UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA MAICON PEREIRA VIRGILIO PIERDONÁ. VoIP COM UTILIZAÇÃO DO ASTERISK

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA MAICON PEREIRA VIRGILIO PIERDONÁ. VoIP COM UTILIZAÇÃO DO ASTERISK"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA MAICON PEREIRA VIRGILIO PIERDONÁ VoIP COM UTILIZAÇÃO DO ASTERISK Palhoça 2009

2 MAICON PEREIRA VIRGILIO PIERDONÁ VoIP COM UTILIZAÇÃO DO ASTERISK Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Graduação em Engenharia Elétrica-Telemática da Universidade do Sul de Santa Catarina, como requisito parcial à obtenção do título de Bacharel em Engenharia Elétrica-Telemática. Orientador: Prof. Dr. Julibio David Ardigo Palhoça 2009

3 MAICON PEREIRA VIRGILIO PIERDONÁ VoIP COM UTILIZAÇÃO DO ASTERISK Este Trabalho de Conclusão de Curso foi julgado adequado à obtenção do título de Bacharel em Engenharia Elétrica-Telemática e aprovado em sua forma final pelo Curso de Graduação em Engenharia Elétrica-Telemática, da Universidade do Sul de Santa Catarina. Palhoça, 02 junho de Professor e orientador Julibio David Ardigo, Dr. Eng. Universidade do Sul de Santa Catarina Professor Fernando Cerutti, Dr. Universidade do Sul de Santa Catarina Professor Mario Gerson Miranda Magno Junior Msc. Universidade do Sul de Santa Catarina

4 Dedico este trabalho a todos os meus familiares e em especial à Simone Teresinha da Silva por ter me ajudado e dado apoio nos momentos difíceis desta jornada. Dedico também a todos os professores que nos deram acesso às informações coerentes utilizadas. (Maicon Pereira) Aos meus irmãos, vocês sempre estão comigo, nunca deixo de pensar em vocês, e faço uma dedicatória toda especial a uma pessoa que completa minha vida, obrigado Franciny Moraes Perego, por todo companheirismo e apoio nos momentos em que mais precisei. (Virgilio Pierdoná)

5 AGRADECIMENTOS Agradecemos a Job de Medeiros pelas diversas aulas e explicações relativas ao Asterisk tornado este trabalho possível, bem como ao Alexandre Grum pelas dúvidas sanadas. Um agradecimento muito especial as nossas namoradas, Simone Teresinha da Silva e Franciny Moraes Perego, por terem nos amparado nos momentos difíceis, tendo paciência e nunca nos deixando sós, dando seu apoio e fazendo tudo que estivesse ao seu alcance. Não podemos deixar de agradecer a Deus por tudo e a nossos familiares pois sem estes não estaríamos aqui.

6 (Albert Einstein). A mente que se abre a uma nova idéia jamais voltará ao seu tamanho original

7 RESUMO A tecnologia VoIP e sua rápida disseminação estão transformando o cenário mundial das telecomunicações. Na esteira destas mudanças surge um software em código aberto, o Asterisk, sobre o qual foi desenvolvido este trabalho, cujo foco é o desenvolvimento de uma metodologia para sua instalação e configuração. Para tal, são introduzidos conceitos fundamentais de Voz sobre IP e seus protocolos mais importantes, além dos princípios de digitalização e compressão de dados. Por fim, o Asterisk é abordado em detalhes, com seções dedicadas à arquitetura do programa, ao hardware disponível para incrementar suas funcionalidades, aos arquivos de configuração e planos de discagem. Palavras-chave: Asterisk. VoIP. Telecomunicações.

8 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 - Arquitetura do Protocolo TCP/IP...19 Figura 2 - Distribuição na pilha de protocolos...24 Figura 3 - Cabeçalho RTP...27 Figura 4 - Seqüência da codificação da voz...43 Figura 5 - Esquema representativo da arquitetura do Asterisk...53 Figura 6 - Permissões utilizadas para geração de chamadas do Asterisk...55

9 LISTA DE QUADROS Quadro 1 - Comparação entre os principais Codecs da tecnologia VoIP...44

10 LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Representação dos Codecs suportados pelo Asterisk...50 Tabela 2 - Representação da conversão dos Codecs...51 Tabela 3 - Configurações adotadas de particionamento do disco...57

11 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos JUSTIFICATIVA ESTRUTURA DO TRABALHO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA HISTÓRICO DA TELEFONIA HISTÓRICO DAS REDES DE COMPUTADORES TCP/IP PROTOCOLO DE INTERNET H Identificação e descrição das funções dos elementos ativos do sistema Protocolos em pilha H RTP Controle de Gerenciamento RTCP Formatos de payload SIP Arquitetura SIP Arquitetura SIP Novos tipos de serviços O SIP no mercado atual RELACIONADO SIP E H Interoperabilidade com o H O SURGIMENTO DO VoIP DIFICULDADES NA UTILIZAÇÃO DO VOIP ATRAVÉS DA INTERNET QUALIDADE DE SERVIÇO (QoS) CONCEITOS DE QoS ARQUITETURA QoS NÍVEIS DE QoS CLASSES DE SERVIÇOS PRECEDÊNCIA IP PARÂMETROS DE REDE ATRASO DE PACOTE DE REDE JITTER PERDA DE PACOTES DESORDEM DOS PACOTES ECO SUPRESSÃO DO SILÊNCIO E DETECÇÃO DE VOZ MODO DE TRANSMISSÃO DIGITALIZAÇÃO CODEC LARGURA DE BANDA CABEÇALHOS FREQUÊNCIA DE PACOTES CÁLCULO DE LARGURA DE BANDA... 46

12 3 ASTERISK PROJETO ZAPATA PRINCIPAIS FUNCIONALIDADES LIMITAÇÕES DA SOLUÇÃO ASTERISK CODECS SUPORTADOS PELO ASTERISK ARQUIVOS DE ÁUDIO SUPORTADOS PELO ASTERISK PROTOCOLOS VoIP SUPORTADOS PELO ASTERISK CANAIS APLICAÇÕES ARQUITETURA CARACTERÍSTICAS DOS CLIENTES QUE PERMITEM CONFIGURAÇÃO NO ASTERISK ORGANIZAÇÃO DOS ARQUIVOS CONFIGURAÇÃO E INSTALAÇÃO DO ASTERISK E SUAS DEPENDÊNCIAS PROCEDIMENTO PARA INSTALAÇÃO DO LINUX RED HAT ENTERPRISE ES VERSÃO 5.1 PARA 32BITS X INSTALAÇÃO DO ASTERISK CONFIGURAÇÃO DAS REGRAS DE DISCAGEM CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS...66

