Projeto, Lugar e Tempo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto, Lugar e Tempo"

Transcrição

1 Arq. Caio Nogueira H. Cordeiro Projeto, Lugar e Tempo de Helio Piñón, in Teoria do Projeto

2 Entre as lendas que contribuíram para o desconhecimento da arquitetura moderna, uma das falsidades assumidas com mais tranqüilidade é a que incapacita os seus produtos para atender às condições do meio urbano em que surgem. Com efeito, parece uma verdade inquestionável a indiferença da arquitetura moderna em relação aos arredores das suas obras ou, melhor, a falta a de recursos essenciais s para a atendê-los devidamente. Como base para o argumento, comumente são usados episódios em que tal situação não ocorre na realidade; são simplesmente casos em que a diferença ou o contraste são interpretados como indiferença ou desconsideração. Pirâmide do Louvre - Ieoh Ming Pei (Paris, )

3 A idéia moderna de forma se baseia - como já se viu - nas relações que constituem a estrutura organizativa do objeto e, por extensão, do episódio espacial em que surge. Mas o conceito de relação é mais amplo que o de coerência ou continuidade - qualidades típicas da cidade tradicional -, o que não supõe enfraquecimento dos vínculos que estruturam a realidade visual. Ministério da Educação Le Corbusier (Rio, 1936)

4 Mas o conceito de relação é mais amplo que o de coerência ou continuidade - qualidades típicas da cidade tradicional -, o que não supõe enfraquecimento dos vínculos que estruturam a realidade visual.

5 Portanto, se, numa ostentação de anacronismo, projeta-se sobre a cidade moderna os valores de continuidade ou coerência que determinam, no melhor dos casos, os valores da cidade tradicional, são postos em evidência, por um lado, o desconhecimento do fundamento formal da modernidade e, por outro lado, a incapacidade para imaginar uma cidade diferente dos arquétipos históricos mais fotogênicos. Hotel Cassino New York, New York Las Vegas

6 O edifício moderno tem um limite administrativo que não costuma coincidir com seus confins espaciais: na realidade, d as relações que o definem só se esgotam onde a mirada já não alcança. Portanto, o edifício moderno, mais que um objeto delimitado e concluído, é um episódio urbano, por definição, seja porque o edifício é proposto p como um universo peculiar que assume o entorno mediante sua posição - Le Corbusier - seja porque a própria arquitetura é concebida como um modo de habitar o mundo, sem outras barreiras que as que determinam a proteção e o controle climático - Mies van der Rohe. Edifício Seagram (Mies van der Hoe: Nova Iorque 1954 / 1958)

7 A arquitetura moderna altera a ênfase do ideal classicista de coerência - A arquitetura moderna altera a ênfase do ideal classicista de coerência entendida como harmonia -, que induz à continuidade, para o de consistência formal - que inclui a oposição e o contraste -, o qual propicia a diferença.

8 A noção convencional de forma, vinculada à idéia de arquétipo sancionado pela história, é substituída na arquitetura moderna pela de estrutura implícita que o sujeito tem que reconhecer. Não basta, pois, identificar continuidades; é necessário perceber relações por meio de juízos visuais irredutíveis à mirada comum.

9 Villa Savoye (Le Corbusier: França, 1931) A arquitetura moderna altera a ênfase do ideal classicista de coerência - entendida como harmonia -, que induz à continuidade, para o de consistência formal - que inclui a oposição e o contraste -, o qual propicia a diferença. A noção convencional de forma, vinculada à idéia de arquétipo sancionado pela história, é substituída na arquitetura moderna pela de estrutura implícita que o sujeito tem que reconhecer. Não basta, pois, identificar continuidades; é necessário perceber relações por meio de juízos visuais irredutíveis à mirada comum.

10 A cidade moderna é necessariamente diferente, não tanto pelo aspecto dos seus edifícios i quanto pela natureza distinta das relações que os vinculam para construir espaços urbanos de qualidade superior. O Federal Center, de Mies van der Rohe, é uma mostra exemplar de como a coesão não só é compatível com a diferença, como de algum modo a necessita. A identidade do espaço que constroem os três edifícios é tão potente que, mais do que se alterar com a passagem da South Dearborn St, entre eles, deve a essa circunstância parte da sua intensidade urbana. Federal Center Mies van der Hoe (Chicago, 1951)

11 Porém, a arquitetura moderna é comumente confundida com um estilo, exclusivista e arrogante, que trata de se impor sem atenção aos entornos que o acolhem. Desde essa perspectiva, a presumida falta de urbanidade essencial da arquitetura moderna é mais uma manifestação de insensibilidade que uma demonstração de falta de cultura. Com efeito, não é preciso ser um experto em teoria da forma para apreciar que a arquitetura concebida com critérios modernos introduz variáveis na sua constituição que impedem a sua redução a uma mera figuratividade alheia e distante da cidade de antes. Museu de Arte Contemporânea Richard Meyer (Barcelona, 1995)

12 De qualquer q modo, a objeção tem origem nas atitudes historicistas que entendem a modernidade como uma mera sistematização do projeto, com vistas a encontrar um "método" capaz de assegurar "a passagem da função à beleza": são palavras de E. N. Rogers, teorizador das " préexistências ambientais", doutrina que deu lugar à estilização e ao pastiche como "modo de recuperar a história" da qual a modernidade parecia ter se distanciado definitivamente. Venice Hotel (Las Vegas)

