INSTITUTO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES INTERNET NO MERCADO SEGURADOR JANAINA CLÁUDIA STREY ROCHA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES INTERNET NO MERCADO SEGURADOR JANAINA CLÁUDIA STREY ROCHA"

Transcrição

1 INSTITUTO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES INTERNET NO MERCADO SEGURADOR JANAINA CLÁUDIA STREY ROCHA Rio de Janeiro Julho/2010 1

2 JANAINA CLÁUDIA STREY ROCHA INTERNET NO MERCADO SEGURADOR Trabalho apresentado ao Instituto A Vez do Mestre como requisito parcial para obtenção do grau no curso de Pós Graduação em Gestão de Projetos Inovadores. ORIENTADOR: ALEKSANDRA SLIWOWSKA Rio de Janeiro Julho/2010 2

3 JANAINA CLÁUDIA STREY ROCHA INTERNET NO MERCADO SEGURADOR Trabalho apresentado ao Instituto A Vez do Mestre como requisito parcial para obtenção do grau no curso de Pós Graduação em Gestão de Projetos Inovadores. Aprovado em / / Banca Examinadora: (ALEKSANDRA SLIWOWSKA) Professor Orientador Instituto A Vez do Mestre Rio de Janeiro Julho/2010 3

4 AGRADECIMENTOS A Professora Aleksandra Sliwowska, pela orientação acadêmica e sugestões concedidas para a elaboração desta monografia. A minha filha Manuela, pois através da sua alegria de criança me deu força durante o período em que estive dedicada a este trabalho. A minha amiga Silvia Rocha pela compreensão e força dispensada. A minha mãe, pela motivação dada em todo o meu percurso acadêmico. 4

5 RESUMO A delimitação deste estudo foi estabelecida com o objetivo de realizar um levantamento bibliográfico relativo aos impactos do advento da internet no mercado de seguros brasileiro, abordando desde o surgimento deste mercado, seu desenvolvimento e o seu desempenho com a utilização da Internet nos dias atuais. O nascimento do mercado de seguros brasileiro é marcado pela vinda da família real portuguesa para o Brasil e seu marco principal é registrado nos idos de 1966 com a criação do Sistema Nacional de Seguros Privados (SNSP) pelo Governo Federal. Já a Internet foi criada por volta dos anos 60, por uma necessidade militar americana, e o seu crescimento no Brasil se deu apenas a partir da década de 90, revolucionando as formas de as transações comercias, financeiras, legais, políticas e outras tantas entre os países do mundo como um todo. A Internet possibilitou o desenvolvimento do mercado globalizado e atenuou ainda mais as barreiras entre os países e as culturas como um todo. O mercado segurador brasileiro foi sacudido por esta onda inicial de desenvolvimento de novas tecnologias de telecomunicação e informática e necessitou se adequar rapidamente. Verificou-se que, atualmente, a Internet é uma realidade na forma de atuação das empresas inseridas neste mercado. É possível afirmar que a maioria das seguradoras e corretores de seguros qualificados estão todos lá (na Internet) e que os principais desafios destes e de todos os demais interlocutores da contratação de um seguro estão relacionados a fatores de maior concorrência e pela busca de maior lucratividade no mercado globalizado de seguros. Palavras-chave: mercado de seguros, internet, contrato de seguros. 5

6 ABSTRACT The delimitation of this study was established with the objective to survey some bibliographic studies regarding the impacts of the advent of the Internet in the Brazilian market of insurances, approaching since the sprouting of this market, its development and its performance with the use of the Internet in the current days. The birth of the Brazilian market of insurances is marked by the coming of the Portuguese real family for Brazil and its main landmark is registered in 1966 with the creation of the National System of Private Insurances (SNSP) by the Federal Government. In relation to the Internet, it was created in the 60 s to attend an American military necessity, and its growth in Brazil was during decade of 90, revolutionizing the forms of the commercial, financial, legal, politics and others types of transactions between the countries of the world. The Internet made possible the development of the globalized market and diminished the barriers between the countries and the cultures. The Brazilian market of insurances was shacked' for this initial wave of development of new technologies of telecommunication and computer science and had to adjusted quickly. Was verified that, currently, the Internet is a reality for the companies inserted in this market. It is possible to affirm that the majority of insurance companies and the qualified insurance brokers can be found there (in Internet) and that the main challenges of these and the others interlocutors that act in a insurance contract are related to the highest competition and to achieve the highest profitability in this globalized market of insurances. Key-words: market of insurances, Internet, contract of insurances. 6

7 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO MERCADO SEGURADOR Erro! Indicador não definido. 2.1 O MERCADO SEGURADOR INTERNACIONAL O MERCADO SEGURADOR NACIONAL FUNCIONAMENTO DO MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO A INTERNET E O MERCADO SEGURADOR A EVOLUÇÃO DA INTERNET A INTERNET COMO FERRAMENTA PARA O MERCADO SEGURADOR Erro! Indicador não definido. 3.3 CASO SULAMÉRICA AS PERSPECTIVAS DO MERCADO SEGURADOR CONCLUSÕES REFERÊNCIAS

8 1. INTRODUÇÃO Conforme descrição encontrada no site da Wikipédia, Internet é um conglomerado de redes em escala mundial de milhões de computadores interligados, permitindo o acesso a informações e a todo tipo de transferência de dados. Ela carrega uma ampla variedade de recursos e serviços, incluindo os documentos interligados por meio de hiperligações da World Wide Web, e a infraestrutura para suportar o correio eletrônico e os serviços como comunicação instantânea e de compartilhamento de arquivos. É cada vez mais evidente de que a Internet permitiu a interligação, em nível mundial, de tantos computadores quanto necessários. Atualmente, não é mais um luxo ou simples questão de opção a utilização da Internet, mas sim, uma questão de inclusão na sociedade global, tendo em vista o enorme leque de possibilidades que esta ferramenta proporciona, diminuindo distâncias e atravessando fronteiras culturais mundo a fora. Neste contexto, as corporações, de uma forma geral, se inseriram de forma veloz, objetivando estar cada vez mais próximas de seus clientes e fornecedores, atuais e futuros, os quais podem estar nas comunidades das quais já fazem parte, como das comunidades globais como um todo. Relativamente às empresas participantes do mercado segurador, estas também buscaram, rapidamente, se inserir na Internet, buscando obter resultados positivos, não só quanto ao aumento de sua carteira de clientes e número de transações operacionais, como em seus resultados financeiros e de desempenho. Como exemplo desta rápida evolução, com a aplicação da Internet, as empresas seguradoras passaram a ser contatadas por seus clientes diretos (corretores), que antes do advento da Internet, buscavam informações e apresentavam propostas de consumo de seguros. Em atendimento às solicitações dos clientes, as empresas seguradoras passaram a empregar tecnologia avançada, tendo desenvolvido sistemas informatizados acessíveis por meio da Internet, capazes de efetuar vendas de qualquer computador que esteja devidamente conectado e identificado em qualquer lugar do globo, agilizando, assim, seus processos de venda de seguros, agora, via Internet. 8

