Colheita e Avaliação Seminal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Colheita e Avaliação Seminal"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ FACULDADE DE VETERINÁRIA BIOTECNOLOGIA DA REPRODUÇÃO ANIMAL Colheita e Avaliação Seminal Vicente José de F. Freitas Laboratório de Fisiologia e Controle da Reprodução

2 Plano de Aula Apresentar os conceitos e importância da realização da técnica. Apresentar as diferentes técnicas para colheita do sêmen nas diferentes espécies domésticas. Discutir os diferentes parâmetros seminais para avaliação. Apresentar considerações finais sobre o tema

3 Conceitos Sêmen Porção celular Porção fluida Suspenção celular contendo espermatozoides e fluído secretado pelas glândulas sexuais acessórias Espermatozoides (produzidos nos túbulos seminíferos) plasma seminal (transporte e proteção dos espermatozoides)

4 Métodos Vagina artificial Eletroejaculação Excitação mecânica Variação conforme a espécie

5 Vagina artificial Corresponde à melhor técnica de colheita, pois simula a cópula natural. Método utilizado para a maioria das espécies (bovinos, equinos, caprinos, ovinos, caninos, entre outros). A vagina artificial é composta por um tubo rígido com válvula, mucosa de borracha, cone flexível e tubo de colheita, recoberto por capa de térmica. Através da válvula do tubo coloca-se a água a temperatura de C e regula-se a pressão. A temperatura interna deve estar entre 39 e 42 C. Vantagens: obtêm sêmen de melhor qualidade e com menor risco de contaminação no ambiente. Desvantagem: necessidade de treino para os machos doadores

6 Vagina artificial - bovino Manequim fêmea viva Manequim inanimada Vagina artificial

7 Vagina artificial - equino Manequim fêmea viva Manequim inanimada Vagina artificial

8 Colheita de sêmen no touro

9 Eletroejaculação Método consiste em induzir a passagem de uma corrente alternada pela medula ao nível da 4ª. vértebra lombar, este estímulo produz a ejaculação. O eletroejaculador é inserido no reto, com eletrodos em forma de anéis ou longitudinais que irão promover a estimulação elétrica. A eletroejaculação é particularmente indicada para colheita de machos de diferentes espécies nos quais a colheita por vagina artificial não é possível. Desvantagens: estresse no animal e maior diluição seminal quando comparado à colheita com vagina artificial (eletroejaculador aumenta a secreção das glândulas sexuais acessórias).

10 Eletroejaculação a b c Colheita de sêmen no touro por eletroejaculação: a) limpeza do reto, b) introdução do eletrodo, c) colheita do sêmen com funil acessório.

11 Excitação mecânica Método utilizado por L. Spalanzani (1780) para a obtenção de sêmen de cão. A técnica consiste na excitação manual do corpo do pênis. Mais utilizado em caninos e suínos. Suínos Método da mão enluvada Desvantagens: método restrito a animais mansos e treinados e oferece um risco potencial de contaminação do sêmen por sujidades do ambiente.

12 Excitação mecânica - canino a c b d Colheita de sêmen no cão: a) início da excitação, b) manipulação contínua, c) desprezo da primeira fração, d) colheita da fração espermática

13 Excitação mecânica - canino O sêmen canino é composto de três frações distintas: 1ª fração: é constituída por um líquido claro, aquoso, que representa o produto de secreção das glândulas uretrais e seu volume pode variar de 0,25 a 5 ml; 2ª fração: de cor branca e consistência viscosa, contém os espermatozoides e o volume pode variar de 0,5 a 3 ml; 3ª fração: clara, aquosa, pouco consistente, cujo volume varia de 3 a 30 ml e representa a secreção prostática.

14 Excitação mecânica - suíno O sêmen suíno é composto de três frações distintas: Fração pré-espermática: translúcida, Fração rica em espermatozoides: esbranquiçada e opaca Fração pós-espermática: translúcida

15 Outros métodos de colheita Colheita de sêmen em: Aves massagem abdominal Camundongos retirada do epidídimo e ducto deferente Peixes massagem abdominal

16 Avaliação de sêmen 1) Aspecto e volume: Coloração uniforme e aparência opaca/cremosa (indica alta concentração espermática). O volume é utilizado para cálculo da dose espermática (estimativa do número total de células). Volume médio ejaculado: Bovino: 5 8 ml Ovino: 0,8 1,2 ml Caprino: 0,8 1,2 ml Suíno: ml Equino: ml Galo: 0,2 0,5 ml

17 Avaliação de sêmen 2) Motilidade e Vigor: Estimativa subjetiva da viabilidade e qualidade espermática. Análise realizada em microscópio óptico. Avaliação pode ser dificultada em altas concentrações espermáticas; 10 a 20µL de sêmen são colocados entre lâmina e lamínula. Motilidade: células móveis são contadas e estimado o percentual. Vigor: velocidade que as células atravessam o campo e formam ondas; Motilidade média do ejaculado é 70 a 90%; Vigor é estimado entre 0 a 5.

18 Avaliação de sêmen 3) Concentração Espermática: Pode ser determinada por hemocitômetro e espectrofotômetro. Sêmen deve ser diluído em formol salina ou água par a facilitar a contagem (10X - 100X); Rotineiramente é utilizada Câmara de Neubauer para contagem celular. Concentração média espermática milhões/ml : Bovino: x 10 6 sptz/ml Ovino: x 10 6 sptz/ml Caprino: x 10 6 sptz/ml Suíno: x 10 6 sptz/ml Equino: x 10 6 sptz/ml Galo: x 10 6 sptz/ml

19 Avaliação de sêmen 4) Morfologia: Estimativa do percentual de células normais e das patológicas. Amostra é diluída e conservada em formol salina. Avaliação através de esfregaço e coloração (Hematoxilina-eosina ou Giemsa, Rosa de Bengala). 100 a 200 sptz devem ser avaliados. Espermatozoides morfologicamente normais: Bovino: 65 95% Ovino: 80 95% Caprino: 80 95% Suíno: 70 90% Equino: 60 90% Galo: 85 90% Classificação das anormalidades espermáticas: Primárias: associadas a cabeça e acrossomo; Secundárias: gotas citoplasmáticas; Terciárias: defeitos de cauda

20 Avaliação de sêmen 5) Análise Computadorizada de Motilidade: Sistema de Análise Espermática Computadorizado CASA Sistema automatizado (hardware e software) para visualizar e digitalizar imagens sucessivas dos espermatozoides. Processa, analisa e fornece informações da cinética individual das células e valores estatísticos Têm sido propostos e aplicados na tentativa de minimizar os efeitos da avaliação subjetiva do sêmen.

21 Considerações O método de colheita de sêmen varia de acordo com a espécie e pode influenciar na qualidade do ejaculado. A avaliação seminal é essencial para garantia da qualidade mínima da amostra e posterior fertilidade. Técnicas modernas de avaliação (CASA) podem tornar mais qualitativa o exame dos espermatozoides ejaculados.

Coleta, Avaliação e Criopreservação de Sêmen

Coleta, Avaliação e Criopreservação de Sêmen Universidade Federal de Pelotas Graduação em Biotecnologias Manipulação de Gametas e Embriões 4ª Aula: Coleta, Avaliação e Criopreservação de Sêmen Priscila Marques Moura de Leon Doutoranda PPGB, Médica

Leia mais

Tatiane Guedes Bueno*, Laiza Sartori de Camargo, Karym Christine de Freitas Cardoso, Anelise Ribeiro Peres, Fabiana Ferreira de Souza

Tatiane Guedes Bueno*, Laiza Sartori de Camargo, Karym Christine de Freitas Cardoso, Anelise Ribeiro Peres, Fabiana Ferreira de Souza AVALIAÇÃO DA ESTERILIZAÇÃO APÓS A OCLUSÃO DOS VASOS SANGUÍNEOS OVARIANOS DE COELHAS UTILIZANDO ELÁSTICO DE AFASTAR OS DENTES OU ABRAÇADEIRAS DE NÁILON Tatiane Guedes Bueno*, Laiza Sartori de Camargo, Karym

Leia mais

MANU Manual de Urologia

MANU Manual de Urologia MANU Manual de Urologia Manual de Urologia CAPÍTULO 2 Introdução O espermograma ou análise seminal é o exame complementar inicial na avaliação do homem infértil. O sêmen deve ser coletado por masturbação,

Leia mais

Transmissão da Vida Bases morfológicas e fisiológicas da reprodução 1.2. Noções básicas de hereditariedade. Ciências Naturais 9ºano

Transmissão da Vida Bases morfológicas e fisiológicas da reprodução 1.2. Noções básicas de hereditariedade. Ciências Naturais 9ºano Ciências Naturais 9ºano Transmissão da Vida 1.1. Bases morfológicas e 1.2. Noções básicas de hereditariedade A partir da puberdade, as gónadas atingem a maturidade e começam a produzir gâmetas. Ovários

Leia mais

TERMORREGULAÇÃO TESTICULAR EM BOVINOS

TERMORREGULAÇÃO TESTICULAR EM BOVINOS Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Medicina Veterinária TERMORREGULAÇÃO TESTICULAR EM BOVINOS Mara Regina Bueno de M. Nascimento Mara Regina Bueno de M. Nascimento Profa. Adjunto III Jul./

Leia mais

MOTILIDADE Câmara de Makler

MOTILIDADE Câmara de Makler A Motilidade e a Motilidade Espermática Progressiva são realizadas por meio de vídeos neste programa. Não há item de ensaio. Para MOTILIDADE trata-se de dois casos retratados em dois vídeos, um obtido

Leia mais

Exame Andrológico de Bovinos

Exame Andrológico de Bovinos Exame Andrológico de Bovinos DGV DSPA J. Pedro Canas Simões Objectivos de Produção: -.. -Peso total de vitelos desmamados/vacas expostas à cobrição *Intervalo entre partos *Extensão da duração dos periodos

Leia mais

Célula Espermática: Projeto e desenvolvimento de objetos educacionais

Célula Espermática: Projeto e desenvolvimento de objetos educacionais Célula Espermática: Projeto e desenvolvimento de objetos educacionais Eneder Rosana Oberst - Faculdade de Veterinária Liane Margarida Rockenbach Tarouco - Pós-graduação em Informática da Educação Mary

Leia mais

Criopreservação de Embriões

Criopreservação de Embriões UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ FACULDADE DE VETERINÁRIA BIOTECNOLOGIA DA REPRODUÇÃO ANIMAL Criopreservação de Embriões Vicente José de F. Freitas Laboratório de Fisiologia e Controle da Reprodução www.uece.br/lfcr

Leia mais

Anatomia Comparada do Sistema Reprodutor Masculino nos Animais Domésticos (Equinos, Bovinos, Suínos, Ovinos e Caninos)

Anatomia Comparada do Sistema Reprodutor Masculino nos Animais Domésticos (Equinos, Bovinos, Suínos, Ovinos e Caninos) Anatomia Comparada do Sistema Reprodutor Masculino nos Animais Domésticos (Equinos, Bovinos, Suínos, Ovinos e Caninos) - Órgãos urinários - Órgãos genitais Aparelho urogenital Rosane Maria Guimarães da

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO

SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO Anatomia Genitália externa: pênis e bolsa escrotal; Órgãos reprodutores internos: testículos culos, epidídimos dimos, ductos(deferente, ejaculador e uretra) e as glândulas

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR. Profª Talita Silva Pereira

SISTEMA REPRODUTOR. Profª Talita Silva Pereira SISTEMA REPRODUTOR Profª Talita Silva Pereira O sistema reprodutor masculino é formado: Testículos Vias espermáticas: epidídimo, canal deferente, uretra. Pênis e Escroto Glândulas anexas: próstata, vesículas

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO QUANTITATIVA E QUALITATIVA MORFOLÓGICA DE ESPERMATOZOIDES OBTIDOS DE TECIDO E PAPEL, A PARTIR DE DILUIÇÕES SERIADAS.

TÍTULO: AVALIAÇÃO QUANTITATIVA E QUALITATIVA MORFOLÓGICA DE ESPERMATOZOIDES OBTIDOS DE TECIDO E PAPEL, A PARTIR DE DILUIÇÕES SERIADAS. TÍTULO: AVALIAÇÃO QUANTITATIVA E QUALITATIVA MORFOLÓGICA DE ESPERMATOZOIDES OBTIDOS DE, A PARTIR DE DILUIÇÕES SERIADAS. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

Leia mais

ATLAS CITOLÓGICO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE CITOLOGIA CLÍNICA E LABORATORIAL DA ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGICA DE SÃO JOSÉ DE RIO PRETO SP

ATLAS CITOLÓGICO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE CITOLOGIA CLÍNICA E LABORATORIAL DA ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGICA DE SÃO JOSÉ DE RIO PRETO SP ATLAS CITOLÓGICO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE CITOLOGIA CLÍNICA E LABORATORIAL DA ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGICA DE SÃO JOSÉ DE RIO PRETO SP Tema Citológico: Morfologia da Espermatogênese Autor: Joeder

Leia mais

CARACTERÍSTICAS SEMINAIS E PERÍMETRO ESCROTAL DE TOUROS NELORE E TABAPUÃ CRIADOS NA REGIÃO NORTE DO PARANÁ

CARACTERÍSTICAS SEMINAIS E PERÍMETRO ESCROTAL DE TOUROS NELORE E TABAPUÃ CRIADOS NA REGIÃO NORTE DO PARANÁ 1 CARACTERÍSTICAS SEMINAIS E PERÍMETRO ESCROTAL DE TOUROS NELORE E TABAPUÃ CRIADOS NA REGIÃO NORTE DO PARANÁ DENIS MARQUES ROSSI 1, FLÁVIO GUISELLI LOPES 2, FILIPE ALEXANDRE BOSCARO DE CASTRO 3, BRUNO

Leia mais

1 Corte em seres humanos 2 Diferenças entre os sexos 2.1 Sistema reprodutor masculino 2.2 Sistema reprodutor feminino 3 Fecundação 3.

1 Corte em seres humanos 2 Diferenças entre os sexos 2.1 Sistema reprodutor masculino 2.2 Sistema reprodutor feminino 3 Fecundação 3. 1 Corte em seres humanos 2 Diferenças entre os sexos 2.2 Sistema reprodutor feminino 3 Fecundação 3.1 Gêmeos 4 Gestação e nascimento 5 Gravidez na adolescência e sexo responsável 5.1 Métodos contraceptivos

Leia mais

Sistema urinário. Aparelho Urinário. Órgãos urinários. Órgãos urinários. Rins. Ureteres. Bexiga urinária. Uretra. Sistema urogenital

Sistema urinário. Aparelho Urinário. Órgãos urinários. Órgãos urinários. Rins. Ureteres. Bexiga urinária. Uretra. Sistema urogenital Sistema urinário Aparelho Urinário Sistema urogenital - Órgãos urinários - Órgãos genitais -- Origem embriológica comum (mesoderma intermediário) -- Anatomicamente ligados Profa. Rosane Silva cadela ovário

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Setor Integrado de Reprodução Humana ANÁLISE SEMINAL. Dra.Deborah M.

Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Setor Integrado de Reprodução Humana ANÁLISE SEMINAL. Dra.Deborah M. Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Setor Integrado de Reprodução Humana ANÁLISE SEMINAL Dra.Deborah M.Spaine 2010 Espermograma é um exame que avalia o potencial de fertilidade

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO

SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO Formado por : * Gônodas ou 2 testículos * Vias espermáticas: epidídimo, canais deferentes, e uretra * Pênis * Escroto ou saco escrotal * Glândulas anexas : próstata, vesícula

Leia mais

Exame Andrológico em Cães

Exame Andrológico em Cães Exame Andrológico em Cães ProfªIsabel Candia Nunes da Cunha UENF Indicações Compra ou venda de reprodutores Seleção de doadores para o uso em IA Diagnóstico de patologias do sistema genital masculino Histórico

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR HUMANO. Prof. Me. Cristino Rêgo 8º ANO Ensino Fundamental II

SISTEMA REPRODUTOR HUMANO. Prof. Me. Cristino Rêgo 8º ANO Ensino Fundamental II SISTEMA REPRODUTOR HUMANO Prof. Me. Cristino Rêgo 8º ANO Ensino Fundamental II SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO FUNÇÕES BÁSICAS Produção de gametas (espermatogênese) Produção de hormônio (testosterona) Condução

Leia mais

Sistema reprodutor masculino e feminino: origem, organização geral e histologia

Sistema reprodutor masculino e feminino: origem, organização geral e histologia Sistema reprodutor masculino e feminino: origem, organização geral e histologia CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS DOS SISTEMAS TEGUMENTAR, LOCOMOTOR E REPRODUTOR Profa. Msc. Ângela Cristina Ito Sistema reprodutor

Leia mais

EFEITO DA FRAÇÃO DO EJACULADO E DO MÉTODO DE CONSERVAÇÃO SOBRE AS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DO SÊMEN SUÍNO E A FERTILIDADE DE FÊMEAS

EFEITO DA FRAÇÃO DO EJACULADO E DO MÉTODO DE CONSERVAÇÃO SOBRE AS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DO SÊMEN SUÍNO E A FERTILIDADE DE FÊMEAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE VETERINÁRIA Colegiado dos Cursos de Pós-Graduação EFEITO DA FRAÇÃO DO EJACULADO E DO MÉTODO DE CONSERVAÇÃO SOBRE AS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DO SÊMEN SUÍNO

Leia mais

(c) Muco (d) Vulva inchada (e) Olhar languido 7. Qual das alternativas abaixo não é considerada uma vantagem da inseminação artificial em relação a mo

(c) Muco (d) Vulva inchada (e) Olhar languido 7. Qual das alternativas abaixo não é considerada uma vantagem da inseminação artificial em relação a mo 1. A fertilização é o evento que decorre a partir do encontro dos gametas masculino e feminino. No trato reprodutivo da fêmea bovina em qual local ocorre a fertilização? (a) Útero (b) Tuba uterina (c)

Leia mais

FISIOLOGIA REPRODUTIVA DO MACHO BOVINO

FISIOLOGIA REPRODUTIVA DO MACHO BOVINO FISIOLOGIA REPRODUTIVA DO MACHO BOVINO O sistema reprodutivo masculino é constituído de diversos órgãos peculiares que atuam em conjunto para produzir espermatozóides e liberá- los no sistema reprodutor

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS QUALITATIVOS DE DOSES INSEMINANTES SUÍNAS SUBMETIDAS A SEPARAÇÃO ESPERMÁTICA EM COLUNA DE LÃ DE VIDRO

AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS QUALITATIVOS DE DOSES INSEMINANTES SUÍNAS SUBMETIDAS A SEPARAÇÃO ESPERMÁTICA EM COLUNA DE LÃ DE VIDRO AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS QUALITATIVOS DE DOSES INSEMINANTES SUÍNAS SUBMETIDAS A SEPARAÇÃO ESPERMÁTICA EM COLUNA DE LÃ DE VIDRO Autores: João Luis dos SANTOS¹³, Lucio Pereira RAUBER², Lucas Dalle Laste

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO. Prof. Dr. José Gomes Pereira

SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO. Prof. Dr. José Gomes Pereira Prof. Dr. José Gomes Pereira 1. CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES 2. CONSTITUINTES 2.1. Testículos 2.2. Ductos Genitais 2.3. Glândulas Genitais Acessórias 2.4. Uretra 2.5. Pênis Testículos Envoltórios testiculares

Leia mais

Atualização em manejos e nutrição de cachaços. Izabel Regina Muniz Médica Veterinária Gerente Nacional de Suinocultura Poli Nutri Alimentos

Atualização em manejos e nutrição de cachaços. Izabel Regina Muniz Médica Veterinária Gerente Nacional de Suinocultura Poli Nutri Alimentos Atualização em manejos e nutrição de cachaços Izabel Regina Muniz Médica Veterinária Gerente Nacional de Suinocultura Poli Nutri Alimentos Introdução Otimizar a qualidade do ejaculado e a possibilidade

Leia mais

w w w. s p l a b. c o m. b r

w w w. s p l a b. c o m. b r 11 5181-6877 3714-7136 w w w. s p l a b. c o m. b r Í n d i c e Entenda sua Câmara de Contagem Como Limpar sua Câmara página 1 página 1 Câmaras de contagem Neubauer Fuchs Rosenthal Howard Makler Nageotte

Leia mais

Manual Técnico de Processamento de Sêmen para Inseminação Artificial

Manual Técnico de Processamento de Sêmen para Inseminação Artificial Manual Técnico de Processamento de Sêmen para Inseminação Artificial 1 Introdução A Inseminação Artificial (IA) é hoje em dia o método utilizado pela generalidade dos suinicultores, pois, permite fazer

Leia mais

Aparelho Genital Masculino

Aparelho Genital Masculino Aparelho Genital Masculino Função Produz, nutre e transporta os espermatozóides; Produção de hormonas; Reprodução sexuada. Constituição Testículos; Epidídimo e canal deferente; Vesícula seminal; Canal

Leia mais

REPRODUÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO. Professor Heverton Alencar

REPRODUÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO. Professor Heverton Alencar REPRODUÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO Professor Heverton Alencar Sistema reprodutor masculino Testículo - produção de espermatozoides e também a produção de testosterona (hormônio sexual masculino);

Leia mais

SEMIOLOGIA DE GRANDES ANIMAIS AULA 4

SEMIOLOGIA DE GRANDES ANIMAIS AULA 4 SEMIOLOGIA DE GRANDES ANIMAIS AULA 4 Médico Veterinário Renato G Santos Esp. Clínica, Cirurgia e Reprodução de Grandes Animais Esp. Bovinocultura Leiteira Esp. Nutrição de Ruminantes O exame físico geral

Leia mais

Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) Em Bovinos Leiteiros

Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) Em Bovinos Leiteiros Gado de Leite 1/27 Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) Em Bovinos Leiteiros Erick Fonseca de Castilho Doutor em Reprodução Animal (UFV/MG) efcmv@yahoo.com.br 2/27 Introdução PIB (pecuária): 21

Leia mais

Diapositivo 1. RL1 Raquel Lopes;

Diapositivo 1. RL1 Raquel Lopes; Biologia Humana 11º ano Escola Secundária Júlio Dinis Ovar BIOLOGIA HUMANA 11º ano TD Reprodução Humana??? raquelopes 09 raquelopes15@gmail.com RL1 Diapositivo 1 RL1 Raquel Lopes; 05-01-2009 Biologia Humana

Leia mais

É a célula reprodutiva masculina de todos os animais que se reproduzem a partir de reprodução sexuada.

É a célula reprodutiva masculina de todos os animais que se reproduzem a partir de reprodução sexuada. É a célula reprodutiva masculina de todos os animais que se reproduzem a partir de reprodução sexuada. É uma célula com mobilidade ativa, capaz de nadar livremente, consistindo em uma cabeça e uma cauda

Leia mais

SELEÇÃO DE REPRODUTORES PARA A UTILIZAÇÃO DA PRODUÇÃO IN VITRO DE EMBRIÕES VITRIFICADOS

SELEÇÃO DE REPRODUTORES PARA A UTILIZAÇÃO DA PRODUÇÃO IN VITRO DE EMBRIÕES VITRIFICADOS SELEÇÃO DE REPRODUTORES PARA A UTILIZAÇÃO DA PRODUÇÃO IN VITRO DE EMBRIÕES VITRIFICADOS Orivaldo Rodrigues de Oliveira 1 ; Francisca Elda Ferreira Dias 2 ; Andréa Azevedo Pires de Castro 3. 1 Aluno do

Leia mais

Fisiopatologia da Reprodução II

Fisiopatologia da Reprodução II V e t e r i n a r i a n D o c s Fisiopatologia da Reprodução II Avaliação Andrológica Introdução A realização do exame andrológico tem como princípio fundamental caracterizar o potencial reprodutivo dos

Leia mais

Exercícios de Revisão do 4º Bimestre 2013

Exercícios de Revisão do 4º Bimestre 2013 GDF - SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO DF SUBSECRETARIA DE SUPORTE EDUCACIONAL DO DF GERÊNCIA REGIONAL DE ENSINO DE PLANALTINA CENTRO DE ENSINO FUNDAMENTAL 02 Exercícios de Revisão do 4º Bimestre 2013

Leia mais

RESUMO DE ABATE DE ANIMAIS DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

RESUMO DE ABATE DE ANIMAIS DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES TOTAL DE ABATES NOS MATADOUROS DO IAMA EM 2014 MACHO - A 7 246 1 612 109 5 758 1 418 136 13 004 3 030 245 90 12 809 13 094 3 043 054 MACHO - B 2 156 645 337 667 209 445 2 823 854 782 34 5 655 2 857 860

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR EU BIOLOGIA

SISTEMA REPRODUTOR EU BIOLOGIA SISTEMA REPRODUTOR EU BIOLOGIA Sistema Genital Feminino Ovários: produção de óvulos e hormônios (estrógeno e progesterona) Tuba uterina: durante a ovulação, recolhe o óvulo e conduz até o útero Útero:

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Campus Experimental de Dracena PROGRAMA DE ENSINO CURSO DE GRADUAÇÃO EM: ZOOTECNIA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Campus Experimental de Dracena PROGRAMA DE ENSINO CURSO DE GRADUAÇÃO EM: ZOOTECNIA PROGRAMA DE ENSINO CURSO DE GRADUAÇÃO EM: ZOOTECNIA DISCIPLINA MANEJO REPRODUTIVO E BIOTÉCNICAS APLICADAS À REPRODUÇÃO ANIMAL DEPARTAMENTO: ZOOTECNIA PROFESSOR(ES) RESPONSÁVEL(IS): OBRIGATÓRIA/OPTATIVA

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Melhoramento Animal Código: VET224 Curso: Medicina Veterinária Semestre de oferta: 4 Faculdade responsável: Medicina Veterinária Programa em vigência a partir de: Créditos:

Leia mais

Ano Lectivo 2009/2010

Ano Lectivo 2009/2010 Ano Lectivo 2009/2010 Feito por: Carlos Grilo Caracteres sexuais primários e secundários.3 Sistema reprodutor masculino.4 Sistema reprodutor feminino.5 Ciclo ovário.5 Ciclo uterino.7 Fecundação 9 Caracteres

Leia mais

Sistema reprodutor masculino

Sistema reprodutor masculino Sistema reprodutor masculino O sistema reprodutor masculino é composto por: Testículos Vias espermáticas Glândulas anexas Pênis Saco escrotal Assim como o pênis está localizado externamente ao corpo,

Leia mais

Estudos sobre a morfometria do espermatozoide e características seminais do Pseudoplatystoma corruscans

Estudos sobre a morfometria do espermatozoide e características seminais do Pseudoplatystoma corruscans Estudos sobre a morfometria do espermatozoide e características seminais do Pseudoplatystoma corruscans Cristiane Bashiyo-Silva¹; Douglas de Castro Ribeiro¹; Jumma Miranda de Araújo Chagas¹; Raphael da

Leia mais

CATÁLOGO DE VACINADORES PARA GRANDES ANIMAIS

CATÁLOGO DE VACINADORES PARA GRANDES ANIMAIS EQUIPAMENTOS ZOOTÉCNICOS CATÁLOGO DE VACINADORES PARA GRANDES ANIMAIS w w w. a g r o z o o t e c. c o m. b r 15 AGROZOOTEC Ind. e Com. De Prod. Agrop. Ltda CNPJ: 06.643.570/0001-86 R: Tenente José Gregório

Leia mais

Processamento e preservação de sêmen de peixes nativos

Processamento e preservação de sêmen de peixes nativos Processamento e preservação de sêmen de peixes nativos Paulo César Falanghe Carneiro Embrapa Aracaju - SE Introdução Blaxter 1950: Arenque com reprodução em épocas diferentes Uso do gelo seco Conhecimento

Leia mais

Obstetrícia Veterinária (Parto Fisiológico) Parto. Parto 29/10/2009. Prof. Msc. Marcelo Arne Feckinghaus

Obstetrícia Veterinária (Parto Fisiológico) Parto. Parto 29/10/2009. Prof. Msc. Marcelo Arne Feckinghaus Obstetrícia Veterinária ( Fisiológico) Prof. Msc. Marcelo Arne Feckinghaus Conhecimento essencial Saber intervir Diferenciar fisiológico de patológico Segurança materna e fetal Mudanças fisiológicas e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE NUTRIÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE NUTRIÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE NUTRIÇÃO CURSO: Bacharelado em Nutrição DEPARTAMENTO:Ciências Morfológicas PROGRAMA DE DISCIPLINA

Leia mais

Gametogênese (espermatogênese)

Gametogênese (espermatogênese) Gametogênese (espermatogênese) Células germinativas (2n) Epidídimo (armazena espermatozóides) Período germinativo Período de crescimento Mitose 2n Mitoses Crescimento sem divisão celular 2n 2n 2n Túbulo

Leia mais

Sistema reprodutivo Alexandre P. Rosa

Sistema reprodutivo Alexandre P. Rosa Fisiologia das aves Sistema reprodutivo Aparelho Reprodutor da Fêmea Espécie Gallus gallus domesticus Até o sétimo dia do desenvolvimento embrionário não existe uma diferenciação entre macho e fêmea. As

Leia mais

CIÊNCIAS EJA 5ª FASE PROF.ª SARAH DOS SANTOS PROF. SILONE GUIMARÃES

CIÊNCIAS EJA 5ª FASE PROF.ª SARAH DOS SANTOS PROF. SILONE GUIMARÃES CIÊNCIAS EJA 5ª FASE PROF.ª SARAH DOS SANTOS PROF. SILONE GUIMARÃES REVISÃO DOS CONTEÚDOS Unidade II Ser Humano e Saúde 2 REVISÃO DOS CONTEÚDOS Aula 13 Revisão e Avaliação 3 REVISÃO 1 O sistema reprodutor

Leia mais

19/11/2009. Sistema Reprodutor Masculino Adulto. Formação do sistema genital. Sistema reprodutor feminino adulto. 1ª Etapa: Determinação sexual

19/11/2009. Sistema Reprodutor Masculino Adulto. Formação do sistema genital. Sistema reprodutor feminino adulto. 1ª Etapa: Determinação sexual Desenvolvimento do Sistema Sistema Reprodutor Masculino Adulto Reprodutor Masculino e Feminino Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Sistema reprodutor feminino adulto Formação do sistema genital 1ª Etapa:

Leia mais

EXAME ANDROLÓGICO EM BOVINOS REVISÃO DE LITERATURA ANDROLOGIC EXAM IN CATTLE - LITERATURE REVIEW

EXAME ANDROLÓGICO EM BOVINOS REVISÃO DE LITERATURA ANDROLOGIC EXAM IN CATTLE - LITERATURE REVIEW 131 EXAME ANDROLÓGICO EM BOVINOS REVISÃO DE LITERATURA MARIANO, Renata Sitta Gomes 1 TONETTO, Henrique Cecchino 2 FRARI, Marina Gabriela 2 SAES, Lucas Mazali 3 TOZZETTI, Daniel Soares 2 TEIXEIRA, Pedro

Leia mais

Influência das variáveis ambientais sobre as características quantitativas do sêmen de caprinos das raças Canindé e Moxotó

Influência das variáveis ambientais sobre as características quantitativas do sêmen de caprinos das raças Canindé e Moxotó Influência das variáveis ambientais sobre as características quantitativas do sêmen de caprinos das raças e Meirelane Chagas da Silva 1, Ismênia França de Brito 2, José Antonio Delfino Barbosa Filho 3,

Leia mais

Introdução à Histologia e Técnicas Histológicas. Prof. Cristiane Oliveira

Introdução à Histologia e Técnicas Histológicas. Prof. Cristiane Oliveira Introdução à Histologia e Técnicas Histológicas Prof. Cristiane Oliveira Visão Geral Corpo humano organizado em 4 tecidos básicos: Epitelial Conjuntivo Muscular Nervoso Visão Geral - Tecidos consistem

Leia mais

TÍTULO: COMPARAÇÃO DA CONTAGEM DE PLAQUETAS ENTRE O MÉTODO DE FÔNIO E O MÉTODO SEMI-AUTOMATIZADO

TÍTULO: COMPARAÇÃO DA CONTAGEM DE PLAQUETAS ENTRE O MÉTODO DE FÔNIO E O MÉTODO SEMI-AUTOMATIZADO TÍTULO: COMPARAÇÃO DA CONTAGEM DE PLAQUETAS ENTRE O MÉTODO DE FÔNIO E O MÉTODO SEMI-AUTOMATIZADO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Sistema Reprodutor Humano

Sistema Reprodutor Humano Agradecimento: Ao Professor Paulo Roberto que disponibilizou esta aula: http://pt.slideshare.net/biologia_ PreFederal/aula-sistemareprodutor-14165294 Muito Obrigado! Introdução O sistema reprodutor humano

Leia mais

Cultivo de Células Animais

Cultivo de Células Animais Técnico em Biotecnologia Módulo IV Cultivo de Células Animais Aula 3 Esterilização de materiais para a Cultura de Células Prof. Leandro Parussolo Trabalhar com cultura de células Ambiente Estéril Cells

Leia mais

INTRODUÇÃO SISTEMA URINÁRIO RINS INTRODUÇÃO RINS. Formação: Funções: Formato. Excreção da urina. Coloração. Localização. Doisrins.

INTRODUÇÃO SISTEMA URINÁRIO RINS INTRODUÇÃO RINS. Formação: Funções: Formato. Excreção da urina. Coloração. Localização. Doisrins. : INTRODUÇÃO Doisrins Dois ureteres Bexiga Uretra Funções: Remoção resíduos SISTEMA URINÁRIO Filtração do plasma Funções hormonais INTRODUÇÃO Excreção da urina Sangueéfiltradonosrins Atravésdosureteresofiltradoélevadoatéabexiga

Leia mais

TEMPO DE MOTILIDADE ESPERMÁTICA DO CASCUDO- PRETO, Rhinelepis Aspera, UTILIZANDO COMO SOLUÇÃO ATIVADORA ÁGUA EM DIFERENTES TEMPERATURAS.

TEMPO DE MOTILIDADE ESPERMÁTICA DO CASCUDO- PRETO, Rhinelepis Aspera, UTILIZANDO COMO SOLUÇÃO ATIVADORA ÁGUA EM DIFERENTES TEMPERATURAS. , HTU UTH TEMO DE MOTILIDADE ESERMÁTICA DO CASCUDO- RETO, Rhinelepis Aspera, UTILIZANDO COMO SOLUÇÃO ATIVADORA ÁGUA EM DIFERENTES TEMERATURAS. Diego Mendes Baggio, Eduardo Antônio Sanches, Renata Marino

Leia mais

Laboratório IVP Brasil

Laboratório IVP Brasil Laboratório IVP Brasil Proposta de Exames Atualizado em 05 de Julho de 2012 Laboratório IVP Brasil Primeiro no Brasil a oferecer sistema integrado de exames. Corpo técnico especializado. Equipamentos de

Leia mais

Características quantitativas e qualitativas do sêmen in natura de suínos da raça Piau

Características quantitativas e qualitativas do sêmen in natura de suínos da raça Piau Características quantitativas e qualitativas do sêmen in natura de suínos da raça Piau Quantitative and qualitative characteristics of raw semen of Piau boars BARROS, Maurício Hoshino da Costa 1 ; SHIOMI,

Leia mais

Silvana Maris Cirio Médica Veterinária, Dr.ª, Prof.ª da PUCPR, São José dos Pinhais - PR.

Silvana Maris Cirio Médica Veterinária, Dr.ª, Prof.ª da PUCPR, São José dos Pinhais - PR. AVALIAÇÃO CITOLÓGICA DE MEDULA ÓSSEA DE CADELAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA, PR Bone Marrow Citologic Evaluation of Bitches from Neighborhood of Curitiba, PR Silvana Maris Cirio Médica Veterinária,

Leia mais

ENQUADRAMENTO (1) RESULTADOS DE EXAMES ANDROLÓGICOS EM TOUROS DE APTIDÃO CREATOPOIÉTICA NO SUL DE PORTUGAL

ENQUADRAMENTO (1) RESULTADOS DE EXAMES ANDROLÓGICOS EM TOUROS DE APTIDÃO CREATOPOIÉTICA NO SUL DE PORTUGAL RESULTADOS DE EXAMES ANDROLÓGICOS EM TOUROS DE APTIDÃO CREATOPOIÉTICA NO SUL DE PORTUGAL Romão*, R. 1,2, Cargaleiro, K. 2, Martelo, R. 1, Paralta, D. 1, Carolino, N. 3, Bettencourt, E. 2 ENQUADRAMENTO

Leia mais

Profª LETICIA PEDROSO

Profª LETICIA PEDROSO Profª LETICIA PEDROSO É composto por : Dois ovários Sistema reprodutor Duas tubas uterinas Útero Vagina Vulva (órgão genital externo). Tem como função secretar o óvulo (célula sexual) e abrigar e fornecer

Leia mais

GAMETOGÊNESE. Processo de formação e desenvolvimento das células germinativas especializadas OS GAMETAS.

GAMETOGÊNESE. Processo de formação e desenvolvimento das células germinativas especializadas OS GAMETAS. GAMETOGÊNESE 1 GAMETOGÊNESE Processo de formação e desenvolvimento das células germinativas especializadas OS GAMETAS. Gameta masculino Espermatozóide. Gameta feminino Ovócito. Os gametas possuem metade

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Departamento de Zootecnia Laboratório de Fisiologia e Reprodução Animal. 84ª. Semana do Fazendeiro

Universidade Federal de Viçosa Departamento de Zootecnia Laboratório de Fisiologia e Reprodução Animal. 84ª. Semana do Fazendeiro 1 Universidade Federal de Viçosa Departamento de Zootecnia Laboratório de Fisiologia e Reprodução Animal 84ª. Semana do Fazendeiro Coleta e Armazenagem do Sêmen Suíno Autores: Juliana Andrea Parra Salinas

Leia mais

1.1 Revisão de tópicos da morfologia e fisiologia do sistema genital feminino, sob o aspecto clínico nas diferentes espécies domésticas.

1.1 Revisão de tópicos da morfologia e fisiologia do sistema genital feminino, sob o aspecto clínico nas diferentes espécies domésticas. PROGRAMA PARA O CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DAS VAGAS PARA O CARGO DE PROFESSOR ADJUNTO, EDITAL Nº 764, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2015, NA ÁREA DE REPRODUÇÃO ANIMAL 1) FÊMEA - PARTE TEÓRICA: 1.1 Revisão

Leia mais

Agrupamento Escolas José Belchior Viegas - Escola E.B. 2,3 Poeta Bernardo de Passos. Ciências Naturais Planificação anual 5ºAno Ano letivo:

Agrupamento Escolas José Belchior Viegas - Escola E.B. 2,3 Poeta Bernardo de Passos. Ciências Naturais Planificação anual 5ºAno Ano letivo: Agrupamento Escolas José Belchior Viegas - Escola E.B. 2,3 Poeta Bernardo de Passos Ciências Naturais Planificação anual 5ºAno Ano letivo: 2016-17 / Nº aulas Conteúdos Metas Aulas previstas A importância

Leia mais

Reprodução humana. Aula 01. Sistema genital masculino Sistema genital feminino Gametogênese. Espermatogênese Ovogênese UNIDADE 3 ESPÉCIE HUMANA

Reprodução humana. Aula 01. Sistema genital masculino Sistema genital feminino Gametogênese. Espermatogênese Ovogênese UNIDADE 3 ESPÉCIE HUMANA Reprodução humana UNIDADE 3 ESPÉCIE HUMANA Sistema genital masculino Sistema genital feminino Gametogênese CAPÍTULO 11 Espermatogênese Ovogênese Aula 01 1. SISTEMA GENITAL MASCULINO ÓRGÃOS DO SISTEMA GENITAL

Leia mais

Avaliação dos efeitos da ivermectina de ação prolongada na concentração de 4% sobre as características reprodutivas de touros Nelore

Avaliação dos efeitos da ivermectina de ação prolongada na concentração de 4% sobre as características reprodutivas de touros Nelore Avaliação dos efeitos da ivermectina de ação prolongada na concentração de 4% sobre as características reprodutivas de touros Nelore Evaluation of the Effects of Long-action Ivermectin at a Concentration

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TEMPO DE ARMAZENAMENTO DA AMOSTRA SOBRE OS PARÂMETROS HEMATOLÓGICOS DE CÃES

INFLUÊNCIA DO TEMPO DE ARMAZENAMENTO DA AMOSTRA SOBRE OS PARÂMETROS HEMATOLÓGICOS DE CÃES INFLUÊNCIA DO TEMPO DE ARMAZENAMENTO DA AMOSTRA SOBRE OS PARÂMETROS HEMATOLÓGICOS DE CÃES Liamara A. LEIDENTZ, Daiane LAZAROTTO. Orientador: Wanderson A. B. Pereira. Introdução O hemograma é um dos exames

Leia mais

17/10/2016 ANATOMIA DO REPRODUTOR DE CANINO CIRURGIAS DO APARELHO REPRODUTOR MASCULINO ANATOMIA DO REPRODUTOR DE FELINO ANATOMIA DO REPRODUTOR

17/10/2016 ANATOMIA DO REPRODUTOR DE CANINO CIRURGIAS DO APARELHO REPRODUTOR MASCULINO ANATOMIA DO REPRODUTOR DE FELINO ANATOMIA DO REPRODUTOR ANATOMIA DO REPRODUTOR DE CANINO CIRURGIAS DO APARELHO REPRODUTOR MASCULINO Profº Ms. Paula R. Galbiati Terçariol ANATOMIA DO REPRODUTOR DE FELINO ANATOMIA DO REPRODUTOR Os testículos são órgãos ovóides

Leia mais

ANATOMIA HUMANA II. Sistema Urinário

ANATOMIA HUMANA II. Sistema Urinário ANATOMIA HUMANA II Educação Física Sistema Genito-urinário Prof. Me. Fabio Milioni Sistema Urinário Função Excretar substâncias do corpo urina (Micção) (ác. úrico, ureia, sódio, potássio, etc) Órgãos rins

Leia mais

UERJ 2016 e Hormônios Vegetais

UERJ 2016 e Hormônios Vegetais UERJ 2016 e Hormônios Vegetais Material de Apoio para Monitoria 1. O ciclo de Krebs, que ocorre no interior das mitocôndrias, é um conjunto de reações químicas aeróbias fundamental no processo de produção

Leia mais

Agrupamento Escolas José Belchior Viegas - Escola E.B. 2,3 Poeta Bernardo de Passos Ciências Naturais Planificação anual 5ºAno Ano letivo:

Agrupamento Escolas José Belchior Viegas - Escola E.B. 2,3 Poeta Bernardo de Passos Ciências Naturais Planificação anual 5ºAno Ano letivo: Agrupamento Escolas José Belchior Viegas - Escola E.B. 2,3 Poeta Bernardo de Passos Ciências Naturais Planificação anual 5ºAno Ano letivo: 2015-16 Período Conteúdos INTRODUÇÃO Onde existe vida? Primeira

Leia mais

Métodos anticoncepcionais

Métodos anticoncepcionais Métodos anticoncepcionais Métodos Anticoncepcionais Na sociedade atual, o planejamento familiar é muito importante para a qualidade de vida, pois só assim para garantir um futuro digno para os descendentes.

Leia mais

COMO CALCULAR A PROPORÇÃO TOURO:VACA NA ESTAÇÃO DE MONTA DE BOVINOS DE CORTE

COMO CALCULAR A PROPORÇÃO TOURO:VACA NA ESTAÇÃO DE MONTA DE BOVINOS DE CORTE COMO CALCULAR A PROPORÇÃO TOURO:VACA NA ESTAÇÃO DE MONTA DE BOVINOS DE CORTE Rogério Taveira Barbosa 1 1 - Méd. Veterinário, Dr., Pesquisador da Embrapa Pecuária Sudeste, São Carlos, SP PANORAMA DO REBANHO

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Utilização de dois métodos de classificação andrológica por pontos em touros jovens da raça Braford Flávio Guiselli Lopes 1, Celso Koetz Junior

Leia mais

Transferência gênica mediada por espermatozóides (SMGT) e Nanotransgênese

Transferência gênica mediada por espermatozóides (SMGT) e Nanotransgênese Ministério da Educação Universidade Federal de Pelotas Centro de Desenvolvimento Tecnológico Curso de Graduação em Biotecnologia Disciplina de Transgênese Animal Transferência gênica mediada por espermatozóides

Leia mais

Sistema reprodutor masculino: função, anatomia e aspectos fisiopatológicos CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS DOS SISTEMAS TEGUMENTAR, LOCOMOTOR E REPRODUTOR

Sistema reprodutor masculino: função, anatomia e aspectos fisiopatológicos CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS DOS SISTEMAS TEGUMENTAR, LOCOMOTOR E REPRODUTOR Sistema reprodutor masculino: função, anatomia e aspectos fisiopatológicos CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS DOS SISTEMAS TEGUMENTAR, LOCOMOTOR E REPRODUTOR Profa. Msc. Ângela Cristina Ito Sistema reprodutor masculino

Leia mais

ENGENHARIA DA QUALIDADE A ENG AULA 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA

ENGENHARIA DA QUALIDADE A ENG AULA 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA ENGENHARIA DA QUALIDADE A ENG 09008 AULA 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA PROFESSORES: CARLA SCHWENGBER TEN CATEN ROGÉRIO FEROLDI MIORANDO KARINA ROSSINI Objetivos da disciplina Permitir aos alunos o entendimento

Leia mais

Embriologia Humana. Embriologia Humana. Embriologia Humana 09/11/2016

Embriologia Humana. Embriologia Humana. Embriologia Humana 09/11/2016 Embriologia Humana Embriologia Humana Prof. a Dr. a Sara Tatiana Moreira UTFPR Campus Santa Helena 1 1 Definição Períodos Terminologia embriológica Sistema reprodutor masculino e feminino Gametogênese

Leia mais

Exercícios Equilíbrio Iônico

Exercícios Equilíbrio Iônico Exercícios Equilíbrio Iônico 1. O ph tem uma importância significativa nos processos de laboratório, da indústria e dos organismos vivos. Ele pode ser avaliado de forma simples, usando-se substâncias chamadas

Leia mais

MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS

MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS AULA 01 - APRESENTAÇÃO Mundi - Centro de Formação Técnica Unidade Vitória da Conquista BA Curso Técnico de Edificações APRESENTAÇÃO Philipe do Prado Santos - contato@philipeprado.eng.br

Leia mais

TERMODINÂMICA APLICADA

TERMODINÂMICA APLICADA TERMODINÂMICA APLICADA Capítulo 4: Primeira Lei da Termodinâmica Processos de controlo de volume Sumário No Capítulo 3 discutimos as interações da energia entre um sistema e os seus arredores e o princípio

Leia mais

Prof. Anderson Rodrigo da Silva.

