ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º - Denominação e regime jurídico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º - Denominação e regime jurídico"

Transcrição

1

2 ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º - Denominação e regime jurídico 1. É constituída a InComunidade Cooperativa de Solidariedade Social CRL, doravante designada como Cooperativa, a qual será regida pela Lei nº 51/96 de 7 de Setembro, doravante designada como Código Cooperativo, pelo Decreto- Lei nº 7/98 de 15 de Janeiro, pelo presente Estatuto, e demais Legislação aplicável. 2. Esta Cooperativa insere- se no ramo da Solidariedade Social do Sector Cooperativo. Artigo 2º - Objecto social A Cooperativa tem como finalidade o desenvolvimento de projectos de carácter de Solidariedade Social que permitam nomeadamente: 1. A promoção de uma cidadania participativa e activa. 2. O apoio a grupos vulneráveis, tais como, crianças, jovens, mulheres, idosos e imigrantes. 3. O fomento da educação e da cultura, incluindo a educação formal, não formal e informal, a animação sociocultural, a intervenção e o intercâmbio juvenil. 4. A promoção da educação intercultural e do respeito pelos valores consagrados na Declaração Universal dos Direitos Humanos. 5. A promoção do acesso à empregabilidade de grupos socialmente desfavorecidos. 6. O apoio à integração social de comunidades socialmente desfavorecidas. 7. A valorização da sustentabilidade ambiental através da implementação de projectos que permitem estimular o respeito pelo ambiente e o desenvolvimento de um consumo justo e de qualidade. 8. O fomento da cooperação e do desenvolvimento, através de acções para a protecção e promoção dos direitos humanos e da educação para o desenvolvimento. 9. A prestação de serviços, por meio de actividades de consultoria e da organização de eventos. Artigo 3º - Duração e personalidade jurídica A Cooperativa constitui- se por tempo indeterminado e adquire personalidade jurídica com o registo da sua constituição. Artigo 4º - Domicílio A Cooperativa tem a sua sede social na Rua Dr. Alberto Macedo, n. 452, 2º andar, , Porto.

3 Artigo 5º - Capital Social 1. O Capital Social da Cooperativa é de (dois mil e quinhentos euros). 2. O Capital Social da Cooperativa é representado por títulos de capital com um valor nominal de 5 (cinco) Euros cada. 3. Cada cooperador obriga- se a subscrever pelo menos 3 títulos de capital. 4. A realização do capital pelo cooperador deve ser feita, na sua totalidade, em dinheiro e no acto da subscrição. 5. Os títulos de capital só são transmissíveis mediante autorização da Assembleia- geral, nos termos da legislação aplicável. Artigo 6º - Jóia e quotas 1. A admissão de novos cooperadores está condicionada à realização de uma jóia, pagável de uma só vez. 2. O montante pago a título de jóias reverte para as reservas estabelecidas pela Cooperativa, dentro dos limites da lei. 3. A Assembleia- geral estabelecerá regulamento interno para definir os aspectos relacionados ao pagamento da jóia de admissão e das quotas dos cooperadores. Artigo 7º - Reserva legal 1. É constituída uma reserva legal destinada a cobrir eventuais perdas de exercício. 2. A reserva legal é constituída pelos excedentes anuais líquidos e pelo valor das jóias pagas a título de admissão. 3. O montante a proporção da contribuição dos excedentes anuais líquidos e do valor das jóias para a constituição da reserva legal será fixado em Assembleia- geral, obedecido os dispositivos da legislação aplicável.

4 Artigo 8º - Reserva para educação e formação cooperativas 1. É constituída uma reserva para a educação cooperativa e a formação cultural e técnica dos cooperadores, dos trabalhadores da Cooperativa e da comunidade. 2. A reserva para educação e formação cooperativas é constituída pelos excedentes anuais líquidos e pelo valor das jóias pagas a título de admissão. 3. O montante a proporção da contribuição dos excedentes anuais líquidos e do valor das jóias para a constituição da reserva para educação e formação cooperativas será fixado em Assembleia- geral, obedecido os dispositivos da legislação aplicável. 4. As formas de aplicação desta reserva serão determinadas pela Assembleia- geral. Artigo 9º - Outras reservas A Assembleia- geral pode deliberar livremente sobre a constituição de outras reservas. CAPÍTULO II - DOS COOPERADORES Artigo 10º - Disposições gerais 1. Podem ser cooperadores as pessoas que, propondo- se utilizar os serviços prestados pela Cooperativa, em benefício próprio ou dos seus familiares, ou nela desenvolver a sua actividade profissional, voluntariamente solicitem a sua admissão. 2. A admissão enquanto cooperador deve ser solicitada à Direcção. 3. A deliberação da Direcção sobre o requerimento de admissão é susceptível de recurso para a primeira Assembleia- geral subsequente, nos termos da legislação aplicável. 4. A responsabilidade dos cooperadores é limitada ao montante do capital social subscrito. Artigo 11 - Direitos e deveres dos cooperadores 1. Os cooperadores têm direito a: a. Tomar parte na Assembleia- geral, apresentando propostas, discutindo e votando os pontos constantes da ordem de trabalhos; b. Eleger e ser eleitos para os Órgãos Sociais da Cooperativa; c. Requerer informações aos órgãos competentes da Cooperativa e examinar a escrita e as contas da Cooperativa;

5 d. +\ \Requerer a convocação da Assembleia- geral nos termos definidos neste Estatuto; e. Apresentar a sua demissão. 2. Os cooperadores têm o dever de: a. Respeitar os princípios cooperativos, as leis, o presente Estatuto e o regulamento interno da Cooperativa. b. Tomar parte nas Assembleias- gerais; c. Aceitar e exercer os cargos sociais para os quais tenham sido eleitos, salvo motivo justificado de escusa; d. Participar, em geral, nas actividades da Cooperativa e prestar o trabalho ou serviço que lhes competir; e. Efectuar os pagamentos previstos no presente Estatuto, sem prejuízo de outros previstos no Código Cooperativo, no regulamento interno e demais legislação aplicável. Artigo 12 - Sanções, demissão e exclusão 1. O não cumprimento dos deveres previstos no artigo anterior poderão originar a aplicação de sanções, nos termos previstos no Código Cooperativo, sem prejuízo do recurso às sanções civis e criminais igualmente aplicáveis. 2. A demissão dos cooperadores é regida pelas disposições aplicáveis do Código Cooperativo. 3. A exclusão dos cooperadores é regida pelas disposições aplicáveis do Código Cooperativo. Artigo 13 - Membros honorários 1. Podem ser membros honorários aqueles que contribuam monetariamente, com bens ou serviços, nomeadamente de voluntariado social, para o desenvolvimento do objecto da Cooperativa. 2. A admissão dos membros honorários será feita em Assembleia- geral, mediante proposta fundamentada da Direcção, da qual constará obrigatoriamente um relatório sobre as liberalidades em bens ou serviços que contribuam de forma notória para o desenvolvimento do objecto da Cooperativa. 3. Os membros honorários gozam do direito à informação previsto no Artigo 11, parágrafo 1º, alínea c do presente Estatuto, podendo ainda assistir às Assembleias- gerais, mas sem dispor do direito de voto.

6 CAPÍTULO III - DOS ÓRGÃOS SOCIAIS Artigo 14 - Disposições gerais 1. São Órgãos Sociais da Cooperativa: a. Assembleia- geral; b. Direcção; c. Conselho Fiscal. 2. Os membros dos Órgãos Sociais da Cooperativa são eleitos de entre os cooperadores, para exercício de um mandato com duração de 4 (quatro) anos, sem limitação para o exercício de mandatos consecutivos. 3. Se houver necessidade de novas eleições, em razão da perda de mandato, da vacatura do cargo ou de qualquer outra razão, e enquanto estas não tiverem lugar, os Órgãos Sociais manter- se- ão em exercício, até à tomada de posse dos eleitos, competindo- lhe, apenas, os actos de mera gestão corrente. 4. As deliberações dos Órgãos Sociais da Cooperativa são tomadas por maioria simples com a presença de mais de metade dos seus membros titulares, salvaguardadas as excepções previstas em lei e no presente Estatuto. 5. Em todos os órgãos da Cooperativa, o respectivo presidente terá voto de qualidade, quando aplicável. 6. Os cooperadores membros dos Órgãos Sociais da Cooperativa têm direito a auferir remuneração em decorrência dos serviços e trabalhos prestados à Cooperativa. 7. A Assembleia- geral fixará os termos da remuneração referida no número anterior. 8. A Assembleia- geral poderá, a qualquer tempo, alterar o número de membros que compõem os Órgãos Sociais da Cooperativa, respeitada a legislação aplicável. Artigo 15 - Assembleia Geral 1. A Assembleia- geral é o órgão supremo da Cooperativa, sendo as suas deliberações, tomadas nos termos legais e estatutários, obrigatórias para os restantes Órgãos Sociais da Cooperativa e para todos os seus membros. 2. Participam na Assembleia- geral todos os cooperadores no pleno gozo dos seus direitos.

7 Artigo 16 - Sessões ordinárias e extraordinárias da Assembleia Geral 1. A Assembleia- geral reunirá em sessões ordinárias e extraordinárias. 2. A Assembleia- geral Ordinária reunirá obrigatoriamente duas vezes em cada ano: a. Até 31 de Março, para apreciar e votar o relatório de gestão e as contas do exercício, o parecer do conselho fiscal e a certificação legal de contas, quando a houver; b. Até 31 de Dezembro, para apreciar e votar o orçamento e o plano de actividades para o exercício seguinte. 3. A Assembleia- geral Extraordinária reunirá quando convocada pelo Presidente da Mesa, nas seguintes circunstâncias: a. Por sua iniciativa; b. A pedido da Direcção; c. A requerimento de, pelo menos, 20% (vinte por cento) dos membros da Cooperativa, num mínimo de quatro cooperadores. Artigo 17 - Mesa da Assembleia Geral 4. A Assembleia- geral é conduzida pela respectiva Mesa, que se compõe de um Presidente e um Vice- Presidente, eleitos em Assembleia- geral. 5. Ao Presidente da Mesa incumbe: a. Convocar a Assembleia- geral; b. Presidir à Assembleia- geral e dirigir os trabalhos; c. Verificar as condições de elegibilidade dos candidatos aos Órgãos Sociais da Cooperativa; d. Conferir posse aos cooperadores eleitos para os Órgãos Sociais da Cooperativa. 6. Nas suas faltas e impedimentos, o presidente é substituído pelo Vice- presidente. 7. Na falta de qualquer dos membros da Mesa da Assembleia- geral, competirá a esta eleger os respectivos substitutos, de entre os cooperadores presentes, os quais cessarão as suas funções no termo da reunião. Artigo 18 - Convocatória da Assembleia Geral 1. A Assembleia- geral Ordinária é convocada pelo Presidente da Mesa, com, pelo menos, 15 (quinze) dias de antecedência.

8 2. A convocatória, que deverá conter a ordem de trabalhos da assembleia, bem como o dia, a hora e o local da reunião, será enviada a todos os cooperadores por correio electrónico, com solicitação de confirmação de recepção e de leitura. 3. o Presidente da Mesa poderá optar pelo envio da convocatória da Assembleia por via postal registada. 4. A convocatória será sempre afixada nos locais em que a Cooperativa tenha a sua sede ou outras formas de representação social. 5. A convocatória da Assembleia Geral Extraordinária deve ser feita no prazo de quinze dias após o pedido ou requerimento previsto no artigo 16, parágrafo 3º deste Estatuto, devendo a reunião realizar- se no prazo máximo de 30 (trinta) dias, contados da data da recepção do pedido ou requerimento. Artigo 19 - Quórum da Assembleia Geral 6. A Assembleia- geral reunirá à hora marcada na convocatória, se estiver presente mais de metade dos cooperadores com direito de voto, ou seus representantes devidamente credenciados. 7. Se, à hora marcada para a reunião, não se verificar o número de presenças previsto no número anterior, a Assembleia reunirá, com qualquer número de cooperadores, 30 (trinta) minutos depois. 8. No caso de se tratar de uma Assembleia- geral Extraordinária convocada a requerimento dos cooperadores, a reunião só se efectuará se nela estiverem presentes, pelo menos, três quartos dos requerentes. Artigo 20 - Competências da Assembleia Geral É da competência exclusiva da Assembleia- geral: a. Eleger e destituir os membros dos Órgãos Sociais da Cooperativa; b. Apreciar e votar anualmente o relatório de gestão e as contas do exercício, bem como o parecer do Conselho Fiscal; c. Apreciar a certificação legal de contas, quando a houver; d. Apreciar e votar o orçamento e o plano de actividades para o exercício seguinte; e. Fixar os termos de remuneração dos cooperadores que trabalhem ou prestem serviço à Cooperativa, bem como dos membros dos Órgãos Sociais da Cooperativa; f. Alterar os estatutos, bem como aprovar e alterar os regulamentos internos; g. Aprovar a fusão e a cisão da Cooperativa;

9 h. Aprovar a dissolução voluntária da Cooperativa; i. Aprovar a filiação da Cooperativa em uniões, federações e confederações; j. Deliberar sobre a exclusão de cooperadores e sobre a perda de mandato dos membros de Órgãos Sociais, e ainda funcionar como instância de recurso, quer quanto à admissão ou recusa de novos membros, quer em relação às sanções aplicadas pela Direcção; Artigo 21 - Votação na Assembleia Geral 1. Cada cooperador dispõe de um voto, qualquer que seja a sua participação no respectivo capital social. 2. A Assembleia- geral decidirá por maioria simples de votos, salvaguardadas as excepções previstas na legislação aplicável e neste Estatuto. 3. A Assembleia- geral decidirá por maioria absoluta de votos: a. Na aprovação do orçamento e do plano de actividades da Cooperativa para o exercício seguinte b. Nas propostas de alteração do presente Estatuto. c. Na fixação dos termos de remuneração dos cooperadores e dos membros dos Órgãos Sociais da Cooperativa. d. Na fixação do montante e da proporção da contribuição dos excedentes anuais líquidos e do valor das jóias para a reserva legal e para a reserva para educação e formação cooperativas. 4. É permitido o voto por correspondência e por representação, nos termos previstos no Código Cooperativo. Artigo 22 - Direcção 1. A Direcção é o órgão de administração e representação da Cooperativa, sendo composta por um Presidente, um Vice- Presidente e um Vogal. 2. A Direcção reunirá ordinariamente pelo menos uma vez por mês, convocada pelo seu Presidente. 3. A Direcção reunirá extraordinariamente sempre que o seu Presidente a convoque, por sua iniciativa ou a pedido da maioria dos seus membros titulares. 4. A Direcção só poderá tomar deliberações com a presença de mais de metade dos seus membros titulares.