13 Não é necessário insistir que na sua posição há uma redução da noção de história a determinadas cenografias, nem apontar a superficialidade da idéia segundo a qual a história é constituída por continuidades, não por rupturas. Desde essa perspectiva, cada um dos momentos que configuraram a estrutura do processo histórico - do classicismo ao romantismo - suporiam um rechaço da própria história, por haverem propiciado a ruptura com o passado em vez de celebrar suas imagens mais tópicas. Entretanto, inclusive em termos do que pode ser classificado como atributos plásticos da arquitetura - materiais, texturas, cores -, a modernidade deu mostras de como enfrentar situações nas quais a contigüidade pode ser resolvida sem renúncias nem pastiches: o edifício da Pepsi-Cola (1960), em Nova York, e a Albright- Knox Art Gallery (1962), em Buffalo, ambos de G. Bunschaft (SOM), são uma mostra exemplar de integração entre o velho e o novo na qual a contigüidade intensifica uma relação sábia e sensível, que desmente o falso lugar comum do qual parte esta reflexão. Pepsi Cola Building SOM (N. York, 1960)

14 Edifício dos Serviços Públicos Michael Graves Portland ( ) De qualquer modo, a objeção quanto à falta de urbanidade da arquitetura moderna parece uma censura que já perdeu o ímpeto: o âmbito ideológico e estilístico de onde surgiu - há mais de quarenta anos - proporcionou o caldo de cultura em que cresceram e se desenvolveram as doutrinas e conjeturas que celebram com suas extravagâncias a manifesta degradação progressiva do entorno artificial. Do pastiche historicista passamos aos bibelôs pós-modernos, mudando apenas a ótica da mesma mentalidade: a renúncia à forma como sistema de relações que confere identidade à obra de arquitetura situa a ênfase do projeto na aparência - identidade sem esforço e surpreendente para o incauto -, o que aproxima o sentido estético da decoração historicista i i t das ninharias reconstruídos; suas diferenças são meramente folclóricas.

15 Edifício dos Serviços Públicos Michael Graves Portland ( ) Se o problema é considerado desde a observação da realidade, a atenção ao entorno perde toda dimensão estética para converter-se em um problema de urbanidade - no sentido genuíno do termo -, isto é, de bons modos. Grande parte da arquitetura que nas últimas décadas foi favorecido pelas publicações - e seu reflexo nas escolas mais desorientadas - baseia sua notoriedade, em alguns casos, em obliqüidades compulsivas que transgridem qualquer diretriz mais ou menos estabelecida, sem outro critério de ordem que a assimilação dos percursos humanos a canais de fluidos de consistência duvidosa; em outros, na reprodução de dobras, erupções vulcânicas cas e cataclismos, em geral. Em ambos os casos, emoções fortes para excitar a mirada tosca de espíritos insensíveis porém inquietos, sugeridos e legitimadas teoricamente pela leitura precipitada assombrem-se! se! - de um psicólogo francês. O desgosto que manifestam tais fantasias merece uma sanção administrativa, não uma repulsa teórica, pelo que não insistirei mais nisso.

16 Museu de Arte Contemporânea Oscar Niemeyer (Niterói, Rio -1996) É na relação do edifício com seus arredores onde fica mais em evidência a insuficiência de estilismos e fantasias invertebradas para abordar a arquitetura: no modo de mirar e responder à cidade é posta à prova a dialética entre sentido comum e sentido da forma que caracteriza todo projeto de arquitetura autêntica. O projeto moderno não apenas atende à vizinhança do edifício como não pode prescindir da sua consideração, se quiser usar suas possibilidades de síntese por meio da forma. As condições do lugar - na medida em que estimulam e ao mesmo tempo limitam a concepção - são um elemento essencial para a identidade do edifício; a maioria dos projetos exemplares da modernidade não serão entendidos dos sem uma sutil mas intensa consideração do entorno. Os grandes arquitetos - Mies van der Rohe à frente - converteram os arredores nos grandes protagonistas dos seus projetos: basta consultar, a esse respeito, Mies y Ia consciéncia del entorno (Col. Arquithesis), de Cristina Gastón, para comprovar até que ponto - e de que modo - uma arquitetura habitualmente considerada exclusivista e distante incorpora os arredores como elemento essencial da constituição dos seus edifícios.

17 A questão do entorno é, portanto, um falso problema: se atuamos com os critérios de forma que a modernidade inaugurou, nenhuma atenção específica é requerida, pois já está implicitamente contida nas condições de síntese. O que é exigido, isso sim, é que se atue com outra idéia de cidade como marco de referência do projeto: uma cidade entendida como cenário ativo, baseada na atividade sensitiva do cidadão, e não como cidade concebida como cenário harmonioso, construído à base de arremedos e biscates, que será vivido irremediavelmente como mais um parque temático, por cidadãos com a alma disponível, devido aos efeitos de uma síndrome de turista generalizado. Museu de Arte Contemporânea Oscar Niemeyer (Niterói, Rio -1996)

18 A cidade moderna é necessariamente diferente, não tanto pelo aspecto dos seus edifícios quanto pela natureza distinta das relações que os vinculam para construir espaços urbanos de qualidade superior. O Federal Center, de Mies van der Rohe, é uma mostra exemplar de como a coesão não só é compatível com a diferença, como de algum modo a necessita. A identidade do espaço que constroem os três edifícios é tão potente que, mais do que se alterar com a passagem da South Dearborn St, entre eles, deve a essa circunstância parte da sua intensidade urbana. Federal Center Mies van der Hoe (Chicago, 1951)

