Sustentabilidade. met, consectetuer. Instituto Sagres, com o apoio do Instituto de Liderança do Brasil (ILB).

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sustentabilidade. met, consectetuer. Instituto Sagres, com o apoio do Instituto de Liderança do Brasil (ILB)."

Transcrição

1 Fórum Internacional de Liderança e Sustentabilidade Mirum: Vivamus est ipsum, vehicula nec, feugiat rhoncus, accumsan id, nisl. Lorem ipsum dolor sit a met, consectetuer 2010 Aconteceu em São Paulo, em junho de 2010, o I Fórum Internacional de Liderança e Sustentabilidade: Soluções Transformadoras O I Fórum Internacional de Liderança e Sustentabilidade foi promovido pelo Grupo Bridge, com o objetivo de discutir fatos, tendências, desafios e perspectivas da Liderança no atual contexto da sustentabilidade. Através da visão da Liderança sob a perspectiva das áreas de Educação, Empresa e Sociedade, o evento estabeleceu ao seu final um levantamento dos principais desafios para a atuação da liderança em cada uma das áreas, a fim de orientar os anos que virão. Participam do evento a Drucker Society Global Network, a International Leadership Association (ILA) e o Instituto Sagres, com o apoio do Instituto de Liderança do Brasil (ILB). Estiveram presentes no evento como palestrantes Prof. Odir Pereira, representando a ILA e o ILB, Prof. Jair Militão, do Instituto Sagres, Lawrence Greenspun, da Drucker Society Global Network e Celso Braga do Grupo Bridge. Neste informativo apresentamos um resumo de cada palestra realizada pelos participantes, de forma a permitir que o conteúdo seja disseminado. Agradecemos a todos que estiveram presentes e contribuiram para que o I Fórum tenha sido um sucesso. Conteúdo: Uma visão a partir do campo do trabalho 2 Uma visão a partir do campo educacional 4 Uma visão a partir do campo social 5

2 Sustentabilidade nas atitudes humanas: 1. Ecologicamente correta 2. Socialmente justa Liderança e Sustentabilidade: Uma visão a partir do campo do trabalho Celso Teixeira Braga Entendo que sustentabilidade é um termo que se refere ao conjunto de atividades humanas sociais, econômicas, culturais e ambientais que são pronunciadas pelos homens em relação, no qual está intrínseco o empreendimento ecologicamente correto, economicamente viável, socialmente justo e culturalmente aceito. Percebo neste sentido que não posso falar de sustentabilidade sem falar dos aspectos de humanização que envolvem os que agem como um elemento fundamental de qualquer situação que chamemos sustentável. No campo organizacional, assim como nos campos educacional, social, econômico e cultural, todos deveríamos estar envolvidos em sustentabilidade uma vez que todos viveremos as consequências da não sustentabilidade. Mas o que de fato tem ocorrido no campo organizacional? A prática sustentável ainda está, na maioria das vezes, relacionada a uma área de sustentabilidade, que acaba sendo entendida como a fonte da organização de onde se produzem projetos sustentáveis. Contratam um especialista, e às vezes uma pequena equipe, que luta para envolver a empresa num esquema sustentável, buscam assim projetos para dar apoio à comunidade, ações para lidar melhor com as questões ambientais, cuidam de dar direcionamento a projetos internos de susbstituição de materiais de produção por materiais ecologicamente corretos, assim como várias outras iniciativas que são excelentes e vem envolvendo, de certa forma, as pessoas da organização. Parece-me então que as organizações entenderam, através de seus acionistas como líderes, que a sustentabilidade será necessária. Não sabemos, no entanto, se entendem o que a sustentabilidade significa de um ponto de vista mais abrangente, que é o envolvimento de todos. Claramente se torna um grande desafio escapar do limite de uma área, de projetos que são criados de uns para os outros, se nós queremos que existam ações e empreendimentos sustentáveis em que todos estejam realmente envolvidos. Vejamos a sustentabilidade como uma prática diária e conjunta que se faz por pessoas conscientes, o que implica que todos estejam em uma relação de proximidade, num diálogo aberto e livres para ações criativas e transformadoras. No cenário organizacional esta mudança está em curso e também o principal personagem que pode influenciá-la de modo efetivo: o 3. Economicamente viável 4. Culturalmente aceita Líder! Porque ele é um modelo a ser seguido. O papel da liderança deixa neste exato momento de ser técnico para ser educador. Educação para a vida ou para a sustentabilidade se quisermos dizer. Onde ele assume as funções de filósofo, psicólogo, antropólogo, artista, arquiteto e muitas outras que possam estar ligadas à natureza humana. A liderança sustentável fomenta ações conjuntas, mais integradas hierarquicamente falando, mais responsáveis a partir dos envolvidos, onde há maior autonomia, há engajamento de propósitos, há significado para a direção sustentável. Dito deste modo podemos entender que estamos no caminho, já que percebo muitas lideranças e empresas indo nesta direção porém devemos pensar se a velocidade de nossos passos está adequada 1, e se estamos pensando em como ajudar a liderança a assumir este novo papel.

3 As lideranças que estão há mais tempo na posição ainda veem a função como autoridade máxima, como técnica, e ficam mais isolados entre si. Liderança de áreas, departamentos, divisões todos bem separados onde uns não interferem nas direções dadas pelos outros. Tornando-se algo mais pessoal do que integrado. Talvez sua área tenha dificuldades, mas se a minha estiver bem. Cada um com seus problemas. Para os mais novos ocorre a necessidade de se afirmar, ficando também isolados. Se uma liderança foi substituída, por exemplo, por uma promoção, assumirei sua antiga função e o melhor é acabar com o que ela vinha fazendo, fazer tudo diferente, assim vou mostrar meu talento. O que estamos vivenciando na liderança tem demonstrado que haverá pouca chance de alcançarmos a velocidade correta se não criarmos um projeto de educação sustentável, que inclui a percepção da natureza humana nos sentidos antes já citados: filosóficos, psicológicos, antropológicos, arquitetônicos, artísticos e humanos, para a educação de nossas lideranças. O fato é que muitas lideranças estão desconfortáveis com esta situação de transição, o que nos leva a ter um bom discurso sobre sustentabilidade, mas uma prática incoerente. O mundo interno do sujeito está em conflito com o externo. Esta ação irracional da própria existência pede uma intervenção, se a luta for demasiada dura a ação deve ser terapêutica, porém há um modo que temos percebido ser efetivo, o do aumento do diálogo e do aumento da proximidade na relação, quanto mais dividimos as dificuldades abertamente como conjunto mais podemos aprender uns com os outros, isto levaria a queda de resistências e barreiras. O aumento da proximidade na relação traduz maior conjunto e cooperação com menor competição, não estamos contra os outros, mas com eles num juízo comum sobre a realidade. Neste sentido se cria o sujeito coletivo e se pode viver com uma prática que tem significado. A liderança no ambiente empresarial pode viver a partir de princípios de sustentabilidade como algo que está fora de sua consciência, sendo assim algo a que deve se adaptar, se encaixar ou se adequar, porém, só poderemos perceber uma real sustentabilidade se estes princípios forem algo que fazem parte da consciência das lideranças e, como tal, estão presentes em toda a coerência de suas ações. Como provocar uma percepção de sustentabilidade nas lideranças? Através de uma nova visão dos modelos hierárquicos! O desenho vertical das lideranças, adotado desde a época da industrialização, e em grande parte baseado nas estruturas militares de distribuição do poder para as decisões, serve bem à manutenção de uma proposta onde há menor diálogo, maior distanciamento da realidade, quando se trata dos que decidem versus os que executam e também serve para manter a relação mais distante, construindo assim um ambiente que limita as consciências dos indivíduos executores levando-os a agirem segundo interesses espúrios à sua humanidade. Ao escaparmos deste desenho, em buscade algo mais integrado onde todos fazem parte do todo e ampliando o diálogo em todas as camadas hierárquicas, podemos propor um desenho que parte de responsabilidades ampliadas e onde as lideranças são fomentadores de princípios sustentáveis, e que portanto, abrem a possibilidade de serem contrargumentados em suas decisões, fazendo com que o que está sendo pronunciado pelo conjunto ganhe dimensão de estímulo à recriação do ambiente, de modo a atender a viabilidade econômica, a aceitação cultural, a justiça social e a correta aplicação ecológica na dimensão da práxis transformadora.

4 I Forum Internacional de Liderança e Sustentabilidade Palestras Soluções Vivências Possibilidades Discussões Aprendizado Liderança e Sustentabilidade: Uma visão a partir do campo educacional Jair Militão da Silva A idéia de um desenvolvimento sustentável inclui a noção de atenção à totalidade dos fatores presentes em uma dada situação. A harmonia dos fatores presentes, humanos e não humanos, procurará ser organizada com vistas à continuação da espécie e do ambiente em que insere. Um olhar a partir do campo educacional que focalize o tema da sustentabilidade trará como contribuição a consideração do que sejam situação educativa e currículo. Pode-se dizer que houve educação quando ocorreu uma mudança do ser humano, de um ponto a outro, mediante um caminho, com a adesão livre e consciente deste ser humano. Em termos mais precisos, para a filosofia da educação, educação é a continua superação de um ponto a outro, mediante um caminho. Superação significa que uma dada situação é transformada em outra e na nova residem resquícios da anterior sendo, todavia, uma situação nova em relação à anterior. Ou seja, na superação não há ruptura, mas sim continuidade transformada. Estes três elementos: um ponto de partida, um ponto de chegada e um caminho são os fatores cruciais de uma situação educativa e, para efeito de análise, oferecem avaliação do processo educacional No ponto de partida estão situados os Lorem ipsum dolor Lorem ipsum Sit pressupostos amet, consectetuer antropológicos, Sit amet, gnosiológicos, consectetuer adipiscing adipiscing psicológicos, elit. sociológicos, elit. ou Pellentesque seja, a visão nunc tellus, Pellentesque de homem nunc que o educador iaculis tem. quis, volutpat eget, tellus, iaculis quis, bibendum ac. volutpat eget, bibendum ac. No ponto de chegada estão os objetivos e os fins da educação. No caminho está o método, ou seja, o 28 procedimento de condução do educando. Lacinia litora Uma analogia tem sido feita, ao longo da Consectetuer est. Class aptent constituição taciti sociosqu do campo ad educacional, entre a litora educação torqu. e a ação do escravo grego chamado pedagogo - que conduzia as crianças e jovens até o estádio para as aulas de ginástica: o pedagogo precisava conhecer a casa da criança ou jovem ethos -, precisava saber o destino final onde ficava o ginásio, precisava conhecer um ou mais caminhos para conduzir o jovem ou criança, com a adesão deste ou desta. A título de ilustração, torna-se interessante lembrar, que o jovem ou criança, no ginásio, antes das aulas passava pelo vestibular local no qual se preparava para as aulas, geralmente passando óleo no corpo. Outra contribuição oriunda do campo educacional é a noção de currículo, entendido como o conjunto de experiências que o educador (família, escola, etc.) oferece ao educando. O currículo é constituído por temas, juízos de valor sobre estes temas e formas de comunicação destes temas e destes juízos de valor. Uma contribuição da educação para o tema da sustentabilidade pode ser feita, então, a partir das noções de situação educativa e de currículo. Educar para a sustentabilidade é 26 procurar atingir a que ponto de chegada? Lorem dolor Sit amet, consectetuer adipiscing elit. Pellentesque nunc tellus, iaculis quis, volutpat eget, bibendum ac. Partimos de que lugar? Que caminho seguimos? Que currículo podemos oferecer? Um exame, ainda que breve, sobre quem é o homem, pode-nos dizer que, entre outros 30 atributos, ele é um ser, fundamentalmente, voltado para Mauris a ipsum vida. lacinia Ele quer viver e Consectetuer est. Class aptent perpetuar-se. taciti Toda sociosqu estrutura ad nostra. antropológica está constituída para manter a vida individual e da espécie. Todavia, como ser dotado de imensa gama de alternativas de ação, nesse uso da liberdade, o homem pode até mesmo agir contra a vida pessoal e coletiva. Não há, como acontece em outros seres vivos, uma determinante biológica para as respostas às demandas ambientais. Há, sim, condicionantes, diante dos quais o homem tem relativa liberdade para responder, o que exige decisões contínuas.

5 Essas respostas organizam-se a partir das experiências vividas por cada homem e por cada grupo humano. A educação pode oferecer efetiva influência para que respostas favoráveis à sustentabilidade apareçam. Tendo em vista a disponibilidade de tempo no presente encontro destacarei um tema que merece contemplar a organização curricular de situações educativas voltadas para a sustentabilidade: o educar-se para a transcendência. De fato, a ânsia por vida pode fazer com que o ser humano veja no outro um adversário a ser superado, no ambiente um fonte de vida a ser usufruída até o esgotamento. O medo da morte pode levar à morte. Um exame das grandes civilizações mostra que grandes obras que superaram o tempo de vida de uma única pessoa foram realizadas em nome de um ideal que transcendia a vida individual. Exemplo disso são as catedrais, que tinham sua construção com duração de séculos e que visavam exaltar a grandeza de Deus; a Grande Muralha da China, que visava à proteção de todo o Império; grandes fortunas feitas com vistas a fortalecer os herdeiros, perpetuando o clã familiar; etc. Ou seja, o que educa para a transcendência é a busca de vida; a crença de que a vida pode perpetuar-se para além da morte individual; a existência de um fim último que ultrapassa o tempo existencial individual. A experiência de que eu não morro quando saio de mim para conviver com o outro, para partilhar meus recursos, pode, gradativamente formar o ser humano para a busca de transcender o tempo próprio de vida e buscar contribuir para a vida das futuras gerações. Leadership and Sustainability Transformative Solutions: The Extraordinary Power of the Ordinary Lawrence Greenspan Introduction: C. K. Prahalad and The Fortune at the Bottom In April of this year, we lost a wonderful thinker and an even better person. C.K. Prahalad, whom the Times of London ranked as the world's leading management scholar, died unexpectedly on April 16 after a brief illness. Prahalad a professor at the University of Michigan and an expert on corporate strategy who had advised major companies around the globe is known best, perhaps, for the pioneering work in his book, The Fortune at the Bottom of the Pyramid in which he identifies the poorest of the world's poor as an untapped market worth as much as $13 trillion.* Prahalad's insight is, at its core, a recognition of the extraordinary power of the ordinary, of the rich economic potential locked within the vast, underserved and often-neglected core of humanity that forms the foundation of society's financial pyramid. Prahalad's perspective is also, first and foremost, an optimistic one. It sees opportunity where others see misfortune, and a source of wealth where others see only poverty. But it is also grounded in reality and in the notion championed by Peter Drucker that a company's first responsibility is to earn a profit. Since the publication of The Fortune at the Bottom of the Pyramid in 2004, countless companies have built successful businesses by following Prahalad's dictum that serving the billions of people who subsist at or below the poverty level is a way both to do good and to do well at the same time. It is a sentiment with which Peter Drucker would have readily agreed. Prahalad's "Fortune at the Bottom" thinking resonates, I would argue, across the spectrum of human experience and applies just as poignantly and persuasively to the concept of leadership as it does to economic circumstance. For there exists, I believe, an abundance of effective leadership at the bottom of the world's hierarchy of power and authority. Just as tremendous wealth and opportunity reside within the lifeblood of the population's poorest, untapped wellsprings of leadership and positive influence are possessed by those who hold no specific position of authority or command, but are the CEO's of their own lives, the vicepresidents and mid-level managers of their families, and informal leaders among their friends and associates. If we are going to survive and flourish if we are going to create a sustainable society we will need to nurture and unleash the leadership skills of the average person as well as cultivate and capture the capacity of the common man to accomplish uncommon things. Drucker put it this way about organizations in his book, Concept of the Corporation, but I would argue that the same applies to society as a whole: "No institution can possibly survive if it needs geniuses or supermen to manage it. It must be organized in such a way as to be able to get along under a leadership composed of average human beings."

6 Drucker Institute Because every day brings insight and motivation from Drucker for getting the right things done. We must, in short, find the extraordinary within the ordinary. Let me illustrate this process with a story from my own life, and let me suggest that if we want to search for models of sustainable leadership that we begin with the first leaders to which almost all of us are exposed our parents. The Ripples Story: The Power of the Average I have an older brother Michael and a younger sister, Jeanne. When we were little, if we were annoying Jeanne, she was limited in the number of ways she could get back at her much bigger brothers. If she hit us, we just laughed. And if she called us names, we laughed even harder because being called a "poopy-head" really didn't faze us at all. So she needed to find some kind of weakness, some way that as a little girl she could gain power of us. Eventually, she discovered what she'd been looking for the thing we valued the most in the world, our prized possession our baseball card collection. Now, my sister was one of those little children who carried her blanket, called "Blankie," around with her everywhere she went; only she carried Blankie in her mouth, not her hands. So, if Michael and I were being mean to Jeanne, she would run up to our baseball card collection, pull Blankie out of her mouth, grab a baseball card, stuff it in her mouth, cork her mouth with Blankie, and start chewing and chewing and making a face at her big brothers who weren't so tough after all. And I remember one summer day when my family was on vacation at a lake in the state of Michigan. I don't remember what I was doing to annoy Jeanne, but I know I must have been doing something because and I saw this unfold as if it were in slow motion she ran across the room to my baseball cards, which I had taken on vacation with me, grabbed my 1969 Willie Mays baseball card, pulled Blankie out of her mouth, stuffed Willie in, plugged her mouth with Blankie and started chewing. Now, translating that to Brazilian: this is the equivalent of your little sister eating your autographed picture of Pelé! So, like any red-blooded American boy who'd just seen his 1969 Willie Mays baseball card disappear into his little sister's mouth, I grabbed the other end of "Blankie," and I began to turn, and turn, and turn around and around and around and with all my might, I let go, and (CLAP LOUDLY), Jeanne splattered against the wall. For a moment or two, she kind of stuck there against the wall, like some cartoon character. Then she opened her mouth and you know that feeling when the wind gets knocked out of you and you can't breathe? (GASP TWICE). And out of her mouth falls Blankie (GASP TWICE), and out falls half-chewed Willie. And I know that once my sister catches her breath, she is going to start screaming, and Mom's going to come in, and I'm going to get it. So I run up to her, and take her in my arms, and I'm smoothing my hand enim mattis nonummy Molestie ornare amet vel id fusce, rem volutpat platea. Magnis vel, lacinia nisl, vel nostra comfortingly over her back, whispering, "You're okay, you're okay, you're okay." But my mother had heard the tumult from the next room. And she comes in and says (WITH HER FINGER BECKONING ME TO HER), "Come here." "What?" I say, trying to look all innocent, holding on to my baby sister. "What did I do?" "Come here," she says. And when I reach my mother, she clasps her hand around my wrist and drags me out the front door of the cabin toward the lake. And I'm thinking, "My mother is going to drown me for being mean to Jeanne." So I dig my heels into the gravel and sand, and she drags me down to the edge of the lake where she bends down and picks up a rather large stone. And it's like a scene from the Bible, and I'm thinking now that my mother is going to stone me for being mean to my sister, and then she is going to drown me. But, instead, she turns my wrist over, points to the lake, and indicating the rock says, "Throw it." Now I'm seven or eight years old. I have no idea what's going on. "Throw the rock," she says. Well, this I understand. So I throw the rocks. "Well," she says, pointing toward the lake, "What happened?"