9 Para um melhor entendimento sobre o termo seguro, o site da Wikipédia define que, dá-se o nome de seguro (do latim "securu") a todo contrato pelo qual uma das partes, segurador, se obriga a indenizar a outra, segurado, em caso da ocorrência de determinados sinistro, em troca do recebimento de um prêmio de seguro. O processo de contratação de uma apólice de seguro se inicia por intermédio de um corretor de seguros oficial, o qual deverá assessorar a contratação de coberturas de seguros adequados aos interesses do seu cliente. Este corretor deve encaminhar, para a empresa seguradora, uma proposta contendo informações relativas ao objeto a ser segurado e ao risco a que ele está sujeito. Com base nessas informações e em suas normas de aceitação, as seguradoras avaliam o risco e emitem uma apólice de seguro para que, durante a vigência da apólice, o segurado (cliente) possa fazer jus às garantias contratadas, caso venha a acontecer algum evento ou sinistro. As seguradoras sempre buscam desenvolver seus processos de pré e pós-venda, pois todo crescimento a ser alcançado depende em grande parte de um excelente serviço prestado. Em decorrência da alta concorrência do mercado de seguros, a elaboração de estratégias competitivas para a redução de custos e aumento das receitas, ganha ainda mais importância. E neste contexto, a Internet representa uma valiosa ferramenta para as empresas participantes do mercado segurador. Verifica-se que, a Internet possibilita que este segmento de mercado se utilize de novas estratégias para obter agilidade e alcançar a inovação, tendo em vista um atendimento de alta qualidade, aos desejos e necessidades de seus clientes. O presente trabalho está divido em cinco capítulos, os quais serão resumidamente descritos a seguir: Neste capítulo 1, é realizada uma contextualização quanto ao tema proposto, iniciando o leitor sobre os conceitos básicos e a situação atual das empresas participantes do mercado de seguros e a utilização da Internet atualmente, assim como explicitando sobre a divisão deste trabalho. No capítulo 2 é apresentada, de forma sucinta, a história do desenvolvimento do mercado de seguros no Brasil e, também da Internet, facilitando a compreensão do leitor quanto aos objetivos e a conclusão deste trabalho. 9

10 No capítulo 3, os objetivos desta monografia são detalhados a seguir: - Objetivos: realizar um breve levantamento bibliográfico dos estudos relacionados ao mercado segurador no Brasil e a utilização da Internet por este mercado, como forma de aumentar a oferta e a procura de seguros através deste importante meio de comunicação. E, por fim, mapear os desafios a serem superados pelos participantes deste promissor mercado. - Objetivos: apresentar um exemplo prático identificado (caso da empresa Sul América) e sugerir, aos leitores e estudantes temas subjacentes a esta presente pesquisa e que poderão ser melhor estudados e detalhados em trabalhos de monografia a serem desenvolvidos futuramente. No capítulo 4, concluiu-se o trabalho em atendimento aos objetivos propostos, resumindo-se os desafios futuros das empresas participantes do mercado segurador e faz-se sugestão de temas de interesse relacionados, que podem ser melhor estudados e detalhados. Por fim, no capítulo 5, serão apresentados possíveis estudos e estratégias que podem dar continuidade a esta abordagem. 10

11 2. EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO MERCADO SEGURADOR 2.1 O Mercado Segurador Internacional A história do seguro é muito antiga e nasceu da necessidade que o homem tem de se proteger contra o perigo, do medo dos acontecimentos imprevisíveis e perda de seus bens. Ribeiro (1994) sistematizou a história do seguro, tendo destacado fatos e a época dos acontecimentos de forma resumida. Alguns destes fatos e épocas, considerados os mais importantes são apresentados a seguir: 1) Antes de Cristo (AC): Foi identificado no Código de Hamurábi (rei da Babilônia que reinou entre 2067 e 2025 AC) disposições relativas a uma associação encarregada por indenizar com um navio aos comerciantes que perdiam os seus em naufrágios. Já no século IX-AC (200 anos antes da fundação de Roma), nas Leis de Rodes foram estabelecidos critérios de repartição de prejuízos entre os donos de embarcações e os de carga em caso de infortúnios no mar com estas. Uma forma primitiva de seguro é citada no Talmud, livro de jurisprudência hebraica na Mesopotâmia: havia entre os condutores de caravanas uma combinação que garantia aos seus participantes a restituição de animais de carga sadios sempre que os seus se perdessem por morte, fuga ou ataque de feras selvagens. Esta prática seria precursora do seguro terrestre, surgida nas rotas comerciais que atravessaram a Ásia e o norte da África. Por isso, podemos dizer com propriedade que, foram os povos da Mesopotâmia os criadores da primeira forma de seguro hoje conhecida. Mais tarde, por volta do ano 1100 A.C., na Grécia e na Fenícia, nasceu a forma primitiva de seguro marítimo, dada a intensa atividade comercial no mar mediterrâneo. Através de um contrato, uma pessoa emprestava determinada quantia sobre um determinado bem exposto ao risco (um navio ou uma mercadoria em viagem) e estipulava juros extraordinários. Tais juros eram recebidos quando nada 11

12 acontecia, ou eram perdidos junto com o capital emprestado quando da ocorrência de algum dano com o bem exposto. 2) Séculos XIII a XV: Em 1234, o papa Gregório IX proibiu as atividades de empréstimos, o que propiciou o aparecimento do primeiro sistema de seguros: A Convenção de Seguro. Em 1347 registrou o primeiro Contrato de Seguros. Nos idos do século XIV, em Florença, surgiram os protótipos dos Corretores de Seguros. Em 1424, em Gênova, foi criada a primeira empresa de seguros, a Tam in mari quam in terra, ofertando seguros para cobrir riscos de transportes. Por fim, em 1435, foi editada a lei Lãs Capitulas de Barcelona, que influenciou definitivamente o mercado de seguros no mundo. 3) Séculos XVI a XVIII: Em 1600, a rainha da Inglaterra assinou o Ato da Corte de Seguros, estimulando o desenvolvimento dos seguros. Em 1668, foi criado o Lloyds como uma empresa de seguros, o qual foi reconhecida em É atribuída à Leibnitz a criação do Seguro Social, o qual representava uma caixa autônoma, formada por contribuintes populares, que participavam com seus recursos financeiros, que em caso de sinistros, recebiam a devida compensação. No século XVII, Pascal elaborou os princípios dos cálculos das probabilidades. Em 1693, Edmond Halley, apresentou a tabela de mortalidade, que serve de base para a técnica atuarial. Em 1755, o matemático Dodson publicou seus cálculos sobre um seguro para a vida inteira. Em 1785, na Inglaterra, foi criada a Companhia de Seguros de Incêndio. 4) Séculos XIX em diante: Em 1804, Napoleão promulgou o Código Civil, o qual estabeleceu, dentre outras coisas, que o seguro tinha por fim compensar perdas e danos, de forma justa. Em 1871, na França, a previdência era vista como um dever cívico dos indivíduos. Verifica-se que foi a partir da segunda década do séc. XIX que o mercado segurador se desenvolveu, tendo sido ampliado seu leque de cobertura com a inclusão de novas modalidades. Na França surgem o seguro de responsabilidade, o de cavalo e o veículo, introduzidos pela L Urbaine Etla Seine. O seguro contra acidentes é produto da nova era de transportes por ferrovias. O impulso foi tão 12

13 grande que o seguro marítimo perdeu sua tradicional importância diante dos demais ramos. Segundo Ribeiro (1994), no século XX, a economia sofreu fortemente com a inflação e a instabilidade das moedas. Na área jurídica, outras tantas mudanças nas legislações dos países com maiores exigências. Assim, considerando as economias emergentes e as novas conjunturas políticas, econômicas e sociais dos países, o seguro se ajustou da mesma forma. 13

14 2.2 O Mercado Segurador Nacional Há informações de que a formação do mercado segurador brasileiro se deu ainda no século XVI com os jesuítas e, em especial, o Padre José de Anchieta. Porém, somente depois da vinda da família real para o Brasil, da abertura da economia e da liberação dos portos às nações amigas, é que o mercado de seguros realmente se estrutura. Ribeiro (1994) nos informa sobre a formação do mercado de seguros no Brasil, o qual pode ser apresentado sucintamente da seguinte forma: - Em 1808, é criada a Companhia de Seguros Boa Fé, a primeira companhia de seguros brasileira, seguindo os regramentos portugueses, adequados às normas comerciais européias. Em 1835, surge a previdência privada, com a criação do Mongeral-Montepio Geral de Economia dos Servidores do Estado. Em 1845, surge a Argos Fluminense (atualmente denominada Chubb do Brasil Cia de Seguros, associada ao Citibank). - Durante período regencial ( ) foi nomeada uma comissão para elaborar o código comercial, cujas disposições sobre o seguro marítimo teriam por base o direito inglês. O código comercial Brasileiro só foi promulgado em junho de 1850, e relativamente à questão de seguros, nesta primeira versão, foram tratadas apenas as operações de seguro marítimo. Os seguros terrestres não foram abordados e o seguro de vida de pessoas livres era expressamente proibido e o de escravos era permitido. - Em 1855, surge a primeira companhia de seguros de vida, a Tranqüilidade sob o argumento de que ao proibição expressa no código comercial era cabível apenas para seguros de vida realizados juntamente com seguros marítimos. E, por volta de 1862, surgiram as primeiras filiais de companhias estrangeiras. - O Decreto 4.270, de 1901, regulou as operações de seguros no Brasil e criou as Inspetorias de Seguros, subordinadas ao Ministério da Fazenda. - Em 1919, promulgado o Código Civil, tendo sido estabelecidos dispositivos específicos para os seguros terrestres. Nos idos de 1932, foi fundado o 1º Sindicato dos Corretores de Seguros, sendo que a profissão só foi regulamentada 14

15 32 depois (1964) e, em 1933, fundado o Sindicato dos Seguradores do Rio de Janeiro. - Entre 1934 e 1939, foram criados o Departamento Nacional de Seguros Privados e Capitalização (DNSPC) e o Instituto de Resseguros do Brasil (IRB). Em 1940, o Decreto-Lei nr regulamentou as atividades e a fiscalização de seguros privados no Brasil. - Finalmente, em 1966, por meio do Decreto-Lei nr. 73, é criado o Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP), da Superintendência de Seguros Privados (SUSEP), do Instituto de Resseguros do Brasil (IRB), das Seguradoras e dos Corretores de Seguros. Tal legislação reformulou toda a política do mercado de seguros brasileiro. 15

16 2.3 Funcionamento do Mercado Segurador Brasileiro O Sistema Nacional de Seguros Privados (SNSP), instituído pelo Governo Federal em 1966, é apresentado na Figura 1, a seguir: Figura 1: Estrutura do SNSP (Fonte: Teoria Geral do Seguro FUNENSEG). Seguem abaixo, as principais funções de cada um dos órgãos mencionados na Figura 1: 1) Ministério da Fazenda: sua função é formular e executar a política econômica brasileira, atuando em questões relativas á moeda, crédito, junto a instituições financeiras, capitalização, poupança e seguros. 2) Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP): é o órgão encarregado pela fização das diretrizes e normas da política de seguros privados. 3) Conselho de Recursos do Sistema Nacional de Seguros Privados, de Previdência Privada Complementar Aberta e de Capitalização (CRSNSP): é órgão colegiado, integrante da estrutura básica do Ministério da Fazenda. Julga, em última instância administrativa, dos recursos de decisões da SUSEP e do IRB Brasill-Re. 4) Superintendência de Seguros Privados (SUSEP): autarquia do Ministério da Fazenda responsável pelo controle e fiscalização do mercado de seguros. 16

17 5) IRB Brasil Resseguros (IRB-Brasil Re): é uma empresa estatal de economia mista, sob a forma de sociedade por ações, com controle acionário da União. Objetiva a regulação do co-seguro, do resseguro e da retrocessão. 6) Corretores de Seguros: pessoas físicas ou jurídicas, que funcionam como intermediários na contratação de seguros entre as seguradoras e pessoas físicas ou jurídicas. 7) Empresas de Seguros: empresas legalmente constituídas sob a forma de sociedade anônima, que visam o fornecimento de coberturas de seguros. 8) Entidades de Previdência Complementar Aberta: sociedades cujo o objetivo principal é a provisão de planos de benefícios de caráter previdenciário. 9) Sociedades de Capitalização: sociedades anônimas que objetivam constituir capitais pagáveis em moeda corrente, aos titulares dos Títulos de Capitalização. Conforme explicado no web site da Federação Nacional das Empresas de Seguro Privados e de Capitalização (FENASEG), com a edição do Decreto Lei 73 em 1966, a criação da Superintendência de Seguros Privados (SUSEP), fez com que esta assumisse, pela primeira vez no Brasil, a tutela direta dos interesses dos consumidores de seguros. O IRB, que até então praticamente exercera funções específicas quanto a definição dos modos de operação de seguros no Brasil, passa a dividir com a SUSEP algumas atribuições. A partir de 1985, a SUSEP implementou profundas transformações, se reorganizou internamente e assumiu as funções de reguladora do mercado segurador. Tais mudanças propiciaram as condições contratuais de mercado, que possibilitaram seu crescimento num ambiente de justa e desejável concorrência. Vale mencionar que, a SUSEP implantou um sistema de audiência pública, aberta a todos os segmentos do mercado de seguros, visando a formulação de medidas gerais, promoveu a desregulamentação da atividade seguradora que exercia, dando autonomia à criação de produtos e estimulando a formação de novas empresas regionais, modificou os critérios e requisitos para aplicação de reservas técnicas em ativos mobiliários e acabou com a exigência de carta-patente para o funcionamento das seguradoras. 17

18 A Constituição Federal promulgada em 1988, o seguro, a capitalização e a previdência privada adquiriram um novo status. Nos termos de seu Art. 21, item VIII, ultrapassaram os limites estritos da seguridade e evoluíram para o de investidores institucionais, tendo sido integrados ao sistema financeiro nacional, ao lado das demais instituições. Em 1991, a FENASEG divulgou a Carta de Brasília, que foi a primeira manifestação conjunta e consensual das empresas de seguro, publicamente apresentada como plataforma de demandas e propostas ao Governo. Tal Carta era composta de três princípios básicos: compromisso com a economia de mercado e a livre competição, responsabilidade econômica e social do setor de seguros diante dos agentes produtivos e da população brasileira e opção pela modernidade que se baseia na experiência do próprio mercado. Como propostas de mudanças, tal Carta enfatizava a necessidade da ampliação da imagem pública do seguro, a desregulamentação do setor, a colaboração com o Governo em assuntos e operacionalização da previdência no Brasil, a desestatização do seguro de acidente de trabalho, e maior liberdade na operação do seguro-saúde. No mesmo ano foi lançado, conjuntamente pelo IRB, SUSEP e Secretaria de Política Econômica, o Plano Diretor do Sistema de Seguros, Capitalização e Previdência Complementar. Esse documento tinha o objetivo de reafirmar a importância da desregulamentação do setor e de apresentar propostas de modernização da atividade seguradora relativas à política de liberação de tarifas, ao controle de solvência das empresas, à abertura do setor ao capital estrangeiro, à redefinição do papel do corretor e outros. As propostas da Carta de Brasília e do Plano Diretor supracitados repercutiram positivamente na história do seguro no Brasil e, em 1996, foi permitida a entrada de empresas estrangeiras no mercado brasileiro e a quebra do monopólio ressegurador do IRB. A primeira, consubstanciada num parecer da Advocacia Geral da União, em resposta a consulta do Ministro da Fazenda sobre a possibilidade de autorização para o funcionamento de empresa seguradora estrangeira nos ramos vida/previdência. Decidindo pela inconstitucionalidade da Resolução CNSP nº 14/86, que impedia que o capital estrangeiro participasse com mais de 50% do capital ou um terço das ações de seguradora brasileira, o Parecer GO-104 foi o respaldo legal para que, imediatamente, mais de vinte empresas estrangeiras entrassem no Brasil a partir de junho de A segunda medida consta da Emenda nº 13 feita à 18

19 Constituição federal, e recebeu o acolhimento do Governo ao fim ao monopólio do resseguro pelo IRB, e ao dar nova redação ao Art. 192, item II do texto constitucional. O web site da FENASEG conclui que a abertura do mercado brasileiro às seguradoras estrangeiras mantém estrita sintonia com a tendência de globalização dos mercados. Trata-se de um processo que, abrangendo o mundo inteiro, induz à quebra das barreiras e dos isolamentos geográficos, e ao surgimento de um novo quadro de relações produtivas. O Brasil, pelo porte de sua economia, representa um importante mercado aos capitais globalizados e tem se aproveitado desta vantagem competitiva. A Figura 2, a seguir, informa quanto a classificação dos países no ranking mundial de prêmios arrecadados por seus respectivos mercados seguradores (todos os ramos de seguro). Cabe destacar que, no período de 1999 a 2005, o mercado segurador brasileiro experimentou um crescimento de 89,89% e que em 2005, o Brasil já estava ocupava vigésimo lugar neste ranking. Figura 2: Ranking mundial de prêmios arrecadados por mercados seguradores (Fonte: FENASEG). Verifica-se que o mercado segurador brasileiro apresentou um crescimento de 7,29% entre 2004 e 2005, tendo um volume de prêmio arrecadado de cerca de R$ 24 bilhões. A Figura 3, abaixo, apresenta a evolução da participação do mercado segurador brasileiro no Produto Interno Bruto (PIB) nacional. Evidencia-se o grande 19

20 crescimento e mudança de patamar ocorrida a partir de 1995, ano em que o volume de prêmios foi de cerca de R$ 12,9 bilhões para R$ 50,9 bilhões, em Assim, a participação deste mercado no PIB nacional passou de 2% em 1995, para 2,63% em Figura 3: Participação do Mercado de Seguros no PIB Nacional (Fonte: FENASEG). No web site Tudo Sobre Seguros complementa as informações acima, explicitando que: - Os principais indicadores do mercado segurador mais que dobraram: a receita anual com prêmios de seguros e contribuições a planos de previdência passou de US$ 32 por habitante, em 1990, para US$ 278 em 2008 e o quociente dessa receita contra o PIB subiu de 1,2% para 3,1% no mesmo período. 20

21 - Em 2008, o referido mercado arrecadou R$ 96,4 bilhões em prêmios diretos e contribuições, o que correspondeu a 3,3% do PIB. Tais prêmios e contribuições serviram para incrementar reservas técnicas que se elevaram a R$ 170 bilhões, o que significa 6,6% do PIB. - Aplicadas em sua maior parte no sistema financeiro, tais provisões corresponderam a 8,43% dos haveres financeiros de médio e longo prazo em As provisões também garantiram o pagamento de indenizações de sinistros, benefícios assistenciais e resgates de planos previdenciários e de capitalização no valor de R$ 45,7 bilhões (1,6% do PIB). - O mercado de seguros no Brasil é fortemente concentrado em três subramos: seguros de pessoas (vida, acidentes e previdência), automóveis e saúde. Juntos esses seguros detiveram 85% da receita do mercado em 2008 (Figura 4). No entanto, o mercado tem crescido significativamente em ramos não tradicionais como riscos financeiros, rural, cascos, habitacional e outros. Figura 4: Mercado de Seguros Nacional, em 2008 Por Ramo (Fonte: FENASEG). Até 2008/2009, o mercado de seguros brasileiro está estruturado conforme a Figura 5 abaixo. Além disso, no canal de distribuição, existem cerca de 70 mil corretoras de seguros. 21

22 Figura 5: Participantes do Mercado de Seguros Nacional, em 2008/2009 (Fonte: FENASEG). Com base em informações obtidas no site Tudo Sobre Seguros pode-se inferir que o mercado segurador brasileiro como um todo tem crescido a taxas elevadas e que tal expansão poderá continuar no futuro. Tal crescimento pode ser explicado pela preocupação cada vez maior das pessoas em segurar seus bens, considerando que este é o instrumento de proteção adequado e que o permite se resguardar contra quaisquer prejuízos decorrentes de possíveis acontecimentos danosos, incertos e futuros que possam lhes ocorrer ou com o seu patrimônio. Atualmente, os seguros de vida e de previdência complementar aberta, visando cobertura contra riscos da aposentadoria e da velhice ganharam maior importância, tendo em vista o envelhecimento da população brasileira (mais de 65 anos). Tal ramo de seguro se manteve em torno dos 3% do total até 1970 e a previsão é de que alcance cerca de 13% em O mesmo poderá ocorrer com o ramo de seguros de saúde: populações mais idosas demandam mais serviços de saúde, tendo em vista a precária rede de atendimento disponibilizada pelo Sistema Único de Saúde (SUS) do governo. É possível que a as seguradoras tenham importante papel na administração dos riscos vinculados ao processo de mudanças climáticas em escala global, que se apresentam no curto e no médio prazo. A escala desses riscos ainda é pequena no caso do Brasil, mas não resta dúvida de que todos os países serão afetados em algum grau. 22

