Doença dos Legionários: Avaliação de riscos e a problemática hospitalar

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Doença dos Legionários: Avaliação de riscos e a problemática hospitalar"

Transcrição

1 Doença dos Legionários: Avaliação de riscos e a problemática hospitalar O presente artigo incide sobre os principais aspectos associados à avaliação de risco associado à ocorrência da bactéria do género Legionella spp, nos edifícios e em particular na área hospitalar. Características gerais e epidemologia A Legionella é um bacilo Gram negativo, pleomórfico, aeróbi, móvel. Esta bactéria é ubíqua em ambientes aquáticos naturais ou artificiais e sobrevive num vasto leque de condições ambientais. Foi isolada de ambientes com ph de 2,7 a 8,3 e de várias fontes tais como rios, lagos, águas subterrâneas e até na água do mar. Está bactéria também sobrevive em fontes artificiais de água salgada e cresce a uma temperatura óptima situada no intervalo entre 22ºC - 45º C. A partir dos seus nichos ambientais pode colonizar e crescer nos reservatórios artificiais criados pelo homem, que favorecem a amplificação do inóculo, tais como as redes prediais de águas (chuveiros e torneiras), torres de arrefecimento de sistemas de climatização de grande edifícios (como empreendimentos turísticos, escritórios, centros comerciais, hospitais), humificadores, equipamentos de terapia respiratória, instalações termais, piscinas, jacuzzis, fontes decorativas, etc. Em ambientes aquáticos naturais e em instalações de edifícios a presença de protozoários (amibas) joga um papel importante suportando a multiplicação intracelular da bactéria, servindo este processo de mecanismo de sobrevivência em condições ambientais desfavoráveis. A legionelose é uma infecção bacteriana aguda, cujo agente etiológico é a bactéria Legionella, que pode originar duas entidades clínicas e epidemiologicamente distintas: a Doença dos Legionários, pneumonia dos Legionários ou legionelose pmeumónica (CID-10: A48.1) e a febre de Pontiac ou legionelose não pneumónica (CID-10: 48.2). A Doença dos Legionários é potencialmente epidémica, com uma taxa de letalidade elevada ( 5 a 30% dos casos) e pode apresentar sintomas semelhantes a outras formas de pneumonia, por isso pode ser difícil de diagnosticar. Os sintomas podem incluir febre alta (superior a 39º C), arrepios e tosse seca, pneumonia focal, (que pode progredir bilateralmente e originar insuficiência respiratória) e sintomas gastrointestinais. Os sintomas começam normalmnte 2 a 14 dias após a exposição à bactéria. A Febre de Pontiac é uma doença benigna provocada pelo mesmo tipo de bactéria. É uma doença auto limitada aguda, que não desenvolve pneumonia. Tem como sintomas mal-estar «, fadiga, mialgias, febre e cefaleias. A recuperação acontece em 2 a 5 dias sem qualquer tratamento. Não há evidências de transmissão pessoa a pessoa, quer da Doença dos Legionários quer da Febre de Pontiac.

2 A tabela 1 apresenta algumas diferenças clínicas entre a Doença dos Legionários e a Febre de Pontiac. Tabela 1: Algumas diferenças clínicas entre a Doença dos Legionários e a Febre de Pontiac Características Doença dos Legionários Febre de Pontiac Sintomas clínicos Muitas vezes sem sintomas específicos Perda de Força Febre alta Dores de cabeça Tosse seca, não produtiva Arrepios Dores musculares Dificuldades em respirar, dores no peito Diarreia (25-50% casos) Vómitos, naúseas (10 a 30% casos) Perturbações do SNS (confusão e delírio em 50% dos casos) Falha renal Níveis de lactato desidrogenase» 700 unidades/ml Falha na resposta a antibióticos beta lactâmicos ou amino-glicosídeos Coloração de Gram de amostras respiratórias com numerosos neutrófilos e sem microrganismos visíveis Sintomas semelhentes a uma gripe moderada a grave Perda de força (astenia), cansaço Febre alta e arrepios Dores musculares (mialgias) Dores de cabeça Dores articulares Diarreia Náuseas e vómitos (numa pequena percentagem de doentes) Dificuldades em respirar e tosse seca Período de incubação 2 a 10 dias. Raramente ate 20 dias 5 horas a 3 dias (mais comum horas ) Duração Semanas 2 a 5 dias Agente etiológico Espécie de Leginella Espécies de Legionella Taxa de ataque 0,1 a 5% - população geral 0,4 a 14% nos hospitais» até 95% Isolamento do Possível organismo % de casos fatais Variável dependendo da susceptibilidade Em doentes hospitalares pode chegar a 40-80% Raramente 0% Resultado Hospitalização comum Hospitalização não é comum

3 O número de espécies, sub espécies e seroprupos de Legionella continua a aumentar. Actualmente o género Legionella conta com pelo 50 espécies contendo 70 serogrupos distintos, dos quais a Legionella pneumophila sg1 é responsável por cerca de 80% dos casos de doença. Apesar de L. pneumophila provocar a maioria dos casos de Doença dos Legionários, outras espécies (como L. micdadei, L.bozemanii e L. longbeachae) podem também provocar a doença, particularmente em casos nosocomiais. A infecção transmite-se por via aérea (respiratória), através da inalação de gotículas de água (aerossóis) contaminadas com bactérias, sendo importante referir que não se transmite de pessoa a pessoa, nem pela ingestão de água contaminada, existindo contudo alguns casos associados à aspiração seguida de ingestão de água contaminada. Uma fonte infectada com Legionella (como por exemplo um fontanário) pode disseminar aerossóis contendo Legionella. Quando isto ocorre, grande parte da água do aerosol evapora rapidamente, deixando partículas no ar que são suficientemente pequenas para serem inaladas. As partículas com tamanho inferior a 5_m em diâmetro podem ser inaladas e penetrar profundamente nas vias respiratórias provocando a legionelose. Casos de legionelose tem sido frequentemente associados a fontes de contaminação situadas até 3,2 Km de distância, havendo evidências de que esta distância poderá ser superior. Para além disso, há suspeitas de que a virulência é um factor importante na sobrevivência de Legionella nos aerossóis: de facto parece que as estirpes mais virulentas sobrevivem mais tempo nos aerossóis do que as estirpes menos virulentas. A Infecção depende do nível de contaminação da água (dimensão do inóculo infectante) da virulência da bactéria, da eficácia da formação e disseminação de aerossóis, do tempo de exposição e de factores de risco do hospedeiro (sexo masculino - afecta duas a três vezes mais homens que mulheres), idade superior a 50 anos (sendo rarissima em indivíduos abaixo dos vinte anos), doença pulmonar obstrutiva crónica, tabagismo, diabetes, insuficiência renal, transplantação de orgãos sólidos, imunossupressão (incluindo corticoterapia) e neoplasias do foro hematológico. Devido à prevalência de Legionella quer em ambientes naturais quer em ambientes artificiais, considera-se que a população está frequentemente exposta. Apesar do grande número de espécies incluídas no género Legionella, só algumas delas foram até agora associadas a casos de doença. Noção de risco e perigo O risco pode ser definido como uma medida de dois factores a destacar, perigo para a saúde associado a uma exposição de uma dada substância e a probabilidade da sua ocorrência.