7 Peter Drucker's Insights on Effective Leadership Drucker's insights on leadership derive in no small part from his work with some of the world's most important leaders from the public, private, and social sectors from the Truman, Eisenhower, and Kennedy administrations in the United States; to the CEOs of General Electric, Procter and Gamble, and Toyota; to the heads of the Salvation Army, the Girls Scouts, and the American Red Cross. "I look. "It sank," I say. "That's correct. What else?" "Nothing," I say. "Look again." "Oh, it made waves. Look, they're still going." "Ahh. They're called ripples," my mother says," and when you throw a rock into a lake, it is never just that rock entering a lake because it sends out ripples that go on and on, and like you said, they're still going now." "When you're mean to Jeanne," my mother said to me, "you're not just being mean to Jeanne. You're upsetting me. And because I'm upset, I'm short with your father. And then your father goes out, and..." "And the same," she said, "is true when you do something good. It's never just that one, little good thing in that moment, but it sends ripples of goodness that go on and on and on, and you'll never even know all the goodness that comes from that one little thing you do." Even as a little boy, my mother taught me, I possessed significant power. The decisions I made and the actions I took exerted a profound influence on a myriad of people and events. By virtue of being a person interacting with the world, I was a leader. I mattered, and what I did mattered and on a grand and important scale. There exists to borrow Prahalad's terminology a fortune of leadership at the bottom of the pyramid of power. If cultivated properly, it can be unleashed as a force for immeasurable good in society. It can sustain and empower us to reach our potential both as individuals and as a civilization. It has nothing to do with presidents, prime ministers, corporate CEOs, or wealthy entrepreneurs. It has everything to do with average, ordinary, seemingly common people, who possess power that collectively dwarfs anything wielded by the high and mighty. In an informal way, everything I ever needed to know anything any of us need to know about sustainable leadership was taught to me by my mother in the summer of 1971 when she had me throw a rock into a lake. More formally and more recently, I have gained insight into leadership by studying the ideas and ideals of Peter Drucker as the senior program manager of Claremont Graduate University's Drucker Institute, an organization whose mission is to better society by stimulating effective management and responsible leadership. And yet Drucker described himself simply as a "social ecologist" someone who observed the way humans interacted with the world around them in the same way that a natural ecologist observes the way organisms interact with each other and their environments. Keep that in mind, please, as we explore the elements of effective leadership Drucker identified in more than 60 years of work. You will see that they are not grand ideas for some elite group of powerbrokers in unusual circumstances; they are, rather, lessons that apply to all of us as we fulfill our everyday responsibilities as stewards for the world around us. They are guideposts to a model for sustainable leadership, for the extraordinary power of ordinary people to exert a positive influence upon society. In tackling the subject of leadership, Drucker began with the notion of what was NOT a quality of effective and responsible leadership: charisma. To understand this, we must first take a brief look at Drucker's biography at the world he observed in his formative years as a thinker and writer. Drucker was born in Austria in 1909 and went on to study in Germany, where he witnessed firsthand the rise of the Nazis. In fact, they burned and banned some of his earliest writings. As you might imagine, this left quite an impression on him. And it framed the way he thought about leadership. In particular, it made Drucker fearful of the way that people are apt to allow charisma above all else to singularly define leadership.

8 History knows no more charismatic leaders than (the 20th) century s triad of Hitler, Stalin and Mao the MISleaders who inflicted as much evil and suffering on humanity as have ever been recorded. Drucker Charisma, Drucker added, becomes the undoing of leaders. It makes them inflexible, convinced of their own infallibility, unable to change. This is what happened to Stalin, Hitler and Mao" Later, Drucker would similarly gripe about the personality cult of CEO supermen in American industry. But there is a flip side to this, according to Drucker and it s often overlooked. Effective leadership doesn t depend on charisma, he explained. Dwight Eisenhower, General George Marshall, and Harry Truman were singularly effective leaders, yet none possessed any more charisma than a dead mackerel. So, if it s not charisma, what is leadership? What makes a leader? Well, Drucker put it like this: Leadership is mundane, unromantic and boring, he wrote. Its essence is performance. Or as Stanford University's James March once described it: "Leadership involves plumbing as well as poetry." The insight here in terms of a leader's responsibility to perform is unmistakable: "In human affairs," Drucker wrote, "the distance between the leaders and the average is constant. If leadership performance is high, the average will go up." To ensure a high level of performance, Drucker states, effective leaders measure their results. They should literally write down, "What do I hope to achieve if I take on this assignment?" They put away their goals for six months, and then they come back and check their performance against the goals to determine if they are working toward their strengths. Of course, getting the right results the wrong way is no solution, as our current financial crisis has made abundantly clear. The responsibility of a leader to perform includes the responsibility to perform ethically. As such, Drucker links performance to another key component of effective leadership: trust. Leaders earn trust through consistency. "To trust a leader, it is not necessary to like him," Drucker said, "Nor is it necessary to agree with him. Trust is the conviction that the leader means what he says." "It is a belief in something very oldfashioned called 'integrity.' A leader's actions and a leader's professed beliefs must be congruent... Effective leadership... is not based on being clever; it is based primarily on being consistent." To ensure trustworthiness, integrity, and consistency, Drucker, suggested that leaders partake faithfully in what he called the mirror test. It works this way: When you look in the mirror in the morning, do you see the kind of person you want to see? The mirror test, Drucker wrote, does not spell out what right behavior is. It assumes, instead, that what is wrong behavior is clear enough and if there is any doubt, it is questionable and to be avoided. Drucker added that by following this standard, everyone regardless of status becomes a leader and remains so by avoiding any act which would make one the kind of person one does not want to be, does not respect. Even more important for leaders is to keep in mind a code that Drucker thought should be the first responsibility of EVERY professional indeed of every person. It was established more than 2,500 years ago by the Greek physician Hippocrates: PRIMUM NON NOCERE Above all, do no harm. How much healthier would our organizations be, would society be, if we each thought about this every time, without fail before we acted? In a similar vein, leadership involves identifying and preserving the core values of an organization. When you leave here today, you might reflect upon the basic principles and values that serve as your own ethical foundation as well as the foundations of your organizations. Write them down and keep them someplace very visible. Then, before each endeavor, ask yourself, 1)"Am I certain that I will do no harm?" and 2)"Will pursuing this goal violate any of these core beliefs?" If you cannot answer "Yes" to the former and "No" to the latter, then you have not passed "the mirror test". In addition to ensuring the core values of an organization, a leader must champion its mission the organization's reason for being. "The foundation of executive leadership," Drucker wrote in Managing for the Future, "is thinking through the organization's mission, defining it and establishing it, clearly and visibly. The leader sets the goals, sets the priorities, and sets and maintains the standards... The leader's first task is to be the trumpet that sounds a clear sound." When a Silicon Valley executive named Rajiv Dutta took over PayPal some years ago, the company was a total mess. It was losing money. It was lagging in innovation. And employees were running scared because some company called Google was threatening to get into the business. The barbarians were at the gates. Amid all this turbulence, what Dutta managed to do was excite everyone from those in the executive suite to the clerk answering the switchboard by recasting PayPal s mission and trumpeting its call. And as he framed it, PayPal wasn t just in business to process payments. Instead, it stood at the crossroads of a broader evolution of currency across the globe: a historic march from coins to paper money to credit cards to electronic commerce. Suddenly, everybody felt like part of something bigger. Indeed, they WERE part of something bigger. Something meaningful. Something important. Dutta goes so far as to credit the resultingahe bottom of the world's hierarchy

9 the resulting shift in attitude a shift in which employees now felt more inspired than scared with an extraordinary turnaround in the company s financial performance. Dutta's willingness to talk openly to his employees at PayPal about the threat posed by Google is related closely to another Drucker principle for effective leadership: Face the facts no matter how scary they might be. A time of turbulence is a dangerous time, Drucker declared, but its greatest danger is a temptation to deny reality. In his new book, called DENIAL, Harvard Business School s Richard Tedlow defines the concept simply: You ignore the obvious, he writes. Why? Because you simply don t want to confront it. You know the consequences, but you don t know. You see, but you don t see. Denial is the unconscious calculus that if an unpleasant reality were true, it would be too terrible, so therefore it cannot be true. It is what Sigmund Freud described as the combination of knowing with not knowing. It is, in George Orwell s blunt formulation, protective stupidity. Leaders are those who are able to turn a discerning gaze upon the organization and see not only the potential for what could be but the reality of what is, including pitfalls and dangers. Drucker said that, "The most important task of an organization's leader is to anticipate crisis." This requires building an organization that "is battle-ready, that has high morale, and also has been through a crisis." And if we are going to be effective leaders, we'll need not just to see crises coming but be prepared to deal with them. This requires an ability to adapt and change, to try something new, to experiment. We tend to think of difficult stretches as the worst time to try new things. But the way Drucker saw it, new initiatives should start out small and not require a huge amount of resources. Run numerous experiments, HARVARD BUSINESS REVIEW asserted last year in an article, titled, dauntingly, Leadership in a (Permanent) Crisis. Many will fail, of course, and the way forward will be characterized by midcourse corrections, the piece went on to say. But that s OK. Take a page out of the technology industry s playbook: Version 2.0 is an explicit acknowledgement that products coming to market are experiments, prototypes to be improved in the next iteration. Bill Pollard, the former CEO of ServiceMaster and a Drucker consulting client and close friend, says that one of the most valuable things he learned from Drucker was that the potential for the new always requires testing and piloting. For a new idea to be successful it must get off the drawing board and beyond a market analysis or focus study group. It s important to get started to (begin) servicing a few customers to learn from the practical application of an idea. Ideas can be studied and analyzed until they are suffocated. If a thing is worth doing, it is worth doing poorly to begin with... to learn from experience. Another critical aspect of leadership involves learning when to stop pouring resources into things that have already achieved their purpose or will never achieve their purpose. The most dangerous traps for a leader are those near-successes where everybody says that if you just give it another big push it will go over the top, Drucker warned. One tries it once. One tries it twice. One tries it a third time. But, by then it should be obvious that it s not working. And so you stop. Yet this is often the hardest thing for any of us to do, especially when ego is invested, when turf is being protected. But as Drucker pointed out, The corpse doesn t smell any better the longer you keep it around. It is hard to overstate the importance of this core Drucker tenet: Planned, purposeful abandonment of the old and of the unrewarding, he wrote, is a prerequisite to successful pursuit of the new and highly promising. Another aspect of being a good leader involves striking the right balance between internal focus on the organization and an external consideration of the common good. As a matter of survival, Drucker noted, nothing short of "single-minded concentration on the part of the institution" is necessary. "But at the same time," Drucker hastened to add, "leaders must take responsibility for what happens to the community at large." This engagement with the community can take on many forms. Government leaders, we believe, have a special role to play as conveners and catalysts in this process of forging partnerships for common tasks among various types of institutions. Similarly, individual leaders from all sectors must answer Drucker's call for commitment to the broader community. The power of this calling can be seen in the work of some 9 million nonprofit staffers around the country as well as the more than 60 million Americans who volunteer annually. It can also be seen in companies such as Proctor and Gamble, Dannon, and Unilever, who have figured out how to make a social aim part of their core business strategy. Unilever, for example, has supported an international hand-washing campaign that promotes both good health and good business for its line of soaps. In this manner, Unilever is tapping into what Prahalad identified as the opportunity to do good and do well at the same time. Drucker put it this way: "What is needed [to create thriving communities] is for leaders of all institutions to take leadership responsibility beyond the walls" of their own organizations. There is need for the acceptance of leaders in every single institution and in every single sector that they... have two responsibilities. As such, Drucker links performance to another key component of effective

10 i ma gin e Ferhoncus de plub Omare foremne Lemacord Promwn ILA 2010 Conference Leadership 2.0: Time for Action Em outubro acontecerá a Conferência Internacional da ILA em que mais de líderes de 40 países se reúnem. O Grupo Bridge participará, falando sobre o Novo Sistema de Aprendizado para Inovação TIME FOR INOVATION; escolhido entre mais de 500 projetos inscritos. Acompanhe novidades em breve. They are responsible and accountable for the performance of their institutions, and that requires them and their institutions to be concentrated, focused, limited. They are responsible also, however, for the community as a whole. This requires commitment. It requires willingness to accept that other institutions have different values, respect... these values, and... learn what these values are. It requires hard work. But above all it requires commitment, conviction, dedication to the common good. A final insight from Drucker on leadership is one from which we could probably all benefit: to remember to hit pause every now and again not for our organizations, but for ourselves, personally. It's the creation of empty time and space moments when we shut off all outside distractions and give ourselves the opportunity to think that can determine whether we're organized effectively and whether we'll move forward successfully. Nevertheless, we clutter our lives and schedules with unnecessary "stuff." Punch the term "information overload" into a Google search and you get more than 1.4 million hits itself a sign of the problem. In his great little book The Ten Commandments for Business Failure, former Coca-Cola President Donald Keough cites one analysis that found the typical corporate employee is besieged by 133 s every day. Some systematically fight off this onslaught. For instance, when Patty Stonesifer became CEO of the Bill & Melinda Gates Foundation, she made a point of keeping her Fridays unscheduled so she could study, learn, and refresh herself. Keeping the calendar blank isn't easy, however, even for the most well-intentioned executive. Often, Drucker warned, "within a few days or weeks, the entire discretionary time will be gone again, nibbled away by new crises, new immediacies, new trivia." That's why the most able time managers, he explained, "keep a continuing log and analyze it periodically," cutting additional activities as necessary. Still, it's not just "inbox shock" and meeting fatigue that one must guard against. Put any project or deal into motion, and "it's difficult to stop," Keough asserts. "There is a tendency toward group wishing in decision making wherein everyone is so eager to make something happen that straight thinking becomes almost impossible." Keough's advice for any leader: Cease what you're engaged in every now and again and chew on it for a while. "Time to think is not a luxury," he says. "It is a necessity Unless somebody stops to think it's easy to make the same mistakes over and over." For his part, Peter Drucker shared these sentiments. "Follow effective action with quiet reflection," he said. "From the quiet reflection will come even more effective action." With that, I m going to pause myself and give everyone a chance to reflect on what we've learned..

GUIÃO A. Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho. 1º Momento. Intervenientes e Tempos. Descrição das actividades

GUIÃO A. Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho. 1º Momento. Intervenientes e Tempos. Descrição das actividades Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho GUIÃO A 1º Momento Intervenientes e Tempos Descrição das actividades Good morning / afternoon / evening, A and B. For about three minutes, I would like

Leia mais

Guião M. Descrição das actividades

Guião M. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Inovação Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: O Mundo do trabalho Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO Guião M Intervenientes

Leia mais

Guião A. Descrição das actividades

Guião A. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Ponto de Encontro Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO

Leia mais

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Portuguese Lesson A Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Story Time is a program designed for students who have already taken high school or college courses or students who have completed other

Leia mais

Prova Oral de Inglês Duração da Prova: 20 a 25 minutos 2013/2014. 1.º Momento. 4 (A), are you a health-conscious person?

Prova Oral de Inglês Duração da Prova: 20 a 25 minutos 2013/2014. 1.º Momento. 4 (A), are you a health-conscious person? Prova Oral de Inglês Duração da Prova: 20 a 25 minutos 2013/2014 GUIÃO A Disciplina: Inglês, Nível de Continuação 11.º ano Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho 1.º Momento Intervenientes e Tempos

Leia mais

Descrição das actividades

Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Em Acção Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho Duração da prova: 15 a 20 minutos Guião D 1.º MOMENTO Intervenientes

Leia mais

Inglês. Guião. Teste Intermédio de Inglês. Parte IV Interação oral em pares. Teste Intermédio

Inglês. Guião. Teste Intermédio de Inglês. Parte IV Interação oral em pares. Teste Intermédio Teste Intermédio de Inglês Parte IV Interação oral em pares Teste Intermédio Inglês Guião Duração do Teste: 10 a 15 minutos De 25.02.2013 a 10.04.2013 9.º Ano de Escolaridade D TI de Inglês Página 1/ 7

Leia mais

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO PROJECTO PROVAS EXPERIMENTAIS DE EXPRESSÃO ORAL DE LÍNGUA ESTRANGEIRA - 2005-2006 Ensino Secundário - Inglês, 12º ano - Nível de Continuação 1 1º Momento GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

Leia mais

In this lesson we will review essential material that was presented in Story Time Basic

In this lesson we will review essential material that was presented in Story Time Basic Portuguese Lesson 1 Welcome to Lesson 1 of Story Time for Portuguese Story Time is a program designed for students who have already taken high school or college courses or students who have completed other

Leia mais

Conteúdo Programático Anual

Conteúdo Programático Anual INGLÊS 1º BIMESTRE 5ª série (6º ano) Capítulo 01 (Unit 1) What s your name? What; Is; My, you; This; Saudações e despedidas. Capítulo 2 (Unit 2) Who s that? Who; This, that; My, your, his, her; Is (afirmativo,

Leia mais

NOTA: Professor(a): Bispo, Suzamara Apª de Souza Nome: n.º 3º Web. 3ª Postagem Exercícios de reposição ( listening )

NOTA: Professor(a): Bispo, Suzamara Apª de Souza Nome: n.º 3º Web. 3ª Postagem Exercícios de reposição ( listening ) Professor(a): Bispo, Suzamara Apª de Souza Nome: n.º 3º Web Barueri, / / 2009 Trimestre: 3ª Postagem Exercícios de reposição ( listening ) NOTA: ACTIVITY ONE: Put the verses in order according to what

Leia mais

GUIÃO A. What about school? What s it like to be there/here? Have you got any foreign friends? How did you get to know them?

GUIÃO A. What about school? What s it like to be there/here? Have you got any foreign friends? How did you get to know them? GUIÃO A Prova construída pelos formandos e validada pelo GAVE, 1/7 Grupo: Chocolate Disciplina: Inglês, Nível de Continuação 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas 1º Momento Intervenientes

Leia mais

Trabalho de Compensação de Ausência - 1º Bimestre

Trabalho de Compensação de Ausência - 1º Bimestre Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio Regular. Rua Cantagalo 313, 325, 337 e 339 Tatuapé Fones: 2293-9393 e 2293-9166 Diretoria de Ensino Região LESTE 5 Trabalho de Compensação de Ausência

Leia mais

Preposições em Inglês: www.napontadalingua.hd1.com.br

Preposições em Inglês: www.napontadalingua.hd1.com.br Preposições na língua inglesa geralmente vem antes de substantivos (algumas vezes também na frente de verbos no gerúndio). Algumas vezes é algo difícil de se entender para os alunos de Inglês pois a tradução

Leia mais

WORKING CHILDREN. a) How many children in Britain have part-time jobs?. b) What do many Asian children do to make money in Britain?.

WORKING CHILDREN. a) How many children in Britain have part-time jobs?. b) What do many Asian children do to make money in Britain?. Part A I. TEXT. WORKING CHILDREN Over a million school children in Britain have part-time Jobs. The number is growing, too. More and more teenagers are working before school, after school or on weekends.

Leia mais

Searching for Employees Precisa-se de Empregados

Searching for Employees Precisa-se de Empregados ALIENS BAR 1 Searching for Employees Precisa-se de Empregados We need someone who can prepare drinks and cocktails for Aliens travelling from all the places in our Gallaxy. Necessitamos de alguém que possa

Leia mais

Aqui estamos para a Lição 2 da série Guitarra Solo Blues. O que nós vamos falar nesta lição são as escales de blues mais comuns e utilizadas.

Aqui estamos para a Lição 2 da série Guitarra Solo Blues. O que nós vamos falar nesta lição são as escales de blues mais comuns e utilizadas. Language: Portuguese Translated by: Romeu and Bruno BL-012 Blues Lead Guitar #2 Scales Translation of the video lesson OK. Welcome back. So here we are now for Lesson 2 of my Blues Lead Guitar series.

Leia mais

ACFES MAIORES DE 23 ANOS INGLÊS. Prova-modelo. Instruções. Verifique se o exemplar da prova está completo, isto é, se termina com a palavra FIM.

ACFES MAIORES DE 23 ANOS INGLÊS. Prova-modelo. Instruções. Verifique se o exemplar da prova está completo, isto é, se termina com a palavra FIM. ACFES MAIORES DE 23 ANOS INGLÊS Prova-modelo Instruções Verifique se o exemplar da prova está completo, isto é, se termina com a palavra FIM. A prova é avaliada em 20 valores (200 pontos). A prova é composta

Leia mais

PRESENT PERFECT. ASPECTOS A SEREM CONSIDERADOS: 1. Não existe este tempo verbal na Língua Portuguesa;

PRESENT PERFECT. ASPECTOS A SEREM CONSIDERADOS: 1. Não existe este tempo verbal na Língua Portuguesa; ASPECTOS A SEREM CONSIDERADOS: 1. Não existe este tempo verbal na Língua Portuguesa; 2. Associa-se o Present Perfect entre uma ação do passado que tenha uma relação com o presente; My life has changed

Leia mais

Lesson 6 Notes. Eu tenho um irmão e uma irmã Talking about your job. Language Notes

Lesson 6 Notes. Eu tenho um irmão e uma irmã Talking about your job. Language Notes Lesson 6 Notes Eu tenho um irmão e uma irmã Talking about your job Welcome to Fun With Brazilian Portuguese Podcast, the podcast that will take you from beginner to intermediate in short, easy steps. These

Leia mais

Foco da Linguagem. Language Focus

Foco da Linguagem. Language Focus I can t find my wallet. I don t know where I lost it. Não consigo encontrar minha carteira. Não sei onde eu a perdi. I can t find I don t know where my wallet. minha carteira. Não consigo encontrar my

Leia mais

Bárbara Rodrigues da Silva 3ALEN, 2015

Bárbara Rodrigues da Silva 3ALEN, 2015 Pets reality There are about 30 millions abandoned pets only in Brazil. Among these amount, about 10 millions are cats and the other 20 are dogs, according to WHO (World Health Organization). In large

Leia mais

Colégio de Aplicação UFRGS. Name: Group:

Colégio de Aplicação UFRGS. Name: Group: Present Perfect: FOOD for THOUGHT Colégio de Aplicação UFRGS Name: Group: Present Perfect Simple Os Perfect Tenses são formados com o presente simples do verbo to have (have / has), que, neste caso, funciona

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE INGLÊS 7º ANO INTERMEDIÁRIO 1º BIM - 2016

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE INGLÊS 7º ANO INTERMEDIÁRIO 1º BIM - 2016 ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE INGLÊS 7º ANO INTERMEDIÁRIO 1º BIM - 2016 Nome: Nº 7ª Série Data: / / Professor(a): Nota: (Valor 1,0) INSTRUÇÕES PARA A PARTICIPAÇÃO NA RECUPERAÇÃO Neste bimestre, sua media foi

Leia mais

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS 01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS OBS1: Adaptação didática (TRADUÇÃO PARA PORTUGUÊS) realizada pelo Prof. Dr. Alexandre Rosa dos Santos. OBS2: Textos extraídos do site: http://www.englishclub.com

Leia mais

Exercícios extras. Na aula de hoje, você deverá arregaçar as

Exercícios extras. Na aula de hoje, você deverá arregaçar as Exercícios extras Assunto do dia Na aula de hoje, você deverá arregaçar as mangas e entrar de cabeça nos exercícios extras, que têm como tema tudo que vimos nas aulas do Segundo Grau. Atenção: 3, 2, 1...

Leia mais

Lição 27: Preposições de direção. Como usar preposições de direção.

Lição 27: Preposições de direção. Como usar preposições de direção. Lesson 27: Prepositions of Direction (from, to, into, onto, away from) Lição 27: Preposições de direção Como usar preposições de direção.. Reading (Leituras) I come from Austria. ( Eu venho da Áustria.)

Leia mais

AT A HOTEL NO HOTEL. I d like to stay near the station. Can you suggest a cheaper hotel? Poderia sugerir um hotel mais barato?

AT A HOTEL NO HOTEL. I d like to stay near the station. Can you suggest a cheaper hotel? Poderia sugerir um hotel mais barato? I d like to stay near the station. Can you suggest a cheaper hotel? Gostaria de ficar por perto da estação. Poderia sugerir um hotel mais barato? I d like to stay near the station. (I would ) in a cheaper

Leia mais

Câmbio MONEY CHANGER. I d like to exchange some money. Gostaria de cambiar um pouco de dinheiro. Where can I find a money changer?