Prof. Anderson Rodrigo da Silva. Prof. Anderson Rodrigo da Silva anderson.silva@ifgoiano.edu.br Sobre Estatística Conjunto de conceitos e métodos. Ciência que recolhe fatos e fenômenos, analisa-os e interpreta-os quanto ao número de frequência,

Leia mais

TEMPO DE ATIVAÇÃO ESPERMÁTICA DO JUNDIÁ (Rhamdia Quelen), UTILIZANDO COMO SOLUÇÃO ATIVADORA ÁGUA EM DIFERENTES TEMPERATURAS.

TEMPO DE ATIVAÇÃO ESPERMÁTICA DO JUNDIÁ (Rhamdia Quelen), UTILIZANDO COMO SOLUÇÃO ATIVADORA ÁGUA EM DIFERENTES TEMPERATURAS. HTU UTH, TEMO DE ATIVAÇÃO ESERMÁTICA DO JUNDIÁ (Rhamdia Quelen), UTILIZANDO COMO SOLUÇÃO ATIVADORA ÁGUA EM DIFERENTES TEMERATURAS. Renata Marino Sykora, Eduardo Antônio Sanches, Diego Mendes Baggio 2 3

Leia mais

O vencimento dependerá da titulação e da produtividade de acordo com o Plano de Salário.

O vencimento dependerá da titulação e da produtividade de acordo com o Plano de Salário. EDITAL DE ABERTURA DE PROVAS E TÍTULOS PARA PREENCHIMENTO DE VAGA PARA DOCENTES E MÉDICO VETERINÁRIO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE RIO PRETO UNIRP. Encontram-se abertas, no período de 04 de dezembro 15 de

Leia mais

BIOENSAIOS COM ORGANISMOS AQUÁTICOS... Ecotoxicologia Ana Morbey - 16/06/04 Instituto do Ambiente

BIOENSAIOS COM ORGANISMOS AQUÁTICOS... Ecotoxicologia Ana Morbey - 16/06/04 Instituto do Ambiente Bioensaios COM ORGANISMOS AQUÁTICOS... 2 ORGANISMOS-TESTE Vibrio fischeri (bactéria) Daphnia magna (microcrustáceo) Thamnocephalus platyurus (microcrustáceo) Artemia franciscana (no caso de amostras salinas)

Leia mais

Transmissão da Vida Bases morfológicas e fisiológicas da reprodução 1.2. Noções básicas de hereditariedade. Ciências Naturais 9ºano

Transmissão da Vida Bases morfológicas e fisiológicas da reprodução 1.2. Noções básicas de hereditariedade. Ciências Naturais 9ºano Ciências Naturais 9ºano Transmissão da Vida 1.1. Bases morfológicas e 1.2. Noções básicas de hereditariedade A transmissão da Vida assegura a continuidade e a variabilidade da espécie humana. É assegurada

Leia mais

Disciplina: HISTOLOGIA PROFESSORA: JULIANA TAVARES

Disciplina: HISTOLOGIA PROFESSORA: JULIANA TAVARES Disciplina: HISTOLOGIA PROFESSORA: JULIANA TAVARES 2017 CONTEÚDO 2 TECIDO EPITELIAL CORTES HISTOLÓGICOS CONSTITUIÇÃO HISTOLÓGICA Células poliédricas justapostas Epitélio apoiado sobre tecido conjuntivo

Leia mais

NOME: TURMA: 33AA / 33IA / 33MA Nº PROFESSOR: ELIO ASSALIN TRABALHO DE RECUPERAÇÃO DE FÍSICA (VALOR DE 2,0 PONTOS) NOTA:

NOME: TURMA: 33AA / 33IA / 33MA Nº PROFESSOR: ELIO ASSALIN TRABALHO DE RECUPERAÇÃO DE FÍSICA (VALOR DE 2,0 PONTOS) NOTA: NOME: TURMA: 33AA / 33IA / 33MA Nº PROFESSOR: ELIO ASSALIN TRABALHO DE RECUPERAÇÃO DE FÍSICA (VALOR DE 2,0 PONTOS) NOTA: Questões do 1 bimestre: Conteúdo: Escalas termométricas, conversão de temperatura

Leia mais

IFSP_CUBATÃO REPRODUÇÃO. Prof. Toscano

IFSP_CUBATÃO REPRODUÇÃO. Prof. Toscano IFSP_CUBATÃO REPRODUÇÃO Prof. Toscano Reprodução é a propriedade que os seres vivos possuem de gerarem descendentes e que lhes permite perpetuar-se no ambiente. REPRODUÇÃO ASSEXUADA OU AGÂMICA OCORRE SEM

Leia mais

A Raça Girolando. Desenvolvimento, Oportunidades e Expectativas. Leandro de Carvalho Paiva Superintendente Técnico

A Raça Girolando. Desenvolvimento, Oportunidades e Expectativas. Leandro de Carvalho Paiva Superintendente Técnico A Raça Girolando Desenvolvimento, Oportunidades e Expectativas Leandro de Carvalho Paiva Superintendente Técnico O Início de Tudo! PROCRUZA 1978 a 1988 Uberaba, décadas de 1970 e 1980 ORIGEM DO PROGRAMA

Leia mais

2) Observe o esquema. Depois, seguindo a numeração, responda às questões. C) Onde a urina é armazenada antes de ser eliminada do corpo?.

2) Observe o esquema. Depois, seguindo a numeração, responda às questões. C) Onde a urina é armazenada antes de ser eliminada do corpo?. Professor: Altemar Santos. Exercícios sobre os sistemas urinário (excretor), reprodutores masculino e feminino e fecundação para o 8º ano do ensino fundamental. 1) Analise o esquema: Identifica-se pelas

Leia mais

Fisiologia Reprodutiva Masculina

Fisiologia Reprodutiva Masculina Fisiologia Reprodutiva Masculina DETERMINACAO E DIFERENCIACAO SEXUAL - 1ª DISTINÇÃO: SEXO GENÉTICO (CROMOSSÔMICO): XY XX DETERMINACAO E DIFERENCIACAO SEXUAL - 2ª DISTINÇÃO: SEXO GONADAL Gônada Indiferenciada

Leia mais

Cromatografia Iônica. Alexandre Martins Fernandes Orientador: Prof. Jefferson Mortatti. Novembro 2006.

Cromatografia Iônica. Alexandre Martins Fernandes Orientador: Prof. Jefferson Mortatti. Novembro 2006. Cromatografia Iônica Alexandre Martins Fernandes Orientador: Prof. Jefferson Mortatti Novembro 2006. Roteiro 1. O que é troca iônica. 2. Cromatografia iônica. 3. Dionex ICS-90. 4. Vantagens. 5. Desvantagens.

Leia mais