Relatório e Contas 2002

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório e Contas 2002"

Transcrição

1

2

3 Relatório e Contas 2002 O Banco Nacional Ultramarino, que se estabeleceu em Macau em 1902, faz parte do Grupo Caixa Geral de Depósitos, o maior grupo financeiro português, e é um dos dois bancos emissores da Região Administrativa Especial de Macau da República Popular da China. O Banco Nacional Ultramarino passou, a partir de 1 de Julho de 2001, a ser uma sociedade subsidiária da Caixa Geral de Depósitos com sede em Macau, tendo incorporado todos os activos e passivos da Sucursal do BNU em Macau. O Banco Nacional Ultramarino coloca à disposição dos seus clientes, particulares, empresas e institucionais, uma oferta diversificada de produtos e serviços bancários, que inclui cartões de crédito e de débito, recebimento de depósitos, empréstimos para aquisição de habitação, crédito pessoal, crédito ao investimento, apoio e financiamento de operações de comércio externo e produtos de investimento. O Banco comercializa os seus produtos através de uma rede de 11 agências e de vários canais de distribuição, que incluem um serviço de banca pela internet e pelo telefone, com o apoio de um eficiente e cordial serviço de atendimento a clientes. Este relatório encontra-se também disponível na página da internet do Banco no endereço A versão inglesa encontra-se disponível apenas na Internet. Poderão ser solicitadas cópias deste relatório para: Banco Nacional Ultramarino S.A. Av. Almeida Ribeiro, No.22, Caixa Postal 465 Região Administrativa Especial de Macau República Popular da China Tel: (853) Fax: (853) Cópias da tradução em português e chinês deste relatório, podem ser descarregadas da página da Internet do Banco em

4

5 índice A. Enquadramento Macroeconómico 8 Enquadramento Externo Grande China Economia de Macau B. Principais Áreas de Negócio 15 Particulares Banca Comercial Recursos Humanos Organização e Informática Apoio a Actividades Sociais C. Resultados e Evolução do Balanço 19 Conta de Resultados Proposta de Aplicação de Resultados Balanço - Evolução e Estrutura Orgãos Sociais 24 Demonstrações Financeiras 25 Accionistas com Participação Qualificada 28 Participações 28 Principais Políticas Contabilísticas 29 Parecer dos Auditores Externos 32 Parecer do Fiscal Único 33 Contactos Mais Importantes 34

6

7

8 A. Enquadramento Macroeconómico 1. Enquadramento A recuperação da economia dos EUA, que registou uma forte desaceleração em 2001, foi mais fraca do que era Externo esperado no princípio do ano. Evolução Global O crescimento económico situou-se nos 2,4 por cento em 2002, superior aos 0,3 por cento registados no ano anterior, beneficiando essencialmente do comportamento bastante positivo do consumo privado, que foi estimulado principalmente pela redução dos impostos, pelo aumento significativo do refinanciamento de empréstimos para compra de habitação, devido às baixas taxas de juro de longo prazo, e pela procura de bens duradouros, nomeadamente, automóveis. Outros dois factores que contribuíram para o crescimento da actividade económica, foram um aumento das despesas públicas e a expansão do sector da construção. O investimento privado continuou a constituir, tal como em 2001, um travão a uma maior expansão da actividade económica, devido ao excesso de capacidade instalada, a expectativas não muito positivas quanto à evolução dos lucros das empresas, a irregularidades contabilísticas que afectaram a confiança dos investidores em algumas das maiores empresas e à quebra registada no mercado accionista. O Banco da Reserva Federal, tendo em consideração a diminuição da taxa de inflação e o aumento da taxa de desemprego, decidiu em Novembro baixar a taxa de juro para os Fed funds em 0,5 por cento para 1,25 por cento, a taxa mais baixa das últimas quatro décadas. Nos países da zona euro a economia voltou a crescer abaixo da tendência de longo prazo com os principais indicadores económicos a mostrarem uma evolução negativa ao longo do ano. O Produto Interno Bruto cresceu 0,9 por cento, inferior ao valor registado em 2001 que foi de 1,5 por cento, reflectindo o fraco dinamismo da procura interna, com o investimento em bens de capital a registar uma diminuição, e da procura externa. A política orçamental nos países da União Europeia continuou limitada pelos compromissos assumidos pelos diversos países membros no âmbito do Pacto de Estabilidade e Crescimento que impõe limites estritos aos défices públicos. A descida das taxas de juro foi muito gradual dada a lenta descida da taxa de inflação, que ainda se situou acima do objectivo dos dois pontos percentuais. A taxa de desemprego continuou em níveis bastante altos, tendo mesmo aumentado, reflectindo a debilidade da procura agregada e a lenta implementação de diversas reformas estruturais. A economia japonesa registou um crescimento de apenas 0,3 por cento, sensivelmente igual ao verificado no ano anterior. A procura interna desceu ligeiramente na sequência de uma diminuição da Formação Bruta de Capital Fixo, enquanto que a procura externa continuou a ser o principal suporte da actividade económica. A recuperação da economia continua dependente da restruturação de muitas empresas, da resolução do problema dos créditos mal parados, que têm impedido o crescimento do crédito, e da situação de deflação, que influencia negativamente as expectativas e níveis de confiança dos consumidores e investidores. 8 A retoma da economia americana, foi o principal factor que contribuiu para o crescimento das trocas comerciais internacionais, que aumentaram 2,6 por cento em 2002, esperando-se que continue a expandir-se em 2003.

