SIMOR: Sistema de Monitoramento de Riscos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SIMOR: Sistema de Monitoramento de Riscos"

Transcrição

1 SIMOR: Sistema de Monitoramento de Riscos Bastos, L. C. 2, Ayres, C. 1, Cordeiro, R. 1 1 Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) 2 Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) Resumo Este trabalho relata o desenvolvimento de um sistema cujo propósito é o de atender as necessidades de um ambulatório de medicina de família. O Sistema de Monitoramento de Riscos (SIMOR) foi desenvolvido levando em consideração a carência de um sistema que possa ser utilizado em postos de saúde responsáveis pelo atendimento primário às famílias. O sistema automatiza o preenchimento de informações do atendimento, alertando ao médico sobre riscos como diabetes, hipertensão, doenças cardiovasculares, entre outros. Palavras-chave: Saúde da Família, Informática em Saúde, Saúde Pública. Abstract - This work describes the development of a system whose intention is to take care of the necessities of a clinic of family health. The Risk Monitoring System (SIMOR) was developed taking in consideration the lack of a system that can be used in public health clinics responsible for the primary care to the families. The system automatizes the fulfilling of information of the attendance, alerting to the doctor on risks as diabetes, high blood pressure, heart illnesses, among others. Key-words: Family Health, Health Informatics, Public Health. Introdução Geralmente, os médicos de família trabalham com prontuários em papel no atendimento aos pacientes, porém essa forma de atendimento é precária se levarmos em consideração o imenso leque de possibilidades que a informática pode nos oferecer atualmente. Prova disso são os sistemas extremamente complexos que atendem às necessidades de grandes hospitais, integrando os diversos setores dos mesmos e oferecendo maior dinamismo às atividades do hospital. Sistemas como esses são excelentes para hospitais de grande porte, mas, devido a sua complexidade, tornam-se inviáveis de serem aplicados em menor escala [1], daí a necessidade de um sistema que automatize o atendimento primário às famílias, eliminando ao máximo a perda de tempo com atividades burocráticas como o cadastro de pacientes, e oferecendo ao médico uma maneira fácil de obter as informações relacionadas ao paciente. Quando um paciente está com um problema, geralmente ele se desloca até o posto de saúde mais próximo. Ao ser examinado pelo médico ele se queixa do problema de uma maneira extremamente leiga, dizendo exatamente o que está sentindo, pois não conhece os termos médicos. Por exemplo, dor na boca do estômago será registrado exatamente como descrito e não como dor epigástrica. Esta é a característica principal de um sistema de atendimento primário [2]. Nos Estados Unidos e na Europa é utilizado o International Classification of Primary Care (ICPC) [3,4], conhecido no Brasil como Classificação Internacional de Atenção Primária (CIAP). Esta classificação contém códigos para diversos tipos de queixas dos pacientes, desde dor de barriga até medo de morte e foi a base de informações utilizada durante o desenvolvimento do SIMOR. ICPC Quando se fala de atendimento primário, muitos dos problemas são de certa forma, vagos, podendo ser classificados somente de uma maneira imprecisa, em categorias puramente sintomáticas. Em 1963, o Royal College of General Practitioners (RCGP) desenvolveu uma estimativa de que apenas 55% das doenças em geral poderiam ser diagnosticadas de forma precisa em termos patológicos e morfológicos. As restantes poderiam ser descritas apenas na forma de sintomas ou queixas [5]. Até a metade da década de 70, todos os dados coletados durante atendimentos primários eram classificados usando o International Classification of Diseases (ICD) [5], ou Classificação Internacional de Doenças (CID) como é conhecido no Brasil. A vantagem dessa maneira de se classificar as doenças é o fato de que o CID é reconhecido internacionalmente, portanto há facilidade de se comparar os dados mesmo estando em países diferentes. A desvantagem, porém, como foi dito, é que muitos sintomas e queixas eram difíceis de classificar utilizando o CID, que possui uma estrutura baseada em doenças propriamente ditas. Em 1998, a Organização Mundial de Médicos de Família (WONCA) publicou uma versão revidada do ICPC, chamada de ICPC 2, que inclui um mapeamento para a CID-10 e critérios de inclusão e exclusão [6].

2 Desenvolvido e publicado pela Organização Mundial de Médicos de Família (WONCA), o ICPC veio para facilitar a classificação de problemas de atendimento primário. Inicialmente, o ICPC foi desenvolvido para o uso através de prontuários médicos em papel, porém, com o desenvolvimento dos sistemas de informação em saúde, é interessante a integração dessa classificação com os recursos oferecidos pela informática, visando à melhora do atendimento primário, beneficiando médico e paciente. Características do ICPC (CIAP) Conhecido no Brasil como CIAP, o ICPC é um sistema de códigos clínicos voltados especialmente para a área de atendimento primário. Sendo assim, as informações classificadas são relacionadas aos sintomas do paciente de maneira simplificada, sem o uso de termos médicos, respeitando uma das principais características do atendimento primário. Através do CIAP, os médicos especializados em atendimento primário podem classificar de uma forma simples três importantes elementos relacionados ao atendimento ao paciente: os motivos da ida do paciente ao consultório, o diagnóstico do problema, e a seqüência de cuidados necessários. As razões da consulta representam o conjunto de motivos pelos qual o paciente vai até o médico. Esses motivos podem ser sintomas ou queixas (dor de cabeça, dor de estômago), doenças conhecidas, como gripe, visitas de rotina para a realização de exames preventivos e check-up, uma requisição para o uso de um medicamento que precise de prescrição médica, ou ainda uma visita para obter resultados de exames médicos. Seja qual for o motivo da consulta, ele será levado em consideração pelo médico, mesmo que ele não corresponda exatamente ao problema diagnosticado. No que diz respeito ao diagnóstico do problema, as categorias de doenças são projetadas de maneira a permitir que a interpretação médica do problema seja classificada na forma de doença, enfermidade ou ferimento, ao contrário das razões da consulta que focam especialmente a perspectiva do paciente e não a do médico. Os cuidados necessários provêm de uma interpretação por parte do médico, com base nos problemas relatados e apresentados pelo paciente. Estrutura do CIAP O CIAP é organizado em componentes e capítulos: a) Capítulos: 1 - sintomas, queixas; 2 - diagnóstico, prevenção; 3 - tratamento e procedimentos médicos; 4 - resultados dos exames; 5 - administrativos; 6 - diagnóstico, doença [9]. b) Componentes são: A - geral; B - sangue; D - digestivo; F - olhos; H - ouvidos; K - circulatório; L - músculos/esqueleto; N - neurológico; P - psicológico; R - respiratório; S - pele; T - metabólico, endócrino, nutrição; U - urinário; W - gravidez, planejamento familiar; X - genital feminino; Y - genital masculino; Z - social [9]. Teste de Framingham Com o objetivo de se identificar fatores comuns que poderiam contribuir para o aparecimento de doenças cardiovasculares, iniciouse em 1948, na cidade de Framingham, próxima a Boston, o Framingham Heart Study. O estudo foi conduzido pelo National Heart Lung and Blood Institute, utilizando uma metodologia até então somente utilizada no tratamento de doenças infecciosas e consistia no acompanhamento por um longo período de tempo de um grande grupo de pessoas que ainda não haviam desenvolvido qualquer sintoma de doenças cardiovasculares [7]. Para a realização do estudo, foram recrutadas 5209 pessoas entre 29 e 62 anos. Essa amostra correspondia a dois terços da população adulta de Framingham. A essa amostra de indivíduos é dado o nome de coorte (grupo de indivíduos definidos pela presença ou ausência de um ou mais atributos e seguidos por um período de tempo) [8]. Durante o estudo, eram realizados exames físicos detalhados, assim como um acompanhamento minucioso do histórico cardiovascular do paciente. Outros fatores como os hábitos de vida do paciente, medidas de pressão arterial e outros exames laboratoriais fizeram parte de toda a metodologia aplicada. Anos mais tarde, tornou-se necessário obter informações sobre os fatores de risco cardiovascular em pessoas jovens. A fim de obter esses dados, em 1971 iniciou-se o estudo prospectivo dos descendentes e esposas da coorte original, denominado coorte Offspring. Através dos estudos e exames realizados com essa nova amostra populacional, foram identificados os principais fatores de risco cardiovasculares, como aumento dos níveis de colesterol, aumento da pressão arterial, diabetes, tabagismo, obesidade e sedentarismo [8]. Foram descobertos, posteriormente, outros fatores, como aumento de triglicérides, idade, sexo, bem como fatores sociais e a redução do colesterol HDL [7]. Através das análises provenientes da coorte de Framingham, o conceito dos fatores de risco assumiu uma maior importância, pois serviu para