19 A idéia moderna de forma se baseia - como já se viu - nas relações que constituem a estrutura organizativa do objeto e, por extensão, do episódio espacial em que surge. Mas o conceito de relação é mais amplo que o de coerência ou continuidade - qualidades típicas da cidade tradicional -, o que não supõe enfraquecimento dos vínculos que estruturam a realidade visual. Portanto, se, numa ostentação de anacronismo, projeta-se sobre a cidade moderna os valores de continuidade ou coerência que determinam, no melhor dos casos, os valores da cidade tradicional, são postos em evidência, por um lado, o desconhecimento do fundamento formal da modernidade e, por outro lado, a incapacidade para imaginar uma cidade diferente dos arquétipos históricos mais fotogênicos. Venice Hotel (Las Vegas)

20 O edifício moderno tem um limite administrativo que não costuma coincidir com seus confins espaciais: i na realidade, d as relações que o definem só se esgotam onde a mirada já não alcança. Portanto, o edifício moderno, mais que um objeto delimitado e concluído, é um episódio urbano, por definição, seja porque o edifício é proposto p como um universo peculiar que assume o entorno mediante sua posição - Le Corbusier - seja porque a própria arquitetura é concebida como um modo de habitar o mundo, sem outras barreiras que as que determinam a proteção e o controle climático - Mies van der Rohe. A arquitetura moderna altera a ênfase do ideal classicista de coerência - entendida como harmonia -, que induz à continuidade, para o de consistência formal - que inclui a oposição e o contraste -, o qual propicia a diferença. A noção convencional de forma, vinculada à idéia de arquétipo sancionado pela história, é substituída na arquitetura moderna pela de estrutura t implícita it que o sujeito tem que reconhecer. Não basta, pois, identificar continuidades; é necessário perceber relações por meio de juízos visuais irredutíveis à mirada comum. Pirâmide do Louvre - Ieoh Ming Pei (Paris, )

Movimentos, tendências e conceitos da arquitetura e urbanismo contemporâneo O Modernismo na Arquitetura: Le Corbusier no Brasil

Movimentos, tendências e conceitos da arquitetura e urbanismo contemporâneo O Modernismo na Arquitetura: Le Corbusier no Brasil O Modernismo na Arquitetura: Le Corbusier no Brasil Super-quadra (Brasília) Palácio Gustavo Capanema (Min. Educação Rio de Janeiro) Lúcio Costa Brasília / Superquadras Arquitetura Brasileira Pós-Brasília:

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

ILUMINAÇÃO NATURAL BREVE RETROSPECTIVA HISTÓRICA

ILUMINAÇÃO NATURAL BREVE RETROSPECTIVA HISTÓRICA ILUMINAÇÃO NATURAL BREVE RETROSPECTIVA HISTÓRICA A HISTÓRIA DA ILUMINAÇÃO NATURAL NA ARQUITETURA FAZ PARTE DA PRÓPRIA HISTÓRIA DA ARQUITETURA EGITO ANTIGO 2780 A.C A 2280 A.C. O GRANDE TEMPLO DE AMMON,

Leia mais

A partir das coisas. ZUMTHOR, Peter. Pensar a arquitetura. Barcelona: Gustavo Gili, 2005. 66p. Alda Mirian Augusto de Oliveira*

A partir das coisas. ZUMTHOR, Peter. Pensar a arquitetura. Barcelona: Gustavo Gili, 2005. 66p. Alda Mirian Augusto de Oliveira* ZUMTHOR, Peter. Pensar a arquitetura. Barcelona: Gustavo Gili, 2005. 66p. A partir das coisas Alda Mirian Augusto de Oliveira* Pensar a arquitetura reúne seis conferências de Peter Zumthor, proferidas

Leia mais

METODOLOGIA DO ENSINO DA ARTE. Número de aulas semanais 4ª 2. Apresentação da Disciplina

METODOLOGIA DO ENSINO DA ARTE. Número de aulas semanais 4ª 2. Apresentação da Disciplina METODOLOGIA DO ENSINO DA ARTE Série Número de aulas semanais 4ª 2 Apresentação da Disciplina Considerando a necessidade de repensar o ensino da arte, faz-se necessário refletir sobre este ensino em sua

Leia mais

ARQUITETURA A PARTIR DOS ANOS DE 1950 AULA 04 - ARQUITETURA BRITÂNICA DO PÓS GUERRA new brutalism e urban structuring

ARQUITETURA A PARTIR DOS ANOS DE 1950 AULA 04 - ARQUITETURA BRITÂNICA DO PÓS GUERRA new brutalism e urban structuring ARQUITETURA A PARTIR DOS ANOS DE 1950 AULA 04 - ARQUITETURA BRITÂNICA DO PÓS GUERRA new brutalism e urban structuring ARQUITETURA BRITÂNICA ARQUITETURA DESENVOLVIMENTO DO BRUTALISMO URBANISMO REVISÃO E

Leia mais

05/09/12. ANÁLISE DOS PROJETOS: ARQUITETÔNICO/ URBANO Guia para estudo do projeto e estudos de caso

05/09/12. ANÁLISE DOS PROJETOS: ARQUITETÔNICO/ URBANO Guia para estudo do projeto e estudos de caso TEORIA E HISTÓRIA DA ARQUITETURA V Profa. Dra Deusa Maria R. Boaventura ANÁLISE DOS PROJETOS: ARQUITETÔNICO/ URBANO Guia para estudo do projeto e estudos de caso REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS SUGESTÃO DE