9 O aumento das importações por parte dos EUA, foram o principal factor que esteve também na origem da expansão das economias do Sudeste Asiático e da Ásia Oriental orientadas para a exportação. Algumas destas economias, como a da Tailândia e da Coreia do Sul, tiveram uma assinalável recuperação durante o ano de 2002, devido ao bom desempenho do sector externo e ao aumento significativo do consumo interno, este influenciado pela expansão do crédito ao consumo num quadro de taxas de juro bastante baixas. O Produto Interno Bruto na Coreia do Sul e Tailândia atingiu um crescimento de 6,3 por cento e 5,2 por cento respectivamente, valores estes, próximos dos níveis atingidos antes da crise financeira asiática. Grande China A China Continental, a economia mais dinâmica desta zona, continua a registar um forte crescimento, superior ao da maioria dos restantes países da Ásia. O PIB da China Continental cresceu 8 por cento, superior ao valor registado em 2001, que foi de 7,3 por cento, contribuindo para tal o aumento das exportações e da procura interna. O crescimento das exportações, originado principalmente pelo aumento de investimento directo estrangeiro feito por multinacionais na China, pela deslocalização da produção de outros países da Ásia e devido à entrada na Organização Mundial do Comércio no ano passado, registou uma forte aceleração passando de 6,6 por cento em 2001 para 22,6 por cento em O investimento em novas fábricas, infra-estruturas e imobiliário, estimulado pelas baixas taxas de juro e pela expansão do crédito, teve também um papel fundamental na melhoria da situação económica. O consumo privado, particularmente em bens duradouros, registou um crescimento acentuado, num quadro de baixas taxas de inflação, concorrência acentuada no sector do comércio a retalho e de aumento do rendimento disponível das famílias. A taxa de câmbio do renminbi contra o dólar americano continuou estável, numa estreita banda de variação, suportada por um bom desempenho do sector externo e em particular por uma forte entrada de capitais, que levou a um aumento das reservas cambiais. Em Hong Kong, a situação económica não melhorou significativamente e o aumento do Produto Interno Bruto de 2,1 por cento em 2002, contra 0,1 por cento no ano anterior, deveu-se essencialmente ao crescimento das exportações, que aumentaram 5,6 por cento, depois de terem decrescido no ano anterior. A economia está em deflação desde O Índice de Preços no Consumidor caiu 3 por cento, a taxa de desemprego aumentou, a procura de crédito foi fraca e as taxas de juro nominais encontram-se em níveis muito baixos e assistiu-se de novo a uma quebra de preços no sector imobiliário e no mercado accionista. Neste contexto, o aumento do défice orçamental, que atingiu 5,8 por cento do PIB, deu uma contribuição importante para suportar o nível de actividade económica. A economia de Taiwan, que saiu de um período de recessão, cresceu 3,5 por cento, sustentada por um aumento das exportações, que depois da forte diminuição registada em 2001, aumentaram 6,4 por cento em A retoma económica tem sido lenta devido à fraca procura interna. O investimento diminuiu e o aumento do consumo privado é muito moderado devido ao aumento da taxa de desemprego. Apesar de uma política monetária mais expansionista em 2002, que levou a uma diminuição das taxas de juro reais e nominais, não se tem observado um aumento do crédito concedido. 9

10 Região Administrativa Especial de Macau, China Principais Indicadores Económicos Procura e Produto Interno Bruto ( va em % ) PIB Real (em %) -0,4-3,0 4,6 2,2 9,5 Procura Interna (em %) -4,6 1,3-8,8-0,2 4,2 Consumo Privado (em %) -0,9 1,5 0,9 2,9 4,8 Consumo Público (em %) 2,4 15,5-9,8-0,1 2,4 Formação Bruta de Capital Fixo (em %) -12,7-6,8-28,4-0,9 4,1 Construção ,0-38,9-31,7 10,1 Outras -8,7 13,0-6,4 21,8-0,5 Variação de Existências (em %) -165,8 217,7-16,1-59,6 7,3 Exportações Líquidas de Mercadorias e Serviços (em %) -4,7-13,4 39,6 6,4 18 PIB nominal (em milhões de USD) PIB per capita (em USD) Inflação e Desemprego Taxa de Inflação (IPC va em %) 0,2-3,2-1,6-2,0-2,6 Taxa de Desemprego (em %) 4,6 6,4 6,8 6,4 6,3 Turismo Nº de Visitantes (em milhares) Da China Continental Nº de Visitantes (va em %) -0,7 7,1 23,1 12,2 12,2 Da China Continental 54,1 101,42 38,28 32,13 41,05 Sector Externo Exportação de Mercadorias (va em %) 3,50 3,60 14,10-5,20 6,40 Importação de Mercadorias (va em %) -1,00 9,60 6,20 8,50 10,40 Balança Comercial (em milhões de USD) Balança de Trans. Correntes (em milhões de USD) 1,954 1,639 2,177 2,251 2,634 Taxa de Cobertura das Importações de Mercadorias (em %) 100,30 88,01 90,75 77,67 75,86 Taxa de Câmbio e de Juro Taxa de Câmbio MOP/USD 7,979 7,992 8,026 8,034 8,033 Indice da Taxa de Câmbio Efectiva Nominal 113,05 111,92 114,22 117,27 116,34 Taxa Média Interbancária 3 Meses (MAIBOR) (%) 8,4324 5,9479 6,2266 3,6719 1,8727 Taxa Média Interbancária 3 Meses (LIBOR) (%) 5,6148 5,4800 6,5353 3,6787 1,7965 Taxa Juro de Depósitos de Poupança 4,00 3,50 4,50 0,13 0,060 Prime Rate (em %) 9,00 8,50 9,50 5,25 5,00 Principais Agregados Monetários M1(milhões de MOP) M2 (milhões de MOP) Crédito Total (milhões de MOP) Depósitos Totais (milhões de MOP) Reserva Cambial (milhões de MOP) va: variação anual Fonte: Direcção dos Serviços de Estatistica e Censos de Macau e Autoridade Monetária de Macau

11 2. Economia de Macau A economia de Macau registou um forte crescimento, com o aumento do PIB a atingir 9,5 por cento em 2002, contra 2,2 por cento no ano anterior. A indústria do turismo, que beneficiou do aumento do número de visitantes, o que levou a um forte acréscimo das receitas do jogo, foi o principal sector que contribuiu para o crescimento económico. Em 2002 o Governo de Macau concedeu duas licenças adicionais para abertura e operação de casinos no Território, mediante um concurso internacional a que se candidataram as maiores empresas do sector a nível mundial, terminando assim o contrato de exclusividade com o actual concessionário. A decisão de liberalizar o sector do jogo faz parte da estratégia do Governo, para tornar Macau num centro de jogo, convenções e turismo. O número de visitantes ao Território em 2002 aumentou em 12,2 por cento atingindo 11,5 milhões, continuando a China Continental a ser o mercado que maíor crescimento tem evidenciado. O número de visitantes proveniente da China Continental subiu 41 por cento, para o que contribuiu o aumento do número de agências de viagens da China Continental autorizadas a organizar excursões a Macau. Os visitantes de Hong Kong, o principal mercado turístico de Macau, diminuíram em 1,82 pontos percentuais, reflectindo a situação menos positiva da economia daquele Território. A taxa de ocupação hoteleira melhorou significativamente, aumentando de 60,6 por cento em 2001 para 67 por cento em A exportação de mercadorias aumentou 2,4 por cento principalmente devido a uma maior exportação para o mercado americano (+2,7 por cento) e para a China Continental (+36,8 por cento), enquanto que as exportações para os países da zona Euro desceram 10,6 por cento. As exportações de Macau continuaram a ser essencialmente de têxteis e vestuário, totalizando 83,9 por cento do total exportado em O aumento nas exportações levou a um acréscimo de 6 por cento no total das importações, particularmente da China Continental e de Hong Kong, principais mercados fornecedores de mercadorias a Macau. A procura interna dominada pelo consumo público e investimento público, cresceu 4 por cento, pois o Governo tem vindo a aumentar o investimento em infra-estruturas, em particular as que são necessárias para a realização dos Jogos da Ásia Oriental de No mercado imobiliário continuou a prevalecer uma situação de excesso de oferta, apesar da descida dos preços dos apartamentos e das baixas taxas de juro praticadas para empréstimos para aquisição de habitação. No entanto, espera-se que esta situação melhore nos próximos anos com a expansão do sector turístico e o aumento da procura por não-residentes. A taxa de desemprego desceu ligeiramente para 6,2 por cento, devido à recuperação económica e a um aumento de actividade no sector da construção relacionada com obras públicas, o que se traduziu numa melhoria das condições no mercado de trabalho local. O Índice de Preços no Consumidor (IPC) registou um decréscimo de 2,6 por cento em 2002, quando no ano anterior tinha sido de -2 por cento, continuando assim a prevalecer as tendências deflacionistas, resultante da 11

12 diminuição dos preços de importação, das rendas das casas de habitação e das margens de comercialização, nomeadamente na restauração e na venda de artigos de vestuário e para uso doméstico, que têm que fazer face à concorrência do comércio a retalho de Zhuhai. Taxas de Juro As taxas de juro de curto prazo no mercado interbancário do dólar de Hong Kong, depois da significativa redução verificada em 2001, estabilizaram no ano de 2002 e no final do ano acompanharam a descida das taxas do dólar, depois do Banco da Reserva Federal ter diminuído em Novembro a taxa para os Fed funds em 0,5 por cento para 1,25 por cento. Também em Novembro a prime rate para empréstimos em dólares de Hong Kong e patacas foi reduzida de 5,125 por cento para 5 por cento, enquanto a taxa de juro para depósitos de poupança situou-se próxima de zero por cento. O prémio de risco do dólar de Hong Kong relativamente ao dólar americano, tal como reflectido nas taxas de câmbio a um ano, flutuou numa margem relativamente estreita, sendo influenciado por expectativas de uma melhoria da situação económica e pela evolução do défice orçamental. Mercado Cambial A taxa de câmbio do dólar de Hong Kong, moeda a que a pataca se encontra indexada, apresentou uma grande estabilidade relativamente à taxa fixada de 7,8 dólares de Hong Kong para 1 dólar americano. O dólar americano voltou a depreciar-se em relação às principais moedas, com os mercados a reagirem a um aumento do défice das contas públicas e externas e a uma redução do nível de investimento estrangeiro, particularmente no mercado de acções americano. O dólar caiu mais contra o euro do que contra o iene, devido à intervenção do Banco Central do Japão. Contra as restantes principais moedas asiáticas, manteve-se estável ou registou uma depreciação inferior à observada contra a moeda japonesa. Neste contexto, a taxa de câmbio da pataca manteve-se estável relativamente ao dólar americano e ao RMB, desvalorizando-se em 5,6 por cento contra o Euro e valorizando-se 2,9 por cento em relação ao iene. A taxa de câmbio efectiva nominal da pataca, tal como calculada pela Autoridade Monetária de Macau, registou uma depreciação de 3,3 por cento durante o ano de Sector Bancário O sector bancário em Macau beneficiou de um aumento dos depósitos de clientes, que cresceram 8,1 por cento, mas a fraca procura do crédito interno (-5,4 por cento) e taxas de juro demasiado baixas afectaram negativamente a actividade do sector. Neste contexto a situação de liquidez dos bancos melhorou bastante em 2002, tendo o rácio crédito interno concedido/depósitos de residentes registado uma forte redução passando de 44,5 por cento em 2001 para 35 por cento em Com a maioria dos principais bancos a seguir a mesma estratégia visando o aumento de quota de mercado no crédito hipotecário para compra de habitação, a margem obtida nestes financiamentos diminuiu significativamente. Para o conjunto do sector registou-se uma significativa redução na constituição de provisões, o que contribuiu para um aumento dos resultados, não obstante a diminuição da margem financeira. 12

13 Principais Indicadores da Economia de Macau Gráficos 13

14 14 Principais Indicadores da Economia de Macau Gráficos

15 B. Principais Áreas de Negócio "O objectivo de qualquer empresa é captar e manter o CLIENTE" Theodore Leavitt 1. Particulares Procuramos aumentar o grau de satisfação dos nossos clientes conhecendo melhor as suas necessidades e disponibilizando os produtos e serviços que melhor as satisfazem, sabendo que a comodidade e a acessibilidade bem como a qualidade e o serviço personalizado são factores-chave que contribuem para atrair novos clientes e manter os existentes. Em 2002 desencadeámos diversas iniciativas no sentido de melhor servir os nossos clientes: Em Abril de 2002 foi lançada uma campanha em larga escala, com vista a recolher informação adicional sobre os clientes e melhorar a qualidade da base de dados de clientes existente, que obteve uma boa taxa de resposta. Foram realizadas diversas campanhas para aumentar o número e o volume de compras efectuadas com os cartões de crédito bem como a despesa média por cartão e o total do saldo em dívida. Por ocasião da celebração dos 100 anos de actividade do BNU em Macau, o BNU duplicou a oferta de pontos de bonificação aos titulares de cartão de crédito que efectuassem compras com cartões de crédito entre 15 de Setembro e 31 de Outubro de Um sorteio aquando do Campeonato Mundial de Futebol atraiu o interesse de muitos dos nossos clientes. Foram lançados novos cartões de crédito: BNU World Cup MasterCard e o "affinity card" BNU VISA Clube Militar de Macau.O BNU cooperou com o IPM no sentido de permitir o pagamento das propinas através do cartão de crédito e o formulário de adesão ao cartão de crédito foi disponibilizado on-line no site do BNU Foram introduzidas diversas medidas com vista a reforçar os procedimentos de segurança e melhorar a gestão do risco de crédito no sentido de reduzir a taxa de incumprimento do cartão de crédito, que se mantém num nível muito baixo. Foi disponibilizada, no sistema de informação comercial de clientes, mais informação proveniente do sistema de gestão de cartões de crédito o qual foi alterado de modo a incorporar novos procedimentos exigidos pela Visa Internacional e MasterCard. O BNU continua a ter uma posição de liderança na área dos cartões de crédito tendo sido distinguido com diversos prémios. O BNU recebeu 3 prémios da Visa Internacional para o período de 2001/2002 (Highest Card Sales Volume, Highest Average Card Spend - Gold Card e Best Issuer Fraud Control for banks in Macau) e um prémio da MasterCard Internacional (Highest Growth Rate in Number of Cards). Reforçámos a necessidade de se promover a venda cruzada de produtos e serviços bancários para aumentar as comissões e a fidelização dos clientes, uma vez que clientes com vários produtos são menos receptivos a mudar de Banco. Em Junho e Julho de 2002 foi conduzida com sucesso uma segunda promoção do Cartão Multicrédito, um produto que permite aos clientes obter prévia autorização para limites de crédito, que podem ser utilizados no cartão de crédito, na conta a descoberto, no crédito pessoal e no crédito à habitação, através do preenchimento de um único formulário. Durante o ano foram desencadeadas diversas campanhas de marketing, através de promoções no local e publicidade no exterior (10 eventos no total), incluindo a participação na semana para a promoção de novas 15

16 tecnologias entre 4 e 6 de Outubro de 2002, e a promoção do cartão de crédito de estudante universitário na Universidade de Macau, na Universidade de Ciência e Tecnologia de Macau, no Instituto Politécnico de Macau e no Instituto de Formação Turística. Por diversas vezes durante o ano, enviámos s aos nossos clientes promovendo os produtos e serviços do BNU. Em 2002 o número de cartões de crédito emitidos aumentou em cerca de 8 por cento, registando-se um incremento de 11 por cento no volume de transacções efectuadas e de 12 por cento nas comissões recebidas. A emissão de cartões de débito aumentou 5 por cento, em particular os cartões Maestro, que podem ser utilizados em todo o mundo. Promovemos junto dos nossos clientes diversos produtos estruturados de investimento numa conjuntura de baixas taxas de juro e em que a quebra nos mercados de acções, global e regionalmente, favorecem produtos financeiros tradicionais. Durante 2002 todas as agências convidaram clientes a visitar o nosso centro de investimentos (criado em 2001) no edifício sede, onde podem ter acesso à compra e venda de acções através da Internet ou directamente ao balcão. Desenvolvemos canais alternativos de acesso aos nossos produtos e serviços que incluem o banco pela Internet, o banco pelo telefone e uma rede de ATMs, para maior comodidade dos nossos clientes e com o objectivo de melhorar a qualidade de serviço prestado. Ao mesmo tempo, temos vindo a melhorar o funcionamento dos nossos pontos de contacto mais importantes - as agências - tornando-as locais agradáveis, confortáveis e onde se presta um serviço personalizado e de aconselhamento. Foram introduzidas diversas mudanças no serviço de banco pela Internet do BNU, nomeadamente a possibilidade de pagar impostos e propinas da Universidade de Macau e Instituto Politécnico de Macau, e melhorou-se a navegação do site. Continuámos a melhorar o serviço prestado pela nossa rede de ATMs, que é parte da rede JETCO, e procedemos à substituição de sete máquinas por novas máquinas do último modelo. Foi instalada uma ATM na Universidade de Ciência e Tecnologia de Macau aumentando a nossa rede para 29 máquinas. A concessão de crédito a particulares, que inclui crédito concedido através de cartões de crédito, contas a descoberto, empréstimos pessoais e crédito à habitação, aumentou 2,5 por cento. Os empréstimos pessoais aumentaram 26 por cento em resultado dos esforços que têm sido feitos no sentido de incrementar a presença do Banco nesta área de negócio enquanto que e o saldo devedor dos empréstimos de crédito à habitação estabilizou, dada a estagnação do mercado e a forte concorrência. 2. Banca Comercial A política de crédito continuou a pôr a ênfase na necessidade de melhor conhecer os nossos clientes e a situação económico-financeira do seu negócio, analisando a rentabilidade das operações com base na taxa de rentabilidade do capital ajustado pelo risco. A resolução de casos de crédito mal parado foi acelerada, nomeadamente através da venda de propriedades dadas como garantia. Iniciamos o estudo para a implementação do Programa Basileia II, projecto que está a ser coordenado ao nível do Grupo CGD. 16 Em 2002 a procura interna de crédito continuou bastante fraca, traduzindo-se numa diminuição de 3,3 por cento nos créditos e adiantamentos a empresas para utilização local e fora de Macau.

17 O Banco Nacional Ultramarino organizou e foi agente de um empréstimo sindicato no valor de 550 milhões de patacas para financiar a construção do projecto Fisherman's Wharf, um complexo de diversões situado perto do Porto Exterior de Macau. Participaram neste empréstimo sindicato mais cinco bancos. Os financiamentos de operações de comércio externo continuaram a ser afectados pela deslocalização das fábricas para a China Continental. Contudo, na segunda metade do ano verificou-se uma certa recuperação neste tipo de financiamentos, devido ao aumento das exportações e importações. Os limites de crédito de vários dos nossos clientes locais foram aumentados, para fazer face ao maior volume de transacções comerciais, enquanto as margens neste tipo de operações diminuíram devido à concorrência. O Banco aumentou o número de garantias prestadas às empresas do sector da construção, turismo, importação e exportação. Em 2002 o número de terminais de pontos de venda instalados aumentou 8,8 por cento, enquanto o volume de transacções cresceu 37 por cento, contribuindo para fortalecer a relação entre o Banco e o pequeno comércio. Durante o ano de 2002, o BNU negociou com 9 novas empresas o pagamento de ordenados dos seus trabalhadores e de serviços, criando novas oportunidades para a venda e promoção dos nossos produtos junto dessas empresas e seus empregados. A carteira de créditos e adiantamentos a empresas com sede fora de Macau e obrigações emitidas por mutuário no exterior diminuiu em 28,7 pontos percentuais, devido essencialmente à redução das margens e à fraca actividade do mercado de empréstimos sindicatos de Hong Kong. O Banco participou em empréstimos sindicatos ao Korea Development Bank e ao Import-Export Bank of Korea. 3. Recursos As habilitações técnicas do nosso pessoal, a sua simpatia, dedicação e capacidade para se relacionar com os Humanos clientes, são uma vantagem competitiva valorizada pelo BNU proporcionando oportunidades de progressão na carreira, formação profissional e condições de remuneração que incentivam o empregado a melhorar o desempenho das suas funções. Com base na análise do currículo e capacidades de cada empregado, tem sido posto em prática um plano de formação, com formadores exteriores ao Banco e também organizados pelos diversos departamentos do Banco, em áreas-chave como o atendimento personalizado, características dos produtos e serviços bancários disponibilizados pelo Banco e na área das tecnologias de informação. O sistema de gestão de dados do pessoal foi melhorado e automatizado o processamento de aumentos salariais e de bónus. O Banco emprega 286 pessoas (285 no ano anterior) no final de 2002 estando 119 colocadas nos serviços centrais e 83 na rede de Agências. De acordo com o Decreto-Lei Nº. 6/99/M, de 8 de Fevereiro de 1999, o Banco transferiu, em Agosto de 2002, a gestão do seu fundo de pensões para a Companhia de Seguros Fidelidade, S.A., Macau, companhia que faz parte do Grupo Caixa Geral de Depósitos. O Fundo é investido segundo critérios estabelecidos e revistos anualmente pelo Banco e pelos empregados, tendo em vista assegurar um retorno seguro dos capitais investidos. 17

18 4. Organização e Informática A manutenção e integração dos diferentes sistemas de informação, particularmente do sistema de retalho, do cartão de crédito e da contabilidade, bem como dos novos canais de distribuição foram adaptadas de modo a permitirem o lançamento de novos produtos e serviços lançados no decurso do ano. A nova estrutura organizacional, que claramente separa as actividades de back-office da actividade comercial, foi consolidada em 2002 e publicado o novo Manual da Estrutura Organizativa do BNU. Outros manuais de procedimentos, como o Manual do Comércio Externo, foram também elaborados. Foram redefinidos os critérios que regulam o Sistema Interno de Normas do BNU,S.A. e revistas todas as normas existentes, as quais foram re-codificadas e disponibilizadas através da Intranet. O módulo informático do cartão de crédito foi adaptado às novas regras requeridas pela Visa e MasterCard e às necessidades da informação de gestão. Foi aumentada a capacidade de comunicação do Visa Access Point. O sistema de SWIFT foi actualizado para a última versão tendo em vista responder às novas necessidades em termos de formatação, distribuição, conferência e arquivo das mensagens. O sistema de comunicações da rede ATM foi melhorado, tendo como objectivo atingir uma taxa de disponibilidade do sistema ao público na ordem de 99,9%, em O sistema de gestão do inventário foi melhorado de forma a optimizar a sua relação com o módulo da contabilidade. Foi desenvolvida e implementada uma Intranet que permite o acesso a diversa informação de natureza comercial e operacional. Foi ainda instalado nas agências um sistema de digitalização e conferência de assinaturas. 5. Apoio a O Banco continua a considerar que o apoio à comunidade em que os seus empregados e clientes se inserem é Actividades Sociais uma parte essencial da sua actividade. O Banco continuou, assim, a emitir o cartão de crédito Visa Tung Sin Tong através do qual uma percentagem do volume de vendas é doado a esta instituição de solidariedade social. O Banco patrocinou ainda grandes eventos como o 49º Grande Prémio de Macau, a Taça Phillips de Futebol China/Portugal e o Campeonato Mundial de Voleibol Feminino. Eventos de relevo no panorama cultural de Macau, como o XVI Festival Internacional de Música de Macau ou o XII Festival de Artes de Macau, foram também patrocinados pelo Banco. 18

19 1. Conta de Resultados Resultado do Exercício C. Resultados e Evolução do Balanço O Banco Nacional Ultramarino S.A. passou a ser um banco com sede social em Macau a partir de 1 de Julho de 2001, incorporando todos os activos e passivos, quer da Sucursal do BNU em Macau, quer do Banco BNU Oriente S.A. Na análise financeira que a seguir se apresenta sobre as contas anuais, deve-se ainda ter em consideração que se tomou como base de comparação as contas de resultados consolidadas do Banco BNU Oriente S.A e do Banco Nacional Ultramarino S.A. em Apesar do decréscimo na procura de crédito e de uma forte concorrência que se verifica nas principais áreas de negócio, o Banco Nacional Ultramarino S.A. teve um bom desempenho em 2002 que reflecte a estratégia seguida que tem vindo a ser implementada no sentido de se dar prioridade à diversificação da base de negócios, aumentar a eficiência da operação e manter a qualidade dos nossos activos. O Resultado do Exercício do ano de 2002, atingiu 50,6 milhões de patacas, aumentando 4,8 por cento, registando- -se uma diminuição da margem financeira que, no entanto, foi compensada por um aumento nas comissões e outros proveitos de operações bancárias e uma redução nas provisões. Margem A Margem Financeira ascendeu a 166 milhões de patacas, inferior em 14,3 milhões de patacas, ou seja 8 por Financeira cento, quando comparada com o valor de 180 milhões de patacas registado em Os Juros e Proveitos Equiparados (-39 por cento) e os Juros e Custos Equiparados (-50 por cento) decresceram significativamente devido à diminuição muito acentuada das taxas de juro activas e passivas. A Margem Financeira foi afectada também pelos seguintes factores: Diminuição do crédito interno e externo concedido. Baixas taxas de juro no mercado interbancário do HKD/MOP o que reduziu a rentabilização de recursos não remunerados assim como a redução das taxas médias dos empréstimos à habitação. A estabilidade das taxas de juro no mercado interbancário diminuiu os ganhos obtidos nas operações de mercado monetário relacionadas com a gestão do risco de taxa de juro. 19

20 O aumento dos depósitos de clientes em Macau, de poupança e a prazo, assim como o aumento da margem entre a taxa média paga para remuneração destes depósitos e a taxa interbancária, foram factores positivos que influenciaram a margem financeira. Proveitos de Comissões e Outras Operações Bancárias (líq) Os Proveitos de Comissões e de Outras Operações Bancárias (líq) em 2002 aumentaram em 12,6 por cento, atingindo 40,5 milhões de patacas quando em 2001 foram de 36 milhões de patacas, devido aos seguintes factores: Os Proveitos de Comissões (líq) aumentaram 32,1 pontos percentuais, principalmente devido a um aumento nas comissões cobradas na área de negócio dos cartões de crédito e a um aumento nas garantias prestadas pelo Banco. Os Lucros em Operações Financeiras (líq) decresceram em 13,9 por cento, reflectindo, para além de uma diminuição dos lucros obtidos com a cobertura de operações comerciais de clientes, o facto de, em 2001, os lucros terem sido influenciados positivamente pelos ganhos obtidos com uma transacção de elevado montante. 20 Produto Bancário O Produto Bancário diminuiu 4,6 por cento, ou seja 9,8 milhões de patacas, atingindo 206,4 milhões de patacas, principalmente devido à queda da Margem Financeira.

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A.

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A. Balanço Em 31 de Dezembro de 2006 ACTIVO Notas Caixa e disponibilidades no Banco Central 5 204 460 2 547 Disponibilidades sobre instituições de crédito 6 2 847 256 35 474 Créditos sobre clientes 7 75 154

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

Relatório Anual Banco Nacional Ultramarino, S.A.

Relatório Anual Banco Nacional Ultramarino, S.A. Relatório Anual Banco Nacional Ultramarino, S.A. 09 Capítulo I. Resultados e Áreas de Actividade 6 Resultados e Evolução do Balanço 6 Actividade 11 Banca de Particulares 11 Banca de Empresas 12 Recursos

Leia mais

Relatório e Contas 2003

Relatório e Contas 2003 1 Relatório e Contas 2003 O Banco Nacional Ultramarino, que iniciou as suas operações em Macau em 1902, é actualmente membro do Grupo Caixa Geral de Depósitos, o maior grupo financeiro português, e é

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias

Leia mais

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício.

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. Anexo à Instrução nº 4/96 IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. 80 - JUROS E PROVEITOS EQUIPARADOS Proveitos

Leia mais

Relatório Anual Banco Nacional Ultramarino, S.A.

Relatório Anual Banco Nacional Ultramarino, S.A. Relatório Anual Banco Nacional Ultramarino, S.A. 07 Capítulo I. Resultados e Áreas de Actividade 6 Resultados e Evolução do Balanço 6 Actividade 11 Banca de Particulares 11 Banca de Empresas 12 Recursos

Leia mais

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014 Comunicado à imprensa Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) torna público os valores totais dos activos da Reserva Financeira da Região Administrativa

Leia mais

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas)

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas) COMUNICADO 9M 2015 (Contas não auditadas) 30 novembro 2015 1 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial e as

Leia mais

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova Governo da Região Administrativa Especial de Macau Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas Ano de 2014 (1.ª É poca) Prestação de provas para registo como auditor de contas 24 de Maio de 2014

Leia mais

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007 26 de Outubro de 2010 Actividade do Bank Millennium (Polónia) no 3º Trimestre de 2010 O Banco Comercial Português, S.A. informa que o Bank Millennium S.A. com sede em Varsóvia, Polónia, entidade na qual

Leia mais

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS 1. REGIME DA RESERVA FINANCEIRA A Lei n. o 8/2011 estabelece o regime jurídico da reserva financeira

Leia mais

PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS

PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS Índice 1. Introdução 2. Considerações sobre as opções tomadas 3. Disposições gerais 4. Quadro de contas 5. Lista e âmbito das contas 6. Tabelas 7. Contas individuais

Leia mais

BANCO BIC, S.A. 1. NOTA INTRODUTÓRIA

BANCO BIC, S.A. 1. NOTA INTRODUTÓRIA 1. NOTA INTRODUTÓRIA O Banco BIC, S.A. (adiante igualmente designado por Banco BIC ou Banco ) foi constituído por Escritura Pública de 22 de Abril de 2005, na sequência da comunicação do Banco Nacional

Leia mais

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D. João I, 28, Porto Mat. CRC do Porto: 40.043 NIPC: 501.525.882 Capital Social Registado: 3.257.400.827 Euros COMUNICADO Resultados Consolidados

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011 Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 211 Banco de Portugal divulga Contas Nacionais Financeiras para 21 O Banco de Portugal divulga hoje no Boletim Estatístico e no BPstat Estatísticas

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS

RESULTADOS CONSOLIDADOS 2012 RESULTADOS CONSOLIDADOS Lisboa, 8 de Fevereiro de 2013 A presente informação anual não foi sujeita a auditoria. Processo de Recapitalização A 31 de Dezembro de 2012 foi anunciada a aprovação por parte

Leia mais

政 府 機 關 通 告 及 公 告 AVISOS E ANÚNCIOS OFICIAIS

政 府 機 關 通 告 及 公 告 AVISOS E ANÚNCIOS OFICIAIS N.º 12 27-3-2015 BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU II SÉRIE 2.º SUPLEMENTO 5241 政 府 機 關 通 告 及 公 告 AVISOS E ANÚNCIOS OFICIAIS 澳 門 金 融 管 理 局 AUTORIDADE MONETÁRIA DE MACAU 通 告 澳 門

Leia mais

Scal - Mediação de Seguros, S. A.

Scal - Mediação de Seguros, S. A. Scal - Mediação de Seguros, S. A. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1. Nota introdutória A Empresa Scal-Mediação de Seguros foi constituída

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

Caixa Geral de Depósitos, S.A. - Sucursal Offshore de Macau

Caixa Geral de Depósitos, S.A. - Sucursal Offshore de Macau Caixa Geral de Depósitos, S.A. - Sucursal Offshore de Macau Divulgação de Informação Financeira Conforme Circular n.º 026/B/2012/DSB-AMCM ÍNDICE 1. ARTIGO 76º DO REGIME JURÍDICO DO SISTEMA FINANCEIRO

Leia mais

COMUNICADO 1S 2015. COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas)

COMUNICADO 1S 2015. COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas) COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas) 31 agosto 2015 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial, e as suas

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova Região Administrativa Especial de Macau Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas Ano de 2014 (2.ª Época) Prestação de provas para registo como auditor de contas 22 de Novembro de 2014 Enunciado

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas 1- INTRODUÇÃO A lei das Finanças Locais (Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiros) veio determinar a obrigatoriedade da consolidação de contas para os Municípios que detenham serviços municipalizados e/ou a totalidade

Leia mais

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. Sociedade Aberta Rua Carlos Alberto da Mota Pinto, nº 17 6A, 1070-313 Lisboa Portugal Capital

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO

DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO N. o 035/B/2010-DBS/AMCM Data: 05/10/2010 DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO A Autoridade Monetária de Macau (AMCM), no exercício das competências que

Leia mais

2. Regra geral, o IVA não dedutível deve ser registado na conta 68111 : a) Verdadeira; b) Falsa Justificação:

2. Regra geral, o IVA não dedutível deve ser registado na conta 68111 : a) Verdadeira; b) Falsa Justificação: 1. A aplicação do princípio da prudência está exclusivamente relacionada com o registo de perdas de imparidade em activos e provisões : a) Verdadeira; b) Falsa 2. Regra geral, o IVA não dedutível deve

Leia mais

Notas às Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2003 e 2002

Notas às Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2003 e 2002 Credibom, Sociedade Financeira para Aquisições a Crédito, S.A. 1 Políticas contabilísticas 1.1 Bases de apresentação A Credibom, Sociedade Financeira para Aquisições a Crédito, S.A. foi constituída por

Leia mais

Manual de Instrução. Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE INVESTIMENTO DIRETO

Manual de Instrução. Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE INVESTIMENTO DIRETO Manual de Instrução Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE INVESTIMENTO DIRETO Direcção de Estatísticas Económicas e Financeiras DEEF 1.Introdução O Manual

Leia mais

ASSUNTO : Plano de Contas para o Sistema Bancário Adaptado (Fundos de Investimento Imobiliário)

ASSUNTO : Plano de Contas para o Sistema Bancário Adaptado (Fundos de Investimento Imobiliário) Anexo à Instrução nº 24/96 ASSUNTO : Plano de Contas para o Sistema Bancário Adaptado (Fundos de Investimento Imobiliário) 1. São efectuados no PCSB os seguintes ajustamentos: 1.1. São adoptadas, em substituição

Leia mais

Banco BPI, S.A. Sucursal Offshore de Macau 2013

Banco BPI, S.A. Sucursal Offshore de Macau 2013 Banco BPI, S.A. Sucursal Offshore de Macau 2013 Síntese Financeira ao abrigo da Circular No. 026/B/2012-DSB/AMCM de 16/11/2012 Síntese Financeira ao abrigo da Circular N.º 026/B/2012-DSB/AMCM de 16/11/2012

Leia mais

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas II Situação Económico-Financeira Balanço e Contas Esta parte do Relatório respeita à situação económico-financeira da Instituição, através da publicação dos respectivos Balanço e Contas e do Relatório

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2010 2011 RECEITA Crescimento da Receita Total 19,8 3,7 Receitas Correntes / Receita Total 61 67,2 Crescimento das

Leia mais

CLASSE 9 CONTAS EXTRAPATRIMONIAIS

CLASSE 9 CONTAS EXTRAPATRIMONIAIS Anexo à Instrução nº 4/96 CLASSE 9 CONTAS EXTRAPATRIMONIAIS As contas desta classe registam as responsabilidades ou compromissos assumidos pela instituição ou por terceiros perante esta e que não estão

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2011 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31 Índice LISTA DE SÍMBOLOS 17 PREFÁCIO 23 INTRODUÇÃO 25 Capítulo 1 O processo de criação de moeda 1. Conceitos básicos 31 1.1. Moeda e outros activos de uma economia 31 1.2. Sector monetário de uma economia

Leia mais

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2006 ECONOMIA PORTUGUESA Após o fraco crescimento da economia observado em 2005 (0.4 por cento) estima-se que o Produto Interno

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

ÍNDICE. NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas...

ÍNDICE. NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas... ÍNDICE PREFÁCIO... 2 NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas... 6 ANÁLISE DE RESULTADOS Situação Global... 7 Conta Corrente...

Leia mais

! " # $%&' (") *+)( *+)* , " # - %. " / 012 $ )"* *+)( 012+"4 "# *+)( 012 5"5 " 6! ! " '.! " 7 . % "' *+)( $%, % " ## *++* -. - ! $ ." )+#.

!  # $%&' () *+)( *+)* ,  # - %.  / 012 $ )* *+)( 012+4 # *+)( 012 55  6! !  '.!  7 . % ' *+)( $%, %  ## *++* -. - ! $ . )+#. !! " # $%&' (") *+)( *+)*, " # %. " / 012 $ )"* *+)( 3 012+"4 "# *+)( 012 5"5 " 6!! " '.! " 7. % "' *+)(!, $%, % " ## *++*. 7! $." )+#. *+)*!! 28" *+)(. "' $%981!5": *+)(*+);!)5) *++**++

Leia mais

CARES - Companhia de Seguros, S.A.

CARES - Companhia de Seguros, S.A. CARES - Companhia de Seguros, S.A. Relatório e Contas 2007 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas CARES 2007 Índice 2 Índice 3 4 8 14 49 58 Órgãos Sociais Relatório do Conselho de Administração

Leia mais

19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS

19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 19.1. INFORMAÇÕES RELATIVAS ÀS ENTIDADES INCLUÍDAS NA CONSOLIDAÇÃO a) O perímetro de consolidação do Município de Pombal integra as seguintes entidades:

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 30 de Junho de 2005 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição:

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição: 8.2 Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados As demonstrações financeiras relativas ao exercício de 2012, foram preparadas de acordo com os princípios contabilístico fundamentais previstos no POCAL

Leia mais

26 de Junho de 2015 DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA FINANCEIRO

26 de Junho de 2015 DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA FINANCEIRO Apresentação ao mercado do modelo de adopção plena das IAS/IFRS e outras matérias inerentes ao processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector bancário nacional DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO

Leia mais

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO De acordo com as disposições legais e estatuárias venho submeter á apreciação dos senhores accionistas o Relatório de Gestão e as

Leia mais

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ASSOCIAÇÃO POPULAR DE PAÇO DE ARCOS Rua Carlos Bonvalot, Nº 4 Paço de Arcos Contribuinte nº 501 238 840 NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE:

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 07/2015 de 28 de Maio

INSTRUTIVO N.º 07/2015 de 28 de Maio INSTRUTIVO N.º 07/2015 de 28 de Maio ASSUNTO: CASAS DE CÂMBIO - Regras Operacionais Considerando a necessidade de se adequar as regras operacionais das casas de câmbio, ao efectivo monitoramento do fluxo

Leia mais

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CONTAS ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PARAQUEDISMO RUA DA UNIDADE, 9 7000-719

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

Anexo à Instrução 11/96

Anexo à Instrução 11/96 Anexo à Instrução 11/96 SOCIEDADES CORRETORAS Sociedade... SITUAÇÃO ANALÍTICA EM / / SALDOS DEVEDORES 10 - CAIXA VALORES (em contos) 11 - DEPÓSITOS À ORDEM NO BANCO DE PORTUGAL 12 - DISPONIBILIDADES SOBRE

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Designação da Entidade: CÂMARA MUNICIPAL DE ODIVELAS Gerência de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2006 8.2.1 Não se aplica. 8.2.2 Os conteúdos das contas

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2010 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 2.1 Referencial

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL/CONSOLIDADA (Não Auditada)

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL/CONSOLIDADA (Não Auditada) INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL/CONSOLIDADA (Não Auditada) (aplicável às entidades sujeitas à disciplina normativa contabilística das IAS / IFRS) BANCO BPI, S.A. Sociedade com o capital aberto ao investimento

Leia mais

Enquadramento Página 1

Enquadramento Página 1 No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições") neste processo

Leia mais

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Senhores Accionistas, De acordo com o disposto na Lei e nos Estatutos, vem o Conselho de Administração apresentar o seu Relatório de Gestão, o Balanço e Contas, bem

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

SICOOB CREDIROCHAS. Resultados

SICOOB CREDIROCHAS. Resultados SICOOB CREDIROCHAS Resultados 2014 MENSAGEM DA DIRETORIA O Sicoob Credirochas conseguiu ótimos resultados numa clara demonstração da força do trabalho cooperativo, na busca por maior participação no mercado

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 Empresa de Seguros Entidades comercializadoras Autoridades de Supervisão

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL 2013

RELATÓRIO ANUAL 2013 RELATÓRIO ANUAL 2013 Relatório Anual 2013 04 Economia de Macau 5 06 Principais Actividades do BNU no Exercício de 2013 7 Resultados e Evolução do Balanço 8 Resultados 8 Margem Financeira 8 outros Proveitos

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira 18 de Maio de 2011 1 Modelo de análise económico-financeira 2 Modelo de análise económico-financeira

Leia mais

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Exercício de 2011 Notas às Demonstrações Financeiras 31 De Dezembro de 2011 e 2010 1. Identificação da entidade Accendo, Lda, inscrita na conservatória

Leia mais

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Nota Introdutória A Manuel Rodrigues Gouveia, S.A. ( MRG ou Empresa ) tem sede em Seia, foi constituída em 1977 e tem como actividade principal a Construção Civil

Leia mais

PLANO DE CONTAS EMPRESAS DE SEGUROS PARA AS. Aprovado pela Norma Regulamentar n.º 4/2007-R, de 27 de Abril

PLANO DE CONTAS EMPRESAS DE SEGUROS PARA AS. Aprovado pela Norma Regulamentar n.º 4/2007-R, de 27 de Abril PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS Aprovado pela Norma Regulamentar n.º 4/2007-R, de 27 de Abril Índice 1. Introdução 2. Considerações sobre as opções tomadas 3. Disposições gerais 4. Quadro de

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA - IES DECLARAÇÃO ANUAL. PERGUNTAS & RESPOSTAS Anexo A. Formulários ANEXO A

INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA - IES DECLARAÇÃO ANUAL. PERGUNTAS & RESPOSTAS Anexo A. Formulários ANEXO A Formulários ANEXO A 90) QUAL É A UNIDADE MONETÁRIA A CONSIDERAR PARA PREENCHIMENTO DA IES? O preenchimento deve ser efetuado em euros, com duas casas decimais. 91) COMO DEVO PREENCHER O QUADRO 02-A? Este

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS.

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS. CATEGORIA E RENDIMENTOS DE CAPITAIS Definem-se rendimentos de capitais, todos os frutos e demais vantagens económicas, qualquer que seja a sua natureza ou denominação, pecuniários ou em espécie, procedentes,

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS A Penafiel Verde, E.M. é uma empresa municipal, com sede em Penafiel, constituída em Maio de 2006 e que tem como actividades principais a gestão e exploração

Leia mais

Cocktail de Primavera - 2010. Discurso do Presidente do Conselho de Administração

Cocktail de Primavera - 2010. Discurso do Presidente do Conselho de Administração Cocktail de Primavera - 2010 Discurso do Presidente do Conselho de Administração Exmo. Senhor Secretário para a Economia e Finanças, Dr. Francis Tam, Exmo. Senhor Director-geral Assistente do Departamento

Leia mais

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2013 2 Contabilização dos Subsídios do Governo e Divulgação de Apoios do Governo 3 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010. I. Balança de Pagamentos

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010. I. Balança de Pagamentos RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010 I. Balança de Pagamentos As contas externas mostram de forma resumida as relações económicas entre residentes e nãoresidentes

Leia mais

COFINA, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta

COFINA, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta COFINA, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO ANO DE 2006 Após

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em CFDs

Conceitos básicos de negociação em CFDs Conceitos básicos de negociação em CFDs N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Advertências Específicas ao Investidor: Pode implicar a perda

Leia mais

PROSPECTO INFORMATIVO Depósito Indexado - Produto Financeiro Complexo

PROSPECTO INFORMATIVO Depósito Indexado - Produto Financeiro Complexo Designação Classificação Caixa China Invest 2015_PFC Produto Financeiro Complexo O Caixa China Invest 2015 é um depósito indexado não mobilizável antecipadamente, pelo prazo de 2 anos, denominado em Euros,

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 310 CONHECIMENTO DO NEGÓCIO Outubro de 1999 ÍNDICE Parágrafos Introdução 1-7 Obtenção do Conhecimento 8-13 Uso do Conhecimento 14-18 Apêndice Matérias a Considerar no Conhecimento

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Os bancos angolanos no estrangeiro e os bancos estrangeiros em Angola II Fórum Banca Expansão Diário Económico

Os bancos angolanos no estrangeiro e os bancos estrangeiros em Angola II Fórum Banca Expansão Diário Económico Os bancos angolanos no estrangeiro e os bancos estrangeiros em Angola II Fórum Banca Expansão Diário Económico João Fonseca Luanda, EPIC Sana 2 de Junho de 212 Agenda 1. Investimento estrangeiro de bancos

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31 00 - Introdução a) Objecto social e identificação da Empresa HABECE Cooperativa de Habitação e Construção de Cedofeita, Crl., tem por objecto a construção ou a sua promoção e a aquisição de fogos para

Leia mais

3.2 Companhias de seguros

3.2 Companhias de seguros Desenvolvimento de produtos e serviços Tendo em conta o elevado grau de concorrência dos serviços bancários, os bancos têm vindo a prestar uma vasta gama de produtos e serviços financeiros, por um lado

Leia mais

Acções. Amortização. Autofinanciamento. Bens

Acções. Amortização. Autofinanciamento. Bens Palavra Acções Significado Títulos que representam uma parte ou fracção de uma sociedade anónima e que dão ao seu proprietário o direito à parcela correspondente de votos, lucros líquidos e activos da

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e Fundo de Investimento Imobiliário Península Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 3 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8.2 - NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excecionais, devidamente fundamentados e sem

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira do terceiro trimestre

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 12 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros .2 Situação patrimonial dos setores não financeiros No primeiro semestre de 203, prosseguiu o processo de ajustamento gradual dos desequilíbrios no balanço dos particulares 3 Nos primeiros seis meses de

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais