CARACTERIZAÇÃO DO REGIME DE VENTO NO MUNICÍPIO DE SEROPÉDICA-RJ

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CARACTERIZAÇÃO DO REGIME DE VENTO NO MUNICÍPIO DE SEROPÉDICA-RJ"

Transcrição

1 CARACTERIZAÇÃO DO REGIME DE VENTO NO MUNICÍPIO DE SEROPÉDICA-RJ ( ) Flavia de Oliveira Dias 1 ; Jessica Cristina dos Santos Souza 2 ; José Francisco de Oliveira Júnior 3 1,2 Curso Técnico em Meio Ambiente, Colégio Técnico da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro 3 Departamento de Ciências Ambientais (DCA), Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) 1 INTRODUÇÃO O conhecimento do regime de vento é importante na caracterização da morfologia urbana, pois se faz necessário no planejamento das atividades humanas de forma eficiente tais como, em estudos e projetos sobre construção civil, na produção agrícola e aproveitamento eólico para geração de energia (Sansigolo, 2005; Leite & Virgens Filho, 2006; Munhoz & Garcia, 2008). O vento é a única variável meteorológica que possui direção e velocidade e, portanto é tratada como vetor. A sua direção é bastante variável no tempo e no espaço, em função da geografia do local, da rugosidade superficial (z 0, m), do relevo, da vegetação e da época do ano (Vendramini, 1986). A topografia e os corpos d água também afetam o regime de vento local (Oke, 1987). No município de Seropédica existe uma mineradora (Pedreira Santa Luzia), um novo aterro sanitário e uma rodovia em construção (Arco Metropolitano). E, nos últimos anos, têm ocorrido um grande crescimento imobiliário, expansão e implantação de indústrias. Portanto, caracterizar o regime do vento é de extrema importância para o futuro monitoramento e avaliação do comportamento dos poluentes gerados por essas atividades, assim como no planejamento futuro da morfologia urbana do município. Outro fato reside em poucos estudos realizados para região sobre o comportamento dos ventos, destacando-se apenas os estudos realizados por Jourdan (2007) que analisou o regime dos ventos próximo à superfície para a Região Metropolitana do Rio de Janeiro (RMRJ), incluindo a localidade de Seropédica no período de 5 anos ( ). 2 OBJETIVOS O estudo tem por objetivo caracterizar a distribuição/comportamento horizontal dos ventos do município de Seropédica avaliando o período de 2001 a 2011, em escala sazonal e em períodos, expondo assim sua direção e velocidade predominantes. E contribuir, desta forma, com futuros planejamentos da cidade através do levantamento de dados. 3 MATERIAL E MÉTODOS O município de Seropédica, situado a S de latitude, 43º W de longitude e 26 m de altitude, no Estado do Rio de Janeiro (Figura 1), possui área de aproximadamente 266,55 km². Foram coletados e organizados dados da direção e velocidade

2 do vento da Estação Meteorológica Automática de Seropédica denominada de Ecologia Agrícola (EA) situada a 22º S de latitude, 43º 41 5 W de longitude e 34 m altitude. Os dados são compreendidos desde janeiro de 2001 a dezembro de 2011, obtendo-se 11 anos, sendo fornecidos e adquiridos no site do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET). Através destes dados foram elaboradas rosas dos ventos e histogramas com o auxílio do programa WRPLOT ( A partir disso, foram feitas avaliações de cunho anual ( ), sazonal e por períodos. Estes períodos foram divididos da seguinte forma: madrugada (00-06h); manhã (06-12h); tarde (12-18h) e noite (18-23h). Para as avaliações sazonais foi considerado no verão o trimestre dezembrojaneiro-fevereiro, outono março-abril-maio, inverno junho-julho-agosto e primavera setembro-outubro-novembro. Figura 1. Município de Seropédica e sua área circunvizinha. 4 RESULTADOS E DISCUSSÃO As direções predominantes identificadas na rosa dos ventos anual (Figura 2a) foram Norte (N) e Sul - Sudoeste (SSW). As direções Sudoeste e SSW correspondem à atuação dos sistemas de brisas (brisa marítima-terrestre). Enquanto que as direções de N a Noroeste (NW) correspondem à influência do regime de vento (brisa de vale-montanha) proveniente das cadeias montanhosas que circundam a região (Figura 1). Verifica-se ainda (Figura 2b) a predominância do regime de calmarias (40,2%) no município de Seropédica, seguida de uma segunda classe de ventos entre 1 e 2 m.s -1 (39,8%) - ventos fracos, o que implica em dificuldades na dispersão de poluentes.

3 (a) Figura 2. Rosa dos ventos (a) e histograma das velocidades dos ventos do município de Seropédica ( ). No período madrugada (Figura 3a) observa-se um total elevado da classe de calmaria, com 62,6%, e predominância das direções N e NW. Durante o período manhã (Figura 3b) ocorreu um pequeno aumento na frequência na direção NW, seguida de velocidades maiores que na madrugada. À tarde (Figura 3c) ocorreu uma redistribuição na direção do vento e aumento considerável da direção SSW, seguida da direção N. A situação de calmaria teve uma redução significativa em comparação aos períodos anteriores, 19,1%, seguido de um aumento da classe de ventos fracos até classe moderada, em virtude da circulação da brisa marítima. No período da noite (Figura 3d) os ventos de quadrante N diminuem, enquanto os ventos de quadrante S intensificam-se. No entanto, o regime de ventos fracos (1 a 3 m.s -1 ) ainda persiste com percentual de 40,6% do total registrado à noite. (a)

4 (c) (d) Figura 3. Rosa dos ventos do período da madrugada (a), do período da manhã, do período da tarde (c) e do período da noite (d) do município de Seropédica ( ). Foram identificadas as direções predominantes de NW a NNE no quadrante N e as direções de SW a S no quadrante S para as estações do ano verão, outono e inverno, figuras 4a, 4b e 4c respectivamente, que seguiram um padrão similar às direções identificadas na escala anual (Figura 2a). No verão as predominâncias foram nas direções SW, SSW e N, com maiores velocidades principalmente no quadrante S. A estação do outono foi caracterizada por regime de ventos fracos do quadrante N, e maiores velocidades no quadrante S. No inverno, o quadrante S mantém suas maiores velocidades nas direções de S a SW, entretanto o quadrante N (N e NNE) começa a aumentar sua frequência na região. Na estação da primavera, (Figura 4d), o regime predominante se deu nas direções de S a SW. (a) (c) (d)

5 Figura 4. Rosa dos ventos da estação de Verão (a), da estação de Outono, da estação de Inverno (c) e da estação de Primavera (d) do município de Seropédica ( ). 5 CONCLUSÕES O município de Seropédica na avaliação dos onze anos possui como direções predominantes o N (brisas de vale) e SSW (brisas marítimas). Os regimes da velocidade do vento identificados em Seropédica são calmaria e ventos fracos (1 a 3 m.s -1 ). Durante a madrugada é observado o maior valor percentual da calmaria, enquanto à tarde o menor valor, em virtude da circulação das brisas marítima/terrestre. Em suma, as maiores velocidades encontradas no estudo é concentrada na estação da primavera e os menores valores na estação do outono, como observado por Jourdan (2007). Sazonalmente, o regime de vento no município de Seropédica segue o mesmo padrão da escala dos onze anos, exceto a estação primavera em que praticamente só há a atuação do quadrante S. Por fim, as principais recomendações são o aumento do número de estações na localidade de Seropédica e nas áreas circunvizinhas e estudos numéricos sobre o escoamento local. 6 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS JOURDAN, P. Caracterização do Regime de Ventos Próximo à Superfície na Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Monografia, (Meteorologia) - Departamento de Meteorologia/UFRJ, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 70 p.,2007. LEITE, M. L., VIRGENS LEITE, J. S. Avaliação da velocidade média e direção predominante do vento em Ponta Grossa-PR. Revista Brasileira de Agrometeorologia, v. 14, p , MUNHOZ, F. C., GARCIA, A. Caracterização da velocidade e direção predominante dos ventos para a localidade de Ituverava SP. Revista Brasileira de Meteorologia, v. 23, p , OKE, T. R. Boundary Layer Climates.2ª ed., Cambridge, University Press, 1987, 435p. SANSIGOLO, C. Distribuições de Probabilidade de Velocidade e Potência do Vento. Revista Brasileira de Meteorologia, v. 20, p , VENDRAMINI, E. Z. Distribuições probabilísticas de velocidades do vento para avaliação do potencial energético eólico. Botucatu: UNESP, p. Tese (Doutorado em Agronomia). Curso de Pós-Graduação em Agronomia, Faculdade de Ciências Agronômicas, Universidade Estadual Paulista, 1986.

ESTUDO DA DIREÇÃO PREDOMINANTE DO VENTO EM TERESINA - PIAUÍ

ESTUDO DA DIREÇÃO PREDOMINANTE DO VENTO EM TERESINA - PIAUÍ ESTUDO DA DIREÇÃO PREDOMINANTE DO VENTO EM TERESINA - PIAUÍ Alana COÊLHO MACIEL (1); Raimundo MAINAR DE MEDEIROS (2) (1) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí IFPI, Praça da Liberdade,

Leia mais

O CARACTERIZAÇÃO DA VELOCIDADE E DIREÇÃO PREDOMINANTE DOS VENTOS MENSAIS PARA A LOCALIDADE DE RIO DO SUL-SC 1

O CARACTERIZAÇÃO DA VELOCIDADE E DIREÇÃO PREDOMINANTE DOS VENTOS MENSAIS PARA A LOCALIDADE DE RIO DO SUL-SC 1 O CARACTERIZAÇÃO DA VELOCIDADE E DIREÇÃO PREDOMINANTE DOS VENTOS MENSAIS PARA A LOCALIDADE DE RIO DO SUL-SC 1 Joice Ramos 2 ; Tainara Jacinto 3 ; Isaac Weber Pitz 4 ; Leonardo de Oliveira Neves 5 INTRODUÇÃO

Leia mais

PERFIL TRIMESTRAL, MENSAL E HORÁRIO DA VELOCIDADE E DIREÇÃO DO VENTO AS MARGENS DA BAIA DE CAXIUANÃ, MELGAÇO, PA: ESTUDO DE CASO.

PERFIL TRIMESTRAL, MENSAL E HORÁRIO DA VELOCIDADE E DIREÇÃO DO VENTO AS MARGENS DA BAIA DE CAXIUANÃ, MELGAÇO, PA: ESTUDO DE CASO. PERFIL TRIMESTRAL, MENSAL E HORÁRIO DA VELOCIDADE E DIREÇÃO DO VENTO AS MARGENS DA BAIA DE CAXIUANÃ, MELGAÇO, PA: ESTUDO DE CASO. GUILHERME FRANCISCO CAMARINHA NETO¹, ANTONIO CARLOS LÔLA DA COSTA², ALEX

Leia mais

COMPORTAMENTO DO VENTO NO LITORAL SUL DO BRASIL

COMPORTAMENTO DO VENTO NO LITORAL SUL DO BRASIL COMPORTAMENTO DO VENTO NO LITORAL SUL DO BRASIL Maurici Amantino Monteiro 1, Camila de Souza Cardoso 1, Daniel Sampaio Calearo 2, Carlos de Assis Osório Dias 3, Fábio Z. Lopez 1 Fundação de Apoio ao Desenvolvimento

Leia mais

COMPARAÇÃO DOS PADRÕES DE VENTO DE SUPERFÍCIE ENTRE CARAGUATATUBA (SP) E CACHOEIRA PAULISTA (SP)

COMPARAÇÃO DOS PADRÕES DE VENTO DE SUPERFÍCIE ENTRE CARAGUATATUBA (SP) E CACHOEIRA PAULISTA (SP) COMPARAÇÃO DOS PADRÕES DE VENTO DE SUPERFÍCIE ENTRE CARAGUATATUBA (SP) E CACHOEIRA PAULISTA (SP) João Augusto HACKEROTT 1 Adilson Wagner GANDU 2 Abstract The purpose of this article is to compare the daily

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO REGIME DE VENTO PRÓXIMO À SUPERFÍCIE NA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO NO PERÍODO

CARACTERIZAÇÃO DO REGIME DE VENTO PRÓXIMO À SUPERFÍCIE NA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO NO PERÍODO CARACTERIZAÇÃO DO REGIME DE VENTO PRÓXIMO À SUPERFÍCIE NA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO NO PERÍODO 2002-2006 Pedro Jourdan 1, Edilson Marton², Luiz Cláudio Pimentel² RESUMO O objetivo deste estudo

Leia mais

Previsão de Vento em Altíssima Resolução em Região de Topografia Complexa. RELATÓRIO DO PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIBIC/CNPq/INPE)

Previsão de Vento em Altíssima Resolução em Região de Topografia Complexa. RELATÓRIO DO PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIBIC/CNPq/INPE) Previsão de Vento em Altíssima Resolução em Região de Topografia Complexa RELATÓRIO DO PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIBIC/CNPq/INPE) João Batista Araujo Figueiredo (UFRJ, Bolsista PIBIC/CNPq) E-mail:

Leia mais

Escala dos sistemas sinoticos

Escala dos sistemas sinoticos Escala dos sistemas sinoticos Principais escalas Planetaria > 10.000 km Macro aprox. > 1000 km Meso aprox. 10 e 1000 km Micro aprox. < 10 km Escalas dos sistemas sinóticos Escala planetário > 10.000km

Leia mais

Apresentado no XVII Congresso Brasileiro de Agrometeorologia 18 a 21 de Julho de 2011 SESC Centro de Turismo de Guarapari, Guarapari - ES

Apresentado no XVII Congresso Brasileiro de Agrometeorologia 18 a 21 de Julho de 2011 SESC Centro de Turismo de Guarapari, Guarapari - ES ESTUDO DAS DIREÇÕES PREDOMINANTES DOS VENTOS EM GILBUÉS PIAUÍ, UMA CONTRIBUIÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NAS ÁREAS CRÍTICAS À DESERTIFICAÇÃO E SECA. Raimundo Mainar de Medeiros Graduação em Meteorologia

Leia mais

UNIDADE DE CONSERVAÇÃO E ZONA DE AMORTECIMENTO

UNIDADE DE CONSERVAÇÃO E ZONA DE AMORTECIMENTO ANEXO 5.2 - CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DO PNSB E DA ZONA DE AMORTECIMENTO A 5.2.1 REGIME PLUVIOMÉTRICO O regime pluviométrico das áreas do PNSB e de sua Zona de Amortecimento foi avaliado com base nos dados

Leia mais

ESTIMATIVA LOCAL DO RECURSO E POTENCIAL EÓLICO DO LITORAL SUL BRASILEIRO A PARTIR DE DADOS DE ESTAÇÕES METEOROLÓGICAS DA REDE INMET

ESTIMATIVA LOCAL DO RECURSO E POTENCIAL EÓLICO DO LITORAL SUL BRASILEIRO A PARTIR DE DADOS DE ESTAÇÕES METEOROLÓGICAS DA REDE INMET ESTIMATIVA LOCAL DO RECURSO E POTENCIAL EÓLICO DO LITORAL SUL BRASILEIRO A PARTIR DE DADOS DE ESTAÇÕES METEOROLÓGICAS DA REDE INMET KARIN CRISTINA CONTE GIULIANO ARNS RAMPINELLI UNIVERSIDADE FEDERAL DE

Leia mais

Lacunaridade da Direção do Vento em Estações Meteorológicas de Pernambuco

Lacunaridade da Direção do Vento em Estações Meteorológicas de Pernambuco Lacunaridade da Direção do Vento em Estações Meteorológicas de Pernambuco Leandro Ricardo Rodrigues de Lucena 1 Danila Maria Almeida de Abreu Silva 1 Tatijana Stosic 1 1 Introdução Segundo MUNHOZ E GARCIA

Leia mais

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL NOVEMBRO/DEZEMBRO-2017/JANEIRO-2018 Cooperativa de Energia Elétrica e Desenvolvimento Rural OUTUBRO/2017 Perspectivas para La Niña de fraca intensidade e curta duração As

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA VELOCIDADE E DIREÇÃO PREDOMINANTE DOS VENTOS PARA A LOCALIDADE DE RIO DO SUL-SC

CARACTERIZAÇÃO DA VELOCIDADE E DIREÇÃO PREDOMINANTE DOS VENTOS PARA A LOCALIDADE DE RIO DO SUL-SC CARACTERIZAÇÃO DA VELOCIDADE E DIREÇÃO PREDOMINANTE DOS VENTOS PARA A LOCALIDADE DE RIO DO SUL-SC Isaac Weber Pitz¹, Leonardo de Oliveira Neves², Joabe Weber Pitz 3, Katiani Eli 3, Evandro Chaves de Oliveira

Leia mais

ESTUDO DE BRISAS NA ILHA DE FLORIANÓPOLIS

ESTUDO DE BRISAS NA ILHA DE FLORIANÓPOLIS ESTUDO DE BRISAS NA ILHA DE FLORIANÓPOLIS TUANNY STEFFANE RODRIGUES¹, LEONARDO AGOSTINHO TOMɹ, ELIZABETH GUESSER LEITE¹, PAULA HULLER CRUZ¹, DANIEL CALEARO¹ ¹Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC),

Leia mais

ESTUDO DAS DIREÇÕES DO VENTO NO MUNICÍPIO DA LAPA, PR.

ESTUDO DAS DIREÇÕES DO VENTO NO MUNICÍPIO DA LAPA, PR. ESTUDO DAS DIREÇÕES DO VENTO NO MUNICÍPIO DA LAPA, PR. BERUSKI, GUSTAVO C. 1, LEITE, MAYSA DE L. 2, VIRGENS FILHO, JORIM S. 3 1: Graduando do Curso de Bacharelado em Ciências Biológicas, Departamento de

Leia mais

PREDOMINÂNCIA DO VENTO NA REGIÃO DE TABULEIROS COSTEIROS PRÓXIMO A MACEIÓ AL. Roberto Lyra ABSTRACT

PREDOMINÂNCIA DO VENTO NA REGIÃO DE TABULEIROS COSTEIROS PRÓXIMO A MACEIÓ AL. Roberto Lyra ABSTRACT PREDOMINÂNCIA DO VENTO NA REGIÃO DE TABULEIROS COSTEIROS PRÓXIMO A MACEIÓ AL Roberto Lyra UFAL/CCEN/Dpto. de Meteorologia 5772-97 Maceió AL e-mail: rffl@fapeal.br ABSTRACT A survey of the wind predominance

Leia mais

Ciência e Natura ISSN: Universidade Federal de Santa Maria Brasil

Ciência e Natura ISSN: Universidade Federal de Santa Maria Brasil Ciência e Natura ISSN: 0100-8307 cienciaenaturarevista@gmail.com Universidade Federal de Santa Maria Brasil Rodrigues, Tuanny Steffane; Leal de Quadro, Mário Francisco; Vetromilla Fuentes, Márcia Mapeamento

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA ATUAÇÃO DO FENÔMENO EL NIÑO /OSCILAÇÃO SUL ENTRE AS CIDADES DE RIO GRANDE E PELOTAS-RS PARA O PERÍODO DE

ANÁLISE COMPARATIVA DA ATUAÇÃO DO FENÔMENO EL NIÑO /OSCILAÇÃO SUL ENTRE AS CIDADES DE RIO GRANDE E PELOTAS-RS PARA O PERÍODO DE ANÁLISE COMPARATIVA DA ATUAÇÃO DO FENÔMENO EL NIÑO /OSCILAÇÃO SUL ENTRE AS CIDADES DE RIO GRANDE E PELOTAS-RS PARA O PERÍODO DE 199-1998. ABSTRACT Martins, Janaina Senna (1); Lanau, Lúcia; Saraiva (1)

Leia mais

Boletim climatológico mensal da Madeira maio 2012

Boletim climatológico mensal da Madeira maio 2012 Boletim climatológico mensal da Madeira maio 2012 CONTEÚDOS DRM - OMF 01 Resumo mensal 02 Resumo das condições meteorológicas 02 Caracterização climática mensal 02 Temperatura do ar 05 Precipitação total

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO VENTO EM MACAPÁ-AP NO PERÍODO DE 2003 A 2005 RESUMO

CARACTERIZAÇÃO DO VENTO EM MACAPÁ-AP NO PERÍODO DE 2003 A 2005 RESUMO CARACTERIZAÇÃO DO VENTO EM MACAPÁ-AP NO PERÍODO DE 2003 A 2005 Edmir dos Santos Jesus 1, Daniel Gonçalves das Neves 2 RESUMO O objetivo desse trabalho foi de analisar a distribuição da freqüência do vento

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA VELOCIDADE E DIREÇÃO DO VENTO EM MOSSORÓ-RN, PARA AS QUATRO ESTAÇÕES DO ANO

CARACTERIZAÇÃO DA VELOCIDADE E DIREÇÃO DO VENTO EM MOSSORÓ-RN, PARA AS QUATRO ESTAÇÕES DO ANO CARACTERIZAÇÃO DA VELOCIDADE E DIREÇÃO DO VENTO EM MOSSORÓ-RN, PARA AS QUATRO ESTAÇÕES DO ANO Gláucia Miranda Lopes e Magna Soelma Beserra de Moura Universidade Federal da Paraíba, CCT, DCA Av. Aprígio

Leia mais

A CIRCULAÇÃO ATMOSFÉRICA LOCAL NA REGIÃO DA USINA HIDRELÉTRICA ITÁ. Aline Fernanda Czarnobai 1 Ruy de Sá Prudêncio 2 Maria Laura Guimarães Rodrigues 3

A CIRCULAÇÃO ATMOSFÉRICA LOCAL NA REGIÃO DA USINA HIDRELÉTRICA ITÁ. Aline Fernanda Czarnobai 1 Ruy de Sá Prudêncio 2 Maria Laura Guimarães Rodrigues 3 A CIRCULAÇÃO ATMOSFÉRICA LOCAL NA REGIÃO DA USINA HIDRELÉTRICA ITÁ Aline Fernanda Czarnobai 1 Ruy de Sá Prudêncio 2 Maria Laura Guimarães Rodrigues 3 RESUMO Este trabalho analisa o comportamento do ciclo

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal da Madeira Setembro 2010

Boletim Climatológico Mensal da Madeira Setembro 2010 Boletim Climatológico Mensal da Madeira Setembro 2010 CONTEÚDOS DRM - OMF 01 Resumo Mensal 02 Resumo das Condições Meteorológicas 03 Caracterização Climática Mensal 03 Temperatura do Ar 06 Precipitação

Leia mais

Clima de Passo Fundo

Clima de Passo Fundo Clima de Passo Fundo Clima de Passo Fundo - Normais Climatológicas Pela classificação de Köppen, Passo Fundo (28º15 S, 52º 24 W e 687 m de altitude) está localizada na Zona Climática fundamental temperada

Leia mais

O que são chuvas? Podemos entender por precipitação como sendo o retorno do vapor d água atmosférica no estado líquido ou sólido à superfície da

O que são chuvas? Podemos entender por precipitação como sendo o retorno do vapor d água atmosférica no estado líquido ou sólido à superfície da O que são chuvas? Podemos entender por precipitação como sendo o retorno do vapor d água atmosférica no estado líquido ou sólido à superfície da terra. Formas de precipitação: chuva, neve, granizo, orvalho

Leia mais

ANÁLISE DE ARQUIVOS CLIMÁTICOS PARA A SIMULAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICODE EDIFICAÇÕES

ANÁLISE DE ARQUIVOS CLIMÁTICOS PARA A SIMULAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICODE EDIFICAÇÕES ANÁLISE DE ARQUIVOS CLIMÁTICOS PARA A SIMULAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICODE EDIFICAÇÕES Camila Scheller Márcio José Sorgato Ana Paula Melo Roberto Lamberts Florianópolis, abril de 2015 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA DIREÇÃO PREDOMINANTE E VELOCIDADE DO VENTO EM PALMAS (TO)

CARACTERIZAÇÃO DA DIREÇÃO PREDOMINANTE E VELOCIDADE DO VENTO EM PALMAS (TO) CARACTERIZAÇÃO DA DIREÇÃO PREDOMIATE E VELOCIDADE DO VETO EM PALMAS (TO) LILIAE FLÁVIA GUIMARÃES DA SILVA 1 LUCAS BARBOSA E SOUZA 2 Resumo Este artigo tem como objetivo analisar a direção e a velocidade

Leia mais

Introdução. A importância da compreensão dos fenômenos meteorologicos Grande volume de dados

Introdução. A importância da compreensão dos fenômenos meteorologicos Grande volume de dados Introdução A importância da compreensão dos fenômenos meteorologicos Grande volume de dados Estações meteorológicas Imagens de satélite Radar Aeronaves, navios e bóias oceânicas Necessidade de rapidez

Leia mais

Formado por turbulência mecânica ou convecção Tempo de vida: de minutos

Formado por turbulência mecânica ou convecção Tempo de vida: de minutos Circulação Local Escalas do Movimento Microescala: metros Vórtices (eddies) Turbulentos Formado por turbulência mecânica ou convecção Tempo de vida: de minutos Mesoscala: km a centenas de km Ventos locais

Leia mais

BOLETIM CLIMÁTICO SOBRE A PRIMAVERA NO ESTADO DO PARANÁ

BOLETIM CLIMÁTICO SOBRE A PRIMAVERA NO ESTADO DO PARANÁ BOLETIM CLIMÁTICO SOBRE A PRIMAVERA NO ESTADO DO PARANÁ Data da previsão: 22/09/15 Duração da Primavera: 23/09/15 (05h20) a 22/12/2015 (01h48 não ajustado ao horário de verão) Características climáticas

Leia mais

ESTUDO DE CARACTERIZAÇÃO DA DIREÇÃO PREDOMINANTE DOS VENTOS DA CIDADE DE UBERLÂNDIA/MG

ESTUDO DE CARACTERIZAÇÃO DA DIREÇÃO PREDOMINANTE DOS VENTOS DA CIDADE DE UBERLÂNDIA/MG ESTUDO DE CARACTERIZAÇÃO DA DIREÇÃO PREDOMINANTE DOS VENTOS DA CIDADE DE UBERLÂNDIA/MG Bruno Fernandes Barcelos. Laboratório de Climatologia e Recursos Hídricos. Universidade Federal de Uberlândia. Brasil.

Leia mais

CONFORTO AMBIENTAL Aula 2

CONFORTO AMBIENTAL Aula 2 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 2 M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira Diferença entre Tempo e Clima TEMPO: Variações diárias das condições atmosféricas. CLIMA: É a condição média

Leia mais

CONDIÇÕES PARA FORMAÇÃO DE NEVOEIRO EM PELOTAS: PARTE I- ANÁLISE SINÓTICA E ESTATÍSTICA

CONDIÇÕES PARA FORMAÇÃO DE NEVOEIRO EM PELOTAS: PARTE I- ANÁLISE SINÓTICA E ESTATÍSTICA CONDIÇÕES PARA FORMAÇÃO DE NEVOEIRO EM PELOTAS: PARTE I- ANÁLISE SINÓTICA E ESTATÍSTICA Abstract Vladair Morales de Oliveira 1 e-mail: vladair@cpmet.ufpel.tche.br Natália Fedorova e-mail : natalia@cpmet.ufpel.tche.br

Leia mais

ESTUDO DE CASO DA VARIAÇÃO HORÁRIA DA UMIDADE RELATIVA DO AR EM TERESINA PI NO ANO DE Raimundo Mainar de Medeiros (UFCG)

ESTUDO DE CASO DA VARIAÇÃO HORÁRIA DA UMIDADE RELATIVA DO AR EM TERESINA PI NO ANO DE Raimundo Mainar de Medeiros (UFCG) ESTUDO DE CASO DA VARIAÇÃO HORÁRIA DA UMIDADE RELATIVA DO AR EM TERESINA PI NO ANO DE 2009 Raimundo Mainar de Medeiros (UFCG) Resumo: Este trabalho tem como objetivo analisar a variabilidade mensal da

Leia mais

Fernanda Batista Silva 1,4, Edilson Marton 2, Gustavo Bodstein 3, Karla Longo 1

Fernanda Batista Silva 1,4, Edilson Marton 2, Gustavo Bodstein 3, Karla Longo 1 ESTUDO DE ILHA DE CALOR NA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO: ASPECTOS DAS CIRCULAÇÕES LOCAIS COM A UTILIZAÇÃO DO MODELO ATMOSFÉRICO BRAMS ACOPLADO AO ESQUEMA DE ÁREA URBANA Fernanda Batista Silva

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal da Madeira Julho 2010

Boletim Climatológico Mensal da Madeira Julho 2010 Boletim Climatológico Mensal da Madeira Julho 2010 CONTEÚDOS DRM - OMF 01 Resumo Mensal 02 Resumo das Condições Meteorológicas 02 Caracterização Climática Mensal 02 Temperatura do Ar 05 Precipitação Total

Leia mais

A TEMPERATURA E A UMIDADE DO AR EM NOVA ANDRADINA/MS EM AGOSTO DE 2008 ÀS 20h 1

A TEMPERATURA E A UMIDADE DO AR EM NOVA ANDRADINA/MS EM AGOSTO DE 2008 ÀS 20h 1 A TEMPERATURA E A UMIDADE DO AR EM NOVA ANDRADINA/MS EM AGOSTO DE 2008 ÀS 20h 1 Janaína Lopes Moreira janainamoreira1991@hotmail.com UNESP- Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências e Tecnologia,

Leia mais

Prognóstico Climático

Prognóstico Climático Prognóstico Climático PROGNÓSTICO TRIMESTRAL Trimestre: ago/set/out - 2001 O prognóstico climático do Instituto Nacional de Meteorologia - INMET, órgão do Ministério da Agricultura e do Abastecimento,

Leia mais

Andre de Arruda Lyra 1 Sin Chan Chou 1 Enio Bueno Pereira 1 Antônio Leite de Sá 2

Andre de Arruda Lyra 1 Sin Chan Chou 1 Enio Bueno Pereira 1 Antônio Leite de Sá 2 AVALIAÇÃO DA PREVISÃO DE VENTO A 5 M DE ALTURA GERADA PELO MODELO ETA-5 KM PARA REGIÃO NORDESTE Andre de Arruda Lyra 1 Sin Chan Chou 1 Enio Bueno Pereira 1 Antônio Leite de Sá RESUMO A previsão de vento

Leia mais

Climatologia de Cubatão

Climatologia de Cubatão Climatologia de Cubatão Simone Valarini e Rita Yuri Ynoue 1 1 Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da Universidade de São Paulo- IAG-USP- Rua do Matão, 1226 São Paulo SP Brasil, email:

Leia mais

Caracterização da Velocidade e Direção Predominante dos Ventos na Região de Sinop, Mato Grosso

Caracterização da Velocidade e Direção Predominante dos Ventos na Região de Sinop, Mato Grosso Scientific Electronic Archives Volume p. 9- Caracterização da Velocidade e Direção Predominante dos Ventos na Região de Sinop, Mato Grosso Characterization of Speed And Direction Wind Predominant in the

Leia mais

BOLETIM CLIMÁTICO OUTONO (Início: 20/03/2017 às 07h29min - Término: 21/06/2017 à 01h24min)

BOLETIM CLIMÁTICO OUTONO (Início: 20/03/2017 às 07h29min - Término: 21/06/2017 à 01h24min) BOLETIM CLIMÁTICO OUTONO 2017 (Início: 20/03/2017 às 07h29min - Término: 21/06/2017 à 01h24min) No Paraná, historicamente, ocorre uma redução das chuvas. As variações nas condições do tempo são rápidas;

Leia mais

ANEXO 3. Considerações para Eficiência Energética no projeto de Edificações Comerciais, de Serviço e Públicas

ANEXO 3. Considerações para Eficiência Energética no projeto de Edificações Comerciais, de Serviço e Públicas ANEXO 3 DADOS RELATIVOS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Considerações para Eficiência Energética no projeto de Edificações Comerciais, de Serviço e Públicas 1. Considerações gerais As edificações comerciais apresentam

Leia mais

CHUVAS EM Campo Grande MATO GROSSO DO SUL. NOVEMBRO e DEZEMBRO/2015 JANEIRO e FEVEREIRO/2016

CHUVAS EM Campo Grande MATO GROSSO DO SUL. NOVEMBRO e DEZEMBRO/2015 JANEIRO e FEVEREIRO/2016 CHUVAS EM Campo Grande MATO GROSSO DO SUL NOVEMBRO e DEZEMBRO/2015 JANEIRO e FEVEREIRO/2016 1. DESCRIÇÃO DOS DADOS Os dados desse documento são da Estação Meteorológica Automática EMA -, do Instituto Nacional

Leia mais

Exercícios Extras de Cartografia. Prof. Carlão Abril/14

Exercícios Extras de Cartografia. Prof. Carlão Abril/14 Exercícios Extras de Cartografia. Prof. Carlão Abril/14 01. (Uerj/2014) Observe na imagem uma feição de relevo em escarpa, área de desnível acentuado de altitude, encontrada geralmente nas bordas de planalto,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA VELOCIDADE E DIREÇÃO DO VENTO EM MOSSORÓ-RN

CARACTERIZAÇÃO DA VELOCIDADE E DIREÇÃO DO VENTO EM MOSSORÓ-RN CARACTERIZAÇÃO DA VELOCIDADE E DIREÇÃO DO VENTO EM MOSSORÓ-RN GIULLIANA M. MORAIS DE SOUSA 1, JOSÉ E. SOBRINHO 2, VÁGNA DA COSTA PEREIRA 3. 1 Eng. Agrônomo, aluna do mestrado em Ciências do Solo, da Universidade

Leia mais

ESTUDO DA VARIABILIDADE CLIMÁTICA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, ATRAVÉS DAS REPETIÇÕES DE ANOMALIAS DE TEMPERATURAS MÍNIMAS DIÁRIAS

ESTUDO DA VARIABILIDADE CLIMÁTICA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, ATRAVÉS DAS REPETIÇÕES DE ANOMALIAS DE TEMPERATURAS MÍNIMAS DIÁRIAS ESTUDO DA VARIABILIDADE CLIMÁTICA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, ATRAVÉS DAS REPETIÇÕES DE ANOMALIAS DE TEMPERATURAS MÍNIMAS DIÁRIAS André Moura Gonçalves Centro de Pesquisas Meteorológicas - UFPel Av.

Leia mais

Climatologia Agrícola Relatório Anual Ano de 2008

Climatologia Agrícola Relatório Anual Ano de 2008 Climatologia Agrícola Relatório Anual Ano de 28 No âmbito da actividade do Sistema Agrometeorológico para a Gestão da Rega no (SAGRA) e no seguimento de anos anteriores, apresenta-se no presente relatório,

Leia mais

ESTUDO CLIMATOLÓGICO DA VELOCIDADE E DIREÇÃO DO VENTO ATRAVÉS DOS DADOS DE REANÁLISES PARA O ESTADO DE ALAGOAS

ESTUDO CLIMATOLÓGICO DA VELOCIDADE E DIREÇÃO DO VENTO ATRAVÉS DOS DADOS DE REANÁLISES PARA O ESTADO DE ALAGOAS ESTUDO CLIMATOLÓGICO DA VELOCIDADE E DIREÇÃO DO VENTO ATRAVÉS DOS DADOS DE REANÁLISES PARA O ESTADO DE ALAGOAS Adriano Correia de Marchi 1, Rosiberto Salustiano da Silva Junior 2, Ricardo Ferreira Carlos

Leia mais

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL SETEMBRO/OUTUBRO/NOVEMBRO -2017 Cooperativa de Energia Elétrica e Desenvolvimento Rural AGOSTO/2017 Temperatura da superfície do mar segue em condições de normalidade no Oceano

Leia mais

Dados ambientais. Previsão do tempo. Imagem de satélite GOES

Dados ambientais. Previsão do tempo. Imagem de satélite GOES Dados ambientais. A terra recebe energia solar continuamente. A instituição recebe a radiação solar, que a através do aquecimento diurno e resfriamento noturno caracteriza o clima. Serão estudados dentro

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal dos Açores Março de 2010

Boletim Climatológico Mensal dos Açores Março de 2010 Boletim Climatológico Mensal dos Açores Março de 2010 CONTEÚDOS Observatório Príncipe Alberto de Mónaco (Horta) 01 Resumo Mensal 02 Resumo das Condições Meteorológicas 03 Caracterização Climática Mensal

Leia mais

Energia eólica Programa: Mestrado em Energia

Energia eólica Programa: Mestrado em Energia Energia eólica Programa: Mestrado em Energia O desenvolvimento e estudo do recurso e tecnologia eólica têm maturado rapidamente nos últimos anos, estabelecendo-se como uma das fontes de energia limpa mais

Leia mais

Submódulo 9.6. Acompanhamento e previsão meteorológica e climática

Submódulo 9.6. Acompanhamento e previsão meteorológica e climática Submódulo 9.6 Acompanhamento e previsão meteorológica e climática Rev. Nº. 0.0 0.1 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Atendimento à Resolução

Leia mais

COMPORTAMENTO ESTATÍSTICO SAZONAL DOS VENTOS NA REGIÃO DO OBSERVATÓRIO ESPACIAL DO SUL

COMPORTAMENTO ESTATÍSTICO SAZONAL DOS VENTOS NA REGIÃO DO OBSERVATÓRIO ESPACIAL DO SUL COMPORTAMENTO ESTATÍSTICO SAZONAL DOS VENTOS NA REGIÃO DO OBSERVATÓRIO ESPACIAL DO SUL Fiorin, D.V. 1, ; Schuch, N.J. 1 ; Martins, F.R. 2 ; Brackmann, R. 1 ; Ceconi, M. 1 ; Pereira, E.B. 2 ; Guarnieri,R.A.

Leia mais

Relatório De Consolidação Do Programa De Acompanhamento Climatológico Na Região Da UHE Mauá

Relatório De Consolidação Do Programa De Acompanhamento Climatológico Na Região Da UHE Mauá Sistema Meteorológico do Paraná SIMEPAR Curitiba PR, Caixa Postal 190, CEP 81531-900, Fone: (41) 3320-2001 Relatório De Consolidação Do Programa De Acompanhamento Climatológico Na Região Da UHE Mauá Ângelo

Leia mais

Caracterização da Agitação Marítima ao Largo da Baía de Maputo

Caracterização da Agitação Marítima ao Largo da Baía de Maputo UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Faculdade de Engenharia Cláudia Brunilde Guiloviça Maputo, 11 de Maio de 2012 Conteúdos: 1. Introdução; 1.1. Objectivos; 1.2. Metodologia; 2. Estado da Arte; 2.1. Fontes de

Leia mais

II Semana de Geografia UNESP / Ourinhos 29 de Maio a 02 de Junho de 2006

II Semana de Geografia UNESP / Ourinhos 29 de Maio a 02 de Junho de 2006 USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA MICROBACIA CÓRREGO DO PORTO-TRÊS LAGOAS MS SILVA, Laís C.N. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul- UFMS lais_cns@yahoo.com.br DELGADO, Valeria P. Universidade Federal de

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE DOIS MÉTODOS DE MEDIÇÃO DE DIREÇÃO E VELOCIDADE DO VENTO NA REGIÃO DE RIO GRANDE - RS

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE DOIS MÉTODOS DE MEDIÇÃO DE DIREÇÃO E VELOCIDADE DO VENTO NA REGIÃO DE RIO GRANDE - RS ESTUDO COMPARATIVO ENTRE DOIS MÉTODOS DE MEDIÇÃO DE DIREÇÃO E VELOCIDADE DO VENTO NA REGIÃO DE RIO GRANDE - RS Maria Fernanda Siqueira Braga Departamento de Geociências Fundação Universidade Federal de

Leia mais

ESTUDO PLUVIOMÉTRICO E FLUVIOMÉTRICO PRELIMINAR NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO EMBU-GUAÇU, SP.

ESTUDO PLUVIOMÉTRICO E FLUVIOMÉTRICO PRELIMINAR NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO EMBU-GUAÇU, SP. ESTUDO PLUVIOMÉTRICO E FLUVIOMÉTRICO PRELIMINAR NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO EMBU-GUAÇU, SP. Rita Monteiro Falcão - Aluna do curso de Geografia da FFLCH/USP. E-mail: rita.falcao@usp.br Emerson Galvani

Leia mais

ACA-223: Climatologia 1. Climatologia Física: Elementos e Controles do Clima: Variabilidade Diurna e Sazonal

ACA-223: Climatologia 1. Climatologia Física: Elementos e Controles do Clima: Variabilidade Diurna e Sazonal ACA-223: Climatologia 1 Climatologia Física: Elementos e Controles do Clima: Variabilidade Diurna e Sazonal O que é o Clima? Clima: estado da atmosfera (caracterizado pelas variáveis atmosféricas, ex.

Leia mais

Recurso Eólico Sistemas de Pequeno Porte

Recurso Eólico Sistemas de Pequeno Porte Localidade: São Martiho da Serra Ve locidade (m/s ) Altura m Torre Estação Meteorol ógica SMS Altura m Torre Fator de Forma (k):, Fator de Escala (c):, m/s Estação Meteorológica SMS Recurso Eólico Sistemas

Leia mais

Estudo do Efeito Topográfico no Ciclo Diurno do Vento na Superfície no Estado de São Paulo. Hugo A. Karam 1 e Amauri P. Oliveira 1.

Estudo do Efeito Topográfico no Ciclo Diurno do Vento na Superfície no Estado de São Paulo. Hugo A. Karam 1 e Amauri P. Oliveira 1. Estudo do Efeito Topográfico no Ciclo Diurno do Vento na Superfície no Estado de São Paulo Hugo A. Karam 1 e Amauri P. Oliveira 1 1 Grupo de Micrometeorologia - Departamento de Ciências Atmosféricas -

Leia mais

DISPERSÃO DE POLUENTES NA CIDADE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS.

DISPERSÃO DE POLUENTES NA CIDADE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS. DISPERSÃO DE POLUENTES NA CIDADE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS. William Ferreira Carvalho João Luís Berardo José Pereira de Assis Curso Técnico de Meteorologia- UNIVAP labmet@univap.br Roberto Lage Guedes CTA-ACA-IAE

Leia mais

VARIABILIDADE DA PRECIPITAÇÃO EM CAMPO GRANDE, MATO GROSSO DO SUL

VARIABILIDADE DA PRECIPITAÇÃO EM CAMPO GRANDE, MATO GROSSO DO SUL VARIABILIDADE DA PRECIPITAÇÃO EM CAMPO GRANDE, MATO GROSSO DO SUL CÁTIA C. B. RODRIGUES 1, HÉRCULES ARCE², ROSEMEIRE V. GOMES³ 1 Meteorologista, Responsável técnica pelo CEMTEC/AGRAER, Campo Grande MS,

Leia mais

Abstract: Key words: atmospheric transport; geoprocessing techniques; air pollution. Introdução:

Abstract: Key words: atmospheric transport; geoprocessing techniques; air pollution. Introdução: APLICAÇÃO DE GEOTECNOLOGIAS PARA MODELAGENS ATMOSFÉRICA E COMPREENSÃO DA QUALIDADE DO AR DA BACIA AÉREA IV DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO (RMRJ): UM ESTUDO DE CASO DA REGIÃO LESTE DA BAÍA DE

Leia mais

A VARIABILIDADE ANUAL DA TEMPERATURA NO ESTADO DE SÃO PAULO 1971/1998: UMA CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO MUNDO TROPICAL

A VARIABILIDADE ANUAL DA TEMPERATURA NO ESTADO DE SÃO PAULO 1971/1998: UMA CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO MUNDO TROPICAL A VARIABILIDADE ANUAL DA TEMPERATURA NO ESTADO DE SÃO PAULO 71/98: UMA CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO MUNDO TROPICAL João Lima Sant`anna Neto (*) RESUMO: Este trabalho de pesquisa, ainda

Leia mais

Figura 1 Altimetria média de Minas Gerais. (Autor: Carlos Wagner G A Coelho)

Figura 1 Altimetria média de Minas Gerais. (Autor: Carlos Wagner G A Coelho) 16 3. REGIÃO DE ESTUDO Primeiramente, se faz necessário tecer alguns comentários sobre o Estado de Minas Gerais que apresenta particularidades relacionadas ao meio ambiente que contribuíram para o entendimento

Leia mais

PARÂMETROS TÍPICOS PARA A OCORRÊNCIA DE NEVOEIRO DE RADIAÇÃO. Parte I: CARACTERÍSTICAS EM SUPERFÍCIE

PARÂMETROS TÍPICOS PARA A OCORRÊNCIA DE NEVOEIRO DE RADIAÇÃO. Parte I: CARACTERÍSTICAS EM SUPERFÍCIE PARÂMETROS TÍPICOS PARA A OCORRÊNCIA DE NEVOEIRO DE RADIAÇÃO. Parte I: CARACTERÍSTICAS EM SUPERFÍCIE Abstract Everson Dal Piva* everson@cpmet.ufpel.tche.br Natalia Fedorova natalia@cpmet.ufpel.tche.br

Leia mais

Boletim climatológico mensal da Madeira fevereiro 2012

Boletim climatológico mensal da Madeira fevereiro 2012 Boletim climatológico mensal da Madeira fevereiro 2012 CONTEÚDOS DRM - OMF 01 Resumo mensal 02 Resumo das condições meteorológicas 02 Caracterização climática mensal 02 Temperatura do ar 05 Precipitação

Leia mais

BOLETIM CLIMÁTICO PRIMAVERA Início: 22/09/2017 às 17h02min - Término: 21/12/2017 às 13h28min*

BOLETIM CLIMÁTICO PRIMAVERA Início: 22/09/2017 às 17h02min - Término: 21/12/2017 às 13h28min* BOLETIM CLIMÁTICO PRIMAVERA 2017 Início: 22/09/2017 às 17h02min - Término: 21/12/2017 às 13h28min* * Não considerado o horário de verão No Brasil o equinócio de setembro sinaliza o início da primavera.

Leia mais

Submódulo 9.6. Acompanhamento e previsão meteorológica e climática

Submódulo 9.6. Acompanhamento e previsão meteorológica e climática Submódulo 9.6 Acompanhamento e previsão meteorológica e climática Rev. Nº. 0.0 0.1 1.0 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Atendimento à

Leia mais

Revista Brasileira de Geografia Física

Revista Brasileira de Geografia Física Revista Brasileira de Geografia Física V. 07 N. 04 (2014) 746-754. ISSN:1984-2295 Revista Brasileira de Geografia Física Homepage: www.ufpe.br/rbgfe Caracterização da velocidade e direção do vento em Mossoró/RN

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DE CIDADE DE PEQUENO PORTE E A UTILIZAÇÃO DO NDVI PARA DISCUSSÃO DO PAPEL DA VEGETAÇÃO

CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DE CIDADE DE PEQUENO PORTE E A UTILIZAÇÃO DO NDVI PARA DISCUSSÃO DO PAPEL DA VEGETAÇÃO 1 CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DE CIDADE DE PEQUENO PORTE E A UTILIZAÇÃO DO NDVI PARA DISCUSSÃO DO PAPEL DA VEGETAÇÃO CRUZ, Gilson C. F. 1 CRUZ, Suzana de Fátima C. F. 2 LOMBARDO, Magda Adelaide 3 RESUMO A

Leia mais

TERRA MOVIMENTOS DA. Movimento de translação da Terra. Dados gerais do planeta Terra AC33F AGROCLIMATOLOGIA PROF. DR. FREDERICO M. C.

TERRA MOVIMENTOS DA. Movimento de translação da Terra. Dados gerais do planeta Terra AC33F AGROCLIMATOLOGIA PROF. DR. FREDERICO M. C. AC33F AGROCLIMATOLOGIA MOVIMENTOS DA TERRA PROF. DR. FREDERICO M. C. VIEIRA Dados gerais do planeta Terra Formato: geóide (elipsóide) Velocidade de rotação: 1.670 km/h Raio médio: 6.371 km Duração do dia:

Leia mais

Nome do Sítio Experimental: Cruz Alta. Localização e Mapas do Sítio Experimental: Latitude: Longitude: Altitude: 432 m

Nome do Sítio Experimental: Cruz Alta. Localização e Mapas do Sítio Experimental: Latitude: Longitude: Altitude: 432 m Nome do Sítio Experimental: Cruz Alta Localização e Mapas do Sítio Experimental: Latitude: -28.6036 Longitude: -53.6736 Altitude: 432 m Rio Grande do Sul torre Cruz Alta torre DESCRIÇÃO: Descrição Geral:

Leia mais

Boletim Climatológico Outono de 2010

Boletim Climatológico Outono de 2010 Boletim Climatológico Outono de 2010 CONTEÚDOS Estação Meteorológica do Pico 01 Resumo 02 Resumo das Condições Meteorológicas 02 Caracterização Climática 02 Precipitação total 04 Temperatura do ar 05 Outros

Leia mais

Análise da chuva intensa que atingiu a Grande São Paulo no dia 08 de setembro de 2009

Análise da chuva intensa que atingiu a Grande São Paulo no dia 08 de setembro de 2009 Análise da chuva intensa que atingiu a Grande São Paulo no dia 08 de setembro de 2009 A chuva que ocorreu em São Paulo no último dia 08 de setembro de 2009 provocou um longo congestionamento e problemas

Leia mais

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL AGOSTO/SETEMBRO/OUTUBRO - 2016 Cooperativa de Energia Elétrica e Desenvolvimento Rural JULHO/2016 La Niña 2016-2017 A temperatura da superfície do mar nas regiões dos Niños

Leia mais

CLIMATOLOGIA E VARIABILIDADE INTERANUAL DA VELOCIDADE DO VENTO EM SANTA MARIA, RS

CLIMATOLOGIA E VARIABILIDADE INTERANUAL DA VELOCIDADE DO VENTO EM SANTA MARIA, RS CLIMATOLOGIA E VARIABILIDADE INTERANUAL DA VELOCIDADE DO VENTO EM SANTA MARIA, RS Nereu Augusto Streck 2, Luana Fernandes Gabriel, Simone Erotildes Teleginski Ferraz, Arno Bernardo Heldwein ¹ Universidade

Leia mais

V DISTRIBUIÇÃO DO COEFICIENTE DE VARIAÇÃO DA PLUVIOSIDADE NA REGIÃO ORIENTAL PAULISTA - BRASIL

V DISTRIBUIÇÃO DO COEFICIENTE DE VARIAÇÃO DA PLUVIOSIDADE NA REGIÃO ORIENTAL PAULISTA - BRASIL V-060 - DISTRIBUIÇÃO DO COEFICIENTE DE VARIAÇÃO DA PLUVIOSIDADE NA REGIÃO ORIENTAL PAULISTA - BRASIL João Ubiratan de Lima e Silva (1) Engenheiro Civil. Professor da Unesp Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá/SP.

Leia mais

Submódulo 9.6. Acompanhamento e previsão meteorológica e climática

Submódulo 9.6. Acompanhamento e previsão meteorológica e climática Submódulo 9.6 Acompanhamento e previsão meteorológica e climática Rev. Nº. 2.0 2016.12 Motivo da revisão Versão decorrente da Audiência Pública nº 002/2011. Versão decorrente da Audiência Pública nº 020/2015.

Leia mais

Nova classificação climática e o aspecto climatológico da cidade de Bauru/São Paulo

Nova classificação climática e o aspecto climatológico da cidade de Bauru/São Paulo Nova classificação climática e o aspecto climatológico da cidade de Bauru/São Paulo José Carlos Figueiredo 1, Romulo da Silveira Paz 2 1 Instituto de Pesquisas Meteorológicas-IPMet/UNESP figueiredo@ipmet.ipmet.unesp.br

Leia mais

Este trabalho é dedicado a toda a minha família, em especial a minha mãe, Dona Neuza.

Este trabalho é dedicado a toda a minha família, em especial a minha mãe, Dona Neuza. iv Este trabalho é dedicado a toda a minha família, em especial a minha mãe, Dona Neuza. v AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus que me guiou para que eu chegasse até aqui. O meu orientador e amigo

Leia mais

Duração do Brilho do Sol e Períodos de Céu Encoberto Durante Dez Anos em Canoas, RS.

Duração do Brilho do Sol e Períodos de Céu Encoberto Durante Dez Anos em Canoas, RS. Duração do Brilho do Sol e Períodos de Céu Encoberto Durante Dez em Canoas, RS. Pereira Neto, J.E., Hackbart, Eugênio J., Welzel, A., Xavier, Júlio A., Morcio, Daniel R.S. ULBRA - Universidade Luterana

Leia mais

Cálculo vetorial.

Cálculo vetorial. Cálculo vetorial http://coral.ufsm.br/cograca/vetorial.pdf Grandeza escalar x vetorial Exemplos:? A grandeza escalar fica perfeitamente definida quando dela se conhecem o valor numérico e a correspondente

Leia mais

ANÁLISE DO POTENCIAL EÓLICO DO MUNICÍPIO DE ACEGUÁ

ANÁLISE DO POTENCIAL EÓLICO DO MUNICÍPIO DE ACEGUÁ RIO 3 - World Climate & Energy Event, 1-5 December 2003, Rio de Janeiro, Brazil 361 ANÁLISE DO POTENCIAL EÓLICO DO MUNICÍPIO DE ACEGUÁ Marcelo dos Santos Cereser, Jorge Antonio Villar Alé, Newton Rogério

Leia mais

Disciplina: Física da Terra e do Universo para Licenciatura em Geociências. Tópico 5 - Vento

Disciplina: Física da Terra e do Universo para Licenciatura em Geociências. Tópico 5 - Vento Disciplina: 1400200 - Física da Terra e do Universo para Licenciatura em Geociências Tópico 5 - Vento 2010 VENTO O vento consiste na circulação, no movimento da atmosfera. Em meteorologia, costuma-se dividir

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DO IMPACTO DO RESERVATÓRIO DE ITÁ NO CLIMA LOCAL. Maria Laura G. Rodrigues 1 Elaine Canônica 1,2

ANÁLISE PRELIMINAR DO IMPACTO DO RESERVATÓRIO DE ITÁ NO CLIMA LOCAL. Maria Laura G. Rodrigues 1 Elaine Canônica 1,2 ANÁLISE PRELIMINAR DO IMPACTO DO RESERVATÓRIO DE ITÁ NO CLIMA LOCAL Maria Laura G. Rodrigues 1 Elaine Canônica 1,2 RESUMO O presente trabalho investiga as possíveis alterações de precipitação e temperatura

Leia mais

XII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Foz de Iguaçu-PR, 2002

XII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Foz de Iguaçu-PR, 2002 VARIAÇÕES DO CAMPO DE PRECIPITAÇÃO EM SETEMBRO/97 E SETEMBRO/98 NO RS Katia Oliveira Marques Universidade Federal de Pelotas/Faculdade de Meteorologia katyamarques@zipmail.com.br Roseli Gueths Gomes Universidade

Leia mais

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL MARÇO/ABRIL/MAIO - 2016 Cooperativa de Energia Elétrica e Desenvolvimento Rural MARÇO/2016 El Niño 2015-2016 Observações recentes sobre a região do Oceano Pacífico Equatorial

Leia mais

Boletim Climatológico Sazonal Verão 2015

Boletim Climatológico Sazonal Verão 2015 ISSN 2183-1084 Resumo Boletim Climatológico Sazonal Verão 2015 O verão 2015 (junho, julho, agosto) em Portugal Continental foi caracterizado por valores da temperatura média do ar superiores ao valor normal

Leia mais

Vórtices ciclônicos em altos níveis sobre o Nordeste do Brasil

Vórtices ciclônicos em altos níveis sobre o Nordeste do Brasil Vórtices ciclônicos em altos níveis sobre o Nordeste do Brasil Michelyne Duarte Coutinho de Morais, Manoel Alonso Gan Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos/Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais

Leia mais

Avaliação do desempenho do Modelo Eta (versão climática) com relação à configuração de ciclones no Atlântico Sul

Avaliação do desempenho do Modelo Eta (versão climática) com relação à configuração de ciclones no Atlântico Sul III Worketa Cachoeira Paulista (SP) a 9/1/1 Avaliação do desempenho do Modelo Eta (versão climática) com relação à configuração de ciclones no Atlântico Sul Claudine Dereczynski (UFRJ) Chou Sin Chan (CPTEC/INPE)

Leia mais

Meteorologia e Climatologia. Professor Filipe

Meteorologia e Climatologia. Professor Filipe Meteorologia e Climatologia Professor Filipe Meteorologia e Climatologia são sinônimos? Não! São conceitos com objetos de estudo diferentes: Meteorologia: - Fenômeno que ocorre na atmosfera; - Estudo/ciência

Leia mais

Com base nos pontos foram determinadas direções intermediárias, conhecidas como. pontos : nordeste (NE), (NO), sudeste (SE) e (SO).

Com base nos pontos foram determinadas direções intermediárias, conhecidas como. pontos : nordeste (NE), (NO), sudeste (SE) e (SO). PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= 01- Complete as

Leia mais

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2002).

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2002). 1 PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2002). O prognóstico climático do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), órgão do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, para

Leia mais

ESTUDO OBSERVACIONAL DOS JATOS DE BAIXOS NÍVEIS NA REGIÃO DO LAGO DE ITAIPU

ESTUDO OBSERVACIONAL DOS JATOS DE BAIXOS NÍVEIS NA REGIÃO DO LAGO DE ITAIPU ESTUDO OBSERVACIONAL DOS JATOS DE BAIXOS NÍVEIS NA REGIÃO DO LAGO DE ITAIPU Sônia Maria Soares Stivari Departamento de Física - Universidade Estadual de Maringá Av. Colombro 579, Maringá-PR. stivari@dfi.uem.br

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal Setembro de 2014

Boletim Climatológico Mensal Setembro de 2014 Boletim Climatológico Mensal Setembro de 2014 CONTEÚDOS Imagem de satélite MODIS do furacão Edouard a 15 de setembro de 2014. 01 Resumo Mensal 02 Resumo das Condições Meteorológicas 03 Caracterização Climática

Leia mais