13 1 INTRODUÇÃO A crescente evolução da humanidade trouxe consigo a necessidade de comunicação entre as pessoas de uma forma cada vez mais rápida, fácil e menos onerosa. A partir desta necessidade surgiram as primeiras formas de transmissão de voz utilizando-se de aparelhos telefônicos. Esta invenção datou-se de 1876 e foi assinada pelo inventor Alexandre Graham Bell. Mesmo com os notáveis avanços dessa tecnologia, a essência de seu funcionamento manteve-se inalterada. A telefonia teve um crescimento exponencial no número de usuários desde sua invenção, independente de fronteiras. Esta expansão na comunicação não se limitou à voz devido a necessidade de compartilhar dados para interligar trabalhos desenvolvidos por todo o mundo. Esta comunicação de dados culminou no surgimento da Internet, cuja expansão transformou o mundo de tal forma que podemos datá-los em antes e depois de sua concepção. Um grande avanço advindo do surgimento da Internet foi a convergência da telefonia para pacotes de dados, originando assim o Voz sobre IP (VoIP). Este método vem crescendo de forma assombrosa tornando-se popular e acessível nos dias atuais. Com essa evolução, o sistema telefônico conhecido atualmente está sendo substituído pela tecnologia VoIP devido ao baixo custo, fácil manuseio e manutenção simples, podendo esta ser realizada pelos próprios usuários que possuam conhecimento básico em sistemas operacionais. Entretanto, a administração da rede sobre a qual o VoIP estará trafegando demanda profissionais com conhecimento específico na área. A partir da utilização do VoIP surgiu a necessidade de sua interligação com a telefonia convencional e do gerenciamento das ligações. Uma das soluções possíveis para este desafio é a utilização do software denominado Asterisk, que é uma solução de código aberto, característica que possibilita, entre outros fatores, um baixo investimento de implementação. O Asterisk pode ser utilizado como uma central telefônica ligada à Rede Telefônica Pública Comutada (RTPC), tanto fixa, digital e analógica, como celular, com outro equipamento, utilizando-se de protocolos da Internet, ou de forma mista, utilizando estas duas características.

14 14 Entretanto, sua instalação e configuração demandam um conhecimento técnico específico, o que motivou a realização deste trabalho de forma a possibilitar que um profissional que possua apenas uma capacitação básica possa implementá-lo. Cabe salientar que nesse trabalho utilizaremos o Asterisk apenas como uma central administrativa sem vínculo a quaisquer redes externas. 1.1 OBJETIVOS Objetivo Geral Esse trabalho objetiva demonstrar, de forma simples, a instalação e a configuração do Asterisk para o gerenciamento de ligações telefônicas utilizando VoIP Objetivos Específicos Para se atingir o objetivo geral descrito, os seguintes objetivos específicos têm de ser alcançados: Apresentar um breve histórico da evolução da telefonia e rede de dados. Descrever a tecnologia VoIP bem como os conceitos necessários ao seu entendimento. Apresentar o Asterisk e suas principais funcionalidades. Elaborar um guia de instalação e configuração do Asterisk para usuário com conhecimentos básicos. 1.2 JUSTIFICATIVA O Asterisk é um software que surgiu da busca pela integração de dados e telefonia em uma única central de baixo custo. Utilizando VoIP como base de funcionamento, este software é capaz de realizar todas as funcionalidades oferecidas por um equipamento de troca automática de ramais privados (PABX) com as seguintes vantagens: extinção do cabeamento específico para a telefonia; possibilidade de suporte e implantação realizados pelos próprios técnicos da empresa; utilização de vários protocolos de transmissão; utilização de hardware

15 15 simples e aproveitamento dos aparelhos telefônicos convencionais bem como telefones virtuais (softphones) fornecidos gratuitamente para download (DIGIUM, 2009). Assim, é possível prover um servidor PABX munido do Asterisk, integrando as redes de dados e voz de maneira prática, rápida e eficiente, não perdendo qualidade frente às soluções PABX convencionais apresentadas no mercado. Por se tratar de um software livre, o Asterisk está disponível para acesso comum, podendo ser encontrado facilmente na Internet. Além disso, encontra-se em constante aprimoramento, sendo que essas alterações procuram a melhoria de seus serviços e buscam desenvolver novas funções dentro das já existentes. Devido à carência de material e à dificuldade ao acesso do conhecimento sobre essa tecnologia muitos tem dificuldade em implementar um PABX através desta solução. Assim, o desenvolvimento do presente trabalho auxiliará na compreensão e facilitará a implantação deste sistema, bem como difundirá ainda mais o seu uso. 1.3 ESTRUTURA DO TRABALHO Neste capítulo foi apresentada a contextualização, justificativa e os objetivos deste trabalho. No segundo capítulo é apresentado um histórico sobre a telefonia convencional, a Internet, rede de dados, tecnologias VoIP e conceitos necessários ao seu entendimento. No capítulo 3 é feita a apresentação do software Asterisk e como proceder sua instalação e configuração. Por fim, no último capítulo, são apresentadas as consideração finais sobre este trabalho.