3 delinear estratégias de tratamento e prevenção efetivas na prática clínica [7]. GPL Tendo em vista a continuidade do projeto, optou-se pelo licenciamento através da General Public License (GPL). A GPL permite que o códigofonte do software seja modificado por qualquer pessoa desde que se mantenha uma referência aos criadores do programa. Sendo assim, o SIMOR poderá ser utilizado e modificado por pessoas que não participaram do projeto original [9. Metodologia Utilizou-se a Análise Orientada a Objetos, a fim de se obter uma visão ampla das características do sistema. Após o levantamento de requisitos e da análise teórica das características do sistema, os conceitos adquiridos foram empregados na implementação do mesmo. A metodologia empregada, porém, não se resume somente ao desenvolvimento do sistema, mas também às entrevistas realizadas com profissionais de saúde e aos testes e correções efetuados após o desenvolvimento do projeto. Construção do Sistema O levantamento de requisitos se estendeu durante toda a fase de construção, assim as questões que surgiram durante o projeto e a implementação foram repassadas aos médicos colaboradores, os quais as esclareceram. O sistema foi desenvolvido para o sistema operacional Linux, mais precisamente utilizando a plataforma Slackware A linguagem de programação empregada foi a Java, sendo que foi utilizada a tecnologia JavaServer Pages (JSP) com a versão 1.5 do Java 2 Standard Edition Development Kit. Como servidor Web optou-se pelo Apache Tomcat 5.5, e como servidor de banco de dados foi empregado o PostgreSQL 8. Os principais softwares de desenvolvimento utilizados foram os descritos, porém outros softwares de grande utilidade foram os editores JCreator e Vi, além do FlashMX, utilizado na construção de alguns diagramas, e do Microsoft Visio Entrevistas Realizadas Durante essa etapa foram realizadas entrevistas com médicos especialistas em Medicina de Família e Comunidade com o intuito de coletar informações a respeito do sistema. As visitas foram de grande importância para o desenvolvimento do projeto, pois serviram para a aquisição do conhecimento na área médica em questão. As informações fornecidas pelos médicos sanaram todas as dúvidas referentes aos procedimentos médicos, bem como às necessidades dos pacientes. Avaliação de risco segundo o escore de Framingham O SIMOR utiliza-se do Teste de Framingham para ajudar no cálculo do nível de risco do paciente. O objetivo deste teste é o de calcular a probabilidade de uma pessoa sofrer um evento cardiovascular nos próximos 10 anos e o cálculo deste valor é baseado em uma soma de pontos que dependem dos parâmetros: sexo, idade, colesterol total, tabagismo, colesterol HDL, pressão arterial, entre outros. Testes e Correções Para garantir a funcionalidade do sistema, o mesmo foi submetido a testes de usabilidade que tiveram a função de verificar a adequação com relação aos requisitos do sistema. Resultados Basicamente, o propósito do SIMOR é avisar ao médico sobre os graus de risco apresentados pelo paciente. Para isso, o sistema se utiliza de alguns dados básicos sobre a saúde do paciente, como: diabetes (DM), hipertensão arterial sistêmica (HAS), fumo, dislipidemia (colesterol e triglicérides), obesidade, estado psico-mental. Estes dados são preenchidos apenas com sim ou não, visto que durante o cadastro do paciente dificilmente o médico terá em mãos os resultados de exames. A partir desses dados e juntamente com algumas informações pessoais do paciente como a idade e o sexo, o sistema faz uma classificação primária do risco em que se encontra o paciente. Existem três tipos de risco: a) Risco A (baixo risco). Pacientes que possuem, no máximo, um fator de risco cardiovascular, desde que não seja diabetes. b) Risco B (risco intermediário). Pacientes com presença de dois ou mais fatores de risco cardiovascular (FRCV), desde que não sejam diabetes. Todos que estiverem neste nível de risco deverão realizar o teste de Framingham, e se o resultado for superior ou igual a 20%, serão classificados como alto-risco. c) Risco C (alto risco). Pacientes com diabetes são classificados automaticamente como alto-risco. Nesta categoria também se incluem pacientes com o resultado do teste de Framingham para risco cardiovascular em 10 anos maior ou igual a 20%.

4 O teste de Framingham utilizado serve para calcular a probabilidade de uma pessoa sofrer ou desenvolver algum problema cardiovascular nos próximos dez anos. Esse teste necessita de dados como a idade e o sexo do paciente, bem como valores de pressão arterial, nível de colesterol total, nível de HDL e se o paciente é fumante ou não. Diagrama de classes Para o projeto do SIMOR foi elaborado um diagramas de classes, que pode ser visualizado na figura 1. Figura 1 Diagrama de Classes Estrutura e Funcionamento do SIMOR Nas seções seguintes são apresentadas as funcionalidades e o modo de utilização do SIMOR. Página Inicial A primeira tela que aparece ao usuário, quando o mesmo acessa o programa. A página é composta de quatro menus: Famílias, Exames, Framingham e CIAP. Famílias Ao acessar a janela Famílias, o usuário do sistema tem duas opções: cadastrar uma nova família ou pesquisar famílias já cadastradas. Ao realizar o cadastro da família, o usuário deverá preencher todos os campos do formulário com os dados requisitados. Uma informação muito importante ao cadastrar a família é definir quem é o cuidador da mesma. O cuidador é a pessoa responsável pela família, através da qual o médico entrará em contato caso necessário. Após isso, o usuário é redirecionado para uma página na qual será possível fazer o cadastro dos membros da família e visualizar os dados e os membros já cadastrados. A pesquisa das famílias cadastradas pode ser realizada de cinco maneiras diferentes: por endereço, por CEP, pelo cuidador e pelo nome ou CPF de algum membro da família. Seja qual for o método de pesquisa utilizado, o usuário será redirecionado para uma página que exibe os dados encontrados segundo os critérios de

5 busca utilizados. Ao clicar na família desejada, todas as informações relativas à mesma são exibidas, como endereço, CEP, cidade, além de todos os membros cadastrados. Pode-se visualizar cada membro da família e suas informações, além do seu risco cardiovascular (ver figura 2). Ainda na mesma tela, o usuário, através dos links, tem outras duas opções: visualizar e/ou alterar os dados de qualquer um dos membros da família, assim como cadastrar um novo membro. Exames No menu exames, existem duas opções: novo exame e pesquisar exames. Ao cadastrar um novo exame, será necessário o nome ou o CPF do paciente que já deverá estar devidamente cadastrado no sistema. A tela de exame exibida irá conter as informações mínimas necessárias para criar um histórico do paciente, como data, nome e principalmente qual o grau de risco em que o paciente se encontra. Os dados a serem preenchidos são divididos em três categorias: CIAP. Contém os sintomas e queixas do paciente, os procedimentos adotados ou requisitados pelo médico e os diagnósticos estabelecidos. Dados para o cálculo de Framingham. Composto por quatro campos que juntamente com alguns dados do cadastro do paciente, são necessários para o cálculo de risco cardiovascular usando a tabela de Framingham. Esse campo não é de preenchimento obrigatório, a não ser que o médico já possua os dados requisitados e precise realizar o teste de Framingham. Observações. Contém qualquer comentário ou complemento necessário do ponto de vista do médico. O exame então é cadastrado e armazenado para futuras consultas. A pesquisa de exames é necessária caso o médico ou o próprio paciente deseje ver algum exame realizado. A pesquisa poderá ser feita através no nome ou CPF do paciente e pela data do exame. Uma facilidade para o médico está no fato de que na pesquisa pela data basta informar o mês, por exemplo, e todos os exames feitos naquele mês informado serão exibidos. Framingham Para o cálculo de Framingham são necessários os dados do paciente, como os já descritos anteriormente neste documento (ver figura 3). Com os dados em mãos, o sistema executa os cálculos do teste de Framingham, informando ao médico o risco do paciente em questão sofrer um ataque cardiovascular nos próximos 10 anos. Figura 2. Dados de um membro da família Figura 3. Cálculo de Framingham CIAP Através do menu CIAP, o médico pode acessar cada um dos capítulos do SIMOR e exibir seus respectivos componentes. Discussão e Conclusões O atendimento primário é uma parte da medicina que a princípio pode parecer simples,

6 devido ao caráter pessoal na relação médicopaciente e aos termos utilizados na descrição dos sintomas das doenças, que são extremamente comuns e utilizados no dia a dia. Porém essa área ganha uma notória importância se levarmos em consideração que praticamente qualquer doença, por mais grave que seja, começa com sintomas que levam as pessoas até os postos de saúde do SUS, e não diretamente aos grandes hospitais, para onde são encaminhadas no decorrer do tratamento, caso seja necessário. Com base nessa visão é que se deu início ao estudo de uma série de conceitos relacionados à medicina familiar e principalmente a CIAP, que constitui o foco principal do projeto. Como parte do estudo, foi analisado e implementado também o cálculo de Framingham, utilizado para determinar a probabilidade de alguma pessoa desenvolver um problema cardiovascular durante um período de dez anos. Com o objetivo de que a relação entre medicina e informática fosse a melhor possível, e para melhor entendimento de conceitos e termos pertencentes à área médica, as entrevistas e contribuições de profissionais e pessoas ligadas à área foram de grande valia. Devido ao fato do projeto se concentrar inteiramente nas características e funcionalidades de um sistema para monitorar riscos de pacientes que pudesse ser instalado em computadores com poucos recursos de processamento nos postos de saúde, o desenvolvimento dessas funcionalidades foi colocado em primeiro plano. Portanto, a interface desenvolvida se constitui apenas do necessário para o funcionamento do sistema em computadores com poucos recursos e acesso a Internet. Mesmo simples em seu funcionamento, o SIMOR demonstra que é possível criar um sistema utilizando as características e funcionalidades do CIAP, e que atenda as necessidades do médico de família, sem se afastar da simplicidade de uso e pouca necessidade de recursos computacionais como proposto inicialmente. O sistema possui o código-fonte aberto e licença GPL, portanto qualquer pessoa tem a possibilidade de alterar o mesmo para que melhorias ou novas características possam ser implementadas. Agradecimentos Ao Doutor Angelmar Constantino Roman, cuja experiência na área de Medicina de Família foi muito importante para este trabalho. Referências [1] Littlejohns P., Wyatt J. C., Garvican L., Evaluating computerised health information systems: hard lessons still to be learnt. British Medical Journal (1): [2] Starfield B., Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília (DF): Ministério da Saúde do Brasil; [3] Klinkman M. S., Green L.A., Using ICPC in a computer-based primary care information system. Family Medicine 1995; 27(7): [4] Hofmans-Okkes I.M., Lamberts H., The International Classification of Primary Care (ICPC): new applications in research and computer-based patient records in family practice. Family Practice 1996; 13(1): [5] Department of General Practice, Users Guide ICPC-2 Plus. Final report. Sidney (AU): University of Sydney, Family Medicine Research Centre; [6] Woods M., Hofamns-Okkes I., The International Classification of Primary Care in the European Community, with a multi-language layer. Oxford (UK). Oxford Medical Publication; [7] Dórea E. L., Lotufo, P. A., Framingham Heart Study. Revista Brasileira de Hipertensão Arterial 2001; 8(2): [8] Fitzgerald B., A Change of Heart. Bostonia 2005; Summer: [9] Free Software Foundation, GNU General Public License. Disponível em: <http://www.gnu.org/copyleft/gpl.html>. Acesso em: 28 set Contato Laudelino Cordeiro Bastos Telefone: (41) Cion Ayres Rafael Cordeiro

Desenvolvimento de Software Livre para a área

Desenvolvimento de Software Livre para a área Desenvolvimento de Software Livre para a área de Saúde Daniel Weingaertner Departamento de Informática UFPR Centro de Computação Científica e Software Livre C3SL Programa de Extensão Conhecendo Padrões

Leia mais

Sistema Online de Gerenciamento de Dados Clínicos Utilizando RIA (Rich Internet Applications)

Sistema Online de Gerenciamento de Dados Clínicos Utilizando RIA (Rich Internet Applications) Sistema Online de Gerenciamento de Dados Clínicos Utilizando RIA (Rich Internet Applications) ANTUNES, M. S.¹, SILVA, R. E. S. 2 (orientadora) ¹ Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas RS (FATEC-PEL) Rua

Leia mais

Software automatizado para controle de consultas da clínica de fisioterapia

Software automatizado para controle de consultas da clínica de fisioterapia Software automatizado para controle de consultas da clínica de fisioterapia Jeverson Siqueira 1, Wallace Caldeira 1, Jorge Aikes Junior 1 1 Ciência da Computacão Faculdades Anglo Americano de Foz do Iguaçu

Leia mais

GSUS Sistema de Gestão da Assistência de Saúde do SUS

GSUS Sistema de Gestão da Assistência de Saúde do SUS GSUS Sistema de Gestão da Assistência de Saúde do SUS Sigla do Sistema: GSUS Nome do Sistema: Sistema de Gestão da Assistência de Saúde do SUS Responsável pelo Projeto: Antonio Francisco Peixoto Baptista

Leia mais

"ANÁLISE DO CUSTO COM MEDICAMENTOS E DO RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES MORBIDAMENTE OBESOS ANTES E APÓS A REALIZAÇÃO DA CIRURGIA BARIÁTRICA"

ANÁLISE DO CUSTO COM MEDICAMENTOS E DO RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES MORBIDAMENTE OBESOS ANTES E APÓS A REALIZAÇÃO DA CIRURGIA BARIÁTRICA "ANÁLISE DO CUSTO COM MEDICAMENTOS E DO RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES MORBIDAMENTE OBESOS ANTES E APÓS A REALIZAÇÃO DA CIRURGIA BARIÁTRICA" SHOSSLER ¹, T.S.; FREITAS ¹, G.; LOPES ², E.; FRASNELLI ¹,

Leia mais

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE REDES DE ATENÇÃO A SAÚDE DIRETORIA DE REDES ASSISTÊNCIAIS COORDENADORIA DA REDE DE HIPERTENSÃO E DIABETES ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO

Leia mais

FGV GV Saúde. Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção. Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013

FGV GV Saúde. Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção. Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013 FGV GV Saúde Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013 A Revisão Continuada de Saúde Revisão Continuada de Saúde (RCS)

Leia mais

HEALTHCARE SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS MÉDICAS

HEALTHCARE SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS MÉDICAS HEALTHCARE SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS MÉDICAS OLIVEIRA, R. M.; SANTOS, A. B. RESUMO Diante da crescente expansão tecnológica e do aumento da demanda de software gerencial na área de atendimento

Leia mais

A Internet facilitando tratamentos médicos

A Internet facilitando tratamentos médicos VIII WORKSHOP DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DO CENTRO PAULA SOUZA São Paulo, 9 e 10 de outubro de 2013 Sistemas produtivos: da inovação à sustentabilidade ISSN: 2175-1897 A Internet facilitando tratamentos

Leia mais

Modelagem e Implementação de um Banco de Dados de Idosos Institucionalizados. Regina Bueno Ribas Pinto Laudelino Cordeiro Bastos

Modelagem e Implementação de um Banco de Dados de Idosos Institucionalizados. Regina Bueno Ribas Pinto Laudelino Cordeiro Bastos Modelagem e Implementação de um Banco de Dados de Idosos Institucionalizados Regina Bueno Ribas Pinto Laudelino Cordeiro Bastos Introdução PNAD 1,8 milhão de idosos 7,4% - 1989 9,1% - 1999 CENSO: 4 milhões

Leia mais

Programa de Hematologia e Oncologia Pediátricos Diagnóstico Imunomolecular. Manual do sistema (Médico)

Programa de Hematologia e Oncologia Pediátricos Diagnóstico Imunomolecular. Manual do sistema (Médico) Programa de Hematologia e Oncologia Pediátricos Diagnóstico Imunomolecular Manual do sistema (Médico) ÍNDICE 1. O sistema... 1 2. Necessidades técnicas para acesso ao sistema... 1 3. Acessando o sistema...

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO COLESTEROL TOTAL EM SANGUE CAPILAR E ORIENTAÇÃO SOBRE HIPERCOLESTEROLEMIA

DETERMINAÇÃO DO COLESTEROL TOTAL EM SANGUE CAPILAR E ORIENTAÇÃO SOBRE HIPERCOLESTEROLEMIA 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA DETERMINAÇÃO DO COLESTEROL TOTAL

Leia mais

Junho 2013 1. O custo da saúde

Junho 2013 1. O custo da saúde Junho 2013 1 O custo da saúde Os custos cada vez mais crescentes no setor de saúde, decorrentes das inovações tecnológicas, do advento de novos procedimentos, do desenvolvimento de novos medicamentos,

Leia mais

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro introdução objetivos do trabalho fundamentação teórica desenvolvimento da ferramenta

Leia mais

2. O que informatizar?

2. O que informatizar? A INFORMÁTICA NO CONSULTÓRIO MÉDICO No fascículo anterior, comentamos como a gestão de custos, mesmo sendo feita de maneira simplista, auxilia o consultório a controlar e avaliar seus resultados, permitindo

Leia mais

Desenvolvimento de sistema para inscrição de concurso online em PHP com utilização de banco de dados PostgreSQL

Desenvolvimento de sistema para inscrição de concurso online em PHP com utilização de banco de dados PostgreSQL Desenvolvimento de sistema para inscrição de concurso online em PHP com utilização de banco de dados PostgreSQL Augusto César Ribeiro da Silva Jonildo Martins Cordeiro Marco Antonio Eugênio Araújo Max

Leia mais

PLATAFORMA DE UM PERSONAL HEALTH RECORD - PHR

PLATAFORMA DE UM PERSONAL HEALTH RECORD - PHR PLATAFORMA DE UM PERSONAL HEALTH RECORD - PHR Saulo Soares de TOLEDO 1, Misael Elias de MORAIS 2, Adson Diego Dionisio da SILVA 3, Luiz Antonio Costa Corrêa FILHO 4, Valderí Medeiros da SILVA 5 1 Departamento

Leia mais

MANUAL PARA USO DO SISTEMA

MANUAL PARA USO DO SISTEMA Clínicas Odontológicas MANUAL PARA USO DO SISTEMA (GCO) GERENCIADOR CLÍNICO ODONTOLÓGICO SmilePrev Versão 2.0 SmilePrev Clínicas Odontológicas www.smilepev.com 2008 REQUISITOS BÁSICOS DO SISTEMA HARDWARE

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA A UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE SOLICITAÇÃO DE ORDEM DE SERVIÇO (SOSI) STI Unesp - Campus Experimental de Ourinhos

PROCEDIMENTOS PARA A UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE SOLICITAÇÃO DE ORDEM DE SERVIÇO (SOSI) STI Unesp - Campus Experimental de Ourinhos PROCEDIMENTOS PARA A UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE SOLICITAÇÃO DE ORDEM DE SERVIÇO (SOSI) STI Unesp - Campus Experimental de Ourinhos 1 SISTEMA DE ORDEM DE SERVIÇO DE INFORMÁTICA Este documento tem o objeto

Leia mais

O Sistema de Registro (Prontuário) Eletrônico em Saúde da AMESP SAÚDE

O Sistema de Registro (Prontuário) Eletrônico em Saúde da AMESP SAÚDE O Sistema de Registro (Prontuário) Eletrônico em Saúde da AMESP SAÚDE Lucia Beatriz de Arêa Leão Alves 1, Pedro Emerson Moreira 1, André Monteiro de Mello 2, James N. Alcantarilla 2, Ernesto Guiães Notargiacomo

Leia mais

SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DA SECRETARIA DA SAUDE PROJETO DE TRABALHO

SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DA SECRETARIA DA SAUDE PROJETO DE TRABALHO SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DA SECRETARIA DA SAUDE PROJETO DE TRABALHO INTRODUÇÃO O avanço da tecnologia trouxe inúmeros benefícios à população. Quando usada de maneira saudável e inteligente, auxilia na

Leia mais

INFORMATIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE ANÁLISES CLÍNICAS DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE BELO HORIZONTE

INFORMATIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE ANÁLISES CLÍNICAS DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE BELO HORIZONTE INFORMATIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE ANÁLISES CLÍNICAS DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE BELO HORIZONTE Autor(a): Maria de Lourdes Baêta Zille Gontijo Co-autores(as): Maria Lúcia Silva Faleiro, Margarita

Leia mais

Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb

Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Dezembro/2012 2 Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Sumário de Informações do Documento Título do Documento: Resumo:

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA. Documento de Arrecadação Estadual DAE. Manual do Usuário. Versão 1.0.0 SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA

SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA. Documento de Arrecadação Estadual DAE. Manual do Usuário. Versão 1.0.0 SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA 1 SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA Documento de Arrecadação Estadual DAE Manual do Usuário Versão 1.0.0 SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA 66.053-000 Av. Visconde de Souza Franco, 110 Reduto Belém PA Tel.:(091)

Leia mais

Atendimento de Urgência

Atendimento de Urgência Sumário Atendimento de Pacientes Urgência/Emergências... 2 Portaria... 2 Triagem... 8 Consultório... 13 1 Atendimento de Pacientes Urgência/Emergências O menu de atendimento de urgência destina-se as unidades

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GLPI

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GLPI MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GLPI PERFIL TÉCNICO Versão 2.0 DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E TELECOMUNICAÇÕES PREFEITURA DE GUARULHOS SP 1 Objetivo: Esse manual tem como objetivo principal instruir os

Leia mais

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ÍNDICE INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ACESSO ÀS FERRAMENTAS 9 FUNÇÕES 12 MENSAGENS 14 CAMPOS OBRIGATÓRIOS

Leia mais

Construtor de sites SoftPixel GUIA RÁPIDO - 1 -

Construtor de sites SoftPixel GUIA RÁPIDO - 1 - GUIA RÁPIDO - 1 - Sumário Introdução...3 Por que utilizar o Construtor de Sites?...3 Vantagens do Construtor de Sites...3 Conceitos básicos...3 Configuração básica do site...5 Definindo o layout/template

Leia mais

Anderson Corrêa Carraro 1, Fernando Alves Rodrigues 2, Silvio Francisco dos Santos 3

Anderson Corrêa Carraro 1, Fernando Alves Rodrigues 2, Silvio Francisco dos Santos 3 DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA INFORMATIZADO PARA O CONTROLE DE PROCESSOS DA QUALIDADE NA DIRETORIA DE METROLOGIA CIENTÍFICA E INDUSTRIAL DIMCI/INMETRO. Anderson Corrêa Carraro 1, Fernando

Leia mais

SOFTWARE CLINICAS PROJETO DE TRABALHO

SOFTWARE CLINICAS PROJETO DE TRABALHO SOFTWARE CLINICAS PROJETO DE TRABALHO INTRODUÇÃO O avanço da tecnologia trouxe inúmeros benefícios à população. Quando usada de maneira saudável e inteligente, auxilia na realização de trabalhos que antigamente

Leia mais

MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico

MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico O GCO é um sistema de controle de clínicas odontológicas, onde dentistas terão acesso a agendas, fichas de pacientes, controle de estoque,

Leia mais

PRÓTOTIPO MÓVEL DE TELEMEDICINA PARA AUXILIO DE DIAGNOSTICO CARDIACO COM ECG EM CARATER EMERGENCIAL

PRÓTOTIPO MÓVEL DE TELEMEDICINA PARA AUXILIO DE DIAGNOSTICO CARDIACO COM ECG EM CARATER EMERGENCIAL PRÓTOTIPO MÓVEL DE TELEMEDICINA PARA AUXILIO DE DIAGNOSTICO CARDIACO COM ECG EM CARATER EMERGENCIAL Adson Diego Dionisio da SILVA 1, Saulo Soares de TOLEDO², Luiz Antonio Costa Corrêa FILHO³, Valderí Medeiros

Leia mais

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS Apresentador 1 SILVA,Claudia Fagundes e Apresentador 2 PLOCHARSKI, Mayara

Leia mais

Maximus Software Soluções Tecnológicas Ltda. A empresa que desenvolve o seu Produto ao Máximo

Maximus Software Soluções Tecnológicas Ltda. A empresa que desenvolve o seu Produto ao Máximo Maximus Software Soluções Tecnológicas Ltda. A empresa que desenvolve o seu Produto ao Máximo FARMAINFOR Modernização da Farmácia do Hospital Mater Day Documento de Requisitos Versão 2.0 Histórico de Revisão

Leia mais

UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1

UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1 UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1 Daniel de Faveri HONORATO 2, Renato Bobsin MACHADO 3, Huei Diana LEE 4, Feng Chung WU 5 Escrito para apresentação

Leia mais

Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01)

Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01) Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01) Submissão de Relatórios Científicos Sumário Introdução... 2 Elaboração do Relatório Científico... 3 Submissão do Relatório Científico... 14 Operação

Leia mais

CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS

CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS João Antônio Bezerra Rodrigues¹, Claudete Werner¹, Gabriel Costa Silva² ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí

Leia mais

BDG - BANCO DE DADOS DE GRADES UMA FERRAMENTA PARA DISPONIBILIZAR DADOS DE PREVISÃO DE MODELOS NUMÉRICOS DE TEMPO E CLIMA

BDG - BANCO DE DADOS DE GRADES UMA FERRAMENTA PARA DISPONIBILIZAR DADOS DE PREVISÃO DE MODELOS NUMÉRICOS DE TEMPO E CLIMA BDG - BANCO DE DADOS DE GRADES UMA FERRAMENTA PARA DISPONIBILIZAR DADOS DE PREVISÃO DE MODELOS NUMÉRICOS DE TEMPO E CLIMA Antonio Carlos Fernandes da Silva 1, Luciana Santos Machado Carvalho 2, Denise

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

Você conhece a Medicina de Família e Comunidade?

Você conhece a Medicina de Família e Comunidade? Texto divulgado na forma de um caderno, editorado, para a comunidade, profissionais de saúde e mídia SBMFC - 2006 Você conhece a Medicina de Família e Comunidade? Não? Então, convidamos você a conhecer

Leia mais

Sistema da Comissão Nacional de Residência Médica

Sistema da Comissão Nacional de Residência Médica Sistema da Comissão Nacional de Residência Médica APRESENTAÇÃO: Este Manual apresenta as telas que são utilizadas para a navegação no Sistema de Comissão Nacional de Residência Médica. Neste manual estão

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Banco de Dados de Músicas Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Definição Aplicação Web que oferece ao usuário um serviço de busca de músicas e informações relacionadas, como compositor, interprete,

Leia mais

SISGAP - Sistema Gerenciador de Avaliações Psicopedagógicas

SISGAP - Sistema Gerenciador de Avaliações Psicopedagógicas SISGAP - Sistema Gerenciador de Avaliações Psicopedagógicas Geandré Meller Zacher 1 Luiz Gustavo Galves Mahlmann 2 Newton Muller 3 RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar o projeto SISGAP, que

Leia mais

O Blog do Conhecimento (http://blog.df.sebrae.com.br/ugc), desenvolvido pela UGC, é uma

O Blog do Conhecimento (http://blog.df.sebrae.com.br/ugc), desenvolvido pela UGC, é uma MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO BLOG DO CONHECIMENTO APRESENTAÇÃO O Blog do Conhecimento (http://blog.df.sebrae.com.br/ugc), desenvolvido pela UGC, é uma ferramenta de COLABORAÇÃO que tem como objetivo facilitar

Leia mais

PARA MAC. Guia de Inicialização Rápida. Clique aqui para fazer o download da versão mais recente deste documento

PARA MAC. Guia de Inicialização Rápida. Clique aqui para fazer o download da versão mais recente deste documento PARA MAC Guia de Inicialização Rápida Clique aqui para fazer o download da versão mais recente deste documento ESET Cyber Security fornece proteção de última geração para seu computador contra código mal-intencionado.

Leia mais

1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2.

1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2. 1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2. Editando um Artigo 4.3. Excluindo um Artigo 4.4. Publicar

Leia mais

Satélite. Manual de instalação e configuração. CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br

Satélite. Manual de instalação e configuração. CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br Satélite Manual de instalação e configuração CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br Índice Índice 1.Informações gerais 1.1.Sobre este manual 1.2.Visão geral do sistema 1.3.História

Leia mais

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98 IX ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE DA ABRES Utilização de Serviços em uma Operadora de Plano de Saúde que Desenvolve Programas de Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Cardiovasculares Danielle

Leia mais

Sistema de Chamados Protega

Sistema de Chamados Protega SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. REALIZANDO ACESSO AO SISTEMA DE CHAMADOS... 4 2.1 DETALHES DA PÁGINA INICIAL... 5 3. ABERTURA DE CHAMADO... 6 3.1 DESTACANDO CAMPOS DO FORMULÁRIO... 6 3.2 CAMPOS OBRIGATÓRIOS:...

Leia mais

MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE SUPORTE TÉCNICO GLPI

MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE SUPORTE TÉCNICO GLPI MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE SUPORTE TÉCNICO GLPI JULHO DE 2015 SUMÁRIO 1 Introdução...3 2 Principais telas do sistema...4 2.1 Acesso inicial...4 2.2 Login no sistema...4 2.3 Modificando os dados

Leia mais

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências da Computação e Estatística Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP André

Leia mais

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel Software de gerenciamento do sistema Intel do servidor modular Intel Declarações de Caráter Legal AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE DOCUMENTO SÃO RELACIONADAS AOS PRODUTOS INTEL, PARA FINS DE SUPORTE ÀS PLACAS

Leia mais

SISTEMA INFORMATIZADO DE REGULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO SAMU NO ESTADO DE SANTA CATARINA

SISTEMA INFORMATIZADO DE REGULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO SAMU NO ESTADO DE SANTA CATARINA Centro de Ciências da Saúde Departamento de Enfermagem GIATE Grupo de Pesquisa em Tecnologias, Informações e Informática em Saúde SISTEMA INFORMATIZADO DE REGULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO SAMU NO ESTADO DE SANTA

Leia mais

INSTALAÇÃO DE SOFTWARES ÚTEIS EM ENGENHARIA CARTOGRÁFICA

INSTALAÇÃO DE SOFTWARES ÚTEIS EM ENGENHARIA CARTOGRÁFICA INSTALAÇÃO DE SOFTWARES ÚTEIS EM ENGENHARIA CARTOGRÁFICA Primeiramente é importante observar a importância do desenvolvimento de softwares específicos para agilizar o trabalho do Engenheiro Cartógrafo.

Leia mais

FERRAMENTA PARA GERENCIAMENTO DE ARTEFATOS EM PROJETO DE MELHORIA NO PROCESSO DE TESTES.

FERRAMENTA PARA GERENCIAMENTO DE ARTEFATOS EM PROJETO DE MELHORIA NO PROCESSO DE TESTES. UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FERRAMENTA PARA GERENCIAMENTO DE ARTEFATOS EM PROJETO DE MELHORIA NO PROCESSO DE TESTES. Bruna Herkenhof Prof. Jacques R. Heckmann, Orientador

Leia mais

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino Eduardo Kokubo kokubo@inf.univali.br Fabiane Barreto Vavassori, MSc fabiane@inf.univali.br Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI Centro de Ensino Superior

Leia mais

PROJETO DIABETES: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO

PROJETO DIABETES: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO PROJETO DIABETES: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO Patrick Pedreira Silva patrick.silva@usc.br Universidade Sagrado Coração, Centro de Ciências Exatas

Leia mais

HELP DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ONLINE DOCTOR PARA MÉDICOS

HELP DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ONLINE DOCTOR PARA MÉDICOS HELP DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ONLINE DOCTOR PARA MÉDICOS 1 CADASTRANDO CLIENTES 1.1 BUSCANDO CLIENTES 1.1.1 BUSCANDO CLIENTES PELO NOME 1.1.2 BUSCANDO CLIENTES POR OUTRAS BUSCAS 1.2 CAMPO OBSERVAÇÕES 1.3

Leia mais

Sistema de Controle de Solicitação de Desenvolvimento

Sistema de Controle de Solicitação de Desenvolvimento Sistema de Controle de Solicitação de Desenvolvimento Introdução O presente documento descreverá de forma objetiva as principais operações para abertura e consulta de uma solicitação ao Setor de Desenvolvimento

Leia mais

Interface gráfica para compiladores gratuitos baseados em linha de comando disponíveis na internet

Interface gráfica para compiladores gratuitos baseados em linha de comando disponíveis na internet 1. Autores Interface gráfica para compiladores gratuitos baseados em linha de comando disponíveis na internet Luciano Eugênio de Castro Barbosa Flavio Barbieri Gonzaga 2. Resumo O custo de licenciamento

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES SISTEMA HOSPITALAR

MANUAL DE INSTRUÇÕES SISTEMA HOSPITALAR MANUAL DE INSTRUÇÕES SISTEMA HOSPITALAR Sumário INTRODUÇÃO AO SISTEMA... 3 ENDEREÇO DE ACESSO... 3 LOGIN NO SISTEMA... 3 PERFIS DO SISTEMA... 4 PERFIL RECEPÇÃO... 4 AMBULATÓRIO... 4 CADASTRO... 6 RELATÓRIOS...

Leia mais

PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO

PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO Wilker Luiz Machado Barros¹, Wyllian Fressatti¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil wilkermachado1@hotmail.com,

Leia mais

Orientações Gerais para as Disciplinas de Trabalho de Conclusão do Cursos de Sistemas para Internet IFRS - Câmpus Porto Alegre

Orientações Gerais para as Disciplinas de Trabalho de Conclusão do Cursos de Sistemas para Internet IFRS - Câmpus Porto Alegre Orientações Gerais para as Disciplinas de Trabalho de Conclusão do Cursos de Sistemas para Internet IFRS - Câmpus Porto Alegre Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul -

Leia mais

CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS

CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE MODERNIZAÇÃO E INFORMÁTICA CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS MANUAL

Leia mais

MANUAL DO PRESTADOR WEB

MANUAL DO PRESTADOR WEB MANUAL DO PRESTADOR WEB Sumário 1. Guia de Consulta... 3 2. Guia de Procedimentos Ambulatoriais... 6 3. Guia de Solicitação de Internação... 8 4. Prorrogação de internação... 8 5. Confirmação de pedido

Leia mais

Como é o desenvolvimento de Software?

Como é o desenvolvimento de Software? Como é o desenvolvimento de Software? Fases do Desenvolvimento Modelo Cascata Define atividades seqüenciais Outras abordagens são baseadas nesta idéia Especificação de Requisitos Projeto Implementação

Leia mais

CIUCA Manual de Operação Versão 2.02 (Módulos I Cadastro e II - Credenciamento)

CIUCA Manual de Operação Versão 2.02 (Módulos I Cadastro e II - Credenciamento) Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Cadastro das Instituições e Comissões de Ética no Uso de Animais CIUCA Versão 2.02 (Módulos I Cadastro e II - Credenciamento) Versão 1.01 (Módulo I Cadastro)

Leia mais

Sistema de Controle. Como entrar no sistema. Tela inicial. Funcionalidades do sistema. Controle de permissões. Menu Aplicativo

Sistema de Controle. Como entrar no sistema. Tela inicial. Funcionalidades do sistema. Controle de permissões. Menu Aplicativo Sistema de Controle Logístico de Medicamentos Como entrar no sistema 1 Tela inicial Funcionalidades do sistema Controle de permissões Menu Aplicativo Gerenciador de relatórios 0800 61 2439 siclom@aids.gov.br

Leia mais

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013)

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) CHAMADA MCTI-CNPq/MDS-SAGI Nº 24/2013 DESENVOLVIMENTO SOCIAL Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) TEMA 4: SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

Leia mais

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS 769 SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS Mateus Neves de Matos 1 ; João Carlos Nunes Bittencourt 2 ; DelmarBroglio Carvalho 3 1. Bolsista PIBIC FAPESB-UEFS, Graduando em Engenharia de

Leia mais

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR?

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? Descubra os benefícios que podem ser encontrados ao se adaptar as novas tendências de mercado ebook GRÁTIS Como o investimento em TI pode

Leia mais

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 105 Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia 7.1 Introdução Relembrando o que foi dito no capítulo 1 os estudos randomizados,

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA)

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) Alessandra Lubbe 1 Alexandre Evangelista 2 Jeandro Perceval 3 José Ramiro Pereira 4 Luiz Gustavo Mahlmann 5 RESUMO

Leia mais

Maximus Software Soluções Tecnológicas Ltda. A empresa que desenvolve o seu Produto ao Máximo

Maximus Software Soluções Tecnológicas Ltda. A empresa que desenvolve o seu Produto ao Máximo Maximus Software Soluções Tecnológicas Ltda. A empresa que desenvolve o seu Produto ao Máximo FARMAINFOR Modernização da Farmácia do Hospital Mater Day Documento de Requisitos Versão 1.1 Histórico de Revisão

Leia mais

Liderança em idéias, métodos e resultados em BPM no Brasil. Automação de Processos. Jones Madruga

Liderança em idéias, métodos e resultados em BPM no Brasil. Automação de Processos. Jones Madruga Liderança em idéias, métodos e resultados em BPM no Brasil Automação de Processos Jones Madruga Promover melhorias e inovações que efetivamente criam valor não é simples... Apresentação Ø Organização PRIVADA

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES Trabalho de Graduação Orientando: Vinicius Stein Dani vsdani@inf.ufsm.br Orientadora: Giliane

Leia mais

Universal sistema oficial CBO

Universal sistema oficial CBO P2D Prontuário 2013 Universal sistema oficial CBO P2D Prontuário Universal 14/2/2013 2 Conteúdo 1. O que é o P2D Prontuário Universal?... 3 2. Quanto custa?... 3 3. Quais os benefícios?... 3 4. Quais os

Leia mais

A. O Sindepark. 1. História

A. O Sindepark. 1. História Reestruturação de todo o site utilizando outras tecnologias, nova identidade visual, que seja adaptável à realidade dos smartphones e inserir novas ferramentas. Web Site - Versão Desktop O site seguirá

Leia mais

MANUAL PARA ATENDIMENTO ONLINE. Apresentamos os passos para utilização do Atendimento Online do sistema GSS para os profissionais da área de saúde:

MANUAL PARA ATENDIMENTO ONLINE. Apresentamos os passos para utilização do Atendimento Online do sistema GSS para os profissionais da área de saúde: MANUAL PARA ATENDIMENTO ONLINE Apresentamos os passos para utilização do Atendimento Online do sistema GSS para os profissionais da área de saúde: 1º) Autorizando o paciente e enviando para a lista de

Leia mais

APOSTILA LINUX EDUCACIONAL

APOSTILA LINUX EDUCACIONAL MUNICÍPIO DE NOVO HAMBURGO DIRETORIA DE INCLUSÃO DIGITAL DIRETORIA DE GOVERNO ELETRÔNICO APOSTILA LINUX EDUCACIONAL (Conteúdo fornecido pelo Ministério da Educação e pela Pró-Reitoria de Extensão da UNEB)

Leia mais

SEAP / CAS. Manual V1.0

SEAP / CAS. Manual V1.0 SEAP / CAS Manual V1.0 Janeiro - 2013 Coordenadoria de Administração de Serviços - CAS Palácio das Araucárias Rua Jacy Loureiro de Campos, s/nº 80530-140 - Centro Cívico - Curitiba Paraná Fone: (41) 3313-6071