23 3. A INTERNET E O MERCADO SEGURADOR 3.1 A Evolução da Internet São grandes as evidências de que a Internet surgiu por volta dos anos 60, nos Estados Unidos, devido à necessidade militar de criação de uma rede de comunicação segura e à Guerra Fria. Pereira (2004) informa que, para a ampla utilização da Internet como nos dias atuais, foram desenvolvidas as seguintes principais ferramentas: - Internet Standards: representando um padrão de comunicação a ser utilizado por todos os participantes dessa rede e que se baseia na especificação de protocolos padrões de comunicação Internet Protocol (IP). - Protocolos diversos: para diferentes finalidades, foram criados protocolos específicos, tais como: POP 3 e SMTP (para a utilização de s), o IRC (para o funcionamento de chats) e HTTP (o qual permite a navegação na Internet), sendo este último é o mais popular. - World Wide Web (WWW), em 1994: permite, de qualquer lugar do mundo, a distribuição e exibição de páginas e gráficos multimídia vinculados entre si com um simples clique do mouse. - Windows 95, pela Microsoft, em 1995: sistema operacional baseado em janelas. Neste mesmo ano, a Internet foi disponibilizada para o grande público no Brasil. Para Laudon & Laudon (2004) o desenvolvimento da Internet se deu da seguinte forma: - Origem: Em 1969, foi criada uma rede única, denominada ARPANET, criada, pela Advanced Research Projects Agency (ARPA) do Departamento de Defesa dos EUA, com o objetivo de permitir o compartilhamento de dados e criar um sistema de correio eletrônico ( ). A ARPANET foi projetada para que todos os computadores da rede pudessem ter igual capacidade para se comunicar com outros computadores da rede. 23

A representação institucional do mercado segurador

A representação institucional do mercado segurador A representação institucional do mercado segurador A Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização CNseg é a entidade de representação

Leia mais

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na Visão das Seguradoras: Uma análise da distribuição de seguros no Brasil Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV), membro do Conselho Editorial da FUNENSEG, catedrático pela ANSP e sócio da empresa "Rating

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Internet Internet Internet é o conglomerado de redes, em escala mundial de milhões de computadores interligados, que permite o acesso a informações e todo

Leia mais

Procon, Fiscalizadores, Reguladores e a transparência na relação consumo.

Procon, Fiscalizadores, Reguladores e a transparência na relação consumo. Classificação das Sociedades - Existem 2 categorias : Conglomerados financeiros Concentram se em público-alvo, que são os clientes do próprio conglomerado, pertence a uma sociedade participativa liderada

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET Autores: OROMAR CÓRDOVA GILBERTO ALVES LOBATO COPEL Companhia Paranaense

Leia mais

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada.

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. Adesão Característica do contrato de previdência privada, relativa ao ato do proponente aderir ao plano de previdência. Administradores

Leia mais

Transparência e Internet, as Telecomunicações apoiando a Administração Pública Case Prefeitura de São Paulo

Transparência e Internet, as Telecomunicações apoiando a Administração Pública Case Prefeitura de São Paulo Transparência e Internet, as Telecomunicações apoiando a Administração Pública Case Prefeitura de São Paulo Data:17 de Julho de 2009 Índice 01 Evolução da Internet - História (comercialização dos Backbones)

Leia mais

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006.

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. São Paulo, 28 de fevereiro de 2007 - A Porto Seguro S.A. (Bovespa: PSSA3) anuncia seu resultado

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Parceiros de serviços em nuvem gerenciada Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Implemente a versão mais recente do software da SAP de classe mundial,

Leia mais

Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa

Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa Análise XP Fundamentos Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa A Empresa A Senior Solution está presente, há mais de 17 anos, no segmento de Tecnologia da Informação no mercado brasileiro, sendo uma

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

Panorama e Perspectivas 2011/2012. Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta e Capitalização

Panorama e Perspectivas 2011/2012. Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta e Capitalização Panorama e Perspectivas / Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta e Capitalização 1. Sumário Executivo... 2 2. Seguradoras do grupo de seguros gerais... 2 2.1 Ramos do grupo de seguros gerais...

Leia mais

Teleconferência Resultado 2T2013 13/08/2013

Teleconferência Resultado 2T2013 13/08/2013 Teleconferência Resultado 2T2013 13/08/2013 BB Seguridade S.A. Resultado do 2º Trimestre de 2013 Aviso Importante Esta apresentação faz referências e declarações sobre expectativas, sinergias planejadas,

Leia mais

A rede de dados mais confiável do país. Proposta de Parceria para. Certificado Digital

A rede de dados mais confiável do país. Proposta de Parceria para. Certificado Digital A rede de dados mais confiável do país. Proposta de Parceria para Certificado Digital 1. Objetivo Esta proposta tem por objetivo realizar a emissão e validação do Certificado Digital da Serasa Experian.

Leia mais

DELPHOS INFORMA DIVULGAÇÃO DA DECISÃO COSIT Nº 17, DE 09 DE DEZEMBRO DE 1999

DELPHOS INFORMA DIVULGAÇÃO DA DECISÃO COSIT Nº 17, DE 09 DE DEZEMBRO DE 1999 DELPHOS INFORMA ANO 6 - Nº 23 DEZEMBRO / 99 DIVULGAÇÃO DA DECISÃO COSIT Nº 17, DE 09 DE DEZEMBRO DE 1999 Ementa: As sociedades seguradoras estão obrigadas a incluir na apuração da base de cálculo mensal

Leia mais

Fortaleza, 4 de novembro de 2013.

Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, no V Fórum Banco Central sobre Inclusão Financeira Senhoras e senhores, boa tarde a todos.

Leia mais

PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$110,9 MILHÕES OU R$0,48

PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$110,9 MILHÕES OU R$0,48 PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$110,9 MILHÕES OU R$0,48 POR AÇÃO ATÉ MAIO DE 2008. São Paulo, 02 de julho de 2008 Porto Seguro S.A. (BOVESPA: PSSA3), anuncia os resultados dos 5M08. As informações

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema MANUAL DO PROCESSO ELETRÔNICO Processos de Concessão de Benefícios Histórico da Revisão Data Versão

Leia mais

A Gestão dos Riscos de Crédito no apoio à internacionalização das empresas. 3 de Abril de 2013 São Paulo

A Gestão dos Riscos de Crédito no apoio à internacionalização das empresas. 3 de Abril de 2013 São Paulo A Gestão dos Riscos de Crédito no apoio à internacionalização das empresas 3 de Abril de 2013 São Paulo CESCE Presença Internacional A Gestão dos Riscos de Crédito no apoio à internacionalização das empresas

Leia mais

Novas Instruções da CVM sobre Fundos de Investimento

Novas Instruções da CVM sobre Fundos de Investimento LUCIANA BARBOSA SILVEIRA Superintendente de Jurídico e Compliance Novas Instruções da CVM sobre Fundos de Investimento Sumário A partir de out/2015, novas normas passarão a reger a indústria de fundos

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. Dispõe sobre os critérios para a realização de investimentos pelas sociedades seguradoras, resseguradores locais,

Leia mais

AULA 05. Sistema Nacional de Seguros Privados

AULA 05. Sistema Nacional de Seguros Privados AULA 05 Sistema Nacional de Seguros Privados Sistema Nacional de Seguros Privados O Sistema Nacional de Seguros Privados do Brasil (SNSP) - parte integrante do Sistema Financeiro Nacional - é formado por

Leia mais

GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA

GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA SUMÁRIO >> Introdução... 3 >> O que é a nota fiscal eletrônica?... 6 >> O que muda com esse novo modelo de documento fiscal?... 8 >> O DANFE - Documento Acessório

Leia mais

Amigos, Atenciosamente,

Amigos, Atenciosamente, Amigos, A MSCB Advogados Associados, é o braço jurídico da Zênite Assessoria e Consultoria Ltda., que há mais de 20 anos presta serviços às empresas que atuam na área de transporte de cargas e logística,

Leia mais

Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador

Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador Soluções de análise da SAP Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador Índice 3 Um caso para análise preditiva

Leia mais

FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS ASSESSORIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Professora Iara Silva INTRANET E EXTRANET

FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS ASSESSORIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Professora Iara Silva INTRANET E EXTRANET FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS ASSESSORIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS Professora Iara Silva INTRANET E EXTRANET CONCEITOS, OBJETIVOS, BENEFÍCIOS E TENDÊNCIAS Renato Schumacher

Leia mais

Globalweb otimiza oferta e entrega de serviços a clientes com CA AppLogic

Globalweb otimiza oferta e entrega de serviços a clientes com CA AppLogic CUSTOMER SUCCESS STORY Globalweb otimiza oferta e entrega de serviços a clientes com CA AppLogic PERFIL DO CLIENTE Indústria: Serviços de TI Companhia: Globalweb Outsourcing Empregados: 600 EMPRESA A Globalweb

Leia mais

Nunca foi tão fácil utilizar

Nunca foi tão fácil utilizar Nunca foi tão fácil utilizar o Conectividade Social da CAIXA O que antes era feito com a autenticação de disquetes e precisava do antigo programa CNS para o relacionamento com a CAIXA e prestação de informações

Leia mais

ESECS-PJ. Estudo Socioeconômico das

ESECS-PJ. Estudo Socioeconômico das ESECS-PJ Estudo Socioeconômico das Empresas Corretoras de Seguros A G O S T O / 2 0 1 3 O Estudo Socioeconômico das Empresas Corretoras de Seguros Pessoa Jurídica (ESECS-PJ) é fruto de um trabalho de

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é muito mais do que um espaço de negociação: lista empresas e fundos; realiza negociação de ações, títulos, contratos derivativos; divulga cotações; produz índices de mercado;

Leia mais

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro 1 2 O que é o Mercado de Capitais A importância do Mercado de Capitais para a Economia A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro O que é Conselho Monetário Nacional (CNM) O que é Banco Central (BC)

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO DE SEGUROS POR MEIOS REMOTOS

COMERCIALIZAÇÃO DE SEGUROS POR MEIOS REMOTOS COMERCIALIZAÇÃO DE SEGUROS POR MEIOS REMOTOS 2014 Aluizio Barbosa l Direito - UFRJ l MBA Direito de Empresas PUC-RJ l Especialização em Desenvolvimento Gerencial IBMEC-RJ l Sócio do escritório Pellon &

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA SECOM-PR N o 8 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2014 Disciplina a implantação e a gestão da Identidade Padrão de Comunicação Digital das

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web 2010

Introdução à Tecnologia Web 2010 IntroduçãoàTecnologiaWeb2010 Internet ÓrgãosRegulamentadores ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger Internet Órgãosregulamentadores Índice 1 Breve Histórico da Internet... 2 2 Surgimento

Leia mais

Mercado Segurador em 2015 - Uma Visão Executiva

Mercado Segurador em 2015 - Uma Visão Executiva Mercado Segurador em 2015 - Uma Visão Executiva Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Maio/2009 Sumário 1) Situação Atual 2) Mercado Segurador em 2015?? (1ª Pesquisa Dezembro/2008) 3) Mercado Segurador

Leia mais

Marco Antonio Rossi. FenaPrevi e o Mercado de Seguros e Previdência

Marco Antonio Rossi. FenaPrevi e o Mercado de Seguros e Previdência Marco Antonio Rossi FenaPrevi e o Mercado de Seguros e Previdência 1 Agenda 1. Linha do Tempo 2. Mercado Brasileiro 3. Indicadores de Desenvolvimento 4. Cenários 5. O Agregado de Oportunidades 6. Seguros

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO OS 002/DINFO/2014 29/10/2014. Art. 1º: Para fins de normatização da Política de Uso da Rede WIFI UERJ, com vistas a assegurar:

ORDEM DE SERVIÇO OS 002/DINFO/2014 29/10/2014. Art. 1º: Para fins de normatização da Política de Uso da Rede WIFI UERJ, com vistas a assegurar: A DIRETORIA DE INFORMÁTICA DINFO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO -UERJ, no uso de suas atribuições legais, estabelece: Art. 1º: Para fins de normatização da Política de Uso da Rede WIFI UERJ,

Leia mais

Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito

Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito 1. INTRODUÇÃO O setor de energia sofreu, nos últimos anos, importantes modificações que aumentaram sua complexidade. Para trabalhar

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.3.3- Seguros

Conhecimentos Bancários. Item 2.3.3- Seguros Conhecimentos Bancários Item 2.3.3- Seguros Conhecimentos Bancários Item 2.3.3- Seguros Insegurança nas atividades cotidianas SEGURO Necessidade de controlar o RISCO! Conhecimentos Bancários Item 2.3.3-

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

Pessoas que cuidam de pessoas

Pessoas que cuidam de pessoas Pessoas que cuidam de pessoas Agenda Cenário Econômico Mundial Ranking PIB 2012 15,68 8,22 5,96 3,40 2,60 2,44 2,39 2,02 2,01 1,82 Estados Unidos China Japão Alemanha França Reino Brasil Rússia Itália

Leia mais

oftware Totvs, Linx e Crivo foram os Destaques do Ano entre as empresas desenvolvedoras de software de grande, médio e pequeno portes, de acordo com

oftware Totvs, Linx e Crivo foram os Destaques do Ano entre as empresas desenvolvedoras de software de grande, médio e pequeno portes, de acordo com 73 oftware Totvs, Linx e Crivo foram os Destaques do Ano entre as empresas desenvolvedoras de software de grande, médio e pequeno portes, de acordo com os dados de balanço analisados pela equipe do Anuário

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

Estabelece a codificação dos ramos de seguro e dispõe sobre a classificação das coberturas contidas em planos de seguro, para fins de contabilização.

Estabelece a codificação dos ramos de seguro e dispõe sobre a classificação das coberturas contidas em planos de seguro, para fins de contabilização. CIRCULAR SUSEP Nº 395, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009 Estabelece a codificação dos ramos de seguro e dispõe sobre a classificação das coberturas contidas em planos de seguro, para fins de contabilização. O

Leia mais

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade III Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Lembrando da aula anterior Conceitos e Funções da Moeda Política Monetária Política Fiscal Política Cambial

Leia mais

Visão Geral da Certificação CERTICS

Visão Geral da Certificação CERTICS Projeto 0113009300 - Implementação da CERTICS - Certificação de Tecnologia Nacional de Software IX Workshop Anual do MPS WAMPS 2013 Visão Geral da Certificação CERTICS Palestrante: Adalberto Nobiato Crespo

Leia mais

Seminário Comercialização de Seguros e Previdência Complementar por Meios não Presenciais

Seminário Comercialização de Seguros e Previdência Complementar por Meios não Presenciais Seminário Comercialização de Seguros e Previdência Complementar por Meios não Presenciais Como havíamos falado no evento que realizamos no mês de abril/14 em parceria com a Funenseg, recebemos dos participantes

Leia mais

Regulatory Practice Insurance News

Regulatory Practice Insurance News INSURANCE Regulatory Practice Insurance News FINANCIAL SERVICES Junho 2008 SUSEP Questionário Trimestral Carta-Circular DECON 05, de 09.06.2008 - Demonstrações contábeis e questionário trimestral A presente

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

Seja um parceiro Xact Tecnologia e ofereça ao mercado nossas soluções, voltadas para gerenciamento total dos processos críticos do negócio.

Seja um parceiro Xact Tecnologia e ofereça ao mercado nossas soluções, voltadas para gerenciamento total dos processos críticos do negócio. Seja um parceiro Xact Tecnologia e ofereça ao mercado nossas soluções, voltadas para gerenciamento total dos processos críticos do negócio. Participe da rede de distribuição dos produtos exclusivos da

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

CIRCULAR N 2.971. Documento normativo revogado pela Circular nº 3.280, de 9/3/2005. Art. 1º Regulamentar os seguintes normativos:

CIRCULAR N 2.971. Documento normativo revogado pela Circular nº 3.280, de 9/3/2005. Art. 1º Regulamentar os seguintes normativos: CIRCULAR N 2.971 Documento normativo revogado pela Circular nº 3.280, de 9/3/2005. Regulamenta as Resoluções nº 2.644, de 1999, nº 2.694 e nº 2.695, ambas de 2000, e divulga o Regulamento sobre Contas

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 294, DE 2013.

RESOLUÇÃO CNSP N o 294, DE 2013. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 294, DE 2013. Dispõe sobre a utilização de meios remotos nas operações relacionadas a planos de seguro e de previdência complementar

Leia mais

LEI 4594 de 1964 - Seguros - Regulamentação da Profissão de Corretor

LEI 4594 de 1964 - Seguros - Regulamentação da Profissão de Corretor LEI 4594 de 1964 - Seguros - Regulamentação da Profissão de Corretor LEI Nº 4.594, DE 29 DEZEMBRO DE 1964 (DOU 05.01.1965) Regula a Profissão de Corretor de Seguros. Nota: Ver Resolução SUSEP nº 81, de

Leia mais

Seguros, Previdência e Capitalização

Seguros, Previdência e Capitalização Seguros, Previdência e Capitalização Análise das contas Patrimoniais e do Resultado Ajustado do Grupo Bradesco de Seguros, Previdência e Capitalização: Balanço Patrimonial Mar10 Dez09 Mar09 Ativo Circulante

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 162, DE 2006.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 162, DE 2006. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 162, DE 2006. Institui regras e procedimentos para a constituição das provisões técnicas das sociedades seguradoras, entidades

Leia mais

Como a nuvem mudará as operações de liberação de aplicativos

Como a nuvem mudará as operações de liberação de aplicativos DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Junho de 2013 Como a nuvem mudará as operações de liberação de aplicativos Jacob Ukelson Entrega de aplicativos Sumário Resumo executivo 3 Seção 1: 4 Mudando o cenário de automação

Leia mais

A Colocação do Resseguro Facultativo. Marcus Clementino Março/2013

A Colocação do Resseguro Facultativo. Marcus Clementino Março/2013 1 A Colocação do Resseguro Facultativo Marcus Clementino Março/2013 Marcus Clementino 2 Formação Acadêmica Engenheiro de Sistemas - PUC/RJ - 1971 Ph.D. em Matemática Aplicada - London School of Economics

Leia mais

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Auditoria em Sistemas de Informação Prof. Fabio Costa

Leia mais

Art. 2º Fica alterado o art. 1º da Resolução 3.042, de 28 de novembro de 2002, que passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 2º Fica alterado o art. 1º da Resolução 3.042, de 28 de novembro de 2002, que passa a vigorar com a seguinte redação: RESOLUCAO 3.308 --------------- Altera as normas que disciplinam a aplicação dos recursos das reservas, das provisões e dos fundos das sociedades seguradoras, das sociedades de capitalização e das entidades

Leia mais

Panorama da empresa. Estratégia de negócio. Performance e Portfólio de produtos

Panorama da empresa. Estratégia de negócio. Performance e Portfólio de produtos 2014 Panorama da empresa Estratégia de negócio Performance e Portfólio de produtos Panorama da empresa Panorama da empresa Nossa História Criada em 1992 para atuar nos ramos de vida e acidentes pessoais,

Leia mais

Portal de Fornecedores Não-Revenda

Portal de Fornecedores Não-Revenda Portal de Fornecedores Não-Revenda Introdução ao Portal e Requisitos Técnicos Consulte nesta orientação os processos iniciais para cadastro e acesso ao Portal de Fornecedores Não Revenda assim como os

Leia mais

O papel dominante da mobilidade no mercado de trabalho

O papel dominante da mobilidade no mercado de trabalho Um perfil personalizado de adoção da tecnologia comissionado pela Cisco Systems Fevereiro de 2012 Dinâmica de ganhos com as iniciativas de mobilidade corporativa Os trabalhadores estão cada vez mais remotos,

Leia mais

CASE PRÊMIO ANSP 2005

CASE PRÊMIO ANSP 2005 CASE PRÊMIO ANSP 2005 1 BVP HAND: Mobilidade para fazer cotações através de dispositivos portáteis. Índice...2 Resumo Executivo...3 Clientes no Brasil...4 1. Sinopse...5 2. Problema...6 3. Solução...7

Leia mais

Estatísticas de Seguros

Estatísticas de Seguros Estatísticas de Seguros 2009 Autoridade de Supervisão da Actividade Seguradora e de Fundos de Pensões Autorité de Contrôle des Assurances et des Fonds de Pensions du Portugal Portuguese Insurance and Pension

Leia mais

"A POLEMICA SOBRE "OS CRITÉRIOS TÉCNICOS" NA RESTRIÇÃO DE SEGUROS"

A POLEMICA SOBRE OS CRITÉRIOS TÉCNICOS NA RESTRIÇÃO DE SEGUROS "A POLEMICA SOBRE "OS CRITÉRIOS TÉCNICOS" NA RESTRIÇÃO DE SEGUROS" Contribuição de Dr Rodrigo Vieira 08 de julho de 2008 Advocacia Bueno e Costanze "A POLEMICA SOBRE "OS CRITÉRIOS TÉCNICOS" NA RESTRIÇÃO

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ Introdução O Gerenciamento do Risco de Liquidez no Grupo Didier Levy, considerando as empresas BEXS Banco de Câmbio S/A e BEXS Corretora de Câmbio S/A está

Leia mais

Este documento objetiva a apresentação de nosso voto relativamente ao assunto em epígrafe, acompanhado da respectiva justificativa.

Este documento objetiva a apresentação de nosso voto relativamente ao assunto em epígrafe, acompanhado da respectiva justificativa. VOTO ASSUNTO: AUDIÊNCIA PÚBLICA DA MINUTA DE CIRCULAR QUE DISPÕE SOBRE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA A CONTRATAÇÃO DE SEGURO EM MOEDA ESTRANGEIRA, A CONTRATAÇÃO DE SEGURO NO EXTERIOR E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS

Leia mais

CERTIFICADO INDIVIDUAL DE SEGURO MAPFRE ACIDENTES PESSOAIS PREMIADO

CERTIFICADO INDIVIDUAL DE SEGURO MAPFRE ACIDENTES PESSOAIS PREMIADO Grupo Ramo 0982 Início de vigência às 24 h do dia Nº da Apólice CERTIFICADO INDIVIDUAL DE SEGURO MAPFRE ACIDENTES PESSOAIS PREMIADO Nº do Certificado Individual Fim de vigência às 24 h do dia Data da Emissão

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SEGURO (cultura do seguro) www.sindsegsc.org.br A história do seguro remonta a séculos antes de Cristo, quando as caravanas atravessavam os desertos do Oriente para comercializar camelos.

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 5: Sociedades de crédito ao microempreendedor As sociedades de crédito ao microempreendedor, criadas pela Lei 10.194, de 14 de fevereiro de 2001, são entidades que têm por

Leia mais

Regulatory Practice Insurance News

Regulatory Practice Insurance News Março 2010 SUSEP INSURANCE Regulatory Practice Insurance News FINANCIAL SERVICES Normas Contábeis Carta-Circular CGSOA 01, de 31.03.2010 Demonstrações Financeiras Dispõe sobre as normas contábeis das sociedades

Leia mais

SEGUROS, RESSEGUROS E PREVIDÊNCIA. Resoluções CNSP de fevereiro de 2013. 1. Resolução CNSP nº. 276, de 30 de janeiro de 2013

SEGUROS, RESSEGUROS E PREVIDÊNCIA. Resoluções CNSP de fevereiro de 2013. 1. Resolução CNSP nº. 276, de 30 de janeiro de 2013 SEGUROS, RESSEGUROS E PREVIDÊNCIA 08/03/2013 Resoluções CNSP de fevereiro de 2013 1. Resolução CNSP nº. 276, de 30 de janeiro de 2013 A Resolução CNSP nº. 276, publicada em 18 de fevereiro de 2013 no Diário

Leia mais

Especial Lucro dos Bancos

Especial Lucro dos Bancos Boletim Econômico Edição nº 90 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Especial Lucro dos Bancos 1 Tabela dos Lucros em 2014 Ano Banco Período Lucro 2 0 1 4 Itaú Unibanco

Leia mais

CURSO: Superior de Tecnologia em Gestão Comercial Disciplina: Sistemas de Informação no Varejo Período Letivo: 3º Semestre Professora: Mariana Alves

CURSO: Superior de Tecnologia em Gestão Comercial Disciplina: Sistemas de Informação no Varejo Período Letivo: 3º Semestre Professora: Mariana Alves TI CURSO: Superior de Tecnologia em Gestão Comercial Disciplina: Sistemas de Informação no Varejo Período Letivo: 3º Semestre Professora: Mariana Alves Fuini Pergunta 3: o que a TI abrange e como ela é

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 362, de 26 de março de 2008.

CIRCULAR SUSEP N o 362, de 26 de março de 2008. MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR SUSEP N o 362, de 26 de março de 2008. Estabelece regras para a Nota Técnica Atuarial de Carteira que deverá ser encaminhada com o Plano

Leia mais

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas.

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. BRB 2011 Cespe Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. A respeito da estrutura do Sistema Financeiro Nacional (SFN),julgue os itens a seguir. 1. Ao Conselho Monetário

Leia mais

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa ACESSE Informações corporativas a partir de qualquer ponto de Internet baseado na configuração

Leia mais

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1 ATIVO 1 11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1113 BANCOS CONTA DEPÓSITOS 11131 BANCOS CONTA DEPÓSITOS - MOVIMENTO

Leia mais

Entenda o Novo Sistema de Pagamentos Brasileiro O Novo SPB O que muda com o novo SPB Saiba o que não muda com o novo SPB Saiba mais

Entenda o Novo Sistema de Pagamentos Brasileiro O Novo SPB O que muda com o novo SPB Saiba o que não muda com o novo SPB Saiba mais * Informações de janeiro/2002 * Sumário Entenda o Novo Sistema de Pagamentos Brasileiro O Novo SPB Benefícios do Novo SPB O que é Porque mudar O que muda O que muda com o novo SPB Transferências só com

Leia mais

Manual do módulo Hábil NFC-e Emissor de Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica

Manual do módulo Hábil NFC-e Emissor de Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica Manual do módulo Hábil NFC-e Emissor de Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica Hábil Empresarial 2014 by Ltda (0xx46) 3225-6234 I Hábil Empresarial NFC-e Índice 1 Cap. I Introdução 1 O que é... o Hábil NFC-e

Leia mais

O mundo é melhor quando a vida é mais segura. Prontos para o amanhã

O mundo é melhor quando a vida é mais segura. Prontos para o amanhã O mundo é melhor quando a vida é mais segura. Prontos para o amanhã AIG Marca sinônimo de excelência em gestão de riscos. Com atuação global, a AIG é reconhecida como referência no mercado de seguros.

Leia mais

A ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE RESSEGUROS

A ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE RESSEGUROS REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Conjuntura Walter Douglas Stuber e Adriana Maria Gödel Stuber WALTER DOUGLAS STUBER é Advogado especializado em Direito Empresarial, Bancário e Mercado de Capitais e sócio-fundador

Leia mais

práticas recomendadas Cinco maneiras de manter os recrutadores à frente da curva social

práticas recomendadas Cinco maneiras de manter os recrutadores à frente da curva social práticas recomendadas Cinco maneiras de manter os recrutadores à frente da curva social Não há dúvidas de que as tecnologias sociais têm um impacto substancial no modo como as empresas funcionam atualmente.

Leia mais

Conjunto de soluções garante uma série de benefícios aos mais de 27 milhões de contribuintes do IRPF

Conjunto de soluções garante uma série de benefícios aos mais de 27 milhões de contribuintes do IRPF Conjunto de soluções garante uma série de benefícios aos mais de 27 milhões de contribuintes do IRPF Perfil A Secretaria da Receita Federal do Brasil RFB desempenha funções essenciais para que o Estado

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA VENDA DE SEGUROS EM ORGANIZAÇÕES VAREJISTAS

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA VENDA DE SEGUROS EM ORGANIZAÇÕES VAREJISTAS MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA VENDA DE SEGUROS EM ORGANIZAÇÕES VAREJISTAS 18/03/2014 Manual de Boas Práticas para Venda de Seguro em Organizações Varejistas 1. Introdução A estabilização da economia nacional,

Leia mais

Apresentação. Queremos lhe dar as boas-vindas à San Martin Corretora de Seguros um negócio seguro até no nome.

Apresentação. Queremos lhe dar as boas-vindas à San Martin Corretora de Seguros um negócio seguro até no nome. Apresentação Queremos lhe dar as boas-vindas à San Martin Corretora de Seguros um negócio seguro até no nome. História A empresa foi fundada no ano de 1995 na cidade paulista de São José do Rio Preto e

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 297, DE 2013.

RESOLUÇÃO CNSP N o 297, DE 2013. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 297, DE 2013. Disciplina as operações das sociedades seguradoras por meio de seus representantes de seguros, pessoas jurídicas,

Leia mais