16 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Neste capítulo é apresentado o histórico sobre a telefonia convencional, Internet, rede de dados, tecnologias VoIP e conceitos necessários ao seu entendimento. 2.1 HISTÓRICO DA TELEFONIA Enquanto realizava experimentos para aprimorar o telégrafo, Alexandre Graham Bell descobriu um aparelho capaz de transmitir sons, isto se datava de Este equipamento utilizava-se de variações de correntes elétricas para realizar as transmissões. Com o avanço da descoberta, Alexandre Graham Bell fundou sua empresa em Com o passar dos anos o invento foi se popularizando, aumentando a demanda de tal forma a ser inviável e impraticável manter linhas dedicadas entre usuários dos aparelhos telefônicos. A topologia original do invento necessitava de uma comunicação ponto a ponto. Assim, com o incremento da demanda surgiu a criação de uma Rede Telefônica Pública Comutada (RTPC), que utilizava recursos compartilhados de infra-estrutura. A rede passou a se integrar a uma central manual operada por uma pessoa (telefonista) que comutava as pontas de acordo com a requisição do cliente. Sentindo a necessidade de aprimorar a comutação e agilizar o processo, em 1891 Almon Strowger desenvolveu uma central automática através de circuitos elétricos dispensando assim a figura da telefonista e ganhando velocidade no processo. Os telefones também receberam avanços com esta nova central ganhando discos. Estes discos eram providos de uma sinalização decádica que consiste em pulsos (0 a 9). Apenas em 1925 foram inauguradas as primeiras centrais automáticas do Brasil na cidade de Porto Alegre, RS. A rede analógica foi totalmente empregada apenas em meados dos anos de Em 1958 surgiu a primeira central telefônica digital, iniciando a comunicação digital entre as centrais, o que possibilitou a comutação automática das conexões e incluiu facilidades na manutenção, gerência e operação dos equipamentos.

17 HISTÓRICO DAS REDES DE COMPUTADORES As redes de computadores surgiram para suprir a necessidade de interligar os computadores de forma rápida e prática. Esse surgimento datou-se na década de 1960 e desde seu início sofreram grandes avanços. Nesta época, uma forma comum de transporte de dados era por cartões perfurados que possuíam poucos recursos de armazenamento e demandavam de muito espaço físico para o seu transporte. Em 1969 foi criada a Arpanet, os primórdios da Internet. A rede entrou em operação em dezembro deste mesmo ano com apenas quatro nós. A transmissão era feita por links de telefonia adaptados e dedicados, que possuíam taxas de transmissão de 50Kbps. Esta taxa pode parecer baixa para os padrões de hoje, mas para a época era estrondosa tomando como parâmetro que os modems da década de 1970 transmitiam apenas a 110bps (bits por segundo). A rede teve um grande crescimento, e em 1973 já haviam 30 nós conectados com redundância. Existia um roteamento entre os nós para envio dos dados e caso houvesse alguma interrupção, esta era rapidamente identificada e redirecionada de forma muito confiável. Em 1974 houve a criação do protocolo de comunicação Transmission Control Protocol / Internet Protocol, difundido como TCP/IP, representando um avanço nas transmissões. Hoje este protocolo ainda é largamente utilizado. Com redes interligadas foram surgindo serviços como o FTP, telnet e . Com a rede em larga ascensão e vários computadores conectados a esta, estava cada vez mais complexo lembrar de todos os hosts interligados. Foi assim que em 1980 surgiu o Domain Name System (DNS), que trouxe consigo o nome de domínios facilitando a usabilidade. Hoje o DNS é amplamente utilizado. O padrão Ethernet surgiu em Os primeiros testes, realizados dentro do PARC (o laboratório de desenvolvimento da Xerox, em Palo Alto, EUA), atingiram a taxa de transmissão de 2.94 megabits devido à freqüência de clock de 2.94MHz e utilizavam como meio de transmissão cabos coaxiais, permitindo a conexão de até 256 hosts. A Arpanet e a Ethernet deram origem à Internet e às redes locais, respectivamente, sendo que uma servia para interligar universidades e a outra as redes locais para compartilhar arquivos e recursos como impressoras, etc.

18 18 Em 1990, com a abertura da Internet, a conexão das redes locais e de seus recursos com o mundo exterior se popularizou, pois se tornou mais barata e prática. Há uma década atrás ainda era comum o acesso via linha discada, assim como encontrar cada micro interligado a um modem e a uma linha telefônica, porém isso multiplicava os custos. Uma alternativa mais barata e que permitia que todos os micros ficassem constantemente conectados seria locar uma linha dedicada e compartilhar a conexão entre eles. Assim, as conexões de banda larga foram se popularizando sendo cada vez mais utilizadas. Atualmente, quem possui mais de um computador em casa monta uma pequena rede, utilizando um modem ADSL configurado como roteador, um ponto de acesso de rede sem fio (wireless) ou ainda um cabo crossover, compartilhando diretamente a conexão entre dois computadores. O acesso à rede mundial de computadores já se tornou tão difundido que é impraticável imaginar utilidades para um micro desconectado da rede. Além disso, as redes continuam compartilhando recursos entre diversos micros, permitindo assim que você economize tempo e dinheiro, pois não necessita que cada um tenha sua própria impressora, ou seja o único detentor das informações ali armazenadas, podendo até comandar outros microcomputadores remotamente. 2.3 TCP/IP Para todo o conjunto de protocolos utilizados pela Internet foi dado o nome de arquitetura de rede TCP/IP. Esta arquitetura pode ser vista como um modelo de camadas, como ilustrado na Figura 1 - Arquitetura do Protocolo TCP/IP, onde cada camada é responsável por um conjunto de tarefas. Ele foi desenvolvido de maneira a permitir que diversos computadores possam compartilhar recursos da rede. Para toda a família de protocolos existe um conjunto de regras ditando a forma de como deve ser feita a comunicação entre os computadores, assim como determinar a conexão de rede e o roteamento do tráfego. Seu nome vem da associação de Transmission Control Protocol e Internet Protocol, hoje somente conhecida como TCP/IP devido aos seus dois protocolos mais importantes.