4 O perigo é o impacto adverso na saúde que resulta da exposição a uma dada substância. Muitas vezes a substância é referida como o perigo, do que propriamente associada ao efeito adverso que pode causar. A avaliação do risco compreende a análise do risco (identificação dos perigos e estimativa dos riscos) e avaliação de opções (desenvolvimento de opções e análises das opções). A gestão do risco envolve os seguintes passos: decisão, implementação, monitorização e avaliação da performance e revisão de todo o programa. Os modelos de avaliação dos riscos normalmente usados em vários países envolvem identificação dos perigos, examinar a dose - resposta a uma dada substância ou grupo de substâncias, ou toxicidade no caso de substâncias químicas, determinação da natureza e extensão da exposição, avaliação, das várias opções para a redução dos riscos e a escolha da opção a implementar para a redução do risco. A determinação do risco está associada a critérios científicos de determinação dos perigos (como os químicos, radiológicos, microbiológicos e físicos) e aos potenciais danos causados à saúde humana, os quais são avaliados face aos benefícios. A avaliação do risco subdivide-se na análise do risco (em que são identificados os perigos para a saúde e a estimativa dos riscos, assim como as opções da avaliação). A análise do risco começa com a identificação dos perigos para a saúde, com base em relatórios clínicos, investigações epidemiológicas, estudos toxicológicos, ou análise às propriedades químicas das substâncias. Quando um perigo é identificado, deve-se ter em conta a probabilidade da sua ocorrência, estimando-se o risco associado. Estas técnicas de estimar o risco podem envolver saber o nível a partir do qual o perigo constitui risco para a saúde, que está exposto ao mesmo (idade, estado de saúde, sexo, etc ). Potenciais fontes de Amplificação e Disseminação desta bactéria (os riscos associados à ocorrência da presença da Legionella estão intimamente relacionados com os seguintes factores de risco): Sistema de água quente e fria, todos equipamentos que libertam aerossóis; Torres de arrefecimento, condensadores evaporativos; Piscinas e jacuzzis; Equipamentos de terapia respiratória; Humidificadores e equipamentos de nebulização individuais; Fontes ornamentais, lavagem de viaturas; Sistemas AVAC - ventilação do ar e climatização.

5 Destes, os que oferecem maior risco são aqueles que produzem aerossóis, através da formação de microgotículas de água contaminadas com um tamanho igual ou inferior a 5µm, as que quando inaladas podem penetrar no sistema respiratório atingindo os alvéolos pulmonares e causar as infecções graves. Causas que contribuem para o desenvolvimento desta bactéria (identificação do risco) Na identificação dos riscos críticos e na avaliação dos riscos salientamse os seguintes aspectos a ter em atenção: Ocorrência de zonas de estagnação de água nas redes de água quente e fria, associada a juntas cegas e pontos de menor consumo, assim como à presença de reservatórios mal dimensionadas com problemas de curto circuitos hidráulicos, favorecendo a sedimentação de materiais; Temperatura na rede de água quente sanitária abaixo dos 50ºC incluindo o circuito de retorno e na rede sanitária de água fria temperatura superior a 20ºC; Presença de nutrientes na água (Fe, Mn; etc ), que facilitam o desenvolvimento de biofilmes biológicos com a presença de algas, protozoários e de outros biotas, que constituem suporte ao desenvolvimento da bactéria Legionella; Má qualidade da água da rede pública ou privada que pode apresentar tendências incrustantes ou agressivas para os materiais, acrescido de uma má higienização dos sistemas; Idade dos materiais que constituem a rede e a sua composição; Falta de um programa de manutenção e operação correcto para a rede predial (água quente e fria) e para todos os equipamentos instalados da qual a água faz parte do processo; Má localização das torres de arrefecimento face às tomadas de ar do sistema AVAC, devendo-se ter em atenção os materiais que entram na sua composição; Nos hospitais a falta de gestão dos pacientes face às principais fontes de risco, permitindo muitas vezes o seu acesso a locais onde o risco é maior; Falta de um plano de prevenção e controlo face à presença da bactéria Legionella; Não existência de procedimentos para comunicação do risco Pessoas mais susceptíveis ao Risco: Doentes imunocomprometidos; Idade superior a 50 anos; Doentes crónicos (diabetes, doenças cardiovasculares, doenças pulmonares, doenças renais etc ); Fumadores activos e alcoólicos; Doentes que sofreram transplantes recentes e doentes com HIV.

6 Acções a desenvolver a nível hospitalar no âmbito da avaliação e do risco. A nível hospitalar deve-se implementar um programa de prevenção efectivo da Legionella, programa de gestão de risco e implementação de medidas de controlo do crescimento da Legionella de uma forma pró-activa e não quando da ocorrência de um caso. Entidades envolvidas para a implantação do programa de gestão de risco: É imprescindível existir uma boa relação entre os responsáveis para que não existam quebras na comunicação do risco. Nos grandes edifícios devem estar envolvidos nestes programas além da administração, o responsável da equipa de operação e manutenção, a Comissão de Controlo de Infecção (no caso de edificios hospitalares) empresas que prestem serviços de manutenção e os laboratórios de análises de água e quando se verifique alguma ocorrência deve ser de imediato comunicado à Autoridade de Saúde para actuação. Os responsáveis pelos equipamentos e instalações dos grandes edifícios devem implementar um plano de gestão do risco, tendo em conta o seu conhecimento das redes prediais de água quente e fria, quer do ponto de vista do seu traçado, sistema de produção de água quente (central térmica), estado das canalizações, tipo de materiais que a compõem, modo de circulação da água, temperatura da água em diferentes pontos da rede, localização das torres de arrefecimento, tratamentos existentes à água de arrefecimento, etc. Com base nas informações anteriores deve-se identificar e avaliar os factores de risco para todas as instalações, elaborando um mapa de pontos críticos e complementarmente adoptar as medidas necessárias para prevenir os riscos e minimizar os seus possíveis efeitos. Programa de gestão do risco envolve: O plano de gestão do risco depende do tipo de edifício, dos equipamentos instalados, das características da rede de água quente e fria, da maior ou menor susceptibilidade dos utentes do edifício, da localização do edifício e da zona envolvente. Na sua elaboração deve-se ter em conta os seguintes aspectos: Qual o tipo de risco a ser gerido; Identificação dos riscos quer associados a equipamentos e sistemas de água quente e fria quer associados è vulnerabilidade das pessoas; Análise do risco; Avaliação do risco Medidas para controlar e minimizar os riscos (controlar o crescimento desta bactéria, tratar e estabelecer medidas de controlo); Implementar um programa de monitorização e rever as medidas de controlo e estabelecer protocolos de limpeza e desinfecção de todos os equipamentos;

7 Estabelecer esquemas de comunicação simples entre os responsáveis pelo programa de gestão do risco e de prevenção da Legionella a nível hospitalar ou gestão de grandes edifícios, estabelecer periodicamente a sua afinação; Auditar com alguma regularidade os planos de prevenção e gestão do risco associados à Legionella spp, para a sua reformulação, pelo menos de 2 em dois anos e uma vez por ano fazer uma inspecção rigorosa aos sistemas de água fria e quente e sistema de climatização. O plano de gestão do risco envolve também a elaboração de vários protocolos, como protocolo amostragem e monitorização, protocolo de tratamento da água do processo, protocolo de actuação face a situações críticas, protocolo de comunicação do risco entre os vários intervenientes no plano de gestão do risco, associado à presença de resultados adversos de Legionella na água e no biofilme e a sua comunicação às autoridades de saúde. Com base nas informações anteriores deve-se identificar e avaliar os factores de risco para todas as instalações, elaborando um mapa de pontos críticos e complementarmente adoptar as medidas necessárias para prevenir os riscos e minimizar os seus possíveis efeitos. Num hospital além dos factores de risco anteriormente focados, há a considerar os vários tipos de pacientes existentes e a existência ou não de práticas de gestão doentes. Os de alto risco, mais susceptíveis às infecções de outros serogrupos da bactéria Legionella pneumophila, além do serogrupo 1, requerem medidas preventivas especiais, com vigilância através de um diagnóstico cuidadoso a todos os doentes com pneumonia nosocomial, recorrendo aos testes de serologia, para a pesquisa de anticorpos ou recorrendo aos testes de antigenuria para pesquisa de antigenes, determinando-se o tipo de bactéria encontrado. Quando a água fornecida apresentar alterações constantes da matéria em suspensão deve-se equacionar previamente a instalação de uma bateria de filtros à entrada do sistema, após uma avaliação criteriosa da sua aplicação e a correcta adaptação ao tipo de água existente, permitindo diminuir a presença de biofilmes bacterianos e aumentar a eficácia da desinfecção a jusante deste ponto.

Apresentação do Guia da CS04/IPQ Prevenção e Controlo de Legionella nos sistemas de água

Apresentação do Guia da CS04/IPQ Prevenção e Controlo de Legionella nos sistemas de água Apresentação do Guia da CS04/IPQ Prevenção e Controlo de Legionella nos sistemas de água Ana Luisa Fernando Universidade Nova de Lisboa/FCT 1 Guia Preparado pela Comissão Sectorial para Água, CS/04 Ministério

Leia mais

um inimigo que se respira A LEGIONELOSE: PROCESSO DE CONTAMINAÇÃO

um inimigo que se respira A LEGIONELOSE: PROCESSO DE CONTAMINAÇÃO DOENÇA DOS LEGIONÁRIOS Leg ionela um inimigo que se respira É hóspede indesejável dos sistemas de climatização, duches e outras fontes de vapor de água ou de aerossol, mas apenas é detectada em casos graves.

Leia mais

Sistemas artificiais de água e a problemática de Legionella

Sistemas artificiais de água e a problemática de Legionella QUALIDADE AMBIENTAL EM UNIDADES DE SAÚDE E INFEÇÕES ASSOCIADAS APH (ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE INFEÇÃO HOSPITALAR) Sistemas artificiais de água e a problemática de Legionella - Riscos Associados e Sua Prevenção

Leia mais

A LEGIONELLA E O HOMEM

A LEGIONELLA E O HOMEM A LEGIONELLA E O HOMEM 2ª CONFERÊNCIA DE CONTROLO DE PRAGAS URBANAS 14 Outubro 2011 Laboratório de Microbiologia Unidade de Água e Solo Departamento de Saúde Ambiental Centro de Saúde Pública Doutor Gonçalves

Leia mais

LEGIONELLA COMO MINIMIZAR RISCOS. Marcos d Avila Bensoussan SETRI Consultoria em Sustentabilidade

LEGIONELLA COMO MINIMIZAR RISCOS. Marcos d Avila Bensoussan SETRI Consultoria em Sustentabilidade LEGIONELLA COMO MINIMIZAR RISCOS Marcos d Avila Bensoussan SETRI Consultoria em Sustentabilidade SUSTENTABILIDADE PESSOAS PLANETA - PRODUTIVIDADE Ter práticas sustentáveis, também é prover menos riscos

Leia mais

PREVENÇÃO DO DESENVOLVIMENTO DA LEGIONELLA EM PISCINAS E SPAS

PREVENÇÃO DO DESENVOLVIMENTO DA LEGIONELLA EM PISCINAS E SPAS PREVENÇÃO DO DESENVOLVIMENTO DA LEGIONELLA EM PISCINAS E SPAS Paulo Diegues Direção-Geral da Saúde Divisão de Saúde Ambiental e Ocupacional CS04 Encontro Legionella Associação Hoteleira do Algarve 16 maio

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DE FOCOS DE LEGIONELA NO SISTEMA DE AR CONDICIONADO EM DOIS HOSPITAIS DA GRANDE FLORIANÓPOLIS - SC

INVESTIGAÇÃO DE FOCOS DE LEGIONELA NO SISTEMA DE AR CONDICIONADO EM DOIS HOSPITAIS DA GRANDE FLORIANÓPOLIS - SC I CONGRESSO BAIANO DE ENGENHARIA AMBIENTAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental INVESTIGAÇÃO DE FOCOS DE LEGIONELA NO SISTEMA DE AR CONDICIONADO EM DOIS

Leia mais

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da 2 A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da inflamação, o que dificulta a realização das trocas gasosas.

Leia mais

Dossier Legionella TÉCNICA LEGIONELOSE QUADRO CLÍNICO

Dossier Legionella TÉCNICA LEGIONELOSE QUADRO CLÍNICO Dossier Legionella Autor: Eng. os O problema Legionella é, de facto, ainda hoje caracterizado (pelo menos no nosso país) por muitas incertezas e indeterminações. E esta situação pode colocar seriamente

Leia mais

- ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA -

- ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA - - ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA - Plano de Contingência Gripe A Ano lectivo 2009/2010 Acções a organizar na preparação de um Plano de Contingência para uma eventual pandemia de gripe. Inquérito aos Estudantes

Leia mais

Legionella um risco em saúde pública

Legionella um risco em saúde pública Legionella um risco em saúde pública Teresa Marques, MD, PhD Consultora da Direção Geral da Saúde Coordenadora do Programa de Vigilância Epidemiológica Integrada da Doença dos Legionários Workshop Prevenção

Leia mais

Legionella pneumophila em ambientes aquáticos

Legionella pneumophila em ambientes aquáticos Legionella pneumophila em ambientes aquáticos Joana Costa AHETA 16 maio 2014 Workshop "Prevenção e Controlo de Legionella nos Sistemas de Água" Legionela de organismo ambiental a agente patogénico acidental

Leia mais

PROCEDIMENTOS RELATIVOS À GRIPE A (H1N1) PARA AS COMPETIÇÕES DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL

PROCEDIMENTOS RELATIVOS À GRIPE A (H1N1) PARA AS COMPETIÇÕES DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL COMUNICADO OFICIAL N.: 193 DATA: 2009.11.20 PROCEDIMENTOS RELATIVOS À GRIPE A (H1N1) PARA AS COMPETIÇÕES DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL Para conhecimento dos Sócios Ordinários, Clubes, Sad s e demais

Leia mais

Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar. Informação para alunos e Pais

Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar. Informação para alunos e Pais Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar Informação para alunos e Pais O que éo vírus da Gripe A(H1N1)v? O vírus A(H1N1)v é um novo vírus da gripe, que afecta os seres humanos. Esta nova estirpe,

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS E AMBIENTAIS DA DOENÇA A DOS LEGIONÁRIOS.

INTRODUÇÃO AOS ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS E AMBIENTAIS DA DOENÇA A DOS LEGIONÁRIOS. INTRODUÇÃO AOS ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS E AMBIENTAIS DA DOENÇA A DOS LEGIONÁRIOS. 1 História inicial. Epidemia de casos de pneumonia. Convenção da Legião Americana, na cidade de Filadélfia lfia, no ano

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Informe Técnico nº 1 MERCÚRIO METÁLICO Diante da exposição por Mercúrio metálico de moradores do Distrito de Primavera, Município de Rosana, SP, a DOMA/CVE presta o seguinte Informe Técnico. Breve histórico

Leia mais

em ambientes climatizados RE-09 Bióloga Maria José Silveira Especialista em Microbiologia CRBio 18.098-01

em ambientes climatizados RE-09 Bióloga Maria José Silveira Especialista em Microbiologia CRBio 18.098-01 Contaminantes Microbiológicos em ambientes climatizados RE-09 Bióloga Maria José Silveira Especialista em Microbiologia CRBio 18.098-01 Como podemos avaliar a qualidade do ar ambiental Como avaliar se

Leia mais

DOENÇA POR LEGIONELLA

DOENÇA POR LEGIONELLA SESSÃO CLÍNICA DOENÇA POR LEGIONELLA DIVA TRIGO, JOANA BATISTA, PATRÍCIA PACHECO S.INFECCIOLOGIA 13 NOVEMBRO 2014 Doença por Legionella 12-11-2014 3º maior surto na Europa 302 casos 49 UCI 9 óbitos Doença

Leia mais

A Legionella e seus riscos

A Legionella e seus riscos A Legionella e seus riscos O tema sob três pontos de vista: acadêmico, jurídico e do avaliador de risco Fernando Henrique Bensoussan Pinto da Fonseca e Prof. Dr. Dario Simões Zamboni: investigando os riscos

Leia mais

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Perguntas Frequentes Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a

Leia mais

Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose Nosocomial

Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose Nosocomial MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE HOSPITAL FEDERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A13 elaborada em 09/12/2010 Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO BÁSICA E VIVILÂNCIA COORDENADORIA DE SAÚDE DA AP 5.

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO BÁSICA E VIVILÂNCIA COORDENADORIA DE SAÚDE DA AP 5. SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO BÁSICA E VIVILÂNCIA COORDENADORIA DE SAÚDE DA AP 5.2 DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE BETI BRISSE

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

GRIPE A (H1N1) v Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar

GRIPE A (H1N1) v Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar GRIPE A (H1N1) v Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar Informação para Professores Agosto de 2009 Direcção-Geral da Saúde (www.dgs.pt) Direcção de Serviços de Promoção e Protecção da Saúde Gripe

Leia mais

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente TB - TUBERCULOSE Prof. Eduardo Vicente A História do TB A tuberculose foi chamada antigamente de "peste cinzenta", e conhecida também em português como tísica pulmonar ou "doença do peito" - é uma das

Leia mais

Prevenção e Controlo de Legionella nos Sistemas de Água

Prevenção e Controlo de Legionella nos Sistemas de Água Prevenção e Controlo de Legionella nos Sistemas de Água Medidas de Prevenção de Legionella em Sistemas Prediais o caso da Hotelaria Delfim Filho Director Regional de Operações Norte GRUPO HOTI HOTÉIS AGENDA

Leia mais

PLANO DE ACTUAÇÃO CONTRA A GRIPE PANDÉMICA NO INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA

PLANO DE ACTUAÇÃO CONTRA A GRIPE PANDÉMICA NO INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA PLANO DE ACTUAÇÃO CONTRA A GRIPE PANDÉMICA NO INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA 1. OBJECTIVOS DO PLANO Antecipar e gerir a resposta do ISA para minimizar as condições de propagação da Gripe A na comunidade

Leia mais

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a gripe? É uma doença infecciosa aguda das vias respiratórias, causada pelo vírus da gripe. Em

Leia mais

Introdução. O objectivo desta apresentação:

Introdução. O objectivo desta apresentação: Prevenção da Gripe A Introdução O objectivo desta apresentação: Consiste num conjunto de medidas e acções que deverão ser aplicadas oportunamente, de modo, articulado, em cada fase da evolução da pandemia.

Leia mais

Amostragem e Análise de Legionella em Sistemas de Água

Amostragem e Análise de Legionella em Sistemas de Água Amostragem e Análise de Legionella em Sistemas de Água Cristina Pizarro (cristina.bravo@insa.min-saude.pt) Raquel Rodrigues (raquel.rodrigues@insa.min-saude.pt) SUMÁRIO Introdução teórica; Amostragem:

Leia mais

Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR?

Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR? Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR? O NÚMERO DE PESSOAS AFETADAS POR DOENÇAS RESPIRATÓRIAS EVITÁVEIS NÃO PÁRA DE AUMENTAR. AS CRIANÇAS E OS MAIS VELHOS SÃO OS MAIS ATINGIDOS. SÃO DOENÇAS

Leia mais

Gripe Suína ou Influenza A (H1N1)

Gripe Suína ou Influenza A (H1N1) Gripe Suína ou Influenza A (H1N1) Perguntas e respostas 1. O que é Gripe Suína ou Influenza A (H1N1)? 2. A gripe causada pelo Influenza A (H1N1) é contagiosa? 3. Quem pode adoecer pela nova gripe causada

Leia mais

Informativo Empresarial Especial

Informativo Empresarial Especial Informativo Empresarial Especial Gripe Suína Plano de Contingência Empresarial A Gripe Influenza A H1N1 e o Transporte Rodoviário A gripe que ficou conhecida como gripe suína é causada por vírus que se

Leia mais

INFLUENZA. Cinthya L Cavazzana Médica Infectologista COVISA/CCD

INFLUENZA. Cinthya L Cavazzana Médica Infectologista COVISA/CCD INFLUENZA Cinthya L Cavazzana Médica Infectologista COVISA/CCD GRIPE x RESFRIADO Resfriado: é uma doença do trato respiratório superior. É geralmente causada por um vírus, mais freqüentemente um rhinovirus

Leia mais

Sinais de alerta perante os quais deve recorrer à urgência:

Sinais de alerta perante os quais deve recorrer à urgência: Kit informativo Gripe Sazonal A gripe Sazonal é uma doença respiratória infeciosa aguda e contagiosa, provocada pelo vírus Influenza. É uma doença sazonal benigna e ocorre em todo o mundo, em especial,

Leia mais

Para a obtenção de informações complementares, poderá ainda consultar os seguintes links da Direcção Geral de Saúde: A AICOPA LINHA DE SAÚDE AÇORES

Para a obtenção de informações complementares, poderá ainda consultar os seguintes links da Direcção Geral de Saúde: A AICOPA LINHA DE SAÚDE AÇORES Diversos Circular n.º 72/2009 15 de Julho de 2009 Assunto: Gripe A (H1N1) Algumas considerações importantes. Caro Associado: Considerando a nova estirpe de vírus da Gripe A (H1N1), e perante o seu risco

Leia mais

CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS

CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS ORIENTAÇÃO AOS PEDAGOGOS Todas as informações constantes nesta cartilha devem ser levadas ao conhecimento de todos os alunos,

Leia mais

Qualidade do Ar Interior

Qualidade do Ar Interior Qualidade do Ar Interior A realidade nacional A Integração da Qualidade do Ar Interior e da Eficiência Energética em Edifícios Ana Rita Antunes Lisboa, 20 de Fevereiro de 2014 Quercus - ANCN 2 Associação

Leia mais

Gripe. Responsável por elevada morbilidade e aumento da mortalidade

Gripe. Responsável por elevada morbilidade e aumento da mortalidade Da Gripe Sazonal à Gripe Pandémica Gripe Doença a respiratória ria aguda transmissível Carácter epidémico Responsável por elevada morbilidade e aumento da mortalidade O Vírus V da Gripe 3 tipos: A, B,

Leia mais

GRIPE A (H1N1) PLANO DE CONTINGÊNCIA. Exposição e Motivos

GRIPE A (H1N1) PLANO DE CONTINGÊNCIA. Exposição e Motivos CORPO NACIONAL DE ESCUTAS ESCUTISMO CATÓLICO PORTUGUÊS JUNTA REGIONAL DOS AÇORES GRIPE A (H1N1) PLANO DE CONTINGÊNCIA Plano de Contingência contra a Gripe A em acampamentos e actividades escutistas Exposição

Leia mais

SURTO DE DOENÇA DOS LEGIONÁRIOS EM VILA FRANCA DE XIRA DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO SURTO

SURTO DE DOENÇA DOS LEGIONÁRIOS EM VILA FRANCA DE XIRA DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO SURTO SURTO DE DOENÇA DOS LEGIONÁRIOS EM VILA FRANCA DE XIRA DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO SURTO Direção-Geral da Saúde Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, IP Administração Regional de Saúde de Lisboa e

Leia mais

Hepatites Virais 27/07/2011

Hepatites Virais 27/07/2011 SOCIEDADE DIVINA PROVIDÊNCIA Hospital Nossa Senhora da Conceição Educação Semana Continuada de Luta Contra em CCIH as Hepatites Virais 27/07/2011 Enfº Rodrigo Cascaes Theodoro Enfº CCIH Rodrigo Cascaes

Leia mais

Prevenção da Gripe A(H1N1)v

Prevenção da Gripe A(H1N1)v Prevenção da Gripe A(H1N1)v Recomendações DSD Departamento da Qualidade na Saúde Quais os Sintomas? Os sintomas são semelhantes aos da gripe sazonal: Febre de início súbito (superior a 38ºC) Tosse Dores

Leia mais

Gripe por Influenza A H1N1 *

Gripe por Influenza A H1N1 * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, maio de 2009. Gripe por Influenza A H1N1 * Informações básicas O que é Gripe por Influenza A H1N1? A gripe por Influenza A H1N1 (Suína) é uma doença

Leia mais

Desportistas. Recomendações para Ondas de Calor. Saúde e Desenolvimento Humano

Desportistas. Recomendações para Ondas de Calor. Saúde e Desenolvimento Humano A prática regular e moderada da actividade física pode trazer benefícios substanciais para a saúde da população, como seja reduzir para metade o risco de doenças coronárias, baixar o risco de desenvolver

Leia mais

PREVENÇÃO E CONTROLO DE LEGIONELLA NOS SISTEMAS DE ÁGUA

PREVENÇÃO E CONTROLO DE LEGIONELLA NOS SISTEMAS DE ÁGUA PREVENÇÃO E CONTROLO DE LEGIONELLA NOS SISTEMAS DE ÁGUA PREVENÇÃO E CONTROLO DE LEGIONELLA NOS SISTEMAS DE ÁGUA Instituto Português da Qualidade Ministério da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA DOS SASIPC GRIPE A (H1N1)

PLANO DE CONTINGÊNCIA DOS SASIPC GRIPE A (H1N1) PLANO DE CONTINGÊNCIA DOS SASIPC GRIPE A (H1N1) ÍNDICE PROMULGAÇÃO... 3 1. INTRODUÇÃO... 4 2. DETERMINANTES DA GRIPE... 4 3. OBJECTIVOS ESPECIFICOS... 7 4. DEFINIÇÃO DA CADEIA DE COMANDO E CONTROLO...

Leia mais

Boletim Epidemiológico Volume 01, Nº 2, 04 de Julho 2013.

Boletim Epidemiológico Volume 01, Nº 2, 04 de Julho 2013. Boletim Epidemiológico Volume 0, Nº 2, 04 de Julho 20. Influenza O controle da Influenza no país continua sendo feito por monitoramento - vigilância de Síndrome Gripal (SG) e da Síndrome Respiratória Aguda

Leia mais

A Gripe A ALGUMAS NOTAS HISTÓRICAS SOBRE A GRÍPE. Data de 1580, a primeira descrição completa de uma pandemia gripal.

A Gripe A ALGUMAS NOTAS HISTÓRICAS SOBRE A GRÍPE. Data de 1580, a primeira descrição completa de uma pandemia gripal. A Gripe A ALGUMAS NOTAS HISTÓRICAS SOBRE A GRÍPE Data de 1580, a primeira descrição completa de uma pandemia gripal. Desde esta altura que correram mundo, mais de trinta pandemias, causadas por diversos

Leia mais

Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial deste novo vírus, o Comitê Estadual de

Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial deste novo vírus, o Comitê Estadual de Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial deste novo vírus, o Comitê Estadual de Enfrentamento da Influenza A H1N1 elaborou esta cartilha com

Leia mais

ATCHIM!! Gripe Suína. Influenza A. Conheça essa doença que está assustando todo mundo...

ATCHIM!! Gripe Suína. Influenza A. Conheça essa doença que está assustando todo mundo... ATCHIM!! Gripe Suína Influenza A Conheça essa doença que está assustando todo mundo... Coordenadoria de Assistência Social da Universidade de São Paulo Divisão de Promoção Social Educação em Saúde São

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA INFECÇÃO As infecções são doenças que envolvem bactérias, fungos, vírus ou protozoários e sua proliferação pode ser vista quando o paciente tem os sintomas,

Leia mais

INFLUENZA A (H1N1) CARTILHA DE RECOMENDAÇÕES Para empresas, repartições públicas e comércio em geral

INFLUENZA A (H1N1) CARTILHA DE RECOMENDAÇÕES Para empresas, repartições públicas e comércio em geral INFLUENZA A (H1N1) CARTILHA DE RECOMENDAÇÕES Para empresas, repartições públicas e comércio em geral Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial

Leia mais

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO 1/8 O inverno chegou e junto com ele maiores problemas com as doenças respiratórias entre outras Isso não ocorre por acaso já que pé nesta estação onde

Leia mais

GESTÃO DE RISCOS PARA CASOS DE DVE. Maria Inês Pinheiro Costa

GESTÃO DE RISCOS PARA CASOS DE DVE. Maria Inês Pinheiro Costa GESTÃO DE RISCOS PARA CASOS DE DVE Maria Inês Pinheiro Costa O problema... O problema... Podemos afirmar? Não há nenhum caso suspeito ou confirmado da doença no país. Anvisa e Ministério recomendaram mais

Leia mais

Medidas de Precaução

Medidas de Precaução Medidas de Precaução INFLUENZA A (H1N1) Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde GGTES/Anvisa Medidas de Precaução Precaução Padrão Precauções Baseadas na Transmissão: contato gotículas aerossóis

Leia mais

1- O que é infecção hospitalar? Para fins de classificação epidemiológica, a infecção hospitalar é toda infecção adquirida durante a internação

1- O que é infecção hospitalar? Para fins de classificação epidemiológica, a infecção hospitalar é toda infecção adquirida durante a internação 1- O que é infecção hospitalar? Para fins de classificação epidemiológica, a infecção hospitalar é toda infecção adquirida durante a internação hospitalar (desde que não incubada previamente à internação)

Leia mais

Vigilância epidemiológica da infecção

Vigilância epidemiológica da infecção Vigilância epidemiológica da infecção Maria Teresa Neto UCIN, Hospital de Dona Estefânia CCIH, Hospital de Dona Estefânia Coordenadora do Programa Nacional de Vigilância Epidemiológica das Infecções em

Leia mais

Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos

Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos 1 O que é? A bronquiolite é uma doença que se carateriza por uma inflamação nos bronquíolos e que, geralmente,

Leia mais

Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP

Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP CENTRO CIRÚRGICO Jardim Japonês Centro Cirúrgico Hospital Maternidade Terezinha de Jesus Juiz de Fora (MG) Queimaduras

Leia mais

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia.

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. a) Estudo de saúde da população humana e o inter relacionamento com a saúde animal; b) Estudo de saúde em grupos de pacientes hospitalizados;

Leia mais

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h Ministério da Saúde Gabinete Permanente de Emergências em Saúde Pública ALERTA DE EMERGÊNCIA DE SAÚDE PÚBLICA DE IMPORTÂNCIA INTERNACIONAL Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia de Viseu INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU

Escola Superior de Tecnologia de Viseu INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU Escola Superior de Tecnologia de Viseu INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU informação Gripe A (H1N1)v Fonte http://www.dgs.pt/ 2009/09/07 Gripe A(H1N1)v O vírus A(H1N1)v é um novo vírus da gripe, que afecta

Leia mais

Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI. Hospitais de Longa Permanência.

Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI. Hospitais de Longa Permanência. Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI Hospitais de Longa Permanência ncia 2011 Premissas 1.Todos os sintomas devem ser novos ou com piora

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XV Higiene no Trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XV Higiene no Trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XV Higiene no Trabalho um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

GRIPE A (H1N1) INFORMAÇÃO E RECOMENDAÇÕES PARA ESCOLAS E OUTROS ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO

GRIPE A (H1N1) INFORMAÇÃO E RECOMENDAÇÕES PARA ESCOLAS E OUTROS ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO GRIPE A (H1N1) INFORMAÇÃO E RECOMENDAÇÕES PARA ESCOLAS E OUTROS ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO As escolas e outros estabelecimentos de ensino assumem um papel muito importante na prevenção de uma pandemia

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Serviços de Saúde e a Segurança a dos Trabalhadores

Gerenciamento de Riscos em Serviços de Saúde e a Segurança a dos Trabalhadores Gestão em Saúde e Segurança a no Trabalho em Serviços de Saúde Gerenciamento de Riscos em Serviços de Saúde e a Segurança a dos Trabalhadores 2007 As invenções do homem, em busca do bem estar e de melhores

Leia mais

PROTOCOLO DE MANEJO CLÍNICO H1N1

PROTOCOLO DE MANEJO CLÍNICO H1N1 PROTOCOLO DE MANEJO CLÍNICO H1N1 ORIENTAÇÕES GERAIS SANTA CASA DE MISERICÓRIDA DE CAPÃO BONITO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR JULHO 2009 PROTOCOLO DE MANEJO CLÍNICO DA INFLUENZA Em atendimento

Leia mais

Doença dos Legionários Guia Prático

Doença dos Legionários Guia Prático Doença dos Legionários Guia Prático Direcção-Geral da Saúde & Direcção-Geral do Turismo Lisboa 2001 INTRODUÇÃO O GUIA que ora se publica refere-se às medidas que devem ser adoptadas para prevenir e controlar

Leia mais

CIRCULAR. ASSUNTO: Prevenção da Gripe A Orientações para a concepção de um plano de contingência

CIRCULAR. ASSUNTO: Prevenção da Gripe A Orientações para a concepção de um plano de contingência CIRCULAR N/ REFª: 68/2009 DATA: 27/07/09 ASSUNTO: Prevenção da Gripe A Orientações para a concepção de um plano de contingência Exmos. Senhores, Junto se remete documento sobre o assunto em epígrafe distribuído,

Leia mais

INFORMAÇÃO É PREVENÇÃO! ESCLAREÇA AQUI SUAS DÚVIDAS

INFORMAÇÃO É PREVENÇÃO! ESCLAREÇA AQUI SUAS DÚVIDAS GRIPE A (H1N1) INFORMAÇÃO É PREVENÇÃO! ESCLAREÇA AQUI SUAS DÚVIDAS Fazer de cada dia um dia melhor Informe-se e proteja a sua saúde e a de sua família. Talvez você esteja inseguro com tantas informações

Leia mais

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à :

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à : RISCO BIOLÓGICO Risco Biológico A ocorrência do evento danoso está ligado à : 1) Existência ou não de medidas preventivas Níveis de Biossegurança. 2) Existência ou não de medidas preventivas que garantam

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1)

PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALFREDO DA SILVA ESCOLA EB 2,3 DE ALBARRAQUE GRIPE A (H1N1) Elaborado pela Direcção do Agrupamento de Escolas Alfredo da Silva Tel: 219156510 Fax: 219156513 Mail: eb23alba.geral@mail.telepac.pt

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

HOSPITAL DE CLÍNICAS UFPR

HOSPITAL DE CLÍNICAS UFPR HOSPITAL DE CLÍNICAS UFPR HC UFPR COMITÊ DE INFLUENZA SUÍNA 27 de abril DIREÇÃO DE ASSISTÊNCIA SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA INFECTOLOGIA CLÍNICA - ADULTO E PEDIÁTRICA SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DOENÇA DOS LEGIONÁRIOS

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DOENÇA DOS LEGIONÁRIOS Departamento de Saúde Pública e Planeamento da ARS Algarve, I.P. Joaquim Bodião e Alexandra Monteiro Workshop "Prevenção e Controlo de Legionella nos Sistemas de Água" 16 Maio 2014 Auditório da AHETA Albufeira

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde

Direcção-Geral da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Doença pelo novo vírus da gripe A (H1N1)v - Mulheres grávidas ou a amamentar Nº: 26/DSR DATA: 28/07/09 Para: Contacto na DGS: Todos os estabelecimentos

Leia mais

Nota Técnica Varicela 2012

Nota Técnica Varicela 2012 Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Coordenação

Leia mais

Informe aos profissionais de saúde sobre as características da infecção por Mycobacterium abscessus, medidas para diagnóstico, tratamento e prevenção

Informe aos profissionais de saúde sobre as características da infecção por Mycobacterium abscessus, medidas para diagnóstico, tratamento e prevenção Informe aos profissionais de saúde sobre as características da infecção por Mycobacterium abscessus, medidas para diagnóstico, tratamento e prevenção Em decorrência das infecções causadas por micobactéria,

Leia mais

PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS

PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS Proposta Final Salvador, Agosto de 2011 1 PROTOCOLO DE AÇÃO PARA AS SITUAÇÕES DE SURTOS CLASSIFICADOS COMO EMERGÊNCIA EM SAÚDE PÚBLICA O conceito de emergência de

Leia mais

Tuberculose, o que é?