Leia mais

HISTÓRIA E TEORIA ARQ. PAISAGISMO E URBANISMO I

HISTÓRIA E TEORIA ARQ. PAISAGISMO E URBANISMO I HISTÓRIA E TEORIA ARQ. PAISAGISMO E URBANISMO I União Educacional do Norte Faculdade Uninorte Professora: Edinete Oliveira Arquiteta e Urbanista Tema: A ignorância da Arquitetura & As várias idades do

Leia mais

MEMORIAL JUSTIFICATIVO / DESCRITIVO DE PROJETO ARQUITETÔNICO

MEMORIAL JUSTIFICATIVO / DESCRITIVO DE PROJETO ARQUITETÔNICO MEMORIAL JUSTIFICATIVO / DESCRITIVO DE PROJETO ARQUITETÔNICO ALVARO SISA - ESTUDO Faculdade Assis Gurgacz Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Projeto de Arquitetura, de Urbanismo e de Paisagismo VI Professores:

Leia mais

A CRISE DO MOVIMENTO MODERNO

A CRISE DO MOVIMENTO MODERNO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO Curso: Arquitetura e Urbanismo HISTÓRIA DA ARQUITETURA E DO URBANISMO III Prof. a Raquel Portes A CRISE

Leia mais

A atenção pessoal aos bebês e às crianças bem pequenas nos Centros de Educação Infantil: contribuições da Abordagem Emmi Pikler

A atenção pessoal aos bebês e às crianças bem pequenas nos Centros de Educação Infantil: contribuições da Abordagem Emmi Pikler A atenção pessoal aos bebês e às crianças bem pequenas nos Centros de Educação Infantil: contribuições da Abordagem Emmi Pikler Anita Viudes Carrasco de Freitas * Este texto tem como proposta contribuir

Leia mais

Ampliando o olhar sobre a Arte

Ampliando o olhar sobre a Arte Ampliando o olhar sobre a Arte A Arte reflete a história da humanidade. Desde as primeiras expressões artísticas (Arte rupestre) até os dias de hoje, podemos compreender o desenvolvimento do homem em cada

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

15-08-2013. Aula 01: Iluminação Natural: Retrospectiva Histórica. CFA II Conforto Ambiental II. Profª. MSc. Helenice M. Sacht. Retrospectiva Histórica

15-08-2013. Aula 01: Iluminação Natural: Retrospectiva Histórica. CFA II Conforto Ambiental II. Profª. MSc. Helenice M. Sacht. Retrospectiva Histórica CFA II Conforto Ambiental II Aula 01: Iluminação Natural: Profª. MSc. Helenice M. Sacht 1 EGITO ANTIGO Em todos os momentos da história, a iluminação esteve presente nas obras de arquitetura. Grande templo

Leia mais

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2011/1

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2011/1 1 1 INTRODUÇÃO AO DESIGN DE MODA Terminologias e conceitos da área. Contextualização e processo de moda. Mercado. Ciência e. 2 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO Leitura analítica e crítica. Gêneros textuais.

Leia mais

... ... Design Gráfico e Pós-modernismo. Aula Inaugural Bacharelado em Design. Prof. Hans Waechter, Dr. Faculdade 7 de Setembro Fa7.

... ... Design Gráfico e Pós-modernismo. Aula Inaugural Bacharelado em Design. Prof. Hans Waechter, Dr. Faculdade 7 de Setembro Fa7. Faculdade 7 de Setembro Fa7 Aula Bacharelado em Design Design Gráfico e Pós-modernismo Prof. Hans Waechter, Dr Agosto 2010 Aula O Design Gráfico na Pós-modernidade Steven Heller (1988) > confluência casual

Leia mais

Projeto II Trabalho 1: Residência Unifamiliar (300m²) 1ª Etapa: Pesquisa, Programa e Implantação

Projeto II Trabalho 1: Residência Unifamiliar (300m²) 1ª Etapa: Pesquisa, Programa e Implantação 1ª Etapa: Pesquisa, Programa e Implantação Pesquisa: Tema (Residência); Região (histórico da ocupação, exemplares arquitetônicos); Legislação Urbanística. Precedentes arquitetônicos. Programa: Descrição

Leia mais

Memória coletiva: entre a resistência cultural e a criação do produto turístico na Ilha Grande:

Memória coletiva: entre a resistência cultural e a criação do produto turístico na Ilha Grande: Memória coletiva: entre a resistência cultural e a criação do produto turístico na Ilha Grande: HELENA CATÃO H. FERREIRA * Ao mesmo tempo em que podemos observar um refazer constante de resgates de memórias

Leia mais

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS.

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. ARAÚJO, Haroldo de 1; Prof.Dr. Costa, Luis Edegar de Oliveira 2;. Palavras chaves: Arte contemporânea; curadoria;

Leia mais

"O valor emocional das marcas."

O valor emocional das marcas. DOMINGO, FEVEREIRO 24, 2008 "O valor emocional das marcas." Por Thales Brandão Atualmente as empresas estão buscando cada vez mais gerir suas marcas com conjunto de valores completamente diferentes dos

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

REVITALIZAÇÕES PORTUÁRIAS NO MUNDO A TRANSFORMAÇÃO DAS CIDADES E A INCORPORAÇÃO DE NOVOS CONCEITOS

REVITALIZAÇÕES PORTUÁRIAS NO MUNDO A TRANSFORMAÇÃO DAS CIDADES E A INCORPORAÇÃO DE NOVOS CONCEITOS REVITALIZAÇÕES PORTUÁRIAS NO MUNDO A TRANSFORMAÇÃO DAS CIDADES E A INCORPORAÇÃO DE NOVOS CONCEITOS FRENTE MARÍTIMA ALGUMAS DAS CIDADES MAIS FASCINANTES DO MUNDO, COMO GÊNOVA, LISBOA, LONDRES, BARCELONA,

Leia mais

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB ANDRADE, Luciene de 1 BARBOSA,Jamylli da Costa 2 FERREIRA, Jalmira Linhares Damasceno 3 SANTOS,

Leia mais

1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo

1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo Prof. Dr. Elydio dos Santos Neto AS CONTRIBUIÇÕES DE ANTONIO GRAMSCI PARA COMPREENDER A ESCOLA E O PROFESSOR NA ESTRUTURA DA SOCIEDADE CAPITALISTA 1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo No

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO VISUAL E PLÁSTICA

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO VISUAL E PLÁSTICA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO VISUAL E PLÁSTICA 8ª Classe 1º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Educação Visual e Plástica - 8ª Classe EDITORA: INIDE IMPRESSÃO: GestGráfica, S.A. TIRAGEM:

Leia mais

UNOCHAPECÓ Artes Visuais 6º período Conteúdo e Métodos II. Profª Me. Márcia Moreno

UNOCHAPECÓ Artes Visuais 6º período Conteúdo e Métodos II. Profª Me. Márcia Moreno UNOCHAPECÓ Artes Visuais 6º período Conteúdo e Métodos II Profª Me. Márcia Moreno 1 Conhecendo o Louvre... Foi no fim do século XII que Filipe Augusto mandou construir um castelo num local já chamado Louvre.

Leia mais

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em psicanálise Autor: Érico Campos RESUMO Este trabalho discute questões gerais envolvidas na leitura de textos e discursos nas ciências

Leia mais

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte.

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. Doutorando: Laudo Rodrigues Sobrinho Universidade Metodista de Piracicaba-UNIMEP e-mail: laudinho@bol.com.br

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA UM MUNDO, UM SONHO

LÍNGUA PORTUGUESA UM MUNDO, UM SONHO LÍNGUA PORTUGUESA INSTRUÇÃO: As questões de 01 a 10 referem-se ao texto abaixo. UM MUNDO, UM SONHO 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34

Leia mais

ARQUITETURA PARAIBANA NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI

ARQUITETURA PARAIBANA NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI ARQUITETURA PARAIBANA NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI Autoria: Manoel Brito de Farias Segundo (orientador) Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas (FACISA) Caio Méssala da Silva Faustino - Faculdade de

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Artigo publicado em 17 de dezembro de 2008-12-17 www.partes.com.br ISSN 1678-8419. Arquitetura Moderna: A UFSM como protagonista deste cenário.

Artigo publicado em 17 de dezembro de 2008-12-17 www.partes.com.br ISSN 1678-8419. Arquitetura Moderna: A UFSM como protagonista deste cenário. Artigo publicado em 17 de dezembro de 2008-12-17 www.partes.com.br ISSN 1678-8419 Arquitetura Moderna: A UFSM como protagonista deste cenário. Leila Adriana Baptaglin 1 Introdução As vezes convivemos em

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende Como transformar a sua empresa numa organização que aprende É muito interessante quando se fala hoje com profissionais de Recursos Humanos sobre organizações que aprendem. Todos querem trabalhar em organizações

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

6º SIMPÓSIO IBERO-AMERICANO DE HISTÓRIA DA CARTOGRAFIA

6º SIMPÓSIO IBERO-AMERICANO DE HISTÓRIA DA CARTOGRAFIA www.6siahc.cl 6º SIMPÓSIO IBERO-AMERICANO DE HISTÓRIA DA CARTOGRAFIA DO MUNDO AO MAPA E DO MAPA AO MUNDO: OBJETOS, ESCALAS E IMAGINÁRIOS DO TERRITÓRIO 19, 2O e 21 DE ABRIL DE 2O16 SANTIAGO, CHILE Imagem:

Leia mais

O QUE É UM CÓDIGO DE ÉTICA?

O QUE É UM CÓDIGO DE ÉTICA? O QUE É UM CÓDIGO DE ÉTICA? O Código de ética é um instrumento que busca a realização dos princípios, visão e missão da empresa. Serve para orientar as ações de seus colaboradores e explicitar a postura

Leia mais

Território Modular ARTE CONTEMPORÂNEA RUA PAULO BARRETO 77, BOTAFOGO 22280-010 RIO DE JANEIRO RJ BRASIL T +55 (21) 2541 4935 WWW.LURIXS.