19 19 O TCP é um protocolo da camada de transporte confiável e orientado à conexão, garantindo a entrega de pacotes ao usuário destino, controlando informações que garantem esta entrega. Na mesma camada de transporte do TCP temos o User Datagram Protocol (UDP), mas trata-se de um protocolo não orientado à conexão, portanto não confiável. Figura 1 - Arquitetura do Protocolo TCP/IP Fonte: VIANA, Desde sua origem, o protocolo IP foi baseado na regra de melhor esforço, (Besteffort Service), este recurso não provê nenhum mecanismo de qualidade de serviços, consequentemente, nenhuma garantia de alocação dos recursos na rede. Com o rápido crescimento da Internet, a tendência atual é a integração de voz (telefonia) e dados numa única infra-estrutura de redes de pacotes IP. E para garantia de produtos que garantissem a qualidade de serviços fim-a-fim, gerou-se uma corrida desenfreada para a melhoria dos equipamentos de rede que utilizam protocolos dos serviços IP. TCP/IP é, portanto, uma arquitetura de rede simples popularizada entre computadores com o sistema operacional UNIX, Windows e outros. Atualmente o TCP/IP está presente na maioria dos sistemas operacionais e é utilizado por muitas empresas em uma variedade de aplicações. TCP/IP é, especificamente, um protocolo de comunicação de dados projetado para aplicações não sensíveis ao atraso tais como: , http, ftp.

20 20 Com o TCP/IP, um processo leva dados de um host, que por sua vez encaminha para outro processo. Um host transmissor fornece à rede o endereço do host receptor para garantir o endereçamento correto na rede. O protocolo UDP é restrito a portas e socktes, e transmite dados de forma não orientada à conexão. Trata-se de um protocolo para interface do protocolo IP. Este protocolo substitui o protocolo TCP quando a transferência não necessita estar submetida a serviços de controle de fluxo. A função básica do protocolo UDP é servir de multiplexador ou demultiplexador para o tráfego de informações do IP, e como o TCP/IP trabalha com portas que direcionam a informação a cada nível superior. Este protocolo é composto de: Porta destino: é um datagrama que indica o aplicativo ao qual se deve enviar a informação que chega. Porta origem: localiza-se no outro estremo do datagrama e indica o aplicativo que enviou a mensagem. Podendo ser utilizado para reenvio, e quando não utilizado é preenchido por zeros. 2.4 PROTOCOLO DE INTERNET O IP corresponde à sigla de Internet Protocol (Protocolo de Internet), que é um protocolo usado entre duas máquinas em redes para trafegar dados. Em uma rede IP os dados são enviados em pacotes ou datagramas, que podem ser basicamente sinônimos no IP, já que são usados para dados em diferentes locais nas camadas IP. Antes do host tentar enviar pacotes para outro host para o qual não se comunicou previamente, nenhuma definição será necessária no IP. Neste protocolo é oferecido um serviço de datagrama não confiável. O pacote pode chegar desordenado comparado com outros pacotes enviados pelo mesmo host, ou duplicado ou até ser perdido. Se for necessária uma aplicação confiável, esta deve ser feita na camada de transporte. Na segunda camada existe a interconexão de redes através de roteadores para encaminhar pacotes IP. Pela falta de garantia na entrega de pacotes essa troca é feita de forma mais simplificada.

21 21 O IP é o elemento mais comum encontrado nas redes públicas de hoje. Está descrito na RFC 791 da IETF (Internet Engineering Task Force), tendo sua primeira publicação em Setembro de Neste documento está a descrição de um protocolo baseado em camadas de rede que veio a se tornar o mais popular em todo o mundo. 2.5 H.323 Em Craig (2001), tendo uma popularização em seus serviços, os sistemas de comunicação junto das redes de computadores mostram diariamente novas oportunidades e desafios para seus usuários. O uso de serviços em tempo real vem sendo cada vez mais solicitados no uso deste tipo de tecnologias. Dentro do que o mercado vem pedindo, o uso do H.323 vem a estancar esta vertente demonstrada. No H.323 temos uma maior interação com serviços como áudio, vídeo e dados, podendo gerenciá-los através de uma rede baseada em pacotes, disponibilizando a conversação entre equipamentos que suportam este padrão. A arquitetura demonstrada no padrão H.323 trabalha com dados multimídia dispostos em redes baseadas em protocolo IP. Neste padrão temos a interação entre fabricantes diferentes, fazendo uso dos serviços e podendo deixar transparente seus utilitários sem que se preocupem com a velocidade da rede. Por recomendação da ITU-T (Interntion Telecom Union), organização que define padrões para as redes de computadores e telecomunicações, também são incluídas nestas redes o TCP/IP com uso sobre Ethernet, Fast Etehernet e Token Ring. Sua aprovação é datada de 1996 pelo grupo de estudos 16 da ITU, tendo sua segunda versão lançada em No H.323 temos vários padrões de comunicação que possibilitam através da rede a conferência de vídeo e o VoIP. A recomendação do H.323 possibilita a flexibilidade podendo ser aplicada tanto em voz quanto em videoconferência multimídia. Dentre as várias razões que popularizaram o H.323 no mercado temos: a) Padronização de voz para estruturas já existentes, possibilitando aos clientes o uso das aplicações sem que seja necessária uma nova infra-estrutura de rede. b) Atualmente o progresso no mercado baseado em tecnologia IP vem deixando suas redes mais velozes, migrando sua arquitetura Ethernet de 10Mbps para 100Mbps, e Gigabit Ethernet.

22 22 c) No padrão H.323 a interoperabilidade entre LANs e outras redes já é prevista. d) Pode-se fazer a administração do fluxo de dados. O gerente de rede tem a autonomia de restringir a largura de banda para uso em conferências de voz. O uso de Multicast também possibilitará uma redução na largura de banda. e) Muitas empresas apóiam as especificações H.323, entre elas a Intel, Microsoft, Cisco e IBM. Com a confiança destas empresas, o reconhecimento e a garantia de alto nível nos serviços prestados vem lhe garantindo um grande valor no mercado de telefonia. Conforme Nóbrega (2001), propostas da ITU-T vem difundindo o padrão H.323, especialmente por ser precursor da Telefonia IP. Entre as características do padrão H.323 podemos citar como as principais: a) A especificação de algoritmos para compressão garantindo a confiabilidade (codecs. b) Protocolos para controle de chamadas, negociação de qualidade de serviço e estabelecimento de canais de comunicação. c) Possibilita a interoperabilidade entre outros tipos de canais de voz, como RDSI, telefonia convencional, voz ATM, e se necessário a construção de gateways Identificação e descrição das funções dos elementos ativos do sistema As recomendações utilizadas pelo H.323 na ITU-T são: H.225 utilizada para conexão, H.245 usada para controle, H.332 para conferências, H.335 para segurança, H.246 possibilita o uso com RTPC e o grupo H.420.x responsável por serviços complementares. Dentro das recomendações H.323 verificou-se os elementos que compõem uma rede de telefonia IP, podendo ser definidos como: Terminal H.323: O terminal nada mais é que o computador onde está implementado o serviço de telefonia IP, tem como funcionalidades telefonia IP, terminal de voz, vídeo e dados, fazendo uso de recursos multimídia. A comunicação entre os clientes da LAN é feito em tempo real, em ambas as direções. Terminais H.323 devem suportar também H.245, Q931, Registration, Admission and Status (RAS) e RTP. Terminais H.323 também podem incluir protocolos de conferência de dados T.120, codificadores de vídeo e suporte para MCU. A comunicação entre terminais H.323 pode ser em um gateway ou em um MCU.

23 23 Gateway H.323: É o elemento que faz a comunicação da rede IP com a rede de telecomunicações, podendo ser tanto sistema telefônico convencinal (RTPC), rede integrade de serviços digitais (RDSI), telefonia celular, oferecendo a interoperabilidade entre as duas redes. O gateway H.323 é o ponto final da rede fornecendo informações em tempo real nas duas direções, entre os terminais na rede IP e os outros terminais ITU em rede comutada, ou entre gateways. Aqui é feira a troca de informações entre os diferentes tipos de formatos de dados. Gateways podem ser opcionais em uma LAN, onde há comunicação direta entre os terminais, porém ao existirem terminais que necessitam comunicar-se com o ponto final de outra rede, é indispensável o uso do gateway através do protocolo H.245 e Q.931. Gatekeeper: Dito o componente mais importante de um sistema H.323, executa a função de gerência. Atua como ponto central para as chamadas dentro de sua zona (agrega o gatekeeper e todos os terminais registrados nele), fornecendo também serviços aos pontos finais registrados. Abaixo algumas funcionalidades oferecidas pelo Gatekeepers: a) Tradução de endereços: fornece um método alternativo de endereçamento de um ponto. Pode ser atribuído a um endereço de , número telefônico ou algo similar para um endereço de transporte. Faz uso de uma tabela de tradução podendo atualizá-la através de mensagens de registro. b) Controle de admissão: pode permitir ou negar acesso baseando-se na autorização de chamadas, endereço de fonte e destino, etc. c) Sinalização de chamadas: controla o processo de sinalização entre dois pontos finais que queiram se conectar. d) Autorização de chamada: o gatekeeper pode rejeitar chamadas de um terminal devido a falhas de autorização através do uso de sinalização H.225. O que pode delimitar a rejeição seriam os acessos restritos durante alguns períodos de tempo ou acesso de certos terminais ou gateways. e) Gerenciamento de largura de faixa: controla o número de terminais que podem acessar simultaneamente a rede. Com sinalização H.225, o gatekeeper poderá rejeitar chamadas de um terminal devido à limitação de largura de banda. f) Gerenciamento de chamadas: através de uma lista de chamadas que pode ser mantida no gatekeeper, poderá se necessário indicar um terminal chamado como ocupado, fornecer informações para a função de gerenciamento de largura de faixa.

24 Protocolos em pilha H.323 A figura a seguir, segundo Monteiro (2000), mostra a distribuição na pilha de protocolos. Para pacotes de áudio, vídeo e registro faz-se uso de UDP; já pacotes de dados e controle ficam em TCP. Figura 2 - Distribuição na pilha de protocolos Fonte: MONTEIRO, Para H.323 são fornecidos três tipos de protocolos H.225.0, RAS H e o controle de mídia H.245. O protocolo H é usado em conjunto com o H.323 fornecendo a sinalização para o controle de chamadas. Quando é necessário que se faça uma chamada de uma fonte para um receptor, um canal RAS H.225 é usado. Ao se estabelecer a chamada o H.245 é usado na negociação de fluxo de mídia. Usa-se o protocolo Real Time Protocol (RTP) para a transmissão de pacotes tendo sua aplicação em Áudio Codecs e Vídeo Codecs. H.225.0: RAS (Registration Admission and Status) é um canal usado para comunicação entre o gatekeeper e pontos finais. Sabendo que o envio das mensagens se dá via UDP (protocolo não confiável), recomenda-se o uso de timeouts. Alguns procedimentos são definidos para o uso de um canal RAS, são eles:

25 25 a) Deconectar o Gatekeeper: para ser definido pelos pontos finais qual o gatekeeper vai ser registrado se utiliza este tipo de processo. b) Registro de ponto final: ao se juntar a uma zona o gatekeeper informa quais seus endereços de transporte. c) Localização do ponto final: um gatekeeper ou ponto final que tenha um endereço alias (endereçamento que fornece um método alternativo de endereçamento de um ponto), de um ponto final, desejando suas informações de contato pode utilizar uma mensagem específica. d) Mensagens: o canal RAS também é usado na transmissão de mensagens de admissão, status, mudança de largura de faixa e desligamento. RTP/RTCP (Real Time Protocol / Real Time Control Protocol) utilizado no transporte de pacotes multimídia, em tempo real, também possui as funções de estatística de qualidade de serviço. H.225.0: Sinalização de chamada é usado para carregar mensagens de controle H.225. Nas redes que não possuem gatekeeper, as mensagens de sinalização de chamadas são passadas diretamente entre o ponto que o chamou e o que foi chamado, fazendo uso de um endereçamento de sinalização de chamadas. As trocas de mensagens em redes que contem gatekeeper são feitas entre o ponto que chama e o gatekeeper, utilizando mensagens de endereçamento RAS. H.245: Controle de conferencia e mídia no H.323 depois que o estabelecimento de chamadas foi completado é feio o uso do protocolo de controle de mídia H.245. Ele é usado para negociar e estabelecer todos os canais de mídia baseados em RTP/RTPC. Este mesmo protocolo (H.245) possibilita o uso de canais, tendo o Q.931 usado pra sinalização e o estabelecimento de chamada, o RTP como protocolo de transporte em tempo real carregando pacotes de voz, enquanto que o RAS fará a interação com o gatekeeper. Algumas das funcionalidades oferecidas são: a) Determina máster e slave: através do H.245 será designado o Controlador de Multiponto (MC) que é o responsável pelo controle central para chamadas estendidas em uma conferencia. b) Troca de capacidades: o H.245 fará a negociação das capacidades quando a chamada é estabelecida. Pode ocorrer em qualquer momento da chamada a troca de capacidades, possibilitando assim que seja feita a negociação a qualquer momento.

Protocolos Sinalização

Protocolos Sinalização Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com São protocolos utilizados para estabelecer chamadas e conferências através de redes via IP; Os

Leia mais

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha As principais tecnologias de Voz sobre Rede de dados: Voz sobre Frame Relay Voz sobre ATM Voz sobre IP VoIP sobre MPLS VoIP consiste no uso das redes de dados

Leia mais

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H.

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H. Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Aplicações Multimídia Distribuídas Aplicações Multimídia Distribuídas Videoconferência Padrão H.323 - ITU Padrão - IETF Profa. Débora Christina Muchaluat

Leia mais

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Introdução VoIP (Voice over Internet Protocol) A tecnologia VoIP vem sendo largamente utilizada

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 5 VoIP Tecnologias Atuais de Redes - VoIP 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Estrutura Softswitch Funcionamento Cenários Simplificados de Comunicação em VoIP Telefonia

Leia mais

Introdução ao protocolo SIP*

Introdução ao protocolo SIP* Introdução ao protocolo SIP* 1. SIP (Session Initiation Protocol) Pode se dizer que SIP trata se de um protocolo de controle referente à camada de aplicações do Modelo de Referência OSI (Open System Interconnection),

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP)

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Telefonia Tradicional PBX Telefonia Pública PBX Rede telefônica tradicional usa canais TDM (Time Division Multiplexing) para transporte da voz Uma conexão de

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 3: VoIP INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 As telecomunicações vêm passando por uma grande revolução, resultante do

Leia mais

A recomendação H.323 define um arcabouço (guarda-chuva) para a estruturação dos diversos

A recomendação H.323 define um arcabouço (guarda-chuva) para a estruturação dos diversos Videoconferência: H.323 versus SIP Este tutorial apresenta uma avaliação técnica e as tendências que envolvem os serviços providos pela pilha de protocolos do padrão H.323, especificados pelo ITU-T, e

Leia mais

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br UNIP rffelix70@yahoo.com.br Este protocolo foi projetado com o intuito de servir redes multimídia locais com suporte a voz, vídeo e dados em redes de comutação em pacotes sem garantias de Qualidade de

Leia mais

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Introdução a Redes Convergentes. Camadas de uma rede convergente. Desafios na implementação de redes convergentes. Introdução a Redes Convergentes.

Leia mais

Revisão de Literatura

Revisão de Literatura Revisão de Literatura VoIP é um conjunto de tecnologias que usa a Internet ou as redes IP privadas para a comunicação de Voz, substituindo ou complementando os sistemas de telefonia convencionais. A telefonia

Leia mais

CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO. Por Leonardo Mussi da Silva

CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO. Por Leonardo Mussi da Silva CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO Por Leonardo Mussi da Silva Evolução do sistema telefônico como tudo começou 1875 Alexander Graham Bell e Thomas Watson, em projeto dedicado a telegrafia, se depararam com

Leia mais

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP Redes de Computadores Protocolos de comunicação: TCP, UDP Introdução ao TCP/IP Transmission Control Protocol/ Internet Protocol (TCP/IP) é um conjunto de protocolos de comunicação utilizados para a troca

Leia mais

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte O TCP/IP, na verdade, é formado por um grande conjunto de diferentes protocolos e serviços de rede. O nome TCP/IP deriva dos dois protocolos mais

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

Protocolo H323 vs. Protocolo SIP Utilizados na tecnologia VoIP

Protocolo H323 vs. Protocolo SIP Utilizados na tecnologia VoIP UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE INFORMÁTICA APLICADA ESTUDOS DE DOMÍNIO DE APLICAÇÃO Protocolo H323 vs. Protocolo SIP Utilizados na tecnologia VoIP por VICTOR MANAIA GONÇALVES

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed quality of service Resumo para a disciplina de Processamento Digital de

Leia mais

SIP Session Initiation Protocol

SIP Session Initiation Protocol SIP Session Initiation Protocol Pedro Silveira Pisa Redes de Computadores II 2008.2 Professores: Luís Henrique Maciel Kosmalski Costa Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Outubro de 2008 Índice Introdução

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores... 1 Mobilidade... 1 Hardware de Rede... 2 Redes Locais - LANs... 2 Redes metropolitanas - MANs... 3 Redes Geograficamente Distribuídas - WANs... 3 Inter-redes... 5 Software de Rede...

Leia mais

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é VOIP Se você nunca ouviu falar do VoIP, prepare-se para mudar sua maneira de pensar sobre ligações de longa distância. VoIP, ou Voz sobre Protocolo de Internet, é um método para pegar sinais de áudio analógico,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

IFB INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA TECNOLOGIA VOIP. Nome: Nilson Barros Oliveira Sergio Lopes Turma: Técnico de informática 3 Módulo

IFB INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA TECNOLOGIA VOIP. Nome: Nilson Barros Oliveira Sergio Lopes Turma: Técnico de informática 3 Módulo IFB INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA TECNOLOGIA VOIP Nome: Nilson Barros Oliveira Sergio Lopes Turma: Técnico de informática 3 Módulo Brasília, 09 de Maio de 2012 Tecnologia Voip VoIP (Voice over Internet

Leia mais

Capítulo 9. Telefonia por Rede de Pacotes (Voz Sobre IP)

Capítulo 9. Telefonia por Rede de Pacotes (Voz Sobre IP) Capítulo 9 Telefonia por Rede de Pacotes (Voz Sobre IP) 9.1 Introdução A rede de computadores foi utilizada nos seus primórdios do seu funcionamento, principalmente, para transmitir e receber mensagens

Leia mais

QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323

QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323 QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323 Aluno: Ricardo dos Santos Alves de Souza Professor: Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Abril de 2004 DEL 1 ÍNDICE Resumo... 3 1 Introdução... 4 1.1 Redes de Pacotes...

