PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Folha:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Folha:"

Transcrição

1 1 PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Número: Revisão: Folha: POP 09/10/2014 1/22 037/2014 Elaboração: 24/04/2014 Próxima revalidação: Título: FLUXO DE TRIAGEM/ATENDIMENTO CLÍNICO DE CASOS DOENÇA DIARREICA AGUDA ATENÇÃO BÁSICA E UNIDADES DE PRONTO-ATENDIMENTO Processo: Elaborador: SMS-Resende/SVS/CDTI e SVE Cargo do Elaborador: Coordenação de Doenças Transmissíveis e Imunopreveníveis - Marco Antonio Lopes de Carvalho Netto 1. Parte Geral: Rotina Assistencial Aprovador(es): Lúcia Helena Rocha de Albuquerque Cargo do Aprovador(es): A doença diarreica aguda (DDA) é uma síndrome causada por diferentes agentes etiológicos (bactérias, vírus e parasitos), cuja manifestação predominante é o aumento do número de evacuações, com fezes aquosas ou de pouca consistência. Em alguns casos, há presença de muco e sangue. Podem ser acompanhadas de náusea, vômito, febre e dor abdominal. No geral, é autolimitada, com duração de 2 a 14 dias. As formas variam desde leves até graves, com desidratação e distúrbios eletrolíticos, principalmente quando associadas à desnutrição. Os episódios de diarreia aguda, de uma maneira geral, podem ser divididos em dois grandes grupos: diarreia aquosa e diarreia sanguinolenta. A diarreia aquosa é caracterizada pela perda de grande quantidade de água durante a evacuação, promovendo uma alteração na consistência das fezes, podendo estabelecer rapidamente um quadro de desidratação. A diarreia sanguinolenta (disenteria) é caracterizada pela presença de sangue nas fezes, podendo haver presença de muco e pus, sugerindo inflamação ou infecção do intestino. O modo de transmissão pode ocorrer pela via oral ou fecal-oral, sendo específico para cada agente etiológico (ver quadros 1 a 6). Pode ser de modo direto através da ingestão de água e alimentos contaminados e contato com objetos contaminados (ex.: utensílios de cozinha, acessórios de banheiros, equipamentos hospitalares) ou pessoa a pessoa (ex.: mãos contaminadas) e de animais para as pessoas. Os manipuladores de alimentos e os vetores, tais como as moscas, formigas e baratas, podem contaminar, principalmente, os alimentos e utensílios. Locais de uso coletivo, a

2 2 exemplo das escolas, creches, hospitais e penitenciárias apresentam maior risco de transmissão. A notificação ao de casos isolados e esporádicos de DDA deve ser realizada semanalmente na Ficha SINAN de notificação individual (ver em anexo) e a notificação de surtos de DDA (dois ou mais casos com vínculo epidemiológico ver planilha em anexo) OU suspeita de Rotavírus, Cólera, Febre Tifoide, Botulismo, Infecção por Escherichia coli Enterohemorrágica e Síndrome Hemolítico Urêmica é compulsória e imediata (até 24 horas).

3 3

4 Objetivo: Este POP estabelece, padroniza e define regras e fluxos que devem ser aplicados em todas as Unidades Básicas de Saúde UBS, de Estratégia de Saúde da Família ESF, de Pronto- Atendimento (Pronto-Atendimento Paraíso, UPA Cidade Alegria e Hospital Municipal de Emergência Henrique Sérgio Grégori HMEHSG) da SMS-Resende e Hospitalares públicas, filantrópicas e privadas do Município de Resende, para o manejo clínico de casos de Doença Diarreica Aguda (DDA) Campo de aplicação: Este POP aplica-se a todas as condutas que envolvam fluxo da notificação e manejo clínico de casos de DDA. Em caso de dúvidas ou não conformidades, contatar: Vigilância Epidemiológica para notificações de casos (tel.: / / Regina Azenha/ Marco Netto); Supervisão EACS/ESF para fluxo assistencial da Atenção Básica (tel.: / / Gabrielle Guerra/ Andreza Rodrigues/ Danielle Menezes); Hospital Municipal de Emergência (tel.: / / Ana Paula Moraes), UPA Cidade Alegria (tel.: / Danilo Bandoli) e PA Paraíso (tel.: / Madalena Batista) para fluxo assistencial de Pronto-Atendimento/Emergência; Laboratório Municipal (tel.: / Alexandre Rocha/ Débora Camoleze), Laboratório do Hospital Municipal de Emergência (tel.: / Simone Amorim) e Laboratório da Santa Casa de Misericórdia de Resende (tel.: / Júnior) para fluxo laboratorial; Vigilância Sanitária (tel.: / / / Fernando Barbosa) para fiscalização das tecnologias de alimentos de estabelecimentos; Vigilância Ambiental em Saúde (tel.: / Valéria Baracho) para monitoramento ambiental de água para consumo humano; Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas Sinitox/Centro de Informação e Assistência Toxicológica (tel.: Disque-Intoxicação ), para fornecer orientação sobre intoxicações e envenenamentos. Referência estadual de internação em infectologia para casos de Cólera, Febre Tifoide ou Botulismo: Instituto Estadual de Infectologia São Sebastião IEISS-RJ (tel.: sala dos médicos); Instituto Nacional de Infectologia/Instituto de Pesquisa Clínica Evandro Chagas INI/IPEC Fiocruz (tel.: / / ); Serviço de Doenças Infecciosas e Parasitárias/Hospital Universitário Clementino Fraga Filho HUCFF/UFRJ (tel.: ).

5 5 2. Parte Específica: 2.1. Definição de caso suspeito de DDA CID 10: A09: Paciente com aumento do número de evacuações, com fezes aquosas ou de pouca consistência. Em alguns casos, há presença de muco e sangue. Podem ser acompanhadas de náusea, vômito, febre e dor abdominal. No geral, é autolimitada, com duração de 2 a 14 dias. As formas variam desde leves até graves, com desidratação e distúrbios eletrolíticos, principalmente quando associadas à desnutrição Suspeita de Rotavírus CID 10: A08.0: Criança menor de cinco anos, com diagnóstico de DDA, que tenha recebido soro de reidratação por via endovenosa, independente do estado vacinal contra o rotavírus. Em caso de surto, não deve ser considerado o tipo de tratamento Suspeita de Cólera CID 10: A00.9: Qualquer indivíduo, independentemente da faixa etária, proveniente de áreas onde estejam ocorrendo casos de cólera, que apresente diarréia aquosa aguda até o décimo dia de sua chegada (tempo correspondente a duas vezes o período máximo de incubação). Qualquer indivíduo com diarréia, independentemente da faixa etária, e contato ou que coabite com pessoas que retornaram de áreas endêmicas ou epidêmicas de cólera há menos de 30 dias (tempo correspondente ao período de transmissibilidade do portador somado ao dobro do período de incubação). Todo indivíduo com mais de 5 anos de idade que apresentar diarréia súbita, líquida e abundante. A presença de desidratação rápida, acidose e colapso circulatório reforça a suspeita Suspeita de Febre Tifoide CID 10: A01.0: Pessoa com febre persistente, que pode ou não ser acompanhada de um ou mais dos seguintes sinais e sintomas: cefaléia (dor de cabeça), mal-estar, dor abdominal, anorexia (falta de apetite), dissociação pulso-temperatura (pulso lento em relação à temperatura alta), constipação (prisão de ventre) ou diarréia, tosse seca, roséolas tíficas (manchas rosadas no tronco) e esplenomegalia (baço aumentado de volume) Suspeita de Síndrome Hemolítico Urêmica (SHU) CID 10: D59.3: É uma doença grave, mais frequentemente em crianças de pouca idade, caracterizada por anemia hemolítica microangiopática, trombocitopenia e insuficiência renal aguda que apresenta as seguintes manifestações clínicas: insuficiência renal oligo-anúrica, acompanhada de palidez, hematomas e petéquias. Pode também ocorrer hipertensão arterial e

6 6 manifestações neurológicas como irritabilidade, letargia, convulsões e coma. Em muitos casos, a SHU é precedida de doença febril, com gastroenterite, sendo a diarreia, geralmente, sanguinolenta. A ausência de febre na maioria dos pacientes pode auxiliar a diferenciar estas das shigueloses e disenterias causadas por cepas enteroinvasivas de E. coli ou Campylobacter spp.. Pacientes que apresentaram valores hematimétricos e sintomatológicos, caracterizando anemia hemolítica, trombocitopenia, e insuficiência renal aguda Suspeita de infecção por E. coli Enterohemorrágica (ECEH) CID 10: A04.3: Qualquer indivíduo com quadro de gastroenterocolite aguda (GECA) que inclua diarréia sanguinolenta, dor abdominal intensa e ausência de febre ou febre baixa. Qualquer indivíduo com quadro de Síndrome Hemolítica Urêmica Assistência ao caso de DDA CID 10: A09: 1 Atendimento do usuário na recepção, com preenchimento dos dados de identificação no boletim de atendimento médico (BAM) OU prontuário, no caso primeiro atendimento na UBS/ESF, ou retirada do prontuário individual ou da família no arquivo. OBS: a procura por um usuário que não é da área de abrangência do ESF não impede de ser realizado seu primeiro atendimento, conforme diretrizes de universalidade do SUS. 2 Encaminhar o usuário para a Triagem da Enfermagem. 3 Triagem de Enfermagem: Entrevistar o usuário e pesquisar sinais e sintomas de DDA. Caso preencha critérios de casos suspeito: Realizar a avaliação do estado de hidratação do paciente (condição, explore e decida ver quadro 11); Classificar o risco (campo de grupo de risco Azul, Verde, Amarelo ou Vermelho Unidades de Pronto-Atendimento) e avaliar a prioridade de atendimento médico, conforme critérios descritos abaixo. Prioridade de atendimento médico: febre maior que 38,5ºC, diarreia sanguinolenta, dor abdominal intensa, sinais de desidratação grave, grupos especiais (crianças, gestantes, idosos, imunossuprimidos), alteração do nível de consciência e/ou presença de sinais neurológicos associados. Encaminhar o paciente para o médico, anexando o Boletim SINAN Individual de Notificação (BIN).

7 7 4 Atendimento médico: Colher anamnese com história clínico-epidemiológica e examinar o paciente (Ver protocolos de Abordagem Sindrômica); Fazer diagnóstico diferencial: Caso seja suspeito de DDA, seguir os passos descritos a seguir abaixo deste POP. Caso descartada a suspeita clínica de DDA, seguir conduta para outros diagnósticos diferenciais de Doenças Febris Agudas (Ver protocolos de Abordagem Sindrômica). Descartar: apendicite, anexite, diverticulite aguda, peritonite secundária por perfuração intestinal, doença inflamatória intestinal crônica, uso de medicamentos, mudança de hábitos alimentares. Caso mantida a suspeita de DDA, mas associada a outros agravos (Ex: Dengue, Leptospirose, Malária, etc.), fazer a abordagem de diagnóstico e tratamento em paralelo de todos os agravos suspeitos, inclusive DDA (Ver protocolos de Abordagem Sindrômica). Verificar história de viagens (diarreia do viajante): risco de Cólera e Poliomielite Aguda. Realizar o manejo clínico da DDA (ver figura 1): Os episódios de diarreia aguda são divididos em dois grupos: Diarreia aquosa: perda de grande quantidade de água durante a evacuação, com alteração na consistência das fezes, podendo estabelecer rapidamente um quadro de desidratação. Diarreia sanguinolenta (disenteria): presença de sangue nas fezes, podendo haver presença de muco e pus. Sugere inflamação ou infecção do intestino. Avaliar duração e manifestações clínicas predominantes das DTA (ver quadro 9): Sintomas do trato gastrointestinal superior (náusea e vômitos) como primeiros sintomas ou predominantes; Sintomas respiratórios e garganta inflamada; Sintomas do trato gastrointestinal baixo como primeira ocorrência ou predominância (cólicas abdominais, diarreia); Sintomas neurológicos (distúrbios visuais, vertigem, tinidos, entorpecimentos, paralisias); Sintomas alérgicos (rubor facial, coceira); Sintomas de infecção generalizada (febre, calafrios, mal estar, prostração, dores, aumento de gânglios);

8 8 Sintomas gastrointestinais e/ou neurológicos. Solicitar exames laboratoriais específicos: O diagnóstico das causas etiológicas da DDA é laboratorial, por meio de exame parasitológico de fezes (EPF), coprocultura e pesquisa de vírus. O diagnóstico laboratorial é importante na vigência de surtos para orientar as medidas de controle (ver protocolo de abordagem sindrômica para doenças diarreicas agudas). Em casos de surto, solicitar orientação do Serviço de Vigilância Epidemiológica para coleta de amostras. Ver também quadro 9. Pesquisa seletiva com coprocultura e EPF em casos esporádicos ou isolados é mais custo efetiva nas seguintes situações: DDA grave, diarreia persistente (mais de 7 dias), diarreia do viajante não responsiva à antimicrobianos, diarreia sanguinolenta (pesquisa de Salmonella, Shiguella e Campylobacter), grupos de risco (imunossuprimidos), DDA nosocomial (início após 72h internação pesquisa de toxina A e B de Clostridium difficile), DDA com febre e dor abdominal persistente (pesquisa de Yersinia enterocolitica), diarreia com sangue ou sem sangue com dor abdominal no flanco direito e sem febre (pesquisa de E. coli produtora de toxina Shiga) e SHU pós diarreia (pesquisa de E. coli produtora de toxina Shiga). Pesquisar sinais de alarme/perigo e/ou choque (condição, explore, decida e trate ver quadro 11): Piora da diarreia; Vômitos persistentes; Muita sede; Dificuldade ou incapacidade de beber, mamar no peito ou recusa de alimentos; Febre (maior ou igual a 38,5ºC); Presença de sangue nas fezes; Convulsões; OU Letargia ou inconsciência. DDA potencialmente grave: Botulismo, Cólera e Poliomielite Aguda; intoxicação por espécies tóxicas de cogumelos com longo período de incubação (ex: Amanita Muscaria);

9 9 intoxicação do tipo paralítica por moluscos bivalves (mariscos) ou algas dinoflageladas (ex: toxina Ciguatera de peixes marinhos com barbatanas, tipo garoupa, barracuda, vermelho, cângulo acarapicu, cavala) ver quadro 10; DDA em recém-nascidos e em imunossuprimidos (Ex: listeriose); doença hepática subjacente (Ex: infecção por Vibrio vulnificus); crianças, idosos e pessoas debilitadas; doenças provocadas por Staphylococcus aureus, Clostridium perfringens, Salmonella spp, Escherichia coli enterotoxigênica, Shigella spp. Pesquisar comorbidades, situações especiais e/ou risco social: Avaliar em usuários portadores de doenças inflamatórias intestinais e/ou o uso de medicamentos que desencadeiem diarreia; Gestantes; Preencher o BIN (campos 01 a 19 Dados Complementares no verso). Retornar o BIN à enfermagem para completar os demais campos (campos 01 a 31 frente). OBSERVAÇÃO: esta rotina deve ser negociada em equipe para definir esta atribuição, sendo de responsabilidade do médico e/ou da enfermagem o preenchimento COMPLETO do BIN. Tratar a doença diarreica aguda: consiste em quatro medidas: correção da desidratação e do desequilíbrio eletrolítico; combate à desnutrição; uso adequado de medicamentos; e prevenção das complicações. Planos de tratamento: Plano A destina-se a paciente com diarreia e sem sinais de desidratação. O tratamento é domiciliar, com a utilização de: solução de sais de reidratação oral (SRO) e líquidos disponíveis no domicílio (chás, cozimento de farinha de arroz, água de coco, soro caseiro, etc.). Oferecer tais líquidos após cada episódio de evacuação ou vômito, de acordo com as indicações a seguir: o menores de 2 anos: 50ml; o maiores de 2 anos: 100 a 200ml; o adultos: a quantidade que aceitarem.

10 10 Manter e estimular a alimentação habitual. Os pacientes ou seus responsáveis deverão ser orientados para o reconhecimento dos sinais de desidratação e no sentido de procurar imediatamente a unidade de saúde mais próxima, na eventual ocorrência dos sinais ou se a diarreia agravar, apresentar sangue nas fezes (disenteria) ou febre alta. É importante ressaltar que os refrigerantes não devem ser utilizados, pois além de ineficazes como hidratantes, podem agravar a diarreia. Plano B destina-se a paciente com diarreia e com sinais de desidratação. Tratar com solução de SRO todos os pacientes desidratados, mas com capacidade de ingerir líquido. Não é necessário determinar o volume exato a ser administrado, mas recomenda-se que seja contínuo, conforme a sede do paciente, até a completa recuperação do estado de hidratação: o o o Para crianças: oferecer 100ml/kg, administrados em um período não superior a 4 horas. Para lactentes em aleitamento materno: continuar recebendo o leite materno. Para adultos: administrar apenas SRO até se completar a reidratação. Se o paciente vomitar, reduzir o volume e aumentar a frequência das tomadas. Os vômitos geralmente cessam após 2 a 3 horas do início da reidratação. A febre causada pela desidratação geralmente cede na medida em que o paciente se reidrata. O paciente com desidratação deve permanecer na unidade de saúde até a reidratação completa e retornar ao serviço para reavaliação, após 24 a 48 horas ou imediatamente, em caso de piora. Deve-se observar se a ingestão é superior às perdas. Os sinais clínicos de desidratação vão desaparecendo gradualmente, durante o período de reidratação. Todavia, devido à possibilidade de ocorrer rapidamente maior perda de volume, Avaliar os pacientes com frequência para identificar, oportunamente, necessidades eventuais de volumes adicionais de solução de SRO. Plano C destina-se a paciente com diarreia e desidratação grave. Indicação de cateter nasogástrico (CNG): em crianças com perda de peso após as 2 primeiras horas de tratamento oral, de vômitos persistentes, de distensão

11 11 abdominal com ruídos hidroaéreos presentes ou de dificuldade de ingestão. Nesses casos, administrar 20 a 30ml/kg/hora de SRO. Indicar hidratação parenteral somente quando houver alteração da consciência, vômitos persistentes, mesmo com uso de CNG, e em criança com presença de íleo paralitico. Se o paciente apresentar sinais e sintomas de desidratação grave, com ou sem choque (palidez acentuada, pulso radial filiforme ou ausente, hipotensão arterial, diminuição do nível de consciência), iniciar a reidratação imediatamente por via endovenosa, conforme o esquema a seguir descrito. Adultos: o Acesso vascular periférico com 2 veias de bom calibre (scalp 19): o o o Crianças: o o o o administrar volumes iguais de NaCl a 0,9% e Ringer Lactato de, aproximadamente, 10% do peso do paciente, em cerca de 2 horas. Se estiver faltando uma das soluções, usar apenas uma ou a solução polieletrolítica. Reavaliar o paciente: se persistirem os sinais de choque, repetir a prescrição; caso contrário, iniciar balanço hídrico com as mesmas soluções. Administrar concomitantemente a solução de SRO, em doses pequenas e frequentes, tão logo o paciente a aceite. Isso acelera a recuperação do paciente e reduz drasticamente o risco de complicações pelo manejo inadequado. Suspender a hidratação endovenosa quando o paciente estiver hidratado, com boa tolerância ao SRO e sem vômitos. Administrar a solução de SRO por meio de CNG ou conta-gotas até que se instale a reidratação endovenosa (ver quadros 7 e 8) Administrar a solução de SRO, tão logo a criança a aceite; Suspender a hidratação endovenosa quando o paciente estiver hidratado, sem vômitos, em um período de 2 horas, e com ingestão suficiente para superar as perdas. Na fase rápida, não utilizar de solução de Ringer Lactato ou de outras que também possam induzir hipernatremia, principalmente em crianças

12 12 menores de 2 anos. Não utilizar solução glicofisiológica disponível no mercado, pois as concentrações de cloreto de sódio e de glicose são diferentes da solução 1:1 de SF e de SG a 5%. Quadro 7. Fase de hidratação rápida (expansão) Quadro 8. Fase de manutenção e reposição Combater a desnutrição: A DDA causa desnutrição, caracterizada por anorexia e síndrome perdedora de proteínas. Após a avaliação, recomendar o aumento da ingestão de líquido, como soro caseiro, sopas e sucos; e manter a alimentação habitual, em especial o leite materno e corrigir eventuais erros alimentares. Indicação de antimicrobianos: deve ocorrer só quando o benefício é inquestionável, pois a diarréia aguda, grande parte das vezes, tem curso autolimitado: Bactérias: para as diarréias bacterianas, sugestivo na vigência de febre alta e/ou sangue nas fezes, utilizar sulfametazol/trimetopima SMX/TMP (em crianças: 50mg SMX/kg de peso VO; em adultos: 800 mg VO 12/12 horas por 5 dias). Caso de alergia à sulfas: eritromicina (em crianças: 30-50mg/kg/dia dose máxima de 4g/dia; em adultos 500mg VO 6/6 horas por 5 dias). No caso de persistência de sangue nas fezes após 2 dias de uso do SMX/TMP, trocar antimicrobiano por ácido nalidíxico (em crianças 60mg/kg/dia VO 6/6 horas; em adultos: 1g VO 8/8 horas por 5 dias). Tratamento de Febre Tifoide: cloranfenicol (em adultos: 50mg/kg/dia VO ou IV 6/6 horas dose máxima de 4g/dia; em crianças: 50mg/kg/dia VO ou IV 6/6 horas dose máxima de 3g/dia).

13 13 Tratamento de Cólera: em paciente suspeito procedente de área endêmica de transmissão, particularmente Haiti, Cuba, México e República Dominicana, instituir a seguinte conduta: o Internação hospitalar: referência da rede SUS (HMEHSG). o Tratamento de suporte: plano C (diarreia com desidratação grave). o Terapia antimicrobiana: para reduzir o volume e a duração da diarreia, quando instituída no decurso das primeiras 24 horas, a partir do início dos sintomas. Sua administração deve ser por via oral quando cessam os vômitos, em geral após um período de 3 a 4 horas do início da reidratação. O uso de antimicrobiano parenteral, mais onerosos, não apresenta nenhuma vantagem, pois o Vibrio cholerae não invade a mucosa, razão pela qual o uso de antibiótico por via parenteral é pouco efetivo. Para maiores de 8 anos: tetraciclina (500mg VO 6/6 horas por 3 dias; peso menor que 40kg: 50mg/kg/dia VO 6/6 horas por 3 dias), doxiciclina (300mg VO em dose única), furazolidona (100mg VO 6/ 6 horas por 3 dias) ou eritromicina (500mg de 6 /6 horas por 3 dias). Para gestantes e nutrizes: ampicilina (500mg VO de 6/6 horas por 3 dias). Para os menores de 8 anos: sulfametoxazol (50mg/kg/dia)/ trimetoprima (10mg/kg/dia) VO 12/12 horas por 3 dias. o NOTIFICAR IMEDIATAMENTE O CASO SUSPEITO DE CÓLERA (EM 24 HORAS) AO SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA. Tratamento de infecção por ECEH e/ou SHU: O tratamento com antimicrobianos ou antidiarreicos está CONTRAINDICADO, pois pode agravar o quadro clínico do paciente. O tratamento recomendado restringe-se à hidratação e medidas de suporte necessárias. Manter a hidratação ou promover a reidratação quando houver sinais de desidratação. Evitar o uso de antimicrobiano em casos com diarreia sanguinolenta NA AUSÊNCIA DE FEBRE! Tratamento da DDA causada por Staphylococcus spp, Clostridium perfringens ou por Bacillus cereus: não está indicado o uso de antimicrobianos.

14 14 Tratamento da GECA não complicada causada por Salmonela não tifóide: evitar o uso de antimicrobianos. Tratamento da GECA causada por Campylobacter jejuni: a eritromicina erradica o agente e pode encurtar a duração da doença, se utilizada precocemente. Tratamento da GECA causada por Vibrio parahaemolyticus, Yersinia enterocolitica e Escherichia coli enterotoxigênica e enteroinvasiva: o papel do antimicrobiano é incerto, mas provavelmente é mínimo. Vírus: não há tratamento etiológico para doença diarreica causada por vírus, apenas tratamento de suporte, como correção da desidratação e do desequilíbrio eletrolítico e tratamento de outros sintomas apresentados, como náuseas e vômitos. Parasitos: quando há identificação de parasitos, utilizar medicamentos como: mebendazol, albendazol e, no caso de protozoários de G. lamblia ou E. hystolitica, é recomendado o metronidazol (em crianças: 20mg/kg/dia VO; em adultos: 750mg VO 8/8 horas por 5 dias. Prolongar por 10 dias em casos graves). Infecção por Cryptosporidium spp e Microsporidium spp em pacientes com HIV/AIDS não há terapêutica específica. Indicações para internação hospitalar: Desidratação grave (plano C); Criança menor de 6 meses e com diarreia de duração maior que 14 dias e com sinais de desidratação; Criança com desnutrição grave; Pacientes com patologias sistêmicas associadas (diabetes, hipertensão arterial sistêmica, cardiopatias ou outras patologias afins); Pacientes residentes em locais distantes que não tenham tolerância oral plena; Suspeita de Cólera com desidratação grave, com ou sem complicações; Pacientes com sintomas neurológicos associados com suspeita de Botulismo; Pacientes com sintomas neurológicos associados com suspeita de intoxicação por cogumelos (Amanita Muscaria), toxinas de mariscos e toxina Ciguatera de peixes marinhos com barbatanas (garoupa, barracuda, vermelho, cângulo acarapicu, cavala). Agentes antiperistálticos são de pouca ou nenhuma utilidade em controlar diarreia, sendo contraindicados. Os antieméticos e antipiréticos devem ser evitados por favorecerem a depressão do sistema nervoso central, dificultando a ingestão do soro

15 15 oral devido à prostração e sonolência que provocam, principalmente, em crianças (quadro 12). O paciente, de acordo com a avaliação clínica (ver abaixo figura 1 e quadros 9 e 11), será liberado com a prescrição do plano de tratamento (plano A, B ou C) com orientações do mesmo e seus familiares (hidratação oral, sinais de alerta e retorno para acompanhamento); Em lactentes, incentivar a prorrogar do tempo de aleitamento materno! Atenção Básica: havendo a necessidade de hidratação venosa Plano C (ver em anexo Manejo do Paciente com Diarreia), o usuário realizará na própria UBS/USF, na cadeira de hidratação ou maca, ou então ser encaminhado à unidade de referência com encaminhamento por escrito, assinado e carimbado pelo médico, conforme a classificação de risco (ver em anexo Manejo do Paciente com Diarreia). Remover ou transferir o usuário com a hidratação venosa iniciada! OBSERVAÇÃO: Na suspeita de DDA por intoxicação aguda devido a toxinas (ex: Amanita Muscaria, mariscos, Ciguatera, etc.) ou por produtos químicos (ex: organofosforados, mercúrio orgânico, conservantes, corantes, etc.), entrar em contato com Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas (Sinitox) para orientações sobre o diagnóstico, prognóstico, tratamento e prevenção das intoxicações e envenenamentos, assim como sobre a toxicidade das substâncias químicas e biológicas e os riscos que elas ocasionam à saúde (tel.: Disque-Intoxicação ).

16 16 Figura 1. Fluxograma com os passos do diagnóstico e do tratamento das DDA (1) (2) (3) (1) Condições especiais com indicação seletiva de solicitação de cultura nas fezes (coprocultura): DDA grave, diarreia sanguinolenta (ver fluxograma pesquisa de Salmonella, Shiguella e Campylobacter), diarreia do viajante não responsiva aos antimicrobianos (quinolonas ou SMX/TMP), DDA nosocomial com uso prévio de antimicrobianos (início após 72h internação pesquisa de toxina A e B de Clostridium difficile), DDA com febre e dor abdominal persistente (pesquisa de Yersinia enterocolitica), diarreia com sangue ou sem sangue com dor abdominal no flanco direito e sem febre (pesquisa de E. coli produtora de toxina Shiga) e Síndrome Hemolítico Urêmica pós diarreia (pesquisa de E. coli produtora de toxina Shiga). (2) Condições especiais com indicação seletiva de solicitação de cultura de fezes e exame de fezes (EPF + leucócitos fecais ou lactoferrina fecal): diarreia persistente por mais de 7 dias (inclusive em imunossuprimidos). (3) Condições especiais com indicação seletiva de solicitação de microscopia de fundo negro (swab Cary-Blair para cultura de Vibrio sp.): diarreia aquosa com história de ingestão de frutos do mar crus ou mal cozidos e viagem para áreas de transmissão de Cólera.

17 17 Quadro 9. Início, Duração e Sintomas das Doenças Transmitidas por Alimentos Início dos Sintomas (tempo aproximado) Sinais e Sintomas Principais Microorganismos relacionados, toxinas ou outros Sintomas do trato gastrointestinal superior (náusea e vômitos) como primeiros sintomas ou predominantes Menos que 1 hora Náusea, vômito, sensação de queimação na boca, gosto estranho/incomum Sais metálicos (antimônio, cádmio, cobre, fluoreto de sódio, chumbo, estanho, zinco) 1-2 horas Náusea, vômito, cianose, dor de cabeça, vertigem, dispnéia, tremores, fraqueza, perda de consciência Nitritos 1-6 horas (média de 2-4 horas) 8-16 horas (com possíveis vômitos entre 2 a 4 horas) Náusea, vômito, ânsia de vomitar, diarréia, dor abdominal, prostração Vômitos, cólicas abdominais, diarréia e náusea Staphylococcus aureus e suas enterotoxinas e B. cereus (toxinas vomitivas) Bacillus cereus e suas toxinas (vomitivas e/ou diarreicas) 6-24 horas Náusea, vômito, diarréia, sede, dilatação da pupila, colapso, coma Amanita Muscaria (cogumelo silvestre), fungos com ciclopeptídeos e giromitrínicos Sintomas respiratórios e garganta inflamada Menos que 1 hora Garganta inflamada Hidróxido de sódio horas Garganta inflamada, febre, náusea, vômito, secreção nasal e às vezes rash cutâneo 2-5 dias Garganta e nariz inflamados, exsudato cinza, febre, calafrios, garganta inflamada, mal estar, dificuldade em engolir, edema de gânglios cervicais Streptococcus pyogenes Corynebacterium diphtheriae Streptococcus do grupo A de Lancefield Sintomas do trato gastrointestinal baixo como primeira ocorrência ou predominância (cólicas abdominais, diarréia) 2-36 horas (média de 6-12 horas) horas (média de horas) Cólicas abdominais, diarréia, diarréia putrefata (associada com o C. perfringens), algumas vezes náuseas e vômitos Cólicas abdominais, diarréia, vômito, febre, calafrios, dor de cabeça, náusea, mal estar. Algumas vezes, diarréia com sangue ou muco, lesão cutânea(associada com V. vulnificus). A Yersínia enterocolítica pode simular uma gripe e apendicite aguda dependendo da faixa etária (adultos jovens). Clostridium perfringens, Bacillus cereus (toxina diarreica), Streptococcus faecalis, S. faecium Várias espécies de Salmonellas, Shigella, E. coli enteropatogênica, outras enterobacteriaceas, Vibrio parahaemolyticus, Yersínia enterocolítica, Pseudomonas aeruginosa (?), Aeromonas hydrophila, Plesiomonas shigelloides, Campilobacter jejuni, Vibrio cholerae (O1 e não- O1), V. vulnificus, V. fluvialis. 3-5 dias Diarréia, febre, vômito, dor abdominal, sintomas respiratórios 1-6 semanas Diarréia com muco, fezes gordurosas, dor abdominal, perda de peso 1 a muitas semanas Dor abdominal, diarréia, constipação, dor de cabeça, tontura, úlceras (muitas vezes, sem sintomatologia) Viroses entéricas (echo, cocsakie, polio, Reovirus, adenovirus e outros) Giardia lamblia Entamoeba histolytica 3-6 meses Nervosismo, insônia, dor de fome, dores, anorexia, perda de peso, dor abdominal, algumas vezes gastroenterite. Diphylobotrium latum, Taenia saginata e T. solium Adaptado de: Food and Drug Administration. FDA/CFSAN Bad Book: Onset, Duration, and s...http://vm.cfsan.fda.gov/~mow/app2.html. Ministério da Saúde. Manual Integrado de Prevenção e Controle de Doenças Transmitidas por Alimentos, sem data.

18 18 Início dos Sintomas (tempo aproximado) Sinais e Sintomas Principais Microorganismos relacionados, toxinas ou outros Sintomas neurológicos (distúrbios visuais, vertigem, tinidos, entorpecimentos, paralisias) Menos que 1 hora Ver no final da tabela Sintomas gastrointestinais e/ou neurológicos/toxina de molusco Gastroenterite, nervoso, visão turva, dor torácica, cianose, contrações musculares, convulsões Salivação excessiva, perspiração, gastroenterite, pulso irregular, constrição de pupilas, respiração asmática Tinido e entorpecimento, tontura, palidez, hemorragia gástrica, descamação de pele, olhos fixos, perda de reflexos, contrações musculares, paralisias Moluscos e toxinas marinhas (cicuta aquática) Fosfatos orgânicos (organofosforados) Amanita Muscaria, mata-boi ou frade-de-sapo com forma de chapéu vermelho com manchas brancas (toxina muscimol e ácido ibotênico) Toxina Tetradon (tetrodotoxina) 1-6 horas Tinido e entorpecimento, gastroenterite, sonolência, boca seca, dor muscular, pupilas dilatadas, visão turva, paralisia. Náusea, vômitos, tinido e tontura, fraqueza, anorexia, perda de peso, confusão. Toxina Ciguatera de barracuda, erva de feiticeiro, erva saia branca Hidrocarbonetos clorinatados 2h-6 dias (comumente horas) Mais que 72 horas Menos que 1 hora Vertigem, visão turva ou dupla, perda de reflexo para a luz, dificuldade de engolir, falar e respirar, boca seca, fraqueza, paralisia respiratória. Dormência, fraqueza das pernas, paralisia espástica, diminuição da visão ou cegueira, coma Gastroenterite, dor na perna, distúrbio de marcha, paresia de pé e punho Sintomas alérgicos (rubor facial, coceira) Dor de cabeça, sonolência, náusea, gosto de pimenta/ardência, ardor de garganta, aumento de gânglios faciais, edema, rubor facial, dor de estômago, coceira de pele. Intumescimento em volta da boca, sensação de formigamento, rubor facial, tontura, dor de cabeça, náusea. Rubor facial, sensação de calor, coceira, dor abdominal, inchaço de face e joelhos Clostridium botulinum e sua neurotoxina Mercúrio orgânico Fosfato triortocresil Histamina (escombróide - peixes da família Scombridae) e tiramina (queijos frescais) Glutamato monossódico Ácido nicotínico Sintomas de infecção generalizada (febre, calafrios, mal estar, prostração, dores, aumento de gânglios) 4-28 dias (média de 9 dias) Gastroenterite, febre, edema próximo aos olhos, perspiração, dor muscular, calafrios, prostração, dispneia dias (média de 14 dias) Mal estar, dor de cabeça, febre, tosse, náusea, vômito, constipação, dor abdominal, calafrios, roséolas cutâneas, fezes sanguinolentas. Trichinnella spiralis Salmonella typhi dias Febre, dor de cabeça, mialgia, rash cutâneo Toxoplasma gondii dias (média de dias) Febre, mal estar, lassidão, anorexia, náusea, dor abdominal, icterícia. Agente etiológico ainda não isolado - provavelmente viral Adaptado de: Food and Drug Administration. FDA/CFSAN Bad Book: Onset, Duration, and s...http://vm.cfsan.fda.gov/~mow/app2.html. Ministério da Saúde. Manual Integrado de Prevenção e Controle de Doenças Transmitidas por Alimentos, sem data.

19 19 Início dos Sintomas (tempo aproximado) Períodos variáveis (dependente da doença específica) Sinais e Sintomas Principais Febre, calafrios, dor de cabeça ou das juntas, prostração, mal estar, aumento dos gânglios, e outros sintomas específicos da doença em questão. Microorganismos relacionados, toxinas ou outros Bacillus anthracis, Brucella melitensis, B. abortus, B. suis, Coxiella burnetii, Francisella tularensis, Listeria monocytogenes, espécies de Mycobacterium, Pasteurella multocida, Streptobacillus moniliformis, Campylobacter jejuni, espécies de Leptospira. Sintomas gastrointestinais e/ou neurológicos 30 min. - 2 horas Formigamento, sensação de queimação, torpor, sonolência, fala incoerente, paralisia respiratória. 2-5 min horas Sensação alternada de frio e calor, tremores, entumescimento de lábios, língua, e garganta, dores musculares, vertigem, diarréia e vômito. 30 min horas Náusea, vômito, diarréia, dor abdominal, calafrios e febre Toxina paralisante de moluscos bivalves (PSP) saxitoxinas Toxina neurotóxico de moluscos bivalves (NSP) brevetoxina Toxina diarréica de moluscos bivalves (DSP) (toxina dinophysis, ácido osadaico, pectenotoxina, yessotoxina) 24 horas (gastrointestinal) - 48 horas (neurológico) Vômitos, diarréia, dor abdominal. Confusão, perda de memória, desorientação, derrame cerebral, coma. Toxina amnésica de moluscos bivalves (ASP) (ácido domóico) Adaptado de: Food and Drug Administration. FDA/CFSAN Bad Book: Onset, Duration, and s...http://vm.cfsan.fda.gov/~mow/app2.html. Ministério da Saúde. Manual Integrado de Prevenção e Controle de Doenças Transmitidas por Alimentos, sem data. Quadro 10. DDA produzidas por toxinas naturais 1 Toxina natural Alimentos associados Conduta laboratorial Ciguatera Escombróide Tetrodoxina (ácido tetrodônico) Saxitoxinas, brevetoxinas, toxinas dinophysis, ácido osadaico, pectenotoxina e yessotoxina, ácido domóico Amanitina, giromitrina, orelanina, muscarina, ácido ibotênico, muscimol, psilocybin e coprina Peixes marinhos com barbatanas, tipo garoupa, barracuda, vermelho, cângulo (acarapicu), cavala Alimentos que contém altos níveis de histamina e outras aminas vasoativas, formadas a partir de certas bactérias e a subsequente ação de enzimas descarboxilases sobre a histidina e outros aminoácidos no alimento (queijos suíços/frescais ou produtos industriais de pescados da família Scombridae, como atum, anchovas e similares) Produzida por bactérias da família Vibrionaceae, Pseudomonas sp e Photobacterium phosphoreum (pescado do tipo baiacu, ingeridos sem extrair-lhe as gônadas e os intestinos) Moluscos bivalves (mariscos) Cogumelos silvestres (Amanita Muscarina) mataboi ou frade-de-sapo com forma de chapéu vermelho com manchas brancas Detecção e identificação da toxina no alimento em camundongos Análise da histamina no alimento (espectroscopia fluorescente) Detecção da toxina no camundongo que desenvolve o quadro e identificação da toxina por métodos de cromatografia e espectrometria Detecção da toxina no plasma e na urina do paciente e no alimento, técnicas cromatográficas (nem sempre possível) Alcaloides da Erva de Feiticeiro e Saia Branca (Datura) Partes da Erva do Feiticeiro ou de tomates de tomateiros no tronco daquela erva Detecção do alcaloide na urina Adaptado de: CVE/SES-SP, substâncias químicas, produzidas por seres vegetais ou animais que podem causar graves envenenamentos no ser humano, através de sua ingestão como alimentos.

20 20 Quadro 11. Avaliação do estado de hidratação do paciente (ver plano de tratamento em anexo) Quadro 12. Medicamentos contraindicados nas DDA

21 21 5 Atendimento de Enfermagem: Acolher o usuário após o atendimento médico; Verificar e completar campos do BIN (campos 01 a 31 frente), conforme necessidade; Orientar sobre os sinais de desidratação; Em lactentes, incentivar a prorrogar do tempo de aleitamento materno! Coletar exames laboratoriais, caso indicado, conforme rotina do Laboratório Municipal Arcílio Guimarães e Laboratórios de Emergência do HMEHSG e UPA Cidade Alegria para transporte e processamento de amostras; Encaminhar ou agendar retorno do usuário para revisão clínica de enfermagem e médica, conforme classificação de risco. 6 Em situação de ausência de médico na UBS/ESF (Atenção Básica): Encaminhar o paciente às Unidades de Pronto-Atendimento da rede SUS (Pronto- Atendimento do Paraíso, HMEHSG ou UPA Cidade Alegria), conforme área de referência da UBS/ESF. Realizar contato telefônico prévio com a unidade de referência e encaminhar o usuário com documento (receituário) por escrito, assinada e carimbada pela Enfermeira, ou na ausência, o técnico/auxiliar de enfermagem. Remover ou transferir, preferencialmente, o usuário com a hidratação venosa iniciada! 2.3. Medidas de prevenção e controle: As medidas de controle consistem em: melhoria da qualidade da água (Quadro 13), destino adequado de lixo e dejetos, controle de vetores, higiene pessoal e alimentar. Quadro 13. Dosagem e tempo de contato do hipoclorito de sódio segundo o volume de água para consumo humano A educação em saúde, particularmente em áreas de elevada incidência de diarreia, é fundamental, orientando as medidas de higiene e de manipulação de água e alimentos.

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Folha:

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Folha: 1 PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Número: Revisão: Folha: POP 09/10/2014 1/10 039/2014 Elaboração: 28/04/2014 Próxima revalidação: --------------- Título: INVESTIGAÇÃO DE SURTO POR DOENÇAS DIARREICAS AGUDAS

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA. Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA. Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013 VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013 INTRODUÇÃO DDA Síndrome causada por vários agentes etiológicos (bactérias, vírus e parasitos) 03 ou mais episódios com fezes líquidas

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SÃO PAULO

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SÃO PAULO ANO 2002 GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO GERALDO ALCKIMIN SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE JOSÉ DA SILVA GUEDES COORDENADOR DOS INSTITUTOS DE PESQUISA - CIP JOSÉ

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DAS DOENÇAS TRANSMITIDAS POR ALIMENTOS

ASPECTOS GERAIS DAS DOENÇAS TRANSMITIDAS POR ALIMENTOS ASPECTOS GERAIS DAS DOENÇAS TRANSMITIDAS POR ALIMENTOS Aspectos epidemiológicos O perfil epidemiológico das doenças transmitidas por alimentos no Brasil ainda é pouco conhecido. Somente alguns estados

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE

SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Gerência de Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmissíveis Coordenação de Controle das Doenças Hídricas e Alimentares Av. Anhanguera 5195 St. Coimbra Goiânia-GO

Leia mais

Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmitidas por Alimentos VE-DTA

Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmitidas por Alimentos VE-DTA MINISTÉRIO DA SAÚDE - MS SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SVS DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA - DEVIT COORDENAÇÃO GERAL DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS - CGDT Vigilância Epidemiológica das Doenças

Leia mais

ALGORITMO DE ATENDIMENTO CLÍNICO A UM CASO DE SÍNDROME DIARREICA AGUDA

ALGORITMO DE ATENDIMENTO CLÍNICO A UM CASO DE SÍNDROME DIARREICA AGUDA Prefeitura Municipal de Resende Secretaria Municipal de Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Serviço de Vigilância Epidemiológica Coordenação de Doenças Transmissíveis e Imunopreveníveis R Augusto

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

Doenças de Transmissão Alimentar

Doenças de Transmissão Alimentar Doenças de Transmissão Alimentar Norma S. Lázaro nslazaro@ioc.fiocruz.br LABENT/IOC/FIOCRUZ- RJ Perigos microbiológicos aos alimentos fungos, vírus, v bactérias, parasitas Importância dos microrganismos

Leia mais

INFORME TÉCNICO DE DOENÇA DIARREICA AGUDA

INFORME TÉCNICO DE DOENÇA DIARREICA AGUDA INFORME TÉCNICO DE DOENÇA DIARREICA AGUDA Introdução A DDA Doença Diarreica Aguda é uma síndrome, causada por diferentes agentes etiológicos (bactérias, vírus e parasitos), cuja manifestação predominante

Leia mais

INFORME TÉCNICO FEBRE MACULOSA BRASILEIRA

INFORME TÉCNICO FEBRE MACULOSA BRASILEIRA SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DIVISÃO DE TRANSMISSÍVEIS E IMUNOPREVINÍVEIS GERENCIA DE DOENÇAS

Leia mais

SEGURANÇA ALIMENTAR E DTAS. Ana Paula Haas. Nutricionista - CRN2 8431

SEGURANÇA ALIMENTAR E DTAS. Ana Paula Haas. Nutricionista - CRN2 8431 SEGURANÇA ALIMENTAR E DTAS Ana Paula Haas Nutricionista - CRN2 8431 Segurança Alimentar Objetivos: Garantir acesso ao alimento em quantidade e qualidade adequadas, de forma permanente; Aproveitar ao máximo

Leia mais

CÓLERA CID 10: A 00.9

CÓLERA CID 10: A 00.9 SUPERINTENDENCIA DE VIGILANCIA PROMOÇÃO E PREVENÇÃO À SAÚDE DIRETORIA DE VIGILANCIA EPIDEMIOLOGICA DAS DOENÇAS TRANSMISSIVEIS E NÃO TRANSMISSIVEIS GERÊNCIA DE DOENÇAS TRANSMISSIVEIS ÁREA DE ASSESSORAMENTO

Leia mais

DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS

DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS HEMORRÁGICAS SINAIS SINAIS DE DE ALERTA ALERTA SINAIS SINAIS DE DE CHOQUE CHOQUE

Leia mais

Bactérias e Doenças Associadas

Bactérias e Doenças Associadas Bactérias e Doenças Associadas Disenteria Bacilar Agente Etiológico: Bactérias do gênero Shigella Forma de transmissão: Água e alimentos contaminados com as fezes dos doentes. Sintomas: Infecção intestinal,

Leia mais

DIARREIA: AVALIAÇÃO E TRATAMENTO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA

DIARREIA: AVALIAÇÃO E TRATAMENTO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA DIARREIA: AVALIAÇÃO E TRATAMENTO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA A diarreia é definida por um aumento na frequência das dejecções ou diminuição da consistência das fezes e por uma massa fecal>200g/dia. Pode

Leia mais

ATUALIZAÇÃO NO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DAS DIARRÉIAS AGUDAS

ATUALIZAÇÃO NO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DAS DIARRÉIAS AGUDAS ATUALIZAÇÃO NO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DAS DIARRÉIAS AGUDAS Aderbal Sabra MD. PhD. Cientista Visitante e Staff Senior ICISI Georgetown University USA Professor de Pediatria, Gastroenterologia e Alergia

Leia mais

REIDRAMAX. I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Sais para reidratação oral. REIDRAMAX glicose anidra citrato de sódio cloreto de potássio cloreto de sódio

REIDRAMAX. I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Sais para reidratação oral. REIDRAMAX glicose anidra citrato de sódio cloreto de potássio cloreto de sódio REIDRAMAX I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Sais para reidratação oral REIDRAMAX glicose anidra citrato de sódio cloreto de potássio cloreto de sódio Forma farmacêutica e Apresentação Pó para solução oral

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

II Simpósio Gestão Empresarial e Sustentabilidade 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Campo Grande MS

II Simpósio Gestão Empresarial e Sustentabilidade 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Campo Grande MS DIAGNÓSTICO SÓCIOAMBIENTAL E MONITORIZAÇÃO DA DOENÇA DIARREICA AGUDA EM MORADORES DE UMA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA CAMPO GRANDE/MS RESUMO: Sabrina Piacentini O presente trabalho

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ. 7º ano- Ciências Ensino Fundamental Professora Vanesca 2015

COLÉGIO SÃO JOSÉ. 7º ano- Ciências Ensino Fundamental Professora Vanesca 2015 COLÉGIO SÃO JOSÉ 7º ano- Ciências Ensino Fundamental Professora Vanesca 2015 REINO MONERA - Formado por bactérias (heterótrofas) e algas azuis (autótrofas) Célula bacteriana Ribossomos Citoplasma Membrana

Leia mais

Monitorização de Doenças Diarréicas Agudas MDDA

Monitorização de Doenças Diarréicas Agudas MDDA Monitorização de Doenças Diarréicas Agudas MDDA A Doença Diarréica Aguda (DDA) é reconhecida como importante causa de morbimortalidade no Brasil, mantendo relação direta com as: precárias condições de

Leia mais

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Situação Epidemiológica O Brasil é responsável por 75% dos casos de dengue na América Latina A partir de 2002, houve grande aumento de casos de dengue e das

Leia mais

Contaminação: água e alimentos contaminados com fezes de pessoas portadoras do vírus.

Contaminação: água e alimentos contaminados com fezes de pessoas portadoras do vírus. SAÚDE AMBIENTAL DOENÇAS CAUSADAS PELA FALTA DE SANEAMENTO BÁSICO HEPATITE A Doença causada por vírus. Contaminação: água e alimentos contaminados com fezes de pessoas portadoras do vírus. Falta de higiene,

Leia mais

OMENAX. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Cápsula 20mg e 40mg

OMENAX. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Cápsula 20mg e 40mg OMENAX Geolab Indústria Farmacêutica S/A Cápsula 20mg e 40mg tratar dispepsia, condição que causa acidez, azia, arrotos ou indigestão. Pode ser usado também para evitar sangramento do trato gastrintestinal

Leia mais

ACNE. CAUSADOR Propionibacterium acnes. CONTAMINAÇÃO Alterações hormonais Proliferação de bactérias comuns da pele

ACNE. CAUSADOR Propionibacterium acnes. CONTAMINAÇÃO Alterações hormonais Proliferação de bactérias comuns da pele BACTERIOSES MONERA PELE ACNE CAUSADOR Propionibacterium acnes CONTAMINAÇÃO Alterações hormonais Proliferação de bactérias comuns da pele SINTOMAS Acúmulo de secreção Formação de pontos brancos ERISIPELA

Leia mais

Palestrante. Contato: 98812-9624 Email: marcomelo2014@gmail.com

Palestrante. Contato: 98812-9624 Email: marcomelo2014@gmail.com Palestrante Marco Vinicius da Silva Melo Enfermeiro Obstetra/Ginecologia Enfermeiro do Trabalho MBA em Auditoria em Serviços de Saúde Docência do Ensino Superior TEMA: PROTOCOLO DE ENFERMAGEM NA URGÊNCIA

Leia mais

ALERTA EPIDEMIOLÓGICO Nº01/2014

ALERTA EPIDEMIOLÓGICO Nº01/2014 ALERTA EPIDEMIOLÓGICO Nº01/2014 ALERTA AOS SERVIÇOS DE SAÚDE sobre a importância de intensificar as ações de Vigilância Epidemiológica e Ambiental para a prevenção e detecção precoce da cólera no Estado

Leia mais

Polydrat cloreto de sódio, cloreto de potássio, citrato de sódio di-hidratado, glicose

Polydrat cloreto de sódio, cloreto de potássio, citrato de sódio di-hidratado, glicose POLYDRAT Pharmascience Laboratórios Ltda SOLUÇÃO ORAL cloreto de sódio 2,34 mg/ml, cloreto de potássio 1,49 mg/ml, citrato de sódio dihidratado 1,96 mg/ml, glicose 19,83 mg/ml Polydrat cloreto de sódio,

Leia mais

Cólera e Escarlatina

Cólera e Escarlatina Cólera e Escarlatina Nome do Aluno Daiane, Lisandra e Sandra Número da Turma 316 Disciplina Higiene e Profilaxia Data 30 de Maio de 2005 Nome da Professora Simone Introdução O presente trabalho irá apresentar

Leia mais

NOTA TÉCNICA 2. Investigação de casos de Encefalite Viral de Saint Louis, notificados no município de São José do Rio Preto SP, agosto de 2006.

NOTA TÉCNICA 2. Investigação de casos de Encefalite Viral de Saint Louis, notificados no município de São José do Rio Preto SP, agosto de 2006. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Prof. Alexandre Vranjac NOTA TÉCNICA 2 Investigação de casos de Encefalite Viral de Saint Louis, notificados

Leia mais

PROTOCOLO DE MANEJO CLÍNICO H1N1

PROTOCOLO DE MANEJO CLÍNICO H1N1 PROTOCOLO DE MANEJO CLÍNICO H1N1 ORIENTAÇÕES GERAIS SANTA CASA DE MISERICÓRIDA DE CAPÃO BONITO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR JULHO 2009 PROTOCOLO DE MANEJO CLÍNICO DA INFLUENZA Em atendimento

Leia mais

Educação Médica Continuada Curso de Antibioticoterapia 2013. Danise Senna Oliveira HSPE São Paulo

Educação Médica Continuada Curso de Antibioticoterapia 2013. Danise Senna Oliveira HSPE São Paulo Educação Médica Continuada Curso de Antibioticoterapia 2013 DIARRÉIA AGUDA Danise Senna Oliveira HSPE São Paulo Desafio 1. Sexo masculino, 47 anos, 1 semana com diarréia, fezes com sangue visível nos últimos

Leia mais

- Sazonalidade: A infecção por Influenza ocorre durante todo o ano, mas é mais frequente nos meses de outono e inverno.

- Sazonalidade: A infecção por Influenza ocorre durante todo o ano, mas é mais frequente nos meses de outono e inverno. Características clínicas da influenza - Sazonalidade: A infecção por Influenza ocorre durante todo o ano, mas é mais frequente nos meses de outono e inverno. - Incubação: um a quatro dias. - Transmissibilidade:

Leia mais

HIDRAFIX 90. Takeda Pharma Ltda. Solução oral cloreto de sódio 4,68 mg/ml. citrato de potássio monoidratado 2,16 mg/ml

HIDRAFIX 90. Takeda Pharma Ltda. Solução oral cloreto de sódio 4,68 mg/ml. citrato de potássio monoidratado 2,16 mg/ml HIDRAFIX 90 Takeda Pharma Ltda. Solução oral cloreto de sódio 4,68 mg/ml citrato de potássio monoidratado 2,16 mg/ml citrato de sódio di-hidratado 0,98 mg/ml glicose 20 mg/ml 16 HIDRAFIX 90 cloreto de

Leia mais

DOENÇAS MICROBIANAS DE ORIGEM ALIMENTAR. Palavras chaves: alimento, infecção alimentar, intoxicação alimentar, bactérias, manipuladores.

DOENÇAS MICROBIANAS DE ORIGEM ALIMENTAR. Palavras chaves: alimento, infecção alimentar, intoxicação alimentar, bactérias, manipuladores. 1 DOENÇAS MICROBIANAS DE ORIGEM ALIMENTAR Ana Flávia Machado Teixeira Resumo As doenças microbianas de origem alimentar são transmitidas por ingestão de alimentos e água contaminados por microrganismos

Leia mais

Fluxo de Assistência ao paciente com suspeita de Dengue na Rede de Saúde de Joinville

Fluxo de Assistência ao paciente com suspeita de Dengue na Rede de Saúde de Joinville Fluxo de Assistência ao paciente com suspeita de Dengue na Rede de Saúde de Joinville Caso Suspeito de Dengue Paciente com doença febril aguda, com duração máxima de sete dias, acompanhada de pelo menos

Leia mais

Agrotóxicos. O que são? Como são classificados? Quais os sintomas de cada grupo químico?

Agrotóxicos. O que são? Como são classificados? Quais os sintomas de cada grupo químico? Dica de Bolso Agrotóxicos O que são? Como são classificados? Quais os sintomas de cada grupo químico? 12 1 O QUE SÃO AGROTÓXICOS? Agrotóxicos, também chamados de pesticidas, praguicidas, biocidas, fitossanitários,

Leia mais

BULA PARA PACIENTE RDC 47/2009 HIDRAFIX

BULA PARA PACIENTE RDC 47/2009 HIDRAFIX BULA PARA PACIENTE RDC 47/2009 HIDRAFIX Takeda Pharma Ltda. Solução oral cloreto de sódio 2,34 mg/ml cloreto de potássio 1,49 mg/ml citrato de sódio di-hidratado 1,96 mg/ml glicose 19,83 mg/ml 6 cloreto

Leia mais

Dengue grave. Diagnóstico laboratorial da dengue em seres humanos

Dengue grave. Diagnóstico laboratorial da dengue em seres humanos Prefeitura Municipal de Curitiba - Secretaria Municipal da Saúde Centro de Epidemiologia - Vigilância Epidemiológica DENGUE (CID A90 ou A91) CHIKUNGUNYA (CID A92) ZIKA (CID A92.8) Definição de caso suspeito

Leia mais

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Perguntas Frequentes Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a

Leia mais

Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS

Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS 1. A partir de janeiro de 2014 o Brasil adotará a nova classificação de caso de dengue revisada da Organização Mundial de Saúde (detalhamento anexo I):

Leia mais

ELEMENTOS DE MICROBIOLOGIA Perigos Microbiológicos

ELEMENTOS DE MICROBIOLOGIA Perigos Microbiológicos ELEMENTOS DE MICROBIOLOGIA Perigos Microbiológicos Rosa Helena Luchese, PhD Departamento de Tecnologia de Alimentos Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro E-mail: rhluche@ufrrj.br CONTAMINANTES DOS

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº. 01/2010/DIVE/SES

NOTA TÉCNICA Nº. 01/2010/DIVE/SES S ESTADO DE SANTA CATARINA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA NOTA TÉCNICA Nº. 01/2010/DIVE/SES Assunto:

Leia mais

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a gripe? É uma doença infecciosa aguda das vias respiratórias, causada pelo vírus da gripe. Em

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho NUTRIÇÃO ENTERAL INDICAÇÕES: Disfagia grave por obstrução ou disfunção da orofaringe ou do esôfago, como megaesôfago chagásico,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Informe Técnico nº 1 MERCÚRIO METÁLICO Diante da exposição por Mercúrio metálico de moradores do Distrito de Primavera, Município de Rosana, SP, a DOMA/CVE presta o seguinte Informe Técnico. Breve histórico

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO BÁSICA E VIVILÂNCIA COORDENADORIA DE SAÚDE DA AP 5.

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO BÁSICA E VIVILÂNCIA COORDENADORIA DE SAÚDE DA AP 5. SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO BÁSICA E VIVILÂNCIA COORDENADORIA DE SAÚDE DA AP 5.2 DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE BETI BRISSE

Leia mais

Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI. Hospitais de Longa Permanência.

Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI. Hospitais de Longa Permanência. Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI Hospitais de Longa Permanência ncia 2011 Premissas 1.Todos os sintomas devem ser novos ou com piora

Leia mais

Informações ao Paciente

Informações ao Paciente Informações ao Paciente Introdução 2 Você foi diagnosticado com melanoma avançado e lhe foi prescrito ipilimumabe. Este livreto lhe fornecerá informações acerca deste medicamento, o motivo pelo qual ele

Leia mais

Gastroenterocolite Aguda

Gastroenterocolite Aguda TE-5 REMESSA DE documentos de CAIXA, EXTRA-CAIXA E CONTABILIDADE PARA MICROFILMAGEM DIBAN/DPSAG - Depto. de Processos e Suporte às Agências Tipo Documental Gastroenterocolite Aguda Pronto-atendimento do

Leia mais

Vamos abordar. 1º- Situação do dengue nas Américas 2º- Desafios para a atenção médica 3º- Curso clínico de dengue

Vamos abordar. 1º- Situação do dengue nas Américas 2º- Desafios para a atenção médica 3º- Curso clínico de dengue Secretaria de Estado de Saúde do RS e Secretarias Municipais de Saúde Porto Alegre, novembro de 2011 Vamos abordar 1º- Situação do dengue nas Américas 2º- Desafios para a atenção médica 3º- Curso clínico

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

maleato de trimebutina

maleato de trimebutina maleato de trimebutina Althaia S.A. Indústria Farmacêutica Cápsulas Gelatinosas Mole 200 mg maleato de trimebutina Medicamento genérico Lei n o 9.787, de 1999. I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO APRESENTAÇÃO:

Leia mais

Gripe Suína ou Influenza A (H1N1)

Gripe Suína ou Influenza A (H1N1) Gripe Suína ou Influenza A (H1N1) Perguntas e respostas 1. O que é Gripe Suína ou Influenza A (H1N1)? 2. A gripe causada pelo Influenza A (H1N1) é contagiosa? 3. Quem pode adoecer pela nova gripe causada

Leia mais

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem ANÁLISE DAS NOTIFICAÇÕES DE DENGUE APÓS ATUAÇÃO DO SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR INTRODUÇÃO: A Dengue é uma doença infecciosa febril aguda de amplo espectro clínico e de grande importância

Leia mais

CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO

CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO As infecções bacterianas nos RN podem agravar-se muito rápido. Os profissionais que prestam cuidados aos RN com risco de infecção neonatal têm por

Leia mais

PLESONAX. (bisacodil)

PLESONAX. (bisacodil) PLESONAX (bisacodil) Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Comprimido Revestido 5mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: PLESONAX bisacodil APRESENTAÇÃO Comprimidos revestidos Embalagem contendo

Leia mais

INTOXICAÇÃO EXOGÉNA POR AGROTÓXICOS

INTOXICAÇÃO EXOGÉNA POR AGROTÓXICOS INTOXICAÇÃO EXOGÉNA POR AGROTÓXICOS CEREST ESTADUAL Enfª do Trabalho: Thaysa Zago CLASSIFICAÇÃO Inseticidas ou praguicidas: combatem insetos; Fungicidas: atingem os fungos; Herbicidas: matam as plantas

Leia mais

Agente Infectante. Vetor / Transmissão. Doença. Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares.

Agente Infectante. Vetor / Transmissão. Doença. Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares. Dengue Dengue Agente Infectante Arbovirus Vetor / Transmissão Picada do mosquito Aedes Aegypti Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares. Profilaxia

Leia mais

RELAÇÕES AMBIENTE-MICRORGANISMO

RELAÇÕES AMBIENTE-MICRORGANISMO RELAÇÕES AMBIENTE-MICRORGANISMO Bactérias Gram(+) e Gram(-) Profa. Ms Solange A O Neves Curso: Enfermagem 1 Profa. Ms Solange A O Neves 2 1) Estafilococos Staphylococcus aureus BACTÉRIAS GRAM POSITIVAS

Leia mais

DOENÇA DIARREICA AGUDA. Edição nº 9, fevereiro / 2014 Ano III. DOENÇA DIARRÉICA AGUDA CID 10: A00 a A09

DOENÇA DIARREICA AGUDA. Edição nº 9, fevereiro / 2014 Ano III. DOENÇA DIARRÉICA AGUDA CID 10: A00 a A09 NOME DO AGRAVO CID-10: DOENÇA DIARRÉICA AGUDA CID 10: A00 a A09 A doença diarreica aguda (DDA) é uma síndrome clínica de diversas etiologias (bactérias, vírus e parasitos) que se caracteriza por alterações

Leia mais

Escherichia coli Enterohemorrágica O157:H7

Escherichia coli Enterohemorrágica O157:H7 Escherichia coli Enterohemorrágica O157:H7 Nomes populares Diarreia sanguinolenta, Colite hemorrágica, Agente causador Bacilo Gram-negativo - Famíla Enterobacteriacea - Escherichia coli produtora de verotoxinas

Leia mais

NUPLAM ISONIAZIDA + RIFAMPICINA

NUPLAM ISONIAZIDA + RIFAMPICINA NUPLAM ISONIAZIDA + RIFAMPICINA ISONIAZIDA + RIFAMPICINA D.C.B. 05126.01-0 FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES NUPLAM ISONIAZIDA + RIFAMPICINA é apresentado em: Cápsulas duras, para ADMINISTRAÇÃO ORAL,

Leia mais

World Gastroenterology Organisation Practice Guidelines: Diarréia Aguda em Adultos

World Gastroenterology Organisation Practice Guidelines: Diarréia Aguda em Adultos World Gastroenterology Organisation Practice Guidelines: Diarréia Aguda em Adultos Seções: 1. Definições 2. Patogênese 3. Fatores de Risco 4. Diagnóstico & Diagnóstico Diferencial 5. Estratégias de Tratamento

Leia mais

PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS

PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS COLÉGIO JOÃO PAULO I LABORATÓRIO DE BIOLOGIA - 2º ANO PROF. ANDRÉ FRANCO FRANCESCHINI PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS AMEBÍASE Agente causador: Entamoeba histolytica. Diagnóstico: E. P. F. exame parasitológico

Leia mais

Guia para o doente Informação de segurança sobre o seu tratamento com Xalkori (crizotinib)

Guia para o doente Informação de segurança sobre o seu tratamento com Xalkori (crizotinib) Este medicamento está sujeito a monitorização adicional. Guia para o doente Informação de segurança sobre o seu tratamento com Xalkori (crizotinib) Este guia destina-se a doentes a quem tenha sido receitado

Leia mais

Secretaria Municipal de Saúde. Atualização - Dengue. Situação epidemiológica e manejo clínico

Secretaria Municipal de Saúde. Atualização - Dengue. Situação epidemiológica e manejo clínico Secretaria Municipal de Saúde Atualização - Dengue Situação epidemiológica e manejo clínico Agente Etiológico Arbovírus do gênero Flavivírus: Den-1, Den-2, Den-3 e Den- 4. Modo de Transmissão: Aspectos

Leia mais

Gripe por Influenza A H1N1 *

Gripe por Influenza A H1N1 * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, maio de 2009. Gripe por Influenza A H1N1 * Informações básicas O que é Gripe por Influenza A H1N1? A gripe por Influenza A H1N1 (Suína) é uma doença

Leia mais

Boletim Epidemiológico Volume 01, Nº 2, 04 de Julho 2013.

Boletim Epidemiológico Volume 01, Nº 2, 04 de Julho 2013. Boletim Epidemiológico Volume 0, Nº 2, 04 de Julho 20. Influenza O controle da Influenza no país continua sendo feito por monitoramento - vigilância de Síndrome Gripal (SG) e da Síndrome Respiratória Aguda

Leia mais

RETIFICAÇÕES DIVERSAS

RETIFICAÇÕES DIVERSAS Circular 340/2014 São Paulo, 10 de Junho de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) RETIFICAÇÕES DIVERSAS Diário Oficial da União Nº 109, Seção 1, terça-feira, 10 de junho de 2014 Prezados Senhores, Segue para

Leia mais

Informativo Empresarial Especial

Informativo Empresarial Especial Informativo Empresarial Especial Gripe Suína Plano de Contingência Empresarial A Gripe Influenza A H1N1 e o Transporte Rodoviário A gripe que ficou conhecida como gripe suína é causada por vírus que se

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS TRATAMENTO PREVENÇÃO

EPIDEMIOLOGIA MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS TRATAMENTO PREVENÇÃO DIARREIA AGUDA EPIDEMIOLOGIA MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS TRATAMENTO PREVENÇÃO PROF. DR. ULYSSES FAGUNDES NETO Instituto de Gastroenterologia Pediátrica de São Paulo (I-Gastroped) Diarreia foi responsável, em

Leia mais

GESTÃO DE RISCOS PARA CASOS DE DVE. Maria Inês Pinheiro Costa

GESTÃO DE RISCOS PARA CASOS DE DVE. Maria Inês Pinheiro Costa GESTÃO DE RISCOS PARA CASOS DE DVE Maria Inês Pinheiro Costa O problema... O problema... Podemos afirmar? Não há nenhum caso suspeito ou confirmado da doença no país. Anvisa e Ministério recomendaram mais

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Manual das ações programáticas 1 M o d e l o S a ú d e T o d o D i a PROGRAMA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DE AGRAVOS TRANSMISSÍVEIS INDICE INTRODUÇÃO... 5 FLUXOGRAMA DO ENVIO

Leia mais

Apresentação. O que é Dengue Clássica?

Apresentação. O que é Dengue Clássica? Apresentação É no verão que acontecem as maiores epidemias de dengue devido ao alto volume de chuva. O Santa Casa Saúde, por meio do Programa Saúde Segura, está de olho no mosquito aedes aegypti e na sua

Leia mais

FEBRE AMARELA: Informações Úteis

FEBRE AMARELA: Informações Úteis FEBRE AMARELA: Informações Úteis Quando aparecem os sintomas? Os sintomas da febre amarela, em geral, aparecem entre o terceiro e o sexto dia após a picada do mosquito. Quais os sintomas? Os sintomas são:

Leia mais

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES DENGUE

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES DENGUE DENGUE O que é? A dengue é uma doença febril aguda, causada por vírus, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti (Brasil e Américas) e Aedes albopictus (Ásia). Tem caráter epidêmico, ou seja, atinge um grande

Leia mais

O QUE VOCÊ PRECISA SABER

O QUE VOCÊ PRECISA SABER DIAGNÓSTICO DE INFLUENZA E OUTROS VIRUS RESPIRATÓRIOS NO HIAE. O QUE VOCÊ PRECISA SABER Maio de 2013 Laboratório Clínico Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Apenas para lembrar alguns aspectos das

Leia mais

Atendimento de retorno

Atendimento de retorno Algumas crianças doentes têm de retornar para que o médico as veja de novo. Terá de ser dito às mães quando elas devem regressar para a consulta de retorno. Nessa consulta, o médico pode ver se a criança

Leia mais

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD ALERTA EPIDEMIOLÓGICO I Influenza Suína ABRIL 2009 Definição de caso 1-Caso suspeito de infecção humana pelo vírus da influenza suína A (H1N1). Apresentar

Leia mais

Sistema de Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmitidas por Água e Alimentos ROTINA OPERACIONAL

Sistema de Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmitidas por Água e Alimentos ROTINA OPERACIONAL SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/SP COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS - CCD CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA - CVE DIVISÃO DE DOENÇAS DE TRANSMISSÃO HÍDRICA E ALIMENTAR DDTHA Av. Dr. Arnaldo, 351

Leia mais

OMS GRUPO MUNDIAL DE TRABALHO PARA CONTROLO DA CÓLERA Primeiras medidas para gestão de um surto de diarreia aguda.

OMS GRUPO MUNDIAL DE TRABALHO PARA CONTROLO DA CÓLERA Primeiras medidas para gestão de um surto de diarreia aguda. OMS GRUPO MUNDIAL DE TRABALHO PARA CONTROLO DA CÓLERA Primeiras medidas para gestão de um surto de diarreia aguda. Este folheto destina-se a prestar orientação nos primeiros dias de um surto Existem deus

Leia mais

NAXOGIN COMPRIMIDOS. 500 mg

NAXOGIN COMPRIMIDOS. 500 mg NAXOGIN COMPRIMIDOS 500 mg Naxogin nimorazol I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Naxogin Nome genérico: nimorazol APRESENTAÇÕES Naxogin comprimidos de 500 mg em embalagens contendo 8 comprimidos.

Leia mais

LOPPIANO ENGENHARIA LTDA. Rua dos Andradas, 107 - Centro 13300-170 - Itu SP Fone: (11) 4022-7415 DENGUE

LOPPIANO ENGENHARIA LTDA. Rua dos Andradas, 107 - Centro 13300-170 - Itu SP Fone: (11) 4022-7415 DENGUE DENGUE A palavra dengue tem origem espanhola e quer dizer "melindre", "manha". O nome faz referência ao estado de moleza e prostração em que fica a pessoa contaminada pelo arbovírus (abreviatura do inglês

Leia mais

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos)

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos) 01 Um homem de 30 anos de idade, que morou em área rural endêmica de doença de Chagas até os 20 anos de idade, procurou banco de sangue para fazer doação de sangue e foi rejeitado por apresentar sorologia

Leia mais

PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR

PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR A Diabetes afeta cerca de 366 milhões de pessoas em todo o mundo e cerca de 1 milhão de Portugueses. A cada 7 segundos morre no Planeta Terra

Leia mais

IMOSEC (cloridrato de loperamida) comprimidos. 2 mg

IMOSEC (cloridrato de loperamida) comprimidos. 2 mg IMOSEC (cloridrato de loperamida) Janssen-Cilag Farmacêutica Ltda. comprimidos 2 mg IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Imosec cloridrato de loperamida comprimidos APRESENTAÇÕES Comprimidos de 2 mg em embalagem

Leia mais

Diarreicas Agudas e CóleraC

Diarreicas Agudas e CóleraC Superintendência ncia de Vigilância em Saúde Gerência de Vigilância Epidemiológica de Doenças Transmissíveis Coordenaçã ção o de Controle de Doenças de Transmissão o Hídrica H e Alimentar Doenças Diarreicas

Leia mais

Monitoramento das Doenças Diarréicas icas Agudas

Monitoramento das Doenças Diarréicas icas Agudas SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Gerência de Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmissíveis Coordenação de Controle das Doenças Hídricas e Alimentares Monitoramento das Doenças Diarréicas

Leia mais

Aspectos Clínicos Relevantes da infecção

Aspectos Clínicos Relevantes da infecção Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Vigilância Epidemiológica de Doenças Transmissíveis Coordenação de Controle de Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar Rotavírus ROTAVÍRUS O VÍRUS

Leia mais

Abcd. BUSCOFEM Ibuprofeno. APRESENTAÇÕES Cápsulas de 400 mg: embalagens com 10 e 50 cápsulas. USO ORAL USO ADULTO ACIMA DE 12 ANOS

Abcd. BUSCOFEM Ibuprofeno. APRESENTAÇÕES Cápsulas de 400 mg: embalagens com 10 e 50 cápsulas. USO ORAL USO ADULTO ACIMA DE 12 ANOS BUSCOFEM Ibuprofeno APRESENTAÇÕES Cápsulas de 400 mg: embalagens com 10 e 50 cápsulas. USO ORAL USO ADULTO ACIMA DE 12 ANOS COMPOSIÇÃO Cada cápsula contém 400 mg de ibuprofeno. Excipientes: macrogol, hidróxido

Leia mais

Situação epidemiológica e medidas de preparação. Jarbas Barbosa da Silva Jr. Secretário de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde

Situação epidemiológica e medidas de preparação. Jarbas Barbosa da Silva Jr. Secretário de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Situação epidemiológica e medidas de preparação Jarbas Barbosa da Silva Jr. Secretário de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Vírus Ebola Família Filoviridae, gênero Ebolavirus A primeira espécie de

Leia mais

Primeiros animais/ primitivos; Seres aquáticos: mares, rios, tanques etc...

Primeiros animais/ primitivos; Seres aquáticos: mares, rios, tanques etc... Protozoários Primeiros animais/ primitivos; Seres aquáticos: mares, rios, tanques etc... Estrutura: Realizam as funções vitais: Locomoção e respiração; Obtenção de alimentos; Digestão; Excreção; Reprodução.

Leia mais

Microrganismos causadores de toxinfecções alimentares

Microrganismos causadores de toxinfecções alimentares UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA MICROBIOLOGIA DE ALIMENTOS Microrganismos causadores de toxinfecções alimentares Profª. Drª. Caroline Costa Moraes Vários agentes causadores de doenças no homem podem ser

Leia mais

diclofenaco sódico Merck S/A Cápsulas 100 mg

diclofenaco sódico Merck S/A Cápsulas 100 mg diclofenaco sódico Merck S/A Cápsulas 100 mg diclofenaco sódico Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES Embalagens contendo 10 cápsulas. USO ORAL - USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada cápsula contém:

Leia mais

cloridrato de ambroxol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999

cloridrato de ambroxol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 cloridrato de ambroxol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Cristália Produtos Químicos Farmacêuticos Ltda. Xarope Pediátrico 3 mg/ml Xarope Adulto 6 mg/ml Modelo de Bula para Paciente IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Duphalac lactulose MODELO DE BULA. DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida.

Duphalac lactulose MODELO DE BULA. DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida. MODELO DE BULA Duphalac lactulose FORMA FARM ACÊUTICA E APRESENTAÇ ÃO DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida. VIA ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO

Leia mais

Preparação do Brasil para o manejo de caso suspeito de Ebola no país

Preparação do Brasil para o manejo de caso suspeito de Ebola no país II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança na Área Portuária Preparação do Brasil para o manejo de caso suspeito de Ebola no país Preparação Para o Exercício de Mesa e Simulado do Ebola Marcus

Leia mais