Território Modular ARTE CONTEMPORÂNEA RUA PAULO BARRETO 77, BOTAFOGO 22280-010 RIO DE JANEIRO RJ BRASIL T +55 (21) 2541 4935 WWW.LURIXS. Território Modular 1 Coletivo MUDA TERRITÓRIO MODULAR 23 de agosto a 04 de outubro de 2013 2 Em movimento Felipe Scovino Para essa primeira exposição do MUDA em uma galeria comercial, uma questão importante

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

GESTOR DE ESTUDOS para a 2ª fase do XVIII Direito Empresarial

GESTOR DE ESTUDOS para a 2ª fase do XVIII Direito Empresarial 1 GESTOR DE ESTUDOS para a 2ª fase do XVIII Direito Empresarial Por Maurício Gieseler de Assis *Material de livre distribuição **Proibida a reprodução total ou parcial sem a devida citação da fonte Estudar

Leia mais

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA MESTRANDO - GILSON DO NASCIMENTO GOUVÊA VICTORIANO

Leia mais

Sessão Temática: Códigos da Cidade: construções normativas em projetos Coordenação : Rosângela Lunardelli Cavallazzzi

Sessão Temática: Códigos da Cidade: construções normativas em projetos Coordenação : Rosângela Lunardelli Cavallazzzi I Encontro Nacional da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo (I ENANPARQ): Arquitetura, Cidade, Paisagem e Território: percursos e prospectivas 29 de Novembro a 03

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

História da Arquitetura

História da Arquitetura História da Arquitetura Subdivisão da História da Arte - estudo da evolução histórica da arquitetura. Seus princípios Idéias Realizações História da arte Evolução das expressões artísticas, a constituição

Leia mais

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental Pedro Bandeira Pequeno pode tudo Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental PROJETO DE LEITURA Coordenação: Maria José Nóbrega Elaboração: Rosane Pamplona De Leitores e Asas MARIA JOSÉ NÓBREGA

Leia mais

A Imagem e a técnica da pintura.

A Imagem e a técnica da pintura. Proposta para um curso a ser ministrado durante o primeiro semestre de 2008. Professora - Katie van Scherpenberg A Imagem e a técnica da pintura. A imagem é um pensamento visível, resultado de um processo

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes

Universidade Estadual de Maringá Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes R E S O L U Ç Ã O N.º 090/2009 CI / CCH CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, neste Centro, no dia 10/12/2009. João Carlos Zanin, Secretário Aprova o projeto pedagógico

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA PLANO DE ENSINO 2011-1 DISCIPLINA: Arte e Educação - JP0029 PROFESSOR: Ms. Clóvis Da Rolt I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária Teórica: 60h Carga Horária Prática: 15h II EMENTA A disciplina de Arte e

Leia mais

Arquitetura: do repertório à prática

Arquitetura: do repertório à prática Arquitetura: do repertório à prática Arquiteto: - tecton, em grego, designava um artífice ligado à construção de objetos por junção de peças; - arqui, prefixo que indica superioridade. Arquitetura: Aurélio:

Leia mais

PARÂMETRO DE ARTE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL - REDE MUNICIPAL ENSINO DE TRÊS CORAÇÕES. Diretrizes para o ensino de Arte 2011

PARÂMETRO DE ARTE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL - REDE MUNICIPAL ENSINO DE TRÊS CORAÇÕES. Diretrizes para o ensino de Arte 2011 PARÂMETRO DE ARTE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL - REDE MUNICIPAL ENSINO DE TRÊS CORAÇÕES 1 Diretrizes para o ensino de Arte 2011 1 Arte e legislação educacional: A inclusão da Arte no currículo escolar foi

Leia mais

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo Introdução Funções psicológicas superiores Pilares da teoria de Vigotsky Mediação Desenvolvimento e aprendizagem Processo de internalização Níveis de desenvolvimento Esquema da aprendizagem na teoria de

Leia mais

DESENHO URBANO: UM RESGATE TEÓRICO

DESENHO URBANO: UM RESGATE TEÓRICO DESENHO URBANO: UM RESGATE TEÓRICO desenho urbano, capital e ideologia em são paulo centralidade e forma urbana na marginal do rio pinheiros autor: Alexandre hepner Orientador: prof. dr. silvio soares

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS Cordeiro, Juliana SEMED/Pinhais, vínculo efetivo, Pinhais, Paraná, Brasil juliana.cordeiro@pinhais.pr.gov.br

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DA ARTE - TURMA 2015 PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EMENTAS DOS CURSOS Arte

Leia mais

no. 49 O NU FEMININO COMO IDEAL DE BELEZA

no. 49 O NU FEMININO COMO IDEAL DE BELEZA O NU FEMININO COMO IDEAL DE BELEZA por rose klabin Escrevo-te toda inteira e sinto um sabor em ser e o sabor-ati é abstrato como o instante. É também com o corpo todo que pinto os meus quadros e na tela

Leia mais

Sistema de Leitura Visual da Forma. Técnicas Visuais Aplicadas

Sistema de Leitura Visual da Forma. Técnicas Visuais Aplicadas Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Categorias Conceituais Fundamentais Técnicas Visuais Aplicadas Prof. Dr. João Gomes Filho... Setembro. 2006 Clareza Organizações visuais unificadas.facilidade

Leia mais

GERAL. Porto Olímpico

GERAL. Porto Olímpico Porto Olímpico projeto O Porto Maravilha e o Porto Olímpico N Porto Olímpico aprox. 145.000m2 de área Porto Maravilha aprox. 5.000.000m2 de área aprox. 100.000m2 aprox. 45.000m2 Porquê o Porto? Porquê

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA PIAGETIANA PARA O PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM.

AS CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA PIAGETIANA PARA O PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM. AS CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA PIAGETIANA PARA O PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM. Maria Rafaela de Oliveira Graduanda FECLESC/UECE Géssica Cryslânia da Silva Graduanda FECLESC/UECE Janete Rodrigues de Lima

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN ENSINO FUNDAMENTAL. DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO ARTE

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN ENSINO FUNDAMENTAL. DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO ARTE CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN ENSINO FUNDAMENTAL 2015 DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO ARTE OBJETIVOS GERAIS Conhecimento da Arte enquanto auto expressão e conhecimento, apreensão e comunicação

Leia mais

PRAÇA SAINT-PASTOUS: ESTUDO DO ESPAÇO EDIFICADO

PRAÇA SAINT-PASTOUS: ESTUDO DO ESPAÇO EDIFICADO PRAÇA SAINT-PASTOUS: ESTUDO DO ESPAÇO EDIFICADO samuel tolentino isatto introdução ao projeto arquitetônico 2016/1 professoras : ana elisia costa, daniela mendes cidade, eliane contastinou e silvana jung

Leia mais

Prefeitura Municipal de Santos ESTÂNCIA BALNEÁRIA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO

Prefeitura Municipal de Santos ESTÂNCIA BALNEÁRIA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO Prefeitura Municipal de Santos ESTÂNCIA BALNEÁRIA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO Subsídios para implementação do Plano de Curso de Educação Artística Ensino Fundamental Educação de Jovens

Leia mais

EFEITOS DE LUZ em AMBIENTES de INTERIORES

EFEITOS DE LUZ em AMBIENTES de INTERIORES Palestra Simpolux 2006 EFEITOS DE LUZ em AMBIENTES de INTERIORES Arq. Ladislao Pedro Szabo Arq. Vivien Jaglbauer Abeling, Szabo Consultoria 1 Agradecimentos: Philips Lighting Isac Roizenblatt Luis Lancelle

Leia mais

DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA

DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA 1 DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA Mariana Muniz 1 Sanchis Sinisterra é um ícone da dramaturgia espanhola contemporânea. Sua peça de maior repercusão foi Ay

Leia mais

SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE. Resumo

SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE. Resumo SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE Cleide Aparecida Carvalho Rodrigues 1 Resumo A proposta para a realização do SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE surgiu durante uma das atividades do Grupo de Estudos de Novas Tecnologias

Leia mais

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM Ronei Ximenes Martins (Trabalho apresentado no II Colóquio Regional EAD Edição Internacional Outubro/2010 Juiz de Fora/MG) Introdução Um

Leia mais

CURSO DE POS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO EM FOTOGRAFIA DIGITAL

CURSO DE POS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO EM FOTOGRAFIA DIGITAL CURSO DE POS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO EM FOTOGRAFIA DIGITAL INFORMAÇÕES GERAIS: Em um mercado como o Brasil, país com um enorme potencial de profissionais criativos, fotógrafos sem uma formação adequada, além

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

APONTAMENTOS SOBRE A DISCIPLINA DE PERCEPÇÃO MUSICAL NO ENSINO SUPERIOR DE MÚSICA

APONTAMENTOS SOBRE A DISCIPLINA DE PERCEPÇÃO MUSICAL NO ENSINO SUPERIOR DE MÚSICA APONTAMENTOS SOBRE A DISCIPLINA DE PERCEPÇÃO MUSICAL NO ENSINO SUPERIOR DE MÚSICA Luiz Rafael Moretto Giorgetti Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP (Ex-aluno) e-mail: rafael_giorgetti@hotmail.com

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Planejamento. Educação infantil Ciranda Nível 3. Unidade 1: Cirandando

Planejamento. Educação infantil Ciranda Nível 3. Unidade 1: Cirandando Linguagem oral e escrita Planejamento Educação infantil Ciranda Nível 3 Unidade 1: Cirandando Formas textuais Conhecer diferentes tipos de textos. Conhecer um texto instrucional e sua função social. Priorizar

Leia mais

Cabo Frio, 1973; foto Beto Felício. ARCOS VOLUME 1 1998 NÚMERO ÚNICO

Cabo Frio, 1973; foto Beto Felício. ARCOS VOLUME 1 1998 NÚMERO ÚNICO Cabo Frio, 1973; foto Beto Felício. 8 ARCOS VOLUME 1 1998 NÚMERO ÚNICO documento O que o desenho industrial pode fazer pelo país? Por uma nova conceituação e uma ética do desenho industrial no Brasil Aloísio

Leia mais

Memorial do Imigrante

Memorial do Imigrante Memorial do Imigrante www.memorialdoimigrante.sp.gov.br Juca Martins/Olhar Imagem Localizado no edifício da antiga Hospedaria dos Imigrantes, construída entre 1886 e 1888 para receber os imigrantes recém-chegados

Leia mais

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Construindo Comunidades Virtuais de Aprendizagem : TôLigado O Jornal Interativo da sua Escola Brasilina Passarelli Brasília 2004 Artigo publicado,

Leia mais

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE TENORIO, LUCIENE A. (1); CARVALHO, AMANDA B. (2); ZHAYRA, ADELAIDE C. (3) 1. LVF Empreendimentos LTDA.

Leia mais

ARQUITETURA: TEMAS DE COMPOSIÇÃO ROGER H. CLARK E MICHAEL PAUSE

ARQUITETURA: TEMAS DE COMPOSIÇÃO ROGER H. CLARK E MICHAEL PAUSE ARQUITETURA: TEMAS DE COMPOSIÇÃO ROGER H. CLARK E MICHAEL PAUSE Síntese Introdutória do Método Utilizado para a Análise dos Projetos no Estudo dos Temas de Composição Disciplina:Idéia, Método e Linguagem

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

Design de superfície e arte: processo de criação em estamparia têxtil como lugar de encontro. Miriam Levinbook

Design de superfície e arte: processo de criação em estamparia têxtil como lugar de encontro. Miriam Levinbook Design de superfície e arte: processo de criação em estamparia têxtil como lugar de encontro. Miriam Levinbook Resumo: Este artigo propõe conexões a respeito do design de superfície em estamparia têxtil

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1245 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Maria Luiza de Sousa Pinha, José Camilo dos

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM MÚSICA

CURSO DE LICENCIATURA EM MÚSICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERL MINISTÉRIO D EDUCÇÃO INSTITUTO FEDERL DE EDUCÇÃO, CIÊNCI E TECNOLOGI SERTÃO PERNMBUCNO DIREÇÃO DE ENSINO DEPRTMENTO DE ENSINO SUPERIOR CURSO DE LICENCITUR EM MÚSIC 1. Perfil do Curso

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC REGULAMENTO

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC REGULAMENTO 1 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC REGULAMENTO São Paulo 2015 1 2 Diretor da Faculdade de Administração Prof. Silvio Passarelli Coordenação Prof. Ms. Fernando Limongeli Gurgueira Prof Luiz Eduardo de

Leia mais

Essência ) ) Identidade

Essência ) ) Identidade Realização: Apoio: Essência ) ) Identidade O conjunto da nossa Razão de Ser, Crenças, Visão e Missão da Marca. É a alma da Marca. Fonte de inspiração para o desenvolvimento dos colaboradores, para o gerenciamento

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões)

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) 1. Paulo Freire na sua concepção pedagógica parte de alguns princípios que marcam, de forma clara e objetiva, o seu modo de entender o ato educativo. Considerando as características do pensamento desse

Leia mais

PARA ONDE VAI A PROFISSÃO DOCENTE?

PARA ONDE VAI A PROFISSÃO DOCENTE? Valéria Arantes (org.), Sonia Penin e Miquel Martínez. Profissão docente: pontos e contrapontos. São Paulo: Summus Editorial, 2009, 139 págs. ISBN: 978-85-323-0502-2. PARA ONDE VAI A PROFISSÃO DOCENTE?

Leia mais

RENOVAÇÃO URBANA EM BATTERY PARK CITY. Prof. Dr. Eduardo A. C. Nobre. Histórico

RENOVAÇÃO URBANA EM BATTERY PARK CITY. Prof. Dr. Eduardo A. C. Nobre. Histórico RENOVAÇÃO URBANA EM BATTERY PARK CITY Prof. Dr. Eduardo A. C. Nobre Histórico O empreendimento do Battery Park City está localizado no baixo Manhattan, em Nova Iorque, em um aterro sobre o rio Hudson,

Leia mais

O sol, presença insistente em nosso dia-a-dia, é elemento de composição fixo, em contraponto ao movimento linear.

O sol, presença insistente em nosso dia-a-dia, é elemento de composição fixo, em contraponto ao movimento linear. Estes cavalos ora mostrados são linhas que vêm da minha infância. Por isso, o expressionismo gráfico não esconde a ingenuidade do tratamento das figuras. O sol, presença insistente em nosso dia-a-dia,

Leia mais

MATEMÁTICA E ARTE UM DIÁLOGO POSSÍVEL, TRABALHANDO ATIVIDADES INTERDISCIPLINARES NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

MATEMÁTICA E ARTE UM DIÁLOGO POSSÍVEL, TRABALHANDO ATIVIDADES INTERDISCIPLINARES NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL ISSN 2316-7785 MATEMÁTICA E ARTE UM DIÁLOGO POSSÍVEL, TRABALHANDO ATIVIDADES INTERDISCIPLINARES NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Rosiney de Jesus Ferreira 1 Universidade Federal de Juiz de Fora profneyufjf@hotmail.com

Leia mais

Sobre o Direito Autoral dos Arquitetos, Urbanistas e Designers

Sobre o Direito Autoral dos Arquitetos, Urbanistas e Designers Sobre o Direito Autoral dos Arquitetos, Urbanistas e Designers Arq. Paulo Ormindo de Azevedo O direito autoral dos arquitetos e urbanistas tem especificidades que o distingue do de outros artistas como

Leia mais

CURSO DE DESIGN DE MODA

CURSO DE DESIGN DE MODA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2013 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 3 01 CRIATIVIDADE... 3 02 HISTÓRIA DA ARTE E DO DESIGN... 3 03 INTRODUÇÃO AO... 3 04 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 3

Leia mais

Colégio Pedro II Departamento de Filosofia Programas Curriculares Ano Letivo: 2010 (Ensino Médio Regular, Ensino Médio Integrado, PROEJA)

Colégio Pedro II Departamento de Filosofia Programas Curriculares Ano Letivo: 2010 (Ensino Médio Regular, Ensino Médio Integrado, PROEJA) Colégio Pedro II Departamento de Filosofia Programas Curriculares Ano Letivo: 2010 (Ensino Médio Regular, Ensino Médio Integrado, PROEJA) Considerações sobre o Programa de Filosofia do Ensino Médio Regular

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva 1 Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista,

Leia mais

FILOSOFIA A DISTÂNCIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE AS PRINCIPAIS DIFICULDADES DE UM CURSO DE FILOSOFIA NA MODALIDADE EAD.

FILOSOFIA A DISTÂNCIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE AS PRINCIPAIS DIFICULDADES DE UM CURSO DE FILOSOFIA NA MODALIDADE EAD. FILOSOFIA A DISTÂNCIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE AS PRINCIPAIS DIFICULDADES DE UM CURSO DE FILOSOFIA NA MODALIDADE EAD. Márcia Marques Damasceno Mestrado em Ética e Filosofia Política pela UFC Tutora à Distância

Leia mais