Câmbio MONEY CHANGER. I d like to exchange some money. Gostaria de cambiar um pouco de dinheiro. Where can I find a money changer? MONEY CHANGER Câmbio I d like to exchange some money. Where can I find a money changer? Gostaria de cambiar um pouco de dinheiro. Onde posso encontrar um câmbio? I d like to exchange (I would) Where can

Leia mais

Teoria Económica Clássica e Neoclássica

Teoria Económica Clássica e Neoclássica Teoria Económica Clássica e Neoclássica Nuno Martins Universidade dos Açores Jornadas de Estatística Regional 29 de Novembro, Angra do Heroísmo, Portugal Definição de ciência económica Teoria clássica:

Leia mais

make a decision ANÁLISE EXEMPLO decide/choose

make a decision ANÁLISE EXEMPLO decide/choose make a decision decide/choose A expressão make a decision significa tomar uma decisão. O verbo make é utilizado aqui porque a decisão não existe ainda, ou seja, não é algo que será executado, mas sim algo

Leia mais

Treinamento para Pais Cidadania digital No Nível Fundamental. Parent Academy Digital Citizenship. At Elementary Level

Treinamento para Pais Cidadania digital No Nível Fundamental. Parent Academy Digital Citizenship. At Elementary Level Parent Academy Digital Citizenship At Elementary Level Treinamento para Pais Cidadania digital No Nível Fundamental Pan American School of Bahia March 18 and 29, 2016 Digital Citizenship Modules Cyberbullying

Leia mais

Andrew is an engineer and he works in a big company. Sujeito Predicado (e) Suj. Predicado

Andrew is an engineer and he works in a big company. Sujeito Predicado (e) Suj. Predicado Inglês Aula 01 Título - Frases básicas em Inglês As orações em Inglês também se dividem em Sujeito e Predicado. Ao montarmos uma oração com um sujeito e um predicado, montamos um período simples. Estas

Leia mais

Serviços: API REST. URL - Recurso

Serviços: API REST. URL - Recurso Serviços: API REST URL - Recurso URLs reflectem recursos Cada entidade principal deve corresponder a um recurso Cada recurso deve ter um único URL Os URLs referem em geral substantivos URLs podem reflectir

Leia mais

How are you? Activity 01 Warm up. Activity 02 Catch! Objective. Procedure. Objective. Preparation. Procedure. To warm-up and practice greetings.

How are you? Activity 01 Warm up. Activity 02 Catch! Objective. Procedure. Objective. Preparation. Procedure. To warm-up and practice greetings. Activity 01 Warm up Objective To warm-up and practice greetings. 1. Make sure you re in the room before the Ss. 2. Greet Ss as they enter the room using How are you?, How are you doing?, What s up?. 3.

Leia mais

GRAU DE ADJETIVOS E ADVÉRBIOS

GRAU DE ADJETIVOS E ADVÉRBIOS Aula9 GRAU DE ADJETIVOS E ADVÉRBIOS META Os alunos terão a compreensão e entendimento da classificação dos adjetivos e advérbios nos graus de comparativo e superlativo na leitura em língua inglesa OBJETIVOS

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA SUBDIVISÃO DE ADMISSÃO E DE SELEÇÃO

COMANDO DA AERONÁUTICA ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA SUBDIVISÃO DE ADMISSÃO E DE SELEÇÃO Questão: 26 30 41 A questão 26 do código 02, que corresponde à questão 30 do código 04 e à questão 41 do código 06 Nº de Inscrição: 2033285 2041257 2030195 2033529 2032517 2080361 2120179 2120586 2037160

Leia mais

Prova Escrita de Inglês

Prova Escrita de Inglês PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Inglês 6º Ano de Escolaridade Prova 06 / 2.ª Fase 7 Páginas Duração da Prova: 90 minutos. 2014 Prova 06/ 2.ª F.

Leia mais

Como dizer quanto tempo leva para em inglês?

Como dizer quanto tempo leva para em inglês? Como dizer quanto tempo leva para em inglês? Você já se pegou tentando dizer quanto tempo leva para em inglês? Caso ainda não tenha entendido do que estou falando, as sentenças abaixo ajudarão você a entender

Leia mais

Novos Economistas 2012 Saídas Profissionais em Tempo de Crise. - Carlos Paz Professor Associado ISG -

Novos Economistas 2012 Saídas Profissionais em Tempo de Crise. - Carlos Paz Professor Associado ISG - Novos Economistas 2012 Saídas Profissionais em Tempo de Crise - Carlos Paz Professor Associado ISG - Agenda Introdução O Tempo de Crise Debate sobre saídas profissionais Conclusões 2 Accenture Accenture:

Leia mais

Bem-vindo ao Inspector Stone uma produção da BBC Learning. Vamos começar o espetáculo.

Bem-vindo ao Inspector Stone uma produção da BBC Learning. Vamos começar o espetáculo. The case of the missing ring Script: part three A transcrição abaixo não é uma cópia fiel do áudio. Apresentadora: Bem-vindo ao Inspector Stone uma produção da BBC Learning English. Série 1 o caso da aliança

Leia mais

Phrasal Verbs, What for?

Phrasal Verbs, What for? Phrasal Verbs, What for? Um dos maiores problemas que o estudante da língua inglesa enfrenta para entender conversas cotidianas, filmes ou músicas em inglês é o uso dos chamados Phrasal Verbs, que tornam

Leia mais

PRONOMES. Ø Pronomes Pessoais

PRONOMES. Ø Pronomes Pessoais PRONOMES O pronome é uma palavra usada no lugar do nome (substantivo) para evitar a sua repetição e concorda, em gênero e número com o substantivo que representa. Para cada tipo de Pronome há um tipo de

Leia mais

Cowboys, Ankle Sprains, and Keepers of Quality: How Is Video Game Development Different from Software Development?

Cowboys, Ankle Sprains, and Keepers of Quality: How Is Video Game Development Different from Software Development? Cowboys, Ankle Sprains, and Keepers of Quality: How Is Video Game Development Different from Software Development? Emerson Murphy-Hill Thomas Zimmermann and Nachiappan Nagappan Guilherme H. Assis Abstract

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA MÚSICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA

A INFLUÊNCIA DA MÚSICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA 1. Introdução A INFLUÊNCIA DA MÚSICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA Jhonatas Garagnani de Souza (G- CLCA - UENP-CJ/CJ) Juliano César Teixeira (G- CLCA UENP/CJ) Paula Fernanda L. de Carvalho (G- CLCA -UENP-CJ-CJ)

Leia mais

3 o ANO ENSINO MÉDIO. Prof. a Christiane Mourão Prof. a Cláudia Borges

3 o ANO ENSINO MÉDIO. Prof. a Christiane Mourão Prof. a Cláudia Borges 3 o ANO ENSINO MÉDIO Prof. a Christiane Mourão Prof. a Cláudia Borges Unidade II Science Health and nature 2 Aula 5.1 Conteúdos Phrasal Verbs in texts 3 Habilidade Identificar os phrasal verbs em textos

Leia mais

Amy Winehouse - Tears Dry On Their Own

Amy Winehouse - Tears Dry On Their Own Amy Winehouse - Tears Dry On Their Own All I can ever be to you, is a darkness that we knew And this regret I got accustomed to Once it was so right When we were at our high, Waiting for you in the hotel

Leia mais

Inglês 05 The Present.

Inglês 05 The Present. Inglês 05 The Present. O Presente Simples expressa uma ação que acontece rotineiramente, em contraste com o Continuous, que expressa, entre outras coisas, uma ação que esta se processando no momento. He

Leia mais

Módulo 1 - Dia dos mortos. Inglês sem Esforço. Caro aluno

Módulo 1 - Dia dos mortos. Inglês sem Esforço. Caro aluno Inglês sem Esforço Caro aluno Você agora será orientado por um dos mais incríveis métodos de aprendizagem da língua inglesa. O método de aprendizagem Effortless English foi desenvolvido pelo renomado professor

Leia mais

São eles: SOME (Algum, alguma, alguns,algumas). É utilizado em frases afirmativas,antes de um substantivo. Ex.:

São eles: SOME (Algum, alguma, alguns,algumas). É utilizado em frases afirmativas,antes de um substantivo. Ex.: Pronomes Indefinidos Indefinite Pronouns Esses pronomes são utilizados para falar de pessoas, objetos ou lugares indefinidos Referem a pessoas ou coisas, de modo vago ou impreciso São eles: SOME (Algum,

Leia mais

SEYMOUR PAPERT Vida e Obra

SEYMOUR PAPERT Vida e Obra SEYMOUR PAPERT Vida e Obra Eva Firme Joana Alves Núria Costa 1 de Março de 1928 -EUA Activista - movimento anti-apartheid 1954-1958 - Universidade de Cambridge (matemática). 1958-1963 - Centro de Epistemologia

Leia mais

User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing

User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing Kern, Bryan; B.S.; The State University of New York at Oswego kern@oswego.edu Tavares, Tatiana; PhD;

Leia mais

WELCOME. Entrevista - Cultural Care MÓDULO 2 . TESTE - SIMULAÇÃO DE ENTREVISTA COM A HOST FAMILY

WELCOME. Entrevista - Cultural Care MÓDULO 2 . TESTE - SIMULAÇÃO DE ENTREVISTA COM A HOST FAMILY WELCOME Entrevista - Cultural Care MÓDULO 2. TESTE - SIMULAÇÃO DE ENTREVISTA COM A HOST FAMILY ENTREVISTA FÓRMULA VENCEDORA Passo 1 As perguntas da estrevista são bem parecidas com as perguntas de nivel

Leia mais

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 75/2013

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 75/2013 PASSO A PASSO DO DYNO Ao final desse passo a passo você terá o texto quase todo traduzido. Passo 1 Marque no texto as palavras abaixo. (decore essas palavras, pois elas aparecem com muita frequência nos

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA SUBSTITUTIVA DE INGLÊS

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA SUBSTITUTIVA DE INGLÊS COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 2ª PROVA SUBSTITUTIVA DE INGLÊS Aluno(a): Nº Ano: 8º Turma: Data: Nota: Professor(a): Débora Toledo Valor da Prova: 65 pontos Orientações gerais: 1) Número

Leia mais

What is Bullying? Bullying is the intimidation or mistreating of weaker people. This definition includes three important components:1.

