RELATÓRIO DO EXERCÍCIO DE 1999

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DO EXERCÍCIO DE 1999"

Transcrição

1 Versão 1 3 de Março /2000 RELATÓRIO DO EXERCÍCIO DE 1999 Senhores accionistas, Vimos submeter à vossa apreciação o Relatório e Contas relativo ao exercício de Não sem que antes façamos um rápido balanço da actividade desenvolvida ao longo do mandato dos subscritores deste documento. PRÓLOGO 1999 foi o ano em que ocorreu um acontecimento do maior significado para a vida da UNICRE: a comemoração do 25º aniversário. Será oportuno recordar que a UNICRE, cuja escritura de constituição tem a data de 17 de Abril de 1974, resultou de uma iniciativa conjunta da maioria dos Bancos que, à época, operavam no mercado nacional. Era sua missão contribuir para que o sector financeiro português pudesse acompanhar alguns dos mais recentes desenvolvimentos internacionais no domínio dos meios de pagamento, aos quais se augurava já uma importância que o futuro em tudo confirmou. Essa vocação integradora manteve-se ao longo do quarto de século agora cumprido, e esse foi sem dúvida um dos factores decisivos para que em Portugal se tenha consolidado um modelo operacional de cartões de pagamento bem sucedido, à luz dos critérios com que seja avaliado em qualquer parte do mundo, como assinalou o Presidente do Conselho de Administração da UNICRE na cerimónia alusiva à passagem do nosso 25º aniversário. 1

2 A coincidência desta efeméride com a transição de século e de milénio assume o simbolismo de um recomeço, em que a UNICRE, em conjunto com os Bancos seus accionistas, se revela apta a enfrentar e vencer novos desafios, igualmente exigentes e inovadores, no campo dos cartões de pagamento. Senhores accionistas, Com o exercício de 1999 termina também o actual mandato do Conselho de Administração da UNICRE, eleito para o quadriénio Foi um período rico em acontecimentos e decisões de forte impacto na afirmação consolidada da Empresa, de que nos permitimos destacar alguns aspectos. Evolução dos resultados. Via UNICRE, verificou-se neste quadriénio uma duplicação do Volume de Negócios com cartões de crédito, nacionais e estrangeiros, emitidos no âmbito dos sistemas Visa e MasterCard, e um aumento de duas vezes e meia no número de transacções, o que, mantendo-se a mesma ordem de grandeza do número de empregados, permitiu que o coeficiente número de transacções / empregado crescesse para o quádruplo. Tão elevado índice de crescimento só foi possível graças aos vultosos investimentos feitos na modernização dos recursos tecnológicos e à permanente adequação da orgânica da Empresa às realidades do mercado e do negócio Volume de Negócios (em milhões de contos) Variação do Volume de Negócios % + 30% + 35% + 21% 2

3 Sistemas de Informação. É esta, em qualquer organização com as características da UNICRE, uma área de intervenção estratégica. Foram por isso numerosas as decisões, investimentos e grandes projectos que se sucederam ao longo do quadriénio. Assinalemos como alguns dos mais importantes o arranque de duas novas aplicações, para utilizadores (Cardpack) e para comerciantes (Rede XXI), o desenvolvimento de um conjunto de aplicações periféricas que permitiram melhorar significativamente as áreas de back-office, e o contrato de facility management com a SIBS - Sociedade Interbancária de Serviços. Mas foi sem dúvida o Projecto Euro / Ano 2000 que representou o maior esforço da Empresa durante o período de 1996 a 1999, quer pelos valores financeiros implicados (cerca de 3,5 milhões de contos), quer pela profundidade das intervenções feitas, quer pela grande mobilização de recursos humanos que exigiu. A título ilustrativo, citem-se as mais de horas de trabalho adicionais necessárias só no sector dos Sistemas de Informação. Detalhando a natureza da intervenção do Projecto Euro / Ano 2000, podemos referir: - a necessidade de adaptar ou substituir os Terminais de Pagamento Automático instalados por todo o Continente e Regiões Autónomas; - a realização de acções de informação e formação junto dos comerciantes, para as questões da aceitação do Euro e do Problema Informático do Ano 2000, através de publicações, contactos personalizados e dezenas de sessões de esclarecimento junto de associações e núcleos empresarias de todo o País. Também em relação aos utilizadores do cartão Unibanco foram tomadas iniciativas de comunicação que incluíram, entre outras, a manutenção de uma linha telefónica exclusiva de atendimento permanente; 3

4 - o facto de, a nível de hardware, todos os PCs, mainframes, impressoras e servers de rede terem requerido intervenções, tal como, a nível de software, se tornou necessário actuar sobre mais de 50% das aplicações instaladas. Este trabalho foi realizado em estreita colaboração com as organizações internacionais parceiras da UNICRE e com o principal fornecedor dos processamentos de comunicação, a SIBS - Sociedade Interbancária de Serviços. Abertura a novos negócios. Reconhecendo o enorme potencial de negócio representado pelo Comércio Electrónico e as oportunidades que este novo canal abre aos pagamentos com cartão, a UNICRE tem tido intensa actividade neste domínio, quer desenvolvendo competências a nível interno quer apoiando numerosos projectos de actuais ou de potenciais parceiros. Pelo seu significado e pelo mediatismo de que se revestiu, merece saliência a realização, em 21 de Abril de 1998, da Primeira Transacção On-Line em Portugal através da Internet, com a encomenda e o pagamento a decorrerem segundo o protocolo de comunicações SET (Secure Electronic Transaction). Também a tecnologia do chip aplicada aos cartões, que introduzirá, a muito curto prazo, uma profunda transformação na actividade dos cartões de pagamento, tem vindo a ser objecto da criação e funcionamento de grupos de trabalho que preparam a entrada do EMV Card no mercado português, por forma a colocar mais uma vez o nosso país na primeira linha da utilização dos mais avançados recursos da técnica disponibilizados pelos sistemas internacionais de pagamento. Modernização da tecnologia de aceitação dos cartões nos pontos de venda. O esforço UNICRE/Bancos na electronização dos pontos de venda possibilitou que, nos últimos anos, a percentagem das transacções processadas 4

5 on-line / real time alcançasse na Redunicre os valores mais elevados que se conhecem a nível mundial. Prevenção da sinistralidade e combate à fraude. A UNICRE detém hoje em dia um alto grau de competência neste campo, conseguindo por isso elevados níveis de sucesso no enfrentamento de uma criminalidade também ela altamente especializada e que constitui em todos os países uma preocupante ameaça a este meio de pagamento. Das iniciativas tomadas nos últimos quatro anos, não deve ficar sem uma referência destacada o desenvolvimento e implementação da aplicação SDF (Sistema de Detecção de Fraude), que funciona "on-line / real-time" e tem merecido elogiosas referências a nível mundial, tendo já permitido, nomeadamente, o desmantelamento de três gangs internacionais. A propósito do êxito que se tem registado nas acções de combate à fraude, é justo enaltecer o profissionalismo e a cooperação da Polícia Judiciária, organização da parte da qual a UNICRE sempre encontrou o melhor acolhimento para a realização de acções de formação destinadas aos técnicos ligados às operações decorrentes deste tipo específico de criminalidade. 5

6 Relacionamento com parceiros de negócio. Consolidando uma linha de actuação marcada pela auscultação permanente dos sentimentos dos nossos parceiros comerciais e pelo interesse no conhecimento directo das realidades dos seus negócios, foram celebradas nos últimos anos numerosas Parcerias e Protocolos de Colaboração com associações representativas dos empresários aderentes à Redunicre, com relevo para: CCP - Confederação do Comércio e Serviços de Portugal; CTP - Confederação do Turismo de Portugal; FERECA - Federação dos Restaurantes, Cafés e Similares de Portugal; UNIHSNOR - União dos Industriais de Hotelaria e Similares do Norte de Portugal; AIHRSC - Associação dos Industriais de Hotelaria, Restaurantes e Similares do Centro; ARESP - Associação dos Restaurantes, Cafés e Similares de Portugal; AIHSA - Associação dos Industriais de Hotelaria e Similares do Algarve; AHETA - Associação dos Hotéis e Empresas Turísticas do Algarve; APAVT - Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo; AHP - Associação dos Hotéis de Portugal; UACDL - União das Associações de Comerciantes do Distrito de Lisboa; ACIF - Associação Comercial e Industrial do Funchal, e diversas outras agremiações de comerciantes, regionais ou sectoriais. Apoio à dinamização dos negócios dos comerciantes aderentes. Durante os anos de 1997 e 1998, a UNICRE empenhou-se fortemente num grandioso programa de incentivo aos pagamentos com cartões de crédito e promoção de Portugal como destino turístico, divulgado pela Visa International em todo o Mundo. Este programa, intitulado "Portugal Welcomes Visa", seria destacado pelo Secretário de Estado do Comércio e Turismo como uma das principais acções de promoção turística do nosso País em 1997/98, quer a nível público, quer a nível privado. Senhores accionistas, 6

7 A experiência dos últimos anos autoriza-nos a dizer que a Empresa, com as competências adquiridas, o trabalho de preparação feito e os próprios resultados obtidos, oferece claramente uma garantia de futuro. A garantia de, com o actual modelo e salvaguardando os níveis de rendibilidade até agora alcançados, poder manter uma posição liderante no mercado, seja no negócio de emissão com a marca Unibanco seja no negócio de acquiring com a marca Redunicre, num previsível cenário de forte concorrência internacional. E, em tal contexto, podemos antever um nível de prestação de serviço aos Bancos e aos Clientes com a qualidade de desempenho a que a UNICRE nos habituou. Senhores accionistas, Da actividade desenvolvida 7

8 ao longo de 1999, destacamos agora as seguintes ocorrências DESTAQUES DO EXERCÍCIO Numa cerimónia despretensiosa mas de grande significado para todos os que trabalham na Empresa, foi realizado um Convívio comemorativo dos 25 anos de existência da UNICRE. Os actuais titulares dos órgãos sociais, trabalhadores e seus familiares, confraternizaram durante algumas horas com muitos dos artífices da obra comemorada. Entre eles, os primeiros Administradores da Empresa e todos os Presidentes dos Conselhos de Administração até à actualidade. Ao longo do ano, também as diferentes áreas de negócio encontraram forma de assinalar este evento, com iniciativas dedicadas fundamentalmente aos respectivos clientes. Depois de, em 1998, ter ultrapassado pela primeira vez o limiar do milhar de milhões de contos, a UNICRE pagou em 1999 perto de milhões de contos aos comerciantes, por compras feitas com cartões de crédito. Foi mantida uma elevada percentagem de electronização da rede de estabelecimentos aceitantes de cartões (com mais de 98% das transacções a serem processadas em TPAs), tendo sido atingido o pico de 99,5% em 23 de Dezembro. Fruto de um cuidadoso trabalho preparatório e de uma planificação rigorosamente cumprida, a transição para o ano 2000 processou-se com inteira normalidade nos sistemas informáticos da UNICRE. Tanto no âmbito interno como nas operações de relacionamento directo com os clientes, não se registou qualquer anomalia imputável ao tão propalado Bug

9 Numa linha de colaborações que nos vêm sendo solicitadas regularmente, foi dado um considerável apoio à organização de duas importantes reuniões da Visa International no nosso país: - de 14 a 18 de Abril, no Porto, o Product & Marketing Advisers Meeting, com 28 participantes, provenientes de 13 países; - de 13 a 15 de Setembro, em Cascais, o Sub-Regional 6 Meeting, com 64 participantes. A par de outras iniciativas desenvolvidas ao longo do ano, e tendo em vista posicionar a UNICRE como empresa de referência em Comércio Electrónico, promovemos e divulgámos em Setembro um Estudo sobre os Hábitos de Consumo dos Portugueses na Net, de colaboração com a firma Vector XXI. Desenvolvido segundo métodos sociométricos de grande rigor (entrevista a lares), este trabalho foi reconhecido como de inestimável utilidade pelas empresas nacionais com projectos de investimento em comércio on-line, e obteve um acolhimento inusual por parte dos órgãos de Comunicação Social. Comprovando o eficiente trabalho de preparação dos sistemas de informação e comerciais da UNICRE, têm vindo a ser aceites desde o início de Janeiro, através dos comerciantes da Redunicre, os primeiros pagamentos em Euro. Ainda que por enquanto em número reduzido, merecem aqui ser referidos por constituírem uma das primeiras expressões da efectiva entrada em funcionamento da Moeda Única Europeia. Migração da "Modalidade B" dos bancos Caixa Geral de Depósitos, Banco BPI e Banco Mello para aplicações próprias. 9

10 VOLUME DE NEGÓCIOS O total da facturação registada através da UNICRE foi de Mc, 21% superior ao valor do ano anterior. O Cartão Unibanco, incluindo as modalidades Unibanco/Bancos (Modalidade C), facturou um total de 107,4 Mc, da mesma ordem de grandeza do ano anterior, o que, face à cada vez maior concorrência dos restantes emissores nacionais, se deve considerar como um bom resultado. Do total de 107,4 Mc, 21,6 Mc referem-se a transacções Unibanco no estrangeiro e 7,5 Mc a operações de cash-advance no País e no estrangeiro. Os Bancos facturaram, através da UNICRE, Mc, no conjunto dos sistemas Visa e Europay/MasterCard, registando-se um crescimento de 27% em relação ao ano anterior. Do total de Mc, 37,6 Mc referem-se a transacções no estrangeiro e 13,4 Mc a operações de cash-advance, no País e no estrangeiro. A facturação de cartões estrangeiros Visa e MasterCard foi de 172,2 Mc, correspondentes a um crescimento de 5,7% relativamente ao ano anterior. O cartão Diners Club apresenta uma facturação de 3,1 Mc e o cartão JCB de apenas contos. Em conjunto, quando comparado com 1998, observa-se um crescimento negativo de 5% destes dois cartões T & E. O número de transacções efectuadas em 1999, via UNICRE, foi de 164,3 milhões, total superior em 27% ao observado em 1998, ou seja, 6 pontos percentuais acima do crescimento do volume de negócios. 10

11 Estes 164,3 milhões de transacções registados em 1999 correspondem a 5,2 transacções por segundo ao longo das 24 horas de cada dia, nos 365 dias do ano. A média do número de transacções realizadas em Dezembro foi de 9,5 por segundo, e o pico de 27 transacções por segundo ocorreu pelas 14 horas e 30 minutos do dia 23 de Dezembro. (Em 1998, o pico ocorreu no mesmo dia, pelas 15 horas, e foi de 20 transacções/segundo) No quadro que se segue, pode observar-se a evolução do volume de negócios no quinquénio EVOLUÇÃO DO VOLUME DE NEGÓCIOS DA UNICRE (em Milhões de Contos) Cartão UNIBANCO 100,9 104,1 105,1 108,0 107,4 Cartões emitidos pelos Bancos 271,3 480,7 677,1 909, ,6 Cartões Estrangeiros Visa e EC/MC 95,6 106,9 119,0 162,9 172,2 Outros cartões estrangeiros 2,2 2,2 2,7 3,3 3,2 ACTIVIDADE DE EMISSÃO DA UNICRE Na vertente de emissão, a UNICRE continuou a sua estratégia de fidelização e rendibilização. Dentro deste âmbito, avançou-se no desenvolvimento da infra-estrutura técnica-operativa do negócio de emissão, continuou-se o desenvolvimento de ferramentas de gestão de dados para suporte à decisão, e reforçaram-se as campanhas de incentivo à utilização dos cartões de crédito emitidos pela UNICRE, em particular os da carteira UNIBANCO, em conjugação com um programa especial de eventos para a celebração dos 25 anos do UNIBANCO. 11

12 Os canais de comunicação com os clientes actuais e potenciais foram alargados, prosseguiram as acções de captação nos vários canais e disponibilizou-se o produto UNIBANCO puro no sistema MasterCard. No que concerne ao desenvolvimento da infra-estrutura técnica, para além da adequação do sistema central e aplicações periféricas ao ano 2000 e ao contexto do Euro, concretizou-se um upgrade à central telefónica e ao software de ligação ao Call Center da actividade de emissão. Quanto ao desenvolvimento de ferramentas de suporte à decisão, avançou-se na implementação de um scoring comportamental e de pagamentos para gestão do risco e das cobranças e iniciou-se um projecto de selecção e integração de ferramentas de CRM (Customer Relationship Manager) envolvendo quer a componente de EIS (Executive Information System) quer a de Data Mining. No que diz respeito às acções de fidelização, em particular dos clientes UNIBANCO, realizaram-se três megacampanhas para a carteira de particulares, uma envolvendo o conceito eu gasto, eu ganho, com acesso a uma colecção de artigos de praia, e duas envolvendo o conceito sorteio, sendo os prémios, num caso, uma viagem dupla no avião Concorde a Paris para 45 clientes e, noutro caso, a oferta a 100 clientes de todas as compras do período de Natal. Paralelamente, realizaram-se acções segmentadas em função do perfil demográfico e psicográfico dos clientes, envolvendo por exemplo a revisão proactiva de limites de crédito, upgrades, cross selling entre produtos particulares e empresas e ofertas de charme, em particular aos clientes com uma antiguidade de 25 anos. Cabe notar que todas estas acções foram enquadradas no programa UNIBANCO 25 anos, o qual incluiu ainda uma série de eventos para clientes Unibanco, como a realização de um Fashion Show e várias actividades de lazer (Bridge, Golfe e Ténis). 12

13 Por outro lado, alargaram-se os canais de comunicação com os clientes actuais e potenciais, tendo-se arrancado com o site e reformulado integralmente a Revista Unibanco, ao nível do formato, periodicidade (passando de trimestral a bimestral) e conteúdo editorial e gráfico. Lançou-se ainda uma linha de comunicação integrada em extracto denominada Isto interessa-lhe, para informações úteis a clientes e divulgação de acções promocionais. Actualizou-se e modernizou-se o interior do espaço da recepção UNIBANCO. Adicionalmente, prosseguiu-se em acções de captação nos vários canais (bancário, entidades affinity e co-branded, Member Get Member, mailing directo e telemarketing, inserções nos media) e disponibilizou-se para o mercado o produto UNIBANCO puro no sistema MasterCard. 13

14 A ACTIVIDADE NO ÂMBITO DA REDUNICRE Ao longo de 1999 a REDUNICRE esteve envolvida num conjunto alargado de acções visando o fortalecimento da sua imagem como parceiro de negócio junto dos empresários dos sectores económicos ligados ao sistema de aceitação de cartões como meio de pagamento. De entre estas actividades, assumiram especial relevo as Acções de Informação e Esclarecimento sobre o Problema Informático do Ano 2000 e o Comércio Electrónico Seguro. Também a questão do Euro esteve em destaque, tendo sido realizados seminários de esclarecimento em parceria com as principais Associações de Comerciantes, como a CCP, a ACP, a UNIHSNOR e a ACIF. Informação sobre o Problema Informático do Ano 2000 O Bug foi uma das principais preocupações dos Comerciantes em Antecipando esta necessidade, a REDUNICRE disponibilizou recursos no seu Call Center para atendimento e resposta a dúvidas colocadas pelos comerciantes. Paralelamente, foram realizadas Acções de Informação junto das Associações Comerciais com o objectivo de esclarecer os comerciantes acerca das consequências práticas da transição para o Ano 2000 e o modo como esta poderia vir a afectar o normal funcionamento das empresas. Um problema que preocupou essencialmente as pequenas e médias empresas, às quais foi necessário fornecer esclarecimentos específicos relativos ao dia-a-dia da sua actividade. 14

15 Para além das acções de divulgação junto dos comerciantes, a REDUNICRE editou também newsletters informativas especiais acerca desta problemática e publicou artigos nos órgãos de informação das Associações. Comércio Electrónico Seguro Neste âmbito, a REDUNICRE foi encarada como um parceiro especializado e possuidor de um know-how essencial ao desenvolvimento deste novo produto. Os seus quadros foram convidados a participar como oradores em diferentes seminários e conferências organizados pelas mais variadas entidades. Exemplo do cada vez maior interesse que o Comércio Electrónico reúne junto dos empresários, foi a alargada participação e adesão registadas no stand da UNICRE na FIL, durante o II Internet World Portugal. Divulgação dos Estabelecimentos Aderentes e das suas Actividades A REDUNICRE manteve ao longo do ano uma presença regular nas publicações de diferentes Associações e entidades com as quais mantém relações de parceria, como a Revista Hotéis de Portugal, da AHP; a Revista da ARESP; a Revista Comércio e Serviços, da Confederação do Comércio Português; o Boletim Informativo da AHETA; a Dirhotel ; a Revista Comércio de Lisboa, da UACDL; o Jornal da Hotelaria, da UNHISNOR; e a Revista Comércio Portuense, da Associação dos Comerciantes do Porto. Simultaneamente, a REDUNICRE manteve a publicação de páginas de informação periódicas sobre o Comércio e seus Empresários, em meios como o Diário de Notícias, o Correio da Manhã e o Jornal Turisver. Em 1999 confirmou-se também a importância do Boletim Redunicre como meio de informação e formação privilegiado junto dos comerciantes, das Associações Comerciais e de entidades com as quais a REDUNICRE mantém relações de parceria. 15

16 Lançamento do Produto Maestro De modo a informar os comerciantes acerca do lançamento deste novo produto por parte dos Bancos Emissores, a REDUNICRE enviou um mailing a todos os estabelecimentos da rede electrónica, através do qual se explicaram as características do produto e as vantagens da sua aceitação. Centro de Apoio aos Comerciantes como meio privilegiado de contacto A REDUNICRE continuou a optimizar o seu Call Center através da introdução de melhorias técnicas e de recursos humanos, o que permitiu aumentar os níveis de qualidade de serviço prestado aos comerciantes, tendo-se atingido em Novembro perto de 90 mil chamadas telefónicas para resolução de problemas e prestação de informações. Neste âmbito, constata-se que o Call Center é já o meio de contacto privilegiado dos comerciantes com a REDUNICRE. O Centro de Autorizações registou a sua melhor performance de sempre, com uma percentagem de sucesso de chamadas atendidas que atingiu os 92% durante o mês de Dezembro. Para além da informação e dos esclarecimentos acerca do Euro e suas implicações práticas para os estabelecimentos comerciais, o Centro de Apoio registou também um número alargado de pedidos de informação sobre o Problema Informático do Ano Acção Comercial da Redunicre Em 1999, a REDUNICRE prosseguiu no seu esforço com vista à electronização cada vez mais generalizada da rede de comerciantes. Prosseguiu igualmente a implementação da tecnologia DOV, encontrando-se instaladas no fim do ano unidades, mais 721 do que no ano anterior. Em 31 de Dezembro de 1999, e devido ao esforço conjunto UNICRE/Bancos, encontravam-se a funcionar, na REDUNICRE, terminais de pagamento automático (TPA), o que representa um crescimento de 5% relativamente ao 16

17 período homólogo do ano anterior. Na mesma data, a percentagem dos estabelecimentos dotados com este tipo de equipamento ascendia a 79%. Destes terminais, são propriedade da UNICRE e são propriedade de Bancos, sendo os restantes propriedade dos comerciantes. A REDUNICRE registou em 1999 a adesão de estabelecimentos, atingindo no fim do ano o total de estabelecimentos aderentes. Destes, (79% do total) estão equipados com TPA e efectuaram 98,7% do número total de transacções realizadas em Portugal no âmbito da REDUNICRE. Em toda a rede foram geradas 161 milhões de transacções. Destas, 158,8 milhões (98,7%) electrónicas e 2,2 milhões manuais, tendo a taxa de electronização atingido 99,1% no mês de Dezembro. No quadro que se segue pode observar-se a evolução dos descontos médios obtidos de comerciantes (vulgo comissões ) no quinquénio : Ano Desconto médio ,81% ,65 % ,60% ,52% ,41% De realçar que relativamente ao ano de 1998, em Espanha, onde são iguais as comissões para todos os tipos de cartões Visa e MasterCard, incluindo VisaElectron e Maestro, bem como para os cartões de âmbito nacional (similares 17

18 ao Multibanco português), o desconto médio obtido de comerciantes foi de 2,93% ( * ). A análise geográfica continua a confirmar o peso de Lisboa e Arredores na actividade da UNICRE: esta zona, com 36,6% da rede, é responsável por 50,2% do volume de negócios total. Segue-se a zona Porto e Arredores, com 20,3% da rede, e uma facturação que corresponde a 21,2% do total. Em terceiro lugar surge a zona geográfica Província Sul, que, com 16,3% da rede, facturou 12,1% do total. Logo a seguir, a zona geográfica correspondente às regiões autónomas dos Açores e da Madeira, cujo peso na rede é de 15,1%, registou 9,3 % do total movimentado. Finalmente, surge a zona geográfica Algarve, com 11,7% do total de estabelecimentos aderentes e 7,2% do total da facturação. Os números anteriores continuam a revelar que é em Lisboa e Arredores que os cartões de crédito são mais utilizados. (*) Encuesta sobre Comisiones por el uso de Tarjetas de Crédito, Tribunal de Defensa de la Competencia, Madrid, 1999, p. 5. RECURSOS HUMANOS Com 14 demissões e outras tantas admissões, manteve-se em 327 o número de empregados activos. 18

19 O número de transacções por empregado cresceu 1,3 vezes relativamente ao ano anterior, para o que muito contribuiu a elevada percentagem de transacções electrónicas. A Empresa manteve a orientação de adjudicar a entidades externas à UNICRE os trabalhos que não constituam o seu negócio. Prosseguiu-se na política de formação, a nível interno e externo, de todos os empregados. Com a dotação de contos, representando 17,6% da verba com Encargos com o Pessoal, o valor acumulado do Fundo de Pensões de Reforma fixou-se em 5,5 milhões de contos, montante que cobre as responsabilidades da empresa. PERSPECTIVAS FUTURAS Para 2000, prevemos um crescimento do volume de negócios via UNICRE muito próximo de 20%, estimando-se em 12% o crescimento da facturação, no País, com cartões estrangeiros Visa e MasterCard. Temos fundadas expectativas de que a orientação recentemente tomada pela Visa e pela MasterCard relativamente ao Protocolo SET (Comércio Electrónico Seguro), tornando mandatória a sua utilização na relação acquirer-issuer, mas 19

20 libertando ambos da sua utilização obrigatória nas relações acquirercomerciante e issuer-utilizador, venha a permitir na Europa e em Portugal o início da explosão há muito falada. No primeiro trimestre do ano, a Unicre dará início ao Chip Migration Plan. Assim, e de acordo com as regras Visa e MasterCard, até Outubro de 2001 todo o sistema de autorizações (UNICRE e Bancos) deverá estar apto a receber transacções com cartões chip dotados das especificações EMV. Por outro lado, os novos terminais instalados a partir daquela data terão obrigatoriamente de obedecer àquelas especificações (no caso nacional, às especificações EMV- SIBS). 20

21 BALANÇO, CONTAS DE EXPLORAÇÃO E PROPOSTA DE APLICAÇÃO DE RESULTADOS Balanço em 31 de Dezembro de 1999 ACTIVO ACTIVO BRUTO AMORTIZAÇÕES PROVISÕES ACTIVO LÍQUIDO ANO ANTERIOR (LÍQUIDO) Caixa e Disponibilidades em Bancos Centrais , , ,0 Disponibilidades à vista sobre Instituições , , ,0 de Crédito Créditos sobre Clientes , , , ,0 Participações , , ,0 Partes de capital em empresas coligadas , , ,0 Imobilizações incorpóreas , , , ,0 Imobilizações Corpóreas , , , ,0 (Dos quais: Imóveis de serviço próprio) ( ,0) ( ,0) ( ,0) ( ,0) Acções próprias ou partes de capital , ,0 0,0 próprias Outros activos , , ,0 Contas de regularização , , ,0 Total do Activo , , , ,0 PASSIVO ANO ANO ANTERIOR Débitos para com instituições de crédito. A prazo ou com pré aviso , ,0 Outros passivos , ,0 Contas de regularização , ,0 Provisões para riscos e encargos. Outras provisões , ,0 Fundo para riscos bancários gerais , ,0 Capital subscrito , ,0 Reservas , ,0 Reservas de reavaliação , ,0 Lucro do exercício , ,0 Total do Passivo , ,0 21