10 Artigo 23 - Competências da Direcção Compete à Direcção da Cooperativa: a. Elaborar anualmente e submeter ao parecer do Conselho Fiscal e à apreciação e aprovação da Assembleia- geral o relatório de gestão e as contas do exercício, bem como o plano de actividades e o orçamento para o ano seguinte; b. Executar o plano de actividades anual; c. Atender as solicitações do Conselho Fiscal e do revisor oficial de contas ou da sociedade de revisores oficiais de contas nas matérias da competência destes; d. Deliberar sobre a admissão de novos membros e sobre a aplicação de sanções, dentro dos limites da sua competência, nos termos da legislação aplicável; e. Velar pelo respeito da lei, do presente Estatuto, dos regulamentos internos e das deliberações dos Órgãos Sociais da Cooperativa. f. Contratar e gerir o pessoal necessário às actividades da Cooperativa; g. Representar a Cooperativa em juízo e fora dele; h. Escriturar os livros, nos termos da lei; i. Praticar os actos necessários à defesa dos interesses da Cooperativa e dos cooperadores, bem como à salvaguarda dos princípios cooperativos, em tudo o que se não insira na competência de outros órgãos. Artigo 24 - Conselho Fiscal 1. O Conselho Fiscal é o órgão de controlo e fiscalização da Cooperativa, composto por um Presidente. 2. O Conselho Fiscal reunirá ordinariamente, pelo menos, uma vez por trimestre, quando o seu Presidente o convocar. 3. O Conselho Fiscal reunirá extraordinariamente sempre que o seu Presidente o convocar. 4. Os membros do Conselho Fiscal podem assistir, por direito próprio, às reuniões da Direcção. Artigo 25 - Competências do Conselho Fiscal Compete ao Conselho Fiscal: a. Examinar, sempre que o julgue conveniente, a escrita e toda a documentação da Cooperativa; b. Verificar, quando o entenda como necessário, o saldo de caixa e a existência de títulos e valores de qualquer espécie, o que fará constar das respectivas actas;

11 c. Elaborar relatório sobre a acção fiscalizadora exercida durante o ano e emitir parecer sobre o relatório de gestão e as contas do exercício, o plano de actividades e o orçamento para o ano seguinte; d. Verificar o cumprimento do presente Estatuto e da legislação aplicável à Cooperativa. Artigo 26 - Responsabilidade dos membros dos Órgãos Sociais da Cooperativa São responsáveis civilmente, de forma pessoal e solidária, perante a Cooperativa e terceiros, sem prejuízo de eventual responsabilidade criminal e da aplicabilidade de outras sanções, os directores, os gerentes e outros mandatários que hajam violado a lei, o Estatuto, os regulamentos internos ou as deliberações da Assembleia Geral ou deixado de executar fielmente o seu mandato. CAPÍTULO IV - DISPOSIÇÕES FINAIS Artigo 27 - Fusão e cisão da Cooperativa A fusão ou cisão da Cooperativa é regida pelas disposições aplicáveis do Código Cooperativo, sem prejuízo do disposto em outras legislações igualmente aplicáveis. Artigo 28 - Dissolução, liquidação e transformação da Cooperativa A dissolução, liquidação e transformação da Cooperativa é regida pelas disposições aplicáveis do Código Cooperativo, sem prejuízo do disposto em outras legislações igualmente aplicáveis. Artigo 29 - Regulamentos internos da Cooperativa 1. É permitida a adopção de regulamentos internos na Cooperativa, que obedecidos os dispositivos legais aplicáveis, vinculam os cooperadores. 2. Os regulamentos internos devem ser propostos pela Direcção e discutidos e aprovados em Assembleia Geral Extraordinária convocada expressamente para esse fim. Artigo 30 - Regulamentos internos da Cooperativa É permitida a constituição de um Conselho Geral da Cooperativa, mediante regulamento interno aprovado em Assembleia- geral.

12 Artigo 31 - Casos omissos Em caso de omissão do presente Estatuto, são aplicáveis as normas constantes do Código Cooperativo, do Decreto- Lei nº 7/98 de 15 de Janeiro e demais legislação aplicável. Obedecida a legislação aplicável, a Assembleia- geral poderá ser chamada a resolver casos omissos.

Código Cooperativo. CAPÍTULO V - Dos Órgãos das Cooperativas. Lei n.º 51/96 de 7 de Setembro

Código Cooperativo. CAPÍTULO V - Dos Órgãos das Cooperativas. Lei n.º 51/96 de 7 de Setembro Código Cooperativo CAPÍTULO V - Dos Órgãos das Cooperativas Lei n.º 51/96 de 7 de Setembro Alterada pelos DL n.º 343/98 de 6 de Nov., DL n.º 131/99 de 21 de Abril e DL n.º 108/2001 de 6 de Abril. Secção

Leia mais

DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º. Denominação e Duração A CONFECOOP Confederação Cooperativa Portuguesa, CCRL, constituída por escritura de 14 de Abril

DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º. Denominação e Duração A CONFECOOP Confederação Cooperativa Portuguesa, CCRL, constituída por escritura de 14 de Abril ESTATUTOS ALTERAÇÃO TOTAL APROVADA NA ASSEMBLEIA GERAL DE 29 DE DEZEMBRO DE 2015, REGISTADA EM 23 DE FEVEREIRO DE 2016 E PUBLICADA EM HTTP://WWW.MJ.GOV.PT/PUBLICACOES. L Av. Santos Dumont,57, 2º Dtº.,

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO JUVENIL

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO JUVENIL ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO JUVENIL CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1º - Natureza e Sede A Associação adopta a designação de (nome da Associação), e tem a sua sede provisória no Concelho de (designação

Leia mais

Anexo I Estatutos da Outro Modo, Cooperativa Cultural, CR Artigo 1.º Artigo 3.º Artigo 2.º

Anexo I Estatutos da Outro Modo, Cooperativa Cultural, CR Artigo 1.º Artigo 3.º Artigo 2.º ESTATUTOS DA OUTRO MODO, Cooperativa Cultural, CRL Artigo 1.º (Constituição, Denominação, Ramo, Objecto Social e Sede) 1 É constituída a Outro Modo, Cooperativa Cultural, Cooperativa de Responsabilidade

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO 1 ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DOS ALUNOS DAS ESCOLAS DOS CORREIOS DE VILA DO CONDE. Capítulo I.

REGULAMENTO INTERNO 1 ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DOS ALUNOS DAS ESCOLAS DOS CORREIOS DE VILA DO CONDE. Capítulo I. REGULAMENTO INTERNO 1 ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DOS ALUNOS DAS ESCOLAS DOS CORREIOS DE VILA DO CONDE Capítulo I Dos sócios Art.º 1º - São direitos dos sócios: a) Participar nas Assembleias

Leia mais

Estatutos do Clube Bonsai do Algarve CAPITULO I

Estatutos do Clube Bonsai do Algarve CAPITULO I Estatutos do Clube Bonsai do Algarve CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º-Designação O Clube Bonsai do Algarve, é um clube sem fins lucrativos, de duração ilimitada, e que se rege pelos presentes estatutos.

Leia mais

Capítulo I Natureza e fins. Artigo 1.º Denominação e duração

Capítulo I Natureza e fins. Artigo 1.º Denominação e duração Capítulo I Natureza e fins Artigo 1.º Denominação e duração A Associação, sem fins lucrativos, denominada INTERVIVER ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE, DO BEM-ESTAR E DA PAZ é constituída por tempo indeterminado.

Leia mais

ESTATUTOS CASTREJA - COOPERATIVA COMUNITÁRIA, R.L.

ESTATUTOS CASTREJA - COOPERATIVA COMUNITÁRIA, R.L. ESTATUTOS CASTREJA - COOPERATIVA COMUNITÁRIA, R.L. CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, RAMO, SEDE, OBJECTO E DURAÇÃO Artigo 1º (Denominação e ramos) 1 A Cooperativa é uma cooperativa multissectorial de primeiro

Leia mais

ESTATUTOS CLUBE DE CAMPO DA AROEIRA

ESTATUTOS CLUBE DE CAMPO DA AROEIRA ESTATUTOS CLUBE DE CAMPO DA AROEIRA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO PRIMEIRO DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO E SEDE 1. É constituído o Clube de Campo da Aroeira, que se rege pelas disposições

Leia mais

ESTATUTOS DA COOPTÉCNICA - GUSTAVE EIFFEL, COOPERATIVA DE ENSINO E FORMAÇÃO TÉCNICO PROFISSIONAL, CRL

ESTATUTOS DA COOPTÉCNICA - GUSTAVE EIFFEL, COOPERATIVA DE ENSINO E FORMAÇÃO TÉCNICO PROFISSIONAL, CRL ESTATUTOS DA COOPTÉCNICA - GUSTAVE EIFFEL, COOPERATIVA DE ENSINO E FORMAÇÃO TÉCNICO PROFISSIONAL, CRL Capítulo I - Denominação, sede, objectivos e duração Artigo 1º - Denominação A Cooperativa adopta a

Leia mais

c) Organização de festas tradicionais e outras manifestações Artigo 5º O CCD cooperará com todos os organismos públicos e

c) Organização de festas tradicionais e outras manifestações Artigo 5º O CCD cooperará com todos os organismos públicos e ESTATUTOS DO CENTRO DE CULTURA E DESPORTO DOS TRABALHADORES DA CÂMARA MUNICIPAL DE PONTE DE LIMA CAPÍTULO I (DENOMINAÇÃO, SEDE, CONSTITUIÇÃO OBJECTIVOS) excursões e viagens. c) Organização de festas tradicionais

Leia mais

ARSENAL DO ALFEITE, S. A. ESTATUTOS

ARSENAL DO ALFEITE, S. A. ESTATUTOS ARSENAL DO ALFEITE, S. A. (Constituída pelo Decreto-Lei n.º33/2009, de 5 de Fevereiro) ESTATUTOS CAPÍTULO I Denominação, sede, objecto e duração Artigo 1º Forma e denominação A sociedade adopta a forma

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A.

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. Fevereiro 2012 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO EDP Energias de Portugal, S.A. ARTIGO 1.º (Âmbito)

Leia mais

Estatutos ( da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Concelho de Mortágua, aprovados em Assembleia Geral de???) CAPÍTULO PRIMEIRO

Estatutos ( da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Concelho de Mortágua, aprovados em Assembleia Geral de???) CAPÍTULO PRIMEIRO Estatutos ( da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Concelho de Mortágua, aprovados em Assembleia Geral de???) CAPÍTULO PRIMEIRO Da denominação, natureza e fins Artigo 1.º A Associação de Pais

Leia mais

Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS. Artigo 1º Denominação, Sede e Duração

Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS. Artigo 1º Denominação, Sede e Duração Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS Artigo 1º Denominação, Sede e Duração 1. A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação de Alentejo de Excelência - Associação para a Competitividade,

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL. Capítulo I Princípios Gerais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL. Capítulo I Princípios Gerais ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL Capítulo I Princípios Gerais Artigo 1º Denominação, sede e duração 1. A Associação, sem fins lucrativos, adota a denominação ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL. 2. A

Leia mais

CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINS

CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINS ESTATUTOS DA CEBE CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINS ARTIGO 1º A CEBE, Cooperativa de Ensino de Benfica, Cooperativa de Responsabilidade Limitada, adiante designada simplesmente por CEBE ou

Leia mais

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DOS LOUROS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCAREGADOS DE EDUCAÇÃO

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DOS LOUROS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCAREGADOS DE EDUCAÇÃO CAPITULO I ARTIGO 1.º (Denominação, natureza, sede e âmbito) 1. A Associação adopta a designação de Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos dos Louros. 2. É uma

Leia mais

Capítulo III. Dos Corpos Gerentes Secção I Disposições Gerais. São órgãos da Instituição: a Assembleia Geral, a Direção e o Conselho Fiscal.

Capítulo III. Dos Corpos Gerentes Secção I Disposições Gerais. São órgãos da Instituição: a Assembleia Geral, a Direção e o Conselho Fiscal. Capítulo III Dos Corpos Gerentes Secção I Disposições Gerais Artigo 16º. São órgãos da Instituição: a Assembleia Geral, a Direção e o Conselho Fiscal. Artigo 17º. O exercício de qualquer cargo nos corpos

Leia mais

Estatutos da Musikarisma Associaça o

Estatutos da Musikarisma Associaça o Estatutos da Musikarisma Associaça o SECÇÃO I DA ASSOCIAÇÃO Artigo 1º A Musikarisma é uma Associação Cultural, Sem Fins Lucrativos, tendo a sua sede na Rua José Estêvão, com o número cento e treze, na

Leia mais

Estatutos. Capítulo I Disposições fundamentais. Art.1º (Denominação)

Estatutos. Capítulo I Disposições fundamentais. Art.1º (Denominação) Estatutos Capítulo I Disposições fundamentais Art.1º (Denominação) A Associação Portuguesa para o Controlo de Tiragem e Circulação, abreviadamente designada por APCT, é uma associação que se rege pelos

Leia mais

CAIS ASSOCIAÇÃO DE SOLIDADRIEDADE SOCIAL ESTATUTOS CAPITULO I GENERALIDADES ARTIGO 1º (DESIGNAÇÃO, DIURAÇÃO E SEDE)

CAIS ASSOCIAÇÃO DE SOLIDADRIEDADE SOCIAL ESTATUTOS CAPITULO I GENERALIDADES ARTIGO 1º (DESIGNAÇÃO, DIURAÇÃO E SEDE) VERSÃO ACTUALIZADA DOS ESTATUTOS DEPOIS DA ALTERAÇÃO DA SEDE SOCIAL, DELIBERADA PELA ACTA Nº 22, DE 26 DE ABRIL DE 2005. ---------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PRIMATOLOGIA OBJECTIVOS E SEDE ARTIGO 1

ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PRIMATOLOGIA OBJECTIVOS E SEDE ARTIGO 1 ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PRIMATOLOGIA OBJECTIVOS E SEDE ARTIGO 1 Parágrafo 1. A Associação Portuguesa de Primatologia, adiante designada por A.P.P., tem por objectivo a promoção, desenvolvimento

Leia mais

A Associação A Cividade é uma instituição particular, sem fins lucrativos e de

A Associação A Cividade é uma instituição particular, sem fins lucrativos e de Associação A CIVIDADE ESTATUTOS CAPÍTULO I Denominação, sede, objecto e duração Artigo 1º A Associação A Cividade é uma instituição particular, sem fins lucrativos e de duração indeterminada. Artigo 2º

Leia mais

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 23 de setembro de Série. Número 166

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 23 de setembro de Série. Número 166 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 23 de setembro de 2016 Série 2.º Suplemento Sumário SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ES- COLA DA AJUDA

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA A DEFESA DO CONSUMIDOR DECO

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA A DEFESA DO CONSUMIDOR DECO ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA A DEFESA DO CONSUMIDOR DECO 9 de outubro de 2014 ESTATUTOS CAPITULO I Nome, sede, âmbito e objeto Artigo 1º. A Associação, denominada Associação Portuguesa para

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO FLORESTAL DE ENTRE DOURO E TÂMEGA (Escritura Notarial no Porto a 13 de Setembro de 1996)

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO FLORESTAL DE ENTRE DOURO E TÂMEGA (Escritura Notarial no Porto a 13 de Setembro de 1996) ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO FLORESTAL DE ENTRE DOURO E TÂMEGA (Escritura Notarial no Porto a 13 de Setembro de 1996) Capítulo I Denominação, sede, objecto e duração Artigo 1º A Associação Florestal de Entre

Leia mais

CÂMARA DO COMÉRCIO DE ANGRA DO HEROÍSMO

CÂMARA DO COMÉRCIO DE ANGRA DO HEROÍSMO CÂMARA DO COMÉRCIO DE ANGRA DO HEROÍSMO Regulamento do Núcleo Empresarial da Ilha da Graciosa (Aprovado em Assembleia Geral de 1999) Princípios Gerais Artigo 1º O Núcleo Empresarial da Ilha de São Jorge,

Leia mais

ESTATUTO DA AAPCEU. ART. 2º - A ASSOCIAÇÃO tem sede e foro na cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais.

ESTATUTO DA AAPCEU. ART. 2º - A ASSOCIAÇÃO tem sede e foro na cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais. ESTATUTO DA AAPCEU TÍTULO I - DA ENTIDADE Capítulo Único - Da Denominação, Sede e Objeto ART. 1º - A Associação dos Aposentados e Pensionistas da Caixa dos Empregados da Usiminas, doravante denominada

Leia mais

ESTATUTOS DA ACADEMIA DE LETRAS DE TRÁS-OS-MONTES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO E SEDE

ESTATUTOS DA ACADEMIA DE LETRAS DE TRÁS-OS-MONTES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO E SEDE ESTATUTOS DA ACADEMIA DE LETRAS DE TRÁS-OS-MONTES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO E SEDE Artigo 1º Constituição e denominação É constituída uma associação civil sem fins lucrativos denominada Academia

Leia mais

Estatutos da Associação Portuguesa de Avaliação 2009

Estatutos da Associação Portuguesa de Avaliação 2009 ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE AVALIAÇÃO ARTIGO 1º Denominação É constituída, por tempo indeterminado, uma associação de direito privado sem fins lucrativos denominada, Associação Portuguesa de

Leia mais

Da Atividade da Associação. Dos Sócios

Da Atividade da Associação. Dos Sócios REGULAMENTO GERAL INTERNO Associação Trilhos da Boa Viagem (ATBV) Artigo 1º Da Atividade da Associação Objetivos e Atividades 1 A ATBV é uma associação de carácter desportivo, recreativo, cultural e educativo,

Leia mais

a. O Conselho Pedagógico é composto por docentes e discentes, eleitos pelos membros de cada um dos respectivos cursos.

a. O Conselho Pedagógico é composto por docentes e discentes, eleitos pelos membros de cada um dos respectivos cursos. Regulamento Interno do Conselho Pedagógico da ESAP (Nº de Membros para o biénio 2013/2015: 14) Aprovado por unanimidade na reunião de 27.02.2014 1. Funcionamento a. O Conselho Pedagógico é composto por

Leia mais

Documento complementar elaborado nos termos do número dois do. artigo sessenta e quatro do Código do Notariado, que faz parte

Documento complementar elaborado nos termos do número dois do. artigo sessenta e quatro do Código do Notariado, que faz parte Documento complementar elaborado nos termos do número dois do artigo sessenta e quatro do Código do Notariado, que faz parte integrante da escritura lavrada em vinte e três de Julho de dois mil e dez.

Leia mais

Sociedade Portuguesa de Neurociências

Sociedade Portuguesa de Neurociências ESTATUTOS DA SOCIEDADE PORTUGUESA DE NEUROCIÊNCIAS OBJECTIVOS E SEDE ARTIGO 1 A Sociedade Portuguesa de Neurociências, S.P.N., tem por objectivo a promoção, desenvolvimento e divulgação da investigação

Leia mais

OBJECTIVOS, SEDE E ANO SOCIAL. Artigo 1º. Artigo 2º. A Sociedade Portuguesa de Bioquímica tem a sua sede em Lisboa Artigo 3º

OBJECTIVOS, SEDE E ANO SOCIAL. Artigo 1º. Artigo 2º. A Sociedade Portuguesa de Bioquímica tem a sua sede em Lisboa Artigo 3º OBJECTIVOS, SEDE E ANO SOCIAL Artigo 1º A Sociedade Portuguesa de Bioquímica tem por objectivo promover, cultivar e desenvolver em Portugal a investigação e o ensino da Bioquímica e ciências afins e facilitar

Leia mais

ESTATUTOS DO GRUPO DESPORTIVO SANTANDER TOTTA. CAPÍTULO I SEÇÃO I CONSTITUIÇÃO ART.º 1.º (Denominação e Natureza)

ESTATUTOS DO GRUPO DESPORTIVO SANTANDER TOTTA. CAPÍTULO I SEÇÃO I CONSTITUIÇÃO ART.º 1.º (Denominação e Natureza) ESTATUTOS DO GRUPO DESPORTIVO SANTANDER TOTTA CAPÍTULO I SEÇÃO I CONSTITUIÇÃO ART.º 1.º (Denominação e Natureza) 1. O Grupo Desportivo Santander Totta, é uma Associação de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO CULTURAL RECREATIVA E DESPORTIVA DE LOURIÇAL - C.P.T Nº Inscrita em: 22/12/88. Sede Louriçal 3125 Louriçal

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO CULTURAL RECREATIVA E DESPORTIVA DE LOURIÇAL - C.P.T Nº Inscrita em: 22/12/88. Sede Louriçal 3125 Louriçal ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO CULTURAL RECREATIVA E DESPORTIVA DE LOURIÇAL - C.P.T Nº. 628 ARTIGO 1º Inscrita em: 22/12/88 Sede Louriçal 3125 Louriçal DISTRITO DE LEIRIA CAPÍTULO I Constituição, Designação e

Leia mais

ESTATUTOS DO CÍRCULO TEIXEIRA GOMES ASSOCIAÇÃO PELO ALGARVE TÍTULO I. Denominação, Natureza, Sede e Fins da Associação. Artigo Primeiro.

ESTATUTOS DO CÍRCULO TEIXEIRA GOMES ASSOCIAÇÃO PELO ALGARVE TÍTULO I. Denominação, Natureza, Sede e Fins da Associação. Artigo Primeiro. ESTATUTOS DO CÍRCULO TEIXEIRA GOMES ASSOCIAÇÃO PELO ALGARVE TÍTULO I Denominação, Natureza, Sede e Fins da Associação Artigo Primeiro Denominação A Associação terá a denominação de CÍRCULO TEIXEIRA GOMES

Leia mais

Regulamento Interno Versão 1_2010 Aprovada pela Assembleia Geral em 30 de Março 2010

Regulamento Interno Versão 1_2010 Aprovada pela Assembleia Geral em 30 de Março 2010 Regulamento Interno Versão 1_2010 Aprovada pela Assembleia Geral em 30 de Março 2010 1. Constituição, Denominação, Duração, Ramo, Objecto Social e Sede 1. É constituída a CooLabora - Cooperativa de Responsabilidade

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA MUSIKARISMA ASSOCIAÇA O

REGULAMENTO INTERNO DA MUSIKARISMA ASSOCIAÇA O REGULAMENTO INTERNO DA MUSIKARISMA ASSOCIAÇA O O presente regulamento tem como objectivo complementar e regular as situações omissas dos Estatutos. CAPÍTULO I Do regulamento interno ARTIGO 1.º (Vigência)

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE FUTEBOL DE RUA ESTATUTOS. Capítulo II. Da denominação, sede e âmbito de acção e fins. Artigo 5º

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE FUTEBOL DE RUA ESTATUTOS. Capítulo II. Da denominação, sede e âmbito de acção e fins. Artigo 5º ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE FUTEBOL DE RUA ESTATUTOS Capítulo I Da denominação, sede e âmbito de acção e fins Artigo 1º 1. A Associação Nacional de Futebol de Rua é uma instituição particular de solidariedade

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA. Artigo 1.º. Âmbito

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA. Artigo 1.º. Âmbito Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. Sociedade aberta com o Capital Social: 12.000.000,00 (doze milhões de euros) Sede: Rua Carlos Alberto da Mota Pinto, n.º 17, 6.º andar, 1070-313 Lisboa Registada

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS DO COLÉGIO DE SÃO CAETANO DE BRAGA

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS DO COLÉGIO DE SÃO CAETANO DE BRAGA ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS DO COLÉGIO DE SÃO CAETANO DE BRAGA CAPITULO I DENOMINAÇÃO, ÂMBITO. DURAÇÃO, SEDE E OBJECTO ARTIGO 1º (Âmbito e duração) A Associação dos Antigos Alunos do Colégio

Leia mais

SOCIEDADE PORTUGUESA PARA O ESTUDO DAS AVES

SOCIEDADE PORTUGUESA PARA O ESTUDO DAS AVES SOCIEDADE PORTUGUESA PARA O ESTUDO DAS AVES ESTATUTOS ARTIGO 1º (Constituição, designação e sede) 1. É constituída a Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves, adiante designada abreviadamente apenas

Leia mais

ESTATUTOS DA COOPERATIVA PORTUGUESA DE ENSINO EM ANGOLA, C.R.L

ESTATUTOS DA COOPERATIVA PORTUGUESA DE ENSINO EM ANGOLA, C.R.L ESTATUTOS DA COOPERATIVA PORTUGUESA DE ENSINO EM ANGOLA, C.R.L 01/Fevereiro/2017 CAPÍTULO l IDENTIDADE ARTIGO 1. DENOMINAÇÃO, SEDE, DEPENDÊNCIAS E DURAÇÃO 1. A Cooperativa denomina-se Cooperativa Portuguesa

Leia mais

ESTATUTOS COPAM - COMPANHIA PORTUGUESA DE AMIDOS, SA

ESTATUTOS COPAM - COMPANHIA PORTUGUESA DE AMIDOS, SA ESTATUTOS COPAM - COMPANHIA PORTUGUESA DE AMIDOS, SA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJECTO E DURAÇÃO DA COMPANHIA Artigo 1 1. A sociedade adopta a denominação de COPAM - COMPANHIA PORTUGUESA DE AMIDOS,

Leia mais

CONTEÚDO OBRIGATÓRIO GERAL. Artigo 1º

CONTEÚDO OBRIGATÓRIO GERAL. Artigo 1º Modelo MODELO DE ESTATUTOS CONTEÚDO OBRIGATÓRIO GERAL Artigo 1º CONSTITUIÇÃO, DENOMINAÇÃO E DIREITO APLICÁVEL É constituída a Cooperativa de Responsabilidade Limitada (CRL), a qual será regida pelos presentes

Leia mais

RESAPES Rede de Serviços de Apoio Psicológico no Ensino Superior Associação Profissional ESTATUTOS

RESAPES Rede de Serviços de Apoio Psicológico no Ensino Superior Associação Profissional ESTATUTOS RESAPES Rede de Serviços de Apoio Psicológico no Ensino Superior Associação Profissional ESTATUTOS Capítulo Primeiro (Constituição, denominação e sede) Artigo 1º A RESAPES - Rede de Serviços de Apoio Psicológico

Leia mais

ESTATUTOS DO IDL INSTITUTO AMARO DA COSTA

ESTATUTOS DO IDL INSTITUTO AMARO DA COSTA ESTATUTOS DO IDL INSTITUTO AMARO DA COSTA CAPÍTULO PRIMEIRO CONSTITUIÇÃO, DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTO ARTIGO PRIMEIRO (CONSTITUIÇÃO) Nos termos gerais de direito, nos do Decreto-Lei número quinhentos e

Leia mais

Olho Vivo - Associação para a Defesa do Património, Ambiente e Direitos Humanos

Olho Vivo - Associação para a Defesa do Património, Ambiente e Direitos Humanos Olho Vivo - Associação para a Defesa do Património, Ambiente e Direitos Humanos Estatutos Capítulo I (Princípios Gerais) Art.º1 (Denominação, Natureza e Duração) É constituída por tempo indeterminado,

Leia mais

CONSELHO GERAL - REGIMENTO -

CONSELHO GERAL - REGIMENTO - CONSELHO GERAL - REGIMENTO - 2013-2017 Aprovado em reunião plenária de 30 de outubro de 2013 Preâmbulo O Regimento do Conselho Geral do Agrupamento de Escolas de Carcavelos tem por objetivo definir os

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO "AMIGOS DO MUSEU NACIONAL DO AZULEJO" CAPÍTULO I. Designação, Fins, Sede e Duração. Artigo 1.º

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU NACIONAL DO AZULEJO CAPÍTULO I. Designação, Fins, Sede e Duração. Artigo 1.º ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO "AMIGOS DO MUSEU NACIONAL DO AZULEJO" CAPÍTULO I Designação, Fins, Sede e Duração Artigo 1.º Com a designação de "Amigos do Museu Nacional do Azulejo" é constituída uma associação

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA O ESTUDO DA DOR-APED. ESTATUTOS (aprovados em Assembleia Geral de 25 de Janeiro de 2002)

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA O ESTUDO DA DOR-APED. ESTATUTOS (aprovados em Assembleia Geral de 25 de Janeiro de 2002) ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA O ESTUDO DA DOR-APED ESTATUTOS (aprovados em Assembleia Geral de 25 de Janeiro de 2002) OBJECTIVOS e SEDE Artigo 1º Parágrafo 1. A Associação Portuguesa para o Estudo da Dor,

Leia mais

Regimento do Conselho Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa

Regimento do Conselho Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa Regimento do Conselho Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Natureza O Conselho Geral é o órgão deliberativo intermédio do Fórum Académico

Leia mais

ESTATUTOS DA SOCIEDADE ANÓNIMA Capitulo I. Artigo 1º. Artigo 2º. Artigo 3º

ESTATUTOS DA SOCIEDADE ANÓNIMA Capitulo I. Artigo 1º. Artigo 2º. Artigo 3º ESTATUTOS DA SOCIEDADE ANÓNIMA Capitulo I Firma, sede, objecto e duração Artigo 1º Firma A Sociedade adopta o tipo de Sociedade anónima, com a firma EDAB Empresa de Desenvolvimento do Aeroporto de Beja,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO. (Documento complementar elaborado nos termos do nº 2 do artigo 64º do Código do Notariado)

ASSOCIAÇÃO. (Documento complementar elaborado nos termos do nº 2 do artigo 64º do Código do Notariado) ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS (Documento complementar elaborado nos termos do nº 2 do artigo 64º do Código do Notariado) SOCIEDADE PORTUGUESA DE VIDA SELVAGEM CAPÍTULO PRIMEIRO Denominação, Duração, Sede e Objecto

Leia mais

Associação Unitária de Reformados Pensionistas e Idosos do Seixal Estatutos da AURPIS

Associação Unitária de Reformados Pensionistas e Idosos do Seixal Estatutos da AURPIS Código RI.EST Revisão 0 de 09.15 Elaborado: 18/09/2015 Aprovado: Assembleia Geral Ata nº: 108 Data Aprovação 30/03/2015 Estatutos da Associação Unitária de Reformados, Pensionistas e Idosos do Seixal Natureza

Leia mais

RUAS - ASSOCIAÇÃO UNIVER(S)CIDADE ESTATUTOS

RUAS - ASSOCIAÇÃO UNIVER(S)CIDADE ESTATUTOS RUAS - ASSOCIAÇÃO UNIVER(S)CIDADE ESTATUTOS CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1. Denominação e natureza A RUAS - Associação Univer(s)cidade, adiante designada abreviadamente por Associação, é uma pessoa

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO LEADER OESTE

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO LEADER OESTE ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO LEADER OESTE CAPITULO I - PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1º (CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO, DESIGNAÇÃO, NATUREZA E SEDE) 1- É constituída uma Associação sem fins lucrativos, por tempo indeterminado,

Leia mais

Secção I DISPOSIÇÕES GERAIS

Secção I DISPOSIÇÕES GERAIS ESTATUTOS CoopCASA - Cooperativa para a Acção Social e Artística, CRL NIPC: 510 951 546 Data de Constituição: 10 de Janeiro de 2014 Alteração de Estatutos a 31 de Março de 2016 Secção I DISPOSIÇÕES GERAIS

Leia mais

Código Cooperativo. CAPÍTULO III - Capital Social, Jóia e Títulos de Investimento. Lei n.º 51/96 de 7 de Setembro

Código Cooperativo. CAPÍTULO III - Capital Social, Jóia e Títulos de Investimento. Lei n.º 51/96 de 7 de Setembro Código Cooperativo CAPÍTULO III - Capital Social, Jóia e Títulos de Investimento Lei n.º 51/96 de 7 de Setembro Alterada pelos DL n.º 343/98 de 6 de Nov., DL n.º 131/99 de 21 de Abril e DL n.º 108/2001

Leia mais

Federação Portuguesa de Paraquedismo REGULAMENTO ELEITORAL

Federação Portuguesa de Paraquedismo REGULAMENTO ELEITORAL Artigo 1º (Disposições Gerais) 1. O presente regulamento estabelece as normas e orientações a seguir para as eleições dos órgãos sociais da Federação Portuguesa de Paraquedismo (doravante designada por

Leia mais

SOCIEDADE CABOVERDIANA DE ZOOLOGIA

SOCIEDADE CABOVERDIANA DE ZOOLOGIA SOCIEDADE CABOVERDIANA DE ZOOLOGIA SCVZ ESTATUTOS Capítulo I Disposições gerais Artigo 1º Criação 1.É criada Sociedade Caboverdiana de Zoologia, abreviadamente designada SCVZ. 2.A duração da sociedade

Leia mais

Academia Olímpica de Portugal Regulamento Geral

Academia Olímpica de Portugal Regulamento Geral Academia Olímpica de Portugal Regulamento Geral Artigo 1.º Natureza Jurídica, Denominação e Sede 1. A Academia Olímpica de Portugal, adiante designada por AOP, é uma entidade integrada no, adiante designado

Leia mais

Celbi ESTATUTOS DO AGRUPAMENTO COMPLEMENTAR DE EMPRESAS - ACE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo Primeiro (Firma)

Celbi ESTATUTOS DO AGRUPAMENTO COMPLEMENTAR DE EMPRESAS - ACE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo Primeiro (Firma) Celbi ESTATUTOS DO AGRUPAMENTO COMPLEMENTAR DE EMPRESAS - ACE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo Primeiro (Firma) O Agrupamento Complementar de Empresas adoptará a denominação AFOCELCA Agrupamento Complementar

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE UMA COOPERATIVA ATRAVÉS DE INSTRUMENTO PARTICULAR

CONSTITUIÇÃO DE UMA COOPERATIVA ATRAVÉS DE INSTRUMENTO PARTICULAR CONSTITUIÇÃO DE UMA COOPERATIVA ATRAVÉS DE INSTRUMENTO PARTICULAR (retirado de www.inscoop.pt site do Instituto António Sérgio do Sector Cooperativo) Podem constituir-se por instrumento particular as cooperativas

Leia mais

Estatutos do Fórum de Juventude da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa

Estatutos do Fórum de Juventude da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Estatutos do Fórum de Juventude da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º (Denominação) O Fórum de Juventude da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, a

Leia mais

ESTATUTOS DA COMISSÃO NACIONAL PORTUGUESA

ESTATUTOS DA COMISSÃO NACIONAL PORTUGUESA ESTATUTOS DA COMISSÃO NACIONAL PORTUGUESA DO ICOM Capítulo I Da origem e dos fins da Comissão Nacional Artigo 1º A Comissão Nacional Portuguesa do ICOM (International Council of Museums), adiante designada

Leia mais

FLAVIENSE NO MUNDO ASSOCIAÇÃO

FLAVIENSE NO MUNDO ASSOCIAÇÃO FLAVIENSE NO MUNDO ASSOCIAÇÃO Estatutos Artigo 1º A Associação denomina-se Flavienses no Mundo - Associação e é constituída por tempo indeterminado. Artigo 2º É objeto da Associação reforçar as capacidades

Leia mais

Regimento do Conselho Geral da Universidade de Évora

Regimento do Conselho Geral da Universidade de Évora Regimento do Conselho Geral da Universidade de Évora O Conselho Geral da Universidade de Évora, adiante designado por Conselho Geral, é o órgão de governo previsto no n.º 1 da alínea a) do artigo 11.º

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO

CONSTITUIÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO CONSTITUIÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO MODELO DE ESTATUTOS CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1º (Natureza e Sede) 1 - A Associação X, adiante designada por Associação, é constituída por jovens 18 aos 30 anos

Leia mais

REGULAMENTO PROVISÓRIO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA DE ESPINHO

REGULAMENTO PROVISÓRIO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA DE ESPINHO REGULAMENTO PROVISÓRIO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA DE ESPINHO A Lei n.º 33/98, de 18 de Julho, instituiu a figura jurídica dos Conselhos Municipais de Segurança, qualificando-os de entidades de

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE REGULADORES DE ENERGIA DOS PAÍSES DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS. Artigo 1.

ASSOCIAÇÃO DE REGULADORES DE ENERGIA DOS PAÍSES DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS. Artigo 1. ASSOCIAÇÃO DE REGULADORES DE ENERGIA DOS PAÍSES DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Artigo 1.º (Denominação e natureza jurídica) A Associação de Reguladores de Energia

Leia mais

Associação de Solidariedade e Desenvolvimento Social - ASDS ESTATUTOS

Associação de Solidariedade e Desenvolvimento Social - ASDS ESTATUTOS Associação de Solidariedade e Desenvolvimento Social - ASDS ESTATUTOS Associação de Solidariedade e Desenvolvimento Social ASDS. NIPC 509456855. Rua António José da Silva 7 RC D., 2650-382 Alfornelos Capítulo

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA BÁSICA AQUILINO RIBEIRO, RANHADOS ESTATUTOS CAPITULO I DA ASSOCIAÇÃO

ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA BÁSICA AQUILINO RIBEIRO, RANHADOS ESTATUTOS CAPITULO I DA ASSOCIAÇÃO ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA BÁSICA AQUILINO RIBEIRO, RANHADOS ESTATUTOS CAPITULO I DA ASSOCIAÇÃO Artigo 1.º (Denominação e Duração) Os presentes estatutos regulam a Associação

Leia mais

Associação Florestal do BAIXO VOUGA ESTATUTOS. CAPITULO I Denominação, sede, objecto e duração

Associação Florestal do BAIXO VOUGA ESTATUTOS. CAPITULO I Denominação, sede, objecto e duração Associação Florestal do BAIXO VOUGA ESTATUTOS CAPITULO I Denominação, sede, objecto e duração Artigo 1º A Associação Florestal do BAIXO VOUGA é uma instituição particular, sem fins lucrativos e de duração

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DO LEVANTE DA MAIA ESTATUTOS

ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DO LEVANTE DA MAIA ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DO LEVANTE DA MAIA ESTATUTOS CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1.º Denominação, âmbito e sede 1. A Associação de Estudantes da Escola Básica e Secundária

Leia mais

REGULAMENTO DA ASSOCIAÇÃO BIODIVERSIDADE PARA TODOS

REGULAMENTO DA ASSOCIAÇÃO BIODIVERSIDADE PARA TODOS REGULAMENTO DA ASSOCIAÇÃO BIODIVERSIDADE PARA TODOS O presente Regulamento desta Associação destina-se a complementar os Estatutos, definindo e concretizando alguns preceitos ali contidos e outros não

Leia mais

ESTATUTOS DO INSTITUTO DE APOIO À CRIANÇA

ESTATUTOS DO INSTITUTO DE APOIO À CRIANÇA ESTATUTOS DO INSTITUTO DE APOIO À CRIANÇA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS Artigo 1º (Denominação) Por iniciativa de um grupo de cidadãos, interessados em contribuir para a resolução dos problemas

Leia mais

ESTATUTOS DA DELEGAÇÃO NACIONAL PORTUGUESA DA CÂMARA DE COMÉRCIO INTERNACIONAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO E SEDE ARTIGO 1º

ESTATUTOS DA DELEGAÇÃO NACIONAL PORTUGUESA DA CÂMARA DE COMÉRCIO INTERNACIONAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO E SEDE ARTIGO 1º ESTATUTOS DA DELEGAÇÃO NACIONAL PORTUGUESA DA CÂMARA DE COMÉRCIO INTERNACIONAL Fundada em 1934 CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO E SEDE ARTIGO 1º 1. A Delegação Nacional Portuguesa da Câmara de Comércio

Leia mais

REGULAMENTO DA CPN 2 ESTATUTOS

REGULAMENTO DA CPN 2 ESTATUTOS REGULAMENTO CPN REGULAMENTO DA CPN CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento estabelece o regime de funcionamento da Comissão Politica Nacional. Artigo 2º Abreviaturas Para

Leia mais

PACTO SOCIAL ACTUALIZADO DA CAPÍTULO I. Disposições gerais. ARTIGO 1.º Denominação. ARTIGO 2.º Sede

PACTO SOCIAL ACTUALIZADO DA CAPÍTULO I. Disposições gerais. ARTIGO 1.º Denominação. ARTIGO 2.º Sede PACTO SOCIAL ACTUALIZADO DA SOLIDARIEDADE E AMIZADE, COOPERATIVA DE HABITAÇÃO ECONÓMICA, C.R.L. (de acordo com as deliberações da AGS de 24/05/2011) CAPÍTULO I Disposições gerais ARTIGO 1.º Denominação

Leia mais

REGULAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES

REGULAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES REGULAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES REGULAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES Aprovado na Assembleia de Representantes de 25 de Março de 2000 CAPÍTULO I Natureza e composição Artigo 1.º Natureza

Leia mais

CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO, DENOMINAÇÃO, SEDE, CIRCUNSCRIÇÃO, DURAÇÃO E FINS. Artigo 1º

CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO, DENOMINAÇÃO, SEDE, CIRCUNSCRIÇÃO, DURAÇÃO E FINS. Artigo 1º TEXTO INTEGRAL ACTUALIZADO DOS ESTATUTOS DA FENAFLORESTA FEDERAÇÃO NACIONAL DAS COOPERATIVAS DE PRODUTORES FLORESTAIS, F.C.R.L., APÓS ALTERAÇÃO DE ESTATUTOS APROVADA EM ASSEMBLEIA- GERAL ORDINÁRIA DE 21

Leia mais

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE CONTABILIDADE FINANCEIRA. CAPÍTULO I Da constituição e objectivos

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE CONTABILIDADE FINANCEIRA. CAPÍTULO I Da constituição e objectivos REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE CONTABILIDADE FINANCEIRA CAPÍTULO I Da constituição e objectivos Artigo 1.º O presente regulamento respeita ao Colégio da Especialidade de Contabilidade Financeira

Leia mais

100 TRILHOS Rua Bento Jesus Caraça, nº 36, Castro Verde //

100 TRILHOS Rua Bento Jesus Caraça, nº 36, Castro Verde // REGULAMENTO INTERNO Castro Verde, 15 de Janeiro de 2011 Indice CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS... 3 Artigo 1º - Denominação e Sede... 3 Artigo 2º - Objectivos... 3 CAPÍTULO II DOS ASSOCIADOS... 4 Artigo 3º

Leia mais

Associação de Farmacêuticos dos Países de Língua Portuguesa ESTATUTOS

Associação de Farmacêuticos dos Países de Língua Portuguesa ESTATUTOS Associação de Farmacêuticos dos Países de Língua Portuguesa ESTATUTOS Artigo 1.º Denominação A Associação denominar-se-á A.F.P.L.P., Associação de Farmacêuticos dos Países de Língua Portuguesa, adiante

Leia mais

A P P Associação dos Portos de Portugal Estatutos

A P P Associação dos Portos de Portugal Estatutos A P P Associação dos Portos de Portugal Estatutos CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, ÂMBITO E FINS Artigo 1º É constituída uma associação, sem fins lucrativos, denominada APP Associação dos Portos de Portugal,

Leia mais

Estatutos. Realizado por/data Direção/Outubro 2012

Estatutos. Realizado por/data Direção/Outubro 2012 Estatutos Realizado por/data Direção/Outubro 2012 Aprovado por/data Assembleia Geral/06.02.2013 Versão_03 17/10/2012 Índice dos Estatutos CAPÍTULO I Constituição, Denominação, Ramo, Sede, Duração e Fins...6

Leia mais

ESTATUTOS COOPÉRNICO - COOPERATIVA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL CRL

ESTATUTOS COOPÉRNICO - COOPERATIVA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL CRL ESTATUTOS COOPÉRNICO - COOPERATIVA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL CRL Artigo 1.º (Constituição, Denominação, Ramo, Duração, Objeto Social, Sede, Autonomia) 1. É constituída a COOPÉRNICO - COOPERATIVA DE

Leia mais

A cooperativa tem a sua sede e área social na Tapada de Mafra, em Mafra.

A cooperativa tem a sua sede e área social na Tapada de Mafra, em Mafra. A gestão da Tapada Nacional de Mafra é assegurada por uma Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada criada em Setembro de 1998 pela Resolução de Conselho de Ministros nº 7/98. Neste

Leia mais

REGULAMENTO DAS ASSEMBLEIAS GERAIS

REGULAMENTO DAS ASSEMBLEIAS GERAIS REGULAMENTO DAS ASSEMBLEIAS GERAIS MECODEC DEZEMBRO 2009 REGULAMENTO DAS ASSEMBLEIAS GERAIS Secção I Assembleias Gerais Eleitorais Artigo 1.º Competências da assembleia geral eleitoral 1 A assembleia geral

Leia mais

REGULAMENTO PROVISÓRIO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA

REGULAMENTO PROVISÓRIO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA REGULAMENTO PROVISÓRIO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA PREÂMBULO A Lei nº. 33/98, de 18 de Julho, veio criar os Conselhos Municipais de Segurança, qualificando-os de entidades de natureza consultiva,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO CONCELHO DE MORTÁGUA REGULAMENTO INTERNO

ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO CONCELHO DE MORTÁGUA REGULAMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO CONCELHO DE MORTÁGUA REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I Objeto e âmbito de aplicação 1- O presente Regulamento tem por objetivo regulamentar as questões internas

Leia mais

ESTATUTOS TURIPENHA. Cooperativa de Turismo de Interesse Público, RL

ESTATUTOS TURIPENHA. Cooperativa de Turismo de Interesse Público, RL ESTATUTOS DA TURIPENHA Cooperativa de Turismo de Interesse Público, RL CAPITULO I Disposições Gerais ARTIGO 1º Constituição e Duração 1 É constituída a TURIPENHA COOPERATIVA DE TURISMO DE INTERESSE PÚBLICO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE PAIS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CONCELHO DE VALENÇA DO MINHO ESTATUTOS

ASSOCIAÇÃO DE PAIS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CONCELHO DE VALENÇA DO MINHO ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DE PAIS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CONCELHO DE VALENÇA DO MINHO ESTATUTOS ARTIGO I A associação denomina-se por ASSOCIAÇÃO DE PAIS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO AGRUPAMENTO

Leia mais

ANPERE Associação Nacional dos Profissionais e Empresas do Ramo Automóvel

ANPERE Associação Nacional dos Profissionais e Empresas do Ramo Automóvel ANPERE Associação Nacional dos Profissionais e Empresas do Ramo Automóvel CAPÍTULO I Denominação, Duração, Sede, Âmbito e Objeto. ARTIGO 1º (Denominação, duração, sede e âmbito) A associação, sem fins

Leia mais

"BDP - BAGAS DE PORTUGAL, C.R.L."

BDP - BAGAS DE PORTUGAL, C.R.L. "BDP - BAGAS DE PORTUGAL, C.R.L." ESTATUTOS CAPÍTULO I Da Constituição, Denominação, Sede, Área Social, Duração, Objeto e Fins Artigo 1º Denominação e Duração 1. É constituída a Cooperativa agrícola de

Leia mais

Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 48, 29/12/2013

Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 48, 29/12/2013 3- No caso de dissolução ou extinção do Sindicato, a assembleia geral definirá os precisos termos em que a mesma se deve processar, respeitando o estabelecido no n.º 5 do artigo 450 do Código do Trabalho.

Leia mais