Leia mais

Tabagismo e Câncer de Pulmão

Tabagismo e Câncer de Pulmão F A C U L D A D E D E S A Ú D E P Ú B L I C A D E P A R TA M E N T O D E E P I D E M I O L O G I A U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O Série Vigilância em Saúde Pública E X E R C Í C I O N º 3

Leia mais

BENEFÍCIOS DO EXERCÍCIO FÍSICO E DIETA HIPOCALÓRICA EM DIABÉTICOS

BENEFÍCIOS DO EXERCÍCIO FÍSICO E DIETA HIPOCALÓRICA EM DIABÉTICOS BENEFÍCIOS DO EXERCÍCIO FÍSICO E DIETA HIPOCALÓRICA EM DIABÉTICOS Autora: Márcia de Fátima Ferraretto Pavan Resumo: Diabetes mellitus é uma doença crônica e está associada a complicações que comprometem

Leia mais

Módulo Medicina e Segurança do Trabalho Exames Periódicos

Módulo Medicina e Segurança do Trabalho Exames Periódicos Módulo Medicina e Segurança do Trabalho Exames Periódicos Logix 10 Sumário Sumário... 2 Texto Introdutório... 3 Fluxo dos Subprocessos que compõem o Módulo... 3 Fluxo SubProcessos Exames Periódicos...

Leia mais

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4. Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5 Por: Fabio Pozzebon Soares Página 1 de 11 Sistema ProJuris é um conjunto de componentes 100% Web, nativamente integrados, e que possuem interface com vários idiomas,

Leia mais

Acessar o link PESQUISADORES (veja seta abaixo). Clicar em Registre seu Projeto de Pesquisa

Acessar o link PESQUISADORES (veja seta abaixo). Clicar em Registre seu Projeto de Pesquisa PARA REGISTRAR SUA PESQUISA NO SISNEP (SISTEMA NACIONAL DE ÉTICA EM PESQUISA), SERÁ NECESSÁRIO ACESSAR O SITE DO SISNEP (www.saude.gov.br/sisnep) E SEGUIR OS SEGUINTES PASSOS: 1º. Passo: Acessar o link

Leia mais

HELP DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ONLINE DOCTOR/SBOT PARA MÉDICOS

HELP DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ONLINE DOCTOR/SBOT PARA MÉDICOS HELP DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ONLINE DOCTOR/SBOT PARA MÉDICOS 1 CADASTRANDO CLIENTES 1.1 BUSCANDO CLIENTES 1.1.1 BUSCANDO CLIENTES PELO NOME 1.1.2 BUSCANDO CLIENTES POR OUTRAS BUSCAS 1.2 CAMPO OBSERVAÇÕES

Leia mais

TABAGISMO E CÂNCER DE PULMÃO *

TABAGISMO E CÂNCER DE PULMÃO * 1 05/06 TABAGISMO E CÂNCER DE PULMÃO * OBJETIVOS Este exercício utiliza o estudo clássico de Doll e Hill que demonstrou a relação entre tabagismo e câncer de pulmão. Depois de completar este exercício,

Leia mais

Universidade Federal Fluminense SIRH - SISTEMAS INTEGRADOS DE RECURSOS HUMANOS SISTEMA DE PERÍCIA MÉDICA

Universidade Federal Fluminense SIRH - SISTEMAS INTEGRADOS DE RECURSOS HUMANOS SISTEMA DE PERÍCIA MÉDICA Universidade Federal Fluminense SIRH - SISTEMAS INTEGRADOS DE RECURSOS HUMANOS SISTEMA DE PERÍCIA MÉDICA MANUAL DO USUÁRIO ÍNDICE 1.0 OBJETIVO:...3 2.0 ACESSO AO SISTEMA:...3 3.0 CADASTRO:...4 3.1 SOLICITAÇÃO

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA 1. Projeto: OEI/BRA/09/004 - Aprimoramento da sistemática de gestão do Ministério da Educação (MEC) em seus processos de formulação, implantação e

Leia mais

PAMIN PATRIMÔNIO, MEMÓRIA E INTERATIVIDADE

PAMIN PATRIMÔNIO, MEMÓRIA E INTERATIVIDADE PAMIN PATRIMÔNIO, MEMÓRIA E INTERATIVIDADE Resumo: Autores: LOURENÇO, Cláudio Djohnnatha Duarte (UFPB Discente Bolsista) cdjohnnatha@gmaill.com QUEIROGA, Eduardo Vieira (UFPB Discente Bolsista) eduardo.queiroga@lavid.ufpb.br

Leia mais

Vacinação contra a gripe em idosos não institucionalizados: estudo de base populacional

Vacinação contra a gripe em idosos não institucionalizados: estudo de base populacional Vacinação contra a gripe em idosos não institucionalizados: estudo de base populacional Renata Maciulis Dip Prof. Dr. Marcos A. Sarria Cabrera Maíra O. Furlan Sara L. Rodrigues UNIVERSIDADE ESTADUAL DE

Leia mais

CRIAÇÃO DE MODULO DE GESTÃO DE LICENÇAS DE USO DE SOFTWARE. Orientando: César Gonçalves Dias Orientador: Prof. Dr. Oscar Dalfovo

CRIAÇÃO DE MODULO DE GESTÃO DE LICENÇAS DE USO DE SOFTWARE. Orientando: César Gonçalves Dias Orientador: Prof. Dr. Oscar Dalfovo CRIAÇÃO DE MODULO DE GESTÃO DE LICENÇAS DE USO DE SOFTWARE PARA FRANQUIAS DE SOFTWARE Orientando: César Gonçalves Dias Orientador: Prof. Dr. Oscar Dalfovo Linha de apresentação 1. Apresentação da empresa

Leia mais

Guia de Ambientação Março/2011

Guia de Ambientação Março/2011 Guia de Ambientação Março/2011 APRESENTAÇÃO Caro cursista, Bem vindo ao Guia de Ambientação. Este documento é dirigido a você, participante. Com ele, você conhecerá como está estruturada a interface de

Leia mais

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental Ajuda ao SciEn-Produção 1 Este texto de ajuda contém três partes: a parte 1 indica em linhas gerais o que deve ser esclarecido em cada uma das seções da estrutura de um artigo cientifico relatando uma

Leia mais

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP (1 a 3 de dezembro de 2010) Objetivos da Pesquisa: 1) Gerais: Conhecer mais profundamente a saúde e condições de trabalho

Leia mais

CEP/HCUFG Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Goiás

CEP/HCUFG Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Goiás CEP/HCUFG Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Goiás Como utilizar a PB - PLATAFORMA BRASIL para se cadastrar e submeter projetos de pesquisa ao CEP/HC/UFG: Entrar

Leia mais

Tiago Rodrigo Marçal Murakami

Tiago Rodrigo Marçal Murakami Tiago Rodrigo Marçal Murakami Bacharel em Biblioteconomia pela USP Estudante de Administração Pública na UFOP Editor do Blog Bibliotecários sem Fronteiras - BSF Responsável pelo RABCI Estrutura e objetivo

Leia mais