What is Bullying? Bullying is the intimidation or mistreating of weaker people. This definition includes three important components:1. weaker people. This definition includes three important components:1. Bullying is aggressive behavior that involves unwanted, negative actions. 2. Bullying involves a pattern of behavior repeated over

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO METROPOLITANO DE SÃO PAULO CURSO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS

CENTRO UNIVERSITÁRIO METROPOLITANO DE SÃO PAULO CURSO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CENTRO UNIVERSITÁRIO METROPOLITANO DE SÃO PAULO CURSO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS UMA VANTAGEM COMPETITIVA COM A TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS AMANDA ZADRES DANIELA LILIANE ELIANE NUNES ELISANGELA MENDES Guarulhos

Leia mais

My English Language Passport

My English Language Passport My English Language Passport Personal information First name: Address: Surname: Date of birth: First language: Languages spoken: Email address: English learnt at school Type of school Primary school Number

Leia mais

LEITURA SEMANA 1. Charlles Nunes

LEITURA SEMANA 1. Charlles Nunes Aprenda Inglês em 7 Semanas LEITURA SEMANA 1 Charlles Nunes G SEMANA 1 PALAVRAS 1 A 52 01 the o, a, os, as A Every love is the first one. Todo amor é o primeiro amor. B The best is yet to come! O melhor

Leia mais

Project Management Activities

Project Management Activities Id Name Duração Início Término Predecessoras 1 Project Management Activities 36 dias Sex 05/10/12 Sex 23/11/12 2 Plan the Project 36 dias Sex 05/10/12 Sex 23/11/12 3 Define the work 15 dias Sex 05/10/12

Leia mais

Curso EFA - Inglês. A. Ouça a Tzu-Lee e o Jack falar sobre as suas actividades depois da escola. Complete a tabela.

Curso EFA - Inglês. A. Ouça a Tzu-Lee e o Jack falar sobre as suas actividades depois da escola. Complete a tabela. Curso EFA - Inglês Leisure 4 A. Ouça a Tzu-Lee e o Jack falar sobre as suas actividades depois da escola. Complete a tabela. Monday Tuesday Wednesday Thursday Friday Myers, Cathy et al Step Ahead 7 (wkbk)

Leia mais

Ideação - Geração de idéias para inovação

Ideação - Geração de idéias para inovação Ideação - Geração de idéias para inovação Carlos Arruda, Anderson Rossi e Paulo Savaget Centro de Referência em Inovação 19 de Outubro/2010 Agenda do evento 8h45 9h00 Café de boas vindas 9h00 9h30 Abertura:

Leia mais

UNIFEI - UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ MATEMÁTICA

UNIFEI - UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ MATEMÁTICA UNIFEI - UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ MATEMÁTICA PROVA DE TRANSFERÊNCIA INTERNA, EXTERNA E PARA PORTADOR DE DIPLOMA DE CURSO SUPERIOR - 30/11/2014 CANDIDATO: CURSO PRETENDIDO: OBSERVAÇÕES: 1. Prova

Leia mais

BRIGHAM AND EHRHARDT PDF

BRIGHAM AND EHRHARDT PDF BRIGHAM AND EHRHARDT PDF ==> Download: BRIGHAM AND EHRHARDT PDF BRIGHAM AND EHRHARDT PDF - Are you searching for Brigham And Ehrhardt Books? Now, you will be happy that at this time Brigham And Ehrhardt

Leia mais

Inglês com Inglesar Jota Filho

Inglês com Inglesar Jota Filho Inglês com Inglesar Jota Filho Aula Prática Parte 5 Texto em Inglês: Reddy Fox He was afraid that he would fall through into the water or onto the cruel rocks below. Granny Fox ran back to where Reddy

Leia mais

LESSON 1 PRONOUNS ( II ) (LIÇÃO 1 PRONOMES ( II ) )

LESSON 1 PRONOUNS ( II ) (LIÇÃO 1 PRONOMES ( II ) ) LESSON 1 PRONOUNS ( II ) (LIÇÃO 1 PRONOMES ( II ) ) 1. INTERROGATIVE PRONOUNS (PRONO- MES INTERROGATIVOS) Interrogative Tradução Exemplos Pronouns What (O) que? Qual? What does he want? (O que ele quer?)

Leia mais

A equipa A corre à volta do círculo O coach lança, a equipa A sai a atacar contra a equipa B Jogam 5x4 (contra ataque) 5x5 (ataque posição) 5x6..

A equipa A corre à volta do círculo O coach lança, a equipa A sai a atacar contra a equipa B Jogam 5x4 (contra ataque) 5x5 (ataque posição) 5x6.. A equipa A corre à volta do círculo O coach lança, a equipa A sai a atacar contra a equipa B Jogam 5x4 (contra ataque) 5x5 (ataque posição) 5x6..5x7 (ocupar espaços) Explosive first step Atacar o cesto

Leia mais

Dependent Clauses ( Orações Subordinadas)

Dependent Clauses ( Orações Subordinadas) www.blogpensandoemingles.com www.facebook.com/pensandoeminglesblog Dependent Clauses ( Orações Subordinadas) Para entendermos melhor este assunto será necessário observarmos como ele funciona em português.

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO. Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO. Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática São Paulo 2010 JOÃO FÁBIO PORTO Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática

Leia mais

Título Present Continuous e Pronomes Objeto.

Título Present Continuous e Pronomes Objeto. Inglês Aula 02 Título Present Continuous e Pronomes Objeto. O present continuous é basicamente um tempo verbal que descreve uma ação que está se processando no momento. Alex is talking to his sister and

Leia mais

Lição 24: Preposições de tempo. Como usar preposições de tempo.

Lição 24: Preposições de tempo. Como usar preposições de tempo. Lesson 24: Prepositions of Time (in, on, at, for, during, before, after) Lição 24: Preposições de tempo Como usar preposições de tempo. Reading (Leituras) I was born in 2000. (Eu nasci em 2000.) We work

Leia mais

Treinamento para Pais Cidadania digital No Nível Fundamental. Parent Academy Digital Citizenship. At Elementary Level

Treinamento para Pais Cidadania digital No Nível Fundamental. Parent Academy Digital Citizenship. At Elementary Level Parent Academy Digital Citizenship At Elementary Level Treinamento para Pais Cidadania digital No Nível Fundamental Pan American School of Bahia March 18 and 29 April 5 and 18 May 3 and 9 June 6, 2016

Leia mais

Conjunções. Conjunções coordenativas São palavras que estabelecem relações entre dois termos ou duas orações independentes entre si, Definição

Conjunções. Conjunções coordenativas São palavras que estabelecem relações entre dois termos ou duas orações independentes entre si, Definição LÍNGUA INGLESA CONJUNÇÕES Professora Leila Eto Definição Conjunções É uma palavra que liga orações ou palavras da mesma oração. Conjunções coordenativas São palavras que estabelecem relações entre dois

Leia mais

manualdepsiquiatriainfant il manual de psiquiatria infantil

manualdepsiquiatriainfant il manual de psiquiatria infantil manualdepsiquiatriainfant il manual de psiquiatria infantil Topic on this manual is about the greatest of those manualdepsiquiatriainfantil manual de psiquiatria infantil might have lots 1000s of different

Leia mais

BR-EMS MORTALITY AND SUVIVORSHIP LIFE TABLES BRAZILIAN LIFE INSURANCE AND PENSIONS MARKET

BR-EMS MORTALITY AND SUVIVORSHIP LIFE TABLES BRAZILIAN LIFE INSURANCE AND PENSIONS MARKET BR-EMS MORTALITY AND SUVIVORSHIP LIFE TABLES BRAZILIAN LIFE INSURANCE AND PENSIONS MARKET 2015 1 e-mail:mario@labma.ufrj.br Tables BR-EMS, mortality experience of the Brazilian Insurance Market, were constructed,

Leia mais

ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS

ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS THE CAPITAL STRUCTURE: AN ANALYSE ON INSURANCE COMPANIES FREDERIKE MONIKA BUDINER METTE MARCO ANTÔNIO DOS SANTOS MARTINS PAULA FERNANDA BUTZEN

Leia mais

Lição 40: deve, não deve, não deveria

Lição 40: deve, não deve, não deveria Lesson 40: must, must not, should not Lição 40: deve, não deve, não deveria Reading (Leituras) You must answer all the questions. ( Você deve responder a todas as We must obey the law. ( Nós devemos obedecer

Leia mais

Visitor, is this is very important contact with you. WATH DO WE HERE?

Visitor, is this is very important contact with you. WATH DO WE HERE? Visitor, is this is very important contact with you. I m Gilberto Martins Loureiro, Piraí s Senior Age Council President, Rio de Janeiro State, Brazil. Our city have 26.600 habitants we have 3.458 senior

Leia mais

Nome do aluno: N.º: Turma: Atenção! Não vire esta página até receber a indicação para o fazer.

Nome do aluno: N.º: Turma: Atenção! Não vire esta página até receber a indicação para o fazer. Teste Intermédio Inglês Parte II Compreensão do oral Versão 1 Duração do Teste: 30 minutos 27.02.2014 11.º Ano de Escolaridade Escola: Nome do aluno: N.º: Turma: Classificação (subtotal): Assinatura do

Leia mais

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 74/2013

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 74/2013 PASSO A PASSO DO DYNO Ao final desse passo a passo você terá o texto quase todo traduzido. Passo 1 Marque no texto as palavras abaixo. (decore essas palavras, pois elas aparecem com muita frequência nos

Leia mais

Seu Tempo é Precioso. Volume I. Charlles Nunes

Seu Tempo é Precioso. Volume I. Charlles Nunes APRENDA INGLÊS EM CASA Seu Tempo é Precioso Volume I Charlles Nunes Aprenda Inglês em Casa ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 3 LESSON 1... 5 LESSON 2... 10 LESSON 3... 16 LESSON 4... 21 2 Charlles Nunes APRESENTAÇÃO

Leia mais

manualdepsiquiatriainfant il manual de psiquiatria infantil

manualdepsiquiatriainfant il manual de psiquiatria infantil manualdepsiquiatriainfant il manual de psiquiatria infantil These guides possess a lot information especially advanced tips such as the optimum settings configuration for manualdepsiquiatriainfantil manual

Leia mais

Programa de Recuperação Paralela 2º bimestre 1º ano Inglês

Programa de Recuperação Paralela 2º bimestre 1º ano Inglês Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio, Rua Cantagalo 305, 313, 325, 337 e 339 Tatuapé Fones: 2293-9166 Diretoria de Ensino Região LESTE 5 Parte 1 Pesquise e explique: Programa de Recuperação

Leia mais

Disciplina: Língua Inglesa Professora:Eliane Ano: 8º Turmas: 8.1 e 8.2

Disciplina: Língua Inglesa Professora:Eliane Ano: 8º Turmas: 8.1 e 8.2 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 2ª Etapa 2013 Disciplina: Língua Inglesa Professora:Eliane Ano: 8º Turmas: 8.1 e 8.2 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

Guião N. Descrição das actividades

Guião N. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: 006 Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO Guião N Intervenientes

Leia mais

THE INFINITIVE. O infinitivo éa forma original do verbo e pode aparecer com ou sema partícula to.

THE INFINITIVE. O infinitivo éa forma original do verbo e pode aparecer com ou sema partícula to. THE INFINITIVE O infinitivo éa forma original do verbo e pode aparecer com ou sema partícula to. Usa-se o infinitivo sem to: Após os verbos anômalos, os verbos auxiliares doe wille os verbos makee let.

Leia mais

Directions 1: Tô perdido I m lost. http://coerll.utexas.edu/brazilpod/cob/lesson.php?p=24

Directions 1: Tô perdido I m lost. http://coerll.utexas.edu/brazilpod/cob/lesson.php?p=24 Directions 1: Tô perdido I m lost http://coerll.utexas.edu/brazilpod/cob/lesson.php?p=24 Conversa Brasileira Directions 1: Tô perdido I m lost We ve all been in the same situation as Alexandre, Acabei

Leia mais

APRESENTAÇÃO. ABNT CB-3 Comitê Brasileiro de Eletricidade Comissão de Estudo CE 03:064.01 Instalações Elétricas de Baixa Tensão NBR 5410

APRESENTAÇÃO. ABNT CB-3 Comitê Brasileiro de Eletricidade Comissão de Estudo CE 03:064.01 Instalações Elétricas de Baixa Tensão NBR 5410 APRESENTAÇÃO ABNT CB-3 Comitê Brasileiro de Eletricidade Comissão de Estudo CE 03:064.01 Instalações Elétricas de Baixa Tensão NBR 5410 Instalações elétricas de baixa tensão NBR 5410:1997 NBR 5410:2004

Leia mais

Letra da música Gypsy da Lady Gaga em Português

Letra da música Gypsy da Lady Gaga em Português Letra da música Gypsy da Lady Gaga em Português Letra da música Gypsy da Lady Gaga em Português Cigana Às vezes uma história não tem fim Às vezes acho que nós poderíamos ser apenas amigos Porque eu sou

Leia mais

QUESTÃO ÚNICA MÚLTIPLA ESCOLHA. 10,000 pontos distribuídos em 20 itens INGLÊS TEXT I. Read the text below to answer the items 01, 02, 03 and 04:

QUESTÃO ÚNICA MÚLTIPLA ESCOLHA. 10,000 pontos distribuídos em 20 itens INGLÊS TEXT I. Read the text below to answer the items 01, 02, 03 and 04: PÁG - 1 QUESTÃO ÚNICA MÚLTIPLA ESCOLHA 10,000 pontos distribuídos em 20 itens Marque no cartão de respostas, anexo, a única alternativa que responde de maneira correta ao pedido de cada item: TEXT I Read

Leia mais

PCOV-AD Survey Statements in English and Portuguese

PCOV-AD Survey Statements in English and Portuguese PCOV-AD Survey Statements in English and Portuguese English Portuguese Intro Please confirm that you understand each of the following: Por favor confirme que compreende cada uma das seguintes I will be

Leia mais

Words and Music by Beyoncé Knowles, Ryan Tedder and Evan Bogart

Words and Music by Beyoncé Knowles, Ryan Tedder and Evan Bogart Words and Music by Beyoncé Knowles, Ryan Tedder and Evan Bogart 2003 Adaptation and Transcription by Deusdet Coppen Publishing Rights for Beyoncé assigned to MUSIC PUBLISHING Copyright 2001-2008 - Transcription

Leia mais

PROVA COMENTADA E RESOLVIDA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO

PROVA COMENTADA E RESOLVIDA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO Uma prova, para avaliar tantos candidatos deve ser sempre bem dosada como foi a deste ano. Houve tanto questões de interpretação (6) como de gramática

Leia mais

WELCOME Entrevista Au Pair In America

WELCOME Entrevista Au Pair In America WELCOME Entrevista Au Pair In America MÓDULO 2. ENTREVISTA ENTREVISTA FÓRMULA PARA O SUCESSO Passo 1 Vai ser uma conversa informal, então relaxe! Parte 2 Algumas perguntas vão ser as mesmas do Skype com

Leia mais

manualdepsiquiatriainfantil manual de psiquiatria infantil

manualdepsiquiatriainfantil manual de psiquiatria infantil manualdepsiquiatriainfantil manual de psiquiatria infantil Reference Manual We guarantee that all of us at manualdepsiquiatriainfantil manual de psiquiatria infantil have an ongoing desire for your motoring

Leia mais

Inglês 11 The Present Perfect.

Inglês 11 The Present Perfect. Inglês 11 The Present Perfect. O Present Perfect é um tempo verbal em inglês que mostra uma ação que ocorreu no passado, mas os efeitos estão no presente. My grandfather has recovered from his illness.

Leia mais

ENSINO MÉDIO 1. MEMBROS DA FAMÍLIA 2. ALIMENTOS 3. DIAS DA SEMANA 4. MESES 5. ESTAÇÕES DO ANO 6. NUMERAIS CARDINAIS E ORDINAIS

ENSINO MÉDIO 1. MEMBROS DA FAMÍLIA 2. ALIMENTOS 3. DIAS DA SEMANA 4. MESES 5. ESTAÇÕES DO ANO 6. NUMERAIS CARDINAIS E ORDINAIS SÍNTESE DA AULA DE INGLÊS ENSINO MÉDIO I VOCABULÁRIO IMPORTANTE: 1. MEMBROS DA FAMÍLIA 2. ALIMENTOS 3. DIAS DA SEMANA 4. MESES 5. ESTAÇÕES DO ANO 6. NUMERAIS CARDINAIS E ORDINAIS II - PERSONAL PRONOUNS

Leia mais

A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores

A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores Tese de Mestrado em Gestão Integrada de Qualidade, Ambiente e Segurança Carlos Fernando Lopes Gomes INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS Fevereiro

Leia mais

Verbs - Simple Tenses

Verbs - Simple Tenses Inglês Prof. Davi Verbs - Simple Tenses Simple Present Simple Past Simple Future Simple Present - Formação Infinitivo sem o to Ausência do auxiliar (usa-se to do ) Inclusão de s na 3ª pessoa do singular

Leia mais

(Eu) sempre escrito em letra maiúscula, em qualquer posição na frase. (Tu, você)

(Eu) sempre escrito em letra maiúscula, em qualquer posição na frase. (Tu, você) Nome: nº. 6º.ano do Ensino fundamental Professoras: Francismeiry e Juliana TER 1º BIMESTRE PERSONAL PRONOUNS (Pronomes pessoais) O que é pronome pessoal? O pronome pessoal substitui um nome, isto é um

Leia mais