LEVANTAMENTO ESTATÍSTICO DAS LICENÇAS DE SAÚDE 2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LEVANTAMENTO ESTATÍSTICO DAS LICENÇAS DE SAÚDE 2011"

Transcrição

1 PODER JUDICIÁRIO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ NADH/SEMOD Av. Anita Garibaldi, nº 888. CEP Curitiba-PR Tel.: (41) Curitiba, 22 de dezembro de LEVANTAMENTO ESTATÍSTICO DAS LICENÇAS DE SAÚDE 2011 O absenteísmo, no universo laboral, é apenas uma das consequências a qual possível de se associar à saúde do trabalhador. Um dos aspectos favoráveis do seu estudo é que seus resultados são quantificáveis, passíveis de comparação e de observação longitudinal. Evidentemente existem limitações e tais dificuldades devem ser consideradas ao se interpretar os resultados, porém não invalidam a iniciativa de medi-lo. Para este levantamento estatístico, realizado com informações do banco de dados SIRH e dos arquivos da Seção Médica Odontológica, foram consideradas apenas as licenças de saúde dos servidores ativos da Seção Judiciária do Paraná efetivamente deferidas, desconsiderando aquelas que foram indeferidas ou, no caso da Licença por Acidente em Serviço, aquelas em que não houve caracterização administrativa do acidente. Foram consideradas como licenças de saúde: Licença para Tratamento de Saúde; Licença por Motivo de Doença em Pessoa da Família; Licença à Gestante; Licença por Motivo de Acidente em Serviço; Licença em Virtude de Aborto. Uma das informações encontradas, o código da Classificação Internacional de Doenças 10ª revisão (CID-10) foi pesquisado a partir dos atestados apresentados à homologação ou da conclusão de perícias e inspeções realizadas na Seção Médica e Odontológica. Vale lembrar que esta informação, sigilosa, é de acesso exclusivo à equipe de saúde e que o presente levantamento não identifica nenhum servidor especificamente. Em dezembro de 2011 esta Seção Judiciária conta com 1388 servidores em atividade, sendo 730 do sexo masculino (52,60%) e 658 do sexo feminino (47,40%). A média de idade dos servidores é de 40 anos (a mediana é de 39,16 anos) e a média de tempo de trabalho na instituição é de 10,5 anos (mediana de 10,2 anos). São Analistas Judiciários 582 servidores (41,93%), Técnicos Judiciários 795 servidores (57,28%) e Auxiliares Judiciários 11 servidores (0,79%).

2 Do total, 675 (48,63%) servidores gozaram de algum tipo de licença de saúde no exercício de Nº Licenças Nº dias de afastamento Taxa de Gravidade * Taxa de Duração* (dias) Licença Tratamento de Saúde ,93% 7,04 Licença Pessoa da Família ,12% 0,44 Licença à Gestante ,28% 4,67 Licença Aborto ,02% 0,09 Licença Acidente em Serviço ,03% 0,10 TOTAL ,38% 12,33 * Para cálculo das taxas gravidade e foram seguidas recomendações do Subcomitê de Absenteísmo da Sociedade Internacional de Saúde Ocupacional, com a utilização das seguintes fórmulas: Taxa de Gravidade = Licenças no período Dias trabalhados Taxa de Duração = Licenças no período População A taxa de gravidade das licenças de saúde somadas, que representa a porcentagem de dias perdidos em relação aos dias trabalhados, corresponde a 3,38% (considerando 365 dias/ano, já que as licenças também podem ser computadas nos finais de semana, feriados e recesso). O número é ligeiramente superior ao ano anterior (3,18%), devido ao maior número de Licenças à Gestante concedidas no período, mesmo tendo sido observada significativa redução do número de Licenças para Tratamento de Saúde e por Motivo de Doença em Pessoa da Família. A taxa de duração, que equivale ao número médio de dias de afastamento de cada servidor por ano corresponde a 12,33 dias, ligeiramente superior ao encontrado em 2010 (12,10 dias), também devido ao maior número de Licenças à Gestante. 2

3 1. LICENÇAS PARA TRATAMENTO DE SAÚDE (LTS) (Art. 202 da Lei 8.112/90; exigência do código da CID de acordo com a Resolução do TRF da 4ª Região nº 39, de 11/06/2004 e Norma de Serviço da Direção do Foro da SJPR nº 87, de 04/11/2011) QUANTIDADE DE LICENÇAS POR PATOLOGIA: CID DESCRIÇÃO Nº LTS Q Malform. congênitas, deformidades e anomalias cromossômicas 02 0,15% V, W, Y Causas externas de morbidade e de mortalidade 03 0,23% C Neoplasias 07 0,53% D Doenças do sangue e imunes 19 1,45% E Doenças endócrinas, nutricionais e metabólicas 19 1,45% G Doenças do sistema nervoso 25 1,91% L Doenças da pele e do tecido subcutâneo 26 1,98% O Gravidez, parto e puerpério 43 3,28% S e T Lesões, envenenamento e outras causas externas 44 3,35% I Doenças do aparelho circulatório 49 3,73% N Doenças do aparelho geniturinário 66 5,03% Z Fatores que influenciam o estado de saúde 70 5,34% A e B Doenças infecciosas e parasitárias 82 6,25% K Doenças do aparelho digestivo 107 8,16% R Sintomas, sinais e achados anormais de exames 108 8,23% M Doenças do sistema osteomuscular e do tecido conjuntivo 125 9,53% H Doenças do olho e anexos; ouvido e apófise mastóide ,52% F Transtornos mentais e comportamentais ,88% J Doenças do aparelho respiratório ,01% TOTAL % Este é o tipo de licença de saúde mais frequentemente requerida nesta Seção Judiciária (1312 ocorrências), sendo que 605 servidores a gozaram em Entretanto cabe observar que em 2010 chegou-se ao total de 1456 ocorrências deste tipo, portanto em 2011 houve redução de 9,85% desses requerimentos. Ao se analisar tais ocorrências pela Classificação Internacional de Doenças (CID), constata-se que a maior parte das ocorrências teve como motivo doenças do aparelho respiratório (210 licenças 16,01%), seguida das doenças psiquiátricas (12,88%). Esses resultados mantêm o padrão encontrado em levantamentos dos anos anteriores. 3

4 1.2. QUANTIDADE DE DIAS DE AFASTAMENTO POR PATOLOGIA: CID DESCRIÇÃO Nº DIAS V, W, Y Causas externas de morbidade e de mortalidade 13 0,13% L Doenças da pele e do tecido subcutâneo 47 0,48% Q Malformações congênitas, deformidades e anomalias cromossômicas 62 0,63% E Doenças endócrinas, nutricionais e metabólicas 94 0,96% C Neoplasias 106 1,09% A e B Doenças infecciosas e parasitárias 163 1,67% Z Fatores que influenciam o estado de saúde e o contato com os serviços de saúde 173 1,77% G Doenças do sistema nervoso 196 2,01% D Doenças do sangue e imunes 214 2,19% R Sintomas, sinais e achados anormais de exames 224 2,29% N Doenças do aparelho geniturinário 249 2,55% K Doenças do aparelho digestivo 326 3,34% J Doenças do aparelho respiratório 462 4,73% I Doenças do aparelho circulatório 493 5,05% O Gravidez, parto e puerpério 580 5,94% H Doenças do olho e anexos; ouvido e apófise mastóide 618 6,33% S e T Lesões, envenenamento e outras causas externas 725 7,42% M Doenças do sistema osteomuscular e do tecido conjuntivo ,96% F Transtornos mentais e comportamentais ,47% TOTAL % Ao se analisar a tabela acima se percebe que o maior número de dias de afastamento foi causado por transtornos mentais e comportamentais (3758 dias 38,47%). Esse número, bastante elevado em comparação às outras enfermidades, decorre da maior necessidade de dias de afastamento para tratamento das doenças psiquiátricas. As doenças deste grupo são atualmente a principal causa de encaminhamento para aposentadoria por invalidez nesta Seção Judiciária. Na seqüência, as doenças do sistema osteomuscular foram as que causaram a segunda maior necessidade de dias de afastamento para tratamento (12,96%), ligeiramente maior do que o observado em anos anteriores. Os grupos nosológicos S e T - lesões, envenenamentos e outras causas externas (geralmente traumatismos) e o grupo H (doenças do olho) também corresponderam às causas de afastamento de grande número de licenças. 4

5 1.3. SÉRIE HISTÓRICA DE AFASTAMENTOS POR LICENÇA PARA TRATAMENTO DE SAÚDE (LTS) Nº Licenças Nº dias de afastamento Apesar de haver redução no número de ocorrências e no número de dias de licença, cabe observar que no ano de 2010 sete servidores encontravam-se afastados do trabalho por períodos longos e que em 2011 estes foram aposentados por invalidez, e que, portanto, suas licenças deixaram de ser computadas, diminuindo os totais de afastamento da instituição. É necessário aguardar os dados dos próximos anos para verificar se esta diminuição é uma tendência ou se foi um fato pontual em LICENÇAS DEVIDO AOS TRANSTORNOS MENTAIS E COMPORTAMENTAIS Observa-se, na tabela abaixo, que o número de dias de licenças devidas a estes transtornos tinha aumentado sensivelmente desde que este levantamento começou a ser feito, sofrendo queda em TRANSTORNOS MENTAIS E COMPORTAMENTAIS Nº Licenças Nº dias de afastamento Servidores aposent. por invalidez A queda expressiva (-22,9%) no número de dias de afastamento devida aos transtornos mentais e comportamentais no último ano deve ser analisada levando-se em conta que, ao longo do ano de 2011, seis servidores foram aposentados por tais doenças e que, portanto, suas licenças deixaram de ser computadas. Nos anos anteriores, tais servidores encontravam-se em licenças por longos períodos, que ensejaram as aposentadorias e que aumentavam o total de licenças referentes a este grupo nosológico. Deve-se observar os futuros levantamentos para confirmar se haverá tendência à diminuição destas licenças ou se o observado foi um fato isolado. Tais transtornos continuam sendo a principal causa das aposentadorias por invalidez nesta Seção, pois 06 servidores foram encaminhados à aposentadoria por invalidez pela SEMOD após perícia e uma servidora foi aposentada por invalidez com base em laudo judicial, por doença do grupo M (doenças do sistema osteomuscular e do tecido conjuntivo), sem nexo com o trabalho e associada à doença do grupo F. 5

6 1.5. ESTATÍSTICAS DE LICENÇA PARA TRATAMENTO DE SAÚDE (LTS) POR LOTAÇÃO: SUBSEÇÃO MÉDIA DE DIAS DE AFASTAMENTO POR SUBSEÇÃO Nº Dias de Afastamento Total de Servidores da Subseção Média de dias de afastamento por servidor GUAÍRA ,24 APUCARANA ,48 CAMPO MOURÃO ,14 PARANAGUÁ ,75 UNIÃO DA VITÓRIA ,00 TOLEDO ,89 PONTA GROSSA ,05 GUARAPUAVA ,16 PATO BRANCO ,70 PARANAVAÍ ,32 CURITIBA ,02 LONDRINA ,32 UMUARAMA ,92 FRANCISCO BELTRÃO ,14 FOZ DO IGUAÇU ,93 MARINGÁ ,94 CASCAVEL ,35 JACAREZINHO ,58 TOTAL ,04 Observada a tabela acima se percebe que a média de dias de afastamento por Licença para Tratamento de Saúde por servidor da SJPR foi de 7,04 dias, valor inferior ao encontrado em 2010 (7,95 dias). As Subseções de Francisco Beltrão, Foz do Iguaçu, Maringá e Cascavel tiveram índices superiores à média, e nota-se que a Subseção de Jacarezinho apresentou índice acima do dobro da média ESTATÍSTICAS DE LICENÇA PARA TRATAMENTO DE SAÚDE (LTS) POR FAIXA ETÁRIA: Observa-se na tabela a seguir que a maioria dos servidores encontra-se na faixa etária de 30 a 40 e de 40 a 50 anos de idade (somados equivalem a 72,62% do total) e que estes totalizaram 70,97% das licenças. O grupo etário com menos de 30 anos apresentou proporcionalmente menos licenças do que aquele com mais de 50 anos, e isso provavelmente se deve à maior prevalência de doenças, especialmente as crônicas, mais comum entre os 6

7 indivíduos com mais idade. Os resultados encontram-se distribuídos dentro dos padrões esperados. FAIXA ETÁRIA (IDADE) LTS POR FAIXA ETÁRIA Nº Servidores % do Total Nº Dias Licença % do Total das Licenças Média de dias licença por servidor ATÉ 30 ANOS ,27% 760 7,78% 3,84 ENTRE 30 E 40 ANOS ,06% ,24% 5,49 ENTRE 40 E 50 ANOS ,56% ,73% 8,59 ENTRE 50 E 60 ANOS ,96% ,90% 12,30 MAIS DE 60 ANOS 16 1,15% 34 0,35% 2,13 TOTAL % ,00% 7, ESTATÍSTICAS DE LICENÇA PARA TRATAMENTO DE SAÚDE (LTS) POR TEMPO DE SERVIÇO NA SJPR: Quando observada a tabela acima se observa que, da mesma forma que se verificou na distribuição por faixas etárias, as licenças encontram-se distribuídas dentro do padrão esperado, ou seja, a maioria das licenças foi gozada pelo grupo mais populoso (entre 10 e 15 anos de serviço no Órgão). Proporcionalmente, o grupo com menos anos de serviço (e que provavelmente conta com indivíduos mais jovens) gozou de menos licenças e o grupo com mais anos de serviço (e provavelmente composto por indivíduos com mais idade) apresentou proporcionalmente mais licenças. LTS POR TEMPO DE SERVIÇO NA JFPR TEMPO DE SERVIÇO Nº Servidores % do Total Nº Dias Licença % do Total das Licenças Média de dias de licença por servidor ATÉ 05 ANOS ,57% 718 7,35% 3,12 ENTRE 05 E 10 ANOS ,03% ,38% 7,12 ENTRE 10 E 15 ANOS ,63% ,16% 6,93 ENTRE 15 E 20 ANOS ,86% ,63% 10,28 MAIS DE 20 ANOS 82 5,91% 731 7,48% 8,91 TOTAL % ,00% 7,04 7

8 2. LICENÇAS POR MOTIVO DE DOENÇA EM PESSOA DA FAMÍLIA (Art. 83 da Lei 8.112/90; exigência do código da CID de acordo com a Resolução do TRF da 4ª Região nº 39, de 11/06/2004) 2.1.QUANTIDADE DE LICENÇAS POR MOTIVO DE DOENÇA EM PESSOA DA FAMÍLIA (LTPF) POR PATOLOGIA: CID DESCRIÇÃO Nº DIAS L Doenças da pele e do tecido subcutâneo 01 0,47% O Gravidez, parto e puerpério 02 0,93% P Algumas afecções originadas no período perinatal 02 0,93% M Doenças do sistema osteomuscular e do tecido conjuntivo 03 1,40% G Doenças do sistema nervoso 04 1,87% C Neoplasias 05 2,34% D Doenças do sangue e imunes 05 2,34% E Doenças endócrinas, nutricionais e metabólicas 06 2,80% I Doenças do aparelho circulatório 06 2,80% Q Malform. congênitas, deformidades e anomalias cromossômicas 06 2,80% S e T Lesões, envenenamento e outras causas externas 07 3,27% K Doenças do aparelho digestivo 10 4,67% N Doenças do aparelho geniturinário 10 4,67% F Transtornos mentais e comportamentais 11 5,14% H Doenças do olho e anexos; ouvido e apófise mastóide 11 5,14% A e B Doenças infecciosas e parasitárias 18 8,41% R Sintomas, sinais e achados anormais de exames 25 11,68% Z Fatores que influenciam o estado de saúde e o contato com os serviços de saúde 30 14,02% J Doenças do aparelho respiratório 52 24,30% TOTAL % Neste ano 134 servidores (9,65% do total) gozaram deste tipo de licença, e ao se analisar os afastamentos pelo código da CID, constata-se que a maior parte das Licenças por Motivo de Doença em Pessoa da Família teve como motivo doenças do aparelho respiratório (24,30%). Tal porcentagem é semelhante à encontrada no ano passado e novamente se manteve o decréscimo em relação a 2009, ano em que houve pandemia de Gripe A (H1N1) e consequentemente aumento significativo das licenças deste grupo nosológico. 8

9 2.2. QUANTIDADE DE DIAS DE AFASTAMENTO POR LICENÇA POR MOTIVO DE DOENÇA EM PESSOA DA FAMÍLIA POR PATOLOGIA (LTPF): CID DESCRIÇÃO Nº LTS L Doenças da pele e do tecido subcutâneo 01 0,16% O Gravidez, parto e puerpério 03 0,49% M Doenças do sistema osteomuscular e do tecido conjuntivo 06 0,99% D Doenças do sangue e imunes 07 1,15% G Doenças do sistema nervoso 09 1,48% H Doenças do olho e anexos; ouvido e apófise mastóide 15 2,47% I Doenças do aparelho circulatório 15 2,47% P Algumas afecções originadas no período perinatal 16 2,64% N Doenças do aparelho geniturinário 21 3,46% A e B Doenças infecciosas e parasitárias 24 3,95% C Neoplasias 24 3,95% E Doenças endócrinas, nutricionais e metabólicas 24 3,95% Q Malform. congênitas, deformidades e anomalias cromossômicas 36 5,93% S e T Lesões, envenenamento e outras causas externas 38 6,26% R Sintomas, sinais e achados anormais de exames 44 7,25% K Doenças do aparelho digestivo 55 9,06% Z Fatores que influenciam o estado de saúde 82 13,51% J Doenças do aparelho respiratório 91 14,99% F Transtornos mentais e comportamentais 96 15,82% TOTAL % Neste levantamento observa-se que os Transtornos mentais e comportamentais dos familiares foram os que causaram maior número de afastamentos, dado que não havia sido observado em anos anteriores. Da mesma forma, as neoplasias, que em 2010 totalizavam maior número de dias de afastamento, apresentaram grande redução (de 17,4% para 3,95%). A segunda causa que mais levou a dias de trabalho perdidos em razão de doenças de familiares foram as patologias que acometem o aparelho respiratório SÉRIE HISTÓRICA DE AFASTAMENTOS POR LICENÇA POR MOTIVO DE DOENÇA EM PESSOA DA FAMÍLIA (LTPF) Nº Licenças Nº dias de afastamento

10 Ao interpretar a tabela acima é possível notar que o número de licenças e o número de dias de trabalho perdidos por motivo de doença em familiar vinha aumentando sensivelmente na SJPR até 2010, acompanhando o aumento do número de servidores. Entretanto, em 2011, houve diminuição de 19,7% no número de dias de afastamento por este tipo de licença. Deve-se observar, nos levantamentos futuros, se há tendência à queda do número de licenças ou se este foi um caso isolado. 3. LICENÇA À GESTANTE (Art. 207 da Lei 8.112/90 combinado com a Resolução nº 30, do CJF, de 22/10/ dias de afastamento): Número de Licenças à Gestante (180 dias de afastamento): SÉRIE HISTÓRICA DE AFASTAMENTOS POR LICENÇA À GESTANTE 2007* 2008* Nº Licenças Nº dias de afastamento * Em 2007 e até meados de 2008 as licenças à gestante eram concedidas por 120 dias. Observa-se aumento do número de dias de licença em comparação com anos anteriores e isso se deve ao acréscimo de 60 dias na concessão deste tipo de licença a partir de LICENÇA EM VIRTUDE DE ABORTO (Art. 207, 4º da Lei 8.112/90-30 dias de afastamento): Número de licenças aborto (30 dias de afastamento): SÉRIE HISTÓRICA DE AFASTAMENTOS POR LICENÇA EM VIRTUDE DE ABORTO Nº Licenças Nº dias de afastamento * 110* * * alguns afastamentos foram inferiores a 30 dias por solicitação da servidora e liberação médica. Percebe-se que em 2011 o número de licenças em virtude de aborto foi maior do que em 2010, entretanto dentro dos padrões anteriormente observados na série histórica. 10

11 5. LICENÇA POR ACIDENTE EM SERVIÇO (Art. 211 da Lei 8.112/90, vinculado à caracterização administrativa conforme a Resolução nº 28, do TRF 4ª Região, de 01/06/2007). 5.1.QUANTIDADE DE LICENÇAS POR ACIDENTE EM SERVIÇO POR PATOLOGIA: CID DESCRIÇÃO Nº Licenças F Transtornos mentais e comportamentais 01 20% S e T Lesões, envenenamento e outras causas externas 04 80% TOTAL % Um dos acidentes ocorrido não gerou licença propriamente dita (o servidor já havia trabalhado parte do expediente e não necessitou de afastamento nos dias seguintes). Entretanto, para fins deste levantamento, consideramos a ocorrência, já que houve caracterização administrativa de acidente em serviço QUANTIDADE DE DIAS DE AFASTAMENTO POR ACIDENTE EM SERVIÇO POR PATOLOGIA CID DESCRIÇÃO Nº DIAS F Transtornos mentais e comportamentais 45 34% S e T Lesões, envenenamento e outras causas externas 88 66% TOTAL % O grupo nosológico identificado como S e T - Lesões, envenenamento e outras causas externas (traumatismos) foi o motivo de 66% dos dias de trabalho perdidos devido a acidente SÉRIE HISTÓRICA DE AFASTAMENTOS POR LICENÇA POR ACIDENTE EM SERVIÇO Nº Licenças Nº dias de afastamento * * em 2009 e 2011 houve caracterização de acidente de trabalho que não gerou afastamento do trabalho (a intercorrência foi tratada durante o horário de expediente). Observa-se na tabela acima que o número de dias de trabalho perdidos em razão de acidente em serviço não é uniforme quando se observa a série histórica. Isso se deve porque o afastamento é proporcional à natureza e gravidade do acidente, que têm variado muito. 11

12 CONCLUSÃO O levantamento estatístico das licenças de saúde, realizado sistematicamente nos últimos cinco anos mostra que as licenças deste tipo vinham aumentando nesta Seção Judiciária, acompanhando o aumento do quadro de servidores, e nos últimos anos sugeria estabilização. Neste ano, o número total de licenças manteve-se, entretanto observou-se outra distribuição: foram concedidas mais Licenças à Gestante e houve diminuição de ocorrências e de número de dias de afastamento devidos à Licença para Tratamento de Saúde e por Motivo de Doença em Pessoa da Família. Em 2011, entrou em vigor na Seção Judiciária do Paraná a Norma de Serviço nº 79, de 01/04/2011 (alterada pela Norma nº 87 de 04/11/2011) que alterou os prazos mínimos para realização de perícias e inspeções, intensificando o processo fiscalizatório, assim como previa a possibilidade de destituição de função comissionada dos servidores que apresentassem Licenças para Tratamento de Saúde por mais de sessenta dias consecutivos. Cabe registrar que se observou diminuição do número de algumas licenças, entretanto é prudente avaliar em longo prazo se tais medidas fiscalizatórias foram realmente as responsáveis pela diminuição do absenteísmo ou se os dados deste ano foram isolados. Outro fator a ser avaliado é que no decorrer do presente ano foram aposentarados por invalidez sete servidores que, nos anos anteriores, apresentavam longas licenças e estavam em processo de análise de concessão de aposentadoria pelo TRF-4ª Região. Apenas no exercício de 2010, tais servidores, em conjunto, totalizaram 2360 dias de licença. A partir do Ato de Aposentadoria, tais licenças deixaram de ser computadas, diminuindo consideravelmente o total. Mesmo sendo percebida diminuição das licenças, os dados deste levantamento corroboram que as doenças que mais afastam os servidores do trabalho são indiscutivelmente as doenças psiquiátricas. Foi observado que as licenças relacionadas à saúde mental têm aumentado sensivelmente em relação aos anos anteriores. Tais informações reforçam a necessidade de providências nesta área, tal como a continuidade do Programa de Saúde Mental, desenvolvido pela médica psiquiatra desta Seção, já que os afastamentos deste tipo estão associados a licenças prolongadas, portanto com maiores prejuízos à produtividade, inclusive sendo a principal causa ensejadora de aposentadoria por invalidez. Até o momento, não pôde ser verificado pelo programa se há nexo entre os transtornos mentais encontrados e o trabalho, mas novos estudos deverão ser conduzidos. Vale lembrar que na pesquisa de condições de saúde realizada nesta Seção Judiciária, em 2010, observou-se que a distribuição de distúrbios mentais entre os integrantes desta Instituição é semelhante à da população em geral. As doenças do sistema osteomuscular, em que estão incluídas as enfermidades que podem ter relação com a atividade laboral nesta Seção Judiciária (especialmente o uso do computador e digitação) demandam ações de prevenção como a manutenção da ginástica laboral, se possível diariamente, assim como que o aconselhamento ergonômico seja intensificado (já há ações realizadas pela médica do trabalho e pela enfermeira desta Seção). Sugere-se, ainda, criação de vaga para fisioterapeuta na equipe de saúde, que poderia atuar com ênfase em ergonomia em todo o Estado. Também se considera importante enfatizar a necessidade de pausas curtas durante a jornada de trabalho. As pausas e exercícios específicos para a visão na ginástica laboral foram sugeridos para minimizar o efeito do uso contínuo dos computadores, já que a virtualização dos processos é a regra. 12

13 Quanto às doenças do aparelho respiratório, deve-se principalmente continuar a atuar na prevenção da gripe, como é de praxe organizar a vacinação dos servidores e familiares contra Influenza. Sugere-se que estas ações sejam mantidas, considerando que boa parte do Estado tem inverno rigoroso e são frequentes os surtos de gripe. No que diz respeito a outras patologias, ações já desenvolvidas ou planejadas por esta Seção podem prevení-las e consequentemente diminuir o número de licenças em curto, médio e longo prazo. Das estas ações já realizadas pode-se citar: o Programa de Check-up de Servidores e Magistrados, na Subseção de Curitiba; o atendimento odontológico, a distribuição de folders e publicação de textos na Revista da SJPR com informações de saúde. Outra ação que se considera importante para monitoramento e prevenção de doenças é a realização de exames médicos periódicos, obrigatórios, conforme prevê a Lei nº 8.112/1990: "O servidor será submetido a exames médicos periódicos, nos termos e condições definidos em regulamento" (artigo 206-A incluído pela Lei nº /2009). O Decreto nº 6.856, de 25/05/2009, editado para regulamentar o citado artigo, prevê a periodicidade para a realização dos exames, considerando a idade e a atividade exercidas pelos servidores. A instituição de tais exames está, no presente, sendo objeto de análise do TRF da 4ª Região. Núcleo de Acompanhamento e Desenvolvimento Humano Seção Médica e Odontológica 13

LEVANTAMENTO ESTATÍSTICO DAS LICENÇAS DE SAÚDE 2012

LEVANTAMENTO ESTATÍSTICO DAS LICENÇAS DE SAÚDE 2012 PODER JUDICIÁRIO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ NADH/SEMOD Av. Anita Garibaldi, nº 888. CEP 80.540-180. Curitiba-PR Tel.: (41) 3313-4460 semod@jfpr.gov.br Curitiba, 21 de dezembro de 2012. LEVANTAMENTO ESTATÍSTICO

Leia mais

INDICADORES DE SAÚDE E ESTATÍSTICAS VITAIS I. Epidemiologia 2

INDICADORES DE SAÚDE E ESTATÍSTICAS VITAIS I. Epidemiologia 2 INDICADORES DE SAÚDE E ESTATÍSTICAS VITAIS I Epidemiologia 2 Fórmulas, conceitos notícias de EPI2 Acesse do seu celular, tablet ou computador Indicadores de saúde São medidas que descrevem as características

Leia mais

CAUSAS DE MORBIDADE HOSPITALAR POR DOENÇAS DE INTERNAÇÃO EVITÁVEL EM CRIANÇAS DE 1 A 4 ANOS

CAUSAS DE MORBIDADE HOSPITALAR POR DOENÇAS DE INTERNAÇÃO EVITÁVEL EM CRIANÇAS DE 1 A 4 ANOS CAUSAS DE MORBIDADE HOSPITALAR POR DOENÇAS DE INTERNAÇÃO EVITÁVEL EM CRIANÇAS DE 1 A 4 ANOS Scaleti Vanessa Brisch 1 Beatriz Rosana Gonçalves de Oliveira Toso RESUMO: Estudo sobre as causas de internações

Leia mais

PORTO ALEGRE. Mortalidade por Gerencia Distrital, 2010

PORTO ALEGRE. Mortalidade por Gerencia Distrital, 2010 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal de Saúde/SMS Coordenadoria Geral de Vigilância da Saúde/CGVS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis PORTO

Leia mais

VII REUNIÃO. Data: 28/08/2015 COGESP/SEPOG/PMF

VII REUNIÃO. Data: 28/08/2015 COGESP/SEPOG/PMF VII REUNIÃO Data: 28/08/2015 COGESP/SEPOG/PMF Organograma SEPOG COGESP/SEPOG/PMF Organograma COGESP Ângela Márcia e Noeme Milfont Samarkandra Bandeira Lena Neiva Tania Beserra Izabel Sizina Fabricio Torres

Leia mais

2000 2003 Porto Alegre

2000 2003 Porto Alegre 2000 2003 Porto Alegre 1 Tabela 1- Série histórica do número de óbitos e Coeficientes de Mortalidade Geral (CMG) no Brasil, Rio Grande do Sul e Porto Alegre, 1980-2003 Brasil RS Porto Alegre Ano óbitos

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo DEMOGRAFIA População Total 15.690 População por Gênero Masculino 8.314 Participação % 52,99 Feminino 7.376

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves DEMOGRAFIA População Total 92.860 População por Gênero Masculino 47.788 Participação % 51,46 Feminino 45.072 Participação

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará DEMOGRAFIA População Total 7.475 População por Gênero Masculino 3.879 Participação % 51,89 Feminino

Leia mais

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 311,58 Urbana 347,47 Rural 168,26

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 311,58 Urbana 347,47 Rural 168,26 SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Marabá DEMOGRAFIA População Total 233.669 População por Gênero Masculino 118.196 Participação % 50,58 Feminino 115.473

Leia mais

EDUCAÇÃO. SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra

EDUCAÇÃO. SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra DEMOGRAFIA População Total 20.183 População por Gênero Masculino 10.292 Participação % 50,99 Feminino 9.891

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba DEMOGRAFIA População Total 97.493 População por Gênero Masculino 49.681 Participação % 50,96 Feminino 47.812

Leia mais

Introdução. Métodos Resultados

Introdução. Métodos Resultados GASTO MÉDIO PER CAPITA DO MINISTÉRIO DA SAÚDE COM MEDICAMENTOS EXCEPCIONAIS Cristina Mariano Ruas Brandão Iola Gurgel Andrade, Mariângela Leal Cherchiglia, Grazielle Dias da Silva, Augusto Afonso Guerra

Leia mais

Lista de Tabulação CID-BR

Lista de Tabulação CID-BR Mortalidade CID-10 Lista de Tabulação CID-BR Esta classificação foi elaborada a partir da Lista de Tabulação da CID-BR-9, uma versão da Lista Básica de Tabulação da Classificação Internacional de Doenças

Leia mais

Evolução da Mortalidade no Rio Grande do Sul *

Evolução da Mortalidade no Rio Grande do Sul * Evolução da Mortalidade no Rio Grande do Sul * Marilene Dias Bandeira UFRGS - Fundação de Economia e Estatística Palavras-chave: mortalidade; causas de morte; tendências da mortalidade. O objetivo deste

Leia mais

Mortalidade CID-10 Lista de Tabulação CID-BR

Mortalidade CID-10 Lista de Tabulação CID-BR Mortalidade CID-10 Lista de Tabulação CID-BR Esta classificação foi elaborada a partir da Lista de Tabulação da CID-BR-9, uma versão da Lista Básica de Tabulação da Classificação Internacional de Doenças

Leia mais

Anuário Estatístico do Município de Belém 2010 C A P Í T U L O 02 CARACTERÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SÓCIO-ECONÔMICAS DA POPULAÇÃO

Anuário Estatístico do Município de Belém 2010 C A P Í T U L O 02 CARACTERÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SÓCIO-ECONÔMICAS DA POPULAÇÃO Anuário Estatístico do Município de Belém 2010 57 C A P Í T U L O 02 CARACTERÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SÓCIO-ECONÔMICAS DA POPULAÇÃO 58 Anuário Estatístico do Município de Belém 2010 Anuário Estatístico do

Leia mais

No Brasil, principalmente até a década de 1970 investiu-se em hospitais onde, os olhos do poder público, enfatizavam somente o curativo.

No Brasil, principalmente até a década de 1970 investiu-se em hospitais onde, os olhos do poder público, enfatizavam somente o curativo. 7 DIMENSÃO SAÚDE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 7.1 Câmara Técnica de Saúde do Codep Desde os primórdios da história da civilização, a saúde era tratada somente como cura de doença. Com o passar dos tempos foi-se

Leia mais

MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL

MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL Roberto Passos Nogueira 1 Introdução Os estudos sobre mortalidade comumente têm por base a Classificação Internacional das Doenças (CID), que é elaborada

Leia mais

ID:1772 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL

ID:1772 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL Memorias Convención Internacional de Salud. Cuba Salud 15 ISBN 78-5-1-63-4 ID:177 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL Andrade Rios, Marcela; Rodrigues

Leia mais

Mortalidade por transtornos mentais e comportamentais e a reforma psiquiátrica no Brasil contemporâneo

Mortalidade por transtornos mentais e comportamentais e a reforma psiquiátrica no Brasil contemporâneo R E V I S T A LATINOAMERICANA DE PSICOPATOLOGIA F U N D A M E N T A L Mortalidade por transtornos mentais e comportamentais e a reforma psiquiátrica no Brasil contemporâneo Fernando Portela Câmara 278

Leia mais

Sistema de Informações sobre Mortalidade - SIM

Sistema de Informações sobre Mortalidade - SIM Sistema de Informações sobre Mortalidade - SIM Consolidação da base de dados de 11 Coordenação Geral de Informações e Análise Epidemiológica - CGIAE Este documento é um breve resumo de caraterísticas do

Leia mais

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 288,39 Urbana 309,57 Rural 167,10

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 288,39 Urbana 309,57 Rural 167,10 SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Jacundá DEMOGRAFIA População Total 51.360 População por Gênero Masculino 25.769 Participação % 50,17 Feminino 25.591

Leia mais

EDUCAÇÃO Total de Escolas no Município Ensino Fundamental Ensino Médio Número de Matrículas Educação Infantil Creche 237

EDUCAÇÃO Total de Escolas no Município Ensino Fundamental Ensino Médio Número de Matrículas Educação Infantil Creche 237 SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Água Azul do Norte DEMOGRAFIA População Total 25.057 População por Gênero Masculino 13.618 Participação % 54,35 Feminino

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Ananindeua DEMOGRAFIA População Total 471.

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Ananindeua DEMOGRAFIA População Total 471. SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Ananindeua DEMOGRAFIA População Total 471.980 População por Gênero Masculino 226.635 Participação % 48,02 Feminino 245.345

Leia mais

HIV/Aids Hepatites Virais Crônicas (HBV/HCV)

HIV/Aids Hepatites Virais Crônicas (HBV/HCV) HIV/Aids Hepatites Virais Crônicas (HBV/HCV) Epidemiologia Paula V. M. Toledo Infectologista SVS SESA Infecções virais crônicas O quadro agudo pode ser assintomático Evoluem para a forma crônica permanece

Leia mais

A notificação da violência doméstica e sexual na Bahia

A notificação da violência doméstica e sexual na Bahia Secretaria da Saúde do Estado da Bahia- SESAB Diretoria de Vigilância Epidemiológica- DIVEP Coordenação de Doenças e Agravos Não Transmissíveis- DANT A notificação da violência doméstica e sexual na Bahia

Leia mais

Rede de Teleassistência de Minas Gerais. Antonio Ribeiro Hospital das Clínicas da UFMG

Rede de Teleassistência de Minas Gerais. Antonio Ribeiro Hospital das Clínicas da UFMG Rede de Teleassistência de Minas Gerais Antonio Ribeiro Hospital das Clínicas da UFMG Outubro de 2014 até Setembro/2014 Número de akvidades 50.000 45.000 ECGs (821 pontos) e Teleconsultorias online e

Leia mais

Mortalidade em idosos: desenvolvimento e aplicação de uma metodologia para a recuperação da informação sobre a causa básica* 1

Mortalidade em idosos: desenvolvimento e aplicação de uma metodologia para a recuperação da informação sobre a causa básica* 1 Mortalidade em idosos: desenvolvimento e aplicação de uma metodologia para a recuperação da informação sobre a causa básica* 1 Angela Maria Cascão (1 ) e Pauline Lorena Kale (2) RESUMO Introdução: Os idosos

Leia mais

ACES Vale Sousa Sul. Perfil Local de Saúde 2009. Aspectos a destacar

ACES Vale Sousa Sul. Perfil Local de Saúde 2009. Aspectos a destacar Perfil Local de Saúde 2009 Índice Aspectos a destacar Ligações Este Perfil Local de Saúde proporciona-lhe um olhar rápido mas integrador, sobre a saúde da população da área geográfica de influência do

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico ISSN 1806-0463 Secretaria da Saúde v. 14 Suplemento 1 12 Boletim Epidemiológico Análise da Mortalidade por Doenças Crônicas Não Transmissíveis no Rio Grande Luciana Sehn 1 1 Estatística do Centro Estadual

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO E DA PREVIDÊNCIA

SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO E DA PREVIDÊNCIA SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO E DA PREVIDÊNCIA RESOLUÇÃO Nº 610 5 Súmula: Aprova o Manual de Perícia Médica dos servidores da Administração Direta e Autárquica do Poder Executivo. A Secretária

Leia mais

Anuário Estatístico do Município de Belém -2012 DEMOGRAFIA 1 C A P Í T U L O 02 CARACTERÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SÓCIO ECONÔMICAS DA POPULAÇÃO

Anuário Estatístico do Município de Belém -2012 DEMOGRAFIA 1 C A P Í T U L O 02 CARACTERÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SÓCIO ECONÔMICAS DA POPULAÇÃO Anuário Estatístico do Município de Belém -2012 DEMOGRAFIA 1 C A P Í T U L O 02 CARACTERÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SÓCIO ECONÔMICAS DA POPULAÇÃO 2 DEMOGRAFIA Anuário Estatístico do Município de Belém- 2012

Leia mais

Análise do absenteísmo durante o ano de 2010. Comparação evolutiva no período de 2007 a 2010

Análise do absenteísmo durante o ano de 2010. Comparação evolutiva no período de 2007 a 2010 ANÁLISE DO ABSENTEÍSMO POR LICENÇAS MÉDICAS NO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 3ª REGIÃO DURANTE O ANO DE 2010 E COMPARAÇÃO EVOLUTIVA NO PERÍODO DE 2007 A 2010 Autor e apresentador: Lorenzo Giuseppe Franzero

Leia mais

SITUAÇÃO DA GRIPE NO PARANÁ - 2013 BOLETIM INFORMATIVO - 04/2013 Atualizado em 28/06/2013

SITUAÇÃO DA GRIPE NO PARANÁ - 2013 BOLETIM INFORMATIVO - 04/2013 Atualizado em 28/06/2013 Governo do Estado do Paraná (SESA) Sala de Situação em Saúde SITUAÇÃO DA GRIPE NO PARANÁ - 2013 BOLETIM INFORMATIVO - 04/2013 Atualizado em 28/06/2013 Mortes por gripe estão ligadas a doenças crônicas

Leia mais

FACULDADE IBGEN INSTITUTO BRASILEIRO DE GESTÃO DE NEGÓCIOS MBA EM GESTÃO PÚBLICA

FACULDADE IBGEN INSTITUTO BRASILEIRO DE GESTÃO DE NEGÓCIOS MBA EM GESTÃO PÚBLICA FACULDADE IBGEN INSTITUTO BRASILEIRO DE GESTÃO DE NEGÓCIOS MBA EM GESTÃO PÚBLICA Absenteísmo em um Hospital Público de Emergência de Porto Alegre Doenças determinantes e sugestões de Gestão ALMIR VERGARA

Leia mais

BH- VIVA CRIANÇA AGENDA DE COMPROMISSO COM A SAÚDE INTEGRAL DA CRIANÇA E ADOLESCENTE. Coordenação de Atenção à Criança SMSA-BH 2003

BH- VIVA CRIANÇA AGENDA DE COMPROMISSO COM A SAÚDE INTEGRAL DA CRIANÇA E ADOLESCENTE. Coordenação de Atenção à Criança SMSA-BH 2003 BH- VIVA CRIANÇA AGENDA DE COMPROMISSO COM A SAÚDE INTEGRAL DA CRIANÇA E ADOLESCENTE Coordenação de Atenção à Criança SMSA-BH 2003 Percentual de NV filhos de mães adolescentes. Belo Horizonte, 1996-2002.

Leia mais

Anuário Estatístico do Município de Belém 2011 DEMOGRAFIA 1 C A P Í T U L O 02 CARACTERÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SÓCIO ECONÔMICAS DA POPULAÇÃO

Anuário Estatístico do Município de Belém 2011 DEMOGRAFIA 1 C A P Í T U L O 02 CARACTERÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SÓCIO ECONÔMICAS DA POPULAÇÃO Anuário Estatístico do Município de Belém 2011 DEMOGRAFIA 1 C A P Í T U L O 02 CARACTERÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SÓCIO ECONÔMICAS DA POPULAÇÃO 2 DEMOGRAFIA Anuário Estatístico do Município de Belém 2011 Anuário

Leia mais

Causas de morte 2013

Causas de morte 2013 Causas de morte 2013 26 de maio de 2015 Causas de morte 2013 Os tumores malignos e as doenças do aparelho circulatório estiveram na origem de mais de metade dos óbitos ocorridos no país em 2013, representando

Leia mais

Indicadores hospitalares

Indicadores hospitalares Indicadores hospitalares Núcleo de Informação em Saúde de- NIS Hospital das Clínicas - FMUSP Departamento de Medicina Preventiva Faculdade de Medicina USP Hospital das Clinicas - FMUSP Complexo hospitalar

Leia mais

SITUAÇÃO DA GRIPE NO PARANÁ - 2013 BOLETIM INFORMATIVO - 02/2013 Atualizado em 06/06/2014

SITUAÇÃO DA GRIPE NO PARANÁ - 2013 BOLETIM INFORMATIVO - 02/2013 Atualizado em 06/06/2014 Governo do Estado do Paraná (SESA) Sala de Situação em Saúde SITUAÇÃO DA GRIPE NO PARANÁ - 2013 BOLETIM INFORMATIVO - 02/2013 Atualizado em 06/06/2014 No boletim quinzenal da gripe divulgado nesta sexta-feira

Leia mais

SIM - Sistema de Informação sobre Mortalidade. PORTO ALEGRE - Relatório 2007

SIM - Sistema de Informação sobre Mortalidade. PORTO ALEGRE - Relatório 2007 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal de Saúde/SMS Coordenadoria Geral de Vigilância da Saúde/CGVS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis SIM -

Leia mais

Controle e Mapeamento de Doenças Ósteo-musculares. José Waldemir Panachão Médico do Trabalho Health Total - TRF3

Controle e Mapeamento de Doenças Ósteo-musculares. José Waldemir Panachão Médico do Trabalho Health Total - TRF3 Controle e Mapeamento de Doenças José Waldemir Panachão Médico do Trabalho Health Total - TRF3 O porque da realização do controle no TRF da 3ª região : 1. Procura espontânea dos Servidores 2. Processos

Leia mais

SIM Sistema de Informação sobre Mortalidade

SIM Sistema de Informação sobre Mortalidade SIM Sistema de Informação sobre Mortalidade Porto Alegre RELATÓRIO 2006 1 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeito José Fogaça Secretaria Municipal da Saúde Secretário Eliseu Santos Coordenadoria

Leia mais

Poluição do Ar e a Saúde Respiratória no Município de Duque de Caxias

Poluição do Ar e a Saúde Respiratória no Município de Duque de Caxias Poluição do Ar e a Saúde Respiratória no Município de Duque de Caxias Felipe Sodré felipe.b4rros@gmail.com ( PUC-Rio) Felipe Fraifeld felipefrai@gmail.com (PUC-Rio) Leonardo Novaes - Objetivo geral: O

Leia mais

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 *

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * Andréa Branco Simão UFMG/Cedeplar Luiza de Marilac de Souza UFMG/Cedeplar Palavras Chave:

Leia mais

Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 *

Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 * Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 * Maria Elizete Gonçalves Alexandar de Brito Barbosa Palavras-chave: mortalidade;

Leia mais

PRÁ-SABER: Informações de Interesse à Saúde SIM 1999/2000. SiSistema de Informação sobre Mortalidade

PRÁ-SABER: Informações de Interesse à Saúde SIM 1999/2000. SiSistema de Informação sobre Mortalidade PRÁ-SABER: Informações de Interesse à Saúde SiSistema de Informação sobre Mortalidade SIM 1999/2000 1 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal da Saúde Coordenadoria Geral de Vigilância

Leia mais

SIGOWeb Informática Ltda CONTESTAÇÃO ADMINISTRATIVA À CONCESSÃO DO BENEFÍCIO ACIDENTÁRIO

SIGOWeb Informática Ltda CONTESTAÇÃO ADMINISTRATIVA À CONCESSÃO DO BENEFÍCIO ACIDENTÁRIO CONTESTAÇÃO ADMINISTRATIVA À CONCESSÃO DO BENEFÍCIO ACIDENTÁRIO Dr. Airton Kwitko: kwitko@sigoweb.com.br A partir de 2010 o País convive com o Fator Acidentário de Prevenção (FAP). O FAP é calculado através

Leia mais

Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis Perfil epidemiológico de mortalidade por

Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis Perfil epidemiológico de mortalidade por Perfil epidemiológico de mortalidade por NEOPLASIAS Porto Alegre 1996-2006 1 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeito José Fogaça Secretaria Municipal da Saúde Secretário Eliseu Santos Coordenadoria

Leia mais

PLANOS PRIVADOS DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE PLANO COLETIVO POR ADESÃO

PLANOS PRIVADOS DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE PLANO COLETIVO POR ADESÃO PLANOS PRIVADOS DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE PLANO COLETIVO POR ADESÃO UM ESTUDO DE CASO Sandra Maria Lima de Oliveira Psicóloga, diretora da Géia Consultoria e Corretora de Seguros. LEGISLAÇÃO A Constituição

Leia mais

Tendência da mortalidade da população paulista por neoplasias malignas

Tendência da mortalidade da população paulista por neoplasias malignas Resenha de Estatísticas Vitais do Ano 8 nº 3 Novembro 2007 Tendência da mortalidade da população paulista por neoplasias malignas O século XX se caracterizou, sob o ponto de vista da saúde, pela transição

Leia mais

APARELHOS ELÉTRICOS, ELETRÔNICOS E TELECOMUNICAÇÃO

APARELHOS ELÉTRICOS, ELETRÔNICOS E TELECOMUNICAÇÃO APARELHOS ELÉTRICOS, ELETRÔNICOS E TELECOMUNICAÇÃO SENAI - AMPÉRE auxiliar administrativo e de produção industrial SENAI - APUCARANA Planejamento, Programação e Controle de Produção - PPCP SENAI - ARAPONGAS

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ARAGUAIA Av. Carlos Hugueney, 552 - Centro - CEP.: 78.780-000 Tel/Fax.: (065) 481 1139-481 1431

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ARAGUAIA Av. Carlos Hugueney, 552 - Centro - CEP.: 78.780-000 Tel/Fax.: (065) 481 1139-481 1431 LEI N.º 761/93 Dispõe sobre o Estatuto do Magistério Público municipal de Alto Araguaia. O Prefeito Municipal de Alto Araguaia, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, faço saber que

Leia mais

PANIFICAÇÃO. Qualificação profissional básica Operador de Processos de Produção

PANIFICAÇÃO. Qualificação profissional básica Operador de Processos de Produção PANIFICAÇÃO SENAI - AMPÉRE SENAI - APUCARANA Higiene Aplicada à Manipulação de Alimentos Planejamento, Programação e Controle de Produção - PPCP SENAI - ARAPONGAS Administração de Materiais Atendimento

Leia mais

Cerâmicas e Olarias. Qualificação profissional básica Operador de Processos de Produção

Cerâmicas e Olarias. Qualificação profissional básica Operador de Processos de Produção Cerâmicas e Olarias SENAI - AMPÉRE SENAI - APUCARANA Planejamento, Programação e Controle de Produção - PPCP SENAI - ARAPONGAS Administração de Materiais Atendimento ao Público para Vigias e Porteiros

Leia mais

III Congresso Brasileiro dos Serviços de Saúde do Poder Judiciário

III Congresso Brasileiro dos Serviços de Saúde do Poder Judiciário III Congresso Brasileiro dos Serviços de Saúde do Poder Judiciário CAIXA ECONÔMICA FEDERAL PRO Programa de Reabilitação Histórico... PRT Programa de Readaptação ao Trabalho De SET/2000 a JUN/2004. Objetivos:

Leia mais

INCAPACIDADE LABORAL AUXÍLIO-DOENÇA E BENEFÍCIO POR NO INSS

INCAPACIDADE LABORAL AUXÍLIO-DOENÇA E BENEFÍCIO POR NO INSS INCAPACIDADE LABORAL E BENEFÍCIO POR AUXÍLIO-DOENÇA NO INSS 1 2 MARA APARECIDA GIMENES Curso de Especialização em Medicina do Trabalho ministrado pela Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual

Leia mais

II INFORME MUNICIPAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE 2º TRIMESTRE DE 2013

II INFORME MUNICIPAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE 2º TRIMESTRE DE 2013 1 INDICADORES MUNICIPAIS DE SAÚDE II INFORME MUNICIPAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE 2º TRIMESTRE DE 2013 Ago/2013 2 INTRODUÇÃO A Vigilância em Saúde tem como objetivo a análise permanente da situação de saúde

Leia mais

A SAÚDE DOS PORTUGUESES

A SAÚDE DOS PORTUGUESES A SAÚDE DOS PORTUGUESES A Saúde dos Portugueses A propósito do DIA DO DOENTE, a Direção-Geral da Saúde publica dados sumários sobre a SAÚDE DOS PORTUGUESES. Em termos de evolução 2008-2014 1, o quadro

Leia mais

Journal of Public Health

Journal of Public Health Universidade de São Paulo Faculdade de Saúde Pública VOLUME 34 NÚMERO 1 FEVEREIRO 2000 p. 21-28 Revista de Saúde Pública Journal of Public Health Equivalência entre revisões da Classificação Internacional

Leia mais

Orientações aos servidores do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA) quanto aos procedimentos relativos à perícia médica e

Orientações aos servidores do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA) quanto aos procedimentos relativos à perícia médica e Orientações aos servidores do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA) quanto aos procedimentos relativos à perícia médica e odontológica através da UNIDADE SIASS/INSS, de que trata

Leia mais

Óbitos de menores de um ano 2000 2003 Porto Alegre

Óbitos de menores de um ano 2000 2003 Porto Alegre Óbitos de menores de um ano 2000 2003 Porto Alegre Tabela 1 - Distribuição dos óbitos infantis, segundo a classificação de evitabilidade, Porto Alegre, 1996/1999 ANOS ÓBITOS EVITÁVEIS 1996 1997 1998 1999

Leia mais

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL - MPS. Novo FAP Setor Financeiro

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL - MPS. Novo FAP Setor Financeiro Novo FAP Setor Financeiro 1. Fortalecimento da Cultura de Prevenção na Seguridade Social: Proteção constit. e legal: Valor social do Trabalho. Fortalecer a ação da melhoria ambiental no trabalho: maior

Leia mais

VULNERABILIDADE PARA A MORTE POR HOMICÍDIOS E PRESENÇA DE DROGAS NA OCASIÃO DA OCORRÊNCIA DO ÓBITO 2001 A 2006

VULNERABILIDADE PARA A MORTE POR HOMICÍDIOS E PRESENÇA DE DROGAS NA OCASIÃO DA OCORRÊNCIA DO ÓBITO 2001 A 2006 VULNERABILIDADE PARA A MORTE POR HOMICÍDIOS E PRESENÇA DE DROGAS NA OCASIÃO DA OCORRÊNCIA DO ÓBITO 2001 A 2006 BETIM/MG Márcia Dayrell Secretaria Municipal de Saúde de Betim (MG) Serviço de Vigilância

Leia mais

CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO

CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO Morrem mais brancos por causa naturais e negros por motivos externos. A s estatísticas de morbidade e mortalidade têm sido utilizadas por epidemiologistas, demógrafos

Leia mais

Mortalidade geral 1996 a 2012 Notas Técnicas

Mortalidade geral 1996 a 2012 Notas Técnicas Mortalidade geral 1996 a 2012 Notas Técnicas Origem dos dados Os dados disponíveis são oriundos do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM), sistema este gerido pelo Departamento de Análise de Situação

Leia mais

SITUAÇÃO DA GRIPE A (H1N1) NO PARANÁ - 2012 BOLETIM INFORMATIVO - 03/2012 Atualizado em 02/07/2012 às 18h

SITUAÇÃO DA GRIPE A (H1N1) NO PARANÁ - 2012 BOLETIM INFORMATIVO - 03/2012 Atualizado em 02/07/2012 às 18h Governo do Estado do Paraná (SESA) Sala de Situação em Saúde SITUAÇÃO DA GRIPE A (H1N1) NO PARANÁ - 2012 BOLETIM INFORMATIVO - 03/2012 Atualizado em 02/07/2012 às 18h A informa que o Paraná teve 381 casos

Leia mais

Projeto de Lei N.º, de 2012 (do Sr. Arnaldo Faria de Sá)

Projeto de Lei N.º, de 2012 (do Sr. Arnaldo Faria de Sá) Projeto de Lei N.º, de 2012 (do Sr. Arnaldo Faria de Sá) Altera o art. 186, da Lei 8.112/90 e o art. 151 da Lei 8.213/91 O Congresso Nacional decreta: Art. 1º - O 1º, do art. 186, da Lei 8.112/90, passa

Leia mais

Seminário Anual de Saúde 2010: Cultura de Saúde e Dividendos para o Negócio Uma Visão Estratégica. Setembro/2010

Seminário Anual de Saúde 2010: Cultura de Saúde e Dividendos para o Negócio Uma Visão Estratégica. Setembro/2010 Seminário Anual de Saúde 2010: Cultura de Saúde e Dividendos para o Negócio Uma Visão Estratégica Setembro/2010 Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein Instituição de Saúde composta

Leia mais

A CONTRIBUIÇAO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES PARA A VIGILÂNCIA À SAÚDE DO TRABALHADOR: UM ENFOQUE SOBRE O ABSENTEÍSMO

A CONTRIBUIÇAO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES PARA A VIGILÂNCIA À SAÚDE DO TRABALHADOR: UM ENFOQUE SOBRE O ABSENTEÍSMO A CONTRIBUIÇAO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES PARA A VIGILÂNCIA À SAÚDE DO TRABALHADOR: UM ENFOQUE SOBRE O ABSENTEÍSMO THE CONTRIBUTION OF AN INFORMATION SYSTEM TO HEALTH SURVEILLANCE AT WORK: A FOCUS ON

Leia mais

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil As taxas médias de incidência de câncer por 1.000.000 de crianças e adolescentes (0 a 18 anos), segundo sexo, faixa etária e período disponível das informações para os 20 RCBP brasileiros, são apresentadas

Leia mais

Dia Mundial em Memória às Vítimas de Acidentes de Trabalho

Dia Mundial em Memória às Vítimas de Acidentes de Trabalho Dia Mundial em Memória às Vítimas de Acidentes de Trabalho 1 1º Boletim Quadrimestral Coordenação-Geral de Monitoramento Benefício por Incapacidade CGMBI/DPSSO/SPS/MPS Informe Especial por Ocasião do

Leia mais

Oficina 2. Maria Izabel Azevedo Noronha SAÚDE MENTAL E TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO. 29 de Novembro de 2008. Palestrante:

Oficina 2. Maria Izabel Azevedo Noronha SAÚDE MENTAL E TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO. 29 de Novembro de 2008. Palestrante: Palestrante: Seminário Nacional de Saúde Mental e Trabalho São Paulo, 28 e 29 de novembro de 2008 Maria Izabel Azevedo Noronha Oficina 2 SAÚDE MENTAL E TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO 29 de Novembro de 2008

Leia mais

Bases de Dados em Saúde

Bases de Dados em Saúde Pesquisas e Fontes de Dados Administrativos para o Ciclo de políticas públicas ANIPES Dezembro - 2010 Bases de Dados em Saúde Denise Porto SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE Transição

Leia mais

Óbitos de mulheres em idade fértil e óbitos maternos Notas Técnicas

Óbitos de mulheres em idade fértil e óbitos maternos Notas Técnicas Óbitos de mulheres em idade fértil e óbitos maternos Notas Técnicas Origem dos dados Os dados disponíveis são oriundos do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM), sistema este gerido pelo Departamento

Leia mais

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL D E R A L PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS 20/03/06 O levantamento de campo realizado pelo DERAL, no

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual e,

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual e, DECRETO N.º 2297 R, DE 15 DE JULHO DE 2009. (Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial de 16/07/2009) Dispõe sobre procedimentos para concessão de licenças médicas para os servidores públicos

Leia mais

Tendência da Mortalidade em Idosos na Cidade do Rio de Janeiro 1979 a 2003

Tendência da Mortalidade em Idosos na Cidade do Rio de Janeiro 1979 a 2003 Tendência da Mortalidade em Idosos na Cidade do Rio de Janeiro 1979 a 23 Alcides Carneiro Rosanna Iozzi da Silva Palavras-chave: mortalidade; saúde do idoso; epidemiologia do envelhecimento. Resumo Este

Leia mais

Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com

Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com Educação do olhar enxergar entender AÇÃO compreender entender textos e Condicionantes da Saúde da cria sistemas cidade meio ambiente idoso família pré-natal saúde

Leia mais

Resumo. Olga M. P. Silva. Maria Lúcia Lebrão

Resumo. Olga M. P. Silva. Maria Lúcia Lebrão Comparando a Classificação Internacional de Doenças em Odontologia e Estomatologia (CID- OE) com a Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde (CID-10) Comparing

Leia mais

NORMA DE EXAMES OCUPACIONAIS E ATESTADOS MÉDICOS - NOR 325

NORMA DE EXAMES OCUPACIONAIS E ATESTADOS MÉDICOS - NOR 325 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: EXAMES OCUPACIONAIS E ATESTADOS MÉDICOS COD: NOR 325 APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 240, de 04/06/2012 NORMA DE EXAMES OCUPACIONAIS E ATESTADOS MÉDICOS - NOR

Leia mais

ATO Nº 20/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 20/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 20/2011 Disciplina a concessão de licenças-médicas aos servidores em exercício neste Regional e dá outras providências. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas

Leia mais

Saúde Brasil 2007. Uma Análise da Situação de Saúde. Perfil de Mortalidade do Brasileiro

Saúde Brasil 2007. Uma Análise da Situação de Saúde. Perfil de Mortalidade do Brasileiro Saúde Brasil 2007 Uma Análise da Situação de Saúde Perfil de Mortalidade do Brasileiro Brasília, 6 de novembro de 2008 Editor-Geral Gerson Oliveira Penna Secretário de Vigilância em Saúde/MS Editor-Executivo

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

PERFIL DE MORBIDADE E MORTALIDADE DE MULHERES EM IDADE FÉRTIL NA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DA MICROREGIÃO DE SAÚDE DE IPATINGA

PERFIL DE MORBIDADE E MORTALIDADE DE MULHERES EM IDADE FÉRTIL NA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DA MICROREGIÃO DE SAÚDE DE IPATINGA 1119 PERFIL DE MORBIDADE E MORTALIDADE DE MULHERES EM IDADE FÉRTIL NA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DA MICROREGIÃO DE SAÚDE DE IPATINGA PROFILE OF MORBIDITY AND MORTALITY FERTILE AGE OF WOMEN IN THE AREA OF COVERAGE

Leia mais

MÓVEIS E MADEIRA. Qualificação profissional básica Operador de Processos de Produção

MÓVEIS E MADEIRA. Qualificação profissional básica Operador de Processos de Produção MÓVEIS E MADEIRA SENAI - AMPÉRE Montagem de Móveis SENAI - APUCARANA Planejamento, Programação e Controle de Produção - PPCP SENAI - ARAPONGAS Administração de Materiais Atendimento ao Público para Vigias

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MUNIZ FREIRE - ES

PREFEITURA MUNICIPAL DE MUNIZ FREIRE - ES DECRETO Nº 6.106/2013 REGULAMENTA AS LICENÇAS PARA TRATAMENTO DE SAÚDE, DE QUE TRATAM OS ARTS. 80, I; 82 A 100, DA LEI MUNICIPAL Nº 1.132, DE 02 DE JULHO DE 1990 (ESTATUTO DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO

Leia mais

Principais Pontos do Ressarcimento ao SUS

Principais Pontos do Ressarcimento ao SUS Principais Pontos do Ressarcimento ao SUS Carina Burri Martins Francine Leite Marcos Novais José Cechin Superintendente Executivo APRESENTAÇÃO O Sistema de Saúde brasileiro conta com a participação do

Leia mais

Alimentos e bebidas. Qualificação profissional básica Operador de Processos de Produção

Alimentos e bebidas. Qualificação profissional básica Operador de Processos de Produção Alimentos e bebidas SENAI - AMPÉRE SENAI - APUCARANA Higiene Aplicada à Manipulação de Alimentos Planejamento, Programação e Controle de Produção - PPCP SENAI - ARAPONGAS Administração de Materiais Atendimento

Leia mais

02/03/2011 PERSPECTIVA SINDRÔMICA

02/03/2011 PERSPECTIVA SINDRÔMICA PSICOPATOLOGIA CLASSIFICAÇÕES DIAGNÓSTICAS COMPREENSÃO DAS SÍNDROMES Profa. Dra. Marilene Zimmer Psicologia - FURG 2 Embora a psicopatologia psiquiátrica contemporânea tenda, cada vez mais, a priorizar

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS SENADO FEDERAL BRASÍLIA, 16 DE MAIO DE 2013 Criação de um novo departamento dentro da SAS: DAET- Departamento de Atenção

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

P refeitu ra d o M u n icíp io d e L o n d rin a E stad o d o P araná

P refeitu ra d o M u n icíp io d e L o n d rin a E stad o d o P araná P refeitu ra d o M u n icíp io d e L o n d rin a E stad o d o P araná DECRETO N 526 DE 30 DE MAIO DE 2011 SÚMULA: Dispõe sobre a concessão de licença para tratamento de saúde do servidor e para o acompanhamento

Leia mais

Políticas de saúde: o Programa de Saúde da Família na Baixada Fluminense *

Políticas de saúde: o Programa de Saúde da Família na Baixada Fluminense * Políticas de saúde: o Programa de Saúde da Família na Baixada Fluminense * ALINE DE MOURA SOUZA 1 SUZANA MARTA CAVENAGHI 2 Introdução Este trabalho tem por objetivo apresentar informações referentes à

Leia mais

Artigos originaisoriginal articles

Artigos originaisoriginal articles Morbidade em escolares (996) Centro de saúde escola Prof. Samuel B. Pessoa Departamento de Pediatria da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Morbidity in Schoolchildren (996) Health Center

Leia mais

Dr. José Carlos Steola

Dr. José Carlos Steola n t e p f a p r a t (s a t) Dr. José Carlos Steola Médico do Trabalho Coordenador do Depto de Proteção no Trabalho ( UNIMED de Araras) Médico do Trabalho da Usina Sta Lúcia Araras Médico Coordenador de

Leia mais

Aposentadoria por invalidez pressupõe a existência de uma incapacidade total e definitiva para o trabalho

Aposentadoria por invalidez pressupõe a existência de uma incapacidade total e definitiva para o trabalho A. Aposentadoria por invalidez Decreto Federal nº 3.048, de 06 de maio de 1999 (Regulamento da Previdência Social), que regulamentou a Lei Federal nº 8.122, de 24 de julho de 1991 (Lei Orgânica da Seguridade

Leia mais