22 Demonstração de Resultados em 31 de Dezembro de 1999 DÉBITO ANO ANO ANTERIOR CUSTOS. Juros e custos equiparados , ,0. Comissões , ,0. Prejuízos em operações financeiras , ,0. Gastos gerais administrativos - Custos com o pessoal , ,0 Dos quais: (- salários e vencimentos) ( ,0) ( ,0) (- encargos sociais) ( ,0) ( ,0) Dos quais: (- com pensões) ( ,0) ( ,0) - outros gastos administrativos , ,0. Amortizações do exercício , ,0. Outros custos de exploração , ,0. Provisões para crédito vencido e para outros riscos , ,0. Provisões para imobilizações financeiras - -. Resultado da actividade corrente ( ,0) ( ,0). Perdas extraordinárias , ,0. Impostos sobre lucros , ,0. Outros impostos , ,0. Lucro do exercício , ,0 TOTAL , ,0 CRÉDITO ANO ANO ANTERIOR PROVEITOS. Juros e proveitos equiparados , ,0. Comissões , ,0. Lucros em operações financeiras , ,0. Reposições e anulações respeitantes a correções de valor relativas a créditos e provisões para passivos eventuais e compromissos , ,0. Outros proveitos de exploração , ,0. Resultado da actividade corrente. Ganhos extraordinários , ,0 TOTAL , ,0 22

RELATÓRIO DO EXERCÍCIO DE 2OOO

RELATÓRIO DO EXERCÍCIO DE 2OOO UNICRE - CARTÃO INTERNACIONAL DE CRÉDITO, S.A. RELATÓRIO DO EXERCÍCIO DE 2OOO Senhores accionistas: Vimos submeter à vossa apreciação o Relatório e Contas relativo ao exercício de 2000. Na actividade desenvolvida

Leia mais

UNICRE - CARTÃO INTERNACIONAL DE CRÉDITO, S.A. R E L A T Ó R I O E C O N T A S υ 2 0 0 1

UNICRE - CARTÃO INTERNACIONAL DE CRÉDITO, S.A. R E L A T Ó R I O E C O N T A S υ 2 0 0 1 UNICRE - CARTÃO INTERNACIONAL DE CRÉDITO, S.A. R E L A T Ó R I O E C O N T A S υ 2 0 0 1 1 2 3 4 PRÓLOGO Senhores Accionistas, Vimos submeter à vossa apreciação o Relatório e Contas relativo ao Exercício

Leia mais

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A.

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A. Balanço Em 31 de Dezembro de 2006 ACTIVO Notas Caixa e disponibilidades no Banco Central 5 204 460 2 547 Disponibilidades sobre instituições de crédito 6 2 847 256 35 474 Créditos sobre clientes 7 75 154

Leia mais

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas PME Investe VI Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito visa facilitar o acesso ao crédito por parte das micro e pequenas empresas de todos os sectores de actividade,

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 30 de Junho de 2005 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU NOS DOMÍNIOS DO EQUIPAMENTO, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES.

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU NOS DOMÍNIOS DO EQUIPAMENTO, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Decreto n.º 28/98 de 12 de Agosto Protocolo de Cooperação entre a República Portuguesa e a República da Guiné-Bissau nos Domínios do Equipamento, Transportes e Comunicações, assinado em Bissau em 11 de

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

CENTRAL DE COMPRAS PORTUGAL MAIS

CENTRAL DE COMPRAS PORTUGAL MAIS CENTRAL DE COMPRAS PORTUGAL MAIS APRESENTAÇÃO PARCEIROS: Introdução Preparámos-lhe esta apresentação porque acreditamos que são importantes para si e para a sua Entidade os seguintes princípios: OPORTUNIDADE

Leia mais

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO De acordo com as disposições legais e estatuárias venho submeter á apreciação dos senhores accionistas o Relatório de Gestão e as

Leia mais

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Linha de Crédito PME Investe III Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte

Leia mais

Linha Específica para o Sector do Turismo

Linha Específica para o Sector do Turismo Linha de Crédito PME Investe III Linha Específica para o Sector do Turismo Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte das

Leia mais

Santander Totta. Santander Totta. Especializado no Negócio de PME

Santander Totta. Santander Totta. Especializado no Negócio de PME Santander Totta Santander Totta Especializado no Negócio de PME O Banco Santander Totta está integrado num dos maiores Grupos Financeiros a nível Mundial. Distingue-se pela sua capacidade de oferecer as

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001 Banif - Banco Internacional do Funchal, SA e Grupo Banif Consolidado INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001 Banif - Banco Internacional do Funchal, SA Sociedade

Leia mais

FAQ s Tecnologia Contactless

FAQ s Tecnologia Contactless FAQ s Tecnologia Contactless 1. A implementação da tecnologia Contactless obrigará à substituição dos terminais de pagamento (TPA), por parte dos comerciantes, para aceitação de pagamentos com cartão que

Leia mais

Relatório e Contas 2012

Relatório e Contas 2012 Relatório e Contas 2012 Índice Temático Relatório de Gestão - Balanço e Contas (Balanço, Demonstração de Resultados, Demonstração de Fluxos de Caixa e Mapa de Demonstração das alterações do Capital Próprio)

Leia mais

CARTÕES UNIBANCO APRESENTAÇÃO

CARTÕES UNIBANCO APRESENTAÇÃO CARTÕES UNIBANCO APRESENTAÇÃO A UNICRE UNICRE Instituição Financeira de Crédito, S.A Especialista em cartões de pagamento desde 1974 Sede: Av. António Augusto de Aguiar, 122 Lisboa www.unicre.pt Emissora

Leia mais

PME Investe III Sector do Turismo

PME Investe III Sector do Turismo PME Investe III Sector do Turismo Linha Turismo de Habitação e Turismo em Espaço Rural Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha Específica PME Investe III do Sector do Turismo, visa

Leia mais

Linha Específica para o Sector do Turismo

Linha Específica para o Sector do Turismo Linha de Crédito PME Investe III Linha Específica para o Sector do Turismo Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte das

Leia mais

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício.

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. Anexo à Instrução nº 4/96 IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. 80 - JUROS E PROVEITOS EQUIPARADOS Proveitos

Leia mais

Notas às Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2003 e 2002

Notas às Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2003 e 2002 Credibom, Sociedade Financeira para Aquisições a Crédito, S.A. 1 Políticas contabilísticas 1.1 Bases de apresentação A Credibom, Sociedade Financeira para Aquisições a Crédito, S.A. foi constituída por

Leia mais

SOFINLOC, Instituição Financeira de Crédito, S. A. Sede: Rua General Firmino Miguel, N.5-14. - 1600 LISBOA NIPC 501 370 048 / C.R.C.

SOFINLOC, Instituição Financeira de Crédito, S. A. Sede: Rua General Firmino Miguel, N.5-14. - 1600 LISBOA NIPC 501 370 048 / C.R.C. SOFINLOC, Instituição Financeira de Crédito, S. A. Sede: Rua General Firmino Miguel, N.5-14. - 1600 LISBOA NIPC 501 370 048 / C.R.C. Lisboa nº 3 053 BALANÇO EM 31.12.2006 Valores em milhares de Euros Dez-06

Leia mais

Seminário de apresentação da Rede Gestus

Seminário de apresentação da Rede Gestus Seminário de apresentação da Rede Gestus Rede Gestus O LOGOTIPO Rede Gestus Internacionalização Zona 4 Gestus Compras Cartão ECOTUR Portal Gestus Cartão Gestus Contact Center CRM Zona 4 O LOGOTIPO Características:

Leia mais

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

Linha de Crédito PME Investe II

Linha de Crédito PME Investe II Linha de Crédito PME Investe II Condições e procedimentos I - CONDIÇÕES GERAIS DA LINHA DE CRÉDITO 1. Beneficiários: PME, tal como definido na Recomendação 2003/361CE da Comissão Europeia, certificadas

Leia mais

QUINTA DA OMBRIA - FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO RELATÓRIO DE GESTÃO RELATIVO AO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011

QUINTA DA OMBRIA - FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO RELATÓRIO DE GESTÃO RELATIVO AO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 QUINTA DA OMBRIA - FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO RELATÓRIO DE GESTÃO RELATIVO AO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 INTRODUÇÃO o presente relatório é elaborado visando dar cumprimento

Leia mais

Consortia e-market da Fileira Moda. para o Mercado Externo

Consortia e-market da Fileira Moda. para o Mercado Externo Consortia e-market da Fileira Moda para o Mercado Externo O que é? Consórcio entre empresas da Fileira Moda e a Exponor Digital destinado a criar e explorar uma ou mais lojas online, orientada(s) para

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

CONFIANÇA NA ECONOMIA DIGITAL

CONFIANÇA NA ECONOMIA DIGITAL CONFIANÇA NA ECONOMIA DIGITAL AMADEU PAIVA 12 Outubro 2010 Forum para a Sociedade de Informação ECONOMIA DIGITAL AGENDA Desconfiança Cross border Portugal Unicre Segurança AGENDA Desconfiança Cross border

Leia mais

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO Para efectuar o projecto a que se propõe elaborar deve ler o Regulamento de Programa de Apoio Financeiro ao abrigo da Portaria n.º 1418/2007, de 30 de Outubro, bem como o aviso de abertura do concurso.

Leia mais

Endereço Internet: www.millenniumbcp.pt. Cartão de crédito.

Endereço Internet: www.millenniumbcp.pt. Cartão de crédito. FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL Cartões de Crédito Gémeos TAP Gold VISA/American Express A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente Grupo Pestana suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O trabalho de consolidação de informação permitiu desde logo abrir novas possibilidades de segmentação, com base num melhor conhecimento

Leia mais

UNICRE - CARTÃO INTERNACIONAL DE CRÉDITO, S.A. R E L A T Ó R I O E C O N T A S 2 0 0 2

UNICRE - CARTÃO INTERNACIONAL DE CRÉDITO, S.A. R E L A T Ó R I O E C O N T A S 2 0 0 2 UNICRE - CARTÃO INTERNACIONAL DE CRÉDITO, S.A. R E L A T Ó R I O E C O N T A S 2 0 0 2 111 2 PRÓLOGO Senhores Accionistas, Vimos submeter à vossa apreciação o Relatório e Contas relativo ao Exercício de

Leia mais

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Ponto de situação em 31 de Outubro de 2007 As listas de consumidores com direito à restituição de caução foram

Leia mais

Novas linhas de intervenção do sistema de garantia mútua desenvolvidas desde o segundo semestre de 2008

Novas linhas de intervenção do sistema de garantia mútua desenvolvidas desde o segundo semestre de 2008 1/1 Novas linhas de intervenção do sistema de garantia mútua desenvolvidas desde o segundo semestre de 2008 No cenário da actual conjuntura económica o sistema de garantia mútua é visto quer pelos parceiros

Leia mais

o SEU clube de aluguer de DVD s na internet. BluePlanetDVD.com Study Case 2003 - IDEF/ISEG www.blueplanetdvd.com 1

o SEU clube de aluguer de DVD s na internet. BluePlanetDVD.com Study Case 2003 - IDEF/ISEG www.blueplanetdvd.com 1 BluePlanetDVD.com Study Case www.blueplanetdvd.com 1 A Ideia Necessidades não satisfeitas para o cliente; Uma IDEIA; Dois anos a amadurecer a ideia, de forma a ser inovadora, tecnologicamente avançada,

Leia mais

Protocolo entre o Millennium bcp e a Câmara de Comércio de Angra do Heroísmo

Protocolo entre o Millennium bcp e a Câmara de Comércio de Angra do Heroísmo Protocolo entre o Millennium bcp e a Câmara de Comércio de Angra do Heroísmo Introdução A Câmara de Comércio de Angra do Heroísmo (CCAH) e o Millennium bcp (Mbcp) celebraram um Protocolo, com vista a disponibilizar

Leia mais

DOSSIER FRANCHISING 3iNFOR

DOSSIER FRANCHISING 3iNFOR DOSSIER FRANCHISING 3iNFOR Rua Henrique Bravo, 6929 e 6967 4465-167 S. Mamede de Infesta Portugal 1 Filosofia/Historial A 3infor é uma empresa especializada em software profissional, com um produto inovador

Leia mais

4º Congresso brasileiro de meios eletrônicos de pagamento, São Paulo - Brasil, 15/10/2009 4º Congresso brasileiro de meios eletrônicos de pagamento

4º Congresso brasileiro de meios eletrônicos de pagamento, São Paulo - Brasil, 15/10/2009 4º Congresso brasileiro de meios eletrônicos de pagamento Solução Made by Um cartão à medida de cada cliente, São Paulo - Brasil, 15/10/2009 São Paulo, 15-10-2009 1 Agenda Overview Os mercado de meios eletrônicos de pagamento em Portugal Posicionamento da Caixa

Leia mais

- Reforma do Tesouro Público

- Reforma do Tesouro Público - Reforma do Tesouro Público Em Novembro de 1997 foram definidas as opções estratégicas do Ministério das Finanças para a adopção da moeda Única ao nível da Administração Financeira do Estado. Estas opções,

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A COMISSÃO PARA A CIDADANIA E IGUALDADE DE GÉNERO (CIG) E A COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A COMISSÃO PARA A CIDADANIA E IGUALDADE DE GÉNERO (CIG) E A COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Homologo. Homologo. Secretária de Estado da Igualdade /alter Lemos Secretário de Estado do Emprego e da Formação Profissional PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A COMISSÃO PARA A CIDADANIA E IGUALDADE DE GÉNERO

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

Apresentação dos Resultados 3T06

Apresentação dos Resultados 3T06 Apresentação dos Resultados 3T06 Aviso Legal Esta apresentação contém considerações futuras referentes às perspectivas do negócio, estimativas de resultados operacionais e financeiros, e às perspectivas

Leia mais

GAI GABINETE APOIO AO INVESTIDOR PME INVESTE VI LINHA ESPECÍFICA MICROS E PEQUENAS EMPRESAS INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1

GAI GABINETE APOIO AO INVESTIDOR PME INVESTE VI LINHA ESPECÍFICA MICROS E PEQUENAS EMPRESAS INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1 PME INVESTE VI LINHA ESPECÍFICA MICROS E PEQUENAS EMPRESAS INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1 OBJECTO Facilitar o acesso ao crédito por parte das PME, nomeadamente através da bonificação de taxas de juro e da minimização

Leia mais

COFINA, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta

COFINA, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta COFINA, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO ANO DE 2006 Após

Leia mais

Adesão ao Serviço MB WAY

Adesão ao Serviço MB WAY Adesão ao Serviço MB WAY 1) Objecto Pelo presente contrato, o Banco Santander Totta SA obriga-se a prestar ao Utilizador o Serviço MB WAY, nas condições e termos regulados nas cláusulas seguintes, e o

Leia mais

Factura Electrónica by Carlos Costa Tavares Executive Manager da Score Innovation

Factura Electrónica by Carlos Costa Tavares Executive Manager da Score Innovation Factura Electrónica by Carlos Costa Tavares Executive Manager da Score Innovation Desafios da Facturação Electrónica A facturação electrónica (e-invoicing) poderá fazer parte das iniciativas emblemáticas

Leia mais

Linha de Crédito Açores Investe Condições e Procedimentos

Linha de Crédito Açores Investe Condições e Procedimentos Linha de Crédito Açores Investe Condições e Procedimentos 1. Beneficiários: 1.1 Empresas com sede na Região Autónoma dos Açores, que desenvolvam actividade enquadrada na lista de CAE s abaixo mencionadas,

Leia mais

LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN. Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação -

LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN. Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação - LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação - A - Condições Gerais 1. Montante Global e Linhas Específicas: (Milhões de Euros) Montante Global da Linha 1.000 Linhas

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS?

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? HOTEL TIVOLI LISBOA, 18 de Maio de 2005 1 Exmos Senhores ( ) Antes de mais nada gostaria

Leia mais

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP 1. Sobre a ACEP A ACEP - Associação de Comércio Electrónico em Portugal é uma organização independente sem fins lucrativos, de pessoas individuais e colectivas, visando o estudo e a implementação das diversas

Leia mais

Programa EDP SOLIDÁRIA

Programa EDP SOLIDÁRIA Programa EDP SOLIDÁRIA REGULAMENTO I. Do Programa EDP SOLIDÁRIA 1. A Fundação EDP, no âmbito das suas actividades nas áreas da solidariedade e inovação social, promove uma iniciativa anual o Programa EDP

Leia mais

REGULAMENTO DO IV CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS

REGULAMENTO DO IV CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS IV CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS Preâmbulo O CINC CASCAIS - IV Concurso de Ideias de Negócio do Concelho de Cascais é uma iniciativa de captação de ideias

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 31 de Dezembro de 2006 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

O desemprego como oportunidade Fundo Bem Comum

O desemprego como oportunidade Fundo Bem Comum Working Draft Last Modified 30/01/2007 18:09:06 GMT Standard Time O desemprego como oportunidade Fundo Bem Comum Conferência Mercado Laboral: A responsabilidade social das empresas em tempo de crise OJE

Leia mais

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Criada em Setembro de 2005 em Sacavém, a Explicolândia Centros de Estudo tem sido ao longo dos anos, uma

Leia mais

CARES - Companhia de Seguros, S.A.

CARES - Companhia de Seguros, S.A. CARES - Companhia de Seguros, S.A. Relatório e Contas 2007 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas CARES 2007 Índice 2 Índice 3 4 8 14 49 58 Órgãos Sociais Relatório do Conselho de Administração

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS CONTABILIDADE GERAL I III - CADERNO DE EXERCÍCIOS Terceiros e Antecipações Exercício 17 A empresa

Leia mais

Lucros do Grupo Santander Portugal crescem 27% em 2000

Lucros do Grupo Santander Portugal crescem 27% em 2000 BANCO TOTTA & AÇORES, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua Áurea, 88 1100-060 LISBOA Capital Social: 105.000.000.000$00 Matriculado na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa sob o nº 1/881011 Contribuinte

Leia mais

REGULAMENTO DO VI CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS

REGULAMENTO DO VI CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS VI CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS Preâmbulo O CINC CASCAIS - VI Concurso de Ideias de Negócio do Concelho de Cascais é uma iniciativa de captação de ideias

Leia mais

Prospecto Informativo Invest Security (Ser. 13/1)

Prospecto Informativo Invest Security (Ser. 13/1) Prospecto Informativo Invest Security (Ser. 13/1) Setembro de 2013 Designação: Invest Security (Ser. 13/1) Classificação: Caracterização do Depósito: Garantia de Capital: Garantia de Remuneração: Factores

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP 29.07.2010 REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS

Leia mais

Acompanhamento e Avaliação dos Hospitais SA em 2003 / 2004

Acompanhamento e Avaliação dos Hospitais SA em 2003 / 2004 Acompanhamento e Avaliação dos Hospitais SA em 2003 / 2004 A Empresarialização dos Hospitais 28.06.2005 Índice 1. Introdução 2. Situação Económica e Financeira em 2003 e 2004 Rede SA 3. Produção Hospitalar

Leia mais

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva Victor Francisco CTCV Responsável Unidade Gestão

Leia mais

RELATÓRIO INTERCALAR DO EXERCÍCIO DE 2015

RELATÓRIO INTERCALAR DO EXERCÍCIO DE 2015 Sumário executivo No decurso do primeiro semestre de 2015, a Administração do BNI prosseguiu de forma consistente a missão, visão e objectivos do Banco orientados no objectivo central de contribuir para

Leia mais

CURRICULUM VITAE. Desde Janeiro 2006 Responsável pela Unidade de Negócios da Lisboagás para Lisboa e Amadora.

CURRICULUM VITAE. Desde Janeiro 2006 Responsável pela Unidade de Negócios da Lisboagás para Lisboa e Amadora. CURRICULUM VITAE Nome: Nuno Miguel de Campos Matos Vaz Neto Morada: Rua João de Oliveira Miguens, 5-5º C Código Postal e Localidade: 1350-187 Lisboa Nacionalidade: Portuguesa Telefone: +351917765911 E-mail:

Leia mais

Guia do Utilizador. Cartão BPI Gold Empresas

Guia do Utilizador. Cartão BPI Gold Empresas Guia do Utilizador Cartão BPI Gold Empresas Índice 1. O Cartão BPI Gold Empresas...3 2. Precauções a ter com o seu Cartão BPI Gold Empresas...3 3. O que fazer em caso de perda, furto, roubo ou extravio

Leia mais

Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing

Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing Planeamento de Campanha de E-Marketing Cada variável, a nível de marketing tem normas próprias, em função dos meios de comunicação através dos quais se veiculam

Leia mais

SOFTMANAGEMENT SOFTWARE DE GESTÃO

SOFTMANAGEMENT SOFTWARE DE GESTÃO O ritmo acelerado na era da informação torna imperativo que cada empresa reserve um tempo significativo para examinar e perguntar que adaptações deverá empreender agora para sobreviver e prosperar. Philip

Leia mais

Linha de Crédito PME Investe III

Linha de Crédito PME Investe III Linha de Crédito PME Investe III Condições e Procedimentos I - CONDIÇÕES GERAIS DA LINHA DE CRÉDITO 1. Beneficiários: empresas localizadas nas regiões do Continente, salvo quanto à Linha Específica para

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) Sede: R. GENERAL NORTON DE MATOS, 68, PORTO NIPC: 502 293 225

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) Sede: R. GENERAL NORTON DE MATOS, 68, PORTO NIPC: 502 293 225 INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) Empresa: COFINA, SGPS, S.A. Sede: R. GENERAL NORTON DE MATOS, 68, PORTO NIPC: 502 293 225 Período de referência: Valores em Euros 1º Trimestre 3º Trimestre

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 Versão Preliminar Este relatório tem por objectivo da conta do que de mais relevante foi realizado no cumprimento

Leia mais

Concurso de Ideias de Negócio

Concurso de Ideias de Negócio Concurso de Ideias de Negócio Preâmbulo O Concurso de Ideias é uma iniciativa desenvolvida através do Contrato Local de Desenvolvimento Social (CLDS) de Estarreja 7 Desafios em Rede, promovido pela DESTAC

Leia mais

Linhas de Crédito PME INVESTE IV

Linhas de Crédito PME INVESTE IV Linhas de Crédito PME INVESTE IV SECTORES EXPORTADORES MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Linhas de Crédito Bonificado com Garantia Mútua UNIÃO EUROPEIA Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Gestão Marketing

Leia mais

Lisboa, 29 de Outubro de 2007 Comunicado: Contas da IMPRESA em Setembro 2007 1. Principais factos em Setembro 2007

Lisboa, 29 de Outubro de 2007 Comunicado: Contas da IMPRESA em Setembro 2007 1. Principais factos em Setembro 2007 Lisboa, 29 de Outubro de 2007 Comunicado: Contas da IMPRESA em Setembro 2007 1. Principais factos em Setembro 2007 Receitas consolidadas de 62,6 M, uma subida de 10,8% no 3º trimestre, sendo de referir:

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

GUIA DO UTILIZADOR Cartão BPI Prémio

GUIA DO UTILIZADOR Cartão BPI Prémio GUIA DO UTILIZADOR Cartão BPI Prémio Índ ce 1. O Cartão BPI Prémio... 2 2. Precauções a ter com o seu Cartão BPI Prémio... 2 3. O que fazer em caso de perda, furto, roubo ou extravio do cartão... 3 4.

Leia mais

Com a domiciliação de um ordenado superior a 350 /mês passa a ter a possibilidade de aceder a:

Com a domiciliação de um ordenado superior a 350 /mês passa a ter a possibilidade de aceder a: O seu contacto no Millennium bcp: Sucursal: EVORA MURALHA Nome: Luís Rosado Telefone: 266009530 Para si que tem o seu Ordenado no Millennium bcp! S.Ser.Trab.Camara Municipal Evora e o Millennium bcp prepararam

Leia mais

Evolução da Actividade nas Principais Áreas

Evolução da Actividade nas Principais Áreas Evolução da Actividade nas Principais Áreas 51 REFERÊNCIA INTRODUTÓRIA Apesar da continuação da conjuntura extremamente desfavorável, que nalguns aspectos importantes para as condições de exploração das

Leia mais

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES Crescimento de volume de negócios: + 5.1% a valores e taxas

Leia mais

TRATAMENTO CONTABILÍSTICO DE CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS 1

TRATAMENTO CONTABILÍSTICO DE CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS 1 TRATAMENTO CONTABILÍSTICO DE CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS 1 Os procedimentos contabilísticos a adoptar nas operações de concentração de actividades empresariais são definidos nas seguintes

Leia mais

Gabinete do Governador e dos Conselhos

Gabinete do Governador e dos Conselhos Discurso do Governador do Banco de Cabo Verde, Carlos Burgo, no acto de inauguração da nova agência do Banco Africano de Investimento no Plateau, Cidade da Praia, 5 de Fevereiro de 2010. 1 Exmo. Sr. Presidente

Leia mais

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas)

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas) COMUNICADO 9M 2015 (Contas não auditadas) 30 novembro 2015 1 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial e as

Leia mais

Regime Jurídico dos Certificados de Aforro

Regime Jurídico dos Certificados de Aforro Regime Jurídico dos Certificados de Aforro (Decreto-Lei nº 122/2002 de 4 de Maio) A reforma dos certificados de aforro levada a cabo em 1986 com a publicação do Decreto-Lei n.º 172-B/86, de 30 de Junho,

Leia mais

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010 7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações 15 de Outubro de 2010 Sessão Solene de Abertura Gostaria de começar por felicitar a APROSE pela

Leia mais

CAPITAL DE RISCO EM MUDANÇA

CAPITAL DE RISCO EM MUDANÇA CAPITAL DE RISCO EM MUDANÇA Realizaram-se na passada semana dois acontecimentos que reputo de importância ímpar para a promoção do Empreendedorismo em Portugal O Dia Europeu do Empreendedor e o Encontro

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL (3T10)

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL (3T10) Capital Social: 115.000.000 Capital Próprio Individual a 30 de Junho de 2010: 7.933.916 Capital Próprio Consolidado a 30 de Junho de 2010: 7.438.971 Sede: Av. General Norton de Matos Estádio do Sport Lisboa

Leia mais

Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia

Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia Manila, 18 a 22 de Março de 2013 1 Enquadramento: No âmbito do Acordo de Parceiros celebrado entre a AICEP e o GPEARI (Ministério

Leia mais

CAPI CANISM TAL DE O DE C RISCO APIT AL DE RISCO

CAPI CANISM TAL DE O DE C RISCO APIT AL DE RISCO MECANISMO CAPITAL DE CAPITAL DE RISCO DE RISCO António Carvalho A Portugal Ventures InovCapital AICEP Capital Global Turismo Capital Clarificação de objectivos estratégicos e concentração de meios para

Leia mais

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CONTAS ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PARAQUEDISMO RUA DA UNIDADE, 9 7000-719

Leia mais

Linha PME Investe V. Millennium bcp. Maio 2010

Linha PME Investe V. Millennium bcp. Maio 2010 Linha PME Investe V Millennium bcp Maio 2010 Protocolo celebrado entre o Millennium bcp, a PME Investimentos, o IAPMEI, as Sociedades de Garantia Mútua (Norgarante, Garval, Lisgarante e Agrogarante). Disponibiliza

Leia mais

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D. João I, 28, Porto Mat. CRC do Porto: 40.043 NIPC: 501.525.882 Capital Social Registado: 3.257.400.827 Euros COMUNICADO Resultados Consolidados

Leia mais

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira 18 de Maio de 2011 1 Modelo de análise económico-financeira 2 Modelo de análise económico-financeira

Leia mais

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico.

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 26.07.2002 C (2002) 2943 Assunto: Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. Excelência, PROCEDIMENTO Por carta n.º

Leia mais

Lançamento nº 2 - Eliminação de operações internas (VNDs e CMPs) entre A e B

Lançamento nº 2 - Eliminação de operações internas (VNDs e CMPs) entre A e B LEC11 CONTABILIDADE II CAPÍTULO IV CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS COMENTÁRIOS À RESOLUÇÃO DO EXERCÍCIO 1 Lançamento nº 1 - Eliminação de saldos entre empresas do grupo As empresas do Grupo efectuaram operações

Leia mais

Preçário UNICRE - INSTITUICAO FINANCEIRA DE CREDITO, INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO

Preçário UNICRE - INSTITUICAO FINANCEIRA DE CREDITO, INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO Preçário UNICRE - INSTITUICAO FINANCEIRA DE CREDITO, SA INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo da

Leia mais

Linha Específica Sectores Exportadores. Linha Micro e Pequenas Empresas

Linha Específica Sectores Exportadores. Linha Micro e Pequenas Empresas Junho 2009 2 PME Investe IV Condições Específicas Breve Resumo das Condições CARACTERIZAÇÃO GERAL Linha Específica Sectores Exportadores Linha Micro e Pequenas Empresas Montante Global Até 400 milhões

Leia mais

Estudo de Remuneração 2015

Estudo de Remuneração 2015 2015 SECRETARIAL & MANAGEMENT SUPPORT Temporary & permanent recruitment www.pagepersonnel.pt Editorial Page Personnel ir ao encontro do talento A Page Personnel recruta para os seus clientes os melhores

Leia mais