Tuberculose, o que é? Tuberculose, o que é? P Á T R I A E D U C A D O R A O que é tuberculose? A tuberculose é uma doença infecciosa causada por um micróbio visível apenas ao microscópio chamado bacilo de Koch. Uma doença causada

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1) ESCOLA PROFISSIONAL NOVOS HORIZONTES

PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1) ESCOLA PROFISSIONAL NOVOS HORIZONTES PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1) ESCOLA PROFISSIONAL NOVOS HORIZONTES Setembro de 2009 ÍNDICE I - CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 II - PLANO DE CONTINGÊNCIA... 4 A. OBJECTIVOS... 4 B. IDENTIFICAÇÃO DA COORDENAÇÃO

Leia mais

Agir contra a Gripe A

Agir contra a Gripe A Agir contra a Gripe A O papel dos estabelecimentos de educação e ensino Maria Neto Responsável pela área funcional da Promoção e Protecção da Saúde Responsável pelo Programa Nacional de Saúde Escolar na

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Curso Técnico em Enfermagem

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Curso Técnico em Enfermagem INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Curso Técnico em Enfermagem JUNIEL PEREIRA BRITO A INFLUEZA A-H1N1 Debate e Prevenção MUZAMBINHO 2010 JUNIEL

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA

PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1) PLANO DE CONTINGÊNCIA 1. Introdução Verificada a incidência do vírus da Gripe A (H1N1), vários organismos nacionais e internacionais, nomeadamente a Organização Mundial de Saúde (OMS) e

Leia mais

Mulheres grávidas ou a amamentar*

Mulheres grávidas ou a amamentar* Doença pelo novo vírus da gripe A(H1N1) Fase Pandémica 6 OMS Mulheres grávidas ou a amamentar* Destaques: A análise dos casos ocorridos, a nível global, confirma que as grávidas constituem um grupo de

Leia mais

Cartilha da Influenza A (H1N1)

Cartilha da Influenza A (H1N1) Cartilha da Influenza A (H1N1) Agosto 2009 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE SECRETARIA ADJUNTA DE ATENÇÃO INTEGRADA Á SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Micarla de Sousa Prefeita da Cidade do Natal

Leia mais

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD ALERTA EPIDEMIOLÓGICO I Influenza Suína ABRIL 2009 Definição de caso 1-Caso suspeito de infecção humana pelo vírus da influenza suína A (H1N1). Apresentar

Leia mais

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Para entender a influenza: perguntas e respostas A comunicação tem espaço fundamental na luta contra qualquer doença. Um exemplo é o caso do enfrentamento da influenza

Leia mais

Medidas de protecção individual contra a Gripe A(H1N1)

Medidas de protecção individual contra a Gripe A(H1N1) Medidas de protecção individual contra a Gripe A(H1N1) Evite o contacto próximo com pessoas com gripe! Procure não estar na presença de pessoas com gripe. Se ficar doente, mantenha-se afastado dos outros,

Leia mais

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana IV CONGRESSO BRASILEIRO DE QUALIDADE DO LEITE Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana Perigo (hazard): agente biológico, químico ou físico, ou propriedade do alimento

Leia mais

TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC).

TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC). NOTA TÉCNICA 92/2013 Solicitante Dr. Wellington Reis Braz João Monlevade Processo nº 0362.13.4367-6 Data: 13/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva

Leia mais

Influenza. João Pedro Marins Brum Brito da Costa (Instituto ABEL) Orientador: André Assis (UFRJ Medicina)

Influenza. João Pedro Marins Brum Brito da Costa (Instituto ABEL) Orientador: André Assis (UFRJ Medicina) Influenza João Pedro Marins Brum Brito da Costa (Instituto ABEL) Orientador: André Assis (UFRJ Medicina) O que éinfluenza Também conhecida como gripe, a influenza éuma infecção do sistema respiratório

Leia mais

Legionella hospitalar

Legionella hospitalar Universidade de São Paulo Departamento de Moléstias Infecciosas e Parasitárias Legionella hospitalar Anna Sara Levin Coordenadora do Grupo de controle de Infecção Hospitalar do HC- FM USP Legionelose É

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 07/02/2009 Seção: Viva Melhor Pág.: 06 e 07

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 07/02/2009 Seção: Viva Melhor Pág.: 06 e 07 Veículo: Jornal da Comunidade Data: 07/02/2009 Seção: Viva Melhor Pág.: 06 e 07 Perigos do ar-condicionado Capaz de proporcionar alívio nos dias quentes, o aparelho de ar-condicionado necessita de limpeza

Leia mais

PREVENÇÃO E CONTROLO DE LEGIONELLA NOS SISTEMAS DE ÁGUA

PREVENÇÃO E CONTROLO DE LEGIONELLA NOS SISTEMAS DE ÁGUA PREVENÇÃO E CONTROLO DE LEGIONELLA NOS SISTEMAS DE ÁGUA Grupo Águas de Portugal PREVENÇÃO E CONTROLO DE LEGIONELLA NOS SISTEMAS DE ÁGUA Grupo Águas de Portugal Instituto Português da Qualidade Ministério

Leia mais

Directivas de gestão relativa às doenças transmissíveis colectivas crèches 2012.5.1

Directivas de gestão relativa às doenças transmissíveis colectivas crèches 2012.5.1 Directivas de gestão relativa às doenças transmissíveis colectivas crèches 2012.5.1 I. Directivas relativas às doenças transmissíveis colectivas crèches 1. Critérios de notificação crèche Quando as crianças

Leia mais