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Aula passada Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos Servidores Aula de hoje Clusters de Servidores Migração de Código Comunicação (Cap. 4) Fundamentos

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

CAMADA DE TRANSPORTE

CAMADA DE TRANSPORTE Curso Técnico de Redes de Computadores Disciplina de Fundamentos de Rede CAMADA DE TRANSPORTE Professora: Juliana Cristina de Andrade E-mail: professora.julianacrstina@gmail.com Site: www.julianacristina.com

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 09/2013 Cap.3 Protocolo TCP e a Camada de Transporte 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica. Os professores

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1 Redes de Computadores e Teleinformática Zacariotto 4-1 Agenda da aula Introdução Redes de computadores Redes locais de computadores Redes de alto desempenho Redes públicas de comunicação de dados Computação

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais

11. VOZ SOBRE IP. VoIP. 25 Capitulo 11

11. VOZ SOBRE IP. VoIP. 25 Capitulo 11 11. VOZ SOBRE IP 11.1 INTRODUÇÃO Voz com qualidade de operador (carrier-grade voice) significa o seguinte: - Elevada disponibilidade. Um operador tem a rede disponível 99.999% do tempo (down-time< 5min.

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Modelo de Camadas OSI

Modelo de Camadas OSI Modelo de Camadas OSI 1 Histórico Antes da década de 80 -> Surgimento das primeiras rede de dados e problemas de incompatibilidade de comunicação. Década de 80, ISO, juntamente com representantes de diversos

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Motivação Realidade Atual Ampla adoção das diversas tecnologias de redes de computadores Evolução das tecnologias de comunicação Redução dos

Leia mais

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s):

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s): Professor(es): Fernando Pirkel Descrição da(s) atividade(s): Definir as tecnologias de redes necessárias e adequadas para conexão e compartilhamento dos dados que fazem parte da automatização dos procedimentos

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

Videoconferência: H.323 versus SIP

Videoconferência: H.323 versus SIP Videoconferência: H.323 versus SIP Este tutorial apresenta uma avaliação técnica e as tendências que envolvem os serviços providos pela pilha de protocolos do padrão H.323, especificados pelo ITU-T, e

Leia mais

Um Pouco de História

Um Pouco de História Telefonia IP Um Pouco de História Uma Breve Introdução às Telecomunicações Telefonia Tradicional Conversão analógica-digital nas centrais (PCM G.711) Voz trafega em um circuito digital dedicado de 64 kbps

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

Arquitecturas Multimédia

Arquitecturas Multimédia Arquitecturas Multimédia FEUP/DEEC/RBL 2002/03 José Ruela Arquitecturas para Comunicações Multimédia Arquitectura Multimédia IETF» Session Initiation Protocol (SIP)» Session Announcement Protocol (SAP)»

Leia mais

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Informática I Aula 22 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Critério de Correção do Trabalho 1 Organização: 2,0 O trabalho está bem organizado e tem uma coerência lógica. Termos

Leia mais

Protocolos Multimídia. Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano

Protocolos Multimídia. Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano Exemplos de Aplicações Multimídia Mídia Armazenada: conteúdo gravado e armazenado play/pause/rewind/forward Streaming : vê o conteúdo enquanto baixa o arquivo evita

Leia mais

Introdução à voz sobre IP e Asterisk

Introdução à voz sobre IP e Asterisk Introdução à voz sobre IP e Asterisk José Alexandre Ferreira jaf@saude.al.gov.br Coordenador Setorial de Gestão da Informática CSGI Secretaria do Estado da Saúde SES/AL (82) 3315.1101 / 1128 / 4122 Sumário

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes REDES II HETEROGENEO E CONVERGENTE Interligação de Redes rffelix70@yahoo.com.br Conceito Redes de ComputadoresII Interligação de Redes Quando estações de origem e destino encontram-se em redes diferentes,

Leia mais

Redes Mul)mídia. Tópicos. Streaming de Áudio e Vídeo. Aplicações de Rede Mul:mídia Introdução Classes de Aplicações Mul:mídia

Redes Mul)mídia. Tópicos. Streaming de Áudio e Vídeo. Aplicações de Rede Mul:mídia Introdução Classes de Aplicações Mul:mídia Redes Mul)mídia Streaming de Áudio e Vídeo Mário Meireles Teixeira Departamento de Informá:ca UFMA 2012 Tópicos Aplicações de Rede Mul:mídia Introdução Classes de Aplicações Mul:mídia Áudio e Vídeo de

Leia mais

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1)

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1) Cenário das redes no final da década de 70 e início da década de 80: Grande aumento na quantidade e no tamanho das redes Redes criadas através de implementações diferentes de hardware e de software Incompatibilidade

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro)

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) 1 HTVix HA 211 1. Interfaces Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) Conector RJ11 para conexão de aparelho telefônico analógico ou o adaptador para telefone e rede de telefonia convencional

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

Contribuição acadêmica

Contribuição acadêmica Contribuição acadêmica Origem deste trabalho em cadeiras do curso de mestrado na COPPE/UFRJ; Continuidade da contribuição acadêmica através do laboratório RAVEL: desenvolvimento de sw para apoio; intercâmbio

Leia mais

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Camada Conceitual APLICATIVO TRANSPORTE INTER-REDE INTERFACE DE REDE FÍSICA Unidade de Dados do Protocolo - PDU Mensagem Segmento Datagrama /Pacote Quadro 01010101010100000011110

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ STJ 2008 Com relação a transmissão de dados, julgue os itens

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Open Systems Interconnection Modelo OSI No início da utilização das redes de computadores, as tecnologias utilizadas para a comunicação

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO Artigo Científico Curso de Pós-Graduação em Redes e Segurança de Sistemas Instituto

Leia mais

Técnico em Informática. Redes de Computadores 2ºE1/2ºE2

Técnico em Informática. Redes de Computadores 2ºE1/2ºE2 Técnico em Informática Redes de omputadores 2ºE1/2ºE2 SUMÁRIO 2.1 Introdução 2.2 Vantagens do Modelo de amadas 2.3 Modelo de inco amadas 2.4 Funções das amadas 2.5 Protocolos de Rede 2.6 Arquitetura de

Leia mais

VOIP: Um Estudo de Caso Utilizando o Servidor Stun

VOIP: Um Estudo de Caso Utilizando o Servidor Stun VOIP: Um Estudo de Caso Utilizando o Servidor Stun Fabrício José Rodrigues Costa 1, Luis Augusto Mattos Mendes 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

Capítulo 5 Noções sobre TCP/IP

Capítulo 5 Noções sobre TCP/IP Capítulo 5 Noções sobre TCP/IP Endereços IP Arquitetura TCP/IP DHCP Redes classe A, B e C Protocolos TCP/IP Estudos complementares 3 Estudos complementares Consulte os capítulos 5 e 12 do livro: Capítulo

Leia mais

tendências Unificada Comunicação Dezembro/2012 INFORMATIVO TECNOLÓGICO DA PRODESP EDIÇÃO 05 Introdução Como Implementar Quais as Vantagens

tendências Unificada Comunicação Dezembro/2012 INFORMATIVO TECNOLÓGICO DA PRODESP EDIÇÃO 05 Introdução Como Implementar Quais as Vantagens tendências EDIÇÃO 05 Dezembro/2012 Comunicação Unificada Introdução Como Implementar Quais as Vantagens Componentes das Comunicações Unificadas 02 04 05 06 Introdução Nos últimos anos, as tecnologias para

Leia mais

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos Arquiteturas de Rede 1 Sumário Introdução; Modelo de Referência OSI; Modelo de Referência TCP/IP; Bibliografia. 2/30 Introdução Já percebemos que as Redes de Computadores são bastante complexas. Elas possuem

Leia mais

Arquiteturas de Redes Prof. Ricardo J. Pinheiro

Arquiteturas de Redes Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Arquiteturas de Redes Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Arquiteturas de Redes Organizações de padronização Modelos de referência Modelo OSI Arquitetura IEEE 802 Arquitetura

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 5-1. A CAMADA DE TRANSPORTE Parte 1 Responsável pela movimentação de dados, de forma eficiente e confiável, entre processos em execução nos equipamentos conectados a uma rede de computadores, independentemente

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

PROTÓTIPO DE UM SISTEMA DE VOIP (VOZ SOBRE IP)

PROTÓTIPO DE UM SISTEMA DE VOIP (VOZ SOBRE IP) UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) PROTÓTIPO DE UM SISTEMA DE VOIP (VOZ SOBRE IP) TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO SUBMETIDO

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Surgiu final década de 1980 Tecnologia de comutação em infraestrutura redes RDSI-FL(B-ISDN) Recomendação I.121 da ITU-T(1988)

Leia mais

Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura

Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura Maio de 2005 Esse documento descreve a arquitetura do serviço fone@rnp. RNP/REF/0343a Versão Final Sumário 1. Arquitetura... 3 1.1. Plano de numeração... 5 1.1.1.

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

Serviços Prestados Infovia Brasília

Serviços Prestados Infovia Brasília Serviços Prestados Infovia Brasília Vanildo Pereira de Figueiredo Brasília, outubro de 2009 Agenda I. INFOVIA Serviços de Voz Softphone e Asterisk INFOVIA MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO INFOVIA MINISTÉRIO

Leia mais

A Camada de Transporte

A Camada de Transporte A Camada de Transporte Romildo Martins Bezerra CEFET/BA s de Computadores II Funções da Camada de Transporte... 2 Controle de conexão... 2 Fragmentação... 2 Endereçamento... 2 Confiabilidade... 2 TCP (Transmission

Leia mais

Camada de Transporte

Camada de Transporte Camada de Transporte Conceitos Básicos Redes de Computadores A. S. Tanenbaum Mário Meireles Teixeira. UFMA-DEINF Protocolos Protocolo: Conjunto de regras e formatos usados para comunicação entre entidades,

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Slide 1 Técnicas para se alcançar boa qualidade de serviço Reserva de recursos A capacidade de regular a forma do tráfego oferecido é um bom início para garantir a qualidade de serviço. Mas Dispersar os

Leia mais

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP A internet é conhecida como uma rede pública de comunicação de dados com o controle totalmente descentralizado, utiliza para isso um conjunto de protocolos TCP e IP,

Leia mais

Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com

Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com Criado em 1974 Protocolo mais utilizado em redes locais Protocolo utilizado na Internet Possui arquitetura aberta Qualquer fabricante pode adotar a sua

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL Na internet, cada computador conectado à rede tem um endereço IP. Todos os endereços IPv4 possuem 32 bits. Os endereços IP são atribuídos à interface

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

Professor: Gládston Duarte

Professor: Gládston Duarte Professor: Gládston Duarte INFRAESTRUTURA FÍSICA DE REDES DE COMPUTADORES Computador Instalação e configuração de Sistemas Operacionais Windows e Linux Arquiteturas físicas e lógicas de redes de computadores

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Introdução Redes

Leia mais

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES O sistema digital de radiocomunicação será constituído pelo Sítio Central, Centro de Despacho (COPOM) e Sítios de Repetição interligados

Leia mais

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul 1 ANEXO VII QUADRO DE QUANTITATIVOS E ESPECIFICAÇÕES DOS ITENS Item Produto Quantidade 1 Aparelhos IP, com 2 canais Sip, visor e teclas avançadas, 2 70 portas LAN 10/100 2 Servidor com HD 500G 4 GB memória

Leia mais

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos Arquitetura de Redes Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Sistemas Operacionais de Rede NOS Network Operating Systems Sistemas operacionais que trazem recursos para a intercomunicação

Leia mais

Redes de Computadores. Introdução

Redes de Computadores. Introdução Redes de Computadores Introdução Rede de Computadores Uma rede de computadores é formada por um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos, interligados por

Leia mais

Trabalho De Redes de Computadores PPP PPPoE X.25

Trabalho De Redes de Computadores PPP PPPoE X.25 Trabalho De Redes de Computadores PPP PPPoE X.25 3 de novembro de 2013 Otávio Thomas Daniel Nicolay Giovane Monari 1 O que é PPP e PPPoE? Protocolo Ponto a Ponto (PPP) e Protocolo Ponto a Ponto sobre Ethernet

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais