente Fernanda Oliveira* Algo se desnuda nas fotografias de Tiago Santana: um olhar sobre gentes, um olhar humano, uma experiência dividida

Leia mais

Lanches ser hoje uma referência gastronômica em Londrina.

Lanches ser hoje uma referência gastronômica em Londrina. EntreVISTA Fotos: Divulgação/Shutterstock O grande empreendedor encara os desafios Entre esperar o livro pronto e escrevê-lo, o comerciante Arnaldo Tsuruda preferiu seguir pela segunda opção. A história

Leia mais

(In)Segurança Virtual. Introdução Expotec 2009 IFRN- Campus Mossoró

(In)Segurança Virtual. Introdução Expotec 2009 IFRN- Campus Mossoró (In)Segurança Virtual Introdução Expotec 2009 IFRN- Campus Mossoró Eliakim Aquino - eliakim_pcdoctor@hotmail.com interseguraca.blogspot.com Mossoró-RN Setembro-2009 Que idéia seria essa? Fator Humano:

Leia mais

Mundaú: além da margem 1

Mundaú: além da margem 1 Mundaú: além da margem 1 Eduardo Leite VASCONCELOS 2 Rhamayana Barros BARRETO 3 Amanda Régia Amorim Morais dos SANTOS 4 Almir GUILHERMINO 5 Universidade Federal de Alagoas, Maceió, AL RESUMO Reportagem

Leia mais

Vivendo e aprendendo em família

Vivendo e aprendendo em família Vivendo e aprendendo em família VERSÍCULO BÍBLICO Que todas estas palavras que hoje lhe ordeno estejam em seu coração. Ensine-as com persistência a seus filhos. Converse sobre elas quando estiver sentado

Leia mais

Foi um privilégio ter tido a oportunidade de trabalhar em vídeo na TVE de

Foi um privilégio ter tido a oportunidade de trabalhar em vídeo na TVE de Produção audiovisual Elaine Meneghini (Bacharel em Comunicação Social/UA e produtora de televisão) Foi um privilégio ter tido a oportunidade de trabalhar em vídeo na TVE de 1987 a 1990; de 1990 a 1993

Leia mais

Você, no entanto, pode nos ajudar!

Você, no entanto, pode nos ajudar! Este livro pode ser adquirido por educação, negócios, vendas ou uso promocional. Embora toda precaução tenha sido tomada na preparação deste livro, o autor não assume nenhuma responsabilidade por erros

Leia mais

h p://www.confabulefilmes.com.br/fes vais inscrições até junho/11

h p://www.confabulefilmes.com.br/fes vais inscrições até junho/11 1 de 5 21/06/2011 17:55 FESTIVAIS inscrições até junho/11 1ª MOSTRA DE VÍDEO UNIVERSITÁRIO DA UNICAP A 1ª Mostra de Vídeo Universitário da Unicap é uma atividade integrada à programação de comemoração

Leia mais