Cn3 Livraria Cn3, Duas Cidades

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cn3 Livraria Cn3, Duas Cidades"

Transcrição

1 O Banquete Mario de Andrade Cn3 Livraria Cn3, Duas Cidades

2 E q u ip e de realização: P ro jeto g ráfico de L úcio G. M achado e E d uardo J. Rodrigues Assessoria e d ito rial de M ara Valles Revisão de H erb ene M a ttio li e V aléria C. Salles T odos os d ire ito s reservados por L ivraria Duas Cidades L td a. R ua B ento F reitas, São Paulo \ C IP -B ras il. C atalo g ação-n a»^onte C âm ara Brasileira do L iv ro, SP A n d ra d e, M á rio de, A b O b an q u e te. São P aulo, Duas C idades, M úsica Brasil 2. M úsica F ilo so fia e estética I. T ít u lo C D D índices para catálogo sistem ático: 1. Brasil : M úsica Estética musical M úsica : Estética e filo so fia

3 S U M Á R IO S obre O B a n q u e te... 9 C a p ítu lo I A b e r tu r a C a p ítu lo II E n c o n tro no P a r q u e C a p ítu lo III J a rd im de In v e r n o C a p ítu lo IV O A p e ritiv o C a p ítu lo V V a t a p á C a p ítu lo V I S a la d a C a p ítu lo V II D oce de C oco F r u ta s C a p ítu lo V I I I O Passeio em Pássaros C a p ítu lo IX Café P e q u e n o C a p ítu lo X As Despedidas N o t u r n o

4

5 D evem os a G ild a de M e llo e Souza a sugestão de p u b lic a r esta im p o rta n te re fle x ã o estética in fe liz m e n te inacabada de M á rio de A n d ra d e, até hoje p ra tic a m e n te in é d ita. Os E d ito re s

6

7 Sobre O Banquete

8

9 " P a r tir eu p a rto... Mas essa m úsica é m e n tira. Mas p a rtir eu p a rto. Mas eu não sei o n d e v o u. M. de A n d ra d e L ira P aulista na S itu a çã o d '0 B a nquete Em m a io dév ^ á rio de A n d ra d e com eça a escrever cró n ica s m usicais natto/ha da M a n h ã : te x to s h e b d o m a d á rio s que vão aparecendo re g u la rm e n te às q u in ta s -fe ira s sob o títu lo de M u n d o M u s ic a l", até a m o rte d o a u to r, em M á rio a d v e rie desde o p rim e iro a rtig o : não se tra ta de c rític a p ro fis s io n a l, ligada aos a c o n te c im e n to s e m a n ifesta çõ es co n te m p o râ n e o s e loca is; não se tra ta de c o m e n tá rio s sobre a vida m usical p a u lista n a. E s tru tu ra m u ito m ais liv re, o M u n d o M u s ic a l" p e rm itiu a a pariçã o dos m ais diversos te x to s : abordagem de fe n ó m e n o s ou p ro ble m a s gerais ( " D o te a tro c a n ta d o ", "P s ic o lo g ia da c ria ç ã o " e tc.); estudos ou refle xões sobre aspectos e s p e c ífic o s ("C la u d e D e b u s s y ", "P elléas et M é lis a n d e ", " S c a r la tti" e tc.); sobre o fo lc lo re ("C a n ta d o r", "D a n ç a s d ra m á tic a s " e tc.); e m esm o p o r vezes e xcedendo ao d o m ín io p ro p ria m e n te m u sical, c o m o em " A r t e in g lesa ", n o tá vel panoram a que releva a im p o rtâ n c ia da In g la te rra não so m ente no d o m ín io da m úsica, mas das artes plásticas, a rq u ite tu ra e cinem a. A n u n c ie m o s logo q ue, na m a io r p a rte dos casos, tais te x to s não são estudos assépticos, afastados da co n ta m in a ç ã o c o n te m p o râ n e a. A pesar de não se lançar nos p ro b le m a s de c o n c re ta e p ró x im a a tu a lid a d e m usical, M á rio liga fre q u e n te m e n te suas re fle x õ e s sobre o passado, sobre as a tivid ades estrangeiras, o u sobre o fo lc lo re, à situ açã o precisa da cria ção m usical b ra sile ira, aos p ro b le m a s de in fra -e s tru tu ra (ensin o, pesquisa), à e volu çã o dos a c o n te c im e n to s d o seu te m p o. O " M u n d o M u s ic a l", em p rin c íp io tra ta n d o de assuntos d ista n te s da re a lid a d e im e d ia ta de m úsica e arte, é p o r essa razão m esm a um m e io c ó m o d o de situ a r questões a tuais im p o rta n te s, de d is c u tir c a m in h o s, de castigar erros. A lg u n s desses te x to s são longos dem ais para serem tra ta d o s num a ú nica p u b lic a ç ã o : p o r essa razão M á rio instaura séries que p o r vezes são in te rro m p id a s p o r o u tro s te x to s, para serem reto m a d a s m ais a d ia n te : " C a n ta d o r ", " A r t e in g lesa " etc.

10 O B a n q u e te está neste caso e é m esm o a m ais longa série. Ele d ife re sensivelm ente dos o u tro s te x to s p o r seu caráter de fic ç ã o : um " d iá lo g o " e n tre c in c o - personagens im aginárias d u ra n te um ja n ta r, c o n c e b id o em dez c a p ítu lo s que não raro serão fra g m e n ta d o s, de m o d o a se a d a p ta r à publica ção sem anal. O p la no e sta b ele cid o p o r M á rio data de fe v e re iro de 1 944, e a p rim e ira p u b lic a ç ã o de 4 de m aio do m esm o a n o : um p ro je to que se destinava seguram ente à p u b lica ção em v o lu m e, c o m o " A r t e ing le sa " te x to aliás bem m enos a m b ic io s o, q ue aparecera em liv ro d u ra n te a vida de M á rio, fa zendo p a rte do B a ile das q u a tro a rtes. In fe liz m e n te, q u a n d o sobrevêm a m o rte d o a u to r em 1 945, o p ro je to está inacabado, in te rro m p id o na p rim e ira p a rte do c a p ítu lo sexto "S a la d a ", p u b lic a d o em , vigésim o te rc e iro "e p is ó d io ". É este fra g m e n to q ue dam os h oje ao le ito r que se convencerá co m o nós, estam os certo s, de seu interesse e im p o rtâ n c ia. Ele p e rm ite um a com pre ensão m ais aguda d o p ensam e n to de M á rio, e ainda pro voca e a u x ilia a re fle x ã o sobre p ro b le m a s da m úsica, da a rte e da cria çã o na sociedade b ra sile ira. P o r q ue "B a n q u e te? T o m a n d o este t í t u lo e d a n d o à o bra a fo rm a de um d iá lo g o e s té tic o -filo s ó fic o, M á rio de A n d ra d e nos rem ete ao e vidente m o d e lo p la tó n ic o. À questão q ue se im p õ e im e d ia ta m e n te ao e s p írito qual é a d ív id a d o te x to que te m o s em mãos para co m a sua re fe rência clássica?, podem os responder que as ligações são lo n g ín q u a s e gerais, onde fic a m d ifíc e is as separações e n tre as (raras) c o in cid ê n cia s e as derivações. Podem os c o n s ta ta r a sem elhança da situ ação g lo bal um ja n ta r lu x u o s o o n d e os convivas d is c o rre m sobre um assunto preciso, num caso o a m o r, no o u tro a m úsica. Mas M á rio não se d e ixa de m o d o a lg u m levar p o r o u tra s in flu ê n c ia s m ais d e te rm in a n te s o u p ró x im a s, q ue tra n s fo rm a ria m seu te x to num p a stich o a tu a liz a d o, ainda que som e nte in s p ira d o pela org anização fo rm a l. E m lugar de corre sp ondência s precisas, podem os evocar um a espécie de sem elhança de ca rá te r: o d is c o rre r flu e n te e fa m ilia r da narração p la tó n ic a m arca-nos pela sua fle x ib ilid a d e, pela sua iro n ia e p elo seu fra n c o h u m o r: assim o prazer de im ita r os discursas das personagens co nte m p o râ ne as c o m o M á rio im ita rá a fa la d o p o lític o ou a s o fistica çã o da g rã -fin a ou

11 traços irre sistíveis c o m o o soluço de A ris tó fa n e s o u a entrada tem pestuosa de A lc ib ía d e s. Mas se essa e scritu ra d 'O B a n q u e te evocada é um caso um p o u c o especial na o bra p la tó n ic a, ao c o n trá rio a flu ê n c ia e h u m o r são um a das ca ra cte rística s im p o rta n te s que se e n c o n tra m na m a io r parte dos te x to s de M á rio, m esm o q u a n d o tra ta de p ro ble m a s co m p le x o s e árduos. E, além disso, num a o u tra d ire ç ã o, O B a n q u e te p a u lista n o é m u ito m enos risos e à v o n ta d e que seu m o d e lo clássico e q ue os escritos h a b itu a is de M á rio. U m c lim a c o n tín u o de m al-estar e angústia, p o r vezes inte n síssim o, e nvolve os risos e as com idas é que o a u to r se a tira p ro fu n d a m e n te n a q u ilo que fa z suas personagens d ize re m, lançando p ro b le m a s para ele essenciais e para os quais não vê resposta concreta algum a. Mas não a nte cip e m o s. S o b re P latão ainda nos resta d ize r a sem elhança acusada e n tre a ju v e n tu d e, a "g raça do c o rp o n o v o " no d iz e r de M á rio, o e stabanam e nto, a im p e tu o sid a d e a d m ira tiv a e entu siástica (e ao m esm o te m p o d is ta n te ) que e xiste e n tre A lc ib ía d e s e Pastor F id o. E resta-nos ta m b é m le m b ra r o p ro b le m a da m úsica grega. Uma das preocupações fre q u e n te s de M á rio são os e fe ito s p s ic o fis io ló g ic o s da m úsica e a sua in te rvenção, seu papel m u ito a tiv o na sociedade co n te m p o râ n e a : estão ligados a esses problem as a discussão sobre as dissonâncias e o inacabado nas artes (O B a n q u ete págs. 6 2 e 63) e a evocação dos " e th o s " m usical grego: " o c ro m a tis m o na G récia era só p e rm itid o aos g ra n fin o s da v irtu o s id a d e, in c u lc a d o de sensual e d isso lvente, p ro ib id o aos m oços, aos soldados, aos fo rte s ". Esta ú ltim a questão já a tra íra basta nte M á rio, à qual dedica páginas im p o rta n te s na Pequena h is tó ria da m úsica. Nesse c a m in h o, a le itu ra de P latão deve te r-lh e fo rço sam e n te interessado, mas m u ito m ais o liv ro II das L e is ou o liv ro III da R e p ú b lica que o B a n q u e te, cuja ú nica m agra refe rência m usical é a passagem rápid a que se e n c o n tra no d iscu rso de E rix ím a c o. E essa passagem p oderia ser s ig n ific a tiv a co m relação ao estado de in q u ie tu d e, de espera, ao s e n tim e n to de inacabado d in â m ic o e fe c u n d o que M á rio a firm a ser c a ra c te rís tic o da dissonância, pois E rix ím a c o d iz de m o d o o p o s to, que a a rte m usical é a c o n c ilia ç ã o de sons disco rd a nte s pelo a corde, o que p ro d u z a co nso n â n cia, c ria n d o um estado de "a m o r e c o n c ó rd ia ".1 Mas to d a essa a b c, p a 121 da tra d u ç ã o do p ro f. J. C a v a lcan te de S o u za, São P aulo, D ifu s ã o E u ro p é ia do L iv ro,

12 ginástica é in ú til: a idéia de M ário dissonância = inq uie tud e corre as teorias clássicas da música. Para darm os um exem plo, citem os o velho e conhecido manual de Danhauser, de 1872: "L e s intervales dissonants (...) sont ceux qui fo rm e n t entre eux deux sons que Toreille éprouve le besoin de m o d ifie r, en les rem plaçant par d'autres sons; la dissonance donne une im pression d 'in s ta b ilité, les sons ayant une tendence à se dissocier pour a b o u tir à une consonance".2 Deste m odo, O Banquete de Platão se revela com o um padrinho de pouca ou nenhum a influ ência, e o te x to de M ário se insere antes numa linhagem de diálogos filo só ficos, fo rm a que desde o filó s o fo ateniense pontua a h istória das idéias. D iálogo, fo rm a adequada Pontuação discreta, porém. E lem ento essencial da filo s o fia platónica (não há, no F e d ro, o elogio da palavra ora l, viva, e a c rític a da fixação escrita?), a form a dialogada, na sua h istória, acomodar-se-á em funções menores: facilita ção pedagógica (já Santo A gostin h o a u tiliz a com o m eio apropriado de ensino, com o em De m usica, onde as personagens se reduzem significativam ente a Mestre e D iscípulo) ou exposições de argum entação, ocasionais e secundárias, com o os diálogos de Berkeley ou Leibniz. Nos dois casos, e ntre tan to, ela depende de um corp o filo s ó fic o já solidam ente estabelecido, e no fu n d o a form a do diálogo não é senão um m eio... fo rm a l. E que justam ente reaparecerá, vívida e necessária, num pensamento que se ajeita mal com tratados, que faz apelo continuam e nte à experiência para se alim enta r, que não gosta de falar abstratam ente e co n stru ir sistemas áridos: será o m eio de expressão de D id e ro t, por excelência, por vezes mesmo se d istin guin d o pouco do te x to de te atro. Na música, a form a dialogada possui um grande m o m e n to : os escritos de Schum ann. Ele a havia inaugurado com um célebre artigo sobre C hopin, onde intervinham q ua tro personagens, Florestan, arrojado e rfnpetuoso, Eusebius, m elancólico e c o n te m p la tivo, Mestre R aro, espécie de 2 T h é o rie de ta M u s iq u e, Paris, ed. de , p Esse'problem a vem já m encionado em "T erap êu tica M usical'' (in N a m o ro s co m a M e d ic in a, Porto A legre, L ivr. G lo b o, , p. 4 8 ).

13 m ediador cheio de sabedoria, e o narrador, que escreve na prim eira pessoa. Logo Schum ann fundará sua própria revista, onde essas personagens assinarão artigos ou conversarão sobre os mais diferentes problem as musicais, dirigindo-se contra as atitudes estreitas e demagógicas da c rftic a do te m p o, de intérpretes, da falsa arte, dos m odism os estrangeiros (carregando consigo o sonho da criação de uma ópera alemã; in tro d u z in d o com o proporá tam bém M ário a substituição dos term os expressivos italianos allegro, cantabile etc. por outros nacionais) e exaltando a criação verdadeira, honesta consigo mesma e sempre à procura de um auto-ultrapassam ento. No enta nto, Florestan, E u s e b iu s e Raro não são apenas m arionetes postiças que intrigam os leitores e que fa c ilita m os debates; ao co n trá rio, são personificações de aspectos opostos do e spírito do a u to r, das contradições de seu tem peram ento, de suas diferentes facetas d iante de problem as que está longe de perceber com a frieza do profissional e que antes tom am profundam ente seu ser. Por vezes m esmo, sua p rópria produção musical será assinada por Eusebius ou p o r Florestan. Se O Banquete de M ário não tem nenhum a pretensão em cria r uma filo s o fia através do seu desenvolvim ento dia lético, com o em Platão, ou se o diálogo não tem para ele uma função essencialmente pedagógica ou expositiva, ele se m ostra, com o em D id e ro t, um m eio p e rfe ito de expressão para seu pensam ento pragm ático, co n cre to : se Le rêve de d 'A /e m b e rt é quase te atro, O Banquete é quase um conto filo s ó fic o. É uma form a que possui com o em Schum ann de m odo privilegia do, um poder adaptativo aos co nto rn o s do real, uma incisiva m aneira de com bater, de d is c u tir problem as vibrantes da atualidade e ao mesmo tem po de cria r contradições d e n tro do p ró p rio discurso, de não provocar polém icas diretas, lu tando por inte rm é dio das suas personagens, lançando-se de m odo mais p ro fu n d o na fala desses fantasmas, e neles te ntando isolar as facetas de seu p ró p rio e spírito. Na sua m obilidade e na m u ltip lic id a d e das suas vozes, a escritura dialogada p erm ite as ambivalências. Um te x to sem constrangim ento Um dos papéis essenciais do "M u n d o M u sical" e d 'O Banquete é o seu caráter de orientação c rític a. A im portância que a inteligência, os conhecim entos e a personalidade de M á rio de A ndrade tiveram no desenvolver

14 das artes brasileiras fo i imensa e é desnecessário lem brar o que a nossa criação artística lhe deve. E scrito por uma personalidade altam ente prestigiosa, veiculado pelo jo rn a l, logo por uma publicação não especializada, acessível e de grande penetração, a função pedagógica d 'O Banquete devia realm ente ter um alcance considerável. E pela sua natureza e co n te x to, as polém icas levantadas, a virulência do e stilo, o ardor das defesas, sempre ligadas às reflexões es.téticas mais gerais, têm esse sabor de vida que e fetivam e nte!a ta xiderm ia universitária, mais rigorosa, segura, ou o que quer que se queira, não possui. Já vim os que n '0 Banquete a form a dialogada é um m eio que pela sua fle xib ilid a d e pode e x p rim ir o tim a m e n te um pensam ento que seguiu pelos trancos e barrancos do co ncreto e que não se fecha num cristal sem contradições. Ora, ao caráter jo rn a lís tic o e pragm ático se associam projeções c o n flitu a is interiores do a u to r, que confu ndem a clareza dos desenvolvim entos, a precisão das intenções. Pois especialmente neste diálogo, M ário decide não dissertar, mas lançar-se com suas ambiguidades. O que acarreta forçosam ente uma perturbação da pedagogia e das idéias que poderiam vir claras. Mas elas não são claras, e no m om ento em que escreve, M ário está se questionando, p or vezes inseguro. N '0 Banquete não pretende colocar apenas um program a e x p líc ito ou uma direção operatória im ediata. A o c o n trá rio, seu te x to nasce de suas contradições. E as d ificuldades de leitu ra começam. M ário vai te ntar exprim ir-se sem os freios do rig or e, por vezes, sem mesmo os freios da coerência. Para isso prepara o terreno escudando-se por trás de suas personagens, sobre as quais recaem as responsabilidades, e cujo com p o rta m e nto ou caráter explicam ou desculpam o descosido. E por eles o a uto r pode descarregar seu coração. Logo de in íc io, esse jogo de reenvios anuncia as cores de sua am biguidade com a nota iró nica: "O h meus amigos, si lhes dou este relato fie l de tu do quanto sucedeu e se falou naquela tarde boa, boa e triste, não acreditem não, que qualquer semelhança destes personagens, tão nossos conhecidos, com qualquer pessoa do m undo dos vivos e dos m ortos, não seja mais que pura coincidência ocasional. E é tam bém certo, certíssim o, que ao menos desta vez, eu não poderei me responsabilizar pelas idéias expostas aqui. Não me pertencem, em bora eu sustente e proclam e a responsabilidade dos autores, nesse m undo de

15 ambiciosas reportagens estéticas, vulgarm ente cham ado Belas A rte s ". (O B anquete, p. 45). Responsabilidade delegada, mas o sentido é intencionalm ente co n fu n d id o pela iro n ia : "p u ra coincidência ocasional", nestes "personagens tão nossos co nhecidos", e o caráter sib ilin o da ú ltim a frase. Em m om entos mais agudos, to m ado pela dinâm ica de seu discurso, M ário insiste na im precisão dos enunciados: É m u ito vago, Janjão. É m u ito vago. Pastor F ido é..." (O Banquete, p. 133). No 5? ca p ítu lo espanta-se: "M as é incrível com o os meus personagens já estão agindo sem a m inha interferê ncia: não consigo conter mais eles" (O Banquete, p. 122). N um te x to de pura ficção, novela ou rom ance, observações assim teriam sem problem a seu lugar. Elas seriam aí apenas inform ações sobre as personagens, enquanto que n '0 B anquete, te x to de pensador, elas são alertas sobre as idéias que se expõe. Tais precauções, mais as facilidades que lhe perm item o to m de conversa de salão, brilha nte, bem educada e bem hum orada (hum or cuja flo r absoluta é a declaração p erem ptória e inesquecível do Pastor F id o : "M o z a rt é o V icente Celestino do Século D e z o ito!"), todos esses elem entos perm item tiradas e reflexões desvairadas, com o a argum entação em favor da influência francesa (O B anquete, págs. 108 e 109) ou as referências desairosas à m usicalidade germânica: "E a cu ltura musical germânica é quadrada por demais profundam ente estúpida os com positores alemães são os mais burros do m undo só Haendel e Beethoven escapam disso! (...) Os professores m usicalm ente germanizados (...) não têm a m enor capacidade pra entender a música dos outros países, e m u ito menos a d ifíc il rítm ic a nacional. Tocam quadrado. Tocam burram ente, com uma estupidez que chega ao an g é lico" (O Banquete, p. 109). E saltamos o trecho onde B ruckner e M ahler (com parados a Jadassohns!) aparecem com o "fo rm id á ve is técnicos da música e da estupidez h u m ana!". Mas o auge do d e lírio encontra-se seguramente na constatação que Bach, "tip ic a m e n te nas peças de ó rg ã o ", dem onstra a tristeza pós-coito, "aquela psicologia do 'anim al tris te ', dos excessos sexuais"! (O Banquete, p. 136). Mas M ário, no seu p ró p rio

16 te x to, pisca-nos o o lh o, c ria n d o a indignação do p o lític o F e lix de C im a : "A q u e le je ito de tra ta re m M o z a rt, Bach génios respeitados!... E n tã o c o m o é que esses levianos haviam de tra ta r Deus, P átria, F a m ília e o G o v e rn o!" (O B a nquete, p. 101). R e viravo ltas ta m b é m são fre q u e n te s: um a personagem parece ir m u ito bem no seu ra c io c ín io, q u a n d o um o u tro in te rv é m, e as idéias dão guinadas, m u d a m de cu rso, v o lta m atrás o u se co rrig e m. M uitas vezes o pensam ento de um a personagem se esclarece, to m a um a nova dim ensão co m as a firm a çõ es d o s 'o u tro s : as reações m útu as engendram novas direções. E é essa situação mesma que p e rm ite ta m b é m divagações b rilh a n te s, e ntre o u tra s a te o ria sobre a b a tid a, a n u nciada p o r F e lix de C im a, e so b re tu d o a página su b lim e q ue estabelece a ligação e n tre o e spo rte e a m o rte. E n tre ta n to, as astúcias que lib e ra m o e s c rito r c o m p lic a m sem d ú v id a a co m pre en são d o le ito r. P orque, se d e ix a rm o s as regras d o jogo a m b íg u o de lado e p erg u n ta rm o s o nd e e n c o n tra r o p en sam en to do a u to r, a resposta não é sim ples. Para te rm o s um a idéia da e s tru tu ra, p o r vezes d ia b ó lic a, onde M á rio se d iv e rte co m espelhos q ue se re fle te m, to m e m o s um e x e m p lo preciso em seu e nca deam ento. M á rio de A n d ra d e escreve n um rodapé da F o lh a de São P a ulo, onde e xpõe suas idéias. Nesse rodapé cria um d iá lo g o, O B a nq u ete, o n d e elas serão e x p rim id a s e d iscu tid a s p o r personagens. Um a dessas personagens, Sarah L ig h t, te m algum as idéias sobre a estética, que d e sco b rim o s serem notas tom adas pela personagem num curso dado p or... M á rio de A n d ra d e em ! E c o n sid e ra n d o que Sarah L ig h t é um a personagem que, à p rim e ira vista, d ific ilm e n te seria um p o rta -vo z a u to riz a d o d o a u to r, o le ito r só pod e co n sta ta r que se d e ix o u am a rrar c o m o um salame. N u m a te n ta tiv a de situ ar-n o s nesse la b irin to, e x p e rim e n te m o s e ntã o p ro ced er escolarm ente, e x a m in a n d o um a a um a, as personagens do te x to. Sarah L ig h t N o p rim e iro c a p ítu lo, " A s aprese ntaçõ es", M á rio situa as três personagens "d o n o s da v id a ", representantes ou in s tru m e n to s da classe d o m in a n te. Na base está Sarah L ig h t, a m ilio n á ria, " p lu to c r a ta ", co m o ele a d e fin e, que o fere ce o banquete. Sarah L ig h t é "is ra e lita irre d u tív e l", nascida em N ova Io rq u e e co m isso M á rio caracteriza ao m esm o te m p o

17 o c a p ita lis m o in te rn a c io n a l e a ausência de raízes Sarah L ig h t é um p o u c o o ju d e u e rra n te sem p á tria, adaptando-se c o m o p od e às c u ltu ra s o n d e vive. Seu p ra to p o r excelência é a "sa lad a a m e ric a n a ", fa scin a n te, tra iç o e ira, mas "se m c h e iro " sem u m c h e iro q ue a d e fin a c u ltu ra lm e n te. Porém, estas co rre sp o n d ê n cia s m ais gerais, que s itu a m a personagem quase c o m o um s ím b o lo, não são tã o sim ples assim. Por e x e m p lo, e m p re g a n d o o m esm o a d je tiv o " ir r e d u tív e l", associa os ju d e u s à c u ltu ra g e rm â n ica : "É p ândego: os m ais perigosos são ju s ta m e n te os professores sem p á tria, os israelistas. N unca fu i co n tra os jud eus, Deus me liv re! Mas não sei si é p o r virem dum a c u ltu ra m u ito irre d u tív e l, pois são quase to d o s das partes ce n tra is da E u ro p a, e q u a n d o não germ ânicos de te rra de nascença, são p ro fu n d a m e n te g e rm a n iza d o s" (O B a n q u e te, p. 1 09). T am b é m e n c o n tra m o s na p : "a m ilio n á ria fe rid a naquele m eigo p a trio tis m o irre d u tív e l que faz a gente a m a r pra sem pre a te rra em que nasce u". Pois Sarah é ta m b é m um a c a ric a tu ra dos estrangeiros q ue ignora ram o u c o m b a te ra m o m o v im e n to m o d e rn is ta. Na c o n fe rê n c ia que te m e x a ta m e n te esse títu lo "M o v im e n to m o d e rn is ta ", de ,3 M á rio lem bra co m g ra tid ã o da a ris to c ra c ia tra d ic io n a l, a u te n tic a m e n te b ra sile ira, que deu a "m ã o fo r t e " aos jovens. D. O lív ia G uedes P enteado é a a n títe s e de Sarah L ig h t, s ím b o lo (ainda) dos "a ris tô s d o d in h e iro " que "n o s o diava m no p rin c íp io e sem pre nos o lh a ra m com d e sco n fia n ça. N e n h u m salão de ricaços tiv e m o s, nen hu m m ilio n á rio e stra ngeiro nos a colheu. Os ita lia n o s, alem ães, os israelistas se fa zia m dem ais guardadores d o b om senso n a cio n a l q ue Prados, P enteados e A m a ra is...". E n fim, o p o u c o que sabem os de Sarah nos a u x ilia a c o m p re e n d e r que seu interesse pela m úsica passe p e lo desejo fís ic o de Ja njão. É p o r causa dele que, co m seu d in h e iro, pod e c o n s titu ir um a d isco te ca "c o lo s s a l", m a io r d o m u n d o (am ericanam e n te, c o m o a salada, ta m b é m " m a io r d o m u n d o "). D o m esm o m o d o que para o p o lític o e a v irtu o s e, o interesse que dá à m úsica é desonesta c a m u fla g e m : assim na página n A s p e c to s d a lite r a tu r a b ra s ile ira, Sao P au lo, M a rtin s e d., p e

18 n o tá vel em que M á rio traça um p a ra le lo e n tre as m úsicas que ela ouve e as e xperiê ncia s refinadas de sua " t o ile t t e " (O B a n q u e te, p. 7 3 ). A liá s, o tem a da relação e n tre os diversos géneros da m úsica e c o m p o rta m e n to s h u m a n os é ca ro a M á rio desde "T e ra p ê u tic a m u s ic a l", o n d e o p ro b le m a aparece ligado a c o m p o rta m e n to s c o le tiv o s e não in d iv id u a is, tra ta d o de m aneira c e rta m e n te m en os re fin a d a, mas no m esm o e s p írito. Tal tip o de c o n ta to co m a m úsica, segundo M á rio, escapa ao d o m ín io da A rte, co m m aiúscula. A m úsica " f u n c io n a l" está fo ra dos prazeres p u ro s e p ro fu n d o s, p ro d u z id o s pela m úsica pura e p ro fu n d a, "e s té tic a ", desligada do q u o tid ia n o e sacralizada n um m o m e n to d e fin id o. D e p ois de te r e stabele cid o um program a de rá d io que acom panhasse, da m anhã à n o ite as fu n çõ e s hum anas (p. 55 e 5 6 ), M á rio c o n c lu i "T e ra p ê u tic a m u s ic a l" le m b ra n d o : "É que estou p re ssentindo a o b je çã o de to d o s : mas nesse caso não haverá m ais lugar para c o n c e rto s!... Haverá sem pre c o n c e rto s e horas serão ta m b é m dete rm in a d a s para que to d o s escutem u m M o z a rt, um S c a rla tti, um W agner, um H e n riq u e O sw a ld. Mas isso é d o m ín io da estética e não desta n o tíc ia em q ue tiv e a audácia im p e rd o á vel de n a m o ra r co m a m e d ic in a..." (p. 5 6). A ssim Sarah L ig h t tra n s fo rm a m úsica " a r tís tic a " (R arneau, Bach etc.) em m úsica " fu n c io n a l", c o m o má o u v in te, que se in c o m o d a p o u co co m a a rte. E o interesse s u p e rfic ia l que consagra à m úsica fá-la in te rv ir p o u c o nas discussões te ó ric a s : seu papel resume-se fre q u e n te m e n te em c o lo c a r questões sim ples que o u tro s desenvolverão. A ssim ela vai buscar a idéia q ue a "e s té tic a fa z p a rte da p ró p ria té c n ic a " ou o e x e m p lo de S eurat que ilu s tra a q u ilo que M á rio cham a " o d in a m is m o das com o ções e s té tic a s " (O B a n q u e te, págs. 77 e 8 6 ), tira d o d o curso q ue o p ró p rio M á rio fiz e ra no C olé gio des O iseaux. C om c o n h e c im e n to s de " c u ltu r a g e ra l", fo rn e c id o s p o r um co lé g io g rã -fin o, a boa repre senta n te desses "a ris tô s do d in h e iro ", o d ia d os pelo a u to r, Sarah nem sabe que M á rio de A n d ra d e escreveu M a c u n a ím a. Ela d e fe n d e rá a a rte c o m o p riv ilé g io de classe, e nisso terá o a p o io d o p o lític o (O B a n q u e te, p. 9 2 ). E e n contra-se c o m p ro m e tid a e com p ro m issa d a co m ele ta m b é m, na c rític a fa ls ific a d a ao p od er, na p seudo-oposição ao gove rno (O B a n q u e te, págs e ). O a u to r esm iúça, além desses, o u tro s m ecanism os seus, conscientes ou in c o n s c ie n te s : os "d u e lo s " de beleza e fascinaçãç c o m a c a n to ra, as flu tu a ç õ e s de seu a m o r, cujas

19 inclinações passam de Janjão a Pastor F id o, seus s e n tim e n to s e ró tic o s m esm o, em relação aos três hom ens presentes. E inesperadam ente d esco brim o s que Sarah é "u m a grande m u lh e r, m enos s ím b o lo e quase essência fe m in in a, escapando aos caracteres de classe, à p lu to c ra c ia que a d e fin e : Brisa d o e n ta rd e c e r! c h e iro de lírio s d o b re jo, infâ n cia s, mães, te rn u ra s, grutas abism ais, fo rç a te rre s tre q u e n te, g osto, a rro u b o de sexualidade ilim itá v e l (... ) A co n fu são e xistia sim, mas tã o grave, tã o harm o nio sa o s e n tim e n to é c o m o o som, dá sem pre sons h a rm ó n ic o s que Sarah L ig h t estava extasiada, c o m p le ta d a, c o n v e rtid a ao seu to ta l d e s tin o, m u lh e r (... ) E vos g a ra n to que Sarah L ig h t era um a grande m u lh e r, que pena... T ive e te n h o in te n ç ã o de a m o stra r desagradável, co m o de fa to é. Mas nem sem pre consigo conservá-la na sua classe de p lu to c ra ta, p o rq u e, pessoalm ente, às vezes ela se esquece da classe e de m im, um a grande m u lh e r!" (O B a nquete, p. 127). F e lix de C im a "D e o rigem ita lia n a e n a tu ra lm e n te fa c h is ta " (O B a nquete, p. 4 5), é o "c a rc a m a n o ", v ítim a n a tu ra l de um a certa x e n o fo b ia re in a n te, pois o c o n tin g e n te im ig ra tó rio ita lia n o era o mais im p o rta n te em São Paulo e desse m o d o o m ais a m e aça d o r.4 As te rn u ra s dos "m e u s b ra sile iro s lin d a m e n te m is tu ra d o s ", das " ita lia n in h a s " e c o s tu re irin h a s íta lo -b ra s ile ira s " do C/a do J a b o ti, d o galh a rdo filh o de im ig ra n tes, lo ira m e n te d o m a n d o um a u to m ó v e l" de P aulicé ia desvairada, co m pensam m al o a m b íg u o T ie tê ", ta m b é m de P a ulicé ia q ue o põe as "gigantescas v itó ria s " d o passado b a n d e ira n te à " N a d a d o r! V am os p a rtir pela via d u m M a to G rosso? / lo! M ai!... / (... ) / V a d o a p ranzare con la R u th ". 4 A lfre d o E llis (J u n io r) na "R e v is ta N o v a " (d irig id a p or Paulo P rado, M ário de A n d ra d e e A n to n io de A lc â n ta ra M a c h a d o ), lem b rava em 1931 q ue "seria m u ito d iffic il de p rever o resultado da im igração italian a em São P au lo, posta em scena de u m m o d o perigosissim o para a b rasilid ade, c o m as avalanches annuaes, cujo to ta l sobe a 75% da p opulação p re e x is te n te ". Tal in q u ie tu d e é p ró x im a da de M á rio, e a p re c ip ita ção e m que a firm a sem a p o io c ie n tífic o m aio r q u e " o ita lia n o fo i e n g u lid o, sem d e ix a r grandes vestígios de n atu re za e th n ico -so cio lo g ica da sua passagem " é mais u m m eio de a firm a r a fo rça da c u ltu ra a u te n tic a m e n te b rasileira, m in im iza n d o a c o n trib u iç ã o dos recém -chegados. A lfre d o Ellis (J u n io r), P o p u la ç õ e s p a u lis ta s, in "R e v is ta N o v a ", ano 1, n? 1, 15 de m arço de , p. 5 4.

soluções sustentáveis soluções sustentáveis

soluções sustentáveis soluções sustentáveis soluções sustentáveis 1 1 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 2 2 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 3 3 APRES ENTAÇÃO A KEYAS S OCIADOS a tu a d e s d e 1

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

lh e c o n fe re o in c is o II d o a rt. 4 º d o Re g u la m e n to d o D e p a rta m e n to -G e ra l d o Pe s s o a l (R-1 56 ), a p ro v a d o

lh e c o n fe re o in c is o II d o a rt. 4 º d o Re g u la m e n to d o D e p a rta m e n to -G e ra l d o Pe s s o a l (R-1 56 ), a p ro v a d o PORTARIA Nº 1 6 4 -D G P, D E 4 D E NOV E M B RO D E 2 0 1 1. Alte ra a d is trib u iç ã o d e e fe tiv o d e m ilita re s te m p o rá rio s, p a ra o a n o d e 2 0 1 1. O CHEFE DO DEPARTAMENTO-GERAL DO

Leia mais

Programa Copa do Mundo 2014

Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Gerente do Programa: Mario Queiroz Guimarães Neto Rede do Programa: Rede de Cidades Objetivo do Programa: Organizar com excelência os eventos FIFA

Leia mais

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O A B O R T O : U M A Q U E S T Ã O M O R A L, L E G A L, C U L T U R A L E E C O N Ô M I C A C U R I T I B A

Leia mais

IN S A In s titu t N a tio n a l

IN S A In s titu t N a tio n a l IN S A : U m a re d e d e 5 e s c o la s s u p e rio re s d e e n g e n h a ria O INS A de Rennes existe desde 1966 R ouen O INS A de Rouen existe desde 1985 O INS A de S trasbourg existe desde 2003 R

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE

A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE AUDITORIA IA CLÍNICA A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE Auditoria é em um exame cuidadoso e sistemático das atividades desenvolvidas em determinada empresa ou setor, cujo objetivo é averiguar

Leia mais

www.investorbrasil.com

www.investorbrasil.com Proposta curso preparatório para CPA 20 - ANBIMA www.investorbrasil.com Apresentação INVESTOR APRESENTAÇÃO A INVESTOR é uma escola que nasceu da necessidade das pessoas aprenderem as ferramentas e instrumentos

Leia mais

A N E X O P L A N O M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 2024

A N E X O P L A N O M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 2024 E S T A D O D E S A N T A C A T A R I N A P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E M A J O R V I E I R A S E C R E T A R I A M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O, C U L T U R A E D E S P O R T O C N

Leia mais

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde B ra s ília, 26 de s etem bro de 2009 C o ntro le da s P o lític a s de L uiz R ibeiro FU N Ç Ã O D O J O R N A L I S M O J o r n a lis m o é a a tiv id a d e p r o fis s io n a l q u e c o n s is te e

Leia mais

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E J A R D I M

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E J A R D I M N Ú C L E O D E C O M P R A S E L I C I T A Ç Ã O A U T O R I Z A Ç Ã O P A R A R E A L I Z A Ç Ã O D E C E R T A M E L I C I T A T Ó R I O M O D A L I D A D E P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 027/ 2

Leia mais

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Belo Horizonte/MG, 21 de junho de 2010 Segmentação A s eg mentação es tá pres ente em todos os mercados, incluindo o mercado do turis mo;

Leia mais

AGÊNCIA AMBIENTAL FEDERAL AMERICANA - USEPA

AGÊNCIA AMBIENTAL FEDERAL AMERICANA - USEPA AGÊNCIA AMBIENTAL FEDERAL AMERICANA - USEPA Emenda ao 40 CFR Parts 261, 266, 268 e 271 Documento: FERTILIZANTES À BASE DE ZINCO PRODUZIDOS A PARTIR DE MATERIAL SECUNDÁRIO PERIGOSO Julho/2002 S U M Á R

Leia mais

Padrões de lançamento para Estações de Tratamento de Esgotos Domésticos Reunião AESBE 10/02/09

Padrões de lançamento para Estações de Tratamento de Esgotos Domésticos Reunião AESBE 10/02/09 Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - SABESP Associação das Empresas Estaduais de Saneamento Básico - AESBE Padrões de lançamento para Estações de Tratamento de Esgotos Domésticos Reunião

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

R E DE MA IS VIDA R e de de A te nç ã o à S a úde do Ido s o

R E DE MA IS VIDA R e de de A te nç ã o à S a úde do Ido s o R E DE MA IS VIDA R e de de A te nç ã o à S a úde do Ido s o C ic lo d e D e b a te s : "1 C liq0 u e Ap a ra n eo d ita s r do eo s tilo Ed o ssta u b tí tu lo to m e s tre d o Id o s o E lia n a M á

Leia mais

A COMUNICAÇÃO COMO ELEMENTO MOTIVACIONAL DOS ALUNOS INGRESSANTES NO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGÜE DA FAZU

A COMUNICAÇÃO COMO ELEMENTO MOTIVACIONAL DOS ALUNOS INGRESSANTES NO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGÜE DA FAZU Secretariado Executivo Bilíngüe/Office Administration 127 A COMUNICAÇÃO COMO ELEMENTO MOTIVACIONAL DOS ALUNOS INGRESSANTES NO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGÜE DA FAZU INTRODUÇÃO O p re s e n te

Leia mais

P la no. B a nda L a rg a

P la no. B a nda L a rg a de P la no N a c io na l B a nda L a rg a 1 Sumário 1. Im p o r tâ n c ia E s tr a té g ic a 2. D ia g n ó s tic o 3. O b je tiv o s e M e ta s 4. A ções 5. In v e s tim e n to s 6. G o v e r n a n ç a

Leia mais

O siste ma foi de se nvolvido e m C # atra vé s da fe rrame nta Microsoft Visual S tudio 2008. Banco de dados Microsoft S QL S e rve r 2008 r2

O siste ma foi de se nvolvido e m C # atra vé s da fe rrame nta Microsoft Visual S tudio 2008. Banco de dados Microsoft S QL S e rve r 2008 r2 His tó ric o O de s e nvolvime nto do S is te ma Voto E le trônico do Ministé rio P úblico do E stado de S ão P aulo te ve s e u início e m 2009 com a fina lidade de automatiza r os proce ssos e le itorais

Leia mais

C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19

C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19 C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19 C iclo de vida : Do pneu novo ao pneu us ado FABRICAÇÃO IMPORTAÇÃO MERCADO Pneus Novos EXPORTADOS Pneus novos Fora do

Leia mais

Ote r m o tr a b a lh o d e riv a d o la tim v u lg a r tr ip a lia r e, q u e s ig n ific a m a r tiriz a r c o m o

Ote r m o tr a b a lh o d e riv a d o la tim v u lg a r tr ip a lia r e, q u e s ig n ific a m a r tiriz a r c o m o TRABALHO VOLUNTÁRIO E TRABALHO RELIGIOSO A lic e M o n te ir o d e B a r r o s* Sum ário: TRA BA LH O V O LU N TÁ RIO ; Introdução; Conceito; Term o de adesão; Ressarcim ento de Despesas; O trabalho voluntário

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

Ministério Público Federal, B rasília 8 de junho de 2009. Leonardo C. Fleck, C ons ervação E s tratég ica

Ministério Público Federal, B rasília 8 de junho de 2009. Leonardo C. Fleck, C ons ervação E s tratég ica Ministério Público Federal, B rasília 8 de junho de 2009 Leonardo C. Fleck, C ons ervação E s tratég ica P r e o c u p a ç ã o c o m a q u a lid a d e d o s g a s to s p ú b lic o s e m c e n á r io

Leia mais

As marcas dos castigos na infância

As marcas dos castigos na infância Seminário Educar Sem Castigo Discutindo o Projeto de Lei 7672/2010 As marcas dos castigos na infância Cida Alves Núcleo de Prevenção da Violências e Promoção da S aúde S MS de Goiânia Rede Não B ata Eduque

Leia mais

R eg is tro de P rodutos R em edia dores. Cintia M. Araújo Souza CCONP/CGASQ/DIQUA Brasília, 12/03/2013

R eg is tro de P rodutos R em edia dores. Cintia M. Araújo Souza CCONP/CGASQ/DIQUA Brasília, 12/03/2013 R eg is tro de P rodutos R em edia dores Cintia M. Araújo Souza CCONP/CGASQ/DIQUA Brasília, 12/03/2013 Remediadores Ambientais LEGIS LAÇÃO ES PECÍFICA: Res olução CONAMA nº 314, de 29/10/2002 D is põe

Leia mais

A va lia ç ã o de R is c o s A plic a da à Q ua lida de em D es envo lvim ento de S o ftw a re

A va lia ç ã o de R is c o s A plic a da à Q ua lida de em D es envo lvim ento de S o ftw a re Rafael Espinha, Msc rafael.espinha@primeup.com.br +55 21 9470-9289 Maiores informações: http://www.primeup.com.br contato@primeup.com.br +55 21 2512-6005 A va lia ç ã o de R is c o s A plic a da à Q ua

Leia mais

ÍN DICE GERAL. das sociedades (artigo 64.! 1 do CSC)... 19

ÍN DICE GERAL. das sociedades (artigo 64.! 1 do CSC)... 19 ÍN DICE GERAL P ro g ra m a d a s J o rn a d a s so b re a R e fo rm a d o C ó d ig o d a s S o c ie d a d e s C o m e r c ia is... 5 A p re s e n ta ç ã o... 9 D isc u rso d o M in istro d e E sta d o

Leia mais

Alfabetização e analfabetismo

Alfabetização e analfabetismo Alfabetização e analfabetismo desafios para as políticas públicas o O bserva tório da Educação e da juventude PELO CONTRO LE SOCIAL DAS POLÍTICAS PÚBLICAS Alfabetização e analfabetismo desafios para as

Leia mais

E mpresa B rasileira de S erviços Hospitalares EBS ER H. Plano de Ação

E mpresa B rasileira de S erviços Hospitalares EBS ER H. Plano de Ação E mpresa B rasileira de S erviços Hospitalares EBS ER H Plano de Ação 1 C O N T E X TO (R es ulta do s R E H U F) D es de s ua c o nc epç ã o o R E H U F tem a tua do : N a fo rm a de Fina nc ia m ento

Leia mais

Consulta de Atas de Registro de Preços da área da Saúde

Consulta de Atas de Registro de Preços da área da Saúde Consulta de Atas de Registro de Preços da área da Saúde Passo a passo para consulta ao Banco de Dados da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo. W Favoritos I ~ la..q.,ft >> CJJ lij ~ ~ Página Segurança

Leia mais

ESTUDANTES E MÉDICOS FORMADOS EM CUBA PREPARAM A III CARAVANA DA SAÚDE EM SERGIPE

ESTUDANTES E MÉDICOS FORMADOS EM CUBA PREPARAM A III CARAVANA DA SAÚDE EM SERGIPE N 5 / junho/julho - Cuba - Sergipe - 2011 Médicos de ciência e consciência Informativo Eletrônico ESTUDANTES E MÉDICOS FORMADOS EM CUBA PREPARAM A III CARAVANA DA SAÚDE EM SERGIPE Palestra sobre Cuba em

Leia mais

O processo de criação

O processo de criação O processo de criação 1 Mônica Leoni Esta exposição não tem a pretensão de ser a conclusão de algo, m as sim a de explorar um tem a. O tem a a ser explorado é o processo criativo, em dois m om entos diferentes,

Leia mais

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI REFORMA POLÍTICA Capítulo VI REFORMA QUE O GOVERNO LULA E O CONGRESSO NACIONAL DEVEM PRIORIZAR [espontânea e única, em %] Pe so 1 0 0 % Re fe rê ncia s a re form a s Re form a Agrá ria 7 Re form a Tra

Leia mais

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR O Sonho de Renato O Sonho de Renato a e i o u A E I O U so nho de Re na to Eu sou Renato Valadares Batista. Tenho 14 anos. Sou filho de Pedro Batista e Luzia Valadares.

Leia mais

"Maria!"! !!!!!!!! Carta!de!Pentecostes!2015! Abade!Geral!OCist!

Maria!! !!!!!!!! Carta!de!Pentecostes!2015! Abade!Geral!OCist! CartadePentecostes2015 AbadeGeralOCist "Maria" Carissimos, vos escrevo repensando na Semana Santa que passei em Jerusalém, na Basílica do Santo Sepulcro, hóspede dos Franciscanos. Colhi esta ocasião para

Leia mais

PROGRAM A + V IDA. P o lític a de Á lc o o l, Fum o e O utra s

PROGRAM A + V IDA. P o lític a de Á lc o o l, Fum o e O utra s PROGRAM A + V IDA P o lític a de Á lc o o l, Fum o e O utra s D ro g a s da S ec reta ria de S a úde R ec COSTA ife JOÃO do MARCELO Coordenação Clínica do CAPS AD Eulâmpio Cordeiro SMS-PCR (DSIV) Coordenação

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Meditação sobre Mateus 25.31-46*

Meditação sobre Mateus 25.31-46* Meditação sobre Mateus 25.31-46* Werner Fuchs luta. O Deus rico em m isericórdia nos conceda paz para a ve rdadeira Q ueridas irmãs e irmãos! Eu venho de um país do hem isfério Sul que exporta arm as para

Leia mais

Avaliação, Tecnologias, e Custos Sociais e Econômicos

Avaliação, Tecnologias, e Custos Sociais e Econômicos Avaliação, Tecnologias, e Custos Sociais e Econômicos Eduardo L.G. Rios-Neto Belo Horizonte, 11 de outubro de 2013 ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO: I. Comentários Gerais Introdutórios II. III. IV. Pareamento de

Leia mais

Parte 3 : Gravação de CDs

Parte 3 : Gravação de CDs Parte 3 : Gravação de CDs Durante vários anos, os CDs foram m ídias som ente para leitura. Você podia com prar um program a em CD, m as se por algum m otivo precisasse copiá-lo teria que usar disquetes,

Leia mais

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing White Paper Boas Práticas de E-mail Marketing Saiba como alguns cuidados simples podem melhorar os resultados de suas campanhas de e-mail marketing Para garantir a qualidade no mix de comunicação atual,

Leia mais

. D A D O S I N I C I A I S 1.1 N a t u r e z a e fi n a l i d a d e d a e d i f i c a ç ã o : i n d i ca r o ti p o d e e d ifi ca ç ã o ( e x : e s c o l a r u r a l co m 0 2 s a l a s, e sc o la u r

Leia mais

Prefeitura Municipal de Gavião-BA

Prefeitura Municipal de Gavião-BA Edição Nº Nº 024/2012 030/2012 Segunda-Feira Quinta-Feira 08 26 de Março Junho de 2012 Rua Irmã Dulce, nº 370 Gavião Bahia CEP: 44650-000. Tel/Fax: 75.3682 2271 CNPJ: 13.233.036/0001-67 www.gaviao.ba.gov.br

Leia mais

XPath e XQuery. Carina F. Dorneles dorneles@inf.ufsc.br - UFSC

XPath e XQuery. Carina F. Dorneles dorneles@inf.ufsc.br - UFSC XPath e XQuery Carina F. Dorneles dorneles@inf.ufsc.br - UFSC Navegação/acesso aos dados em XML E n c o n tra r o s e le m e n to s a tra v é s d e c a m inhos q u e in d iq u e m o c o n te x to d e ta

Leia mais

TEMPOS DE SOLIDÃO. Jó 23:8-11

TEMPOS DE SOLIDÃO. Jó 23:8-11 TEMPOS DE SOLIDÃO Jó 23:8-11 Na semana passada, eu falei muito sobre maldições, punições e castigos que Deus envia aos desobedientes e rebeldes. Falei sobre a disciplina Divina, cuja finalidade é o verdadeiro

Leia mais

Princípios Básicos. Sindicância

Princípios Básicos. Sindicância Princípios Básicos Da Sindicância ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA É a atividade concreta e imediata que o Estado desenvolve para a consecução dos interesses da coletividade. 1 O servidor público ao ser investido

Leia mais

Educação Corporativa: desenvolvendo competências em um mundo em transformação

Educação Corporativa: desenvolvendo competências em um mundo em transformação Capa Nos últimos anos, o conceito de educação corporativa adentrou o ambiente corporativo e transformou valores nas organizações. Mas será que as empresas têm tratado o assunto com o devido cuidado? Quem,

Leia mais

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a E M P R IM E I R A MÃO T h e O i ta v os é o e x c lu s i v o h o te l d e 5 e s tre la s q u e co m p le t a e v a l ori za a ofe rta d a Q u i n ta d a M a ri n h a, co n s olid a n d o -a c om o d e

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

J u i n 2 0 0 9 L e ttr e d 'i n fo r m a ti o n n 1 9 E d i to r i al E p p u r si m u o ve «E t p o u r ta n t e l l e b o u g e» m u r m u r a G a l l i l é e s u r s o n c h a m p e s t l a r g e.

Leia mais

PROGRAMA DE ESTUDOS E

PROGRAMA DE ESTUDOS E ESTU DO S & PESQ UISA S PROGRAMA DE ESTUDOS E PESQUISAS EM REFORMA DO ESTADO E GOVERNANÇA Fundação Getúlio Vargas / Escola Brasileira de Administração Pública* OEstado brasileiro vem passando por transformações

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais Datas Comemorativas White Paper Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais As datas comemorativas podem ser exploradas para rentabilizar o seu comércio, seja ele físico ou online. Dedique

Leia mais

O trabalho com textos na alfabetização de crianças do 1º e 2º anos do ensino fundamental

O trabalho com textos na alfabetização de crianças do 1º e 2º anos do ensino fundamental O trabalho com textos na alfabetização de crianças do 1º e 2º anos do ensino fundamental Izac Trindade Coelho 1 1. I n t r o d u ç ão Ai de mim, ai das crianças abandonadas na escuridão! (Graciliano Ramos)

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

2, N O AR, O JORNAL NACIONAL: A r m a n d o N o g u e i r a C r ia o P r im e ir o T e l e j o r n a l em R e d e 24

2, N O AR, O JORNAL NACIONAL: A r m a n d o N o g u e i r a C r ia o P r im e ir o T e l e j o r n a l em R e d e 24 Sumário Lista de q uadros tem áticos 10 Prefácio: A pura verdade, Jo ã o R o b erto M arinho * 11 N o ta técnica 14 PARTE I [1965-1974] Nasce o JN: o Brasil e o Mundo Unidos pela Notícia 15 1, O j o r

Leia mais

A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Edição Nº Nº 030/2012 00034 Sexta-Feira Quit-Feira 22 08 de de Fevereiro Março de 2012 2013 A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

Leia mais

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira.

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira. Q u a, 3 0 d e J u l h o d e 2 0 1 4 search... REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES Selecione a Edição ANTIGAS C l i q u e n o l i n k a b a i xo p a r a a c e s s a r a s e d i ç õ e s a n

Leia mais

Oferta Significado 2011. Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão. Setembro 2011

Oferta Significado 2011. Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão. Setembro 2011 Oferta Significado 2011 Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão Setembro 2011 Data para submissão das Candidaturas: Até 10 de Outubro 2011 Financiamento Formação Geral Micro

Leia mais

12 ru e d e R ib e a u v illé. T é l. :03.88.57.51.7 1 / Fa x : Ed it é le 13 /05/2016 à 17 :23 Page : 1 / 12

12 ru e d e R ib e a u v illé. T é l. :03.88.57.51.7 1 / Fa x : Ed it é le 13 /05/2016 à 17 :23 Page : 1 / 12 R A M F A R A N D O L E 12 ru e d e R ib e a u v illé 6 7 7 3 0 C H A T E N O IS R e s p o n s a b le s d u R e la is : B ie g e l H. - R o e s c h C. T é l. :03.88.57.51.7 1 / Fa x : * * * * * * * * *

Leia mais

P a n o r a m a d o s e to r fe r tiliz a n te s

P a n o r a m a d o s e to r fe r tiliz a n te s P a n o r a m a d o s e to r fe r tiliz a n te s H e n r iq u e M a ia R ib e ir o S u p e r v is o r c o m e r c ia l G u s ta v o N. G. P. R o s a S u p e r v is o r té c n ic o FE R TI L I Z A N TE

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE MODERNIZAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO. pronamp

PROGRAMA NACIONAL DE MODERNIZAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO. pronamp PROGRAMA NACIONAL pronamp PROGRAMA NACIONAL A modernização e o fortalecimento do Ministério Público é ação necessária ao progresso da segurança jurídica e da igualdade de todos os cidadãos (Documentos

Leia mais

Workshop da Micro e Pequena Indústria. Licenciamento Ambiental. CIESP Sorocaba 26/maio/2009

Workshop da Micro e Pequena Indústria. Licenciamento Ambiental. CIESP Sorocaba 26/maio/2009 Workshop da Micro e Pequena Indústria Licenciamento Ambiental CIEP orocaba 26/maio/2009 O CIEP - Regionais Meio Ambiente CIEP 31 grupos MA formados +9500 Empresas e 43 DRMD s ~ 290 profissionais voluntários

Leia mais

Ainda há Tempo, Volta

Ainda há Tempo, Volta Ainda há empo, Volta Letra e Música: Diogo Marques oprano ontralto Intro Envolvente (q = 60) enor aixo Piano Ó Œ. R.. F m7 2 A b 2 E b.. 2 Ó Œ É 2 Ó Œ F m7 2.. 2 2 A b 2 2 Ainda há empo, Volta Estrofe

Leia mais

Escultura. Obra elaborada durante un workshop na Escola de Artes Visuais no mês de ju lh o.

Escultura. Obra elaborada durante un workshop na Escola de Artes Visuais no mês de ju lh o. \ * [ ESCOIA DC ARFES VISUAIS/ exposições 1993 GALCR1A DA ESCORA DE ARIES VISUAIS DJALMA Desenhos, s e r ig r a fia s e recortes. 23 de março a 25 de a b r il 890 v is ita n te s. "A RAREEAÇAO DOS SENTIDOS"

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

CIRCUITO ESTUDANTIL - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SANTO ANTÔNIO. BÁRBARA REIS; JÚLIO KALÉO; JULLIANY PAULA; RAISSA PINHEIRO; TOBIAS DA SILVA.

CIRCUITO ESTUDANTIL - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SANTO ANTÔNIO. BÁRBARA REIS; JÚLIO KALÉO; JULLIANY PAULA; RAISSA PINHEIRO; TOBIAS DA SILVA. CIRCUITO ESTUDANTIL - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SANTO ANTÔNIO. BÁRBARA REIS; JÚLIO KALÉO; JULLIANY PAULA; RAISSA PINHEIRO; TOBIAS DA SILVA. A LINGUAGEM DOS JOVENS E A CONSCIENTIZAÇÃO DO MEIO AMBIENTE ATRAVÉS

Leia mais

- 15G0078G130 - MÓDULO USB INSTRUÇÕES DA INTERFACE PARA ASAC-0/ASAC-1/ASAB

- 15G0078G130 - MÓDULO USB INSTRUÇÕES DA INTERFACE PARA ASAC-0/ASAC-1/ASAB - 15G0078G130 - MÓDULO USB INSTRUÇÕES DA INTERFACE PARA ASAC-0/ASAC-1/ASAB Emitido em 15/6/2012 R. 01 Este manual é parte integrante e essencial do produto. Leia atentamente as instruções contidas nele,

Leia mais

Sal da TERRA e luz do MUNDO

Sal da TERRA e luz do MUNDO Sal da TERRA e luz do MUNDO Sal da terra e luz do mundo - jovens - 1 Apresentação pessoal e CMV Centro Missionário Providência Canto: vós sois o sal da terra e luz do mundo... MOTIVAÇÃO: Há pouco tempo

Leia mais

IX FÓRUM APCER. EXCELÊNCIA EMPRESARIAL PARA PME s

IX FÓRUM APCER. EXCELÊNCIA EMPRESARIAL PARA PME s IX FÓRUM APCER EXCELÊNCIA EMPRESARIAL PARA PME s AGENDA Breve Apresentação AIP Projecto Excelência Empresarial Modelo EFQM Associação Industrial Portuguesa Criada em 1837 MISSÃO É uma instituição privada

Leia mais

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista.

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista. Tínhamos acabado de jantar. Defronte de mim o meu amigo, o banqueiro, grande comerciante e açambarcador notável, fumava como quem não pensa. A conversa, que fora amortecendo, jazia morta entre nós. Procurei

Leia mais

n d ice : n d i c e :Í Apresentação Capítulo I - Introdução Capítulo II - O que são os Genéricos Capítulo III - Genéricos no Mundo

n d ice : n d i c e :Í Apresentação Capítulo I - Introdução Capítulo II - O que são os Genéricos Capítulo III - Genéricos no Mundo n d ice : n d i c e :Í Apresentação Capítulo I - Introdução Capítulo II - O que são os Genéricos Capítulo III - Genéricos no Mundo Capítulo IV - Genéricos no Brasil Capítulo V - Bioequivalência e Equivalência

Leia mais

A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Edição Nº Nº 030/2012 00004 Sexta-Feira Quit-Feira 08 11 de Março Janeiro de de 2012 2013 A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Nº

Leia mais

PARA: GEA-3 RA/CVM/SEP/GEA-3/Nº 40/14 DE: RAPHAEL SOUZA DATA: 07.05.14

PARA: GEA-3 RA/CVM/SEP/GEA-3/Nº 40/14 DE: RAPHAEL SOUZA DATA: 07.05.14 PARA: GEA-3 RA/CVM/SEP/GEA-3/Nº 40/14 DE: RAPHAEL SOUZA DATA: 07.05.14 ASSUNTO: GPC Participações S.A. Recurso adm inistrativo Processo CVM RJ-2014-4201 Senhor Gerente, I. Síntese 1. Trata-se de recurso

Leia mais

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA sumário executivo w w w. v o c e s a. c o m. b r w w w. e x a m e. c o m. b r melhores empresas para você trabalhar São Pau lo, setembro de 2010. Pre za do(a) Sr(a)., SEFAZ BAHIA Em pri mei ro lu gar,

Leia mais

E fe itos fina nc e iros do S im ple s N a c iona l: L im ite s de s ua utiliza ç ã o fre nte a o

E fe itos fina nc e iros do S im ple s N a c iona l: L im ite s de s ua utiliza ç ã o fre nte a o E fe itos fina nc e iros do S im ple s N a c iona l: L im ite s de s ua utiliza ç ã o fre nte a o ordeg rana o m a d om, R Se 2nto 6 d e Ju n h jurídic o d e 2 01 0 B ra s il - 4 º ou 5 º P I B? P ré -

Leia mais

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Paula Botelho Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da UFMG. Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação de Surdos (GEPES),

Leia mais

UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO IESMA PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO IESMA PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO IESMA PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL Reconhecido Pela Portaria Nº 1.705 De 18 de Outubro de 2010,

Leia mais

Vinho Novo Viver de Verdade

Vinho Novo Viver de Verdade Vinho Novo Viver de Verdade 1 - FILHOS DE DEUS - BR-LR5-11-00023 LUIZ CARLOS CARDOSO QUERO SUBIR AO MONTE DO SENHOR QUERO PERMANECER NO SANTO LUGAR QUERO LEVAR A ARCA DA ADORAÇÃO QUERO HABITAR NA CASA

Leia mais

DEUS INFINITO Autor: Marília Mello Intro: F C/E B/D Db C F C/E B/D Db C F

DEUS INFINITO Autor: Marília Mello Intro: F C/E B/D Db C F C/E B/D Db C F DUS INFINITO utor: Marília Mello Intro: F / /D Db F / /D Db F m b F Senhor eu te apresento o meu coração m b F u coloco toda minha vida em tuas mãos b /b m Dm Porque sei que tudo sabes de mim, Senhor b

Leia mais

E sua sede começa a crescer Em angústia e desespero Enquanto os ruídos da cachoeira Da grande cachoeira das eras O convoca para mergulhar Mergulhar

E sua sede começa a crescer Em angústia e desespero Enquanto os ruídos da cachoeira Da grande cachoeira das eras O convoca para mergulhar Mergulhar Uma Estória Pois esta estória Trata de vida e morte Amor e riso E de qualquer sorte de temas Que cruzem o aval do misterioso desconhecido Qual somos nós, eu e tu Seres humanos Então tomemos acento No dorso

Leia mais

E V O L U Ç Ã O D O S S IS T E M A S D E M O N IT O R A M E N T O N A G E R Ê N C IA D E R IS C O D A N IE L R U S S I F IL H O russi@sascar.com.

E V O L U Ç Ã O D O S S IS T E M A S D E M O N IT O R A M E N T O N A G E R Ê N C IA D E R IS C O D A N IE L R U S S I F IL H O russi@sascar.com. E V O L U Ç Ã O D O S S I S T E M A S D E M O N I T O R A M E N T O N A G E R Ê N C I A D E R I S C O D A N IE L R U S S I F IL H O russi@sascar.com.br HISTÓRICO 1994 - in í c io d o s r a s t r e a d

Leia mais

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves CAMINHOS Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves Posso pensar nos meus planos Pros dias e anos que, enfim, Tenho que, neste mundo, Minha vida envolver Mas plenas paz não posso alcançar.

Leia mais

Ciclo de Palestras. Celeb ra r o d ia d o p ro fissiona l fa rm a c êutic o c om c a p a c ita ç ões q ue p ossa m Instrum enta liza r e

Ciclo de Palestras. Celeb ra r o d ia d o p ro fissiona l fa rm a c êutic o c om c a p a c ita ç ões q ue p ossa m Instrum enta liza r e Ciclo de Palestras UDia do Farmacêutico OBJETIVO Celeb ra r o d ia d o p ro fissiona l fa rm a c êutic o c om c a p a c ita ç ões q ue p ossa m Instrum enta liza r e a tua liza r os p rofissiona is c om

Leia mais

Vamos Subir Nova Voz

Vamos Subir Nova Voz c c Vamos Subir Nova Voz 2 Letra e Música: Lucas Pimentel Arr: Henoch Thomas 2 5 2 to Eu-pos tem - po te-nho ou vi - do a pro- 2 g g 8 mes - sa de que vi - rás pra res -ga -tar os fi-lhos Teus Nem sem-pre

Leia mais

Quem Desiste num momento de crise é porque realmente é um fraco!

Quem Desiste num momento de crise é porque realmente é um fraco! Paixão do Povo de Cristo x Paixão de Cristo Texto Base: provérbios 24.10 na Linguagem de Hoje: Quem é fraco numa crise, é realmente fraco. Na Bíblia A Mensagem : Quem Desiste num momento de crise é porque

Leia mais

Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44)

Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44) Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44) Autora: Tell Aragão Colaboração: Marise Lins Personagens Menina Zé Bonitinho +++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Leia mais

ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 11 PRIMEIRA PARTE A RELAÇÃO CONSIGO MESMO. 1. AUTOCONHECIMENTO... 15 1.1 Processos... 16 1.2 Dificuldades...

ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 11 PRIMEIRA PARTE A RELAÇÃO CONSIGO MESMO. 1. AUTOCONHECIMENTO... 15 1.1 Processos... 16 1.2 Dificuldades... ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 11 PRIMEIRA PARTE A RELAÇÃO CONSIGO MESMO 1. AUTOCONHECIMENTO... 15 1.1 Processos... 16 1.2 Dificuldades... 19 2. AUTOESTIMA... 23 2.1 Autoaceitação... 24 2.2 Apreço por si... 26

Leia mais

16/02/2014. Masakazu Hoji. ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Uma Abordagem Prática. 5a. Edição Editora Atlas. Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

16/02/2014. Masakazu Hoji. ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Uma Abordagem Prática. 5a. Edição Editora Atlas. Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DMNSTRÇÃ FNNCER Uma bordagem Prática 5a. Edição Editora tlas Masakazu Hoji NTRDUÇÃ À Capítulo 1 DMNSTRÇÃ FNNCER 1.1 dministração financeira nas empresas 1.2 ntegração dos conceitos contábeis com os conceitos

Leia mais

PILARES DA VIDA LIVRO DE POESIAS. Pensar, Refletir, Amar e ter Amigos é a Maneira do Ser Humano Viver.

PILARES DA VIDA LIVRO DE POESIAS. Pensar, Refletir, Amar e ter Amigos é a Maneira do Ser Humano Viver. PILARES DA VIDA LIVRO DE POESIAS Pensar, Refletir, Amar e ter Amigos é a Maneira do Ser Humano Viver. ELDER DE SOUZA PINTO CAPITULO I: REFLEXÕES E PENSAMENTOS A ARTE DE SER Ser é a arte de se inventar

Leia mais

CATMAT SISTEMA DE CATALOGAÇÃO DE MATERIAIS CATSER SISTEMA DE CATALOGAÇÃO DE SERVIÇOS

CATMAT SISTEMA DE CATALOGAÇÃO DE MATERIAIS CATSER SISTEMA DE CATALOGAÇÃO DE SERVIÇOS MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS CATMAT SISTEMA DE CATALOGAÇÃO DE MATERIAIS CATSER SISTEMA DE

Leia mais

e Caracterização Não-Superior

e Caracterização Não-Superior Evolução e Caracterização da Formação Pós-Secundária Não-Superior em Portugal O O Estado da Arte Cristina Reis Rede de Escolas Objectivos: 1º - Perceber a evolução desta tipologia de oferta formativa.

Leia mais

Portal da Justiça A Justiça ao serviço do cidadão e das empresas

Portal da Justiça A Justiça ao serviço do cidadão e das empresas 1 de 7 Portal da Justiça A Justiça ao serviço do cidadão e das empresas Publicação On- Line de Acto Societário e de outras entidades Imprimir Ajuda Fechar Publicação NIF/NIPC 500065268 Entidade Clube de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE TRÂNSITO Departamento de Engenharia

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE TRÂNSITO Departamento de Engenharia PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE TRÂNSITO Departamento de Engenharia GRANDES EVENTOS SISTEMA INTEGRADO DE MONITORAMENTO 1 EVENTO DATA E HORA LOCAL TIPO E OBJETIVO DURAÇÃO INTERFERÊNCIAS

Leia mais

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL ESTUDO 4 Palavra Viva RELEMBRANDO SANTIFICAÇÃO Nossos três grandes inimigos: O MUNDO A CARNE O D IABO 'Porque a carne milita contra o Espírito, e o Espírito, contra a carne, porque

Leia mais

PAULO FREIRE E O MÉTODO DE ALFABETIZAÇÃO DE ADULTOS

PAULO FREIRE E O MÉTODO DE ALFABETIZAÇÃO DE ADULTOS PAULO FREIRE E O MÉTODO DE ALFABETIZAÇÃO DE ADULTOS Introdução Professor Elias Celso Galvêas O analfabetismo no Brasil é uma mancha que envergonha a Nação. Embora não existam estatísticas atualizadas,

Leia mais

U M P R O G R A M A E S P E C I A L D E M O B I L I D A D E I N T E R N A C I O N A L E M C I Ê N C I A, T E C N O L O G I A e I N O V A Ç Ã O.

U M P R O G R A M A E S P E C I A L D E M O B I L I D A D E I N T E R N A C I O N A L E M C I Ê N C I A, T E C N O L O G I A e I N O V A Ç Ã O. U M P R O G R A M A E S P E C I A L D E M O B I L I D A D E I N T E R N A C I O N A L E M C I Ê N C I A, T E C N O L O G I A e I N O V A Ç Ã O. C o n s e lh o N a c io n a l d e D e s e n v o lv im e n

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais