Estratégias de comunicação dos riscos Módulo B3

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estratégias de comunicação dos riscos Módulo B3"

Transcrição

1 Estratégias de comunicação dos riscos Módulo B3 A tradução deste documento foi feita por Translators Without Borders, único responsável pela qualidade e fidelidade ao original desta versão em português. 1

2 Objetivos do módulo No final deste módulo, deverá ser capaz de: Enumerar as ideias e os princípios fundamentais da comunicação dos riscos em situação de emergência bem como as diferentes estratégias e abordagens utilizadas Enumerar as táticas e abordagens que contribuem para a comunicação dos riscos Enumerar os fatores que prejudicam a perceção do risco por parte das pessoas Descrever como as estratégias de comunicação dos riscos em emergência podem ser aplicadas em pelo menos quatro cenários 2

3 Comunicação dos riscos em emergência: um termo abrangente! Troca de informações em tempo real, aconselhamento e opiniões entre especialistas ou responsáveis e pessoas que enfrentam uma ameaça (um perigo) para a sua sobrevivência, saúde ou bem-estar económico ou social; Objetivo: que todos os indivíduos em risco sejam capazes de tomar decisões esclarecidas para atenuar os efeitos da ameaça (perigo) por exemplo, um surto de doença e tomar medidas preventivas e de protectoras. Imagem: 3

4 Princípios orientadores das melhores práticas da comunicação de riscos 1. Criar e manter a confiança 2. Reconhecer e comunicar, mesmo na incerteza 3. Coordenar 4. Ser transparente e rápido na primeira e em todas as comunicações 5. Ser proativo na comunicação com o público 6. Incluir e envolver as pessoas afetadas 7. Utilizar abordagens integradas 8. Reforçar a capacidade nacional, apoiar o sentimento de apropriação nacional 4

5 Comunicação de riscos de emergência Utiliza uma combinação de táticas e abordagens, incluindo, entre outros: comunicação para o público meios de comunicação mídias sociais gestão da reputação e comunicação institucional iniciativas de sensibilização coletiva promoção da saúde envolvimento de parceiros mobilização social envolvimento da comunidade Imagem: content/uploads/sites/938/2015/01/ as-10-principais- Carater%C3%ADsticas-dos-Profissionais-de-Sucesso.jpg 5

6 Evento ou emergência de saúde pública O modelo lógico IMPACTO Menos mortes, doenças e perdas económicas e sociais INFORMAÇÃO PÚBLICA através dos canais preferenciais das populações afetadas MOBILIZAÇÃO EM MASSA das comunidades afetadas e em risco através da mobilização social, etc. ENVOLVIMENTO PRODUÇÃO RESULTADO da comunidade, família e indivíduos, inclusive através de influenciadores Informação fidedigna chega às pessoas e os rumores são resolvidos Todas as pessoas em risco são capazes de tomar decisões informadas para atenuar os efeitos da ameaça (perigo) 6

7 Como escolher a melhor estratégia de comunicação dos riscos? 1. Avaliar o risco 2. Calcular a perceção do risco por parte dos indivíduos afetados ou em risco 3. Selecionar uma das quatro estratégias de comunicação dos riscos 7

8 Perigo elevado ou reduzido? 1. Avaliar o risco 1. Avaliar o risco Futuro ou eminente? Níveis de exposição? Vulnerabilidade da população vs. a sua capacidade para lidar com ou resistir à ameaça? Recursos disponíveis? 8

9 2. Perceção do risco Segundo os especialistas, o risco é elevado quando há: 2. Calcular a perceção do risco por parte dos indivíduos afetados ou em risco Níveis altos de morbilidade/mortalidade Níveis altos de incapacidade Níveis altos de perda de propriedade Níveis altos de prejuízo financeiro Danos políticos 9

10 O público poderá ter uma perceção do risco diferente da dos especialistas As pessoas preocupam-se menos com os riscos para a saúde que são: Voluntários Familiares Controláveis Controlados pelo próprio indivíduo Justos Crónicos Dispersos Não fatais Preocupam-se mais com os riscos para a saúde que são: Involuntários Não familiares Incontroláveis Controlados por outros Injustos Graves Focados no tempo e no espaço Fatais Fonte: Slovic et al 10

11 Percepção Enraizada no subconsciente Muitas vezes sem lógica Influenciada pela cultura Dominada por emoções Nem sempre manifestada de forma verbal Exibida através do comportamento Imagem: 11

12 Resposta emocional das populações afetadas ou em risco 3. Escolher a estratégia mais adequada de comunicação dos riscos Indignação/Medo 3. Selecionar uma de quatro estratégias de comunicação de riscos Gestão do medo Comunicação para crises Educação sobre saúde, relação com partes intervenientes Advocacia de Precaução Apatia Reduzido PERIGO Elevado Fonte: Peter Sandman 12

13 Resposta emocional das populações afetadas ou em situação de risco Estratégia 1: Advocacia de Precaução Indignação/Medo Apatia Reduzido O que fazer: Partilhe as suas preocupações com a população para que elas possam tomar as ações necessárias Desperte emoções Necessário para evitar novas crises «TENHAM CUIDADO!» PERIGO Advocacia de precaução Elevado Fonte: Peter Sandman 13

14 Resposta emocional das populações afetadas ou em risco Estratégia 2: Gestão do medo Indignação/Medo Gestão do medo O que fazer: ouça e reconheça a verdade Apatia Reduzido PERIGO Forneça factos que indiquem a ausência de perigo «TENHAM CALMA» (respeitosamente) Elevado Fonte: Peter Sandman 14

15 Resposta emocional das populações afetadas ou em risco Estratégia 3: Comunicação para crises Indignação/Medo Apatia Reduzido O que fazer: explique o que está a acontecer Lide com as emoções «ESTAMOS JUNTOS NISTO» PERIGO Comunicação para crises Elevado Fonte: Peter Sandman 15

16 Resposta emocional das populações afetadas ou em risco Estratégia 4: Educação para a saúde e relação com partes intervenientes Indignação/Medo Educação para a saúde, relação com partes intervenientes O que fazer: vigilância das comunicações Identifique e aborde a medo/indignação na fase inicial Apatia Reduzido PERIGO Elevado Fonte: Peter Sandman 16

17 Lembre-se Siga os passos 1 e 2 para decidir que estratégia utilizar A medida que a situação evolui, reveja frequentemente a sua análise e mude a estratégia conforme necessário Populações, grupos afetados ou públicos diferentes poderão necessitar de estratégias diferentes 3. Selecionar uma de quatro estratégias de comunicação de riscos 17

OMS Comunicação dos Riscos em Emergência

OMS Comunicação dos Riscos em Emergência OMS Comunicação dos Riscos em Emergência Os acordos internacionais de saúde Módulo B1 A tradução deste documento foi feita por Translators Without Borders, único responsável pela qualidade e fidelidade

Leia mais

OMS Comunicação dos riscos em situação de emergência Introdução ao curso Módulo A

OMS Comunicação dos riscos em situação de emergência Introdução ao curso Módulo A OMS Comunicação dos riscos em situação de emergência Introdução ao curso Módulo A A tradução deste documento foi feita por Translators Without Borders, único responsável pela qualidade e fidelidade ao

Leia mais

Comunicação pública para emergências em saúde. Módulo B4

Comunicação pública para emergências em saúde. Módulo B4 Comunicação pública para emergências em saúde Módulo B4 A tradução deste documento foi feita por Translators Without Borders, único responsável pela qualidade e fidelidade ao original desta versão em português.

Leia mais

Auscultação Dinâmica & Gestão de Rumores

Auscultação Dinâmica & Gestão de Rumores Auscultação Dinâmica & Gestão de Rumores Módulo B7 A tradução deste documento foi feita por Translators Without Borders, único responsável pela qualidade e fidelidade ao original desta versão em português.

Leia mais

Envolvimento comunitário

Envolvimento comunitário Envolvimento comunitário Módulo B5 A tradução deste documento foi feita por Translators Without Borders, único responsável pela qualidade e fidelidade ao original desta versão em português. 1 Objetivo

Leia mais

Definição dos objetivos das comunicações: SOCO Módulo D1

Definição dos objetivos das comunicações: SOCO Módulo D1 Definição dos objetivos das comunicações: SOCO Módulo D1 A tradução deste documento foi feita por Translators Without Borders, único responsável pela qualidade e fidelidade ao original desta versão em

Leia mais

Uma Abordagem Sistémica da Comunicação dos Riscos em Emergência (CRE) Módulo C1

Uma Abordagem Sistémica da Comunicação dos Riscos em Emergência (CRE) Módulo C1 Uma Abordagem Sistémica da Comunicação dos Riscos em Emergência (CRE) Módulo C1 A tradução deste documento foi feita por Translators Without Borders, único responsável pela qualidade e fidelidade ao original

Leia mais

Política de comunicação de risco de emergência (CRE) Módulo C2

Política de comunicação de risco de emergência (CRE) Módulo C2 Política de comunicação de risco de emergência (CRE) Módulo C2 A tradução deste documento foi feita por Translators Without Borders, único responsável pela qualidade e fidelidade ao original desta versão

Leia mais

Capítulo 11. Comunicação Pearson. Todos os direitos reservados.

Capítulo 11. Comunicação Pearson. Todos os direitos reservados. Capítulo 11 Comunicação slide 1 Objetivos de aprendizagem Identificar as principais funções da comunicação. Descrever o processo de comunicação e distinguir entre comunicação formal e informal. Comparar

Leia mais

Desenvolvimento de mensagens e materiais Módulo D3

Desenvolvimento de mensagens e materiais Módulo D3 Desenvolvimento de mensagens e materiais Módulo D3 A tradução deste documento foi feita por Translators Without Borders, único responsável pela qualidade e fidelidade ao original desta versão em português.

Leia mais

Avaliação de Riscos, Segurança e Fiabilidade

Avaliação de Riscos, Segurança e Fiabilidade Avaliação de Riscos, Segurança e Fiabilidade Introdução à Gestão dos Riscos Outubro de 2006 Aula 1 Apresentação. Conceitos básicos e definições do risco Classificações dos riscos Definição técnica e outros

Leia mais

Protecção Civil. Quais os objetivos e domínios da Proteção Civil? Como está organizada a nível Nacional? Como se organiza a nível Municipal?

Protecção Civil. Quais os objetivos e domínios da Proteção Civil? Como está organizada a nível Nacional? Como se organiza a nível Municipal? Professor Doutor António Duarte Amaro / 2015 Protecção Civil Actividade desenvolvida pelo Estado, Regiões Autónomas e autarquias locais, pelos cidadãos e por todas as entidades públicas e privadas com

Leia mais

Curso de Formação Intensiva: Comunicação com os media

Curso de Formação Intensiva: Comunicação com os media Curso de Formação Intensiva: Comunicação com os media 1. Objetivos gerais Dar a conhecer as especificidades do contexto mediático português e dotar os participantes de capacidades e competências técnicas

Leia mais

1. Descrever, conforme apresentado na lição, o conceito de Desastre.

1. Descrever, conforme apresentado na lição, o conceito de Desastre. GESTÃO DE DESASTRES Ações Inter e Multidisciplinares Objetivos: Ao final da lição, o aluno estará apto para: 1. Descrever, conforme apresentado na lição, o conceito de Desastre. 2. Enumerar, conforme descrito

Leia mais

Curso de Formação Intensiva: Comunicação com os media

Curso de Formação Intensiva: Comunicação com os media Curso de Formação Intensiva: Comunicação com os media 1. Objetivos gerais Dar a conhecer as especificidades do contexto mediático português e dotar os participantes de capacidades e competências técnicas

Leia mais

Regulamento da Unidade Local de Proteção Civil de Gâmbia-Pontes-Alto da Guerra (RULPCGPAG) Freguesia Gâmbia Pontes-Alto da Guerra

Regulamento da Unidade Local de Proteção Civil de Gâmbia-Pontes-Alto da Guerra (RULPCGPAG) Freguesia Gâmbia Pontes-Alto da Guerra Regulamento da Unidade Local de Proteção Civil de Gâmbia-Pontes-Alto da Guerra (RULPCGPAG) Freguesia Gâmbia Pontes-Alto da Guerra Regulamento da Unidade Local de Proteção Civil de Gâmbia-Pontes-Alto da

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS Atualizado em 27/10/2015 CONCEITOS BÁSICOS Administração, em seu conceito tradicional, é definida como um conjunto de atividades, princípios, regras, normas que têm

Leia mais

Envia-se em anexo, à atenção das delegações, o documento SWD(2016) 26 final.

Envia-se em anexo, à atenção das delegações, o documento SWD(2016) 26 final. Conselho da União Europeia Bruxelas, 16 de fevereiro de 2016 (OR. en) Dossiê interinstitucional: 2016/0030 (COD) 6225/16 ADD 2 ENER 29 CODEC 174 IA 6 PROPOSTA de: Secretário-Geral da Comissão Europeia,

Leia mais

Como desenvolver uma comunicação participativa de risco no Estado de São Paulo? Três desafios : confiança, emoções e incerteza

Como desenvolver uma comunicação participativa de risco no Estado de São Paulo? Três desafios : confiança, emoções e incerteza Como desenvolver uma comunicação participativa de risco no Estado de São Paulo? Três desafios : confiança, emoções e incerteza Cintia Okamura CETESB Jacques Lolive CNRS III Congresso SRA LA 10 a 13 de

Leia mais

Comunicação de Más Notícias em Recursos Humanos Ana Silva Cristiana Ramos Isa Viamonte

Comunicação de Más Notícias em Recursos Humanos Ana Silva Cristiana Ramos Isa Viamonte Pós-Graduação em Gestão de Recursos Humanos Comunicação de Más Notícias em Recursos Humanos Ana Silva Cristiana Ramos Isa Viamonte Tópicos a abordar: Comunicação nas Organizações Comunicação de Más Notícias

Leia mais

Capítulo 16 Intimidade Sexual

Capítulo 16 Intimidade Sexual Capítulo 16 Intimidade Sexual Você sabia? Muitas pessoas que sofreram algum evento cardíaco têm medo de voltar a fazer sexo ou preocupações a esse respeito. Sentir medo ou preocupação é uma forma de o

Leia mais

Gestão de Pessoas. Curso de Pós-Graduação em Gestão Escolar Prof. Joelma Kremer, Dra.

Gestão de Pessoas. Curso de Pós-Graduação em Gestão Escolar Prof. Joelma Kremer, Dra. Gestão de Pessoas Curso de Pós-Graduação em Gestão Escolar Prof. Joelma Kremer, Dra. Aula 7 Comunicação Organizacional Os objetivos desta aula são: Identificar as principais funções da comunicação. Descrever

Leia mais

Código de Boas Práticas de Impacto REPORTE EXECUTIVO

Código de Boas Práticas de Impacto REPORTE EXECUTIVO Nota Prévia O Código de Boas Práticas de foi produzido pelo NCVO, membro do Inspiring Impact. O Inspiring Impact é um programa que visa alterar até 2022 a forma como o setor voluntário no Reino Unido se

Leia mais

A comunicação do risco

A comunicação do risco II ENCONTRO NACIONAL DE RISCOS, SEGURANÇA E FIABILIDADE Lisboa, Instituto Superior Técnico, 13 a 15 de Novembro de 2007 Ministério da Saúde A comunicação do risco em saúde públicap Lúcio Meneses de Almeida

Leia mais

Seca Sismos Vulcões Tornados Vagas de frio/calor Tempestades Tsunamis Matérias perigosas Incêndios Florestais

Seca Sismos Vulcões Tornados Vagas de frio/calor Tempestades Tsunamis Matérias perigosas Incêndios Florestais As políticas de prevenção são demasiado importantes para serem deixadas apenas no domínio dos serviços públicos competentes. KOFI ANNAN 1999 Educação para o Risco O papel da ESCOLA na prevenção de Catástrofes

Leia mais

HISTÓRIA DA COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL E PRINCIPAIS ELEMENTOS

HISTÓRIA DA COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL E PRINCIPAIS ELEMENTOS HISTÓRIA DA COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL E PRINCIPAIS ELEMENTOS A primeira necessidade? Comunicar-se. COMUNICAÇÃO É o processo que consiste em transmitir e receber uma mensagem, com a finalidade de afetar

Leia mais

Processo Decisório. Simone Campos Bitencourt FIESC - SENAI/SC. Fortaleza, 09 de maio de 2014

Processo Decisório. Simone Campos Bitencourt FIESC - SENAI/SC. Fortaleza, 09 de maio de 2014 Processo Decisório Simone Campos Bitencourt FIESC - SENAI/SC Fortaleza, 09 de maio de 2014 CONCEITO DE DECISÃO Desde o momento em que acordamos até a hora em voltamos a dormir, a nossa vida cotidiana é

Leia mais

BEM-VINDO À Public 2/26/2016

BEM-VINDO À Public 2/26/2016 BEM-VINDO À Como usar o programa de assistência de segurança global da Laureate Education, Inc. Quem é International SOS? A International SOS é uma empresa líder mundial na área de prestação de serviços

Leia mais

O Impacto Psicossocial do Cancro na Família

O Impacto Psicossocial do Cancro na Família O Impacto Psicossocial do Cancro na Família Maria de Jesus Moura Psicóloga Clínica Unidade de Psicologia IPO Lisboa ATÉ MEADOS DO SEC.XIX Cancro=Morte PROGRESSOS DA MEDICINA CURA ALTERAÇÃO DO DIAGNÓSTICO

Leia mais

PROJETO DE PARECER. PT Unida na diversidade PT 2013/0027(COD) da Comissão das Liberdades Cívicas, da Justiça e dos Assuntos Internos

PROJETO DE PARECER. PT Unida na diversidade PT 2013/0027(COD) da Comissão das Liberdades Cívicas, da Justiça e dos Assuntos Internos PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão das Liberdades Cívicas, da Justiça e dos Assuntos Internos 2013/0027(COD) 2.9.2013 PROJETO DE PARECER da Comissão das Liberdades Cívicas, da Justiça e dos Assuntos

Leia mais

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.psi.uminho.pt/ www.ardh-gi.com/ O que são? 2 Competências de vida Definição Potencialidades pessoais

Leia mais

RESUMO (SUMMARY IN PORTUGUESE)

RESUMO (SUMMARY IN PORTUGUESE) RESUMO (SUMMARY IN PORTUGUESE) Introdução Empresas que são incapazes de gerenciar adequadamente os impactos sociais de suas operações dificilmente conseguirão obter e manter uma licença social para operar,

Leia mais

ESTRATEGIA DE ADVOCACIA:

ESTRATEGIA DE ADVOCACIA: ESTRATEGIA DE ADVOCACIA: COMPETÊNCIAS CHAVE PARA A SUA EXECUÇÃO MOVIMENTO SUN POR: DERCIO MATALE PROJECTO RAC HELEN KELLER INTERNATIONAL O QUE E DE ADVOCACIA? Uma combinação de abordagens, técnicas e mensagens

Leia mais

Feedback. Conceito de. Sumário. Conceito de Feedback. Escuta ativa. Obstáculos (dar / receber feedback) Feedback STAR

Feedback. Conceito de. Sumário. Conceito de Feedback. Escuta ativa. Obstáculos (dar / receber feedback) Feedback STAR Sumário Conceito de Feedback Escuta ativa Obstáculos (dar / receber feedback) Feedback STAR Recomendações para eficácia de sua sessão de feedback Conceito de Feedback Feedback é o retorno que alguém obtém

Leia mais

Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança

Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança Breve Enquadramento O Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança constitui o resultado do Projeto Tecer a, promovido pela Comissão Nacional de Promoção

Leia mais

ANEXO C. Guia Rápido dos Fundamentos da Rede Social

ANEXO C. Guia Rápido dos Fundamentos da Rede Social ANEXO C Guia Rápido dos Fundamentos da Rede Social Guia Rápido dos Fundamentos da Rede Social O trabalho em parceria é um conceito que só se materializa e operacionaliza quando as pessoas e entidades se

Leia mais

A relação interpessoal: -Actuando Relações: Estratégias e Padrões Comunicativos

A relação interpessoal: -Actuando Relações: Estratégias e Padrões Comunicativos A relação interpessoal: -Actuando Relações: Estratégias e Padrões Comunicativos Características básicas A qualidade da relação Negociação da relações interpessoais Questões de base COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL

Leia mais

Acordo de Acionistas NORMA DE da CPFL Energia S.A. ENGAJAMENTO

Acordo de Acionistas NORMA DE da CPFL Energia S.A. ENGAJAMENTO Acordo de Acionistas NORMA DE da CPFL Energia S.A. ENGAJAMENTO Atual DE Denominação PÚBLICOS Social DE da Draft II Participações INTERESSE S.A. Sumário Introdução 3 Objetivo da Norma 4 Conceitos básicos

Leia mais

Ética e Conduta Empresarial no âmbito da saúde 26º Congresso Nacional das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos

Ética e Conduta Empresarial no âmbito da saúde 26º Congresso Nacional das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos Ética e Conduta Empresarial no âmbito da saúde 26º Congresso Nacional das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos Anahp O tema da ética Anahp Representatividade Ética Organizações de saúde e ética Ao trabalhar

Leia mais

ANEXO I GUIÃO PARA AS ENTREVISTAS

ANEXO I GUIÃO PARA AS ENTREVISTAS ANEXO I GUIÃO PARA AS ENTREVISTAS i A Comunicação Estratégica no âmbito da Mudança Organizacional Guião para as Entrevistas 2 Caracterização da Organização e Entrevistado Tipo ORGANIZAÇÃO Atividade Breve

Leia mais

A Função de Compliance na Banca Comercial Objetivos Gerais: Já faz algum tempo que as Auditorias das organizações expandiram muito o escopo de seus trabalhos e a complexidade das suas atividades e, como

Leia mais

Como elaborar um projeto de pesquisa?

Como elaborar um projeto de pesquisa? Como elaborar um projeto de pesquisa? O que é um projeto de pesquisa? Descreve as fases e os procedimentos de um processo de investigação científica a ser realizado. Projeto de Pesquisa pode ser definido

Leia mais

COMO MUDAR O COMPORTAMENTO ALIMENTAR NUTRIÇÃO COMPORTAMENTAL. Annie Bello, PhD Prof. Adjunta de Nutrição Clínica - UERJ

COMO MUDAR O COMPORTAMENTO ALIMENTAR NUTRIÇÃO COMPORTAMENTAL. Annie Bello, PhD Prof. Adjunta de Nutrição Clínica - UERJ COMO MUDAR O COMPORTAMENTO ALIMENTAR NUTRIÇÃO COMPORTAMENTAL Annie Bello, PhD Prof. Adjunta de Nutrição Clínica - UERJ 4 CHAVES PARA A MUDANÇA DO COMPORTAMENTO ALIMENTAR Módulo 2 COMER INTUITIVO + COMER

Leia mais

BULLYING ESCOLAR: O OUTRO LADO DA ESCOLA

BULLYING ESCOLAR: O OUTRO LADO DA ESCOLA SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA UNIDADE: DATA: 5 / 5 / ª ETAPA - AVALIAÇÃO ESPECIAL DE LÍNGUA PORTUGUESA 9º ANO/EF ALUNO(A): Nº: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR:

Leia mais

Suicídio. Saber, agir e prevenir.

Suicídio. Saber, agir e prevenir. Suicídio. Saber, agir e prevenir. ENTENDENDO O SUICÍDIO PEDINDO AJUDA VERDADES E MITOS SOBRE O SUICÍDIO VERDADES MITOS O suicídio é um fenômeno Pensamentos e sentimentos de Em geral, os suicídios são A

Leia mais

USAR O CATÁLOGO DE CASOS. Use o Yammer como seu espaço de trabalho social e deixe que a colaboração, a inovação e o envolvimento comecem.

USAR O CATÁLOGO DE CASOS. Use o Yammer como seu espaço de trabalho social e deixe que a colaboração, a inovação e o envolvimento comecem. USAR O CATÁLOGO DE CASOS Use o Yammer como seu espaço de trabalho social e deixe que a colaboração, a inovação e o envolvimento comecem. Catálogo de Casos de Uso do Yammer O Yammer é seu espaço de trabalho

Leia mais

A CAMPANHA INTERNACIONAL CIDADES RESILIENTES: A IMPORTÂNCIA DO NÍVEL LOCAL: O CASO DA AMADORA. Luís Carvalho

A CAMPANHA INTERNACIONAL CIDADES RESILIENTES: A IMPORTÂNCIA DO NÍVEL LOCAL: O CASO DA AMADORA. Luís Carvalho A CAMPANHA INTERNACIONAL CIDADES RESILIENTES: A IMPORTÂNCIA DO NÍVEL LOCAL: O CASO DA AMADORA Luís Carvalho ÍNDICE 1. EVOLUÇÃO DA ORGANIZAÇÃO DAS ESTRUTURAS/ESTRATÉGIAS INTERNACIONAIS 2. CAMPANHA INTERNACIONAL

Leia mais

Programa de atualização pedagógica Atividade de atualização pedagógica

Programa de atualização pedagógica Atividade de atualização pedagógica Programa de atualização pedagógica Atividade de atualização pedagógica Aula expositiva no ensino de graduação: importância, limites e papel do professor Profa. Maria Bernardete Cordeiro de Sousa Depto.

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO SAÚDE. - Advocacia junto ao Ministério da Saúde para criação de mais centros de testagem voluntária.

PROGRAMA DE ACÇÃO SAÚDE. - Advocacia junto ao Ministério da Saúde para criação de mais centros de testagem voluntária. PROGRAMA DE ACÇÃO A diversidade e complexidade dos assuntos integrados no programa de acção da OMA permitirá obter soluções eficazes nos cuidados primários de saúde, particularmente na saúde reprodutiva

Leia mais

Política de Comunicação Integrada do Sistema Eletrobrás

Política de Comunicação Integrada do Sistema Eletrobrás Política de Comunicação Integrada do Sistema Eletrobrás Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada 3 1 OBJETIVOS Promover a comunicação integrada entre as empresas do Sistema e

Leia mais

Como Comunicar Projectos de Prevenção

Como Comunicar Projectos de Prevenção A Prevenção [redução] na Produção de Resíduos Como Comunicar Projectos de Prevenção Porto, 28 de Novembro de 2008 A Sair da Casca Quem somos Criada em 1994, a Sair da Casca é a primeira empresa de consultoria

Leia mais

RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

RELACIONAMENTO INTERPESSOAL RELACIONAMENTO INTERPESSOAL Forma de interagir com outras pessoas RELACIONAMENTO Estabelecimento de um processo de comunicação onde o emissor e receptor tenham claro suas reais atribuições. Para existir

Leia mais

FEA-RP/USP RAD 1402 Comportamento do Consumidor Prof. Dirceu Tornavoi de Carvalho. ENTREVISTA EM PROFUNDIDADE (Aula 02)

FEA-RP/USP RAD 1402 Comportamento do Consumidor Prof. Dirceu Tornavoi de Carvalho. ENTREVISTA EM PROFUNDIDADE (Aula 02) FEA-RP/USP RAD 1402 Comportamento do Consumidor Prof. Dirceu Tornavoi de Carvalho ENTREVISTA EM PROFUNDIDADE (Aula 02) RIBEIRÃO PRETO - SP Agosto/2014 ENTREVISTA EM PROFUNDIDADE O QUE É? É uma conversa

Leia mais

Regulamento de Estágios da ESTBarreiro/IPS

Regulamento de Estágios da ESTBarreiro/IPS Regulamento de Estágios da ESTBarreiro/IPS Artigo 1.º Objeto 1. O presente regulamento define o regime de estágios curriculares aplicável aos cursos: a) De Especialização Tecnológica; b) De Licenciatura;

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA EMPRESA ARTICLE LAND

APRESENTAÇÃO DA EMPRESA ARTICLE LAND APRESENTAÇÃO DA EMPRESA ARTICLE LAND A Article Land, Comunicação, Eventos e Serviços, Unipessoal, Lda., presente no mercado há dois anos e com uma equipa de profissionais que reúne vários anos de experiência,

Leia mais

Dicas para o porta-voz

Dicas para o porta-voz Dicas para o porta-voz Módulo D2 A tradução deste documento foi feita por Translators Without Borders, único responsável pela qualidade e fidelidade ao original desta versão em português. 1 Objetivo do

Leia mais

Responsabilidade social em acção e desenvolvimento sustentável. Gestão do Risco Profissional. Gestão do. Profissional

Responsabilidade social em acção e desenvolvimento sustentável. Gestão do Risco Profissional. Gestão do. Profissional Gestão do Risco Profissional 1 RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA A Responsabilidade Social Corporativa foi definida pela Comissão Europeia como sendo a integração, por parte das empresas, das suas preocupações

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO NORTE INVESTIMENTOS ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL Versão 1.0 Vigência Agosto / 2016 Classificação das Informações [ X ] Uso Interno [ ] Uso Público Conteúdo

Leia mais

Programa de monitorização do respeito pelos Direitos Humanos no Grupo EDP Quadro Ruggie

Programa de monitorização do respeito pelos Direitos Humanos no Grupo EDP Quadro Ruggie Programa de monitorização do respeito pelos Direitos Humanos no Grupo EDP Quadro Ruggie Guia de monitorização de impactos Nº Direitos Humanos Guia de monitorização de impactos Aplicá vel à EDP Temas incluídos

Leia mais

COMO PREVENIR O BULLYING

COMO PREVENIR O BULLYING COMO PREVENIR O BULLYING PULGUINHAS Uma vez identificado o problema importa saber como devemos reagir e o que pode ser feito para prevenir e evitar de raiz as situações de bullying que envolvam as nossas

Leia mais

Agenda. O SIG no Suporte às Acções de SAR: Busca e Salvamento Workshop Forum do Mar. O que é Gestão de Emergência?

Agenda. O SIG no Suporte às Acções de SAR: Busca e Salvamento Workshop Forum do Mar. O que é Gestão de Emergência? Agenda O SIG no Suporte às Acções de SAR: Busca e Salvamento Workshop Forum do Mar A de Emergência no contexto de Operações de SAR Exemplos Práticos João Canais Director de Negócios Sector Público Síntese

Leia mais

Escola Básica 2,3 com Ensino Secundário de Alvide

Escola Básica 2,3 com Ensino Secundário de Alvide Informação da prova de equivalência à frequência de Francês Prova 16 2016 3.º Ciclo do Ensino Básico Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho 1. Objeto de avaliação A prova tem por referência o Programa

Leia mais

Gerenciamento das Partes Interessadas (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento das Partes Interessadas (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento das Partes Interessadas (PMBoK 5ª ed.) Este é o capítulo 13 do PMBoK e é uma área muito importante para o PMI, pois antes de levar em consideração o cumprimento dos prazos, orçamento e qualidade,

Leia mais

Os desafios da comunicação entre atores de uma unidade organizacional.

Os desafios da comunicação entre atores de uma unidade organizacional. Os desafios da comunicação entre atores de uma unidade organizacional mialmeida@ie.ulisboa.pt INTRODUÇÃO CENÁRIO 1 CENÁRIO 2 Tu tens um euro Eu tenho um euro Trocamos Eu fico com um euro Tu ficas com

Leia mais

Marketing nas redes sociais

Marketing nas redes sociais Marketing nas redes sociais O que são as Mídias Sociais? A produção de conteúdos de forma descentralizada e sem o controle editorial de grande grupos. 1 2 E no contexto Empresarial? São grupos de consumidores

Leia mais

Riscos Psicossociais no Trabalho

Riscos Psicossociais no Trabalho Riscos Psicossociais no Trabalho Violência relacionada com o Trabalho O aumento de situações de violência no âmbito do trabalho constitui-se um grave problema no mundo laboral, que tem impacto na dignidade

Leia mais

Documento de Exemplo de Directiva: Protecção de Menores

Documento de Exemplo de Directiva: Protecção de Menores Directiva de Protecção de Menores para (inserir nome da escola) 1 Na Escola ( ) temos como responsabilidade principal a protecção, o bem-estar e a segurança dos alunos a nosso cargo e desempenhamos esta

Leia mais

Poder Judiciário Federal Justiça Eleitoral do Ceará. Planejamento Estratégico Plano de Gestão de Riscos

Poder Judiciário Federal Justiça Eleitoral do Ceará. Planejamento Estratégico Plano de Gestão de Riscos Poder Judiciário Federal Justiça Eleitoral do Ceará Planejamento Estratégico 2015-2020 Plano de Gestão de Riscos Versão 1.0 Aprovado pelo COE na 7ª RAE, 27/08/2015 Justiça Eleitoral do Ceará Plano de Gestão

Leia mais

Red de Estudios Sociales en Prevención de Desastre en América Latina

Red de Estudios Sociales en Prevención de Desastre en América Latina MARX PRESTES BARBOSA Universidade Federal de Campina Grande UFCG Unidade Acadêmica de Engenharia Agrícola UAEAg Laboratório de Sensoriamento Remoto e SIG Av. Aprígio Veloso, 882 Bairro Universitário 58429-970

Leia mais

Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 369/XIII/1.ª

Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 369/XIII/1.ª Grupo Parlamentar Projeto de Resolução n.º 369/XIII/1.ª Recomenda ao Governo que crie um Contrato de Transparência com os futuros pensionistas : informação sobre a expectativa de pensão a receber ao atingir

Leia mais

COMINN COMpetences for INNovation in the metal sector

COMINN COMpetences for INNovation in the metal sector COMINN COMpetences for INNovation in the metal sector País: Instituição: Qualificação: HUNGRIA TREBAG ltd Promotores e Dinamizadores de inovação no âmbito de grupos de trabalho em PMEs Metalúrgicas : :

Leia mais

ENDOMARKETING DE EXPERIÊNCIAS

ENDOMARKETING DE EXPERIÊNCIAS ENDOMARKETING DE EXPERIÊNCIAS Juliani Monçores sobre a autora Publicitária por formação, criativa por vocação e comunicadora por paixão. Publicitária e Especialista em Comunicação e Marketing, com MBA

Leia mais

Módulo 1 Gestão de stresse

Módulo 1 Gestão de stresse Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.ardh-gi.com Módulo 1 Gestão de stresse 1 Esta apresentação não substitui a leitura dos manuais do

Leia mais

TÍTULO: O PROFISSIONAL DE RELAÇÕES PÚBLICAS NOS MUSEUS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS

TÍTULO: O PROFISSIONAL DE RELAÇÕES PÚBLICAS NOS MUSEUS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS TÍTULO: O PROFISSIONAL DE RELAÇÕES PÚBLICAS NOS MUSEUS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI AUTOR(ES): TAINÁ GIGLIO

Leia mais

CENTRO DE SAÚDE DE SERPA DIA NACIONAL DE COMBATE À OBESIDADE 19/5/2007

CENTRO DE SAÚDE DE SERPA DIA NACIONAL DE COMBATE À OBESIDADE 19/5/2007 CENTRO DE SAÚDE DE SERPA DIA NACIONAL DE COMBATE À OBESIDADE 19/5/2007 Maio 2007 1-Problema A Obesidade é um importante problema de Pública e uma doença crónica, com génese multifactorial, que requer esforços

Leia mais

Competência Emocional no Ensino Superior

Competência Emocional no Ensino Superior ANEXOS Competência Emocional no Ensino Superior Psicologia Positiva SÍLVIA ALEXANDRA DE ALBUQUERQUE FERREIRA Dissertação Apresentada ao ISMT para a Obtenção do Grau de Mestre em Psicologia Clínica Orientadora:

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GAVIÃO. Ano letivo Turma: Docente Responsável pelo projeto:

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GAVIÃO. Ano letivo Turma: Docente Responsável pelo projeto: AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GAVIÃO Escola Ano letivo 2013-2014 Turma: Docente Responsável pelo projeto: SEXUALIDADE (...) É um aspeto central do ser humano, que acompanha toda a vida e que envolve o sexo,

Leia mais

PARTE #1 SÉRIE FEEDBACK NA PRÁTICA ESTUDOS DE CASO. 5/8/2014 A arte de reconhecer e superar suas fragilidades

PARTE #1 SÉRIE FEEDBACK NA PRÁTICA ESTUDOS DE CASO. 5/8/2014 A arte de reconhecer e superar suas fragilidades PARTE #1 SÉRIE FEEDBACK NA PRÁTICA ESTUDOS DE CASO 5/8/2014 A arte de reconhecer e superar suas fragilidades Série Feedback na Prática Estudo de caso Case #1 - A arte de reconhecer e superar suas fragilidades

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE RISCO: UMA INTRODUÇÃO

COMUNICAÇÃO DE RISCO: UMA INTRODUÇÃO COMUNICAÇÃO DE RISCO: UMA INTRODUÇÃO Nos últimos anos, a comunicação de risco para a saúde vem desempenhando um papel importante na prevenção e mitigação das conseqüências adversas para a saúde humana

Leia mais

P-48 AVALIAR É GERENCIAR. Bernardo Leite

P-48 AVALIAR É GERENCIAR. Bernardo Leite P-48 AVALIAR É GERENCIAR Bernardo Leite Há 8 anos (+-)= FEEDBACK Por derivação = AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO (Gestão de Performance) Avaliar como função Gerencial, foi natural. Escolher (avaliar), portanto,

Leia mais

Perguntas Frequentes - Linha de Atendimento para a Ética da MODEC

Perguntas Frequentes - Linha de Atendimento para a Ética da MODEC Perguntas Frequentes - Linha de Atendimento para a Ética da MODEC O que é a Linha de Atendimento para a Ética da MODEC? A Linha de Atendimento para a Ética da MODEC consiste num serviço de notificação

Leia mais

CATÁLOGO DE CASOS DE UTILIZAÇÃO. Utilize o Yammer como espaço de trabalho social e deixe a colaboração, a inovação e a participação começarem.

CATÁLOGO DE CASOS DE UTILIZAÇÃO. Utilize o Yammer como espaço de trabalho social e deixe a colaboração, a inovação e a participação começarem. CATÁLOGO DE CASOS DE UTILIZAÇÃO Utilize o Yammer como espaço de trabalho social e deixe a colaboração, a inovação e a participação começarem. Catálogo de casos de utilização do Yammer O Yammer é o seu

Leia mais

1. O doente tem direito a ser tratado no respeito pela dignidade humana

1. O doente tem direito a ser tratado no respeito pela dignidade humana DIREITOS DOS DOENTES 1. O doente tem direito a ser tratado no respeito pela dignidade humana É um direito humano fundamental, que adquire particular importância em situação de doença. Deve ser respeitado

Leia mais

MEDIDAS DE PREVENÇÃO NA SAÚDE MENTAL. Prof. João Gregório Neto

MEDIDAS DE PREVENÇÃO NA SAÚDE MENTAL. Prof. João Gregório Neto MEDIDAS DE PREVENÇÃO NA SAÚDE MENTAL Prof. João Gregório Neto PREVENÇÃO Ato ou efeito de prevenir-se Disposição ou preparo antecipado e preventivo Precaução, cautela Modo de ver antecipado, premeditado

Leia mais

"PASSO A PASSO DE ESTUDO"

PASSO A PASSO DE ESTUDO 2 Aqui no EPISÓDIO 04 você recebe o PASSO A PASSO para estudar Inglês diariamente e usando tudo o que ensinei durante o AULÃO NACIONAL DE INGLÊS! "PASSO A PASSO DE ESTUDO" Se tudo que eu falei para você

Leia mais

Quando a organização é percebida positivamente. por esses públicos, estes, naturalmente, tendem a. ter uma atitude favorável à empresa.

Quando a organização é percebida positivamente. por esses públicos, estes, naturalmente, tendem a. ter uma atitude favorável à empresa. 16 Dario Menezes Gestão de Riscos Reputacionais: práticas e desafios Se você perder o dinheiro da empresa, eu irei compreender. Se você prejudicar a nossa reputação, eu serei impiedoso. Warren Buffet ano

Leia mais

AMOR PROVADO Ninho Bagunçado (Décimo primeiro ao décimo nono ano)

AMOR PROVADO Ninho Bagunçado (Décimo primeiro ao décimo nono ano) AMOR PROVADO Ninho Bagunçado (Décimo primeiro ao décimo nono ano) a) Manter uma identidade pessoal e uma identidade para o casamento > Dependência exagerada - A identidade do cônjuge é um reflexo do seu

Leia mais

Gestão de Riscos e Investimentos

Gestão de Riscos e Investimentos Gestão de Riscos e Investimentos Gestão de Riscos e Investimentos Apresentação do curso Esta disciplina tratará de uma área muito importante e em pleno desenvolvimento gestão de riscos e suas implicações

Leia mais

Dificuldades no âmbito da comunicação. ecolalia Perturbação na linguagem défices na capacidade de. comunicar

Dificuldades no âmbito da comunicação. ecolalia Perturbação na linguagem défices na capacidade de. comunicar NA SUA OPINIÃO, QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DAS CRIANÇAS COM PERTURBAÇÃO DO ESPECTRO DO AUTISMO? Categorias Indicadores Unidades de Sentido Frequência perturbação da linguagem Este transtorno

Leia mais

Promoção e proteção dos direitos das crianças. A utilidade de critérios, ou pilares concetuais, é

Promoção e proteção dos direitos das crianças. A utilidade de critérios, ou pilares concetuais, é A utilidade de critérios, ou pilares concetuais, é inquestionável para enquadrar as ações de proteção e cuidados à infância. Os profissionais devem partilhar conceitos básicos, que os ajudem a identificar

Leia mais

Relatório de Competências de Nataly Lopez (Perfil Natural) Autoconfiança. Autocontrole. Busca de Informação. Capacidade de Negociação.

Relatório de Competências de Nataly Lopez (Perfil Natural) Autoconfiança. Autocontrole. Busca de Informação. Capacidade de Negociação. IMPORTANTE: Em ótimas condições do ambiente, a grande maioria das pessoas pode ter a capacidade de desempenhar-se adequadamente em quaisquer das seguintes competências. Referimo-nos a "ótimas condições"

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE S. DOMINGOS DE RANA CONCELHO DE CASCAIS REGULAMENTO UNIDADE LOCAL DE PROTEÇÃO CIVIL DA FREGUESIA DE SÃO DOMINGOS DE RANA

JUNTA DE FREGUESIA DE S. DOMINGOS DE RANA CONCELHO DE CASCAIS REGULAMENTO UNIDADE LOCAL DE PROTEÇÃO CIVIL DA FREGUESIA DE SÃO DOMINGOS DE RANA 1 REGULAMENTO UNIDADE LOCAL DE PROTEÇÃO CIVIL DA FREGUESIA DE SÃO DOMINGOS DE RANA REGULAMENTO DA UNIDADE LOCAL DE PROTEÇÃO CIVIL DA FREGUESIA DE SÃO DOMINGOS DE RANA Preâmbulo 2 A necessidade de continuar

Leia mais

Testamento vital da CVS Para que a sua vontade conte.

Testamento vital da CVS Para que a sua vontade conte. Testamento vital da CVS Para que a sua vontade conte. Testamento vital da CVS o mais importante num relance Os consultores da CVS, a pedido, acompanham-no na elaboração do seu testamento vital pessoal

Leia mais

Liderando Escolas Inovadoras

Liderando Escolas Inovadoras Corporate Gestão Empresarial E d u c a ç ã o e T e r c e i r o S e t o r Liderando Escolas Inovadoras Por Marcelo Freitas IV Encontro Temático de Belo Horizonte Belo Horizonte / MG Junho / 2009 "A verdadeira

Leia mais

A Administração de Conflitos consiste exatamente na escolha e implementação das estratégias mais adequadas para se lidar com cada tipo de situação.

A Administração de Conflitos consiste exatamente na escolha e implementação das estratégias mais adequadas para se lidar com cada tipo de situação. Conceito A Administração de Conflitos consiste exatamente na escolha e implementação das estratégias mais adequadas para se lidar com cada tipo de situação. Lidar com o conflito consiste em trabalhar com

Leia mais

Promoção. Prof. Me. André F. A. Fagundes 1. Disciplina: Administração Mercadológica 2º semestre de 2009

Promoção. Prof. Me. André F. A. Fagundes 1. Disciplina: Administração Mercadológica 2º semestre de 2009 Disciplina: Administração Mercadológica 2º semestre de 2009 Promoção Prof. M e André F. A. Fagundes Prof. M e André F. A. Fagundes 1 Comunicação de marketing É o meio pelo qual as empresas buscam informar,

Leia mais

Relações Governamentais no Brasil Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Relações Governamentais no Brasil Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

CONFLITO. Processo onde as partes envolvidas percebe que a outra parte frustrou ou irá frustrar os seus interesses.

CONFLITO. Processo onde as partes envolvidas percebe que a outra parte frustrou ou irá frustrar os seus interesses. CONFLITO Conceito de Conflito Processo onde as partes envolvidas percebe que a outra parte frustrou ou irá frustrar os seus interesses. Fator inevitável seja na dinâmica pessoal ou organizacional. Existem

Leia mais

Seminário Internacional Empresas Familiares: Novos Desígnios. O Norte em Perspetiva. AEP, 12 abril 2017

Seminário Internacional Empresas Familiares: Novos Desígnios. O Norte em Perspetiva. AEP, 12 abril 2017 Seminário Internacional Empresas Familiares: Novos Desígnios. O Norte em Perspetiva AEP, 12 abril 2017 Livro Branco da Sucessão Empresarial Estado da Arte Apontar caminhos, soluções 2010 - Observatório

Leia mais

O Sistema de Gestão de Responsabilidade Social

O Sistema de Gestão de Responsabilidade Social Securitas Portugal O Sistema de Gestão de Responsabilidade Social Agosto de 2016 1 O Sistema de Gestão da Responsabilidade Social A SECURITAS desenvolveu e implementou um Sistema de Gestão de aspetos de

Leia mais